Sei sulla pagina 1di 44

1 INTRODUÇÃO

A Ventilação Mecânica (VM) é um método de suporte de vida e tratamento


de pacientes com insuficiência respiratória aguda ou crônica agudizada, e tem
contribuído muito para aumentar a sobrevida em diversas situações clínicas
(GONÇALVES; CICARELLI, 2005).

Pacientes com retenção de secreções traqueobrônquicas recebem


assistência ventilatória mecânica devido à diminuição do reflexo de tosse, e aumento
da produção de secreções causadas pela liberação de mediadores químicos,
aumento no número de glândulas e células secretoras de muco, resultando em
obstrução completa ou parcial das vias aéreas. A obstrução completa, ou
tamponamento mucoso pode acarretar atelectasias e comprometimento da
oxigenação em virtude do aumento do shunt pulmonar, enquanto que a obstrução
parcial pode aumentar o trabalho respiratório levando ao aprisionamento aéreo e
desequilíbrios da relação ventilação-perfusão (SCALAN et al., 2000).

De acordo com Stainoff (2011), a máquina movimenta os gases para dentro


e para fora dos pulmões, utilizando pressão negativa ou positiva. A ventilação
mecânica sofre uma grande variação de aplicação técnica em razão do estado do
paciente. Um mesmo paciente poderá receber modalidades diferentes de ventilação
mecânica, de acordo com sua melhora ou piora, com a fase inicial ou final do
período de intervenção da técnica. O desmame do respirador, por exemplo, é um
processo que envolve alterações de modalidade de ventilação mecânica que pode
ser invasiva e não invasiva.

Destaca Falcão (1997) que, com o avanço das técnicas de terapia intensiva,
observam-se melhores resultados no tratamento das doenças e melhor evolução
clínica do paciente.

Lima et al., (2004) discorrem sobre a importância da assistência respiratória


como principal determinante dessas mudanças. Existem vários tipos de suporte
ventilatório, todos com o objetivo de otimizar as trocas gasosas e reduzir o esforço
respiratório. Dentre eles está a pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP),

9
que é um recurso não-invasivo, de fácil manuseio e com menos complicações em
relação à ventilação mecânica invasiva. Os mesmos autores complementam que,
para uma pressão transpulmonar positiva durante a respiração espontânea e
permite, assim, um aumento da capacidade residual funcional, que é de extrema
importância, pois funciona como um reservatório de oxigênio durante os períodos
em que não há fluxo aéreo inspiratório.

Segundo Carvalho (2000), o termo ventilação mecânica não-invasiva (VMNI)


se refere à ventilação mecânica dos pulmões usando técnicas que não requerem
uma via endotraqueal artificial (intubação orotraqueal ou nasotraqueal ou cânula de
traqueostomia), tendo como objetivos a manutenção das trocas gasosas pulmonares
(correção da hipoxemia e garantia da ventilação alveolar para eliminação do CO2);
diminuição do trabalho respiratório (prevenção ou tratamento da fadiga muscular);
manutenção dos volumes pulmonares (prevenção ou correção do colapso alveolar)
e atenuação da dispnéia (conforto respiratório).

Preserva as vias aéreas superiores, garante maior conforto ao paciente,


evita o trabalho resistivo do tubo traqueal e as complicações da própria intubação,
como traumatismos de vias aéreas superiores ou pneumonia nosocomial. Atua na
redução da necessidade de intubação traqueal e da mortalidade em pacientes com
insuficiência respiratória (II CONSENSO BRASILEIRO DE VENTILAÇÃO
MECÂNICA, 2000).

Por outro lado, pode-se considerar que esse método apresenta


desvantagens em relação à ventilação invasiva: correção mais lenta dos distúrbios
de troca gasosa, necessidade de maior número de profissionais à beira do leito para
sua implementação, problemas com as interfaces (vazamentos, inadaptação) e
dificuldades no acesso às vias aéreas inferiores, sobretudo em pacientes com
hipersecreção brônquica. Além disso, o paciente necessita estar consciente, alerta,
cooperativo (excetuando pacientes com narcose por hipercapnia),
hemodinamicamente estável e sem dificuldades para adaptação à máscara e ao
modo ventilatório empregado. Provavelmente por essas limitações, são descritos
insucessos em taxas que variam de 5 a 40%. O reconhecimento dos pacientes com
maior risco de insucesso é importante, pois pode evitar a insistência nesse tipo de

10
suporte ventilatório e o retardo na intubação traqueal, levando a manejo inadequado
dos pacientes em insuficiência respiratória (HOLANDA et al., 2001).

Na concepção de Lemes e Guimarães (2007), a presença de via aérea


artificial, o efeito de agentes paralisantes, a ventilação com altas concentrações de
oxigênio, as lesões da mucosa traqueobrônquica induzidas pela aspiração traqueal e
a umidificação inadequada parecem ser os principais determinantes das alterações
da função mucociliar em pacientes ventilados mecanicamente. Juntamente com a
produção excessiva de muco, estes fatores aumentam o risco de retenção de
secreção, infecção pulmonar e desenvolvimento de atelectasia por obstrução.

1.1 Justificativa

O presente estudo se justifica pela necessidade de buscar e discorrer, por


meio de pesquisa bibliográfica, sobre os pacientes que necessitam de ventilação
mecânica, quando apresentam grandes quantidades de secreção pulmonar devido à
deficiência da função mucociliar e do transporte de muco. O método CPAP é
utilizado como recurso para a hiperinsuflação pulmonar com os objetivos de prevenir
a retenção de muco e as complicações pulmonares, melhorar a oxigenação e re-
expandir áreas pulmonares colapsadas. É a ventilação mecânica não-invasiva
(VMNI) dos pulmões usando técnicas que não requerem uma via endotraqueal
artificial (intubação orotraqueal ou nasotraqueal ou cânula de traqueostomia).

Carlucci et al., (apud TRAVAGLIA, 2010) ressaltam que a utilização da


ventilação não invasiva requer um treinamento específico e o sucesso da sua
aplicação depende de um adequado trabalho das equipes de assistência. Quanto ao
tempo computado, é obeservado que nas primeiras horas de tratamento é
despendido mais tempo do terapeuta respiratório quando comparado ao tratamento
convencional.

Portanto, o conhecimento do uso e da eficácia é de fundamental importância


não só nos ensaios clínicos, mas também na prática diária. É preciso aprofundar
11
conhecimentos das suas limitações e repercussões clínicas sobre os pacientes, para
observar quais são os fatores preditivos para o sucesso da aplicação, o perfil do
paciente que se beneficia, qual indicação mais adequada, modos ventilatórios e
ajustes para determinadas situações (TRAVAGLIA, 2010).

1.2 Problema

A complicação pulmonar é uma das principais indicações de internação


hospitalar. Leva o paciente a ter quadros súbitos de dispnéia que são extremamente
desconfortáveis e riscos à saúde. Requer técnicas não invasivas, que devem ser
aplicadas com segurança, para os exercícios respiratórios. Com isso, a questão
problema é: a ventilação mecânica não invasiva (CPAP) possibilita conforto ao
paciente na insuficiência respiratória crônica?

1.3 Hipóteses

Técnicas não-invasivas como o correto posicionamento corporal, exercícios


respiratórios e mais recentemente a CPAP, podem ser uma boa alternativa no
tratamento não farmacológico.

12
2 OBJETIVOS

2.1 Geral

Investigar os efeitos da ventilação mecânica com foco no método Pressão


Positiva Continua das Vias Aéreas - CPAP no tratamento de pacientes com
complicações respiratórias de diversas etiologias.

2.2 Específicos

 Identificar fatores associados ao sucesso ou ao insucesso da CPAP,


seu modo de uso e complicações associadas;

 Investigar suas limitações de uso, analisar em quais patologias esta


técnica se mostra eficaz e os procedimentos corretos de sua utilização.

13
3 METODOLOGIA

Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, método qualitativo, e, para isso, foi


feita uma leitura sistemática a fim de definir as categorias necessárias ao
aprofundamento e discussão sobre ventilação mecânica, envolvendo trabalhos
científicos realizados por profissionais da área da saúde, no período de 1994 a 2011
e publicados em revistas brasileiras indexadas, e em bibliotecas virtuais, Scielo
(Scientific Electronic Library Online) e Bireme (Biblioteca Virtual em Saúde) e dados
na Internet – Google Acadêmico, utilizando os descritores: ventilação mecânica;
Pressão Positiva Continua das Vias Aéreas – CPAP; insuficiência respiratória aguda
– IRA; e DPOC.

Foram incluídos artigos científicos publicados no período de 1994 a 2011,


escritos em português. A coleta de dados foi mediante consulta eletrônica da
SciELO - Scientific Electronic Library Online, BIREME - Biblioteca Virtual em Saúde
e leitura do sumário de artigos da língua portuguesa, e selecionados inicialmente
artigos que pelo título indicam tratar do tema estudado.

14
4 REVISÃO DA LITERATURA

4.1 Ventilação Mecânica (VM): definições

Segundo Carvalho et al., (2007), consiste em um método de suporte para o


tratamento de pacientes com insuficiência respiratória aguda ou crônica agudizada,
tendo por objetivos, além da manutenção das trocas gasosas, aliviar o trabalho da
musculatura respiratória que, em situações agudas de alta demanda metabólica,
está elevado; reverter ou evitar a fadiga da musculatura respiratória; diminuir o
consumo de oxigênio, dessa forma reduzindo o desconforto respiratório; e permitir a
aplicação de terapêuticas específicas.

Os mesmos autores classificam o método em dois grupos: Ventilação


mecânica invasiva; e Ventilação não invasiva. Nas duas situações, a ventilação
artificial é conseguida com a aplicação de pressão positiva nas vias aéreas. A
diferença entre elas fica na forma de liberação de pressão: enquanto na ventilação
invasiva utiliza-se uma prótese introduzida na via aérea, isto é, um tubo oro ou
nasotraqueal (menos comum) ou uma cânula de traqueostomia, na ventilação não
invasiva, utiliza-se uma máscara como interface entre o paciente e o ventilador
artificial. Em pacientes submetidos a suporte ventilatório prolongado, é importante a
mensuração de suas condições de força muscular, drive respiratório e da mecânica
torácica para que ocorra o desmame adequado destes casos.

As indicações são: na Insuficiência Respiratória Aguda - IRA secundária a


insuficiência cardíaca, pneumonia, sepse e asma; Exacerbações da insuficiência
respiratória crônica; Secundária a complicações cirúrgicas e trauma; Lesão
pulmonar aguda e Síndrome da Angústia Respiratória Aguda; Reanimação
cardiorrespiratória; Doenças neuromusculares; Suporte ventilatório intra-operatório
(PUSTILNIK, 2011).

Conforme Loh et al., (2007), a insuficiência respiratória aguda é comumente


observada nesse grupo de pacientes, sendo causada por infecções, por doença
pulmonar primária, ou até mesmo por edema pulmonar cardiogênico pós-

15
quimioterapia. Alguns estudos com adultos e com pacientes pediátricos relataram
um desfecho insatisfatório e uma taxa de mortalidade muito alta em pacientes
imunodeprimidos com necessidade de ventilação mecânica.

As indicações variam de acordo com os objetivos a serem alcançados, ou


seja, em situações de urgência, especialmente quando o risco de vida não permite
boa avaliação da função respiratória, a impressão clínica é o ponto mais importante
na indicação de VM, auxiliada por alguns parâmetros de laboratório (CARVALHO et
al., 2007), conforme tabela a seguir:

Tabela 01: Parâmetros que podem indicar a necessidade de suporte ventilatório

Fonte: Carvalho et al., (2007, p. 55)

Conforme Pustilnik (2011), o início da VM deve ser orientado para a causa


da insuficiência respiratória, e os objetivos são: Utilizar um método ventilatório capaz
de ventilar e oxigenar adequadamente o paciente, e com o qual o médico assistente
tenha experiência; Assegurar oferta apropriada de oxigênio aos órgãos vitais,
mantendo saturação arterial de oxigênio aceitável (= 90%); Assegurar remoção
eficiente de CO2 aceitando, porém, elevações dos níveis e PaCO2, desde que não
haja contra-indicações; Minimizar a toxicidade do oxigênio, os menores níveis
possíveis de FiO2 (preferencialmente abaixo de 60%); Garantir recrutamento

16
alveolar, como ocorre com o uso de PEEP; Maximizar pressões de via aérea, mas
sem exceder pressões transalveolares de 25 a 30cmH2O, o que normalmente
corresponde a pressões de platô de 30-35 cmH2O.

Afirmam Benito e Net (2002) que, a assistência ventilatória pode ser


entendida como a manutenção da oxigenação e/ou ventilação dos pacientes de
maneira artificial até que estes estejam capacitados a reassumi-las. Esta assistência
torna-se importante para os pacientes submetidos à anestesia geral e para aqueles
internados nas unidades de terapia intensiva com insuficiência respiratória.

4.1.1 Modos de Ventilação Mecânica

Os modos de VM, de acordo com Pádua e Martinez (2001) são:

Convencionais - Ventilação mecânica volume controlada (CMV): a


freqüência respiratória e o volume corrente são constantes e predeterminados. O
ventilador inicia a inspiração seguinte após um tempo estipulado, estabelecido a
partir do ajuste do comando da freqüência respiratória, conforme a figura a seguir:

Figura 01: Ventilação Mecânica Controlada (VMC). A freqüência respiratória é estipulada dentro de
um intervalo de tempo. Não ocorre esforço respiratório, espontâneo do paciente
Fonte: Pádua e Martinez (2001, p. 4).

Ventilação assistida/controlada (A/C): o ventilador permite um mecanismo


misto de disparo da fase inspiratória por tempo ou pressão. Enquanto o disparo por

17
pressão é ativado pelo esforço inspiratório do paciente (assistido), o disparo por
tempo é deflagrado pelo aparelho (controlado), funcionando como um mecanismo de
resgate, que é ativado apenas quando o ciclo assistido não ocorre, garantindo uma
freqüência mínima;

Figura 02: Ventilação Mecânica, Assistida, Controlada (VMAC). O paciente recebe um número
estipulado de incursões respiratórias e pode desencadear ciclos mecânicos, assistidos, adicionais.
Observe a deflexão negativa, quando o paciente realiza um esforço respiratório
Fonte: Pádua e Martinez (2001, p. 5).

Ventilação mandatória intermitente (IMV): alguns ventiladores permitem a


combinação dos modos assistido/controlado com períodos de ventilação
espontânea. No IMV, o paciente recebe um número fixo e pré-determinado de um
VT estabelecido. Nos intervalos das respirações mandatórias, o paciente pode iniciar
respirações espontâneas, cujos volumes estão na dependência do grau de esforço
respiratório do indivíduo;

18
Figura 03: A) IMV - a respiração mandatória pode coincidir com períodos de ventilação espontânea.
B) SIMV - a ventilação mandatória ocorre em sincronia com a respiração espontânea do paciente.
Fonte: Pádua e Martinez (2001, p. 5)

Os ciclos espontâneos podem ser auxiliados por alguns dispositivos que


permitam uma ventilação muito similar à ventilação em ar ambiente, ou mesmo
serem auxiliados por certo nível de pressão contínua de vias aéreas (CPAP) ou
pressão de suporte;

Pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP): nesse tipo de ventilação,
o doente respira espontaneamente através do circuito pressurizado do aparelho, de
tal forma que certa pressão positiva, definida quando do ajuste do respirador, é
mantida praticamente constante durante todo o ciclo respiratório;

19
Figura 04: Pressão positiva continua nas vias aéreas (CPAP) - o paciente respira espontaneamente
durante todo o ciclo, com pressão positiva, aplicada ao longo das vias aéreas
Fonte: Pádua e Martinez (2001, p. 6)

Para ser utilizado, esse método necessita de doentes com capacidade


ventilatória mantida, geralmente sendo empregado em pacientes com patologias
parenquimatosas, puras, de pouca gravidade e/ou no processo de desmame. É uma
técnica utilizada com a finalidade de aumentar a capacidade residual, funcional,
pulmonar e melhorar a oxigenação arterial, com poucos efeitos sobre as trocas do
CO2. A aplicação de CPAP pode ser feita inclusive em pacientes extubados, através
de máscaras acopladas a dispositivos mecânicos especiais;

Pressão de suporte (PSV): consiste na aplicação de níveis pré-determinados


de pressão positiva e constante nas vias aéreas do doente, apenas durante a fase
inspiratória;

20
Figura 05: Ventilação com Pressão de Suporte (PSV). O paciente recebe um incremento de pressão durante a inspiração pelo
fornecimento de um alto fluxo inspiratório de gás
Fonte: Pádua e Martinez (2001, p. 6)

O objetivo do fornecimento dessa pressão seria reduzir o trabalho dos


músculos inspiratórios (preservando a musculatura respiratória), mas, ficando ainda
a cargo do doente o controle do tempo, fluxo e volume inspiratórios, assim como da
própria freqüência respiratória. É um modo obrigatoriamente assistido, onde o
ventilador necessita reconhecer o início de uma inspiração espontânea para ativar a
pressão de suporte;

Ventilação com pressão de suporte e volume garantido (VAPSV): a utilização


da PSV, em doentes graves e instáveis, pode ser problemática. A ventilação
alveolar, nessa modalidade, é conseqüência de diversas variáveis, entre elas do
esforço muscular do doente e da impedância do sistema respiratório. Situações de
instabilidade do drive ventilatório ou de alterações súbitas na impedância do sistema
respiratório, ou mesmo situações em que um rígido controle da PaCO2 é necessário
(como em casos com hipertensão intracraniana associada) são condições de uso
limitado da PSV. Numa tentativa de se evitar tais deficiências, desenvolveu-se uma
técnica de ventilação, que combina a pressão de suporte e a ventilação ciclada a

21
volume num mesmo ciclo respiratório, chamada VAPSV. Funcionando através de um
sistema de circuitos paralelos, ao mesmo tempo em que o paciente recebe uma
pressão de suporte com fluxo livre por umas das vias do circuito, oferece-se um fluxo
quadrado e fixo pela outra via. Portanto, com essa abordagem, pode-se estender as
vantagens da PSV a situações clínicas instáveis, quando a ventilação ciclada por
volume proporciona a segurança de uma ventilação alveolar mínima (PÁDUA e
MARTINEZ, 2001).

4.2 Ventilação com Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas - CPAP

Figura: CPAP
Fonte: (WWW.googleimages.com.br)

A autora Travaglia (2010) define como um modo de ventilação mecânica no


qual o paciente respira espontaneamente por meio de um circuito pressurizado do
aparelho, de tal forma que uma pressão positiva, definida pelo ajuste do respirador,
é mantida praticamente constante durante as fases inspiratórias e expiratórias, com
a manutenção da abertura dos alvéolos em todo o ciclo respiratório. É aplicado com
frequência para o suporte ventilatório não invasivo de pacientes com edema agudo
de pulmão. Nessa situação, é necessário a utilizxação de um valor mínimo de 10
cmH20 para garantir os benefícios hemodinâmicos e ventilatórios da CPAP.

22
É uma forma de ventilação que consiste na aplicação de uma pressão única
durante todo ciclo respiratório. A utilização de CPAP é dependente do esforço
respiratório inicial do paciente, que deve se mostrar cooperativo e apresentar
respiração espontânea eficaz, não sendo efetiva durante o momento de apnéia
(FERREIRA, 2002).

Segundo Pustilnik (2011), assemelha-se a ventilação com suporte


pressórico, porém sem ajuda de fluxo na fase inspiratória do ciclo. Quando utiliza-se
a pressão positiva contínua nas vias aéreas durante ciclos respiratórios
mecanicamente controlados (PEEP).

Nesta modalidade, uma pressão contínua é fornecida às vias aéreas


inferiores através da faringe por diferentes tipos de interfaces, como prongas nasais,
máscaras faciais ou câmara pressurizada em torno da cabeça (head box).O sistema
de fluxo para crianças (infant flow system) emprega uma ação “fluídica” nas prongas
nasais para ajudar a reduzir o trabalho respiratório. Na inspiração, há mistura de
jatos, e o fluxo é direcionado para o bebê, enquanto que na exalação, o fluxo é
direcionado para longe do paciente (LOH et al., 2007).

Em um estudo, Loh et al., (2007) usaram um dispositivo tipo capacete para o


suporte ventilatório de crianças com leucemia. A pressão positiva é criada através
de vários meios; o mais simples seria colocar o ramo expiratório sob uma coluna
d’água (sistema de bolhas) ou usar ventiladores mecânicos ou dispositivos de VNI
recomendados.

CPAP nasal consiste em um sistema de fluxo contínuo, fornecido por um


gerador de fluxo que funciona apenas com ar ambiente, podendo a mistura gasosa
ser enriquecida com oxigênio através de adaptadores especiais; sendo que o gás
pode ser ofertado para as vias aéreas nasais através de dispositivos nasais bem
fixados sobre o nariz ou no interior das narinas, evitando-se, assim, o seu
deslocamento durante o sono (KNOBEL, 1998).

A pressão expiratória no sistema será controlada através de um resistor de


limiar pressórico tipo: Válvula com balão; Válvula magnética; Válvula spring loaded
(AZEREDO, 1994). A figura a seguir demonstra um gerador de fluxo para aplicação
do CPAP nasal, sendo este, quando acoplado ao sistema, capaz de fornecer um
23
fluxo de aproximadamente 100 litros por minuto, adequando ao paciente o fluxo
necessário à sua ventilação, sem provocar alterações e mantendo uma pressão
constante no sistema (SCANLAN, 2000).

Figura 06: Gerador de fluxo para aplicação do CPAP nasal


Fonte: www.globalmed.com.br

É importante que estes geradores sejam munidos de um filtro de ar para


garantir uma maior segurança à terapia e que a resistência inspiratória dentro do
sistema seja pequena, evitando o maior esforço do paciente. A resistência
inspiratória dentro sistema pode ser ajustada através da mensuração das oscilações
pressóricas no nariz do paciente durante o ciclo ventilatório, devendo a mesma ser
de aproximadamente 1 cmH2O. Os dispositivos nasais para a aplicação do CPAP
podem ser: Cateteres nasais; Cânulas de espumas nasais; Cânulas nasofaríngeas;
Máscaras nasais (SCANLAN, 2000).

Conforme Scanlan (2000), a aplicação contínua ou intermitente da CPAP


pode estar indicada nas seguintes condições clínicas: Profilaxia da insuficiência
respiratória aguda; Hipoxemia (PaO2 abaixo de 60 mmHg); Dispnéia; Shunt direito e

24
esquerdo; Hipoventilação alveolar; Colapso alveolar; Microatelectasias; SARA
(SCANLAN, 2000).

4.2.1 Ciclo Respiratório

De acordo com Pádua e Martinez (2001), pode ser dividido em quatro fases:

I- Fase inspiratória: o respirador deverá insuflar os pulmões do paciente,


vencendo as propriedades elásticas e resistivas do sistema respiratório. Ao final da
insuflação pulmonar, uma pausa inspiratória poderá, ainda, ser introduzida,
prolongando-se a fase, de acordo com o necessário para uma melhor troca gasosa;

II- Mudança da fase inspiratória para a fase expiratória: o ventilador deverá


interromper a fase inspiratória (após a pausa inspiratória, quando ela estiver sendo
utilizada) e permitir o início da fase expiratória; é o que se chama de ciclagem,
dispondo-se de ciclagem por critérios de pressão, fluxo, volume e tempo;

III - Fase expiratória: o ventilador deverá permitir o esvaziamento dos


pulmões, normalmente, de forma passiva;

IV - Mudança da fase expiratória para a fase inspiratória: essa transição


pode ser desencadeada pelo ventilador ou pelo paciente. É o que se chama de ciclo
respiratório, dispondo-se de mecanismos de disparo por tempo, pressão ou fluxo
(PÁDUA e MARTINEZ, 2001).

Ainda conforme os mesmos autores, na observação do ciclo respiratório


mecânico, uma série de parâmetros ventilatórios podem ser identificados:

Volume Corrente (VT): corresponde ao volume de gás movimentado durante


uma respiração. Em condições fisiológicas de repouso, para um adulto normal, gira
em torno de 500 ml. Muito embora, até um passado recente, fossem empregados,
em ventilação mecânica, volumes correntes elevados (10-15 ml.Kg-1), a abordagem
atual é manter o volume em valores menores, em torno de 6-10 ml.Kg-1.
25
Figura 07: Ciclo respiratório
Fonte: Pádua e Martinez (p. 2)

A Ventilação Mecânica objetiva: Melhorar as trocas gasosas; Reverter a


hipoxemia; Atenuar a acidose respiratória aguda; Atenuar a dificuldade respiratória;
Diminuir o consumo de oxigênio relacionado à respiração; Reverter a fadiga
muscular respiratória; Alterar as relações pressão-volume; Evitar ou reverter
atelectasias; Melhorar a complacência pulmonar; Evitar a progressão da lesão
pulmonar; Permitir a reparação dos pulmões e vias aéreas; e Evitar complicações
(SCHETTINO et al., 2007).

4.2.2 Ventilação não invasiva na exacerbação da Doença Pulmonar Obstrutiva


Crônica - DPOC

26
Segundo Schettino et al., (2007), deve ser utilizada como tratamento de
primeira escolha para pacientes com agudização da DPOC, especialmente para
aqueles pacientes com exacerbação grave, caracterizada pela presença de acidose
respiratória (pH < 7,35) que persiste a despeito de tratamento médico máximo
associado a oxigenoterapia controlada. O uso de VNI diminui a necessidade de
intubação e reduz a mortalidade hospitalar desses pacientes. Por esses motivos,
essa intervenção deve estar disponível nos hospitais que atendam pacientes com
exacerbação de DPOC. A evidência mais forte para o benefício é no tratamento da
exacerbação da DPOC.

Schettino et al., (2007) relatam que, existem, três metas-análise baseadas


em estudos controlados e randomizados, realizados exclusivamente em pacientes
com DPOC agudizada que comprovam o benefício da aplicação para diminuir tanto
a necessidade de intubação quanto a mortalidade hospitalar, quando a ventilação
não invasiva é comparada com o tratamento convencional para esses pacientes.
Entretanto, a análise de Keenan et al., (apud SCHETTINO et al., 2007) reportou que
esses benefícios não foram demonstrados em pacientes com exacerbações mais
leves de DPOC, enfatizando o conceito de que a VNI é indicada para pacientes com
exacerbações mais graves, acompanhadas de hipercapnia e acidose respiratória.

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma doença respiratória


prevenível e tratável que se caracteriza pela obstrução crônica e não totalmente
reversível do fluxo aéreo. A obstrução do fluxo aéreo é geralmente progressiva e
está associada a uma resposta inflamatória anormal dos pulmões à inalação de
partículas ou gases tóxicos, causada primariamente pelo tabagismo. É a maior
causa crônica de morbimortalidade no mundo (II CONSENSO BRASILEIRO
DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA, 2004).

Os principais objetivos do suporte ventilatório mecânico em pacientes com


DPOC exacerbado são diminuir mortalidade e morbidade e aliviar os sintomas.
Hipoxemia refratária à suplementação de oxigênio não é habitual na exacerbação da
DPOC, mas se ocorrer também indica a ventilação mecânica. Não existem valores
absolutos de PaO2, PaCO2 e pH que indiquem ventilação mecânica. A decisão de
colocar o paciente em ventilação mecânica é primariamente clínica. Um fator

27
determinante importante é o nível de consciência do paciente. Se ele encontra-se
sonolento e não consegue colaborar, a intubação traqueal e a ventilação mecânica
devem ser precocemente consideradas. Mesmo diante de uma acidose respiratória
grave pode-se tentar as terapêuticas adjuvantes descritas acima, desde que o
paciente esteja alerta e colaborador, conforme quadro a seguir:

Quadro 01: Oxigenoterapia, ventilação mecânica e desmame


Fonte: Jornal Brasileiro de Pneumologia (2011, p. S8)

Discorre Arregue (2008) que, na DPOC agudizada, além da piora da troca


gasosa (hipoxemia e acidose respiratória) que levam ao aumento da demanda
ventilatória, o trabalho mecânico respiratório também se encontra bastante
aumentado, tanto em virtude do aumento da resistência das vias aéreas
(boncoespasmo e produção de secreções), quanto pelo aumento da carga elástica
em virtude da auto-PEEP.

28
Figura 08: relação volume-pressão de um paciente com DPOC sem CPAP
Fonte: Arregue (2008, s/p)

Arregue (2008) explica que, a linha laranja é a curva volume-pressão


durante a inspiração e expiração (setas brancas), a área vermelha é a auto-PEEP e
a área amarela representa o trabalho respiratório realizado. A inspiração começa a
partir de um ponto onde a CRF está aumentada (esfera verde) e há certo grau de
estiramento pulmonar causado pela auto-PEEP. Por exemplo, supõe-se que a auto-
PEEP seja de 10 cm H2O, o trabalho dos músculos inspiratórios se inicia a partir
deste valor (10 cm H2O) e a contração destes músculos num primeiro momento é só
para desfazer a auto-PEEP e quando as pressões alveolar e atmosférica se igualam
ocorre a entrada de ar atmosférico pelas vias aéreas. Então conclui-se que no
primeiro momento da inspiração nenhuma ventilação está acontecendo, o trabalho
ventilatório é ineficaz e só posteriormente é que há entrada de ar. Desta forma, o
momento inspiratório na curva volume-pressão passa a ocorrer quando ela se
encontra na fase pior (curva tendendo a se inclinar para o eixo da pressão) e uma
maior força muscular será necessária para gerar o volume.

29
Figura 09: Situação onde um paciente com DPOC está sendo ventilado em CPAP
Fonte: Arregue (2008, s/p)

De acordo com Arregue (2008), o gráfico acima mostra uma situação onde
um paciente com DPOC está sendo ventilado em CPAP. Nesta condição, pode-se
ver que o trabalho respiratório (áreas amarelas) passa a acontecer acima da CRF
(esfera verde) e abaixo dela. Acima dela, a inspiração acontece normalmente pela
atividade muscular inspiratória normal (inspiração ativa), a expiração que se dá a
seguir também acontece normalmente (expiração passiva) até a CRF. Abaixo deste
nível volumétrico (área amarela abaixo da esfera verde - CRF), a atividade muscular
expiratória se encarrega de aumentar a exalação (ativa). A interrupção da atividade
muscular expiratória subseqüente, acarreta no re-estabelecimento da CRF (esfera
verde) por meio do aumento do volume promovido pelo CPAP após o relaxamento
dos músculos expiratórios (inspiração passiva).

4.2.3 Desmame da ventilação mecânica

O desmame do paciente do ventilador mecânico deverá ser iniciado após


estabilização da causa da exacerbação, incluindo controle do bronco-espasmo, de

30
eventual infecção, repouso muscular adequado, estabilização hemodinâmica e
correção hidroeletrolítica (JORNAL BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA, 2011).

4.2.4 Exacerbação da asma

Conforme Schettino et al., (2007) pode ser utilizada em conjunto com o


tratamento medicamentoso convencional para o cuidado de pacientes selecionados
com exacerbação aguda e grave da asma. O sucesso no tratamento da agudização
da DPOC fez com que o seu uso fosse também tentado no tratamento da
exacerbação da asma. Os mesmos autores apontam para estudos de Meduri et al.,
com 17 pacientes com exacerbação aguda de asma e relataram que a intubação foi
necessária em apenas três desses casos. Já, para Travaglia (2010), os resultados
da utilização da VNI se mostram muito favoráveis no tratamento da insuficiência
respiratória, no edema pulmonar, e na DPOC agudizada, entretanto, na exacerbação
da asma o tratamento ainda é incerto.

4.3 Edema Pulmonar Cardiogênico

Goldman e Bennett (2001) definem como uma acumulação anormal de


líquidos nos pulmões, seja nos espaços intersticiais, seja nos alvéolos. Este acúmulo
leva a dificuldade na troca gasosa e pode causar insuficiência respiratória, que
representa o estágio final da congestão pulmonar, ocasionando dispnéia de
gravidade dramática. Pode ser causado pela incapacidade do coração em remover
fluido da circulação pulmonar (edema pulmonar cardiogênico) ou causado por uma
lesão direta ao parênquima pulmonar (edema pulmonar não-cardiogênico). É uma
forma grave de apresentação das descompensações cardíacas, constituindo uma
emergência clínica que se manifesta por um quadro de insuficiência respiratória de
rápido início e evolução. Está associado a um elevado risco à vida do paciente, tanto
pelo quadro pulmonar quanto pela doença cardiovascular subjacente.

31
Knobel (1998) ensina que, são várias as etiologias, sendo que as mais
comuns são: insuficiência ventricular esquerda, obstrução da valva mitral, arritmias
cardíacas, hipervolemia, insuficiência cardíaca congestiva descompensada, infarto
agudo do miocárdio (IAM), cardioversão elétrica e crise hipertensiva.

As manifestações clínicas mais comuns observadas nos pacientes que


apresentam esta mazela são pulmões de tamanhos aumentados (principalmente em
lobos inferiores), inquietação e ansiedade (devido à diminuição de oxigenação
cerebral), mãos frias e úmidas, pele cianótica, pulso fraco e rápido, turgência de
jugular e tosse ininterrupta com escarro mucóide (KNOBEL, 1998; GOLDMAN e
BENNETT, 2001).

O Edema Agudo Pulmonar (EAP) é uma entidade clínica caracterizada por


acúmulo súbito e anormal de líquido nos espaços extravasculares do pulmão, seja
no interstício ou nos alvéolos. Representa uma das mais angustiantes e dramáticas
síndromes cardiorrespiratórias, de elevada freqüência nas unidades de emergência
e de terapia intensiva. Foram identificadas duas causas gerais dessa condição, na
maioria das vezes é conseqüente à insuficiência cardíaca esquerda, com
interferência nas trocas gasosas pulmonares e redução da pressão parcial de O2 no
sangue arterial (REGENGA, 2000).

A CPAP vem sendo utilizada como um dos recursos fisioterapêuticos para o


tratamento de pacientes cardiopatas, sendo discutível o seu benefício no Edema
Agudo Pulmonar cardiogênico sobre as condições ventilatórias e hemodinâmicas
(OLIVEIRA, 2006).

São inúmeras as manifestações clínicas, e isso requer medidas que visam à


rápida estabilização clínica do paciente.

4.3.1 Insuficiência Respiratória Hipoxêmica

Discorrem Schettino et al., (2007) que, a insuficiência respiratória hipo-


xêmica pode ser causada por várias doenças, com características fisiopatológicas e
curso clínico distintos, o que torna a avaliação dos benefícios do CPAP para o
32
tratamento de pacientes nessa condição complexa e controversa. Os mesmos
autores citam um dos primeiros ensaios clínicos, feito por Antonelli et al., em 1998,
que compararam 64 pacientes com insuficiência respiratória aguda de diversas
etiologias que foram submetidos à ventilação mecânica invasiva ou não invasiva. O
uso da VNI foi tão efetivo quanto a ventilação convencional para a correção da
hipoxemia, mas o grupo VNI apresentou menor tempo de ventilação mecânica e alta
mais precoce da UTI, com menos complicações associadas à ventilação mecânica.

4.3.2 Pacientes terminais

Recomendam Schettino et al., (2007) que, pode ser usada em pacientes


terminais quando a causa da insuficiência respiratória for potencialmente reversível,
particularmente naqueles pacientes com DPOC agudizada ou com edema pulmonar
de origem cardíaca. Vale salientar que alguns pacientes com doenças terminais
referem o desejo de não serem intubados, mas aceitam o uso da ventilação não
invasiva como forma de suporte ventilatório para o tratamento da insuficiência
respiratória ou mesmo como medida paliativa para alívio da dispnéia.

4.3.3 Período pós-operatório imediato

Ressaltam Arcencio et al., (2008) que, apesar da modernização dos


procedimentos utilizados em cirurgia cardíaca, a função pulmonar ainda é
prejudicada. Após o procedimento cirúrgico, os pacientes estão mais propensos a
desenvolverem complicações respiratórias. Cerca de 65% dos pacientes
desenvolvem atelectasias e 3% adquirem pneumonia (III CONSENSO DE
VENTILAÇÃO MECÂNICA, 2007).

A aplicação de exercícios de respiração profunda, estímulo à tosse, manobras


de vibração na caixa torácica e o CPAP podem prevenir a deterioração da função
pulmonar e reduzir a incidência de complicações pulmonares. É grande a
diversidade de técnicas a serem utilizadas no pós-operatório de cirurgia cardíaca.
33
No entanto, existem controvérsias quanto à eficácia destes procedimentos na
redução da incidência de complicações respiratórias e quanto à estratégia mais
adequada para identificar quais pacientes se beneficiariam de tais intervenções
(ARCENCIO et al., 2008).

Diante disso, é necessário conhecimento da fisiopatologia e dos mecanismos


que envolvem as disfunções pulmonares pósoperatórias para definir a terapêutica a
ser empregada. Uma correta interpretação desses dados proporciona melhor
abordagem no tratamento e na atenção ao paciente no pósoperatório de cirurgia
cardíaca (ARCENCIO et al., 2008).

Costa et al., (2005) afirmam que, a fisioterapia possui papel essencial no


tratamento destes pacientes, com o objetivo de prevenir ou amenizar tais
complicações. Sua atuação inicia-se com a aplicação de técnicas de desmame
ventilatório e estende-se até manutenção do paciente em ventilação espontânea
após a extubação.

4.3.4 Pneumonia Nosocomial

A pneumonia associada à ventilação mecânica é uma resposta inflamatória


do hospedeiro à multiplicação incontrolada de microorganismos invadindo as vias
aéreas distais. É uma síndrome infecciosa de pior prognóstico nas unidades críticas.
Encontra-se como um dos efeitos adversos mais temíveis no ambiente da terapia
intensiva. É uma infecção que ocorre no parênquima pulmonar atingindo bronquíolos
respiratórios e alvéolos. Esses são preenchidos por exudato inflamatório o que
prejudica as trocas gasosas. Ela pode ser causada por qualquer agente infeccioso
como fungos, vírus, parasitas ou bactérias, em sua maioria, e é considerada a
principal causa de morte em pacientes hospitalizados (SALDIVA et al, 2000).

Se manifesta após 48 horas de intubação orotraqueal (IOT) e ventilação


mecânica (VM), onde o paciente não estava incubado no momento. Surge nos
primeiros quatro dias de IOT e VM, e a tardia ocorre após cinco dias nas mesmas
34
condições. É conseqüência da falta de equilíbrio entre os mecanismos de defesa do
indivíduo e o agente microbiano (DAVID, 2001).

Segundo Carvalho (2006), classifica-se os fatores de risco no


desenvolvimento pneumonia em modificáveis e não modificáveis, sendo: não
modificáveis: idade, gravidade na chegada do paciente à UTI, atentando para a
presença de co-morbidades como: insuficiência cardíaca, doença pulmonar
obstrutiva crônica, diabetes, doenças neurológicas, neoplasias, traumas e pós-
operatório de cirurgias. Já, os fatores modificáveis têm relação com o ambiente da
UTI, sendo de fundamental importância procurar identificar os germes freqüentes no
local, pois favorece a prescrição racional aos antimicrobianos.

Os fatores modificáveis estão relacionados ao ambiente (microbiota) da


própria UTI. Dessa forma, o conhecimento dos germes mais freqüentes na unidade
é fundamental. Isto favorece a prescrição racional e dirigida dos antimicrobianos,
uma vez que, frente a uma suspeita de PAV, o tratamento empírico deve ser
prontamente instituído (CARVALHO, 2006).

Para uma pneumonia ser considerada nosocomial (infecção adquirida em


unidade hospitalar) deve haver evidências que a doença não estava presente ou
incubada no momento da admissão no hospital.

A infecção nosocomial é considerada a causa de maior morbimortalidade.


Essa infecção evidencia uma má qualidade na prestação de cuidados da saúde e
gera gastos inevitáveis.

Em UTI’s, a intubação de pacientes muitas vezes se dá devido a


procedimentos cirúrgicos pelos quais se submetem, tendo que se manter intubados
no pós-operatório imediato ou tardio, ou por desenvolverem problemas respiratórios
graves. A ventilação mecânica, para ser implementada e viabilizar uma oxigenação
adequada, depende da intubação orotraqueal ou da traqueostomia, que mantêm a
via aérea superficial (PEREIRA e CRUZ, 2002).

4.3.5 Selo d’água

35
Lima et al., (2004) citam a forma de onda (pressão versus tempo) produzida
pela CPAP no selo d’água tem sido considerada uma modalidade ventilatória
vantajosa em relação à ventilação mecânica convencional em algumas condições
clínicas, mostrando-se eficiente na eliminação de CO2 e capaz de reduzir o tempo
de suporte ventilatório e oxigenoterapia, por possuir mecanismos de transporte de
gás diferentes daqueles da ventilação mecânica convencional.

Os mesmos autores apontam para os estudos de Lee et al., com recém-


nascidos, e relatam que as vibrações produzidas pelo borbulhamento da CPAP no
selo d’água são transmitidas para o tórax dos bebês sob este tipo de suporte
ventilatório, podendo contribuir para as trocas gasosas. Os mecanismos pelos quais
ocorrem as trocas gasosas durante a ventilação de alta freqüência não estão
completamente elucidados, mas devem incluir a ventilação direta das unidades
alveolares proximais e difusão aumentada através da maior atividade das moléculas
gasosas ou mesmo através da difusão coaxial dos gases, na qual a entrada dos
gases ocorreria pelo centro, enquanto que a exalação do CO2 e outros gases se
dariam pela periferia das vias respiratórias.

Conforme Falcão (1997), o avanço das técnicas de terapia intensiva,


proporciona melhores resultados no tratamento das doenças e melhor evolução
clínica dos recém-nascidos. Existem vários tipos de suporte ventilatório para os
neonatos, todos com o objetivo de otimizar as trocas gasosas e reduzir o esforço
respiratório. Dentre eles está a CPAP, que é um recurso não-invasivo, de fácil
manuseio e com menos complicações em relação à ventilação mecânica invasiva.
Funciona como um reservatório de oxigênio durante os períodos em que não há
fluxo aéreo inspiratório, como no choro e na alimentação, além de interferir no
trabalho respiratório.

Sampietro et al., (2000) asseguram que, a CPAP produz aumentos na


oxigenação sem aumentar a ventilação alveolar, porque promove re-expansão de
áreas previamente colapsadas, diminuindo o shunt intrapulmonar e aumentando a
superfície de trocas gasosas, e melhorando, assim, a relação ventilação-perfusão. O
uso de prongas nasais curtas e de menor resistência à passagem do fluxo aéreo
36
(maior diâmetro interno) é a forma mais simples e produz melhores efeitos
terapêuticos, apesar de apresentar algumas desvantagens, como dificuldade na
fixação, perda da pressão durante o choro e trauma ao septo nasal.

4.3.6 Terapia com CPAP Nasal e seus Efeitos Fisiológicos

A terapia com CPAP nasal, quando aplicada nas apnéias obstrutivas do


sono consiste basicamente em manter abertas as vias aéreas superiores, tornando-
as permeáveis, por impedir uma baixa pressão intralumial, funcionando assim como
uma tala pneumática, que impedirá o colapso das vias aéreas durante o esforço
inspiratório (KNOBEL, 1998).

Sugere Scanlan (2000) que, o nível de CPAP ideal para qualificar a terapia
deve ser estabelecido individualmente para cada paciente, sendo que em alguns
estudos vem sendo demonstrado que níveis de 7,5 a 15 cmH2O são necessários
para eliminar as apnéias na maioria dos pacientes. Neste contexto, Azeredo (1994)
complementa que, a pressão de CPAP deve ser mantida um pouco mais alta
durante o sono REM do que durante o sono NREM, pois durante o sono NREM
ocorre uma perda de atividade dos músculos dilatadores da faringe, proporcionando
uma menor resistência à pressão de CPAP aplicada. Os roncos são geralmente
abolidos com a aplicação de pressões em torno de 2 a 6 cmH2O.

Segundo Knobel (1998), a pressão positiva contínua nas vias aéreas pode
levar a: Alteração dos reflexos nas vias aéreas superiores, que influenciam no
impulso respiratório, no tônus muscular e na atividade dilatadora e constritora das
mesmas; Aumento do volume expiratório final, sendo que este efeito não apresenta
grande repercussão devido ao aumento do reflexo de tônus da musculatura
inspiratória e dos abdominais; Aumento da pressão intratorácica levando a uma
diminuição do débito cardíaco; Elevada pressão nas vias aéreas superiores,
podendo ocasionar alterações na mucosa, nariz e barotrauma nos ouvidos.

Apesar de elevadas taxas de fluxo, não se tornam necessários o


aquecimento e a umidificação do ar inalado (AZEREDO, 1994).

37
4.4 Aspectos técnicos para uso da ventilação não invasiva: Interfaces

As máscaras nasais ou oronasais são as interfaces mais freqüentemente


utilizadas para a aplicação da VNI no ambiente hospitalar. É, provavelmente, a
interface mais confortável, porém a resistência das narinas ao fluxo de ar e a
presença do vazamento de ar pela boca podem limitar o seu uso em alguns
pacientes (III CONSENSO BRASILEIRO DE VENTILAÇÃO MECÂNICA, 2007).

Schettino et al., (2007) relatam que, na tentativa de melhorar o conforto e a


tolerância dos pacientes, existem novas interfaces, como, por exemplo, a máscara
facial total e o capacete, que tem a vantagem de diminuir o vazamento e possibilitar
o uso de maiores pressões inspiratórias. Uma maior área de contato entre a
máscara e a face do paciente pode diminuir as lesões de pele relacionadas ao uso
da máscara e tornar o seu uso mais confortável. Apesar do maior volume interno de
ar nessa máscara, a re-inalação de CO2 durante o uso da máscara facial total é
semelhante à das máscaras oronasais.

Os mesmos autores ainda relatam que, os capacetes têm a vantagem de


eliminar o contato da interface com a face do paciente, evitando assim a
complicação mais freqüente da VNI, que é a lesão de pele. O grande espaço-morto
dos capacetes e a sua parede muito complacente levam, respectivamente, à re-
inalação de CO2 e à necessidade do uso de maiores valores de pressão inspiratória
para garantir a correção das trocas gasosas. O ruído interno dos capacetes pode ser
um grande limitante para o seu uso.

A aplicação da CPAP permite a manutenção de um fluxo aéreo permanente,


mantendo as vias aéreas respiratórias abertas, permitindo assim uma melhor
distribuição do gás nas unidades alveolares. Por outro lado, são contra-indicadas no
enfisema pulmonar avançado; Hipovolemia; Hipotensão arterial; Pneumotórax não
drenado; Cardiopatia severa; Insuficiência renal (AZEREDO, 1994).

4.5 Vantagens e desvantagens da aplicação da CPAP Nasal


38
São consideradas com a aplicação do método as seguintes vantagens: O
tratamento tem custo inferior; Menos invasivo; Alguns pacientes relatam conforto
com a terapia; Não incomoda o sono (SCANLAN, 2000).

As principais desvantagens são: Alguns pacientes não conseguem suportar


o tratamento por longos períodos; A aplicação pode ser falha se altos volumes de ar
dissipam pela boca; Se ocorrer o desenvolvimento de altos níveis pressórios nas
vias aéreas superiores, poderá levar a epiglote a obstruir a passagem do fluxo aéreo
ou levará a língua a uma junção com o palato mole, propiciando também uma
interrupção do fluxo aéreo; Pode ocorrer sensação de dor nos olhos, ressecamento
do globo ocular, conjuntivite e ulceração corneana, devido ao escape do gás na
superfície superior do nariz; Desconforto pela máscara nasal; Ressecamento da
mucosa nasal; Irritação da presilha na pele (SCANLAN, 2000).

É técnica que se mostra segura quando os pacientes são selecionados de


forma adequada, com início precoce e com a observação contínua dos indícios de
falência.

39
5 DISCUSSÃO

Holanda et al (2001) estudaram 53 pacientes para análise da eficiência da


ventilação não invasiva com pressão positiva (VNIPP) na IRA objetivando identificar
fatores associados ao sucesso ou falha deste método, e caracterizar os padrões de
resposta à VNIPP. Em 37 episódios (62%), houve sucesso sem intubação (grupo
sucesso, GS), enquanto em 23 ocasiões (38%), os pacientes foram intubados (grupo
falha, GF). A complicação mais freqüente foi lesão de pele no ponto de contato da
máscara com o nariz. A VNIPP foi eficiente no tratamento da IRA em cerca de 2/3
das vezes. Pacientes mais graves, níveis relativamente mais baixos de pressão
respiratória positiva em via aérea (IPAP) associaram-se a falha. A alta mortalidade
(10,43%) nos casos de falha justifica esforços para otimizar sua utilização e ao
mesmo tempo para reconhecer precocemente suas falhas, evitando-se protelar a
intubação traqueal.

Os mesmos autores concluem que o uso da VNIPP e sua implantação


devem seguir critérios rigorosos quanto a: indicação, seleção dos pacientes e modo
de uso. A utilização da pressão positiva contínua em cardiopatas já faz parte do
arsenal terapêutico não-farmacológico. O benefício da pressão positiva contínua no
edema agudo dos pulmões sobre as condições respiratórias e hemodinâmicas é

40
indiscutível. Está definido que a pressão positiva contínua melhora a oxigenação e
diminui o trabalho respiratório e o esforço ventilatório, reduzindo a necessidade de
intubação e de ventilação mecânica. A pressão positiva contínua reduz a pressão
transmural do ventrículo esquerdo, sugerindo melhora do desempenho cardíaco. Os
efeitos da utilização da VNIPP noturna em cardiopatas crônicos parecem
promissores no tratamento do cardiopata estável, principalmente se este apresentar
distúrbio do sono concomitante.

Existe uma grande evidência que suporta o uso da VNI no tratamento da


DPOC e no edema agudo de pulmão – EAP. Nesses grupos de pacientes foi
observada uma diminuição no tempo de permanência na UTI e na taxa de
intubação, além de uma redução nas taxas de infecção hospitalar e das
complicações relacionadas com a ventilação invasiva (TRAVAGLIA, 2010).

Pissulin (2002) afirma que, a reabilitação pulmonar, nesses casos, não visa
a melhora direta nos níveis da função pulmonar, mas a diminuição da dispnéia e
melhor capacidade para a realização de exercícios, através da possibilidade da
mudança nas propriedades bioquímico-fisiológicas das fibras musculares. Pacientes
com DPOC grave apresentam grande perda na função pulmonar e, como
conseqüência, incapacidade física grave, com dificuldade para a realização de
treinamento físico. A pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) exerce ação
sobre o fechamento precoce das vias aéreas e sobre o trabalho muscular
respiratório em indivíduos portadores de DPOC em insuficiência respiratória aguda.

Rahal et al., (2005) verificaram que a ventilação não invasiva (VNI), vem
sendo considerada uma boa alternativa em relação à ventilação mecânica
convencional, a qual está associada a complicações como: pneumonias
nosocomiais, ulceração, inflamação, edema e hemorragia submucosa. Os autores
analisaram que esta modalidade pode ser aplicada em diferentes fases da IRpA, no
desmame, da ventilação mecânica convencional (ou na redução do tempo desta),
nas salas de emergência em pacientes submetidos a cirurgia abdominal que
desenvolviam hipoxemia e até mesmo a reintubação.

Nas DPOCs descompensadas, os autores relataram a demonstração da


superioridade desta técnica em relação aos cuidados convencionais, com queda da
41
taxa de mortalidade, menos incidência de pneumonias nosocomiais e reintubação;
dados estes confirmados quando a VNI foi utilizada em pacientes com EAP
cardiogênico, comparados com uma população de pacientes graves sob VMI,
gerando também diminuição do uso de antibióticos. Concluíram que a evidência
disponível sugere a VNI com pressão positiva, além de melhorar a troca gasosa e a
evolução clínica em diferentes tipos de IRpA, reduz o risco de pneumonia
nosocomial, e a necessidade de intubação e da mortalidade; entretanto, atentam
para o fato de que o sucesso deste recurso está diretamente ligado à tolerância e à
colaboração do paciente (RAHAL et al., 2005).

A seleção adequada do paciente é indispensável para o êxito do tratamento,


a fim de que não ocorra atraso na intubação nos pacientes que não responderem
bem a esse tipo de recurso. A VNIPP mostrou-se eficaz na IRpA em relação à
prevenção da intubação e reintubação, além de suas complicações, reduzindo os
índices de infecções e de morbimortalidade em pacientes internados em UTI. Há
ainda restrições quanto a sua aplicação no ambiente de terapia intensiva pela falta
de pessoas habilitadas para uso desta técnica, o que torna sugestivo a realização de
novos estudos a fim de comprovar a real eficácia da VNI nos pacientes com IRpA
(LIMA et al., 2011).

O método não invasivo melhora a ventilação alveolar por criar gradiente de


pressão transpulmonar sem a necessidade de uma via aérea artificial. O benefício
associado com a utilização da VNI resulta primariamente da redução do uso da
ventilação pulmonar mecânica com intubação intratraqueal. Os sistemas invasivos
como cateteres intravasculares e tubos intratraqueais são fatores de risco para
infecção intra-hospitalar. Nos pacientes submetidos à VNI a invasividade relacionada
aos cuidados dos pacientes é menor (CARVALHO; FONSECA, 2004).

Em estudo com 40 pacientes, comparando o uso da CPAP com a terapia


convencional de oxigenoterapia em pacientes com EAP de origem cardiogênica, os
pacientes foram divididos em dois grupos de 20 pacientes cada, onde no grupo da
CPAP foi utilizada uma pressão de 10 cmH2O e o grupo da oxigenoterapia foi
ofertado O2 em pressão ambiente, onde verificaram que no grupo da CPAP houve
uma melhora rápida da hipoxemia, das trocas gasosas e do trabalho ventilatório e da

42
necessidade de ventilação invasiva em comparação com o outro grupo
(SCARPINELLA-BUENO et al., 1997; III CONSENSO BRASILEIRO DE
VENTILAÇÃO MECÂNICA, 2007).

A VNI tem reduzido o uso da ventilação pulmonar mecânica (VPM) invasiva


para pacientes com EAP Cardiogênico. A CPAP se mostrou melhor em relação a
taxa de mortalidade, já em relação ao tempo de internação hospitalar, não houve
diferença significativa (CARVALHO; JOHNSTON, 2006).

Segundo Silva et al., (2008), o uso da CPAP é seguro e diminui a


necessidade de intubação traqueal para pacientes com EAP Cardiogênico, devendo
ser aplicada precocemente e em conjunto com a terapia medicamentosa
convencional.

Estudos randomizados mostraram uma grande melhora na hipoxemia, na


hipercápnia e na taxa de intubação endotraqueal nos pacientes com EAP
Cardiogênico tratados com CPAP comparados com os tratados convencionalmente.
O impacto da CPAP na mortalidade dos pacientes com EAP Cardiogênico, foi
reduzido em alguns casos, mas não em outros (PARK e LORENZI FILHO, 2006
apud SILVA et al., 2008).

Coimbra et al., (2007) realizaram estudo a fim de verificar as respostas


ventilatórias, de oxigenação, e hemodinâmica não invasiva (VMNI) no pós-operatório
de cirurgia cardiovascular, buscando preditivas de sucesso e comparando as
diferentes modalidades de VMNI. 70 pacientes com insuficiência respiratória
hipoxêmica foram randomizados em uma das 3 modalidades de VMNI: CPAP e
ventilação com dois níveis pressóricos (PEEP + PS e BIPAP). Dos pacientes
restantes, 31 evoluíram para independência do suporte ventilatório, constituindo o
grupo sucesso e necessitaram de TOT (tubo orotraqueal), sendo considerado
insucesso. Pacientes com insuficiência respiratória hipoxêmica no pós-operatório de
cirurgia cardiovascular apresentaram melhora da oxigenação, da freqüência
respiratória (FR), e da freqüência cardíaca (FC) durante a aplicação de VMNI. Em
pacientes mais idosos e com valores iniciais de FR e de FC mais elevados, a VMNI
não foi suficiente para reverter o quadro de insuficiência respiratória. Modalidades
com dois níveis pressóricos apresentaram resultados superiores.
43
Ressalta Fu (2005) que, a CPAP é a forma mais simples de ventilação não
invasiva. O objetivo de seu estudo foi o de comparar o desempenho de dois modelos
de ventiladores de gerador de fluxo com um ventilador projetado especificamente
para ventilação não invasiva no modo CPAP, através de um modelo mecânico de
pulmão e em voluntários sadios, em três diferentes alimentações de pressão e em
CPAP de 5, 10 e 15 cm H2O. A autora conclui que os geradores de fluxo têm
capacidade similar ao ventilador específico para manter o nível de CPAP.

Carlucci et al., (2011) realizaram pesquisa sobre a aplicação da VNI com


pressão positiva na prevenção da intubação traqueal e na extubação precoce, com
estudos prospectivos e controlados no qual observaram a vantagem da VNI em
relação ao desmame tradicional com pressão de suporte e uma menor taxa de
mortalidade e de reintubação. Os resultados obtidos dependerão da causa da
insuficiência respiratória.

Conforme Dias e Duarte (2011), por ser uma técnica com baixas taxas de
complicações, a VNI pode e deve ser iniciada precocemente; a sua falha, também
deve ser reconhecida precocemente. O conhecimento das técnicas e a motivação da
equipe são pontos fundamentais para o sucesso da VNI.

Parreira e Carvalho (2008) analisaram o papel do fisioterapeuta no manuseio


da CPAP dentro da UTI, que presta assistência a pacientes adultos.
Especificamente, o papel do fisioterapeuta é variável de uma instituição à outra e
apresenta basicamente três faces: observação/avaliação do paciente (dados clínicos
e laboratoriais), aplicação da técnica (escolha da modalidade ventilatória, ajustes do
ventilador e interface) e acompanhamento da evolução do paciente (necessidade de
realizar ajustes e a decisão de interromper ou finalizar a ventilação não invasiva).

Confalonieri et al., (apud SCHETTINO et al., (2007) estudaram a aplicação


de VNI comparada ao tratamento padrão, de forma randomizada e controlada, em
56 pacientes com pneumonia comunitária grave e relacionaram a utilização de VNI
com menor necessidade de intubação (21% vs. 50%, p = 0,03) e menor tempo de

44
permanência na UTI (1,8 dias vs. 6 dias, p = 0,04). Os dois grupos tiveram a mesma
mortalidade hospitalar, entretanto, entre os pacientes com DPOC, aqueles
randomizados para VNI apresentaram uma maior sobrevida aos dois meses (88,9%
vs. 37,5%, p = 0,005).

Segundo Pinheiro et al., (1998), o uso da VNIPP tem-se expandido nos


últimos anos. Isso se deve em parte à publicação de estudos bem controlados que
documentaram as vantagens da VNIPP sobre a abordagem convencional no
tratamento da IRA de diversas etiologias, como DPOC, pneumonia grave adquirida
na comunidade, infecção por Pneumocystis carinii, edema pulmonar cardiogênico,
insuficiência respiratória pós-extubação ou como técnica de “desmame” da
ventilação mecânica. As taxas de sucesso com o uso da VNIPP têm sido bastante
variáveis. Meduri relacionou 776 pacientes adultos em IRA em 27 trabalhos que
avaliaram o uso da VNIPP. Desse total, 560 pacientes obtiveram sucesso (72%)
variando de 40 a 93% dentre os vários estudos.

Machado (2011) ressalta a importância dos profissionais que usam a técnica


de VMNI estarem atentos a detalhes no manuseio deste recurso. Ela apresenta
resultados satisfatórios em afecções como edema agudo pulmão (EAP)
cardiogênico, IRpA, em pacientes imunodeprimidos, em aguardo de transplantes
pulmonares e no desmame ventilatório precoce. Porém, o autor demonstra que
podem haver falhas na aplicação do método, caso a equipe não tenha conhecimento
técnico no que diz respeito à abordagem inicial, indicações, benefícios e cuidados no
emprego da VMNI.

Ainda conforme Machado (2011), há a necessidade de explicação da técnica


ao paciente que irá recebê-la, pois nem todos se adaptam a este recurso; a pressão
inicial deve ser em torno de 5 cm H2O, ajustando a máscara facial manualmente a
princípio, para promover conforto e segurança, até atingir um nível em torno de 20 a
25 cm H2O, a fim de se evitar possível distensão gástrica. Assim, o sucesso da
técnica que utiliza a VMNI implica na abordagem, orientação e manuseio correto do
procedimento para que se possam obter os resultados satisfatórios e plenos.

45
CONCLUSÃO

O presente estudo mostrou que a ventilação não-invasiva aplicada por


CPAP é segura, e atua com eficácia na prevenção de intubação endotraqueal em
pacientes com complicações respiratórias.

Pacientes internados em hospitais submetidos ao tratamento com ventilação


mecânica não invasiva com pressão positiva são beneficiados pela redução do
tempo de internação quando comparados com os outros sob terapia convencional.
Menor tempo de internação hospitalar e diminuição da mortalidade podem ser
atribuídos à ausência de intubação orotraqueal, que consequentemente reduz os
riscos de infecções e diminuição do tempo de desmame, trazendo benefícios nas
diversas causas de insuficiência respiratória aguda.

46
Portanto, é de fundamental importância uma educação continuada a respeito
de sua utilização, pois nem todos pacientes são elegíveis a este tratamento.

Pode-se afirmar que, os objetivos do presente estudo foram alcançados por


encontrar evidências da eficácia do método por pressão positiva contínua das vias
aéreas – CPAP é eficaz no tratamento das vias respiratórias, mostrando vantagens
quando aplicada de forma correta, com exceção de algumas patologias que não são
indicadas para ventilação mecânica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARCENCIO, L. et al. Cuidados pré e pós-operatórios em cirurgia cardiotorácica: uma


abordagem fisioterapêutica. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2008, vol.23, n.3, pp. 400-
410. ISSN 0102-7638.

ARREGUE, D. CPAP e trabalho respiratório na DPOC. Fisioterapia em Terapia


Intensiva. (2008) Disponível em:
http://fisioterapiaemterapiaintensiva.blogspot.com/2008/05/cpap-e-trabalho-
respiratrio-na-dpoc_10.html. Acesso em: 10/12/11.

47
AZEREDO, C. A. C. Ventilação Mecânica – Invasiva e Não Invasiva. Rio de
Janeiro: Revinter, 1994.

BENITO, S.; NET, A. Ventilação Mecânica. ed. 3ª. Rio de Janeiro. Revinter, 2002.

CARLUCCI, A; GIRAULT, K; NAVA, S. Ventilação não invasiva e desmame.


Disponível em: http://www.depotz.net/readarticle.php?article_id=2951. Acesso em:
18/10/11.

CARVALHO, C. R. R. Ventilação Mecânica. São Paulo: Atheneu. v. 1 e 2, 2000.

CARVALHO, C. R. R. de. Pneumonia associada à ventilação mecânica. J. bras.


pneumol. vol.32 no.4 São Paulo July/Aug. 2006.

CARVALHO, C. R. R; TOUFEN JUNIOR, C; FRANCA, S. A. Ventilação mecânica:


princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias. J. bras. Pneumol. 2007,
vol.33, suppl.2, pp. 54-70. ISSN 1806-3713.

CARVALHO, W. B.; FONSECA, M. C. M. Ventilação não invasiva: evidências de


diminuição da mortalidade e infecção em UTI. Revista da Associação Médica
Brasileira. São Paulo, Vol.50, n. 1, 2004.

CARVALHO, W. B; JOHNSTON, C. Efeitos da Ventilação Não-Invasiva com Pressão


Positiva no Edema Agudo de Pulmão Cardiogênico. Rev Assoc Med Brás. v. 52, n.
4, p. 187-201, 2006.

COIMBRA, V. R. M.; LARA, R. A.; FLORES, E. G.; NOZAVA, E; AULER JÚNIOR, J.


O. C.; FELTRIM, M. I. Z. Aplicação da ventilação não invasiva em insuficiência
respiratória aguda após cirurgia cardiovascular. Arq.bras.cardiol; 89(5): 298-305,
Nov.2007.

COSTA, A. D; RIEDER, M. M; VIEIRA, S. R. Desmame da ventilação mecânica


utilizando pressão de suporte ou tubo T. Comparação entre pacientes cardiopatas e
não cardiopatas. Arq Bras Cardiol. 2005;85(1):32-8.

48
DAVID, C. M. Complicações Infecciosas no Paciente em Ventilação Mecânica. In:
DAVID, C. M. Ventilação Mecânica: da fisiologia à prática clínica. Rio de Janeiro:
Revinter, 2001. p. 389-408.

DIAS, M. S; DUARTE, M. S. Uso e benefícios da ventilação mecânica não


invasiva com pressão positiva na DPOC. Disponível em:
http://www.google.com.br/#sclient=psy-ab&hl=pt-BR&rlz=1W1RNRN_pt- Acesso em:
30/11/11.

FALCÃO, M. C. Uso da pressão positiva contínua das vias aéreas (CPAP) no


período neonatal. Pediatria. 1997;19:209-12.

FERREIRA, F. R. et al. Ventilação Não-Invasiva no Pós-Operatório de Cirurgias


Abdominais e Cardíacas – Revisão da Literatura. Revista Brasileira de
Fisioterapia. v. 6, n. 2, p. 47-54, 2002.

FU, C. Comparação entre dois geradores de fluxo e um ventilador específico para


ventilação não invasiva no modo CPAP. Revista Reabilitar. São Paulo; s.n; [80] p.
ilus, tab, graf. 2005.

GOLDMAN, L.; BENNETT, J. C. Cecil – Tratado de Medicina Interna. 21ª ed. v:1.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 2754, 2001.

GONÇALVES, L. O; CICARELLI, D. D. Manobra de Recrutamento Alveolar em


Anestesia: Como, Quando e Por Que Utilizá-la. Revista Brasileira de
Anestesiologia. vol. 55, nº 6, nov/dez, 2005.

HOLANDA, M. A; OLIVEIRA, C. H; ROCHA, E. M; BANDEIRA, R. M; AGUIAR, I. V.


et al. Ventilação não-invasiva com pressão positiva em pacientes com insuficiência
respiratória aguda: fatores associados à falha ou ao sucesso. J Pneumol 27(6) –
nov-dez de 2001.

II Consenso Brasileiro sobre Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – DPOC – 2004.


Jornal Brasileiro de Pneumologia. Volume 30 – Suplemento 5 – Novembro de
2004.

II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. J Pneumol 2000;26:S60-S63.

49
III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Ventilação mecânica não invasiva
com pressão positiva. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 92-S 105.

Jornal Brasileiro de Pneumologia - Tratamento Ambulatorial e Hospitalar da


Exacerbação Infecciosa e Não-Infecciosa da DPOC – Caracterização Clínica e
Laboratorial da Exacerbação Infecciosa. Disponível em:
http://www.jornaldepneumologia.com.br/pdf/suple_124_40_dpoc_completo_finalimpr
esso.pdf. Acesso em: 18/12/11.

KNOBEL, E. Condutas no Paciente Grave. São Paulo: 1998.

LEMES, D. A; GUIMARÃES, F. S. O Uso da Hiperinsufl ação como Recurso


Fisioterapêutico em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia
Intensiva. Vol. 19 Nº 2, Abril-Junho, 2007

LIMA, F. M. R.; PELUSO, A. Q. L.; VIRGÍNIO, F. B. Ventilação não invasiva com


pressão positiva na Insuficiência Respiratória Aguda: prevenção da intubação e
reintubação. Disponível em:
http://www.wgate.com.br/conteúdo/medicinaesaúde/fisioterapia/respiratória/invasivaf
abíola.htm. Acesso em: 18/10/11.

LIMA, M. R. O; FREIRE, A. L. G; ANDRADE, L. B; SANTOS, L. G. Comparação dos


níveis de pressão positiva contínua nas vias aéreas através de dois sistemas. J
Pediatr (Rio J). 2004;80:401-6.

LOH, L. E; CHAN, Y. H; CHAN, I. Ventilação não-invasiva em crianças: uma revisão.


J Pediatr (Rio J). 2007;83(2 Suppl):S91-99.

MACHADO, D. Ventilação mecânica não invasiva: os pequenos detalhes fazem a


diferença! Disponível em: http://www.medicinaintensiva.com.br/vmnihtm. Acesso em:
18/10/11.

OLIVEIRA, J. L. C. O uso da Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas em


pacientes com Edema Agudo de Pulmão associado à Insuficiência Ventricular
Esquerda. FisioBrasil. v. 10, n. 75, p.08-13, jan/fev. 2006.

PÁDUA, A. I; MARTINEZ, J. A. B. Modos de assistência ventilatória. Medicina,


Ribeirão Preto, 34: 133-142, abr./jun. 2001.

50
PARREIRA, V. F.; CARVALHO, S. A. M.: Ventilação não-invasiva na unidade de
terapia intensiva: o manuseio da técnica pelo fisioterapeuta. Revista Fisioterapia
Brasil. Vol.VI, n.2: Revisões, 2008.

PEREIRA, L. S., CRUZ, I. C. F. Promoção da saúde em Unidades de Terapia


Intensiva: assistência de enfermagem ao cliente intubado ou traqueostomizado
- revisão da literatura de enfermagem.(2002) Disponível em:
http://www.uff.br/nepae/objn202pereiracruz.htm. Acesso em: 12/11/11.

PINHEIRO, B. V; PINHEIRO, A. F; HENRIQUE, D. M. N; OLIVEIRA, J. C. A; BALDI,


J. Ventilação não-invasiva com pressão positiva em pacientes com insuficiência
respiratória aguda. J Pneumol 1998;24:23-29.

PISSULIN, F. D. M; GUIMARAES, A; KROLL, L. B; CECILIO, M. J. Utilização da


pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) durante atividade física em
esteira ergométrica em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC):
comparação com o uso de oxigênio. J. Pneumologia 2002, vol.28, n.3, pp. 131-136.
ISSN 0102-3586.

PUSTILNIK, A. G. Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a


ventilação mecânica. Capítulo 102 - Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica:
como iniciar a ventilação mecânica. Disponível em:
http://www.saj.med.br/uploaded/File/artigos/Ventilacao%20Mecanica.pdf. Acesso
em: 06/12/11.

RAHAL, L; GARRIDO, A. G.; CRUZ JR, R. J. Ventilação não invasiva: quando


utilizar? Revista da Associação Médica Brasileira. São Paulo, Vol.51, n.5, set-out,
2005.

REGENGA, M. M. Fisioterapia em Cardiologia: da UTI à Reabilitação. São Paulo:


Roca, 2000, 417p.

SALDIVA, P. H. N.; MAUAD, T.; CAPELOZZI, V. L. et al . Pulmões. Pleura. In:


BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo: Patologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2000. p. 298-344.

SAMPIETRO, V. I; AZEVEDO, M. P. O; RESENDE, J. G. Medida da resistência ao


fluxo aéreo em peças nasais de CPAP. J Pediatr (Rio J). 2000;76:133-7.
51
SCALAN, C., MYSLINSKI, M. J. Terapia de Higiene Brônquica. In: SCALAN, C. L.,
WILKINS, R. L., STOLLER, J. K. Fundamentos da Terapia Respiratória de Egan.
Tradução: Marcos Ikeda. 1ed. São Paulo: Manole, Cap. 36, 2000.

SCARPINELLA-BUENO, M. A. et al., Uso do suporte ventilatório com pressão


positiva contínua em vias aéreas (CPAP) por meio de máscara nasofacial no
tratamento da insuficiência respiratória aguda. Rev Ass Med Brasil. v. 43, n. 3 p.
180-184, 1997.

SCHETTINO, G. P. P. et al. Ventilação mecânica não-invasiva com pressão positiva.


Rev. bras. ter. intensiva. 2007, vol.19, n.2, pp. 245-257. ISSN 0103-507X.

SILVA, R. L; BRANDÃO, G. S; CARDOSO, A. P; ZUCARELI, T. P; VENÂNCIO, J. L.


et al. Abordagem ventilatória não-invasiva no tratamento do edema agudo
pulmonar cardiogênico – CPAP x BIPAP. XI Encontro Latino Americano de
Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação –
Universidade do Vale do Paraíba, 2008.

STAINOFF, I. E. Ventilação Mecânica. Seminário sobre "Parâmetros do Ventilador


e Modos Ventilatórios. (2004) Disponível em:
http://fizionefisioterapiaereabilitacao.mht. Acesso em: 18/11/11.

TRAVAGLIA, T. C. F. Ventilação não invasiva na prática clínica de um hospital


terciário de grande porte: características demográficas, clínicas e fatores
relacionados ao desfecho de pacientes internados em UTI. (Dissertação de
Mestrado) Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - USP. São Paulo -
SP, 2010.

52