Sei sulla pagina 1di 8

[20:39] «!

» O Magna esta ali apenas no momento junto com aquele homem, o local meio
silencioso também, o clima e meio confuso a Zeria tomar um pouco de suco, a Magna se
lembra um pouco sobre aquele homem, ele não e novo com certeza, pela a idade, mas
algum faz ela pensa mais um pouco, o mesmo olhava para a Zeria um pouco encarando ela
sobre os cabelos as pernas, de forma comum...
[20:44] <Magna> "Qual é..."*Pensou. Magna tomou o último gole do copo que ainda tinha à
mesa e levantou-se num ato de avanço contra o homem. Ela bateu à mesa e franziu o cenho,
inspirando, revoltada, instantes antes de indagá-lo...*--Algum problema aqui? Você poderia se
pronunciar ao invés de ficar comendo com os olhos, não é? Deixaria de ser um estranho se ao
menos dissesse seu nome, idiota...*Resmungou, e continuou no instante seguinte. Ela afastou
Zeria um pouco para o lado e pareceu quase subir a mesa para encará-lo mais de perto, queria
forçá-lo a se mostrar, se manifestar, manipulá-lo a isso, de certa forma. Fazer com que se
sentisse forçado...*
[20:45] Magna rolou 2d6 + 1 = 6 {[4, 1] + 1} << Quente; Obrigar o sujeito a se manifestar.

Oremos. >>
[20:55] «!» A Magna ver que ele encarar a mesma um pouco ??? --Bem não posso olhar um
pouco ?, você esta tensa demais sabia..por que não beber alguma coisa por favor, e sobre o
meu nome, não gosto de você para dizer ele, então estou sendo curto e grosso sobre isso Ele
encarar no fundo dos olhos dele, voz decidida, uma pessoa levemente complicada com
certeza...com isso chega mais uma rodada de bebidas onde mais uma pessoa aparece, sendo
conhecido como o Baba-ovo do Dono do local, uma pessoa irritante por natureza e uma
pessoa nada agradável...
[21:04] <Magna> "Era só isso que me faltava..."*Magna semicerrou o punho e bufou, ajeitando-
se onde estava pois não queria causa conflitos justamente no local de trabalho de Zeria, ainda
mais por não saber ainda quem era o tal homem.*--Olhar e comer com os olhos são coisas
diferentes. Olhar não tem problema quando você não transforma uma coisa em outra, então
trate de mudar o rumo desses seus olhos velhos, entendeu? Não me faça lhe forçar a
isso...*Comentou, e naquele momento ela já passava as mãos atrás das orelhas, deixando a
mágica escorrer aos dedos...*--E, acredite, eu juro a você que não seria agradável para
nenhum de nós...*Com isso então ela se jogou na cadeira, apoiando-se para trás e balançando
a cabeça negativamente, só então após isso ela se aproximaria de Zeria para sussurrar ao seu
ouvido...*-Falta muito para você ser liberada? Francamente... Esse sujeito está me dando nos
nervos..."Estou me segurando para não inverter o lado de dentro dele com o de fora e fazer as
tripas saírem pela barriga..."*Os pensamentos por pouco não fluíram pela boca no mesmo
sussurrar, ela não queria passar a Zeria uma outra imagem de si. Após as perguntas, ela se
afastaria um pouco apenas para voltar a encarar o sujeito no mesmo nível em que ele outrora
encarava Zeria, alternando também entre o sujeito que chegava. O ar em torno de Magna
estava mais pesado, mais denso, era possível até mesmo sentir o cheiro de mágica, caso você
tivesse o nariz mais sensível. Os dedos esfregavam-se num ritmo constante, a mente da Fae
estava à mil, e ela estava à dois passos de Olhar para o Abismo e buscar a vida inteira do
homem e o que mais pudesse alcançar.*"Pai... Senhor dos demônios e irmão dos grandes
Arcanjos, tu que tanto poder deténs, estenda-me tua mão para que eu não me deixe levar
nesse momento, para que, no futuro, este sujeito miserável tenha o que merece perante a
corte em sua frente, em seu reino, onde eu, em tua homenagem, abrirei-o dos pés à cabeça
enquanto ele se mantém consciente e agonizando, mesmo que isto não chegue aos pés do
sofrimento ao qual você poderia sentenciá-lo, façamos dele um exemplo daqueles que
afrontam o senhor e seus filhos, grande pai. Abraça-me, controla-me, e me proteja dos erros,
porque nós somos seres divinos..."
[21:09] «!» Movimento >>
[21:20] «!» A Magna começa a sentir o fluxo do Véu, e tentando chega mais perto do que ela
chama de pai, e ver um pouco a vida do homem, que seria uma vida comum, ela não sente a
presença nada como fosse o pai, apenas o véu dos Elfos, e segue a vida do homem...um
pessoa solitária a todos os momentos que se encontrou com outra pessoa solitária..e logo
acabou quando o nosso amigo Baba-ovo chegou perto da Magna e puxou ela para perto...
??? --Você esta linda sabia..então querida como anda as coisas sobre o trabalho essa
semana, então quer um pouco de suco ? *Dar um suco para a mesma e mostrando o copo*
[21:27] <Magna> "DROGA!"*Quando foi puxada, ela arregalou os olhos, revoltada. Seus punhos
pressionaram com força contra a mesa e sua presença pareceu alterar o local. Mas ela mesma
acompanhou seus movimentos e fez uma brisa soar pelo local nos instantes em que se virou
para o sujeito. Ela se acalmou, sorriu para ele, um sorriso de canto e discreto. Seus dedos que
outrora pressionavam a mesa agora dançavam sobre ela, e a pequena Fae recolheu-se ali,
tirando a mão do garoto que ele havia posto sobre ela e baixou o rosto, encarando-o de modo
sutil, com o rosto inclinado...*--Perdão, não ouvi...*Brincou, mas ajeitou-se na cadeira para dar
atenção ao garoto, de certo modo ela entendia o desespero do jovem. Ela juntou as mãos no
próprio colo e inspirou...*--Agradeço pelo suco mas, não, obrigada. Sabe como é, não é? Eu já
bebi muito hoje e preciso segurar as pontas até decidir ir para casa, estou esperando minha
companhia ser liberada. Mas, me diga, você é quem mesmo...?"Apresente-se à filha do Senhor
do Inferno, e ao próprio, pois meus ouvidos são os dele..."*E naquele instante ela quase
esqueceu do senhor que também estava presente. Havia na sua língua o gosto da vida do
sujeito, da história dele, que ainda seria dela...*
[21:29] Magna rolou 2d6 + 1 = 9 {[5, 3] + 1} << Escuro; Teste de Resposta(?) >>

[21:34] «!» A Magna sente que tudo isso foi para a outra pessoa...com certeza não o seu pai,
outra pessoa que toma conta do Véu que impede de tudo para impedir movimentos de uma
magia para outro lugar que não seja o véu...Yuri --Eu sou o Yuri querida..e além disso bebe
um pouco, e sabe que eu te adoro no trabalho, como você faz aquela coisa acontece com os
clientes e *Coloca uma mão sobre o ombro dela puxando um pouco para perto* --Vamos lá
garota se abre mais um pouco, eu sou uma pessoa bem legal pode acredita em mim..
[21:43] <Magna> "Ah, o véu... Eu sinto que ainda vamos ter problemas."*E ao sentir-se
interrompida ela balançou a cabeça de forma negativa, aquilo a irritava, e no mesmo instante
ela tornou a prestar atenção no 'real', no local onde estava...*--Claro, Yuri! Como eu
esqueceria de você, não é? É o cara que está sempre lá...*Brincou, mas no fim era verdade, ele
estava sempre lá, todas as vezes. A jovem engoliu à seco quando ele pegou em seu ombro
outra vez, mas aproveitou-se daquela situação para incorporar seus movimentos felinos e
sensuais que trazia consigo vez ou outra... Seus olhos estreitaram-se e ela mostrou a ele um
sorriso tendencioso, implicante, e mordeu o lábio...*--Eu não esperava isso de você... Esse
lance de se abrir. Você gosta de se abrir, não é?*Indagou, pondo a mão no ombro do jovem e
fazendo-o ajeitar-se onde estava, depositando a outra mão sobre sua perna...*"Idiota..."*Os
pensamentos de Magna eram quase opostos à suas ações. Ela não precisava de Yuri, era claro
que ele era o tipo de pessoa que ninguém suportava, e claramente um sujeito que nem
mesmo o chefe aguentava ter por perto, e talvez isto fosse a brecha pela qual ela esperava.
Magna usou de suas provocações para tentar atingir Yuri, tirar algo dele...*--Eu posso me abrir
com você, se prometer para mim que...*E neste instante ela aproximou-se mais dele,
aproveitando para sussurrar ao seu ouvido...*-Vai mudar de sexo e se comprometer a ser uma
maid tão maravilhosa como qualquer outra garota que nós tenhamos no grupo do bar...
[21:44] Magna rolou 2d6 + 2 = 10 {[4, 4] + 2} << Quente; Seduzir Yuri. >>

[21:52] «!» A Magna sente que o mesmo coloca ela sobre o colo dele e alisando a perna dela,
o outro homem se levanta para fica um pouco mais afastado daquela pegação toda, a Zeria
estava esperando dar a hora que iria demorar um pouco com certeza, o homem rir para a
Magna... Yuri --Bem querida sabe que adoro eu ser como eu, e além disso você tenho
certeza que fica mais linda com pouca roupas *Sorria para ela alisando os seus cabelos e
aproximando o rosto e encarando ela* --Vamos apenas se diverti um pouco querida..você e
realmente muito quente com certeza O mesmo esta bem animado com aquilo tudo, a forma
que ele aperta as suas pernas..deixou ele super animado...
[22:05] <Magna> *Ela deixou o sujeito brincar, afinal seria simples demais deixar as coisas
acabarem daquele jeito. Suas mãos acompanharem as dele e até mesmo ela ajeitou-se onde
estava, sem conter a risada, que na hora soou como uma risada nervosa, mas se tratava
apenas de um simplório deboche para com Yuri, afinal ela não queria aquilo...*--Sabe o que eu
acho? Que ao menos que nós dois tenhamos um contrato, ou que você prometa, nós não
vamos além desse ponto.*Resumiu-se ela, afastando-se aos poucos e deixando o colo do
sujeito para de volta ao banco, mas continuaria brincando pois queria saber o limite dele...*--
Você... Eu não sei que tipo de mulher você acha que eu sou, mas não é assim que as coisas se
resolvem comigo, entende? Eu gosto quando é do meu jeito, e você não daria o braço a
torcer.*Riu. Sentir o que ela havia sentido quando estava ao colo de Yuri foi nojento, ela não
brincaria em dizer que havia realmente sentido o membro do sujeito pressionar contra ela, e
não era o tipo de coisa que lhe agradava, ela recolheu-se e até mesmo se contorceu de modo
suave em nojo, imperceptível...*"Querido... Se nós dois fossemos para a cama, o mínimo que
aconteceria é o contrário do que você espera. Seria você de quatro na cama, e você não
gostaria, eu sim..."*Seus pensamentos acompanharam o ato de beber mais alguns goles de
água, direto da garrafa que Zeria havia lhe trazido naquele tempo. Ela estava desconfortável
ali, mas esperaria até Zeria ser liberada, fosse como fosse...*
[22:13] «!» A Magna sente que o homem muda de expressão naquele momento e se levanta
com raiva e segurar o braço dela e puxando para perto... Yuri --Quem você acha que eu sou
sua garota metida de merda...se acha demais não é, você não imagina que vou fazer com a
sua vida de merda *Empurra ela com força para o sofá* --Fica vendo por esperar sua
vagabunda *Saia do local irritado demais e fecha a porta com força quase quebrando* O
outro homem riu um pouco... ??? --Você tem bolas de verdade Magna..porém que tenho
pena de você de verdade *Riu um pouco lendo um pouco do livro e bebeu um pouco* A
Zeria ficou com medo por um momento e se levantou para ajuda a Magna...
[22:21] <Magna> *Realmente era algo pelo que ela não esperava, afinal ela considerou ter o
poder num instante, e no segundo o sujeito revoltado havia a jogado no sofá. Não vou difícil se
levantar dali, limpando e ajeitando as roupas e até mesmo aceitando a ajuda de Zeria. Ela não
exitou em rir mais um pouco, não tinha como levar aquilo a sério e o sujeito já estava fora dali.
Magna abraçou Zeria e beijou seu pescoço, sem graça.*-Desculpa, eu não queria deixar as
coisas ficarem assim, não queria confusão no seu trabalho. Eu vou continuar esperando aqui,
ok? Não tenha pressa.*Afirmou, mordendo-a novamente ao ouvido, com cuidado como havia
feito mais cedo. Ela gostava de Zeria, de brincar com ela daquela forma. Após algum tempo ela
voltou a mesa, onde tornou a beber a água que tinha ali, encarando o sujeito e rindo para ele
de canto, rindo baixinho...*--Você ficaria surpreso...*Disse ela, em resposta ao comentário do
sujeito que estranho que assumiu que Magna 'tinha bolas'...*--Mas, não entendi o que você
quis dizer... Como assim 'vou ter problemas'?*Incomodada, ela indagou o sujeito. Será que ele
sabia algo que ela não? As coisas tinham tomado um rumo esquisito, e qualquer pouca
informação seria útil.*--Ele é tipo um maníaco? Se for, já me imagino arrancando as bolas dele,
entende? Eu não sou o tipo de mulher que se espera...*De certa forma, aquela foi a brecha de
que ela precisava para fazer contato com o tal senhor, aquilo ia além do modo como ela havia-
o tratado antes...*--Desculpe por antes, desculpe mesmo, mas não esperava que soubesse
meu nome...
[22:30] «!» ??? --Tudo bem sabe o seu nome Magna...você e uma boa garota, mas aquele cara,
não e uma pessoa que não gosta quando dizem não para ele, devia ter aceitado de boa os
beijos deles se você tanto do seu trabalho, o meu conselho e aceita como as coisas são e
conversa com ele e aceita tudo como deve ser... *Fala como fosse normal aquele tipo de
coisa* O mesmo fala sem muita vida sobre esse tipo de coisa, e meio cansado a Zeria se
levantou Zeria --Eu vou ajeita isso você não pode perder esse emprego que você tanta ama
assim.. ??? --Recomendo você fora disso, e apenas um conselho de uma pessoa que tem em
mente que tipo de coisas ele faria...
[22:37] <Magna> --Qual é, Zeria... Por favor, não se envolva nisso, eu falo com o
sujeito...*Propôs, dando de ombros. De certo modo, talvez não importasse ir para a cama com
aquele sujeito, poderia não ser tão ruim assim, dependendo de quem ele era realmente, se
fosse apenas uma pessoa comum.*--Você, senhor, por favor, cuide da pequena Zeria enquanto
eu estiver fora, impeça maus de acontecerem a ela e eu juro a você que poderá contar comigo
quando precisar, entendeu? Por algum motivo eu sinto que posso dizer isso a
você.*Comentou, e no instante seguinte ela puxou Zeria para perto, depositando um beijo em
seu nariz e no canto de sua boca momentos antes de sair porta a fora do lugar, atrás de Yuri ou
quem ele realmente fosse. Ela não sabia ao certo onde encontrá-lo mas, talvez pudesse seguir
seus rastros de tensão e desequilíbrio através do véu...*"Espere por mim, querido, você vai ter
a surpresa que tanto quer..."*Pensou ela, enquanto continuava atrás do sujeito, inquieta...*--
Yuri!? Qual é, cara, você não tem senso de humor?
[22:44] «!» O Magna saia do local e pode sentir a presença dele andando pelo o local irritado,
a beira de um ataque de raiva, o mesmo andar em direção ao balção do gerente também, e
parece falar com ele bem irritado também, o mesmo tentar acalmar o homem um pouco
também, conversando com o mesmo de maneira calma..o homem antes falou nada, mas
pareceu que iria cuida dela também e falta pouco também para o tempo acabar e eles iriem
embora....
[22:47] <Magna> --Ei, ei, Yuri... Que pressa toda é essa?*Perguntou ela, deixando Zeria aos
cuidados do sujeito. Magna aproximou-se do balcão e recostou-se ali, passando o braço por
cima de Yuri e puxando ele para mais perto apenas para sussurrar ao seu ouvido...*-O que
aconteceu, anjinho? A menina má lá dentro magoou você?*E a pergunta foi feita num tom que
só ele poderia ouvir, ao momento em que fez um sinal para o sujeito que tentava lhe
acalmar...*-Sinto muito por isso. Eu só achei que estivéssemos brincando, entende? Você
parecia rápido demais e isso não é legal para o lugar...
[22:57] «!» Yuri --E agora que você veem com esse tipo de conversa *Encarar a mesma por um
momento e logo suspira um pouco e rir em quanto caminha em direção ao banheiro e
puxando ela um pouco* --Vamos ter uma conversa...e claro que estamos brincando, mas
quero te mostrar uma coisa aqui rápido.. O homem parece meio confuso naquele momento
olhando para eles e apenas levanta os ombros e continuar e fazer o seu trabalho...a Magna
sente uma sensação nada boa aquilo..quando eles entraram no local e o mesmo jogou ela
no parede e começou a beija o mesmo com força e apertando a sua bunda...
[23:05] <Magna> --Eu pensei que esse fosse o tipo de conversa que você queria...*Comentou
ela. O modo delicado como ela respondeu foi um tanto peculiar, é como se ela soubesse o que
viria a seguir. Quando entrou no banheiro junto a ele, ela não se negou em retribuir os beijos e
deslizar as mãos pelo corpo do sujeito, seguindo o ritmo dele como uma dança delicada. Ela
sentiu a mão dele em sua bunda e corou, era estranho mas, foi a primeira vez que alguém
havia posto a mão ali, e não era como se ela gostasse daquilo, não era ele quem ela queria que
tocasse ali. Após estender os beijos por mais um tempo ela então afastou-o para tomar um ar,
aproveitando para olhá-lo nos olhos...*--Você... Está indo rápido demais, Yuri, eu não tenho
certeza se é isso o que você quer...*Riu, corada e sem graça, de certa forma ela não esperava
que ele aceitasse o fato dela na verdade ser um homem, não esperava nem sabia o que
esperar do que viria após aquilo. Ela então o puxou para mais perto, talvez o correto fosse
deixar as coisas tomarem um rumo peculiar...*"S-Se eu deixar ele só com a parte de trás, talvez
não tenha problemas, não é? Ou ele é do tipo que gosta das duas coisas e eu acabaria
ganhando algo tipo um boquete...? Eu não sei ao certo como continuar com isso aqui, mas
vamos deixar ele tomar as decisões que quiser."*Os pensamentos de Magna eram distintos, de
fato ela não sabia o que fazer ou como levar as coisas, mas não seria nada absurdo deixar as
coisas tomarem aquele rumo, Magna então entrou no jogo do sujeito, brincando com ele e
fazendo tirar as roupas aos poucos...*-Vamos fazer do jeito que você quiser, então...
[23:17] «!» A Magna sente que o mesmo empurra a mesma para baixo onde tirar as calças e
logo batendo no rosto dele o membro do rapaz, ele sorria passando sobre o rosto.. Yuri
--Vamos lá garota eu sei que você gosta disso sua vadia.. Ele enfiou todo na boca dele com
força e segurou com força seus cabelos e ficando enfiando e tirando com força a
agressividade, e dando tapas no rosto com força, mas não demorou muito para o mesmo
gozar ali mesmo e tirou da boca para jogar na sua cara com tudo..ele segurou com força os
cabelos em quanto derramava tudo em seu rosto...
[23:27] <Magna> *Magna tinha muitos motivos para encerrar as coisas ali, ela poderia ter
mordido o membro dele ou feito-o sofrer por aquelas coisas, mas deixou as coisas
continuarem da tal forma que, ao momento em que foi posta 'ao ato', ela usou de tudo o que
sabia sobre seu próprio corpo e sobre como funcionava um membro para dar ao sujeito o
melhor boquete de sua vida, sem medir esforços antes de agir realmente como uma puta. Ela
não tinha medo nem receio, aquele tipo podre de ato não a afetava, ela não tinha medo,
estava apenas sedendo às vontades do homem, fosse por pena ou porque no fim ela mesmo
queria, talvez servisse para tirar proveito outra hora, outro dia. Ela fez tudo o que sabia, usou
os lábios, a língua, as mãos e todos os recursos de que foi se lembrando enquanto apertava
com força a bunda o jovem, pressionando na mesma intensidade. Quando chegou ao fim, ela
deixou ele gozar ali, pois podia limpar na parte interna das roupas sem muitos problemas. O
sorriso safado se fez presente aos lábios da jovem que lambeu, limpando o que podia e
brincou mais um pouco com o jovem, instigando-o mesmo depois de ter chego ao ápice...*--
Achei que alguém quente como você fosse demorar um pouco mais... Vai acabar por aqui? Se
queria simplesmente isso, poderia ter me pedido... Sabe, eu sou boa com essas coisas... Sou
boa em usar a boca, principalmente se me deixar fazer do meu jeito.*Afirmou ela, limpando o
que pode com os dedos e levando à boca. A respiração ofegante vinha apenas porque nos
momentos em que foi forçada não pôde preservar o ar para si, mas ela ainda queria saber até
que ponto ele queria seguir...*--Vamos, Yuri, seja homem... O homem que você quer tanto ser
e não consegue chegar perto... Não sabe nem mesmo satisfazer uma mulher, é apenas um
sujeitinho egoísta.
[23:41] «!» A Magna levou um tapa forte no rosto o mesmo segurou o rosto dela com força
fazendo olha para seus olhos.. Yuri --Cala a boca sua vadia..estou sendo legal com você,
entendeu *Ajeitou as calças ali mesmo e dando as costas e caminhando para fora do
banheiro e parece bem mais feliz e animado* --Bem se parece que você salvou o seu
emprego, muito bom mesmo, fique feliz com isso... Ele saiu como fosse nada demais, com o
peito cheio de orgulho e feliz mesmo com aquilo...
[23:46] <Magna> *Magna encheu o peito, respirando fundo, ela deixou o ar entrar e a Escuridão
tomar conta do local, os traços elficos se fizeram presentes quando os olhos negros rogaram
pragas sobre Yuri. O ar pesou quando a baixa da jovem sussurrou aos ouvidos dos demônios,
dos medos que cercavam o sujeito e de quem mais pudesse ouvir...*-Você vai murchar e
apodrecer, pobre coitado. Sua língua vai cair e sua vida vai virar um inferno. Quando todo o
resto der errado, você vai lembrar de hoje, pois você vai perder muito mais do que o seu
emprego.*A voz tomou um ar mais ríspido, mais sentencioso, havia magia no ar, era realmente
uma maldição e ela só precisava que desse certo, que seu pai a ouvisse, que os medos do
sujeito e os demônios a ouvissem...*"Até que a morte nos separe, você está nas minhas mãos,
Yuri..."*E ela fechou então a porta do banheiro. Magna usou tudo o que pôde para se limpar e
só saiu do banheiro quando a vermelhidão em seu rosto estava suave. Ela sentou-se à mesa e
então se pôs novamente a beber, queria tirar aquela cena da cabeça e aquele hálito horrível da
boca, nem que custasse muito álcool.*
[23:48] Magna rolou 2d6 + 1 = 10 {[3, 6] + 1} << Escuro; Amaldiçoar Yuri. >>

[23:52] «!» A Magna sente o véu se abrindo para ela quando a maldição e lançada sobre o
mesmo uma magia silenciosa e mortal, o ódio de um Fae concentrado naquele momento,
ele volta a Zeria esta arrumada para ir embora o homem ja tinha indo embora naquele
momento a Zeria parece bem e arrumando as roupas, e sorria para ela também, e caminha
para perto e preparada para ir embora...
[23:54] <Magna> --Não sabia que já estaria pronta assim! Eu demorei demais?*Perguntou, num
pulo. Magna aproveitou a deixa para comprar outra garrafa d'água, alguns chocolates,
chicletes e mesmo uma cerveja, que beberia na volta para casa. Quando tinha tudo à mão, ela
se aproximou de Zeria na porta e beijou sua bochecha, rindo baixinho.*--Vamos à pé, ou você
quer do jeito mais rápido? Uma porta direta, um Uber... Temos todo o tempo do mundo
quando se trata de você, querida.
[00:13] «!» O Magna ver que Zeria chama um Uber e logo assim, ele chega e começa a leva
elas em direção para a casa, Zeria --Bem foi rápido mesmo assim você esta levemente
esquisita, você e muito gentil comigo e sabe que por isso você e melhor pessoa de todos os
tempos, me lembro quando eu cai sobre um ninho de Cucos..e logo todos eles pareciam
comigo, eles ficaram me zoando o dia inteiro, mas depois me levaram para comer um pizza,
mesmo assim, caiu guarana em cima de mim...foi muito triste.
[00:19] <Magna> *Magna ajeitou-se no Uber ao lado de Zeria e abraçou seu braço, suspirando
enquanto comia um dos chocolates que havia comprado, entregando o outro a ela...*--Sabe...
Eu gosto de tratar você bem. E esse lance de estar esquisita é temporário, é só que eu nunca
me imaginei ficando com ninguém no banheiro de um bar e... Bom, ele também jamais
imaginou o que aconteceria depois, entende? Digo, o que VAI acontecer ainda.*Ela riu,
brincando, e logo após as risadas encarou o teto do carro, trazendo Zeria para mais perto.*--
Você foi a primeira pessoa que apareceu em tempos e me lembrou que eu posso fazer coisas
importantes, de certa forma posso dizer que luto por você, contanto claro que você não tente
nada contra mim um dia.*Disse ela, enchendo as bochechas e bebendo um pouco de
água...*--Você tem umas histórias complicadas, não é? Em que ponto da sua vida as coisas
deram certo? Será que pode dizer? Houve algum...?*Indagou, encarando-a aos olhos. Havia
pena, cuidado e zelo no olhar de Magna, ela acolhia Zeria em seu mais profundo ser, em seu
espírito, queria levá-la consigo. Ao fundo, ela sabia que ora ou outra as coisas dariam errado,
ela seria obrigada a descartar alguém, a usar alguém, e esperava que Zeria não precisasse
necessariamente ser descartada.*
[00:39] «!» Zeria --Bem de um lado sempre acontecerem de uma maneira boa, e claro que
depende muito que tipo de situação, os meus namorados adoravam esses tipos de coisas, eu
mais ou menos e claro..conheci muita gente, não sou super famosa, mas as pessoas gostam
de mim, e uma coisa de mim, tipo conhece as pessoas importantes e ajuda elas um pouco, e
uma coisa engraçada que eu tenho *Falar normalmente e cruzando as pernas um pouco*
[00:47] <Magna> --Ah, sim, entendi... *Ela comentou, rindo baixinho. Havia ainda um ar de graça
em Magna, ela sequer lembrava do que havia acontecido no banheiro do bar...*--Eu não tenho
isso, mas posso dizer que sou do tipo que acredita MUITO nas coisas, sabe? Na minha
capacidade, no que eu mereço e no que eu posso alcançar...*Disse ela, coçando a bochecha. O
olhar de Magna estava perdido, inquieto, ela estava pensando em dormir abraçada com Zeria
e outras coisas que sequer convinham com a situação. Mas ela ria feito uma boba, havia um
sorriso sincero em seu rosto, um ar de carinho.*--Mas se você é tudo isso, então está
explicado chamar toda essa atenção, não é? Quer dizer, você nasceu para ser uma pessoa
incrível, o que acontece é o grande número de babacas querendo carona na glória que deveria
ser sua.*Advertiu, e sua atenção estava voltada à rua, ela esperava chegar logo em casa,
queria tomar um banho e se deitar, queria não ter o motorista perto para ouvir suas
conversas.*
[01:02] «!» O Magna ver que ela riu um pouco e alisando os cabelos dela, a Zeria fica meia sem
palavras por momento esperando ou fazendo uma resposta... Zeria --Bem isso e verdade,
porém a coisa minha mesmo, ser mortal e dificil, os monstros gostam de você e tipo gostam
de verdade, amam a gente...e uma coisa perigosa também, amar eles de volta, meus
namorados sempre foram assim..mas eu sou incrível, eu salvei uma delegacia de um
Carniçal, com um fantasma..esse dia foi bem louco sim, tipo bem insano de todas as
maneiras...
[01:17] <Magna> --Sério? Você salvou a delegacia de um Carniçal e um Fantasma? Por acaso faz
ideia de qual foi a última vez que lutei? Uma mulher com luvas explosivas simplesmente
resumiu as coisas me explodindo para longe, nunca tive uma luta justa.*Assumiu ela,
repousando a cabeça sobre o encosto do carro, rindo baixinho para si mesma, aproveitando o
momento e a conversa, era como se ela não se importasse com o que viria depois.*--Você é
realmente incrível. Só tente não deixar isso subir à cabeça. Sobre os monstros, é outra
verdade, é sempre bom estar atenta porque eles podem estar em qualquer esquina, sabe? É
sempre bom ter uma carta na manga... Acho que o mais longe que cheguei em um conflito foi
devolver o tiro de um tanque para ele mesmo, foi o melhor portal que eu aloquei a vida
inteira...
[01:26] «!» Zeria --Com um fantasma do meu lado e claro *Sorria um pouco em quanto ver que
chegou em casa e descer do carro e pagando o mesmo e caminhando para perto da casa da
Magna* --Bem vamos lá, bela casa e claro. sendo assim você uma pessoa muito boa, temos
que pelo menos cuidar desse mundo por que sem ela a gente seria nada demais...a única
coisa que posso fazer de bom pela a comunidade...
[01:33] <Magna> *Ao ouvi-la falar sobre o fantasma, ela riu. Magna então desceu do carro com
cuidado, agradeceu ao motorista e o pagou, acompanhando Zeria até perto da porta, que
destrancou com cuidado, dando espaço para ela entrar...*--Bom, minha casa é sua casa, então
acho que não preciso dizer mais nada.*Brincou ela, adentrando a casa logo atrás de Zeria e
trancando-a com cuidado, jogando a bolsa e o que carregava na mesinha que ficava próxima
ao sofá, espreguiçando-se onde estava...*--A comunidade não tem nada haver com a vida que
escolhemos, Zeria. Nós só chegamos onde chegamos porque, em algum ponto de nossas vidas,
nossas ambições falaram mais alto.*Assumiu, ligando o fogo e pondo a água para aquecer.*--
Vai querer um chá? Eu não sei se minhas roupas servem em você, mas se quiser tomar banho
eu posso emprestar minhas roupas. Tenho uns pijamas bem largos e tal.*Ofereceu. De certa
forma ela até resolveu voltar atrás ao imaginar Zeria tomando banho, mas resolveu resguardar
para si e disfarçar, pois nada aconteceria lá.*--Pode pedir o que quiser... O quarto é no fim do
corredor, se quiser ajeitar suas coisas por lá.
[01:43] «!» A Zeria sorria um pouco e caminha para o banheiro onde começa a tomar o banho
sem problemas...tudo parece esta dando certo, ela toma o banho e anda para o quarto onde
troca de roupa colocando uma calcinha da Magna e um camisa longa e senta no sofá, e
sentindo alguma coisa... Zeria --Que gosto estranho no ar, mas tudo bem, estou limpa e
cheirando muito bem e estou feliz por causa disso...
[01:47] <Magna> --Gosto estranho? O que quer dizer?*Indagou ela, e no tempo em que ela
esteve no banho foi o suficiente para Magna tomar o próprio chá e, de quebra, preparar um
para a amiga, a qual entregou-a com cuidado no quarto. Após entregar o chá então, Magna
separou as próprias roupas e seguiu para o banho, despreocupada. Ela sequer trancou a porta
do banheiro, apenas recostou-a, e tomou o banho mais cuidadoso da vida, não queria deixar
nada passar desapercebido. Chegava a ser estranho nestes momentos reparar que nenhum
pelo sequer crescia em seu corpo, nunca crescera, além do cabelo e sobrancelhas, claro.
Minutos se passaram até o momento em que ela saiu do banheiro, já completamente seca e
vestida. Magna trajava uma camisa longa, vestia um short de pijamas que cobria uma calcinha
das mais confortáveis que encontrou. Ela sentou à beira da cama continuou a secar os cabelos,
ainda intrigada com as palavras da jovem...*--Se me disser o que é, eu posso tentar resolver
sem problema nenhum.
[02:05] «!» >> To be Continued