Sei sulla pagina 1di 4

SENHOR PRESIDENTE DA JARI DO MUNICÍPIO DE BELO

HORIZONTE - MG

NOTIFICAÇÃO DE PENALIDADE Nº.20957720


AIT: AF00403841

BÁRBARA SANTOS BRITO, brasileira, CNH nº. residente e


domiciliada à rua, 48730-000, neste município, por intermédio de
seu advogado infrafirmado, regularmente constituído pela
procuração anexada, vem, com fulcro no artigo 17, I, do Código
de Trânsito Brasileiro e Resolução 357/10 do Contran, interpor
RECURSO CONTRA NOTIFICAÇÃO DE PENALIDADE pelas razões de fato e
direito expostos abaixo.

I – DA TEMPESTIVIDADE DO RECURSO

Consta na Notificação da Penalidade que o prazo do recurso


é até o dia 10 de Agosto de 2018, por esta razão, tendo postado
no dia 07 de Agosto de 2018, presente o requisito da
tempestividade e seu consequente recebimento.

II – DOS FATOS

O departamento de trânsito de Minas Gerais, responsável


pelas autuações em razão das infrações de trânsito, expediu
Notificação da Penalidade, sob nº. 20957720, alegando que a

Rua Manoel Ramos Gordiano, 54, Centro de Conceição do Coité– Bahia.


Telefone: 75 99957-6860
E-mail: wagnerfrancesco@gmail.com
Recorrente teria cometido, em seu carro modelo GM/Corsa Hatch
Maxx, placa NTW 4480, no dia 20 de Março de 2018 às 22h53, a
infração prevista no Código de Trânsito em seu artigo 193, qual
seja:

Art. 193. Transitar com o veículo em calçadas, passeios,


passarelas, ciclovias, ciclofaixas, ilhas, refúgios,
ajardinamentos, canteiros centrais e divisores de pista
de rolamento, acostamentos, marcas de canalização,
gramados e jardins públicos:

Infração - gravíssima;

Penalidade - multa (três vezes).

Ocorre, todavia, que em que pese a Notificação de Penalidade


esteja preenchido corretamente, é fisicamente impossível que a
Recorrente tenha cometido esta infração de trânsito no Município
de Minas Gerais.

Explicamos.

A Recorrente na data indicada na NIP não poderia estar em


Minas Gerais, pois estaria logo cedo trabalhando no Hospital
Maternidade Dr. Deraldo Miranda, vinculado à Secretaria
Municipal de Saúde do município de Irará, conforme declaração em
anexo.

A citada declaração, assinada pela diretora administrativa


do Hospital Maternidade, deixa claro que a Recorrente trabalhou
do dia 21 de Março de 2018, entrando às 07h00 deste dia e saindo
apenas às 07h00 do dia 22.

Pois bem. De acordo com o Google Maps, cópia em anexo, o


trajeto de Minas Gerais até Irará não é feito em menos de 16
horas de viagem. Logo, se ela entrou no plantão às 07h00 do dia

Rua Manoel Ramos Gordiano, 54, Centro de Conceição do Coité– Bahia.


Telefone: 75 99957-6860
E-mail: wagnerfrancesco@gmail.com
21 de março, não teria como ela ter cometido a infração às 22h53
do dia 20 de março.

Na mesma linha de pensamento: este é o único carro que a


Recorrente tem e usa para se deslocar. Deste modo, o carro com
a mais absoluta certeza não saiu do estacionamento do hospital,
mesmo porque, novamente: o carro, seu único meio de transporte,
foi usado para chegar ao hospital.

III – DO DIREITO

Como se sabe, a prática da clonagem de placas no Brasil é


corriqueira. Inclusive, conforme notícia vinculada no jornal
Últimas Notícias, “Minas Gerais é o Estado com um dos maiores
índices de veículos clonados do país”.

A prática é combatida no artigo 311 do Código Penal, a


saber:

Art. 311 - Adulterar ou remarcar número de chassi ou


qualquer sinal identificador de veículo automotor, de seu
componente ou equipamento:

Pena - reclusão, de três a seis anos, e multa.

Sendo assim uma prática comum e criminosa, a vítima, ora


recorrente, não pode arcar com mais este prejuízo: o do pagamento
da multa. A jurisprudência de nosso país é uníssona no sentido
de que:

ADMINISTRATIVO. INFRAÇÕES DE TRÂNSITO. ATUAÇÕES. PLACA


CLONADA. NULIDADE.

1.Demonstrando a prova dos autos que o veículo que cometeu


as infrações tem placa clonada, correta a sentença que
determina a nulidade das autuações.

Rua Manoel Ramos Gordiano, 54, Centro de Conceição do Coité– Bahia.


Telefone: 75 99957-6860
E-mail: wagnerfrancesco@gmail.com
(Processo ACJ 20130111398762 DF 0139876-
44.2013.8.07.0001. Órgão Julgador: 2ª Turma Recursal dos
Juizados Especiais Cíveis e Criminais do DF. Publicação:
Publicado no DJE: 20/02/2014. Relator: FLÁVIO AUGUSTO
MARTINS LEITE)

Neste sentido, nos termos do Art. 281 do Código de Trânsito:

A autoridade de trânsito, na esfera da competência


estabelecida neste Código e dentro de sua circunscrição,
julgará a consistência do auto de infração e aplicará a
penalidade cabível.

Parágrafo único. O auto de infração será arquivado e seu


registro julgado insubsistente:

I - se considerado inconsistente ou irregular;

II - se, no prazo máximo de trinta dias, não for expedida


a notificação da autuação.

Diante de todo o exposto, percebe-se que há irregularidade


no Auto de Infração quando este Auto quer punir alguém que foi
vítima de clonagem de carro. É irregular, pois pune o condutor
que não estava conduzindo e o carro que não estava, de fato, no
momento da infração.

IV – DO PEDIDO

Ante o exposto, provado a irregularidade do Auto de


Infração, requer o cancelamento da penalidade imposta à
Recorrente, vez que não poderia estar em Minas Gerais e chegar
para trabalhar em Irará/BA em tão curto espaço de tempo.

Termo em que pede deferimento

Rua Manoel Ramos Gordiano, 54, Centro de Conceição do Coité– Bahia.


Telefone: 75 99957-6860
E-mail: wagnerfrancesco@gmail.com