Sei sulla pagina 1di 44

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Técnico de Nível Médio em


Guia de Turismo

Cód. Senac RJ 11367


Cód. DN 214
Resolução CR nº 01/2012

Eixo Tecnológico: Turismo, Hospitalidade e


Lazer

PPC homologado em: 27.10.2014

Oferta cadastrada em: 06.11.2014


Alterada em: Alteração efetuada:
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Plano de Curso Técnico de Nível Médio

CNPJ XX.YYY.ZZZ/NNNN-VV
Razão Social: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Nome de Fantasia Senac RJ
Esfera Administrativa Federal
Endereço (Rua, Nº). Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Cidade/UF/CEP CIDADE – UF CEP: xxxxx-nnn
Telefone/Fax (DDD) fone Fax: (ddd) nnnnnnnn
E-mail de contato xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Site da unidade www.rj.senac.br
Forma de Oferta Concomitante ou Subsequente
Eixo Tecnológico do XXXXXXXX (nome do eixo tecnológico/da área)
Plano

Habilitação
1 Habilitação: Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo
Carga Horária: 800 horas

2
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Síntese da Oferta
1. Identificação

Gerência de Produto: Turismo & Hotelaria Segmento: HG - Turismo


Categoria: Educação Profissional Técnica de Nível Médio Especificação: Curso Técnico

Código: 11367
Nome Completo: Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo Duração: 800 h
Descrição: Técnico Guia de Turismo Descrição curta: Guia Turis
Eixo Tecnológico: Turismo, Hospitalidade e Lazer Código DN: 214

Número da Resolução: Resolução CR nº 01/2012

2. Observação
Estação de Vivência e Prática Profissional – código SGA 11247.

A Estação de Vivência e Prática Profissional é uma Unidade Curricular Optativa, com carga horária de 30 horas,
integra a matriz curricular do curso, mas não é obrigatória para a certificação do estudante.
A Estação de Vivência e Prática Profissional caracteriza-se por atividades de prática profissional orientada,
realizadas por meio de parcerias com empresas do segmento produtivo relacionadas ao curso e os estudantes
que concluírem as atividades receberão um certificado de participação.
A Estação de Vivência e Prática Profissional é cadastrada no SGA como evento.
Certificação: Participação na Estação de Vivência e Prática Profissional do Curso Técnico em Guia de Turismo

1. Histórico da Mantenedora
O SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial foi criado pelo Decreto-lei nº
8.621, de 10 de janeiro de 1946, que foi regulamentado pelo Decreto nº 61.843, de 5 de
dezembro de 1967. Esses dispositivos legais atribuíram à Confederação Nacional do
Comércio o encargo de organizá-lo e administrá-lo, a partir de objetivos, estrutura e
funcionamento gerais neles estabelecidos.
O Senac foi organizado nacionalmente com uma Administração Nacional e com
Administrações Regionais estaduais autônomas, estrutura que até hoje persiste.
O objetivo primeiro da Instituição era o de promover a aprendizagem comercial metódica
para o menor aprendiz, bem como cursos práticos para os empregados adultos do
Comércio.
Com a evolução da realidade social, econômica e cultural e com o desenvolvimento
organizacional interno, a ação institucional passou a manifestar-se de formas diversas.
A ênfase inicial à aprendizagem e ao trabalho com o menor evoluiu para uma atuação
de cunho mais escolar, com os Ginásios Comerciais e os Cursos Técnicos Comerciais.
Paralelamente, eram realizados cursos para os comerciários adultos, esforço que foi
gradualmente se sobrepondo ao atendimento escolar aos menores.
Outras clientelas foram sendo incorporadas à ação da Entidade, que passou a atender,
além dos menores aprendizes e dos comerciários adultos, os candidatos a emprego, as
pessoas que demandavam preparação para o trabalho com geração de renda e os
trabalhadores em funções gerenciais, em níveis de exigência cada vez mais altos. Essa
incorporação incluiu o atendimento aos comerciantes, prestadores de serviços e suas
respectivas empresas, bem como a outras organizações.

3
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Em compasso com essas mudanças, outras atividades educacionais, serviços e


produtos, além dos cursos convencionais, foram gradativamente sendo oferecidas, tais
como seminários, oficinas, mostras, desfiles, concursos, certificações, programas a
distância, assessorias, consultorias, livros e vídeos.
Em decorrência, os valores e as práticas da organização têm evoluído dos modelos de
serviço público, de ensino escolar regular e assistencialista para os de administração
privada, de educação permanente e de entidade do terceiro setor.
A Administração Regional do Senac no Estado do Rio de Janeiro tem acompanhado
essas transformações e busca hoje um posicionamento de vanguarda, em termos
organizacionais e de prestação de serviços.
Com uma trajetória de prestação de serviços tão longa, o Senac RJ é também um ator
importante na construção da Educação Profissional no país. Atualmente atende a todos
os níveis de Educação Profissional: da formação inicial e continuada à educação
superior.
Em 2013 a estrutura organizacional foi redefinida e ficou assim constituída: uma
Diretoria Regional composta por Superintendências que são responsáveis pela gestão
das Unidades relacionadas às suas áreas de competência, sempre em articulação com
seus gestores, coordenadores e respectivas equipes.
As gerências especializadas da Superintendência de Produtos Educacionais atuam em
áreas específicas de desenvolvimento do conhecimento em Comércio, Serviços,
Turismo e Educação, mantendo uma ação corporativa que compreende a pesquisa e a
abertura de novos mercados e a criação de produtos e serviços, utilizando as mais
modernas concepções e tecnologias de educação continuada, respondendo, assim, pelo
desenvolvimento dos cursos. A Editora Senac RJ produz, além de publicações de
referência, materiais didáticos para os cursos, e as Unidades Polivalentes distribuídas
por todo o Estado do Rio de Janeiro são responsáveis pela operação da educação
profissional.
As Unidades Operativas atuam como modernos ambientes de aprendizagem,
procurando diagnosticar e identificar-se com as características da população local e com
a vocação econômica da região. Têm como função a prestação de serviços e
distribuição de produtos na sua região de influência.
Unidades da Região Norte do Estado:
- Senac Campos;
- Senac Itaperuna;
- Senac Itaocara;
- Senac Santo Antônio de Pádua;
- Senac Macaé I;
- Senac Macaé II;
- Senac Rio das Ostras;
- Senac Cabo Frio;
- Senac Niterói;
- Senac Marechal Floriano;
- Faculdade de Tecnologia Senac Rio (FATEC Senac Rio);
- Senac Santa Luzia;
- Senac São Gonçalo;
Unidades da Região Centro do Estado
- Senac Botafogo;
- Senac Campo Grande;
- Senac Copacabana;
- Senac Barra I
4
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

- Senac Barra II
- Senac Angra dos Reis;
- Senac Itaguaí;
- Senac Resende;
- Senac Volta Redonda;
- Senac Barra Mansa;
- Senac Barra do Piraí;
- Senac Miguel Pereira.
Unidades da Região Sul do Estado
- Centro Politécnico;
- EAD;
- Senac Madureira;
- Senac Bonsucesso;
- Senac Duque de Caxias;
- Senac Irajá;
- Senac Petrópolis;
- Senac Teresópolis;
- Senac Paraíba do Sul;
- Senac Três Rios;
- Senac Nova Friburgo.
- Posto Escola;
- Senac São João de Meriti;
- Senac Nova Iguaçu;
- Senac Nova Iguaçu I;
- Senac Nova Iguaçu II.
A partir do ano de 2000, o Senac RJ construiu de uma forma original e participativa a
sua Proposta Pedagógica. A Proposta Pedagógica alinha a instituição ao recente
movimento de renovação e modernização da Educação Profissional promovida pelo
Conselho Nacional de Educação e pelo Ministério da Educação, cujo processo de
construção foi documentado em livro.
A excelência da Proposta já é reconhecida. Motivou convites para apresentação de seu
conteúdo em importantes encontros de Educação Profissional, tais como o Seminário
Internacional de Educação Profissional, promovido pelo MEC/SEMTEC (outubro de
2000) e o II Seminário Catarinense de Educação Profissional, promovido pelo Conselho
Estadual de Educação de Santa Catarina (agosto de 2001). A proposta e a prática de
Educação Profissional do Senac RJ também já foram objeto de avaliação externa. Em
tese de doutorado apresentada ao Departamento de Educação da PUC Rio, a partir de
um estudo de campo que comparou as propostas político pedagógicas de três
instituições líderes da Educação Profissional no Rio de Janeiro (Senai, Cefet-Química e
Senac), a Professora Dra. Sandra Regina da Rocha Dutra conclui: “apenas o Senac-RJ
respeitou a construção da pedagogia das competências conforme pretendida pelo MEC
e CNE, a ponto inclusive de formular uma proposta de avaliação diferenciada, bem no
espírito de pressupostos sobre competência1”.
A partir da construção da Proposta Pedagógica, desencadeou-se um intenso movimento
de reformulação de programas, currículos, métodos e procedimentos, sobretudo no
âmbito dos cursos técnicos. Atualmente, a Rede de Unidades Senac RJ disponibiliza
inúmeras ofertas articuladas de serviços educacionais, de modo a compor um portfólio
integrado e cumulativo, que favoreça a constituição, ampliação e aprofundamento de

1
Dutra, Sandra R. A Educação Profissional de nível técnico à luz do modelo de competências, uma análise comparativa de
três propostas institucionais, Rio de Janeiro, tese de doutorado apresentada ao Departamento de Educação da PUC Rio,
Junho de 2002, resumo (mímeo).

5
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

novas competências, seguindo a lógica do processo de trabalho, de modo a oferecer


diferentes opções de percursos ou itinerários de desenvolvimento profissional,
explorando as oportunidades de aproveitamento de competências já constituídas.
Ao oferecer um portfólio que permita esse aproveitamento contínuo e articulado de
estudos, os serviços educacionais prestados pelo Senac RJ podem responder de modo
ágil e produtivo às necessidades de desenvolvimento de competências profissionais nas
diversas áreas de conhecimento.
Com isso, todos os atuais programas seguem os princípios norteadores da Educação
Profissional. Adotam, como princípio, o respeito aos valores estéticos, políticos e éticos
previstos na legislação em vigor. Estão voltados para a constituição de competências.
Têm uma organização curricular modular que permite antecipar e ampliar a inserção
produtiva do jovem no mundo do trabalho, condição imprescindível para uma vida digna.
As competências constituídas nos módulos dos programas de Educação Profissional
básica podem ser aproveitadas no itinerário de formação dos cursos técnicos. Todos os
programas estão orientados para a identidade dos perfis profissionais de conclusão dos
cursos. Estão previstas as estratégicas de atualização permanente dos cursos e
currículos, que foram desenhados de acordo com os critérios de flexibilidade,
interdisciplinaridade e contextualização, compondo “árvores do conhecimento” por áreas
ocupacionais.
Em 2002, o Senac RJ iniciou a implementação de cursos de educação profissional de
nível tecnológico. Tal iniciativa permitiu atender às já constatadas expectativas de
formação superior da atual clientela de nível médio, atender à demanda já manifestada
de formação mais complexa de outros interessados e suprir exigências de um mercado
de trabalho cada vez mais competitivo. Do ponto de vista interno, a implementação do
nível tecnológico é facilitada pela construção curricular anterior e adiciona qualidade e
sinergia à programação já existente. O presente projeto é mais um passo de um novo
estágio na desafiante jornada organizacional de contribuição para a reconstrução da
Educação Profissional brasileira.

2. Justificativa
A evolução dos meios de transporte, das telecomunicações e a globalização da
economia foram grandes impulsionadores das viagens e impactaram para que o turismo
se transformasse em uma das atividades econômicas que mais cresceram no mundo
nos últimos tempos. Em 2008, 922 milhões de turistas circularam pelo mundo. Há
apenas três décadas, esse número não ultrapassava 277 milhões.2
A realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, no intervalo de apenas dois
anos, aliada às belezas naturais e culturais, colocou o país em destaque como um dos
principais destinos turísticos do mundo. O Brasil ocupa hoje a posição de líder no
turismo da América Latina, sétimo lugar entre os países que mais recebem eventos
internacionais no mundo e um dos principais emergentes no turismo mundial.
De acordo com pesquisa do Ministério do Turismo, entre os turistas brasileiros que
manifestaram intenção de viajar pelos próximos seis meses, a maioria (72,4%) escolheu
um destino interno, sendo esse mais um reflexo da Copa do Mundo de 2014.
O Ministério do Turismo vem investindo no planejamento para vencer os desafios e
aproveitar as oportunidades de projetar o país no exterior, garantindo o desenvolvimento
para todas as regiões com geração de emprego e renda.

2
Fonte: Plano Aquarela 2020 - Marketing Turístico Internacional do Brasil

6
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro é a cidade mais visitada pelos estrangeiros que vêm ao Brasil em
busca de lazer. A cidade recebeu 1,6 milhão de turistas internacionais de acordo com o
último estudo do Ministério do Turismo, feito em parceria com a Fundação Instituto de
Pesquisas Econômicas (Fipe).3
A cidade do Rio de Janeiro tem uma das melhores infraestruturas do país para os
turistas. No último Ano Novo recebeu dois milhões de pessoas na orla de suas principais
praias. A maior concentração, no entanto, aconteceu durante a Jornada Mundial da
Juventude, quando 3,7 milhões de pessoas visitaram o Rio.4
Nessa perspectiva, o mercado do turismo se amplia e exige profissionais cada vez mais
preparados para agir e se adaptar rapidamente às mudanças desse novo cenário.
O SENAC RJ, com sua metodologia voltada para a constituição de competências, pela
capacidade de constituir parcerias importantes e contratar docentes atuantes e
experientes, tem papel fundamental na qualificação de profissionais para atuar no
cenário promissor do mercado do turismo, contribuindo para a geração de emprego,
renda e oportunidades.
A prática pedagógica, a concepção interdisciplinar do currículo e a adoção de projetos
no desenvolvimento do curso contribuem para o diferencial de qualidade na oferta de
educação profissional na área. Além de manter a sintonia com as necessidades do
mercado, oferece ao estudante a oportunidade de contato estreito com situações
próprias das ocupações na área, o que não acontece com os currículos tradicionais,
quase que estritamente teóricos e distantes da realidade do mercado de trabalho.
Após quase três anos desde a última alteração do curso Técnico em Guia de Turismo, a
Gerência de Produtos de Turismo e Hotelaria reformula o curso com foco na revisão da
estrutura curricular, visando atender a legislação vigente que regulamenta a profissão do
Guia de Turismo5, bem como na atualização de competências e bases tecnológicas
mais adequadas às exigências do mercado para a formação deste profissional que
representa um dos elos mais importantes na cadeia produtiva do turismo. Neste sentido,
o curso sofreu redução de carga horária (de 1000 horas para 800 horas), uma vez que
as qualificações técnicas anteriormente oferecidas (Especialização em Atrativos
Naturais e Culturais), não pertencem mais à estrutura deste curso à luz da legislação
vigente para a profissão do Guia de Turismo.

3. Objetivos
Ao oferecer este curso, o SENAC RJ tem por objetivos:
3.1 Propiciar condições para o desenvolvimento de competências gerais e específicas
para a constituição do perfil de conclusão, contribuindo para a formação de
profissionais preparados para atuarem de forma plena e inovadora na sua área
profissional, por meio da oferta de opções de itinerários de desenvolvimento
profissional, conforme legislação educacional vigente.
3.2 Possibilitar condições para a reflexão, a reconstrução do conhecimento e
aprendizagens significativas que respaldem o desenvolvimento de projetos de ação

3
Fonte: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20140205.html
4
Fonte: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20140205.html
5
Portaria do Ministério do Turismo n.° 27 de 31 de janeiro de 2014, publicada, na seção 1, n.° 22, do Diário Oficial da União,
que estabelece requisitos e critérios para o exercício da atividade de Guia de Turismo e dá outras providências. Trata-se de
uma atualização da legislação que regulamenta a profissão de Guia de Turismo.

7
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

próprios, que propiciem o engajamento pleno no mundo do trabalho, o exercício da


cidadania e o desenvolvimento profissional e pessoal contínuo.

4. Requisitos de acesso e documentos para matrícula


Para inscrição na Habilitação Técnica de Nível Médio será exigido, no mínimo, estar
cursando a 2ª série do Ensino Médio.
O candidato deverá apresentar os seguintes documentos obrigatórios e
complementares:
Documentos Obrigatórios
Estudantes com Ensino Médio Estudantes com Ensino Médio em
concluído curso
Documento oficial de Identificação Documento oficial de Identificação
(orig. e cópia) (orig. e cópia)
Certidão de nascimento ou casamento Certidão de nascimento ou casamento
(orig. e cópia) (orig. e cópia)
CPF (orig. e cópia) CPF (orig. e cópia)
Certificado ou diploma de conclusão de Declaração de matrícula ou Histórico
Ensino Médio (orig. e cópia) ou Parcial do Ensino Médio (orig. e cópia)
Diploma de Graduação (orig. e cópia),
contendo dados da escolaridade
anterior.
Histórico Escolar do Ensino Médio ou
equivalente (orig. e cópia) ou Histórico
de Graduação (orig. e cópia), contendo
dados da escolaridade anterior.

Documentos Complementares
• Publicação em Diário Oficial do certificado do Ensino Médio (cópia)
• Título de eleitor para estudantes maiores de 18 anos e comprovante de
votação da última eleição (apresentação e anotação no sistema)
• Certificado de Reservista para estudantes do sexo masculino entre 18 e
45 anos (apresentação e anotação no sistema)
• Comprovante de residência (cópia)

As matrículas para o curso serão efetuadas em datas determinadas pela Unidade,


respeitados os requisitos de acesso, o cronograma estabelecido pela Unidade e os
termos regimentais.

5. Perfil profissional de conclusão do Técnico em Guia de


Turismo
O Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo é o profissional que orienta, assiste e
conduz pessoas ou grupos durante traslados, passeios, visitas e viagens, com ética
profissional e respeito ao ambiente, à cultura e à legislação. Informa sobre aspectos
socioculturais, históricos, ambientais e geográficos. Apresenta ao visitante opções de
roteiros e itinerários turísticos disponíveis e, quando for o caso, concebe-os
considerando as expectativas e ou necessidades do visitante. Utiliza instrumentos de
comunicação, localização, técnicas de condução, de interpretação ambiental e cultural.

8
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Competências do Perfil:
• Planejar, organizar e vender produtos e serviços turísticos e de hospitalidade com
domínio de ferramentas e conceitos do mercado de turismo tendo como foco a
identificação das necessidades com base no perfil do cliente, atuando de forma ética,
empreendedora e de acordo com a legislação vigente.
• Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e
orientando os turistas, transmitindo informações histórico-geográficas, culturais e
artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e
expectativas dos turistas.
• Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito nacional e América do Sul,
acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações histórico-
geográficas, culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as
às necessidades e expectativas dos turistas.

6. Organização curricular
Os programas de desenvolvimento profissional do Senac RJ têm uma estrutura
modular especialmente desenhada para antecipar e ampliar a inserção do estudante no
mundo do trabalho.
Os módulos dessa estrutura conduzem a qualificações técnicas que, no seu conjunto,
configuram uma habilitação técnica de nível médio. Essas mesmas qualificações, por
sua vez, podem ser oferecidas como programas de formação inicial e continuada dos
trabalhadores, respeitados os requisitos estabelecidos pelo mercado.
Essa perspectiva norteia o processo de aproveitamento de competências, que envolve a
análise e avaliação de saberes e experiências dos estudantes, no âmbito do perfil de
conclusão, dos módulos e respectivas unidades curriculares, conforme prevê a
legislação vigente.
Os módulos são organizados de modo a propiciar a constituição de unidades de
competências relacionadas direta ou indiretamente às qualificações correspondentes e à
habilitação, o que implica em um trabalho articulado entre todos os instrutores, através
de atividades relacionadas a ações ou projetos integradores.
Esses projetos ou ações devem propiciar a constituição das competências profissionais
do respectivo módulo e, cumulativamente, da própria habilitação.
A Unidade de Orientação para o Trabalho - UOT, que integra os módulos de
qualificação, com duração de 8 horas presenciais e 12 não presenciais, permite aos
estudantes uma percepção analítica do cenário atual da geração de trabalho, emprego e
renda, bem como a elaboração de um plano de desenvolvimento profissional. Propicia a
constituição de competências básicas para a cidadania e a vida produtiva.
Os módulos de Qualificação Técnica terão duração de acordo com as competências a
constituir e com as diretrizes operacionais do Senac RJ. As Unidades Curriculares que
os compõem poderão ser articuladas por ações especiais ou projetos relacionados
diretamente com a situação de trabalho típica da qualificação técnica pretendida. A
duração mínima de cada habilitação atenderá ao determinado na legislação vigente.
A Habilitação Técnica compreende o conjunto das qualificações técnicas que
compõem a estrutura curricular do itinerário de desenvolvimento profissional. O perfil
profissional de conclusão deve contemplar as competências previstas na legislação
educacional vigente, bem como as normas estabelecidas pelos Conselhos Profissionais.
Essa organização curricular:
9
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 propicia um movimento crescente de inclusão-aprofundamento-ampliação das


competências de um módulo para outro;
 favorece a melhoria da qualidade dos serviços prestados e permite antecipar a
inserção produtiva do participante no mercado de trabalho.
 está inserida num desenho curricular amplo, que abrange e integra, quando possível,
outros eixos, tendo em vista propiciar aos estudantes opções de itinerários
profissionais.
 constitui-se de módulos que têm em sua composição unidades curriculares
articuladas por uma ação ou projeto integrador e que também poderão ser
oferecidas em ambientes reais de trabalho ou por meio de atividades não
presenciais, tais como: visitas técnicas, estudos e pesquisas, participação em
eventos específicos, vivências etc.
 foi estruturada a partir da análise do perfil profissional pretendido, de modo a
assegurar a integração entre seus diversos componentes, na perspectiva da
contextualização e interdisciplinaridade, conforme as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico, sistematizadas no Parecer
CNE/CEB nº. 11/2012 e respectivas Resoluções.

6.1. Estrutura curricular


O curso Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo terá a seguinte estrutura
curricular:

Módulo Duração
Módulo 1 Produtos e Serviços Turísticos (operados pelo Guia) 180 h
Módulo 2 Guiamento em Turismo – Excursão Regional 320 h
Módulo 3 Guiamento em Turismo – Excursão Nacional e América do Sul 300 h
Habilitação Técnica: Técnico em Guia de Turismo 800 h

6.2. Requisitos/condições
Unidades curriculares obrigatórias: Todas.
Requisitos de módulo: Não há.
Unidades curriculares eletivas: Não há.
Unidades curriculares optativas: Estação de Vivência e Prática Profissional
Unidades curriculares de correquisito: Não há.
Atividades complementares: Não há.

6.3. Detalhamento dos módulos


Módulo 1: Produtos e Serviços Turísticos (operados pelo Guia) − com duração de
180 horas.
Duração
Unidades curriculares
em horas
Unidade de Orientação para o trabalho (UOT) 20
Mercado do Turismo 36
Comunicação para Guiamento 36
Agenciamento e Operações de Turismo 40
Turismo e Meio Ambiente 32
Projeto integrador Criação e Venda de Produtos e Serviços Turísticos Operados pelo 16
Guia de Turismo.
DURAÇÃO TOTAL 180

10
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Módulo 2: Guiamento em Turismo Excursão Regional − com duração de 320 horas.


Duração em
Unidades curriculares
horas
História Aplicada ao Turismo Regional 36
Geografia Aplicada ao Turismo Regional 36
História da Arte Aplicada ao Turismo Regional 36
Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural em Âmbito Estadual 36
Inglês para Guiamento 36
Primeiros Socorros 20
Técnicas de Guiamento Regional 52
Projeto integrador Condução de Grupo em Âmbito Regional 68
DURAÇÃO TOTAL 320
Estação de Vivência e Prática Profissional – Optativa 30

Módulo 3: Guiamento em Turismo – Excursão Nacional e América do Sul − com


duração de 300 horas.
Duração em
Unidades curriculares
horas
História Cultural Aplicada ao Turismo Nacional e América do Sul 60
Geografia Turística Aplicada ao Turismo Nacional e América do Sul 60
Espanhol para Guiamento 36
Técnicas de Guiamento Nacional e América do Sul 56
Projeto integrador Condução de Grupo em Âmbito Nacional e América do Sul 88
DURAÇÃO TOTAL 300

A estrutura da Habilitação técnica de nível médio é composta pelo conjunto dos módulos
que integram a estrutura curricular do itinerário de desenvolvimento profissional,
totalizando 800 horas. O perfil profissional de conclusão do Técnico contempla as
unidades de competência previstas na legislação educacional vigente, bem como as
normas estabelecidas pelos Conselhos Profissionais.

6.4. Detalhamento das Unidades Curriculares


Módulo I: Produtos e Serviços Turísticos (operados pelo Guia) – Duração: 180 horas
a) Unidade de Orientação para o Trabalho - UOT
Competências:
 Apresentar ideias de forma clara e concisa, facilitando a comunicação.
 Conviver com regras, superando as diferenças culturais.
 Tomar decisões sobre a vida pessoal e profissional a partir da busca, coleta,
organização e análise de informações de diferentes campos de conhecimento,
considerando critérios éticos.
 Trabalhar cooperativamente na busca de soluções coletivas para problemas dos
diferentes contextos da vida.
Bases Tecnológicas (conteúdos):
 Comunicação e convivência.
 Mercado de trabalho: tendências e possibilidades.
Infraestrutura: Ambiente convencional, equipado com quadro branco e flip chart.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Material do estudante produzido pelo Senac.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): não há.

11
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Insumos: Plano de Curso, tabuleiros do jogo Trilha do Sucesso, pilots de várias cores,
apagador e cola. Folhas de papel em branco, classificados de jornais (Anúncios de
emprego) e barbante.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

b) Mercado do Turismo:
Competências
 Auxiliar no planejamento e organização de produtos e serviços turísticos e de
hospitalidade adequados à clientela.
 Relacionar-se com os diversos elos da cadeia produtiva do turismo tendo em vista a
qualidade do atendimento.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Modalidades, tipos e formas de turismo: oferta, demanda e produto turístico;
 Tipologia e classificação do Turismo;
 Segmentação do turismo;
 Perfil de comportamento do consumidor no turismo;
 Legislação Turística e outras relacionadas à área;
 Diversidade Cultural.
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

c) Comunicação para Guiamento:


Competências
 Comunicar-se com clientes e profissionais da área com clareza, precisão e
cordialidade, utilizando vocabulário técnico específico e atitude profissional adequada.
 Comunicar-se de forma direcionada às necessidades da demanda/perfil do
consumidor.
 Prestar informações referentes ao turismo e aos serviços, contextualizando-as às
necessidades e expectativas dos turistas, respeitando as diferenças culturais.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Formas e técnicas de comunicação oral;
 Apresentação pessoal e etiqueta
 Diversidade Cultural;
 Gestão de conflitos.

12
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

d) Agenciamento e Operações de Turismo:


Competências
 Planejar a elaboração, venda e operação de produtos turísticos, considerando o
segmento e as características do público-alvo;
 Pesquisar destinos e roteiros, bem como organizar rooming list, pick up list, utilizando
ferramentas de informática.
 Participar da operação do turismo receptivo e emissivo desde a contratação de
fornecedores até a entrega do produto, visando à superação de expectativas do
cliente.
 Vender produtos e serviços turísticos atuando de forma ética segundo as normas da
legislação vigente.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Roteirização com manejo de mapas, guias e manuais;
 Precificação de produtos turísticos;
 Ferramentas de navegação pela Internet;
 Técnicas e regras de interpretação e elaboração de contratos;
 Técnicas, regras e procedimentos de: reserva, efetivação e acompanhamento de
acomodação, transferência, passeios, visitas, excursões, ingressos;
 Rooming list, pick up list;
 Técnicas de marketing e vendas de serviços e produtos turísticos.
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção. Laboratório de informática com acesso à internet.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

e) Turismo e Meio Ambiente:


Competências
 Avaliar e selecionar informações para os grupos de turistas, com base nos
ecossistemas de Unidades de Conservação;
 Atuar com respeito ao meio ambiente, aplicando os princípios da legislação
ambiental, sendo referência para o turista.

13
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Princípios e fundamentos de sustentabilidade ambiental;
 Educação ambiental interpretativa;
 Plano de manejo;
 Impactos ambientais (positivos e negativos) do Turismo.
 Legislação ambiental.
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

f) Projeto Integrador – Criação e Venda de Produtos e Serviços Turísticos Operados


pelo Guia de Turismo:
Competências
 Participar da gestão do processo de articulação e coordenação dos diversos serviços
turísticos, desde seu planejamento até a venda dos serviços.
 Articular e coordenar os diversos serviços de apoio de forma ética, com segurança e
de acordo com as normas de legislação vigentes.
 Prestar informações referentes ao turismo e aos serviços, contextualizando-as às
necessidades e expectativas dos turistas.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Este componente curricular explora de forma integrada as bases das demais
unidades curriculares do curso.

Atividade Foco:
 Planejar a elaboração e realizar a venda de um produto turístico operado pelo guia,
abrangendo todos os equipamentos e serviços de apoio ao turismo, a partir da
identificação do perfil/necessidade do consumidor/demanda.

Observação: Este produto turístico deverá servir de base para a execução das viagens
técnicas dos Projetos Integradores nos Módulos 2 e 3.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.

14
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Unidades equivalentes: Não há.

Módulo 2: Guiamento em Turismo – Excursão Regional – Duração: 320 horas


a) História Aplicada ao Turismo Regional:
Competências
 Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos históricos dos
principais atrativos turísticos da região (Estado).
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Aspectos históricos da região (Estado) aplicados ao turismo segundo a regionalização
turística do Estado do RJ;
 Costa do Sol;
 Costa Verde;
 Região Serrana;
 Vale do Café;
 Rio Antigo (Colonial, Imperial e Republicano).
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

b) Geografia Aplicada ao Turismo Regional:


Competências:
 Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos geográficos dos
principais atrativos turísticos da região (Estado).
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Aspectos geográficos, socioeconômicos e ambientais da região (Estado) aplicados ao
turismo segundo a regionalização turística do Estado do RJ;
 Costa do Sol;
 Costa Verde;
 Região Serrana;
 Vale do Café;
 Cidade do Rio de Janeiro;
 Orientação e localização em mapas (para roteirização);
 Principais ecossistemas / biomas;
 Geografia física: relevo, clima e hidrografia;
 Infraestrutura urbana / turística para os principais destinos.
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.

15
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Insumos: Não há.


Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

c) História da Arte Aplicada ao Turismo Regional:


Competências:
 Transmitir informações com base nos estilos de arte, da arquitetura local, nos
diversos atrativos de um museu, no contexto regional (Estado do RJ).
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Estilos e história da arte, no âmbito estadual:
 Arte Primitiva / Antiga;
 Gótico / Neogótico;
 Renascentista;
 Barroco e Rococó;
 Neoclássico / Ecletismo;
 Art Nouveau / Art Déco;
 Modernismo;
 Arte Contemporânea;

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

d) Patrimônio Cultural em Âmbito Regional:


Competências:
 Transmitir informações com base nos dados do Patrimônio Histórico, Artístico e
Cultural, no contexto regional.
 Transmitir informações com base nas manifestações artísticas, folclóricas, artesanais,
gastronômicas, no contexto regional.
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Educação patrimonial;
 Educação em museus;
 Turismo e patrimônio cultural.
 Patrimônio Arqueológico;
 Patrimônio Histórico:
• Herança Portuguesa Colonial;
• Herança Africana;
• Herança Indígena;
 Patrimônio Artístico:
 Patrimônio Gastronômico;
 Manifestações de Cultura Popular do Estado;

16
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 Festas e devoções religiosas;


 Danças típicas;
 Artesanato típico;
 Diversidade Cultural;

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

e) Inglês para Guiamento:


Competências:
 Informar e orientar turistas, utilizando vocabulário específico ao contexto profissional
em inglês, atendendo as suas necessidades e provendo as soluções adequadas.
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Vocabulário relativo à comida e bebida, cumprimentos e saudações, e recepção de
turistas.
 Fraseologia básica de turismo e hospitalidade em língua inglesa.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.

Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: RUBIO, Braulio. Inglês para
profissionais de turismo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

f) Primeiros Socorros:
Competências:
 Providenciar as medidas necessárias em casos de emergência.
 Aplicar técnicas de primeiros socorros em situação emergencial.
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Encaminhamento e atendimento em situações de emergência individual e coletiva;
 Gerenciamento de crises.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.

17
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Insumos: Não há.


Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

g) Técnicas de Guiamento Regional:


Competências:
 Conduzir turistas, realizando os procedimentos e utilizando corretamente os
equipamentos para serviços de guiamento regional.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Técnicas e regras de aplicação de normas e procedimentos legais específicos ao
Guia de Turismo;
 Técnicas de condução de turistas com orientação, assessoria, interpretação e
transmissão de informações especializadas;
 Regras, normas e técnicas de etiqueta e apresentação pessoal;
 Normas e procedimentos de saúde e de higiene pessoal e ambiental;
 Vivência de situações problema;
 Técnicas de animação e recreação.
Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,
além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

h) Projeto Integrador – Condução de Grupo em Âmbito Regional:


Competências:
 Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e
orientando os turistas, transmitindo informações histórico-geográficas, culturais e
artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e
expectativas dos turistas.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Este componente curricular explora de forma integrada as bases das demais
unidades curriculares do curso.

Atividade Foco:
Condução de um grupo de turistas, realizando as ações inerentes a profissão de Guia
de acordo com as seguintes etapas:
 Elaboração de um roteiro em âmbito regional (conforme produto turístico
criado no módulo 1);
 Organização de rooming list, pick up list, etc;
 Execução do guiamento propriamente dito, desde o início da excursão,
incluindo transporte, trajeto e atrativos turísticos, até o retorno, com ação
preventiva em primeiros socorros.

18
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

Unidade Curricular Optativa: Estação de Vivência e Prática Profissional

Na Estação de Vivência e Prática Profissional o estudante desenvolve atividades


relacionadas às competências do perfil de conclusão, em situação real de trabalho,
contando com apoio metodológico em sala de aula e com a orientação do Instrutor da
Unidade Curricular Técnicas de Guiamento Regional.
Competência:
 Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e
orientando os turistas, transmitindo informações histórico-geográficas, culturais e
artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e
expectativas dos turistas.
Bases tecnológicas: Este componente curricular explora de forma integrada as bases
das demais unidades curriculares do curso.

Infraestrutura: Serão utilizadas instalações de organizações parceiras (Empresas de


Turismo, Operadoras de Turismo, Agências de Viagens e Turismo, Terminais de
transportes, Postos de informações turísticas e Equipamentos Turísticos), como suporte
para atividades voltadas à prática profissional e a parceria será formalizada por meio de
um Termo de Cooperação Técnica (anexo 3 – disponível no GO).

Outros anexos:
 Resumo executivo do curso (anexo 3 A)
 Material Didático: Plano de Atividades para a Estação de Vivência e Prática
Profissional (formulário – anexo 3 B)
Insumos: Serão utilizados insumos fornecidos pelas organizações parceiras (Meios de
Hospedagem, Organizadoras de Eventos, Centros de Convenções, Agência de Viagens
e Eventos).
Pré-requisitos:
 Ter concluído o curso há até uma semana
 Ou estar cursando ou ter concluído, com aprovação, a Unidade Curricular
Projeto Integrador – Condução de Grupo em Âmbito Regional, foco das
atividades da Estação de Vivência e Prática Profissional.

Módulo 3: Guiamento em Turismo – Excursão Nacional e América do Sul – Duração:


300 horas
a) História Cultural Aplicada ao Turismo Nacional e América do Sul
Competências:

19
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos históricos dos
principais atrativos turísticos do Brasil e da América do Sul.
 Transmitir informações com base nas manifestações artísticas, folclóricas, artesanais,
gastronômicas, no contexto Nacional e América do Sul.
 Transmitir informações com base nos dados do Patrimônio Histórico, Artístico e
Cultural, no contexto Nacional e América do Sul.
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Aspectos históricos dos principais destinos no Brasil e América do Sul:
• Região Nordeste: Salvador, Recife, Olinda e São Luís;
• Região Sudeste: São Paulo, Cidades Históricas (MG);
• Região Norte: Manaus e Belém;
• Região Centro-Oeste: Brasília e Goiás Velho;
• Região Sul: Missões Jesuíticas, Florianópolis e Porto Alegre;
• Mercosul: Buenos Aires, Montevidéu, Colônia do Sacramento, Lima, Cuzco e
Machu Picchu.
 Patrimônio Arqueológico;
 Patrimônio Histórico:
• Herança Portuguesa e Espanhola Colonial;
• Herança Africana;
• Herança Indígena;
 Patrimônio Artístico:
• Arte Primitiva / Antiga / Pré-Colombiana;
• Gótico / Neogótico;
• Renascentista;
• Barroco e Rococó;
• Neoclássico / Ecletismo;
• Art Nouveau / Art Déco;
• Modernismo;
• Arte Contemporânea;
 Patrimônio Gastronômico;
 Patrimônio Material e Imaterial;
 Manifestações de Cultura Popular do Estado;
 Festas e devoções religiosas;
 Danças típicas;
 Artesanato típico;
 Diversidade Cultural;

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

b) Geografia Turística Nacional e da América do Sul


Competências:
 Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos geográficos dos
principais atrativos do Brasil e América do Sul.

20
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Aspectos geográficos dos principais destinos do Brasil e América do Sul:
• Região Nordeste: Salvador, Recife, Olinda e São Luís;
• Região Sudeste: São Paulo, Cidades Históricas (MG);
• Região Norte: Manaus e Belém;
• Região Centro-Oeste: Brasília e Goiás Velho;
• Região Sul: Missões Jesuíticas, Florianópolis e Porto Alegre;
• Mercosul: Buenos Aires, Montevidéu, Colônia do Sacramento, Lima, Cuzco e
Machu Picchu.
 Orientação e localização em mapas (para roteirização);
 Principais ecossistemas / biomas;
 Geografia física: relevo, clima e hidrografia;
 Infraestrutura urbana / turística para os principais destinos.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Apostila produzida pela Gerência de Produto
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

c) Espanhol para Guiamento:


Competências:
 Informar e orientar turistas, utilizando vocabulário específico ao contexto profissional
em espanhol, atendendo as suas necessidades e provendo as soluções adequadas.
Bases tecnológicas (conteúdos):
 Vocabulário relativo a: comida e bebida, cumprimentos e saudações, e recepção de
turistas.
 Fraseologia básica de turismo e hospitalidade em língua espanhola.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.

Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: RUBIO, Braulio. Espanhol para
profissionais de turismo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

d) Técnicas de Guiamento Nacional e América do Sul:


Competências:
 Conduzir turistas, realizando os procedimentos e utilizando corretamente os
equipamentos para serviços de guiamento nacional e América do Sul.
Bases tecnológicas (conteúdos):

21
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 Técnicas e regras de aplicação de normas e procedimentos legais específicos ao


Guia de Turismo;
 Técnicas de condução de turistas com orientação, assessoria, interpretação e
transmissão de informações especializadas;
 Regras, normas e técnicas de etiqueta e apresentação pessoal;
 Normas e procedimentos de saúde e de higiene pessoal e ambiental;
 Vivência de situações problema;
 Técnicas de animação e recreação.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.

Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.


Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.
Unidades equivalentes: Não há.

e) Projeto Integrador – Condução de Grupo em Âmbito Nacional e América do Sul:


Competências:
 Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito nacional e América do Sul,
acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações histórico-
geográficas, culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as
às necessidades e expectativas dos turistas.

Bases tecnológicas (conteúdos):


 Este componente curricular explora de forma integrada as bases das demais
unidades curriculares do curso.

Atividade Foco:
 Condução de um grupo de turistas em Âmbito Nacional e América do Sul, realizando
as ações inerentes a profissão de Guia de acordo com as seguintes etapas:
 Elaboração de um roteiro em âmbito nacional;
 Organização de rooming list, pick up list, etc;
 Execução do guiamento propriamente dito, desde o início da excursão,
incluindo transporte, trajeto e pontos turísticos, até o retorno.

Infraestrutura: Ambiente de aprendizagem convencional, adequadamente mobiliado,


além de recursos de apoio didático, como: projetor multimídia, computador com caixas de
som e tela para projeção.
Material Didático (fornecido pelo Senac): Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES,
Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional e a Profissão. 4ª edição. São
Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
Material Didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
Insumos: Não há.
Pré-requisitos: Não há.

22
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Unidades equivalentes: Não há.

6.5. Matriz de articulação (Anexo)

7. Indicações Metodológicas

A prática pedagógica inerente ao currículo ora proposto deve promover o


saber fazer e o saber ser, não como reprodução automática e alienada
de técnicas, regras, processos, valores e normas, mas como expressão
concreta do saber pensar.6

A metodologia adotada para execução do curso ora proposto deve envolver análise e
solução de problemas, estudo de casos, projetos, pesquisas e outras estratégias
didáticas que integrem teoria e prática e focalizem o contexto do trabalho, de modo a
estimular a percepção analítica e a contextualização de informações, o raciocínio
hipotético, a solução de problemas, a apropriação de conhecimentos prévios e a
construção de novos valores e saberes, na perspectiva destacada em epígrafe.

Nesse sentido:
 a prática pedagógica deve oferecer desafios acessíveis aos participantes, por meio
de perguntas, problemas e casos relacionados à realidade, experiência e/ou a
conhecimentos prévios destes, facilitando a atribuição de significado;
 as perguntas e atividades devem ser crítico-funcionais, voltadas à aplicação em
situações reais de trabalho;
 serão estimulados estudos em ambientes de aprendizagem, atividades em
laboratório, atividades práticas monitoradas, visitas técnicas a empresas e
organizações do setor, estágio profissional supervisionado, quando necessário;
 é importante oferecer ajudas didáticas para a elaboração e aplicação de conceitos e
princípios, utilizando ilustrações, exemplos, modelos, orientações variadas etc., bem
como favorecer a troca de idéias entre os participantes, estimulando-os a encontrar
novas possibilidades de aplicação dos conhecimentos em situações reais do
contexto profissional;
 a metodologia deve favorecer a integração entre teoria e prática, por meio da
dinâmica ação-reflexão-ação, a partir de situações desafiadoras que demandem a
apropriação, articulação e aplicação dos conhecimentos, valores e habilidades em
situações variadas, cenário imprescindível para a constituição de competências
profissionais.

A prática pedagógica assim concebida deve permitir que o educando, partindo da sua
experiência de vida, de sua identidade cultural e da interação com os outros, possa
tomar consciência de seu ambiente, da sociedade e do sistema produtivo, percebendo-
se como cidadão coadjuvante do processo de transformação da realidade, e como
profissional comprometido com a saúde e qualidade de vida de pessoas e comunidades.

No que concerne especificamente à prática profissional, o dia-a-dia do contexto de


trabalho na área de Turismo será vivenciado em instalações específicas das Unidades
Senac RJ e em instalações de organizações do setor produtivo, sob a forma de projetos,

6
NORI, M.Teresa Moraes. Parecer técnico-pedagógico sobre o Projeto Arboreto - Universidade Federal do Acre. Junho, 2003.

23
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

estudos de caso, simulações, situações problemas, atividades de extensão e/ou


mediante a participação dos estudantes em empreendimentos ou projetos de interesse
social-comunitário.

8. Estágio profissional supervisionado


O Estágio Supervisionado tem por finalidade propiciar condições para a integração dos
estudantes no mercado de trabalho. É uma atividade de prática profissional, realizada
em situação real de trabalho, que permite maior integração entre teoria e prática e
possibilita melhor compreensão do processo produtivo.
Conforme previsto em legislação vigente, o estágio pode integrar ou não a estrutura
curricular dos cursos. Será obrigatório quando assim o determinar a legislação que
regulamenta a atividade profissional na área. E nos cursos em que o estágio não é
obrigatório, poderá ser facultado aos estudantes por demanda do mercado de trabalho
ou do próprio estudante.
No presente curso, o estágio não é obrigatório. Desse modo, somente será realizado
pelo estudante que desejar.

9. Estação de Vivência e Prática Profissional


A Vivência e Prática Profissional rege-se pelo princípio da autonomia, garantido nos
artigos 12 e 13 da LDB nº 9394/96, pela Resolução CNE/CEB Nº 6/2012 e pelo Parecer
CNE/CEB Nº 20/2012, da Câmara de Educação Básica, do Conselho Nacional de
Educação, homologado pelo Ministro de Estado da Educação, conforme consta do
Processo no 23001.000130/2012-80. Este documento legal responde a consulta de
interesse do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC Rio, quanto ao:
Reconhecimento do caráter educacional das atividades de vivência e prática
profissional, bem como da inexistência de risco de eventuais ações trabalhistas
quando da prática profissional supervisionada em ambientes de trabalho das
organizações empresariais parceiras de instituições educacionais que
desenvolvam cursos de Educação Profissional e Tecnológica, cujos planos de
cursos e respectivos projetos político pedagógicos contemplem explicitamente
essa estratégia de ensino e aprendizagem.
A Estação de Vivência e Prática Profissional é, portanto, uma estratégia de
aprendizagem que tem a finalidade de propiciar aos estudantes reais oportunidades no
mercado de trabalho e nas relações com profissionais para o aperfeiçoamento de
competências adquiridas durante o curso. Caracteriza-se por ser atividade de prática
profissional orientada, realizada por meio de parceria com empresas do setor ou
segmento produtivo relacionado ao curso e integra a matriz curricular como Unidade
Curricular Optativa, não sendo, portanto, obrigatória para o estudante concluir o curso.
O Plano de Atividades (anexo) define o que deverá ser desenvolvido pelos estudantes
durante a realização da estação de Vivência e Prática Profissional e a referência para
sua elaboração são as competências previstas no Módulo 2 do curso.
O prazo máximo para o início das atividades da Estação de Vivência e Prática
Profissional é de até uma semana após o encerramento do curso. A carga horária
máxima é de até 80 horas.
Para o preenchimento das vagas serão encaminhados prioritariamente os estudantes
que se destacarem pelos seus resultados de aprendizagem (conceito e frequência).

24
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

10. Aproveitamento de estudos


A legislação de educação profissional vigente explicita que é possível aproveitar
conhecimentos, experiências e competências adquiridas anteriormente pelo estudante,
desde que estejam diretamente relacionados com o perfil profissional de conclusão da
respectiva qualificação ou habilitação profissional, respeitadas as seguintes condições:
Estudos, Experiências e Competências já adquiridos pelo estudante:
 no ensino médio: serão aproveitados até o limite de 25% do total da carga horária
mínima do curso, independente de exames específicos;
 em qualificações profissionais e etapas ou módulos de nível técnico concluídos
em outros cursos: serão aproveitados mediante análise documental ou avaliação
de competências, conforme o caso;
 em cursos de educação profissional de formação inicial e continuada: mediante
avaliação do estudante;
 no trabalho ou por outros meios informais: mediante avaliação do estudante; e
 em processos formais de certificação profissional: mediante análise documental
ou avaliação de competências, conforme o caso.
O processo de Aproveitamento de Estudos, Experiências e Competências anteriormente
constituídas pelo estudante, para fins de prosseguimento de estudos, será feito
conforme as diretrizes legais e orientações organizacionais vigentes7. O aproveitamento
deverá ser requerido antes do início das atividades de cada módulo ou curso, em tempo
hábil para a análise, a indicação de eventuais complementações e deferimento por parte
da Unidade.

11. Critérios de avaliação


11.1 Perspectiva de Avaliação
A avaliação da aprendizagem tem função diagnóstica e será contínua e de
responsabilidade do Instrutor, mediante a realização de atividades de pesquisas,
projetos, prática profissional em laboratórios ou ambientes reais de trabalho,
seminários, trabalhos escritos e similares.
A avaliação é um processo que captará e fornecerá informações relevantes para a
tomada de decisão para o aprimoramento permanente do processo educativo.
Destina-se a verificar a capacidade do estudante de corresponder ao perfil
profissional e às competências previstas no projeto pedagógico de curso, em cada
unidade curricular que compõem a estrutura do curso.
A avaliação deve ocorrer sistematicamente durante todo o processo de construção
das competências, subsidiando ajustes constantes, de modo a funcionar como um
mecanismo regulador da prática pedagógica. Deve oferecer aos estudantes a
oportunidade de confirmar suas competências, bem como de manifestar suas
dúvidas, dificuldades ou necessidades de aprendizagem. Deve permitir que o
instrutor verifique se sua ação está adequada às necessidades de aprendizagem dos
estudantes, se deve ou não mudar as estratégias didáticas, os recursos de apoio, ou
mesmo as bases científicas e tecnológicas.
11.2. Processo e Registro de Avaliação

7
As orientações organizacionais sobre a implementação do processo de Aproveitamento de Estudos Experiências e
Competências encontram-se no Guia de Orientação específico.

25
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

A avaliação da aprendizagem será sistemática e cumulativa, com prevalência dos


aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período
sobre o desempenho em situações pontuais.
O resultado do processo de avaliação será registrado por Unidade Curricular e
expresso em menções:
- Ótimo (9 a 10) – o desempenho supera com excelência a performance
requerida.
- Bom (7 a 8,9) – o desempenho supera a performance requerida.
- Suficiente (6 a 6,9) – o desempenho atende a performance requerida.
- Insuficiente (0 a 5,9) – o desempenho não atende à performance requerida
A avaliação do participante será feita por unidade curricular, incidindo sobre a
frequência e o aproveitamento.
Será considerado Aprovado aquele que obtiver conceito mínimo "Suficiente" nas
avaliações de cada Unidade Curricular, realizadas durante o processo de
aprendizagem, além da frequência mínima obrigatória de 75% no módulo.
Será considerado Reprovado aquele que obtiver conceito “Insuficiente” na Unidade
Curricular e/ou exceder o limite de 25% de ausência no módulo, independente do
resultado da avaliação.
Os estudantes deverão ter pleno conhecimento dos critérios e procedimentos a
serem adotados para o desenvolvimento do curso, bem como sobre as normas
regimentais sobre a avaliação, recuperação, frequência e promoção.
11.3. Recuperação
A recuperação será paralela e contínua, no decorrer da Unidade Curricular,
imediatamente após a identificação das dificuldades de aprendizagem. Para tanto,
será elaborado um Plano de Atividades de Recuperação.
O Plano de Atividades de Recuperação será organizado individualmente ou em
grupo, em torno das competências nas quais o estudante demonstrou dificuldades e
sua aplicação será feita pelo Instrutor. Esse Plano será elaborado pelo Instrutor, sob
a orientação do Coordenador de Curso, e o registro dos resultados será efetuado
conforme orientações da Superintendência de Educação.
11.4. Indicadores de competências e respectivos procedimentos de avaliação
A avaliação de competências requer critérios, procedimentos e instrumentos
apropriados. A tabela a seguir contém indicadores e tipos de avaliação adequados
para verificar se o estudante desenvolveu as competências previstas.

Módulo 1: Produtos e Serviços Turísticos (operados pelo guia)

Procedimentos/ Instrumentos de
Competências Indicadores de competências
avaliação

 Planeja e organiza produtos e serviços  Avaliação escrita: Estudo de caso no


 Participar da gestão do turísticos e de hospitalidade adequados qual o estudante deverá planejar e
processo de articulação e às necessidades do cliente. organizar um produto ou serviço turístico,
coordenação dos diversos
desde a oferta até a venda, considerando
serviços turísticos, desde seu
 Planeja a venda e operação de produtos às necessidades do cliente, pesquisando
planejamento até a venda dos
turísticos, considerando o segmento e destinos e roteiros, organizando rooming
serviços.
as características do público-alvo; list, pick up list utilizando ferramentas de

26
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

informática.

 Pesquisa destinos e roteiros, organiza  Avaliação escrita: Apresentar relatório


rooming list, pick up list, utilizando de dimensionamento de destinos turísticos
ferramentas de informática. com seus respectivos atrativos, tendo
como foco o perfil e características do
público-alvo.

 Relaciona-se com os diversos elos da  Prática simulada: Dramatização de


cadeia produtiva do turismo tendo em situações em que o Guia de Turismo
vista a qualidade do atendimento. relaciona-se com seus
parceiros/fornecedores, tais como:
agências e/ou operadoras de viagem,
 Participa da operação do turismo hotéis, transportadoras, restaurantes e
receptivo e emissivo desde a representantes de atrativos turísticos.
contratação de fornecedores até a
entrega do produto, visando à  Prática simulada: Dramatização de
superação de expectativas do cliente. situações em que o Guia de Turismo atua
com respeito ao meio ambiente.
 Articular e coordenar os
diversos serviços de apoio, de
forma ética, com segurança e  Avaliação escrita com estudos de
de acordo com as normas de caso envolvendo questões de ética,
legislação vigentes. qualidade no atendimento, relações
interpessoais com fornecedores, clientes e
parceiros e meio ambiente.
 Atua com respeito ao meio ambiente,
aplicando os princípios da legislação  Avaliação escrita: Apresentar relatório
ambiental, sendo referência para o de visita técnica a um ou mais
turista. componentes da cadeia produtiva do
turismo, tais como: agências e/ou
operadoras de viagem, hotéis e atrativos
turísticos que sejam referência em
sustentabilidade e respeito ao meio
ambiente.

 Comunica-se com clientes e


profissionais da área com clareza,
precisão e cordialidade, utilizando
vocabulário técnico específico e atitude
profissional adequada.  Prática simulada: Dramatização de
contato com o cliente no que se refere à
 Avalia e seleciona informações aos venda de produtos turísticos, bem como de
grupos de turistas, com base nos transmissão de informações de produtos
ecossistemas de Unidades de turísticos.
Conservação.
 Prestar informações referentes  Avaliação escrita: Estudo de caso
ao turismo e aos serviços,
 Comunica-se de forma direcionada às sobre unidade de conservação tendo como
contextualizando-as às
necessidades da demanda/perfil do foco infraestrutura para receber turistas,
necessidades e expectativas
consumidor. bem como atividades de educação
dos turistas.
ambiental.
 Presta informações referentes ao
turismo e aos serviços,  Seminário: Apresentar produto
contextualizando-as às necessidades e turístico tendo como foco análise das
expectativas dos turistas, respeitando as necessidades da demanda e
diferenças culturais. características do público-alvo.

 Vende produtos e serviços turísticos


atuando de forma ética segundo as
normas da legislação vigente.

Módulo 2 – Guiamento em Turismo Excursão Regional

Procedimentos/ Instrumentos de
Competências Indicadores de competências
avaliação

27
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 Transmite informações aos grupos de  Avaliação escrita: Apresentar


turistas com base em aspectos históricos relatórios de visita técnica a atrativos com
dos principais atrativos turísticos da base em aspectos históricos, geográficos,
região (Estado). artísticos e bens patrimoniais referentes
as atividades desenvolvidas nas Unidades
 Transmite informações aos grupos de Curriculares deste módulo.
turistas com base em aspectos
geográficos dos principais atrativos  Prática simulada: Dramatização de
turísticos da região (Estado). situações do Guia de Turismo, no
exercício de sua profissão, no que se
 Transmite informações com base nos refere à condução de turistas e
estilos de arte, da arquitetura local, nos transmissão de informações com base em
diversos atrativos de um museu, no aspectos históricos, geográficos, artísticos
contexto regional (Estado do RJ). e bens patrimoniais referentes as
atividades desenvolvidas nas Unidades
Curriculares deste módulo.
 Planejar e executar  Transmite informações com base nos
dados do Patrimônio Histórico, Artístico e
atividades de guiamento em Cultural, no contexto regional.  Prática simulada: Dramatização de
âmbito regional, situações do Guia de Turismo com o
acompanhando e cliente/turista, utilizando termos técnicos
orientando os turistas,  Transmite informações com base nas básicos em inglês.
manifestações artísticas, folclóricas,
transmitindo informações artesanais, gastronômicas, no contexto
histórico-geográficas, regional.  Atividade de prática profissional:
culturais e artísticas em Condução de grupos em âmbito regional
programações específicas, (Estado do Rio de Janeiro).
 Informa e orienta turistas, utilizando
contextualizando-as às vocabulário específico ao contexto
necessidades e profissional em inglês, atendendo as  Prática simulada: Dramatização de
expectativas dos turistas. suas necessidades e provendo as situações do dia a dia de um Guia de
soluções adequadas. Turismo ao deparar-se com uma situação
de emergência.
 Providencia as medidas necessárias em  Avaliação escrita: Estudos de caso
casos de emergência. com situações problema envolvendo
emergência e primeiros socorros.
 Aplica técnicas de primeiros socorros em
situação emergencial.  Prática simulada: Dramatização de
situações de utilização correta dos
equipamentos de guiamento.
 Conduz turista ou grupos, realizando os  Avaliação escrita: Estudos de caso
procedimentos e utilizando corretamente com situações problema envolvendo
os equipamentos para serviços de procedimentos e uso de equipamentos em
guiamento regional. serviços de guiamento.

Módulo 3 – Guiamento em Turismo Excursão Nacional


Procedimentos/ Instrumentos de
Competências Indicadores de competências
avaliação

 Planejar e executar  Transmite informações aos grupos de


turistas com base em aspectos históricos
atividades de guiamento em
dos principais atrativos turísticos do  Avaliação escrita: Apresentar
âmbito nacional e América Brasil e da América do Sul; relatórios de visita técnica a atrativos com

28
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

do Sul, acompanhando e  Transmite informações com base nas base em aspectos históricos, geográficos,
orientando os turistas, manifestações artísticas, folclóricas, artísticos e bens patrimoniais referentes
transmitindo informações artesanais, gastronômicas, no contexto as atividades desenvolvidas nas Unidades
Nacional e América do Sul. Curriculares deste módulo.
histórico-geográficas,
culturais e artísticas em
programações específicas,  Transmite informações com base nos  Prática simulada: Dramatização de
dados do Patrimônio Histórico, Artístico e situações do Guia de Turismo, no
contextualizando-as às
Cultural, no contexto Nacional e América exercício de sua profissão, no que se
necessidades e do Sul; refere à condução de turistas e
expectativas dos turistas. transmissão de informações com base em
aspectos históricos, geográficos, artísticos
 Transmite informações aos grupos de
e bens patrimoniais referentes as
turistas com base em aspectos
atividades desenvolvidas nas Unidades
geográficos dos principais atrativos do
Curriculares deste módulo.
Brasil e América do Sul.

 Prática simulada: Dramatização de


situações do Guia de Turismo com o
 Informa e orienta turistas, utilizando
cliente/turista, utilizando termos técnicos
vocabulário específico ao contexto
básicos em espanhol.
profissional em espanhol, atendendo as
suas necessidades
 Avaliação escrita: Estudos de caso
com situações problema envolvendo
procedimentos e uso de equipamentos em
 Conduz turista ou grupos, realizando os serviços de guiamento nacional e América
procedimentos e utilizando corretamente do Sul.
os equipamentos para serviços de
guiamento nacional e América do Sul.  Atividade de prática profissional:
Condução de grupos em âmbito nacional.

11.5. Prazo de integralização


A duração prevista do curso é de 800 horas, distribuídas em cerca de 10 meses. O
prazo entre o início do primeiro e a conclusão do último módulo não poderá exceder
a 2 anos.

12. Recuperação Paralela


A recuperação paralela envolve ações destinadas a suplantar problemas de
aprendizagem dos estudantes, durante o desenvolvimento da unidade curricular, de
modo a aumentar a probabilidade de constituição das competências previstas no projeto
pedagógico.
Assim, no transcorrer das atividades de aprendizagem de cada unidade curricular, à
medida que o instrutor constatar que algum estudante está com dificuldade de
desempenho, imediatamente deve iniciar ações de recuperação, tais como estudo de
casos, pesquisas e outras atividades que propiciem o desenvolvimento da(s)
competência(s) não constituída(s). Isso pode ser feito dentro ou fora da sala de aula
(mediante atividades não presenciais).

13. Instalações e equipamentos/recursos


Para obter os resultados educacionais esperados, o desenvolvimento do curso requer
uma infraestrutura com:
 Ambientes de aprendizagem convencionais adequadamente mobiliados, além de
recursos de apoio didático, como: laboratório de informática; projetor multimídia; tela;
TV; vídeos e outros.

29
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

 Material didático (fornecido pelo Senac):


 Apostila - Unidade de Orientação para o Trabalho (UOT) - Senac RJ
 Apostila produzida pela Gerência de Produto
 Livro: CHIMENTI, Silvia e TAVARES, Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O
Profissional e a Profissão. 4ª edição. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
 Livro: RUBIO, Braulio. Inglês para profissionais de turismo. São Paulo: Editora Senac
São Paulo, 2012.
 Livro: RUBIO, Braulio. Espanhol para profissionais de turismo. São Paulo: Editora
Senac São Paulo, 2012.
 Material didático (a ser adquirido pelo estudante): Não há.
 Uniforme: Uma camiseta azul marinho, malha 100% algodão, com meia manga, fio
30/1 penteado, 170 g/m2, costura reforçada no ombro, com aplicação de estampa
em uma cor, frente/costas.
Quantidade: uma camiseta por aluno durante o curso.
A camiseta é somente para saídas técnicas, não é obrigatória para uso em sala de
aula.

 Bibliografia de Referência:
Bibliografia Básica:
 ANSARAH, Maria Gomes Reis (org). Turismo: Como Aprender, Como Ensinar. Volume
2. 4ª edição. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.
 CHIMENTI, Silvia e TAVARES, Adriana de Menezes. Guia de Turismo: O Profissional
e a Profissão. 4ª edição. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.
 TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi (org). Turismo: Como Aprender, Como Ensinar. Volume
1. 5ª edição. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.

Bibliografia Complementar: Não há.

14. Equipe Técnica e Corpo de instrutores


14.1. Equipe de instrutores
O desenvolvimento do curso ora proposto requer um corpo de instrutores
devidamente qualificado, com experiência profissional comprovada na área ou no
campo específico do componente curricular no qual deverá atuar, nos termos da
Resolução CNE/CEB nº 04/99. Deve ser considerada a seguinte ordem de
preferência:
 licenciados na área profissional do componente curricular;
 graduados na área profissional do componente curricular;
 graduados em áreas afins, com experiência na área do componente curricular;
 técnico de nível médio na subárea profissional do componente curricular.

Levando em conta as exigências didáticas, e tendo em vista a qualidade dos


resultados educacionais obtidos com a prática pedagógica deste e dos demais
cursos, o Senac RJ proporcionará aos docentes, direta ou indiretamente, programas
de formação continuada em serviço.

14.2. Equipe Técnica


Os profissionais da equipe técnica terão formação e experiência profissional
compatíveis com as necessidades da função e da área em que atuam.

30
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

A coordenação do curso Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo será de


competência da Gerência de Produto de Turismo e Hotelaria.

15. Certificação
Àquele que concluir o conjunto dos componentes curriculares da Habilitação
Profissional e comprovar a conclusão do Ensino Médio, será conferido o diploma de
Técnico em Guia de Turismo, eixo tecnológico de Turismo, Hospitalidade e
Lazer, com validade nacional.
Observação: o estudante que concluir o conjunto dos componentes curriculares
correspondentes à Habilitação Profissional, objeto deste plano de curso, sem ter
concluído o Ensino Médio, deve ser informado, antecipadamente, que receberá seu
diploma de técnico somente após comprovar a conclusão deste nível de ensino.

31
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Anexo 1: Curso Técnico de nível médio em Guia de Turismo


Matriz de articulação entre competências do perfil de conclusão e módulos

Competências do Planejar, organizar e vendar Planejar e executar atividades de


Planejar e executar atividades de
produtos e serviços turísticos e de guiamento em âmbito nacional e
perfil hospitalidade com domínio de
guiamento em âmbito regional,
América do Sul, acompanhando e
acompanhando e orientando os
ferramentas e conceitos do orientando os turistas, transmitindo Duração
turistas, transmitindo informações
mercado de turismo tendo como informações histórico-geográficas,
foco a identificação das
histórico-geográficas, culturais e
culturais e artísticas em
em
artísticas em programações horas
necessidades com base no perfil do programações específicas,
específicas, contextualizando-as
cliente, atuando de forma ética, contextualizando-as às
às necessidades e expectativas
empreendedora e de acordo com a necessidades e expectativas dos
Módulos dos turistas.
legislação vigente. turistas.

1. Produtos e x 180
Serviços Turísticos
2 Guiamento em
Turismo: Excursão x 320
Regional
3. Guiamento em
Turismo: Excursão x 300
Nacional e América
do Sul
Habilitação: Técnico em Guia de Turismo 800

33
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Módulo 1 – Matriz de Articulação – Produtos e Serviços Turísticos (operados pelo guia)

Competências
do módulo
Participar da gestão do processo de articulação e Articular e coordenar os diversos serviços de apoio, Prestar informações referentes ao turismo e aos
Duração em
coordenação dos diversos serviços turísticos, desde de forma ética, com segurança e de acordo com as serviços, contextualizando-as às necessidades e
horas
seu planejamento até a venda dos serviços. normas de legislação vigentes. expectativas dos turistas.
Unidades
Curriculares

• Apresentar ideias de forma clara e concisa, facilitando a comunicação;


• Conviver com regras, superando as diferenças culturais;
• Tomar decisões sobre a vida pessoal e profissional a partir da busca, coleta, organização e análise de informações de diferentes campos de conhecimento, considerando
UOT critérios éticos; 20
• Trabalhar cooperativamente na busca de soluções coletivas para problemas dos diferentes contextos da vida.
• Comunicação e convivência;
• Mercado de trabalho: tendências e possibilidades.
• Auxiliar no planejamento e organização de produtos • Relacionar-se com os diversos elos da cadeia
e serviços turísticos e de hospitalidade adequados à produtiva do turismo tendo em vista a qualidade do
clientela. atendimento.
• Modalidades, tipos e formas de turismo: oferta, • Modalidades, tipos e formas de turismo: oferta
demanda e produto turístico; demanda e produto turístico;
Mercado do Turismo 36
• Tipologia e classificação do Turismo; • Tipologia e classificação do Turismo;
• Segmentação do turismo; • Segmentação do turismo;
• Perfil de comportamento do consumidor no turismo; • Perfil de comportamento do consumidor no turismo;
• Legislação Turística e outras relacionadas à área; • Legislação Turística e outras relacionadas à área;
• Diversidade cultural. • Diversidade cultural.
• Comunicar-se com clientes e profissionais da área com clareza, precisão e cordialidade, utilizando vocabulário técnico específico e atitude profissional adequada;
• Comunicar-se de forma direcionada às necessidades da demanda/perfil do consumidor;
• Prestar informações referentes ao turismo e aos serviços, contextualizando-as às necessidades e expectativas dos turistas, respeitando as diferenças culturais.
Comunicação para
Guiamento • Formas e técnicas de comunicação oral; 36
• Apresentação pessoal e etiqueta
• Diversidade Cultural;
• Gestão de conflitos.
• Planejar a elaboração, venda e operação de • Participar da operação do turismo receptivo e • Vender produtos e serviços turísticos atuando de
Agenciamento e produtos turísticos, considerando o segmento e as emissivo desde a contratação de fornecedores até a forma ética segundo as normas da legislação
Operações de características do público-alvo; entrega do produto, visando a superação de vigente.
expectativas do cliente. 40
Turismo • Pesquisar destinos e roteiros, bem como organizar
rooming list, pick up list, utilizando ferramentas de
informática.

34
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

• Roteirização com manejo de mapas, guias e • Técnicas e regras de interpretação e elaboração de • Técnicas de marketing e vendas de serviços e
manuais; contratos; produtos turísticos;
• Precificação de produtos turísticos; • Técnicas, regras e procedimentos de: reserva,
• Ferramentas de navegação pela Internet; efetivação e acompanhamento de acomodação,
transferência, passeios, visitas, excursões,
ingressos;
• Rooming list, pick up list;
• Avaliar e selecionar informações aos grupos de turistas, com base nos ecossistemas de Unidades de Conservação;
• Atuar com respeito ao meio ambiente, aplicando os princípios da legislação ambiental, sendo referência para o turista.
• Princípios e fundamentos de sustentabilidade ambiental;
Turismo e Meio
Ambiente • Educação ambiental interpretativa; 32
• Plano de manejo;
• Impactos ambientais (positivos e negativos) do Turismo.
• Legislação ambiental.
Participar da gestão do processo de articulação e Articular e coordenar os diversos serviços de Prestar informações referentes ao turismo e aos
coordenação dos diversos serviços turísticos, apoio, de forma ética, com segurança e de acordo serviços, contextualizando-as às necessidades e
desde seu planejamento até a venda dos serviços. com as normas de legislação vigentes. expectativas dos turistas. 16
Projeto Integrador: CRIAÇÃO E VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS OPERADOS PELO GUIA DE TURISMO
• Atividade- foco: Planejar a elaboração e realizar venda de um produto turístico operado pelo Guia, abrangendo todos os equipamentos e serviços de apoio ao Turismo, a
partir da identificação do perfil/necessidade do consumidor/demanda.
Duração total do módulo: 180

35
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Módulo 2 – Matriz de Articulação - Guiamento em Turismo Excursão Regional

Competências
do módulo
Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações histórico-geográficas, Duração em
culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e expectativas dos turistas. horas
Unidades
Curriculares
• Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos históricos dos principais atrativos turísticos da região (Estado).
• Aspectos históricos da região (Estado) aplicados ao turismo segundo a regionalização turística do Estado do RJ;
História Aplicada ao • Costa do Sol;
• Costa Verde; 36
Turismo Regional
• Região Serrana;
• Vale do Café;
• Rio Antigo (Colonial, Imperial e Republicano).
• Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos geográficos dos principais atrativos turísticos da região (Estado).
• Aspectos geográficos, socioeconômicos e ambientais da região (Estado) aplicados ao turismo segundo a regionalização turística do Estado do RJ;
• Costa do Sol;
• Costa Verde;
Geografia Aplicada
• Região Serrana;
ao Turismo 36
Regional • Vale do Café;
• Cidade do Rio de Janeiro;
• Orientação e localização em mapas (para roteirização);
• Principais ecossistemas / biomas;
• Geografia física: relevo, clima e hidrografia;
• Infraestrutura urbana / turística para os principais destinos.
• Transmitir informações com base nos estilos de arte, da arquitetura local, nos diversos atrativos de um museu, no contexto regional (Estado do RJ).
• Estilos e história da arte, no âmbito estadual:
1. Arte Primitiva / Antiga;
História da Arte 2. Gótico / Neogótico;
aplicada ao Turismo 3. Renascentista; 36
Regional 4. Barroco e Rococó;
5. Neoclássico / Ecletismo;
6. Art Nouveau / Art Déco;
7. Modernismo;
8. Arte Contemporânea;

36
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

• Transmitir informações com base nos dados do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural, no contexto regional.
• Transmitir informações com base nas manifestações artísticas, folclóricas, artesanais, gastronômicas, no contexto regional.
• Educação patrimonial;
• Educação em museus;
• Turismo e patrimônio cultural.
• Patrimônio Arqueológico;
• Patrimônio Histórico:
1. Herança Portuguesa Colonial;
Patrimônio Cultural
2. Herança Africana; 36
em Âmbito Regional
3. Herança Indígena;
• Patrimônio Artístico:
• Patrimônio Gastronômico;
• Manifestações de Cultura Popular do Estado;
• Festas e devoções religiosas;
• Danças típicas;
• Artesanato típico;
• Diversidade Cultural;
• Informar e orientar turistas, utilizando vocabulário específico ao contexto profissional em inglês, atendendo as suas necessidades e provendo as soluções adequadas.
Inglês para
• Vocabulário relativo a comida e bebida, cumprimentos e saudações, e recepção de turistas. 36
Guiamento
• Fraseologia básica de turismo e hospitalidade em língua inglesa.
• Providenciar as medidas necessárias em casos de emergência.
• Aplicar técnicas de primeiros socorros em situação emergencial.
Primeiros Socorros 20
• Encaminhamento e atendimento em situações de emergência individual e coletiva.
• Gerenciamento de crises.
• Conduzir turistas, realizando os procedimentos e utilizando corretamente os equipamentos para serviços de guiamento regional.
• Técnicas e regras de aplicação de normas e procedimentos legais específicos ao Guia de Turismo;
Técnicas de • Técnicas de condução de turistas com orientação, assessoria, interpretação e transmissão de informações especializadas;
52
Guiamento Regional • Regras, normas e técnicas de etiqueta e apresentação pessoal;
• Normas e procedimentos de saúde e de higiene pessoal e ambiental;
• Vivência de situações problema;
• Técnicas de animação e recreação.
• Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações histórico-
Projeto geográficas, culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e expectativas dos turistas.
Integrador: • Condução de Grupo em âmbito Regional
Condução de Atividade foco: Condução de um grupo de turistas, realizando as ações inerentes a profissão de Guia de acordo com as seguintes etapas: 68
Grupo em âmbito - Elaboração de um roteiro em âmbito regional (conforme produto turístico criado no módulo 1);
Regional - Organização de rooming list, pick up list, etc;
- Execução do guiamento propriamente dito, desde o início da excursão, incluindo transporte, trajeto e atrativos turísticos, até o retorno, com ação preventiva em
primeiros socorros.
Duração total do módulo 320

37
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Módulo 3 – Matriz de Articulação - Guiamento em Turismo Excursão Nacional


Competências
do módulo
Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito nacional e América do Sul, acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações Duração em
histórico-geográficas, culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e expectativas dos turistas. horas
Unidades
Curriculares

História Cultural
• Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos históricos dos principais atrativos turísticos do Brasil e da América do Sul;
Aplicada ao
• Transmitir informações com base nas manifestações artísticas, folclóricas, artesanais, gastronômicas, no contexto Nacional e América do Sul. 60
Turismo Nacional e
da América do Sul • Transmitir informações com base nos dados do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural, no contexto Nacional e América do Sul;

38
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

• Aspectos históricos dos principais destino no Brasil e América do Sul:


1. Região Nordeste: Salvador, Recife, Olinda e São Luís;
2. Região Sudeste: São Paulo, Cidades Históricas (MG);
3. Região Norte: Manaus e Belém;
4. Região Centro-Oeste: Brasília e Goiás Velho;
5. Região Sul: Missões Jesuíticas, Florianópolis e Porto Alegre;
6. Mercosul: Buenos Aires, Montevidéu, Colônia do Sacramento, Lima, Cuzco e Machu Picchu.
• Patrimônio Arqueológico;
• Patrimônio Histórico:
4. Herança Portuguesa e Espanhola Colonial;
5. Herança Africana;
6. Herança Indígena;
• Patrimônio Artístico:
1. Arte Primitiva / Antiga / Pré-Colombiana;
2. Gótico / Neogótico;
3. Renascentista;
4. Barroco e Rococó;
5. Neoclássico / Ecletismo;
6. Art Nouveau / Art Déco;
7. Modernismo;
8. Arte Contemporânea;
• Patrimônio Gastronômico;
• Patrimônio Material e Imaterial;
• Manifestações de Cultura Popular do Estado;
• Festas e devoções religiosas;
• Danças típicas;
• Artesanato típico;
• Diversidade Cultural;
• Transmitir informações aos grupos de turistas com base em aspectos geográficos dos principais atrativos do Brasil e América do Sul.
• Aspectos geográficos dos principais destinos do Brasil e América do Sul:
1. Região Nordeste: Salvador, Recife, Olinda e São Luís;
2. Região Sudeste: São Paulo, Cidades Históricas (MG);
3. Região Norte: Manaus e Belém;
Geografia Turística 4. Região Centro-Oeste: Brasília e Goiás Velho;
Nacional e da 5. Região Sul: Missões Jesuíticas, Florianópolis e Porto Alegre; 60
América do Sul 6. Mercosul: Buenos Aires, Montevidéu, Colônia do Sacramento, Lima, Cuzco e Machu Picchu.
• Orientação e localização em mapas (para roteirização);
• Principais ecossistemas / biomas;
• Geografia física: relevo, clima e hidrografia;
• Infraestrutura urbana / turística para os principais destinos.
Espanhol para • Informar e orientar turistas, utilizando vocabulário específico ao contexto profissional em espanhol, atendendo as suas necessidades e provendo as soluções adequadas. 36

39
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

Guiamento • Vocabulário relativo a: comida e bebida, cumprimentos e saudações, e recepção de turistas.


• Fraseologia básica de turismo e hospitalidade em língua espanhola.
• Conduzir turistas, realizando os procedimentos e utilizando corretamente os equipamentos para serviços de guiamento nacional e América do Sul.
• Técnicas e regras de aplicação de normas e procedimentos legais específicos ao Guia de Turismo;
Técnicas de • Técnicas de condução de turistas com orientação, assessoria, interpretação e transmissão de informações especializadas;
Guiamento Nacional • Regras, normas e técnicas de etiqueta e apresentação pessoal; 56
e América do Sul • Normas e procedimentos de saúde e de higiene pessoal e ambiental;
• Vivência de situações problema;
• Técnicas de animação e recreação.
Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito nacional e América do Sul, acompanhando e orientando os turistas, transmitindo informações
Projeto Integrador: histórico-geográficas, culturais e artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e expectativas dos turistas.
Condução de Condução de Grupos em Âmbito Nacional e América do Sul
Grupos em Âmbito 88
Nacional e América Atividade foco: Condução de um grupo de turistas, realizando as ações inerentes a profissão de Guia de acordo com as seguintes etapas:
do Sul - Elaboração de um roteiro em âmbito nacional;
- Organização de rooming list, pick up list, etc;
- Execução do guiamento propriamente dito, desde o início da excursão, incluindo transporte, trajeto e pontos turísticos, até o retorno.
Duração total do módulo: 300

40
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

ANEXO 3A
EIXO TECNOLÓGICO TURISMO, HOSPITALITADE E LAZER – SEGMENTO TURISMO E HOTELARIA
CURSO: TÉCNICO EM GUIA DE TURISMO
Resumo Executivo do Curso

1. Perfil profissional de conclusão


O Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo é o profissional que orienta, assiste e conduz
pessoas ou grupos durante traslados, passeios, visitas e viagens, com ética profissional e
respeito ao ambiente, à cultura e à legislação. Informa sobre aspectos socioculturais, históricos,
ambientais e geográficos. Apresenta ao visitante opções de roteiros e itinerários turísticos
disponíveis e, quando for o caso, concebe-os considerando as expectativas e ou necessidades do
visitante. Utiliza instrumentos de comunicação, localização, técnicas de condução, de
interpretação ambiental e cultural.

2. Unidade Curricular Optativa: Vivência e Prática Profissional


Na Estação de Vivência e Prática Profissional o estudante desenvolve atividades relacionadas às
competências do perfil de conclusão, em situação real de trabalho, contando com apoio
metodológico em sala de aula e com a orientação do Instrutor da Unidade Curricular Técnicas de
Guiamento Regional.
Competências:
 Planejar e executar atividades de guiamento em âmbito regional, acompanhando e
orientando os turistas, transmitindo informações histórico-geográficas, culturais e
artísticas em programações específicas, contextualizando-as às necessidades e
expectativas dos turistas.
Bases tecnológicas:
 Este componente curricular explora de forma integrada as bases das demais unidades
curriculares do curso.

3. Infraestrutura: Serão utilizadas instalações da EMPRESA PARCEIRA, para a realização das


atividades da Estação de Vivência e Prática Profissional, conforme Termo de Cooperação
Técnica.

4. Matriz Curricular:

 Módulo 2: Guiamento em Turismo – Excursão Regional − com duração de 320 horas.


Duração em
Unidades curriculares
horas
História Aplicada ao Turismo Regional 36
Geografia Aplicada ao Turismo Regional 36
História da Arte Aplicada ao Turismo Regional 36
Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural em Âmbito Estadual 36
Inglês para Guiamento 36
Primeiros Socorros 20
Técnicas de Guiamento Regional 52
Projeto integrador Condução de Grupo em Âmbito Regional 68
DURAÇÃO TOTAL 320
Estação de Vivência e Prática Profissional – Optativa 30

41
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

5. Registro do Desempenho do estudante


A avaliação do estudante será registrada e expressa por meio dos conceitos Insuficiente (I),
Suficiente (S), Bom (B) e Ótimo (O):
 Ótimo (9 a 10) – o desempenho supera com excelência a performance requerida.

 Bom (7 a 8,9) – o desempenho supera a performance requerida.

 Suficiente (6 a 6,9) – o desempenho atende a performance requerida.

 Insuficiente (0 a 5,9) – o desempenho não atende à performance requerida

42
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

ANEXO 3B
ESTAÇÃO DE VIVÊNCIA E PRÁTICA PROFISSIONAL
PLANO DE ATIVIDADES

Unidade Vivência e Prática Profissional


Curso Técnico em Guia de Turismo

Perfil Profissional de Conclusão


O Técnico de Nível Médio em Guia de Turismo é o profissional que orienta, assiste e conduz pessoas ou
grupos durante traslados, passeios, visitas e viagens, com ética profissional e respeito ao ambiente, à cultura
e à legislação. Informa sobre aspectos socioculturais, históricos, ambientais e geográficos. Apresenta ao
visitante opções de roteiros e itinerários turísticos disponíveis e, quando for o caso, concebe-os
considerando as expectativas e ou necessidades do visitante. Utiliza instrumentos de comunicação,
localização, técnicas de condução, de interpretação ambiental e cultural.

Competências do perfil de conclusão Atividades a serem desenvolvidas


• Transmite informações aos grupos de turistas com base em
aspectos históricos dos principais atrativos turísticos da região
(Estado).
• Transmite informações aos grupos de turistas com base em
aspectos geográficos dos principais atrativos turísticos da
região (Estado).

• Planejar e executar atividades de • Transmite informações com base nos estilos de arte, da
guiamento em âmbito regional, arquitetura local, nos diversos atrativos de um museu, no
acompanhando e orientando os turistas, contexto regional (Estado do RJ).
transmitindo informações histórico- • Transmite informações com base nos dados do Patrimônio
geográficas, culturais e artísticas em Histórico, Artístico e Cultural, no contexto regional.
programações específicas,
contextualizando-as às necessidades e • Transmite informações com base nas manifestações artísticas,
expectativas dos turistas. folclóricas, artesanais, gastronômicas, no contexto regional.
• Informa e orienta turistas, utilizando vocabulário específico
ao contexto profissional em inglês, atendendo as suas
necessidades e provendo as soluções adequadas.
• Providencia as medidas necessárias em casos de emergência.
• Aplica técnicas de primeiros socorros em situação
emergencial.
• Conduz turista ou grupos, realizando os procedimentos e
utilizando corretamente os equipamentos para serviços de
guiamento regional.

43
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL
Administração Regional no Estado do Rio de Janeiro

(Município), XX de XXXXXXXXXXX de 201X.

Instrutor Orientador Estudante


(Nome completo) (Nome completo)

Coordenador do Curso XXXXXXXX Coordenador Educacional


(Nome completo) (Nome completo)

44