Sei sulla pagina 1di 47

1

MECÂNICA GERAL II

Gilson Finotti

Dez/16 (r18)
2

OBSERVAÇÕES INICIAIS

1ª. Esta apostila é um mero resumo de aulas para auxiliar os alunos no estudo preliminar da
disciplina. Foi baseada nos livros da Bibliografia abaixo, principalmente no livro de BEER e
JOHNSTON (Bibl. n°1) cuja simbologia procuramos adotar, a fim de facilitar as consultas dos
alunos. Seu objetivo é minimizar a necessidade de anotações em aulas de forma a manter, ao
máximo, a atenção dos alunos nas exposições da matéria.
Tratando-se de um mero resumo, evidenciam-se as suas limitações, não eximindo, portanto,
o aluno da necessidade do estudo dos livros indicados na Bibliografia abaixo, os quais,
enfaticamente recomendamos.
Informações sobre erros, correções, críticas ou qualquer contribuição para a melhoria e
aprimoramento desta apostila serão sempre bem vindas e, desde já, agradeço.

2ª. Para simplificar a apresentação das figuras optamos por mostrar os corpos (barras, vigas,
etc.) em projeção, ou em corte, em vez de representá-los em perspectiva. Isto foi adotado sempre
que as forças aplicadas ao corpo estão contidas no seu plano de simetria ou coincidente com seu
eixo, e desde que não haja prejuízo de seu entendimento, como mostrado a seguir:

3ª. Em todo desenvolvimento teórico ou prático desprezamos a influência dos pesos


próprios dos corpos a menos, logicamente, quando mencionado o contrário.

4ª. Optamos por simbolizar os vetores, às vezes, através de letras em negrito (F) e, ás vezes,
por uma letra sobreposta com uma seta F .
Gilson Finotti
Engenheiro Mecânico pela Escola de Engenharia da UFMG
Mestre em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica da USP

Bibliografia
1) BEER, Ferdinand P.; JOHNSTON Jr., E. Russell. Mecânica Vetorial para Engenheiros Estática. 5ª Ed. São Paulo: Ed. Makron
Books do Brasil, 1994
2) BEER, Ferdinand P.; JOHNSTON Jr., E. Russell. Mecânica Vetorial para Engenheiros Cinemática e Dinâmica. 5ª Ed. São
Paulo: Ed. Makron Books do Brasil,
3) HIBBELER, R. C. Estática (Mecânica para engenharia). 10 Ed. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall, 2006, 540p
4) HIBBELER, R. C. Dinâmica (Mecânica para engenharia). 12 Ed. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall, 2011, 591p
5) BEER, Ferdinand P.; JOHNSTON Jr., E. Russell. Resistência dos Materiais. 3 ª Ed. São Paulo: Editora Makron Books do Brasil,
1996, 1255P
6) MERIAN, J. L.; KRAIGE, L. G. Mecânica: Estática. Vol. 1. Rio de Janeiro: LTC, 2004
7) SHAMES, Iving Herman. Estática: Mecânica para Engenharia Vol 2. 4 Ed. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall, 2002
8) TIMOSHENKO, S.: GERE, J, M. Mecânica dos Sólidos Vol 2. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1998
9) McLEAN, NELSON, Mecânica Coleção Schaum. Rio de Janeiro: Editora McGraw-Hill do Brasil Ltda., 1970
3

SUMÁRIO

1 TRELIÇAS PLANAS .................................................................................................................. 5


1.1 Introdução .............................................................................................................................. 5
1.2 Tipos de treliças ..................................................................................................................... 5
1.3 Condição básica de isostaticidade ......................................................................................... 6
1.4 Grau de hiperestaticidade ...................................................................................................... 7
1.5 Métodos para resolução de treliças isostáticas ...................................................................... 7
1.6 Método dos nós ...................................................................................................................... 8
1.7 Exercícios ............................................................................................................................ 11
1.8 Método das seções .............................................................................................................. 12
1.9 Exercícios ............................................................................................................................ 16
2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS .................................................................................................. 17
2.1 Estruturas ............................................................................................................................. 17
2.2 Forças internas e externas .................................................................................................... 17
2.3 Tipos de estruturas ............................................................................................................... 18
2.4 Estrutura deformável e indeformável .................................................................................. 18
2.5 Estruturas isostática, hiperestáticas e hipostáticas ............................................................... 19
2.6 Resolução de uma estrutura indeformável ........................................................................... 19
2.7 Resolução de uma estrutura deformável .............................................................................. 20
2.8 Exercício resolvido .............................................................................................................. 21
2.9 Exercícios ............................................................................................................................ 23
3 CONCEITOS SOBRE TENSÕES ............................................................................................. 25
3.1 Introdução ............................................................................................................................ 25
3.2 Tensão normal causada por tração ou compressão .............................................................. 25
3.3 Unidades das tensões ........................................................................................................... 26
3.4 Exercícios ............................................................................................................................ 27
3.5 Tensão de cisalhamento. ...................................................................................................... 29
3.6 Exercício resolvido .............................................................................................................. 30
3.7 Exercícios ............................................................................................................................ 31
4 PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS DAS FIGURAS PLANAS .............................................34
4.1 Momento estático (ou momento de primeira ordem) .......................................................... 34
4.2 Centro de gravidade (ou centróide) ..................................................................................... 34
4.3 Exercícios ............................................................................................................................ 35
4.4 Determinação do centro de gravidade (centróide) de uma figura plana. ............................. 36
4.5 Exercícios ............................................................................................................................ 39
4.6 Momento de inércia (ou momento de segunda ordem) ....................................................... 40
4

4.7 Raio de giração .................................................................................................................... 41


4.8 Teorema dos eixos paralelos ................................................................................................ 42
4.9 Exercício .............................................................................................................................. 42
4.10 Momento de inércia de uma área composta ..................................................................... 43
4.11 Exercícios ......................................................................................................................... 43
4.12 - Tabela 1: Características Geométricas. Formulário 1 ................................................... 45
4.13 Tabela 2: Características Geométricas. Formulário 2 ...................................................... 46
5.14 Tabela 3: Perfis laminados Padrão Americano (CSN) .........................................................47
5

Treliças são estruturas constituídas por um conjunto de barras interligadas em suas


extremidades e dispostas de tal forma que sejam solicitadas somente por forças axiais (tração ou
compressão), cujo carregamento e as reações de apoio são forças concentradas nos nós, os quais se
supõe que funcionem como articulações.

As treliças podem ser planas ou tridimensionais. As treliças planas são aquelas que têm os
eixos de todas as barras situados num mesmo plano. Nas treliças tridimensionais os eixos de suas
barras não se situam no mesmo plano. Neste nosso estudo trataremos somente de treliças planas.
As treliças também podem ser divididas em isostáticas, hiperestáticas e hipostáticas. Neste
trabalho somente trataremos de treliças isostáticas.
Treliças isostáticas são aquelas em que apenas com as equações de equilíbrio da estática
podemos determinar não só as reações de apoio, como também, os esforços em cada barra.
Exemplos deste tipo de treliça estão mostrados na Figura 1: Treliças para coberturas e Figura 2:
Treliças para pontes.

Figura 1: Treliças para coberturas

Figura 2: Treliças para pontes


6

Já nas treliças hiperestáticas isto não acontece, pois, as equações de equilíbrio da estática
não são suficientes, seja para a determinação dos esforços nas barras - neste caso são chamadas de
internamente hiperestáticas (Figura 3-a) - seja para a determinação das reações de apoio - neste caso
são chamadas de externamente hiperestáticas (Figura 3-b).

Figura 3

Treliças hipostáticas são aquelas cujo número de incógnitas é inferior ao número de


equações de equilíbrio da estática. Ver o exemplo da Figura 4. Este tipo de treliça não poderá
permanecer em equilíbrio, ou, se isto acontecer devido a atuação de cargas externas, seu equilíbrio
será instável.

Figura 4

A verificação da condição básica de isostacidade (mesmo número de equações de equilíbrio


da estática e de incógnitas) numa treliça pode ser feita substituindo-se os apoios pelas respectivas
reações e substituindo-se as barras pelos seus esforços sobre os nós, segundo os quais, as barras
convergem. Isolamos deste modo todos os nós que seriam agora considerados como pontos em
equilíbrio sujeitos a cargas externas e esforços das barras ou apenas estes.
Este procedimento está exemplificado através das Figura 5-a e Figura 5-b.

Figura 5
7

Ao observarmos a Figura 5 vemos que cada nó estará sujeito a um sistema de forças


concorrentes, coplanares, cujas condições de equilíbrio podem ser representadas por:
Fx 0 ou H 0
Fy 0 V 0
Sendo n o número de nós teremos então 2n equações. Por outro lado, o número total de
incógnitas é b v , sendo b o número de barras e v o número de vínculos externos (reações de
apoio).
A condição básica de isostaticidade é, portanto,
b v 2n (1)
Esta é a condição necessária, mas, ainda não suficiente. De fato, pode acontecer que uma
estrutura embora satisfazendo a equação (1) seja parcialmente hipostática e parcialmente
hiperestática. Na Figura 6 damos um exemplo de uma treliça parcialmente hipostática e
parcialmente hiperestática. Esta treliça foi obtida da treliça isostática da Figura 5-a, retirando-se a
barra FD e acrescentando-se barra GE, mantendo-se, portando, a quantidade original de barras. Este
tipo de treliça não pode permanecer em equilíbrio estável, pois a malha CDFG é retangular e,
portanto, deformável, ao contrário da malha triangular que é indeformável. Este é um cuidado que
devemos ter ao examinarmos as treliças porque, na maior parte dos casos, malhas retangulares ou
quadradas transformam-nas em instáveis (internamente hipostáticas).

Figura 6

Evidentemente se tivermos b v 2n a treliça será hiperestática e o seu grau de


hiperestaticidade (GH) será medido pela diferença GH b v 2n .
Por exemplo, na treliça da Figura 3-a temos:
n 10 , b 21, v 3 . Então o grau de hiperestaticidade será GH 21 3 2.10 4 .
Neste caso estamos considerando que no cruzamento das barras diagonais não existe nó, isto
é, neste cruzamento as barras não são interligadas. No caso de haver ligação entre as barras
diagonais, a quantidade de barras altera-se para b 29 e a quantidade de nós passa para n 14 , no
entanto, o GH permanece o mesmo: .

Existem vários métodos para resolução de treliças e dentre eles estudaremos o Método dos
Nós e o Método das Seções. O Método de Cremona é um método gráfico e não o estudaremos.
O primeiro passo a ser dado na resolução de uma treliça é calcular suas reações de apoio, o
qual é feito como se a treliça fosse um corpo único. Posteriormente passamos para o cálculo dos
esforços normais nas barras, onde poderemos empregar os vários métodos citados.
Nas barras de uma treliça, por definição, não existe momento mas somente esforço de tração
ou compressão. No caso de uma barra tracionada os vetores que representarão o esforço normal será
indicado conforme mostra a Figura 7-a. Como se pode observar, os vetores indicam a ação da barra
8

sobre os nós de suas extremidades. Na Figura 7-b exemplificamos a representação dos vetores em
uma barra comprimida.

Figura 7

Consiste em substituirmos os apoios pelas respectivas reações e as barras pelos esforços que
as mesmas transmitem aos nós (ver Figura 5-b). O que fazemos é isolar cada nó que se transforma
em um ponto de equilíbrio de várias forças concorrentes e coplanares, onde se aplicam as equações
de equilíbrio da estática : Fx 0 e Fy 0
Devemos ter em mente que só possuímos duas equações e, portanto, só é possível
determinarmos duas incógnitas. Devemos então começar pelos nós cuja quantidade de barras é dois
para, em seguida, passarmos para os nós nos quais concorrem mais de duas barras, mas que restam
apenas duas a serem determinadas.

Exemplo:
Empregando o método dos nós resolver a treliça mostrada na Figura 8.

Figura 8

Solução:
Vemos que esta treliça satisfaz a condição necessária de isostacidade pois temos b 13 ,
3 e n 8 então 13 3 2.8. Além disso, na treliça dada vemos que todas as malhas formadas
pelas barras são triângulos. Se houvessem malhas quadradas ou retangulares a treliça
provavelmente seria internamente hipostática. Podemos ver também que não há superabundância de
barras (diagonais em x) o que causaria uma hiperestaticidade interna. Externamente vemos também
9

que ela é isostática, pois, possui um apoio articulado fixo e um apoio articulado, móvel em posições
adequadas.

1) Cálculo das reações de apoio


Devemos em primeiro lugar desenhar os vetores das reações de apoio, conforme o fizemos
na figura 8. Se no resultado do cálculo das reações o sinal de uma ou mais delas for negativo, isto
quer dizer que os respectivos sentidos dos vetores são, na realidade, contrários aos desenhados.
Para escrever as equações da estática necessitamos decompor a força de 4000N em suas
componentes horizontal e vertical, isto é, F x 4000.sen30 e Fy 4000. cos 30 . Então temos
Fx 0 Ax 4000.sen30 0
Fy 0 Ay B y 4000. cos 30 3000 2000 0
( MB 0 Ay .4 4000.( sen30 ).1,5 4000.(cos 30 ).3 3000.2 2000.1 0
Resolvendo estas equações, obtemos:
Ax 2000N Ay 3848N By 4616N

2) Cálculo dos esforços nas barras


Numeramos cada barra de 1 a 13 de modo que podemos identificar o esforço em cada barra
por Fn , onde índice n representa o número da barra.
Para a determinação dos esforços nas barras devemos isolar cada nó, substituindo as barras
pelos respectivos esforços que exercem sobre o nó, como o fizemos na Figura 9.
Consideraremos de início como se todas as barras fossem tracionadas. Após a execução do
cálculo se o sinal da força exercida pela barra der negativo, isto quer dizer que a mesma está
submetida a compressão. Podemos então escrever uma tabela no final do processo com os
resultados obtidos para cada barra. Aquelas barras cujo esforço é positivo estão, portanto, sujeitas a
tração e se negativo, estão sujeitas a compressão.
Cada nó, portanto, se constitui num ponto material sujeito a várias forças (sistema de forças
concorrentes) e para o cálculo destas forças podemos utilizar as equações de equilíbrio da estática
para as quais adotaremos as seguintes convenções de sinais:
Forças horizontais para direita e forças verticais para cima são positivas: e

Figura 9
10

Nó A
Começamos por este nó porque concorrem nele somente duas barras e, portanto, é possível a
determinação de seus esforços com as duas equações da estática. Utilizando o diagrama de corpo
livre do nó A, mostrado na Figura 9, podemos escrever as equações de equilíbrio:
Fx 0 2000 F1. cos F2 0
Fy 0 3848 F1 .sen 0
1,5
Sendo arctg 56,31
1
Resolvendo as equações obtemos F1 4625N F2 4562N

Nó C
Escolhemos agora este nó pelos mesmos motivos citados no nó A. Não poderíamos, neste
passo, ter escolhido o nó F, pois, nele concorrem 4 barras das quais somente conhecemos o esforço
na barra 1 (calculado no passo anterior) e, deste modo, não é possível com as duas equações da
estática determinarmos os esforços nas outras três barras. Utilizando o diagrama de corpo livre do
nó C, mostrado na Figura 9, podemos escrever as equações de equilíbrio:
Fx 0 F2 F4 4562 F4 0
Fy 0 F3 0
Resolvendo as equações obtemos F3 0 F4 4562N
Nó F
Fx 0 F1 . cos 4000.sen30 F6 F5 . cos 0
( 4625).cos56,31 4000.sen30 F6 F5 . cos56,31 0
Fy 0 F1 .sen 4000. cos 30 F5 .sen F3 0
( 4625).sen56,31 4000. cos30 F5 .sen56,31 0 0
Resolvendo as equações obtemos F5 461N F6 4818N

Nó G
Fx 0 F6 F8 0
Fy 0 3000 F7 0
Resolvendo as equações obtemos F7 3000N F8 4818N

Nó D
Fx 0 F4 F5 . cos F9 . cos F10 0
Fy 0 F7 F5 .sen F9 .sen 0
Resolvendo as equações obtemos F9 3145N F10 3075N

Nó E
Fx 0 F10 F12 0
Fy 0 F11 0
Resolvendo as equações obtemos F11 0 F12 3075N

Nó H
Fy 0 2000 F9 .sen F11 F13 .sen 0
Com esta equação determinamos o esforço da última barra F13 5549N
11

Vamos fazer a equação Fx a título de verificação


Fx 0 F8 F9 . cos F13 . cos 0
Com esta equação chegamos ao mesmo valor de F13 5549N
Do mesmo modo podemos conferir através do cálculo no nó B.

RESULTDADO:
BARRA ESFORÇO (N)
1 -4625
2 +4562
3 0
4 +4562
5 +461
6 -4818
7 -3000
8 -4818
9 +3145
10 +3075
11 0
12 +3075
13 -5549

1) Usando o método dos nós determinar os esforços nas barras da seguinte estrutura:

Respostas:
Barra kN
1 60,0
2 60,0
3 -72,1
4 -60,0
5 30,0
6 20,0
7 -36

2) Resolver os Problemas 6.1 a 6.12 (pag. 385 e seguintes) do BEER e JOHNSTON (Bibl.
n°1).
12

Este método consiste em se cortar uma ou mais barras da treliça, substituindo-as pelos
esforços que as mesmas exercem sobre os nós das extremidades, restabelecendo-se, deste modo, o
equilíbrio da estrutura. Por isso é um processo mais vantajoso quando se procura determinar os
esforços em barras isoladas da treliça.

Exemplo 1
Determinar o esforço normal na barra GH da estrutura mostrada na Figura 10.

Figura 10
Solução:
1) Reações de apoio
Em primeiro lugar desenhamos os vetores das reações de apoio. Como todas as forças
atuantes na estrutura são verticais não existe força de reação horizontal. Portanto, não há
necessidade de desenharmos vetor de reação horizontal
Devido à simetria das forças atuantes as reações de apoio serão:
P3
V A V B P1 P2 (1)
2
2) Esforço na barra GH
Cortando-se a barra GH e substituindo-a pelo esforço F conforme a Figura 11, a estrutura
ficará articulada em D. Assim sendo, a força F deve ser tal que venha a restabelecer o equilíbrio das
duas partes da estrutura articuladas em D. Com o corte na barra GH as duas partes da estrutura
tendem a sofrer uma rotação em torno da articulação D. Para o equilíbrio é necessário que o
momento de todas as forças atuantes em cada uma das partes, em relação ao ponto de articulação D,
seja nulo.

Figura 11
No exemplo dado é mais simples calcularmos o momento da parte esquerda. Então o
momento das forças atuantes na parte esquerda da estrutura deve ser nulo e é calculado por:
( M D V A .2.a P1 .2.a P2 .a F .b 0 (2)
Pelas equações (1) e (2) acharemos
13

a.( P2 P3 )
F
b
Exemplo 2
Determinar o esforço normal na barra GD da estrutura do exemplo anterior.

Figura 12

Solução:
Ao cortarmos a barra GD haverá a possibilidade de movimento relativo (na vertical) entre as
duas partes separadas pelo painel CDGH conforme mostra a Figura 12-b.
Podemos escrever então a equação de equilíbrio da parte à esquerda do painel considerando
a força F (Figura 12-a) que a barra GD exerce nesta parte, isto é,
V V A P 1 P2 F . cos 0
Va P1 P2
e obtemos F
cos

Exemplo 3
Considerando a mesma treliça dos exemplos anteriores pede-se determinar as forças normais
nas barras GH, GD e CD.

Solução:
Ao cortarmos estas três barras GH, GD e CD, conforme mostra a Figura 13, a treliça ficará
dividida em duas partes distintas as quais estarão sob a ação das forças exercidas por estas três
barras. Estas três forças são coplanares e não concorrentes. Neste caso podemos empregar as
equações da estática para um lado ou outro da treliça. Se as forças fossem concorrentes ou em
quantidade maior que três não poderíamos resolver com este método.
Para a solução do problema vamos escolher a parte esquerda da treliça porque está
submetida a menor quantidade de forças e, assim, menos trabalhosa.
14

Figura 13

Vamos então escrever as equações de equilíbrio da estática:


Fx F1 F2 .sen F3 0
Fy VA P1 P2 F 2. cos 0
( MG V A .a P1 .a F3 .b 0

Resolvendo estas equações obtemos:


2.V A 2.P1 .a P 2 .a
F1
b
.V A P1 P 2
F2
cos
.V A .a P1 .a
F3
b

Exemplo 4
Considerando a treliça mostrada na Figura 14 pede-se determinar as forças normais nas
barras 1 a 4.

Figura 14

Solução:
Neste exemplo não é possível a separação da estrutura, em duas partes distintas, cortando-se
apenas três barras. Será necessário efetuar duas séries de cortes conforme mostrado nas Figura 15 e
Figura 16.
15

Figura 15

Pela Figura 15 vemos que temos 4 incógnitas e somente 3 equações de equilíbrio da estática.
Entretanto, considerando-se o corte efetuado conforme mostra a Figura 16 conseguiremos mais três
equações perfazendo então no total 6 equações e 6 incógnitas.

Figura 16

Como não foram pedidas as forças F5 e F6 no problema podemos então resolvê-lo do


seguinte modo:
Pela Figura 16, tomando-se a parte esquerda da treliça, temos:
H F1 F4 0
( MC F1 .b V A .2.a P.a 0
Destas duas equações obtemos
P.a 2.a.V A
F1 F4 e F1
b
Pela Figura 15, considerando-se também a parte esquerda da treliça, temos
H F2 .sen F3 .sen F1 F4 0
V VA 2.P 2.F2 . cos 0
Destas equações obtemos:
2.P .V A
F2 F3 e F2
2. cos
16

1) Utilizando o Método das Seções determinar a força na barra GH da seguinte treliça

Resposta: FGH = 16kN (Compressão)

2) Considerando a mesma treliça do exercício anterior determinar as forças nas barras GH,
GC e BC, utilizando o Método das Seções.

Respostas: FGH = 16kN (Compressão), FGC = 6,4kN (Tração), FBC = 12kN (Tração)

Resolver exercícios 6.21 e seguintes (pag. 397 e seguintes) do BEER e JOHNSTON (Bibl. n°1).
17

Estrutura é todo suporte constituído por uma barra ou por um conjunto de barras
interligadas, desenvolvido para suportar forças ou cargas. Por exemplo, a Figura 17 mostra uma
estrutura formada por duas barras, AD e BC, que suporta a força P . Neste nosso estudo as
interligações entre as barras serão sempre consideradas como se fossem articulações, mesmo
quando sejam ligações soldadas ou rigidamente aparafusadas.

Figura 17

Numa estrutura existem forças externas e internas. As forças externas são as cargas que a
estrutura suporta, seu peso próprio e as suas reações de apoio. No caso da Figura 17 as forças
externas são a força P , o peso próprio da estrutura (não mostrada) e as reações de apoio A e B .
As forças internas são as forças que mantém unidas suas partes. Numa estrutura podemos
separar cada barra substituindo suas partes vizinhas pelas forças que as mesmas exercem sobre ela.
No caso da estrutura da Figura 17 separamos as duas peças AD e BC conforme mostra a Figura 18.
A força interna é aquela que atua na ligação C entre as duas peças AD e BC, e tem módulo B .
Considerando agora cada parte isoladamente, as forças que atuam nelas passam a ser forças
externas. Por exemplo, a barra BC está sendo comprimida pelas forças externas B e B . Estas
forças são forças axiais, pois, sua linha de ação coincide com o eixo da barra BC. Portanto a barra
BC está submetida somente a duas forças. São forças iguais e opostas, pois, a barra BC está em
equilíbrio.

Figura 18
18

A barra AD, por sua vez, está submetida às seguintes forças externas: P , A e B . Neste
caso a barra está sujeita a três forças que não possuem a mesma direção do eixo da barra.

Pela terceira lei de Newton a ação que um corpo, que está em contato com outro, exerce
sobre este outro é igual e contrária à reação deste sobre o primeiro. Isto é o que acontece no ponto C
da estrutura: a força B que a barra CB exerce no ponto C da barra AD é igual e oposta à força que
esta exerce no mesmo ponto C da barra CB, isto é, B . Esta é uma propriedade importante que
devemos levar em conta nas soluções dos exercícios.

BEER e JOHNSTON (Bibl. n°1) subdividem as estruturas em três categorias: Treliças,


Estruturas e Máquinas:
- Treliças. Já vimos no capítulo anterior que as forças suportadas pelas treliças são forças
externas concentradas nas suas articulações (uniões entre as barras, os nós). Suas barras estão
sujeitas somente a duas forças (forças axiais de tração ou compressão). São duas forças iguais e de
sentidos contrários que atuam respectivamente nas extremidades da barra e que estão alinhadas com
o seu eixo. Por esta definição a Figura 19-a pode ser considerada como uma treliça, pois, todas as
forças externas estão aplicadas nas articulações. Este tipo de estrutura já foi estudado na Mecânica
Geral I no tópico Equilíbrio de Uma Partícula. É importante lembrar que o peso próprio das barras
da treliça é sempre desprezado.
- Estruturas. Estas são definidas pelo fato de que, pelo menos em uma de suas barras,
atuam três ou mais forças que, em geral, não são axiais. Exemplo: estrutura da Figura 17, Figura
19-b e Figura 19-c. A Figura 19-b é uma estrutura e não uma treliça porque existe uma carga P1 no
meio da barra AB. No caso da Figura 19-c mesmo que não existisse a carga P1 ela ainda continuaria
a ser uma estrutura, em vez de uma treliça, porque existe uma terceira barra DF conectada entre as
extremidades das barras AB e BC. Estas conexões em D e E dão origem a forças nestas barras. Nas
treliças as conexões com outras barras só ocorrem nas extremidades das barras.
- Máquinas. Enquanto as treliças e estruturas são normalmente estacionárias as máquinas
são dispositivos que podem possuir mobilidade e que contém componentes móveis. São destinados
a exercer um trabalho, isto é, transmitem ou modificam forças. As máquinas também possuem, pelo
menos, um elemento sujeito a três ou mais forças. Um exemplo de máquina é o alicate.

Estrutura deformável é aquela que pode sofrer variação de sua forma quando for
desconectada de seus apoios como a estrutura da Figura 19-b. A Figura 19-c mostra uma estrutura
indeformável, pois, sua forma não se modifica ao ser desconectada dos apoios.
19

Figura 19

As estruturas indeformáveis podem ser consideradas como corpos rígidos, mas, as estruturas
deformáveis não podem ser consideradas como tal; e como as equações de equilíbrio da estática (
Fx 0, Fy 0, M 0 ) são aplicadas a corpos rígidos, nem sempre é possível utilizá-
las para determinar as reações de apoio da estrutura deformável, como um todo. Neste caso é
necessário desmembrar a estrutura e aplicar as equações de equilíbrio para cada parte.

Estruturas estaticamente determinadas (isostáticas) são aquelas em que apenas com as


equações de equilíbrio da estática podemos determinar não só as reações de apoio, como também,
os esforços em cada barra. A estrutura da Figura 20 é um exemplo de estrutura isostática.
Já nas estruturas estaticamente indeterminadas (hiperestáticas) isto não acontece, pois, as
equações de equilíbrio da estática não são suficientes, seja para a determinação das reações de apoio
- neste caso são chamadas de externamente hiperestáticas - seja para a determinação dos esforços
nas barras - neste caso são chamadas de internamente hiperestáticas .
Estruturas hipostáticas são aquelas cujo número de incógnitas é inferior ao número de
equações de equilíbrio da estática. Este tipo de estrutura não poderá permanecer em equilíbrio, ou,
se isto acontecer devido a atuação de cargas externas, seu equilíbrio será instável.

Seja a estrutura indeformável mostrada na Figura 20.

Figura 20
A Figura 21-a mostra o diagrama de corpo livre da estrutura mostrada na Figura 20, como
um todo, e a Figura 21-b mostra os diagramas de corpo livre de cada barra da mesma estrutura.
20

Figura 21

Pelo diagrama de corpo livre da estrutura (Figura 21-a) vemos que temos somente três
incógnitas Ax , Ay , Bx e, portanto, podemos determiná-las utilizando as três equações de equilíbrio
da estática.
Se quisermos determinar os esforços em cada barra separadamente temos que desenhar o
diagrama de corpo livre de cada barra conforme mostra a Figura 21-b.
Observe que de acordo com a terceira lei de Newton a ação de uma barra sobre outra é igual
e oposta à ação da outra barra sobre esta.
No caso do nosso exemplo basta aplicarmos as equações da estática para a barra AB que
determinaremos todas as forças ( Dx , Dy , C ) que atuam em todas as barras.

A Figura 22 mostra uma estrutura em que as reações de apoio ( Ax , Ay , Bx , B y ) não podem


ser determinadas completamente a partir das equações de equilíbrio da estática aplicadas à estrutura
como um todo. Para determiná-las precisaremos desmembrar a estrutura em suas duas barras e
aplicar as equações da estática para cada barra.

Figura 22
21

A estrutura mostrada na figura abaixo suporta o bloco que pesa 8kN. Determinar as forças que
atuam em cada componente desta estrutura. Desprezar os pesos próprios dos componentes.

Solução:
Observamos que se trata de uma estrutura indeformável apoiada num apoio articulado fixo e
num apoio articulado móvel, portanto, suas reações de apoio são estaticamente determinadas.
Utilizando o seu DCL desenhado na Figura a calculamos suas reações de apoio.
22

Agora vamos desmembrar as partes da estrutura e vamos desenhar separadamente os DCL


de cada parte.

Pelo DCL da polia G é fácil observar que as forças de 8kN no cabo são equilibradas pelas
forças de reação em seu eixo, Gx=8kN e Gy=8kN. Considerando agora a barra GC colocamos os
vetores correspondentes à ação do eixo da polia sobre o ponto G desta barra. No ponto F temos o
vetor que corresponde à ação do cabo neste ponto, cujo valor é 8kN. No ponto E colocamos os
vetores correspondentes à ação da barra curva EB e no ponto C os vetores correspondentes à ação
da barra AD. Observe que a barra curva EB está submetida somente a duas forças e trabalha da
mesma forma que uma barra reta EB. Logo, conhecemos a direção de suas forças. Podemos agora
resolver a barra GC.

As forças na extremidade B da barra curva EB são exatamente iguais e contrárias às forças


que atuam na sua extremidade E, isto é, seu módulos são Bx=29,34kN e By=14,67kN.
A título de verificação podemos utilizar a barra vertical AD. Supondo conhecidas Cx e Cy,
calcularemos Bx e By.
23

1) A estrutura mostrada na figura suporta uma carga de 450N. Determinar as reações nos
apoios da estrutura e as forças que atuam nas suas barras. (McLEAN NELSON, Bibl. nº 9)

Respostas: Ax 540N , Ay 450N , Bx 540N , D x 1350N , D y 224N , C 1509N

2) A estrutura mostrada na figura suporta uma carga de 500N. Determinar as reações nos
apoios da estrutura e as forças que atuam nas suas barras. (HIBBELER, Bibl. n° 3)
Respostas: Ax 167N , Ay 389N , B 200N

Respostas: Ax 167N , Ay 389N , B 200N

3) Na barra AB, que tem peso desprezível, atua a carga de 800N, conforme a figura.
Determinar a tensão no cabo BC. (McLEAN NELSON, Bibl. nº 9)

Resposta: 1000N.

4) Um cilindro de 400cm de diâmetro e que pesa 100N é depositado entre as barras AE e


BD que são articuladas em C e formam um ângulo de 60° conforme a figura. Pede-se
determinar a força de tração no cabo DE. (McLEAN NELSON, Bibl. nº 9)
24

Resposta: 86N

Exercícios recomendados do livro do BEER e JOHNSTON (Bibl. n°1): Pág. 408 até pág.
451.
25

Tensão é a força interna que atua numa seção transversal qualquer de uma peça, dividida pela
área desta seção transversal. A tensão, portanto, é uma força unitária interna que existe em qualquer
seção transversal de uma peça sujeita a forças externas.
Se a força interna é perpendicular à seção transversal considerada temos a tensão normal. Se
a força interna for paralela à seção transversal temos a chamada tensão de cisalhamento.

Consideremos uma barra prismática, ou cilíndrica de comprimento L presa de um lado,


conforme mostra a Figura 23-a. Vamos então carregar esta barra com uma força axial P na outra
extremidade conforme a Figura 23-b.

Figura 23

Força axial é uma força concentrada cuja direção coincide com o eixo da barra. No caso da
Figura 23-b a força axial tem seu sentido para fora da barra tendendo a alongá-la. Neste caso
dizemos que a força é de tração. Se a força tivesse o sentido contrário teríamos uma força de
compressão. O eixo da barra é a reta que passa pelos centros de gravidade das suas seções
transversais. Se a linha de ação da força aplicada não coincide com o eixo da barra, esta não estará
sujeita somente a tração ou compressão, mas, existirá também flexão.
É importante observar que o efeito do peso próprio da barra será desprezado no
desenvolvimento teórico desta apostila.
Seção transversal normal (cuja área representaremos por A) ou simplesmente seção
transversal da barra é qualquer seção obtida quando cortamos a barra com um plano normal ao seu
eixo como o plano n-n mostrado na Figura 23-b.
Em termos práticos podemos considerar que a ação da força axial P provoca em qualquer
seção transversal da barra uma distribuição de forças uniforme cuja resultante tem a mesma
intensidade da força axial aplicada. Por exemplo, na Figura 23-c isolamos a parte da barra que está
abaixo da seção transversal n-n. A ação da parte superior da barra sobre esta parte inferior é uma
força uniformemente distribuída na seção n-n cuja resultante tem o mesmo módulo de P, porém, de
sentido contrário equilibrando esta parte que isolamos.
Tensão normal (representada por ) é a força de tração (ou compressão) que atua por
unidade de área da seção transversal da barra. Portanto é calculada por:
P
(1.1)
A
As tensões normais de tração terão sinal positivo e as tensões normais de compressão terão
sinal negativo.
26

No Sistema Internacional a unidade da tensão normal é o pascal, o qual é representado por


Pa que corresponde a N m 2 Seus múltiplos são:
1kPa 103 Pa 1MPa 106 Pa 1GPa 109 Pa
Nas aplicações práticas de engenharia é muito comum usar-se o Sistema Técnico, ou seja a força em
quilograma força (kgf ou simplesmente kg) e a área em cm 2 . Portanto a tensão será dada em kgf / cm 2 .
Em unidades inglesas, a força P é expressa em libras ( lb ) e a área expressa em polegadas quadradas
2
( in ) e a tensão será expressa em libras por polegada quadrada (psi).

Exemplo:
Uma barra cilíndrica, cuja seção transversal tem 30mm de diâmetro é tracionada por uma
força axial de 180kN. Pede-se determinar a tensão normal na barra.

Solução
.d 2 .(30mm) 2 m2
A 707mm 2 6 2
707.10 6 m 2
4 4 10 mm
A força sendo de tração teremos tensão de tração que é positiva, então
P 180.103 N
255.106 Pa 255MPa
A 707.10 6 m 2

O valor de acima obtido deve ser comparado com o máximo valor de tensão à tração que
pode ser aplicado com segurança à barra, a chamada tensão admissível, representada normalmente
por adm . Desta comparação podemos verificar se a barra pode ser usada para suportar a carga de
180kN. Através de tabelas de propriedades de materiais, e Normas Técnicas, se a tensão admissível
é adm 140MPa , concluímos que a barra feita com aquele material não pode ser usada com
segurança. Devemos, portanto, mudar o material ou aumentar seu diâmetro de modo a não
ultrapassar a tensão admissível. Desta forma o cálculo da tensão atuante numa peça serve para
dimensionarmos a peça.
27

Obs.: desprezar os pesos próprios das peças em todos os exercícios, exceto quando mencionado o contrário.

1. A estrutura mostrada na figura suporta a carga de 60kN no ponto A. Pede-se determinar:


a) A tensão normal na barra AC sabendo-se que seu diâmetro é 30mm
b) A tensão normal na barra AB sabendo-se que a área de sua seção transversal é
20cm 2

Respostas: a) AC 141,6MPa b) AB 40MPa

2. As barras 1 e 2 da figura estão soldadas entre si e presas ao teto em A. Devido à ação


das forças atuantes pede-se determinar a tensão normal na barra 1 e na barra 2.

Respostas: 1 35,7 MPa e 2 42,5MPa

3. As barras 1 e 2 de 30mm de diâmetro, mostrada na figura, estão soldadas entre si e


presas ao teto em A. Devido à ação das forças atuantes pede-se determinar a tensão
normal na barra 1 e na barra 2.
28

Respostas: 1 42,5MPa 2 70,8MPa

4. Resolver os problemas sobre tensão normal (excluir perguntas sobre deformações) da


pág. 89 e seguintes do livro RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS de Beer e Johnston, 3ª edição,
editora Pearson e Makron Books.
29

Até agora estudamos somente as forças axiais, ou seja, forças coincidentes com o eixo da
barra e, portanto, são solicitações normais à seção transversal.
Forças transversais ao eixo da barra tendem a provocar corte (ou cisalhamento) da barra. A
Figura 24.a mostra uma barra sujeita às laminas de uma tesoura que sob a ação das forças P tendem
a cortar a barra na seção n-n. Identicamente, o rebite da Figura 24.b tende a ser cortado na seção n-
n.

Figura 24

Se considerarmos a seção transversal em n-n da barra (ou do rebite), cuja área


representaremos por A, esta estará submetida a uma tensão que não é normal mas paralela a ela, ou
tensão de cisalhamento ( )
que é determinada na prática por:
P
(2.1)
A
O cálculo da tensão de cisalhamento é necessário para o dimensionamento de rebites,
parafusos, chavetas, pinos, etc. os quais, na maioria das vezes trabalham a cisalhamento.
Parafusos, rebites e pinos sujeitos a corte simples, duplos, etc.
A Figura 24.b mostra um rebite sujeito a corte simples, pois, somente a seção nn do rebite
está resistindo ao cisalhamento.

Figura 25

A Figura 25.a mostra um rebite sujeito a corte duplo, pois, neste caso há duas seções (nn e
mm) resistindo ao corte. A Figura 25.b mostra um rebite sujeito a corte triplo.
30

No pendural (2) da estrutura mostrada na figura abaixo existe uma carga de 31kN. Pede-se
determinar:
a) A tensão normal no trecho AB da barra (1) cuja seção transversal é um retângulo de lados
6mm x 50mm.
b) A tensão normal no trecho CD da barra (2) cujo diâmetro é 25mm.
c) A tensão de cisalhamento nos pinos (3) cujo diâmetro é 19mm.
d) A tensão de cisalhamento nos parafusos (4) cujo diâmetro é 15mm.

Solução:
a) Força de tração na barra (1):
Área da seção transversal da barra (1):
Tensão normal:
b) Força de tração na barra (2):
Área da seção transversal da barra (2):
Tensão normal:
c) Força na emenda do pino (3):
Área da seção transversal do pino (3):
Área total de corte:
Tensão de cisalhamento:
d) Força na emenda dos parafusos (4):
Área da seção transversal de um parafuso (4):
Área total de corte:
Tensão de cisalhamento:
31

1. Determinar a tensão de cisalhamento no rebite mostrado na Figura 24.b sabendo-se que seu
diâmetro é 6mm e P = 1000N.
Resposta: 35,4MPa
2. Determinar as tensões de cisalhamento nos rebites mostrados na figura sabendo-se que seus
diâmetros são 6mm e P = 7kN.

Resposta: 61,92MPa
3. Qual é a força mínima necessária que uma tesoura guilhotina deve exercer para cortar uma
chapa de 2mm de espessura (conforme a figura) e cujo comprimento de corte é 1,2m,
sabendo-se que a tensão de ruptura ao cisalhamento do material da chapa é 300Mpa

Resposta: P 720kN
4. O pino de diâmetro 10mm, espessura da cabeça 6mm, mostrado na figura está sujeito à força
axial F=1100kgf. Pede-se verificar se é aconselhável a utilização deste pino, sabendo-se que
a tensão de cisalhamento e a tensão normal não podem ultrapassar, respectivamente, 70MPa
e120MPa.

Resposta: Não, porque, embora a tensão de cisalhamento atuante (58,4 MPa) seja menor que a
tensão de cisalhamento admissível a tensão normal atuante (140 MPa) é maior que a tensão normal
admissível.
32

5. Uma puncionadeira tem capacadidade de 5000kgf. Verificar se ela pode ser utilizada para
efetuar um furo de diâmetro 5/8pol numa chapa de 1/8pol de espessura, cuja tensão de
ruptura ao cisalhamento é 280MPa, conforme mostra a figura.

Resposta: Sim, porque, a força necessária para executar o furo é de 4445 kgf.
6. Uma polia de 120mm de diâmetro, acionada por correia, transmite seu torque ao eixo de
40mm de diâmetro através de uma chaveta que tem 7mm de largura e 30mm de
comprimento conforme mostra a figura. As forças exercidas pela correia são F1 7kN e
F2 2kN . Determinar a tensão de cisalhamento na chaveta.

Resposta: 71,42 MPa

7. A cabeça cilíndrica do pendural mostrado na figura está apoiada numa base e sua haste
vertical atravessa esta base através de um furo, sem atrito, e é ligada na sua extremidade
inferior a uma barra horizontal por um pino. Esta barra horizontal está articulada no apoio à
sua direita, e na extremidade esquerda suporta a força vertical de 5,4kN. A tensão normal
máxima que pode agir no pendural é 36MPa e a tensão de cisalhamento máxima para o
pendural e o pino de ligação com a barra horizontal é 28MPa. Considerando estas tensões
máximas determinar:
a) O diâmetro da haste do pendural (d1)
b) O diâmetro do pino de ligação pendural/barra horizontal (d 2)
c) A espessura t da cabeça do pendural
33

Respostas:
d1 = 2,11.10-2m
d2 = 1,69.10-2m
t = 6,79.10-3m
34

Para calcularmos a posição do centro de gravidade de uma área em relação a um eixo


qualquer precisamos saber determinar o momento estático (ou momento de primeira ordem) desta
área em relação ao eixo.
O momento estático de uma área em relação a um eixo qualquer é o produto desta área pela
distância do centro de gravidade desta área ao eixo.
Vamos representar por Q x o momento estático em relação ao eixo x. O índice indica o eixo
em relação ao qual estamos calculando o momento estático. Se fosse em relação ao eixo y
representaríamos por Q y .
Na Figura 26 temos uma área A cujo centro de gravidade está situado em C e sua distância
ao eixo x é y * . Portanto, o momento estático de A em relação a x é
Qx A.y * (5.1)
Identicamente teríamos em relação ao eixo y:
Q y A..x * (5.2)

-Vemos que dependendo da posição dos eixos de coordenadas o momento estático pode ser
positivo, negativo ou nulo já que as coordenadas y * e x * podem ser positivas, negativas ou nulas.
-Quando a figura possui um eixo de simetria o momento estático em relação a este eixo é
nulo. Por exemplo, o momento estático do retângulo da Figura 27.a em relação ao eixo x é zero,
bem como em relação a y.
-A unidade do momento estático é a unidade de comprimento ao cubo, logo, no SI é m 3.

Figura 26

A posição do centro de gravidade C de várias figuras geométricas simples é conhecida. Por


exemplo, o centro de gravidade de um retângulo, de um quadrado, de um círculo, está na interseção
de seus eixos de simetria. Por exemplo, a Figura 27.a mostra um retângulo e seus eixos de simetria
x e y.
35

No caso do triângulo, o centro de gravidade está situado a 1/3 da altura (Figura 27.b).
As Tabelas 1 e 2 no final desta apostila fornecem a posição dos centros de gravidade para
várias figuras usuais, além de outras propriedades.

Figura 27

Quando o centróide C de uma figura pode ser localizado por meio de seus eixos de simetria,
o seu momento estático em relação a um eixo qualquer x ou y pode ser obtido por meio das
equações (5.1) e (5.2).

1) Determinar os momentos estáticos em relação aos eixos x e y do retângulo mostrado na


figura:

Solução:
Sabemos que o centro de gravidade do retângulo está situado na interseção dos seus eixos de
simetria (ponto C). Então temos:
y * 5cm x* 2cm A 10cm.4cm 40cm 2
Então:
Q x A. y * 40.5 200cm 3 Q y A. x * 40.2 80cm 3
36

2) Determinar os momentos estáticos em relação aos eixos x e y do círculo mostrado na


figura, sabendo-se que seu diâmetro é 0,6m.

Respostas: Q x 0,085m 3 e Qy 0

Utilizando as equações (5.1) e (5.2) podemos deduzir as equações que nos fornece a posição
do centroide, isto é,
Qx
y* (5.3)
A
Qy
x* (5.4)
A
Mas para aplicar estas equações temos que determinar sua área e o momento estático da
figura.
Uma figura que pode ser subdividida em figuras geométricas simples, as quais sabemos
determinar as posições de seus centroides e suas áreas, então a sua área é calculada pela soma das
áreas das figuras componentes. Da mesma forma o momento estático da figura em relação a um
determinado eixo é igual à soma dos momentos estáticos das figuras componentes em relação ao
mesmo eixo.
Quando a figura não possibilita esta subdivisão, então teremos que utilizar o processo de
integração. Nesta apostila só trataremos do primeiro caso.
Seja, por exemplo, determinar o momento estático e a posição do centro de gravidade de
uma figura conforme mostrada na Figura 28.a.
. Para calcular o momento estático e o centro de gravidade C da área A, devemos primeiro
dividi-la em figuras simples como os dois retângulos de áreas A1 e A2 e o triângulo de área A3.
(Figura 28.b)
37

Figura 28

Para calcular o momento estático Q x da área A, em relação ao eixo x, devemos calcular os


momentos estáticos de cada área A1 , A2 e A3. em relação ao mesmo eixo x. A soma destes
momentos estáticos individuais nos dará o momento estático da área total A. Isto é,

Qx A1 . y1* A2 . y 2* A3 . y3*

Identicamente podemos determinar o Q y calculando os momentos estáticos em relação ao


eixo y.

Generalizando podemos escrever:

Qx Ai . y i* e Qy Ai . xi* (5.5)
i i

Para a determinação das coordenadas X * e Y * do centróide da figura total A, substituímos


nas Eqs. 5.5, Q x por A.Y * e Q y por A.X * . Temos

A.Y * Ai . y i* e A. X * Ai . xi*
i i

Resolvendo para X * e Y * e lembrando que A é a soma das áreas Ai , temos

Ai . xi* Ai . yi*
X* i
e Y* i
(5.6)
Ai Ai
i i
* *
Colocando-se: Ai . x i Q yi e Ai . y i Q xi podemos escrever as equações (5.6) na forma:
38

Q yi Q xi
* *
X i
e Y i
(5.7)
Ai Ai
i i

Exercício resolvido
Determinar a posição do centróide da área hachurada mostrada na Figura 29.a.
Solução
Vamos dividir a figura no triângulo 1, no quadrado 2 e no círculo 3, conforme mostra a
Figura 29.b.
Como o círculo 3 não faz parte da área hachurada a sua área deverá ser subtraída.

Figura 29

12.6
A 12.12 .32 36 144 28,3 151,7cm 2
2
Qx 36.16 144.8 28,3.6 1558,2cm 3
Qy 36.9 144.7 28,3.8 1105,6cm 3
Qx 1558,2
Y* 10,3cm
A 151,7
Qy 1105,6
X* 7,3cm
A 151,7

Podemos organizar este cálculo utilizando a seguinte tabela:

Fig. Ai yi* Qxi=Ai. yi* xi* Qyi=Ai. xi*


1 12x6/2 = 36 16 576 9 324
2 12x12 = 144 8 1152 7 1008
2
3 - = -28,3 6 -169,8 8 -226,4
39

Determinar o centróide das seguintes figuras:

a) b)

Respostas: a) X * 0 Y * 4,65cm b) X * 0 Y * 1,5cm

c)

Respostas: X* 41,8mm Y * 27,3mm

Sugestão de exercícios: Exercícios sobre a posição do centroide de superfícies planas, Problemas


5.1 e seguintes (pag. 304 e seguintes) do BEER e JOHNSTON (Bibl. n°1).
40

a) Momento de inércia retangular


O momento de inércia retangular é chamado simplesmente de momento de inércia.
Consideremos a área A situada no plano xy (Figura 30.a) e o elemento de área dA de
coordenadas x e y.

Figura 30

Momento de inércia da área A em relação ao eixo x é determinado por


Ix y 2 .dA (5.7)
A
Momento de inércia da área A em relação ao eixo y é determinado por
Iy x 2 .dA (5.8)
A
Para o caso de um retângulo, de lados b e h, conforme mostrado na Figura 30.b, onde os
eixos dos x e y são eixos centroidais, isto é, são eixos passam pelo centróide da figura, os seus
momentos de inércia centroidais são:

b.h 3 h.b 3
Ix Iy
12 12

As tabelas 1 e 2 adiante apresentam, para diversas figuras, ás fórmulas para o cálculo de


várias características geométricas, dentre elas, para o cálculo da área e do momento de inércia em
relação ao eixo centroidal. O momento de inércia centroidal será utilizado na disciplina Resistência
dos Materiais, para o cálculo das tensões normais em barras sujeitas a flexão.

b) Momento de inércia polar

Definimos momento de inércia polar da área A em relação ao ponto O (Figura 31) à integral:

2
JO .dA (5.9)
A
onde é a distancia do elemento dA à origem O.
Para o caso de um círculo de raio c, o momento de inércia polar em relação ao seu centro é
41

.c 4
JO
2
O momento de inércia polar será utilizado na Resistência dos Materiais para o cálculo das
tensões de cisalhamento provocadas pela torção de uma barra cilíndrica.

Unidade: A unidade do momento de inércia é a unidade de comprimento elevada à quarta


potência, portanto, no SI é m4.

Figura 31

O raio de giração de uma área A em relação ao eixo x é definido por


Ix
rx (5.10)
A
O raio de giração de uma área A em relação ao eixo y é definido por
Iy
ry (5.11)
A
O raio de giração de uma área A em relação à origem O é definido por
JO
rO (5.12)
A

O raio de giração será utilizado pela Resistência dos Materiais no estudo da Flambagem.
42

O momento de inércia Ix de uma área A em relação a um eixo arbitrário x é igual ao

momento de inércia I x' da área em relação ao seu eixo centroidal x ' , paralelo ao eixo x, mais
o produto da área pelo quadrado da distância d entre os eixos x e x ' .

Considerando a Figura 32, fica:

Ix I x' A.d 2 (5.14)

Figura 32

Determinar o momento de inércia do retângulo mostrado na Figura 33 em relação ao eixo x,


que passa pela sua base e é paralelo ao eixo centroidal x ' .

Figura 33

Resposta: I x 12,8.105 mm 4
43

Se tivermos de determinar o momento de inércia, relativo ao eixo centroidal, de uma área A


composta de várias áreas de formatos geométricos simples, A1, A2, etc., devemos primeiro localizar
o centróide da área composta A, em seguida, utilizando o teorema dos eixos paralelos,
determinamos os momentos de inércia de cada área simples A1, A2, etc., em relação ao eixo
centroidal da área A. A soma destes momentos de inércia parciais nos dará momento de inércia da
área composta A.
Devemos lembrar que os momentos de inércia acima citados devem ser todos calculados
para eixos paralelos.

(Os momentos de inércia das áreas de geometria simples podem ser obtidos nas Tabelas 1 e 2 no
final desta apostila)

1) Determinar os momentos de inércia I x e I y os raios de giração rx e ry em


relação aos eixos centroidais x e y da seguinte figura.

Respostas: I x 230,9cm 4 rx 2,4cm Iy 117,3cm 4 ry 1,71cm

2) Determinar o momento de inércia e o raio de giração em relação ao eixo


centroidal paralelo à base da área apresentada na figura
44

Respostas: Ix 791,6cm 4 rx 3,98cm

3) Determinar o momento de inércia em relação ao eixo centroidal, paralelo à base,


da área hachurada apresentada na figura.

Resposta: I x 647,8cm 4

4) Sugestão de exercícios:
Ver Problemas 9.21 e seguintes (pag. 629 e seguintes) do livro do BEER e JOHNSTON
(Bibl. n°1).
45
46

Gilson Finotti
Ultima revisão em Dez/16 (R18)
47