Sei sulla pagina 1di 4

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ


Campus Curitiba
Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação
Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens

Área de concentração: LINGUAGEM E TECNOLOGIA NÚMERO DE INSCRIÇÃO

Processo seletivo 2016 – Prova escrita

Candidato, assinale a linha de pesquisa indicada por você na ficha de inscrição.


( ) Estéticas contemporâneas, modernidade e tecnologia
( ) Multiletramentos, discurso e processos de produção de sentido

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES A SEGUIR.

1. Mantenha o celular e todos os demais aparelhos eletrônicos DESLIGADOS durante todo


o período reservado para a prova (13h30 às 17h). O não cumprimento poderá
acarretar na desclassificação do candidato.
2. A prova terá DURAÇÃO máxima de três horas e trinta minutos. Após receber o caderno
com as questões, será permitida ao candidato uma consulta de trinta minutos a
materiais bibliográficos impressos. Depois da consulta de trinta minutos, o candidato
terá até três horas para entregar a prova escrita.
3. Está VEDADA a consulta: i) por tempo superior ao definido (30 minutos); ii) a
quaisquer materiais ou notas (somente a materiais bibliográficos impressos); ou iii)
empréstimos dos mesmos de e para outros candidatos.
4. O candidato deve utilizar APENAS seu NÚMERO DE INSCRIÇÃO no local indicado neste
caderno de questões e nas folhas de resposta. Não faça qualquer identificação
nominal nas folhas indicadas. O mínimo sinal de identificação nominal acarretará na
desclassificação do candidato.
5. Observe o agrupamento das QUESTÕES em área de concentração e linha de pesquisa;
responda as questões conforme indicação de cada grupo.
6. Cada candidato deverá responder obrigatoriamente a um total de DUAS QUESTÕES:
uma da área de concentração e uma da linha de pesquisa indicada na ficha de
inscrição.
7. No FINAL da prova, tanto o caderno de questões, quanto as folhas de respostas
deverão ser entregues pelo candidato aos aplicadores. Não será permitida a saída do
candidato do local de aplicação com material da prova.
8. A prova deverá ser respondida com CANETA de tinta preta ou azul. No caso da não
entrega da prova escrita, ou de prova redigida a lápis, o candidato será eliminado do
processo de seleção.
9. Os RESULTADOS desta fase serão divulgados conforme calendário previsto no Edital
003/2015 do PPGEL; alterações serão comunicadas na página eletrônica do
Programa.

1
QUESTÃO 1 – Linguagem e Tecnologia (obrigatória a todos os candidatos)

Texto 1

“Llega el libro digital dispuesto a acabar con los libros en papel”

- Imposible. La gracia de los libros es poderlos poseer físicamente y


poder ver sus lomos en tus estanterías...

Otro que o lee muy poco o tiene una casa muy grande

Disponível em: <http://listocomics.com/comic/345-libros-digitales/> Acesso em 10 de março de 2015.

Texto 2

A pergunta ingênua é: "Os disquetes hipertextuais, a internet ou os sistemas de


multimídia tornaram os livros obsoletos?" (…)
Uma enciclopédia impressa não pode ser facilmente transportada, como ocorre
com um CD-ROM, e não pode ser facilmente atualizada. As prateleiras hoje ocupadas
em minha casa e nas bibliotecas públicas por metros e metros de enciclopédias poderão
ser eliminadas num futuro próximo e não haverá razão para lamentar o seu
desaparecimento. Lembremos que, para muita gente, uma enciclopédia de muitos
volumes é um sonho impossível, não, ou não só, por causa do preço dos volumes, mas
em razão do preço da parede onde os volumes são dispostos em prateleiras. (…)
Mas os livros também têm outra vantagem em relação aos computadores. Mesmo
quando impressos no moderno papel ácido que dura apenas 70 anos, aproximadamente,
os livros são mais duráveis do que o suporte magnético. Além disso, não são afetados por
escassez de energia ou por blecautes e são mais resistentes a impactos. (…)
Os livros são ainda os melhores companheiros para um naufrágio ou para os dias
seguintes. Livros pertencem a essa classe de instrumentos, que, uma vez inventados, não
foram aprimorados porque já estão bons o bastante, como o martelo, a faca, a colher ou a
tesoura. (…)
Provavelmente, livros eletrônicos se revelarão úteis para consultar informações,
como ocorre com dicionários ou documentos específicos. Provavelmente ajudarão
estudantes obrigados a levar consigo dez livros ou mais quando vão à escola, mas não
substituirão outros tipos de livro, que gostamos de ler na cama, antes de dormir, por
exemplo. (…)
A idéia de que uma nova tecnologia abole uma tecnologia anterior é, com
frequência, demasiado simplista. Após a invenção da fotografia, os pintores não mais se

2
sentiram obrigados a servir de artífices cuja tarefa era reproduzir a realidade, mas isso
não significa que a invenção de Daguerre apenas estimulou a pintura abstrata. (…)
Isso significa que, na história da cultura, nunca houve um caso em que uma coisa
simplesmente tenha matado uma outra coisa. Em vez disso, uma nova invenção sempre
alterou profundamente uma outra, mais antiga. (…)

(ECO, Umberto. Muito além da internet. Trad. Rubens Figueiredo. Folha de São Paulo. Caderno Mais.
p.,4-10. 14 de dezembro de 2003.)

Questão

Motivado pelos textos transcritos e considerando o papel da tecnologia na dimensão da


cultura, na alteração das práticas leitoras, no aparecimento de novos suportes para criação
e divulgação dos textos mais diversos, bem como no desaparecimento ou transformação
desses meios, discorra sobre os efeitos (sociais, econômicos, educacionais etc.) das
tecnologias implicadas na leitura e produção de livros digitais, contrastando com a
tecnologia do livro impresso.

Questão 2 - Estéticas contemporâneas, modernidade e tecnologia

Para inúmeros críticos, a leitura da Modernidade como da Pós-Modernidade passa pelo


desenvolvimento técnico e tecnológico resultantes de um processo iniciado com a
Revolução Industrial.
Desenvolva a ideia, posicionando-se em relação às linhas teóricas estudadas e tendo como
base a produção artística referente a esses períodos.

3
Questão 3 - Multiletramentos, discurso e processos de produção de sentido

Leia a tirinha e os trechos a seguir.

- Não dá! Por mais que - É fácil, Miguelito. Se eu digo, por - O prefeito?
a professora explique, exemplo, “Esse lixo enfeia a rua”, qual
eu não entendo esse é o sujeito?
negócio de sujeito e
predicado!

Disponível: < http://x-oliveira.blogspot.com.br/2010/12/interpretacao-de-texto-semantica-e.html> Acesso: 28. Abr. 2015.

I. “O saber linguístico é múltiplo e principia naturalmente na consciência do homem


falante. Ele é epilinguístico, não colocado por si na representação, antes de ser
metalinguístico, isto é, representado, construído e manipulado enquanto tal com a ajuda
de uma metalinguagem (...). A continuidade entre o epilinguístico e o metalinguístico
pode ser comparada com a continuidade entre a percepção e a representação física nas
ciências da natureza” (AUROUX, 2014, p. 17).

II. “Em algum ponto de nossas vidas de estudante, alguns de nós já nos perguntamos por
que, na escola, precisamos fazer a matéria Língua Portuguesa por anos a fio, se já somos
falantes altamente proficientes dessa língua quando iniciamos nossos estudos. Fazer
inglês ou espanhol é compreensível, porque ainda não sabemos falar essas línguas. Mas,
português ?!?!” (NEGRÃO et al. in: FIORIN, J. L., 2005, p. 95).

Questão

Considerando os dois tipos de saberes exemplificados na tirinha e discutidos dos textos


que a seguem, relacione essas citações numa perspectiva ampla, que integre tanto
processos de construção de sentido, quanto práticas de letramento, tendo em vista a
proposta de Sylvain Auroux de que a gramatização é uma revolução tecnológica.