Sei sulla pagina 1di 109

DISCIPLINA:

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

Docente (Informações):

Pedro Ribeiro Neto - CREA:68354

Contatos: (71) 9 9136-2040 / 9 - 8827-5350

Eng.pedroribeiro@hotmail.com

Graduações:

Engenheiro Eletricista Faculdade Área1 Devry;

Pós graduado em Projetos Elétricos Industriais ( Faculdade Maurício de Nassau - FCA);

Pós Graduando em Sistemas Elétricos de Potência (Faculdade Área1 - Wyden);

Graduando em Engenharia Civil (Universidade Salvador - UNIFACS); Mestrando em Engenharia Elétrica (UFBA Universidade Federal da Bahia).

Empresas:

Petrobras / Transpetro Fiscalização em NR10 ; Monteline Prestações de Serviços LTDA (Responsável técnico); JN Engenharia Bahia LTDA (Gerente de obras e Projetos); Arco Bahia Engenharia LTDA; SENAI (Feira de Santana, Lauro de Freitas, Salvador); ImTech (Telecomunicações e Sistema Fotovoltaico).

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

1. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos

Carga Horária: 30 horas

2.Princípios de gestão da qualidade

3.Processo

4.Ferramentas: Pareto, Ishikawa, histograma, lista de verificação, brainstorm, gráfico de controle, diagrama de dispersão

5.Planilhas e gráficos

2. Qualidade Total

1.Conceito

2.Eficiência

3.Eficácia

4.Melhoria contínua

3. Meio Ambiente 1.Aspectos e impactos ambientais da ação humana: consumo consciente, reciclagem de lixo, descarte de resíduos 2.Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais

3.Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia

4.Preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho 4. Saúde e Segurança 1.A CIPA 2.Acidentes de

4. Saúde e Segurança 1.A CIPA 2.Acidentes de trabalho: definições, características, tipos (no trajeto, fora do local e do horário de trabalho) 3.Doenças: profissionais, doença do trabalho 4.Condições ambientais: riscos ambientais no trabalho, riscos ergonômicos, prevenção e redução de danos 5.Riscos ocupacionais: medidas preventivas, utilização de equipamentos de prevenção individual (EPI), utilização de equipamentos de prevenção coletiva (EPC), controle e conservação dos equipamentos de proteção

5. Equipes de trabalho 1.Trabalho em grupo 2.Relações interpessoais

Carga Horária: 30 horas

1. Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

Qualidade

O Curso de Qualidade tem por objetivo passar o conhecimento aos profissionais na execução de atividades relacionadas a

auditoria, controle e melhoria contínua de processos, produtos e sistemas de gestão da qualidade, assegurando a conformidade de acordo com normas e procedimentos.

a conformidade de acordo com normas e procedimentos. Saúde Manter o progresso já alcançado através de

Saúde Manter o progresso já alcançado através de hábitos, normas, condições ambientais que zelem pela sua saúde. Saúde e cuidar de sua forma física, mental e emocional. Desde o século XVII, alguns estudiosos começaram a observar o aparecimento de doenças e correlacioná-las com as condições de trabalho, dando início a estudos que criaram a especialização da medicina do trabalho, também conhecida como medicina ocupacional. E, a cada dia que passa, cresce o interesse dos governos dos países em regulamentar e controlar as empresas quanto aos fatores agressivos que atingem o trabalhador em seu ambiente profissional.

1. Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

Meio Ambiente

Visando a garantia de suas necessidades materiais como abrigo, alimentação e vestuário, os homens se organizam e

trabalham para produzir bens materiais. Assim sendo, tais bens são produzidos a partir da transformação dos recursos oferecidos pela natureza, muitas vezes, sob condições de dominação e destruição da mesma.

Segurança no Trabalho

A prevenção de acidentes de trabalho não acompanhou o desenvolvimento industrial brasileiro nas últimas décadas e a falta de consciência prevencionista dos trabalhadores, empresários e governo resulta em altas taxas de acidentes e,

consequentemente, grandes prejuízos para as empresas, para a comunidade e, principalmente, para os trabalhadores

e, consequentemente, grandes prejuízos para as empresas, para a comunidade e, principalmente, para os trabalhadores

1. Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

1.Calendário

18/9 - 7:30 as 11:30 - 4h

01/10 - 7:30 as 11:30 - 4h = 4+4 = 8h

02/10 - 7:30 as 11:30 - 4h = 4 + 8 = 12h

08/10 - 7:30 as 11:30 - 4h = 4 + 12 = 16h

15/10- 7:30 as 11:30 - 4h = 4 + 16 = 20h

16/10 - 7:30 as 11:30 - 4h = 4 + 20 = 24h

22/10 - 7:30 as 11:30 - 4h = 4 + 24 = 28h

24/10 - 9:30 as 11:30 - 2h = 2 + 28 = 30h

25/10 - 7:30 as 09:30 - 2h = 2 + 30 = 32h (Lançamento de notas e correção de avaliação Não terá aula)

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

1. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos

Carga Horária: 30 horas

2.Princípios de gestão da qualidade

3.Processo

4.Ferramentas: Pareto, Ishikawa, histograma, lista de verificação, brainstorm, gráfico de controle, diagrama de dispersão

5.Planilhas e gráficos

2. Qualidade Total

1.Conceito

2.Eficiência

3.Eficácia

4.Melhoria contínua

3. Meio Ambiente 1.Aspectos e impactos ambientais da ação humana: consumo consciente, reciclagem de lixo, descarte de resíduos 2.Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais

3.Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia

4.Preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

Carga Horária: 30 horas

4. Saúde e Segurança 1.A CIPA 2.Acidentes de trabalho: definições, características, tipos (no trajeto, fora do local e do horário de trabalho) 3.Doenças: profissionais, doença do trabalho 4.Condições ambientais: riscos ambientais no trabalho, riscos ergonômicos, prevenção e redução de danos 5.Riscos ocupacionais: medidas preventivas, utilização de equipamentos de prevenção individual (EPI), utilização de equipamentos de prevenção coletiva (EPC), controle e conservação dos equipamentos de proteção

5. Equipes de trabalho 1.Trabalho em grupo 2.Relações interpessoais

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

1. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos

Carga Horária: 30 horas

2.Princípios de gestão da qualidade

3.Processo

4.Ferramentas: Pareto, Ishikawa, histograma, lista de verificação, brainstorm, gráfico de controle, diagrama de dispersão

5.Planilhas e gráficos

2. Qualidade Total

1.Conceito

2.Eficiência

3.Eficácia

4.Melhoria contínua

3. Meio Ambiente 1.Aspectos e impactos ambientais da ação humana: consumo consciente, reciclagem de lixo, descarte de resíduos 2.Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais

3.Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia

4.Preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável

Conteúdo Programático

Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho

1. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos

Carga Horária: 30 horas

2.Princípios de gestão da qualidade

3.Processo

4.Ferramentas: Pareto, Ishikawa, histograma, lista de verificação, brainstorm, gráfico de controle, diagrama de dispersão

5.Planilhas e gráficos

2. Qualidade Total

1.Conceito

2.Eficiência

3.Eficácia

4.Melhoria contínua

3. Meio Ambiente 1.Aspectos e impactos ambientais da ação humana: consumo consciente, reciclagem de lixo, descarte de resíduos 2.Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais

3.Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia

4.Preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável

2. Qualidade

1. IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE

O aumento da competitividade, através da globalização e a estabilidade econômica foram os

principais fatores que impulsionaram as questões de qualidade total nas empresas. A

partir destas mudanças, enfrentadas pelos empresários desde a abertura até as

importações, todos os segmentos do mercado tiveram que se adaptar a nova realidade do mercado. Desde então a qualidade passou a ser vista como único método para garantir e conquistar os consumidores, através de custos reduzidos, aumento de eficiência no atendimento e serviços, e principalmente na qualidade de produtos. Depois

da estabilidade econômica, os empresários precisaram adotar ajustes estratégicos e assim desenvolver programas racionais e eficientes, implicando no aumento da produtividade. A abertura econômica através da globalização tem gerado grande competitividade entre os produtos nacionais e importados. O que resulta em uma concorrência positiva para os consumidores que podem encontrar melhores condições em atendimento e produtos. Antes da abertura econômica, as empresas nacionais eram protegidas e pouco estimuladas às inovações e à incorporação de novos padrões tecnológicos. Com a ameaça da concorrência estrangeira, elas passaram a se modernizar e tornar-se mais competitivas no mercado externo e interno.

da concorrência estrangeira, elas passaram a se modernizar e tornar-se mais competitivas no mercado externo e

2. Qualidade

1.1 CONCEITO DA QUALIDADE A NBR ISSO 9000:2000 que trata do vocabulário e fundamentos do Sistema de Gestão de Qualidade diz que conceitua a Qualidade como “Grau no qual um conjunto de características inerentes atende

a requisitos”. Já os requisitos são fundamentados como necessidade ou expectativa que é

expressa, geralmente, de forma implícita ou obrigatória. O Controle da Qualidade, Garantia da Qualidade e Gestão da Qualidade são definidos das seguintes formas: ƒGestão: Atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito à qualidade. ƒ Controle: Parte da Gestão da Qualidade, focada no atendimento dos requisitos da

Qualidade. ƒGarantia: Parte da Gestão da Qualidade, focada em prover confiança de que os requisitos da Qualidade serão atendidos.

ƒGarantia: Parte da Gestão da Qualidade, focada em prover confiança de que os requisitos da Qualidade

2. Qualidade

1.2 PORQUE QUALIDADE TOTAL? Nossa empresa depende tanto de nossos clientes como de nossos acionistas. A nossa sobrevivência e o nosso crescimento dependem de continuarmos podendo atender às suas expectativas.

de continuarmos podendo atender às suas expectativas. Os “ empresas que apresentam uniformidade de propósitos

Os “

empresas que apresentam uniformidade de propósitos nas

únicos sobreviventes ao final de duas décadas serão as

áreas da qualidade, da produtividade dos serviços. W. Edwards Deming A qualidade total é um processo que objetiva o

atendimento das necessidades do cliente a graves da qualidade inerente a todas as tarefas desenvolvidas pela empresa.

2. Qualidade

2. Qualidade 1.3 PORQUE A QUALIDADE É IMPORTANTE? Nossa existência depende de nossos clientes. A satisfação

1.3 PORQUE A QUALIDADE É IMPORTANTE? Nossa existência depende de nossos clientes. A satisfação de seus requisitos deve constituir

nossa principal meta. E só podemos chegar a isso colocando Qualidade em tudo que

fazemos.

Nossos clientes esperam qualidade porque

ƒ

Eles desejam um produto ou um serviço que seja confiável; ƒEles querem ver atendidos os

seus requisitos; ƒEles desejam que o dinheiro gasto seja recompensando pelo valor recebido.

A qualidade é importante para você porque

ƒ

Você quer satisfação no trabalho; ƒ

Você quer ser respeitado Você deseja realizar um bom trabalho; ƒVocê precisa livrar-se dos problemas e dos danos

causados pelos “stress”; ƒVocê quer ter um emprego seguro; ƒVocê quer sentir-se orgulhoso

de trabalhar para a sua empresa. A Empresa precisa de Qualidade porque

exigem; ƒSobrevivência no mercado.

ƒSeus clientes

1.Saúde

Descrição

3. Saúde

1.Saúde Descrição 3. Saúde Consiste na prática do uso constante de elementos ou atos que causem

Consiste na prática do uso constante de elementos ou atos que causem benefícios para os seres humanos. Sanitização advém de sanidade, que, em amplo sentido, significa ordem perfeita de funcionamento. A higiene compreende hábitos que visam a preservar o estado original do ser, que é o bem-estar e a saúde perfeita. Às técnicas de manutenção e preservação do bem-estar, saúde perfeita e harmonia funcional do organismo, dá-se o nome de hábitos sanitizantes ou hábitos higiênicos. Muitas das doenças infectocontagiosas existentes são encontradas em locais com baixos padrões de higiene. Elas são contidas pela implementação de padrões de higiene, através da conscientização da população e instrução de novas metodologias que ensinam como a sociedade deve comportar-se em relação à sua higiene. Há quatro tipos de higiene: a pessoal, a coletiva, a mental e a ambiental.

1.Saúde

1.Higiene

3. Saúde

1.Saúde 1.Higiene 3. Saúde Lavar as mãos, um dos hábitos higiênicos. Higiene é o conjunto de

Lavar as mãos, um dos hábitos higiênicos. Higiene é o conjunto de conhecimentos e técnicas que visam a promover a saúde e evitar as doenças. [1] Entre as doenças que a higiene procura evitar, estão as doenças infecciosas, contra as quais ela se utiliza da desinfecção, esterilização e outros métodos de limpeza.

infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de

1.Saúde

1.Higiene

3. Saúde

1.Saúde 1.Higiene 3. Saúde Evitar as doenças . Entre as doenças que a higiene procura evitar,

Evitar as doenças. Entre as doenças que a higiene procura evitar, estão as doenças infecciosas, contra as quais ela se utiliza da desinfecção, esterilização e outros métodos de limpeza.

infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de

3. Saúde

1.Saúde

1.Higiene

3. Saúde 1.Saúde 1.Higiene evitar, estão as doenças infecciosas , contra as quais ela se utiliza

evitar, estão as doenças infecciosas, contra as quais ela se utiliza da desinfecção, esterilização e outros métodos de limpeza.

infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de
infecciosas , contra as quais ela se utiliza da desinfecção , esterilização e outros métodos de

3. Saúde

3. Saúde Tipos: Individual: É um conjunto de hábitos de higiene e asseio com que cuidamos

Tipos:

Individual:

É um conjunto de hábitos de higiene e asseio com que cuidamos da nossa saúde,que viram normas de vida em carácter

individual, como:

Banho - Tomar banho frequentemente. Existem várias opiniões e estudos sobre a frequência ideal, não havendo uma regra única. A necessidade de tomar banho depende da atividade física e do clima. Segundo os dermatologistas, Zeichner e Ranella Hirsch, "tomar banho demasiadas vezes pode ser prejudicial para a saúde, pois seca e irrita a pele, elimina as bactérias boas e cria pequenas fissuras na epiderme que nos colocam sob maior risco de infeção." [2] Nesse sentido, os dois médicos defendem que os pais não devem dar banho aos filhos todos os dias, visto que a exposição à

sujidade em idades mais jovens torna a pele mais forte, prevenindo futuras alergias, inflações e Assepsia - O uso de desodorizante é bastante útil, especialmente no verão. No entanto devem ser evitados os que inibem a produção de suor. Segundo vários estudo a utilização de desodorizante pode ser negativa para a saúde, e cita- se o INCA - "Em janeiro de 2004 foi publicado na revista Journal of Applied Toxicology um artigo assinado por

pesquisadores da University of Reading, na Grã-Bretanha (GB), demonstrando a presença de altas concentrações de

parabenos em tecidos retirados de tumores mamários de mulheres que usavam este tipo" de produtos [3] . Lavar as mãos - sempre que necessário, especialmente antes das refeições, antes do contato com os alimentos e depois

de utilizar a casa de banho.

3. Saúde

Higiene oral - Os dentes e a boca devem ser escovados depois da ingestão de alimentos, usando um creme dental com flúor. Uma higiene inadequada dos dentes dá origem à cárie dentária. Água potável - Beber água tratada, mineral ou filtrada. Fazer uma alimentação equilibrada, com alimentos mais naturais.

Coletiva É o conjunto de normas de higiene implantadas pela sociedade de forma a direcioná-las a um conceito geral de higiene. A higiene coletiva é também um conjunto de normas para evitar nossas doenças e de outras pessoas também, para

preservar a vida de todos. Crianças de três a quatro anos de idade tem a capacidade de assimilar e repassar o

conhecimento, hábitos saudáveis por meio de ações educativas podem ser absorvidas desde a infância. Mental Dá-se o nome de "higiene mental" à qualquer prática que visa a prevenir doenças mentais. [1] Segundo a teoria psicanalítica, um exemplo de higiene mental é a verbalização: ela evitaria conflitos sociais e doenças psicossomáticas.

Ambiental

Higiene ambiental é um conceito relacionado com a preservação das condições sanitárias do meio ambiente de forma a impedir que este prejudique a saúde do ser humano. Inclui, por exemplo, cuidar do lixo, varrer a casa, lavar os alimentos antes de comer etc.

3. Saúde

. O que é Higiene:

3. Saúde . O que é Higiene: Higiene consiste em um conjunto de regras e técnicas

Higiene consiste em um conjunto de regras e técnicas referentes à preservação da saúde e prevenção de doenças no organismo do ser humano, através da limpeza, desinfecção e conservação de instrumentos, espaços e objetos.

A higiene é uma regra fundamental em todas as especialidades da medicina ou de qualquer outra atividade

que trabalhe em contato direto com o organismo humano, assegurando a higiene coletiva. No âmbito hospitalar, por exemplo, a higiene é considerada como um conjunto de procedimentos que tem a finalidade de assegurar a proteção e bem-estar físico e psicológico dos pacientes, evitando enfermidades; métodos esterilizantes e desinfetantes. Etimologicamente, a palavra higiene surgiu a partir do grego hygeinos, que significa "o que é saudável". O termo surgiu como uma derivação do nome da deusa Hígia, a protetora da saúde e limpeza. Higiene Pessoal

A higiene pessoal consiste nos cuidados diários que o indivíduo deve ter com o seu próprio corpo. Os hábitos higiênicos não se limitam apenas na preocupação de tomar banhos todos os dias ou escovar os dentes após

cada refeição, mas também cuidar da alimentação, beber água filtrada e outras ações que ajudem a manter o bem-estar do organismo e da saúde.

3. Saúde Higiene Corporal A limpeza, asseio, assepsia e conservação do bem-estar e saúde do

3. Saúde

Higiene Corporal

A

limpeza, asseio, assepsia e conservação do bem-estar e saúde do corpo humano. Exemplo: tomar banho, escovar os dentes, cortar as unhas dos pés e das mãos, cortar o cabelo regularmente, fazer a barba e etc. Higiene Mental

A higiene mental é uma área da medicina que se preocupa com a defesa da saúde mental.

A higiene mental é essencial para que o ser humano esteja em equilíbrio e interaja de forma saudável com

outras pessoas no seu meio social. Para isso, é importante pensar positivo, cuidar da auto-estima, estimular a mente através de exercícios mentais, praticar exercício físico, se alimentar de forma saudável, manter relacionamentos sociais saudáveis e etc.

higiene corporal faz parte dos "rituais" diários da higiene pessoal, ou seja, todos os hábitos que auxiliam na

Higiene Ambiental

A higiene ambiental está relacionado com a preservação das condições sanitárias do meio ambiente, com o

intuito de impedir que prejudique a saúde do ser humano. Basicamente, a higiene ambiental consiste no cuidado que o homem deve ter com o ambiente em que vive. Varrer a casa, arrumar o quarto, lavar os alimentos antes de comer e levar o lixo para a reciclagem são alguns

exemplos de ações que contribuem para a higiene ambiental. Veja também os significados de higiene mental e higiene ambiental.

1. Cuidados

3. Saúde

0 cuidados primordiais para a saúde da mulher

1 Manter alimentação

2 Cuide de sua saúde

3 Falando de

4 - Conhecer seu próprio

5 - Realizar exames de

6 Proteger- se contra

7 - Faça escolhas conscientes sobre métodos

8 - Busque ajuda em caso de violência

de 6 – Proteger- se contra 7 - Faça escolhas conscientes sobre métodos 8 - Busque

4. Meio Ambiente

1.Meio Ambiente

1.Normas

ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental

Ambiente 1.Normas ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental O que é a ISO 14001 A norma

O que é a ISO 14001

A norma ISO 14001 é uma ferramenta criada para auxiliar empresas a identificar, priorizar e

gerenciar seus riscos ambientais como parte de suas práticas usuais. A norma faz com que a empresa dê uma maior atenção às questões mais relevantes de seu negócio. A ISO 14001 exige que as empresas se comprometam com a prevenção da poluição e com melhorias contínuas, como parte do ciclo normal de gestão empresarial.

A norma é baseada no ciclo PDCA do inglês "plan-do-check-act" - planejar, fazer, checar e

agir - e utiliza terminologia e linguagem de gestão conhecida.

Escopo

Implementar, manter e melhorar um sistema de gestão ambiental para assegurar conformidade com a política ambiental e demonstrar tal conformidade a terceiros.

Política ambienta

http://www.lrqa.com.br/Certificacao/ISO-14001-meio-ambiente/

4. Meio Ambiente

1.Normas

http://www.lrqa.com.br/Certificacao/ISO-14001-meio- ambiente/
http://www.lrqa.com.br/Certificacao/ISO-14001-meio-
ambiente/

http://www.lrqa.com.br/

1.Leis

4. Meio Ambiente

1.Leis 4. M eio Ambiente MEIO AMBIENTE – AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL Mais Informa
1.Leis 4. M eio Ambiente MEIO AMBIENTE – AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL Mais Informa

MEIO AMBIENTE AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL

Mais Informações sobre Meio Ambiente no Planeta Orgânico:

Visite também o AmbienteBrasil:

MEIO AMBIENTE AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL

MEIO AMBIENTE – AS 17 LEIS AMBIENTAIS DO BRASIL A legislação ambiental brasileira é uma das

A legislação ambiental brasileira é uma das mais completas do mundo. Apesar de não serem cumpridas da maneira adequada, as

17 leis ambientais mais importantes podem garantir a preservação do grande patrimônio ambiental do país. São as seguintes:

1 Lei da Ação Civil Pública número 7.347 de 24/07/1985.

Lei de interesses difusos, trata da ação civil publica de responsabilidades por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor e

ao patrimônio artístico, turístico ou paisagístico.

2 Lei dos Agrotóxicos número 7.802 de 10/07/1989.

A lei regulamenta desde a pesquisa e fabricação dos agrotóxicos até sua comercialização, aplicação, controle, fiscalização e

também o destino da embalagem.

Exigências impostas :

- obrigatoriedade do receituário agronômico para venda de agrotóxicos ao consumidor.

- registro de produtos nos Ministérios da Agricultura e da Saúde.

- registro no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA

- o descumprimento desta lei pode acarretar multas e reclusão.

4. Meio Ambiente

1.Leis

2 Lei dos Agrotóxicos número 7.802 de 10/07/1989.

– Lei dos Agrotóxicos – número 7.802 de 10/07/1989. A lei regulamenta desde a pesquisa e

A lei regulamenta desde a pesquisa e fabricação dos agrotóxicos até sua comercialização, aplicação, controle, fiscalização e

também o destino da embalagem. Exigências impostas :

- obrigatoriedade do receituário agronômico para venda de agrotóxicos ao consumidor.

- registro de produtos nos Ministérios da Agricultura e da Saúde.

- registro no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA

- o descumprimento desta lei pode acarretar multas e reclusão.

3 Lei da Área de Proteção Ambiental número 6.902 de 27/04/1981. Lei que criou as “Estações Ecológicas “, áreas representativas de ecossistemas brasileiros, sendo que 90 % delas devem permanecer intocadas e 10 % podem sofrer alterações para fins científicos. Foram criadas também as “Áreas de Proteção Ambiental ” ou APAS, áreas que podem conter propriedades privadas e onde o poder público limita as atividades econômicas para fins de proteção ambiental.

4 Lei das Atividades Nucleares número 6.453 de 17/10/1977.

Dispõe sobre a responsabilidade civil por danos nucleares e a responsabilidade criminal por atos relacionados com as atividades nucleares. Determina que se houver um acidente nuclear, a instituição autorizada a operar a instalação tem a responsabilidade civil pelo dano, independente da existência de culpa. Em caso de acidente nuclear não relacionado a qualquer operador, os danos serão assumidos pela União.Esta lei classifica como crime produzir, processar, fornecer, usar, importar ou exportar material sem autorização legal, extrair e comercializar ilegalmente minério nuclear, transmitir

informações sigilosas neste setor, ou deixar de seguir normas de segurança relativas à instalação nuclear.

QSMS Qualidade, Saúde, Meio ambiente e Segurança no trabalho.

Atividade 01 Valor ( 01 Pontos)

no trabalho. Atividade 01 – Valor ( 01 Pontos) 1. Defina QSMS. 2. Defina Qualidade. 3.

1. Defina QSMS.

2. Defina Qualidade.

3. Defina Saúde.

4. Defina Meio Ambiente.

5. Defina segurança do trabalho.

6.O que pode ser feito para melhorar a qualidade

do serviço de uma empresa.

7. Fale sobre Q.S.M.S. em 10 linhas.

8.Descreva 10 métodos de redução de acidentes.

Entrega: 18/09/2018.

QSMS Qualidade, Saúde, Meio ambiente e Segurança no trabalho.

Atividade 02 Valor ( 01 Pontos)

1. Cite e defina 10 normas Ambientais.

2. Cite e defina 10 leis ambientais.

3. Cite e defina 10 Normas Regulamentadoras de

segurança no trabalho.

4. o que é PDCA e Defina.

5. Defina sobre ISO 14001 Sistemas de Gestão

Ambiental.

6. Defina sobre ISO 9001.

7. Descreva sobre ABNT/CB-038 - Comitê Brasileiro

de Gestão Ambiental.

8. ABNT/CEE-225 - Comissão Estudo Especial de

Espaço Confinado.

Brasileiro de Gestão Ambiental. 8. ABNT/CEE-225 - Comissão Estudo Especial de Espaço Confinado. Entrega: 01/10/2018

5. Segurança no Trabalho

1.Segurança no Trabalho

1.Normas NR 1 a NR 36

2.Segurança

.

5. Segurança no Trabalho 1.Segurança no Trabalho 1.Normas NR 1 a NR 36 2.Segurança .

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

Normas

As Normas Regulamentadoras - NR, relativas à segurança e medicina do trabalho, são de

observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da

administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.

Devido a sua importância para o mundo do trabalho, as NRs estão sendo disponibilizadas em

três idiomas: Português, Espanhol, Inglês. As normas em Português estão completas e estão

disponíveis da NR-1 até a NR-10 nos outros dois idiomas. Em breve, as NRs estarão completas nas três línguas.

http://trabalho.gov.br/seguranca-e-saude-no-trabalho/normatizacao/normas-

regulamentadoras

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

Normas

NR-1 - DISPOSIÇÕES GERAIS

NR-2 - INSPEÇÃO PRÉVIA

NR-3 - EMBARGO OU INTERDIÇÃO

Carga Horária: 30 horas

NR-4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO

NR-5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

MANUAL DA CIPA NR-6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

Normas

Carga Horária: 30 horas

NR-7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NR-8 - EDIFICAÇÕES

NR-9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR-10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NR-10 NR-11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

Carga Horária: 30 horas

6. Normas NR-11 - ANEXO 1 - REGULAMENTO TÉCNICO DE PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE CHAPAS DE ROCHAS

ORNAMENTAIS

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR-12 - ANEXO I - DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS NR-12 - ANEXO II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA CAPACITAÇÃO. NR-12 - ANEXO III - MEIOS DE ACESSO PERMANENTES NR-12 - ANEXO IV - GLOSSÁRIO NR-12 - ANEXO V - MOTOSSERRAS NR-12 - ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA NR-12 - ANEXO VII - MÁQUINAS PARA AÇOUGUE, MERCEARIA, BARES E RESTAURANTES

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

Carga Horária: 30 horas

6. Normas NR-12 - ANEXO VIII - PRENSAS E SIMILARES NR-12 - ANEXO IX - INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS

NR-12 - ANEXO X - MÁQUINAS PARA FABRICAÇÃO DE CALÇADOS E AFINS

NR-12 - ANEXO XI - MÁQUINAS E IMPLEMENTOS PARA USO AGRÍCOLA E FLORESTAL NR-12 - ANEXO XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO EM ALTURA CARTILHA NR-12 (MÁQUINAS DE COURO) NR-13 - CALDEIRAS, VASOS DE PRESSÃO E TUBULAÇÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS DA NR-13 (Atualizado em 14/02/2018) NR-14 - FORNOS

NR-15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

NR-15 - ANEXO 1 - LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE

Normas

Carga Horária: 30 horas

NR-15 - ANEXO 2 - LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDOS DE IMPACTO

NR-15 - ANEXO 3 - LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR NR-15 - ANEXO 4 - (REVOGADO) NR-15 - ANEXO 5 - RADIAÇÕES IONIZANTES NR-15 - ANEXO 6 - TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS

NR-15 - ANEXO 7 - RADIAÇÕES NÃO-IONIZANTES NR-15 - ANEXO 8 - VIBRAÇÃO NR-15 - ANEXO 9 - FRIO NR-15 - ANEXO 10 - UMIDADE NR-15 - ANEXO 11 - AGENTES QUÍMICOS CUJA INSALUBRIDADE É

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6. Normas NR-16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS

NR-17 - ERGONOMIA

Carga Horária: 30 horas

NR-17 - ANEXO I - TRABALHO DOS OPERADORES DE CHECKOUT NR-17 - ANEXO II - TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING MANUAL DE APLICAÇÃO DA NR-17 NR-18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR-19 - EXPLOSIVOS

NR-20 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NR-20 - Perguntas e Respostas

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6. Normas NR-21 - TRABALHOS A CÉU ABERTO

NR-22 - SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO

NR-23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

Carga Horária: 30 horas

NR-24 - CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-25 - RESÍDUOS INDUSTRIAIS

NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

NR-27 - REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO (REVOGADA)

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6. Normas NR-28 - FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES

Carga Horária: 30 horas

NR-29 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

PORTUÁRIO

NR-30 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO

NR-30 - ANEXO I - PESCA COMERCIAL E INDUSTRIAL NR-30 - ANEXO II - PLATAFORMAS E INSTALAÇÕES DE APOIO NR-31 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA AGRICULTURA, PECUÁRIA SILVICULTURA, EXPLORAÇÃO FLORESTAL E AQUICULTURA

NR-32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

GUIA TÉCNICO DE RISCOS BIOLÓGICOS - NR-32

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

Normas

Carga Horária: 30 horas

NR-33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR-34 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO, REPARAÇÃO E DESMONTE NAVAL

NR-35 - TRABALHO EM ALTURA

NR-35 - MANUAL CONSOLIDADO (atualizado em 04/04/2018) NR-36 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NR-36:

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS (atualizado em 25/06/2018)

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

6.

Normas

ABNT é a sigla de Associação Brasileira de Normas Técnicas, um órgão privado e sem fins-lucrativos que se

destina a padronizar as técnicas de produção feitas no país. A normalização técnica dos produtos científicos e

tecnológicos documentais é fundamental para a total e ampla compreensão e identificação dos mesmos.

A homologação de um Documento Técnico ABNT é o ato de validação, por parte da direção da ABNT, do trabalho executado, desde a elaboração do documento pela Comissão de Estudo responsável, passando pelo processo de Consulta Nacional, até a aprovação do documento final. Durante todo o processo de elaboração de uma Norma Brasileira, a ABNT busca constantemente o

envolvimento de todas as partes interessadas. Quanto mais ampla a participação, mais benefícios a

normalização trará para a sociedade como um todo. As normas listadas a seguir são documentos publicados pela ABNT, aprovados por consenso das partes interessadas e homologados.

5. Segurança no Trabalho

1.Segurança no Trabalho

1.Segurança

Segurança no Trabalho 1.Segurança no Trabalho 1.Segurança . Segurança do trabalho (ou também denominado segurança

.

Segurança do trabalho (ou também denominado segurança ocupacional) é um conjunto de ciências e tecnologias que tem o objetivo de promover a proteção do trabalhador em seu local de trabalho, visando a redução de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

É uma das áreas da segurança e saúde ocupacionais, cujo objetivo é identificar, avaliar e controlar

situações de risco, proporcionando um ambiente ocupacional seguro e saudável para as pessoas. Destacam-se entre as principais atividades da segurança do trabalho:

Prevenção de acidentes

Promoção da saúde

Prevenção de incêndios Promoção de Cursos e treinamentos Elaboração de Laudos Técnicos Elaboração de Pericias Trabalhistas Consultoria ou Assessoria Mensal em Segurança do Trabalho

de Laudos Técnicos Elaboração de Pericias Trabalhistas Consultoria ou Assessoria Mensal em Segurança do Trabalho
6. Qualidade 1.Terminologias e procedimentos Normas e Terminologias Uma norma (ou standard) é uma publicação

6. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos Normas e Terminologias Uma norma (ou standard) é uma publicação técnica usada como regra, linha orientadora ou definição que permite definir

uma forma "repetível" de fazer algo.

A standardização/normalização na Informática na Saúde, à semelhança do que acontece noutros campos, apresenta

inúmeras vantagens como, por exemplo:

O

aumento da segurança e da qualidade de produtos;

A

diminuição de custos de transação e de preços de aquisição;

A

facilitação da comunicação;

O

encorajamento da interoperabilidade, etc.

A

nível da saúde, então, as normas funcionam como um conjunto de regras, condições e requisitos que afetam definições de

termos, classificação de componentes, especificações de materiais, performance de operações, delineação de procedimentos, medições da qualidade e quantidade associadas à descrição de materiais, produtos, sistemas e

6. Qualidade

1.Terminologias e procedimentos

Entidades Responsáveis pela Criação de Normas em IS ISO - International Organization for Standardization CEN - The Europeen Committee for Standardization ANSI - American National Standards Institute

Standardization ANSI - American National Standards Institute Para cada uma destas organizações principais,

Para cada uma destas organizações principais, responsáveis pela criação de normas em vários campos de aplicação, existem uma série de Comités constituídos por grupos de trabalho que implementam, então, normas numa área específica. Na área da Informática na Saúde, a ISO tem o Comité Técnico TC 215, o CEN tem o comité técnico TC 251 e o ANSI tem a HL7.

Uma terminologia é, de uma forma geral, um conjunto de termos, uma linguagem, utilizada em contextos específicos. As terminologias são um produto da normalização - têm o mesmo objetivo e apresentam as mesmas vantagens.

6. Qualidade

1.Princípios de gestão da qualidade

1. Foco no cliente

1.Princípios de gestão da qualidade 1. Foco no cliente Toda empresa é sustentada pelo seu cliente,

Toda empresa é sustentada pelo seu cliente, seja ele um consumidor de produtos ou de serviços. O cliente é o principal pilar de sustentação para qualquer organização e, por isso, a primeira dica é ter atenção a quem consome os seus serviços.

A função do bom gestor não é só atender às demandas atuais dos seus clientes, mas ser capaz de prever também as suas

necessidades futuras e, claro, ter disposição para atender a todas elas. Com isso, o gestor deixa de cumprir a expectativa dos clientes e passa a superá-las, e esta é a melhor dica para fidelizar seus compradores.

2. Liderança

Há uma linha clara que diferencia o chefe comum de um verdadeiro líder: o chefe, normalmente, é designado para o cargo

e se ocupa de dar ordens; já o líder é o principal motivador da sua equipe, que deseja crescer junto com ela.

É claro que as empresas inovadoras têm líderes à sua frente. O líder deve ser uma figura proativa e deve se tornar um

exemplo no qual o time de colaboradores possa se inspirar. É ele quem irá estabelecer os objetivos da organização e conduzi-la, através de estratégias aplicadas, a alcançar as metas desejadas. as melhores alternativas para facilitar a gestão da qualidade.

6. Qualidade

1.Princípios de gestão da qualidade

6. Qualidade 1.Princípios de gestão da qualidade 3. Envolvimento das pessoas Cada habilidade dos seus colaboradores

3. Envolvimento das pessoas

Cada habilidade dos seus colaboradores pode ser o caminho para conduzir a organização a inovar e a se firmar no mercado. É preciso saber gerir os prós e os contras de cada funcionário, buscando corrigir os pontos negativos e

aperfeiçoar os positivos.

Cada pessoa participante da organização deve se envolver com os problemas da empresa e buscar solucioná-los com a ajuda de seu potencial particular.

4.

Abordagem de processo

O

processo de uma organização precisa ser bem gerido, a partir do entendimento de que eles são ferramentas de

comunicação com os demais setores do negócio.

O processo se baseia no estudo das entradas e das saídas da empresa e, com ele, fica mais fácil identificar onde há

desvios de lucros e também fica mais eficiente o estabelecimento de metas para a organização.

5. Abordagem sistêmica da gestão

Todos os processos de uma empresa interagem entre si, o que apresenta os resultados de todo o sistema da organização.

Esses processos interligados devem ser identificados pelo gestor, entendidos e gerenciados por ele.

Um processo ocorrido na empresa sempre traz consigo um produto ou um serviço para outro processo e, dentro dos negócios, existem vários processos. Processos no cliente, nos fornecedores, nos parceiros. A abordagem sistêmica da gestão significa entender a ligação entre todos esses processos e a usá-los para perceber onde sua empresa está tendo lucros e prejuízos.

6. Qualidade 1.Princípios de gestão da qualidade 6. Melhoria contínua A adaptação e a melhoria

6. Qualidade

1.Princípios de gestão da qualidade

6. Melhoria contínua

A adaptação e a melhoria constante deve ser o objetivo fixo de qualquer gestor. A melhora no atendimento ao consumidor,

a melhora no desempenho do gestor, no desempenho dos colaboradores e todas as demais são muito importantes para manter o gás do seu negócio e para se firmar no mercado cada vez mais competitivo.

7. Abordagem factual para tomadas de decisões

A empresa que faz uso das análises lógicas e intuitivas tende a tomar decisões mais precisas e assertivas. O gestor não

deve ser impulsivo, mas seguro do que faz porque age baseado em dados precisos.

Toda decisão deve ser feita a partir de dados, de análises e de processos muito bem definidos.

8. Relações mutuamente benéficas com fornecedores

O contato com seus fornecedores deve ser de cumplicidade, pois os negócios são interdependentes. Quando há benefícios

mútuos, ambas as partes tendem a agregar mais valor. Uma boa relação com o fornecedor gera vantagem sobre a concorrência porque o comprometimento das partes se reflete na qualidade do produto ofertado, em prazos de entrega mais curtos e, como consequência, no agrado ao consumidor. Agora, você está pronto para aplicar os oito princípios apresentados na sua empresa e para garantir melhorias no seu negócio! Para aprender mais, leia mais sobre as melhores alternativas para facilitar a gestão da qualidade.

4. Meio Ambiente

1.Conservação

Conservação e preservação do meio ambiente: conceitos e definições

e preservação do meio ambiente: conceitos e definições meio ambiente: conceitos e definições BIOLOGIA Os termos

meio ambiente: conceitos e definições BIOLOGIAOs termos conservação e preservação são utilizados muitas vezes como sinônimos, mas esse é um erro que

precisamos corrigir conhecendo a significação correta destas duas palavras. Foi nos Estados Unidos, por volta do final do

século XIX que surgiram estas duas correntes ideológicas conhecidas como conservacionismo e preservacionismo (ECKHOLM,

1982).

O preservacionismo prega a preservação da natureza da forma como essa é em seu estado natural e relaciona o ser humano

como um ser extremamente daninho para o meio ambiente. Esta corrente de pensamento tem em seus preceitos que a

natureza deve ser mantida sem nenhuma interferência do ser humano. Devem ser criados parques nacionais estáticos de proteção ao meio ambiente, ou seja, com o intuito explicitamente protetor, estes santuários intocáveis estariam livres da exploração, degradação, consumo e até estudos feitos pelo ser humano.

https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/biologia/conservacao-e-preservacao-do-

meio-ambiente-conceitos-e-definicoes/38694

1.Meio Ambiente

4. Meio Ambiente

1.Conservação

Conservação e preservação do meio ambiente: conceitos e definições

Este tipo de pensamento preservacionista, atualmente é considerado muitas vezes como radical, e as pessoas que pensam desta forma são apelidadas hoje pelos cientistas e pessoas que trabalham seriamente com a natureza de ecoloucos. Esse pensamento evidencia-se por meio de estudos, comprovando que o meio ambiente pode ser resguardado e explorado de maneira racional, como prega o desenvolvimento sustentável, e sabe-se também que

cada vez mais são encontradas formas para que o ser humano viva em harmonia com a natureza.

O movimento conservacionista é mais consciente, exaltando o amor à natureza e ao meio ambiente aliado ao uso racional de matéria-prima e bens naturais, concorrendo com o auxílio e manejo criterioso pelos seres humanos. Fazendo com que possamos nos perceber como parte integrante desta mesma natureza e do processo gestor destes recursos. Esse modo de pensar é muitas vezes visto como o meio termo entre o preservacionismo e o desenvolvimento capitalista inicial (COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO, 1988).

http://www.lrqa.com.br/Certificacao/ISO-14001-meio-ambiente/

4. Meio Ambiente

4. M eio Ambiente https://www.youtube.com/watch?v=3IHGe5hxi3M

https://www.youtube.com/watch?v=3IHGe5hxi3M

4. M eio Ambiente https://www.youtube.com/watch?v=3IHGe5hxi3M

6. Qualidade

1.Processo

PROCESSOS PLANEJADOS

4 etapas do PDCA melhoram gestão dos processos e qualidade do produto

Conheça a metodologia do PDCA e as etapas necessárias para administrar problemas na gestão de processos.

A qualidade de um produto ou serviço só é alcançada quando a empresa consegue administrar todo o sistema de processos, e não apenas verificar os resultados.

Até porque, o exame apenas separa o bom do ruim, o acerto do erro, mas não garante a qualidade. O processo é formado por vários fatores interligados que geram o efeito-produto, que é um bem ou serviço que a empresa oferece. Numa empresa, existem muitos processos. A rede formada por eles constitui um sistema. O conhecimento e a administração do sistema são fundamentais para que a empresa alcance seus objetivos e, consequentemente, o sucesso.

Gerenciamento de processo Ciclo PDCA

No gerenciamento de um processo, não basta apenas reconhecer e identificar todas as fases que o compõe, é preciso administrar os fatores (mão de obra, máquina, método, meio ambiente, medidas, materiais) que interferem nesse processo para que se tenha o controle completo sobre o resultado final.

A administração dos fatores requer uma forma planejada, disciplinada que obedeça a uma sequência adequada. Isso é

possível com o ciclo PDCA, que é uma metodologia de gerenciamento que pode ser utilizada em qualquer situação e por

qualquer pessoa.

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/4-etapas-do-pdca-melhoram-gestao-

dos-processos-e-qualidade-do-produto,9083438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD

6. Qualidade

PROCESSOS PLANEJADOS 4 etapas do 1.Processo PDCA melhoram gestão dos processos e qualidade do produto

Gerenciamento de processo Ciclo PDCA

O PDCA é constituído por quatro etapas:

1. Planejar (Plan). Antes de se executar o processo é preciso planejar as atividades, definir a meta e os métodos.

2. Implementar/Executar (Do). É a execução das tarefas de acordo com o que for estipulado no plano, inclui também a

coleta de dados para o controle do processo. O treinamento é requisito para a execução das tarefas.

3. Verificar (Check). É a fase de monitoramento, medição e avaliação. Os resultados da execução são comparados ao

planejamento e os problemas são registrados. Se os resultados forem favoráveis, as tarefas são mantidas, se ocorrer problema, deve-se:

4. Agir (Act). Fase em que se apontam soluções para os problemas encontrados.

Agir apropriadamente Nesta fase há duas situações: alcance e não alcance do resultado esperado.

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/4-etapas-do-pdca-melhoram-gestao-

dos-processos-e-qualidade-do-produto,9083438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD

6. Qualidade

1.Processo

PROCESSOS PLANEJADOS 4 etapas do PDCA melhoram gestão dos processos e qualidade do produto Gerenciamento de processo Ciclo PDCA

Se o resultado foi alcançado, pode-se adotar o método de trabalho à rotina do processo. O método servirá como referência

para todos da empresa. Se o resultado não alcançou as expectativas, deve-se verificar se o padrão foi obedecido, as causas do problema e adotar o ciclo PDCA novamente. O uso do PDCA ajuda a executar os serviços estabelecidos no planejamento

No gerenciamento de processos, há dois modelos que podem ser utilizados: gerenciamento da rotina e gerenciamento para

melhoria. Conheça melhor cada um deles:

O

gerenciamento de rotina é um método para padronizar os processos da empresa, a fim de que eles funcionem em harmonia.

A

padronização faz com que as atividades sejam executadas sempre da mesma maneira, permitindo a estabilidade do processo.

O

gerenciamento para melhoria é o oposto do de rotina. Oferece condições para que a empresa fuja dos processos

padronizados e não seja ultrapassada pela concorrência de mercado.

Ao se estabelecer melhorias, a empresa obtém um resultado final que atenda e supere as expectativas do cliente.

Ao gerenciar processos, é preciso, antes de tudo, conhecê-los, administrar as variáveis, motivar as pessoas, trabalhar com técnicas e métodos, previsibilidade e competitividade.

O conteúdo foi útil para você?

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/4-etapas-do-pdca-melhoram-gestao-

dos-processos-e-qualidade-do-produto,9083438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD

6. Qualidade

1.Ferramentas: Pareto O Diagrama de Pareto é uma ferramenta da qualidade que foi utilizada pelo italiano Vilfredo Pareto. Tornou-se mais conhecido quando o teórico Juran utilizou. Através desse diagrama, um indivíduo seleciona vários itens ou fatores, de acordo com a ordem de importância. ara construí-lo, é utilizado o gráfico de colunas que irá colocar em ordem os problemas e suas frequências do maior para o menor, a fim de dar prioridade aquele que deverá ser resolvido com maior urgência.

Esse diagrama é construído baseado em uma fonte de pesquisas de dados ou nas folhas de verificação para

detectar o problema. Ele está baseado no princípio de pareto ou regra dos 80/20 que significa que 80% dos problemas são ocasionados por 20% das causas, ou seja, são poucas causas que originam a maioria dos problemas. O gráfico mostra a ordem de prioridades que um gestor deve utilizar para resolver as causas.

Como fazer o Diagrama de Pareto?

Identifique qual será o objetivo para construir o diagrama, ou seja, para que tipo de problema. Isso será feito através da coleta de dados por meio do SAC, pesquisa de satisfação, questionários, folhas de verificação, etc. Além disso, deve-se especificar o período para a coleta.

Saiba como os dados serão mostrados e classificados;

Numa tabela ou mesmo em folha de verificação organize cada dado de acordo com as categorias definidas na

coleta de dados. Ex.: Empresa de Vendas de Eletrodomésticos.

6. Qualidade

1.Ferramentas: Pareto Realize cálculos de percentual e percentual acumulado;

O calculo do percentual é feito dividindo cada frequência com a quantidade total de frequências; Já para o

calculo do percentual acumulado, soma-se cada porcentagem à primeira porcentagem acumulada e assim respectivamente. Ex.:

primeira porcentagem acumulada e assim respectivamente. Ex.: Porcentagem Defeito do Produto 75/174 = 0,4310… ->

Porcentagem

Defeito do Produto 75/174 = 0,4310… -> 43%

Demora na Montagem 49/174 = 0,2816… -> 28% Mau Atendimento 30/174 = 0,1724… -> 17% Problema Vendas do Site = 0,1149… -> 12% Defeito do Produto - o valor continua 43%

Demora na Montagem 28%+43%=71%

Mau Atendimento 17%+71%=88% Problema Vendas do Site 12%+88%=100% Faça o diagrama em qualquer programa que crie um gráfico de colunas, alinhado a um gráfico de linhas. As

fórmulas irão variar de acordo com o tipo de programa.

6. Qualidade

1.Ferramentas: Pareto

6. Qualidade 1.Ferramentas: Pareto http://gestao-de-qualidade.info/ferramentas-da- qualidade/diagrama-de-pareto.html
6. Qualidade 1.Ferramentas: Pareto http://gestao-de-qualidade.info/ferramentas-da- qualidade/diagrama-de-pareto.html

http://gestao-de-qualidade.info/ferramentas-da-

qualidade/diagrama-de-pareto.html

6. Qualidade

1.Ferramentas: Ishikawa O Diagrama de Ishikawa, conhecido como Espinha de Peixe, Diagrama 6M ou Diagrama de Causa e Efeito tem o objetivo de indicar a relação entre o efeito e as causas que contribuem para a sua ocorrência. Ele foi aplicado pelo professor Kaoru Ishikawa, da Universidade de Tóquio, em 1953, para detectar os problemas de qualidade de uma fábrica. Esse diagrama é parecido com a espinha de um peixe.

Para estruturá-lo, existem seis tipos de categorias utilizadas para classificar o problema. Geralmente, a técnica é utilizada em

muitas empresas para realizar o gerenciamento e o controle de qualidade dos processos. Como fazer uma Espinha de Peixe? Verificar claramente o problema, que no caso é o efeito. Faça uma seta na horizontal indicando para a direita.

Escreva o problema no final da seta dentro de um retângulo.

Faça um brainstorming com a equipe de tomada de decisões da empresa e extraia a maior quantidade de causas que estão auxiliando no problema. Organize as causas em categorias e subcategorias (subcausas).

quantidade de causas que estão auxiliando no problema. Organize as causas em categorias e subcategorias (subcausas).

6. Qualidade

1.Ferramentas: Ishikawa a divisão 6 M's são as categorias onde a causas dos problemas podem estar num processo:

Meio Ambiente - o problema está no ambiente externo ou interno à empresa. Como por exemplo a poluição, a falta de

espaço dentro da empresa, etc.

Material - o problema está no material que está sendo utilizado para realizar o trabalho. Mão de Obra - o problema pode estar num comportamento errado do trabalhador. Método - o problema poderá estar na metodologia do trabalho. Máquina - o problema poderá estar numa máquina utilizada para a realização de um processo.

Medida - o problema poderá estar numa medida que foi utilizada.

Com isso, a equipe deverá analisar cada causa que contribui para o problema de acordo com os 6M's. Para isso, cada 6M's é

inserido dentro de uma categoria e as causas dentro da espinha. Já o problema ficaria na ‘cabeça do peixe’.

6. Qualidade

1.Ferramentas: histograma

O Histograma é uma ferramenta de análise gráfica de frequências em que se marca o número de vezes que cada valor medido

ocorre. Ele apresenta informações básicas como tendência central, espalhamento dos dados e forma da distribuição. A finalidade da ferramenta é gerar conhecimento sobre como se distribuem os dados, ou seja, se são concentrados em uma pequena faixa de valores ou mais espalhados.

O histograma é bastante útil para sistemas que estão estáveis, pois desta forma é possível prever os resultados com relação ao

cumprimento de especificações. Em um processo estável, o histograma de resultados permanece constante ao longo do tempo, o que possibilita a identificação da porcentagem dos produtos que podem estar fora dos padrões. Construindo um histograma

A melhor maneira de explicar é com exemplos. Então vamos lá! Vamos analisar os valores coletados para a característica Diâmetro A da Peça Azul (Nominal 2,750 com tolerância +/- 0,005)

os valores coletados para a característica Diâmetro A da Peça Azul (Nominal 2,750 com tolerância +/-

6. Qualidade

1.Ferramentas: histograma Passos a seguir:

Determinar a quantidade de classes em que vamos subdividir nossos dados

Foi feita uma amostragem de 54 peças para coleta do diâmetro A da peça. Com isso, a literatura diz que temos que dividir nossos valores entre 6 e 10 classes distintas (dica: calcule a raiz quadrada do número de amostras e use um número próximo disso como a quantidade de classes).

Escolhemos 6 classes.

Definir a largura de cada classe e os limites Para isso, precisamos descobrir qual o valor máximo e mínimo dos nossos dados. Valor máximo da amostragem: 2,7552

Valor mínimo da amostragem: 2,7510

Diferença entre máximo e mínimo: 0,0042 Dividindo este último valor por 6 (quantidade de classes), vemos que a largura da classe é 0,0007.

e mínimo: 0,0042 Dividindo este último valor por 6 (quantidade de classes), vemos que a largura
e mínimo: 0,0042 Dividindo este último valor por 6 (quantidade de classes), vemos que a largura

6. Qualidade

1.Ferramentas: histograma Passos a seguir:

Construir as colunas

Pegamos o menor valor e somamos à largura da coluna para descobrir o

nosso intervalo:

Classe 1: 2,7510 2,7517 Classe 2: 2,7517 2,7524 Classe 3: 2,7524 2,7531

Classe 4: 2,7531 2,7538

Classe 5: 2,7538 2,7545 Classe 6: 2,7545 2,7552 Identificar a frequência de dados de cada intervalo pré determinado Classe 1: 10

Classe 2: 13 Classe 3: 20 Classe 4: 7 Classe 5: 3 Classe 6: 1

de cada intervalo pré determinado Classe 1: 10 Classe 2: 13 Classe 3: 20 Classe 4:
de cada intervalo pré determinado Classe 1: 10 Classe 2: 13 Classe 3: 20 Classe 4:
de cada intervalo pré determinado Classe 1: 10 Classe 2: 13 Classe 3: 20 Classe 4:

6. Qualidade

1.Ferramentas: histograma Passos a seguir:

Nosso histograma tem distribuição próxima da normal, ou seja, maior

concentração de dados próximos à média e diminuição da frequência

próximo dos limites (em um próximo artigo falaremos de Curva de Gauss, então assine nossa newsletter para ficar por dentro). É possível adicionar os limites de especificação (“voz do cliente”) ao histograma quando estiver analisando dados de medição. No exemplo utilizado, qualquer valor abaixo de 2,745 ou acima de 2,755 está fora da especificação e será devolvido pelo cliente (temos apenas um caso nessa amostra, acima do limite superior).

apenas um caso nessa amostra, acima do limite superior). https://www.harbor.com.br/harbor-blog/2016/08/30/histograma/

https://www.harbor.com.br/harbor-blog/2016/08/30/histograma/

apenas um caso nessa amostra, acima do limite superior). https://www.harbor.com.br/harbor-blog/2016/08/30/histograma/
apenas um caso nessa amostra, acima do limite superior). https://www.harbor.com.br/harbor-blog/2016/08/30/histograma/

6. Qualidade

1.Ferramentas: lista de verificação

2.A lista de verificação de qualidade é mais conhecida pelo seu termo em inglês, Checklist.

Ela identifica o que pode ser controlado e define os itens que devem ser

verificados. Uma boa prática é manter um padrão, e escrever todos os itens em uma única forma, ou na forma de questões ou no particípio. Por exemplo:

O plano de projeto foi concluído e aprovado? Plano de projeto concluído e aprovado

e aprovado? Plano de projeto concluído e aprovado
e aprovado? Plano de projeto concluído e aprovado

http://www.farmaceuticas.com.br/11-ferramentas-da-qualidade-e-suas-estrategias-de-gestao/

6. Qualidade

1.Ferramentas: lista de verificação

6. Qualidade 1.Ferramentas: lista de verificação https://escritoriodeprojetos.com.br/listas-de-verificacao-da-qualidade
6. Qualidade 1.Ferramentas: lista de verificação https://escritoriodeprojetos.com.br/listas-de-verificacao-da-qualidade
6. Qualidade 1.Ferramentas: lista de verificação https://escritoriodeprojetos.com.br/listas-de-verificacao-da-qualidade

https://escritoriodeprojetos.com.br/listas-de-verificacao-da-qualidade

6. Qualidade

1.Ferramentas: brainstorm

Hoje sempre que um problema ocorre ou um processo precisa ser modificado, é consenso que envolver todas as

partes traz melhores resultados na decisão. O brainstorming traduzido como ?tempestade de ideias?, tem com

objetivo gerar o máximo de ideias possível sobre um assunto durante um período de tempo, procurando evitar qualquer tipo de decisão precipitada. Este é um método em que várias pessoas são envolvidas e podem fazer parte da tomada de decisão através da

geração de ideias, que irá contribuir para solução de um problema ou melhoria do processo.

COMO FUNCIONA? Reúne-se um grupo de pessoas envolvidas com um assunto específico, que deverão apresentar todas as ideias que lhe venham à cabeça;

Estas ideias serão anotadas à medida que forem sendo geradas;

Todas as ideias apresentadas deverão ser levadas em consideração, mesmo que num primeiro momento pareçam

inúteis e sejam descartadas mais tarde, pois poderão trazer inspiração para novas ideias. POR QUE UTILIZAR? Faz com que o usuário esteja atento para o fato gerador do problema;

Proporciona aspectos que fazem com que as ideias sejam vistas de vários ângulos, o que facilita a melhor decisão;

Funciona como ?lubrificante? num processo de solução de problemas, pois auxilia na identificação das causas mais difíceis de solucionar, principalmente se não são visíveis.

6. Qualidade

TIPOS DE BRAINSTORMING Estruturado: onde todos os participantes do grupo expõem suas ideias através de rodadas, o que estimula a participação de todos, até mesmo das pessoas mais tímidas, mas também pode criar uma certa pressão sobre o participante, que praticamente é

obrigado a expor suas ideias;

Não-estruturado: onde os participantes do grupo expõem suas ideias conforme vão surgindo, o que proporciona um ambiente

mais relaxante, mas deve-se tomar o cuidado de não deixar os participantes mais extrovertidos dominarem o brainstorming. PROCEDIMENTOS PARA UMA REUNIÃO DE BRAINSTORMING

1. Decidir e deixar claro o assunto que se deseja discutir.

2. Escolher uma pessoa para anotar todas as ideias no quadro.

3. Pedir para que cada participante aguarde sua vez para expor suas ideias, evitando que todos falem ao mesmo tempo.

4. Continuar o processo até que as ideias se esgotem.

5. Por fim, as ideias podem ser discutidas e esclarecidas.

DICAS PARA UMA REUNIÃO DEBRAINSTORMING

O tempo da reunião deve ser limitado, variando entre 20 e 60 minutos, o tempo pode variar de acordo com o número de

participantes; Evitar que todos falem de uma só vez quando surgirem muitas ideias ao mesmo tempo. Quando é dada a palavra a um dos

participantes, enquanto ele fala os outros deverão permanecer em silêncio; As ideias deverão ser expostas de maneira clara e objetiva; Nunca criticar, questionar ou elogiar as ideias dos participantes durante a reunião; Procurar sempre transmitir entusiasmo e interesse nas ideias geradas. APÓS O BRAINSTORMING

6. Qualidade

1.Ferramentas: brainstorm APÓS O BRAINSTORMING Selecione as melhores ideias para serem analisadas, melhoradas e aproveitadas;

Dê ao grupo um feedback sobre o resultado final e mostre com suas contribuições foram valiosas.

Longe de ser uma solução definitiva, o Brainstorming é uma ótima alternativa e pode funcionar na maioria dos casos, além de disso, pode ser utilizado para realizar análise de causas e ser utilizado em conjunto com outras ferramentas da qualidade, como por exemplo, diagrama de causa e efeito e diagrama de Pareto.

REFERÊNCIAS PEINADO, Jurandir; GRAEML, Alexandre Reis. Administração da produção: operações industriais e de serviços. Curitiba: UnicenP, 2007. Manual de ferramentas de qualidade. SEBRAE, . Agosto/2005.

http://www.blogdaqualidade.com.br/brainstorming/

6. Qualidade

1.Ferramentas: gráfico de controle Ferramentas da Qualidade: Grafico Controle Na área de Qualidade, seja ela de manufatura, software ou qualquer outra, temos como subsidio as Ferramentas da

Qualidade, que são descritas como sete:

Análise de Pareto Diagrama de Causa-Efeito Check-Sheets (Planilha de Checagem) Control Charts (Gráfico de Controle)

(Planilha de Checagem) Control Charts (Gráfico de Controle) Histogramas Diagrama de Scatter/Plot Estratificação Todas

Histogramas

Diagrama de Scatter/Plot Estratificação

Todas são importantes e diferem entre sí para que possamos encontrar respostas e controlar a qualidade do nosso

produto. Neste momento será apresentado o que é a como funciona um Control Charts (Gráfico de Controle).

Control Charts (Gráfico de Controle) Um Control Chats (Gráfico de Controle) é uma ferramenta estatística para avaliar, acompanhar, e manter a estabilidade do processo [1]. O seu principal objetivo é monitorar uma determinada atividade ou processo contínuo a fim de

descobrir algum desvio ou variação desta atividade ou processo.Com ele pode-se: prevenir defeitos, evitar desperdícios,

eliminar o que comprometa a eficiência, reduzir custos.

6. Qualidade

1.Ferramentas: gráfico de controle

Acompanhando a variação de uma atividade ou processo estatisticamente onde as atividades são repetidas, que também é um dos princípios desta ferramenta, podemos encontrar dois tipos de variação:

Comum ou aleatórios: também conhecido como Causa Comum de Variação são variações inerentes ao processo e,

geralmente, vem de várias fontes de pequenas variações. Eliminar as Causas Comunsé mais difícil, pois requer o

conhecimento e analise de todo o processo de mudança: procedimentos, pessoas, padrões, etc de controle as Causas Comuns podem ser visualizadas dentro do limite de controle.

Dentro do gráfico

Eventos especiais ou exclusivos: também conhecido como Causas Especiais de Variação são variações que surgem ocasionalmente no processo e a eliminação desta variação está geralmente relacionada a execução das atividades daquele processo. Uma vez que identificamos a Causa Especial de Variação, deve-se eliminá-la e prevenir a reincidência da mesma causa com uma ação preventiva.

a reincidência da mesma causa com uma ação preventiva. Figura 1 - Exemplo de um Control

Figura 1 - Exemplo de um Control Chart

Podemos ler o gráfico da seguinte maneira:

Todos os itens que ultrapassarem o limite superior ou inferior (foram dos limites) são considerados

6. Qualidade

1.Ferramentas: gráfico de controle

6. Qualidade 1.Ferramentas: gráfico de controle Todos os itens que estiverem dentro dos limites superiores e

Todos os itens que estiverem dentro dos limites superiores e inferiores são considerados Causas Comuns, apresentados

na Figura 1, excluindo os itens 7, 11 e 18.

Como construir um Control Chat (Gráfico de Controle) Construiremos um Gráfico de Controle toda vez que um processo ou atividade estiver fora de controle. Este gráfico, geralmente, não é criado quando identificamos um processo ou atividade fora de controle. Inicialmente a equipe deve fazer um brainstorm sobre os problemas, utilizar-se de Análise de Pareto e Diagrama de Causa-Efeito para evoluir para

um Gráfico de Controle.

Construção:

Identificar a característica do processo que será monitorado: defeitos, custo, tempo gasto em determinado processo

padronizado, etc

Escolher o tipo apropriado de gráfico para apresentar as características do processo monitorado. Você pode criar mais limites inferiores e superiores para seu controle.

Determinar os métodos de amostragem: tempo, quantidades, custo, número de defeitos, etc

6. Qualidade

1.Ferramentas: gráfico de controle

Coletar uma amostra de dados.

Analisar a calcular a amostra: médias, limites superiores e inferiores.

Construir o Gráfico de Controle baseado dos dados de amostra

o Gráfico de Controle baseado dos dados de amostra Alimentar com mais dados a medida do

Alimentar com mais dados a medida do tempo e monitorar as Causas Comuns e Causas Especiais.

Avaliar qualquer dado fora do limite no Gráfico de Controle. Se isso acontecer, investigue estes padrões e tente entender porque este processo está fora do limite. A investigação e correção pode levar a melhorias no processo.

Com o acompanhamento do Gráfico de Controle conseguimos determinar os pontos de atenção do processo que está

sendo acompanhado, estabelecer medições no processo e buscar melhorias no processo através da análise das Causas

Especiais de Variação. Este pode e deve ser um grande aliado a todos os perfis que temos dentro da área de Teste e Qualidade de Software.

http://sembugs.blogspot.com/2009/05/ferramenta-qualidade-

grafico-controle.html

6. Qualidade

1.Ferramentas: diagrama de dispersão Diagrama de dispersão ou de correlação

O diagrama de dispersão ou de correlação também faz parte das sete ferramentas da qualidade e é

utilizado para comprovar a relação entre uma causa e um efeito. Diz respeito de uma representação gráfica de valores simultâneos de duas variáveis relacionadas a

um mesmo processo, mostrando o que acontece com uma variável quando a outra se altera, ajudando desta forma a verificar a relação entre elas. Para ilustrar vejamos um exemplo

O quadro abaixo apresenta uma amostra contendo idade, peso e altura dos alunos de uma

faculdade. O diagrama de correlação auxilia na determinação da relação entre estes dados. Amostra de idade, peso e altura Diagrama de correlação entre altura e peso Entretanto avaliando em outra perspectiva, avaliando a idade e o peso, pela tabela apresentada, o diagrama não apresenta que não existe correlação entre a idade e o peso das pessoas, pois os pontos não se agrupam em torno de uma linha reta, o que significa que não há relação linear entre as duas variáveis.

Diagrama de correlação entre idade e peso

6. Qualidade

1.Ferramentas: diagrama de dispersão

6. Qualidade 1.Ferramentas: diagrama de dispersão
6. Qualidade 1.Ferramentas: diagrama de dispersão

6. Qualidade

1.Ferramentas: diagrama de dispersão

6. Qualidade 1.Ferramentas: diagrama de dispersão

6. Qualidade

6. Qualidade http://arcobahiaengenharia.com.br/site/ coelba 75kva rede primaria e secundaria aterramento temporário

rede primaria e secundaria

aterramento temporário projeto trafomador plataforma

rede espacer

pdf

https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES

lil pump contratos

pdf https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES lil pump contratos E_Raquel_Silva_2014.pdf
pdf https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES lil pump contratos E_Raquel_Silva_2014.pdf
E_Raquel_Silva_2014.pdf
E_Raquel_Silva_2014.pdf
pdf https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES lil pump contratos E_Raquel_Silva_2014.pdf
pdf https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES lil pump contratos E_Raquel_Silva_2014.pdf
pdf https://run.unl.pt/bitstream/10362/13664/1/TES lil pump contratos E_Raquel_Silva_2014.pdf

6. Qualidade

6. Qualidade OHSAS 18001 Saúde Ocupacional e Segurança s empresas estão cada vez mais sofrendo pressões

OHSAS 18001 Saúde Ocupacional e Segurança

s empresas estão cada vez mais sofrendo pressões comerciais, regulamentares e éticas para controlar e reduzir riscos que surjam de suas operações. Nesse sentido, sistemas de gestão de Saúde Ocupacional e

Segurança (Occupational Health and Safety - OH&S) podem ajudar fornecendo uma abordagem

sistemática para a identificação e redução de perigos e riscos operacionais, reduzindo custos associados a acidentes, incidentes, invalidez e doenças ocupacionais aumentando, assim, a produtividade e a motivação enquanto melhora a reputação da empresa. A especificação OHSAS 18001 é o modelo de sistema de gestão mais reconhecido para a certificação

OH&S. Tendo o LRQA como elemento chave nesse processo, a OHSAS 18001 foi desenvolvida através de

uma colaboração sem paralelos entre os principais organismos de certificação em conjunto com organismos normativos nacionais e outros depositários normativos. Com uma estrutura baseada em riscos com total correspondência da ISO 14001 com a OHSAS 18001, esta alcançou um alto grau de compatibilidade com outros modelos de sistemas de gestão, simplificando sua entrada na maior parte das organizações. A OHSAS 18002 dá direcionamento na implementação com direcionamento adicional no que diz respeito à gestão OH&S, disponíveis através de diretrizes como a BS 8800. Veja também Perguntas mais freqüentes sobre OHSAS 18001.

6. Qualidade

1.Planilhas e gráficos

6. Qualidade 1.Planilhas e gráficos

7. Qualidade Total

Qualidade Total

1.Conceito

Carga Horária: 30 horas

7. Qualidade Total

1.Eficiência

Carga Horária: 30 horas

7. Qualidade Total

1.Eficácia

Carga Horária: 30 horas

7. Qualidade Total

1.Melhoria contínua

Carga Horária: 30 horas

8- Meio Ambiente

Carga Horária: 30 horas

Meio Ambiente 1.Aspectos e impactos ambientais da ação humana: consumo consciente, reciclagem de lixo, descarte de resíduos

8- Meio Ambiente

Meio Ambiente 1.Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais

Carga Horária: 30 horas

8- Meio Ambiente

Carga Horária: 30 horas

Meio Ambiente 1.Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia

8- Meio Ambiente

Carga Horária: 30 horas

Preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável

9- Saúde e Segurança no Trabalho

1.A CIPA

Carga Horária: 30 horas

9- Saúde e Segurança no Trabalho

Carga Horária: 30 horas

1.Acidentes de trabalho: definições, características, tipos (no trajeto, fora do

local e do horário de trabalho)

9- Saúde e Segurança no Trabalho

1.Doenças: profissionais, doença do trabalho

Carga Horária: 30 horas

9- Saúde e Segurança no Trabalho

Carga Horária: 30 horas

1.Condições ambientais: riscos ambientais no trabalho, riscos ergonômicos,

prevenção e redução de danos

9- Saúde e Segurança no Trabalho

Carga Horária: 30 horas

1.Riscos ocupacionais: medidas preventivas, utilização de equipamentos de

prevenção individual (EPI), utilização de equipamentos de prevenção coletiva

(EPC), controle e conservação dos equipamentos de proteção

10- Equipes de trabalho

1.Trabalho em grupo

Carga Horária: 30 horas

10- Equipes de trabalho

1.Trabalho em grupo

Carga Horária: 30 horas

Conteúdo Programático GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO Religadores Religadores de circuito automáticos são

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

Religadores Religadores de circuito automáticos são reconhecidos por concessionárias de energia ao redor do mundo como um equipamento essencial de forma a atingir seu objetivo principal estender ao máximo a continuidade do serviço de fornecimento elétrico para os clientes de forma simplificada e econômica. Religadores trabalham com

sensoriamento e interrupção de corrente de falta automaticamente restaurando a distribuição de energia em

caso de uma falta momentânea. O religador de circuitos automático é um equipamento essencial com inteligência integrada para o sensoriamento de sobre corrente e interromper as correntes de falta e para reenergizar as linhas fazendo o religamento automaticamente. Caso a falta for permanente, o religador irá abrir e manter o circuito aberto após

um pré-determinado número de operações (normalmente três ou quatro), isolando o setor sob falta para

manter a maior parte do sistema funcionando continuamente. Os religadores podem ser monofásicos usados para proteção de ramos únicos das redes de distribuição para substituir soluções mais simplificadas como fusíveis de forma a estender a disponibilidade do circuito com a redução dos níveis de intervenção dos operadores.

Os religadores trifásicos são operados por um mecanismo único para abertura e fechamento simultânea dos

contatos permitindo o monitoramento dos níveis de tensão e correntes de cada uma das fases da linha de forma independente com sistemas de comunicação e controle integrados.

http://www.eaton.com.br/EatonBR/ProductsSolutions/Electrical/ProdutoseServicos/SistemasdePotenci

a/ReligadoreseChaves/index.htm

Conteúdo Programático GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO Chaves Chaves e seccionadores de circuitos são equipamentos

Conteúdo Programático

GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO

Chaves Chaves e seccionadores de circuitos são equipamentos usados ao longos dos anos pelas concessionárias de energia e se provam como excelentes soluções com custo reduzido quando comparados a disjuntores para manobra de sistemas e de equipamentos como bancos de capacitores.

As chaves sob carga para manobras de bancos de capacitores são desenhadas para suportar abertura e fechamento

de correntes capacitivas sem diminuição de vida útil ou aumento de possibilidade de “restrike” ou reestabelecimento indesejado do circuito, sendo um equipamento desenhado para tal finalidade possui todos os ensaios comprovando sua eficiência para aplicações em sistemas de distribuição e subestações tanto de concessionárias de energia como industriais.

As chaves para bancos de capacitores podem ser monofásicas ou trifásicas sendo completamente versáteis para

diversas aplicações e sendo permitida sua atuação pela linha de controles e relés da Eaton ou de qualquer outro fabricante no mercado, tornando-as uma solução viável para reformas de sistemas antigos instalando novos sistemas de proteção ou de controle de fator de potência. A Eaton também possui em seu escopo de fornecimento chaves de manobra para redes de distribuição de energia a

serem instaladas em poste, essa solução tanto trifásica como monofásica é uma resposta para reestruturações de

redes ou isolação de equipamentos. Possuindo sistema de manobra manual elas são simplificadas para redução de investimentos aos clientes em sua aquisição sem perder a qualidade e confiança em sua operação.

http://www.eaton.com.br/EatonBR/ProductsSolutions/Electrical/ProdutoseServicos/SistemasdePot

encia/ReligadoreseChaves/index.htm

7. Aplicação de Análise Preliminar de Riscos

7. Aplicação de Análise Preliminar de Riscos

8. Utilização de escada extensível e cesto aéreo;

Cuidados:

Aterramento;

Patolas;

Sinalização;

Autorização

de escada extensível e cesto aéreo; • Cuidados: • Aterramento; • Patolas; • Sinalização; • Autorização
de escada extensível e cesto aéreo; • Cuidados: • Aterramento; • Patolas; • Sinalização; • Autorização
de escada extensível e cesto aéreo; • Cuidados: • Aterramento; • Patolas; • Sinalização; • Autorização

11. Ferramentas aplicadas em RD

Tipos; Aplicação; Padrão de instalação.

12. Equipamentos

Transformadores de Distribuição - Utilizado no setor de distribuição de energia como concessionárias de energia,

cooperativas, instaladoras e empresas em geral (como subestação externa). Tem potência nominal de 15 a 300kVA trifásicos, de 3 a 75kVA monofásicos e classe de tensão, dependendo do fabricante de 15, 24,2 e 36,2kV.

de 15 a 300kVA trifásicos, de 3 a 75kVA monofásicos e classe de tensão, dependendo do

12. Equipamentos

Transformadores industriais Semelhantes aos de distribuição, porém com maior potência nominal (500kVA a 5MVA) e mais itens de proteção, como relés, termostatos etc. Outra diferença é que devido ao seu

tamanho, estes não são instalados em postes, mas em plataformas de SE abrigadas ou externas.

é que devido ao seu tamanho, estes não são instalados em postes, mas em plataformas de

12. Equipamentos

Transformadores de força - Equipamentos utilizados em grandes potências, geralmente dezenas de MVA, e tensões nominais acima de 69kV, desta forma somente utilizados por empresas do SEP em SE na geração e transmissão de energia elétrica.

acima de 69kV, desta forma somente utilizados por empresas do SEP em SE na geração e

12. Equipamentos

Transformadores de força - Equipamentos utilizados em grandes potências, geralmente dezenas de MVA, e tensões nominais acima de 69kV, desta forma somente utilizados por empresas do SEP em SE na geração e transmissão de energia elétrica.

8. Caixa de Derivação

Caixa de Derivação

9. Aterramento em redes secundário.

Aterramento em redes secundário;

10. Construção e Manutenção de Redes Secundárias

Construção e Manutenção de Redes Secundárias.

4.1.1Regulamentação

A execução de projeto e obra de rede de distribuição de energia pelo interessado está prevista e regulamentada através das Resoluções Normativas da ANEEL nº 414, de 9 de Setembro de 2010, nº 223 de 29 de Abril de 2003 e nº 229 de 8 Agosto de 2006.

4.1.6Elaboração dos Projetos

Os projetos e obras de redes rurais ou urbanas devem observar às prescrições contidas nas

Normas e Padrões Técnicos, bem como as especificações de materiais e equipamentos das Distribuidoras.

No caso da Distribuidora solicitar os ensaios dos materiais, a empresa construtora deve enviar uma lista dos mesmos, contendo as seguintes informações:

a) Descrição do material ou equipamento;

b) Quantidade de cada item;

c) Referência comercial (marca/modelo);

d) Fabricante;

e) Local em que se encontram.