Sei sulla pagina 1di 35

Fisiologia Renal

Filtração e hemodinâmica renal e transporte no néfron.


Prof Ricardo M. Leão
FMRP-USP

Berne Fisiologia ,capitulo 34 (5a edição)/32 (6a edição)


Para que serve o rim?
• Regulação do balanço hídrico, do balanço eletrolítico, do volume e
osmolaridades corporais e do equilíbrio ácido-base.
• Manutenção da homesotase!
• Remoção e excreção de produtos metabólicos endógenos, p.ex. uréia.
• Remoção e excreção de substâncias exógenas.
• Gliconeogênese.
• Secreção de hormônios.
• Renina
• Eritropoietina
• Di-hidroxivitamina D
Anatomia básica
do rim
• Cortex (granulado)
• Medula
• Papila
• Calices
• Menores
• Principal
• Pelve
• Ureter
O néfron
O néfro
Um rim humano possui
~1.000.000 de nefrons

néfros juxtamedulares (25% dos néfrons humanos)


O glomérulo
Fenestrações entre 4 a 14 nm
Glicoproteínas negativamente
carregadas, repelem proteínas
plasmáticas
A filtração glomerular
• O plasma é filtrado pelo glomérulo formando o filtrado glomerular.
• O filtrado glomerular é o conteúdo plasmático sem as proteínas.
• 20% do plasma é filtrado pelo glomérulo por vez.
• Muitas substâncias filtradas podem ser reabsorvidas pelos túbulos
• Muitas substâncias não filtradas completamente podem ser
secretadas através túbulos
• As células tubulares podem secretar elas prórías substâncias
Excreção urinária = Filtração – Reabsorção + Secreção
Arteríola aferente Arteríola eferente

Capilares 1-Filtração
glomerulares
2-Reabsorção
3-Secreção
Cápsula de
4-Excreçao
Bowman

Capilares
peritubulares

Veia renal

Excreção
urinária
Pressão de Filtração Glonerular (PFG)
A. Af.
Forças Pressão (mm Hg)
Favorecendo a filtração
-Pressão hidrostática capilar 60
PEB glomerular (Pcg)
Opondo-se a filtração
PCG -Pressão hidrostática no
espaço de Bowman (Peb) 15
πCG
-Pressão osmótica capilar
(πcg) 29

PFG=Pcg-Peb-πcg = 16

A. Ef.
O conceito de taxa de filtração glomerular (TFG)
• Volume de líquido flitrado dos glomérulos para dentro do espaço de
Bowman por unidade de tempo.
• Depende da PFG e das permeabilidade das membranas corpusculares e da
área de filtração.
• Em humanos a TFG é de180 l/ dia
• Compare com a filtração dos capilares sanguíneos de 4 l/dia
• Sendo o volume do plasma sanguineo de 3 l, os rins filtram todo o plasma 60 vezes por dia.

• A TFG não é constante mas é constantemente ajutada pelos rins de


acordo com as necessidades fisiológicas
• É modulado pelos aferentes neurais e ações hormonais nas arteríoloas aferentes e
efererentes, resultando em alterações na PFG
Constrição e relaxamento das arteríolas afretes e
eferentes controlam a TFG e o Fluxo Plasmático
Renal (FPR)
A excreção urinária de uma substância é a diferença de
seu fluxo arterial e venoso
Para qualquer soluto (X) que o rim
nao sintetiza, degrada ou acumula,
a única rota de entrada é a artéria
renal, enquanto as duas únicas
rotas de saída são a veia renal e o
ureter. Pela lei da ação das massas
a entrada de X é igual a saída de X.

𝐹𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑎𝑟𝑡𝑒𝑟𝑖𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑠𝑜𝑙𝑢𝑡𝑜 = 𝐹𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑣𝑒𝑛𝑜𝑠𝑜 𝑑𝑜 𝑠𝑜𝑙𝑢𝑡𝑜 + 𝑓𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑢𝑟𝑖𝑛á𝑟𝑖𝑜 𝑑𝑜 𝑠𝑜𝑙𝑢𝑡𝑜


O conceito de depuração (clearance) renal:
volume de plasma necessário livre de uma
substância por unidade de tempo
• FPR 700 ml plasma / min
• 142 mM Na+
• 142 mM x 0.7 L = 100 mmol Na+/min
• Excreção de 0,14 mmol/min de Na+
depurado
• ~1 ml de plasma/ min
• Depuração do Na+ = 1 ml/min

FPR
O conceito de depuração (clearance) renal:
volume de plasma livre de uma substância por unidade de tempo

𝑈𝑥. 𝑉
𝐶𝑥 =
𝑃𝑥
Cx = depuração de x
Ux = concentração urinária de x
V = fluxo urinário
Px = concentração plasmática de x

Se uma substância é apenas filtrada , sua depuração reflete a taxa de filtração glomerular (TFG)
Se uma substância é filtrada mas totalmente reabsorvida, como a glucose, a sua depuração é igual a zero
Se uma substância é filtrada e totalmente secretada sua depuração reflete o fluxo plasmático renal (FPR)
Medindo a taxa de filtração glomerular (TFG)

Para se medir a TFG o soluto usado para isso tem:


• Que ser totalmente filtrado.
• Não pode ser secretado.
• Não pode se reabsorvido.

-INULINA (substância exógena)


-Creatinina (produzida pelo corpo, levemente secretada, dá um valor aproximado)
-TFG normal em humanos é de 180 L/dia (ambos os rins)
Depuração da inulina = TFG
= inulina

1-Filtração
2-Reabsorção
3-Secreção
4-Excreçao
Depuração da inulina é usado para definir se uma
substância é secretada ou reabsorvida pelo nefro
Depuração de Substância X > TFG

Secreção tubular da substância X 1-Filtração


2-Reabsorção
3-Secreção
4-Excreçao
Depuração de Substância Y < TFG

Reabsorção tubular da substância Y


Depuração da p-aminohipurato (PHA) = FPR
= PHA

1-Filtração
2-Reabsorção
3-Secreção
4-Excreçao
Filtração, secreção e reabsorção

• Substâncias essencias ao organismos são reabosorvidas


• Substâncias em excess ou tóxicas não são reabsorvidas
• Essas substâncias também podem ser secretadas.
• Diferentes partes do néfron participam dos processos de reabsorção
e secreção de diferentes substâncias.
A maioria das substâncias é reabsorvida no
túbulo proximal
• Água
• Sódio
• Cloreto
• Potássio
• Glicose
• Aminoácidos
• Vitaminas
• Fosfato
• Bicarbonato
• Cálcio
As substâncias são reabsorvidas por vias paracelulares e transcelulares

via paracelular

via transcelular
A maior parte da glicose é reabsorvida no
túbulo proximal
-A glucose é reabsorvida por transporte ativo
secundário com o sódio. Os transportadores
são o SGLT1 e SGTl2.
-Na membrana basolateral a glucose sai por
transporte passivo pelo transportador
GLUT1
A depuração da glicose é zero, pois (normalmente) ela é totalmente
reabsorvida
Acima de 200 mg/dl ocorre glicosúria
= glicose

1-Filtração
2-Reabsorção
3-Secreção
4-Excreçao
A maior parte do
sódio é reabsorvida
no túbulo convoluto
proximal.
regulação
• O túbulo proximal e a
alça ascendente espessa
de Henle reabsorvem
92% do Na+ filtrado
• Os 7 % restantes são
reabsorvidos nos ductos
coletores, onde essa
fração é sujeita a efeitos
hormonais.
• Apenas 0,4% do Na+
filtrado é excretado,
normalmente
Absorção de sódio no
túbulo convoluto
proximal
-Por transporte ativo secundário com
glucose, aminoácidos, fosfato, sulfato, lactato
e outros ácidos orgânicos.
-Por co-transporte com o hidrogênio (NHE3)
– secreção de ácido.
-Passivamente pela via paracelular junto com
a água (arrasto de solvente).
-devido a alta permeabilidade das vias trans
e paracelulares a água a concentração
tubular de sódio não é significativamente
alterada.
-A saída do sódio para o espaço intersticial se
dá por transporte ativo primário pela Na/K-
ATPase.
O Cloreto é reabsorvido junto com o sódio

• Túbulo proximal- O cloreto é reabsorvido tanto pela via paracelular


como pela transcelular (trocador base/Cl).
A reabsorção no túbulo proximal é isoosmótica
-A alta expressão de aquaporina I faz o túbulo ser muito permeável a água.
-A água basicamente segue o fluxo de solutos (no caso principalmente o sódio).
Absorção de sódio na
alça de Henle
ascendente

-Por co-transporte com o potássio e o


cloreto (NKCC2).
-Por co-transporte com o hidrogênio (NHE3)
– secreção de ácido.
-Passivamente pela via paracelular.
-devido a baixa permeabilidade das vias
trans e paracelulares a água a concentração
tubular de sódio diminui.
-A saída do sódio para o espaço intersticial se
dá por transporte ativo primário pela Na/K-
ATPase.
O hormônio ALDOSTERONA produzido pelas
supre-renais, promove a captação de sódio pelos
ductos coletores.
• A aldosterona é um mineralocorticóide que estimula a sintese de
canais de sódio voltagem-independentes da membrana apical das
células principais dos ductos coletores, e da Na/K-ATPase na
membrane basolateral
Absorção de sódio no
ducto coletor

-Por difusão por canais de sódio não-


dependents de voltagem.
-A saída do sódio para o espaço intersticial se
dá por transporte ativo primário pela Na/K-
ATPase.
Mecanismo de ação da aldosterona