Sei sulla pagina 1di 36

SPDA

Sistema de proteção de descargas


atmosféricas
Prof. Msc Batista

1
Descarga atmósferica

• Raio: é uma gigantesca


faísca elétrica, dissipada
rapidamente sobre a terra,
causando efeitos danosos.

• Relâmpago: é a luz gerada


pelo arco elétrico do raio.

• Trovão: é ao ruído (
estrondo) produzido pelo
deslocamento do ar devido
ao súbito aquecimento
causado pela descarga do
raio.

Prof. José Batista


Descarga atmósferica

(a) Nuvem -Terra negativa


(b) Nuvem -Terra positiva
(c) Terra - Nuvem negativa
(d) Terra - Nuvem positiva
(e) Intra – Nuvem
(f) Nuvem - Ar
(g) Nuvem - Nuvem

Prof. José Batista


Introdução

As descargas atmosféricas podem


afetar os edifícios (descargas
diretas) e as instalações elétricas e
de telecomunicações (efeitos
indiretos).
As descargas diretas são
prevenidas com a utilização de
pára-raios nos edifícios.

Pára-raios
Conjunto de equipamentos cuja finalidade é proteger um edifício ou uma
estrutura e o respectivo conteúdo contra os efeitos perniciosos das descargas
atmosféricas directas neles incidentes.

4
Prof. José Batista
Consideram-se partes fundamentais de um pára-raios:
Captor, condutor de descida, elétrodo de terra.

Captor
Condutor de
descida

Elétrodo de
terra

5
Prof. José Batista
Mapas da densidade de relâmpagos
Km2/ano

Prof. José Batista


Região espacial de proteção
É a zona espacial protegida pelo pára-raio. Se o raio cair nesta
zona, ele preferirá o caminho através do pára-raio. A maior
evolução, desde a descoberta do pára-raio, ocorreu na definição
da área protegida (zona espacial protegida). Basicamente temos
dois métodos de definição da área protegida:
• Método da haste vertical de Franklin
• Método da malha ou gaiola de Faraday

Vertical de Franklin Gaiola de Faraday


Prof. José Batista
Observações:
• O sistema Franklin, recomendado para edificações de pequeno porte, deve
ser instalado em poste ou torre fora da edificação, porém dentro do raio de
ação (conforme indicar o método da esfera rolante). Desaconselha-se a
instalação do sistema sobre telhados, sob o risco de provocar danos à
cobertura e eventuais infiltrações de água no futuro.
• Outro fator a ser levado em consideração é o impacto estético que essa
instalação (chamada de "paliteiro") acarreta para a edificação.
• Para galpões e prédios, o melhor sistema é a Gaiola de Faraday.
• Para locais onde são armazenados ou produzidos materiais inflamáveis e
explosivos, o sistema "fisicamente isolado" (poste ou torre metálicos) é o
mais indicado, com acréscimo de um cabo aéreo, passando por cima da
edificação, dependendo do grau de risco de explosão.
• Um sistema batizado de "estrutural" (embutido no concreto armado) vem
sendo muito usado em Minas Gerais desde a publicação da NBR 5419/93
(junho1993). Do ponto de vista da proteção contra descargas atmosféricas,
esse sistema tem-se mostrado bastante eficiente e aproximadamente 30%
mais econômico que os sistemas externos/embutidos. Sua aplicação é
destinada principalmente a prédios, podendo também ser implantado em
galpões industriais.
Prof. José Batista
Região espacial de proteção

Prof. José Batista


Região espacial de proteção

Prof. José Batista


Região espacial de proteção

Prof. José Batista


REGIÃO ESPACIAL DE PROTEÇÃO

A cada 20m

Prof. José Batista


Materias
de Para raios

13
Prof. José Batista
Método da haste vertical de Franklin

Este método é baseado na proposta de


Benjamim Franklin e tem por base uma
haste elevada. Esta haste na forma de
ponta , produz, sob a nuvem
carregada, uma alta concentração de
cargas elétricas, juntamente com um
campo elétrico intenso. Isto produz a
ionização do ar , diminuindo a altura
efetiva da nuvem carregada, o que
propicia o raio através do rompimento
da rigidez dielétrica do ar.

Prof. José Batista


Método da haste vertical de Franklin

Prof. José Batista


Método da haste vertical de Franklin

Prof. José Batista


Materias de Para raios

17
Prof. José Batista
O método Faraday
• O método Faraday é também conhecido como método da utilização dos
condutores em malha ou gaiola.
• Captores em malha consistem em uma rede de condutores dispostos no plano
horizontal ou inclinado sobre o volume a proteger. As gaiolas de Faraday são
formadas por uma rede de condutores envolvendo todos os lados do volume a
proteger.
• Quanto menor forem as distancias dos condutores das malhas, maior será o
nível de proteção.

Prof. José Batista


Captor

Prof. José Batista


Captor

Prof. José Batista


Para raios tipo franklin

21
Prof. José Batista
Para raios tipo franklin

22
Prof. José Batista
Para raios tipo franklin

23
Prof. José Batista
Para raios tipo franklin

24
Prof. José Batista
Para raios tipo franklin

25
Prof. José Batista
Região espacial de proteção

Cabo

26
Prof. José Batista
Para raios tipo gaiola de faraday

• É uma proteção muito eficiente e


largamente utilizada. Consiste em
cobrir a edificação com uma grade
metálica que está devidamente
aterrada.

27
Prof. José Batista
Para raios tipo gaiola de faraday

Cordoalha

28
Prof. José Batista
Para raios tipo gaiola de faraday

Prof. José Batista


Para raios tipo gaiola de faraday

Prof. José Batista


Para raios tipo gaiola de faraday

Prof. José Batista


Para raios tipo gaiola de faraday
ÁREA DE CAPTAÇÃO

33
Prof. José Batista
Para raios tipo gaiola de faraday

Prof. José Batista


Para raios tipo gaiola de faraday
Número de descidas

𝑃
𝑁𝑑 =
𝑑

Afastamento entre as descidas


𝑃
𝐷𝑑 =
𝑁𝑑

Prof. José Batista


Para raios predial - Estrutura

Prof. José Batista