Sei sulla pagina 1di 18

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – Faculdade de Engenharia

Transmissão de calor


Aula prática Nº 9

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 1


Aula Prática-9
❑ Convecção com mudança de fase

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 2


Problema -24.1(I)
Água entra em ebulição a 1 atm e
P  =  1  atm
Tsat=100ºC numa panela de aço polida
mecanicamente, de 6 mm de espessura
e 300 mm de diâmetro, colocada sobre Água 100°C
um aquecedor eléctrico de Potência de
3 kW. Apenas 60% do calor gerado
pelo aquecedor é transferido para a
panela. Determine a temperatura na Aquecedor  eléctrico  ,  3  kW

superfície interna da panela e a


diferença de temperaturas entre a
parte interna e externa da panela.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 3


Problema -24.1 (Resolução I)
.

Assume-se:
1.Existência de condições para fluxo estável;
2.Perdas de calor na panela desprezíveis;
3.Regime de ebulição nucleada;
4.Escoamento unidimensional na base da panela.

Propriedades da água à temperatura de saturação: Tabela 23-1 Tabela


A-9
ρ l = 957.9 kg / m3 h fg = 2257 × 103 J / kg
ρ v = 0.60 kg / m3 µ l = 0.282 × 10−3 kg ⋅ m / s
σ = 0.0589 N / m C pl = 4217 J / kg⋅° C
Prl = 175
.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 4


Tabela 23.1 Valores de Cs,f para várias combinações
Tabela 23.2 Tensão superficial na
superfície - líquido
Combinação Superfície - Fluído C n
interface líquido-vapor para água
Água Cobre
Riscada 0,0068 1,0
Polida 0,0130 1,0 T, °C σ
Água - aço inoxidável 0 0,0757
20 0,0727
Atacada quimicamente 0,0130 1,0
40 0,0696
Polida mecanicamente 0,0130 1,0 60 0,0662
Esmerilada e polida 0,0060 1,0 80 0,0627
Coberta de teflon 0,0058 1,0 100 0,0589
120 0,0550
Água - latão 0,0600 1,0
140 0,0509
Água - níquel 0,0130 1,0 160 0,0466
Água - platina 0,0154 1,0 180 0,0422
n-pentano-cobre 200 0,0377
220 0,0331
Polida 0,0154 1,7
240 0,0284
Esmerilada 0,0049 1,7 260 0,0237
Benzeno - cromo 0,01010 1,7 280 0,0190
n-pentano-cobre 300 0,0144
320 0,0099
Polida 0,0154 1,7
340 0,0056
Álcool etílico - cromo 0,0027 1,7 360 0,0019
Tetracloidrato de carbono - cobre 0,0130 1,7 374 0
Isopropanol – cobre 0,0025 1,7

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 5


Problema -24.1 (Resolução II)
.

Outros dados:
ksteel = 14.9 W/m⋅°C (Tabela A-3),
Csf = 0.0130 e n = 1.0 Para superfície de aço polida
mecanicamente( tabela 23-3 ).
A taxa de calor recebida pela panela.
Q! = 0.60 × 3 kW = 1.8 kW = 1800 W
As = πD 2 / 4 = π (0.30 m) 2 / 4 = 0.07069 m 2
q! = Q! / As = (1800 W)/(0.07069 m 2 ) = 25.46 W/m 2
A diferença de temperatura entre as duas superfícies da panela pode
ser determinada de:
ΔT q!L (25,460 W/m 2 )(0.006 m)
q! = k steel → ΔT = = = 10.3°C
L k steel 14.9 W/m ⋅ °C

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 6


Tabela 23.3 Valores do coeficiente crítico Ccr para uso na
Equação 12.3 do calor máximo

* 12
Parâmetro adimensional L = L $& g (ρl − ρv ) σ %'
Dimensão
Geometria do aquecedor C Característica do Intervalo do L*
aquecedor. L
Grande aquecedor plano horizontal 0,149 Largura ou diâmetro L*>27
Pequeno aquecedor plano horizontal 18,9K Largura ou diâmetro 9< L* <20
Grande cilindro horizontal 0,12 Raio L* > 1,2

Pequeno cilindro horizontal 0,12L Raio 0,15 < L* < 1,2

Grande esfera 0,11 Raio L* > 4,26

Pequena esfera 0,227L* Raio 0,15 < L* < 4,26

1
K1 = σ #& g (ρl − ρv ) Aaquecedor $'

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 7


Problema -24.1 (Resolução III)
.

Assumindo que a ebulição é nucleada a temperatura da parte interna


da panela pode ser determinada de:
3
1/ 2 &
- g (ρ l − ρ v ) * C (T − Tsat ) #
!q nucleate = µ l h fg + $ p ,l s !
σ ( $ C sf h fg Prln !
, ) % "
1/2 3
. 9.8(957.9 − 0.60) + & 4217(Ts − 100) #
25,460 = (0.282 × 10 −3 )(2257 × 10 3 ) , )*
$ !
$ 0.0130(2257 × 10 3 )1.75 !
- 0.0589 % "
Ts = 105.7° C
Que corresponde a faixa de variação de Ts-Tsat = (5ºC – 30ºC) para
ebulição nucleada. Portanto é válido o pressuposto assumido.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 8


Problema -24.2 (I)

Água é fervida, num recipiente de aço esmerilado e polido, até a


temperatura de saturação de 120ºC por uma resistência eléctrica
cuja temperatura da superfície não excede 125ºC. Determine a taxa
de evaporação da água, sabendo que a resistência eléctrica tem 20
mm de diâmetro e 0,65 m de comprimento.

Água Ts=125°C

120°C

Resistência  eléctrica

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 9


Problema -24.2 (Resolução I)
Assume-se:
1.Existência de condições para fluxo estável;
2.Perdas de calor na panela desprezíveis;
3.Regime de ebulição nucleada, pois:
ΔT = Ts − Tsat = 125 − 120 = 5° C
Portanto, encontra-se na faixa correspondente a ebulição nucleada ( 5 a
30°C) para água.
Propriedades da água à temperatura de saturação: Tabela 23-1 Tabela
A-9 3
ρ l = 943.4 kg / m h fg = 2203 × 103 J / kg
. kg / m3
ρ v = 112 µ l = 0.232 × 10−3 kg ⋅ m / s
σ = 0.0550 N / m C pl = 4244 J / kg⋅° C

Prl = 144
.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 10


Problema -24.2 (Resolução II)
Outros dados:
Csf = 0.0060 e n = 1.0 para superfície de aço esmerilada e polida
(Tabela 23-3).
Assumindo ebulição nucleada a taxa de transferência de calor por
unidade de área nucleada determina-se de:
3
1/ 2 &
. g (ρ l − ρ v ) + C (T − Tsat ) #
q! nucleate = µ l h fg , $ p ,l s !
σ ) n
$ C sf h fg Prl !
- * % "
1/2 3
. 9.8(943.4 − 1.12) + & 4244(125 − 120) #
= (0.232 × 10 −3 )(2203 × 10 3 ) , )*
$ !
$ 0.0060(2203 × 10 3 )1.44 !
- 0.0550 % "
= 290,190 W/m 2

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 11


Problema -24.2 (Resolução III)
A área superficial do aquecedor é:
As = πDL = π (0.02 m)(0.65 m) = 0.04084 m 2
A taxa de transferência de calor durante a ebulição nucleada
determina-se de:
Q! boiling = As q! nucleate = (0.04084 m 2 )(290,190 W/m 2 ) = 11,852 W

A taxa de evaporação da água resultante da ebulição será:


Q! boiling 11,852 J/s & 3600 s #
m! evaporation = = 3 $ ! = 19.4 kg/h
h fg 2203 × 10 J/kg % 1 h "

Que representa a quantidade de vapor produzido.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 12


Problema -24.3 (I)

Água é aquecida numa caldeira até Saída

temperatura de saturação Tsat = 150 ºC por Caldeira

gases quentes que fluem no interior de um


tubo cilíndrico, de aço polido, submerso na
água, cuja temperatura da superfície Ts é de Água, 150°C

165 ºC. Determine o fluxo de calor, a taxa Ts,tubo = 165°C


de transferência de calor para a água, a taxa
de evaporação, o fluxo máximo crítico, a
razão entre os fluxos e a temperatura da
Gases
superfície do tubo considerando o fluxo quentes
máximo.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 13


Problema -24.3 (Resolução I)
Assume-se:
1.Existência de condições para fluxo estável;
2.Perdas de calor no tubo desprezíveis;
3.Regime de ebulição nucleada, pois:
ΔT = Ts − Tsat = 165 − 150 = 15° C
Portanto, encontra-se na faixa correspondente a ebulição nucleada ( 5 a
30°C) para água.
Propriedades da água à temperatura de saturação: Tabela 23-1 Tabela
A-9 3
ρ l = 916.6 kg / m 3
h fg = 2114 × 10 J / kg
ρ v = 2.55 kg / m3
. × 10−3 kg ⋅ m / s
µ l = 0183
σ = 0.0488 N / m
C pl = 4311 J / kg⋅° C
Prl = 116
.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 14


Problema -24.3 (Resolução II)

O coeficiente Csf = 0.0130 e n = 1.0 para superfície de aço polida


mecanicamente (Tabela 23-3).

Assumindo que a ebulição é nucleada o fluxo de calor determina-se


da relação de Rohsenow:
1/ 2 3
. g(ρl − ρv ) + & C p ,l (Ts − Tsat ) #
!q nucleate = µ l h fg , $ !
σ ) n
$ C sf h fg Prl !
- * % "
1/2 3
. 9.8(916.6 − 2.55) + & 4311(165 − 150) #
= (0.183 × 10 −3 )(2114 × 10 3 ) , ) $ !
$ 0.0130(2114 × 10 3 )1.16 !
- 0.0488 * % "
= 1,383,000 W/m 2

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 15


Problema -24.3 (Resolução III)
A área de transferência de calor é:
As = πDL = π (0.05 m)(50 m) = 7.854 m 2

Portanto a taxa de calor.


Q! boiling = As q! nucleate = (7.854 m 2 )(1,383,000 W/m 2 ) = 10,865,000 W

A taxa de evaporação determina-se de:


Q! boiling 10,865 kJ / s
m! evaporation = = = 5.139 kg / s
h fg 2114 kJ / kg
Para um elemento de aquecimento cilindro horizontal, o coeficiente
Ccr determina-se da tabela 10-4.
1/ 2 1/ 2
& g(ρl − ρv ) # & 9.8(916.6 − 2.55) #
L* = L$ ! = (0.025)$ ! = 10.7 > 0.12
% σ " % 0.0488 "
C cr = 0.12 (since L * > 1.2 and thus large cylinder)

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 16


Problema -22.3 (Resolução IV)
O fluxo máximo crítico determina-se de:
q!max = Ccr h fg [σgρ 2v ( ρ l − ρ v )]1/ 4
. (2114 × 103 )[0.0488 × 9.8 × (2.55) 2 (916.6 − 2.55)]1/ 4
= 012
= 1,852,000 W / m2
E a razão entre os fluxos será:
q!max 1,852,000
= = 1.34
q!current 1,383,000
A temperatura na superfície do tubo considerando o fluxo máximo
determina-se da relação de Rohsenow.
1/ 2 3
. g(ρl − ρv ) + & C p ,l (Ts ,cr − Tsat ) #
q! nucleate,cr = µ l h fg , $ !
σ ) $ C sf h fg Prl n !
- * % "
1/2 3
. 9.8(916.6 − 2.55) + & 4311(Ts ,cr − 150) #
1,852,000 = (0.183 × 10 −3 )(2114 × 10 3 ) , ) $ !
$ 0.0130(2114 × 10 3 )1.16 !
- 0.0488 * % "
Ts ,cr = 166.5°C

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 17


Trabalho Para Casa 08
Água é fervida, a pressão atmosférica numa
panela de cobre polida, colocada num fogareiro.
A superfície interna do fundo da panela é
mantida a 106 °C. Se o diâmetro do fundo da
panela for de 30 cm, determine (a) a taxa de
transferência de calor para a água e (b) a taxa de
evaporação. Plote as curvas aumentando de
grau em grau ΔTexces até ao fluxo crítico.
Comente os resultados.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 18