Sei sulla pagina 1di 30

DPC  II  

 
.Interesse  em  agir  
 
D.P.  –  conjunto  das  condições  nas  quais  uma  parte  pode  recorrer  aos  tribunais  quando  
o   direito   por   ela   alegado   não   lhe   atribui,   por   si   só,   a   faculdade   de   requerer   a   tutela  
judicial.  
 
C.M.  –  consiste  em  o  requerente  mostrar  interesse,  já  não  no  objeto  do  processo,  mas  
no   próprio   processo   em   si.   O   requerente   tem   de   invocar   um   direito,   ou   interesse  
judicialmente   protegido;   mas   teria   de   se   achar   o   seu   direito   em   situação   tal,   que  
necessita  do  processo  para  sua  tutela  
 
  .Justificação  
 
  Razões   de   economia:   visa   evitar   que   sejam   impostos   custos   e   incómodos   ao  
demandado   e   ao   tribunal   numa   situação   em   que   não   se   fundamenta   o   recurso   aos  
órgãos  jurisdicionais.  
 
  .Conteúdo  MTS  
 
  O  interesse  em  agir  desdobra-­‐se  num  interesse  em  demandar  –  DO  AUTOR  –  e  
num  interesse  em  contradizer  –  DO  RÉU.  Assim,  o  autor  não  tem  interesse  em  demandar  
quando  não  extrai  nenhuma  vantagem  da  concessão  da  tutela  judiciária;  o  réu  não  tem  
interesse  em  contradizer  quando  a  concessão  dessa  tutela  não  lhe  importar  nenhuma  
desvantagem.  

NÃO  PODE  SER  AFIRMADO  OU  NEGADO  EM  ABSTRATO:  


Apenas  comparando  a  situação  em  que  a  parte  se  encontra  antes  da  propositura  da  ação  
com  aquela  que  existirá  se  a  tutela  for  concedida,  se  pode  saber  se  isso  representa  um  
benefício  para  o  autor  e  uma  desvantagem  para  o  réu.  Se  a  situação  relativa  entre  as  

  1  
partes   não   se   alterar   com   a   concessão   dessa   tutela   judiciária,   então   falta   interesse  
processual.  
Só   se   o   autor   beneficiar   algo   com   a   tutela   judicial  
CORRELATIVIDADE  
requerida  é  que  o  réu  terá  algum  prejuízo;  e  o  autor  só  
DOS  
aufere   alguma   vantagem   se   a   concessão   da   tutela  
INTERESSES  
pedida  implicar  para  o  réu  alguma  desvantagem.  

 
  O   interesse   processual   é   um   pressuposto   que,   apesar   de   ser   aferido  
relativamente   a   ambas   as   partes,   apresenta   a   particularidade   de   ser   preenchido  
simultaneamente   pelo   autor   para   ambas   as   partes.   O   autor,   ao   assegurar   o   seu  
interesse  em  demandar,  garante  igualmente  o  interesse  em  contradizer  o  réu.    

NECESSIDADE  DE  TUTELA  JUDICIAL   ADEQUAÇÃO  DO  MEIO  JUDICIAL  

Aferida  objetivamente,  perante  uma   Exige   que   a   ação   instaurada   seja   o  

situação   subjetiva   alegada   pelo   meio   judicial   adequado   para   obter  

autor.   essa   tutela.   Falta   o   interesse  

O  autor  tem  interesse  processual  se,   processual  quando,  no  caso  concreto,  

dos  factos  apresentados,  resulta  que   o   meio   processual   utilizado   não   se  

essa  parte  necessita  da  tutela  judicial   reveste  de  qualquer  utilidade.  

para   realizar   ou   impor   aquela   Rapidez  de  economia:  a  parte  não  tem  

situação.   interesse   processual   quando   pode  


obter  o  m esmo  resultado  visado  com  a  
propositura   da   ação   através   de   um  
outro   meio,   processual   ou   extra  
processual,  que  importa  menos  custos  
e  incómodos  (EX:  A  não  tem  interesse  
processual  para  intentar  uma  ação  de  
simples   apreciação,   quando   lhe   é  
possível  uma  ação  condenatória).  
Falta   interesse   processual   quando   o  
autor  recorre  a  um  meio  judicial  que  só  
pode  ser  utilizado  subsidiariamente.  

  2  
  .Qualificação  
 
CM  –  A  nossa  lei  contempla  casos  de  ação  inútil  e  dá-­‐lhes  o  seguinte  regime:  a  ação  inútil  
pode   ser   considerada   procedente,   mas   as   custas   e   encargos   desta   ação   deverão   ser  
pagas  pelo  autor.  
  Se   é   assim,   a   utilidade   da   ação   e   o   interesse   em   agir   não   são   pressupostos  
processuais.  A  sua  eficácia  restringe-­‐se  ao  campo  limitado  das  custas  processuais  (535º).  
 
MTS  –  O  535º,  ao  impor  a  responsabilidade  do  autor  pelas  custas  apenas  na  hipótese  de  
o  réu  não  ter  contestado,  demonstra  inequivocamente  que  o  réu  pode  contestar  a  falta  
de   interesse   processual.   A   única   consequência   é   que,   se   o   fizer,   a   situação   já   não   é  
subsumível  ao  535º  e  o  pagamento  das  custas  regula-­‐se  pelos  critérios  gerais  do  527º.  
  Assim,  o  artigo  535º  não  impede  a  contestação  do  interesse  processual,  i.e.,  não  
obsta  a  que,  mesmo  nos  casos  previstos  no  535/2,  o  réu  invoque  a  falta  de  interesse  
processual.   O   535   faculta   ao   réu   uma   OPÇÃO:   se   o   réu   NÃO   CONTESTA,   o   autor   é  
responsável   pelas   custas,   ainda   que   a   ação   seja   procedente;   se   o   réu   CONTESTA,  
seguem-­‐se  os  critérios  gerais:  se  a  ação  for  procedente,  o  réu  paga  as  custas;  se  o  réu  
for  absolvido  da  instância  ou  se  a  ação  for  improcedente,  é  o  autor  o  responsável  pelo  
seu  pagamento.  
  A   ratio   do   535   é   proteger   o   réu:   só   isso   justifica   que,   apesar   de   a   ação   ser  
procedente,  esse  preceito  imponha  ao  autor  a  responsabilidade  pelas  custas.  Importa  
agora  averiguar  qual  o  motivo  dessa  proteção  dispensada  ao  réu.  
  A   razão   prende-­‐se   com   a   impossibilidade   da   apreciação   oficiosa   do   interesse  
processual.  O  artigo  535  demonstra  que  o  interesse  processual  não  é  de  conhecimento  
oficioso,   dado   que,   apesar   das   várias   situações   de   falta   de   interesse   processual   nele  
previstas,  esse  preceito  admite  que,  numa  hipótese  em  que  falta  aquele  pressuposto,  
seja  proferida  uma  sentença  de  procedência;  se  o  interesse  fosse  um  pressuposto  de  
conhecimento  oficioso,  então  jamais  a  falta  desse  interesse  seria  compatível  com  essa  
procedência,   porque   então   o   tribunal   deveria   absolver,   mesmo   ex   officio   o   réu   da  
instância  e  abster-­‐se  de  conhecer  o  mérito.  
 

  3  
PCS  –  A  regra  do  535  pressupõe  que  o  réu  não  conteste,  logo  o  interesse  processual  tem  
de  ser  averiguado  oficiosamente  pelo  tribunal.  
  A   consequência   da   litigância   desnecessária   vai   situar-­‐se   no   plano   da  
responsabilidade  processual  simples,  i.e.,  a  parte  que  recorre  ao  sistema  de  justiça  sem  
necessidade  não  pode  repercutir  na  contraparte  os  custos  com  que  incorreu  na  ação,  
mesmo  que  ganhe.  
  Há  um  pressuposto  processual,  que  é  o  interesse  processual,  cuja  não  verificação  
não  é  a  regra  geral  da  absolvição  do  réu  na  instância,  mas  sim  o  535º.  
 
.Coligação  
 
  O  objeto  do  processo  (pedido  e  causa  de  pedir)  deve  obedecer  a  três  princípios,  
devendo  ser:  
  -­‐  uno/simples;  
  -­‐  determinado;  
  -­‐  presente:  deve  respeitar,  na  medida  do  possível,  as  circunstâncias  que  já  são  
conhecidas.  
   
  Contudo,   a   lei   aceita   a   complexidade   do   objeto   processual   porque   se   traduz  
numa  maior  celeridade  no  conhecimento  de  uma  pluralidade  de  objetos.  É  o  caso  do  
litisconsórcio  e  da  coligação.  Qual  a  diferença  entre  as  duas  figuras?  
  Há  litisconsórcio  quando  há  pluralidade  de  partes  e  unidade  quanto  a  um  certo  
ponto;  há  coligação  quando  há  pluralidade  de  partes  e  pluralidade  quanto  ao  mesmo  
ponto.  
QUAL  PONTO?    

Unidade   ou   Unidade   ou   Unidade   ou  


pluralidade   de   pluralidade   pluralidade  
INTERESSES   de  PEDIDOS   de   RELAÇÕES  
JURÍDICAS  

  4  
  O  problema  será  sempre  pouco  menos  que  insolúvel  numa  ordem  jurídica  cujaa  
lei  processual  utiliza  dois  critérios  diferentes,  definindo  litisconsórcio  pela  unidade  de  
RELAÇÃO  MATERIAL  CONTROVERTIDA  e  a  coligação  pela  pluralidade  de  PEDIDOS.  
FIGURA    CHAVE  -­‐>  PEDIDO  (pluralidade  objetiva).  
DP   –   A   diferença   está   na   natureza   do   pedido.   No   litisconsórcio   tenho   um   ou   mais  
pedidos   derivados   da   causa   de   pedir;   independentemente   da   sua   forma,   são  
substancialmente   idênticos.   Já   na   coligação,   tenho   dois   pedidos   substancialmente  
diferentes.  
  Qual  o  critério  da  diferença  substancial?  –  296º:  utilidade  económica  imediata  
do  pedido  PERGUNTAR?  
 
  .Requisitos  
 
i)NÃO  EXCLUSÃO  LEGAL  (MTS)  
 
ii)CONEXÃO  OBJETIVA  (36º)  
 
  Tem  de  haver  uma  relação  de  prejudicialidade  entre  os  dois  pedidos,  ou  seja,  
“um   pedido   é   dependente   do   outro   quando,   para   ele   ser   julgado   procedente,   é  
indispensável  que  o  seja  o  pedido  principal”.    (36/1  in  fine)  
  Tipos  de  conexão  objetiva  que,  sendo  os  pedidos  compatíveis,  tornam  admissível  
a  coligação  (36/1  e  2):  
  -­‐  mesma  causa  de  pedir  (EX:  o  mesmo  contrato  ou  a  mesma  deliberação  social);  
  -­‐   relação   de   dependência   entre   os   pedidos   (EX:   anulação   do   negócio   de  
transmissão/nulidade   da   transmissão   subsequente;   validade   de   negócio  
incumprido/cumprimento  da  obrigação  de  garantia);  
  -­‐  identidade  de  factos  essenciais  integradores  das  causas  de  pedir  (EX:  colisões  
de  veículos  em  cadeia);  
  -­‐  mesmas  normas  legais  ou  cláusulas  contratuais  aplicáveis  (EX:  várias  vendas  de  
bens  defeituosos;  idêntica  cláusula  dum  contrato-­‐tipo).  
 
 

  5  
  Caso   não   esteja   preenchido   este   requisito   -­‐>   577/d)   (excecão   dilatória   de  
conhecimento  oficioso  –  578.  Leva  à  absolvição  do  réu  na  instância  (278).  Contudo,  esta  
exceção  é  suprível  nos  termos  do  artigo  38º  -­‐  o  juiz  pede  ao  autor  para  escolher  qual  dos  
pedidos  pretende  ver  apreciado  no  processo  (PRINCÍPIO  DO  DISPOSITIVO).  
 
iii)COMPATIBILIDADE  SUBSTANTIVA  
 
RM  +  MTS  –  aplicação  analógica  do  artigo  555º  
PCS  –  Aplicação  do  artigo  186º.  
N.º  1)  Falta  de  compatibilidade  substantiva  implica  a  nulidade  de  todo  o  processo.  A  
nulidade  de  todo  o  processo  é  uma  exceção  dilatória  nominada  (577/b)).  
N.º   2/c)   incompatibilidade   substantiva:   deduzem-­‐se   dois   pedidos   que   não   podem  
proceder  em  simultâneo  por  serem  substancialmente  incompatíveis  entre  si.  
  Os  pedidos  são  efeitos  jurídicos.  Há  incompatibilidade  substantiva  quando  quero  
provocar   dois   efeitos   incompatíveis   (EX:   pedir   nulidade   do   contrato   e   pedir  
cumprimento  desse  mesmo  contrato).  
 
  Este  pressuposto  processual  é  sanável  por  aplicação  analógica  do  artigo  38º.  
 
iv)COMPATIBILIDADE  PROCESSUAL  (37º)  
 
Resulta  de  dois  fatores:     -­‐  competência  absoluta  do  tribunal  
-­‐   adequação   da   mesma   forma   de   processo,   ou   de   uma          
forma  diferente,  unicamente  em  razão  do  valor  
 
  A  coligação  não  é  admissível  quando  se  verifique  algum  dos  seguintes  requisitos  
negativos  (37º).    

Incompetência   internacional   ou   em   razão   da   matéria   ou   hierarquia   para  


conhecer  qualquer  dos  pedidos;  
Correspondência  aos  pedidos,  individualmente  considerados  de  forma  de  
processo  diversa.  

  6  
  A   partir   de   agora   tenho   de   verificar   objeto   a   objeto.   Tenho   de   saber   qual   é   o  
tribunal  absolutamente  competente  para  cada  um  dos  objetos.  Poderá  ser  necessário  
estender  a  competência  relativa  para  se  estender  a  competência  do  objeto  mas  isso  não  
é  problema  porque  são  disponíveis  As  absolutas  têm  de  ser  iguais.  O  que  pode  acontecer  
é  que  havendo  disparidade  entre  as  relativas  se  estenda  a  competência  de  um  tribunal  
para  que  aprecie  um  objeto  para  o  qual  não  tem  competência  relativa.  
  Se   o   tribunal   não   poder   conhecer   da   coligação   for   falta   de   compatibilidade  
processual,   o   réu,   ou   os   réus,   tendem   a   ser   absolvidos   da   instância   relativamente   a  
ambos  os  pedidos.  Se  o  tribunal  for  absolutamente  competente  para  uma  das  ações  e  
não  para  a  outra,  deve  conhecer  a  ação  para  a  qual  é  competente.  
 
.Cumulação  (553  a  555)  
 
  A  cumulação  é  a  dedução  de  vários  pedidos  contra  a  mesma  parte.  
 
Simples:  pedidos  com  pretensão  de  satisfação  total  
e  simultânea;  
Alternativa:  satisfação  de  um  dos  pedidos;  
Subsidiária:  o  tribunal  aprecia  o  segundo  pedido  na  
medida  da  improcedência  do  primeiro.  
 
  Os   efeitos   respeitantes   a   cada   um   dos   pedidos   devem   ser   diferentes   não   só  
juridicamente,   mas   também   economicamente   –   296/2:   cumulando-­‐se   na   ação   vários  
pedidos,  o  seu  valor  é  a  quantia  correspondente  à  soma  dos  valores  de  todos  eles,  o  que  
pressupões  que  cada  um  dos  pedidos  representa  uma  diferente  utilidade  económica.  Se  
assim  não  suceder,  está-­‐se  perante  uma  CUMULAÇÃO  APARENTE.  
 
  .Cumulação  simples  
 
  PRESSUPOSTOS:  
 
i)COMPATIBILIDADE  PROCESSUAL  
 

  7  
  O  artigo  555º  faz  uma  remissão  para  o  artigo  37º  (o  mesmo  que  na  coligação).  
 
ii)COMPATIBILIDADE  SUBSTANTIVA  
 
555º-­‐  concordância  prática  dos  efeitos  decorrentes  dos  objetos  cumulados.  
A  cumulação  não  é  admissível  se  os  efeitos  resultantes  de  um  ou  de  alguns  dos  
objetos  for  incompatível  com  os  efeitos  provenientes  de  outro  ou  outros  desses  objetos.  
Caso  a  verificação  deste  pressuposto  não  se  verifique,  temos  uma  ineptidão  da  
petição  inicial  (186/2/c)),  que  constitui  uma  exceção  dilatória  nominada,  insuprível,  de  
acordo  com  MTS,  mas,  contra,  PCS,  aplicando  analogicamente  o  artigo  38º.  
 
iii)CONEXÃO  OBJETIVA  
 
  Não  está  prevista  em  termos  literais,  uma  vez  que  o  555º  não  remete  para  o  36º.  
  Há  três  posições  possíveis:    
   
  -­‐  POSIÇÃO  LITERAL:  não  existe  o  pressuposto  
  -­‐  POSIÇÃO  DA  ANALOGIA:  de  acordo  com  Abrantes  Geraldes,  aplica-­‐se  o  36º  
  -­‐  POSIÇÃO  MTS:  o  artigo  555  não  define,  além  da  compatibilidade  processual  e  
substantiva   entre   os   objetos   cumulados,   qualquer   outro   pressuposto   da   cumulação  
simples.   Porém,   se   a   conexão   objetiva   não   é   exigida,   isto   não   significa   que   não   seja  
desejável.  A  apreciação  de  pedidos  completamente  distintos  e  autónomos  implica  uma  
maior  complexidade  da  instrução,  discussão  e  julgamento  da  causa.  Justifica-­‐se,  assim,  
a  aplicação  analógica  do  artigo  37/4  e  5  às  hipóteses  em  que  os  objetos  cumulados  não  
apresentam  entre  si  qualquer  conexão  e  em  que  a  sua  instrução,  discussão  e  julgamento  
conjunto  possa  comprometer  a  BOA  ADMINISTRAÇÃO  DA  JUSTIÇA.  
 
Diferenças  entre  a  POSIÇÃO  DA  ANALOGIA  e  a  POSIÇÃO  MTS:  
1ª)  O  artigo  36  tem  casos  muito  circunscritos  de  aplicação.  Já  o  37/4  e  5  não  tem  casos  
individualizados,  logo  pode  aplicar  aos  casos  do  36  mas  também  a  qualquer  outro  caso.  
Assim,  o  artigo  37/4  e  5  tem  uma  aplicação  mais  ampla;  

  8  
2ª)  O  artigo  36  corresponde  à  falta  de  um  pressuposto  processual:  a  falta  de  conexão  
objetiva.   Já   o   37/4   e   5   partem   de   um   cenário   em   que   todos   os   pressupostos   estão  
verificados   e   que   o   tribunal,   por   questões   de   razão   processual,   entende   separar   os  
pedidos.   Parte   duma   situação   de   admissibilidade   e   depois,   por   razões   de  
processualidade,  o  tribunal  separa  os  pedidos;  
3ª)  O  artigo  36  está  vinculado  à  aplicação  daqueles  efeitos  e  do  artigo  38.  Já  no  37,  o  
tribunal  não  está  vinculado  a  nada.  Trata-­‐se  de  um  poder  discricionário  e  a  possibilidade  
de  ser  sindicado  em  sede  de  recurso  é  mais  ou  menos  impossível.  
 
 
  .Cumulação  alternativa  (EX  paradigmático:  obrigações  alternativas)  553  
 
  PRESSUPOSTOS  
 
i)COMPATIBILIDADE  ALTERNATIVA  
 
  A   cumulação   alternativa   exige   que   os   pedidos   formulados   possam   ser  
apresentados  em  alternativa.  Esta  alternatividade  substantiva  está  assegurada  no  caso  
dos  direitos  alternativos  por  natureza  ou  origem  (EX:  obrigações  alternativas).  
  Este  pressuposto  já  avalia  as  relações  de  dependência  e  conexão  do  pedido,  pelo  
que  vai  afastar  a  necessidade  do  pressuposto  da  conexão  objetiva.  
 
ii)COMPATIBILIDADE  PROCESSUAL  
 
  Apesar   de   a   lei   nada   referir,   a   cumulação   alternativa   deve   exigir   a  
compatibilidade   processual   entre   os   objetos   alegados   –   aplica-­‐se   analogicamente   os  
pressupostos  da  cumulação  simples  555.  
 
iii)CONEXÃO  OBJETIVA  –  NÃO  É  PRESSUPOSTO  
 

  9  
  A  cumulação  alternativa  não  exige  qualquer  conexão  entre  os  objetos  alegados.    
A   própria   relação   de   alternatividade   substantiva   dispensa   a   necessidade   de   qualquer  
outra  conexão  entre  esses  objetos.  A  DINÂMICA  DOS  PEDIDOS  JÁ  SE  OBSERVA.  
 
 
  .Cumulação  subsidiária  
 
  IGUAL   À   CUMULAÇÃO   SIMPLES   EXCETO:   a   COMPATIBILIDADE   SUBSTANTIVA,  
uma   vez   que   não   pretendemos   que   os   dois   pedidos   sejam   aferidos   em   simultâneo.  
Primeiro  julgamos  um  pedido;  se  for  improcedente,  julgamos  o  outro.  
 
 
.Impugnação,  exceção  e  reconvenção  
 
NOTA  PARA  A  CONTESTAÇÃO:  JLF:  A  lei  não  faz  qualquer  referência  ao  controlo  formal  
externo   da   contestação   pela   secretaria.   Tratando-­‐se   de   ato   a   praticar   em   prazo  
perentório,   a   recusa   só   é   admissível   quando   seja   INEVITÁVEL   (EX:   processo   não  
identificado;   articulado   entregue   em   tribunal   diverso   do   do   processo;   articulado   não  
assinado;  articulado  não  redigido  em  líguna  portuguesa  e  articulado  não  apresentado  
em  papel  reulamentar,  quando  exigido.)  
  Já  MTS,  defende  a  aplicação  analógica  do  artigo  558.  
 
  .Impugnação  
 
  O   réu   afirma   a   falsidade   ou   inexatidão   dos   fundamentos   essenciais.   Assim,  
podemos  ter:  
  -­‐IMPUGNAÇÃO  DIRETA/DE  FACTO:  quando  o  réu  nega  frontalmente  os  factos,  
dizendo  que  não  se  verificaram.  NÃO  BASTA  uma  impugnação  genérica,  é  necessário  
que  o  tribunal  e  o  autor  compreendam  os  motivos,  é  necessário  que  o  réu  subsstancie  
minimamente  os  motivos  da  sua  posição  contrária  (CONSEQUÊNCIA:  574/2  VS  convite  
do  tribunal  ao  réu  a  detalhar  a  posição);  

  10  
  -­‐IMPUGNAÇÃO   INDIRETA/DE   DIREITO:   i)   quando   o   réu,   confessando   ou  
admitindo  parte  dos  factos  alegados  como  causa  de  pedir,  afirma,  por  sua  vez,  factos  
cuja  existência  é  incompatível  com  a  realidade  de  outros  também  alegados  pelo  autor  
no   âmbito   da   mesma   causa   de   pedir,   que   assim   desvirtua;   ii)   quando   alega   factos  
instrumentais  (5/2/a))  probatórios  incompatíveis  com  factos  alegados,  como  causa  de  
pedir,  pelo  autor;  iii)  quando  com  estes  é  incompatível  o  conjunto  de  factos  alegados  
pelo   réu   ou   a   negação,   pelo   réu,   de   um   dos   factos   alegados   pelo   autor,   do   qual   os  
restantes  dependem.  
 
  A   impugnação   repousa   normalmente   numa   certeza:   o   réu   afirma   que   o   facto  
alegado  pelo  autor  não  se  verificou  ou  que  se  verificou  outro  facto  com  ele  incompatível  
(DECLARAÇÕES  DE  CIÊNCIA).  Mas  pode  acontecer  que  o  réu  esteja  em  dúvida  sobre  a  
realidade  de  determinado  facto  e,  neste  caso,  a  expressão  dessa  dúvida  é  suficiente  para  
constituir  impugnação  se  não  se  tratar  de  FACTO  PESSOAL  OU  DE  QUE  O  RÉU  DEVA  TER  
CONHECIMENTO,  valendo  como  admissão  no  caso  contrário  (574/3).  
  FACTO  PESSOAL  OU  DE  QUE  O  RÉU  DEVA  TER  CONHECIMENTO  
Atos  praticados  pelo  réu  ou  com  a  sua  intervenção;  
Factos  ocorridos  na  sua  presença;  
Conhecimento  de  factos  ocorridos  na  sua  ausência.  

   
CONSEQUÊNCIA  DA  NÃO  IMPUGNAÇÃO:  considera-­‐se  o  facto  admitido,  produzindo-­‐se,  
quanto  a  ele,  um  efeito  cominatório  idêntico  àquele  que,    em  caso  de  revelia,  se  produz  
quanto  à  generalidade  dos  factos  alegados  na  petição  inicial.  A  citação  constitui  o  réu,  
não  só  no  ónus  de  contestar,  mas  também  no  ónus  de  imugnar  (574,  com  exceções  ao  
efeito  cominatório  semipleno).  
 
  .Exceção  
 
  Subjaz  a  ideia  de  defesa  indireta,  que,  sem  pôr  em  causa  a  realidade  dos  factos  
alegados  como  causa  de  pedir  nem  o  efeito  jurídico  que  o  autor  deles  pretende  extrair,  
consiste  na  alegação  de  factos  novos  dos  quais  o  réu  entende  que  se  retira  que  o  tribunal  

  11  
em  que  a  ação  foi  proposta  não  poderá  declarar  o  efeito  pretendido:  ou  porque  factos  
impedem   que   esse   tribunal   aprecie   o   pedido   formulado   pelo   autor   (EXCEÇÃO  
DILATÓRIA)   ou   porque   levam   o   tribunal,   ao   apreciá-­‐lo,   a   julgá-­‐lo   improcedente  
(EXCEÇÃO  PERENTÓRIA).  
 
    .Exceção  dilatória  
 
  Para   que   o   tribunal   se   possa   ocupar   do   mérito   da   causa,   é   necessário   que   se  
verifiquem   determinadas   condições   –   PRESSUPOSTOS   PROCESSUAIS   –   e   que,   quando  
algum  deles  não  se  verifica,  ocorre  uma  EXCEÇÃO  DILATÓRIA.  Se  a  falta  do  pressuposto  
não  for  sanada  (6/2  e    278/2),  o  juiz  deverá  proferir  uma  sentença  de  absolvição  do  réu  
da  instância  (278/1  e  576/2).  A  exceção  dilatória  é,  em  regra,  de  conhecimento  oficioso  
(578).  577  apresenta  um  elenco  não  taxativo  de  exceções  dilatórias.  
 
    .Exceção  perentória  
 
576/3  –  constitui  exceção  perentória  a  invocação  de  factos  impeditivos,  modificativos  
ou  extintivos  do  efeito  jurídico  dos  factos  articulados  como  causa  de  pedir  pelo  autor.  
  A   exceção   perentória   vai   buscar   o   seu   fundamento   ao   direito   material   –   a  
procedência  da  exceção  perentória  leva  à  absolvição  do  pedido  (571/2  in  fine)  
 
FACTOS   MODIFICATIVOS:   de   ocorrência   posterior   ao   momento   da   constituição   do  
direito.  
  Os  seus  efeitos  podem  produzir-­‐se:  
  -­‐no  OBJETO  do  direito:  EX:  alteração  contratual  do  conteúdo  duma  obrigação,  
prescrição,  incêndio  que,  sem  culpa  do  depositário,  destrói  a  coisa  depositada  em  parte  
ou  totalmente;  
  -­‐no  plano  da  sua  OPONIBILIDADE:  EX:  291  cc  
  -­‐no  plano  da  POSSIBILIDADE  DO  SEU  EXERCÍCIO:  EX:  a  não  realização  ou  oferta  
da  contraprestação,  num  contrato  sinalagmático,  modifica  a  possibilidade  de  exercício  
do  direito  de  crédito.  
 

  12  
FACTOS  EXTINTIVOS:  de  ocorrência  posterior  ao  momento  da  constituição  do  direito.  
  São  exemplos  o  decurso  do  prazo  do  usufruto  ou  o  pagamento  da  obrigação.  
 
FACTOS  IMPEDITIVOS:  contemporâneo  do  facto  constitutivo.  Inibe  ab  initio  os  efeitos  
do  facto  constitutivo  (ainda  que  com  retroatividade).  
 
 
  .Reconvenção  (ALTERAÇÃO  DO  OBJETO  PELO  LADO  PASSIVO)  
 
  O   articulado   contestação   serve   também   para   o   réu   deduzir   pedidos   contra   o  
autor,   em   exercício   (facultativo)   do   direito   de   ação   e   em   ampliação   do   objeto   do  
processo   (266/1).   Denomina-­‐se   reconvenção   o   pedido   assim   deduzido   pelo   réu,   que  
toma  a  designação  de  RECONVINTE,  enquanto  o  autor  da  ação  é  nela  RECONVINDO.  
REQUISITOS:  
 
-­‐CONEXÃO  COM  O  PEDIDO  DO  AUTOR  (266/2):  a  exceção  perentória  circuncreve-­‐se  no  
âmbito   do   pedido,   que   não   extravasa,   mantendo   por   si   o   objeto   do   processo  
inicialmente  definido;  mas  os  factos  em  que  ela  se  funde  podem  fundar  a  reconvenção  
(266/2/a))  e  o  réu  está  simultaneamente  a  excecionar  e  a  reconvir.  
-­‐COMPATIBILIDADE   PROCESSUAL   (266/3):   não   se   podem   verificar   os   requisitos  
negativos  da  norma.  
-­‐COMPATIBILIDADE  PROCEDIMENTAL  (os  mesmos  requisitos  da  PI).  
REQUISITOS  DOUTRINÁRIOS:  -­‐  não  exclusão  legal  
        -­‐  compatibilidade  substantiva  (PERGUNTAR)  
 
PROBLEMA  DA  COMPENSAÇÃO:  JLF  –  O  266  só  blinda  a  qualificação  da  compensação  
para  efeitos  da  contestação,  pelo  que  noutros  articulados,  a  qualificação  blindada  na  
reconvenção  é  flexível.  
 
.264  E  265  (ALTERAÇÃO  DO  OBJETO  PELO  LADO  ATIVO)  
 

  13  
  Estas   normas,   assim   como   a   reconvenção,   são   as   situações   de   modificação  
OBJETIVA  do  OBJETO.  
264   (alteração   por   acordo):   EXCEÇÃO   –   perturbação   inconveniente   da   instrução,  
discussão  e  julgamento  da  causa.  
  Da   inconveniente   perturbação   da   instrução,   discussão   e   julgamento   da   causa  
trata  também  o  artigo  37/4,  ao  conceder  ao  juiz,  no  caso  de  “inconveniente  grave”,  o  
poder   de   determinar   o   processamento   separado   de   vários   pedidos   deduzidos   em  
coligação.   Em   ambos   os   casos,   o   tipo   de   consideração   que   levará   a   negar   eficácia   à  
vontade  das  partes  na  conformação  do  objeto  do  processo  é  o  mesmo,  bastando  que  a  
perturbação   produzida   se   verifique   em   qualquer   das   fases   indicadas   e   sendo   que   a  
perturbação   na   instrução   ou   discussão   da   causa   não   deixará   de   se   refletir,   para   que  
possa  ser  tida  por  inconveniente,  no  subsequente  julgamento.  O  PODER  DO  JUIZ  NÃO  É  
DISCRICIONÁRIO.  
 
265  (alteração  na  falta  de  acordo):  Só  é  possível  por  via  de  confissão  feita  pelo  réu  (ou  
autor  reconvindo)  e  aceite  pelo  autor  (ou  réu  reconvinte).  Não  se  trata,  rigorosamente,  
de  aceitar  a  confissão,  que  é  sempre  uma  declaração  unilateral  de  quem  a  faz  (352  CC),  
mas  de  aceitar  a  modificação  da  causa  de  pedir  resultante  da  introdução  no  processo  
dos  novos  factos  que  dela  são  objeto.  
  nº2)   A   ampliação   do   pedido   pelo   autor   é   admitida   até   ao   encerramento   da  
discussão   da   matéria   de   facto   em   1ª   instância,   mas   só   se   a   ampliação   for  
desenvolvimento  ou  consequência  do  pedido  primitivo.  
  nº5)   Admite   até   ao   mesmo   momento   a   alteração   do   pedido   nas   ações   de  
indemnização  fundadas  em  responsabilidade  civil,  quando,  tendo  pedido  inicialmente  a  
condenação   do   réu   em   quantia   certa,   o   autor   pretenda   posteriormente   obter   a  
condenação  em  renda  vitalícia  ou  temporária  (nos  termos  do  567/1  CC).  
  nº6)  Permite  a  modificação  simultânea  do  pedido  e  da  causa  de  pedir.  LIMITE:  
convalação  para  a  relação  jurídica  diversa  da  controvertida.  
  nº7)   RAMOS   DE   FARIA/LUÍSA   LOUREIRO   dizem   que   o   juiz   pode,   ao   abrigo   do  
poder  de  adequação  formal,  admitir  a  alteração  do  pedido  e  da  causa  de  pedir  para  além  
dos  limites  fixados  no  264  e  265.  Para  tanto  bastará  que  tal  revele  ser  a  solução  mais  

  14  
adequada,  desde  que  sejam  respeitados  os  princípios  do  contraditório  e  da  igualdade  
de  armas.  
  JLF:  Não  é  duvidoso  que  a  concessão  ao  juiz  desse  poder  representaria  a  solução  
mais   sensata   e   mais   conforme   com   o   princípio   da   economia   processual.   Mas,  
rigorosamente,   esse   poder   não   cabe   no   âmbito   da   adequação   formal   nem,   mais  
latamente,   no   da   gestão   processual,   que   permanece   formal:   o   juiz   pode   aumentar   o  
número  dos  articulados  do  processo  quando  tal  seja,  por  exemplo,  conveniente  para  
uma  melhor  e  mais  oportuna  discussão  das  exceções,  mas  não  para  extravasar  o  objeto  
do  processo,  que  é  definido  pelas  partes  nos  termos  que  a  lei  admite.  
 
MODO  DE  ALTERAÇÃO:  Por  requerimento,  pois  a  réplica  não  pode  ser  (uma  vez  que  o  
seu  objeto  é  a  reconvenção)  nem  o  3º/4,  uma  vez  que  serve  apenas  para  responder  a  
exceções.  
 
 
.Modificação  subjetiva  do  OBJETO  (intervenção  de  tereiros)  voltar  pág29  
 
 
.Composição  da  ação  
.Providências  cautelares  
 
procedimento  sumário  (summaria  cognitio):  aquele  que  pela  necessidade  das  próprias  
coisas,  é  o  único  compatível  com  reações  que  requerem  intervenções  urgentes,  ou  seja,  
com  reações  judiciais  que  têm  de  acontecer  de  forma  rápida  (365).  
 
  Se  eu  preciso  daquilo  tudo  que  está  no  processo  comum  para  ter  uma  decisão  
com   a   potencialidade   de   formar   caso   julgado,   eu   só   posso   explicar   processos   mais  
sumários   que   este   se   forem   justificadas   através   da   urgência.   Tenho   de   pagar   uma  
CONTRAPARTIDA.  Se  o  processo  tem  de  ser  mais  curto  por  razões  de  urgência,  a  decisão  
não  pode  ser  igual  à  que  formo  no  processo  comum.  A  decisão  não  forma  caso  julgado.  
E   porque?   Porque   tipicamente,   a   prova   que   se   faz   é   uma   prova   que   não   leva   a   uma  
instrução  tão  abrangente  da  causa.  

  15  
  O  grau  de  convicção  que  o  juiz  tem  de  ter  quando  profere  a  decisão  de  mérito  
favorável  ao  autor  é  o  grau  de  certeza.  O  grau  de  convicção  que  se  exige  ao  juiz  num  
processo  que  é  urgente  não  pode  ser  o  mesmo.  O  que  se  exige  é  a  probabilidade  quanto  
à  existência  das  posições  afirmadas  pelo  requerente  da  providência.  
 
PRESSUPOSTOS:  -­‐gerais  (os  de  sempre)  
           -­‐específicos.  
 
Pressupostos  específicos  
i)fumus   boni   iuris:   demonstrar   a   existência   provável   séria   do   direito   (facto  
indiciariamente  provados);  
ii)periculum  in  mora:  demonstrar  a  probabilidade  séria  da  ameaça  que  impende  sobre  o  
direito.  Probabilidade  de  esvaziamento  do  conteúdo  do  direito;  
iii)proporcionalidade/adequação:  exercício  comparativo  com  os  benefícios  que  procuro  
com  a  providência  cautelar  e  os  prejuízos  que  provoco;  
iv)tipicidade   das   providências   cautelares   especificadas:   para   acautelar   um   direito,  
primeiro  tenho  de  ver  se  há  providências  especificadas  e  SÓ  NÃO  HAVENDO  é  que  vou  
para  as  providências  não  especificadas;  
v)interesse  processual:  necessidade  de  tutela  e  adequação  do  meio.  
 
Características  
i)provisoriedade/instrumentalidade:   a   providência   cautelar   depende   sempre   da  
existência  de  uma  ação  definitiva.  Não  apresentando  uma  ação,  ou  não  estando  uma  
ação  pendente,  a  providência  cautelar  caduca.  
ii)urgência  
iii)364/4:  efeitos  
  -­‐   a   providência   cautelar   e   a   ação   definitiva   são   autónomas   –   processos  
diferentes,   julgados   por   juízes   diferentes   (exceto   quando   a   providência   cautelar   é  
intentada  na  pendência  da  ação  definitiva);  
  -­‐   a   sentença   da   providência   cautelar   produz   sempre   efeitos   de   caso   julgado:  
EFEITO   FORMAL   –   impede   outra   providência   cautelar   e   impede   que   a   decisão   seja  
sindicada   por   outro   tribunal   que   não   seja,   em   termos   hierárquicos,   superior;   EFEITO  

  16  
MATERIAL  –  o  facto  dos  factos  indiciariamente  provados  na  providência  cautelar  não  
implica  que  sejam  necessariamente  provados  na  ação  definitiva  (364/44),  logo,  não  há  
efeito  material  do  caso  julgado.  
   
 
Relação   entre   providências   cautelares   nominadas/especificadas   e   inominadas/não  
especificadas  
 
É  uma  relação  de  subsidiariedade  –  362/3  (primeiro  recorre-­‐se  às  providências  
cautelares  especificadas)  e  376/1  (aplicação  subsidiária  das  disposições  das  providências  
cautelares  especificadas).  
Os   requisitos   das   providências   cautelares   especificadas   são   os   que   estão   no  
capítulo  II  +  os  requisitos  das  providências  cautelares  não  especificadas,  COM  EXCEÇÃO  
da  proporcionalidade  e  da  inversão  do  contencioso  no  casos  do  376/4.  
 
 
Princípio  do  contraditório  

Providências  cautelares  não  especificadas:  366/1  –  princípio  geral:  o  


tribunal  só  decide  depois  de  ouvido  o  requerido  (exceção:  nº1  e  4)  
 
Providências   cautelares   especificadas:   1º)   procurar   regime  
específico;  2º)  só  depois,  em  virtude  do  376º,  haverá  uma  remissão  
legal  para  as  normas  gerais,  nomeadamente  o  366.  

 
Aquelas   que   dizem   Não   havendo   norma   legal  
expressamente   não   haver   específica   que   afaste   o  
audiência   prévia,   não   se   contraditório,   então  
aplicando  o  366  (ex:  378  e   aplica-­‐se  o  366.  
393).  

  17  
Inversão  do  contencioso  
 
RATIO:  transformar  a  tutela  provisória  de  uma  sentença  de  um  procedimento  cautelar  
em  definitiva.  
 
369/1  –  para  que  o  requerente  seja  dispensado  do  ónus  de  propor  a  ação  principal,  terão  
de  estar  verificados  dois  pressupostos  cumulativos:  
  -­‐   que   a   matéria   adquirida   no   procedimento   permita   ao   juiz   formar   convicção  
segura  acerca  da  existência  do  direito  acautelado:  não  basta  a  prova  sumária  do  direito  
acautelado  –  a  inversão  pressupõe  uma  prova  stricto  sensu  do  direito  que  se  pretende  
cautelar   (MTS   –   o   que   conta   é   que   o   juiz   forme   convicção   segura   do   direito   que   a  
providência   se   destina   a   acautelar,   não   a   convicção   segura   da   procedência   da  
providência  decretada);  
  -­‐  que  a  natureza  da  providência  decretada  seja  adequada  a  realizar  a  composição  
definitiva  do  litígio:  justifica-­‐se  a  imposição  deste  pressuposto,  uma  vez  que,  tendo  sido  
decretada   a   inversão   e   não   tendo   o   requerido   proposto   a   ação   principal,   a   tutela  
cautelar  tornar-­‐se-­‐á  definitiva.  Relativamente  às  providências  especificadas,  é  a  própria  
lei  que  determina  quais  aquelas  onde  pode  ser  requerida  a  inversão  (376/4).  A  inversão  
do  contencioso  só  é,  assim,  admissível  se  a  tutela  cautelar  puder  substituir  a  definitiva  
e,  tendo  em  conta  o  elenco  do  376,  só  é  admissível  a  inversão  se  a  providência  cautelar  
requerida  não  tiver  um  sentido  manifestamente  conservatório.  
 
  São  quatro  as  providências  especificadas  suscetíveis  de  inversão:    
  -­‐restituição  provisória  da  posse;  
  -­‐suspensão  de  deliberações  sociais;  
  -­‐alimentos  provisórios;  
  -­‐embargo  de  obra  nova.  
 
CONSEQUÊNCIAS  DA  INVERSÃO:  
-­‐o  requerente  fica  dispensado  de  intentar  a  ação  definitiva;  
-­‐a  sentença  fica  com  efeito  material  e  formal  de  caso  julgado;  
-­‐o  ónus  de  impugnação  da  decisão  passa  para  o  requerido;  

  18  
-­‐interrupção  do  prazo  de  caducidade  (369/3)  
 
 
MEIOS  DE  DEFESA  DO  REQUERIDO  
 
  .SEM  CONTRADITÓRIO  
 
369/2  –  querendo  o  requerido  opor-­‐se  à  inversão  do  contencioso  apenas  poderá  faze-­‐
lo  em  conjunto  com  a  oposição  à  providência  decretada.  
372/1   –   quando   tenha   sido   diispensada   a   audição   prévia   do   requerido,   a   oposição  
deverá  ser  deduzida  no  prazo  de  10  dias  contados  da  data  de  notificação  da  decisão.  
  A   LEI   PERMITE   QUE   SE   INVERTA   O   CONTENCIOSO   SEM   AUDIÇÃO   PRÉVIA   DO  
REQUERIDO.  
 
  .COM  CONTRADITÓRIO  
 
  Existindo  contraditório  prévio  ao  decretamento  da  providência,  o  requerido,  que  
já   teve   oportunidade   de   apresentar   articulado   de   contestação   e   apresentar   os   seus  
meios  probatórios,  terá  oportunidade  de  se  pronunciar  sobre  a  inversão  do  contenioso,  
ao  abrigo  do  princípio  do  contraditório  –  art  3/3.  Por  força  do  mesmo  princípio,  deverá  
ser  permitido  ao  requerido  apresentar  novos  meios  de  prova  em  sede  de  oposição  à  
inversão  do  contencioso.  
 
QUALIFICAÇÃO  DA  AÇÃO  DEFINITIVA:  
-­‐constitutiva  –  ónus  da  prova  autor  –  PCS  
-­‐apreciação  negativa  –  ónus  da  prova  réu  –  Lopes  do  Rego.  
 
 
.Negócios  processuais  
 
  São  os  negócios  jurídicos  que  produzem  diretamente  efeitos  processuais.  

  19  
  Podem  ser  PREPARATÓRIOS  –  concluídos  antes  da  propositura  da  ação  (ex:  pacto  
de  jurisdição)  –  ou  INTERLOCUTÓRIOS  –  realizados  durante  a  pendência  de  uma  causa.  
  Alguns   dos   negócios   interlocutórios   destinam-­‐se   a   conformar   a   decisão   do  
processo:   desistência   do   pedido,   desistência   da   instância,   confissão   (negócios  
unilaterais)  e  transação  (contrato).  Estes  exemplos  podem  ser  objeto  de  um  contrato-­‐
promessa,  que  caso  não  seja  cumprido,  estarão  sujeitos  ao  830  (MTS).  
 
  Ao   dizer   que   o   negócio   é   processual,   dizemos   que   é   um   negócio   jurídico   mas  
também  é  processual.  O  regime  do  negócio  jurídico  vai  ter  de  ser  adaptado,  devido  à  
particularidade  da  qualificação  “processual”.  
 
  .Negócios  compositivos  da  ação  
 
  Aqui,   a   instância   extingue-­‐se   por   ato   judicial   condicionado   à   regulação   de  
interesses  do  negócio  processual  de  autocomposição.  
  O  procedimento  nunca  se  extingue  por  vontade  das  partes,  mas  sim  por  ato  do  
juiz,  logo,  o  negócio  processual  determina/molda  a  decisão.  São  as  partes  que  dizem  ao  
juiz  qual  o  conteúdo  que  a  decisão  vai  ter.  
 
REQUISITOS  GERAIS  
 
Como  negócios  processuais,  deveriam  ser  exigidos  os  normais  pressupostos  dos  
atos   processuais   (legitimidade,   etc).   Mas   como   se   pode   concluir   especialmente   da  
invalidade   substantiva   (290/5   e   291/1   e   3),   esses   pressupostos   só   têm   autonomia  
quando  não  sejam  consumidos  pelos  requisitos  gerais  dos  atos  jurídicos.  
Como   negócios   jurídicos,   exigem   os   requisitos   gerais   de   qualquer   negócio  
jurídico.  
LEGITIMIDADE:   288   (situações   de   litisconsórcio)   –   nº   1)   nos   casos   de   litisconsórcio  
voluntário,  é  livre  a  confissão,  desistência  e  transação  por  cada  um  dos  litisconsortes,  
quando  limitada  ao  interesse  de  cada  um  deles.  Já  no  nº  2)  exclui  a  confissão,  desistência  
ou  transação  proveniente  ou  celebrada  por  um  único  dos  litisconsortes  necessários.  

  20  
  No  entanto,  para  MTS,  a  admissibilidade  destes  negócios  procesuais  não  pode  
depender  da  origem  voluntária  ou  necessária  do  litisconsórcio.  O  artigo  288/1  não  se  
pode  referir  a  qualquer  litisconsórcio  voluntário,  mas  somente  àquele  em  que  cada  um  
dos   litisconsortes   possui   um   interesse   autonomizável   àquele   perante   o   interesse   dos  
outros  litisconsortes,  pelo  que  ele  deve  ser  entendido  como  referindo-­‐se  realmente  ao  
litisconsórcio  simples  (i.e.,  não  unitário).  
  Também  nem  todo  o  litisconsórcio  necessário  obsta  à  participação  de  um  único  
dos  litisconsortes  na  confissão,  desistência  ou  transação,  pelo  que  o  288/2  não  se  refere  
a   todo   litisconsórcio   necessário,   mas   tão-­‐somente   àquele   que,   além   de   necessário,   é  
unitário.  
 
DISPONIBILIDADE:   289/1   –   a   confissão,   desistência   do   pedido   e   transação   não   são  
admissíveis  relativamente  a  situações  indisponíveis,  i.e.,  a  situações  que  não  podem  ser  
constituídas,   modificadas   ou   extintas   por   vontade   das   partes.   Como   a   desistência   da  
instância   não   produz   nenhum   desses   efeitos   sobre   o   objeto   do   processo,   a  
indisponibilidade  deste  objeto  nunca  a  exclui.  
  A   indisponibilidade   pode   ser   ABSOLUTA   –   se   a   situação   não   admite   nenhum  
desses  negócios  processuais  (ex:  ações  de  investigação  da  paternidade)  –  ou  RELATIVA  
–  se  for  admissível  algum  ou  alguns  desses  negócios  (ex:  divórcio  –  não  é  admissível  a  
confissão  do  pedido  e  a  transação,  mas  o  autor  pode  desistir  do  pedido.  
 
FORMA:   290/1   –   A   desistência,   confissão   e   transação   podem   fazer-­‐se   por   termo   no  
processo   ou,   segundo   as   exigências   de   forma   da   lei   substantiva,   por   documento  
autêntico  ou  particular;  quanto  à  transação  extrajudicial.  O  documento  autêntico  só  é  
exigido  quando  dela  possa  derivar  algum  efeito  para  o  qual  seja  requerida  a  escritura  
pública  (1250  CC).  
  Lavrado   o   respetivo   termo   ou   junto   o   documento,   o   tribunal   examina   se,  
considerando  o  objeto  e  as  partes  do  negócio,  a  desistência,  a  confissão  ou  a  transação  
é  válida  (290/3).  Sendo,  o  tribunal  homologa  o  negócio  processual  e  condena/absolve  
nos  termos  estipulados  pelas  partes.  
  Com  o  trânsito  em  julgado  da  sentença  homologatória,  a  desistência,  a  confissão  
e  a  transação  ficam  cobertas  pela  força  de  caso  julgado  dessa  decisão.  Mas  este  trânsito  

  21  
não  obsta  à  admissibilidade  da  ação  destinada  à  declaração  de  nulidade  ou  à  anulação  
de  qualquer  desses  negócio  (291/2).  
 
    .Desistência  da  instância  
 
  Declaração   expressa   do   autor   de   que   quer   renunciar   à   ação   proposta,   sem  
simultaneamente   renunciar   ao   direito   que   através   dela   pretendeu   fazer   valer.   Esta  
desistência   não   marca   qualquer   posição   do   autor   quanto   à   situação   jurídica   por   ele  
alegada  em  juízo,  pois  que  apenas  significa  que  essa  parte  desiste  de  procurar  tutelar  
essa  situação  no  processo  pendente.  Assim,  a  desistência  da  instância  não  pode  referir-­‐
se  a  uma  fração  do  objeto  da  ação:  não  é  possível  desistir  da  instância  quanto,  p.  ex.,  a  
uma  parte  do  montante  da  indemnização  requerida.  
  É  uma  manifestação  do  princípio  do  dispositivo  na  vertente  da  disponibilidade  
da  tutela  jurisdicional,  constituindo  o  inverso  do  ato  de  proposição  da  ação.  
 
 
 
    .Desistência  do  pedido  
 
  Reconhecimento  unilateral  do  autor  de  que  a  pretensão  que  formulara,  ou  parte  
dela,  é  infundada.  Pode,  assim,  ser  total  ou  parcial.  
  Como  se  distingue  da  desistência  do  pedido?  236  CC  (regras  da  interpretação  do  
negócio  jurídico)  e,  sendo  inconcludentes,  o  tribunal  deve  pedir  esclarecimentos.  
 
    .Confissão  do  pedido  
 
  Reconhecimento  unilateral  do  réu  de  que  a  pretensão  formulada  pelo  autor,  ou  
parte  dela,  é  bem-­‐fundada.  Assim,  pode  ser  total  ou  parcial.  
 
    .Transação  (que  acontece  em  incumprimento?)  
 

  22  
  Acordo  bilateral  entre  as  partes  sobre  concessões  recíprocas,  com  a  finalidade  
de  porem  termo  ao  litígio  (1248/1  CC).  Pode  ser  PREVENTIVA/EXTRAJUDICIAL  –  quando  
as  partes  previnem  um  litígio  futuro  (não  há  qualquer  ação  pendente)  –  ou  JUDICIAL  –  
quando  as  partes  termina  um  litígio  (põem  termo  a  um  processo  pendente).  
  Pode,   também,   ser   QUANTITATIVA   –   as   concessões   recíprocas   das   partes  
traduzem-­‐se  numa  modificação  do  quantum  do  objeto  da  causa  (ex:  o  réu  admite  pagar  
uma  parte  da  quantia  pretendida  pelo  autor  e  este  desiste  de  obter  a  condenação  do  
réu  quanto  à  sua  totalidade)  –  e  NOVATÓRIA  –  as  concessões  mútuas  entre  as  partes  
implicam  uma  constituição,  modificação  ou  extinção  de  direito  diversos  do  objeto  do  
itígio  (ex:  numa  ação  de  reivindicação  com  base  na  propriedade  de  um  imóvel,  as  partes  
podem  celebrar  uma  transação  em  que  o  autor  reconhece  o  usufruto  do  réu  sobre  o  
imóvel  e  o  réu  aceita  a  respetica  nua  propriedade  do  autor  sobre  o  mesmo  bem.  
 
 
.Revelia  
 
Significa,  antes  de  mais,  NÃO  CONTESTAÇÃO.  Mas  a  não  contestação  só  é  de  ter-­‐se  como  
revelia  quando  se  apresente  como  atitude  DEFINITIVA.  
MODALIDADES:  
-­‐ABSOLUTA:   o   réu   não   pratica   qualquer   ato   na   ação   pendente.   566   –   verificação   de  
formalidade.   567/2   a   contrario   –   não   há   constituição   de   mandatário,   logo   o   réu   não  
pode  apresentar  alegação  de  direito;  
-­‐RELATIVA:  o  réu,  não  contestando,  pratica  em  juízo  qualquer  outro  ato  processual  (ex:  
constituição  de  mandatário  judicial).  567/2  –  pode  o  réu  apresentar  alegação  de  direito;  
-­‐OPERANTE:  produz  efeitos  quanto  à  composição  da  ação  (efeito  cominatório  semipleno  
–  ficta  confessio:  consideram-­‐se  confessados  os  factos  articulados  pelo  autor)  –  567/1  
-­‐INOPERANTE:  568  –  não  se  verifica  o  efeito  cominatório  semipleno  
 
568º  
a) Sendo  vários  os  réus,  a  contestação  de  um  aproveita  aos  restantes,  quanto  aos  
factos   que   o   contestante   impugnar.   Aplica-­‐se   em   qualquer   situação   de  

  23  
pluralidade  de  réus  MAS  limita  a  sua  eficácia  aos  factos  de  interesse  para  o  réu  
contestante  e  para  o  réu  revel  (como  se  sabe  que  factos  são?)  
b) A   cominação   não   joga   quando   o   réu,   ou   algum   dos   réus   revéis,   é   incapaz,  
situando-­‐se  a  causa  no  âmbito  da  incapacidade.  Não  se  aplica  aos  casos  em  que  
o  objeto  do  litígio  respeita  a  uma  zona  de  capacidade  do  incapaz;  A  cominação  
não   joga   tão-­‐pouco   quando   o   réu,   ou   algum   dos   réus   revéis,   tiver   sido   citado  
editalmente  e  não  tenha  constituído  mandatário  nem  intervindo  de  outro  modo  
no  processo,  no  prazo  da  contestação  
c) O   efeito   probatório   da   admissão,   tendo   na   sua   base   a   ideia   de   que,   na  
generalidade   dos   casos,   à   manifestação   de   desiteresse   em   impugnar   uma  
afirmação   corresponde   a   verdade   desta,   não   pode   deixar   de   circunscrever   os  
seus  efeitos  na  esfera  do  direito  disponível.  Quando,  ao  invés,  a  pretensão  do  
autor   respeite   a   situações   jurídicas   ou   interesses   indisponíveis,   a   omissão   de  
contestar   não   produz   qualquer   efeito,   pois   isso   significaria   que,   com   o   seu  
silêncio,   a   parte   estaria   atingindo   um   resultado   que,   através   dum   negócio  
jurídico,  não  poderia  atingir  
d) Quando   seja   exigido   documento   escrito   como   forma   ou   para   a   prova   dum  
negócio  jurídico,  esse  documento  não  é  dispensável,  pelo  que  o  silêncio  da  parte  
não  se  lhe  pode  sobrepor.  
 
Ainda  se  aplica  analogicamente  o  574/2  
 
 
.Sentença  
 
 
 
 
 
 
 
 

  24  
.Prova  
 
O   objeto   da   prova   são   FACTOS.   A   prova   tem   como   objetivo   a   demonstração   da  
realidade  dos  factos.  O  que  interessa  é  a  realidade  porque  esta  é  um  juízo  conclusivo  
que  se  estabelece  entre  aquilo  que  acontece  e  aquilo  que  se  afirma  ter  acontecido.  
Em  processo,  quem  nos  relata  uma  história  está  sempre  a  reconstruí-­‐la.  O  processo  
é  sempre  uma  representação  da  realidade  –  a  realidade  não  está  no  processo;  os  factos  
não  estão  no  processo.  O  juiz  só  toma  conhecimento  dos  factos  porque  os  mesmos  lhe  
são  relatados.  O  PROCESSO  É  UMA  REALIDADE  REPRESENTATIVA  DE  UMA  REALIDADE  
REPRESENTADA.  Logo,  ao  processo  vai  interessar  a  realidade  estabelecida  de  acordo  
com  a  prova  que  foi  produzida  num  determinado  processo  –  isto  não  é  a  verdade.  A  
verdade   é   a   coerência   entre   aquilo   que   se   disse   e   aquilo   que   se   aceita   que   tenha  
acontecido.  
 
PROVA  ENQUANTO  MEIO  
Fonte  de  prova  (perspetiva  estática)  
Fator   probatório   (perspetiva  
-­‐fonte  de  prova  pessoal:  são  as  partes  e  
dinâmica  do  ato  de  produção)  
as   testemunhas,   enquanto  
A  fonte  de  prova  de  nada  servirá  se  
conhecedoras  de  factos  relevantes  para  
não   revelar   os   factos   relevantes  
o  processo;  
para   o   processo.   Neste   ato   de  
-­‐fonte  de  prova  real:  são  os  documentos  
revelação,  o  meio  de  prova  torna-­‐se  
(362º  CC)  –  que  se  encontram  registados  
fator  probatório.  
–  e  os  monumentos  –  coisas  portadoras  
No   caso   da   prova   real   ou   pessoal  
de   indícios   naturais   do   facto   relevante  
indiciária,   o   contacto   com   a   fonte  
(ex:  vidro  com  impressão  digital).  
probatória   (passiva)   revela,   ainda  
-­‐fonte  de  prova  representativa:  o  facto  a  
que  só  após  descodificação/análise,  
provar   está   registado,  representado   ou  
o   conteúdo   do   seu   registo   ou  
reproduzido;  
indícios  de  que  é  portadora.  
-­‐fonte   de   prova   indiciária:   permitem  
A   produção   de   prova   pessoal  
extração   de   ilações   sobre   a   ocorrência  
representativa,  exige  atitude  ativa  –  
desse   facto   a   partir   de   indícios   de   que  
depoimento  (fator  probatório).  
são  naturalmente  portadoras.  

  25  
A  PROVA  COMO  RESULTADO  
 
A  produção  dos  meios  de  prova  no  processo  visa  demonstrar  a  realidade  dos  factos  
alegados   pelas   partes   –   esse   resultado   probatório   pode   ainda   ser   denominado   como  
PROVA.  
Assim,  quando  se  diz  que  o  autor  detém  importantes  provas  dos  factos  que  alegou  
ou  que  a  prova  por  testemunhas  está  tendo  lugar,  está-­‐se  usando  o  termo  no  sentido  
de  meio  de  prova  (no  primeiro  caso,  como  fonte;  no  segundo,  como  fator);  mas  quando  
se  diz  que  o  autor  conseguiu  provar,  ou  que  o  juiz  deu  como  provado  determinado  facto,  
está-­‐se  reportando  o  termo  ao  resultado  probatório  alcançado.  
 
Como   se   disse,   os   factos   são   o   objeto   da   prova;   do   seu   objeto   são   excluídos   os  
conceitos  de  direito.  
O  que  são  os  temas  de  prova?  São  quadros  de  referência,  dentro  dos  quais  há  que  
recorrer  aos  factos  alegados  pelas  partes.  São  os  factos  controvertidos,  que  se  opõem  
aos  factos  assentes  (não  controvertidos,  pois  não  foram  impugnados).  Esses  factos  são,  
em  primeira  linha,  os  factos  principais  da  causa.  Mas,  com  os  factos  instrumentais  se  
constitundo  a  via  a  seguir,  de  acordo  com  as  regras  da  experiência,  para  atingir  a  prova  
dos  factos  principais,  também  eles  são  objeto  da  prova.  
 
  .Ónus  da  prova  subjetivo  
 
  Refere-­‐se   à   determinação   da   parte   onerada   com   a   prova   do   facto,   isto   é,   à  
repartição  do  ónus  da  prova  pelas  partes  da  ação.  
O   autor,   o   réu   reconvinte   e   aquele   contra   quem   é   proposta   ação   de   simples  
apreciação   negativa,   têm   o   ónus   de   alegar   os   factos   constitutivos   da   sua   situação  
jurídica;  ao  passo  que  o  réu,  bem  como  o  autor  reconvindo  e  o  que  move  ação  de  simples  
apreciação   negativa,   têm   o   ónus   de   alegar   os   factos   impeditivos,   modificativos   ou  
extintivos  dessa  situação  jurídica.  
  Em  princípio,  quem  tem  o  ónus  de  alegar,  tem  também  o  ónus  de  provar  os  
factos  que  do  primeiro  são  objeto  (342/1  e  2  CC  +  343/1  CC).  
EXCEÇÕES:  -­‐  344/1  e  2  

  26  
               -­‐  345/1  
Em  nenhum  destes  casos  a  inversão  do  ónus  da  prova  dispensa  o  ónus  de  alegação,  que  
se  mantem.  
342/3  –  em  caso  de  dúvida,  os  factos  devem  ser  considerados  como  constitutivos  do  
direito,  ou  seja,  o  facto  deve  ser  qualificado  como  constitutivo  quando  houver  dúvidas  
sobre   se   é   de   exigir   a   sua   prova   (como   facto   constitutivo)   àquele   que   alega   o  
correspondente   direito   ou   (como   facto   impeditivo,   modificativo   ou   extintivo)   àquele  
contra  o  qual  o  direito  é  invocado.  
 
  .Ónus  da  prova  objetivo  
 
  Respeita   às   consequências   da   não   realização   da   prova,   isto   é,   da   falta   de  
convicção  do  tribunal  sobre  a  realidade  de  um  facto.  A  esta  situação  de  dúvida  chama-­‐
se  non  liquet  (não  líquido).  
  A   dúvida   insanável   sobre   um   facto   pode   verificar-­‐se   tanto   em   processos   nos  
quais  vigora  o  princípio  da  disponibilidade  das  partes  sobre  o  objeto  do  processo,  como  
em  processos  submetidos  à  inquisitoriedade  do  tribunal.  Mesmo  que  seja  concedido  ao  
tribunal  o  poder  de  investigar  os  factos  relevantes  para  a  decisão  da  causa,  podem  surgir  
dúvidas  irredutíveis  sobre  a  realidade  desses  factos,  que  devem  ser  superadas  através  
das  regras  do  ónus  da  prova  objetivo.  
  A   importância   destas   regras   decorre   da   circunstância   de   a   situação   de   dúvida  
insanável  sobre  a  realidade  dos  factos  não  isentar  o  tribunal  do  dever  do  proferimento  
duma  decisao.  Assim,  atendendo  a  este  dever  de  administração  da  justiça  mesmo  numa  
hipótese  de  non  liquet,  há  que  determinar  o  conteúdo  da  decisão  sobre  o  facto:  essa  é  
a  função  das  regras  relativas  ao  ónus  da  prova  objetivo.  
  Estas  regras  não  permitem  solucionar  as  situações  de  non  liquet,  mas  definem  
qual  a  decisão  que  o  tribunal  deve  tomar  apesar  da  dúvida  sobre  a  realidade  do  facto.  
Elas   são   REGRAS   DE   DECISÃO,   com   o   seguinte   enunciado   (414):   perante   a   dúvida  
irredutível  sobre  a  realidade  do  facto  que  é  pressuposto  da  aplicação  de  uma  norma  
jurídica,  o  tribunal  decide  como  se  estivesse  provado  o  facto  contrário.  

  27  
  O   funcionamento   do   ónus   da   prova   objetivo   IMPLICA   UMA   FICÇÃO   JURÍDICA  
perante  a  falta  de  prova  do  facto,  o  tribunal  ficciona  que  se  encontra  provado  o  facto  
contrário  e  toma-­‐o  como  fundamento  da  sua  decisão.  
 
  .Modalidades  
 
PROVA  CONSTITUENDA  –  vai  ser  constituída  no  processo  (ex:  perícia)  
PROVA  PRÉ-­‐CONSTITUÍDA  –  pré-­‐existe  ao  processo  
PROVA  STRICTO  SENSU  –  grau  de  certeza  do  juiz  
PROVA  SUMÁRIA  –  grau  de  séria  probabilidade  
INÍCIO  DE  PROVA  –  indício  de  prova  (um  facto  por  si  só  não  basta)  
 
  .Valor  dos  meios  de  prova  
 
PROVA  LEGAL  
No  sistema  de  prova  lega,  o  valor  da  prova  realizada  através  de  um  dos  meios  de  prova  
está  legalmente  prefixado  –  o  tribunal  está  vinculado  a  atribuir  a  essa  prova  o  respetivo  
valor  legal.  A  lei  predetermina  o  valor  da  prova  produzida  por  um  certo  meio  de  prova  
  +  quando  a  lei  impõe  que  o  tribunal  atribua  à  prova  realizada  um  determinado  
valor;  
  -­‐  quando  a  lei  proíbe  a  atribuição  de  qualquer  valor  à  prova  produzida.  
 
PROVA  BASTANTE:  a  impugnação  da  prova  é  conseguida  através  da  contraprova,  a  qual  
consiste   na   colocação   em   dúvida   da   veracidade   do   facto   (346   CC),   i.i.,   na   criação   no  
espírito  do  julgador  de  dúvidas  sobre  esta  veracidade.  
PROVA  PLENA:  a  impugnação  da  prova  realizada  só  pode  ser  obtida  mediante  a  prova  
do  contrário,  i.e.,  através  da  demonstração  da  não  veracidade  do  facto  (347  CC).  
PROVA  PLENÍSSIMA:  não  é  admitida  nem  a  contraprova,  nem  a  prova  do  contrário.  Na  
prova  pleníssima  integram-­‐se  as  presunções  inilidíveis.  
 
 
 

  28  
PROVA  LIVRE  
 
No  sistema  de  prova  livre,  o  valor  a  conceder  à  prova  realizada  através  dos  meios  de  
prova  não  está  legalmente  prefixado,  antes  depende  da  convicção  que  o  julgador  formar  
sobre  a  atividade  probatória  da  parte  (607).  A  lei  não  predetermina  o  valor  da  prova  
produzida  através  de  um  certo  meio  de  prova,  incumbindo  ao  tribunnal  formar  a  sua  
convicção  sobre  a  prova  produzida.  
 
.Modificação  subjetiva  do  OBJETO  (intervenção  de  tereiros)  
 
Intervenção  principal:  pretende-­‐se  que  os  terceiros  assumam  a  mesma  posição  que  as  
partes  primitivas;  
Intervenção  acessória:  pretende-­‐se  que  o  terceiro  vá  assistir  na  ação  ou  defesa.  Tem  um  
estatuto  inferior  ao  das  partes;  
Oposição:  o  terceiro  vem  à  ação  tomar  uma  posição  divergente  de  ambas  as  partes.  
 
  .Intervenção  principal  
 
  Pode  ser  espontânea  –  o  terceiro  voluntariamente  intervém  no  processo  (311º)  
–  e  provocada  –  uma  das  partes  primitivas  chama  o  terceiro  ao  processo  (316º).  
 
 
    .Legitimidade  
 
311º  -­‐  apenas  litisconsórcio  (remissão  para  32,  33  e  34)  
316º  -­‐  nº1)  litisconsórcio  necessário  
  nº  2)  litisconsórcio  voluntário  e  coligação  sucessiva  subsidiária  
  nº  3)  litisconsórcio  necessário  ou  voluntário  
 
Só  posso  formar  litisconsórcio  sucessivo  –  311º.  
 
 

  29  
    .Oportunidade  
 
314  (espontânea)  
316  (provocada)  
261  –  transito  em  julgado  da  sentença  que  julga  a  ilegitimidade.  
 
    .Estatuto  
 
312  e  320.  
 
 
NOTA  EXTRA:  artigo  39  (pluralidade  subjetiva  subsidiária)  
  Exige  a  norma  a  alegação  de  dúvida  fundamentada  sobre  o  sujeito  da  relação  
controvertida.   Esta   dúvida   pode   respeitar   o   lado   passivo   da   pretensão,   caso   em   que  
temos  um  litisconsórcio  subsidiário  passivo  (“contra  réu  diverso”).  
  Mas  também  pode  ocorrer  dúvida  quanto  ao  lado  ativo  da  pretensão,  caso  em  
que  temos  um  litisconsórcio  subsidiário  ativo  (“por  autor”).  
  Por  outro  lado,  este  litisconsórcio  subsidiário  é-­‐o  num  sentido  amplo  do  termo,  
pois   pode   traduzir-­‐se   em   situações   de   litisconsórcio   stricto   sensu,   bem   como   em  
situações   de   coligação.   (“dedução   subsidiária   do   mesmo   pedido”   –   litisconsórcio;  
“dedução   de   pedido   subsidiário”   –   coligação).   É   certo   que   a   ocorrência   de   casos   de  
coligação  subsidiária  será  difícil,  nela  se  exigindo  que  seja  formulado  contra  um  réu  um  
pedido   principal   e   contra   outro   réu   um   pedido   subsidiário.   Isto   é,   enquanto   no  
litisconsórcio  subsidiário  em  sentido  estrito  a  subsidiariedade  se  dá  entre  as  partes,  na  
coligação   subsidiária   a   subsidiariedade   tem   de   se   dar   entre   os   pedidos,   porque   é  
pressuposto   da   coligação   a   diferenciação   de   pedidos,     i.e.,   a   dedução   de   pedidos  
diversos.  Por  outro  lado,  não  nos  podemos  esquecer  que,  tratando-­‐se  de  coligação,  esta  
exige  em  acréscimo  a  presença  dos  vários  requisitos  da  coligação.  

  30