Sei sulla pagina 1di 3

Cantiga de amigo

[Levou-s’a louçana , levou-s’a velida:

Diferença desta cantiga para outras cantigas de amigo


Apesar de o sujeito poético não ser uma donzela e de estarmos perante a narração de um episódio por
uma voz não identificada, esta cantiga é uma cantiga de amigo, o que é visível através da análise de
diversos fatores característicos das cantigas galaico-portuguesas: o vocabulário; a presença de elementos
da natureza e simbólicos como a fonte, o lavar dos cabelos, a água e os cervos do monte; a estrutura
formal (paralelismo perfeito e processo de leixa-pren); as repetições; e o refrão.

Análise da cantiga
A cantiga tem uma estrutura narrativa, uma vez que há referência a personagens - a donzela e o amigo –
e há ainda uma localização espacial- a fonte. Predominam ainda verbos de ação, ligados a gestos e
movimentos.

Esta cantiga, apesar de alguma repetição, apresenta um avanço nas ações. Num primeiro momento, o
narrador diz-nos que a donzela caminha para a fonte para lavar os cabelos. Num segundo momento,
sabemos que a donzela vê o amigo. E, finalmente, sabemos que os cervos do monte volveram a água, o
que poderá significar que a donzela esteve com o amigo (sexualmente).

A água é símbolo de pureza, de inocência, de harmonia. Lavar os cabelos é um ritual higiénico de


purificação e também uma manifestação da sensualidade feminina.

O cervo ao volver a água turva-a. O cervo do monte, enquanto símbolo masculino, constitui uma
referência simbólica ao amigo que, ao passar, deixa perturbada a inexperiente donzela. O volver da água
poderá a significar união entre o amigo e a donzela.

Estrutura formal da cantiga


Em termos formais a cantiga é composta por seis estrofes de dois dísticos e um refrão monóstico. Os
versos têm 11 sílabas métricas. A cantiga caracteriza-se pela presença do paralelismo perfeito. De facto,
em cada par de estrofes, a segunda estrofe repete o conteúdo do primeiro, alterando-se as palavras finais
(sinónimos) em posição de rima: (“velida” por “louçana” e “fria” por “fontana”). O paralelismo está
estruturado pelo processo de leixa-pren, que consiste na repetição do segundo verso da estrofe ímpar no
primeiro verso da estrofe ímpar seguinte, o mesmo acontecendo com as estrofes pares.
CANTE ALENTEJANO
A consagração pela Unesco do cante alentejano como Património Imaterial da Humanidade foi
uma mais-valia para Alentejo e para Portugal.
No meu ponto de vista, esta consagração, além de uma homenagem ao cantar típico do
Alentejo (e no fundo dos hábitos e costumes), é um excelente veículo de promoção e de divulgação da
cultura portuguesa, em geral, e da alentejana, em particular. De facto, sendo a Unesco uma organização
universal, a notícia tem impacto no mundo inteiro, o que acaba por despertar a curiosidade de muitos
cidadãos quer nacionais quer de outros países, levando a uma maior procura dos grupos de cante
alentejano e a um crescimento do turismo na região. Este crescimento turístico, acabará por beneficiar a
cultura e a economia não só da região mas também do país, já que os turistas acabarão por visitar também
outras regiões ou cidades de Portugal. Os reflexos positivos, serão também sentidos a nível social, pois a
procura turística atrai investimento em diversas áreas, seja de lazer seja de cultura, beneficiando o país e
a região, já que a população tem mais emprego, o que traduzirá em melhores condições de vida.
Em jeito de conclusão, podemos referir que a declaração da Unesco trará diversos benefícios
para a região alentejana e para o país, que se traduzirão na cultura que é divulgada mundialmente e na
economia, com o crescimento do número de turistas e com a maior procura de concertos e discos dos
grupos de cante alentejano.

O AMOR
O amor é um sentimento contraditório.
Na verdade, movido pelo sentimento do amor, o ser humano é capaz de tudo, do melhor e do
pior. Por um lado, o ser humano é capaz de dar tudo pelos filhos, pelos pais e pela pessoa amada, deixando
para trás coisas mais insignificantes como o dinheiro e o seu próprio bem estar, numa atitude altruísta.
Daí os investimentos que muitas vezes se faz na educação dos filhos a pensar no futuro deles e nos lares
para os mais idosos a pensar na velhice salutar deles. Por outro lado, o ser humano é bem capaz de
maltratar, de aprisionar e até de matar, numa atitude egoísta e movido por um sentimento a que muitas
vezes chamam amor. São exemplos disso os maus tratos e violência doméstica, movidos pelos ciúmes de
amor e os crimes passionais desencadeados exatamente por uma amor algo doentio.
Em jeito de conclusão, podemos referir que o amor é um sentimento forte que é capaz de tirar
do ser humano o que ele tem de melhor mas também o que ele tem de pior. Como dizia o poeta latino
Horácio “O amor vence tudo”.