Sei sulla pagina 1di 14

Doi: 10.5212/Uniletras.v.38i2.

0006

As (multipli)cidades dos modernistas


portugueses

The multiple cities of portuguese


modernists
La Salette Loureiro*

L’artiste authentique moderne voit la metrópole comme de la vie abstraite figurée… le naturel, dans la
ville, est toujours atténué et régularisé par l’esprit humain… Le beau s’y exprime d’une manière plus
mathématique. La ville est donc le lieu à partir duquel doit se développer le tempérament artistique
de l’avenir.
Mondrian, De Stil, n.º 1, 1918, p. 1321.

Resumo: Tal como os seus congéneres europeus, também os modernistas portugueses,


Fernando Pessoa, Almada e Sá-Carneiro, elegeram a cidade como tema de muitos dos
seus textos. Porém, mesmo quando se trata de uma mesma cidade real, Lisboa ou
Paris, a cidade de cada um deles é substancialmente diferente. Nesta comunicação
abordaremos dois tópicos relacionados com o tema da cidade em dois destes autores.
Assim, para Pessoa/ Bernardo Soares, trataremos de duas faces da mesma moeda, «A
cidade do quotidiano» e «A cidade irreal», para Sá-Carneiro, destacaremos a relação
do autor e suas personagens com a cidade de Paris.
Palavras-chave: cidade, Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro

Abstract: Like other European artists, also the Portuguese modernists, Fernando
Pessoa, Almada and Sá-Carneiro, elected the city as the subject of many of their
writings. But even when it comes to the same real city, Lisbon or Paris, the city of
each of them is substantially different. This paper will cover two topics related to the
theme of the city in two of these authors. So for Pessoa / Bernardo Soares, we will
deal with “The city of daily life” and “The unreal city”, to Sá-Carneiro, the author’s
relationship and his characters with the city of Paris.
Keywords: City, Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro

*
Mestrado em Literatura Comparada Portuguesa e Francesa, pela Universidade Nova de Lisboa; Licenciatura em Línguas e
Literaturas Modernas: Estudos Portugueses e Franceses, pela Universidade de Coimbra. E-mail: lsloureiro@sapo.pt.
1
Apud Wladimir Krisinski. Entre Aliénation et Utopie: La ville dans la Poésie Moderne. In: AAVV. La Ville n’est pas un lieu.
Rev. Esthétique, nºs 3/4. Paris: Un. Gen. Editions, 1977, p. 31.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 251
La Salette Loureiro

Introdução Também a cidade de Soares desempe-


nha esta função, mas ela apresenta-se-lhe
Em consonância com o que se passa na
como uma escrita de signos incompreensí-
Europa na sequência da transformação urba-
veis, que é forçoso decifrar para desvendar o
na originada pela industrialização, também
mistério do Homem e do Universo. A cidade
os modernistas portugueses, Pessoa, Almada
real serve-lhe ainda de porta de acesso para
e Sá-Carneiro, instituem a cidade como tema
todas as cidades inexistentes que a sua ima-
de muitos dos seus textos.
ginação inventa.
Verificamos, no entanto, que, mesmo
Sá-Carneiro admira deslumbrada-
quando se trata de uma mesma cidade real,
mente as grandes capitais, sente Paris como
como Lisboa ou Paris, e apesar de viverem
um corpo de mulher/amante, por ela sus-
num mesmo tempo e partilharem experiên-
pira apaixonadamente, tal como as suas
cias comuns, os aspectos selecionados pelos
personagens.
diferentes autores são substancialmente di-
Almada elege a cidade como o lugar de
ferentes, porque inquestionavelmente mar-
encontro de cada um consigo mesmo. É nela
cados pelas suas diferentes personalidades,
que os seus heróis aprendem, ou desapren-
vivências reais ou imaginárias, e sensibili-
dem, a ser homens.
dades. O que, aliás, vem confirmar a ideia
Na senda de Cesário, Lisboa merece um
de Italo Calvino de que “cada homem traz
destaque especial a todos estes autores, à ex-
na mente uma cidade feita só de diferen-
cepção de Sá-Carneiro. Lisboa de Campos,
ças, uma cidade sem figuras e sem forma”
duas vezes “revisitada” em busca da sua uni-
(CALVINO, 1990, p. 36).
dade perdida, Lisboa do cais, real ou simbóli-
Pessoa dissertou largamente sobre o
co, de chegada ou de partida, onde também
assunto e deixou que Álvaro de Campos e
ele tenta desvendar o sufocante enigma do
Bernardo Soares gravassem no papel as des-
Universo. Lisboa de Soares, do quotidiano co-
crições, as reflexões e os sentimentos que as
lhido ao vivo nas ruas da Baixa, fruída pelos
cidades, reais ou imaginárias, inspiravam.
sentidos, mas impregnada de sentidos ocul-
A cidade de Campos é a Grande
tos. Lisboa Lar, para ambos. Ou então, Lisboa
Metrópole cosmopolita, pejada de luzes e de
de Almada, boémia e nocturna, de clubs e de
multidões, de luxos e de progresso, mas tam-
cabarets, onde desfila uma sociedade mergu-
bém de um cortejo de misérias que este fa-
lhada numa “apagada e vil tristeza”, que lhe
talmente engendra. Ela assume também di-
merece as mais duras críticas.
mensões metafísicas quando a define como
Nesta comunicação abordaremos dois
o lugar para onde se vai e onde se fica, em
tópicos relacionados com o tema da cidade
contraste com a “aldeola do espaço”, a Terra,
em dois destes autores. Assim, para Pessoa/
onde vivemos transitoriamente. A cidade é
Bernardo Soares, trataremos de duas faces
também o lugar de encontro, ou desencon-
da mesma moeda, “A cidade do quotidiano”
tro, com os Outros e o palco onde a condição
e “A cidade irreal”, para Sá-Carneiro, o tema
humana se lhe revela.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


252 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

da relação do autor e suas personagens com dois, ouvido e olfacto se associam. Bernardo
Paris. Soares vê com o ouvido e também o olfac-
to é para ele “uma estranha vista”. O tacto
Bernardo Soares: Lisboa no quotidiano e o gosto são desvalorizados, por menores
(A rua dos Douradores) e carnais3. Mas todos eles podem agir em
simultâneo, à boa maneira de Cesário e dos
Bernardo Soares escreve no Livro do
Simbolistas.
Desassossego “A minha consciência da cidade
Os sentidos, porém, são ainda outros.
é, por dentro, a minha consciência de mim”
São os significados que vêm das coisas e das
(PESSOA, 1986, p. 163), mostrando assim que
gentes, dum Universo cifrado que Bernardo
a exploração da cidade coincide com a explo-
Soares, tal como Álvaro de Campos, não se
ração do seu próprio Eu.
cansa de procurar desvendar. São ainda os
Morador num quarto alugado na Rua
sentidos com que ele próprio investe as coi-
dos Douradores2, sobre a cidade e o infini-
sas e os seres e com os quais procura repre-
to, ajudante de guarda-livros no escritório
sentar o Mundo e o Homem.
da mesma rua, “transeunte de corpo e alma”
Mas antes de mais e acima de tudo,
pelas ruas da Baixa e do sonho, Soares é um
podemos dizer que a Lisboa de Bernardo
digno sucessor do seu constante e comovida-
Soares é uma cidade amada, configurando-
mente evocado e invocado mestre, Cesário
-se como um “foyer au sens affectif, pour
Verde. Como ele passeante anónimo e atento,
lequel on éprouve des sentiments ambiva-
mesmo quando distraído, Soares faz da sua
lentes”, como afirma Alexander Mitscherlich
errância por LISBOA (intencionalmente gra-
(MITSCHERLICH, 1970, p. 175). Os verbos
fada a maiúsculas) um verdadeiro exercício
“amar” e “gozar”, conjugados na primeira
dos sentidos.
pessoa do singular, normalmente relacio-
A sua Lisboa é a cidade do quotidiano,
nados com a contemplação ou a errân-
onde a náusea, o tédio e o gozo se misturam
cia4, aparecem constantemente no Livro do
com todas as cores, todos os sons e todos
Desassossego5.
os cheiros que sobre ela pairam diariamen-
Nesse sentido, parece-nos que a aná-
te. É desse mergulho diário que o Livro do
lise de Alexander Mitscherlich se aplica na
Desassossego nos fala, numa sempre comovi-
da fruição da alma e dos sentidos, mas so-
bretudo destes últimos, nomeadamente, da 3
“Ver e ouvir são as únicas cousas nobres que a vida con-
visão, sentido hipervalorizado, a que outros tém. Os outros sentidos são plebeus e carnais. A única
aristocracia é não tocar” (Ibid., p. 218).
4
Eis alguns exemplos: “gozo de sentir-me coevo de Cesá-
rio Verde” (Ibid., p. 55), “gozo de errar sem pensar entre o
2
“E, se o escritório da Rua dos Douradores representa que a cidade se torna” (Ibid., p. 108), “Gozo o céu” (Ibid.,
para mim a vida, este meu segundo andar, onde moro, da p. 195).
mesma rua dos Douradores, representa para mim a Arte” 5
“Amo, pelas tardes demoradas de Verão, o sossego da ci-
(PESSOA, 1986, p. 228). N.B.: Em vários textos do Livro do dade baixa” (Ibid., p. 55), “e amo-vos da amurada” (Ibid.,
Desassossego o quarto onde mora é no 4.º andar. Ex: “O p. 87), “Amo esses largos solitários” (Ibid., p. 151), “amo o
aplauso chega ao quarto andar onde moro” (Ibid., p. 216). Tejo” (Ibid., p. 195), são apenas alguns exemplos.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 253
La Salette Loureiro

perfeição ao caso de Bernardo Soares, quan- O seu dia a dia é constituído pelo traba-
do aquele diz que “Le moi peut aller jusqu’à lho, as refeições no restaurante6, as estadas
inclure en lui la ville natale ou aussi la vil- no café, a deambulação pela cidade, a medi-
le ‘élue’” (MITSCHERLICH, 1970, p. 49), ou tação, a escrita, o sonho diário. Tudo é igual,
então: regular, vulgar e monótono, como, aliás, tudo
aquilo que o rodeia7. E é vivido às vezes, quase
Quand tout se passe bien, une ville de-
sempre, num estado de semi-consciência8 e
vient un objet d’amour; […] La ville
est réconfort et consolation dans le dé- alheamento9.
sespoir, un décor joyeux pour les jours Tal regularidade e monotonia provoca
de fête; elle représente, dans la diver- naturalmente uma sensação de tédio, (em-
sité de ses fonctions, quelque chose de bora este seja uma tendência natural do
plus ancien que le monde paternel, elle Sujeito10), de náusea, de frustração e até de
est, dans les beaux exemples que nous humilhação, como ilustram alguns trechos:
connaissons tous, l’amante mère, un
être dont on ne peut se détacher car on Sim, vejo nitidamente, com a clareza
reste éternellement son enfant, ou son com (que) os relâmpagos da razão des-
tendre compagnon (Ibid., p. 41). tacam do negrume da vida os objectos
próximos que no-la formam, o que há
Assim, a cidade de Bernardo Soares de- de vil, de lasso, de deixado e factício,
sempenha a função protectora de mãe, que nesta Rua dos Douradores que me é a
lhe é tradicionalmente atribuída e é visível vida inteira — este escritório sórdido
na designação moderna de metrópole, metro até à sua medula de gente, este quarto
(mãe) + polis. Por isso nos deixou declara- mensalmente alugado onde nada acon-
tece senão viver um morto, esta mer-
ções como “Oh, Lisboa, meu lar!” (PESSOA,
cearia cujo dono conheço como gente
1986, p. 99) e “Se eu tivesse o mundo na mão,
conhece gente, estes moços da porta da
trocava-o, estou certo, por um bilhete para a taberna antiga, esta inutilidade traba-
Rua dos Douradores” (Ibid., p. 206). lhosa de todos os dias iguais, esta repe-
Quanto à cidade do quotidiano, verifi- tição pegada das mesmas personagens,
ca-se que, no 2º ou no 4º andar da Rua dos
Douradores (é significativo que vida e arte
“não comi bem, nem bebi o costume, no restaurante, ou
6-
morem na mesma rua), pela Rua da Prata, da casa de pasto, em cuja sobreloja baseio a continuação da
Alfândega, do Arsenal, dos Fanqueiros, pela minha existência” (Ibid., p. 189).
Praça da Figueira, pelo Terreiro do Paço, com 7-
“o armazém, até à Rua dos Douradores, enfileira as
prateleiras regulares, os empregados regulares, a ordem
o Tejo sempre ao fundo, um céu em perma- humana e o sossego do vulgar. Na vidraça há o ruído do
nente metamorfose policromática, e todas diverso, e o ruído diverso é vulgar” (Ibid., p. 57).
8-
“Não sei se estou com febre, como sinto, se deixei de ter
as paisagens que os olhos da alma alcançam, a febre de ser dormidor da vida” (PESSOA, 1986, p. 65).
vive Bernardo Soares a sua “nula”, “vida quo- 9-
“Passa tudo isso, e nada de tudo isso me diz nada, tudo
tidiana de transeunte incógnito” (Ibid., p. é alheio ao meu sentir” (Ibid., p. 56).

235).
10-
“Em mim o tédio é frequente, mas, que eu saiba, por-
que reparasse, não obedece a regras de aparecimento”
(Ibid., p. 131).

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


254 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

como um drama que consiste apenas Continuar na Rua dos Douradores, isto
no cenário, e o cenário estivesse às é, igual a toda a gente, e muito aquém do
avessas (Ibid., p. 293). sonho, parece ser uma fatalidade16 contra a
A peregrinação constante pelas ruas qual, às vezes, o Sujeito se revolta17, e de que
constitui, de certo modo, uma forma de lu- sente vontade de fugir18. Choca, porém, com
tar contra estas sensações desagradáveis e, obstáculos idiossincráticos intransponíveis:
algumas vezes, assume mesmo um carácter a sua inércia física, o seu medo do novo e do
intencional11. Mas ela é também um ensejo risco19.
de observação e meditação12. Assim, é através Por outro lado, verificamos que, quando
delas que o autor/personagem nos dá infor- a rotina se altera, este se sente desconfortável
mações sobre a paisagem física e humana e e perdido, procurando mesmo reentrar nela,
também sobre as suas paisagens interiores achando que “Era em certo modo o lar, isto é,
que, em alguns casos, prolongam ou repro- o lugar onde se não sente” (Ibid., p. 277), ou
duzem as exteriores. Como uma objectiva como diz noutro fragmento “A vulgaridade
móvel ou fixa, pronta a disparar a qualquer é um lar. O quotidiano é materno” (Ibid., p.
momento13, Soares vai focando a massa hu- 271).
mana que desfila à sua frente. Mas também a Verifica-se então que o quotidiano
azáfama das ruas é registada: os carroceiros constitui uma espécie de lar, com todos os
carregando os caixotes14, as vendedeiras, os valores afectivos que lhe estão associados,
jornais do dia, a agitação colorida da Praça uma espécie de protecção maternal e anes-
da Figueira, os moços de fretes fingindo que tesiante, de que, apesar dos protestos, Soares
trabalham15. precisa para se sentir minimamente confor-
tável e seguro20.
Aliás, a realidade quotidiana, aquilo a
que ele chama vida, constituída pelo mun-
11
“Um dos meus passeios predilectos, nas manhãs em que do exterior, que ele adjectiva, à maneira de
temo a banalidade do dia que vai seguir como quem teme
a cadeia, é o de seguir lentamente pelas ruas fora, antes
da abertura das lojas e dos armazéns, e ouvir os farrapos 16-
“A escravatura é a lei da vida, e não há outra lei, porque
de frases que os grupos de raparigas, de rapazes, e de esta tem de cumprir-se, sem revolta possível nem refúgio
uns com as outras, deixam cair, como esmolas da ironia, que achar” (Ibid., p. 106).
na escola invisível da minha meditação aberta” (Ibid., p. 17-
“Serei sempre da Rua dos Douradores, como a humani-
74). dade inteira” (Ibid., p. 106).
12-
Ver nota anterior. “O meu desejo é fugir. Fugir ao que conheço, fugir ao
18-

“Sigo por uma rua como quem está sentado, e a minha


13-
que é meu, fugir ao que amo” (Ibid., p. 106).
atenção, desperta a tudo, tem todavia a inércia de um re- “Nunca vou para onde há risco” (Ibid., p. 200); “Abo-
19-

pouso do corpo inteiro” (Ibid., p. 258). mino a vida nova e o lugar desconhecido” (Ibid., p. 249);
“Na rua cheia de caixotes vão os carregadores limpando
14
“A inacção consola de tudo. Não agir dá-nos tudo” (Ibid.,
a rua. Um a um, com risos e ditos, vão pondo os caixotes p. 286).
nas carroças. Do alto da minha janela do escritório eu os 20-
“Seja onde estiver, recordarei com saudade o patrão
vou vendo, com olhos tardos em que as pálpebras estão Vasques, o escritório da Rua dos Douradores, e a mono-
dormindo” (Ibid., p. 172). tonia da vida quotidiana será para mim como a recor-
“os moços de fretes estão a fazer não fazer nada, inde-
15-
dação dos amores que me não foram advindos, ou dos
terminadamente” (Ibid., p. 173). triunfos que não haveriam de ser meus” (Ibid., p. 189).

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 255
La Salette Loureiro

Caeiro, de “espantosa objectividade do mun- proveito para a elaboração deste seu livro
do” (Ibid., p. 297), chega até a ser a única coisa “casual e meditado”, constituindo antes uma
suportável: “Tudo se me tornou insuportável, boa fonte de inspiração:
excepto a vida — o escritório, a casa, as ruas
Devo ao ser guarda-livros grande parte
— o contrário até, se o tivesse — me sobre- do que posso sentir e pensar como a ne-
basta e oprime” (Ibid., p. 297). gação e a fuga do cargo (Ibid., p. 226).
Esta problemática assume, portanto,
um carácter de insolubilidade. Atracção e Se houvesse de inscrever, no lugar sem
repulsa existem alternada e até simultanea- letras de resposta a um questionário, a
mente. Porém, a balança pende muito mais que influências literárias estava grata a
para o lado da atracção, como mostra a pas- formação do meu espírito, abriria o es-
sagem que a seguir reproduzimos, de acen- paço ponteado com o nome de Cesário
tuado sabor paúlico: Verde, mas não o fecharia sem nele ins-
crever os nomes do patrão Vasques, do
Ah, como as cousas quotidianas roçam guarda-livros Moreira, do Vieira cai-
mistérios por nós! Como à superfície, xeiro de praça e do António moço do
que a luz toca, desta vida complexa de escritório. E a todos poria, em letras
humana [?], a Hora, sorriso incerto, magnas, o endereço chave LISBOA.
sobe aos lábios do Mistério!
Que moderno que isto soa! (Ibid., p. Vendo bem, tanto o Cesário Verde
297). como estes foram para a minha visão
do mundo coeficientes de correcção
E afinal, vendo bem as coisas, um dia
(Ibid., p. 226-7).
chega à conclusão de que “Considerando
bem tudo, prefiro o Moreira ao mundo as-
tral; prefiro a realidade à verdade” (Ibid., p. Bernardo Soares: a cidade irreal
272). Obviamente, o sonho não deixa de ser
um tempero indispensável e é ele que mere- Nestas circunstâncias, desgostoso da
ce a designação de “verdade”, mas, às vezes, realidade e de si próprio, comprazendo-se
“deixa um horror à vida interior, uma náusea na inacção, este Eu não tem outra saída se-
física dos misticismos e das contemplações” não a construção de um mundo imaginário,
(Ibid., p. 272). É então que o escritório e o concebido à sua própria medida, uma cidade
Moreira se tornam num “porto” seguro21. irreal. Mas para o conseguir precisa de anali-
E afinal, o seu dia a dia de guarda-li- sar a realidade, pois como refere:
vros, e o seu convívio com o patrão Vasques, As cousas são a matéria para o meu
o Moreira e outros funcionários do escritó- sonho; por isso aplico uma atenção
rio da Rua dos Douradores, não foram sem distraidamente sobreatenta a certos
detalhes do Exterior.
21
“Com que pressa corro de casa, onde assim sonhe, ao
escritório; e vejo a cara do Moreira como se chegasse fi-
nalmente a um porto” (Ibid., p. 272).

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


256 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

Para dar relevo aos meus sonhos pre- sentido, que leva a uma realização total, ab-
ciso conhecer como é que as paisagens soluta, coincidente com algumas afirmações
reais e as personagens da vida nos apa- destes autores. Vejamos:
recem relevadas (Ibid., p. 53).
Il (le sacré) est ainsi en liaison étroite
Assim, se “ver” é uma actividade que avec le registre onirique, lequel permet
assume a máxima importância no Livro do de composer divers élements de la vie
Desassossego, ela é, por um lado, uma activi- quotidienne selon des modalités qui
dade selectiva, pois “A minha visão das coisas sont impossibles dans celle-ci.[...]
suprime sempre nelas o que o meu sonho não
pode utilizar” (Ibid., p. 53), por outro lado, On peut, à partir de là, comprendre
ela não é um exclusivo dos olhos do corpo. comment, en s’insérant dans la vie
Ao contrário, é muitas vezes de olhos fecha- quotidienne, l’onirique peut expri-
mer une mise en question de celle-ci
dos22 que o Sujeito contempla as paisagens
et comment aussi une des requêtes du
que mais o fascinam e que adquirem uma
sacré consiste en l’affirmation d’un
nitidez, às vezes, fotográfica, idêntica à da- temps et d’un lieu d’accomplissement
quelas que à vista se lhe oferecem: “Vejo as où, au-delà des incompatibilités, existe
paisagens sonhadas com a mesma clareza une unité (RÉMY; VOYÉ, p. 80).
com que fito as reais” (Ibid., p. 98).
Aliás, na sua óptica, o mundo sonhado Ainsi peut-il (le sacré) donner des lieux
é o que é realmente verdadeiro23 e “sonhar é de compensation dans l’imaginaire ou
muito mais prático que viver” (Ibid., p. 86), intégrer le primaire dans une poétique
opinião que coincide com Bachelard, para où il prend sens ou bien encore devenir
quem “Toujours, imaginer sera plus grand refus et protestation (Ibid., p. 80-1).
que vivre” (BACHELARD, 1957, p. 90). O oní- Nesta perspectiva, considerando-se a
rico institui-se, assim, como “l’affirmation si próprio como espectador e espectáculo, o
d’un temps et d’un lieu d’accomplissement”, “teatro íntimo” (PESSOA, 1986, p. 272) que
associando-se pelos efeitos que produz ao Soares constrói dentro de si, só pode ser
estatuto do “sagrado”, tal como ele pode ser gratificante e compensador das frustrações
vivido na grande cidade, segundo a análise “reais” duma vida incompleta, que lhe passa
de Jean Rémy e Liliane Voyé. Com efeito, en- ao lado, “simples quadro externo”, “— bailado
contramos no Livro do Desassossego, uma prá- sem nexo, mexer de folhas ao vento, nuvens
tica do onírico/sagrado embebido na vivência em que a luz do sol muda de cores, arrua-
do quotidiano (o primário), acrescentando a mentos antigos, ao acaso, em pontos descon-
este um “surplus de sens”, um suplemento de formes da cidade” (Ibid., p. 111). É o que nos
mostra uma passagem, que não deixa de nos
22
“Se cerrar os olhos, continuo vendo, pois que não vejo” lembrar o Universo em que se move o seu
(PESSOA, 1986, p.154). mais ou menos contemporâneo Sá-Carneiro:
23
“O meu mundo imaginário foi sempre o único mundo
verdadeiro para mim” (Ibid., p. 285).

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 257
La Salette Loureiro

não sendo mais, nem querendo ser acalentara a vaga consciência da ma-
mais, que um espectador de mim, te- nhã nascendo entre o som dos carros
nho que ter o melhor espectáculo que que hortaliçam (Ibid., p. 92).
posso. Assim me construo a ouro e se-
das, em salas supostas, palco falso, ce- É neste estado semi-acordado que as
nário antigo, sonho criado entre jogos ruas reais da Baixa se transformam nos gran-
de luzes brandas e músicas invisíveis des cenários da imaginação, écrans onde
(Ibid., p. 123-4). perpassam os filmes de vidas inexistentes:
“E então, em plena vida, é que o sonho tem
Assim concebida, a actividade onírica é
grandes cinemas. Desço uma rua irreal da
uma constante e institui-se, muitas vezes, em
Baixa e a realidade das vidas que não são ata-
simultâneo com a observação da realidade24,
-me, com carinho, a cabeça num trapo branco
com ela se fundindo25, como atrás dissemos.
de reminiscências falsas” (Ibid., p. 92).
É num estado de sonolência que muitas vezes
Não só as vidas, mas também as paisa-
deambula pelas ruas, atentamente distraí-
gens desfilam sob o seu olhar contemplativo.
do, semi-virado para fora, semi ou comple-
Todas as cidades e lugares acedem ao seu co-
tamente virado para dentro:
nhecimento pela sua fértil imaginação:
Quando durmo muitos sonhos, venho
Passei por cidades mais que existentes,
para a rua, de olhos abertos, ainda com
e os grandes rios de nenhuns mundos
o rastro e a segurança deles. E pasmo
fluíram, absolutos, sob os meus olhos
do automatismo meu com que os ou-
contemplativos (Ibid., p. 97).
tros me desconhecem. Porque atraves-
so a vida quotidiana sem largar a mão
da ama astral, e os meus passos na rua Passeei pelas margens dos rios cujo
vão concordes e consoantes com obs- nome me encontrei ignorando. Às
curos desígnios da imaginação de dor- mesas dos cafés de cidades visitadas
mir. E na rua vou certo; não cambaleio; descobri-me a perceber que tudo me
respondo bem; existo. sabia a sonho, a vago (Ibid., p. 26).

[...] para evitar veículos ou não estor- Por isso, já viu tudo, mesmo sem ter vis-
var peões, quando não tenho que fa- to nada, isto é, sem ter viajado. E, afinal, para
lar a alguém, nem me pesa a entrada quê correr o risco da viagem, se “Para viajar
para uma porta próxima, largo-me basta existir” (Ibid., p. 223) e se “Quando se
de novo nas águas do sonho [...] e de sente de mais, o Tejo é Atlântico sem núme-
novo regresso à ilusão mortiça que me
ro, e Cacilhas, outro continente, ou até outro
universo” (Ibid., p. 223).
24
“De maneira que a arte que queira representar bem a A sua vida é já uma viagem: “Vou de dia
realidade terá de a dar através duma representação si- para dia, como de estação para estação, no
multânea da paisagem interior e da paisagem exterior”
(PESSOA, 1987, p. 157). comboio do meu corpo, ou do meu destino,
25
“Sigo, simultaneamente, pela rua, pela tarde e pela lei- debruçado sobre as ruas e as praças, sobre
tura sonhada, e os caminhos são verdadeiramente per-
corridos” (PESSOA, 1986, p. 108-9).
os gestos e os rostos, sempre iguais e sempre

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


258 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

diferentes, como, afinal, as paisagens são” social nessas fábricas e nesses escritó-
(Ibid., p. 223). rios ...
Por outro lado, basta-lhe apanhar o eléc- Todo o mundo se me desenrola aos
trico, transporte para o corpo e para a alma, olhos só porque tenho diante de mim
para que as cidades, os cafés, as gentes de [...] (Ibid., p. 139)
todo o mundo, com as mais variadas profis- A sua própria vida também se constrói,
sões, desfilem diante da sua alma: “Os bancos ou reconstrói, em função das paisagens vis-
do eléctrico, de um entre-tecido de palha for- tas, realizando os dons do poeta indicados
te e pequena, levam-me a regiões distantes, por Baudelaire:
multiplicam-se-me em indústrias, operários,
casas de operários, vidas, realidades, tudo” Cada casa por que passo, cada chalé,
(Ibid., p. 139). cada casita isolada caiada de branco e
de silêncio — em cada uma delas num
Também os passageiros do eléctrico lhe
momento, me concebo vivendo, pri-
servem de passaporte para a construção do
meiro feliz, depois tediento, cansado
filme das suas vidas sociais e profissionais, depois; e sinto que, tendo-a abandona-
o mesmo acontecendo com aqueles que, es- do, trago comigo uma saudade enorme
tando ausentes, têm presente o fruto do seu do tempo em que lá vivi. [...]
trabalho. Através dele, ele os vê de “olhos vira- Depois, ao passar diante de casas, de
dos para dentro”, correspondendo à ideia de villas, de chalés, vou vivendo em mim
Bachelard, quando este afirma que “l’homme todas as vidas das criaturas que ali es-
est l’être entr’ouvert” (p. 200): tão (Ibid., p. 192).

Vou num carro eléctrico, e estou re- Este processo de criação imaginária
parando lentamente, conforme é meu inclui a transfiguração completa do real,
costume, em todos os pormenores das de modo a torná-lo exclusivamente seu, o
pessoas que vão adiante de mim. [...] que consegue forjando “um modo interior
Nesse vestido da rapariga que vai em
do exterior” (PESSOA, 1988, p. 69). Desta
minha frente decomponho o vestido
forma, confirma a frase de Bachelard “L’en
em o estofo de que se compõe, o tra-
balho com que o fizeram [...] desdo- dehors et l’en dedans sont tous deux intimes”
bram-se diante de mim as fábricas e (BACHELARD, 1957, p.196), uma atitude que
os trabalhos — a fábrica onde se fez o ele chama “A Divina Inveja”. No seu exemplo
tecido; a fábrica onde se fez o retrós, mais conseguido, transforma o Cais do Sodré
[...]; e vejo as secções das fábricas, as num pagode chinês (PESSOA, 1988, p. 69).
máquinas, os operários, as costureiras, Desta maneira, Bernardo Soares, fre-
meus olhos virados para dentro pene- quentemente de costas voltadas para a reali-
tram nos escritórios, vejo os gerentes
dade cinzenta, cria a sua própria cidade, uma
procurar estar sossegados, sigo, nos
cidade sonhada, mas, para ele, mais “real”
livros, a contabilidade de tudo; mas
não é só isto: vejo, para além, as vidas que qualquer outra, porque “O sonhador é
domésticas dos que vivem a sua vida um emissor de notas, e as notas que emite

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 259
La Salette Loureiro

correm na cidade do seu espírito do mesmo “O certo é que sinto Praças dentro de mim
modo que as da realidade” (PESSOA, 1986, (Eu-Próprio o Outro, SÁ-CARNEIRO, s.d., a),
p. 87). p. 156), às vezes, até ao espasmo. Ungido de
Quanto à outra realidade, ela não é, na “errado”, amou igualmente as suas virtudes
sua mundividência, uma certeza adquirida. e os seus vícios, mas, sobretudo, “zebrante-
Sobre a sua “real” existência, ficam-lhe mui- mente”, os seus vícios.
tas dúvidas, ela aparece-lhe antes como “uma Poder-se-á dizer que a representação da
ficção ingénita” (Ibid., p. 237). cidade em Sá-Carneiro convoca como nenhu-
Assim sendo, está justificada a sua op- ma outra as palavras de Pierre Sansot que a
ção pelos sonhos, certamente mais gratifi- seguir reproduzimos:
cante e compensadora, apesar da pobreza
Le bizarre, l’étrange, la divine ren-
que eventualmente lhes poderá advir dos contre, le goût parfois du sordide,
modestos motivos que os inspiram, como l’ouverture au plaisir, l’espoir, le fol
humildemente pretende o seu autor, no final espoir — toutes ces nuances disent
do livro, pois “até deste quarto andar sobre a d’abord que la ville est à parcourir, à
cidade se pode pensar no infinito. Um infini- caresser, à pénéter comme un corps fé-
to com armazéns em baixo, é certo, mas com minin et que, comme un tel corps, elle
estrelas no fim...” (Ibid., p. 318). possède ses creux et ses points chauds.
L’érotisme proprement dit (les massa-
ges, les bains, le meublé) doit être si-
Mário de Sá-Carneiro: Paris cidade tué dans une volupté plus équivoque
mulher/ amante
(SANSOT, 1984, p. 57).
Mais do que qualquer outro dos seus
Curiosamente, esta faceta sensual sur-
companheiros de Geração que aqui analisa-
ge nos textos de Sá-Carneiro conjugada com
mos, Mário de Sá-Carneiro sentiu a grande
a sua profunda admiração pela tumultuosa
cidade como “grande teatro cosmopolita”
vida urbana e pelos estrondosos ruídos con-
(O Fixador de Instantes, SÁ-CARNEIRO, s.d.,
temporâneos, próprios das mais avançadas
a), p. 191), amou e “estrebuchou” os Grandes
sensibilidades europeias. Com efeito, no
Meios, amou e idolatrou a “Europa”, com
conto A Grande Sombra, sob o pretexto de
todas as conotações que esta palavra envol-
que “tudo quanto me impressiona se volveu
veu naquela época, erigiu-os seus deuses. As
sexualizado” (SÁ-CARNEIRO, s.d., a), p. 68),
suas cidades são “rútilas de Europa, largas,
o narrador exprime o apreço fervoroso pelos
pejadas de trânsito e movimentos — rendez-
Grandes Meios, associando-lhes e colocando
-vous cosmopolitas, farfalhantes de acção”26
ao mesmo nível sensualidade e característi-
(SÁ-CARNEIRO, 1992, p. 251).
cas da modernidade:
Na ânsia de tudo possuir, também vol-
veu a cidade Mulher e a sentiu dentro de si: Eis pelo que sempre cataloguei, ex-
citantemente e a par, os corpos nus,
esplêndidos; as cidades tumultuosas
26
Carta a Fernando Pessoa, de 17/7/1915.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


260 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

de Europa — os perfumes, os teatros Entretanto, o caso de Sá-Carneiro é


rutilantes, atapetados a roxo — as talvez extremo em deslumbramento, é tal-
paisagens de água, ao luar — os ca- vez o único a “arder em ouro” o seu amor
fés de ruído, os restaurantes de noi- por Paris: “ — Paris! Paris! Orgíaco e so-
te, as longas viagens — o murmúrio
lene, monumental e fútil...” (Ressurreição,
contemporâneo das fábricas, das
SÁ-CARNEIRO, s.d., a), p. 201). De facto, a
grandes oficinas — a loucura e as
bebidas geladas — (A Grande Sombra, grande capital, a grande cidade de que fala
SÁ-CARNEIRO, s.d., a), p. 68). nos seus textos é quase sempre esta cidade,
“rutilante de Europa”, pejada de trânsito,
Verifica-se que, para o autor, a cidade iluminada a jorros, povoada de mulheres
está associada àquilo a que em vários textos fúteis e sofisticadas. Ela reúne em si todos
chamará “a grande vida”, entendendo-se esta os aspectos da “grande vida” que o fascinam
como uma mistura de prazer, luxo, arte, lou- e, mais ainda, os vários elementos da tão an-
cura, ruído, progresso. siada modernidade, ou, na sua concepção,
Finalmente, o grande fascínio de Sá- da idolatrada “Europa”. A quinta das “Sete
Carneiro pelas grandes cidades, esbanjado Canções de Declínio” reúne grande parte
por todos os seus textos, talvez se encontre desses elementos.
condensado no conto O Fixador de Instantes. Face a Paris, Sá-Carneiro tem uma ati-
Aqui encontramos a grande paixão do nar- tude de deslumbramento peculiar a qualquer
rador pelas grandes capitais realizada na provinciano, denominação que Pessoa lhe
petrificação dentro de si de um ano passado atribui e que o próprio reconhece. Mas a pa-
numa delas. lavra “deslumbramento” é ainda insuficiente
Como se depreende do que acima ficou para caracterizar este tipo de relação. Com
dito, o sujeito poético, o narrador e as perso- efeito, ela assume dimensões psicológicas e
nagens de Sá-Carneiro estabelecem com a físicas que se enquadram na análise feita por
grande cidade uma relação sexualizada. Este Pierre Sansot:
tipo de relação, encontramo-lo bem explici-
tado no conto Ressurreição, onde se destaca a L’homme concerné par une ville, l’af-
fronte de plein fouet, esquive à peine
utilização de vocabulário do campo erótico,
ses coups et continue à exister dans
atitude bem visível a propósito de Paris. De
son inévitable compagnie. [...] Cette
facto, para o autor e as suas personagens, ville n’est pas pour lui un symbole, um
Paris desempenha a função de Mulher/ mot chargé de prestige. Il faut qu’il
Amante, assumindo-se claramente uma re- l’habite charnellement, il faut qu’il vive
lação erotizada. en sa présence, il a besoin d’elle, c’est-à-
É sabido como a capital francesa consti- -dire de son haleine, de son visage, de
tuiu no início do século xx o íman que atraía son ciel, de sa rumeur (SANSOT, 1984,
a maioria dos artistas portugueses e também p. 246).
de outras partes da Europa e do mundo.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 261
La Salette Loureiro

Efectivamente, a relação de Mário de mas já como corpo feminino apetecido, por


Sá-Carneiro e suas personagens com Paris “Regaço de namorada,/ Meu enleio apeteci-
configura aquilo a que Claude-Gilbert Dubois do”. Gradativamente, atinge no final a forma
chama “roman d’amour”, considerando que masculina, carregado de sensualidade, decla-
“Habiter une ville, au sens plein du terme, radamente objecto de desejo:
c’est avoir des connivences intimes et perma-
Paris — meu lobo e amigo...
nentes faites d’un ensemble de petites cho- — Quisera dormir contigo,
ses. […] Le roman d’amour à la ville superpo- Ser todo a tua mulher!... (SÁ-
se l’orgasme amoureux et l’extase mystique” CARNEIRO, 1979, p. 126).
(DUBOIS, 1989, p. 39).
A análise psicanalítica de Mitscherlich Também na sua correspondência, a
coincide também com esta teoria: “La ville sua relação com Paris assume o estatuto
est un corps que l’on peut aimer comme l’on de relação homem/mulher, com o correla-
aime un être, un ensemble tout à fait original tivo dever de fidelidade, quando em carta a
qui englobe le paysage, la nature, les hommes Pessoa diz “confesso-lhe meu amigo eu lhe
qui l’ont faite, les hommes qui l’habitent au- sou infiel” (SÁ-CARNEIRO, 1958, p. 222) 28.
jourd’hui” (MITSCHERLICH, 1970, p. 49). Na mesma carta, utiliza outros termos que
Em Mário de Sá-Carneiro, cumprindo a se situam também na área da sexualidade, e
afirmação de que tudo o que o impressiona se que, aliás, lhe são muito comuns, os verbos
lhe volve sexualizado27, também Paris se tor- ter e possuir: “— apenas não seguirei coberto
na num corpo/objecto de prazer. Para os seus na vitória maior, possuindo Paris, a executar
olhos/sentidos, ou das suas personagens, a minha obra — justamente porque estou li-
também elas invariavelmente envolvidas berto e tenho Paris!” (Ibid., p. 221).
com a grande capital, Paris transforma-se Mais tarde, numa outra carta assume
quase sempre num corpo feminino, algu- “uma saudade, uma saudade tão grande e
mas vezes, masculino, mas sempre objecto piedosa do meu Paris de Europa, atónito,
de desejo. apavorado e deserto”, e confessa: “Eu sinto-
Em “Abrigo”, poema cujo assunto é ex- -me em verdade a amante pequenina dum
clusivamente a capital francesa, Paris assu- rapaz loiro que partiu para a guerra e não
me consecutivamente o papel de mulher e voltou...” (Ibid., p. 241).
de homem. Inocentemente designado, no Entretanto, nos textos literários este
verso inicial, de forma assexuada, por “Paris facto ganha uma dimensão ainda mais re-
da minha ternura”, expressão corroborada levante. São sobretudo as suas personagens
por “Ó meu Paris, meu menino”, é de se- que assumem uma relação sexualizada com
guida apostrofado ainda ingenuamente, Paris, nomeadamente, Inácio de Gouveia, em
Ressurreição, e Ricardo de Loureiro e Lúcio,

27
Como diz o narrador de A Grande Sombra: “tudo quan-
to me impressiona se volveu sexualizado” (SÁ-CARNEI-
RO, s.d., a) p. 68). 28
Carta a Fernando Pessoa, de 13/7/1914.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


262 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>
As (multipli)cidades dos modernistas portugueses

em A Confissão de Lúcio, veiculando, entretan- a carne nua de uma amante doirada!


to, os sentimentos do autor. (SÁ-CARNEIRO, s.d., a) p. 83)
No conto Ressurreição, encontramos
Obviamente, deveremos entender esta
“Inácio e o pintor Jorge Pacheco [...] — so-
relação sexualizada na visão muito espe-
nhando repentinas fortunas mágicas, para
cial que Sá-Carneiro tem da sexualidade29 e
mais purpureamente lograrem possuir a ca-
que esta mesma personagem partilha. Com
pital assombrosa...” (SÁ-CARNEIRO, s.d., a),
efeito, também Ricardo de Loureiro desloca
p. 231). Neste conto, é o primeiro, Inácio de
a sexualidade para uma área mais espirituali-
Gouveia, que “se olhava grande por tão ad-
zada: “Não, nem é sequer a formosura que me
miravelmente sentir o seu amor por Paris,
impressiona. É outra coisa mais vaga — im-
a esbater-se em saudade, longe dele — in-
ponderável, translúcida: a gentileza. [...] Daí,
certo de o oscilar de novo, tão cedo...” (Ibid.,
uma ânsia estonteada, uma ânsia sexual de
p. 201). Mas esta personagem vai mais longe
possuir vozes, gestos, sorrisos, aromas e co-
quando assume claramente a equivalência
res!” (SÁ-CARNEIRO, s.d., b), p. 86).
Paris/amante, ao confessar que “Existir na
Será esta mesma atitude que esta per-
grande cidade, sozinho, sem beijos — era o
sonagem tem em relação a Paris, impressio-
mesmo para o artista do que se vivesse com
nando-se sobretudo com a sua inexplicável
uma companheira garrida, suave, de carne
“auréola”, “que a envolve e a constitui em
audaciosa” (Ibid., p. 201). A cidade é assim
alma” (Ibid., p. 83). De qualquer forma, é por
equiparada à mulher amada.
demais evidente o romance de amor entre
A mesma atitude é igualmente apresen-
Sá-Carneiro e Paris, o romance de que acima
tada por Ricardo de Loureiro, em A Confissão
falámos.
de Lúcio, que coloca Paris no lugar da amante
O amor que tem à grande capital con-
e tem para com ela gestos próprios de qual-
substancia-se numa relação corpo a corpo
quer apaixonado em relação ao corpo da mu-
materializada nos percursos voluptuosos
lher amada:
pelos agitados boulevards, na frequência
Como eu amo as suas ruas, as suas dos inúmeros cafés, na vagabundagem pe-
praças, as suas avenidas! […]. E o meu los teatros e espectáculos de music-hall, nos
próprio corpo, que elas vararam, as convívios nos ateliers dos artistas, nos peque-
acompanha no seu rodopio. […] nos quartos alugados, equivalentes a “uma
Ah, o que eu sofri um ano que passei
longe da minha Cidade, sem esperança
de me tornar a envolver nela tão cedo...
E a minha saudade foi então a mesma 29
“Desciam-nos só da alma os nossos desejos carnais” (SÁ-
que se tem do corpo de uma amante -CARNEIRO, s.d., b), p. 74); “Explicam, assim, as suas sin-
gularidades sexuais pela atribuição de uma alma a tudo o
perdida... […]
que admiram e apetecem: ‘Somos gente de Alma — pro-
E à noite, num grande leito deserto, jectamos alma a quanto admiramos, a quanto apetece-
antes de adormecer, eu recordava-o mos...’ (SÁ-CARNEIRO, s.d., a), p. 226). O corpo funciona
como um pretexto, com valor secundário” (LOUREIRO,
(sim, recordava-o) como se recorda 1996, p. 286).

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras> 263
La Salette Loureiro

garota de Paris” (Asas, SÁ-CARNEIRO, s.d., DUBOIS, Claude-Gilbert. Villes-Femmes:


a), p. 138). Quelques Images Fondatrices de l’Imaginaire
É, por assim dizer, a forma de entrela- Urbain. In O Imaginário da Cidade. Lisboa: F.
çar a cidade consigo, como diz Ricardo de C. Gulbenkian, 1989.
Loureiro: “Quando depois regressei à capi- LOUREIRO, La Salette. A Cidade em Autores
tal assombrosa, a minha ânsia foi logo de a do Primeiro Modernismo. Pessoa, Almada e
percorrer em todas as avenidas, em todos os Sá-Carneiro. Lisboa: Editorial Estampa, 1996.
bairros, para melhor a entrelaçar comigo, MITSCHERLICH, Alexander. Psychanalyse et
para melhor a delirar... o meu Paris! o meu Urbanisme. Paris: Gallimard, 1970.
Paris!” (SÁ-CARNEIRO, s.d., b), p. 83) PESSOA, Fernando. Livro do Desassossego
por Bernardo Soares - 1ª Parte. Mem-Martins:
***
Publicações Europa-América, 1986.
Em conclusão, a presença do tema ______. Livro do Desassossego por Bernardo
da cidade na escrita dos Modernistas Soares - 2ª Parte. Mem-Martins: Publicações
Portugueses, como seria de esperar, ocupa Europa-América, 1988.
um espaço vastíssimo, que seria impossível ______. Poesia-III. Mem Martins: Publicações
abordar aqui. Por isso, limitámo-nos a alguns Europa-América, 1987.
pontos que, sendo significativos, apenas nos REMY, Jean; VOYÉ, Liliane. Ville: Ordre et
mostram algumas facetas específicas que o Violence. Paris: PUF, 1981.
tratamento deste tema assume nos autores ROCHA, Clara. Revistas Literárias do Século
indicados. Temos plena consciência de que XX em Portugal: Lisboa: Imprensa Nacional-
esta é uma mera entrada no tema e que mui- Casa da Moeda, 1985.
tas outras seriam/ são possíveis, igualmente SÁ-CARNEIRO, Mário de. Cartas a Fernando
importantes, igualmente pertinentes. É ne- Pessoa. Lisboa: Ática, 1958, 2 vols.
cessariamente uma escolha condicionada ______. Cartas Escolhidas, Mem Martins:
pelo tempo, e subjectiva, portanto. Publicações Europa- América, 1992, 2 vols.
Ainda assim, esperamos ter mostrado ______. Céu em Fogo. Mem Martins:
com esta breve e selectiva abordagem que Publicações Europa-América, s.d., a)
cada um destes autores traz uma cidade
______. A Confissão de Lúcio. Mem Martins:
dentro de si, como diria Calvino muito mais Publicações Europa-América, s.d., b)
tarde, substancialmente diferente, mesmo
______. Poesias. Lisboa: Círculo de Leitores,
quando se trata de uma mesma cidade real.
1979.
SANSOT, Pierre. Poétique de la Ville. Paris:
Referências Méridiens Klincksieck, 1984.
BACHELARD, Gaston. Poétique de l’Espace.
Paris: PUF, 1957. Recebido para publicação em 14 jan. 2017.
CALVINO, Italo. As Cidades Invisíveis. Lisboa: Aceito para publicação em 30 jan. 2017.
Editorial Teorema, 1990.

Uniletras, Ponta Grossa, v. 38, n. 2, p. 251-264, jul/dez. 2016


264 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras>