Sei sulla pagina 1di 38

Os 4 temperamentos – Material compilado por Arthur Olinto

(olintoarthur@gmail.com)

Os seres humanos não reagem igualmente aos estímulos recebidos (raiva, alegria,
tristeza, decepção etc). Isto acontece porque cada pessoa possui um temperamento, os
quais, grosso modo, estão agrupados em quatro grandes grupos: sanguíneo, colérico,
melancólico e fleumático. Estes se distinguem entre si na medida que a excitabilidade do
sanguíneo é fácil e superficial, a do colérico fácil e profunda, a do melancólico lenta e
profunda, e por fim, a do fleumático é lenta e superficial. Conforme sintetiza o Padre
Conrad Hock:

➢ O colérico se excita fácil e fortemente; se sente impulsionado a reagir de imediato;


a impressão permanece por muito tempo na alma e facilmente conduz a novas
excitações.

➢ O sanguíneo, assim como o colérico, se excita fácil e fortemente, sentindo-se


assim mesmo impulsionado a uma rápida reação; mas a impressão se apaga logo
e não permanece muito tempo na alma.

➢ O melancólico se excita bem pouco ante as impressões da alma; a reação ou não


se produz ou chega nele depois de passado certo tempo. As impressões, no
entanto, se gravam muito profundamente na alma, sobretudo se se repetem sempre
as mesmas.

➢ O fleumático não se deixa afetar tão facilmente pelas impressões, nem se sente
majoritariamente inclinado a reagir; e as impressões, por sua parte, muito rápido
desvanecem.
O temperamento de uma pessoa já pode ser identificado desde a mais tenra
idade. O olhar do colérico é resoluto, firme, enérgico, ardente; o do sanguíneo:
sereno, alegre, despreocupado; mas o olhar do melancólico é ligeiramente triste e
preocupado, ao passo que do fleumático é lânguido e inexpressivo. O colérico anda
com firmeza e decisão e avança depressa; o sanguíneo tem os pés ágeis e ligeiros, de
passo curto e às vezes dançante; o passo do melancólico é lento e torpe; o fleumático
caminha preguiçosamente e à sua vontade.

Coléricos e sanguíneos são ativos; o melancólico e fleumático são bem mais passivos. No
colérico e no sanguíneo existe uma forte inclinação à ação, e no melancólico e fleumático pelo
contrário, à tranqüilidade.

Os temperamentos coléricos e melancólicos são apaixonados; comovem e repercutem


muito fundamente na alma; ao passo que os sanguíneos e os fleumáticos não têm grandes paixões,
nem induzem a fortes arranques da alma. Coléricos e Sanguíneos são extrovertidos;
melancólicos e fleumáticos, introvertidos.
Para conhecermos o nosso temperamento, é de grande utilidade observar como
agimos perante uma ofensa. Se você reage imediatamente à ofensa, respondendo
energicamente, deixando transparecer certa irritação na sua voz, nas palavras e na sua
linguagem corporal; se fica guardando mágoa e remoendo o acontecimento por um longo
período de tempo, evitando contato com a pessoa que te ofendeu, saiba que você é um
colérico (a).

Já se a ofensa o irrita profundamente, tira sua paz e leva-o ao desalento, mas você
guarda o silêncio e não consegue reagir, mantendo-se aparentemente tranquilo, ficando
em silêncio, mas, depois você se flagra revivendo a situação, caindo num estado de
tristeza e impotência, podemos ter a certeza que você é um melancólico.

Agora, se ao receber uma ofensa, você não consegue guardar mágoa por muito
tempo, esquecendo rapidamente da situação, é porque você é um fleumático ou um
sanguíneo. Se ao receber uma ofensa, você se encoleriza e fica irritado no mesmo
instante, tendendo a agir com precipitação, você é um sanguíneo. Já se você consegue
se manter tranquilo, és um fleumático.

Conhecer o nosso temperamento e o dos que vivem conosco é algo tão impactante
como foi a descoberta o fogo. Entendemos melhor a nós mesmos e ao nosso próximo,
percebendo que muitas das nossas ações e dos que convivem conosco derivam do
temperamento que cada um possui, tratando assim a todos com mais paciência, com
justiça, sabendo transitar e lidar com todos. A um colérico se conquista expondo-lhe
sossegadamente as razões; as palavras severas e imperiosas o mortificam, o
obstinam e o irritam ao extremo. O melancólico se torna tímido e taciturno com uma
palavra dura ou um olhar receoso, mas com um tratamento atento o veremos mais
aberto, confiante e fiel. Da palavra de um colérico uma pessoa pode fiar-se, mas não
das promessas mais formais de um sanguíneo. Desconhecendo, pois, o
temperamento de nosso próximo o nosso trato redundará sem justiça, em dano
próprio e alheio.
Sabendo que os defeitos e fraquezas do próximo estão fundados em seu
temperamento, os desculparemos facilmente, sem nos irritar. Não ficaremos impacientes
se um colérico for azedo, duro, impetuoso e obstinado; ou se um melancólico se porta
tímida e indecisamente, se não fala muito e se tendo que falar, o faz de modo
impróprio; ou se um sanguíneo se mostra tagarela, leviano e inconstante; ou se um
fleumático nunca sai de sua acostumada tranqüilidade.

Além de conhecermos melhor o nosso próximo, saberemos os pontos fortes e


fracos do nosso temperamento, avançando assim a passos longos no caminho da
perfeição, a santidade. . De modo que o colérico sempre terá que lutar antes de tudo
contra sua teimosia, ira e orgulho; o melancólico contra seu desalento e medo da
cruz; o sanguíneo contra a sua loquacidade e inconstância, e o fleumático contra sua
lerdice e preguiça.

Conhecendo nosso temperamento seremos mais humildes, já que nos iremos


perceber de que o bom em nós não é tanto virtude, mas sim conseqüência de nossa
natureza e de nosso temperamento. Então o colérico falará com mais modéstia de sua
força de vontade, de sua energia e intrepidez; o sanguíneo de sua serena concepção da
vida, da sua facilidade de tratar com pessoas difíceis; o melancólico da profundidade de
sua alma, de seu amor à solidão e à oração; o fleumático de sua suavidade e sossego de
espírito. O temperamento, por ser inato no homem, não pode ser trocado por outro.
Podemos e devemos, no entanto, cultivar e desenvolver a parte boa do temperamento e
combater e neutralizar seus influxos nocivos. A maior parte das pessoas possuem um
temperamento misto. Predomina em tais um temperamento principal (por exemplo, o
colérico), cujas disposições fundamentais, cujas qualidades boas e más se atenuam ou
acentuam conforme o influxo de outro temperamento. De modo geral, vale mais ter um
temperamento misto que puro; pois a mescla suaviza a estreita e vigorosa índole do
predominante.
O temperamento colérico

A alma do colérico, pelas influências que recebe, excita-se de imediato e com


veemência. A reação segue no instante, imediatamente. A impressão fica na alma por
muito tempo. O colérico sente e se entusiasma pelo grande – não busca o ordinário, o
comum, mas aspira ao grandioso. Tende ao alto, seja nas coisas temporais ambicionando
uma grande fortuna, um comércio muito extenso, uma casa magnífica, um nome
prestigioso, um posto destacado – seja em coisas que sua alma, sentindo em si um desejo
veemente de santificar-se, de fazer grandes sacrifícios por Deus e pelo próximo e de salvar
muitas almas para a eternidade.

O colérico logra fazer grandes coisas também em seu trabalho profissional. Por ser seu
temperamento ativo, se sente incitado continuamente à atividade e ao trabalho. Não pode estar
desocupado e faz seus trabalhos com rapidez e aplicação; tudo lhe vai muito bem. Em suas
empresas é persistente e não se amedronta ante as dificuldades. Pode colocar-se sem cuidado em
postos difíceis e confiar-lhe grandes coisas. No falar o colérico é breve e conciso; nem é amigo
de inúteis repetições. Essa forma breve, concisa e firme em seu falar.

A virtude inata do colérico é a generosidade, que despreza o baixo e vil e suspira


pelo nobre, grande e heroico. Possui uma vontade forte, que não se abate ante as
dificuldades, senão, pelo contrário, emprega toda a sua vitalidade e persevera à custa de
grandes sacrifícios até chegar à sua meta. Não conhece o que é pusilanimidade e
desalento. A imprudência é para o colérico um obstáculo sumamente perigoso em sua
aspiração ao grandioso. Ele é ao ponto absorvido pelo que uma vez desejou e se lança
apaixonadamente e cegamente até a meta concebida, sem reflexionar sequer, se o
caminho adotado realmente conduz ao fim.

Chega, por dizer assim, a perfurar a parede com a cabeça, tendo ao lado uma porta
que lhe conduza a entrada. Deste modo, esbanja mal [malgasta] suas energias, se vê
aleijado pouco a pouco de seus melhores amigos e acaba por estar isolado e mal visto em
todas as partes. Depois de colocar a perder seus mais belos êxitos, todavia nega que ele
mesmo é a causa principal de seus fracassos. Os grandes insultos jamais os esquece, o
colérico em sua ira e orgulho se deixa levar a ações que ele sabe muito bem que serão
prejudiciais a ele, por exemplo, a sua saúde, trabalho, fortuna; ações pelas quais se verá
obrigado não somente a abandonar seu emprego, mas também a romper com velhas
amizades. O colérico é capaz de abandonar projetos abraçados por muitos anos somente
por não ceder a um capricho. Disse o Padre Schram em sua “Teol. Mist.”, II. 66: “O
colérico prefere a morte à humilhação.”.

O colérico é orgulhoso, confia muito em si mesmo, pois tem si mesmo em alta


conta, desprezando por vezes o seu próximo. É ambicioso e mandão, sempre
querendo figurar em primeiro plano, ser aplaudido e suplantar aos demais. Sua
ambição o faz diminuir, combater e perseguir àqueles que cruzam em seu caminho,
e isto não raras vezes com meios poucos nobres. Além disso, o colérico se sente
profundamente ferido quando é envergonhado e humilhado. Não sem mau humor
recorda seus pecados, pois o obrigam a ter-se em menos conta e não poucas vezes
chega até a desafiar a Deus.

A soberba e teimosia conduzem o colérico não poucas vezes a meios tão maus
como a dissimulação e hipocrisia, podendo ser, por outra parte, muito nobre e sincero por
natureza. Não querendo confessar uma debilidade ou derrota, dissimula. Ao ver que seus
projetos não se concretizam, apesar de seu empenho, não lhe resta mais que fingir e valer-
se de fraudes e mentiras. Se é castigado, não corrige seus vícios, antes, os oculta.

Seus temperamentos mistos:

O temperamento colérico-sangüíneo. Nele a excitação é instantânea, como a


reação; a impressão, em contrapartida, não é tão duradoura como no temperamento
claramente colérico. A soberba deste se mescla com a vaidade, sua ira e teimosia se
temperam e moderam, seu coração se abranda. Resulta, portanto, em uma mescla muito
feliz.
O temperamento colérico-melancólico. Aqui entram em união dois
temperamentos sérios e apaixonados: o orgulho, a teimosia e a ira do colérico com o
caráter rabugento, rude e taciturno do melancólico. O homem provido de semelhante
mescla de temperamento necessita de muito domínio sobre si mesmo, a fim de alcançar
a paz da alma e de não ser um fardo aos que vivem e trabalham com ele.

IMPORTANTE: TEMPERAMENTO COLÉRICO

➢ Necessidades emocionais: lealdade dos seus liderados, senso de controle,


apreciação, ganhar estima por suas boas obras.

➢ Causas da Depressão: a vida está fora de controle; problemas com dinheiro,


trabalho, companheiro, filhos ou saúde.

➢ Alívio de estresse: trabalhe mais, faça mais exercícios, fique longe de


situações inflexíveis.

➢ Nível de energia: a energia mais alta, precisa de pouca reposição, prospera


nas pessoas para controlar.
A vida espiritual do Colérico

“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na


verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que
o alcanceis.” (1 Co 9,24)

Santo Inácio de Loyola, o fundador dos Jesuítas, era um colérico apaixonado, mas
logrou tal domínio sobre suas paixões que no exterior aparecia tão isento de paixões que os
que o rodeavam o tinham por fleumático. "Tudo para a maior glória de Deus" era o seu lema.
Exemplo de Santos coléricos: Santo Inácio de Loyola, São Paulo e
Santa Elisabete da Trindade.

Quando o colérico põe sua vitalidade característica ao serviço do bem, chega a ser
um instrumento sumamente apto para a glória de Deus e a salvação das almas redundando
tudo isso em seu próprio aproveitamento espiritual e temporal. A tudo isso contribui
exageradamente a agudez de seu entendimento, sua aspiração ao nobre e grandioso, o
vigor e decisão de sua vontade varonil e essa maravilhosa amplitude e claridade de olhar
que concebe seus pensamentos e projetos.

Com relativa facilidade pode chegar o colérico a santidade. Os santos canonizados


pela Igreja são em sua grande maioria coléricos ou melancólicos. Um colérico
solidamente formado não sente maiores dificuldades para manter-se recolhido em oração;
pois, com a energia de sua vontade desfaz facilmente as distrações; e isso se explica, antes
de tudo, tomando em conta que por natureza sabe ele reconcentrar com grande prontidão
e intensidade toda a sua atenção em um determinado assunto.

O colérico bem desenvolvido é muito paciente e forte em ignorar as fadigas


corporais, sacrificado nos sofrimentos, constante nas penitências e mortificações
interiores, magnânimo e nobre para com os necessitados e débeis, cheio de repugnância
contra tudo o que é baixo e vil. E ainda que a soberba penetre na alma do colérico, por
dizer assim, em todas as suas fibras até as últimas ramificações, de modo que pareça não
ter outra paixão maior que a soberba, sabe não obstante, relevar e ainda buscar
voluntariamente as mais vergonhosas humilhações, se seriamente aspira à perfeição.

Deve-se aconselhá-los a que sejam donos de si mesmos, que não obrem


precipitadamente, que desconfiem de seus primeiros movimentos. Deve-se levá-los à
verdadeira humildade de coração, a se compadecerem dos débeis, a não humilhar nem
atropelar a ninguém, a não deixar sentir sua violência, sua própria superioridade, a
tratar a todos com suavidade e doçura.

Há que induzir o colérico a que se deixe educar voluntariamente, a dizer, que


aceite voluntária e alegremente tudo o que se lhe ordena, para humilhar seu orgulho e
refrear sua cólera. Não se corrigirá o colérico com um tratamento duro e orgulhoso, pois
assim ele se tornará mais azedo e endurecido; ao contrário, propondo-lhe razões e motivos
sobrenaturais se poderá levá-lo facilmente ao bem.

O colérico deve sacar grandes pensamentos da palavra de Deus (pela meditação,


leitura, sermão), ou das experiências de sua própria vida. Eles hão de arraigar-se bem em
sua alma e entusiasmá-lo sempre de novo até o bem e as coisas de Deus. Não precisa que
sejam muitos esses pensamentos. Ao colérico Santo Inácio de Loyola, lhe bastava a frase:
“Tudo para a maior glória de Deus”; ao colérico São Francisco Xavier: “Que proveito
tem ao homem ganhar o mundo inteiro se com isso perde sua alma?”. Um bom
pensamento, que cativa o colérico lhe servirá de norte e guia para conduzi-lo, apesar das
dificuldades, aos pés de Jesus Cristo.

Um colérico tem que lutar continuamente contra o orgulho e a ira. O orgulho


é sua desgraça, a humildade sua salvação. Portanto: a) faça sobre este ponto seu
exame particular, por muitos anos! b) humilha-te por própria iniciativa ante os
superiores, o próximo e na confissão! c) Pede por uma parte a Deus e aos que mais
de perto te rodeiam algumas humilhações, e por outra, aceite com generosidade as
que te sobrevierem! Vale mais para um colérico ser humilhado por outros que
humilhar-se a si mesmo.
A vida amorosa do Colérico.

Para os coléricos namorar não é tão divertido como seria para um sanguíneo.
Pessoas coléricas tendem a encarar o namoro da mesma maneira que enfrentam outras
questões na sua vida: analisam suas chances e necessidades, bem como o seu parceiro em
potencial. É crucial que a sua paquera compartilhe dos mesmos objetivos e interesses
porque precisam de alguém para trocar idéias e conversar sobre os seus interesses, como
Ciência ou Política, por exemplo.

Quem tem este temperamento é atraído por pessoas que são boas ouvintes,
inteligentes ao lidar com conflitos e discordâncias e possuem boas habilidades sociais.
Enquanto eles analisam e escondem suas emoções, procuram por alguém que é
emocionalmente expressivo, flexível e até mesmo hesitante. Geralmente pessoas com
personalidade fleumática são escolhidas como o seu par perfeito.

Eles podem ser muito românticos e estão prontos para um compromisso sério. Em
vez de expressar suas emoções, focam em agradar, dando ao seu amado o que ele
deseja. Adoram de ser úteis, então fale das suas contrariedades e dificuldades que o
colérico tentará resolver o problema para você.
Dentro os quatro temperamentos este é o que menos se apaixona. Têm poucos
namoros. Se decidem, no entanto, construir um relacionamento com alguém especial, não
desistem facilmente dele, mesmo que seja isto que ele deseje --- coléricos são cabeças
duras, não são do tipo de pessoa que gosta de mudar de opinião com frequência.

É o temperamento que mais gosta de sexo. Possuem uma alta libido, mas não
gostam de “dormir no ponto”. Uma vez constituído um relacionamento sólido, veem o
sexo como o centro do seu relacionamento e pedem por sexo cada vez mais. A vida sexual
é muito importante pra ele, embora não compartilhe detalhes desta com seus amigos. Por
outro lado, sentem-se confortáveis em falar sobre suas necessidades sexuais com o seu
cônjuge.

Como acontece com todas os temperamentos, o seu temperamento secundário influência


em como e a quem amam. Geralmente são altamente independentes e seguem suas
próprias regras.

➢ Os coléricos-sanguíneos são alto suficientes e precisam de muito tempo sozinhos.


São imaginativos e gostam de aventuras, buscam alguém que compartilhe dos seus
ideais, mas sem cair numa competição com eles.

➢ Coléricos-melancólicos são altamente motivados para serem bem sucedidos. Em


relacionamentos, sabem o que querem e não aceitam menos do que almejaram.
Não ficam de namoricos sem sentido e estão procurando por alguém que os ajude
a alcançar seus objetivos. É difícil conhece-los porque escondem sua real
personalidade com tranquilidade e bom humor.

➢ Coléricos-fleumáticos é o tipo mais romântico dentre os coléricos. Gostam de


presentear e de celebrar em ocasiões especiais. Fidelidade é inegociável para eles.

Em geral, com pessoas coléricas, você saberá onde está. Deixarão você saber o
que elas querem e como elas desejam prosseguir. Se pensam que poderiam ter futuro
com você, eles se tornam parceiros muito dedicados, sensíveis ao menor sinal de
rejeição.

O temperamento sanguíneo

A alma do sangüíneo se excita rápida e veementemente por qualquer impressão;


a reação segue no mesmo instante; mas a impressão fica muito pouco tempo na alma. A
lembrança da coisa passada não provoca tão facilmente novas emoções.

Um sanguíneo costuma ser muito superficial, mudando constantemente de


interesses e afazeres, como um beija-flor que vai de flor em flor. Neste ponto, é contrário
ao colérico; este se fixa obsessivamente por um assunto e persegue-o até o fim. É muito
inconstante. O sanguíneo raramente consegue terminar um livro (por vezes abandona-o
antes de concluir a leitura) ou focar em uma única atividade (estão sempre inclinados a
fazer várias coisas ao mesmo tempo, sendo facilmente distraídos por estímulos externos).
Também em seus trabalhos e diversões é inconstante, querendo, sobretudo, a variedade.
Tudo que demanda profundidade e esforço é muito difícil para eles. Todos os que lidam
com um sanguíneo devem dar-se conta da sua inconstância. Não se deverá dar demasiado
crédito à suas palavras, propósitos e promessas Os juízos do sangüíneo são com
freqüência falsos por não averiguar mais que a superfície das coisas, nem ver as
dificuldades porque se mostra parcial em seus afetos e simpatias.

Nele, sobretudo, são ativos os 5 sentidos, ao passo que o colérico trabalha mais
com o entendimento e o melancólico com os sentimentos. Uma frase que descreve o
sanguíneo é: “a boca entra na sala primeiro”. Nele chamam muito a atenção a facilidade,
vivacidade e infinidade de palavras, a qual muitas vezes é para os demais uma grave
loquacidade [tagarelice]. É muito difícil para o sanguíneo guardar segredos, portanto,
pondere bem antes de tornar um sanguíneo seu confidente!
O sanguíneo é muito tranquilo perante a vida. Considera tudo baixo em seu
aspecto mais sereno. Como é otimista não conhece dificuldades, mas sempre confia no
bom êxito das coisas. E se realmente lhe tenha saído mal alguma coisa, se consola
facilmente e não se aflige por muito tempo. Como se excitam tão facilmente as paixões
do sangüíneo, não penetra no profundo de sua alma; e se aparentam a um fogo de palha
que por um momento produz forte fogaréu, e muito rapidamente difunde em si mesmo;
em contrapartida as do colérico são semelhantes a um incêndio devorador. Esta carência
de afetos profundos é de tanta maior utilidade a ele quanto que quase sempre lhe priva de
grandes tempestades internas, e lhe ajuda a servir a Deus com certo semblante risonho e
sossego, livre do apaixonamento do colérico e da timidez e ansiedade do melancólico.

A soberba do sangüíneo não se manifesta em um afã imoderado do mandar egoísta


como no colérico, nem no medo das humilhações, como no melancólico, mas sim em
certa vaidade e complacência de si mesmo. Experimenta uma alegria quase pueril de si
mesmo, de seu exterior, de seu vestido e trabalhos; vê a si mesmo alegremente no espelho
ou no vidro de portas e janelas. Ao ser elogiado se sente feliz, e é, por conseguinte, muito
adicto na adulação. Por meio de elogios e lisonjas facilmente se deixa induzir às maiores
necessidades e ainda aos mais vergonhosos pecados. O sangüíneo não ama a solidão, mas
busca a companhia e conversações dos homens; quer desfrutar da vida e em suas
diversões pode ser muito empolgado, atrevido e frívolo.

Seus temperamentos mistos

O temperamento sangüíneo-colérico. Se parece com o colérico-sangüíneo; com somente


a diferença de que aqui os distintivos do sangüíneo passam ao primeiro plano e os do colérico ao
segundo. A excitação e a reação se seguem imediatamente e com veemência, enquanto que a
impressão não se perde tão rapidamente como num temperamento puramente sangüíneo, se bem
que não vão tão profundamente à alma como num colérico puro. Os defeitos do sangüíneo, como
sua leviandade, superficialidade, distração e loquacidade, estão melhorados pela seriedade e
firmeza do temperamento colérico.
Temperamentos Mistos:

O temperamento melancólico-sangüíneo. Caracteriza-se por uma débil


susceptibilidade de impressões, por uma reação igualmente débil e uma impressão não
tão duradoura como no temperamento melancólico. O temperamento sangüíneo comunica
ao melancólico algo de sua mobilidade, alegria e serenidade. Os melancólicos com um
colorido sangüíneo são aquelas boas pessoas e almas de Deus incapazes de ofender a nada
e sempre emocionadas; as quais, por outra parte, pecam por falta de força e energia.
Parecido é o temperamento sangüíneo-melancólico; só que nesta mescla ressalta mais a
superficialidade e a inconstância do sangüíneo.
O temperamento sangüíneo-colérico. Se parece com o colérico-sangüíneo; com
somente a diferença de que aqui os distintivos do sangüíneo passam ao primeiro plano e
os do colérico ao segundo. A excitação e a reação se seguem imediatamente e com
veemência, enquanto que a impressão não se perde tão rapidamente como num
temperamento puramente sangüíneo, se bem que não vão tão profundamente à alma como
num colérico puro. Os defeitos do sangüíneo, como sua leviandade, superficialidade,
distração e loquacidade, estão melhorados pela seriedade e firmeza do temperamento
colérico.
IMPORTANTE: TEMPERAMENTO SANGUÍNEO

➢ Necessidades emocionais: atenção de todos, afeição, contatos com


as pessoas, aceitação das pessoas.

➢ Causas de depressão: a vida não é divertida; não ter esperança para


o futuro; sentir que não é amado, estimado.

➢ Como se desestressa? Indo ao shopping, para uma festa com seus


amigos ou comendo algo que goste muito.

➢ Nível de energia: É energizado por pessoas, têm um ritmo frenético,


mas possuem períodos de exaustão.
A vida espiritual do sanguíneo

“Deus ama ao que dá com alegria.” (II Co 9,7)

No sanguíneo São Francisco de Sales se haviam extinguido por completo os


arrebates e explosões de ira; o qual não o obteve, senão depois de 22 anos de contínuo
combate consigo mesmo.

Exemplos de Santos Sanguíneos: Santa Teresa de Jesus, Santo Agostinho de


Hipona, São Felipe Neri e São Pedro.

A inconstância do sanguíneo é o calcanhar de Aquiles da sua vida espiruitual. Em


um instante passa do riso ao pranto, do gozo delirante a uma negra tristeza. Arrepende-se
pronta e verdadeiramente de seus pecados, mas volta a eles na primeira ocasião que se
lhe apresente. Os sanguíneos são vítimas da impressão de momento, sucumbem
facilmente ante a tentação. São inimigos dos sacrifícios, da abnegação e do esforço duro
e contínuo. São preguiçosos no estudo. É quase impossível pra eles refrear a vista, os
ouvidos e a língua. Distraem-se facilmente na oração. A épocas de grande fervor
sucedem-se outras de languidez e desalento.

Tudo o que significa sacrifício para o corpo e os sentidos lhe parece difícil. Coisas
penosas são para ele o refrear a vista e os ouvidos, o dominar a língua e observar o
silêncio. Tampouco são de seu agrado a abnegação do paladar e a abstenção de manjares
agradáveis; teme todo exercício de penitência corporal. Só um perfeito sanguíneo logra
fazer penitência de muitos anos por seus pecados anteriores. O sangüíneo comum vive
segundo o princípio de que a absolvição sacramental da penitência da Confissão apaga os
pecados, e tem, portanto, como inútil e ainda prejudicial o pesar pelas faltas passadas.

O sangüíneo é inconstante no bem: Como se entrega de bom grado à direção de


outros, se deixa seduzir com grande facilidade, caindo em mãos de homens perversos e
levianos. O sangüíneo se entusiasma rapidamente pelo bem, mas rapidamente seu
entusiasmo se amolece, esfria. Como São Pedro salta com valor da barca querendo
caminhas sobre as ondas do lago, mas logo lhe sobrevém o temor de poder afundar; como
São Pedro saca impetuosamente a espada em favor de seu mestre para fugir logo depois;
como São Pedro se junta com a melhor intenção aos inimigos de Cristo e entre eles logo
o nega três vezes. Contra a inconstância, tomará sérias medidas. Não bastarão os
propósitos e resoluções, que violará na primeira ocasião que se lhe apresente, apesar
de sua sinceridade e boa fé. É preciso pôr sua vontade num plano de vida, uma
rotina, convenientemente revisada e aprovada por seu diretor espiritual, de modo
que nada se deixe ao arbítrio da sua vontade fraca e caprichosa. Há de praticar
seriamente o exame de consciência, aplicando-se fortes penitências pelas
transgressões que sejam fruto de sua inconstância e volubilidade. Deve confiar sua
vida nas mãos de um experiente diretor espiritual e obedecer-lhe em tudo. Na
oração, há de lutar contra sua tendência aos consolos sensíveis, perseverando nela
apesar da aridez e secura.

O sangüíneo há de exercitar-se diariamente na mortificação dos sentidos,


dominar os olhos, os ouvidos e a língua, endurecer seu tato, perseverar seu paladar das
guloseimas etc. Por ser inclinado a ver e ouvir tudo, o sanguíneo deve cultivar uma
particular cautela no trato com o que pode lhe ferir a castidade: manter um olhar modesto,
levemente abaixado, sem afetação; não fixar demoradamente a vista sobre alguém do
sexo oposto; tomar cuidado ao navegar pela internet, evitando stalkear perfis de pessoas
consideradas atraentes, fugindo de fotos sensuais, pornografia etc. Para um sanguíneo,
basta só um pequeno estímulo para que ele caia nos mais vergonhosos pecados
contra a castidade. Devemos ter em mente que só os puros de coração é que verão a
Deus (Mateus 5,8). Lembremo-nos da advertência de Nosso Senhor: Se o teu olho te
escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só
olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno. (Mateus 18,9). Sendo
assim, o sanguíneo não deve titubear ao cortar pela raiz tudo o que pode ser ocasião
de pecado contra a castidade.

Deverá ser muito dócil as orientações do seu diretor espiritual, mesmo que os
conselhos contrariem seus caprichos. Bem protegidos os sangüíneos chegarão à
santidade. O sanguíneo deve ter uma boa rotina, fixando especialmente horários para
dormir e acordar, preenchendo todo tempo com atividades proveitosas, em suma, uma
vida disciplinada, fugindo do ócio como o diabo foge da cruz. A aridez de longa duração
é para o sangüíneo uma prova particularmente saudável, porque nela se purifica sua nociva vida
sentimental.

O sangüíneo deve aprender a controlar sua tendência impulsiva, refletindo muito


antes de tomar uma decisão. Com especial esmero cultivará os exercícios de piedade que
requerem reflexão, como são a meditação matutina, a leitura espiritual, o exame
particular, a meditação na oração do Rosário e os freqüentes atos de se colocar na
presença de Deus. A dissipação significa a ruína para o sangüíneo, ao passo que o
cultivo da vida interior são sua salvação. Ao ocupar-se em seus negócios deverá dizer a
si mesmo sempre: não creia haver deliberado o bastante sobre o assunto – considera todos
os seus pontos e detalhes – tome em conta as dificuldades, que por acaso te sobrevierem
– não sejas demasiado confiante, nem demasiado otimista.
Deverá aproveitar seu temperamento aberto e sociável para se aproximar com
frequência do sacramento da Reconciliação1. Cultivará com especial esmero uma
obediência fiel a todos os conselhos recebidos na direção espiritual e na confissão.
Apesar da Igreja pedir a seus fiéis que se aproximem do sacramento da penitência
ao menos uma vez por ano (Catecismo da Igreja Católica, ponto 2042), é salutar que
todos, independente do seu temperamento, confessem-se no mínimo mensalmente,
mesmo que não se tenha cometido nenhum pecado mortal (cf. I João 5,17). A
confissão frequente é uma constante na vida dos santos canonizados. Até mesmo o
Santo Padre, o Papa Francisco, confessa-se de quinze em quinze dias.

1
Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me
enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes:
Recebei o Espírito Santo: aqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e
àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos [...] Confessai os vossos pecados uns aos
outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito
em seus efeitos. (cf. João 20,22-23; Tiago 5,16) ).
A vida amorosa do sanguíneo

Porque é o mais aventureiro dos quatro temperamentos, os sanguíneos são mais


compatíveis com pessoas com o mesmo temperamento que o seu. Estão à procura de um
companheiro; alguém que vai se aventurar com eles, seja em conversas, na cama ou no
mundo todo. Eles vêem o namoro como entretenimento e o amor como um meio para
sair de casa e fazer coisas novas. Em suma, isso significa que o relacionamento com
uma pessoa sanguínea pode ser muito emocionante.

Sanguíneos têm uma atitude tranquila em relação ao sexo. As mulheres


sanguíneas, no entanto, são menos permissivas do que os homens. Para a maioria dos
sanguíneos, o sexo é muitas vezes uma recreação, às vezes nem sequer vinculado com
amor ou mesmo com o gostar do seu parceiro. Aqui, o sanguíneo há de se ter especial
cautela, pois, devido a este lado da sua personalidade, está muito inclinado a pecar
contra a castidade.

Sanguíneos são bons ouvintes e sempre vão te perguntar sobre você, a fim de te
envolver e satisfazer a curiosidade deles. Durante a conversa, muitos olham diretamente
para você, bem como se inclinam para frente, tocando sua mão, braço ou perna, enquanto
escuta atentamente. A maioria deles não tem problema em passar de um tópico para outro
e, apesar dos sanguíneos encontrarem dificuldades pelo fato de falarem muito sobre eles
mesmos, elas falarão ocasionalmente, mais com piadas que a seriedade, mas,
eventualmente, se colocarão como o centro da conversa quando estiverem confortáveis.

Gostam de falar bobagens e têm um humor infantil, não encontrando problemas


ao caçoarem de si mesmas a fim de fazer outras pessoas rirem. Eles são bons em gracejar
e em fazer trocadilhos espirituosos. Como pessoas agradáveis, se esforçam para realizar
e entreter, concentrando-se em surpresas, que, claro, elas simplesmente adoram!

O tipo de personalidade secundária desempenha um papel importante na forma como


se ama.

➢ Por exemplo, a maioria das pessoas sanguíneas têm uma moral flexível, mas o
sanguíneo-melancólico geralmente tem valores morais fixos e procura um
parceiro que compartilhe deste comportamento. É provável que sejam mais
convencionais em seu namoro, fazendo coisas como: comprar buquês de flores,
chegar na hora, com uma insistência em saber em que ponto estão em um
relacionamento.

➢ Sanguíneos-fleumáticos procuram por harmonia. Eles são sensíveis às


necessidades de seus parceiros e têm um grande coração. Eles não escolherão
alguém que rivalizam em um relacionamento ou sobrecarregue sua agenda.

➢ Sanguíneas-coléricas são pessoas um pouco estranhas, diferentes. Eles têm nervos


de aço e vivem no limite, beirando cair do precipício, mas geralmente não sentem
que devem justificar suas ações e agem rapidamente. Precisam de um parceiro que
entenda sua necessidade de independência e esses homens e mulheres são os mais
carnais de todos os tipos, incluindo outros tipos sanguíneos.
Sanguíneos geralmente levam tempo para se comprometerem num
relacionamento, mas uma vez firmados neste propósito, podem ser amantes
verdadeiramente emocionantes e apaixonados.

O temperamento melancólico.

A alma do melancólico se excita debilmente por influências externas; e sua reação,


se é que ele reage, é mesmo assim débil. Mas tal excitação, ainda que sempre débil,
permanece por longo tempo na alma; e favorecida por novas impressões, que se repetem
no mesmo sentido, afunda mais e mais até apoderar-se e mover com violência a alma, e
não se deixa arrancar logo sem dificuldade. As impressões na alma do melancólico se
parecem a um poste, que a força de marteladas, se vai fundindo na dura terra com
crescente tensão, fixando-se com tanta firmeza, que não é fácil arrancá-lo. Esta nota
característica do melancólico merece especial atenção, posto que nos dá a chave para
chegar ao conhecimento de muitas coisas que na conduta do melancólico nos parecem
inexplicáveis.

Têm uma sensibilidade menos viva que a dos sanguíneos, mas profunda. São
naturalmente inclinados à reflexão, à solidão, ao silêncio, à piedade e vida interior.
Compadecem-se facilmente das misérias do próximo, são benfeitores da humanidade,
sabem levar a abnegação até o heroísmo, sobretudo ao lado dos enfermos.

Sua inteligência pode ser aguda e profunda, maturando suas idéias com a reflexão
e a calma. É pensador, gosta do silêncio e da solidão, possuindo uma característica
inclinação à tristeza. Pode ser um intelectual seco e egoísta, encerrando-se na sua torre
de marfim, ou um contemplativo que se ocupe das coisas de Deus e do espírito. Sente
atração pela arte e tem aptidão para as ciências. O melancólico sem formação incorre
facilmente num pensar contínuo, preocupado e num “sonhar acordado”, porque não é
capaz de resolver as múltiplas dificuldades que de todas as partes lhe assediam.

Embora com estas más inclinações, o temperamento melancólico tem seus lados
positivos. Por exemplo, o melancólico pratica com facilidade e gosto a oração mental. A
séria concepção da vida, o amor à solidão, a inclinação à reflexão, são ao melancólico de
todo muito proveitoso para conseguir uma grande intimidade em sua vida de oração. O
melancólico possui, por assim dizer, uma natural disposição à piedade. Contemplando as
coisas terrenas, pensa no eterno; caminhando na terra, lhe atrai o céu. Muitos santos
tiveram um temperamento melancólico. Contudo, também encontra o melancólico
precisamente em seu temperamento uma dificuldade para a oração. Porque, desanimando-
se nas adversidades e sofrimentos, lhe falta a confiança em Deus e assim se distrai com
seus pensamentos sombrios de pusilanimidade e tristeza. No trato com Deus, acha uma
profunda e indizível paz. Nada melhor que o melancólico para entender a palavra de Santo
Agostinho: “Nos criaste para Ti, oh Deus, e inquieto está nosso coração até que descanse
em Ti.”. O coração brando e cheio de afetos do melancólico sente no trato com Deus uma
imensa felicidade, a qual conserva também em seus sofrimentos, caso tenha suficiente
confiança em Deus e amor ao Crucificado. O melancólico é muitas vezes um grande
benfeitor da humanidade. O melancólico é para os demais um guia no caminho até Deus,
um bom conselheiro nas dificuldades, um supervisor prudente, benévolo e digno de
confiança.

Seus temperamentos mistos

O temperamento melancólico-sangüíneo. Caracteriza-se por uma débil


susceptibilidade de impressões, por uma reação igualmente débil e uma impressão não
tão duradoura como no temperamento melancólico. O temperamento sangüíneo comunica
ao melancólico algo de sua mobilidade, alegria e serenidade. Os melancólicos com um
colorido sangüíneo são aquelas boas pessoas e almas de Deus incapazes de ofender a nada
e sempre emocionadas; as quais, por outra parte, pecam por falta de força e energia.
Parecido é o temperamento sangüíneo-melancólico; só que nesta mescla ressalta mais a
superficialidade e a inconstância do sangüíneo.

O temperamento melancólico-fleumático. Homens de tal índole se prestam melhor


para a vida comum que os puramente melancólicos. Falta-lhes o rabugento, a rudez e o
pensamento profundo do melancólico, o qual se substitui pelo sossego e a insensibilidade
do fleumático. Estas pessoas não se escandalizam tão facilmente, sabem suportar insultos
e em seus trabalhos sabem manter-se tranqüilos e constantes.

IMPORTANTE: TEMPERAMENTO MELANCÓLICO

➢ Necessidades emocionais: almeja que as pessoas sejam sensíveis e


compreensíveis com eles, apoio quando baixo, espaço para ficar sozinho,
silêncio sem pessoas ao redor.
➢ Causas da Depressão: a vida não é perfeita, a dor emocional é insuportável,
falta de compreensão.
➢ Como alivia o estresse: ficando sozinho; lendo, estudando, meditando ou
rezando ; dormindo.
➢ Nível de energia: energia moderada, drenada por pessoas, precisa de paz e
tranquilidade.
A vida espiritual do Melancólico.

Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça (Mateus

5,6)

Santa Teresinha, a maior santa dos tempos modernos, superou as más


inclinações do seu temperamento melancólico. "Eu sou aquilo que Deus pensa de
mim" é uma de suas máximas.
Exemplo de Santos Melancólicos: São João Apóstolo, Santa
Edith Stein e Santa Teresa de Liseux.

O melancólico também padece de orgulho, mas de maneira muito peculiar. O


melancólico não aspira a honras: tem, pelo contrário, certo medo de mostrar-se em
público e de aceitar louvores. Teme muito ser envergonhado e humilhado. Retrai-se
muitas vezes aparentando deste modo as aparências de modéstia e humildade; mas em
realidade, não é esta uma prudente reserva, senão mais bem certo temor à humilhação.
Nos trabalhos cede as colocações e ofícios à presidência de outras pessoas menos
aplicadas e mesmo incapazes; sente-se, contudo, ferido em seu coração por não
considerar-se respeitado e apreciado o bastante em seus talentos. O melancólico, se quer
realmente chegar à perfeição, há de dirigir especialíssima atenção a este despeito,
arraigado no mais profundo de seu coração e fruto da soberba, como também a sua
sensibilidade e susceptibilidade às menores humilhações.

Os melancólicos sem confiança em Deus nem amor à cruz são arrastados em meio
de seus sofrimentos a um excessivo desalento, passividade e até mesmo ao desespero. Se
os melancólicos têm confiança em Deus e amor à cruz, acercam-se de Deus e se
santificarão precisamente pelos padecimentos [sofrimentos], como enfermidades,
fracassos, calúnias, tratos injustos, etc. Mas se lhes faltam virtudes, sua causa andará
muito mal. Sobrevirão-lhes penas, talvez muito insignificantes, então se entristecerão
deprimidos, enfadados e inquietos. Não falarão nada ou muito pouco, estarão com um
aborrecimento mesquinho e com cara rude; fugiram da companhia dos homens e chorarão
continuamente. Logo lhes acabará o ânimo para seguirem em seus trabalhos, perderão o
gozo em sua vida profissional encontrando sua maior complacência em ver tudo
sombriamente. Pensará durante todo o dia que não conhece senão dores e penas. Este
estado pode chegar a converter-se em uma melancolia formal e numa depressão.
Dificilmente poderá esquecer as ofensas. Os melancólicos que se abandonam a seus
sentimentos de tristeza, incorrem em muitas faltas contra a caridade e chegam a ser
danosos a seus próximos.
Por serem extremamente pessimistas, o melancólico deve dizer
constantemente pra si mesmo: a situação não está tão ruim como eu imagino, pois
tendo a dramatizar e levar tudo pro lado negativo. Além disso, o melancólico deverá
pedir a Deus a alegria e a paz sobrenaturais que excedem todo o entendimento (cf.
Filipenses 4,7). Como um grande amigo melancólico me disse uma vez: busco ser
alegre como um São Felipe Neri (um sanguíneo!).

O melancólico tem que fomentar em si grande confiança em Deus e amor aos


sofrimentos. Disto dependerá tudo, a confiança e o amor à cruz são dois pilares com os quais se
manterá em pé com tal firmeza que nem as provas mais graves hão de sucumbir pelos lados fracos
de seu temperamento. A desgraça do melancólico está no não levar a sua cruz; sendo sua salvação
o aceitá-la com gosto e alegria (não à força). Por este motivo, o melancólico deve ter muita
consideração sobre a divina Providência, a bondade do Pai celestial, que envia as penas para nosso
bem, e por fim, deve ter uma terna devoção à Paixão de Cristo e à Mãe dolorosa (Nossa Senhora
das Dores). O melancólico deve estar sempre bem ocupado, para não dar tempo a
pensamentos pesados e preocupados. No trabalho assíduo se supera a tudo.
A vida amorosa do melancólico

Enquanto a maioria das pessoas tende a se tornar apaixonada e um tanto irracional


quando se apaixonam, o amor melancólico é mais pragmático e pé no chão. Vêem seus
parceiros no amor como assistentes; suas preferências no amor são baseadas no senso
comum e na compatibilidade. Eles devem ser previsíveis, aderindo às tradições e leais à
família.

Gostam de ser realistas - estimam os fatos e são muito literais em tudo. Sua
conversa é detalhada e concreta, odiando o drama e podendo soar como uma pessoa não
romântica para outros temperamentos. Esta é a razão pela qual eles geralmente são
atraídos por seu próprio temperamento, especialmente quando eles estão dispostos a se
estabelecer e começar a família.

Os melancólicos não escolhem seus parceiros impulsivamente, fazem isso com


muita cautela, considerando as opiniões de seus amigos e parentes. Eles temem ser
criticados e é por isso que eles podem precisar de amigos e parentes para aprovar seu
namoro antes de se comprometerem. Esta é também uma das razões pelas quais as pessoas
melancólicas gostam de fazer coisas de casal dentro de um grupo maior de amigos.

A intimidade com este tipo de pessoas se desenvolve lentamente. Isso é


conveniente para os melancólicos - ao namorar e cortejar dessa forma eles podem pensar
cuidadosamente sobre seus planos e ir mais adiante pensando no casamento, nos filhos
etc. Eles podem planejar as coisas com antecedência e é importante para elas que o
romance seja planejado.

Sexo para melancólicos é uma maneira de esquecer problemas e relaxar. Não é


uma aventura, como é para os sanguíneos. Eles geralmente têm menos experiências
sexuais antes do casamento. Na verdade, os melancólicos são os menos sexuais de quatro
temperamentos - eles gostam de sexo, mas deleitam-se quando é familiar, não apreciando
assim o sexo casual.

O tipo de personalidade secundária desempenha um papel importante na forma como


se ama.

➢ Enquanto geralmente eles são muito cautelosos e cuidadosos, as pessoas


melancólicas-sanguíneas procuram por novidade dentro dos limites.
➢ Pessoas melancólicas-coléricas podem ser bastante inovadoras e saber como se
comprometer, estando entre o original e o convencional. Eles também são muito
ambiciosos e são tentados a levá-lo a lugares que são considerados difíceis de se
ir.
➢ As pessoas melancólicas-fleumáticas são confiantes e fáceis de seguir. Eles
adoram reunir as pessoas e são inclinados a apresentá-lo aos seus amigos e, muitas
vezes, encontrar namorando será uma experiência social para eles.

Os melancólicos procuram por um casamento - eles precisam de alguém


responsável e respeitoso às tradições; dedicado à vida familiar. Quando os
melancólicos encontram seu companheiro, eles assumem todas as responsabilidades
da parceria e geralmente são muito fiéis, o que para eles não é difícil
O temperamento fleumático e sua vida espiritual

Bem-aventurados os pacificadores, porque serão


chamados filhos de Deus. (Mateus 5,9)

Santo Tomás de Aquino, o maior teólogo católico de todos os tempos, era


fleumático.

Características essenciais com relação à excitabilidade: O fleumático não se excita


nunca, ou o faz tão só debilmente. A reação é assim mesmo débil, se é que não chega a
faltar por completo. As impressões recebidas desaparecem logo e não deixam vestígios
em sua alma. Em suma, o mundo pode estar desabando, mas o fleumático permanecerá
com o rosto praticamente inalterável. Podem fazer grandes sacríficios pelo próximo e
mesmo assim passarem desapercebidos, tão grande é a sua discrição. São como um rio
tranquilo e manso, quase nunca sofrem grandes explosões de ira ou são arrebatados pelas
paixões.
Boas qualidades – O fleumático trabalha devagar mas assiduamente, contanto que não
se exija dele um esforço intelectual demasiadamente grande. Não se irrita facilmente por
insultos, fracassos ou enfermidades. Permanece tranqüilo, sossegado, discreto e
criterioso. É sóbrio e tem um bom sentido prático da vida. Não conhece as paixões vivas
do sanguíneo, nem as profundas do melancólico, nem as ardentes do colérico. Carece em
absoluto de paixões. Sua linguagem é clara, ordenada, justa, positiva; mais do que brilho,
tem energia e atrativo.

O trabalho científico, fruto de uma larga paciência e de investigações conscienciosas,


lhe convém melhor que grandes produções originais. O coração é bom, mas parece frio.
Falta-lhe entusiasmo e espontaneidade, porque sua natureza é indolente e reservada. É
prudente, sensato, reflexivo, obra com segurança, chega aos fins sem violência, porque
aparta os obstáculos em lugar de os romper. Às vezes sua inteligência é muito clara.
Fisicamente, o fleumático é de rosto amável, de corpo robusto, de andar lento e vagaroso.
São Tomás de Aquino possuiu os melhores elementos deste temperamento, levando a
cabo um trabalho colossal com serenidade e calma imperturbáveis.

O trabalho científico, fruto de uma larga paciência e de investigações conscienciosas,


lhe convém melhor que grandes produções originais. O coração é bom, mas parece frio.
Falta-lhe entusiasmo e espontaneidade, porque sua natureza é indolente e reservada. É
prudente, sensato, reflexivo, obra com segurança, chega aos fins sem violência, porque
aparta os obstáculos em lugar de os romper. Às vezes sua inteligência é muito clara.
Fisicamente, o fleumático é de rosto amável, de corpo robusto, de andar lento e vagaroso.
São Tomás de Aquino possuiu os melhores elementos deste temperamento, levando a
cabo um trabalho colossal com serenidade e calma imperturbáveis.

Más qualidades – Sua calma e lentidão lhe faz perder muito boas ocasiões, porque
tarda muitíssimo em pôr-se em marcha. Não se interessa nada pelo que se passa fora dele.
Vive para si mesmo, em uma espécie de concentração egoísta. Não vale para o mando e
o governo. Não é afeiçoado a penitências e mortificações; se é religioso, não abusará dos
cilícios. É deles que Santa Teresa descreve com tanta graça: “As penitências que fazem
estas almas são concernentes com sua própria vida. Não tenhais medo de que se matem,
porque sua razão está muito em si” (Santa Teresa, terceira morada, 2,7). Em casos mais
agudos, convertem-se em homens átonos, mortiços e vagos, completamente insensíveis
às vozes de ordem que poderiam tirá-los de sua inércia.

Educação do fleumático – Pode-se tirar muito partido do fleumático, se lhe forem


incutidas convicções profundas e lhe forem exigidos esforços metódicos e constantes em
ordem à perfeição. Lentamente chegará muito longe. Deve-se sacudi-lo de sua inércia e
indolência empurrando-o às alturas, acender em seu coração apático a labareda de um
grande ideal. Deve-se estimulá-lo ao pleno domínio de si mesmo, excitando-o e pondo
em uso suas forças adormecidas; não como ao colérico, que deve obtê-lo contendo-se e
moderando-se.

Suas fraquezas espirituais são: sensualidade, preguiça e complacência. Em suas


práticas de piedade diárias, trabalhará na construção de uma grande confiança em Cristo,
ganhando fortaleza e prudência. Irá ao encontro de Cristo em oração todas as manhãs,
mantendo uma comunhão espiritual com Ele durante o dia. Um exame de consciência à
noite ajudará a combater qualquer tentação à preguiça espiritual. Deve cultivar apreço
pelas orações litúrgicas, como o Rosário e a Liturgia das Horas.

IMPORTANTE: TEMPERAMENTO FLEUMÁTICO

Necessidades emocionais: paz e sossego, sensação de que é valorizado, vida


sem estresse, respeito por quem ele é.

Causas da Depressão: a vida está no caos, devo enfrentar problemas; pressão para
produzir.

Como se alivia do estresse? Relaxando, ligando a televisão, comendo e dormindo.

Nível de energia: nível de energia baixo, precisa de muito descanso, drenado por
pessoas.
A vida amorosa do fleumático

O amante fleumático é o mais sensível dos quatro temperamentos. Quando


estão com seus parceiros em potencial, os fleumáticos almejam por pessoas que
pensam como eles e com quem estejam engajados emocionalmente, o que servirá
como uma ponte de coração para coração.

Como eles revelam seus sentimentos no começo, podem ser profundamente


feridos pela rejeição. Não vêem o namoro como uma experiência divertida como fazem
os sanguíneos. Namorar para o fleumático é estar sempre em busca de um casamento
ou de um namoro de longo prazo e eles tendem a procurar vínculo, estímulos e
apego. Na verdade, quando namoram, eles realmente se dão a conhecer, ficando tão
cansados emocionalmente que, por vezes, param de namorar por um período de tempo.

Uma vez que as pessoas fleumáticas acham sua cara metade, trabalham para
manter a intimidade com esse parceiro. Eles evitarão conflitos, farão grandes ajustes e
sacrifícios - tudo por causa desse vínculo estimado. Tudo o que acontece dentro do
relacionamento, como uma chamada estranha no telefone ou um e-mail são vistos como
uma parte importante de seu relacionamento, pois eles gostam de analisar seus
relacionamentos e os pensamentos/motivos de seus companheiros.
De todos os temperamentos, é o mais romântico. Eles se apaixonam com mais
frequência e o romance é decisivo para eles; planejam noites românticas e fins de semana
com antecedência. Eles lhe enviarão cartões românticos; abraçam e confessam seu amor
na esperança de que você responda com o mesmo. O sexo também deve ser romântico e,
se chegam a fazê-lo, esperam que um bom relacionamento se desenvolva. Para elas, o
sexo e o amor estão interligados - exatamente o oposto da abordagem dos sanguíneos.

Pelo fato das pessoas fleumáticas fantasiarem muito, eles tendem a idealizar seus
parceiros. É somente quando se aprofundam no relacionamento e descobrem que seu
parceiro perfeito não é tão perfeito como pensavam, que o namoro é considerado
praticamente arruinado ou "envenenado" até o ponto em que nem sequer pode ser mais
interessante para eles.

Pelo fato das pessoas fleumáticas fantasiarem muito, eles tendem a idealizar seus
parceiros. É somente quando se aprofundam no relacionamento e descobrem que seu
parceiro perfeito não é tão perfeito como pensavam, que o namoro é considerado
praticamente arruinado ou "envenenado" até o ponto em que nem sequer pode ser mais
interessante para eles.

O tipo de personalidade secundária desempenha um papel importante na forma como


se ama.

➢ Fleumáticos-sanguíneos andam a procura de um amor verdadeiro, mas ao mesmo


tempo gostam de parceiros divertidos e aventureiros.

➢ O fleumático-melancólico é ótimo para dirigir pessoas, bem como muito


simpático e atento, sendo muito calorosos e encantadores.

➢ As pessoas fleumáticas-coléricas também procuram sua alma gêmea, mas podem


ser difíceis e analíticas ao mesmo tempo
De modo geral, todos os tipos de fleumáticos valorizam o casamento e se casar é
seu objetivo final em um relacionamento. Eles são daqueles que procuram um amor
incondicional - algo que a maioria das outras pessoas nem entendem o que é. Se eles
percebem que seu parceiro não é sua alma gêmea e não se tornará sua alma gêmea,
eles vão deixá-lo em busca de sua única cara metade.
O temperamento ideal

Menino Jesus – Fra Angelico

Se quisermos estabelecer, em sintética visão de conjunto, as características do


temperamento ideal, tomaríamos algo de cada um que acabamos de descrever. Ao
sanguíneo, pediríamos sua simpatia, seu grande coração e sua vivacidade; ao melancólico,
a profundidade e a delicadeza de sentimentos; ao colérico, sua atividade inesgotável e sua
tenacidade; ao fleumático, o domínio de si mesmo, a prudência e a perseverança.

Conseguir pelo esforço sistemático e inteligente este ideal humano, que a


natureza não pode conceder a quase ninguém, conduz à difícil empresa do
aperfeiçoamento e melhora do próprio temperamento, juntamente com o rude trabalho da
formação do caráter
Fontes:

Os 4 temperamentos – Pe. Conrad Hock


Textos do site: http://interpersonal-compatibility.blogspot.com.br/
Bennett, Bennett - The Temperament God Gave You, 2005
Teología de la perfección cristiana – Pe. Antonio Royo Marín. BAC,
Madrid, 1958.