Sei sulla pagina 1di 15
FUNDAGAO EDITORA DA UNESP Presidente do Conzeho Curador ELISEU SAVERIO SPOSITO ‘Mateos Maca José Castine Marques Neto Esitor Executivo GEOGRAFIA E FILOSOFIA CONTRIBUICAO PARA O ENSINO DO PENSAMENTO GEOGRAFICO 1° reimpressio Editora NESP 1 A QUESTAO DO METODO E A CRITICA DO CONHECIMENTO. Introdugao se conceber uma metodologia de ensino do pensamento geo- é precis« mente, discutir 0 método cientifico. E con- \do-0 historicamente ¢ em sua dimensto filosofica que passa- ios.a traté-lo neste texto. ssa proposta partedo pressuposto de queométodo nao pode ser dado do ponto de vista disciplinar, mas como instrumento in- Iectual e racional que possibilite a apreensio da realidade objetiva peloinvestigador, quando este pretende fazer uma leitura dessa rea- idee estabelecer verdades cientificas para a sua interpretacdo. foram resultando da fragmentagao da nento, mesmo que, com esse desclobramento, o conhecimer 10 tenha mostrado importantes avangos para a comp! licagdo do mundo. A nosso ver, éafusdo sim todoedisciplina que foi provocando a crise para |, que outras crises paradigmticas jd ocorreram na ciéncia, mas por outros motives. No presente, estamos propondoa necessidlade de se buscar na discussto do método uma das possibilidades ce explicagio para essa situagio. 24 ELISEU savéRIo sposrTO Por essas razées, podemos dizer queo pensamento ocidental vive, ‘hd algum tempo, uma crise paradigmética jé apontada por diversos cestudiosos do assunto. Mesmocom a discussio aberta, nfo so mui- tas as pessoas que trabalham com o temirio geografico que esto interessadas em participar do debate. Nao cabe aqui procurar as razbes para essa “negligencia” para com assunto tdo sério para a Geografia, Mas uma possivel explica- fo paraessa atitude, entretantas outras que acreditamos poder bus- car, €a recusa de se trabalhar a questiio' metodolégica em todaa sua abrangéncia, A abrangéi ia a que nos referimos deve levar em consideragio, no jé afirmamos, 0 método do ponto de vista de suas mudancas a0 longo do tempo, seus elementos componentes — teorias— eas influéncias ideolégicas que podem afet ‘A importincia do método ede sua discussdo em Geografia éine- gavel. Para Santos (1996, p.62-3), a questiiodo métodoé fundamen- a [da construgdo de um sistema intelectual que per- abordar uma realidade, a partir de um ponto Para desenvolver essa discussio, vamos pelo seguinte caminho: fe, vamos debater o seu significado e demonstrar 0 que entendemos por método; em seguida, vamos trabalhar com diferen- tes correntes doutrinarias que esto subordinadase que subordinam ‘0s métodos cientificos. Nos itens seguintes, vamos lembrar alguns cuidados necessérios para se interpretar um texto porque, dado assunto que nos propomos.a estudar—o conhecimento geogrifico ~ acultura do texto tem que estar sempre presente. Por fim, & preciso ter certos cuidados com a atitude de se ler um texto. GEOGRARAEFLOSOHA 25, O método cientifico iemos pelo método. bora possa parecer prosaico, vamos inicialmente confrontar, definigdes para o termo, pois a intengo deste texto & mente, contribuir para o ensino do pensamento geogréfico, mnstrando para. estudante de Geografia que ha varias possibi- ar o estuco de questées rel fas a0 pensamento Assim, 0 primeiro passo para a aproximacao ao significado de wa palavra € consultar um ou mais dicionarios ou obras de referén- le procurem confrontar diferentes definigdes do método. esse modo, para Japiassu & Marcondes (1990), em seu Dicio- io basico de Filosofia, a palavra método derivado gregoe éformada meta (por, através de) e hodos (caminho). Em seguida, eles defi- 1Stodo como conjunto de procedimentes racionais ingir um objetivo determinado, entoen baseados em segras, que visam rexemplo, na cigacia,o estabele smonstragdo de uma verdade cient Parafraseando Descartes, os autores acrescentam: pormétodo,entendoasregrascertase ices, graas’s quaistodesos que as observam exatament itor para a discussio que faremos outros elementos ereferén: