Sei sulla pagina 1di 48
ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO Renato Brandão Mansano Eng. de Petróleo
ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO
E COMPLETAÇÃO EM POÇOS
DE PETRÓLEO
Renato Brandão Mansano
Eng. de Petróleo
PETROBRAS/UN-ES/ATP-JUB-CHT/IP
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO DE POÇOS - Histórico; - Sistemas da Sonda de Perfuração;
ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO DE POÇOS
- Histórico;
- Sistemas da Sonda de Perfuração;
- Equipamentos de Coluna;
- Fluidos na Perfuração;
- Controle de poço;
- Técnicas de Construção de Poços;
- Revestimentos e Cimentação;
-Perfuração: Direcional;
-Completação de poços:
Canhoneio, Teste de Formação, Equipamentos
- Monitoramento Permanente e Complet. Inteligente.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Histórico • Primeiro poço de petróleo – Cel. Drake, Pensilvânia em 1859 – 30 m
Histórico
• Primeiro poço de petróleo – Cel. Drake, Pensilvânia em 1859
– 30 m de profundidade
– produção de 2 m 3 /dia
– (Método percussivo)
• Perfuração rotativa
– 317 m de profundidade
(out/1900 – Jan/1901)
– 80.000 bbl de óleo /dia
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração PRINCIPAISPRINCIPAIS COMPONENTESCOMPONENTES DEDE UMAUMA SONDA:SONDA: Sistema de Sustentação de
Sonda de Perfuração
PRINCIPAISPRINCIPAIS COMPONENTESCOMPONENTES DEDE UMAUMA SONDA:SONDA:
Sistema de Sustentação de Cargas
Sistema de Movimentação de Cargas
Sistema de Rotação
Sistema de Geração e Transmissão de Energia
Sistema de Circulação de Fluidos
Sistema de Segurança de Poço
Sistema de Monitoramento
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Sustentação de Cargas - Torre de Perfuração UFSC Florianópolis, 05
Sonda de Perfuração
Sistema de Sustentação de Cargas
- Torre de Perfuração
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Movimentação de Cargas BLOCOBLOCO DEDE COROAMENTOCOROAMENTO –– conjuntoconjunto
Sonda de Perfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
BLOCOBLOCO DEDE COROAMENTOCOROAMENTO –– conjuntoconjunto dede
poliaspolias fixofixo queque ficafica apoiadoapoiado nana parteparte
superiorsuperior dodo mastro/torremastro/torre porpor ondeonde passampassam
osos caboscabos dede açoaço (cabo(cabo dede perfuração).perfuração).
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Movimentação de Cargas CATARINACATARINA –– conjuntoconjunto dede poliaspolias
Sonda de Perfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
CATARINACATARINA –– conjuntoconjunto dede poliaspolias móvelmóvel
justapostasjustapostas numnum pinopino central;central; pelapela
movimentaçãomovimentação dosdos caboscabos passadospassados entreentre estaesta
ee oo bloco,bloco, aa catarinacatarina sese movimentamovimenta aoao longolongo dada
torre.torre.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Movimentação de Cargas GANCHOGANCHO –– elementoelemento dede ligaçãoligação
Sonda de Perfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
GANCHOGANCHO –– elementoelemento dede
ligaçãoligação dada cargacarga aoao
sistemasistema dede poliaspolias
(catarina)(catarina)
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Movimentação de Cargas SWIVEL – elemento que liga as partes
Sonda de Perfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
SWIVEL – elemento que liga
as partes girantes às fixas,
permitindo livre rotação da
coluna; por um tubo na sua
lateral (gooseneck) permite
a injeção de fluido no
interior da coluna de
perfuração.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Movimentação de Cargas GUINCHOGUINCHO –– éé oo elementoelemento queque
Sonda de Perfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
GUINCHOGUINCHO –– éé oo elementoelemento queque movimentamovimenta oo
cabocabo ,, sendosendo porpor issoisso responsávelresponsável pelapela
movimentaçãomovimentação verticalvertical dasdas tubulaçõestubulações nono
poço.poço.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Rotação MESAMESA ROTATIVAROTATIVA BUCHA DO KELLY KELLYKELLY MASTER BUSHING KELLY
Sonda de Perfuração
Sistema de Rotação
MESAMESA ROTATIVAROTATIVA
BUCHA DO
KELLY
KELLYKELLY
MASTER BUSHING
KELLY
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Rotação TOPTOP DRIVEDRIVE •• PERFURAPERFURA PORPOR SEÇÃO.SEÇÃO. ••
Sonda de Perfuração
Sistema de Rotação
TOPTOP DRIVEDRIVE
••
PERFURAPERFURA PORPOR SEÇÃO.SEÇÃO.
•• MENORMENOR NÚMERONÚMERO DEDE CONEXÕES.CONEXÕES.
•• FACILITAFACILITA AA RETIRADARETIRADA DADA COLUNACOLUNA COMCOM
CIRCULAÇÃOCIRCULAÇÃO EE ROTAÇÃO.ROTAÇÃO.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Equipamentos de Coluna de Perfuração PRINCIPAIS PRINCIPAIS COMPONENTES COMPONENTES DA DA COLUNA COLUNA DE DE
Equipamentos de Coluna de Perfuração
PRINCIPAIS PRINCIPAIS COMPONENTES COMPONENTES DA DA COLUNA COLUNA
DE DE PERFURAÇÃO PERFURAÇÃO
(BHA) (BHA)
COMANDOCOMANDO DEDE PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO
(DRILL(DRILL COLLAR)COLLAR)
TUBOTUBO DEDE PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO
(DRILL(DRILL PIPE)PIPE)
TUBOTUBO DEDE PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO PESADOPESADO
(HWDP)(HWDP)
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Equipamentos de Coluna de Perfuração BROCA BROCA TRICÔNICA TRICÔNICA COM COM DENTES DENTES DE DE
Equipamentos de Coluna de Perfuração
BROCA BROCA TRICÔNICA TRICÔNICA
COM COM DENTES DENTES DE DE AÇO AÇO
Rolamentos: Rolamentos:
•• SeladosSelados
Selados
•• NãoNão seladosselados
Não selados
Mancal Mancal
•• JournalJournal
Journal
•• ComCom roletesroletes
Com roletes
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Equipamentos de Coluna de Perfuração BROCA BROCA TRICÔNICA TRICÔNICA COM COM INSERTOS INSERTOS DE DE
Equipamentos de Coluna de Perfuração
BROCA BROCA TRICÔNICA TRICÔNICA
COM COM INSERTOS INSERTOS DE DE TUNGSTÊNIO TUNGSTÊNIO
Rolamentos: Rolamentos:
•• SeladosSelados
Selados
•• NãoNão seladosselados
Não selados
Mancal Mancal
•• JournalJournal
Journal
•• ComCom roletesroletes
Com roletes
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Equipamentos de Coluna de Perfuração BROCABROCA DEDE PDCPDC (DIAMANTE(DIAMANTE SINTÉTICO)SINTÉTICO) UFSC
Equipamentos de Coluna de Perfuração
BROCABROCA DEDE PDCPDC
(DIAMANTE(DIAMANTE SINTÉTICO)SINTÉTICO)
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Equipamentos de Coluna de Perfuração BROCABROCA DEDE DIAMANTEDIAMANTE NATURALNATURAL UFSC Florianópolis, 05 de
Equipamentos de Coluna de Perfuração
BROCABROCA DEDE DIAMANTEDIAMANTE NATURALNATURAL
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Geração e Transmissão de Energia • Sondas Mecânicas – os
Sonda de Perfuração
Sistema de Geração e Transmissão de Energia
• Sondas Mecânicas – os vários motores são ligados a “compounds”
no qual são conectados os principais equipamentos de perfuração;
usam-se ainda conversores de torque e embreagens.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Geração e Transmissão de Energia • Sondas Diesel-Elétricas – os
Sonda de Perfuração
Sistema de Geração e Transmissão de Energia
• Sondas Diesel-Elétricas – os motores diesel são ligados a geradores
de energia elétrica (o sistema mais usado é o AC-DC) onde a geração é
feita em corrente alternada e a utilização nos equipamentos é feito em
corrente contínua (retificação e controle de tensão em SCR’s).
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Circulação de Fluidos Mangueira Mangueira flexível Swivel Tubo bengala Bombas
Sonda de Perfuração
Sistema de Circulação de Fluidos
Mangueira Mangueira flexível
Swivel
Tubo bengala
Bombas alternativas
Haste
Bombas
centrífugas
Mesa
rotativa
Flow-Line
Peneiras
Tanques
Anular
Coluna
Broca
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Segurança de Poço BOPBOP (BLOW(BLOW OUTOUT PREVENTER)PREVENTER) • • Sua
Sonda de Perfuração
Sistema de Segurança de Poço
BOPBOP (BLOW(BLOW OUTOUT PREVENTER)PREVENTER)
• • Sua Sua principal principal função função é é impedir impedir
que que os os fluidos fluidos
das das formações formações atinjam atinjam a a
superfície superfície de de maneira maneira
descontrolada descontrolada
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Segurança de Poço COMPONENTESCOMPONENTES DODO BOPBOP GavetaGaveta dede tubotubo
Sonda de Perfuração
Sistema de Segurança de Poço
COMPONENTESCOMPONENTES DODO BOPBOP
GavetaGaveta dede tubotubo
Fecha Fecha contra contra o o tubo tubo
sem sem cortá-lo. cortá-lo.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Segurança de Poço COMPONENTESCOMPONENTES DODO BOPBOP PreventorPreventor AnularAnular
Sonda de Perfuração
Sistema de Segurança de Poço
COMPONENTESCOMPONENTES DODO BOPBOP
PreventorPreventor AnularAnular dodo BOPBOP
• • Fecha Fecha sobre sobre
qualquer qualquer diâmetro diâmetro
• • Não Não permanece permanece fechado fechado
após após retirada retirada da da pressão pressão
de de acionamento acionamento
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Sistema de Monitoramento PAINELPAINEL DODO SONDADORSONDADOR RETORNORETORNO CPMCPM DADA
Sonda de Perfuração
Sistema de Monitoramento
PAINELPAINEL DODO SONDADORSONDADOR
RETORNORETORNO
CPMCPM DADA BOMBABOMBA
DEDE LAMALAMA
TOTALIZADORTOTALIZADOR
DEDE CPMCPM
VARIAÇÃOVARIAÇÃO DODO VOLUMEVOLUME
DEDE LAMALAMA
DEDE LAMALAMA
VOLUMEVOLUME TOTALTOTAL
DEDE LAMALAMA
VOLUMEVOLUME NONO
TRIPTRIP TANQUETANQUE
PESOPESO SOBRESOBRE
AA BROCABROCA
TORQUETORQUE
ELÉTRICOELÉTRICO
TORQUETORQUE
CPMCPM DADA BOMBABOMBA DEDE LAMALAMA
ELÉTRICOELÉTRICO
TORQUETORQUE DADA
MESAMESA ROTATIVAROTATIVA
PRESSÃOPRESSÃO DEDE BOMBEIOBOMBEIO
RPMRPM DADA M.R.M.R.
TORQUETORQUE NANA
CHAVECHAVE FLUTUANTEFLUTUANTE
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Sonda de Perfuração Marítima Plataforma de Cação Plataforma Semi-Submersível Paul Wolf FPSO Seillean UFSC
Sonda de Perfuração Marítima
Plataforma de Cação
Plataforma Semi-Submersível
Paul Wolf
FPSO Seillean
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Quais Quais são são os os equipamentos equipamentos e e recursos recursos usados usados na
Quais Quais são são os os equipamentos equipamentos e e recursos recursos
usados usados na na perfuração perfuração de de poços poços de de petróleo? petróleo?
Sonda de Perfuração
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração SONDA MODULADA (SM) CARACTERÍSTICAS - L.A. rasas - aproximadamente 100m. - A
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração
SONDA MODULADA (SM)
CARACTERÍSTICAS
- L.A. rasas - aproximadamente 100m.
- A jaqueta é lançada e encaixada em
estacas no fundo do mar.
- Em seguida os módulos são
colocados
sobre a jaqueta.
- Os poços podem ser perfurados antes
ou depois da instalação da jaqueta.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração PLATAFORMA AUTO-ELEVÁVEL (PA) CARACTERÍSTICAS - Perfura em lâmina d´água
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração
PLATAFORMA AUTO-ELEVÁVEL (PA)
CARACTERÍSTICAS
- Perfura em lâmina d´água de até
100m.
- Baixo custo.
- Permite posicionamento em áreas
com
restrições no fundo do mar.
- Fornece uma plataforma de
perfuração fixa não afetada pelas
condições de tempo
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração SONDA SEMI-SUBMERSÍVEL (SS) CARACTERÍSTICAS -- PlataformaPlataforma
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração
SONDA SEMI-SUBMERSÍVEL (SS)
CARACTERÍSTICAS
-- PlataformaPlataforma estável:estável: trabalhatrabalha emem
condiçõescondições dede marmar ee tempotempo maismais severosseveros
dodo queque osos navios.navios.
-- PodePode serser ancoradaancorada ouou dede
posicionamentoposicionamento dinâmico.dinâmico.
-- ÉÉ necessárionecessário compensadorcompensador dede
movimentos.movimentos.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
NavioNavio SondaSonda UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
NavioNavio SondaSonda
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração Sistema de Movimentação de Cargas COMPENSADOR COMPENSADOR DE DE MOVIMENTOS
SondaSonda dede PerfuraçãoPerfuração
Sistema de Movimentação de Cargas
COMPENSADOR COMPENSADOR
DE DE
MOVIMENTOS MOVIMENTOS
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
CONFIGURAÇÃOCONFIGURAÇÃO DEDE UMUM POÇOPOÇO MARÍTIMOMARÍTIMO UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
CONFIGURAÇÃOCONFIGURAÇÃO DEDE UMUM POÇOPOÇO MARÍTIMOMARÍTIMO
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
SISTEMA SISTEMA DE DE PLUGS PLUGS SSR SSR PARA PARA CIMENTAÇÃO CIMENTAÇÃO DE DE UM
SISTEMA SISTEMA DE DE
PLUGS PLUGS SSR SSR PARA PARA
CIMENTAÇÃO CIMENTAÇÃO
DE DE UM UM ESTÁGIO ESTÁGIO
EM EM SONDAS SONDAS
FLUTUANTES FLUTUANTES
(SS (SS E E NS) NS)
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
CIMENTAÇÃO CIMENTAÇÃO DE DE UM UM ESTÁGIO ESTÁGIO UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
CIMENTAÇÃO CIMENTAÇÃO
DE DE
UM UM ESTÁGIO ESTÁGIO
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
TIPOSTIPOS DEDE POÇOSPOÇOS UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
TIPOSTIPOS DEDE POÇOSPOÇOS
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
POÇOSPOÇOS DIRECIONAISDIRECIONAIS PRINCIPAISPRINCIPAIS BHA´sBHA´s UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
POÇOSPOÇOS DIRECIONAISDIRECIONAIS
PRINCIPAISPRINCIPAIS BHA´sBHA´s
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
ROTARYROTARY STEERABLESTEERABLE (Motor(Motor dede Fundo)Fundo) UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
ROTARYROTARY STEERABLESTEERABLE (Motor(Motor dede Fundo)Fundo)
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
POÇOPOÇO DIRECIONALDIRECIONAL -- VISTAVISTA ESPACIALESPACIAL UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
POÇOPOÇO DIRECIONALDIRECIONAL -- VISTAVISTA ESPACIALESPACIAL
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
KICKKICK ÉÉ AA INVASÃOINVASÃO DOSDOS FLUIDOSFLUIDOS DADA FORMAÇÃOFORMAÇÃO PARAPARA DENTRODENTRO DODO
KICKKICK
ÉÉ AA INVASÃOINVASÃO DOSDOS FLUIDOSFLUIDOS DADA FORMAÇÃOFORMAÇÃO PARAPARA DENTRODENTRO DODO POÇO.POÇO.
OCORREOCORRE QUANDOQUANDO AA HIDROSTÁTICAHIDROSTÁTICA DODO FLUIDOFLUIDO DEDE PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO FICAFICA
MENORMENOR QUEQUE AA PRESSÃOPRESSÃO DODO RESERVATÓRIO.RESERVATÓRIO.
AA CONDIÇÃOCONDIÇÃO ACIMAACIMA PODEPODE SERSER PROVOCADAPROVOCADA PORPOR ::
PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO NÃONÃO PREVISTAPREVISTA DEDE ZONASZONAS COMCOM PRESSÃOPRESSÃO
ANORMALMENTEANORMALMENTE ALTA.ALTA.
LAMALAMA CORTADACORTADA PORPOR GÁS.GÁS.
NÃONÃO ABASTECIMENTOABASTECIMENTO DODO POÇOPOÇO DURANTDURANTEE ASAS MANOBRASMANOBRAS (TRIP(TRIP TANK).TANK).
PISTONEIO.PISTONEIO.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
KICK KICK (CONTINUAÇÃO) (CONTINUAÇÃO) INDÍCIOSINDÍCIOS DEDE KICKKICK POÇOPOÇO EMEM FLUXOFLUXO COMCOM ASAS
KICK KICK (CONTINUAÇÃO) (CONTINUAÇÃO)
INDÍCIOSINDÍCIOS DEDE KICKKICK
POÇOPOÇO EMEM FLUXOFLUXO COMCOM ASAS BOMBASBOMBAS DESLIGADAS.DESLIGADAS.
AUMENTOAUMENTO DODO VOLUMEVOLUME DEDE LAMALAMA NOSNOS TANQUES.TANQUES.
AUMENTOAUMENTO DADA TAXATAXA DEDE PENETRAÇÃO.PENETRAÇÃO.
AUMENTOAUMENTO DADA VELOCIDADEVELOCIDADE DASDAS BOMBAS.BOMBAS.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
KICK KICK (CONTINUAÇÃO) (CONTINUAÇÃO) CONTROLECONTROLE DODO KICKKICK FECHAMENTOFECHAMENTO DODO POÇOPOÇO
KICK KICK (CONTINUAÇÃO) (CONTINUAÇÃO)
CONTROLECONTROLE DODO KICKKICK
FECHAMENTOFECHAMENTO DODO POÇOPOÇO (BOP)(BOP) NANA PRIMEIRAPRIMEIRA SUSPEITA.SUSPEITA.
LEITURALEITURA DASDAS PRESSÕESPRESSÕES NANA CABEÇACABEÇA (SIDPP(SIDPP EE SICP).SICP).
EXPULSÃOEXPULSÃO DODO FLUIDOFLUIDO INVASORINVASOR MANTENDOMANTENDO PRESSÃOPRESSÃO
CONSTANTECONSTANTE NONO FUNDO.FUNDO.
SUBSTITUIÇÃOSUBSTITUIÇÃO DODO FLUIDOFLUIDO DEDE PERFURAÇÃOPERFURAÇÃO PORPOR OUTROOUTRO
MAISMAIS PESADOPESADO MANTENDOMANTENDO PRESSÃOPRESSÃO CONSTANTECONSTANTE NONO FUNDO.FUNDO.
RETIRADARETIRADA DEDE POSSÍVELPOSSÍVEL GÁSGÁS TRAPEADOTRAPEADO ABAIXOABAIXO DADA GAVETAGAVETA DODO
BOP.BOP.
OO CONTROLECONTROLE DADA PRESSÃOPRESSÃO NONO FUNDOFUNDO ÉÉ FEITOFEITO ATRAVÉSATRAVÉS DEDE
AJUSTESAJUSTES NONO CHOKE.CHOKE.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
POÇOS POÇOS MULTILATERAIS MULTILATERAIS UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
POÇOS POÇOS
MULTILATERAIS MULTILATERAIS
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
PerfilPerfil POÇO OS PERFIS CORRIDOS NO POÇO DEFINEM CARACTERÍSTICAS DAS ROCHAS E ZONAS DE INTERESSE
PerfilPerfil
POÇO
OS PERFIS CORRIDOS
NO POÇO DEFINEM
CARACTERÍSTICAS DAS
ROCHAS E ZONAS DE
INTERESSE
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Noções Básicas de Completação Define-se como completação o conjunto de serviços efetuados no poço desde
Noções Básicas de Completação
Define-se como completação o conjunto de
serviços efetuados no poço desde o
momento no qual a broca atinge a base da
zona produtora / ocorre a cimentação do
revestimento de produção.
A completação consiste em transformar o
poço perfurado em uma unidade produtiva.
O poço passa a produzir óleo/gás, gerando
receitas.
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Completação de Poços de Petróleo UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
Completação de Poços de Petróleo
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
Completação de Poços de Petróleo Completação e Produção a 1,886 m Fev/2002: Exploração Poço a
Completação de Poços de Petróleo
Completação e Produção a 1,886 m
Fev/2002: Exploração Poço a 2,851 m
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
DesafiosDesafios aa VencerVencer Monitoramento de Poços Horizontais Utilizando Tecnologia de Fibras Ópticas UFSC
DesafiosDesafios aa VencerVencer
Monitoramento de Poços Horizontais
Utilizando Tecnologia de Fibras Ópticas
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004
UFSC Florianópolis, 05 de agosto de 2004
UFSC
Florianópolis,
05 de agosto de 2004