Sei sulla pagina 1di 3

REGIMENTO INTERNO DO SENADO

CPI – Arts. 145 a 153


Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

CPI — ARTS. 145 A 153

77 — CPI (ARTS. 145 A 153)

• a) Criação: requerimento de 1/3 do Senado Federal, isto é, 27 senadores.


Cabe ao presidente do Senado checar as 27 assinaturas (Art. 145, caput).
• b) Requerimento de criação de CPI deve explicitar (Art. 145, § 1º):
–– Fato a ser apurado (não pode ser genérico; a necessidade de um fato
específico a ser apurado não impede que sejam investigados outros
fatos, conexos ao inicial e descobertos em decorrência da investigação);
–– Número de membros (a ser determinado pelo requerimento);
–– Prazo de duração (pode ser prorrogado desde que haja, para tanto, assi-
natura de, pelo menos, 27 senadores; não há necessidade de ir a plená-
rio, devendo apenas ser lido o termo de prorrogação para o pleno; não
pode ultrapassar a legislatura em que foi criada);
–– Despesas.
• c) Presidente do Senado Federal deve ordenar que o Requerimento de
Criação da CPI seja numerado e publicado (Art. 145, § 2º);
• d) Cada senador só pode integrar duas CPIs: uma como titular, outra como
suplente (Art. 145, § 3º);

Atenção!
No Regimento Interno do Senado Federal, utilizou-se a expressão “integrar”. A
expressão é inadequada, uma vez que alguém que “integre” uma CPI, supõe-se,
que dela é membro. No entanto, como membro, um senador só pode participar
de uma CPI; sendo membro de uma, não poderia figurar em outra, a não ser
como suplente (que não é membro).

• e) Número de suplentes: metade do número de titulares + 1; em caso de


número decimal, arredonda-se para cima (Art. 145, §§ 4º e 78).
• f) Uma CPI do Senado é inadmissível sobre: Câmara dos Deputados, atri-
buições do Poder Judiciário e dos Estados (Art. 146).
ANOTAÇÕES

1
www.grancursosonline.com.br
REGIMENTO INTERNO DO SENADO
CPI – Arts. 145 a 153
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

Atenção!
• A jurisprudência do STF determina que também é inadmissível CPI do
Senado sobre atribuições dos Municípios e do Distrito Federal.
• Deve-se entender as atribuições do Poder Judiciário como as atividades
jurisdicionais. Questões administrativas de tribunais, por exemplo, podem
ser alvos de CPI.

• g) Na ausência do relator a ato da CPI, o presidente pode designar substi-


tuto para a ocasião, que deve ser do mesmo partido político ou bloco par-
lamentar do relator (Art. 147).
• h) A CPI tem poderes de investigação próprios de autoridade judicial (Art.
148, caput):

Atenção!
A jurisprudência do STF entende que há atribuições exclusivas do magistrado
(reserva jurisdicional), geralmente relacionadas ao poder geral de cautela:
• Indisponibilidade de bens;
• Proibição de ausentar-se da comarca;
• Prisão.

Para as determinações acima e para outras da reserva jurisdicional, a CPI não


tem competência.

–– Fazer diligências;
–– Convocar ministro de Estado (assim como comissões permanentes);
–– Colher depoimento de autoridade (comissões em geral podem solicitar
e CPIs podem determinar, salvo de chefe do Poder Executivo do Ente
em que se insere a CPI);
–– Inquirir testemunhas sob compromisso (inclusive sob condução coercitiva);
–– Ouvir indiciados (não depõem sob compromisso e não podem ser condu-
zidos coercitivamente pela CPI);
ANOTAÇÕES

2
www.grancursosonline.com.br
REGIMENTO INTERNO DO SENADO
CPI – Arts. 145 a 153
Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online

–– Requisitar informações ou documentos de órgão público (comissões em


geral os solicitam);
–– Requerer auditoria ao TCU.

Pegadinha da banca
A CPI tem competência para quebrar sigilo telefônico (requisitar dados
telefônicos). Isso não se confunde com interceptação telefônica (grampo),
que a CPI não tem competência para determinar.

• i) Não havendo quórum na CPI, os depoimentos podem ser tomados desde


que estejam presentes o presidente e o relator da CPI (Art. 148, § 1º).
• j) Intimação de indiciados e testemunhas deve respeitar legislação proces-
sual penal, mas, para a inquirição de testemunhas e autoridades, só no que
couber (Art. 148, § 2º).
• k) Atos processuais da CPI têm aplicação subsidiária do Código de Pro-
cesso Penal (Art. 153).
• l) Se uma CPI deliberar, o presidente pode designar membro da CPI ou ser-
vidor do Senado para sindicância ou diligência (Art. 149).
• m) Término dos trabalhos da CPI:
–– Relatório e conclusões enviados à Mesa, para conhecimento do pleno;
–– Se o Senado for competente, CPI pode propor Projeto de Resolução
(PRS) (Art. 150, caput e § 1º).
• n) Fatos diversos: a CPI dirá, em separado, sobre cada um, ainda que
antes do fim da investigação dos demais (Art. 150, § 2º);
• o) A CPI enviará conclusões ao MP, se for o caso, para promover respon-
sabilidade dos infratores, civil ou penal (Art. 151).
• p) O prazo da CPI, por requerimento de 1/3 do Senado, pode ser prorrogado
automaticamente. Comunica-se à Mesa, lê-se em plenário e publica-se a
prorrogação no Diário do Senado Federal (Art. 152).
• q) A CPI não pode ultrapassar a legislatura na qual foi criada (Art. 76, § 4º).

�Este material foi elaborado pela equipe pedagógica do Gran Cursos Online, de acordo com a
aula preparada e ministrada pelo professor Emerson Douglas.
ANOTAÇÕES

3
www.grancursosonline.com.br