Sei sulla pagina 1di 100

Passadas cinco décadas deses os

com a própria história da Legião da Bo

ção especial a própria evolução da Obr

e Espiritualidade

oje atinge todo o Brasil e Exteri

d

lução da Obra na força

líder, que hoje atinge tod

Meio Século de

do-se por levar Solidariedad

piritualidade E ibui

CONQ

lução da Obra na forç

piritualidade E ib O s 50 anos estampados em nossa capa assinalam uma dupla comemoração:
piritualidade E ib
O s 50 anos estampados em
nossa capa assinalam uma
dupla comemoração: o Ju-
bileu de Ouro do jornalista
Paiva Netto nas lides da LBV e as cinco
décadas da revista BOA VONTADE.
A edição número um, comandada à
época pelo também jornalista Alziro Za-
rur (1914-1979), foi preparada na pri-
meira Sede da Legião da Boa Vontade,
uma pequena sala na Rua do Acre, 47,
HOMENAGENS DOS ESTADOS UNIDOS: O senhor John De Prima, da
Prefeitura de Nova York, entrega a Paiva Netto os prêmios “Citation”, “Hall
of Fame” e “Proclamation” (segurado pela Assessora Internacional da LBV,
Raquel Bertolin), em reconhecimento pelos seus 50 anos de trabalho em
favor da Humanidade.
9 o andar, no Centro do Rio de Janeiro, e,
àquela altura (década de 1950), rodada
na gráfica da Editora Bloch. O exemplar
inaugural trouxe pioneiramente a estam-
pa do Cristo Ecumênico ilustrando a capa
e apresentava aos leitores a inovadora
linha editorial do periódico que nascia,
em julho de 1956, realçando os valores
fraternos de respeito e unificação das
João Preda
Daniel Trevisan

Líder, que hoje atinge to

do-se por levar Solidarieda

Líder, que hoje atinge to do-se por levar Solidarieda religiões, das diferentes culturas e dos povos.

religiões, das diferentes culturas e dos povos. Passado meio século desses mar- cos miliários, aproveitamos o ensejo da data, que se incorpora na própria história da LBV, para ressaltar nesta BOA VONTADE Especial o extraor- dinário crescimento da Instituição sob

o

notabilizando-se por levar Solidarieda-

comando empreendedor de seu líder, luç

Líder,

de, Educação, Cultura, Meio Ambiente,

do-se po

lução

Saúde, Responsabilidade Social, Paz e

Espiritualidade Ecumênica.

d

Líder qu

l

EMOÇÃO: O líder da LBV cumprimenta, carinhosamente, vovó atendida no Lar da Legião da Boa Vontade de Uberlândia/MG.

| BOA VONTADE

roveitamos o ensej

o-se por levar Solidariedade, Ânimo, P

a Vontade, para apresentar nesta public

a na força realizadora de seu Líder, qu

ta, que se confund

E ibuições impor

realizadora de seu

o o Brasil e Exteri

e, Ânimo, Paz e Es-

ções impor

UISTAS

a realizadora de seu

do o Brasil e Exteri

uições impor

de, Ânimo, Paz e Es-

Edição 213 Primeira edição
Edição 213
Primeira edição

Tão grato como ler a análise de um consagrado colega de profissão, como Azêdo, é ver personalidades cultas e politizadas quanto a can- tora Leci Brandão, ao comentar a fidelidade do material produzido a seu respeito: “Recebi a revista BOA VONTADE e simplesmente adorei,

porque está fiel ao que falei. Vocês não mudaram absolutamente nada. Fizeram o trabalho com a maior dignidade. Isso me emocionou. A revista está muito bonita”. Ou como afirma um dos ícones

da imprensa brasileira Moacir

Japiassu com seu inseparável se-

honra merecer registro na revista BOA VONTADE, tão bem-feita, tão bonita, e, ainda por cima, com a Juliana Paes na capa! É algo pra

comenta o escritor

e autor da coluna Jornal da Impren- Ça, do portal Comunique-se. Para comemorar tão profícuas décadas, esta edição especial traz boas novidades: com número maior de páginas, passou por reformulação visual, de acordo com as principais tendências do mercado, chegando ao

público com novo e moderno layout.

Ratifica, assim, o seu compromisso

matar o velho

,

de bem informar sempre!

Na gestão de Paiva Netto, entre as suas incontáveis realizações, destacamos o surgimento dos beneméritos meios de comunica- ção: Super Rede Boa Vontade de Rádio, Portal Boa Vontade (www. boavontade.com), Boa Vontade TV, Rede Mundial de Televi- são, revistas BOA VONTADE e JESUS ESTÁ CHEGANDO!, Gravadora Som Puro e Editora Elevação. Durante décadas, o leitor da BV acompanha temas de interesse geral. Entrevistas, reportagens, notícias e artigos relevantes numa permanente busca pelo crescimento pessoal, ético e espiritual do público. Ilustres leitores manifestam-se neste espaço, a exemplo do Presidente daAssocia- ção Brasileira de Imprensa (ABI), Maurício Azêdo, que por diversas vezes expôs seu apoio a esta forma de informar: “Senhor Diretor, ao agradeceroexemplarn o 209/janeiro de 2006 da revista BOA VONTADE, querofelicitá-loeaoscolaboradores da publicação pela excelência do

trabalho realizado e especialmente

ão da Obra na força realizadora

piritualidade E ibuições impor

que hoje atinge todo o Brasil e

pela magnífica entrevista com o

r levar Solidariedade, Ânimo, P

jornalista Sidney Rezende, condu-

cretário, Janistraquis: “Obrigado

zida com competência e senso de

pelo texto a respeito do meu livro

Francisco de Assis Periotto,

oportunidade”.

S

(Quando alegre partiste). É uma

i

d

d

da Obra na força realizadora

e hoje atinge todo o Brasil e

Editor-responsável.

i

Â

BOA VONTADE |

lid

Sumário Ao Leitor Cartas, e-mails e mensagens Notícias de Brasília 4 8 15 In memoriam
Sumário
Ao Leitor
Cartas, e-mails e mensagens
Notícias de Brasília
4
8
15
In memoriam
16
Coluna de Esportes
Cultura
Atualidades
Acontece
ONU — Brasil
Nações Unidas — Internacional
Responsabilidade Social
Internacional
Especial — Paiva Netto
Literatura
Ecumenismo
Entretenimento
Samba e História
Comunicação
Meio Ambiente
Arte na Tela
Esperanto
Ação Jovem LBV
Soldadinhos de Deus
Saúde
Melhor Idade
17
18
21
22
25
26
28
31
32
73
74
75
76
78
82
84
88
90
O maior discurso de
um Ser Humano são
as suas obras.
92
Paiva Netto
94
97

17

18
18
21
21
25
25

26

Esportes

Cultura

Atualidades

ONU - Brasil

Nações Unidas

(Coluna de

(Entrevista com

(Em visita,

(UNIC Rio firma

Internacional

José Carlos

Moacyr Scliar)

Presidente do

nova parceria

(Legião da Boa

Araújo)

CNAS encanta-se com a LBV.)

com a LBV)

Vontade na ONU em Genebra)

BOAVONTADE ANO L • N º 213 • JUNHO/JULHO DE 2006 BOA VONTADE é uma
BOAVONTADE ANO L • N º 213 • JUNHO/JULHO DE 2006 BOA VONTADE é uma

BOAVONTADE

ANO L • N º 213 • JUNHO/JULHO DE 2006

BOA VONTADE é uma publicação mensal das IBVs, editada pela Editora Elevação. Registrada sob o nº 18166, em 16/03/2006, no livro “B” do 9º Cartório de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo.

Diretor e Editor-responsável Francisco de Assis Periotto MTE/DRTE/RJ 19.916 JP

Coordenador de equipe Gerdeilson Botelho

Equipe Elevação Adriane Schirmer, Ana Paula de Oliveira, Angélica Beck, Daniel Trevisan, Danielly Arruda, Débora Verdan, Felipe Tonin, Isabela Ribeiro, João Miguel Neto, Joilson Nogueira, Leila Marco, Maria Aparecida da Silva, Natália Lombardi, Neuza Alves, Nino Santos, Paulo Azor, Rita Silvestre, Rodrigo Oliveira, Rosana Serri, Simone Barreto, Sônia Sabatine, Stella Souza,Walter Periotto,Wanderly Albieri Baptista e William Luz.

Projeto Gráfico Alziro Braga e Helen Winkler

Capa

Alziro Braga

Produção Endereço para correspondência:

Av. Rudge, 938 — Bom Retiro CEP 01134-000 — São Paulo/SP Tel.: (11) 3358-6868 — Caixa Postal 13.833-9 — CEP 01216-970 Internet: www.boavontade.com E-mail: info@boavontade.com Impressão: Editora Parma

A revista BOA VONTADE não se responsabiliza por conceitos emitidos em seus artigos assinados.

Reflexão de BOA VONTADE:

Disse Jesus: “Novo Mandamento

vos dou: Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros.

Não há maior Amor do que

este: dar a sua própria Vida pelos

Porquanto, da

mesma forma como o Pai me ama, Eu também vos tenho amado. Permanecei no meu Amor”.

) (

seus amigos. (

)

(Evangelho do Cristo, segundo João, 13:34 e 35; 15:12, 13 e 9)

28

32
32
78
78
82
82

94

Responsabili-

Especial

Comunicação

Meio Ambiente

Saúde

dade Social

(Paiva Netto:

(Reabertura da

(Artigo do

(Defenda-se da

(OAB/SP orienta o

meio século

ABI/SP)

Dr. Marco Antonio

asma e rinite

Terceiro Setor)

de Boa Vontade)

Palermo)

alérgica)

Trevisan Clayton FerreiraDaniel

Trevisan Clayton FerreiraDaniel @ Cartas, e-mails e mensagens Cordiais saudações ao cinqüentenário ( ) No

@

Cartas, e-mails e mensagens

Cordiais saudações ao cinqüentenário

( ) No momento em que o emi- nente consócio festeja seu Jubileu de Ouro

(

)

No momento em que o emi-

nente consócio festeja seu Jubileu de Ouro na Legião da Boa Vontade, a Associação Brasileira de Imprensa lhe dirige efusivos cumprimentos por data tão marcante em sua fecun- da trajetória de jornalista, radialista, escritor, poeta, compositor e destaca- do membro da ABI, que se orgulha de tê-lo em seu quadro social desde 28 de setembro de 1982 –– há quase um quarto de século, pois. A ABI tem acompanhado o seu profícuo trabalho à frente da Legião da Boa Vontade, marcado pelo êxito na ampliação e aperfeiçoamento dos serviços em prol das comunidades populares, às quais a LBV, sob sua direção e por sua inspiração, tem le- vadoassistência materialeespiritual. Entre os destinatários e beneficiários dessas atenções encontram-se as- sociados e funcionários da própria ABI, que têm merecido da LBV o carinho, o conforto e o apoio essen- cial ao aumento da sua auto-estima. Por tudo isso, quero apresentar-lhe, caro Dr. José de Paiva Netto, os votos da Associação Brasileira de Imprensa de que o eminente amigo continue por muitos anos à frente da benemérita Instituição a que serve há 50 anos com generosidade e desprendimento. (Maurício Azêdo,

Presidente da Associação Brasilei- ra de Imprensa)

| BOA VONTADE

Por ocasião do Congresso do Jubileu de Ouro de Paiva Netto na Legião da Boa
Por ocasião do Congresso do
Jubileu de Ouro de Paiva Netto na
Legião da Boa Vontade, apresento
meus parabéns e os melhores votos,
agradecendo todo o Bem realizado
em favor da Paz e do entendimento
na sociedade e formulando augúrios
para o pleno êxito do evento. Cordial
e atenciosamente. (Cardeal Dom
Simone Barreto

Paulo Evaristo Arns, Arcebispo Emérito de São Paulo)

Caríssimo Paiva Netto, por oca- sião do seu Jubileu de Ouro na LBV, aceite o
Caríssimo Paiva Netto, por oca-
sião do seu Jubileu de Ouro na LBV,
aceite o caloroso e fraterno abraço
de parabéns que lhe envio em nome
de muitos amigos na comunidade
judaica do Brasil. Que Deus o aben-
çoe com energia criativa e sucesso
cada vez maior em seu trabalho.
Cordialmente. (Rabino Henry I.

Sobel, Presidente do Rabinato da Congregação Israelita Paulista)

A noite no Theatro São Pedro foi das mais belas e emotivas que

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

 

presenciei. Minha impressão foi

a

mesma de todos os amigos e

admiradores que até lá foram para homenagear Paiva Netto. Todavia,

gostaria de dizer algo que me fas- cinou, como se fora uma novidade. Vi poucos fenômenos de comunica- ção em minha vida: Silvio Santos,

Leonel Brizola, Chacrinha

São

poucos os que silenciam as massas,

 

magnetizando-as com suas palavras, com a força de suas personalidades

e

o arrebatamento de suas idéias.

Paiva Netto é um deles. Que Deus preserve essa autêntica força da Na- tureza, guardando-a para os milhões de brasileiros que se acostumaram com a palavra serena e firme dele, com seus livros campeões de ven- das, com suas sinfonias tocantes. O abraço do amigo e admirador. (Ruy

Nogueira, publicitário)

Digníssimo Senhor Presidente da LBV, Paiva Netto. Prezado Irmão, estou imensamente feliz de participar das comemorações do seu Jubileu de Ouro na LBV.

) (

seu testemunho de Amor e de sabedoria na missão evangélica de criar uma Humanidade mais fraterna. Oro para que o senhor possa continuar ainda por muitos anos em nosso meio, criando uma

Agradeço ao Bom Deus pelo

Colunistas brasileiros aplaudem Jubileu de Ouro Cida Linares Gilberto Amaral Arquivo pessoal Moacir Japiassu Elisa
Colunistas brasileiros aplaudem Jubileu de Ouro Cida Linares Gilberto Amaral Arquivo pessoal Moacir Japiassu Elisa

Colunistas brasileiros aplaudem Jubileu de Ouro

Colunistas brasileiros aplaudem Jubileu de Ouro Cida Linares Gilberto Amaral Arquivo pessoal Moacir Japiassu Elisa
Cida Linares
Cida Linares

Gilberto Amaral

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Moacir Japiassu

Elisa Rodrigues
Elisa Rodrigues

Paulo Gasparotto

Simpática charge, de autoria de Bruno Marun, que ilustrou a nota do Jornal do Brasil: o Povo carregando a LBV.

A s diversas homenagens

prestadas pela sociedade

gaúcha e brasileira ao líder

da Instituição foram pauta

nas redações de diversos periódi- cos, em especial, em colunas de renomados jornalistas. O colunista Gilberto Amaral deu amplo destaque ao aconte- cimento em sua coluna de 20 de junho. “Paiva Netto é hoje uma lenda viva, confundindo-se com a própria história da LBV”, destaca o jornalista do Jornal do Brasil. Com o título: “LBV em festa”, Gilberto Amaral apresenta os motivos para se comemorar o Jubileu de Ouro

Fernando Franco
Fernando Franco

Marlene Galeazzi

de dedicação de um homem à Seara de Boa Vontade. O autor do texto ainda ressaltou todo o crescimento da Instituição. O jornalista Moacir Japiassu reservou espaço em sua coluna do dia 13 de julho, do Jornal da ImprenÇa (publicada no Portal www.comuni- que-se.com.br), para também fazer a homenagem. Na nota, convidou os leitores a prestigiarem a festa do Jubi- leu de Ouro no Ginásio da Portuguesa e acrescentou: “São 50 anos traba- lhando em uma entidade dedicada aos milhões e milhões de brasileiros realmente necessitados. Daqui do meio do mato, Janistraquis e eu enviamos nosso abraço a este homem decente, cujo desempe- nho jamais se valeu dos favores oficiais”. (grifo nosso) Outros jornalistas que também noticiaram o fato foram Paulo Gasparotto, do Jornal O Sul e Marlene Galeazzi, do Jornal de Brasília.

abraçá-lo com sincera devoção e, por meio do senhor, abraçar todas as pessoas amigas da
abraçá-lo com sincera devoção e,
por meio do senhor, abraçar todas
as pessoas amigas da LBV. (Padre
Mario Celli, de Roma, na Itália)
Parabenizamos o caro amigo pe-
los seus 50 anos na LBV. Que Deus
abençoeatodospelograndetrabalho
realizado! (Dulce Lopes Fontes, das
Obras Sociais Irmã Dulce)
comunhão sempre mais ampla en-
tre todas as pessoas de Boa Vonta-
de. Permita-me, caríssimo Irmão,
Nem tudo está perdido: o Ecu-
menismo existe no Brasil graças,
sobretudo, ao Paiva Netto! E eu
comungo com ambos. Como teste-
munha ocular de todo o trabalho
social feito por Paiva Netto no
BOA VONTADE |
Arquivo BV
Arquivo BV
@ Cartas, e-mails e mensagens Rio e em Brasília, me sinto hon- rada em conhecer
@
Cartas, e-mails e mensagens
Rio e em Brasília, me sinto hon-
rada em conhecer uma pessoa tão
do bem e de bem. Paiva, você é
demais! As melhores vibrações
de Paz, Saúde, Amor e Bom Hu-
mor, da sua fã. (Leiloca, cantora
no espaço em direção das estre-
las. (
)
Quando já transcorrido
algum tempo, comecei a ver ao
longe algo que parecia ser uma
estrela muito luminosa. Aos
poucos fomos nos aproximando
e
percebi que a estrela era, na
e astróloga)
verdade, uma grande construção
situada no meio do espaço side-
ral. Ao chegarmos, foi como se
tivesse tomado consciência plena
de que estava diante do Templo
da LBV no Plano Espiritual. Era
como se ali fosse a sede maior da
LBV, onde muitas coisas eram
decididas. A imensa construção
elevava-se aos céus em forma de
uma grande igreja, uma imensa
que a Legião da Boa Vontade
dirigida por Paiva Netto aqui
na Terra se transformou em
uma Instituição que transcen-
de as barreiras deste Planeta
e
tem uma importância a toda
No ano 2000, ao colaborar
com a equipe do ParlaMundi
da Legião da Boa Vontade, em
Igreja Celestial, era como se fos-
se o Templo da Boa Vontade em
Humanidade. A mensagem que
ele vem pregando por meio da
Religião de Deus, muito mais do
Brasília, mas muito maior. (
)
Eu
que mera dialética religiosa, é a
pura Ciência Divina que permite
à
Humanidade a cura de todos
Brasília/DF, na reunião do I Fórum
Mundial Permanente Espírito e
Ciência, da LBV, (
)
lembro-me
de ter passado por uma experiên-
tinha plena consciência de que
ali existiam muitas Almas de
elevada Espiritualidade, que na
Terra haviam servido à LBV e
agora prosseguiam seu trabalho
cia espiritual muito forte. (
)
Ao
repousar, aproximou-se de mim
um Ser muito luminoso que
pediu que eu o acompanhasse.
na sede maior. Neste estado de
consciência plena, eu sabia que
fui conduzido até ali para con-
templar aquele lugar especial
(
)
Comecei a segui-lo e logo
e
compreender a importância
percebi que estávamos flutuando
do trabalho da LBV. (
)
Creio
os seus males físicos e espiri-
tuais. A mensagem do Ecume-
nismo Irrestrito é a chave que
permitirá às demais religiões da
Terra, um dia, estarem unidas
em um único propósito. E nis-
to, Paiva Netto e a LBV foram
precursores. De seu amigo na
Luz. (Alcione Luiz Giacomitti,
escritor)
Jorge Alexandre
Arquivo BV

Racismo: vergonha!

O racismo continua sendo uma mácula da qual o Povo brasileiro tem de se livrar se realmente deseja um país melhor. As incabíveis cenas de preconceito criminoso ainda persis- tem nas relações cotidianas, enver- gonhando-nos como sociedade. Dentre tristes episódios, somou- se, recentemente, a discriminação so- fridapelasra.TerezinhaMarcelino, de 77 anos, querida mãe do cantor Toni Garrido. Ela fazia compras, na Cobal do Humaitá, zona sul do Rio de Janeiro, e, ao selecionar cerejas na banca de frutas, foi abordada no

local aos gritos de “negra ladra!” — total absurdo! Fazendo valer seu direito constitucional de ser tratada com igualdade, Dona Terezinha foi ao 10 o DP, em Botafogo, e registrou queixa contra o ato de racismo, um crime inafiançável, imprescritível e sujeito à pena de reclusão. A valentia desta senhora con- trasta com o panorama cruel do silêncio imposto a milhões de pessoas, geneticamente idênticas a todos os habitantes deste Planeta, que não têm voz para fazer valer sua dignidade.

Angélica Beck

Propício refletir, mais uma vez, sobre a constatação certíssima do escritor Paiva Netto em seu artigo “Apartheids lá e Apartheids , pu- blicado na Folha de S. Paulo, de 30 de março de 1986: “Na Monarquia, os negros eram escravos. Na República, continuam maltratados”. Ao tratar a questão, o escritor assevera ainda que o caminho para tal impasse faz-se pos- sível pela educação: “Enquanto não prevalecer o ensino eficaz por todos os de bom senso almejado, qualquer nação padecerá cativa das limitações que a si mesma se impõe”.

Divulgação

Arquivo pessoal

Jorge Alexandre

ZUZU

Angel

Chega às telas do País o filme Zuzu Angel, personagem encenado por Patrícia Pillar.Acinebiografia, lançada como grande aposta do cinema nacional para 2006, tem a direção de Sérgio Rezende e narra a história da mineira Zuleika Angel Jones (1921-1976), estilista respon- sável por projetar a moda brasileira no Exterior. O roteiro gira em torno do drama sofrido por ela para encontrar seu filho Stuart (interpretado por Da- niel de Oliveira), que desapareceu, depois de ser preso pelo governo militar, em 1971. A luta de Zuzu para descobrir o destino do jovem levou-a, inclusive, a recorrer a personalidades internacionais. Ela morreu num misterioso acidente de carro em um túnel no Rio de Janei- ro, que depois foi batizado com o seu nome. Quem também aparece na história do filme é Sônia Angel, mulher de Stuart, papel interpretado por Leandra Leal; Elke Maravi- lha, na atuação de Luana Piovani; e Heleno Fragoso, por Alexandre Borges.

Luana Piovani ; e Heleno Fragoso , por Alexandre Borges . A Legião da Boa Vontade,

A Legião da Boa Vontade, que valoriza a cultura nacional, marcou presença na avant-pre- mière do filme, ocorrida na ca- pital fluminense, em 11 de julho. Hildegard Angel, filha de Zuzu, revelou suas impressões da obra:

“É muito bem-feito, preciso e verdadeiro. Ele contou a história com grande delicadeza, poesia e talento, mas conseguiu fazer quase um documentário. Foi muito bonito. Agradeço à LBV por sempre estar presente nesses momentos tão pontuais na vida brasileira!”, finalizou.

“Para amar a LBV, basta conhecê-la!”

O jornalista Carlos Alberto Guimarães, do Jornal do Brasil, acompanhado da arquiteta Ro- géria Rocha, esteve no dia 14 de

julho nas instalações da unidade educacional da Legião da Boa Vontade no Rio. “Essa Obra que

a LBV faz há 56 anos é algo in-

descritível. É difícil, mesmo para

a gente, jornalista, acostumado a

lidar com as palavras, descrever

em tão poucas palavras. Eu me

sinto muito orgulhoso de ver isso

) Parabéns

por esses anos todos, por essas cinco décadas de trabalho digno, limpo, sempre pra frente. ( ) Parabéns, Irmão Paiva, pelos 50

anos na Legião da Boa Vontade”, pontuou. Ao término, ratificou

sua antiga frase: “Para amar a LBV, basta conhecê-la”.

tudo aqui na LBV. (

O jornalista e apresentador de TV Amaury Jr. também acom- panhou a festa e, em
O jornalista e apresentador de
TV Amaury Jr. também acom-
panhou a festa e, em entrevista,
saudou a Instituição e seu dirigente
pelo cinqüentenário de trabalho.
“Sou um admirador do Paiva Netto
e do trabalho da LBV e sempre que
Cida Linares

posso também coloco nos meus

editoriais, nas minhas matérias, os trabalhosdesenvolvidospelaLegião da Boa Vontade. Quero aproveitar esse momento para mandar um beijo muito carinhoso para Paiva

Netto (

Que continue firme e

conte comigo. Conheci a Legião da Boa Vontade nos seus mais di- ferentes segmentos e momentos. É uma coisa tão bem-organizada, tão bem-concatenada que eu cunhei

esta frase que ficou marcada e repito até hoje: ‘A LBV é o Brasil que deu

) Nós

).

certo!’. Paiva Netto firme. (

estamos com você!”, concluiu.

Cartas, e-mails e mensagens @ Chico Audi anos de trabalho! ( e Paiva Netto está

Cartas, e-mails e mensagens

@

Chico Audi
Chico Audi

anos de trabalho! (

e

Paiva Netto está sempre no nosso coração. Parabéns! São 50

Brasília, Ministro da Cultura e Embaixador em Portugal)

Fernando Franco
Fernando Franco

Paiva Netto sempre nos deu grandes exemplos. Eu visitei o Templo da Boa Vontade, acom-

panho o trabalho da LBV e já fui

a

várias creches. É um batalhador

e

um homem de muita coragem.

(

)

Temos de apoiar e colaborar

com o trabalho de Paiva Netto e da LBV. Pode ter certeza de que estará ajudando uma entidade que sabe distribuir e que sabe levar o que as pessoas precisam onde elas estiverem. (Luciano do Valle,

apresentador do Apito Final, da Rede Bandeirantes) João Periotto
apresentador do Apito Final,
da Rede Bandeirantes)
João Periotto

Paiva Netto, é um prazer muito grande enviar essa mensagem de Paz, Amor, Carinho e de Frater- nidade, acima de tudo. Parabéns, Paiva, pelos 50 anos de LBV! Fico muito feliz de fazer parte dessa família. Que você continue,

)

Parabéns

por tudo, pela pessoa maravilho-

sa que é, por dentro e por fora,

por essa Paz que transmite. (Lucimara Parisi, produtora

do Domingão do Faustão, da Rede Globo)

Tenho grande prazer de falar para a Legião da Boa Vontade sobre o cinqüentenário de trabalho de Paiva Netto neste grande mo- vimento de fé na vida brasileira. Quero dizer que ele é um homem

que redimensionou as atividades da LBV, colocando-a a serviço das melhores idéias da Pátria brasileira. Nesse cinqüentenário tão glorioso

é

Netto, como patriota, deu ao Brasil uma grande contribuição do ponto de vista social e humano. É uma data que deve ser comemorada como uma data nacional. Já estive naquele belo Templo da Boa Vonta- de, uma referência fundamental na capital do país. Ninguém pode ir a Brasília para conhecer a cidade sem ir ao Templo da LBV. Por to- das essas razões, tenho alegria de

importante acentuar que Paiva

cumprimentar o grande brasileiro Paiva Netto. (José Aparecido de

Oliveira, que foi Governador de

muitos e muitos anos pela frente. (Daniel, cantor) Cida Linares
muitos e muitos anos pela frente.
(Daniel, cantor)
Cida Linares

Quero cumprimentar e dar meus parabéns ao jornalista José de Paiva Netto por esse meio século dedicado

à LBV. Ele conseguiu o que poucos conseguiram no Brasil: realizar

uma obra gigantesca, voltada para

a educação, para a cultura e para a

Espiritualidade, da qual participam também, como eu, homens de ciên- cia, ligados à fé — um trabalho tão notável que engrandece não só

o José de Paiva Netto e a LBV, mas

engrandece o nosso próprio País. Eu gostaria de cumprimentar o jor- nalista José de Paiva Netto também

pela criação do Centro Educacio-

nal, Cultural e Comunitário no Rio de Janeiro. Quando o visito, saio muito esperançoso de
nal, Cultural e Comunitário no Rio
de Janeiro. Quando o visito, saio
muito esperançoso de que o Brasil
conseguirá ser um grande país, se
centros como esse se multiplicarem.
(Ronaldo Rogério de Freitas
Simone Barreto

Mourão, Astrônomo)

Falar do Paiva Netto e da Le- gião da Boa Vontade para nós é agradável e honroso. A LBV tem

muitos anos de trabalho em favor da comunidade, o que é extraor- dinário em termos brasileiros e universais. Paiva Netto tem constância na boa trilha, não se deixou atrair por novidades

Reprodução RMTV
Reprodução RMTV

missão que talvez no Brasil é a única que se tem, porque ela atende a uma necessidade so- cial. Eu me sinto muito honrado por neste dia falar ao grande Diretor-Presidente da Legião da Boa Vontade. Paiva Netto impri- miu, divulgou e implantou em todo o território nacional esta Obra maravilhosa que é a LBV. Esta Instituição merece estar no mundo inteiro, como exemplo de grandeza social e moral. ( ) Por tudo isso, só posso dizer obrigado, Paiva Netto! Que te- nha saúde e continue imprimin- do esta vontade de realizar, de compreender e educar. (Paulo

Parisi, jornalista)

de compreender e educar. (Paulo Parisi, jornalista) Cida Linares Dirijo-me a Paiva Netto para congratular-me
Cida Linares
Cida Linares

Dirijo-me a Paiva Netto para congratular-me pelos seus 50 anos de trabalho dedicado às pessoas que necessitam do

 

)

O

)

Que o

ou questões passadas. (

indivíduo que sabe que tem méritos, mas que abre mão deles em prol do seu semelhante, é uma figura respeitável, diria até

santificada. Porque santo é isso, um indivíduo que não se empol- ga por si e se dedica a outrem.

) (

A Legião da Boa Vontade

traduz realmente uma potência

de forças espirituais. (

trabalho se multiplique sempre, pois é altamente moral, o que justamente a Instituição prega, sem precisar fazer discursos porque os seus constituintes praticam e, portanto, são a exi- bição própria daquilo que deve ser um bom caminho. (Fernan-

do Segismundo, jornalista,

Presidente do Conselho da ABI – Associação Brasileira de Imprensa)

Com a maior felicidade da minha vida saúdo Paiva Netto. Ele completa um cinqüentenário na Legião da Boa Vontade: não há nada neste País que possa se igualar à LBV. Este cinqüente- nário é uma lápide em que nós podemos escrever com honra e com devoção para com o grande amigo Paiva Netto. Por quê? Porque é simples. A Legião da Boa Vontade mantém uma

apoio espiritual. Parabéns, e que Deus continue abençoando Vos- sa Excelência e distinta família. Um
apoio espiritual. Parabéns, e que
Deus continue abençoando Vos-
sa Excelência e distinta família.
Um fraterno abraço do amigo
Kümmel. (Coronel-Aviador
da Aeronáutica Weber Luiz
Fernando Franco

Kümmel)

Elisa Rodrigues
Elisa Rodrigues

Quero me congratular com o senhor Paiva Netto, conforme já fiz diversas vezes, pela perse- verança nesse trabalho que está realizando. Ele completou no dia 29 de junho cinqüenta anos de trabalho. E continua exatamen- te na mesma linha, no mesmo entusiasmo, estimulando cada vez mais as pessoas em toda a parte. (Léo Persch, Sacerdote da Igreja Católica e escritor)

Minha saudação especial ao Irmão Paiva Netto, uma criatura

Cartas, e-mails e mensagens @ fantástica, que tem um conhe- cimento e uma Espiritualidade necessários

Cartas, e-mails e mensagens@

fantástica, que tem um conhe- cimento e uma Espiritualidade necessários ao Povo brasileiro. Esperamos que
fantástica, que tem um conhe-
cimento e uma Espiritualidade
necessários ao Povo brasileiro.
Esperamos que ele possa ter
como presente a ampliação da
sua mensagem em todos os can-
tos do Brasil e do mundo. Em
nome da comunidade ufológica
brasileira, quero agradecer todo
apoio que o Paiva Netto tem nos
dado. (Rafael Cury, ufólogo)
Reprodução RMTV
Daniel Trevisan
Daniel Trevisan

).

Paiva

Queremos dar os parabéns a Paiva Netto por esses 50 anos. Que se sucedam mais 50, 50 e 50 anos nas ações da Espiritualidade, pois, com os grandes mentores espirituais,

ele trará para nós esse exemplo e será

referência para as crianças (

Netto, viva a sua força espiritual.

) (

aqui o abraço dos umbandistas do Brasil. (Juberli Varela, Presidente

Parabéns pelos 50 anos e fica

da Federação Espiritualista Reino dos Orixás de São Paulo – Coor- denador do Superior Órgão de Umbanda do Brasil)

Daniel Trevisan
Daniel Trevisan
do Superior Órgão de Umbanda do Brasil) Daniel Trevisan Precisamos de pelo menos mais 50 anos

Precisamos de pelo menos mais 50 anos das ações prati- cadas por Paiva Netto para que tenhamos um mínimo de justiça social neste País. Com grande carinho. (Dr. Márcio Pollet,

advogado)

um mínimo de justiça social neste País. Com grande carinho. (Dr. Márcio Pollet, advogado) 1 |
um mínimo de justiça social neste País. Com grande carinho. (Dr. Márcio Pollet, advogado) 1 |

Arquivo BV

Arquivo BV Paiva Netto é homenageado na Sala das Sessões do TCU em discurso histórico proferido
Arquivo BV Paiva Netto é homenageado na Sala das Sessões do TCU em discurso histórico proferido
Arquivo BV Paiva Netto é homenageado na Sala das Sessões do TCU em discurso histórico proferido

Paiva Netto é homenageado na Sala das Sessões do TCU em discurso histórico proferido pelo Ministro Valmir Campelo

P or ocasião dos festejos do cinqüentenário de trabalho de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade, o Ministro

do Tribunal de Contas da União (TCU), e ex-Presidente da Casa, Valmir Campelo, pronunciou-se na Sala das Sessões para ilustres mem- bros do TCU, em 28 de junho, enal- tecendo as realizações de trabalho do líder da LBV. Abaixo, a transcrição de seu pronunciamento:

“Homenagem pelas comemo- rações do Jubileu de Ouro de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade “Senhor Presidente, “Senhores Ministros, “Senhor Procurador-Geral, “Amanhã, 29 de junho de 2006, comemora-se o Jubileu de Ouro de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade. “Nesta oportunidade, não pode-

ria deixar de ressaltar o respeito e a admiraçãoque essegrande brasileiro desperta em todos que conhecem a sua magnífica e edificante Obra. “No seu trabalho na LBV, há 50 anos, vem construindo uma sólida

e frutífera estrada, visando essen- cialmente ao aprimoramento do Homem, fazendo da Boa Vontade

a grande lição de cidadania para o

Brasil e para o mundo. “Com atuação embasada na misericórdia e na ajuda ao próxi- mo, a LBV cada vez mais ganha corpo como instituição essencial ao

desenvolvimento da Solidariedade e Fraternidade entre os indivíduos, auxiliando-os com palavras de fé e com boas ações. “E nesse benéfico mister, a figura ímpar de Paiva Netto ergue-se com um vigor incomparável, falando de Cristo e agindo como um bom Cristão, na busca incessante de uma nova sociedade de paz, harmonia e amor, trazendo o Reino de Deus para perto das pessoas.

“No seu trabalho na LBV, há 50 anos, vem construindo uma sólida e frutífera estrada, visando essencialmente ao aprimoramento do Homem, fazendo da Boa Vontade a grande lição de cidadania para o Brasil e para o mundo.”

“Na LBV há cinco décadas, suas ações de promoção humana e social, desenvolvidas nos vários cantos do País, o colocam entre aqueles com grandes e decisivas contribuições ao desenvolvimento social do nosso Povo, com um trabalho magistral nas suas escolas, na atenção aos ido- sos, na preocupação com as crianças, enfim, na construção de um mundo melhor. “Sinto-me honrado pela oportu- nidade de dar este breve depoimento sobre um homem à frente de uma

Instituição cuja luta tem como resul- tado uma obra magnífica do Espírito, da Alma e da sensatez humana. “Estou certo de que ele prosse- guirá nessa boa luta, divulgando idéias, estimulando a cidadania, organizando mutirões pela vida e sendo referência na formação das pessoas, num trabalho realmente iluminado e de Inspiração Divina, reconhecido nacional e internacio- nalmente. “É o registro que faço, em home- nagem a Paiva Netto — o grande Apóstolo destes tempos —, por tudo quanto ele fez e continuará fazendo de bom aos brasileiros e à Humani- dade, levando palavras de luz, amor e esperança a todos, especialmente quando nos prega a fé nos momen- tos de descrença, quando acende as chamas da coragem nos nossos instantes de desânimo e quando nos devolve a Paz de Espírito nas horas de desespero. “Portanto, ao prezado Paiva Netto, os nossos parabéns pela grandeza do seu trabalho, e que a sua palavra amiga e sábia continue presente nos nossos lares. “Por fim, proponho que cópia integral desta Comunicação seja encaminhada ao homenageado e à LBV. “TCU, Sala das Sessões Mi- nistro Luciano Brandão Alves de Souza, em 28 de junho de 2006. “Valmir Campelo “Ministro”.

Mi- nistro Luciano Brandão Alves de Souza, em 28 de junho de 2006. “Valmir Campelo “Ministro”.
saudades Lembranças e O adeus a três notáveis dos campos da arte e da comunicação

saudades

Lembranças

e

O adeus a três notáveis dos campos da arte e da comunicação

U m dos mais experientes profissionais da história do jornalismo esportivo do País, o radialista
U m dos mais experientes
profissionais da história
do jornalismo esportivo
do País, o radialista Fiori
Ouro para o Paiva é uma decisão
acertadíssima.Anossa homenagem
a todos os que fazem esta Obra
expressou sua ligação com a LBV
em entrevista, na qual destacou:
Giglioti, faleceu no dia 8 de junho,
aos 77 anos, em São Paulo/SP. Ao
longo de sua sólida carreira, fez
fantástica que merece o apoio dos
brasileiros”, afirmou.
No mês de julho, os brasileiros
deram adeus a dois ilustres nomes
do cenário nacional: Raul Cortez
“Há muitos anos, conheço o tra-
balho da LBV e sempre o vi com
entusiasmo e com grande carinho.
Vou falar utilizando minha intuição:
e Gianfrancesco Guarnieri. Aos
LinaresCida
Cida Linares
BVArquivo

escola, ao formar locutores e repór- teres, além de cobrir dez Copas do Mundo e acompanhar outras três como comentarista. Entusiasta das causas sociais, o jornalista sempre se identificou com as ações da Legião da Boa Vontade. Durante a festa de entrega do Troféu Bola de Ouro, na década de 1990, expressou sua alegria ao saber que o dirigente da Instituição recebeu o prêmio. “O Paiva Netto

é uma pessoa que respeitamos.

Conhecemos bem a Instituição que

dirige. Ele simboliza exatamente

o coração aberto, a alma limpa e

novos horizontes, um mundo de paz, de carinho, de amor e igual-

dade. A outorga do Troféu Bola de

73 anos, Cortez retornou à Pátria Espiritual no dia 18 de julho. O ar- tista ganhador de cinco edições do prêmio Molière nasceu na capital paulista, em 28 de agosto de 1932, e no coração da cidade, no Theatro Municipal, ele recebeu as últimas homenagens. Guarnieri, aos 71 anos, faleceu em 22 de julho, na capital bandei- rante. Italiano (de Milão), mudou-se para o Brasil quando tinha 2 anos de idade. Iniciou a carreira de ator

e dramaturgo em São Paulo/SP e

consolidou-se na área como um dos seus principais expoentes. Também engajado nas iniciativas solidárias,

expoentes. Também engajado nas iniciativas solidárias, este trabalho vai muito além do que poderíamos chamar de

este trabalho vai muito além do que poderíamos chamar de importante, é uma assistência real, é algo muito maior. Gosto de ver o que está sendo feito, sentir, porque as coisas não me atraem por suas formas, mas por- que têm muito dentro de si. E tenho certeza de que, mesmo sem estar lá, pertenço à Legião da Boa Vontade pelo que este movimento é, estou integrado em suas atividades”. Aestes ilustres Irmãos, o respeito da LBV, também extensivo aos familiares dos queridos Giglioti, Cortez e Guarnieri. Que recebam, onde quer que estejam, as vibra- ções de Paz da Instituição e de seu Diretor-Presidente, José de Paiva Netto, que nos ensina: “os mortos

não morrem!”.

e de seu Diretor-Presidente, José de Paiva Netto, que nos ensina: “os mortos não morrem!” .

Felipe Freitas

Felipe Freitas

Arquivo BV

José Carlos Araújo é comunicador esportivo da Rádio Globo do Rio de Janeiro/RJ

A CBF surpreendeu a to- dos que esperavam que o substituto de Carlos Alberto Parreira no

comando da Seleção Brasileira fosse Wanderley Luxemburgo ou Paulo Autuori. Depois da recusa de Luiz Felipe Scolari, Luxemburgo e Au- tuori eram os mais cotados, embora uma pesquisa de opinião pública tenha mostrado que a maioria dos entrevistados não queria nenhum dos nomes apresentados. Numa verdadeira zebra admi- nistrativa, eis que a CBF anunciou Dunga como novo treinador da Seleção. O ex-jogador expressou o fracasso brasileiro na Copa de 1990, mas deu a volta por cima e virou símbolo de uma grande conquista, 4 anos depois: a do tetracampeonato mundial, nos Estados Unidos. Dunga foi anunciado como res- ponsável por dar à Seleção Brasilei- ra, outra vez, a garra, a disposição e o orgulho de vestir a camisa amarela do Brasil, características que alguns dos jogadores que participaram da campanha deste ano, na Alemanha, admitiram que andaram em falta no grupo. Ele aparece, também, como o

homem capaz de levantar o time e a torcida, vibrando e passando entu- siasmo à beira do gramado.Atorcida e a maioria da crônica esportiva criticavam a forma impassível como

da crônica esportiva criticavam a forma impassível como A nova era DUNGA Parreira dirigia a Seleção.
da crônica esportiva criticavam a forma impassível como A nova era DUNGA Parreira dirigia a Seleção.
da crônica esportiva criticavam a forma impassível como A nova era DUNGA Parreira dirigia a Seleção.

A nova era

DUNGA

Parreira dirigia a Seleção. Para mui- tos, a aparente apatia do treinador tinha reflexos nos jogadores, dentro do campo. Caberá a Dunga a missão de renovar a Seleção Brasileira. Ele deverá dar chance a novos talentos, mas – como já adiantou, de forma sensata – vai preferir mesclar o novo com a experiência, mantendo alguns dos que estiveram na última Copa do Mundo. Não sei se Dunga fará tudo o que dele se espera. Mesmo porque começa a carreira de treinador de forma surpreendente, assumindo logo de cara a Seleção Brasileira. Ele jamais foi treinador oficial de qualquer clube, tendo apenas uma experiência como interino de um clube no futebol japonês. Na Europa, sim, isso é até co- mum. Já aconteceu com as seleções da Itália, Holanda e Alemanha, entre outras, até com sucesso. Afinal, Beckenbauer foi campeão do mundo com a Alemanha, em 1990, sem jamais ter treinado um time antes. Sejacomo for, Dungacertamente terá todo o apoio dos brasileiros, por tudo que já fez em campo. Sua garra, sua vontade de vencer, a luta que demonstrou em seus 17 anos de

carreira de jogador levam o torcedor

a confiar no seu trabalho e a esperar resultados altamente positivos. Não sejamos injustos com quem entra e muito menos com quem sai.

É preciso dar tempo para que Dunga

mostre seu valor e é preciso, acima de tudo, não esquecer que Carlos Alberto Parreira, com seu jeito tão criticado, nos levou ao tetracampo-

nato mundial e a títulos importantes, como os da Copa América e da Copa das Confederações, além do primeiro lugar nas eliminatórias para

a Copa do Mundo de 2006. Perdeu

um jogo eliminatório, mas não pode perder o nosso reconhecimento pelo trabalho que realizou. Aos dois — Dunga e Parreira — só podemos desejar sucesso. Especialmente a Dunga, para que se inicie como treinador da mesma forma como jogou: de maneira

vitoriosa.

a Dunga, para que se inicie como treinador da mesma forma como jogou: de maneira vitoriosa.

PhotoDisc

Humanismo

na medicina

Em entrevista exclusiva, o consagrado escritor e médico Moacyr Scliar fala de literatura e medicina, dois ofícios abraçados por ele.

S ua presença é simpáti-

ca e tranqüila. Moacyr

Scliar atende a todos que

o abordam no corre-corre

dos lançamentos literários com tal cordialidade que inspira ainda mais admiração ao seu trabalho. E foi neste clima que concedeu entre- vista exclusiva à BOAVONTADE, na qual narra sua forte ligação com a literatura e a medicina e revela quais motivos o levaram a trilhar essas áreas. A trajetória do conceituado professor de Saúde Pública da Faculdade Federal de Ciências

Médicas de Porto Alegre, colunista

Reprodução RMTV
Reprodução RMTV

dos jornais Zero Hora (de Porto Alegre/RS) e Folha de S. Paulo (São Paulo/SP) e consagrado escritor, membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), sinte- tiza duas grandes paixões. “Tanto

Angélica Beck

minha vocação para a literatura quanto para a medicina surgiram na infância, ainda que de formas diferentes. Eu me interessei por literatura por causa das histórias que meus pais contavam. Eram grandes narradores, essas pessoas que encantam os outros contando histórias da sua vida. Além disso, minha mãe era professora, gostava muito de ler e encorajava os filhos a lerem também. Em função disso, comecei não só a ler como a escre- ver historinhas que mostrava aos meus pais e vizinhos”, conta. O gosto pela medicina surgiu “por causa do medo da doen-

ça”, revela. Ele afirma:“Nunca fui hipocondríaco, mas quando meus pais, por acaso, adoeciam, eu ficava muito apreensivo e angustiado. E isso me fez buscar conhecimento sobre o assunto. Lia livros, falava com médicos, freqüentava hospitais. Na hora de fazer o vestibular, não pensei duas vezes”. Como o próprio médico-escri- tor relata, não foi fácil nem para sua família entender estas escolhas in- tegrais. Ambas as profissões abra- çadas por Scliar solicitam grande dedicação. “Precisei sacrificar horas de lazer e férias. Quando se está sozinho, tudo bem. Mas eu tenho a minha família e a adoro. Minha mulher sempre foi muito compreensiva em relação a isso e ajudou-me muito. Mas o meu filho, quando era pequeno, não entendia esse negócio do pai dele ficar ba- tendo à máquina e não ir passear. Então, ele sentava em cima da máquina de escrever e protestava:

‘Chega de escrever! Agora vamos andar de bicicleta’. Hoje, ele é um

homem e grande entusiasta dos meus livros”, recorda. Aos protestos da criança e à compreensão da família, Moacyr retribuía com livros que hoje ul- trapassam seis dezenas de títulos publicados. A profícua produção em números e em qualidade ren- deu ao escritor a posse da cadeira n o 31 da Academia Brasileira de Letras (ABL). O escritor gaúcho é uma ex- pressiva voz de fomentação à atual e necessária conexão entre a ati- vidade médica e o humanismo da literatura: “Ambas saíram de um mesmo território, lidam com o Ser Humano. Poucas coisas são tão reveladoras da condição humana como a doença, porque diante dela as máscaras que a gente usa habitualmente caem. Por outro lado, a literatura também ensina aos médicos a conhecer melhor o Ser Humano. Não é por outra razão que muitas faculdades de medicina, em vários países e também no Brasil, estão incluindo estudos humanísticos, particular-

O olhar médico

Conciliarmedicina e literatu- ra é uma iniciativa de Scliar que tem gerado excelentes frutos. Exemplo disso é a coluna “A cena médica” que ele publica há doze anos no jornal Zero Hora, em Porto Alegre/RS. Essas crônicas preencheram as páginas de obra literária re- cente do escritor, que recebeu o título O olhar médico — crônicas de medicina e saúde. Nele, apre-

senta, com humor, textos curtos com temas variados, tais como doença e saúde, médicos e pa- cientes, sexualidade e esporte. Na ocasião da Bienal do Livro de São Paulo, o acadêmico e co- lunista dedicou um exemplar do livro ao líder da LBV, com a de-

dicatória: “Para Paiva Netto que

o Brasil admira pela generosidade

e pela dedicação, a homenagem e afeto do Moacyr Scliar”.

mente os estudos literários, no currículo médico. Atualmente, há uma queixa muito grande dos que vêem nela uma profissão demasia- damente tecnológica. As pessoas se queixam de que o contato hu- mano perdeu espaço na prática médica. E isso é verdade, porque realmente a medicina tornou-se tão complexa que os médicos têm de dar maior atenção para os aspectos científicos e tecno- lógicos. Mas se perder esse lado humanitário, a medicina vai ser incompleta”, analisa Scliar.

Ideal humano da medicina

Ainda sobre a inspiração mé- dica, o escritor ressalta que este é um campo fértil, sobretudo no Brasil, que teve grandes nomes na área tais como: Oswaldo Cruz (1872-1917), retratado em Sonhos Tropicais, e Noel Nutels (1913-1973), conhecido como médico dos índios, tratado no livro A majestade do Xingu, duas obras de Scliar. “Escrever os livros foi ter acesso a lados desconhecidos da medicina. Tinha conhecimento de Oswaldo Cruz como um per- sonagem histórico. Mas quando iniciei a pesquisa sobre a vida dele, vi algo riquíssimo: ele reflete muitas das contradições em nosso País. Era um grande cientista, um homem que sabia o que precisava ser feito, mas tinha muita dificul- dade em se relacionar com a po- pulação. Pagou um preço por isso, porque a vacinação obrigatória desencadeou a Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro/RJ, em 1904, deixando centenas de mortos.” Da prática como professor- conferencista, Scliar concebeu

Web Gallery Art

Web Gallery Art a obra A Paixão Transformada , contando a história da área médica a

a obra A Paixão Transformada, contando a história da área médica

a partir de textos literários e não- literários. “Também uso a Bíblia

e os temas por ela inspirados. No

Antigo Testamento fala-se muito de doença. A lepra, por exemplo, é mencionada abundantemente. Já no Novo Testamento, nós temos a relação de Cristo com a doença e assim pude colecionar uma série de textos que levaram aos meus livros”, enfatiza. Ao comentar o uso da medicina

e da literatura para abordagens da contemporaneidade, Scliar enfati- za o crescimento do protagonismo feminino. “Quando eu entrei na Faculdade de Medicina em Porto Alegre, os alunos cantavam um hino que dizia assim: ‘Medicina é papa-fina, não é coisa pra me- nina’. As moças eram minoria

e só podiam fazer determinadas

especialidades, como pediatria, por exemplo. Isso mudou muito e hoje cerca de 50% dos meus alunos são do sexo feminino.

Estão em todas as especialidades

e brilhando, inclusive na área de Saúde Pública. Acho que esta é mais uma evidência de como o nosso país mudou.”

Scliar também defende a im- portância de dar um tom mais humano à medicina. “Cuidar dos outros não é apenas uma obriga- ção, mas uma realização pessoal, uma maneira de descobrir novas possibilidades dentro de nós mes- mos e no semelhante. É um ponto desanimador essa impessoalida- de, corrente no tratamento em todos os setores da sociedade e também na medicina. Precisamos recuperar a dimensão humana que a medicina tinha quando a ela faltavam recursos. Visto que não havia antibiótico, o que o médico podia fazer era consolar, ajudar. Agora tem antibiótico, mas isso não quer dizer que a gente não te- nha de consolar e ajudar também. É um ato de empatia na experiência da doença que ensina o estabeleci- mento de laços emocionais fortes, duradouros e autênticos. Saúde e literatura se complementam porque cuida-se da saúde do corpo através da dieta, da ginástica etc., e da

DÜRER,Albrecht Homem nu com um copo e uma cobra, assim chamado Asclépio (deus da Medicina na mitologia grega) Museu Staatliche, Berlim (Alemanha).

saúde da alma através dos bons textos literários.” Neste contexto, manifestou sua simpatia à proposta midiática da LBV: “Uma rede que se chama Boa Vontade corresponde a uma necessidade urgente do Povo bra- sileiro. E como médico e escritor, sinto-me feliz em estar aqui. Boa Vontade é uma expressão-chave do nosso tempo. Agradeço muito essa oportunidade. Paiva Netto é uma figura realmente lendária neste país pelo que tem feito. Esse trabalho de divulgação de vocês se encaixa perfeitamente no propósito de melhorar o co- nhecimento e a vida das pessoas

em geral”, pontuou.

o co- nhecimento e a vida das pessoas em geral” , pontuou. “Também uso a Bíblia

“Também uso a Bíblia e os temas por ela inspirados. No Antigo Testamento fala-se muito de doença. A lepra, por exemplo, é mencionada abundantemente. Já no Novo Testamento, nós temos a relação de Cristo com a doença e assim pude colecionar uma série de textos que levaram aos meus livros.”

(Moacyr Scliar)

Armando Kitamura

Liliane Cardoso

Armando Kitamura Liliane Cardoso Templo da Natureza e da Criança Professor Silvio Iung, ilustre Presidente do

Templo da Natureza e da Criança

Professor Silvio Iung, ilustre Presidente do CNAS, encanta-se com a qualidade do atendimento oferecido aos guris do Lar e Parque Alziro Zarur, da LBV, em Glorinha/RS

O Presidente do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) e Dire-

tor Executivo da Rede Sinodal de Educação, professor Silvio Iung, visitou, no dia 3 de julho, o Lar e Parque Alziro Zarur, da LBV, o Templo da Natureza e da

Criança. Na ocasião, destacou que a LBV é um exemplo de sucesso no País. “Obrigado pelo convite

e a oportunidade de conhecer

esse trabalho. Na atividade que

a gente realiza no Conselho é

sempre bom colher exemplos bem-sucedidos que acontecem no Brasil. Eu fiquei realmente muito impressionado com o tra-

Liliane Cardoso

balho que é feito aqui pela LBV em Glorinha. É um lugar muito

aconchegante (

)”,

frisou.

Iung também falou sobre os aspectos físicos dos ambientes:

“A flora daqui abre os horizontes, ela é bonita e ao mesmo tempo expressa na alma das pessoas um convite à busca de novos

Esse Parque é

muito bem cuidado, percebemos

a atenção nos detalhes, no ajardi-

namento, enfim, na construção de novos espaços, como o pomar que pudemos ver, é um lugar ímpar. Que vocês prossigam com ânimo

e disposição para continuar esse

horizontes (

).

trabalho”.

para continuar esse horizontes ( ). trabalho” . “O trabalho da LBV é significativo, importante e

“O trabalho da LBV é significativo, importante e certamente exemplar nessa proposta que temos hoje no País, na Política de Assistência Social ( Este é o exemplo que eu testemunhei na LBV.”

Professor Silvio Iung, Presidente

do CNAS.

).

Wilson Bigas

Wilson Bigas Lar e e Parque da LBV em festa Com exposição cultural, guris atendidos pela

Lar e

e Parque da

LBV em festa

Com exposição cultural, guris atendidos pela Instituição agradecem e saúdam os 46 anos da Unidade de Glorinha/RS.

A s crianças e adoles-

centes amparados

pelo Lar e Parque

Alziro Zarur, da Legião

da Boa Vontade, têm muitos mo- tivos para comemorar: além das festividades de 50 anos de traba-

lho de Paiva Netto na Instituição,

a unidade educacional da LBV, de

Glorinha/RS, completou, em maio,

46 anos de atendimento de qualidade

ao povo gaúcho em risco social. Um dos acontecimentos orga- nizados pela garotada para cele- brar a data foi a II Mostra do Lar

e Parque Alziro Zarur, realizada

no Foro Central de Porto Alegre.

A exposição desenvolvida pelos

guris atendidos pela LBV pôde ser vista pelas mais de 10 mil pessoas que circulam diariamente

Ângela Gatelli e Ana Cláudia de Oliveira

Fotos: Liliane Cardoso

no local, entre as quais juízes, advogados, promotores e cola- boradores da Obra. Fernando Paixão é assessor

e cola- boradores da Obra. Fernando Paixão é assessor jurídico do 2 o Juizado da Infância

jurídico do 2 o Juizado da Infância e da Juventude de Porto Alegre e, ao observar a mostra, enalteceu as ini- ciativas da Legião da Boa Vontade, destacando que são exemplos para o mundo. “Vim prestigiar a LBV que realiza um trabalho muito bom com crianças e adolescentes. O Lar e Parque da Legião da Boa Vontade é modelo! Não poderia deixar de vir à exposição e abraçar toda a equipe. Estou muito contente com esse espaço aberto para mostrar à comunidade o que é feito pela LBV

). (

que continue a fazer esse trabalho que, para o Juizado da Infância e

Ela merece o nosso aplauso e

da Juventude que atua com abrigos, é muito importante e bem-feito”, atestou. Ao passar pelos ambientes, o visitante teve uma dimensão das atividades e projetos desenvolvidos com as crianças e adolescentes na unidade educacional. Desde cho- colates, preparados nas aulas de culinária, até artesanatos, tais como sabonetes e desenhos diversos, esta- vam expostos no local.

). Paraquem procuravaa boa litera- tura, livros do escritor Paiva Netto e as demais publicações

).

Paraquem procuravaa boa litera- tura, livros do escritor Paiva Netto e as demais publicações da
Paraquem procuravaa boa litera-
tura, livros do escritor Paiva Netto e
as demais publicações da LBV eram
excelentes opções.
O publicitário Carlos Ferrão

enfatizou os resultados da iniciativa. “O Brasil precisa, cada vez mais, desse apoio. Paiva Netto, com 50 anos de trabalho, prova que é pos- sível mudar a realidade do Brasil. O que mais me chamou a atenção foi o fato de a LBV mostrar para todos o apoio que as crianças recebem em suas atividades. Precisamos cada vez mais de pessoas assim como Paiva Netto”, frisou.

Valor da família

Outra grande atividade que comemorou os 46 anos do Lar e Parque da LBV foi o I Encontro de Abrigos do Rio Grande do Sul, realizado pela Instituição. Os debates giraram em torno do tema Abrigar é mais que prote-

ger. É resgatar o valor da família

e possibilitaram um espaço de

discussão e busca de estratégias para o trabalho em abrigos. O

“Quero

elogiar a

LBV, que

faz um

excelente

trabalho

em Glorinha (

grande incentivadora de vocês. Espero que o Lar

e Parque cresça cada vez

mais, nos auxiliando no

resgate infanto-juvenil.

A LBV é um exemplo

no atendimento social. Por isso é reconhecida mundialmente.”

Dra. Ivortiz Marques Fer- nandes, juíza da 2 ª Vara da Infância e Juventude Comar- ca de Gravataí/RS.

Sou

evento contou com representa- ções de cidades do Estado e pro- fissionais da Vara da Infância e Juventude, diretores e técnicos de instituições que acolhem crianças e adolescentes. À frente das palestras, diver- sas personalidades a exemplo do sociólogo Charles Roberto

Pranke; da assistente social Ro- sana Goldani de Borba; da Juíza da 2 a Vara da Infância e Juventu- de (Comarca de Gravataí), Dra. Ivortiz Marques Fernandes; do advogado e assessor jurídico da 2 a Vara da Infância e Juven- tude Comarca Porto Alegre, Dr. Fernando Paixão e da socióloga Ariane Kozen. A Assistente Social do Fórum de Gravataí, Miriam Carbonei- ra, ressalta os bons resultados obtidos pelos guris atendidos pela Legião da Boa Vontade. “Temos exemplos de adolescen- tes que vieram para a LBV, não faz muito tempo, e os resultados são magníficos; adolescentes que

não tinham a 4 a série primária e, depois de serem atendidos pela LBV, já estão inseridos no mer- cado de trabalho, conseguindo ter autonomia, que é o assunto

A

principal deste encontro(

LBV está no caminho certo, pa- rabéns!”, felicitou. Sobre o acontecimento, o Diretor Técnico da Fundação de Assistência Social (FASC), Mauro Vargas, assim se expres- sou: “A LBV nos dá uma aula em questão técnica, capacitação dos seus funcionários para este atendimento. É uma técnica que

aqui no Rio Grande do Sul não temos similar”.

).

para este atendimento. É uma técnica que aqui no Rio Grande do Sul não temos similar”.
para este atendimento. É uma técnica que aqui no Rio Grande do Sul não temos similar”.
para este atendimento. É uma técnica que aqui no Rio Grande do Sul não temos similar”.
para este atendimento. É uma técnica que aqui no Rio Grande do Sul não temos similar”.

BOA VONTADE | 23

Aldo Henriquez/UN Rádio

Aldo Henriquez/UN Rádio Rádio ONU, uma equipe antenada com a interatividade e a rapidez das informações.

Rádio ONU, uma equipe antenada com a interatividade e a rapidez das informações. Da esq. p/ a dir., Vladimir Monteiro, redator e apresentador; Mônica Valéria, Chefe da Rádio ONU em Língua Portuguesa; Sandra Guy e Israel Machado, assistentes de produção.

“Estamos muito felizes com as emissoras da

) Esta tem

sido uma de nossas parcerias mais sólidas.”

Super RBV.(

Mônica Valéria

Rádio ONU e Super RBV

parceria de sucesso internacional

C riada após o término da

Segunda Guerra Mun-

dial, com a finalidade

de levar Paz e garantir

direitos humanos a todos, a Or- ganização das Nações Unidas (ONU), que reúne 191 Estados soberanos, tem um vasto campo

de atuação e renovado desafio de fazer deste um mundo mais justo

e fraterno. Neste universo, a Rádio ONU abre um espaço para construir pontes de informações entre a

audiência, que são os ouvintes e usuários de internet, e o trabalho desenvolvido pelas Nações Unidas

e agências associadas. A emissora

transmite programas nas seis línguas oficiais da Organização (Árabe, Chinês, Espanhol, Francês, Inglês

e Russo) e também em Português e

Suaíle.Além disso, há a produção de documentários de TV pela UNTV. A programação no idioma de Camões atende à meta principal e ainda a amplia ao colaborar com o intercâmbio entre os países lusófonos (Angola, Brasil, Cabo

Verde, Guiné-Bissau, Moçambi- que, Portugal, São ToméePríncipe

e Timor-Leste), com noticiários de cinco minutos e programas mais longos de entrevistas e reportagens no Português do Brasil e da África. Adistribuição do material produzido pela Rádio é feita por meio de emis- soras de várias localidades no globo terrestre e pela página na internet www.un.org/av/radio/portuguese. Neste endereço, o público pode escutar os noticiários em real áudio ou por MP3. A Super Rede Boa Vontade de Rádio (Super RBV), da Fundação José de Paiva Netto, tem sido uma importante aliada na divulgação dos assuntos de interesse da ONU, dan- do também visibilidade às ações da Legião da Boa Vontade — primeira Organização Não-Governamental brasileira a associar-se ao Departa- mento de Informação Pública das Nações Unidas (DPI), a partir de 1994, e também primeira ONG do Brasil a conquistar o status consul- tivo geral no Conselho Econômico e Social (Ecosoc) — em 1999. A iniciativa é vista como um relevante instrumento de interati- vidade pela Chefe da Rádio ONU em Língua Portuguesa, Mônica

Valéria. “Estamos muito felizes com as emissoras da Super RBV. O feedback (retorno) que chega até nós é bastante positivo. Esta tem sido uma de nossas parcerias mais sólidas e o objetivo é levar informação sobre as Nações Uni- das e relatar os acontecimentos que influenciam diretamente o noticiário internacional”. Mônica falou também da atuação da LBV nas Nações Unidas em contribuição aos propósitos de Paz de ambas or- ganizações. “A LBV, como uma ONG, é ativa em sua parceria de status de consulta com o Conselho Econômico e Social (Ecosoc) e de associação com o DPI, o Departamento de Infor- mação Pública da ONU, ao qual pertence a Rádio ONU”. A Chefe da unidade de Língua Portuguesa da emissora explica que este ano está sendo marca- do por mudanças no site e nos programas, tornando “o produto ainda mais dinâmico e perto da realidade dos usuários de rádio e internet, que são o nosso públi-

co-alvo”, diz.

da realidade dos usuários de rádio e internet, que são o nosso públi- co-alvo”, diz. [L.S.M.]

[L.S.M.]

Juventude pela Paz

UNIC Rio (ONU) firma nova parceria com a LBV e o Governo do Estado do RJ, agora, pela Paz nas escolas.

Simone Barreto e Jorge Alexandre

Fotos: Jorge Alexandre

Jorge Alexandre
Jorge Alexandre

Dr. Carlos Santos, Diretor do Centro de Informações das Nações Unidas, ao lado do jornalista Francisco Periotto, representante da LBV no evento.

“(

)

Conheço a escola da

Legião da Boa Vontade e

com prazer aceitei. (

adianta falar em Educação se não temos parcerias para levar isso a cabo. Então, com essa parceria entre a LBV, o Governo do Estado do Rio de Janeiro

e a Coordenadoria de

Educação, podemos levar o

Juventude Pela Paz, que é

o nosso projeto, às escolas

fora do município do Rio de

Janeiro (

) Não

).”

Dr. Carlos dos Santos (UNIC Rio/ONU), ao confirmar sua palestra no Centro Educacional da LBV, em 23 de agosto.

tem toda aquela Espiritualidade po- sitiva. Por isso convocamos todos os professores, alunos e sociedade civil

para participarem deste evento.”

alunos e sociedade civil para participarem deste evento.” Jorge Alexandre O Centro de Informações das Nações
Jorge Alexandre
Jorge Alexandre

O Centro de Informações das Nações Unidas no Brasil (UNIC Rio) firmou parceria com o Governo do Estado

do Rio de Janeiro, por intermédio da Administração Estadual de Del Castilho/Suburbana, da Secretaria de Estado de Educação e da Legião da Boa Vontade para implantar o pro- jeto Juventude Pela Paz Ampliando Horizontes, que visa à realização de palestras em escolas estaduais a respeito da ação da ONU no Brasil e seus temas votados pelas delegações internacionais. No dia 14 de julho, mais uma vitoriosa etapa desse projeto foi ini-

Jorge Alexandre
Jorge Alexandre

ciada. Um encontro na sede do

UNIC Rio, no Palácio do Itamaraty, reuniu um grupo de 60 educadores das escolas públicas estaduais do Rio de Janeiro. Eles acompanharam uma aula inaugural do projeto, que trata de uma série de palestras educativas sobre consciência ecológica, em comemoração ao Ano Internacional do Deserto e Desertificação. Os painéis serão apresentados nas escolas do Estado do Rio, pelos vo- luntários das Nações Unidas em par- ceria com a Legião da Boa Vontade.

O Dr. Carlos dos Santos, Diretor do

Centro de Informações das Nações Unidas, destacou em seu discurso o apoio da LBV e do Governo do Es- tado. Na ocasião, o educador Paiva Netto foi representado pelo jorna- lista Francisco Periotto, Assessor da Presidência. Por sugestão da professora Ma-

ria das GraçasAntunes deAraújo, da Secretaria de Estado de Educação

e

Coordenadora da Metropolitana

III, a primeira palestra educativa ocorrerá no Centro Educacional, Cultural e Comunitário da LBV, na zona norte do Rio. Durante a aula inaugural, Pedro Paulo Torres, da Secretaria de Estado de Governo e Coordenação, Administrador Estadual de Del Cas- tilho, representante do Governo do Estado do RJ, enalteceu a parceria. “É muito importante ter parceiros desta categoria de conhecimento e de infra-estrutura da Legião da Boa Vontade. E o ambiente também

Genebra/Suíça Emprego e trabalho decente para todos LBV pronuncia-se em nome da sociedade civil latino-americana

Genebra/Suíça

Emprego e trabalho

decente para todos

LBV pronuncia-se em nome da sociedade civil latino-americana em reunião de Alto Segmento da ONU. Recomendações apresentadas pela Instituição receberam destaque do Subsecretário-geral das Nações Unidas, sr. Anwarul Chowdhury.

A Organização das Nações Unidas reuniu chefes de Estado e alto comissa- riado para a edição 2006

do Ecosoc High-Level Segment (reunião anual de Alto Segmento do Conselho Econômico e Social da ONU). No encontro mundial, os go- vernos dos países-membros prestam contas e propõem alternativas para vencer problemas globais, a exem- plo do tema central deste ano: em- prego e trabalho decente. A convite da ONU, a Legião da Boa Vontade, que possui o status consultivo geral no Ecosoc, foi chamada aos micro- fones do encontro para apresentar o relatório em nome da sociedade civil

26 | BOA VONTADE

Danilo Parmegiani

Fotos: Adriana Rocha

latino-americana sobre emprego e desenvolvimento sustentável. O pronunciamento da LBV foi anunciado pelo Subsecretário- geral das Nações Unidas e Alto Representante para os países me- nos desenvolvidos, sr. Anwarul Chowdhury, que, em entrevista, felicitou a iniciativa da organização brasileira em mobilizar entidades intersetoriais em torno dos objetivos de desenvolvimento do milênio. “Estou muito feliz de ter recebido uma cópia desse relatório feito pela sociedade civil la- tino-americana,apresentado pela Legião da Boa Vontade. A sociedade civil tem um

papel principal a ser desempenhado nos esforços de desenvolvimento pelo mundo. Nestes anos, em meu gabinete de Alto Representante para os Países Menos Desenvolvidos, temos procurado uma relação de grande proximidade com as organi- zações da sociedade civil. Elas são reais parceiras do desenvolvimento, tanto no nível nacional quanto no global. Gostaríamos de continuar a trabalhar juntos, e acreditamos que quanto mais, melhor para o futuro do mundo. Estou muito feliz

mais, melhor para o futuro do mundo. Estou muito feliz Sr. Anwarul Chowdhury ao lado de

Sr. Anwarul Chowdhury ao lado de Danilo Parmegiani (LBV), com o documento em nome de 400 entidades da América Latina. Na imagem ao lado o representante da Legião da Boa Vontade durante a reunião.

Mário Bosso

Arquivo BV

Mário Bosso Arquivo BV PARABÉNS — A Legião da Boa Vontade e seu Diretor-Presidente, José de
Mário Bosso Arquivo BV PARABÉNS — A Legião da Boa Vontade e seu Diretor-Presidente, José de

PARABÉNS — A Legião da Boa Vontade e seu Diretor-Presidente, José de Paiva Netto, congratulam-se com o ilustre Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, pela passagem de seu aniversário, no dia 3 de junho. Na foto 1, Amorim aparece ladeado pela sua esposa, Ana Maria Amorim (E), e sua filha, Anita (D), tendo ao lado a representante da LBV na ONU, Conceição de Albuquerque. Na imagem à direita, o cordial encontro, nos Estados Unidos da América, entre Paiva Netto e o então Representante Permanente do Brasil junto à Organização das Nações Unidas, em Nova York.

junto à Organização das Nações Unidas, em Nova York. Noys Rocha (E), da Legião da Boa

Noys Rocha (E), da Legião da Boa Von- tade da Europa, o Subsecretário-geral da ONU, sr. Anwa- rul Chowdhury (C) e o Representante Internacional da LBV, Danilo Parme- giani (D).

que a Legião da Boa Vontade esteja focada na construção da Cultura de Paz. Acredito que é essencial para o nosso mundo conflitante de hoje”, pontuou. O relatório apresentado pela LBV é resultado de seis eventos preparatórios promovidos pela Insti- tuição em março deste ano, dos quais participaram cerca de 400 entidades dos setores público e privado. A atividade intersetorial faz parte da Rede Sociedade Solidária, motivada pela Legião da Boa Vontade, com o objetivo de incentivar, ecumeni- camente, a troca de experiências e parcerias entre organizações que desenvolvem ações de Solidarieda- de e transformação social. O nome para a rede foi inspirado na tese Sociedade SolidáriaAltruística Ecu- mênica, escrita há duas décadas pelo

Diretor-Presidente da LBV, José de Paiva Netto, em que se fundamenta o trabalho socioeducacional da Ins- tituição ao longo de seus 56 anos de existência no Brasil. O conteúdo da declaração encon-

tra-se disponível na página oficial da ONU, nos seis idiomas oficiais desse organismo internacional (Árabe, Chinês, Espanhol, Francês, Inglês

e Russo). Para fazer o download,

bastaacessarositewww.documents. un.org e buscar o documento, digi- tando a expressão E/2006/NGO/28. Outra opção é entrar nos sites www.

lbv.org.br ou www.sociedadesolida-

ria.org.br, nos quais, além da versão do relatório em Língua Portuguesa,

é possível encontrar a relação com

o nome de todas as entidades que colaboraram com sugestões e boas práticas.

“Estou muito feliz de ter recebido uma cópia desse relatório feito pela sociedade civil latino-americana, apresentado pela Legião da Boa Vontade. ( ) Gostaríamos de continuar a trabalhar juntos, e acreditamos que quanto mais, melhor para o futuro do mundo. Estou muito feliz que a Legião da Boa Vontade esteja focada na construção da Cultura de Paz. Acredito que é essencial para o nosso mundo conflitante de hoje.”

Anwarul Chowdhury, Subsecretário-geral das Nações Unidas.

A LBV estende seus agrade- cimentos especiais aos ilustres palestrantes e facilitadores, aos re- presentantes das cerca de 400 ONGs participantes, aos colaboradores que possibilitaram a organização dos eventos e à equipe técnica que con- solidou a versão final do documento. Relação completa no site www.

sociedadesolidaria.com.br

con- solidou a versão final do documento. Relação completa no site www. sociedadesolidaria.com.br BOA VONTADE |

PhotoDisc

PhotoDisc Orientações da OAB/SP ao Terceiro Setor A doação do bilionário norte-americano War- ren Buffet ,

Orientações

da

OAB/SP ao

Terceiro

Setor

A doação do bilionário

norte-americano War-

ren Buffet, de 85% de

seu patrimônio a uma

organização, bem como o anúncio de Bill Gates de que, em 2 anos, se afastará da presidência da empresa

que criou para dedicar-se exclusi- vamente à Fundação Bill e Melinda Gates, chamaram a atenção de todo o mundo para a importância cres- cente do Terceiro Setor. A doação de Buffet equivale ao que o Terceiro Setor movimenta no Brasil durante dois anos. Apesar da crescente profissionalização da filantropia no País, ela ainda é formada, em grande parte, por en- tidades de pequeno porte de origem comunitária, que têm uma série de dificuldades, dentre elas a de se adequar à legislação existente.

Daniel Guimarães

Por isso, a revista BOA VON- TADE entrevistou a Presidente da Comissão do Direito do Terceiro Setor da Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo, Dra. Lúcia Bludeni, e o Vice-Presidente dessa comissão, Dr. Rodrigo Mendes Pereira, que trouxeram orientações básicas sobre o tema. O Setor Social, como também é conhecido, é formado por entidades que não fazem parte do governo e do mercado. A Dra. Lúcia justifica que, em muitos momentos, o Ter- ceiro Setor pode firmar parceria com essas duas áreas. “É possível um convênio com o Estado, desen- volvendo e fomentando políticas públicas sociais. Atividades que o Primeiro Setor tem de realizar. O Segundo Setor, as empresas pri- vadas, em determinado momento,

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

“Existe uma burocracia

muito grande (

).

Não só

para o Terceiro Setor, como para todos os setores e segmentos da sociedade. Para o Terceiro Setor parece que fica mais difícil. ( ) Muitas vezes, por conta de um ideal tomado por um grupo de pessoas que monta uma entidade e não desenvolve, ao longo do seu caminhar, uma capacitação mais profissionalizante das pessoas que estão atuando, acaba por não observar muitas exigências legais por mero desconhecimento — a par da legislação já ser muito complexa, muito exigente.”

Dra. Lúcia Bludeni

 

resolvem investir numa causa so- cial: aportam valores e sustentam projetos apresentados pelo Terceiro Setor.” O Vice-Presidente da Comissão esclarece que “existem algumas pesquisas em nível mundial e na- cional que definem critérios para determinar o tamanho do Terceiro Setor”. O principal requisito é que entidades e organizações não tenham fins lucrativos. “Isso não quer dizer que elas não podem

ter atividades econômicas para gerar receitas e aplicar nas suas finalidades não-econômicas. Elas até devem ter superávit para atender às crianças, aos necessi- tados. A questão é que não podem distribuir esse lucro entre os seus associados. Elas devem reinves- tir o lucro para suas finalidades essenciais como o atendimento à população carente”.

Associações e Fundações

Apesar de serem conhecidas por uma infinidade de nomes diferentes, juridicamente exis- tem apenas dois tipos de or- ganizações do Terceiro Setor:

as associações e as fundações privadas. As primeiras são es- tabelecidas por qualquer pessoa que, associada a outras, tenha um fim social, como ampliar o acesso à saúde e à educação, por exemplo. “Já uma fundação tem base num patrimônio. Nós mesmos poderíamos fazer uma escritura pública ou por meio de um testamento e doar um pa- trimônio. Ele seria dotado para uma finalidade não-econômica.

A associação é mais livre, pois

os associados podem até mudar suas finalidades”, explicou o Dr. Rodrigo. Ele enfatiza que as fundações têm um acompanhamento mais intenso do Poder Público, para

que a idéia de quem a instituiu seja mantida. A Presidente da Comissão complementou: “O controle do Ministério Público

é maior, a exigência de um pa-

trimônio prévio é fundamental.

Caso contrário, você não tem uma fundação”.

“O papel da Comissão é fazer com que os direitos conferidos às entidades pela Constituição

“O papel da Comissão é fazer com que os direitos conferidos às entidades pela Constituição Federal sejam respeitados. O papel nosso é fomentar, capacitar e apoiar as entidades, para que elas consigam exercer esses direitos.”

Dr. Rodrigo Mendes Pereira

Aspectos legais

Bludeni destacou que se ade- quar à legislação é uma das maiores dificuldades das ONGs

no País. “Existe uma burocracia

Não só para

o Terceiro Setor, como para to- dos os setores e segmentos da sociedade. Para o Terceiro Setor parece que fica mais difícil. ( ) Muitas vezes, por conta de um ideal, um grupo de pessoas que monta uma entidade e não desen- volve, ao longo do seu caminhar, uma capacitação mais profissio- nalizante das pessoas que estão atuando, acaba por não observar muitas exigências legais por mero desconhecimento — a par da legislação já ser muito com- plexa, muito exigente”.

muito grande (

).

Arquivo pessoal PhotoDisc Neste contexto, enumerou os pontos que as ONGs têm de prio- rizar.

Arquivo pessoal

PhotoDisc

Neste contexto, enumerou os pontos que as ONGs têm de prio- rizar. “Há aspectos tributários:

o que se movimenta, com relação a imunidades, isenções e tudo mais. E aspectos trabalhistas dessas entidades, que têm de ser mantidos, a par do volun- tariado. Existem as exigências, as prestações de contas, enfim, toda uma dinâmica, um balanço social da entidade. Não se pode deixar nada de lado, aquilo que já é difícil torna-se mais ainda porque você vai deixando lacu- nas ao longo do tempo.” No âmbito do trabalho, o voluntariado aparece com ex- pressão, afinal são 20 milhões deles atuando no Terceiro Setor. “O voluntário é aquele que, por sua livre vontade, quer se dedicar à causa e aos objetivos estatutários daquela entidade, ele também está sujeito a um regramento para atuar dentro dela. Ele tem de assinar o termo de que é voluntário, preferen-

trabalho na OAB por iniciativa do Presidente Luiz Flávio Bor-

cialmente que esse termo tenha especificados os dias que ele trabalha, o horário e o setor em que ele trabalha”, afirma a Dra. Bludeni.

Recomendações

A Comissão de Direito do Terceiro Setor da OAB/SP de- senvolve diversas ações com o intuito de capacitar advogados e organizações para o Terceiro Setor. Criado há dois anos, o ór- gão, entre outras iniciativas, de- senvolveu a Cartilha do Terceiro Setor, que contém orientações básicas às pessoas que atuam nessa área. “É com grande pra- zer que a gente desenvolve esse

ges D’Urso, que entendeu que deveria implantar essa comis- são”, declarou Bludeni. A Presidente da Comissão também falou do curso de Ca- pacitação do Terceiro Setor, de Gestão e Aspectos Jurídicos, implementado na Escola Supe- rior da Advocacia, e destacou as novas ações. “Visamos também à abertura do mercado de traba- lho. Nós temos um ideal, que é tentar de alguma forma contri- buir (e a própria OAB também contribui) para a implementação dos nossos princípios consti- tucionais”, completa a Dra. Bludeni. O Dr. Rodrigo conclui:

“O papel da Comissão é fazer com que os direitos conferidos às entidades pela Constituição Federal sejam respeitados. O papel nosso é fomentar, capaci- tar e apoiar as entidades, para que elas consigam exercer esses

direitos”.

nosso é fomentar, capaci- tar e apoiar as entidades, para que elas consigam exercer esses direitos”.

Vieira Filho

A famosa Igreja Batista do Harlem (Convent Avenue Baptist Church)

Igreja Batista do Harlem (Convent Avenue Baptist Church) Canto à Independência Composição de Paiva Netto é

Canto à Independência

Composição de Paiva Netto é interpretada, em Nova York, durante as comemorações de 4 de Julho dos Estados Unidos da América.

Elias Paulo

E uma quinta-feira, 4 fevereiro de 1999, o

relógio marcava 19h40, quando Paiva Netto en-

m

de

toou pela primeira vez a Prece para ter Tranqüilidade, de sua autoria. Essa obra-prima figura
toou pela primeira vez a Prece para
ter Tranqüilidade, de sua autoria.
Essa obra-prima figura entre as
mais emocionantes peças musi-
cais do compositor. Exatamente
por isso, o maestro
norte-americano
Gregory Hopkins
a colocou no reper-
tório de um con-
certo especial em
comemoração ao
Dia da Indepen-
dência dos Estados
Unidos da Améri-
ca (celebrado em 4 de julho).
As vozes do Coral do Santuário
(Sanctuary Choir) interpretaram a
canção, em língua inglesa, no dia 2
Conceição de Albuquerque

de julho, na Igreja Batista do Harlem (Convent Avenue Baptist Church).

O fato relembrou o espetáculo pro-

tagonizado no mesmo local pelo Coro, no dia 9 de abril deste ano, quando foram entoadas músicas

que compõem O Mistério de Deus Revelado, oratório de autoria de Paiva Netto. Hopkins não escondeu a feli- cidade que sentiu ao apresentar

a música e, comovido, relatou:

Vieira Filho
Vieira Filho

Público emociona-se com concerto especial em comemoração ao Dia da Independência dos Estados Unidos.

Paiva Netto costuma

dizer que a verdadeira Paz somente se estabe- lece quando se conhece Jesus, e nós gostaría- mos de importar esta mensagem e levá-la

Es-

tamos muito felizes por, de alguma forma, parti- cipar do Jubileu de Ouro

dele. Cinqüenta anos de serviços prestados à Humanidade e a Deus

para o mundo (

de, do Oratório O Mistério de Deus Revelado, de Paiva Netto. “Então, enquanto o

restantedessepaíscomemo-

ra sua independência, nós comemoramos os 50 anos de Paiva Netto, e de nossa dependência a Deus.” Asolista LouiseWalker

Danilo Parmegiani
Danilo Parmegiani

).

relata sua emoção ao inter- pretar a música. “Quando ouço essas palavras ‘Só Jesus salva, Dele a Paz virá’, sinto que é tudo. Quando eu canto, quero me doar às pessoas que ouvem. E quando temos esse contato com o Senhor, isso sai de nós. É o que tento transmitir. ( ) Para se compor esta música tem de

se conhecer Jesus”, declarou.

compor esta música tem de se conhecer Jesus” , declarou. ). ( Paiva Netto luta pela

). (

Paiva Netto luta pela Justiça,

pela igualdade e pelo espírito de Amor, mundo afora. Ouçam o Es- pírito de Cristo que foi concedido

a este Movimento”, referindo-se à canção Prece para ter Tranqüilida-

Emoções e Memórias Rodrigo Oliveira cultura clássica A força da tradição e da cultura gaúcha

Emoções e Memórias

Rodrigo Oliveira

cultura clássica

A força da tradição e

da cultura gaúcha im-

pulsionou o início das

comemorações dos 50

anos de trabalho de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade. A expressão e a importância do Rio Grande do Sul para o Brasil são notáveis, pois neste solo surgem fi- lhos ilustres e perpetua-se o passa-

do e a história de lutas dessa brava gente. O próprio nome São Pedro, padroeiro da província gaúcha, recorda o 29 de junho, data que assinala o ingresso de Paiva Netto na causa do Bem, em 1956. Esse

mesmo dia é dedicado à memória do Apóstolo Pedro, o primeiro em autoridade na fé nascente e aque- le que realizou a primeira cura, continuando a missão de Jesus, o Cristo Ecumênico. Outra similitude está no nome do centenário Theatro São Pedro, que abriu suas cortinas para ce- lebrar o fato. Segundo dados da organização do teatro, a “Noite Cultural Emoções e Memórias” foi um dos maiores eventos e de mais alto nível já realizados na famosa casa da cultura gaúcha. Apesar de a festa ter ocorrido no

João Periotto

João Periotto

João Preda

João Periotto João Preda “É um grande prazer, uma honra para nós, receber no Theatro São

“É um grande prazer, uma honra para nós, receber no Theatro São Pedro, nessa data tão especial, Paiva Netto e todos da Legião da Boa Vontade. A casa é centenária e é o templo da cultura do Rio Grande do Sul.”

Eva Sopher, Presidente da Fundação Theatro São Pedro.

Rio Grande do Sul, o sentimento de gratidão atravessou as fronteiras dos pampas e mobilizou brasi- leiros e estrangeiros (argentinos, bolivianos, paraguaios e uruguaios também marcaram presença) para acompanhar a Orquestra de Câma- ra do Theatro São Pedro e o Coral Ecumênico LBV na apresentação de composições do comandante da Instituição. O espetáculo, sob a regência do Maestro Antônio Carlos Bor- ges Cunha, apresentou obras de Paiva Netto, um dos compositores que mais vendem no Brasil. Antes de iniciar o concerto, o público já superlotava o ambiente. Persona- lidades, autoridades, convidados, simpatizantes e o Povo em geral compareceram à festa para saudar

Ferreira Clayton FerreiraClayton

Lucian Fagundes

Ferreira Clayton FerreiraClayton Lucian Fagundes Acima, vista geral da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro

Acima, vista geral da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro e do Coral Ecumênico LBV, durante o concerto; abaixo, detalhe dos músicos na hora da exibição.

Na imagem ao lado, Paiva Netto discursa no palco da Casa da Cultura gaúcha.

Paiva Netto discursa no palco da Casa da Cultura gaúcha. o homenageado. Guris atendidos pela LBV

o homenageado. Guris atendidos pela LBV do Rio Grande do Sul também figuravam na platéia e, muitos deles, pela primeira vez assistiram de perto a um concerto de músicas clássicas. O concerto com a Orquestra de Câmara do centenário teatro e Co- ral Ecumênico LBV trouxe alguns dos sucessos do compositor Paiva Netto — como Deus é a Nossa Fortaleza, trecho do Oratório “O Mistério de Deus Revelado”, e Deus é a Minha Força — e a obra inédita de sua lavra: Ave, Maria! Mater Jesus — que apesar de ter sido composta na década de 1980, uma das primeiras Ave, Marias! escritas por ele, dedicada ao Brasil, só agora é apresentada ao público em latim.

ao Brasil, só agora é apresentada ao público em latim. “Com grande alegria, envio meus cumprimentos

“Com grande alegria, envio meus cumprimentos

ao Irmão Paiva Netto pelos 50 anos de atividades

humanísticas na LBV. (

missão iluminando e abrindo caminhos, abrindo horizontes para muitas pessoas se engajarem na criação da cultura da Solidariedade. Parabéns, Paiva Netto! Que Deus o acompanhe e o proteja.”

)

Que ele continue a sua

Elisa Rodrigues
Elisa Rodrigues

Padre Marcos Sandrini, Reitor da Faculdade Dom Bosco, de Porto Alegre/RS.

Clayton Ferreira

Clayton Ferreira Paiva Netto (C) e sua esposa, Lucimara Augusta, ao lado do Maestro Cunha. Na
Clayton Ferreira Paiva Netto (C) e sua esposa, Lucimara Augusta, ao lado do Maestro Cunha. Na

Paiva Netto (C) e sua esposa, Lucimara Augusta, ao lado do Maestro Cunha. Na ima- gem abaixo, momento em que o homenageado autografa a partitura do concerto, a pedido do próprio Maestro e Regente.

“Estamos com a Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro reforçada com músicos convidados e
“Estamos com a Orquestra de
Câmara do Theatro São
Pedro reforçada com
músicos convidados
e um coro de mais
de 100 vozes para
interpretar as canções
de Paiva Netto, que
são realmente hinos de
Observem os títulos:
João Periotto
realmente hinos de Observem os títulos: João Periotto Deus é a minha Força , são hinos

Deus é a minha Força, são hinos

de Solidariedade, de confiança na Paz, no Amor; Prece para ter Tranqüilidade, é disto que todos precisamos. Sentimo-nos honrados em participar dessa homenagem ao homem que é um símbolo da Bondade, do Amor, da dedicação ao Ser Humano.”

Maestro Cunha, responsável pela regência da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro.

Emocionado, o líder da LBV acompanhou o acontecimento do camarote principal. Ao término de cada composição, o público aplaudia de pé, direcionando-se ao homenageado. Depois das apresentações, Paiva Netto subiu ao palco e proferiu discurso que também foi transmitido para os que acompanharam a Super Rede Boa Vontade de Comunicação (Rádio, TV e Internet), a TV Guaíba (Canal 2) e RBTI (exibida para 12 milhões de assinantes na América do Norte).

Saudação ao Povo

A noite era de festa, mas mes- mo assim o dirigente da LBV em

sua prédica fez o público refletir seriamente sobre a importân- cia de educar e, mais que isso, reeducar com Espiritualidade Ecumênica * para investir num futuro melhor. No momento em que subiu ao palco, agradeceu as homenagens da platéia, que bra- dava: “Ele merece!”. E respon- deu: “Vocês merecem! Porque ninguém faz nada sozinho. Aí é que está o segredo”, frisando o fato de a Legião da Boa Vontade ser uma Instituição irrestrita- mente ecumênica.

Fico muito feliz em

“(

)

iniciar as comemorações des- se meu cinqüentenário no Rio Grande do Sul, porque meu pai, Bruno Simões de Paiva (1911- 2000), viveu no Rio Grande do Sul durante um período e me ensinou a amar essa terra que fez questão de ser brasileira. Lembro-me com saudade de que

fez questão de ser brasileira. Lembro-me com saudade de que * Espiritualidade Ecumênica — Leia o

*Espiritualidade Ecumênica — Leia o que Paiva Netto escreveu sobre o assunto nas publicações:

Sociedade SolidáriaAltruística Ecumênica (7 ª edição) e Coleção Diretrizes Espirituais da Religião de Deus.

João Periotto

João Periotto

Paiva Netto e o Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, para quem o líder da LBV au- tografou um exemplar de sua obra Crônicas & Entrevistas.

um exemplar de sua obra Crônicas & Entrevistas. Lúcio Mauro Fernandes (foto) é o pre- miado

Lúcio Mauro Fernandes (foto) é o pre- miado professor que ensaia o Gru-

po de Danças Raízes

do Rio Grande, da Legião da

Boa Vontade.

Clayton Ferreira
Clayton Ferreira

O radialista Wilson Tubino (ao microfone, na imagem acima) impulsionou a homenagem gaúcha no palco do Theatro São Pedro. Ele interpretou poema que antecedeu a bela coreografia apresentada pelo Grupo de Danças Raízes do Rio Grande, da LBV, com o acompanhamento dos músicos Juliano de Oliveira Eloy (violão e voz), João Carlos Missioneiro (gaiteiro) e da percussionista Ivanete de Oliveira (bombo ligüero).

Poema em homenagem ao Jubileu de Ouro de Paiva Netto na LBV Compositor e intérprete: Wilson Tubino

Te saúdo, dom Paiva Netto, Em nome desta querência

É o Rio Grande que se inclina

E te presta reverência.

Vem te dizer: obrigado!

Sei que é pouco

Mas sei, também, que isto é muito

Pra tua Alma iluminada.

quase nada.

Aqui estão teus amigos Os teus fiéis escudeiros

Que levam as tuas mensagens

E as espalham ao mundo inteiro.

Mensagem de puro Amor De gratidão, de bondade Que ilumina os corações Dos Homens de Boa Vontade.

Aqui estão teus amigos

O teu povo solidário

Comemorando contigo

A festa

o cinqüentenário.

A tua firme liderança

Tua sábia orientação,

Pois todos aqui conhecem

O teu nobre coração.

Por isso

Coroando essa passagem Que nosso grupo de danças Te preste uma homenagem.

permita, amigo

São relíquias do folclore

Sem retovo ou muito luxo Mas te entregam, de presente,

O coração dos gaúchos.

Reprodução BV grande estar aqui nesse palco que conheceu MarianAnderson (1897- 1993), em 1946, Heitor
Reprodução BV
Reprodução BV
grande estar aqui nesse palco que conheceu MarianAnderson (1897- 1993), em 1946, Heitor Villa- Reprodução
grande estar aqui nesse palco que
conheceu MarianAnderson (1897-
1993), em 1946, Heitor Villa-
Reprodução BV

Lobos (1887-1959) e Arthur

Rubinstein (1887-1982). (

)”

Gratidão mundial

As Casas do Poder Legislati- vo também aproveitaram a data para homenagear o cinqüentená- rio de trabalho de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade. Antes da programação da “Noite Cultural Emoções e Memórias”, o líder da Obra foi condecorado com a Medalha Farroupilha, a maior distinção da Assembléia do Rio Grande do Sul. A solenidade ocorreu no gabinete da Presidên- cia da Casa Legislativa e reuniu autoridades, personalidades, familiares do homenageado e Legionários da Boa Vontade. Ao discorrer sobre o preito, o dirigente da LBV destacou:

É uma satisfação estar

)

o dirigente da LBV destacou: É uma satisfação estar ) aos 8 anos eu tomava chimarrão

aos 8 anos eu tomava chimarrão com losna. E quando ele faleceu, beirando os 90 anos, meu asses- sor, Francisco Periotto, achou minha pequena cuia e tudo o que usava quando menino. Meu pai era meu ídolo. Se ele tomava chimarrão, eu tomava também (risos). Mas o motivo é que faz bem ao estômago, pois é bom para digestão. “Amo o Brasil. E mais uma razão para esse amor pelo Rio Grande, dentre tantas, é que meu filhinho mais novo — sou pai de 8 filhos e quase 9 ne- tos —, Emmanuel Adolfo, é gaúcho! “Agradeço essa homenagem que me tocou profundamente. Para mim é uma honra muito

A simpática jornalista Hil- degard Angel registrou o acontecimento em sua pres- tigiosa coluna no Caderno B do Jornal do Brasil — edição de 24 de junho —, destacando os detalhes das apresentações musicais e outros marcantes fatos deste dia especial. Com o título “Honraria top”, a jor- nalista noticiou: “Os festejos dos 50 anos de José de Paiva Netto na Legião da Boa Von- tade pararam Porto Alegre. Na Assembléia Legislativa, ele recebeu a Medalha Far- roupilha, honraria top do Es- tado. No Theatro São Pedro, personalidades de todo o país participaram da celebração do Jubileu de Ouro, com con- certo da orquestra de câmara do teatro, sob a regência do maestro Antônio Carlos Bor- ges Cunha, e apresentação do Coral Ecumênico da LBV, com mais de cem vozes. E ainda:

cantos e danças com o grupo folclórico Raízes do Rio Gran- de, ao som de composições do próprio homenageado Paiva Netto

“Os festejos dos 50 anos de José de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade pararam Porto Alegre.”

Hildegard Angel

Clayton Ferreira
Clayton Ferreira

“(

aqui, pela importância que este Estado tem para o Brasil. Estou

Cruz Missioneira, uma honraria da Região dos Povos das Sete Missões, concedida ao líder da LBV

João Periotto

muito emocionado pelo reconhe- cimento ao trabalho da Legião da Boa Vontade, que é uma Obra patriota. Zarur dizia que ‘o Brasil se sustentava geograficamente no Rio Grande do Sul’. Afinal de contas, ele é a base. ( )” Já no palco do Theatro São Pe- dro, Paiva Netto recebeu da Câmara dos Vereadores de Porto Alegre o Diploma Construtor da Paz. A proposta da honraria, considerada uma das mais valiosas da Casa, foi aprovada por unanimidade, em reconhecimento às constantes iniciativas de Paiva Netto a favor da Cultura de Paz e de campanhas contra a violência. O dirigente da Instituição foi condecorado, tam- bém, com a Cruz Missioneira, uma honraria da Região dos Povos das Sete Missões, no Rio Grande do Sul, e símbolo máximo da Espiri- tualidade daquela região. Prestigiaram os festejos no dia 20 de junho, na capital gaúcha:

Dom Dadeus Grings, Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre; Eva Sopher, Presidente da Fun-

Rosana Serri
Rosana Serri
Porto Alegre; Eva Sopher , Presidente da Fun- Rosana Serri Ao término do evento, Paiva Netto

Ao término do evento, Paiva Netto foi entrevistado pela repórter Simone Schimitz, da TV Ulbra (Universidade Luterana Brasileira).

dação Theatro São Pedro; Elaine Camargo, odontóloga; Fernando Casagrande da Rocha, advogado e empresário; Frei Rovílio Costa; a Presidente da Federação Espírita do Rio Grande do Sul, Gladis Peder- sen de Oliveira; Onélia Prates e Sandra Pereira, socialites; Padre Marcos Sandrini, Reitor da Fa- culdade Dom Bosco; Pedro Paulo Torres, representante do Governo do Estado do Rio de Janeiro; Ruy Nogueira, publicitário e assessor de imprensa; Hilda Meneses Pallao- ro, médica; Dr. Honório Sampaio Menezes, pediatra; João Santos, advogado; Marcelo Berbardes,

do Conselho Tutelar; Dr. Marcelo Luiz Lages Leal, pediatra; Marta da Graça Malagues e Maria da Graça Testa Rosa, da instituição Parceiros Voluntários; Mauro Var- gas, Diretor Técnico da Fundação de Assistência Social e Cidadania; Simone Schimitz, apresentadora de TV e coordenadora de marketing da Ulbra TV; Valério Menegat, diretor da ONG Pão dos Pobres; e Wilson Tubino, radialista e escritor tradicionalista.

*Nas próximas edições da revista BOA VONTADE, publicaremos trechos do importante discurso de Paiva Netto durante as comemorações do seu cinqüentenário de trabalho na LBV.

“Eu acredito que todas as iniciativas da LBV são bem-aceitas:

primeiro pela finalidade, pelos fins que a LBV trabalha e também pela qualidade e o número de pessoas que estão

envolvidas nesses projetos. (

queremos dar os parabéns pelo trabalho que ele vem fazendo ao longo de todos esses anos e saber que o Rio Grande do Sul sempre estará presente nessas campanhas ( ).”

)

Ao Presidente Paiva Netto

(Paulo Tigre, Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul — Fiergs)

André Fernandes

André Fernandes 0 | BOA VONTADE Líder da LBV lança o ensaio Evangelho do Sexo
André Fernandes 0 | BOA VONTADE Líder da LBV lança o ensaio Evangelho do Sexo

0

| BOA VONTADE

Líder

da LBV

lança o ensaio

Evangelho do Sexo

Gustavo Oliveira

Gustavo Oliveira BOA VONTADE | 1

BOA VONTADE | 1

Clayton Ferreira

Clayton Ferreira

Clayton Ferreira Clayton Ferreira Ao lado, o líder da LBV é recebido com chuva de papel

Ao lado, o líder da LBV é recebido com chuva de papel dourado em forma de coração, assim que subiu ao palco do evento. Abaixo, duas jovens lêem, com atenção, o ensaio literário Evangelho do Sexo, de autoria de Paiva Netto.

literário Evangelho do Sexo , de autoria de Paiva Netto. Arquivo BV “( ) Tenho um
Arquivo BV
Arquivo BV

“(

)

Tenho um

verdadeiro carinho, amor, pelo trabalho do Paiva Netto; pelo Ecumenismo, pela Caridade, pelo apoio às crianças, aos idosos, aos desamparados.”

Monja budista Yvonette

Gonçalves

2

| BOA VONTADE

Monja budista Yvonette Gonçalves 2 | BOA VONTADE O s 50 anos de trabalho de Paiva

O s 50 anos de trabalho de Paiva Netto na Legião da Boa Vontade são mais do que um bom

exemplo. Trata-se de acontecimento que inspira as atuais e futuras gera- ções, pois, em todo este tempo, nunca desistiu de seus ideais, mantendo-se firme no compromisso. E ao chegar ao cinqüentenário de serviços e 65 de vida, fase da existência em que a maioria apenas colhe os louros do passado, ele ainda sente e age como se tivesse um mundo a conquistar, com o espírito incansável de realizar sempre em favor do próximo.Assim é que consegue surpreender, mesmo quando deveria ser festejado, como se deu durante o 31 o Congresso da Juventude Ecumênica da Boa Von- tade de Deus, realizado no Ginásio da Portuguesa, em São Paulo/SP, no dia 15 de julho.

Leila Marco

Entendimento e respeito às diferenças

O evento programado para co- memorar seu Jubileu de Ouro, ele transformou, com o lançamento do ensaio literário Evangelho do Sexo, em um presente para os jovens de todas as idades que lá compareceram. Ao falar da publicação que entregava ao Povo, Paiva Netto leu trechos e analisou seu ensaio:

“Evangelho quer dizer boa nova, notícias que transmitem felicida- de. Ora, tal não se pode dar se Você não tiver conhecimento do que ela significa. O Sexo é as- sunto primacial na vida humana e ainda bastante discutido neste mundo. Muitos correm atrás dele, pensando obter prazer eterno, mas será que o conseguem? Só perguntando aos seus travessei-

André Fernandes

Daniel Trevisan

ros, quando as cabeças reclinam e todos se revelam a si mesmos. Por

que o sexo, por si só, não traz o que

o Ser Humano mais espera da Vida?

Porqueprecisamosentenderquesua

essência é espiritual.

) (

Não cultivo Alma de censor.

Meu esforço, em primeiro lugar, está em aprendermos, de uma vez por todas, que a discriminação, o preconceito e os clichês são grandes vilões, situados na raiz de muitos dos problemas que cercam o Sexo e tantas outras manifestações na existência das sociedades, como o execrável racismo. A Criatura Humana é sagrada e, portanto, acima de tudo, digna de respeito, seja qual for a sua orientação no campo da sexualidade e, por extensão, da

ideologia, da ciência, da religião

e assim por diante.

Espero que este trabalho sirva como contribuição, por menor que seja, aos que têm a paciência de me ouvir e/ou ler. Grato!”. Contou sobre o preparo do ma- terial em apenas uma semana, atravessando as madrugadas com sua equipe, “não medindo esforços para alcançar a meta”. Era a forma que encontrara para ofertar aos que vieram homenageá-lo algo de sua lavra sobre o tema escolhido pelos próprios jovens. E esclareceu: “Este ensaio é um resumo do livro; porém, creio que será valioso para quem o apreciar. Analisem-no a partir do título:

Evangelho do Sexo, mas sem co- notação religiosa extremada, coisa que abomino. Depois, virá outra sinopse: Política da Caridade Com- pleta, que faz parte de O Capital de Deus.

“É muito bonito, confortador, neste mundo dominado por uma cultura de competição, ver um homem como o Irmão Paiva Netto, que, há cinqüenta anos, vem trabalhando no sentido oposto, contra a corrente, preconizando os valores da cooperação, da harmonização fraterna.”

Monge budista Ricardo Mario Gonçalves

BOA VONTADE | 3

Daniel Trevisan

Daniel Trevisan
Daniel Trevisan
Daniel Trevisan  Daniel Trevisan Acima, o instante em que o líder da LBV recebe as
Daniel Trevisan  Daniel Trevisan Acima, o instante em que o líder da LBV recebe as

Acima, o instante em que o líder da LBV recebe as homenagens da Prefeitura de Nova York (EUA) entregues por John De Prima.

Há quem hoje, talvez com a mente em excesso racional, pense que a Caridade seja artigo dispensável. Ora, Caridade é a energia que nos mantém vivos. Ela constitui uma estratégia de Deus para que não percamos o sentido de humanidade*¹. Por isso que, ao término de tudo, talvez não se resolva o problema social das nações na

medida da necessidade de sua gente, pois, se é feita respeitável diligência em termos materiais, pouco ou nada se realiza em função do inafastável quesito

espiritual, por se cogitar que isto

se restrinja ao campo religioso,

quando tem tudo a ver com ética.

E essa falha histórica resulta

em serviço incompleto até em termos econômicos, porquanto, não procuram sem ‘parti-pris’ entender que o governo da Terra começa no Céu*². A Caridade

integral vem de lá, porque nasce

do coração de Deus. Não do deus

(este com “dê” minúsculo mesmo) que alimenta detestáveis precon- ceitos que estigmatizam pessoas e grupos, promovendo guerras de todos os tipos, mas Daquele que é

Amor, princípio básico do Ser, fa- tor gerador de vida, que em toda a parte se manifesta e é Tudo. Que o Sexo tem com isso?! Muita coisa! A começar pelo fato

de que Sexo é bem mais do que tan-

tos ainda consideram que o seja. E esse raciocínio, de certa forma, estará com simplicidade explicado

no livro a ser lançado”. Na apresentação do material literário, o líder da LBV discorreu ainda acerca da importância da Caridade Completa (material e es-

| BOA VONTADE

A atriz norte-americana Miranda Reinfeldt que acompanhou John De Prima durante visita ao Instituto de Educação da LBV, em São Paulo/SP, aparece na foto com uma das centenas de crianças atendidas pela unidade educacional.

RMTV Daniel TrevisanReprodução

piritual) no debate do tema, pois, em sua opinião, “Sexo é bem mais do que tantos ainda consideram que seja”. Acrescentou que “é preciso tirar as aspas dessa For- ça Divina para que ela ressurja com sua face prazerosa, contudo transcendental”. Também des- tacou que a inspiração maior da obra é o “Jesus Ecumênico, que nada tem a ver com preconceitos e

tabus, que possíveis faltosos lan- çam contra supostos faltosos, em

geral, impiedosamente. (

) Jesus

Cristo (

mas viveu a Fraternidade ( Vale dizer que as homenagens a este Homem da Boa Vontade ocorreram desde as 9 horas daquele sábado, quando pessoas de todo o Brasil e delegações do Exterior assistiram a apresentações teatrais, musicais e de dança, produzidas por alunos atendidos nas escolas da LBV e por jovens que participam voluntariamente da Instituição. O ponto alto se deu às 17 horas, quando, ao subir ao palco, Paiva

)

não somente pregou,

Netto foi saudado por uma chuva de papel dourado e foi ovacionado por milhares de pessoas que o aguar- davam, além dos cumprimentos de artistas, religiosos, personalidades e amigos. Naquele instante, um aconte- cimento inesperado causou admi- ração no público: cinco painéis gigantescos surgiram quando as cortinas ao fundo do palco foram descerradas, como se pode ver nas páginas 42 e 43 desta publi- cação. No primeiro, Paiva Netto

“Temos de prestigiar as pessoas que promovem o Bem, a Boa Vontade na religião, na saúde, na educação, entre o Ser Humano; a Boa Vontade no Planeta. E Paiva Netto representa isso, um homem aberto ao diálogo, que leva a mensagem de Paz. Daí a presença das religiões de matriz africana aqui para lhe dar o abraço pelo seu Jubileu.”

Pai Francelino De Shapanan

de matriz africana aqui para lhe dar o abraço pelo seu Jubileu.” Pai Francelino De Shapanan

BOA VONTADE |

Gustavo Oliveira

Gustavo Oliveira na qual aparece iluminado por uma luz superior, e saudando os Legionários. Clayton Ferreira
na qual aparece iluminado por uma luz superior, e saudando os Legionários. Clayton Ferreira
na qual aparece iluminado por
uma luz superior, e saudando os
Legionários.
Clayton Ferreira
luz superior, e saudando os Legionários. Clayton Ferreira O cantor Tony Gordon emocionou o público ao

O cantor Tony Gordon emocionou o público ao interpretar a canção Prece para ter Tranqüilidade, de autoria de Paiva Netto. Acima, o Coral Ecumêni- co LBV que abrilhantou o evento.

aparece, ainda jovem (aos 19 anos); na seqüência surge ao lado do saudoso Fundador da LBV, Alziro Zarur (1914-1979). No centro, o maior deles, o Mestre Jesus é retratado na famosa cena bíblica da Pesca Milagrosa. E nos dois últimos, Paiva Netto é apresentado em momentos dis- tintos, respectivamente, numa fotografia capturada em 20 de maio de 1995, em Viena/Áustria,

Prêmios dos Estados Unidos

Entre as muitas honrarias com que Paiva Netto foi agraciado, na- quela data, estão as outorgadas pela Prefeitura de Nova York (EUA) e entregues pelo representante des- ta, John De Prima, que veio ao Brasil acompanhado da atriz norte-

Daniel Trevisan
Daniel Trevisan

6

| BOA VONTADE

“Senti-me um dos membros da LBV nesse dia tão bonito. Ginásio cheio, todo mundo alegre, sorrindo. E Paiva Netto, como sempre, corajoso. Ele está fazendo um trabalho de vanguarda, de prevenção, o aconselhamento prévio que deve ser feito.”

Pai Francisco de Osun

André Fernandes

americana Miranda Reinfeldt. As distinções são: Citation, concedida a pessoas públicas por relevantes serviços prestados à sociedade e dedicada a quem adquiriu um alto grau de reconhecimento por aquilo que faz pela comunidade; Hall of Fame, somente ofertada às pessoas reconhecidas pelo que realizam em sua área de atuação, como melhor ator, melhor jogador, melhor políti- co, melhor dirigente de obra social etc.; e Proclamation, por trabalhos prestados à sociedade mundial. De Prima falou da dedicação e esforço incomum do Diretor- Presidente da LBV em favor da Humanidade. Afirmou que, ao conhecer mais de perto o trabalho desenvolvido pela Obra e conversar com as crianças atendidas, aprendeu duas palavras especiais: “amizade e Jesus”. E que para ele “Paiva Netto respeita Jesus”. John De Prima recordou que com os pequenos anotou outra máxima do líder da Instituição que eles transformaram em música, cujo título é: Todos marchando com a Paz, destacando que se este exemplo

fraterno “funciona bem no Brasil, funcionará bem no mundo todo”. Dos Estados Unidos lhe che- gou mais uma comenda, desta vez o reconhecimento veio de New Jersey, proposto pelo Vereador Au- gusto Amador, do East Bound de Newark, pelos programas socioe- ducacionais prestados à população deste Estado norte-americano. Paiva Netto também foi presen- teado com uma bela pintura de São PedroApóstolo portando as chaves do Céu, feita pelo artista plástico João Marcelo, como símbolo do carinho do povo gaúcho.

Oração com o público

Como de costume, ele encerrou

o encontro do jeito que mais gosta,

orando. Antes mesmo de proferir a Prece Ecumênica de Jesus, o Pai- Nosso, conclamou os presentes ao fortalecimento moral e espiritual das

famílias, pedindo a Jesus a interces- são pelas pessoas enfermas do corpo

e de coração ferido. Enquanto fazia

sua prédica, o cantor Tony Gordon

e o Coral Ecumênico LBV interpre-

taram a composição Prece para ter

Momento de extrema emoção: Paiva Netto ao lado de sua esposa, Lucimara Augusta, acompanham sensibilizados a interpretação da Prece para ter Tranqüilidade, de autoria dele. A imagem comoveu a compacta massa que superlotava o Ginásio da Portuguesa.

Tranqüilidade, de Paiva Netto, que emocionou os presentes, inclusive o homenageado. A razão de tamanho sentimento foi justificada por ele, que contou, em seguida, que, ao escrever uma composição, sempre o faz para o Povo. Por isso, ver o resultado do seu trabalho alcançar os corações dos que estavam ali era para ele uma grande recompensa. Ao encerrar a Oração convidou os milhares de participantes a repe- tirem as palavras da Milícia Celeste, ao anunciar o nascimento de Jesus, o Cristo Ecumênico (Evangelho, segundo Lucas, 2: 14), pedindo Paz na Terra aos Homens e Mulheres, Jovens, Crianças e Espíritos da Boa Vontade de Deus.

Caridade: Estratégia de Deus — Paiva Netto aborda mais amplamente o assunto em suas obras O Capital de Deus, Sociedade Solidária Altruística Ecumênica e na coleção O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração (da qual fazem parte os livros As Profecias sem Mistério, Somos todos Profetas e Apocalipse sem medo, coleção esta que já atingiu a expressiva marca de 1,3 milhão de exemplares vendidos). *² Economia, Direito e Mundo Espiritual — Veja Epístola Constitucional do Terceiro Milênio, de Paiva Netto. Seu conteúdo é um documento do autor dedicado à Moci- dade Legionária em 18 de julho de 1988, dois dias depois do comparecimento dela ao 13 º Congresso dos Jovens da LBV, realizado em São Paulo/SP.

BOA VONTADE | 7

Fatos que marcaram os 50 anos de trabalho de Paiva Netto e o tornaram um

Fatos que marcaram os 50 anos de trabalho de Paiva Netto e o tornaram um patrimônio do Brasil

| BOA VONTADE

A

trajetória

de um Homem

de Boa

Vontade

Leila Marco

U ma das principais ho-

menagens ao valoroso

brasileiro José de Paiva

Netto, que completou

50 anos de trabalho na Legião da Boa Vontade, ocorreu no dia 20 de junho, em Porto Alegre/RS.

O acontecimento “Noite Cultural

Emoções e Memórias” realizado na tradicional casa da cultura

gaúcha, o Theatro São Pedro, foi

o primeiro dos grandes eventos

programados para saudar a perti- nácia de um homem que dedicou

a vida ao Bem e à difusão da

Espiritualidade Ecumênica (leia

a reportagem sobre o evento na p. 32).

Desde que abraçou este ideal em 1956, em plena adolescên- cia, aos 15 anos de idade, seus arroubos não eram os que geral- mente assaltam os jovens nestes tempos. Ele era um rebelde, mas de Jesus*. Sim, pois logo que es- cutou uma canção natalina (Noite Feliz, de Joseph Mohr e Franz Grüber) durante o programa Campanha da Boa Vontade, na Rádio Tamoio, do Rio, intrigado observou: “Mãe, música de Natal em junho!” e, na seqüência, ouvi- ria ainda o saudoso Fundador da

*Rebeldes de Jesus — Programa criado por Paiva Netto, em 1992, até hoje sendo transmitido na Super Rede Boa Vontade de Rádio, aos sábados, às 14 horas.

Arquivo BV

LBV, Alziro Zarur (1914-1979), repetir a passagem do Evangelho em que os Anjos anunciam o nascimento do Cristo:“Glória a Deus nas Alturas e Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade”. O que lera cerca de três anos antes num opúsculo editado pela LBV chamou-lhe de novo a atenção:

no folheto, de excelente conteú- do, que recebeu de uma senhora negra, no Rio de Janeiro/RJ, encontrou descritos os ideais que almejava desde a mais tenra idade — pioneiro movimento inter-religioso promovido por Zarur, com a Cruzada de Reli- giões Irmanadas. Por tudo isso, disse determinado: “Mamãe, é com esse que eu vou!”. Outra coisa que o impressionou foi a sonoridade do nome dele. A pregação de Fraternidade Universal o encantou de tal ma- neira que, naquele mesmo dia, 29 de junho de 1956, data que homenageia São Pedro e São Paulo, pegou uma bicicleta e saiu pedindo ajuda para a LBV.

Os saudosos pais, Seu Bruno e Dona Idalina, casal-modelo na Legião da Boa Vontade, sempre deram bons exemplos ao filho, Paiva Netto. Na foto, a singela demonstração de carinho para com o líder da LBV.

singela demonstração de carinho para com o líder da LBV. Paiva Netto sempre esteve presente nos

Paiva Netto sempre esteve presente nos momentos de grandes desafios atravessados pelo Fundador da LBV, Alziro Zarur.

BOA VONTADE |

Daniel Trevisan

Aquivo BV

Daniel Trevisan Aquivo BV A Ronda da Caridade é uma atividade da Campanha Permanente da LBV
Daniel Trevisan Aquivo BV A Ronda da Caridade é uma atividade da Campanha Permanente da LBV

A Ronda da Caridade é uma atividade da Campanha Permanente da LBV contra a fome, lançada no fim da década de 1940, com a popular “Sopa dos Pobres”, também conhecida como “Sopa do Zarur”. No destaque, o jovem Paiva Netto, que também participou da primeira Ronda, em 1 o /9/1962, no Rio.

Passou, a partir daquele instante,

a colaborar voluntariamente com

a Instituição, realizando, mesmo

a pé, campanhas para a compra da antiga Rádio Mundial, que se tor- nou a Emissora da Boa Vontade, de 1956 a 1966, e para auxiliar o Natal Permanente da Obra, que presta socorro diário ao Povo.

Bisturi mental

A profunda simpatia pelo Fundador da Instituição não o impedia de analisar as ações do amigo. Paiva Netto era daqueles

estudantes que andam, como ele próprio afirma, com “o bisturi mental” pronto para cortar os acontecimentos e entrar no cerne da questão, visualizando além das aparências os fatos. E foi com este espírito inquiridor, cultivado no lar — seus pais eram cultos e sensíveis à arte, principalmente a musical — que ele observaria que a pregação do Ecumenismo Irrestrito era calçada de atitudes concretas. “Quando descobri que Zarur sendo descendente de árabes (Dona Ássima, sua mãe,

foi síria e o pai, Elias Zarur, libanês) e que o primeiro Em- baixador da LBV era um judeu chamado Jacques Aboab, pensei:

esse homem sabe o que está fa- zendo. Ele não está blefando. A coisa é pra valer!(

Sucessor natural

Ainda na infância, interessa- va-se pelos livros, incentivado principalmente pelo exemplo do pai, Bruno Simões de Paiva (1911-2000); e tinha um cuida- do com o próximo, ajudando a

Aquivo BV Aquivo BV Aquivo BV Aquivo BV
Aquivo BV
Aquivo BV
Aquivo BV
Aquivo BV
(1911-2000); e tinha um cuida - do com o próximo, ajudando a Aquivo BV Aquivo BV

0

| BOA VONTADE

Nizete Souza

Antonio Carlso Figueiredo

Aquivo BV

Com oportunidades únicas que recebem na LBV, jovens e crianças têm condições reais de mudar suas vidas. Ambientes dignos, educação de qualidade, alimentação balanceada e saúde básica transformam para melhor a existência de milhares de famílias brasileiras.

O Centro Educacional, Cultural e Comunitário, no Rio de Janeiro/RJ (Av. Dom Hélder Câmara, 3.059, Del Castilho), com 5.000 m 2 de área construída, atende crianças, jovens, adultos e idosos em situação de risco social e pessoal provenientes das comunidades em torno das favelas do Guarda, Jacarezinho, Parque Evereste, Nova Brasília, Manguinhos, Parque União de Del Castilho, Complexo do Alemão, Águia de Ouro e Comunidade de Escol.

BOA VONTADE | 1

Daniel Trevisan

Cida Liranes

Daniel Trevisan

Daniel Trevisan Daniel Trevisan
Daniel Trevisan
Daniel Trevisan

Alunos realizam atividade recreativa na ampla praça do Instituto de Educação da LBV, na capital paulista, que atende, diariamente, mais de mil jovens e crianças. Na fachada do local, Paiva Netto fez colocar esta máxima de Aristóteles (384-322 a.C.): “Todos quantos têm

meditado na arte de governar o gênero humano acabam por se convencer de que a sorte dos impérios depende da educação da mocidade”.

2

| BOA VONTADE

Arquivo BV

Clayton FerreiraArquivo

Daniel Trevisan

Davi Assis

BV

Marina Figueiredo

Daniel Trevisan Davi Assis BV Marina Figueiredo em 1961. Durante largo tempo, escreveu a parte de
Daniel Trevisan Davi Assis BV Marina Figueiredo em 1961. Durante largo tempo, escreveu a parte de
Daniel Trevisan Davi Assis BV Marina Figueiredo em 1961. Durante largo tempo, escreveu a parte de

em 1961. Durante largo tempo, escreveu a parte de baixo da co- luna de Zarur, no jornal Gazeta de Notícias, conforme revela o próprio criador da Legião da Boa Vontade. São mais de quatro décadas contribuindo com a imprensa, fazen- do surgir a via para um jornalismo solidário, que nos últimos anos vem ganhando força na mídia. Mesmo antes da morte de Alziro Zarur experimentava a responsabi- lidade de levar à frente esta Obra, a

mãe, Idalina Cecília de Paiva (1913-1994), que era enfermeira prática, no amparo aos doentes e recebia carinhosamente a quem batesse à porta da casa à procura de ajuda. O contato com o saudoso Fun- dador da LBV ampliou ainda mais seu interesse pelo Ser Humano e o pendor para os cuidados com o Espírito. Com ele também iniciou nas profissões de radialista, ainda na década de 1950, e de jornalista,

de radialista, ainda na década de 1950, e de jornalista, O saber adquirido em anos de

O saber adquirido em anos de lutas e a vitalidade dos voluntários formam a tônica do dia-a-dia dos vovôs e vovós atendidos nos Lares da LBV. Como ensina Paiva Netto há décadas: “É preciso aliar ao patrimônio da experiência dos mais velhos a energia dadivosa dos mais moços”.

dos mais velhos a energia dadivosa dos mais moços” . Campanhas de Valorização da Vida Graças

Campanhas de Valorização da Vida

Graças ao empenho do líder da LBV, a Instituição promove sistematicamente diversas campanhas educacionais antidrogas, antiviolência no trânsito, pela preservação da Natureza, a fim de se obter adesão e conscientizar a sociedade, sobretudo as crianças e os jovens, quanto aos valores reais da existência. Pela Campanha LBV — Esporte é Vida, não violência!, que é realizada desde a década de 1970, Paiva Netto foi, por dois anos consecutivos, ganhador do troféu “Bola de Ouro” (1997 e 1998). Em 14 de abril de 1997, recebeu a homenagem das mãos do Dr. João

abril de 1997, recebeu a homenagem das mãos do Dr. João Havelange , que presidiu por

Havelange, que presidiu por 24 anos a FIFA, órgão máximo do futebol mundial.

BOA VONTADE | 3

Fotos: Arquivo BV

Vieira Filho

Fotos: Arquivo BV Vieira Filho Solidariedade Ecumênica além-fronteiras — As ações de Paiva Netto empolgam outras
Fotos: Arquivo BV Vieira Filho Solidariedade Ecumênica além-fronteiras — As ações de Paiva Netto empolgam outras
Fotos: Arquivo BV Vieira Filho Solidariedade Ecumênica além-fronteiras — As ações de Paiva Netto empolgam outras

Solidariedade Ecumênica além-fronteiras — As ações de Paiva Netto empolgam outras nações do Planeta. Atualmente, as iniciativas fraternas são desenvolvidas pela LBV da Argentina, do Paraguai, do Uruguai, da Bolívia, de Portugal e dos Estados Unidas, e em diversas regiões do mundo. Uma amostra disso são as imagens acima, nas quais pode ser visto o atendimento a crianças em situação de risco social. Destaque também para a atuação da Obra na Organização das Nações Unidas.

ponto de o Fundador da Instituição dizer: “Aí está por que José de Paiva Netto foi elevado a Secretário-Geral da LBV. Ele sente os problemas (da Obra) como o próprio criador da Legião da Boa Vontade”. Por isso, a forma natural como se tornou sucessor de Zarur. Em sua administração, multiplicou os Programas de Promoção Humana, Social e Educacional da LBV, num crescimento superior a 15.000%,

conforme publicado pela Veja em 1994, ao traçar o seu perfil. Sob seu comando, o ideário da Instituição ganhou caráter inter- nacional, atuando na Bolívia, no Paraguai, no Uruguai, na Argentina, em Portugal e nos Estados Unidos, além de possuir correspondentes em todo o mundo. Graças a seu trabalho, a LBV foi a primeira organização não-governamental brasileira

a associar-se ao Departamen-

to de Informação Pública das

Nações Unidas, a partir de 1993. Em 1999, tornou-se ain- da a primeira ONG do Brasil

a conquistar na ONU o status

consultivo geral no Conselho

Econômico e Social (Ecosoc). E, em 2000, passou a integrar

a Conferência das ONGs com

Relações Consultivas para as Nações Unidas (Congo). As te-

Audição Mundial de O Mistério de Deus Revelado no Harlem

Em abril de 2006, o Oratório O Mistério de Deus Revelado (que superou a marca das 500 mil cópias vendidas), do compositor Paiva Netto, foi apresentado pelo Coral do Santuário (The Sanctuary Choir) da Convent Avenue Baptist Church, sob a regência do respeitado maestro e professor Gregory Hopkins, na cidade de Nova York, nos Estados Unidos.

 | BOA VONTADE Vieira Filho
| BOA VONTADE
Vieira Filho
maestro e professor Gregory Hopkins , na cidade de Nova York, nos Estados Unidos.  |

Antonio Carlos Figueiredo

João Periotto

Cida Linares

Vânia Besse

u e i r e d o João Periotto Cida Linares Vânia Besse As crianças atendidas

As crianças atendidas pela Legião da Boa Vontade, desde pequenas, compreendem a importância de preservar o Meio Ambiente.

ses de Paiva Netto são também divulgadas nas Nações Unidas, como seu artigo “A Mulher no conSerto das Nações”, traduzi- do para os seis idiomas oficiais da organização (Árabe, Chinês, Espanhol, Francês, Inglês e Russo) e distribuído durante a 50 a Sessão da Comissão do Status da Mulher, ocorrida de 28 de fevereiro a 10 de março deste ano.

Educador de várias gerações

Outra característica de sua gestão foi o aumento do número de órgãos com fins educativos. Em 1981, inaugurou a primeira creche da Instituição, no Rio de Janeiro/RJ, naquela época chamada de Creche Maternal, a que deu o nome de Alziro Zarur, viabilizou Escolas e Centros Co- munitários e Educacionais em todo o País, que oferecem educa-

SOS Nordeste

Numa parceria com a Rede Bandeirantes de Televisão, o dirigente da LBV realizou a Campanha LBV — SOS Nordeste, que promoveu uma das maiores mobilizações solidárias já vistas no País, em favor dos flagelados da seca. Em 1998 e 1999, foram mais de 7 milhões de quilos de alimentos distribuídos para cerca de um milhão de pessoas em mais de 1.100 localidades.

O Presidente do Grupo Bandeirantes de Rádio e TV, sr. Johnny Saad, e Paiva Netto.

Bandeirantes de Rádio e TV, sr. Johnny Saad, e Paiva Netto. A LBV oferece cursos visando
Bandeirantes de Rádio e TV, sr. Johnny Saad, e Paiva Netto. A LBV oferece cursos visando

A LBV oferece cursos visando à melhoria da qualidade de vida de vovôs e vovós da Terceira Idade

ção infantil, ensino fundamental, médio, supletivo e EJA — Edu- cação de Jovens e Adultos, além de cursos profissionalizantes a milhares de adolescentes e adul- tos de comunidades em situação de risco social.

Centros de excelência de ensino

“A Legião da Boa Vontade não oferece uma opção pobre ao

Marina Figueiredo
Marina Figueiredo

BOA VONTADE |

João Preda

J o ã o P r e d a Daniel TrevisanMarina Figueredo 6 | BOA VONTADE
J o ã o P r e d a Daniel TrevisanMarina Figueredo 6 | BOA VONTADE
Daniel TrevisanMarina Figueredo
Daniel TrevisanMarina
Figueredo

6

| BOA VONTADE

pobre. Ela oferece ao pobre uma opção de qualidade”, ressaltou o sociólogo Pedro Demo, na época em que presidia a Organização Mundial para a Educação Pré- Escolar. Sua afirmativa explica de forma resumida a preocupação do dirigente da LBV, Paiva Netto, em criar uma nova realidade para os alunos que ingressavam nos cen- tros educacionais da Instituição, de maneira que tenham acesso a todos os meios encontrados nas melhores escolas. Professores de alto nível, boas condições físicas para o ensino, laboratórios de informática e de ciências bem equipados, alimentação balance- ada, com acompanhamento de nutricionista, atendimento médico

e psicológico e muito Amor, para que o enorme déficit social do País, também com a cooperação da Le- gião da Boa Vontade, seja vencido.

O resultado deste sistema pode

ser visto em relevantes pontos:

os estabelecimentos de ensino da

Obra têm evasão zero e conseguem promover um desenvolvimento es- pírito biopsicossocial satisfatório para os alunos. Nesta ação empreendedora, des- taque para o Centro Educacional, Cultural e Comunitário da LBV (Rio de Janeiro/RJ); o Instituto de Educação José de Paiva Netto (São Paulo/SP); o Lar e Parque Alziro Zarur (Glorinha/RS); Escolas de Educação Infantil em Brasília/DF, Curitiba/PR e Belém/PA; aAla dos Estudantes do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi da LBV, em Brasília, entre outros modernos núcleos em atividade no País. Várias das teses defendidas por Paiva Netto podem ser vistas nas diversas obras de sua autoria, que se

tornaram best-sellers. O autor já ven- deu mais de três milhões de livros, além de escrever para importantes publicações do País e colaborar em jornais e revistas do Exterior. Por tudo isso, o evento “Noite Cultural Emoções e Memórias” teve um valor especial, não só para os brasileiros, mas para todos os que acreditam, pelo mundo afora, que é possível se ter uma Huma- nidade mais feliz e justa. Se há 50 anos uma canção de Natal em pleno mês de junho levou Paiva Netto a dedicar sua existência a esta causa, nada melhor que festejar essa data tão importante com sua excelente música, e quem sabe com ela trazer tantos outros Paivas para a Seara da Boa Vontade.

Simone Barreto
Simone Barreto

Pela Campanha Não use drogas. Viver é Melhor!, da LBV, no Brasil e no Exterior, a Instituição e seu dirigente receberam, em 18 de junho de 2004, o Diploma do Mérito pela Valorização da Vida, concedido pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) e vinculado ao Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, em cerimônia comandada pelo Presidente luiz Inácio lula da Silva. Na foto acima, o Dr. Pedro Paulote de Paiva (C), representando a LBV e seu Diretor- Presidente, ao lado do proponente da honraria, General Paulo Uchoa, Secretário Nacional Antidrogas (E); e do General Jorge Armando Félix, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (D).

Arquiovo BV
Arquiovo BV

Paiva Netto criou a Editora Elevação, a Gráfica da Boa Vontade, a Gravadora Som Puro, o Portal Boa Vontade (www.boavontade.com), a Super Rede Boa Vontade de Rádio (primeira rede em sistema digital com equipamentos próprios), a Boa Vontade TV (Programadora de conteúdo para a TV a cabo) e a Rede Mundial de Televisão, as três últimas com dezenas de emissoras de Norte a Sul do País. Todas essas importantes mídias prestam contas das realizações da LBV e levam Fé e Esperança, sob o lema: Educação e Cultura, Alimentação, Saúde e Trabalho com Espiritualidade Ecumênica! O carisma com as novas gerações faz de Paiva Netto um jovem, sendo procurado sempre por eles.

Daniel Trevisan Daniel Trevisan
Daniel Trevisan
Daniel Trevisan

BOA VONTADE | 7

João Periotto

Conjunto Ecumênico da LBV formado pelo ParlaMundi (E), sede administra- tiva (C) e Templo da Boa Vontade (D). Este é o monumento mais visitado de Brasília/DF, segundo dados oficiais da Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur). Desde que foi inaugurado por Paiva Netto, há 16 anos, em 21/10/1989, já recebeu mais de 15 milhões de peregrinos e turistas.

Um teto para a

Humanidade

E ntre suas realizações, o

destaque é para a cons-

trução do Templo da Boa