Sei sulla pagina 1di 9

>>Atas

 CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  


 
 

Entrevista  com  Idosos:  percepções  de  qualidade  de  vida  na  velhice  

1 2 1  
Lara  Carvalho  Vilela  de  Lima ,  Wilza  Vieira  Vilella ,  Cléria  Maria  Lobo  Bittar
 
1
Programa  de  Pós  Graduação  Mestrado  e  Doutorado  em  Promoção  da  Saúde  da  Universidade  de  Franca  
2
Departamento  de  Medicina  Preventiva  da  Universidade  Federal  de  São  Paulo  

Resumo.   Pesquisa   realizada   com   32   idosos   de   ambos   os   sexos,   residentes   em   cinco   municípios   brasileiros   de  
pequeno  porte,  que  buscou  conhecer  suas  percepções  sobre  qualidade  de  vida.  Para  tanto  utilizou-­‐se  a  entrevista,  
cujo  roteiro  de  perguntas  abertas  foi  embasado  nos  domínios  dos  questionários  WHOQOL-­‐OLD  e  WHOQOL-­‐BREF.  
Estas   foram   posteriormente   transcritas   e   tratadas   à   luz   da   análise   do   conteúdo.   Não   se   pretendeu   criar   novo  
instrumento   ou   adaptar   o   existente,   entretanto   a   realização   de   entrevistas   abertas   orientadas   pelas   perguntas  
extraídas   dos   domínios   do   instrumento,   revelou-­‐se   bastante   produtiva   quanto   à   coleta   de   informações,   quando  
comparado   a   trabalhos   anteriormente   realizados   exclusivamente   com   os   instrumentos,   que   demonstraram   que  
idosos   de   baixa   escolaridade   tinham   dificuldades   na   compreensão   dos   termos   e   vocábulos   propostos   pelos  
instrumentos.    
Palavras-­‐chave:  Entrevistas  com  idosos.  Qualidade  de  vida  na  velhice.  Whoqol-­‐Old  e  Bref.    

Interview  With  The  Elderly:  perceptions  of  quality  of  life  in  old  age    
Abstract.   Survey   of   32   elderly   of   both   sexes,   living   in   five   Brazilian   cities,   which   sought   to   meet   his   perceptions  
about   quality   of   life.   To   do   this   the   interview   was   applied,   whose   screenplay   of   open-­‐ended   questions   was   based   in  
the   areas   of   WHOQOL-­‐OLD   and   WHOQOL-­‐BREF   questionnaires.   These   were   later   transcribed   and   treated   in   light   of  
the   analysis   of   the   content.   It   was   not   intended   to   create  a   new   instrument   or   adapt   the   existing,   however   open  
interviews   guided   by   questions   from   the   fields   of   instrument,   proved   to   be   very   productive   with   respect   to  
gathering   information,   when   compared   to   works   previously   carried   out   exclusively   with   the   instruments,   which  
have  shown  that  seniors  with  low  schooling  had  difficulties  in  understanding  of  terms  and  words  proposed  by  the  
instruments.  
Keywords:  Interviews  with  elderly  people.  Quality  of  life  in  old  age.  Whoqol-­‐Old  e  Bref.    

1  Introdução  

As   quedas   das   taxas   de   mortalidade   e   fecundidade   ocorridas   no   Brasil   foram   responsáveis   pela  
mudança   da   estrutura   etária   do   país   e   consequentemente   pela   transição   demográfica,   com  
expressivo  aumento  do  número  de  idosos  e  da  expectativa  de  vida.        
As  projeções  indicam  que  em  2020  a  população  brasileira  acima  de  60  anos  atingirá  um  percentual  
de  13,7%  (28,3  milhões)  e  em  2040  representarão  quase  um  quarto  do  total  de  habitantes  do  país  
23,8%  (52  milhões  de  pessoas)  (Mendes,  Sá,  Miranda,  Lyra  &Tavares,  2012).    
O  aumento  do  número  de  anos  de  vida  não  significa  que  as  pessoas  vivam  melhor.  São  necessárias  
ações   específicas   que   garantam   aos   cidadãos   a   chance   de   viver   esta   etapa   de   forma   digna   e   com  
qualidade  (Brasil,  2006).  
A  qualidade  de  vida  (QV)  envolve  uma  variedade  de  fatores.   Segundo   Neri   (2008,   p.   163)   “QV   é   um  
evento  que  tem  múltiplas  dimensões,  é  multideterminado,  diz  respeito  à  adaptação  de  indivíduos  e  
grupos   humanos,   em   diferentes   épocas   e   sociedades,   e   assim,   sua   avaliação   tem   como   referência  
diversos  critérios”.  
O   Grupo   WHOQOL   da   Organização   Mundial   da   Saúde   (OMS)   define   QV   como   “a   percepção   do  
indivíduo  de  sua  posição  na  vida,  no  contexto  de  sua  cultura  e  no  sistema  de  valores  em  que  vive  e  
em  relação  a  suas  expectativas,  seus  padrões  e  suas  preocupações”.  Esta  considera  o  conceito  de  QV  

57  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

amplo,   e   incorpora   a   saúde   física,   o   estado   psicológico,   o   nível   de   independência,   as   relações   sociais,  
as  crenças  pessoais  e  a  relação  com  aspectos  significativos  do  meio  ambiente  (The  WHOQOL  Group,  
1995  apud  Fleck,  2008,  p.25).  
Para   Paschoal   (2006),   a   natureza   abstrata   do   termo   explica   porque   o   significado   de   uma   boa   QV   é  
diferente   para   diferentes   pessoas,   em   distintos   lugares   e   ocasiões.   Talvez,   cada   indivíduo   tenha   um  
conceito   próprio,   submetido   a   múltiplos   pontos   de   vista,   dada   a   variedade   de   dimensões   a   serem  
aferidas.   Segundo   o   autor,   quando   se   pensa   em   QV   para   idosos,   algumas   incertezas   pairam.   Por  
exemplo,  o  que  pensam  os  idosos  sobre  QV?  Como  eles  definem  QV?  Quais  modificações  poderiam  
ser  implementadas  para  alcançar  uma  QV  excelente,  no  ponto  de  vista  dos  idosos?  
A  complexidade  da  relação  entre  envelhecimento  e  QV  foi  observada  durante  pesquisa  em  que  foi  
comparada  a  percepção  de  QV  entre  dois  grupos  de  idosos  em  um  pequeno  município  brasileiro,  a  
partir  da  aplicação  dos  questionários  WHOQOL-­‐OLD  e  WHOQOL-­‐BREF  e  da  realização  de  entrevistas  
abertas   (Lima,   2010).   Nesta   oportunidade   foi   constatado,   que   aqueles  idosos   que   frequentavam   as  
atividades  realizadas  no  grupo  da  terceira  idade  tiveram  melhor  percepção  de  QV  global  e  em  outros  
domínios  em  relação  aos  que  não  frequentavam  essas  atividades.  Entretanto,  foi  observado,  durante  
a   aplicação   dos   questionários   que   muitas   perguntas   existentes   nos   mesmos   não   eram   claramente  
compreendidas   pela   maior   parte   dos   participantes.   Vale   ressaltar   que   durante   a   aplicação   dos  
questionários   os   termos   empregados   nas   perguntas   que   não   foram   compreendidos   pelos  
participantes  não  foram  substituídos  por  outros.    
Percebeu-­‐se  neste  caso,  o  quanto  QV  é  um  tema  complexo  de  se  avaliar,  principalmente  utilizando  
apenas   métodos   quantitativos,   pois   cada   pessoa   tem   uma   concepção   sobre   a   sua   QV,   que   pode  
variar,   considerando   a   idade,   a   origem,   a   cultura,   os   valores   e   os   sentimentos   vividos   em  
determinados  momentos  de  suas  vidas,  extrapolando  muitas  vezes  as  respostas  que  os  questionários  
oferecem.  Coelho  (2012)  considera  importante  a  realização  da  pesquisa  qualitativa  sobre  percepção  
de  QV  dos  idosos,  para  que  a  subjetividade  desse  construto  possa  ser  melhor  explorada  e  analisada.    
Além   disso,   a   baixa   escolaridade   e   principalmente   o   contexto   e   a   cultura   na   qual   as   pessoas   estão  
inseridas   podem   interferir   no   entendimento   dos   idosos   em   relação   às   perguntas   existentes   em  
questionários,   limitar   a   compreensão   sobre   determinados   assuntos   ou   até   mesmo   interferir   nas  
respostas,  que  neste  caso,  podem  não  fazer  sentido  aos  idosos.  Braz  (2012)  observou  em  pesquisa  
sobre  percepção  de  QV  entre  idosas  em  uma  cidade  de  médio  porte,  que  a  maioria  das  participantes  
apresentou   boa   compreensão   dos   questionários   WHOQOL-­‐OLD   e   BREF,   provavelmente   porque   estas  
tinham  maior  grau  de  escolaridade  do  que  os  participantes  do  estudo  de  Lima  (2010).  
Outro   problema   foi   identificado   por   Maués,   Paschoal,   Jaluul,   França   &   Filho,   (2010)   em   pesquisa  
realizada   com   idosos.   Houve   dificuldade   em   compor   a   amostra   devido   ao   grande   número   de  
analfabetos,   principalmente   os   mais   velhos,   já   que   o   WHOQOL-­‐OLD   era   auto-­‐aplicado;   assim,   o  
analfabetismo  foi  critério  de  exclusão.  Outra  limitação  encontrada  neste  estudo  foi  a  impossibilidade  
de   auxílio   por   parte   de   familiares,   cuidadores   ou   do   pesquisador   para   o   preenchimento   do  
questionário.  Isto  foi  criticado  por  idosos  com  dificuldade  de  entendimento  de  termos  e  expressões  
encontradas  nas  perguntas  e  opções  de  resposta.  
O  questionário  WHOQOL-­‐BREF  é  uma  versão  abreviada  do  WHOQOL-­‐100,  instrumento  genérico  que  
afere   QV   e   pode   ser   aplicado   em   uma   variedade   de   populações.   O   WHOQOL-­‐BREF   foi   validado   em  
vários   centros   do   mundo,   inclusive   no   Brasil,   em   Porto   Alegre,   onde   a   amostra   foi   composta   por  
pessoas  doentes  e  saudáveis  (Chachamovich  &  Fleck,  2008).  A  versão  OLD  também  foi  desenvolvida  
pelo  grupo  WHOQOL  com  o  objetivo  de  oferecer  um  conjunto  de  itens  adicionais  para  a  avaliação  da  
QV  de  idosos,  a  partir  de  uma  metodologia  transcultural.  Sua  validação  e  tradução  foram  feitas  em  
vários   centros   do   mundo,   incluindo   o   Brasil,   obedecendo   a   uma   metodologia   padronizada,   com   a  
participação   de   cinco   grupos   focais   que   incluíram   idosos   saudáveis   e   doentes   (Chachamovich,  
Trentini,  Fleck,  Schmidt  &  Power  (2008);  Fleck,  Chachamovich  &  Trentini,  2003).  

58  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

Assim,   foi   questionado   se   uma   abordagem   dos   diferentes   temas   descritos   pelos   domínios   dos  
questionários  WHOQOL-­‐OLD  e  WHOQOL-­‐BREF  por  meio  de  entrevistas  abertas,  com  base  em  outra  
metodologia,   especificamente   a   partir   da   utilização   de   uma   abordagem   qualitativa,   e   ampliando   o  
escopo   para   idosos   que   residem   em   diferentes   municípios   brasileiros   de   pequeno   porte,   poderia  
proporcionar   um   melhor   entendimento   das   perguntas   e   consequentemente   respostas   mais   amplas  
sobre  os  assuntos  propostos.    
Dada  a  heterogeneidade  do  processo  de  envelhecimento  no  Brasil  é  essencial  conhecer  os  pontos  de  
vista,   sentimentos   e   expectativas   dos   sujeitos   nesta   fase   da   vida.   Conhecer   e   compreender   as  
percepções  de  QV  de  idosos  que  residem  em  municípios  de  pequeno  porte  torna-­‐se  relevante  para  a  
elaboração   de   ações   voltadas   para   a   promoção   de   saúde   dessa   população.   Estes   podem   vivenciar  
experiências   sócio   culturais   particulares   em   relação   ao   processo   de   envelhecimento   que   podem  
refletir   na   sua   percepção   sobre   QV,   consequentemente,   a   abordagem   qualitativa   através   da  
utilização   de   entrevistas   abertas,   por   explorar   os   aspectos   subjetivos   e   aproximar   pesquisador   e  
pesquisado   poderá   oferecer   informações   amplas   sobre   o   tema,   facilitando,   sobretudo   a  
compreensão  dos  assuntos.    
O   presente   estudo   tem   como   objetivo   conhecer   a  percepção  de  QV  de  idosos  utilizando  a  entrevista  
como   técnica   de   coleta,   cujo   roteiro   das   perguntas   se   norteou   nos   temas   dos   questionários  
WHOQOL-­‐OLD  e  WHOQOL-­‐BREF;  e  discutir  a  experiência  de  realizar  entrevistas  abertas  com  idosos.      

2  Metodologia  

Trata-­‐se   de   um   estudo   qualitativo   sobre   percepções   de   QV   na   velhice,   que   utilizou   entrevistas  


abertas   com   idosos,   a   partir   da   utilização   dos   temas   dos   questionários   WHOQOL-­‐OLD   e   WHOQOL-­‐
BREF.   O   projeto   foi   aprovado   pelo   Comitê   de   Ética   em   Pesquisa   (parecer   nº   164.370),   em  
conformidade  com  o  estabelecido  na  Resolução  466/12.  
A   amostra   foi   constituída   por   32   pessoas   com   60   anos   de   idade   ou   mais   (idosos),   de   ambos   os   sexos,  
sendo   15   homens   e   17   mulheres,   que   residem   nos   cinco   municípios   brasileiros   de   pequeno   porte.  
Buscou-­‐se  incluir  um  homem  e  uma  mulher  de  cada  faixa  etária  (60-­‐69  anos,  70-­‐79  anos  e  80  anos  ou  
mais   de   idade),   residentes   na   zona   rural   ou   urbana,   solteiros,   casados   ou   viúvos,   com   diferentes  
graus  de  escolaridade.  
Os  critérios  de  inclusão  foram  idosos  com  residência  fixa  em  algum  dos  cinco  municípios  incluídos  na  
pesquisa,   de   ambos   os   sexos,   sem   comprometimento   mental   ou   cognitivo,   usuários   do   SUS,   e   que  
aceitaram  participar  da  pesquisa  após  a  assinatura  do  Termo  de  Consentimento  Livre  e  Esclarecido  
(TCLE).  
Os  temas  propostos  nas  entrevistas  foram  definidos  considerando-­‐se  aqueles  aceitos  como  os  mais  
importantes  para  se  tratar  da  QV  na  velhice,  de  acordo  com  os  domínios  existentes  no  WHOQOL-­‐OLD  
e   WHOQOL-­‐BREF.   Para   a   coleta   de   dados   foi   utilizado   um   roteiro   de   entrevistas   estruturado   com  
questões   abertas   com   base   nos   domínios   dos   respectivos   questionários   (Chachamovich,   Trentini,  
Fleck,   Schmidt   &   Power,   2008;   Chachamovich   &   Fleck,   2008;   WHO,   2008),   que   incluíram   aspectos  
físicos,   sociais,   ambientais,   psicológicos,   intimidade,   morte,   autonomia,   atividades   passadas-­‐
presentes-­‐futuras   e   funcionamento   dos   sentidos;   precedido   de   dados   sociodemográficos   que  
incluíram:  nome,  idade,  sexo,  situação  de  trabalho,  grau  de  escolaridade,  residência  e  origem  (cidade  
ou  fazenda),  estado  civil  e  religião.    
O  roteiro  das  entrevistas  está  apresentado  no  quadro  abaixo.  
 
 
 

59  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

Quadro  1  -­‐  Roteiro  proposto  nas  entrevistas  relacionado  aos  temas  estruturantes  para  a  QV  na  velhice  
Roteiro  da  entrevista   Temas  importantes  para  a  Qualidade  de  Vida  (QV)  
na  velhice  
1)  Para  você,  o  que  é  ter  qualidade  de  vida?   QV  global  
2)    De  um  modo  geral,  você  está  satisfeito  com  a  sua   Aspectos  físicos  relacionados  ao  envelhecimento  
saúde?   (especialmente  à  saúde  do  idoso)  
3)  Em  sua  opinião,  você  está  realizado  com  a  sua  vida?   Aspectos  psicológicos  (realização  com  a  vida)  
Por  quê?  
4.1)  Você  está  satisfeito  com  as  condições  de  transporte   Ambiental/  Satisfação  com  o  transporte  público  
público  oferecido  no  local  onde  você  mora?  Em  sua  opinião,  o    
que  poderia  melhorar?    
4.2)  E  em  relação  ao  atendimento  na  área  de  saúde,  o   Ambiental/Satisfação  com  o  atendimento  na  área  de  
senhor  (a)  está  satisfeito  com  o  atendimento  na  área  de   saúde  
saúde  oferecido  no  local  onde  você  mora?  Em  sua  opinião,  o  
que  poderia  melhorar?  
5)  No  seu  entender,  as  perdas  nos  seus  sentidos,  se  as   Funcionamento  dos  sentidos  
tiver  (por  exemplo,  audição,  visão,  paladar,  olfato,  tato),  
afetam  a  sua  vida?  Em  quê?  
6)  Você  tem  liberdade  de  tomar  as  suas  próprias   Autonomia  
decisões  na  sua  vida?  Por  quê?  
7.1)  Você  está  satisfeito  com  aquilo  que  alcançou  na  sua   Aspectos  relacionados  às  atividades  passadas-­‐
vida?   presentes-­‐futuras  
7.2)  O  que  você  espera  daqui  para  frente?  
8.1)  Você  está  satisfeito  com  as  oportunidades  de  lazer   Relações  sociais  e  participação  social  (lazer  e  atividade  
que  você  tem  em  sua  comunidade?   física)  
8.2)  Você  pratica  algum  tipo  de  atividade  física?  
9)  O  que  você  pensa  sobre  a  morte?   Morte  
10)  Você  sente  amor  em  sua  vida?   Intimidade  (amor)  
11)  Em  sua  opinião,  quais  ações  poderiam  ser  feitas  aqui,   Ações  para  melhorar  a  QV  dos  idosos  
neste  município,  para  melhorar  a  sua  qualidade  de  vida?  

Fonte:  Temas  com  base  nos  domínios  dos  questionários  WHOQOL-­‐OLD  e  WHOQOL-­‐BREF.  

Foi   incluída   no   roteiro   uma   pergunta   sobre   as   ações   que   melhorariam   a   QV   dos   participantes  
(questão  11).  
Este   instrumento   foi   aplicado   previamente   em   um   estudo   piloto   em   fevereiro   de   2013,   em   idosos   de  
ambos  os  sexos  e  diferentes  faixas  etárias,  residentes  em  um  dos  municípios.  Após  o  estudo  piloto,  
foi  feito  um  ajuste  no  roteiro  para  realização  das  entrevistas  definitivas,  pois  foi  constatado  que  em  
algumas   perguntas,   por   exemplo,   referentes   ao   domínio   funcionamento   dos   sentidos,   muitos  
participantes   tiveram   dificuldades   de   compreender   algumas   palavras,   como   tato,   paladar   e   olfato.  
Neste  caso,  foram  utilizadas  expressões  sinônimas:  vista/enxergar,  ouvir,  toque,  cheiro  e  gosto,  para  
explicar  a  pergunta  e  facilitar  a  compreensão  durante  as  entrevistas.    Do  mesmo  modo,  alguns  idosos  
não   compreenderam   as   palavras   lazer   e   atividade   física,   por   isso,   foram   utilizados   termos   como  
distração,   diversão   e   exercícios   físicos,   mais   habituais   para   o   vocabulário   deles.   Assim,   durante   as  
entrevistas,  quando  surgiam  dúvidas  em  relação  aos  termos  empregados,  palavras  sinônimas  foram  
utilizadas  para  facilitar  o  entendimento.  
As   entrevistas   foram   gravadas,   transcritas   e   posteriormente   analisadas,   através   das   técnicas   de  
análise   do   conteúdo,   que   incluíram   as   seguintes   etapas:   pré-­‐análise,   codificação   do   material   e  
interpretação   dos   resultados   (Oliveira,   2008).   Observações   relativas   ao   contexto   da   entrevista,   como  
expressões   verbais,   linguísticas,   corporais   ou   faciais   surgidas   durante   as   perguntas,   gestos   ou   falas  
ditas   após   desligar   o   gravador   e   emoções   (riso   ou   choro)   que   emergiram   durante   as   falas   foram  
anotadas  no  diário  de  campo.    

60  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

A   análise   das   falas   considerou   em   um   primeiro   momento   as   percepções   dos   idosos   em   relação   à   QV.    
Para   a   análise   do   material,   após   a   leitura   exaustiva   das   entrevistas,   foi   realizada   a   organização   dos  
seus  conteúdos  de  acordo  com  as  categorias  que  emergiram  em  cada  bloco  temático.    
Posteriormente,  foi  relatada  a  experiência  de  realizar  entrevistas  abertas  com  idosos,  cujos  desafios  
foram  observados  e  discutidos.    
Todas   as   entrevistas   foram   realizadas   individualmente,   respeitando   a   confidencialidade   e   o   sigilo   das  
informações  de  cada  participante.    

3  Resultados  e  Discussão  

Foram   entrevistados   15   homens   e   17   mulheres   (32   pessoas),   distribuídos   homogeneamente   nas  


faixas   etárias   de   60-­‐69   anos,   70-­‐79   anos   e   80   anos   ou   mais.   Dentre   os   32   idosos,   18   foram  
entrevistados  nas  suas  próprias  residências  e  14  nos  locais  onde  iam  realizar  suas  atividades.  
A   maioria   estava   casada,   e   apenas   algumas   as   mulheres   solteiras   ou   divorciadas.   Quanto   à  
escolaridade,  a  maioria  apresentou  ensino  fundamental  incompleto.  Em  relação  à  religião,  a  maioria  
se   declarou   católica.   A   maior   parte   dos   participantes   estava   aposentada.   Dos   32   entrevistados  
apenas  um  não  teve  experiência  de  morar  na  fazenda  por  determinado  tempo.  
Os   fatores   apontados   pelos   participantes   para   definir   QV   na   velhice   foram   amplos.   Aspectos   como  
ter  saúde,  manter  a  autonomia  e  a  independência;  aliados  às  ofertas  de  serviços  públicos,  à  prática  
de  atividade  física  e  o  lazer;  e  os  aspectos  subjetivos  (ter  paz,  alegria,  amor,  ter  amizade,  boa  relação  
familiar  e  espiritualidade)  são  importantes  nas  percepções  dos  idosos  e  se  integram  para  conceituar  
QV.    
As  categorias  que  emergiram  a  partir  da  análise  das  falas  foram:  ‘QV  e  saúde:  diferentes  concepções’,  
‘A   importância   dos   serviços   públicos   para   a   QV   de   idosos’,   ‘A   sensação   de   bem-­‐estar   e   a   importância  
das   relações   pessoais   para   a   QV   na   velhice’,   ‘Novas   conquistas   X   falta   de   expectativas   com   o  
envelhecimento’,   ‘A   espiritualidade/religiosidade   como   formas   de   promoção   de   saúde   para   idosos  
residentes  em  municípios  de  pequeno  porte’.  
Outros   estudos   utilizaram   a   metodologia   qualitativa   para   estudar   QV   na   velhice   e   encontraram  
variedade   de   conceitos   relacionados   ao   tema,   os   quais   sustentam   a   importância   desta   abordagem  
metodológica   diante   deste   construto   (Tahan   &   Carvalho   (2010),   Irigaray   &   Trentini   (2009),   Ruiz,  
Corrente,  Bocchi,  Donalísio  &  Cordeiro,  (2008).  
A   análise   das   entrevistas   também   mostrou   que   as   respostas   não   se   limitavam   apenas   ao   tema  
perguntado,  mas  ampliavam-­‐se;  os  idosos,  em  sua  maioria,  demonstraram  interesse  em  falar  de  suas  
vidas   e   dialogar   com   a   pesquisadora.   Este   fato   ocorreu   na   maioria   das   perguntas.   Toma-­‐se   como  
exemplo,   o   relato   sobre   os   aspectos   espirituais,   que   sobressaíram   na   maioria   das   falas,   não   havendo  
nenhuma  pergunta  que  os  abordassem  diretamente.    
Pérez  &  Navarrete  (2009)  afirmaram  que  a  finalidade  da  entrevista  consiste  na  obtenção  de  um  tipo  
de   informação   por   meio   da   qual   se   busca   compreender   as   perspectivas   que   têm   os   entrevistados  
sobre   suas   ideias,   valores   ou   situações   que   viveram.   Além   disso,   para   Fraser   &   Gondim   (2004)   a  
entrevista   ao   privilegiar   a   fala   dos   atores   sociais,   permite   atingir   um   nível   de   compreensão   da  
realidade  humana  que  se  torna  acessível  por  meio  de  discursos.    
Em  pesquisa  realizada  com  idosos  em  Foz  do  Iguaçu-­‐  Paraná  foi  utilizado  o  questionário  WHOQOL-­‐
OLD.   Nesta   oportunidade   os   autores   concluíram   que   este   instrumento   mostrou-­‐se   útil   para   a  
avaliação   da   QV   dos   participantes,   porém,   não   o   suficiente   para   explicar   a   variabilidade   de  
significados   que   o   idoso   pode   revelar,   expondo   outros   fatores   significantes,   já   que   a   avaliação   de   um  
mesmo   indivíduo   pode   variar   com   o   tempo,   com   as   prioridades   ao   longo   da   vida   e   com   as  
modificações  desta  com  o  tempo  (Faller,  Melo,Versa  &  Marcon,  2010).  

61  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

Há  também  que  se  ressaltar  que  existem  entraves  e  desafios  na  realização  das  entrevistas  abertas,  os  
quais  foram  entendidos  de  forma  positiva.  Um  primeiro  foi  conseguir  agendar  as  entrevistas,  que  por  
serem   realizadas   em   diferentes   municípios   demandaram   tempo,   tanto   para   conseguir   o   contato  
inicial   com   os   participantes   e   posteriormente   agendar   o   encontro,   quanto   para   a   realização   das  
perguntas,   no   entanto,   esta   situação   proporcionou   a   chance   de   conhecer   a   realidade   de   outros  
municípios.    
Além  disso,  se  percebeu  que  os  participantes  queriam  falar  sobre  outros  assuntos  que  lhes  vinham  
na   cabeça   naquele   momento   da   entrevista,   pois   queriam   ser   ouvidos.   Assim,   as   conversas   não  
terminavam  quando  o  gravador  era  desligado,  pois  permanecia  a  expectativa  dos  idosos  de  expressar  
os   seus   sentimentos   e   opiniões.   Ao   mesmo   tempo,   foi   a   oportunidade   que   eles   tiveram   em  falar  o  
que   pensavam   e   sentiam   sobre   QV,   por   isso,   demandou   tempo.   Este   fato   permitiu   uma   maior  
compreensão  da  realidade  de  vida  dos  participantes.    
A   forma   específica   de   conversação   que   se   estabelece   em   uma   entrevista   para   fins   de   pesquisa  
favorece   o   acesso   direto   ou   indireto   às   opiniões,   às   crenças   e   aos   significados   que   as   pessoas  
atribuem  a  si,  aos  outros  e  ao  mundo  em  sua  volta.  Deste  modo,  a  entrevista  dá  voz  ao  interlocutor  
para   que  ele  fale  do  que  está  acessível  a  sua  mente  no  momento  da  interação  com  o  entrevistador  e  
em   um   processo   de   influência   mútua   produz   um   discurso   compartilhado   pelos   dois   atores:  
pesquisador  e  participante  (Fraser  &  Gondim,  2004).  
As  entrevistas  foram  realizadas  no  domicílio  ou  nos  locais  onde  os  participantes  realizavam  as  suas  
atividades,   em   meio   a   sua   rotina.   Embora   este   procedimento   tenha   respeitado   a   disponibilidade   dos  
idosos,   em   alguns   casos   comprometeu   a   fluidez   da   conversa,   em   função   de   interrupções.   Este   fato  
novamente   foi   entendido   de   forma   positiva,   uma   vez   que   proporcionou   uma   aproximação   do   seu  
cotidiano.  
Por   meio   das   entrevistas   e   da   interação   verbal   que   elas   proporcionam   entre   o   entrevistador   e   o  
entrevistado,  é  possível  apreender  significados,  valores  e  opiniões,  além  de  compreender  a  realidade  
social  de  forma  mais  profunda.  A  relação  estabelecida  entre  o  entrevistador  e  o  entrevistado  permite  
um   diálogo   amplo   e   aberto,   favorecendo   não   apenas   o   acesso   às   opiniões   e   às   percepções   dos  
entrevistados   à   respeito   de   um   tema,   como   também  a   compreensão   das   motivações   e   dos   valores  
que   dão   suporte   à   visão   particular   da   pessoa   em   relação   às   questões   propostas   (Fraser   &   Gondim,  
2004).  
Outro   desafio   foi   a   dificuldade   de   compreensão   de   muitos   idosos   diante   dos   termos   existentes   no  
roteiro.  Mesmo  tendo  sido  realizado  um  pré-­‐teste,  muitas  vezes  houve  necessidade  de  adequação  do  
vocabulário,   dado   que   o   contexto   vivenciado   pela   maioria   é   rural;   situação   que   pode   ter  
comprometido  o  entendimento  e  o  fluxo  da  entrevista  em  virtude  de  algumas  palavras  não  estarem  
presentes  no  convívio  e  vocabulário  destas  pessoas.  
Embora   os   questionários   WHOQOL-­‐OLD   e   WHOQOL-­‐   BREF   sejam   validados   para   o   Brasil,   é   preciso  
considerar   que   o   país   é   marcado   por   profundas   diferenças   regionais   e   socioculturais,   inclusive   em  
relação   ao   vocabulário,   o   que   pode   influenciar   na   compreensão   de   idosos   em   relação   a   alguns  
termos   existentes.   A   realização   de   entrevistas   abertas   permitiu   adequação   do   vocabulário,   liberdade  
de   expressão   e   simplificação   da   linguagem,   facilitando   a   compreensão   e   o   sentido   das   palavras  pelos  
participantes.  
Um  estudo  verificou  que  a  forma  de  construto  dos  instrumentos  utilizados  em  pesquisa  com  idosos  
residentes   em   Botucatu-­‐SP   não   se   aplicava   à   realidade   deles,   que   apresentaram   dificuldade   de  
interpretação   das   questões.   Por   isso,   foram   feitas   pelos   autores   adaptações   aos   questionários  
validados  para  facilitar  a  compreensão  dos  participantes  (Joia,  Ruiz  &  Donalísio,  2007).  
Entende-­‐se   que   em   pesquisa   com   idosos   as   técnicas   e   abordagens   metodológicas   utilizadas   devem  
ser  de  fácil  aplicação  e  entendimento,  de  modo  que  facilitem  a  comunicação  entre  o  pesquisador  e  o  
entrevistado.  

62  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

Outro   fato   chamou   a   atenção   em   relação   a   algumas   respostas   apresentadas,   principalmente   em  


relação  ao  domínio  ambiental  e  social,  que  buscou  conhecer  a  satisfação  dos  idosos  com  os  serviços  
existentes  nos  municípios  nas  áreas  de  saúde,  transporte  público  e  lazer.  Os  resultados  mostraram  
que  num  primeiro  momento  os  participantes  apontaram  satisfação  com  esses  serviços,  mas  quando  
perguntados  sobre  as  possíveis  melhorias,  apresentaram  críticas  e  sugestões  para  melhorá-­‐los.  Este  
dado   pôde   ser   captado   por   meio   da   entrevista   que   inicialmente   retratou   o   conformismo   dos  
participantes   ao   responderem   satisfação,   e   logo   em   seguida,   permitiu   que   eles   falassem   a   respeito  
das   suas   expectativas   em   prol   de   mudanças,   permitindo   posteriormente   durante   as   análises   do  
conteúdo  a  articulação  entre  as  falas.    
Em   estudo   realizado   sobre   os   serviços   de   saúde   e   a   satisfação   do   usuário   em   Campinas-­‐SP,   os  
autores  concluíram  que  o  estudo  qualitativo  revelou  aspectos  que  não  seriam  notados  a  partir  das  
questões   quantitativas,   abrindo   espaço,   por   exemplo,   para   as   queixas   relativas   ao   serviço   e   aos  
profissionais  de  saúde  do  local  (Garcia,  Rodrigues  &  Borega,  2005).    
A  experiência  deste  estudo  possibilitou  aprofundar  o  tema  da  QV,  identificando  motivos  e  razões  que  
os  afetam,  segundo  a  percepção  dos  idosos.  Este  conhecimento  serve  para  apoiar  o  desenvolvimento  
de  ações  para  melhorar  a  QV  das  pessoas,  pois  fornece  dados  mais  condizentes  com  a  realidade,  pelo  
fato  de  captar  as  histórias  de  vida  dos  participantes.    
Segundo   Günther   (2006)   a   questão   não   é   comparar   ou   colocar   a   pesquisa   quantitativa   versus   a  
pesquisa  qualitativa,  não  é  decidir-­‐se  por  uma  ou  outra,  mas  sim  considerar  o  objeto  em  estudo,  as  
implicações   de   natureza   prática,   empírica   e   técnica.   A   abordagem   metodológica   escolhida   deve  
permitir   em   um   mínimo   de   tempo   chegar   a   um   resultado   que   melhor   contribua   para   a   compreensão  
do  fenômeno  estudado  e  para  o  avanço  do  bem-­‐estar  social.    
Ressalta-­‐se   que   mesmo   diante   dos   desafios   que   podem   surgir   frente   à   utilização   de   entrevistas  
abertas   com   idosos,   os   pontos   positivos   se   destacam   como   forma   de   produzir   conhecimento,   e  
propiciam   concomitantemente   a   capacidade   de   interpretação   dos   dados,   que   passam   a   ter   sentido   a  
partir  da  integração  das  falas,  vivências  e  do  contexto  de  vida  dos  participantes.  Destacou-­‐se  neste  
estudo   que   a   pesquisa   qualitativa   permitiu   o   conhecimento   profundo   das   questões   relativas   à  
percepção   de   QV   na   velhice,   de   modo   a   sustentar   ações   que   de   fato   se   aproximem   das   suas  
necessidades.  

4  Conclusão  

O  estudo  apontou  a  amplitude  de  termos  que  define  QV  na  velhice  para  os  participantes  do  estudo  e  
as   particularidades   que   envolvem   o   processo   de   envelhecimento   em   municípios   brasileiros,  
sobretudo   os   de   pequeno   porte   que   sofrem   forte   influência   do   estilo   de   vida   e   costumes   da   zona  
rural.  Além  disso,  a  abordagem  qualitativa,  em  especial  a  realização  de  entrevistas  abertas,  mostrou-­‐
se   importante   para   o   estudo   da   percepção   de   QV,   pois   a   partir   das   falas   é   possível   aprofundar   o  
conhecimento  sobre  o  assunto  frente  a  realidade  vivida.  
Observou-­‐se   que   os   temas   abordados   nos   domínios   dos   questionários   WHOQOL-­‐OLD   e   WHOQOL-­‐
BREF  são  interessantes  e  importantes  para  conhecer  as  percepções  da  QV  da  população,  em  especial  
da   idosa.   Embora   algumas   perguntas   existentes   nos   respectivos   questionários   causem   certa  
dificuldade   de   compreensão,   principalmente   considerando   idosos   com   baixa   escolaridade   e   que  
residem   em   municípios   de   pequeno   porte   marcados   por   um   contexto   rural,   ao   utilizar   os   temas  
referentes  aos  domínios  a  partir  da  entrevista  aberta  constatou-­‐se  mais  facilidade  de  entendimento  
e  liberdade  para  os  participantes  responderem.  
As   pesquisas   realizadas   com   abordagens   qualitativas   demonstram   ser   importantes   fontes   de  
conhecimento   sobre   as   questões   relativas   à   percepção   de   QV   na   velhice,   pois   consideram   os  

63  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

aspectos   subjetivos   e   o   ponto   de   vista   dos   participantes   sobre   um   assunto,   fornecem   informações  
variadas  que  são  importantes  para  a  formulação  de  ações  e  estratégias  de  cunho  social,  assistencial,  
da  promoção  da  saúde,  entre  outros,  e  permitem  mais  liberdade  durante  a  sua  utilização,  pelo  fato  
da  linguagem  ser  mais  próxima  do  universo  cultural  e  social  do  participante.      

Referências  

BRASIL.   Ministério   da   Saúde.   (2006).   Secretaria   de   Atenção   à   Saúde.   Departamento   de   Ações  


Programáticas  e  Estratégicas.  Atenção  à  saúde  da  pessoa  idosa  e  envelhecimento.  Secretaria  de  
Atenção  à  Saúde,  Departamento  de  Ações  Programáticas  e  Estratégicas,  Área  Técnica  Saúde  do  
Idoso.  Brasília:  Ministério  da  Saúde.    

Braz,  I.  A.  (2012).  Percepção  da  qualidade  de  vida  de  idosas  participantes  e  não  participantes  de  um  
grupo   de   convivência   da   terceira   idade   de   Catanduva   (SP).   Dissertação   (Mestrado   em   Promoção  
de  Saúde)  –  Universidade  de  Franca,  Franca.  

Chachamovich,  E.;  Fleck,  M.  P.  A.  (2008)  Desenvolvimento  do  WHOQOL-­‐BREF.  In:  FLECK,  M.  P.  A.  et  
al.   (Org.).   A   avaliação   de   qualidade   de   vida:   guia   para   profissionais   da   saúde.   Porto   Alegre:  
Artmed.  cap.  6,  p.  75-­‐82.  

Chachamovich,  E.;  Trentini,  C.  M.;  Fleck,  M.  P.  A.;  Schmidt,  S.;  Power,  M.    (2008).  Desenvolvimento  do  
instrumento  WHOQOL-­‐OLD.  In:  FLECK,  M.  P.  A.  et  al.  (Org.).  A  avaliação  de  qualidade  de  vida:  
guia  para  profissionais  da  saúde.  Porto  Alegre:  Artmed.  cap.  9,  p.  102-­‐111.  

Coelho,  A.  R.  (2012).  A  contribuição  do  programa  de  saúde  da  terceira  idade  na  qualidade  de  vida  e  
promoção  de  saúde.  Dissertação  (Mestrado  em  Promoção  de  Saúde)  –  Universidade  de  Franca,  
Franca.  

Faller,   J.   W.;   Melo,   W.   A.;   Versa,   G.   L.   G.   S.;   Marcon,   S.   S.   (2010).   Qualidade   de   vida   de   idosos  
cadastrados   na   estratégia   saúde   da   família   de   Foz   do   Iguaçu-­‐PR.   Escola   Anna   Nery,   14(4):803-­‐
810.  

Fleck,  M.  P.  A.  (2008).  Problemas  conceituais  em  qualidade  de  vida.  In:  _______.  (Org.).  A  avaliação  
de  qualidade  de  vida:  guia  para  profissionais  da  saúde.  Porto  Alegre:  Artmed,cap.  1,  p.  19-­‐28.    

Fleck,  M.  P.  A.;  Chachamovich,  E.;  Trentini,  C.  M.  (2003).  Projeto  WHOQOL-­‐OLD:  método  e  resultados  
de  grupos  focais  no  Brasil.  Revista  de  Saúde  Pública,  37(6):  793-­‐799.    

Fraser,   M.   T.   D.;   Gondim,   S.   M.   G.   (2004).   Da   fala   do   outro   ao   texto   negociado:   discussões   sobre   a  
entrevista  na  pesquisa  qualitativa.  Paidéia,  14  (28),  139  -­‐152.  

Garcia,  M.  A.  A.;  Rodrigues,  M.  G.;  Borega,  R.  S.  (2005).  Satisfação  e  qualidade  na  atenção  à  saúde  do  
idoso.  Revista  Ciências  Médicas,  14(6),515-­‐522.    

64  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 

Günther,   H.   Pesquisa   qualitativa   versus   pesquisa   quantitativa:   esta   é   a   questão?   (2006).   Psicologia:  
teoria  e  pesquisa,  22(2),201-­‐210.  

Irigaray,   T.   Q.;   Trentini,   C.   M.   (2009).   Qualidade   de   vida   em   idosas:   a   importância   da   dimensão  


subjetiva.  Estudos  de  Psicologia,  26(3),297-­‐304.      

Joia,   L.   C.;   Ruiz,   T.;   Donalísio,   M.   R.   (2007).   Condições   associadas   ao   grau   de   satisfação   com   a   vida  
entre  a  população  de  idosos.  Revista  de  Saúde  Pública,  41(1),131-­‐138.  

Lima,   L.   C.   V.   (2010).   Avaliação   da   percepção   de   qualidade   de   vida   em   diferentes   grupos   de   idosos   da  


cidade  de  Carneirinho-­‐  MG.  Dissertação  (Mestrado  em  Promoção  de  Saúde)  –  Universidade  de  
Franca,  Franca.  

Maués,  C.  R.;  Paschoal,  S.  M.  P.;  Jaluul,  O.;  França,  C.  C.;  Filho,  W.  J.  (2010).  Avaliação  da  qualidade  de  
vida:  comparação  entre  idosos  jovens  e  muito  idosos.  Revista  Brasileira  de  Clínica  Médica,  8(5),  
405-­‐410.    

Mendes,   A.   C.   G.;   Sá,   D.   A.;   Miranda,   G.   M.   D.;   Lyra,   T.   M.;   Tavares,   R.   A.   W.   (2012).   Assistência  
pública   de   saúde   no   contexto   da   transição   demográfica   brasileira:   exigências   atuais   e   futuras.  
Cadernos  de  Saúde  Pública,  28(5),  955-­‐964.  

Neri,  A.  L.  (Org.).  (2008).  Palavras-­‐chave  em  gerontologia.  3.  ed.  Campinas:  Alínea.    

Oliveira,   D.   C.   (2008).   Análise   de   conteúdo   temático-­‐categorial:   uma   proposta   de   sistematização.  


Revista  de  Enfermagem  UERJ,  16(4),569-­‐576.  

Paschoal,   S.   M.   P.   (2006).   Qualidade   de   vida   na   velhice.  In:   FREITAS,   E.   V.   et   al.   Tratado   de   geriatria   e  
gerontologia.  2.  ed.  Rio  de  Janeiro:  Guanabara  Koogan.  cap.  14,  p.  147-­‐153.    

Pérez,   A.   S.   M.;   Navarrete,   M.   L.   V.   (2009).   Técnicas   qualitativas   aplicadas   em   saúde.   In:   NAVARRETE,  
M.  L.  V.  et  al.  Introdução  às  técnicas  qualitativas  de  pesquisa  aplicadas  em  saúde.  Recife,  Tema  
3,  p.  51-­‐80.  

Ruiz,   T.;   Corrente,   J.   E.;   Bocchi,   S.   C.   M.;   Donalísio,   M.   R.;   Cordeiro,   R.   C.   (2008).     Correlação   entre  
visão   de   qualidade   de   vida   e   aspectos   do   estilo   de   vida   em   idosos   do   município   de   Botucatu-­‐SP.  
Revista  da  APS,  11(2),145-­‐151.  

Tahan,   J.;   Carvalho,   A.   C.   D.   (2010).   Reflexões   de   idosos   participantes   de   grupos   de   promoção   de  


saúde  acerca  do  envelhecimento  e  da  qualidade  de  vida.  Saúde  e  Sociedade,  19(4),  878-­‐888.    

WHO   -­‐   WORLD   HEALTH   ORGANIZATION.   (2008).   Manual   WHOQOL-­‐OLD.   Disponível   em:  
http://www.ufrgs.br/psiquiatria/psiq/WHOQOL-­‐OLD.pdf.  Acesso  em:  24  fev.  2016.    

65