Sei sulla pagina 1di 8

Carlos Maltz

muito longe daqui


alguém esta cantando
em silêncio e só
é quase uma oração
A velha era no divã
Ruy Fabiano
M ais tarde, com São Paulo, surge
a literatura epistolar, em que o
diálogo se dá por cartas, com a troca de
impressões reduzida ao universo de dois
interlocutores solitários, mas dirigidas a
um número indefinido de destinatários.

T ornou-se um método de doutri-


nação religiosa.
O diálogo foi introduzido na litera-
tura por Platão. Foi uma forma
engenhosa de envolver o leitor na com- C onservou mesmo assim o pro-
cesso da tensão dialética, em
plexa viagem do raciocínio, em forma que visões distintas duelam, em busca
de conversa. As conclusões e impasses da verdade, que, se estabelecida, terá o
brotam dos intercâmbios, da troca de leitor como juiz absoluto, senhor das
visões e impressões, da multiplicidade deduções.
e variedade de percepções, que, no ser
humano, estão longe da uniformidade.
Tornou-se um método de investigação N o caso das epístolas de São Paulo,
diferentemente dos diálogos de
Platão, a visão é unilateral. Não se con-
filosófica.
Vem aí...
hece - não se ouve - a voz do interlocu-
tor, apenas supõem-se os argumentos que
provocou, e a refutação e esclarecimentos
R euniu num chat, que mantém
em seu site, um microcosmo da
juventude brasileira de hoje, que transita
Abilolado Mundo Novo

que recebe. por blogs, twitter, orkut e outros espaços


de interatividade que a internet já há
O romance elevou o gênero epistolar
ao nível da estética. E teve momen-
tos de esplendor em Chordelos de Laclos,
alguns anos oferece, inaugurando uma
nova era nas comunicações interpessoais.
Uma era que funde (e confunde) muitas
com o clássico Ligações Perigosas, em que
eras, frequentemente sem o devido senso Carlos Maltz
a trama romanesca se manifesta por cartas R$ à definir
de proporções, e que expõe o espírito 240 Páginas • 1a Edição
trocadas entre os protagonistas. Formato 16,0 cm x 23,0 cm
deste tempo confuso e apocalíptico. O ISBN 978-85-7636-095-7

C
Editor: Roberto Gobatto
arlos Maltz, psicólogo, astrólogo e resultado é fascinante. Lançamento Nov. 2010

roqueiro, uniu suas habilidades


heterogêneas - e incomuns numa única
pessoa - para, fundindo as tradições
A o mesmo tempo em que expõe
suas idéias, leituras e observações,
Maltz faz a cabeça de seus interlocutores
epistolar e platônica, perpetrar um
- ou pelo menos a conduz por caminhos
achado: a transposição do gênero para
que lhes são desconhecidos e inesperados
o âmbito da internet.
-, sem que estes o percebam.
N ão há o tom explícito do mestre
falando ao discípulo, como no
caso do Sócrates de Platão - que, embora
no fim do falso arco-íris que lhe de-
scortinaram.
Não é hora para estarmos en-
tediados. Eu não estou nem um
de carne e osso, não deixa de ser um per-
sonagem recriado por seu discípulo.
O resultado é a sensação de or-
fandade e a rebeldia niilista,
que, mais que agressão, expressam
pouco entediado. Existem coisas
incríveis acontecendo por aí e es-
tão fora da grande mídia. As coi-
sas quentes mesmo, são ainda meio
M altz, com a autoridade que lhe
dá a longa vivência entre jovens
- é um dos fundadores e primeiro bat-
frustração e um doloroso pedido de
socorro. Maltz fala no dialeto dos in-
terlocutores, conhece-lhe os códigos,
inacessíveis. Não por barreiras
ideológicas e religiosas como no
passado (pelo menos aqui no oci-
erista da banda de rock Engenheiros do artes & manhas, o que lhe permite dente). São barreiras dentro de
Hawaii -, funde suas habilidades para penetrar num círculo habitualmente nós mesmos armadas pela nossa
colocar em cena o exame da realidade impermeável aos forasteiros, dar o seu preguiça espiritual, nosso co-
contemporânea. recado e, mais que isso, vê-lo de algum modismo existencial, barrados
modo recepcionado. pelo medo de abandonar o velho
C apta os desencantos de uma
geração criada sob a égide do
consumo e da busca liberticida do E le não é propriamente um fo-
rasteiro. Sabe com quem está
navio do materialismo. Vivemos
um momento incrível da humani-
dade. Uma civilização está ruindo
prazer, e que, cumprindo à risca esse falando. Abriu mão de uma carreira e outra começando.
ideário, se sente lograda por não en- vitoriosa de pop-star para refugiar-
contrar o pote de ouro da felicidade se em Brasília e estudar outro tipo de
astros: os do firmamento. Abdicou da surpreendente, que vale, no fim das con-
fama, sabendo-a um falso brilhante, e tas, por um tratado metafísico-sociológi-
dedicou-se a buscar, inicialmente via co.
astrologia, o sentido da existência.
Tornou-se psicólogo, estudioso da es-
piritualidade. E constatou que a Nova
É a melhor radiografia que con-
heço dos efeitos concretos do
relativismo humanista há décadas em
Era nada mais é (ou será) que a con-
curso. O vazio espiritual, a confusão
sumação de valores transmitidos desde
de valores, a deterioração da instituição
priscas e imemoriais eras - e jamais prati-
família, o consumismo imposto pela
cados. O novo está no antigo. No eterno.
idade mídia brotam dos diálogos, que
Resta observá-lo.
transcorrem fluviais, com todas as

E ssa visão perpassa os diálogos, que


fogem à ineficácia do tom profes-
soral/moralista. Se o adotasse, seria expe-
imperfeições e interjeições estilísti-
cas com que rolam na internet. Maltz
percebeu, na fragmentação aparente,
lido. E é essa habilidade de pisar em ovos povoada de reticências, um vasto pai-
que lhe permite, neste originalíssimo nel alegórico, que resulta num quadro
Abilolado Mundo Novo, desvendar um expressionista.
cenário psicossocial denso, dramático e
Q uem quiser conhecer o que se
passa na cabeça da atual gera-
ção de jovens brasileiros de classe mé-
O leitor maduro - pois este livro
está longe de se destinar ap-
enas aos jovens - poderá refletir sobre
dia urbana - microcosmo da civiliza- o legado que ajudou a construir, na
ção ocidental - encontrará aqui vasto imperceptível ruptura que, em algum
manancial. momento da história, se operou, no
curso de muitas gerações.
O leitor jovem compartilhará do
privilégio que tiveram os cinco
interlocutores de Maltz aqui reunidos, Q uanto ao autor, ao colocar a Vel-
ha Era no divã do espaço virtual,
encontrando esclarecimentos para marcou um gol de placa. Fez-se, com hu-
suas perplexidades - ou ao menos po- mildade, paciente de si mesmo.
dendo constatar que alguns espantos e
enigmas de que padece não são exclu-
sivos da geração atual. Constituem um
quadro clínico que abrange as gera-
ções anteriores, pois a origem do mal
é antiga.
Agent Smith
Mutante
euzinha

el escama

Giselle Beckham

Cavaleiro da Triste Figura


abiloladomundonovo.blogspot.com

carlosmaltz.com.br