Sei sulla pagina 1di 84

GIOVANA COTOMACCI

LAZER:
Direitos e Acessibilidade das
Pessoas com Deficiência ou
Necessidades Especiais

Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)


apresentado à Coordenação de Extensão da
Faculdade de Educação Física da Universidade
Estadual de Campinas para obtenção do titulo de
Especialista em Atividade Motora Adaptada.

Orientador: Paulo Ferreira Araújo

Campinas
2007
FICHA CATALOGRÁFICA ELABI(>RADA
PELA BIBLIOTECA FEF- UNidAMP

Cotomacc·l, Giovana
C8261 Lazer: direitos e acessibilidade das pessoas f:om deficiência ou
necessidades especiais f Giovana Cotomacci. - campinas, SP: [s.n.],
2~. I

Orien!<ldor(a): Paulo Ferreira de Araújo. .


Trabalho de Conclusão de Curso (especializa~o) - Faculdade de
Educação Física, Universidade Estadual de Campinas.,

1. Deficiência. 2. Acessibilidade. 3. Lazer. 4. D9ficientes. I. Araújo,


Paulo Ferreira de. IL Universidade Estadual de Cam~inas, Faculdade de
Educação Flsica. 111. Título. ,
I
asmlfef
TCC/UNICAMP
CB26L
1290003820/FEF

GIOVANA COTOMACCI

LAZER:
Direitos e Acessibilidade das
Pessoas com Deficiência ou
Necessidades Especiais

Este exemplar corresponde à redação final do


Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)
defendido por Giovana Cotomacci e aprovado pela
Comissão julgadora em: 18/05/2007.

Prol. Dr. Paulo Ferreira Araújo


Orientador

Prol. Ms. Rita de Fátima da Silva


r, . t-\ ~
'-,:f/!'- 1
•)1-'\C\ y-,,-- ~--
Fabiana Marques~ - - - - ---

Campinas
2007
Ao terminar este trabalho realizado no período curto de tempo,
aproximadamente em quatro meses, sou grata a Deus que me concedeu a graça da
dedicação par alcançar com plenitude o objetivo estabelecido;
Com muito carinho, agradeço aos meus pais e minha irmã que possibilitaram a
minha presença e conclusão deste curso. Obrigada por tudo;
Agradeço ao meu orientador, Prof Paulo Ferreira Araújo, pelo incentivo,
atenção, paciência e valorização durante a preparação desse trabalho,·
Agradeço a todos os professores do curso de Especialização em Atividade
Motora Adaptada, pela dedicação e conhecimentos transmitidos;
Aos colegas do curso de Especialização Motora Adaptada do ano de 2006,
obrigada pelas trocas de experiência e pelos momentos descontraídos e agradáveis
que passamos juntos;
As novas amigas: Luciana; Simone; Paola; Arle, Theodora que acompanharam
a elaboração dEste trabalho. Obrigada pela força e orientações.
Em especial a nova amiga Fabiana que acompanhou mais de perto todas as
minhas angústias, preocupações, decepções, vitórias, conquistas no transcorrer deste
trabalho. Fá, muito obrigada pela preocupação, orientação, carinho, atenção,
paciência e estímulo durante todo o período da especialização. Com certeza está
amizade será para sempre.
COTOMACCI, Giovana.. Direitos e Acessibilidade das Pessoas com Deficiência ou
Necessidades Especiais. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)-Faculdade de
Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

RESUMO

Neste trabalho, propusemo-nos a estudar a acessibilidade das pessoas com necessidades


especiais com relação ao lazer. Dessa forma acreditamos ser necessário identificar os conteúdos
culturais (atividades), a freqüência (tempo), em quais locais (espaços) acontecem e qual é a
forma de participação e organização das atividades (atitudes) no lazer. Adotamos estes
parâmetros na revisão de literatura. As dificuldades que as pessoas encontram para ter acesso ao
lazer primeiramente, são as barreiras, podendo ser arquitetônicas ou fisicas, de transporte,
atitudinais e de auto aceitação. Ao realizar este estudo acerca das condições acessíveis que
interferem no lazer, pretendemos que este possa contribuir para o embasamento de futuras
discussões políticas que venham a promover o lazer para as Pessoas deficientes ou aquelas em
Condições Especiais corno: idosos, gestantes, impossibilitados temporariamente entre outros.
Acreditamos que este trabalho possa servir de reflexão ou como ponto de partida, alertando a
importância para a melhoria das condições de lazer tanto em questões políticas corno para as
pessoas com necessidades especiais que possam superar ou saberem lidar com suas limitações,
sejam fisicas, pessoais, emocionais ou sociais.

Palavras-Chaves: Deficiência; Pessoas com Necessidades Especiais, Acessibilidade; Lazer.


COTOMACCI, Giovana.. Rights and Accessibility of lhe People with Deficiency or
Necessities Special. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)-Faculdade de
Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

ABSTRACT

In this work, propusemo-in studying the accessibility of the people with necessities special in the
leisure. Of this form we believe to be necessary to identifY the cultural contents (activities), the
frequency (time), in which places (spaces) they happen and which is the fonn ofparticipation and
organization ofthe activities (attitudes) in the leisure. We adopt these parameters in the literature
revision. The difficulties that the people find to have access to the leisure first, are the barriers,
being able to be physical architectural or, of transport, atitudinais and of auto acceptance. When
carrying through this study conceming the accessible conditions that intervene with the leisure,
we intend that this can contribute for the basement of future quarrels politics that they come to
promete the leisure for the deficient People or those in Conditions Special as: aged, gestantes
disabled temporarily among others. We in such a way believe that this work can serve of
reflections or as starting point, alerting the importance for the improvement of the conditions o f
leisure in questions politics as for the people with necessities special that can surpass or know to
deal with its limitations, are physical, personal, emotional or social.

Keywords: Deficiency; People with Necessities Special, Accessibility; Leisure.


LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

LDB Lei de Diretrizes e Bases


MDPD Movimento pelos Direitos das Pessoas Deficientes
ONU Organização das Nações Unidas
OMS Organização Mundial da Saúde
CIDID Classificação Internacional de Deficiência, Incapacidade e
Desvantagem
CIF Classificação Internacional de Funcionalidade
CID Código Internacional de Doenças
LER Lesões por Esforços Repetitivos
ANSI American National Standards Institute
dB Decibéis
PAIR Perda Auditiva Induzida por Ruído
PIG Pequenos para Idade Gestacional
APGAR Escala de Avaliação do Recém-Nascido
PNEs Pessoas com Necessidades Especiais
SESI Serviço Social da Industria
SESC Serviço Social do Comércio
AAMR Associação Americana de Deficiência Mental
DSM Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais
Ql Quociente de Inteligência
RH/ABO Tipa2em Sanguínea
PDL Pessoa com Dificuldade de Locomoção
NBR Norma Brasileira Relistrada
ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas
CONTRAN Conselho Nacional de Trânsito
PPD Pessoa Portadora de Deficiência
-
SUMARIO

INTRODUÇÃO ______________________________________ 09

I DEFICIÊNCIA-------------------------------------- 12
1.1 Um breve histórico da Deficiência no mundo _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ___ 12
1.2. Conceito e Classificação da Deficiência _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 17
1.3. Pessoas com Deficiência _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ___ 20
1.4. Caracterização das Deficiências _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 22

1.4.1. Deficiência F í s i c a - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 22
1.4.1.1. Tipos de Deficiência F í s i c a - - - - - - - - - - - - - - - - - - 23

1.4.1.2. Dados E s t a t í s t i c o s - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 23
23
1.4.1.3. C a u s a s - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
1.4.1.4. Fatores de R i s c o - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 24
1.4.1.5. Identificando a Deficiência_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 24
1.4.1.6. Exames para ter um Diagnóstico Correto. _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ___ 25
1.4.2. Deficiência Visual _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 25
1.4.2.1. Tipos e Classificação de Deficiência Visual _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 25

1.4.2.2. Dados E s t a t í s t i c o s - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 26

1.4.2.3. C a u s a s - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
27

1.4.2.4. Fatores de R i s c o - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 27

1.4.2.5. Identificando a D e f i c i ê n c i a - - - - - - - - - - - - - - - - - - 28

1.4.2.6. D i a g n ó s t i c o - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 28
1.4.3. Deficiência Auditiva _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 29

1.4.3.1. Tipos de Deficiência A u d i t i v a - - - - - - - - - - - - - - - - - 30

1.4.3.2. Dados Estatísticos _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 30

1.4.3.3. C a u s a s - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 30

1.4.3.4. Fatores de R i s c o - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 31

1.4.3.5. Identificando a Deficiência _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 32


1.4.4. Deficiência Mental _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 32

1.4.4.1. Tipos de Deficiência Mental _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ 33


1.4.4.2. Dados Estatísticos 34
1.4.4.3. Causas e Fatores de Risco 34
1.4.4.4. Identificando a Deficiência 35
1.4.4.5. Diagnóstico 36
1.4.5. Deficiência Mútipla 36
1.4.5.1. Tipo de Deficiência Múltipla 37
1.4.5.2. Dados Estatísticos 38
1.4.5.3. Causas e Sindromes 38
1.4.5.4. Fatores de Risco 38
1.4.5.5. Identificando a Deficiência 39
1.4.5.6. Diagnóstico 39
1.4.6. Pessoa com Mobilidade Reduzida ou com Dificuldade de Locomoção (PDL) 40
2. ACESSIBILIDADE 42
2.1. O direito de ir e vir 43
2.2. Barreiras de Acessibilidade 49
3. O LAZER 58
3.1. Conhecendo e compreendendo o Lazer 60
3.2. Tempo e Cultura 61
3.3. Construções do Lazer 63
3.4. Formas diversas de uso do tempo livre 65
3.6. Equipamentos e Espaços de Lazer 68
3.5. Classificações do Lazer, segundo Dumazedier 70
3.6. Lazer na vida da pessoa portadora de deficiência e com necessidades especiais_ 75
CONSIDERAÇÕES FINAIS 79
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 82
10

O tema deste trabalho foi escolhido pela escassez dos meios de acesso ao lazer
que as cidades disponibilizam para as pessoas portadoras de necessidades especiais.
No Brasil, apesar de existir lei que regulamenta a inserção das pessoas
portadoras de necessidades especiais na sociedade, muitas especificações contidas nela não são
cumpridas. Assim, a maioria destas pessoas sofre exclusão social por não ter o mesmo acesso que
as pessoas sem nenhuma limitação.
Esta dificuldade de acesso às atividades de lazer se dá ao grande número de
barreiras, sendo elas, arquitetônicas, urbanísticas, das edificações, dos transportes e das
comunicações existentes nas cidades.
O objetivo desta pesquisa é conhecer os diversos tipos e maneiras de
acessibilidade às pessoas com necessidades especiais, principalmente nas práticas de lazer, para
assim fornecer subsídios de intervenção para possíveis elaborações de programas que
possibilitem a implantação e manutenção da acessibilidade às práticas de lazer, oportunizando a
utilização adequada da sociedade, como deficientes, idosos, gestantes, obesos, e etc, a essas
práticas.
Este estudo foi desenvolvido a partir do levantamento bibliográfico acerca dos
conceitos de lazer, deficiência e acessibilidade. Segundo Marconi & Lakatos (1991, p. 183 ), a
pesquisa bibliográfica tem como finalidade "colocar o pesquisador em contato direto com tudo o
que foi escrito sobre determinado assunto".
Desta maneira, foram empregadas as seguintes fontes de consulta: livros, teses,
dissertações e artigos consultados via Internet relacionadas direta ou indiretamente à questão da
acessibilidade ao lazer na vida das pessoas com necessidades especiais, utilizadas então para a
elaboração deste trabalho, possibilitando informações importantes para refletir sobre o assunto.
O presente trabalho encontra-se desenvolvido basicamente em três capítulos:
O primeiro capítulo explicita historicamente sobre a evolução dos conceitos,
caracterizações, classificações e particularidades das deficiências.
11

Já segundo capítulo pnonza uma discussão acerca da acessibilidade,


identificando conceito, leis e normas, barreiras existentes, sejam arquitetônicas, sócio-culturais,
de transporte e etc
No terceiro capítulo abordará as questões a cerca do lazer. Como sua
importância na sociedade, história, aspectos, tendências, das relações com outras áreas da vida e
finalizando com as barreiras encontradas pelas pessoas com necessidades especiais no lazer.
Finalizamos com nossas considerações, as quais levam o leitor à reflexão acerca
das possibilidades que a pessoa portadora de necessidade especial tem em relação ao lazer.
12

1 DEFICIENCIA

1.1. Um breve histórico de deficiência no mundo

O problema da deficiência acompanha os homens desde os primórdios da


civilização e desde então sofre dificuldades na vida cotidiana e os diferentes aspectos são
enfatizados de acordo com o momento histórico e sócio-cultural que os deficientes se situavam e
ainda situam-se.
Para compreendermos melhor a deficiência, é importante sabermos como esta
foi construída historicamente e como as pessoas deficientes eram vistas e de que forma lidavam
com suas dificuldades. Assim analisaremos quais atitudes e comportamentos em relação às
pessoas com deficiências se reproduzem ainda hoje em nossa sociedade.

Segundo Ávila (2005, p. 16), a bíblia dá vários exemplos de tais situações,


como a deficiência dos escritos de Moisés (Êxodo, 4:1 O) ou da visão e fisica do
apóstolo Paulo (Coríntios, cap. 12:7). Na era clássica, esclarece Áurea Ribeiro-
(O cidadão portador de deficiência. In: ROBERT, Cinthia (org). O Direito do
Deficiente. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 1999, pág. 81.), "Homero"- aquele a
quem Platão denominou na República, o maior de todos os poetas - deixou
lavrado em seus versos, a tarefa estratégica legada ao Deus Hefesto, que era
coxo, ou seja, portador de deficiência física, o mesmo ocorrendo com Platão,
que tinha uma desproporcionalidade física de seus ombros e fontes.

Ainda Ávila, a estas pessoas, somam-se inúmeras outras como Ludwig Van
Beethoven - surdo, ou o Antônio Francisco Lisboa, o «Aleijadinho", que assim ficou conhecido
devido à deficiência física que portava.

De acordo com Silva apud Cantareli, (1998, p. 32) na antiguidade pode-se


observar basicamente dois tipos de atitudes para com as pessoas doentes, idosas
ou portadoras de deficiência: uma atitude de aceitação, tolerância, apoto e
assimilação; uma outra de eliminação, menosprezo ou destruição.

Nas culturas primitivas, para que as pessoas sobrevivessem era preciso ir atrás
de alimentos, caçavam e pescavam. Assim as pessoas com dificuldade de locomoção, como os
13

idosos, doentes e pessoas com deficiências colocavam em risco todo o grupo e então era
necessário abandonar essas pessoas.
Para os Hebreus, "toda a doença crônica quanto à deficiência fisica ou mental, e
mesmo qualquer deformação por menor que fosse, indicava um certo grau de impureza ou de
pecado". (Silva, 1987, 74). E ainda diziam que qualquer ato errado que acarretasse em
desarmonia, o castigo era a amputação de membros.
Vê-se que antigamente era comum a amputação dos membros como forma de
punir e estigmatizar, a prática objetivava informar a todos que as pessoa.;; portadoras de seqüelas
decorrentes das amputações eram escravos, criminosos ou traidores. No Brasil, na população
branca, a deficiência surgia na época devido à carência alimentar, era a causa principal para as
anomalias, como: cegueira noturna, raquitismo, beribéri e outras. Entre os negros escravos, havia
um elevado número de deficientes devido aos castigos fisicos, maus tratos e acidentes de trabalho
nos engenhos ou lavouras de cana.
De acordo com Silva (1987), no que se refere à história dos deficientes físicos
no Brasil, nos períodos colonial e imperial, os historiadores Soutley, Santos Filho descrevem que
era raríssimo encontrar aleijados, cegos, surdo-mudos e coxos entre os indígenas nos primórdios
da colonização. As poucas anomalias apresentadas, eram resultado de guerras ou acidentes na
selva. Nos casos de deficiência congênita, as crianças eram sacrificadas pelos pais após o
nascimento.
Na Idade Média, marcada pelo Cristianismo, a deficiência era ligada a questões
religiosas, quem possuía alguma deficiência era vista como demoníaca e/ou satânica. As pessoas
ao invés de buscarem conhecimentos mais científicos aprofundados sobre as doenças e suas
causas, viam na fé, na religião a explicação. Então acreditavam que um corpo "defonnado" só
podia abrigar uma mente também defonnada.

As crianças que nasciam deformadas eram jogadas nos esgotos da Roma Amig:...
Na Idade Média, deficientes encontravam abrigo nas igrejas, o melhor exemplo
é o Quasímodo- do livro "O Corcunda de Notre Dame", de Victos Hugo, que
vivia isolado na torre da catedral de Paris. Na mesma época, os deficientes
mentais eram seres diabólicos que mereciam castigos para serem purificados
(Ávila, 2005, p. 29).

A partir dos séculos XVII e XVIII com o crescimento do mlllldo e o


desenvolvimento do homem, mais pesquisas e estudiosos começaram a desmistificar o conceito
14

de deficiência e a prevenir grande parte de doenças que causavam deficiência, passando então a
terem um melhor controle dessas pessoas e encaminhavam à uma grande diversidade de atitudes,
como a institucionalização em conventos e hospícios até o ensino especial.
No século XIX o capitalismo se fortalece ainda mais, tomando necessário à
estruturação de sistemas e ensino para todos, com o objetivo de formar cidadãos produtivos. A
atitude pública se vê responsável em atender as necessidades dos deficientes.

No século XX, implante-se o capitalismo moderno, financeiro, monopolizado.


Este sistema se caracteriza pela existência dos grandes capitalistas, detentores do
poder, que definem a força de trabalho da qual necessitam para alcançar os
objetivos de aumento de capital. Em sendo assim, criam-se condições para
garantir o volume necessário de trabalhadores. A população excedente permanece
marginalizada, sem contar com as oportunidades reais de mudança. Multiplicam-
se as leituras de deficiência, representadas por diferentes modelos; permanece, em
certa proporção o modelo metafísico, coexistindo com o modelo médico, o
modelo educacional, o modelo da determinação social e acrescentando-se neste
final do século, o modelo sócio-construtivista ou sócio-histórico. A origem do
fenômeno, portanto, permanece sendo de natureza sócio político e econômica,
embora sua leitura seja feita em diferentes dimensões, aparentemente
desvinculada desta realidade. (Ávila, 2005, p. 27).

A integração social do deficiente surge por volta do século XX, especialmente


após as duas Guerras Mundiais. A pressão para um programa público de reabilitação veio de
diferentes fontes. O aumento dos cidadãos deficientes e doentes mentais fez com que a população
exigisse uma solução.
A Primeira Guerra Mundial impôs mais pressão à necessidade da reabilitação.
Foi necessário o suporte, assistência aos soldados feridos na guerra. Com a Segunda Guerra
Mundial, os programas de reabilitação aceleraram-se, pois além de aumentar os serviços de
atendimentos para os cidadãos deficientes, foram criadas oportunidades de emprego para os
mesmos. Começa-se a valorizar o potencial das pessoas portadoras de deficiência.
Este século foi chamado por inúmeros pesquisadores de "século da mudança e
do conhecimento", pois foi onde mais se estudou, mais se transformou, mais se pesquisou na área
das deficiências e onde historicamente temos mais deficientes e doentes devido as Guerras
Mundiais.

Na década de 60, a guerra do Vietnã foi responsável por um aumento


impressionante de deficientes naquele país, que além de comprometimentos
15

físicos, apresentavam problemas graves de adaptação social ao retornar da


guerra, em parte por efeitos emocionais de sua participação na guerra, e em
parte pela atitude da audiência social, que tinha dificuldade em assumir sua
parcela de responsabilidade pela participação do país naquele massacre. O
problema do estigma e do isolamento dos deficientes tomou~se tão grave no
país, que levou à reação social, através do surgimento de movimentos de defesa
dos direitos das minorias e dentre elas, da dos deficientes (Ávila, 2005, p.28).

Ainda nos anos 60, no Brasil, a educação especial aparece pela primeira vez na
LDB 4024, de 1961, a lei aponta que a educação dos excepcionais deve, no que for possível,
enquadrar-se no sistema geral da educação.
Nos anos 70 o movimento de integração social vê o início para a vida
independente, ou seja, não- dependente da autoridade institucional e familiar.

Em 1973, a Associação Americana Nacional para Cidadãos Retardados referiu-


se à normalização como ''processo de ajuda ao deficiente, no sentido de garantir
a ele a condições de existência o mais próximas do nonnal (estatístico) possível,
tornando-lhe disponível os padrões e as condições da vida cotidiana o mais
próximos das normas e dos padrões da sociedade ... O modo de vida normativo
(ou típico) é em residência individual privada. O arranjo educacional normativo
é chamado educação convencional, em sala de aula regular. E o modo típico de
trabalho é o emprego competitivo, para auto manutenção. Em marcante
contraste com estes arranjos normativos - no extremo anormal do continuo de
serviços - encontram-se congregados as instituições totais, a educação
domiciliar e o não trabalho" (Braddock apud Ávila, p. 28).

A partir de 1979 o movimento das pessoas com deficiência repercutiu a nível


nacional. Foi realizado o I congresso Brasileiro de Pessoas Deficientes.
Nos anos 80 declarações e tratados mundiais passam a defender a inclusão das
pessoas deficientes, principalmente na área educacional. O ano de 1981 foi proclamado pelas
Nações Unidas como "Ano Internacional das Pessoas Deficientes".
Em 1982, muitas cidades brasileiras sensibilizaram-se e conscientizaram-se da
necessidade de se reconhecer os direitos das pessoas com deficiência. Destaca-se a criação por
unaminidade do "Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes". Este movimento foi liderado
pelo Sr. Candido Pinto, pernambucano radicado em São Paulo, militante do Movimento pelos
Direitos das Pessoas Deficientes (MDPD).
Em 1988, no Brasil, a nova Constituição garante atendimento educacional
especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino.
16

Nos anos 90, a Conferência Mundial sobre Educação para Todos, realizada em
março na cidade de Jomtien, na Tailândia, prevê que as necessidades
educacionais básicas sejam oferecidas para todos (mulheres, camponeses,
refugiados, negros, índios, presos e deficientes) pela universalização do acesso,
promoção da igualdade, ampliação dos meios e conteúdos da educação Básica e
melhoria do ambiente de estudo (Ávila, 2005, p. 32).

Em 1996 é decretada Lei de diretrizes e Bases, dando o direito à educação das


pessoas portadoras de necessidades especiais.
Ainda nos anos 90, o Brasil aprova o Estatuto da Criança e do Adolescente, que
reitera os direitos garantidos na constituição: atendimento educacional especializado para
portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino.

Bueno apud Cantareli (1998, p. 35) critica a forma com que a educação especial
se desenvolveu no Brasil. Segundo ele, " ... a educação especial que nasce sob a
bandeira de ampliação de oportunidades educacionais aos que fogem da
normalidade, à medida em que não desvela os detenninantes sócio econômico
culturais que subjazem às dificuldades de integração do aluno diferente, na escola
e na sociedade, serve de instrumento para a legitimação de sua segregação.

A situação atual no mundo e especificamente no Brasil em relação às pessoas


portadoras de deficiência vem evoluindo e assim melhorando a qualidade de vida dessas pessoas.
São Leis decretadas aos direitos das pessoas com deficiências, a população está mais
conscientizada e a inclusão e integração dessas pessoas cresce a cada dia.

A integração social do deficiente tem sido um tema utilizado com freqüência cada
vez mais na literatura especializada brasileira, tanto na área da educação Especial,
como na da Reabilitação Profissional. Tem também figurado como um dos
principais objetivos na maioria dos Estatutos e Regulamentos das Instituições e
Entidades que prestam serviços ao deficiente, bem como se encontra prevista e
amparada legalmente, através de sua explicitação como direito, nas Leis
Brasileiras nas suas mais variadas formas. Entretanto, a grande maioria dos
brasileiros portadores de deficiência permanece, ainda, segregada em Instituições
e Escolas Especiais, sem participação ativa na vida da sociedade e incapacitada
par ao efetivo exercício de sua cidadania. (Ávila, 2005, p. 25).
17

1.2. Conceito e Classificação da Deficiência

Como já vimos anteriormente, a deficiência acompanha os homens desde


antigamente. Diferentes aspectos foram priori:zados e importantes de acordo com o momento
histórico~ sócio- cultural do momento.
Assim, o conceito de deficiência começa a ser discutido devido às modificações
de acordo com os valores sociais, éticos, filosóficos e religiosos que a ciência vem
desenvolvendo e assumindo. Estes oriundos de novos paradigmas, estando bastante relacionado
com o tipo de cultura em que o indivíduo vive.

Com o intuito de tentar precisar melhor os "termos", «conceito" e "imagem'',


alguns órgãos da Organização das Nações Unidas (ONU) se manifestaram em
favor de lançar mundialmente o termo "pessoas deficientes". Surgiu a Declaração
dos Direitos das Pessoas Deficientes, aprovada pela Assembléia Geral da ONU,
em 9 de dezembro de 1975, proclama em seu artigo 1: "O termo 'pessoas
deficientes' refere-se a qualquer pessoa incapaz de assegurar por si mesma, total
ou parcialmente, as necessidades de uma vida individual ou social normal, em
decorrência de uma deficiência congênita ou não, em suas capacidades fisicas ou
mentais" (Ribas, 1993, p. 10).

Por outro lado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou em 1980 uma
classificação internacional dos conceitos de Deficiência, Incapacidade e Desvantagem (CIDID), a
qual visa complementar a abordagem médica, focando-se nas conseqüências objetivas e sociais
da exteriorização da doença, sendo discutido se o uso de instrumentos classificatórios como esse
ainda são convenientes, tentando dessa forma clarear os conceitos e imagens relacionadas às
pessoas portadoras de deficiência.
Deficiência (Impairments): é toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou
função psicológica, fisiológica ou anatômica em um órgão ou estrutura do corpo humano e que
restringi a execução de uma atividade.
Incapacidade (Disabilitics): é toda restrição ou ausência da capacidade de
realizar uma atividade de forma ou dentro dos parâmetros considerados normats para um ser
humano.
18

A incapacidade existe em função da relação entre as pessoas deficientes e o seu


ambiente. Ocorre quando essas pessoas se deparam com barreiras culturais,
fisicas ou sociais que impedem os seus acessos aos diversos sistemas da
sociedade que se encontram à disposição dos demais cidadãos. Portanto, a
incapacidade é a perda, ou a limitação, das oportunidades de participar da vida
em igualdade de condições com os demais. (Silva, 2004, p. 41)

Desvantagem (Handicap), Impedimento ou Invalidez: uma situação desvantajosa


para um detenninado indivíduo em conseqüência de uma deficiência ou incapacidade que o
limita ou impede de desempenhar uma função normal no seu caso (levando-se em consideração a
idade, sexo e fatores sociais e culturais).

De acordo com Cohen apud Silva (2004, p. 42)


A deficiência está ligada a possíveis seqüelas que restringiriam a execução de
uma atividade, tais como deficiência mental, deficiência visual, deficiência
auditiva, deficiência física, deficiência psicológica, deficiência de linguagem
etc. A incapacidade diz respeito a uma alteração em um órgão ou estrutura do
corpo humano. Dentre os exemplos, pode-se citar: a falta de um braço ou de
uma perna; um padrão intelectual reduzido; uma perda de audição ou visão;
uma perda de capacidade motora etc. Já a invalidez diz respeito aos obstáculos
encontrados pelas "pessoas portadoras de deficiência" em sua integração com a
sociedade e exemplifica dizendo que as pessoas que portam alguma deficiência
não conseguem freqüentar uma escola por não terem acesso à educação,
"portadores de deficiência" não podem freqüentar determinados locais por não
serem aceitos pela sociedade, pessoas que se locomovem em cadeira de rodas
não conseguem usufruir as ruas de uma cidade por causa de obstáculos físicos
encontrados para a sua livre circulação etc.

Segundo Ratzka apud Silva (2004, p.42)

O handcap acontece quando as Pessoas Portadoras de Deficiência encontram


barreiras culturais, físicas ou sociais que dificultam o seu acesso aos vários
sistemas da sociedade que está disponível a outros cidadãos ditos comuns. Para
ele o handicap não é um problema médico ou técnico e sim, um problema
político porque as pessoas inválidas enfrentam barreiras sistêmicas que limitam
as oportunidades delas para sua igualdade e participação plena na sociedade.

Esta conceituação editada pela OMS trouxe muitas controvérsias entre os


profissionais especializados, pois consideravam mais as incapacidades das Pessoas Portadoras de
Deficiência do que suas capacidades. Com isso em 1996 aconteceu um "Fórum" para discutir o
19

CIDID. Em 2002, a revista Nacional de Reabilitação informou a aprovação vinda da Europa de


um modelo de implantação da "'Classificação Internacional de Funcionalidade" (CIF).
Este modelo serviria como um guia de orientação para o uso do CIF nos
sistemas de saúde de todo o mundo. De acordo com a revista, as pessoas que estavam em
processo de reabilitação eram definidas através do CID (Código Internacional de Doenças), este
mostrava apenas um lado da questão, o da doença ou da situação que causou a seqüela e não da
capacidade que o indivíduo tem em se relacionar com a sociedade.
O CIF irá organizar e padronizar as informações sobre a funcionalidade das
pessoas com deficiênci~ segundo a sua capacidade efetiva e ainda representará avanços,
fornecendo diretrizes mais precisas para as futuras políticas públicas dos países que a adaptarem.
Isto permitiu ações mais específicas e detalhadas no atendimento das necessidades da população
carente e de sistemas de apoio, tais corno, vagas acessíveis nos transportes públicos, acessos
adaptados em escolas, centros de atendimento e muito mais. Este documento (CIF) representa a
verificação do potencial de realização do ser humano está dividido em cinco grandes categorias,
fornecendo dados sobre:
* a funcionalidade;
* estrutura morfológica;
* participação na sociedade;
* atividades da vida diária; e
* ambiente social de cada indivíduo.

Estes dados têm o objetivo de retirar do portador de alguma necessidade ou


característica especial, a classificação de incapaz e fazer com que estas pessoas
sejam compreendidas e reconhecidas pela sociedade, não pela "deficiência", mas
sim, pelo que são verdadeiramente capazes de realizar ''(Silva, 2004, p. 43 - 44)".

Segundo Araújo (2007), a CIF é neutra em relação à etiologia, de modo que os


pesquisadores podem desenvolver inferências causais utilizando métodos e técnicas adequados.
Segundo o modelo da CIF, a incapacidade é resultante da interação entre a disfunção, a limitação
das atividades, à limitação da participação social e dos fatores ambientais. Duas pessoas com a
mesma doença podem ter níveis funcionais diferentes, assim como duas pessoas com o mesmo
nível funcional não têm, necessariamente, a mesma doença. O Objetivo da CIF é proporcionar
uma linguagem unificada para descrever os estados relacionados à saúde.
20

Ainda Araújo (2007, p.02) diz que a utilização da CIF em hospitais e em outros
serviços de saúde, é capaz de possibilitar um melhor entendimento do quadro
funcional dos pacientes, além de ajudar a diminuir custos por fornecer um
esquema de codificação para os sistemas de informação em saúde. A utilização
de um sistema codificado melhora a organização das informações, tornando
possível o estabelecimento de uma linguagem comum para a descrição dos
estados relacionados à saúde e elaboradores das políticas administrativas. Com
este instrumento, os profissionais das áreas de saúde poderão registrar a
incapacidade e a desvantagem que as pessoas tem na sociedade, o impacto da
deficiência em seu meio ambiente, sua limitação de movimento, preconceitos
que vivência em função de sua deficiência, mostrar a estrutura do corpo que
está acometida pela deficiência, registrar o grau de atividade, participação
social, os fenômenos ambientais envolvidos e a necessidade de intervenção e
tecnologia assistida.

Em Brasília na Câmara Técnica deste ano após discussões sobre as definições de


deficiência e de pessoa com deficiência adotada por diversos países, foi proposto a seguinte
definição de pessoa com deficiência: Pessoa com Deficiência é aquela cuja limitação fisica,
mental ou sensorial, associada as variáveis ambientais, sociais, econômicas e culturais tem sua
autonomia, inclusão e participação plena e efetiva na sociedade impedidas ou restringidas.

1.3. Pessoas com Deficiência

Apesar de alguns esforços para buscar uma terminologia mais adequada para
definir as pessoas com deficiência, ainda persiste a confusão dos termos.

Na nossa sociedade, mesmo que a ONU e a OMS tenham tentado eliminar a


incoerência dos "conceitos", a palavra "deficiente" tem um significado muito
forte. De certo modo ela se opõe à palavra "eficiente". Ser "deficiente", antes de
tudo, é não ser "capaz", não ser "eficaz". Pode até ser que, conhecendo melhor a
pessoa, venhamos a perceber que ela não é tão "deficiente" assim. Mas, até lá, até
segunda ordem, o "deficiente" é o "não-eficiente". (Ribas~ 1993, p. 12)

A expressão "Portadores de Necessidades Especiais" ampliou o grupo de tal


forma que fica dificil definir quem é de fato pessoa com ou sem deficiência. Temos que ter
cuidado com essa expressão para não transformarmos causas de outras naturezas em deficiência.
21

Assim ressaltamos que toda pessoa deficiente poderá manifestar urna necessidade especial mas
nem toda pessoa portadora de necessidade especial possui uma deficiência. Temos como exemplo,
os diabéticos, os hipertensos, as gestantes, os idosos, os obesos e etc.
Segundo Almeida e Machado (2005) ainda hoje é comum ouvir expressões
como: "o fulano é deficiente". No entanto, ressalta-se que o fulano é uma pessoa como todas as
demais, que poderá ou não possuir urna determinada deficiência. Pessoa é pessoa, sendo gorda,
magra, alta, baixa, negra, branca ou mesmo com deficiência. Portanto, a pessoa deficiente não
deixa de ser pessoa em razão de sua deficiência Sendo assim, a expressão ''o fulano é deficiente"
não cabe, pois nesse caso o correto seria dizer que o fulano é uma pessoa com deficiência e
caracterizar qual a deficiência que ele possui.
Em qualquer sociedade existem valores sócio-culturais e estes refletem
imediatamente no pensamento, nas imagens dos homens norteando sua ações e também nas
palavras com que os homens se exprimem. Assim a palavra "deficiente" em todas as sociedades
adquire um valor cultural segundo regras, padrões e normas estabelecidos nas relações sociais.

O uso do termo "portador" também vem sendo questionado. Embora ele ainda
se encontre na legislação e em boa parte da literatura sobre o assunto, hoje há
um consenso de que ele é impróprio. A deficiência não é algo que se carrega,
não é um objeto que se porta durante um certo tempo e depois se desfaz. A
deficiência é parte constituinte da pessoa. Não tem como a pessoa se desfazer
dela por sua simples vontade. Portanto, a pessoa não porta deficiência, ela a
possui como integrante de sua identidade, de seu ser. (Almeida e Machado,
2005, p. 31)

Entende-se que os termos mrus adequados para caracterizar as pessoas com


deficiência são as seguintes:
* Deficiência Visual: pessoa com deficiência visual ou cega;
* Deficiência Auditiva: pessoa com deficiência auditiva ou surda;
* Deficiência Mental: pessoa com deficiência mental;
* Deficiência Física: pessoa com deficiência física; e
* Quando houver duas ou mais deficiências associadas~ utiliza-se expressão
pessoa com deficiência múltipla.
Apesar de todos os tipos de deficiência fazerem parte do grupo das pessoas com
deficiências, existem características e necessidades bastante distintas entre elas. Como por
22

exemplo à pessoa com deficiência mental possui características e necessidades diferentes de uma
pessoa com deficiência física e assim vale para outras deficiências e outras pessoas.
Por isso, não é aconselhável comparamos as pessoas com deficiência de wn
mesmo tipo e nem de tipos diferentes. Cada pessoa é aquilo que a sua vida lhe possibilitou ser.
Portanto, independentemente de uma pessoa possuir ou não deficiência, ela é igual às demais
naquilo em que é igual e é diferente das demais naquilo em que é diferente.
Uma das maiores preocupações dos profissionais da área da saúde e das próprias
pessoas com deficiência é de evitar os rótulos ou carimbos.

A partir do momento em que uma determinada pessoa for rotulada com a marca
da deficiência, nunca mais será a mesma. Passará a viver em todos os espaços
sociais sob o estigma do inválido e do inútil. Numa sociedade que já tem
estabelecido um padrão de perfeição, de beleza, de inteligência, de cor,
alicerçados sobre valores econômicos, políticos, sociais, culturais, éticos e morais
bem-definidos, essa ressalva torna-se por demais importante, pois se entende que
o melhor seria evitar a colocação do carimbo "deficiência" do que depois retirar
as suas marcas. Vale a pena lembrar, a título de esclarecimento, que o problema
da pessoa com deficiência não é a deficiência em si, mas o tratamento que a
mesma recebe por parte da sociedade, diante de sua deficiência. (Almeida e
Machado, 2005, p. 32 - 33)

1.4. Caracterização das Deficiências

1.4.1. Deficiência Física

Entende-se por Deficiência Física qualquer comprometimento no aparelho


locomotor que compreende o sistema ósteo-articular, o sistema muscular e o sistema nervoso. E
que de alk,JUma forma altera seu funcionamento normal, comprometendo assim a movimentação e
a deambulação do indivíduo.
A variabilidade é grande das patologias e agravos que alteram a motricidade.
Além das alterações anatômicas devemos considerar também as alterações fisiológicas do
aparelho locomotor.
23

1.4.1.1. Tipos de Deficiência Física

' Lesão cerebral (paralisia cerebral, ' Patologias degenerativas do sistema


hemiplegias) nervoso central (esclerose múltipla,
esclerose lateral amiotrófica)
*Lesão medular (tetraplegias, paraplegias) * Lesões nervosas periféricas
* Miopatias (distrofias musculares) * Amputações
* Seqüelas de politraumatismos * Malformações congênitas
* Distúrbios posturais da coluna * Artropatias
* Reumatismos inflamatórios da coluna e *Lesões por esforços repetitivos (L.E.R.)
das articulações
* Seqüelas de queimaduras

1.4.1.2. Dados Estatísticos

A OMS estima que, em termos de paz, 10% da população de países


desenvolvidos são constituídos de pessoas com algum tipo de deficiência. Para
os países em vias de desenvolvimento estima-se de 12 a 15%. Destes, 20%
seriam portadores de deficiência física. Considerando-se o total dos portadores
de qualquer deficiência, apenas 2% deles recebem atendimento especializado,
público ou privado. (Ministério da Saúde - coordenação de Atenção a Grupos
Especiais, 1995 apud entre amigos, 2007)

1.4.1.3. Causas

* Paralisia Cerebral: por prematuridade; anóxia perinatal; desnutrição; rubéola;


toxoplasmose; trauma de parto; subnutrição; entre outras.
24

* Hemiplegias: por acidente vascular cerebral; aneunsma cerebral; tumor


cerebral e outras.
* Lesão Medular: por ferimento por arma de fogo; ferimento por anna branca;
acidentes de trânsito; mergulho em águas rasas, traumatismos diretos; quedas; processos
infecciosos; processos degenerativos e outros.
* Amputações: causas vasculares; traumas; malformações congênitas; causas
metabólicas e outras.
* Mal formações congênitas: por exposição à radiação; uso de drogas; causas
desconhecidas.
* Artropatias: por processos inflamatórios; processos degenerativos; alterações
biomecânicas; hemofilia; distúrbios metabólicos e outros.

1.4.1.4. Fatores de Risco

* Violência Urbana * Acidentes Desportivos


*Tabagismo * Maus hábitos alimentares
* Uso de drogas * Sedentarismo
* Epidemias I Endemias * Agentes Tóxicos
* Falta de saneamento Básico

1.4.1.5. Identificando a Deficiência

* Observar se o bebê está com atraso no desenvolvimento psicomotor, como não


firmar a cabeça, não sentar, não falar, no tempo esperado.
* Ficar atento se há alteração ou perda dos movimentos, da força ou da
sensibilidade dos membros superiores ou inferiores.
* Identificar erros inatos do metabolismo.
* Identificar doenças infecto-contagiosas e crônico-degenarativas.
25

* Controle da gestação de alto-risco.


Identificando precocemente pela família e por exame clínico especializado
favorecerá a prevenção primária, secundária e o agravamento da deficiência.

1.4.1.6. Exames para ter um Diagnóstico Correto

* Barositometria (Lesados Medulares) * Avaliações Complementares


Especializadas e por eqmpe
multiprofissional
* Potencial Evocado * Urodinâmica
* Avaliação Isocinética e *Teste de Propriocepção- Reactor
Eletroneuromiografia
* Ergoespirometria * Baropodometria
* Avaliação Clínica fisiátrica * Laboratório de analise tridimensional do
movimento

1.4.2. Deficiência Visual

O termo deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição


da resposta visual, em virtude de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento
clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais. Esta resposta pode ser leve, moderada,
severa, profunda (grupo de visão subnormal ou baixa visão) e ausência total da resposta visual
(cegueira).

O individuo com baixa visão ou vtsao subnormal é aquele que apresenta


diminuição das respostas visuais, mesmo após tratamento ou correção óptica.
Possui uma acuidade visual menor que 6/18 à percepção de luz ou campo visual
menor que 10 graus do seu ponto de fixação, mas que usa ou é potencialmente
26

capaz de usar a visão para o planejamento e/ou execução de uma tarefa.


(Amigos, 2007)

1.4.2.1. Tipos e Classificação de Deficiência Visual

De acordo com a intensidade da deficiência temos:


* Deficiência Visual Leve
* Deficiência Visual Moderada
* Deficiência Visual Profunda
* Deficiência Visual Severa
* Perda Total da Visão
De acordo com comprometimento de campo visual temos:
* Comprometimento Central
* Comprometimento Periférico
* Sem Alteração

De acordo com a idade de início, temos:


* Deficiência Congênita
* Deficiência Adquirida
*Deficiência Múltipla (associada a outro tipo de deficiência, como surdez)

1.4.2.2. Dados Estatísticos

Segundo a OMS-Organização Mundial de saúde, cerca de 1% da população


mundial apresenta algum grau de deficiência visual. Mais de 90% encontram-se
nos países em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, a população com
deficiência visual é composta por cerca de 5% de crianças, enquanto os idosos
são 75% desse contingente. Dados oficiais de cada país não estão disponíveis.
(Amigos, 2007)
27

1.4.2.3. Causas

As principais causas nos países em desenvolvimento são:


* Infecciosas;
* Nutricionais;
*Traumáticas;
* Causadas por doenças como as cataratas.

Nos países desenvolvidos, as causas mais importantes são:


* Genéticas·,
* Degenerativas.
De maneira geral as causas pode ser divididas também em:

* Congênitas: amaurose congênita de Leber, malformações oculares, glaucoma


congênito, catarata congênita.
* Adquiridas: traumas oculares, catarata, degeneração senil de mácula, glaucoma,
alterações retinianas relacionadas à hipertensão arterial ou diabetes.

1.4.2.4. Fatores de Risco

* Histórico familiar por doenças de caráter hereditário, como o glaucoma.


* Histórico pessoal de diabetes, hipertensão arterial e outras doenças sistêmicas
que podem levar a comprometimento visual, como a esc1erose múltipla.
* Senilidade, por exemplo: catarata, degeneração senil de mácula.
* Ausência de cuidados pré-natais e prematuridade.
* No trabalho, a não utilização de óculos de proteção em determinadas tarefas,
como durante o uso de solda elétrica.
28

* Falta de imunização contra rubéola nas mulheres em idade reprodutiva, o que


pode levar a maiores chances de rubéola congênita e conseqüente acometimento visual.

3.4.2.5. Identificando a Deficiência

Na criança:
* Desvio de um dos olhos;
* Não seguimento visual de objetos;
* Não reconhecimento visual de familiares;
* Baixo aproveitamento escolar;
* Atraso de desenvolvimento.

No adulto:
* Barramento súbito ou paulatino da visão.

Em ambas fases:
Vermelhidão, mancha branca nos olhos, dor, lacrimejamento, flashes, retração
do campo de visão que pode provocar esbarrões e tropeços em móveis.

Em todos os casos, deve ser realizada avaliação oftalmológica para diagnóstico


do processo e possíveis tratamentos, em caráter de urgência.

1.4.2.6. Diagnóstico

O diagnóstico é obtido através do exame realizado pelo oftalmologista que


também pode recorrer a exames subsidiários. Quando a deficiência já é caracterizada, o
29

oftalmologista especializado em baixa visão fará uma avaliação para indicar o melhor e mais
adequado auxílio óptico especial e a orientação a sua adaptação.

1.4.3. Deficiência Auditiva

Deficiência Auditiva é considerada genericamente como a diferença existente


entre a performance do indivíduo e a habilidade normal para a detecção sonora de acordo com os
padrões estabelecidos pela American National Standards Institute (ANSI- 1989).
Em geral, considera-se que a audição nonnal corresponde à habilidade para a
detecção de sons até 20 dB (decibéis). Os níveis limiares utilizados para caracterizar os graus de
severidade da deficiência auditiva podem ter algumas variações entre os diferentes autores.
Segundo o critério do Decreto 3.298, de 20 de dezembro de 1999, eles variam de graus e níveis
da seguinte forma:
* de Oa 24 dB de audição: Audição Normal;
*de 25 a 40 dB de audição: Deficiência Auditiva Leve (Surdez Leve);
*de 41 a 55 dB de audição: Deficiência Auditiva Moderada (Surdez Moderada);
* de 56 a 70 dB de audição: Deficiência Auditiva Acentuada (Surdez
Acentuada);
* de 71 a 90 dB de audição: Deficiência Auditiva Severa (Surdez Severa);
*acima de 91 dB de audição: Deficiência Auditiva Profunda (Surdez Profunda);
e
* Anacusia (surdez total).

Indivíduos com níveis de perda auditiva leve, moderada e severa são mats
freqüentemente chamados de deficientes auditivos, enquanto os indivíduos com níveis de perda
auditiva profunda são chamados de surdos.
30

1.4.3.1. Tipos de Deficiência Auditiva

* Deficiência Auditiva Condutiva: qualquer interferência na transmissão do som


desde o conduto auditivo externo até a orelha interna (cóclea). A grande maioria das deficiências
auditivas condutivas pode ser corrigida através de tratamento clínico ou cirúrgico.
* Deficiência Auditiva Sensório-Neural: Ocorre quando há uma impossibilidade
de recepção do som por lesão das células ciliadas da cóclea ou do nervo auditivo. Este tipo de
deficiência auditiva é irreversíveL
* Deficiência Auditiva Mista: Ocorre quando há urna alteração na condução do
som até o órgão terminal sensorial associada à lesão do órgão sensorial ou do nervo auditivo.
* Deficiência Auditiva Central, Disfunção Auditiva Central ou Surdez Central:
Este tipo de deficiência auditiva não é, necessariamente, acompanhado de diminuição da
sensitividade auditiva, mas manifesta-se por diferentes graus de dificuldade na compreensão das
informações sonoras. Decorre de alterações nos mecanismos de processamento da informação
sonora no tronco cerebral (Sistema Nervoso Central).

1.4.3.2. Dados Estatísticos

Estima-se que 42 milhões de pessoas acima de 3 anos de idade são portadoras


de algum tipo de deficiência auditiva, de moderada a profunda (OMS). Há
expectativa que o número de perdas auditivas na população mundial chegue a
57 milhões no ano de 2000. (Amigos, 2007)

1.4.3.3. Causas

Deficiência Auditiva Condutiva:


* Cerume ou corpos estranhos do conduto auditivo externo;
* Otite Externa: infecção bacteriana da pele;
31

* Otite Média: processo infeccioso e/ou inflamatório da orelha média;


* Perfurações da membrana tirnpânica;
* Malformações congênitas;
* Fissuras palatinas.

Deficiência Auditiva Sensório-Neural:


* Causa pré-natais (origem hereditárias, como surdez monogênica ou associada
a aberrações cromossômicas);
* Causas perinatais (prematuridade e/ou baixo peso ao nascimento; trauma de
parto (fator traumático ou anóxico ); doença hemolítica do recém-nascido);
* Causas pós-natais (infecções, como meningite, encefalite, sarampo; drogas
ototóxicas; perda auditiva induzida por ruído (PAIR); traumas fisicos que afetam o osso
temporal).

1.4.3.4. Fatores de Risco

* Antecedentes familiares com deficiência auditiva, levantando-se se há


consangüidade entre os pais e/ou hereditariedade;
* Infecções congênitas;
* Peso no nascimento inferior a 1500g e/ou crianças pequenas para a idade
gestacional (PIG);
* Asfixia severa no nascimento, com Apgar entre 0-4 no primeiro minuto e 0-6
no quinto minuto;
* Meningite, principalmente bacteriana;
* Permanência em incubadora por mais de sete dias;
* Alcoolismo ou uso de drogas pelos pais, antes e durante a gestação; e
* entre outros.
32

1.4.3.5. Identificando a Deficiência

* O diagnóstico é feito a partir da avaliação médica e audiológica.


* Em geral a primeira suspeita é feita pela famíli~ observam a ausência de
reações a sons, comportamentos diferentes do usual e a criança um pouco mais velh~ o não
desenvolvimento da linguagem.
* O diagnóstico também poderá ser feito através de programas de prevenção das
deficiências auditivas na infância (registro de fatores de risco e triagens auditivas).
* O profissional de saúde, geralmente o pediatra examinará a cnança e
encaminhará ao otorrinolaringologista, assim iniciará o diagnóstico precisamente.
* Nos adultos, em geral a queixa de alteração auditiva é do próprio indivíduo e
quando se tratar de trabalhadores expostos a situações de risco para a audição, o encaminhamento
poderá advir de programas de conservação de audição.

1.4.4. Deficiência Mental

A deficiência mental é um termo usado à caracterização dos problemas que


ocorrem no cérebro e por conseqüência leva a um baixo rendimento cognitivo, porém não afetam
outras regiões ou áreas cerebrais. A deficiência mental é manifestada antes dos 18 anos. A
criança com deficiência mental tem suas funções intelectuais abaixo dos padrões considerados
normais e assim podem sofrer dificuldades no comportamento adaptativo.

Segundo a AAMR (Associação Americana de Deficiência Mental) e DSM-IV


(Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), por deficiência
mental entende-se o estado de redução notável do funcionamento intelectual
significativamente inferior à média, associado a limitações pelo menos em dois
aspectos do funcionamento adaptativo: comunicação, cuidados pessoais,
competência domésticas, habilidades sociais, utilização dos recursos
comunitários, autonomia, saúde e segurança, aptidões escolares, lazer e trabalho.
(Amigos, 2007)
33

A deficiência mental é caracterizada por um quociente de inteligência (QI)


inferior a 70, esse valor é a média apresentada pela população, conforme testes padronizados
psicométricos ou por uma defasagem cognitiva em relação às respostas esperadas para a idade e
realidade sociocultural, segundo provas, roteiros e escalas, baseados nas teorias psicogenéticas.

1.4.4.1. Tipos de Deficiência Mental

Os indivíduos portadores de deficiência mental não são afetados da mesma


fonna, pOis cada depende do grau de comprometimento para classificar-se. Assim temos a
classificação de acordo com a CID 10 (Classificação futernacional das Doenças) que é baseada
no nível do quociente e segue os seguintes critérios:
F 70- Deficiência Mental Leve (QI 50 à 69)
F 71- Deficiência Mental Moderada (QI 49 à 36)
F 72- Deficiência Mental Severa (QJ 35 à 20)
F 73 -Deficiência Mental ProfWlda (QI abaixo de 20)

Porém está classificação estabelece apenas se a pessoa é portadora de deficiência


mental ou não e sua categorização (leve, médio, severo e profundo), assim a nova classificação
(AAMR e DSM-IV) proporciona uma avaliação detalhada do individuo e dos apoios de que ele
necessita, possui implicações importantes para o sistema de prestação de serviços para essas
pessoas e analisa todas as áreas necessárias para providenciar uma intervenção completa, uma
vez reconhecida à interdependência do individuo com deficiência mental.
Os apoios apresentam diferentes intensidades, como:
* Intermitente: apoio ••quando necessário". Caracteriza-se por sua natureza
episódica. Assim, a pessoa não precisa sempre de apoio ou requer apoio de curta duração durante
momentos de transição em determinados ciclos da vida (por exemplo, perda de emprego ou fase
aguda de uma doença). Os apoios intermitentes podem ser de alta ou de baixa intensidade.
* Limitado: apoios intensivos caracterizados por sua duração, por tempo
limitado, mas não intermitente. Pode requerer um menor número de profissionais e menor custo
34

que outros níveis de apoio mais intensivos (por exemplo, treinamento para o trabalho por tempo
limitado ou apoios transitórios durante o período entre a escola e a vida adulta).
* Extenso: apoios caracterizados por sua regularidade (por exemplo, diária) em
pelo menos em algumas áreas (tais como na vida familiar ou na profissional) e sem limitação
temporal (por exemplo, apoio a longo prazo e apoio familiar a longo prazo).
* Generalizado: apoios caracterizados por sua constância e elevada intensidade,
proporcionados em diferentes áreas, para proporcionar a vida. Estes apoios generalizados exigem
mais pessoal e maior intromissão que os apoios extensivos ou os de tempo limitado.

1.4.4.2. Dados Estatísticos

Segundo a OMS, 10% da população em países em desenvolvimento, são


portadores de algum tipo de deficiência, sendo que metade destes são portadores de deficiência
mental.

1.4.4.3. Causas e Fatores de Risco

* Pré-Natais: são aqueles que vão incidir desde a concepção até o início do
trabalho de parto, como:
desnutrição materna;
má assistência à gestante;
doenças infecciosas (sífilis, rubéola, toxoplasmose );
tóxicos (alcoolismo, consumo de drogas, efeitos colaterais de medicamentos,
poluição ambiental, tabagismo);
genéticos (alterações cromossômicas, como síndrome de Down; alterações
gênicas, como, sindrome de Williams, etc.).
35

* Peri-Natais: os que vão incidir do início do trabalho de parto até o 30° dia de
vida do bebê, e podem ser divididos em:
-má assistência ao parto e traumas de parto;
- hipóxia ou anóxia (oxigenação cerebral insuficiente);
- prematuridade e baixo peso (PIG- Pequeno para idade Gestacional);
-icterícia grave do recém nascido- kernicterus (incompatibilidade RH/ABO).

* Pós-Natais: os que vão incidir do 30° dia de vida até o final da adolescência e
podem ser:
desnutrição, desidratação grave, carência de estimulação global;
infecções: meningoencefalites, sarampo, etc;
intoxicações exógenas (envenenamento): remédios, produtos químicos,
inseticidas;
acidentes: trânsito, afogamento, choque elétrico, asfixia, quedas, etc;
infestações: neurocisticircose.

1.4.4.4. Identificando a Deficiência

* Atraso no desenvolvimento neuro-psicomotor (a criança demora para firmar a


cabeça, sentar, andar, falar);
* dificuldade no aprendizado (dificuldade de compreensão de normas e ordens,
dificuldade no aprendizado escolar);
* É preciso que haja vários sinais para que se suspeite de deficiência mental. Um
único aspecto não pode ser considerado como indicativo de qualquer deficiência.
36

1.4.4.5. Diagnóstico

* O diagnóstico deve ser feito por uma equipe multiprofissional, como médico,
psicólogo, assistente social, entre outros. A equipe avaliando o indivíduo terá mais condições de
diagnosticar o caso, pois abrangerá a pessoa na sua totalidade.
* Posterionnente, em reunião os profissionais concluirão o melhor tratamento e
também orientarão a família que após entender as potencialidades do filho e suas necessidades
poderá participar e cooperar nos tratamentos propostos.
* O diagnóstico de deficiência mental é muitas vezes difícil; fatores emocionais,
alterações de certas atividades nervosas superiores (retardo específico de linguagem ou dislexia,
psicoses ou baixo nível sócio econômico ou cultural) podem estar na base da impossibilidade do
ajustamento social adaptativo adequado, sem que haja necessariamente deficiência mentaL
* Para um bom prognóstico todo o investimento em programas de estimulação
precoce, pedagogia e ocupacionais (profissionalizantes ou não) visa sempre o pleno
desenvolvimento do potencial apresentado pelo indivíduo e a inserção social do mesmo a sua
comunidade. Quanto maior for à integração social da pessoa tanto maior serão as suas
oportunidades de aceitação e inclusão na sociedade.

1.4.5. Deficiência Mútipla

As pessoas portadoras de deficiência múltipla são aquelas afetadas em duas ou


mais áreas, associando diferentes deficiências, com possibilidade ampla de combinações. Este
tipo de deficiência é urna situação grave, porém felizmente atinge uma população menor, em
termos numéricos.
Para um melhor entendimento definiremos a classificação desse tipo de
deficiência mais detalhadamente, assim temos:
* Surdocegueira: é uma deficiência única que apresenta a perda da audição e
visão, criando assim necessidades especiais de comunicação, adaptações importantes para a
37

conquista de metas educacionais, recreativas, vocacionais sociais, a fim de compreender o mundo


que o cerca
* Múltipla Deficiência Sensorial: é a deficiência auditiva ou a deficiência visual
associada a outras deficiências (mental e/ou fisica), como também a distúrbios (neurológico,
emocional, linguagem e desenvolvimento global) que causam atraso no desenvolvimento
educacional, vocacional, social e emocional, dificultando a sua auto-suficiência.

1.4.5.1. Tipo de Deficiência Múltipla

* Surdocegueira:
cegueira congênita e surdez adquirida;
surdez congênita e cegueira adquirida;
cegueira e surdez congênita;
cegueira e surdez adquirida;
baixa visão com surdez congênita ou adquirida.

* Múltipla Deficiência Sensorial:


surdez com deficiência mental leve ou severa;
surdez com distúrbios neurológicos, de conduta e emocionais;
surdez com deficiência fisica (leve ou severa);
baixa visão com deficiência mental leve ou severa;
baixa visão com distúrbios neurológicos, emocionais e de linguagem e conduta;
baixa visão com deficiência fisica (leve ou severa);
cegueira com deficiência fisica (leve ou severa);
cegueira com deficiência mental (leve ou severa);
cegueira com distúrbios emocionais, neurológicos, conduta e linguagem.
38

1.4.5.2. Dados Estatísticos

É muito dificil precisar números exatos. A razão principal é que a


surdocegueira e a múltipla deficiência sensorial, em geral, ocorrem em conjunto
com outras deficiências mascarando a deficiência sensorial. Sendo assim, o
Grupo Brasil de apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente Sensorial
realizará um censo para mensurar o número exato de surdocegos e múltiplos
deficientes sensoriais no Brasil. (Amigos, 2007)

1.4.5.3. Causas e Síndromes

* Icterícia * Prematuridade * Sífilis congênita


* Otite média crônica *Meningite * West
* Citomegalovirus * Medicação ototóxica * Bardet-Bedl's
* Falta de oxigênio * Hidro e microcefalia * Lenox Gausteaux
*Sarampo *Fator rh * Goldenhar
* Traumatismos (acidentes) *Caxumba * Hallgren
*Glaucoma * Rubéola materna * Flynn-Aird
* Medicação teratogênica * Pierre Robin * Cockayne
* Retinose pigmentar *Charge * Amaurose de Leber
* Tumor cerebral * Keams-Lavre * Usher
* Toxoplasmose * Alstrom *Catarata
*Casamentos consangüíneos

1.4.5.4. Fatores de Risco

* Epidemias de doenças como rubéola, sarampo, meningite;


* Infecções hospitalares;
39

* Falta de saneamento básico;


* Doenças venéreas;
* Gravidez de risco.

1.4.5.5. Identificando a Deficiência

* O individuo pode apresentar movimentos estereotipados e repetitivos;


*Não antecipa as atividades;
* Não demonstra saber as funções dos objetos ou brinquedos, utilizando-os de
maneira inadequada;
* Pode rir e chorar sem causa aparente;
* Pode apresentar resistência ao contato fisico;
* Empurra o olho, provocando sensações;
* Movimenta os dedos e as mãos em frente aos olhos;
* Não se comunica de maneira convencional;
* Pode apresentar distúrbio de sono;
* Não explora o ambiente de maneira adequada;
* Tropeça muito e bate nos móveis, objetos e etc ... ;
* Gosta de ficar em locais com luminosidade;
* Pode não reagir a sons.

1.4.5.6. Diagnóstico

* Exames laboratoriais;
* Avaliações genéticas;
* Exames médicos (neurológico, visão, audição e fisico );
* Diagnóstico diferenciaL
40

1.4.6. Pessoa com Mobilidade Reduzida ou com Dificuldade de Locomoção (PDL)

A Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, defme pessoa portadora de


deficiência ou com mobilidade reduzida "a que temporariamente ou permanentemente tem
limitado sua capacidade de relacionar-se com o meio e de utilizá-lo".
Pessoa com Mobilidade Reduzida ou com Dificuldade de Locomoção é definido
como a pessoa que se movimenta com dificuldade, insegurança, que tem a necessidade de se
apoiar, locomover-se com ou sem aparelhos ortopédicos ou próteses, reduzindo efetivamente a
mobilidade, a flexibilidade, a coordenação motora e a percepção.
Assim, além das pessoas com deficiências podemos enquadrar também às
pessoas que necessitam de uma atenção especial, como as pessoas da terceira idade, gestantes,
pessoas com deficiência temporária adquiridas, obesos, crianças, diabéticos, hipertensos.

Cohen e Duarte apud Silva (2004, p. 50) exemplificam falando que pessoas que
se locomovem por meio de cadeiras de rodas ou de muletas, idosos, gestantes,
obesos, pessoas com deficiências temporárias, crianças, portadoras de pequenas
cargas e/ou carrinhos de bebê e outros grupos, podem ser considerados como
pessoas com dificuldade de locomoção (PDL).

Nos dias de hoje, por exemplo, com uma perspectiva de vida maior depois da
aposentadoria, os idosos estão mais dispostos e procuram cada vez mais atividades fora de casa.
Diante disso, eles ficam expostos aos riscos encontrados nas ruas dos centros urbanos. São cada
vez mais freqüentes os aumentos de mortes provocadas por quedas em lugares públicos ou
acidentes nos meios de transporte.
Os PDLs representam uma categoria heterogênea de usuários de uma grande
cidade, estes vêem o ambiente a partir de outros ângulos de visão. Por exemplo, uma pessoa que
se locomove em cadeira de rodas terá um ângulo de visão, percepção do espaço diferente daquela
pessoa que se locomove a pé. Portanto qualquer mobiliário urbano que tenha a altura de SOem se
tomará um obstáculo visual para o cadeirante e a percepção da cidade será fragmentada e
constituída de muitas surpresas.
41

Outro exemplo, são as gestantes e os idosos que tentam olhar para o chão mas
não conseguem ver seus pés, isto poderá gerar uma grande insegurança ao deslocar-se,
comprometendo a apreensão do espaço.
A percepção espacial destas pessoas se desenvolverá a partir de um diferente
caminhar que busca identificar locais livres de barreiras para evitar quedas. A maneira de se
deslocar e o ângulo de visão imposto pelas dificuldades no caminhar influenciam sobremaneira a
experiência e o afeto pelos lugares.
De acordo com Silva (2004), a mobilidade não deve apenas ser considerada
como uma vantagem e sim como um direito de que todos devem ter para usufruir o seu direito
constitucional de ir e vir. A mobilidade permite que pessoas com dificuldades de locomoção
participem da vida política, econômica e cultural do país.
42

2 ACESSIBILIDADE

Acessibilidade é definida pela norma NBR (Norma Brasileira Registrada)


9050/94, como sendo "a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e
autonomia, de edificações, espaços, mobiliários e equipamentos urbanos".
A palavra acessibilidade é um conceito moderno de abordar o tema deficiência,
este conceito é relatado em diversos países da Europa, da América do Norte e mais recente na
América Latina.
A acessibilidade pode ser vista de várias maneiras, conforme o enfoque e a área
de estudos que está sendo conceituada. Por exemplo quando se pensa em transporte urbano,
público, a preocupação é do acesso às pessoas no transporte dentro de sua cidade ou entre cidades.
Já na área de geografia urbana, a acessibilidade é vista de uma forma mais abrangente,
relacionada à questão da inclusão social e não da segregação.

Para Santos (1987, p. 142) a acessibilidade só é garantida quando há cidadania, o


que pressupõe que os direitos essenciais à vida humana sejam respeitados, como o
direito à cultura, a economia, a sociedade, ao território, a política, ao lazer, a
infonnação a saúde e educação, ou seja, a todos os bens e serviços que torne a
vida das pessoas mais digna.

Assim acreditamos que a acessibilidade não é a mesma em toda parte, depende-


se de questões sócio-econômicas, políticas, disponibilização de espaços para que as pessoas
sejam inseridas. E para que a cidadania seja exercida na comunidade em que vive é preciso que
as pessoas conquistem sua autonomia e independência e um dos fatores que contribui é o meio
em que vivem, principalmente para as pessoas com necessidades especiais que precisam de
espaços adaptados às suas necessidades.

Para Silva (2004, p. 12), hoje, o conceito de acessibilidade evolui e envolve não
só mais o ambiente físico, mas também as edificações, os transportes e também,
o acesso aos meios de comunicação (rádio, televisão ...). Um conceito bastante
abrangente vê a acessibilidade como o processo de conseguir a igualdade de
oportunidades e a participação plena em todas as esferas da sociedade e no
desenvolvimento social e econômico do país pelas pessoas portadoras de
deficiência. Além de ser uma garantia constitucional, a acessibilidade visa
proporcionar acesso a todos os serviços da comunidade, possibilitando a sua
43

plena participação na sociedade, o que pennitiria um ganho de autonomia e de


mobilidade a uma gama maior de pessoas, para que usufruam os espaços com
mais segurança, confiança e autonomia

A falta de acessibilidade é um desafio na vida das pessoas e no meio em que elas


vivem. Obstáculos às vezes imperceptíveis para aqueles que não convivem com o problema, mas
constrangedor para aqueles que não se encaixam no "padrão de homem" e convivem com essa
realidade. As dificuldades enfrentadas, como atravessar avenidas, subir rampas inclinadas, passar
por portas estreitas ou conduzir carrinhos de bebês em ruas esburacadas são atitudes normais do
dia-a-dia de pessoas idosas, gestantes, crianças, dos incapazes temporários (acidentados), obesos
e também das pessoas com deficiência.
Destacamos, entretanto, que a questão da acessibilidade ainda carece de
regulamentações adequadas, no âmbito dos organismos municipais, no que tange à fiscalização e
controle das construções.

2.1. O direito de ir e vir

De acordo com a Lei n° 5.296, de 02 de Dezembro de 2004, art. &, A


acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e
autonomia. total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações,
dos transportes e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa
portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida
A Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo diz que a toda pessoa
é garantido o direito universal de ir e vir, estabelecido na Declaração Universal dos Direitos
Humanos da ONU e incorporado à Constituição Brasileira. No entanto, nem sempre todos os
cidadãos podem exercer este direito. Barreiras ambientais, fisicas, econômicas, sociais e pessoais
os impedem. Tais restrições atingem de forma bastante contundente as pessoas com restrição de
mobilidade, que sofrem ainda com um outro tipo de barreira atitudinal: o preconceito.
O grande desafio dos responsáveis pela construção e manutenção das cidades e
seus equipamentos, incluindo o transporte, é projetar com a preocupação do desenho universal,
capaz de permitir acessibilidade a todos, sejam eles idosos, obesos, gestantes ou portadores de
44

deficiências ou necessidades especiais. Mas, apenas com a garantia de recursos para que este
desenho ooiversal se transforme em realidade, se terá uma mobilidade sustentável.
Asseguramos que a conquista da autonomia e independência é uma das
características da cidadania, favorecendo assim o bem-estar do indivíduo no meio em que ele
vive. A maioria dos ambientes construídos apresenta barreiras visíveis e invisíveis. As barreiras
visíveis constituem os impedimentos concretos, as dificuldades aos espaços. E as invisíveis
compõem a forma de como as pessoas são vistas pela sociedade, representada, na maioria das
vezes, por sua deficiência ou necessidade especial e não pelas suas potencialidades. Eliminando
as barreiras visíveis possivelmente contribuirá para a diminuição das barreiras invisíveis.

Como diz Prado ( 1997, p. O1), os arquitetos, projetistas e designers devem rever a
forma de conceber os espaços, os objetos, de modo que eles possam oferecer mais
conforto, segurança e eficãcia. A acessibilidade deve estar presente nas
edificações, no meio urbano, nos transportes e nas suas mútuas interações,
confonne exigência constitucional.

Hoje o moderno conceito de acessibilidade envolve o ambiente fisico, como


edificações e os transportes, bem como o acesso aos meios de comunicação pelas pessoas com
necessidades especiais. É muito importante que empresas, governos e a população se llllam para
viabilizar esta questão que é Lei e que tomará a vida dessas pessoas muito mais práticas, dignas e
prazerosas.
A seguir explicitaremos as normas gerais e critérios básicos para a promoção da
acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida e também
apresentaremos as normas estabelecidas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
O Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva decreta a Lei 5.296 de
02/12/2004 que regulamenta a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência
ou com mobilidade reduzida.
Das condições gerais da Acessibilidade, Art. go Para os fins de acessibilidade,
considera-se que:
I - Acessibilidade: condição para utilização, com segurança e autonomia, total
ou assistida, dos espaços e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e
dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de
deficiência ou mobilidade reduzida;
45

II - barreiras: qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso, a


liberdade de movimento, a circulação com segurança e a possibilidade de as pessoas se
comunicarem ou terem acesso à informação, classificadas em:
a) barreiras urbanísticas: as existentes nas vias públicas e nos espaços de uso
público;
b) barreiras nas edificações: as existentes no entorno e interior das edificações de
uso público e coletivo e no entorno e nas áreas internas de uso comum nas edificações de uso
privado multifamiliar;
c) barreiras nos transportes: as existentes nos serviços de transportes; c
d) barreiras nas comunicações e informações: qualquer entrave ou obstáculo que
dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos
dispositivos, meios ou sistemas de comunicação, sejam ou não de massa, bem como aqueles que
dificultem ou impossibilitem o acesso à informação;
111 - elemento da urbanização: qualquer componente da obras de urbanização,
tais como os referentes à pavimentação, saneamento, distribuição de energia elétrica, iluminação
pública, abastecimento e distribuição de água, paisagismo e os que materializam as indicações do
planejamento urbanístico;
IV - mobiliário urbano: o conjunto de objetos existentes nas vias e espaços
públicos, superpostos ou adicionados aos elementos da urbanização ou da edificação, de fonna
que sua modificação ou traslado não provoque alterações substanciais nestes elementos, tais
corno semáforos, postes de sinalização e similares, telefones e cabines telefônicas, fontes públicas,
lixeiras, toldos, marquises, quiosques e quaisquer outros de natureza análoga;
V - ajuda técnica: os produtos, instrumentos, equipamentos ou tecnologia
adaptados ou especialmente projetados para melhorar a funcionalidade da pessoa portadora de
deficiência ou com mobilidade reduzida, favorecendo a autonomia pessoal, total ou assistida;
VI - edificações de uso público: aquelas administradas por entidades da
administração pública, direta e indireta, ou por empresas prestadoras de serviços públicos e
destinadas ao público em geral;
VII - edificações de uso coletivo: aquelas destinadas às atividades de natureza
comercial, hoteleira, cultural, esportiva, financeira, turística, recreativa, social, religiosa,
46

educacional, industrial e de saúde, inclusive as edificações de prestação de serviços de atividades


da mesma natureza;
VIII - edificações de uso privado: aquelas destinadas à habilitação, que podem
ser classificadas como unifamiliar ou multifamiliar; e
IX - desenho universal: concepção de espaços, artefatos e produtos que visam
atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e
sensoriais, de forma autônoma, segura e confortável, constituindo-se nos elementos ou soluções
que compõem a acessibilidade.
Art. 9° - A formulação, implementação e manutenção das ações de
acessibilidade atenderão Às seguintes premissas básicas:
I -a priorização das necessidades, a programação em cronograma e a reserva de
recursos para a implantação das ações: e
II - o planejamento, de forma continuada e articulada, entre os setores
envolvidos.
Art. 1O. - A concepção e a implantação dos projetos arquitetônicos e
urbanísticos devem atender aos princípios do desenho universal, tendo como referências básicas
às normas técnicas de acessibilidade da ABNT, legislação específica e as regras contidas neste
Decreto.
§ 1o Caberá ao Poder Público promover a inclusão de conteúdos temáticos
referentes ao desenho universal nas diretrizes curriculares da educação profissional e tecnológica
e do ensino superior dos cursos de Engenharia, Arquitetura e correlatos.
§ 2° Os programas e as linhas de pesquisa a serem desenvolvidos com o apoio de
orgarnsmos públicos de auxílio à pesquisa e de agências de fomento deverão incluir temas
voltados para o desenho Wliversal.
Art. 11. A construção, refonna ou ampliação de edficações de uso público ou
coletivo, ou a mudança de destinação para estes tipos de edificação, deverão ser executadas de
modo que sejam ou se tornem acessíveis à pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade
reduzida.
§ 1o As entidades de fiscalização profissional da atividade de Engenharia,
Arquitetura e correlatas, ao anotarem a responsabilidade técnica dos projetos, exigirão a
47

responsabilidade profissional declarada do atendimento às regras de acessibilidade precisas nas


normas técnicas de acessibilidade da ABNT, na legislação específica e neste Decreto.
§ 2° Para a aprovação ou licenciamento ou emissão de certificado de conclusão
de projeto arquitetônico ou urbarústico deverá ser atestado o atendimento às regras de
acessibilidade previstas nas nonnas técnicas de acessibilidade da ABNT, na legislação específica
e neste Decreto.
§ 3o O Poder Público, após certificar a acessibilidade de edificação ou serviço,
determinará a colocação, em espaços ou locais de ampla visibilidade, do "Símbolo Internacional
de Acesso", na forma prevista nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT e na Lei n° 7.405,
de 12 de novembro de 1985.
Art. 12. Em qualquer intervenção nas vtas e logradouros públicos, o Poder
Público e as empresas concessionárias responsáveis pela execução das obras e dos serviços
garantirão o livre transito e a circulação de fonna segura das pessoas em geral, especialmente das
pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzid~ durante e após a sua execução, de
acordo com o previsto em normas técnicas de acessibilidade da ABNT, na legislação específica e
neste Decreto.
Art. 13. Orientam-se, no que couber, pelas regras previstas nas normas técnicas
brasileiras de acessibilidade, na legislação específic~ observado o disposto na Lei n° 10.257, de
10 de julho de 2001, e neste Decreto:
I - os Planos Diretores Municipais e Planos Diretores de Transporte e Trânsito
elaborados ou atualizados a partir da publicação deste Decreto;
II- o Código de Obras, Código de Postura, a Lei de Uso e Ocupação do Solo e a
Lei do Sistema Viário;
IH - os estudos prévios de impacto de vizinhança;
IV - as atividades de fiscalização e a imposição de sanções, incluindo a
vigilância sanitária e ambiental; e
V- a previsão orçamentária e os mecanismos tributários e financeiros utilizados
em caráter compensatório ou de incentivo.
§ 1o Para concessão de alvará de funcionamento ou sua renovação para qualquer
atividade, devem ser observadas e certificadas as regras de acessibilidade previstas neste Decreto
e nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT.
48

§ 2° Para emissão de carta de "habite-se" ou habitação equivalente e para sua


renovação, quando esta tiver sido emitida anteriormente às exigências de acessibilidade contidas
na legislação especifica, devem ser observadas e certificadas as regras de acessibilidade previstas
neste Decreto e nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT.
ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) estabelece que:
* NBR (Norma Brasileira Registrada) 14020 (01/12/1997) - Estabelece
princípios gerais para a acessibilidade a pessoas portadora de deficiência, de forma segura, em
trens de longo percurso. Aplica-se tanto a projetos novos quando às adaptações dos projetos já
existentes.
* NBR 14273 (30/0l/1999) - Estabelece os padrões e critérios que visam
propiciar às pessoas portadoras de deficiência condições adequadas e seguras de acessibilidade
autônoma ao espaço aeroportuário e às aeronaves das empresas de transporte aéreo público
regular, regional e suplementar.
*NBR 14970-1 (02/07/2003)- fixa os requisitos que garantem a acessibilidade
no processo de dirigibilidade de veículos automotores para condutores com mobilidade reduzida
(c.m.r.).
* NBR 14970-3 (02/07/2003)- diretrizes para a avaliação da dirigibilidade do
condutor com mobilidade reduzida em veículo automotor apropriado. Fornece as diretrizes para
os examinadores de prova prática terem condições de avaliar o processo de dirigibilidade do
condutor com mobilidade reduzida (c.m.r) em veículo automotor apropriado.
* NBR 14970-2 (30/07/2003) - Diretrizes para avaliação clínica de condutor
com mobilidade reduzida. Fornece diretrizes para avaliações clínicas em condutores com
mobilidade reduzida, candidatos à obtenção da permissão para dirigir ou da renovação da
Carteira Nacional de Habilitação, a serem realizadas por médicos peritos examinadores,
conforme Resolução 80/l998 do CONTRAN.
* NBR 9050 (31/05/2004) - Estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem
observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário,
espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.
* NBR 15250 (30/03/2005) - Fixa os critérios e parâmetros técnicos de
acessibilidade a serem observados quando do projeto, construção, instalação e localização de
equipamentos destinados à prestação de informações e serviços de auto-atendimento bancário.
49

Para o estabelecimento desses critérios e parâmetros técnicos foram consideradas diversas


condições de mobilidade e de percepção, com ou sem a ajuda de aparelhos específicos, sejam eles:
sistemas assistivos de voz, cadeira de rodas ou outro que complemente necessidades individuais.
* NBR 14021 (30/06/2005) - Estabelece os critérios e parâmetros técnicos a
serem observados para acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano, de acordo
com os preceitos do Desenho Universal.
* NBR 15290 (31110/2005)- Estabelece diretrizes gerais a serem observadas
para acessibilidade em comunicação na televisão, consideradas as diversas condições de
percepção e cognição, com ou sem a ajuda de sistema assistivo ou outro que complemente
necessidades individuais.
* NBR 15320 (30112/2005) - Estabelece os padrões e critérios que visam
proporcionar à pessoa com deficiência a acessibilidade ao transporte rodoviário.
* NBR 14022 (16/10/2006)- Estabelece os parâmetros e critérios técnicos de
acessibilidade a serem observados em todos os elementos do sistema de transporte coletivo de
passageiros de características urbanas, de acordo com os preceitos do Desenho Universal.
* NBR 15450 (01112/2006) - Estabelece os critérios e parâmetros técnicos a
serem observados para a acessibilidade de passageiros no sistema de transporte aquaviário, de
acordo com os preceitos do Desenho Universal. No estabelecimento desses critérios e parâmetros
técnicos, foram consideradas as diversas condições de mobilidade e de percepção do ambiente
pela população, incluindo crianças, adultos, idosos, pessoas com deficiência e pessoas com
mobilidade reduzida, com ou sem a ajuda de aparelhos específicos, como: próteses, aparelhos de
apoio, cadeiras de rodas, bengalas de rastreamento, sistemas assistivos de audição ou qualquer
outro que venha a complementar necessidades individuais.

2.2. Barreiras de Acessibilidade

Aa barreiras são consideradas para as pessoas portadoras de deficiências,


mobilidade reduzida ou com dificuldade na locomoção como sendo o problema de maior
50

importância em suas vidas, pois estas impedem ou limitam suas habilidades de expressão e o
acesso aos lugares e meios de sua vida.
As pessoas com algum tipo de necessidade especial podem participar da vida da
comunidade em geral, porém isto não acontece na real. Essas pessoas têm dificuldades diversas
oriundas de sua própria individualidade, mas possuem capacidades para transitar pelas vias de
circulação urbana, para se educar e para serem cidadãos ativos de se conviver.
O que implica a essa dificuldade de inserção na sociedade é a falta muitas vezes
do acesso aos lugares, assim às barreiras existentes, sejam elas arquitetônicas, sócio-culturais,
financeiras, de comunicação, invisível, entre outras contribuem e muito para essa falta de acesso.
Confonne a Lei n° 5.296, de 02 de Dezembro de 2004, art. 8, as barreiras
constitui qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso, a liberdade de movimento
com segurança e a possibilidade de as pessoas se comunicarem ou terem acesso à informação.
Para alguns autores, as barreiras são classificadas em: visíveis e invisíveis, entre
eles, Prado apud Silva (2004) conceitua-os da seguinte forma:

Barreiras Visíveis:
Constituem barreiras visíveis todos os impedimentos concretos, entendidos
como a falta de acessibilidade aos espaços.
Barreiras Invisíveis:
Constituem a forma como as pessoas são vistas pela sociedade, na maior parte
das vezes representadas pelas suas deficiências e não pelas suas potencialidades. A eliminação de
barreiras visíveis poderá vir a contribuir para a diminuição das barreiras invisíveis.

A maioria dos especialistas em acessibilidade conceituam as barreiras físicas e


sociais da seguinte forma:

Barreiras Físicas

Implica supnmtr barreiras arquitetônicas e urbanísticas, como também de


transporte, reconhecendo a inevitável necessidade de locomoção de todos os seres humanos.
51

Barreiras urbanísticas

Todas barreiras existentes nas vias públicas e nos espaços públicos. Conceituam-
se as dificuldades encontradas pela população nos espaços e mobiliários urbanos. Exemplificando
a falta de rebaixamento nas calçadas, falta de telefone público adaptado, inexistência de vagas
especiais adequadas para as pessoas com deficiência, mobilidade reduzida ou dificuldade de
locomoção.

Barreiras arquitetônicas na edificação

São as barreiras e obstáculos existentes no interior dos edificios públicos e


privados. Temos como exemplo: escadas e rampas de acesso aos prédios, portas; estreita
circulação dentro dos edificios, falta de placas de identificação em bmile e etc.

Barreiras de transportes

São as dificuldades, falta de adaptações aos meios de transporte particulares ou


coletivos. Cita-se como exemplo: banheiros adequados nos veículos coletivos, falta de
informações visuais e em braile, entre outros.

A acessibilidade ao transporte implica facilitar o acesso aos transportes públicos,


adaptar os veículos com equipamentos (platafonnas elevatórias, por exemplo), de
fonna a anular os desníveis e vãos. No tocante ao transporte individual, é preciso
criar vagas especiais para as pessoas portadoras de deficiência e zona de
embarque I desembarque, livres de obstáculos e adequar a sinalização de
orientação da cidade, voltada para o usuário. (Prado, 1997, p. 03)

Para essas barreiras fisicas, já existem normas internacionais de conselhos de


Arquitetura e Engenharia que lidam com a parte de adaptações em repartições e edificações em
geral, que tornam os mesmos mais acessíveis às pessoas com necessidades especiais.
Assim os profissionais da área elaboraram em nível geral, um design universal,
que faça o entorno acessível a todos. Para conseguir essa acessibilidade, que nada mais é do que a
condição que um entorno fisico possui de permitir seu uso a qualquer pessoa independentemente
da sua situação fisica, psíquica ou sensorial.
52

Para Lerner apud Moreira (2000, p. 07) o maior problema das pessoas com
necessidades especiais é ter acesso aos espaços. Por isso ao projetar os espaços,
devemos pensar nas condições de acessibilidade para estes usuários, sendo mais
específicos os problemas de acessibilidade e utilização de equipamentos no caso
dos usuários de cadeiras de rodas. Ao executar ou adaptar um projeto, devem ser
levadas em conta às condições antropométricas específicas destes usuários, já que
a cadeira de rodas impõe limites à ação e alcance manual e visual de seus usuários.

Adaptar os ambientes, como as residências, locais de trabalho, hospitais, clínicas,


comércio, áreas de lazer e outros locais visitados e freqüentados, significam permitir o direito de
ir e vir. A adaptação correta dos ambientes, reforma e adaptação dos móveis e equipamentos
utilizados pelos usuários é definida como condição ideal padrão recomendada pela norma,
assegurando (adquirindo) a independência do indivíduo.
Moreira (2000, p. 06), "definimos o ambiente mais adequado e apropriado como
sendo aquele que proporciona ao mesmo tempo um espaço, com um mínimo de liberdade e
privacidade".
A dificuldade de acesso, locomoção e a falta de informações são alguns dos
empecilhos das pessoas com necessidades especiais de participarem ativa e produtivamente, de
forma independente, na vida social. A busca do Desenho Universal nos projetos públicos é wna
das formas preventivas para a obtenção de resultados reais e a integração de pessoas com
dificuldade de locomoção na sociedade. Cabe a todos o esforço da implementação de um espaço
democrático onde poderemos viver juntos como cidadãos".

Assim o designer universal propõe que os espaços sejam projetados de fonna a


atender ampla gama da população, considerando as variações de tamanho, sexo,
peso ou diferentes habilidades ou limitações que as pessoas possam ter. Esse
conceito preconiza que uma cidade deve ser acessível a qualquer pessoa desde o
seu nascimento até a sua velhice, ou seja, as cidades devem ser acessíveis a
todos. Esses espaços devem permitir várias maneiras de serem usados ou
explorados, e devem estar providos de elementos construídos únicos ajustáveis,
ou múltiplos complementares, de forma que o conjunto esteja adequado a
algum tipo de necessidade ou características do usuário. (Guimarães apud Prado,
1997, p. 02).

Existem escalas diferentes dos ambientes (espaços), as quais abrangem desde os


macro até os microambientes. O macroambiente está numa escala arquitetônica, envolvendo
relações espaciais, forma de edificação, sua estétic~ as condições locais e a interação desse com
53

a comunidade, permitindo portanto a qualquer pessoa com segurança nos trajetos, mesmo com
limitações fisicas, sensoriais, mentais ou funcionais de usá-lo. Enquanto que o microambiente é
caracterizado por uma escala pessoal individual. Planejar esse ambiente significa preocupar-se
com as interações espaciais, que consistem, por um lado, em observar o mobiliário, a iluminação
e a ventilação e, por outro, analisar a capacidade funcional do usuário. Uma sinalização clara e
acessível a todos colabora para a interação do homem no espaço que ele vivencia e deve ser
complementada com um sistema de informação.
Considerando o conceito e colocando em prática o design universal, obtêm-se
espaços funcionais, confortáveis, cômodos e acessíveis a todos, principalmente às pessoas com
necessidades especiais que exigem adequações variadas para suas diferentes necessidades.
Para Prado (1997, p. 03 - 04)

Alguns exemplos da variada gama de modificações que devem ser feitas nos
ambientes para tomá-los acessíveis a mais pessoas são indicados a seguir. Para
os deficientes visuais, muitas vezes, bastam substituir as lâmpadas por outras
mais potentes ou simplesmente acrescentar mais uma, ou então colocar uma
cortina para dosar a claridade, diminuindo o ofuscamento. Para um trajeto
seguro dessas pessoas, garantir as condições de conservação dos pisos, evitar a
deposição de objetos como caixas, fios e vasos de plantas pelo chão, e , quando
houver mudanças de nível, marcar o piso com uma faixa branca ou amarela.
Nas escadas e rampas, a instalação de corrimão é imprescindível para servir de
apoio e guiar pessoas com dificuldades de visão. Quanto aos deficientes
auditivos, ao indicar rotas de fuga, dotá-las de dispositivos luminosos. Reduzir
os ruídos é fundamental para evitar que provoquem confusão em quem tem a
capacidade de audição reduzida. O uso de carpetes e cortinas pode atenuar os
ruídos. O uso de símbolos ou cores, na comunicação visual, pode facilitar
bastante o trabalho da pessoa com deficiência mental, do prédio até a mesa do
trabalho. Para superar os desníveis, o espaço deve dispor de rampas, elevadores
ou equipamentos como platafonnas elevatórias para os idosos e obesos.
Lembrar da adequação dos sanitários, cujas medidas devem possibilitar o uso
com conforto e segurança de um indivíduo em cadeira de rodas.

O problema mais importante que se apresenta nessa questão do design universal


é passar das idéias e palavras para o mundo das realizações, à prática diária. Trata-se de uma forte
mudança de enfoque, já que o ponto de partida é uma realidade atual na qual a pessoa tem que se
acomodar ao entorno, geralmente hostil. Pretende-se, via design universal, que seja o entorno que
se acomode às necessidades das pessoas.
54

Agindo dessa forma, obtém-se ambientes que atendam as propostas do design


universal, sem entretanto custar mais, capacitando as pessoas com necessidades especiais a
levarem vidas mais independentes e produtivas.

Barreiras Sócio-culturais (ou atitudinais):

As barreiras sócio-culturais são as que mais afastam os deficientes de praticarem


lazer, isso se originam muitas vezes devido à divisão de classes sociais e que podem ser
agravadas com atitudes de preconceito, estigmas e estereótipos em relação às pessoas com
necessidades especiais existentes na sociedade.
Essas barreiras são os comportamentos, olhares e conceitos errados da sociedade
em relação às pessoas com necessidades especiais. Temos como exemplo: a não participação
dessas pessoas nas atividades de lazer por sentirem-se excluídas, rejeitadas.
De acordo com Cohen apud Silva (2004), as barreiras sociais podem ser
eliminadas através de campanhas de sensibilização e educação do público tendo o objetivo de
alcançar uma modificação de atitudes e comportamento com relação às pessoas com deficiência.
Campanhas de sensibilização têm efeito educativo e devem, por isso, fazer parte do processo de
planejamento, aliadas às intervenções que eliminem barreiras físicas" (Bahia, 1998, p. 27).

Barreiras à Educação:

A acessibilidade à educação tem como base o ideal de contribuir para o


desenvolvimento das pessoas. A educação é importante para uma melhor compreensão e
participação nas atividades de lazer. A leitura dá base para acompanhar estas diversas atividades.
Alguns conteúdos de lazer exigem um mínimo de grau de formação escolar para que sejam
desenvolvidos, proporcionando o aumento da interação social com as pessoas.
A maioria dos deficientes é analfabeta, não sabem ler, escrever ou mesmo
interpretar o que a outra pessoa está dizendo e isso se toma uma barreira, pois dependem de
alguém para lhes ajudar. Diante disso, nos encontros de reflexão, discussão, leituras, expressão de
suas próprias idéias, há a necessidade de adaptar a linguagem, a comunicação para que possa ser
55

compreendida por todos. A questão do analfabetismo também se dá às dificuldades ao acesso a


escola (escadarias, transporte, ... ) pelas pessoas com necessidades especiais.

Barreiras ao Trabalho:

A acessibilidade ao trabalho aparece como o mecanismo de integração mms


eficaz, pOis propicia o sustento da pessoa com necessidade especial e também à sua
independência. As pessoas que trabalham '"fora" têm mais oportunidades de lazer, mesmo tendo
menos tempo livre. Isso acontece por apresentarem uns círculos maiores de amizades, de
conseguirem lidar com as barreiras, seja de deslocamento ou arquitetônicas e por receberem uma
remuneração que permitem ter mais acesso ao lazer. As pessoas com necessidades especiais que
trabalham não se sentem inferiores as ditas "normais", pois o trabalho faz com que elas se sintam
úteis a sociedade e a si próprias.

De acordo com Cantareli ( 1998, p. 105) em entrevistas com as pessoas com


necessidades especiais, o trabalho exerce influências no lazer á medida que:
aumenta o círculo de amizades, eleva a auto-estima, ajuda a romper barreiras
consigo mesmo e com outras pessoas, dá condições financeiras para a
realização do lazer, ajuda a promover a independência em relação a sua familia,
provoca mudanças nas outras pessoas que convivem com a pessoa com
necessidade especial e percebe suas reais capacidades, repensando, assim,
alguns preconceitos.

Ainda Cantareli diz que a dificuldade em relação ao trabalho e todos os


problemas decorrentes em função disso, constitui apenas uma parte das barreiras que as pessoas
em geral enfrentam para terem acesso ao lazer.

Barreiras à Habitação:

Há a necessidade de uma política habitacional que garanta espaços acessíveis a


todos. É preciso lembrar que as pessoas deficientes, com mobilidade reduzida ou com dificuldade
na locomoção precisam de uma moradia adequada para se viver.
56

Bahia apud Silva (2004, p. 33) expõe que uma política em acessibilidade para a
habitação deve contemplar a obrigatoriedade da implantação de rampas e ou
elevadores nas habitações multifamiliares; fazer cumprir as normas relativas a
acessibilidade da NBR 9050 quando em construção ou adaptação de
empreendimentos imobiliários; permitir através da Lei de Uso e Ocupação do
Solo a convivência de todas as atividades relacionadas a habitação; e
assentamentos de PPD residentes em conjuntos habitacionais nos locais de mais
fácil acesso.

Barreiras a Cultura, Lazer e Desporto:

O acesso às atividades culturais, aos equipamentos de lazer e as práticas


esportivas são direitos de todos. Assim é necessário que os teatros, cinemas, museus, bibliotecas,
bares, quadras esportivas, clubes, etc, sejam adequados a permitir o acesso independente das
pessoas com deficiência, mobilidade reduzida ou com dificuldade na locomoção.

Cohen apud Silva (2004, p. 33-34), reforça que ao se falar de integração política,
deve-se também ter em mente uma atuação integrada entre os diversos órgãos
do governo para a promoção do acesso à cultura, ao desporto e ao lazer. Este
acesso pode se dar através do estímulo à participação das pessoas portadoras de
deficiência nas atividades culturais desenvolvidas no seu bairro ou mediante a
adequação fisica de casas de espetáculos, cinemas, teatros, museus, bibliotecas,
estádios, clubes e outras áreas de recreação.

Barreiras a Saúde

Os serviços públicos devem estar preparados e capacitados para atender toda


comunidade, inclusive ao atendimento integral ao deficiente. Este deverá ir deste a prevenção
precoce da deficiência até aos atendimentos de reabilitação. E os serviços devem estar em locais
próximos às residências facilitando a locomoção dos usuários.
Para que isso aconteça é preciso que os profissionais estejam capacitados, que o
acesso aos serviços estejam adequados e cabe também as pessoas com deficiências participarem
das atividades integradoras que esses serviços disponibilizam para que na medida do possível
haja integração na vida em comunidade.

Além dessas barreiras há outros fatores agravantes que impedem as PNEs


(Pessoas com Necessidades Especiais) de usufruírem as atividades de lazer. A dificuldade de a
57

própria pessoa lidar com sua deficiência, mobilidade reduzida ou necessidade especiaL Também
há a insegurança de praticarem alguma atividade, principalmente se exigem movimento, pois tem
medo de se machucarem, agravar uma lesão já existente, A condição financeira, problemas
familiares, faltas de tempo, violência e a não diversidade de programas de lazer.
Essas barreiras impedem as pessoas com necessidades especiais à oportunidade
de serem membros ativos e produtivos da sociedade. Neutralizar as barreiras existentes e evitá-las
no futuro e é dificil, mas possível.
Um ambiente acessível é melhor e mrus seguro para todos. Especialistas
afirmam que os investimentos em acessibilidade se as adaptações forem incorporadas no início
do projeto o custo é inferior ao que se imaginam.
Com a acessibilidade o individuo adquiri mrus autonomia, liberdade e
individualidade para poder relacionar-se com o meio ambiente e com a vida, oportunizando as
pessoas com necessidades especiais de dependerem menos de terceiros.
58

3LAZER

O lazer é tão fundamental quanto a saúde, a educação, a moradia, o transporte, o


saneamento básico, o trabalho e a alimentação são para a vida de todo e qualquer ser hwnano.
Historicamente adquirido, compreendido e valorizado, é um dos direitos sociais assegurados pela
Constituição da República Federativa do Brasil, no seu art. 6°, capítulo 11 -Dos Direitos Sociais
(Brasil, 1988).
Desde que respeitadas suas caracteristicas, vivenciado dentro de um espaço e
tempo disponíveis, de forma desinteressada, como uma opção individual, onde se busca a
satisfação e o prazer, o lazer tem como funções o descanso, o divertimento e o desenvolvimento
humano- pessoal e social. Dessa forma, a vivência de wn lazer de qualidade pode proporcionar a
emancipação de um homem critico e criativo, capaz de gerar e vivenciar normas e valores
questionadores da atual ordem estabelecida.

O lazer não pode mais ser encarado como atividade de sobremesa ou moda
passageira. Merece tratamento sério sobre suas possibilidades e riscos. Neste
sentido, proponho considerá~ lo não como simples fator de amenização ou alegria
para a vida, mas como questão mesmo de sobrevivência humana, ou melhor, de
sobrevivência do humano no homem. (Marcellino, 2004, p. 17)

O lazer oferece várias possibilidades de ocupações e funções, passando do


quantitativo para o qualitativo. Ainda vemos que para as pessoas usufruírem as oportunidades
que o lazer oferece é inegável que há impedimentos sócio~econômicos presentes nas vidas das
pessoas.
O lazer é um meio de descansar e de se distrair, de tempos em tempos. Para a
maioria, às atividades de lazer são cada vez mais exercidas no tempo fora do trabalho profissional
e familiar, buscando um crescente interesse pela realização pessoal independente do nível social.
O lazer se definiu em função da liberação do trabalho profissional e familiar
De acordo com Requixa (1977), com as conquistas trabalhistas, a legislação
garante ao trabalhador no país acesso às férias, fins de semana e controla o número máximo de
horas semanais de trabalho, garantindo seu tempo livre.
59

Assim, consideramos "lazer" e '"trabalho" como sendo esferas sociais que


exercem forte influência uma sobre a outra, sendo que o homem, como um ser
individual e visto na sua totalidade, carrega consigo valores do trabalho para o
lazer e deste para o trabalho. (Cantareli, 1998, p. 26)

O tempo liberado pelo trabalho profissional de um lado é preenchido pelas


obrigações familiares e sociais e de outro pelo lazer (dentro da famíli~ reWliões familiares,
associações, etc.)

O lazer se caracteriza por uma flexibilidade fundamental, que pode levar a


transformar certas situações de trabalho, conservadoras em demasia, e
promover um aprimoramento do desempenho individual. Assim estudada em
seus três aspectos principais: a flexibilidade do tempo do lazer (os horários de
lazer são mais flexíveis do que os horários de trabalho); a da hierarquia do lazer
(no lazer geralmente são mais flexíveis e menos rígidas); a das atividades de
lazer (as atividades de lazer têm propriedades muito mais adaptadas à
personalidade de cada um, e conseqüentemente, ao desempenho individual).
(Dumazedier, 1980, p. 19-20)

Com a conquista de mais tempo livre (redução da jornada de trabalho, repouso


semanal, aposentadoria, etc.) esperávamos que o homem usufruísse com maior regularidade as
atividades de lazer. Porém, a realidade não é essa, são vários fatores que impedem como, o
cansaço fisico e mental (gerados pelas condições de trabalho) cada vez mais rotineiro e dividido;
o barulho e a poluição; as grandes distâncias entre moradia, local de trabalho e os espaços de
Jazer; as dificuldades enfrentadas no trânsito; a questão financeira; e principalmente a falta de
espaços de lazer na cidade que contemple toda a população.
Apesar de muito se falar em lazer, são poucos os estudos nesta área. Como há
uma diversidade de atividades e significados é preciso o desenvolvimento de pesquisas
específicas na área para um melhor entendimento e valorização à população. Entretanto, o termo
lazer vem ganhando espaço na população em geral, na mídia, na educação e etc, enfatizando que
não há distinção de classe ou grupo social, faixa etária, ... o que todos querem é o mesmo, ter mais
lazer.
Diante disto explicitaremos sobre o lazer e suas bases teóricas de modo que
possamos compreender e dar valor a esse fenômeno que vem crescendo e se intensificando a cada
dia.
60

3.1. Conhecendo e compreendendo o Lazer

A palavra "lazer", ao longo das últimas décadas vem ganhado força e


reconhecimento de sua importância na vida da população. Ela faz parte de conversas informais,
aparece em campanhas publicitárias e políticas, ocupa títulos de revistas, anúncios de jornais,
também está presente em órgãos públicos (por exemplo: Secretaria de Esportes e Lazer), enfim
está presente no cotidiano das pessoas em geral.
Não há ainda uma definição exata, um consenso comum do que seja Lazer entre
os teóricos e técnicos da área. Geralmente o lazer é associado a atividades recreativas,
entretenimento ou eventos de massa, as associações a essas outras atividades se dão ao
crescimento do lazer nas últimas décadas.
Devido à utilização em massa do termo, é importante conceituarmos o lazer. Há
vários autores que se dedicam a esse assunto. Uns seguem o pensamento independente de um
tempo determinado, a satisfação provocada pela vivência e outros que enfatizam o tempo, o
tempo liberado do trabalho e das obrigações familiares, sociais e religiosas. A seguir
explicitaremos o que cada autor pensa sobre o lazer.
A maioria dos estudos nessa área tem como rethência o conceito proposto por
Dumazedier:

Assim o lazer é um conjunto de ocupações às quais o indivíduo pode entregar-


se de livre vontade, seja para repousar, seja para divertir-se, recrear-se e
entreter-se, ou ainda para desenvolver sua formação desinteressada, sua
participação social voluntária ou sua livre capacidade criadora, após livrar-se ou
desembaraçar-se das obrigações profissionais, familiares e sociais. Dumazedier
(1980, p,34)

O conceito exposto é muito importante para a construção de toda uma teoria do


lazer, muitos autores brasileiros se baseiam em Dumazedier, para iniciarem ou complementarem
idéias ou para discutirem e assim criarem suas próprias conceituações.
Assim, Requixa (1980, p. 35) define lazer como «uma ocupação não obrigatória,
de livre escolha do indivíduo que a vive e cujos valores propiciam condições de recuperação
psicossomática e de desenvolvimento pessoal e social".
61

Para Bruhns (1977, p, 124)

Os conceitos de lazer após a década de 1970 têm gravitado em tomo de três


eixos básicos: do tempo de não trabalho, do espaço de sua vivência e da atitude
do indivíduo. O lazer, portanto, se consubstancia na experiência lúdica
resultante dessas três variáveis.

De acordo com Marcellino (2004), este propõe um conceito operacional do lazer


historicamente situado, entendendo-o como um direito social. Para ele o lazer é a cultura -
compreendida no seu sentido mais amplo - vivenciada (praticada ou fiuída) no "tempo
disponível". O importante, como traço definidor, é o caráter "desinteressado" dessa vivência. Não
se busca, pelo menos fundamentalmente, outra recompensa além da satisfação provocada pela
situação. A "disponibilidade de tempo" significa possibilidade de opção pela atividade prática ou
contemplativa.
Para Gutierrez (2001, p. 62)

O lazer apresenta, ao mesmo tempo, a complementaridade essencial entre o


racional e o emocional do homem, entre o subjetivo e o coletivo e, ainda, entre
diferentes momentos de cada vida individual com relação a si mesmo, tudo isto
manifestado nos limites de dado formação social.

Com base nessas definições e entendimentos, devemos analisar alguns pontos


importantes da conceituação de lazer para mna melhor explicação do assunto. Como o tempo e a
cultura.

3.2. Tempo e Cultura

O tempo está presente em toda nossa vida, articula nossos sistemas fisicos,
sociais e biológicos. Presente nas mais diferentes culturas, a existência do tempo de trabalho
implica a existência de mn tempo de não trabalho. Assim vemos que o tempo de lazer encontra-se
em relação direta com o tempo das obrigações, principalmente com as obrigações profissionais (o
trabalho) e não em oposição a elas. Se considerarmos a esfera das atividades profissionais,
62

principalmente a do trabalho, o tempo de lazer situa-se no "tempo liberado" deste, supondo,


portanto, a sua existência.
Temos a divisão do tempo em Microtempo (relógio - universaliza o controle de
tarefas) e o Macrotempo (calendário - articula e possibilita o controle político do tempo). O
calendário organiza e dá ritmo na dialética do trabalho e do tempo livre. Brunhs (1977, p.69) diz
que "o calendário seria o resultado complexo de um diálogo entre a natureza e o homem, diálogo
este não estranho ao lazer, ao esporte e ao jogo".
Temos quatro períodos de tempo favoráveis ao lazer: o do fim do dia de trabalho,
o do fim de semana, o das férias e o do fim da vida profissional, para os que se aposentam.
Dwnazedier (1980, p, 109) ressalta que:

Com efeito, o lazer é o tempo que cada um tem para si, depois de ter cumprido,
segundo as nonnas sociais do momento, suas obrigações profissionais,
familiares, sócio-espirituais e sócio-políticas. É o tempo vital que cada um
procura defender, contra tudo que o impedir de ocupar-se consigo mesmo. É
antes de tudo a liberação de cada um, seja pelo descanso seja pela diversão e aí
se incluem as atividades esportivas, seja pelo cultivo do intelecto.

Observamos então que o lazer é o grande vencedor do tempo liberado do tempo


profissional e doméstico, muito mais que trabalho social voluntário, sócio espiritual ou o sócio
político.
Falando na cultura e sua influência no lazer, destacamos que esta é vivenciada
no "tempo disponível" da população em relação ao trabalho. Deve ser considerada estreita e
também como outras esferas da vida social, como saúde, educação, habitação, segurança, entre
outros. A cultura também não deve ser reduzida a um único conteúdo como apenas aos
"conteúdos artísticos", mas abordar os diversos conteúdos culturais sendo entendido tanto como
"produto" quanto "processo", como "conteúdo" e "forma".
Segundo Dumazedier (1973, p. 47),

O valor cultural de uma atividade está relacionado ao nível alcançado pelo


praticante ou pelo espectador. Na tentativa de caracterização do espectador
ativo, o mesmo autor arrola como traços distintos: seletividade, sensibilidade,
compreensão, apreciação e explicação. Define-o como aquele "que reúne todas
as possibilidades de sua sensibilidade e inteligência para refazer, do melhor
modo possível e a seu modo, o caminho percorrido pelo criador".
63

Sob uma outra perspectiva é interessante ressaltarmos as desigualdades culturais.


Não se pode dizer, portanto, que a cultura resulta só da dominação de uma classe. O que se pode
admitir é que as classes cultas, urna minoria dentro das classes dominante, manifesta a tendência
de se apropriarem das obras culturais e que, em geral, as classes populares não estão
representadas no acesso a essa cultura. (Dumazedier, 1980)
De acordo com Gutierrez (2001 ), a cultura é compreendida pelos padrões de
comportamentos e os hábitos sociais de uma comunidade. "A cultura pode ser percebida como
um conjunto de atividades e técnicas que viabilizam e, de certa forma, otimizam o ajustamento
individual ao meio". (Gutierrez, 2001, p. 15).
Portanto (Marcellino, 2004, p. 70), diz que:

É preciso que o lazer, além de suas funções de descanso, evasão e


entretenimento, atenda também as necessidades de desenvolvimento cultural.
Para que a função cultural da cidade possa cumprir com sua responsabilidade, a
qual é desenvolver, propiciar diversas atividades: fisicas, artísticas, práticas,
intelectuais, sociais, escolares, enfim todas dentro do contexto do lazer.

3.3. Construções do Lazer

"Durante muito tempo o lazer foi definido em oposição ao trabalho, recebendo


uma conotação negativa; não há urna luta entre lazer e trabalho, mas uma coexistência". (Bruhns,
2000, p. 118).
O lazer, podemos dizer que foi construído pela urbanização e modernização,
assim a divisão do trabalho e sua evolução também influenciaram nesta construção. Antes era
nítida a evolução conjunta do trabalho e lazer, hoje assumem características distintas.
Uma das maneiras de interpretar o lazer é contrapô-lo ao trabalho, traçando wna
trajetória histórica de ambos a partir da Revolução Industrial. Sob essa perspectiva destacam-se
pelo menos três etapas: a mecanização (séculos XVIII e XIX), a automação (séculos XIX e XX) e
a informatização (segunda metade do século XX).

Em cada uma delas observa-se o crescente aumento do tempo de não-trabalho e


o seu uso diversificado, resultante de inúmeros fatores, destacando-se as lutas
sociais,. a influência dos novos ramos do conhecimento (notadamente a
64

sociologia, a economia, a psicologia e a pedagogia), as transformações na


relação capital-trabalho, as modificações das estruturas sociais, a urbanização
acelerada e a concepção de vida do ser humano em relação a si próprio
(passando da ética da repressão para ética de expressão), com o próximo
(evidenciando-se maior espontaneidade nos relacionamentos) e com a natureza
(retomando-se a sua preservação). (Bruhns, 1997, p. 123)

Para Marcellino (2004, P- 14)

A gestação do fenônimo lazer, como esfera propna e concreta, dá-se,


paradoxalmente, a partir da Revolução Industrial, com os avanços tecnológicos
que acentuam a divisão do trabalho e a alienação do homem do seu processo e
do seu produto. O lazer é resultado dessa nova situação histórica- o processo
tecnológico, que pennitiu maior produtividade com meno~ t~mpo de trabalho.
Nesse aspecto, surge como resposta a reivindicações sociais pela distribuição
do tempo liberado do trabalho, ainda que, num primeiro momento, essa partilha
fosse encarada apenas como descanso, ou seja, recuperação da força de trabalho.

A industrialização e a urbanização no Brasil teve e tem efeitos sobre o tempo de


trabalho e o tempo livre. As pessoas reivindicam suas horas de trabalho, descanso semanal, férias
e a aposentadoria. O tempo livre é o elemento essencial para que se possa falar em lazer. Assim,
nesta fase temos reflexos sobre as atividades tradicionais de lazer no Brasil. Algumas
permanências (lúdico-religiosas), transformações e até o desaparecimento dessas atividades.
Portanto vemos que a transformação da sociedade industrial em rnna sociedade
de serviços tem afetado de maneira significativa à concepção do lazer. Após a década de 1970, o
lazer tem gravitado em tomo de três eixos: do tempo de não-trabalho, do espaço de sua vivência e
da atitude do indivíduo.
Com a conquista de mais tempo livre para o lazer, são reivindicadas novas
formas de relacionamento social espontâneas, afirmação da individualidade e a contemplação da
natureza. Observa-se nas pessoas, mudanças nas suas relações afetivas, nas considerações com o
próprio corpo, no contato com o belo, em geral na busca do prazer.

Exemplos e sintomas desse processo social são as fugas das grandes cidades nas
férias e fins de semana, o desenvolvimento do campismo, a procura da
intensidade em detrimento da durabilidade, nas relações amorosas, e a ação dos
grupos representativos da contra-cultura, dos movimentos ecológicos e de defesa
do patrimônio cultural. (Marcellino, 2004, p. 15)
65

A relação sujeito/trabalho atualmente está sofrendo algumas modificações


importantes no que diz respeito ao tempo e espaço. O avanço da tecnologia tem permitido
reorganizar esses dois elementos. Por um lado às máquinas estão realizando com menos tempo e
energia, o trabalho do homem, liberando-o teoricamente seu tempo livre. Porém a exigência cada
vez mais aumenta em relação à especialização da mão de obra, isso produz uma alteração na
relação tempo/livre e tempo/ocupado. Consumindo mais o tempo do homem e cansando-o
emocionalmente, contribuindo assim para o elevado índice de stress nas pessoas.

Em geral, discutem-se os aspectos emocionais de comportamento humano no


estado de estresse, indicando a necessidades de divertimento ou descanso tanto
para o estresse biológico quanto psicológico. A análise dos estados emocionais
é mais freqüentemente vista pelo prisma de conflitos ou insucessos de vida do
que de alegria, contentamento ou felicidade. (Marcellino, 2004, 86)

O divertimento, a alegria, a descontração, a felicidade leva a liberação do


cansaço causado pela monotonia do trabalho ou por comportamentos habituais reforçados na
produção moderna , provocados pela exigência do mercado de trabalho, causando stress fisico,
mental e emocional.
As regras sociais coordenam e manipulam a vida do ser humano desde o seu
nascimento até sua morte, as vezes a relação destas não é caracterizada pela paz e aceitação,
assim o indivíduo sente dificuldades de fazer suas próprias escolhas. São nos momentos de lazer
ou de tempo livre que o indivíduo encontra possibilidades de livre escolha de tudo aquilo que
queira fazer.

3.4. Formas diversas de uso do tempo livre

Há formas urbanas (principais) de ocupação do tempo livre; como: cmema,


teatro e concertos. O cinema constitui uma diversão tradicionalmente cultivada pela população
(brasileira), atinge classes alta, média e algumas baixas. Apesar de hoje em dia com o avanço da
tecnologia e as pessoas poderem alugar filmes e assisti-los em casa, o cinema apresenta-se
importante atividade para a população. Já o teatro é uma das mais seletivas atividades de lazer do
66

brasileiro. O público que vru ao teatro são restritos, entre intelectuais, artistas, burguesia,
estudantes universitários, classes média e alta. Essa restrição se dá ao fato dos ingressos terem
preço elevado, sofre ainda com a concorrência do cinema e TV. O público do teatro é distinto
economicamente e culturalmente.
A preferência da população para preencher seu tempo livre é em primeiro a
televisão (43%), depois cinema (30%) e por fim o teatro (27%). O acesso ao cinema e ao teatro já
está chegando à população mais carente, através das instituições, órgãos públicos, federais e etc.
Em relação aos concertos, estes são bem mais restritos de pessoas, apesar de que hoje em dia há
projetos trazendo, expondo e explicando a música clássica e popular à população.

Dos veículos de comunicação de massa, o rádio apresenta maior penetração


entre as populações do país, por seu custo mais reduzido, e pela acessibilidade
de sua linguagem mesmo às camadas sociais mais humildes. O hábito de ouvir
rádio é de tal forma rotineiro, que às vezes não é nem mesmo considerado como
momento de lazer pela população, o que também pode ser aplicar à televisão.
(Requixa, 1977, p. 53)

Vale ressaltar que ouvir rádio, ouve-se boas músicas e estas fazem muito bem ao
corpo e a mente.
"Após o rádio, a televisão é o veículo de maior penetração entre o público
brasileiro, mas que ainda pode ser considerada fraca em face da extensão territorial do país'.
(Requixa, 1977, p. 53)".
A televisão é um mobiliário que está presente em quase todos os lares dos
brasileiros, pelo menos um aparelho de TV é (consumido) encontrado em cada residência, mesmo
sendo esta de classe social baixa. A televisão é um instrumento ativador da sociabilidade familiar
e fonte de abastecimento de conversação.
De acordo com Requixa (1977), uma outra visão sobre a TV é que esta não só é
instrumento de lazer, é também importante instrumento de estímulo à prática do lazer, quando as
atividades são promovidas pela própria televisão, ou quando a televisão informa sobre
equipamentos de lazer, ou sobre a importância do lazer.
O hábito de leitura está ligado ao nível de educação formal e a escola tem um
papel importante na formação do gosto pela leitura. Além das leituras escolares, temos os jornais
que são circulados nas cidades, principalmente nas capitais, porém a incidência de leitura é baixa
pela população. As revistas por sua vez não têm apenas o objetivo de dar informações ao leitor
67

mas também evidenciar o aspecto lúdico. As revistas são circuladas também num grau acentuado
nas zonas mais urbanizadas e são mais adquiridas e lidas pelo público feminino funcionando
como lazer.
"De modo geral, parece que as revistas merecem maJOr preferência e
diversificação de públicos em relação aos jornais, dada a diversidade de assuntos". (Requixa,
1977, p. 59)
As revistas se diversificam e se especializaram para atender a todos, com
assuntos científicos, técnicos, fofocas, artesanato, moda, ...e também o importante papel na
divulgação cultural que as revistas vem desempenhando no país.
Já os livros, através de uma "divulgação em linguagem mais popular e leve,
invadiu por assim dizer, a seara dos livros, e atendeu à moda do consumo cultural por maiores
parcelas da população". (Requixa, 59-60)
O livro também nos informa de uma forma prazerosa, principalmente nos
aspectos culturais. Além de adquirirmos um livro, temos a oportunidade de disponibilidade de
acesso aos livros nas bibliotecas.
No Brasil, as praças públicas sempre foram ponto de interesse para a população
nas suas horas livres- lazer. Além das praças, há os parques (concentração de área verde) que
são freqüentados por classe média devido em alguns o acesso não ser fácil. A freqüência às praias,
no Brasil, é uma forma de lazer freqüentada por grande parte da população. Sendo assim, vemos
que a praia é um forte recurso democrático, pois é gratuita e acessível a todos.
Há entidades de classe, de âmbito nacional, voltadas para o lazer, como SESI
(Serviço social da Industria), o SESC (Serviço Social do Comércio), entre outros que em todo o
Brasil há centenas de unidades e estas entidades permitem programações nas áreas de férias,
culturais, recreação, fins de semana, educação formal e sanitária, educação fisica, etc. Apesar
dessas instituições atenderem parte da população por força da lei, o SESC E SESI precisadamente
possuem atividades abertas à comunidade.
"0 tempo livre, ou o lazer, representa a importância que a sociedade dá ao
desenvolvimento pleno da pessoa, principalmente às suas relações de responsabilidade social,
individual e aos resultados produzidos". (Bruhns, 1997, p. 85)
68

3.6. Equipamentos e Espaços de Lazer

Todos os lugares com os quais nos relacionamos podem ser considerados


equipamentos por exelência, e todo o tempo que nos vemos ligados a estes
lugares pode gerar sentidos de "bem estar", do "contemplar", do valorizar as
imagens. (Bruhns, 1997, p. 107)

O espaço para o lazer é o espaço urbano e algumas vezes o rural. Ao investigar


na população em geral, vemos que os hábitos de lazer encontram-se no âmbito doméstico (ouvir
músic~ TV, ler) para depois as práticas serem realizadas fora do lar.

"O lar é apenas um dos equipamentos não específicos de lazer, ou seja, espaços
não construídos prioritariamente para essa função, mas que eventualmente podem
cumpri-la. Nessa mesma categoria situam-se os bares, as ruas, as escolas, etc."
(Bruhns, 1997,p.61)

Para Requixa (1977, p. 72)

É insuficiente a existência de equipamentos públicos para o lazer nas cidades,


como é pequena, de modo geral, a inversão financeira do setor. Com efeito, é
muito o que se tem a fazer para recuperar os espaços urbanos deteriorados. As
áreas livres e verdes diminuem rapidamente calculando-se, por exemplo, entre 2
e 3 m2 por habitante as ãreas verdes das grandes cidades brasileiras, quando as
recomendações internacionais sugerem 12 m2 por habitante.

Com a vida corrida nos dias de hoje, normalmente esquecemos de olhar para a
natureza, de prestigiar a beleza das coisas simples. Passamos tão depressa pelas coisas que não
notamos o quão belo são os trabalhos das pessoas que transformam o ambiente e o quão mais
belo é o trabalho que a natureza nos proporciona.

Com isso, devo deixar transparecer o princípio de que o sentido do lazer está
dentro de cada um de nós e que este lazer decorre de um estado de espírito que
deverá ser elemento acessório a ser solicitado em momentos oportunos do
cotidiano atual, tendo a certeza de que no futuro este elemento deixará de ser
um acessório para se tomar um componente dos mais importantes na avaliação
da participação social. (Bruhns, 1997, p. 112)
69

Todo equipamento é construído de maneira com que a população usufrua suas


instalações, porém nem sempre esse usufruir é possível, pois na maioria dos casos a preocupação
é com o retomo financeiro e não com o prazer das pessoas.

A preocupação com os estudos dos equipamentos de recreação e lazer deve ter


como objetivos classificá-los segundo suas características físicas de construção,
aspectos fisicos estéticos e dimensões proporcionais aos locais geográficos em
que se encontram, como também agradar aos olhos de quem os utiliza, inspirando
confiança. (Bruhns, 1997, p. 112)

Primeiro devemos ter claro qual o sentido democrático oferecido do espaço, que
significa o atendimento da população de uma maneira direta e livre de impedimentos ao acesso
fácil ao ambiente de lazer.
Em seguida, a implantação de uma política de animação cultural voltada para os
interesses do lazer na organização dos equipamentos, de forma a não deixar de atrair os interesses
das instituições, dos grupos primários e mesmo de iniciativas individuais, no sentido de
procurarem os equipamentos.

No setor público, sabemos que as iniciativas dependem de ações que necessitam


de articulações entre as 3 esferas do poder, com barreira dificieis de serem
transpostas. O Município depende do Estado e este depende da União. Nem
sempre é observada uma vontade política deliberada dos dirigentes que estão à
frente destas instituições. (Bruhns, 1997, p. 113)

Podemos visualizar as formas de existências dos equipamentos quanto à


dimensão física de espaço e suas finalidades programáticas:
* equipamentos especializados: são equipamentos destinados a atender uma
programação especializada ou uma faixa de interesses culturais específicos. Ex.: academia de
ginástica, teatro, cinema, biblioteca, parques aquáticos.
* equipamentos polivalentes (de capacidade médios e grandes): equipamento
destinado a receber uma programação diversificada ou para atender variados interesses
socioculturais. Ex.: centros culturais em geral, parques urbanos, clubes de campo, parques
temáticos, parques ecológicos.
70

* equipamentos de turismo: equipamentos destinados a programações turísticas


em geral, associada hospedagem e atividades recreativas. Ex.: hotéis de Jazer, colônias de férias,
acampamentos.
*equipamentos não específicos: "um ambiente que não foi planejado e
construído para uma determinada finalidade específica, que não o lazer, mas que pode ter a sua
apropriação ampliada para outras atividades". (Brunhs, 1997, p. 116). Ex.: a própria habitação
das pessoas, a escola, a rua, o carro, o trabalho.
Em relação ao tempo dos equipamentos de lazer, estes variam de acordo com a
orientação recebida.

Esta orientação caminha sobre o movimento do corpo e tem uma relação com a
educação que foi vivenciada ao longo do tempo em que o sujeito sofreu influência
do ambiente em que cresceu e muito da disciplina de educação física recebida na
escola. Portanto, o lazer, como conteúdo da educação física como disciplina
escolar, deve se pautar na preocupação de ser mais um componente dentro da
educação global das pessoas para o mundo dos lugares, das sensações e das
emoções. (Bruhns, 1997, p. 118)

As pessoas estão habituadas a procurar lugares "ditados pela moda". Alguns


lugares se perpetuam oferecendo divertimento, equipamento, tempo e etc, porém outros
desaparecem, às vezes tão instantaneamente como surgiram.

3.5. Classificações do Lazer, segundo Dumazedier

A classificação do Lazer é importante para que atenda as pessoas no seu todo.


Porém, a mesma deve ser bem explicada para que as pessoas recebam um mínimo de orientação
sobre as várias alternativas que o lazer oferece.

Tendo em vista o conteúdo das atividades, o ideal seria que cada pessoa
desenvolvesse sua ação, no tempo disponível, abrangendo os cinco grupos de
interesses, ou seja, exercitando o corpo, a imaginação, o raciocínio, a habilidade
manual e o relacionamento social, quando, onde, com quem e da maneira que
quisesse. Na realidade, no entanto, o que se verifica é que as pessoas
gera1mente restringem suas atividades de lazer a um campo específico de
71

interesses. E geralmente o fazem não por verdadeira opção, mas por não terem
tomado contato com outros conteúdos. (Marcellino, 2004, p. 44)

A classificação mais aceita e adequada no campo do lazer é a que Dwnazedier


distingue em seis áreas fundamentais, as quase são: os interesses artísticos, os intelectuais, os
físicos, os manuais, os turísticos e os sociais.

É preciso ordenar os diferentes interesses, associados a um grande número de


atividades de lazer, nas categorias que correspondam aos problemas da história
atual da cultura, nas suas relações com o lazer. São problemas originados das
relações da cultura do corpo com a do espírito; e na cultura do espírito, por
aqueles que se ligam a atividades estéticas, intelectuais e sociais. (Dumazedier,
1980,p.99)

Dumazedier (1980), defende a distinção entre os interesses verificados nas


diversas áreas do lazer. O interesse deve ser entendido como "conhecimento que está enraizado
na sensibilidade, na cultura vivida".

Segundo Marcellino (2004, 39)


Esse autor distingue cinco categorias quanto ao conteúdo das atividades de
lazer: os interesses físicos, os práticos ou manuais, os artísticos, os intelectuais
e os sociais. A meu ver sua classificação é a mais adequada pois situa, no
campo específico do lazer, as atividades que buscam o atendimento das
necessidades do corpo - conferindo destaque especial às habilidades manuais,
da mente, da sensibilidade e da sociabilidade. Acho que assim procura abranger
todos os aspectos que caracterizam o homem, no seu processo de vir a ser.

Assim destacaremos cada interesse e suas características:

* os interesses físicos: uso do corpo como forma de expressão; criatividade


(também no sentido estético - artístico da palavra); práticas e modalidades esportivas; passeios;
atividades que prevaleçam o movimento ou exercício fisico (pesca, ginástica, dança). Também
desenvolve o espírito competitivo e as competências na área esportiva como jogos, torneios,
campeonatos, etc.
Não devemos generalizar os interesses fisicos em apenas nas práticas de exercícios fisicos e
esporte. A questão é bem mais complexa e ampla, hoje há um novo enfoque neste tipo de
72

interesse, o qual é valorizar todo e qualquer tipo de atividade fisica, seJa ele praticante,
espectador,educador, mediador, ou admirador.

Interesses físicos pressupõem, assim, a participação ativa e voluntária do


indivíduo nas atividades relacionadas com a cultura fisica, isto é, um novo
enfoque da prática esportiva e da assistência ao espetáculo. (Dumazedier, 1980, p.
112)

* os interesses artísticos: criatividade estética, algumas vezes é necessária à


utilização de exercícios fisicos, domínio do imaginário (imagens, emoções e sentimentos),
também conteúdo estético e configura a busca da beleza e do encantamento. Abrange todas as
manifestações artísticas, como ritmos populares, peças de teatro educativas e de diversão,
exposições, espetáculos, etc.

Para o desenvolvimento de uma cultura popular, busca-se em todos os setores


da cultura human~ o meio de atingir, imediatamente, o público. E neste século,
os mais eficazes, são os meios de comunicação de mass~ sobretudo a televisão.
(Marcellino, 2004, 136)

No domínio artístico e intelectual, o acontecimento maior deste século, foi à


televisão. Em pequena ou grande escala, suas emissões abrangem todos os setores da educação
artística e se encontra em todos os lares, ricos ou pobres, da classe média ou das classes populares.

* os interesses intelectuais: busca o contato com o real, as informações objetivas


e explicações racionais. A ênfase é dada ao conhecimento vivido, experimentado.
Desenvolvimento do domínio cognitivo na atividade.
São atividades voluntárias que estão fortemente ligadas à sensibilidade
individual ou coletiva. Uma atividade intelectual voluntária não existe sem que haja uma
inclinação, uma paixão. A motivação, na ciência, não é um componente da atitude, é apenas um
suporte, um estímulo à atitude cognitiva.

* os interesses manurus: capacidade de manipulação, caracteriza-se pela


transformação de objetos ou materiais (artesanato, bricolagem), também a lidar com a natureza,
jaidinagem, texturização, cestarias, etc.
73

Além de ser uma atividade de lazer, pode servir como ramificação econômica
{profissional).

* os interesses soctats: sujeitos se propõem a estarem juntos, face a face


(comportamento). Quando se procura fundamentalmente o relacionamento, os contatos face a
face, a predominância deixa de ser cultural e passa a ser social, manifestando-se os interesses
sociais no lazer. Exemplos específicos são os bailes, os bares e cafés, servindo de pontos de
encontro, a freqüência a associações, etc.
Portanto propicia à clientela a ocupação prazerosa do seu tempo livre, como
fator de melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento social, através da realização de festas
dançantes e jogos de salão.

As atividades e as relações de lazer podem ter uma função importante de


socialização, sobretudo aquelas que revelam o gosto pelas reuniões e festas de
família e o interesse ativo pelos mais diferentes tipos de associações voluntárias
que se oferecem ao indivíduo para ocupar seu tempo de lazer. (Dumazedier, 1980,
p. 167)

Praticamente todas as atividades de lazer oferecem grandes oportunidades de


inter-relacionamento. Portanto fica dificil distinguir os interesses sociais dos demais interesses.

* os interesses turísticos: turismo social, mudança de paisagem, ritmo (saída do


cotidiano). Situações novas. O que caracteriza é a busca da quebra da rotina temporal ou espacial
e o contato com novas situações, paisagens e culturas. Exemplos temos, os passeios, as viagens.
Como diz Dumazedier (1980, p. 167),

São nesses 4 grandes setores das atividades de lazer: lazer e interesses fisicos,
lazer e atividades prático-manuais, lazer e espetáculos artísticos, lazer e
interesses intelectuais- que é preciso observar os interesses sociais comuns e os
específicos de cada atividade. É importante que o sistema de intervenção
observe os tipos de atividades de lazer que favorecem o desenvolvimento da
sociabilidade, e aqueles que, ao contrário, a desfavorecem e concorrem para o
fechamento da família, para a evasão, na irrealidade imaginária de sonhos, da
inadaptação, de toda a espécie de desajustamentos sociais.
74

Os desenvolvimentos das atividades podem ser interligados e não formado por


partes estanques, mesmo sabendo das distinções entre os interesses, evidenciando uma das
características das atividades de lazer, a qual são escolhas individuais.

Assim, se podemos estabelecer relações na semelhança das práticas ligadas aos


vários interesses ou colocar a prática de um deles como base para outro,
podemos também caracterizar, através de aspectos dominantes, cada um dos
interesses no lazer. Essa atitude é necessária para a análise da situação e
planejamento de ação nas áreas respectivas. (Marcellino, 2004, p. 41~42)

Diante do conteúdo das atividades de lazer (interesses), o ideal seria que cada
pessoa escolhesse e desenvolvesse sua ação, no seu tempo disponível,da maneira como quisesse
(quando, com quem e onde), assim atingindo todos os grupos de interesse: exercitando seu corpo,
a imaginação, o raciocínio, a habilidade manual e o relacionamento social.

Na realidade, no entanto, o que se verifica é que as pessoas geralmente


restringem suas atividades de lazer a um campo específico de interesses. E
geralmente o fazem não por verdadeira opção, mas por não terem tomado
contato com outros conteúdos. (Marcellino, 2004, p. 44)

As atividades de lazer em termo de qualidade precisam de equilíbrio. Equilíbrio


no conteúdo, objetivando o atendimento dos vários interesses verificados no lazer; equilíbrio de
funções, procurando balancear o repouso, o entretenimento e o desenvolvimento das pessoas
envolvidas; equilíbrio na forma (prática ou consumo).
Devido às características que as atividades de lazer proporcionam, possibilitam a
opção pessoal com liberdade, assim pode-se perceber a promoção da auto-estima, pelo fato das
atividades proporcionarem aos indivíduos o encontro consigo próprios e o autoconhecimento.
Contribuindo para a identificar alterações positivas relacionadas à atenção, às emoções e a
cognição, já nos aspectos sociais, promove a integração entre as pessoas, na educação desenvolve
conhecimentos, valores e habilidades, no plano fisiológico favorece a melhora das habilidades
funcionais como um todo e portanto proporciona melhoria da saúde geral.
«De alguma forma, a compreensão do lazer mantém uma nostalgia de livra-se do
trabalho para alcançar o estado de prazer".(Bruhns, 2000, p. I 08)
Não é possível pensar em lazer sem se preocupar com o prazer, este é uma
categoria fundamental para a pesquisa do objeto lazer.
75

3.6. Lazer na vida da pessoa portadora de deficiência e com necessidades especiais

O lazer na vida de uma pessoa com necessidade especial é tão importante


quanto na vida de qualquer pessoa. Entretanto, ainda sua presença em festas, clubes, parques,
cinemas, teatros e etc chamam atenção. As pessoas que não conseguem imaginar a vida sem a
utilização dos olhos, das pernas, da audição ... , curiosas, fazem perguntas e comentam. Estranham
com as atitudes das pessoas com necessidades especiais, quando por exemplo um deficiente
visual manifesta seu desejo de ir a um vernissage ou comenta sobre um filme que assistiu.

O lazer é muito importante na vida das pessoas. Sem lazer, a rotina torna-se
insuportável, a vida fica monótona, tediosa e tensa. Necessitamos aliviar as
tensões por meio de atividades descontraidas e fora do quotidiano. Nem sempre,
porém, o lazer é concebido e assimilado como algo desejável e necessário à boa
saúde. (Sá, 2002, p. OI)

Assim as pessoas com algum tipo de deficiência ou com necessidade especial


podem, devem e têm todo direito de participar das atividades de lazer que a vida proporciona,
estas estão ligadas diretamente com o prazer de quem participa, ocupam a mente e o corpo do
indivíduo aumentando sua qualidade de vida. Porém temos barreiras que impeçam ou dificultam
dessa participação e assim devem ser removidas. Exemplos: preconceito, adaptações nas ruas,
moradias e em construções em geral e etc.
Consideramos as barreiras sócio-culturais os obstáculos que impedem ou
dificultam o acesso das pessoas portadoras de deficiência ao lazer, educação e trabalho.
Em relação ao trabalho, vemos que as oportunidades de emprego para as pessoas
com deficiência estão aumentando, porém há uma grande parcela de pessoas que não estão
inseridas no mercado de trabalho e com isso dificulta a questão financeira e profissional de suas
vidas.
A educação é importante na vida de qualquer cidadão, porém há uma grande
parcela de pessoas que não tem acesso a escola, livros .... assim caracterizam analfabetas. E as
pessoas deficientes estão incluídas neste grupo, a maioria não sabe ler, escrever ou mesmo
interpretar o que a outra pessoa está dizendo e isso se toma uma barreira, pois dependem de
alguém para lhes ajudar, porém a grande barreira está no acesso a essa educação, precisamente o
76

acesso às escolas, que muitas vezes é impedido por não terem rampas, portas largas para cadeira
de rodas, banheiros adaptados e etc. Assim nos encontros de reflexão, discussão, leituras,
expressão de suas próprias idéias, há a necessidades de adaptar a linguagem, a comunicação para
que possa ser compreendida por todos.

Num país que apresenta um elevado número de analfabetismo, onde o


desemprego cresce abruptamente, onde a saúde pública está cada vez mais
precária e os direitos de cidadania são pouco respeitados, é dificil garantir um
lazer com qualidade, quando nem o trabalho, que é visto como uma "obrigação"
está garantida aos grupos minoritários. (Ávila, 2005, p. 112)

Verificamos que em alguns lugares para desenvolverem as atividades de lazer há


distância entre a moradia da população e os equipamentos específicos e isto é agravado por sérias
deficiências verificadas nos transportes coletivos, barreiras sócio-econômicas. Portanto, o espaço
representa uma barreira bastante significativa, pois há falta de locais apropriados e é difícil
encontrarmos locais planos onde as pessoas possam se deslocar com relativa facilidade. Devido a
essas restrições nos espaços, as pessoas acabam indo sempre no mesmo local, tomando as
atividades rotineiras e monótonas, desmotivando o lazer e outras atividades.
Segundo Sá (2002), o desenvolvimento de atividades de lazer especialmente
preparadas para crianças e adultos com deficiência não deixam de contribuir para reforçar a
segregação. O agrupamento de pessoas deficientes pode trazer certos beneficios do ponto de vista
da interação, porém, pode criar o hábito do convívio 11 entre iguais 11 , o que pode dificultar a
integração com os "diferentes" e produzir uma espécie de socialização segregada.
Como diz Brunh (1997, p. 37),

Os limites estendem-se aos portadores de deficiências, cujas oportunidades de


lazer são bastante escassas e, igualmente, carregadas de preconceitos e
estereótipos, quando são observadas propostas de integração muitas vezes
baseadas na exclusão e não na inclusão no desenvolvimento de atividades
específicas para esse grupo.

Em conseqüência disto, algumas pessoas em condição de deficiência ou


necessidade especial que não conseguem superar as dificuldades da integração devido as suas
limitações procuram atividades passivas de lazer e em muitos casos, o lazer solitário é um
refúgio, uma proteção, há também as pessoas que procuram e preferem desfrutar o seu lazer
77

através dos eventos promovidos pelos grupos de apoio que eles freqüentam ou que ficam na
região em que vivem.

Porém percebemos que mesmo com dificuldades em busca do espaço social, da


possibilidade de emprego, do acesso a educação e da integração das pessoas em geral, as pessoas
estão saindo nas ruas, parques, cinemas, ... para passear, se beneficiar das atividades de lazer,
dando oportunidade de interação com outras pessoas e principalmente de conhecer suas
capacidades e autonomia.

Acreditamos que a verdadeira integração entre as pessoas será alcançada


quando conquistarmos a aceitação recíproca, o convívio espontâneo e a receptividade natural
entre as pessoas em todas as situações e circunstâncias da vida. Para isto, certos estereótipos
existentes em torno das deficiências precisam ser superados através do respeito à individualidade.

A realização das atividades de lazer para o deficiente além de proporcionar a


alegria, o alívio de stress, "o fugir da rotina" e o prazer, é um importante elemento no processo de
reabilitação. Assim para Melo e López (2002) este permite que o deficiente:

* supere seus próprios limites;


* promove a auto-estima, autovalorização e auto-imagem;
* favorece a integração social do indivíduo;
* melhora o equilíbrio estático e dinâmico;
* ganho de força, flexibilidade e resistência muscular global;
* aprimoramento da coordenação motora global e ritmo;
* redução da agressividade;
* estímulo à independência e autonomia;
* integração social;
* descoberta e valorização das suas possibilidades, pontecialidades e limitações;
* a vivência de situações de sucesso e superação de situações de frustrações;
* a melhoria das condições organo-funcional (aparelhos circulatórios,
respiratórios, digestivos, reprodutor e excretor);
* prevenção de deficiências secundárias;
78

* desenvolvimento de habilidades motoras e funcionais para melhor realização


das atividades de vida diária;
* manutenção e promoção da saúde e condição fisica;

Apesar das limitações, barreiras, falta de acesso e adaptações aos lugares, as


pessoas com deficiência ou necessidade especial conseguem se distrair, se divertir, se comunicar
e se relacionar com outras pessoas. O deficiente gosta e pode usufruir na medida do possível de
tudo que a "pessoa normal" usufrua em sua vida, como cinema, piscina, praia, shopping e etc.
A maioria das pessoas acha que a vida de um deficiente é só tristeza ou lamúria,
mas não é verdade. Os deficientes têm suas limitações, dificuldades, porém a cada dia vão
superando seus próprios limites. E é nessa determinação, superação, que fazem eles serem
especiaiS.
79

Hoje em dia, a pessoa com deficiência ou necessidade especial não é mats


aquela pessoa que fica em casa, em uma cama, fora da realidade do mundo. Estas estão
trabalhando, estudando nas faculdades, indo aos clubes, nas academias, no comércio, na noite ...
E algumas já conseguem um trabalho, portanto urna renda e, assim conseqüentemente também
faz parte do público consumidor. Mas para que tudo isso aconteça, essas pessoas precisam de
acessibilidade viabilizada, como rampas nas escolas, nas lojas, cinemas, teatro, de banheiros
adaptados em todos os lugares públicos, ... e também o respeito por parte dos que não possuem
deficiência.

A pessoa com deficiência ou necessidade especial deseja e tem todo direito de


viver uma vida saudável e comwn. Ser saudável é viver em equilíbrio e hrumonia com seu corpo,
sua imagem e com seu espaço no mundo. Porém essa realidade só se concretiza quando
oportunidades de aprendizado, de trabalho, de convívio social são acessíveis independentes de
suas condições fisicas, mentais ou sensoriais.

Como diz Guimarães (2002, p, OI),

Com acessibilidade, a pessoa passa a investir em si mesma. O acaso de


deficiências em caráter permanente não se sobressai nos investimentos pela
qualidade do ambiente construido. A pessoa segue vivendo de modo pleno se a
acessibilidade ocorrer em seu lar, em seu ambiente de trabalho, em seu ambiente
de lazer, em seu ambiente de convívio social. Ao invés de perpetuar uma vida
vegetativa sob noções de despesas públicas a fundos sociais sem retomo,
desperdício, o beneficiado retoma o investimento em tennos quantitativos,
aferidos pela produtividade industrial, por exemplo, e qualitativos, aferidos pelo
ambiente de vida participativa que passa a motivar.

Em nosso trabalho procuramos demonstrar os principais e importantes aspectos


da acessibilidade das pessoas com necessidades especiais nas diversas atividades de lazer.
Enfatizamos principalmente os aspectos que impedem a essas pessoas ao acesso fácil às práticas
de lazer, assim vimos todo tipo de barreiras.
80

Eliminando essas barreiras, serão abertos espaços para o acesso do deficiente a


urna vida dignamente social, profissional e pessoal de igual qualidade à das pessoas sem
mobilidade restrita. Para que essa realidade consume-se é necessária uma conscientização
coletiva que permita a todos aqueles que possuem alguma capacidade restringida ou limitada por
tempo permanente ou temporário, atingindo da criança ao idoso, transitar sem barreiras pela vida.
Pudemos observar que para as PNEs integrarem-se com acesso pleno a
sociedade e as atividades de lazer disponíveis nos espaços públicos, são necessárias intervenções
simultaneamente em saúde, habitação, lazer, cultura, por entender que os serviços públicos são os
recursos imediatos na promoção de informações, enfim a integração de um conjunto de políticas
públicas que permita o acesso de todos e a todos os meios.
Uma vez garantido esses direitos a todos dentro de um convívio social, dá-se um
passo ao direito de viver numa sociedade inclusiva, mais justa, mais democrática, mais humana,
onde todos são iguais perante a lei, como reza a Constituição da República Federativa do Brasil.
A busca pela acessibilidade nos projetos públicos é uma forma preventiva para a
obtenção de resultados reais nas vidas das pessoas com necessidades especiais. Quando
governantes, iniciativas privadas e profissionais responsáveis pela gestão urbana tomarem
consciência e passarem a ter atitudes em seus atos políticos e profissionais, o conceito de
acessibilidade, embora seja muito amplo, colocara em prática e respeitara as diversidades, e
principalmente, fazer cumprir as leis já existentes sobre um bom planejamento da cidade, criar-
se-á condições para que a maioria das pessoas possa usufruir o direito constitucional de ir e vir
com segurança. Dessa forma garantindo autonomia e independência para toda a população.
É importante entendermos que apesar de algumas pessoas apresentarem alguma
condição de deficiência ou necessidades especiais, as construções, edificações, transportes, enfim
as cidades em geral são planejadas e projetadas com ineficiência, com deficiência para o uso do
homem com suas mais diversas diferenças.
Enfrentar esse quadro desfavorável à acessibilidade, ao lazer das pessoas com
necessidades especiais constitui um desafio urgente e difíciL Este trabalho veio ao encontro desta
expectativa, com a pretensão de colaborar com alguns pontos para reflexão e discussão efetivas
para esta questão. Assim propomos que haja uma integração de políticas públicas para que sejam
discutidas as viabilizações das leis existentes.
81

Diante do que acabamos de expor, acredito que é possível garantir um lazer de


qualidade a todas as pessoas, sejam elas portadoras de deficiência ou não, desde que
reconhecemos os seus valores na formação da personalidade e desenvolvimento social do ser
humano.
"Usufruindo do lazer podemos aprender, conhecer, relaxar e refletir sobre a vida,
sobre as pessoas, sobre a natureza e sobre as coisas e também sobre as próprias obras artísticas".
(Bruhns, 2000, p. 145)
Se valorizarmos mats a "pessoa" e menos a "limitações impostas pela
"deficiência", poderemos ter atitudes menos segregadoras e superar grande parte das barreiras
sócio-culturais oriundas de tais atitudes.
A idéia da diversidade significa garantir a todos a oportunidade de participação,
aceitação do outro, independente de suas habilidades e necessidades específicas. Devemos
oferecer chances de lazer para todos. Assim, fortalecer o convívio com a família, amigos, adequar
espaços e promover atitudes onde todos possam participar.
Refletir hoje sobre o lazer nas condições em que vive a maioria das pessoas com
necessidades especiais , significa refletir sobre um direito fundamentalmente da pessoa, enquanto
cidadã, seja ela portadora de deficiência ou não.
O lazer é necessário na sua plenitude do ser, estar e compreender nas pessoas
em geral. Assim concluímos este trabalho afirmando e recomendando a necessidade de mais
estudos nesta área para um melhor entendimento a aproveitamento das pessoas em geral.
82

A '

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

ADRIANA ROMERO DE ALMEIDA PRADO. Ambientes Acessíveis. São Paulo, 1997.


Disponível em: <http://www.entreamigos.corn.br/>. Acesso em: 19 abr. 2007.

ALMEIDA. Regina Araújo de; MACHADO, Jorge Alberto. Lazer e Turismo: Resolução de
Problemas 11. São Paulo: Usp, 2005. 159 p. Disponível em:
<http://uspleste.usp. br/rp2005/64/relatorios/Relatório_final_LZT_Regina. pdf>. Acesso em: 06
mar. 2007.

AMIGOS. Informações Básicas sobre Deficiências. São Paulo, 2007. Disponível em:
<http://www.entreamigos.eom.br/>. Acesso em: 12 mar. 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas Técnicas de


Acessibilidade. Brasil, 2007. Disponível em: <http://www.abnt.org.br/>. Acesso em: 30 jan.
2007.

ÁVILA, Erik Bueno de .• O espaço público de lazer das pessoas portadoras de necessidades
especiais: o espaço a ser conquistado. 2005. 1 v. Especialização (Extensão) - Unicamp,
Campinas· Sp, 2005.

BRASIL. Pedro Buzatto Costa. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Brasília, 1940.
Disponível em: <www.abnt.org.br>. Acesso em: 28 mar. 2007.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.


Brasília, 2004. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/>. Acesso em: 25
fev. 2007.

BRUHNS, Heloisa Turini. Introdução aos Estudos do Lazer (org.). Campinas- Sp: Unicamp,
1997.

=--=--=~---=;---:-Temas sobre Lazer. Campinas - Sp: Autores Associados (coleção


Educação Física e Esportes), 2000.

CANTARELLI, Edila Maria Bisognin. "Barreiras socio-culturais e lazer das pessoas


portadoras de deficiencia fisica : um estudo do grupo Fraternidade Cristã de Doença e
Deficiencia de Campinas, SP. 1998. 123 f. Dissertação (Mestrado)- Unicamp, Campinas- Sp,
1998.

CÁSSIA MARJA BUCHALLA EDUARDO SANTANA DE ARAUJO. Classificação


Internacional de Funcionalidade. Brasil, 2007. Disponível em:
<http://intramed.uol.com.br/noticias.asp?id=51>. Acesso em: 11 mar. 2007.

DAVI WOOD. Há um deficiente na C.I.D.I.D.? São Paulo, 2006. Disponível em:


<http://www.redepsi.eom.br/portal/>_ Acesso em: 11 mar. 2007.
R1

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e Cultura Popular. São Paulo: Perspectiva, 1973.

DUMAZEDIER, Joffre. Valores c conteúdos Culturais do Lazer. São Paulo: Sesc, 1980.

ERNESTO LUIZ MUNIZ MOREIRA. Acessibilidade: Projetos e Serviços Técnicos.


Florianópolis Se, 2007. Disponível em:
<http://www.munizengenharia.eom.br/acessibilidade/acessibilidade.htm>. Acesso em: 20 abr.
2007.

GUIMARÃES, Marcelo Pinto. A eliminação de barreiras possibilita aos portadores de


deficiência agirem na sociedade. Bh - Minas Gerais: Rede Saci, 2002. Disponível em:
<www.saci.org.br>. Acesso em: 20 jun. 2007.

GUTIERREZ, Gustavo Luis. Lazer e Prazer: questões metodológicas e alternativas políticas.


Campinas- Sp: Editorial CBCE (coleção Educação Física e Esportes), 2001.

JOSÉ ALMEIDA LOPES FILHO. O Direito de Ir e Vir com Independência. São Paulo, 2007.
Disponível em: <http://www.entreamigos.eom.br/>. Acesso em: 19 abr. 2007.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia


Científica. 3° ed. revista e ampliada São Paulo: Atlas, 1991.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA. Acessibilidade - Decreto Lei 5.296 de 2112/2004. Brasília,
2004. Disponível em: <http://institutoempregar.org.br/acessibilidade_lei5296.htm>. Acesso em:
27 nov. 2006.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e Humanização. 8. ed. Campinas - Sp: Papiros, 2004.

MELO, Pro f. Ms. Ana Claúdia Raposo et ai. O esporte adaptado. Brasil: Revista Digital Ef Y
Deportes, 2002. Disponível em: <www.efdeportes.com/efd51/esporte.htm>. Acesso em: 06 mar.
2007.

REQUIXA, Renato. O Lazer no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1977.

,----:-;,=--- Sugestões de diretrizes para uma política nacional de lazer. São Paulo:
Sesc, 1980.

RJBAS, João B. Cintra. O que são pessoas deficientes. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

SÁ, Elizabet Dias de. Considerações sobre a inclusão social dos portadores de deficiência.
Belo Horizonte: Rede Saci, 2002. Disponível em: <www.saci.org.br>. Acesso em: 20 jun. 2007.

SANTOS, Milton. O Espaço do Cidadão. São Paulo: Nobel, 1987. 142 p.


84

SECRETARIA DOS lRANSPORTES METROPOLITANOS. Guia de Acessibilidade nos


Transportes Metropolitanos. São Paulo, 2007. Disponível em:
<http://www.stm.sp.gov.br/acessibilidade/cartilha-acessebilidade.pdl>. Acesso em: 08 mar. 2007.

SILVA, Otto Marques da. A Epopéia Ignorada: A pessoa Deficiente na História do Mundo de
Ontem e Hoje. 3° ed. revista e ampliada São Paulo: Cedas, 1987. 470 p.

SILVA, Robinson Moreira da. Proposição de Programa para Implantação de Acessibilidade


ao meio Físico. 2004. 1 v. Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis- Se, 1998. Disponível em: <http://teses.eps.ufsc.br/defesa/pdfll!OOO.pdl>. Acesso
em: 04 mar. 2007.

WIKIPÉDIA. Deficiência. Brasil, 2002. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/


Deficiente>.Acesso em: 11 mar. 2007.