Sei sulla pagina 1di 4

357

PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
9a CÂMARA CÍVEL
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO
AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0066010-31.2017.8.19.0000
EMBARGANTES: CARLOS HENRIQUE GOMES DA SILVA E OUTROS
EMBARGADOS: PETROBRÁS TRANSPORTE S/A - TRANSPETRO
RELATOR: DESEMBARGADOR LUIZ FELIPE FRANCISCO

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ALEGAÇÃO DE OMISSÃO


E OBSCURIDADE. EFEITOS INFRINGENTES.
PREQUESTIONAMENTO. A MERA INSATISFAÇÃO COM O
JULGADO NÃO ENSEJA A INTERPOSIÇÃO DE
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO, QUE NÃO SE COADUNA
COM O DISPOSTO NO ART. 1.022 DO CPC/2015, NEM COM
SUA NATUREZA E FUNÇÃO. OS EMBARGOS DE
DECLARAÇÃO NÃO SE PRESTAM A PREQUESTIONAR
DISPOSITIVOS LEGAIS, QUANDO DESNECESSÁRIA SUA
APRECIAÇÃO AO JULGAMENTO DA CAUSA, COM O FIM
EXCLUSIVO DE ABRIR ENSANCHAS À ADMISSIBILIDADE
DE RECURSO AOS TRIBUNAIS SUPERIORES.
DESPROVIMENTO DO RECURSO.

Vistos, relatados e discutidos estes Embargos de Declaração no


Agravo de Instrumento nº 0066010-31.2017.8.19.0000, em que são
Embargantes CARLOS HENRIQUE GOMES DA SILVA E OUTROS, e
Embargada PETROBRÁS TRANSPORTE S/A - TRANSPETRO, ACORDAM
os Desembargadores que integram a Nona Câmara Cível do Tribunal de
Justiça do Estado do Rio de Janeiro, à unanimidade de votos, em conhecer e
negar provimento aos embargos declaratórios, nos termos do voto do
Relator.

Trata-se de embargos de declaração (index 000095), em face do


Acórdão (index 000080), alegando, em síntese, que o aresto é omisso e
obscuro a ensejar o manejo dos presentes embargos de declaração, servindo
ele, ainda, para fins de prequestionamento.

Instada, manifestou-se a embargada (index 000344).

É o necessário Relatório.

LUIZ FELIPE MIRANDA DE MEDEIROS FRANCISCO:9640 Assinado em 16/05/2018 10:31:08


Local: GAB. DES LUIZ FELIPE MIRANDA DE MEDEIROS FRANCISCO
358

PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
9a CÂMARA CÍVEL

In casu, o Acórdão hostilizado encontra-se adequadamente


fundamentado, sem omissões e obscuridade, não se enquadrando em
quaisquer das hipóteses que dão ensejo à interposição de embargos de
declaração, pretendendo a parte, em verdade, provocar a revisão e/ou
modificação do julgado.

Conforme salienta Nelson Nery Junior,1

O efeito devolutivo nos embargos de declaração tem


por conseqüência devolver ao órgão a quo a
oportunidade de manifestar-se no sentido de aclarar
a decisão obscura, completar a decisão omissão ou
afastar a contradição de que padece a decisão.
(...)
No julgamento dos embargos o juiz de ordinário não
profere nova decisão: apenas aclara a anterior. Daí
não poder modificar o conteúdo da decisão
embargada.
(...)
O caráter infringente dos embargos de declaração,
portanto, é excepcional e incide normalmente
quando se tratar de recurso com o objetivo de suprir
omissão ou de espancar contradição.
(...)

A propósito, o aresto embargado restou assim ementado:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO INDENIZATÓRIA


COM PEDIDO DE TUTELA DE URGÊNCIA.
INDEFERIMENTO DA TUTELA ANTECIPADA
RECURSAL REQUERIDA. MEDIDA ANTECIPATÓRIA.
INDEFERIDA. NECESSIDADE DE MAIOR DILAÇÃO
PROBATÓRIA. SÓ A EXISTÊNCIA DE PROVA
INEQUÍVOCA, QUE CONVENÇA DA
VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES DOS

1 Teoria Geral dos Recursos, 6ª edição, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004, p. 437.
359

PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
9a CÂMARA CÍVEL
AUTORES, É QUE AUTORIZA O PROVIMENTO
ANTECIPATÓRIO DA TUTELA JURISDICIONAL EM
PROCESSO DE CONHECIMENTO. APLICAÇÃO, NO
CASO CONCRETO, DO VERBETE DA SÚMULA Nº 59,
DESTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA, QUE DISPÕE QUE
“SOMENTE SE REFORMA A DECISÃO, CONCESSIVA
OU NÃO DA ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, SE
TERATOLÓGICA, CONTRÁRIA À LEI OU À PROVA
DOS AUTOS”. MANUTENÇÃO DA DECISÃO
AGRAVADA. DESPROVIMENTO DO RECURSO.

Verdade é que a mera insatisfação com o julgado não se constitui


em fundamento à interposição de embargos de declaração, pois não se
coaduna com o disposto no art. 1.022 do CPC, nem com sua natureza e
função. Até porque, há de se deixar claro que os embargos se prestam a
esclarecer, se existentes, dúvidas, omissões ou contradições no julgado. Não
para que se adeque a decisão ao entendimento do embargante.

Com efeito, não é demais salientar que a fundamentação do aresto


embargado baseou-se na Súmula n° 59, deste Tribunal, que impede a
revogação da medida liminar exceto em casos de decisão teratológica ou
contrária a lei, o que não se verifica na decisão agravada.

Para além disso, observo que a pretensão esboçada neste recurso


tem finalidade de prequestionamento, visando forçar a admissibilidade de
recurso especial e/ou extraordinário, o que se mostra incabível no caso
concreto. Vale lembrar que o Julgador não é obrigado a mencionar todos os
fatos e dispositivos legais e constitucionais mencionados pelas partes ao longo
do processo, contanto que a decisão esteja bem fundamentada, como entendo
estar.
Assim, não há como acolher-se os presentes embargos, nem
mesmo para fins de prequestionamento.
360

PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
9a CÂMARA CÍVEL

Por tais razões e fundamentos, nega-se provimento aos embargos


de declaração.

Rio de Janeiro, 15 de maio de 2018.

DESEMBARGADOR LUIZ FELIPE FRANCISCO


Relator