Sei sulla pagina 1di 5

PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO - WALLON

1 – Wallon propõe a psicogênese da pessoa completa, ou seja, o estudo


integrado do desenvolvimento. Quais as principais preocupações de sua
teoria?
R: Se preocupa com o surgimento das emoções no campo biológico, o que
tende para uma evolução mais elaborada da manifestação da afetividade
conforme as experiências vivenciadas pela criança em sua vida social.

2 – O que ele quer dizer quando afirma que o estudo do desenvolvimento


deve considerar a pessoa como geneticamente social?
R: Segundo o estudo integrado do desenvolvimento não é possível
selecionarmos um único aspecto de ser humano e vê o desenvolvimento nos
vários campos funcionais nos quais estão distribuídas a atividade infantil
(afetivo, motor e cognitico). Portanto para Wallon o estudo do desenvolvimento
humano deve considerar o sujeito como “geneticamente social” e estudar a
criança contextualizada, ou seja, nas relações com o meio.

3 – Qual a principal diferença entre Piaget e Wallon?


R:
Piaget:
- Conhecimento construído do individual para o social;
- Os estágios de desenvolvimento eram ordenados e universais;
- Aprendizagem está condicionada ao desenvolvimento cognitivo e afetivo e
seus estágios;
- O homem tem acesso direto aos objetos e eventos;
- Cabe ao Professor pensar e desenvolver situações de aprendizagem que
sejam ao mesmo tempo compatíveis com o estágio de desenvolvimento
cognitivo no qual o aluno se encontra e representem um desafio aos mesmos.

Para Piaget, a criança vai se socializando à medida que a pressão do meio


externo exige a adaptação de seus pensamentos do mundo adulto. Na criança
muito pequena, portanto, há uma falta de socialização. O desenvolvimento
cognitivo se dá a partir de esquemas e estruturas de pensamentos e ocorre em
etapas (estágios) pelas quais todos os indivíduos passam.
A gênese da inteligência o DH se dava em relações de dentro (sujeito) para
fora (ambiente).

Wallon:
- Conhecimento construído do social para o indivíduo;
- Os estágios sofriam rupturas e retrocessos;
- Desenvolvimento e aprendizagem são diretamente influenciados por aspectos
culturais e orgânicos de cada indivíduo;
- O homem não tem acesso direto aos objetos e eventos. Este acesso é
mediado pela afetividade;
- Ao Professor e a escola cabe conhecer o contexto no qual a criança está
situada, ou seja, sua história. Deste modo, trará maior possibilidade de
compreensão da interrelação entre o desenvolvimento dos domínios afetivo,
cognitivo e motor.
Já Wallon, entende que a criança está socializada desde a sua existência e no
entanto a sociabilidade necessariamente se expõem, em cada idade, na
linguagem das funções em exercício. Assim, o desenvolvimento acontece por
meio de relações entre um ser e um meio que se modificam reciprocamente.
Além disso, entendia a gênese da pessoa, o DH se dava num ciclo funcional de
alternância ora de intrapessoal (dentro) para interpessoal (fora) ora de fora
para dentro não é adepto da ideia de que a criança cresce de maneira linear.

4 – Wallon considera que não é possível selecionar um único aspecto do


ser humano e vê o desenvolvimento nos vários campos, ou domínios
funcionais nos quais se distribui a atividade infantil (afetivo, motor e
cognitivo). Caracterize cada um desses domínios funcionais.
R:
- DOMÍNIO AFETIVO – Oferece as funções responsáveis pelas emoções,
pelos sentimentos e pela paixão.
- DOMÍNIO MOTOR – Oferece possibilidade de deslocamento do corpo no
tempo e no espaço, as reações posturais que garantem o equilíbrio corporal,
bem como o apoio tônico para as emoções e sentimentos se expressarem.
- DOMÍNIO COGNITIVO - Funções que permitem a aquisição e manutenção do
conhecimento por meio de imagens, noções, idéias e representações; permite,
ainda, registrar e rever o passado, fixar e analisar o presente e projetar futuros
possíveis e imaginários.
- DOMÍNIO PESSOA - Expressa a integração em todas as suas inúmeras
possibilidades.

5 – O que é “crise da passagem”?


R: A passagem dos estágios de desenvolvimento não se dá linearmente, por
ampliação, mas por reformulação, instalando-se no momento da passagem de
uma etapa a outra, crises que afetam a conduta da criança.

6 – Caracterize os estágios de desenvolvimento propostos por Wallon.


R:
Estágio Impulsivo-emocional (0 a 1 ano)
A predominância da afetividade orienta as primeiras reações do bebê às
pessoas, às quais intermediam sua relação com o mundo físico.
A criança expressa sua afetividade através de movimentos desordenados,
respondendo a sensibilidades corporais.

Estágio Sensório-motor-projetivo (1 a 3 anos)


Quando já dispõe da fala e da marcha, a criança se volta para o mundo
externo (sensibilidade exteroceptiva), para um intenso contato com os objetos e
a indagação insistente do que são, como se chamam, como funcionam.
Também, nesse estágio, ocorre o desenvolvimento da função simbólica e da
linguagem.
O termo projetivo refere-se ao fato da ação do pensamento precisar dos
gestos para se exteriorizar. O ato mental "projeta-se" em atos motores.
Para Wallon, o ato mental se desenvolve a partir do ato motor.

Estágio do Personalismo (3 a 6 anos)


Aparece outro tipo de diferenciação – entre a criança e o outro. É a fase
de se descobrir diferente das outras crianças e do adulto.
Nesse estágio desenvolve-se a construção da consciência de si
mediante as interações sociais, reorientando o interesse das crianças pelas
pessoas.

Estágio Categorial (6 a 11 anos)

A diferenciação mais nítida entre o eu e o outro dá condições mais


estáveis para a exploração mental do mundo externo, físico, mediante
atividades cognitivas de agrupamento, classificação, categorização em vários
níveis de abstração até chegar ao pensamento categorial.
Os progressos intelectuais dirigem o interesse da criança para as coisas,
para o conhecimento e conquista do mundo exterior.

Estágio Puberdade e adolescência


Aparece a exploração de si mesmo, na busca de uma identidade
autônoma, mediante atividades de confronto, auto-afirmação, questionamentos;
para isto, se submete e se apóia nos pares, contrapondo-se aos valores tal
qual interpretados pelos adultos com quem convive.
Estágio de turbulência, pois marca o período de uma nova definição dos
contornos da personalidade, desestruturados pelas modificações corporais
resultantes da ação hormonal. Este processo traz à tona questões pessoais,
morais e existenciais, com retomada predominante da afetividade.

7 – Explique o que é predominância funcional.


R: Os períodos com predominância afetiva (subjetivos e com acúmulo de
energia) são quando a criança volta-se à construção do eu e os períodos com
predominância cognitiva (objetivos e com dispêndio de energia) são quando a
criança volta-se a construção do real e conhecimento do mundo físico.
Essa predominância ora do afetivo ora do cognitivo Wallon denominou
PREDOMINÂNCIA FUNCIONAL.

8 – Discorra sobre o processo ensino-aprendizagem numa perspectiva


walloniana.
R: O processo ensino-aprendizagem somente pode ser analisado como uma
unidade, são faces de uma mesma moeda. A relação professor-aluno é um
fator determinante.
Estes atores (professor e aluno) são concretos, históricos, trazendo a
bagagem que o meio lhes oferece. Estão em desenvolvimento, processo que é
aberto e permanente.
É necessário ampliar a compreensão do professor sobre as
possibilidades do aluno no processo ensino-aprendizagem e fornecer
elementos para uma reflexão de como o ensino pode criar, intencionalmente,
condições para favorecer esse processo, proporcionando a aquisição de novos
comportamentos, novas ideias, novos valores.
Os estudantes buscam a escola com motivações diferentes. Tem
características próprias conforme o seu momento de desenvolvimento. Tem
saberes elaborados nas suas condições de existência. Funciona de forma
integrada.
Ao lado dos conhecimentos teóricos, assumem também relevância a
sensibilidade, a curiosidade, a atenção, o questionamento e a habilidade de
observação do professor sobre o que se passa no processo.
O professor precisa, acima de tudo, confiar na capacidade do aluno e ao
ensinar estará promovendo o desenvolvimento do aluno e o seu próprio. Além
de desempenhar suas tarefas no cotidiano escolar revela diferentes saberes
que são temporais, plurais e heterogêneos.