Sei sulla pagina 1di 2

TXIII – M7

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE ANEMIAS


Por perda (crônica ou aguda) ou por falta de produção?

O PACIENTE: Sexo, idade, etnia


História clínica: Sintomas inespecíficos, mas que sugerem em conjunto a presença de anemia.
Fraqueza, indisposição, dores nas pernas, cefaleia, taquicardia, sonolência, insônia
Idoso: Angina, claudicação intermitente, confusão mental
Criança: irritabilidade, hiporexia, queda do rendimento escolar.

INTERROGATÓRIO SINTOMATOLÓGICO:
Sangramento – hemólise – má absorção
Investigar febre e emagrecimento

ANTECEDENTES PESSOAIS:
História anterior de anemia e transfusão
Doenças crônicas em uso de medicações
Doenças gastrointestinais e gastrectomias
História alimentar
Se mulher: volume do fluxo menstrual, gestação.

AVALIAR A QUESTÃO NUTRICIONAL X ALIMENTAÇÃO

ANTECEDENTES FAMILIARES: história de anemia na família (talassemia, anemia falciforme)

HÁBITOS E CONDIÇÕES DE VIDA: Condições socioeconômicas, moradia, saneamento básico, etilismo.

EXAME FÍSICO:
Palidez cutâneo=mucosa, taquicardia, ....

Unha do paciente com anemia ferropriva dente a ser côncava ou plana


Queilite angular
Facies Talassemica  padrão de borda em escova da parte medular do osso para produzir mais hemácias.

Palpação de fígado e baço pesquisar hepato e esplenomegalia


Anemia: sexo e faixa etária.

CRIANÇA: Anemia carencial  aumento da necessidade, ingesta inadequada


MULHER EM IDADE FERTI: Anemia Ferropriva  Perda menstrual e gestação
IDOSOS: Anemia carencial  perda pelo TGI e Anemia da inflamação  comorbidades.

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL: Hemograma

VCM  classifica como normo, micro ou Macrocítica


HCM  normo ou hipocrômica

CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA:
Microcítica VCM < 80

1
TXIII – M7

Anemia sideroblastica
Anemia da doença crônica (comorbidades)  tem o ferro mas não mobiliza o ferro
Deficiencia de ferro (perdas e histórico alimentar)

INVESTIGAÇÃO DA ANEMIA MICROCÍTICA


Foto Yoshi
Ferropenia  quem primeiro acaba é a reserva medula, então a ferritina e então a saturação da transferrina.
Quando temos pouca transferrina, pouco ferro ligado a ela, essa proteína tende a aumentar, aumentando sua
avidez ao ferro, para aumentar a carreação do ferro.
Por isso pedimos os exames: Saturação da transferrina, Ferro medular, ferritina e eletroforese de HB

Anemia por deficiência de ferro: Baixas transferrina, ferro medular, ferritina.


Anemia de doença crônica: Baixa transferrina, alto ferro medular, alta ou normal ferritina.
Talassemias: Alta sat de transferrina (ou normal), ferritina e ferro medular.
Anemia sideroblastica: St de transferrina, ferritina e ferro medular.

ANEMIAS NORMOCÍTICAS (VCM NORMAL)


Reticulócito aumentado
Hemólise – defeito extrínseco
Meddiado por AC AHAI
Infecções malária
Agente mecânicos (prótese valvar)
Agentes físicos (queimados)
Membrana (esferocitose hereditária)
Enzima (G6PD)
Hemoglobina (anemia falciforme)
HPN
Reticulócito normal ou diminuído
MO hipocelular: Anemia aplástica
MO hipercelulas: Leucemia
MO normocelular: Neoplasia e IRC
Como que a medula está reagindo frente ao quadro anêmico