Sei sulla pagina 1di 2

Terapia Cognitiva Comportamental (Aaron Beck)

- Psicoterapia breve (3 a 6 meses, ou 10 a 20 sessões). Conjunto de técnicas e estratégias


terapêuticas com a finalidade de mudança de padrões de pensamento.
- Inicialmente o terapeuta encoraja seus pacientes a entenderem seus problemas para em
seguida identificar novas formas de enfrentá-los.
- A TCC reinterpreta os elementos que geram emoção negativa. Tem como princípio básico
a proposição de que não é uma situação que determina as emoções e comportamentos de
um indivíduo, mas sim suas cognições ou interpretações a respeito dessa situação. A forma
como os indivíduos percebem e processam a realidade influenciará na maneira como eles se
sentem e se comportam.
- Reformulação do sistema de esquemas e crenças do paciente através da intervenção
clínica que, entre outras técnicas, utiliza-se do questionamento socrático a fim de desafiar
esquemas e crenças disfuncionais.
- O termo TCC é utilizado para um grupo de técnicas nas quais há uma combinação de uma
abordagem cognitiva e de um conjunto de procedimentos comportamentais. Psicologia cognitiva
com princípios do behaviorismo, a fim de pesquisar a relação entre as pessoas e seus
comportamentos.

Abordagem colaborativa e psicoeducativa. Visa ensinar os pacientes a monitorar e


identificar pensamentos automáticos; reconhecer as relações entre cognição, emoção e
comportamento; testar a validade de pensamentos e crenças automáticas; corrigir
conceitualizações automáticas tendenciosas, substituindo os pensamentos distorcidos
ou cognições realistas.

A TCC se diferencia da Psicanálise, pois foca o tratamento em problemas presentes, em


oposição a desvelar traumas escondidos no passado. Analisa as experiências psicológicas
acessíveis, ao invés do inconsciente.

Tríade cognitiva: os sintomas podem ser explicados em termos cognitivos, como interpretações
tendenciosas das situações, atribuídas à ativação de representações negativas de si mesmo, do
mundo pessoal e do futuro.
Visão negativa de si mesmo ("sou uma pessoa chata", "sou desinteressante");
Visão negativa do mundo, incluindo relações de trabalho e atividades ("as pessoas não
apreciam meu trabalho");
Visão negativa do futuro.

Crenças (si mesmo, mundo, futuro) > pensamento <> emoção <> comportamento <>
pensamento, e assim por diante.

O sistema cognitivo é composto de três diferentes níveis de cognição.


1. Crenças nucleares (esquemas): compõem o nível mais fundamental, são globais, rígidas
e super generalizadas. Quando ativadas, elas aumentam o foco do indivíduo para as
evidências que as comprovem, desconsiderando as informações contrárias à interpretação.
São adquiridas no desenvolvimento, como filtros pelos quais as informações são
processadas. São modeladas por experiências pessoais e derivam da identificação com
outras pessoas significativas e da percepção do comportamento dos outros em relação ao
indivíduo.
2. Crenças intermediárias: atitudes, suposições e regras. Baseiam-se em orientações do
modo como devemos agir e possibilitam a proteção do indivíduo de reações negativas
associadas à ativação de crenças centrais disfuncionais. Exemplo de pressupostos: "se eu
não tiver uma mulher que me ame não sou nada"; ou de regras: "um homem não pode viver
sem uma mulher". Nas raízes dessas interpretações automáticas distorcidas estão
pensamentos disfuncionais mais profundos: esquemas - crenças nucleares.
3. Pensamentos automáticos: pensamentos nas fronteiras da consciência, que ocorrem
espontânea e rapidamente e são uma interpretação imediata de qualquer situação. São
normalmente aceitos como plausíveis.

Cinco pontos determinantes na psicoterapia:


Ambiente/Situação onde ocorre o problema ...... Ex: No trabalho; Morte do pai; Promoção, etc.
Pensamento/Sentimento .................................... Ex: Não sirvo para nada; Sou um fracasso, etc.
Estado de humor/emoção ...................................Ex: Tristeza; Irritabilidade; Culpa; Pânico. etc.
Reação física ..................................................... Ex: Suor; Fadiga; Insônia; Coração dispara, etc.
Comportamento ................................................. Ex: Evita os amigos; Desce do ônibus etc.

Ambiente (trabalho) > pensamento (sou um fracasso) > emoção (culpa, tristeza) > reação física
(fadiga, insônia) > comportamento (evita os amigos etc).
Ambiente (festa) > (sou um desastre, não sei interagir) > emoção (tensão, ansiedade) > reação física
(suor, insônia) > comportamento (arruma uma desculpa para não ir).

Terapia Cognitiva Comportamental e algumas de suas técnicas:


- Biblioterapia.
- Registro de pensamentos disfuncionais e reestruturação cognitiva.
- Construção de hierarquias conforme intensidade da ansiedade ou depressão,
por exemplo, com notas de 0 a 10 (escalas de Beck).
- Dessensibilização sistemática. O paciente, aos poucos, enfrenta as situações que
produzem medo.
- Exposição aos estímulos externos. Ex.: estímulos que provocam fobia, pânico ou
evitações disfuncionais.

Métodos para reduzir a ansiedade


- Reestruturação cognitiva.
- Superação da evitação. Quando evitamos uma situação difícil, inicialmente
experimentamos uma diminuição da ansiedade. Ironicamente, quanto mais evitamos mais
ansiosos nos tornamos.
- Abordar gradualmente o estímulo temido.

Estrutura da terapia: apresentação do problema; análise do problema; análise do objetivo;


análise dos meios; teste e avaliação dos passos definidos.