Sei sulla pagina 1di 15

• O QUE É LICITAÇÃO?

• Licitação
• - Conceito – procedimento administrativo vinculado; seleção melhor proposta;
• objetivos: celebração contrato e obtenção melhor trabalho.

• : é o processo administrativo pelo qual a adm. Pública visa selecionar sempre a melhor proposta
para que seja objeto de um contrato futuro (para sempre ter um objeto a ser contratado). Ex. quando a
adm. Pública vai comprar merenda escolar, ela vai selecionar aqueles que são os melhores produtos para
merenda, e aqueles que oferecerem os melhores preços, ou a melhor variedade, ou qualidade dos
produtos, ganha o direito de contratar com a adm. Pública, é esse processo entre decidir e comprar, e a
compra efetivamente concretizada, esse intervalo entre o querer comprar e a compra efetivamente
realizada é o processo administrativo de licitação.

• A licitação não é um fim em si mesmo, é um meio, uma forma, é um procedimento, a adm.


Pública faz licitação, porque ela quer alguma coisa, ela quer celebrar um contrato de uma coisa, ou
adquirir um bem, executar uma obra. Licitação é um procedimento com vista na celebração de um
contrato.

• Natureza Jurídica – procedimento administrativo

• Normas Gerais
• CF – artigo 22, XXVII

Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: XXVII – normas gerais de licitação e contratação,
em todas as modalidades, para as administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União,
Estados, Distrito Federal e Municípios, obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas públicas e
sociedades de economia mista, nos termos do art. 173, § 1°, III;

• A obrigatoriedade da licitação está prevista no art. 37, XXI da Constituição Federal:


XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e
alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure
igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da
lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica
indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações
• ATENÇÃO!!!!!
• Art. 173, §1º, III da CF

Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de


atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos
da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.
§ 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de
economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção
ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre: (Redação dada
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
III - licitação e contratação de obras, serviços, compras e alienações, observados os
princípios da administração pública;

• OBS: Atividade econômica -> atividade fim –LEI 13.303/2016

Art. 1o Esta Lei dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de
economia mista e de suas subsidiárias, abrangendo toda e qualquer empresa pública e
sociedade de economia mista da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios que explore atividade econômica de produção ou comercialização de bens
ou de prestação de serviços, ainda que a atividade econômica esteja sujeita ao regime
de monopólio da União ou seja de prestação de serviços públicos.

• A licitação não é um fim em si mesmo, é um meio, uma forma, é um procedimento. A adm.


pública faz licitação, porque ela quer alguma coisa, ela quer celebrar um contrato de uma coisa, ou
adquirir um bem, executar uma obra. Licitação é um procedimento com vista na celebração de um
contrato.

• Competência Legislativa
• CF Normas gerais
• Lei 8.666/93 e 10.520/2002 – normas gerais

• A Lei 8666 é apenas uma das normas gerais, é a lei principal, geral de licitações de contratos,
sendo ela observada quando as leis especificas omitirem algum tipo de informações, não dispuserem
sobre algo. Tem uma lei de licitação só para aquisição de bens e serviços de informáticas; lei específica
para serviços de telecomunicação; lei de licitação para serviços de publicidade; lei de licitação que cria
outra modalidade; lei de licitação que cria O RDC; pregão. O rol de normas gerais é amplo
Lei 8.666/93 - Art. 1o Esta Lei estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos
pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações no âmbito dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Parágrafo único. Subordinam-se ao
regime desta Lei, além dos órgãos da administração direta, os fundos especiais, as autarquias, as
fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e demais entidades
controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Lei 10.520/2002 - Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art.
37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de
bens e serviços comuns, e dá outras providências.

• Maranhão – Lei 9.579/2012 – Código de Licitações


• MP 205 (Julho/2015) -> Lei 10.295/2015

• Disciplina Legal
• Lei n.8.666/93;
• Lei n. 8.248/1991 – Bens e serviços de informática;
• Lei n. 9.472/97 – Art. 54 (Telecomunicações)
• Lei n. 10.520/2002 – Pregão;
• Lei n. 12.232/2010 – Serviços de publicidade;
• Lei n. 12.462/2012 – RDC (opcional)
• Lei n. 13.019/2014 - MROSC

• Âmbito nacional, pela Lei nº 8.666/93, e suas alterações, que é a Lei Geral de Licitações
e Contratos Administrativos, e pela Lei nº 10.520/2002, que institui a modalidade
licitatória denominada Pregão, e que é regulamentada, em âmbito federal, pelos
Decretos 3.555/2000 (pregão presencial) e 5.450/2005 (pregão eletrônico).

• Lei n. 8.666/93 - Art. 118. Os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e as entidades da


administração indireta deverão adaptar suas normas sobre licitações e contratos ao
disposto nesta Lei.

• Quem está obrigado a licitar:

• Art. 1º, §1º, 8.666: Órgãos da Administração Pública Direta e Indireta e Judiciário,
Legislativo, MP, Tribunais de Contas
• “Art. 117. As obras, serviços, compras e alienações realizados pelos órgãos dos Poderes
Legislativo e Judiciário e do Tribunal de Contas regem-se pelas normas desta Lei, no que
couber, nas três esferas administrativas.”

• Autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista e


demais entidades controladas direta e indiretamente pela União, Estados, Distrito
Federal e Municípios.

• Sociedades Paraestatais – Não pertencem à Administração Pública, mas são obrigadas a


licitar porque recebem recursos públicos.

• todo mundo tem que fazer licitação, inclusive outros órgãos, poderes, o Tribunal de contas, o MP,
a DFP. E esse todo mundo também envolve aqueles que não fazem parte da adm. pública, as sociedades
paraestatal, que são sociedades que caminham ao lado do estado, não fazem parte da adm. Pública de
forma direta, mas atuam colaborando com as funções da adm. pública. E quanto estas receberem
recursos públicos, ela também estará obrigada a licitar mesmo não sendo um órgão de dentro da adm.
Pública.

• FUNDAMENTOS
- Moralidade Administrativa;
- Igualdade de Oportunidades

• A licitação está pautada por valores fundamentais, como o da igualdade no processo de licitação,
o qual eu devo dar oportunidade e igualdade para que todos participem daquele processo de seleção da
melhor proposta junto a adm. pública, ou seja, todos que se encaixem nos requisitos a serem escolhidos
pela própria adm. Pública.

• A licitação é um mecanismo mais democrático de escolha dos bens e serviços a serem adquiridos
pela adm. pública. Então, o principal fundamento dessa democratização do processo de contratação com
adm. pública, é a igualdade de oportunidades, que é poder fazer com que todos que queiram, e tenham
condições, possam participar desse processo, e esse processo deve estar pautados pelos requisitos de
moralidade.

• Objeto da Licitação –

O objeto imediato da licitação é a busca da melhor proposta, ao passo que o objeto mediato é
aquilo que a Adm Publica pretende contratar
Obrigatoriedade de licitação para:
• Compra de bens móveis ou imóveis
• Contratação de serviços, inclusive de seguro e publicidade
• Realização de obras
• Alienação de bens públicos e daqueles adquiridos judicialmente ou mediante dacao em
pagamento, doação, permuta e investidura
• Outorga de concessão de serviço público
• Expedição de permissão de serviço público

• PRINCÍPIOS
- Legalidade;
- Moralidade;
- Impessoalidade
- Igualdade artigo 3º e sua mitigação

Art. 3o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a


seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento
nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios
básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da
probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e
dos que lhes são correlatos.

- Publicidade (art. 4º);

Art. 4o Todos quantos participem de licitação promovida pelos órgãos ou entidades a que se
refere o art. 1º têm direito público subjetivo à fiel observância do pertinente procedimento
estabelecido nesta lei, podendo qualquer cidadão acompanhar o seu desenvolvimento, desde
que não interfira de modo a perturbar ou impedir a realização dos trabalhos. Parágrafo único. O
procedimento licitatório previsto nesta lei caracteriza ato administrativo formal, seja ele
praticado em qualquer esfera da Administração Pública.

• - Probidade Administrativa;
• - Vinculação ao Instrumento Convocatório;
• - Julgamento Objetivo;
• - Supremacia do Interesse Público;
• - Competitividade
• - Sigilo das Propostas;
• - Inalterabilidade do Edital.

• Objetos Licitáveis -> necessidade de observância do pressuposto lógico


• E quando o pressuposto lógico não estiver atendido?
É pressuposto lógico a existência de uma pluralidade de objetos e de uma pluralidade de
ofertantes. Sem isto não há como conceber uma licitação.

OBS: Outros pressupostos da licitação:

Jurídico: a licitação não é um fim em si mesma, mas é um meio para chegar utilmente a um
dado resultado: o travamento de uma certa relação jurídica (contrato).

Fático: é pressuposto fático da licitação a existência de interessados em disputá-la. Nos casos


em que tal interesse não ocorra não há como realizá-la.

• Dispensa de Licitação:
• Exceção ao princípio da obrigatoriedade;
• Conceito: previstos taxativamente no art. 24 da Lei 8.666, os casos de dispensa
envolvem situações em que a competição é possível, mas sua realização pode não ser
para a Administração conveniente e oportuna, a luz do interesse público. Assim, nos
casos de dispensa, a efetivação da contratação direta é uma decisão discricionária da
Administração Pública.

• - Taxatividade das situações:


• Artigo 24, Lei 8.666/93 – define 35 hipóteses de dispensa de licitação

(existe exceção??)

• Casos de dispensa de licitação:


• Dispensa pelo valor – incisos I e II do artigo 24;
(10% do valor mínimo para modalidade Convite);

• Situações excepcionais;
OBS: declaração de situação de emergência (prazo de 180 dias)

• - Desinteresse na contratação (inciso V);


- contratação de entidades de pessoas com deficiência; recuperação social do preso;
• - locação e compra de imóvel;
OBS: legalidade e motivação

• - contratação de associação de catadores de material reciclável;

• - contratação de entidade para prestação de assistência técnica rural (inciso XXX)


OBS: com fins lucrativos também. Razoável?

• - contratação de entidades para implementação de cisternas para acesso à água;

• Inexigibilidade de Licitação (artigo 25) inviabilidade de competição;


- rol exemplificativo:

- As hipóteses de inexigibilidade estão previstas exemplificativamente no art. 25 da Lei


8.666. São casos em que a realização do procedimento licitatório é logicamente impossível
por inviabilidade de competição, seja porque o fornecedor é exclusivo, seja porque o objeto
é singular.

- Nos casos de inexigibilidade, a decisão de não realizar o certame é vinculada, a medida em


que, configurada alguma das hipóteses legais, a Administração Pública não resta alternativa
além da contratação direta.

1) Fornecedor exclusivo – exclusividade comprovada; quanto ao fornecimento;


2) Atividades artísticas (consagrados pela crítica e opinião pública);
3) serviços técnicos com notória especialização

• Modalidades:
1_ Concorrência;
2_ Tomada de Preços;
3_ Convite;
4_Concurso;
5_ Leilão
OBS: - artigo 22, § 8º e a Lei 10.520 – modalidade Pregão. - ADI 1.668-5

Art. 22 § 8o É vedada a criação de outras modalidades de licitação ou a combinação das referidas neste
artigo.

O artigo 22 da lei 8.666 estabelece em seus incisos as modalidades de licitação


A lei 10.520 estabelece a modalidade pregão

- adoção de critérios: em regra, o valor (obras e serviços de engenharia / compras e


serviços;
Art. 23, §4º - opção modalidade valor mais elevado; nunca o inverso;

Critério de Publicidade convite e demais;

§ 4o Nos casos em que couber convite, a Administração poderá utilizar a tomada de


preços e, em qualquer caso, a concorrência.

CONCORRÊNCIA:
- transações de maior vulto;

Art. 22, § 1o Concorrência é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que, na


fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possuir os requisitos mínimos de
qualificação exigidos no edital para execução de seu objeto.

- ampla publicidade;
- qualquer interessado;

Obrigatoriedade art. 23, §3º


§ 3o A concorrência é a modalidade de licitação cabível, qualquer que seja o valor de seu
objeto, tanto na compra ou alienação de bens imóveis, ressalvado o disposto no art. 19,
como nas concessões de direito real de uso e nas licitações internacionais, admitindo-se
neste último caso, observados os limites deste artigo, a tomada de preços, quando o
órgão ou entidade dispuser de cadastro internacional de fornecedores ou o convite,
quando não houver fornecedor do bem ou serviço no País.

TOMADA DE PREÇO
- transações de vulto médio;
- cadastro prévio; até três dias para interessados;
- obstrução de cadastro -> crime;

Art. 22, § 2o Tomada de preços é a modalidade de licitação entre interessados devidamente


cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o
terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária
qualificação

CONVITE
- valores mais baixos:
- convocação direcionada pela Administração;
- publicidade mitigada;

Art. 22, § 3o Convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao


seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela
unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do instrumento
convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na correspondente especialidade que
manifestarem seu interesse com antecedência de até 24 (vinte e quatro) horas da
apresentação das propostas.

- prazo mínimo entre convocação e realização, contado em dias úteis;


- e se não tiver os três? (art. 22, §7º)

§ 6o Na hipótese do § 3o deste artigo, existindo na praça mais de 3 (três) possíveis


interessados, a cada novo convite, realizado para objeto idêntico ou assemelhado, é
obrigatório o convite a, no mínimo, mais um interessado, enquanto existirem cadastrados
não convidados nas últimas licitações.

§ 7o Quando, por limitações do mercado ou manifesto desinteresse dos convidados, for


impossível a obtenção do número mínimo de licitantes exigidos no § 3o deste artigo, essas
circunstâncias deverão ser devidamente justificadas no processo, sob pena de repetição do
convite

CONCURSO
- escolha trabalho técnico/científico/artístico;
- premiação

§ 4o Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha de


trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração
aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial com
antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias.

LEILÃO
- venda de bens móveis inservíveis; apreendidos legalmente.

§ 5o Leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de


bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou
penhorados, ou para a alienação de bens imóveis prevista no art. 19, a quem oferecer o
maior lance, igual ou superior ao valor da avaliação.

• Prazos e formas de publicidade:


- publicação Diário – resumo edital;
- publicidade e órgão promotor: abrangência da publicidade;
- publicidade municipal

• ETAPAS DA LICITAÇÃO:
Obs: modelo – Fases da concorrência – Fase interna e Fase externa

Cada modalidade licitatória possui um procedimento próprio. No entanto, a sequência de fases


observa sempre o padrão empregado no procedimento da concorrência.
Assim, o estudo das fases da concorrência permite compreender as linhas gerais de todos os
procedimentos licitatórios

• - Interna – atos procedimentais preparatórios até a publicação do Edital;

A Fase Interna compreende todos os atos anteriores a publicação do edital, envolvendo:

Requisitos de Instauração (obras ou serviços):


- elaboração de projeto básico para obras e serviços de engenharia;
- planilha orçamentária detalhada;
- previsão de recursos orçamentários e compatibilidade com o Plano Plurianual (PPA);
- constar no PPA;
- abertura de processo administrativo para verificação da necessidade da contratação e
designação de comissão.

Obs: a elaboração do instrumento convocatório encerra a fase interna

• Vedações:
- objeto em desconformidade com projeto básico e/ou executivo (art. 7º, §4º);
- indicar marcas ou características muito específicas (art. 7º, §5º) (há exceção);
- referentes à certas pessoas (artigo 9º, I a III e §4º).

Art. 7º,

§ 3o É vedado incluir no objeto da licitação a obtenção de recursos financeiros para sua


execução, qualquer que seja a sua origem, exceto nos casos de empreendimentos
executados e explorados sob o regime de concessão, nos termos da legislação específica.

§ 4o É vedada, ainda, a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e


serviços sem previsão de quantidades ou cujos quantitativos não correspondam às
previsões reais do projeto básico ou executivo.

§ 5o É vedada a realização de licitação cujo objeto inclua bens e serviços sem similaridade
ou de marcas, características e especificações exclusivas, salvo nos casos em que for
tecnicamente justificável, ou ainda quando o fornecimento de tais materiais e serviços for
feito sob o regime de administração contratada, previsto e discriminado no ato
convocatório.

Art. 9o Não poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra


ou serviço e do fornecimento de bens a eles necessários:
I - o autor do projeto, básico ou executivo, pessoa física ou jurídica;
II - empresa, isoladamente ou em consórcio, responsável pela elaboração do projeto básico
ou executivo ou da qual o autor do projeto seja dirigente, gerente, acionista ou detentor de
mais de 5% (cinco por cento) do capital com direito a voto ou controlador, responsável
técnico ou subcontratado;
III - servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação.

§ 1o É permitida a participação do autor do projeto ou da empresa a que se refere o inciso II


deste artigo, na licitação de obra ou serviço, ou na execução, como consultor ou técnico,
nas funções de fiscalização, supervisão ou gerenciamento, exclusivamente a serviço da
Administração interessada.
§ 2o O disposto neste artigo não impede a licitação ou contratação de obra ou serviço que
inclua a elaboração de projeto executivo como encargo do contratado ou pelo preço
previamente fixado pela Administração.
§ 3o Considera-se participação indireta, para fins do disposto neste artigo, a existência de
qualquer vínculo de natureza técnica, comercial, econômica, financeira ou trabalhista entre
o autor do projeto, pessoa física ou jurídica, e o licitante ou responsável pelos serviços,
fornecimentos e obras, incluindo-se os fornecimentos de bens e serviços a estes
necessários.
§ 4o O disposto no parágrafo anterior aplica-se aos membros da comissão de licitação.

• Licitação proibida x licitação inexigível


- INEXIGÍVEL x PROIBIDO
- similaridade de casos / proximidade técnica
- distinção quanto ao objeto

- marca: 25, I vedação é incontornável


7, §5º contornável

§6º - nulidade absoluta.

Art. 25 - É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição, em especial:


I - para aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser fornecidos
por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de
marca, devendo a comprovação de exclusividade ser feita através de atestado fornecido
pelo órgão de registro do comércio do local em que se realizaria a licitação ou a obra ou o
serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação Patronal, ou, ainda, pelas entidades
equivalentes;

Art. 7º
§ 5o É vedada a realização de licitação cujo objeto inclua bens e serviços sem similaridade ou de
marcas, características e especificações exclusivas, salvo nos casos em que for tecnicamente
justificável, ou ainda quando o fornecimento de tais materiais e serviços for feito sob o regime de
administração contratada, previsto e discriminado no ato convocatório.
§ 6o A infringência do disposto neste artigo implica a nulidade dos atos ou contratos
realizados e a responsabilidade de quem lhes tenha dado causa.

• Externa:
- lançamento do Edital:
. itens obrigatórios no eidtal (art. 40)
. necessidade de anexos
. impugnação por qualquer um do povo (art. 41, §1º)
Instrumento Convocatório: a publicação do edital é o primeiro evento da fase externa da
licitação. No edital estão fixadas todas as regras do procedimento e os requisitos exigidos
para participação no certame. A sua natureza vinculante e obrigatória faz com do edital a lei
da licitação.

Obs: Art. 41. A Administração não pode descumprir as normas e condições do edital, ao qual
se acha estritamente vinculada. § 1o Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar
edital de licitação por irregularidade na aplicação desta Lei, devendo protocolar o pedido
até 5 (cinco) dias úteis antes da data fixada para a abertura dos envelopes de habilitação,
devendo a Administração julgar e responder à impugnação em até 3 (três) dias úteis, sem
prejuízo da faculdade prevista no § 1o do art. 113.

- sessão em duas etapas: 1. habilitação e 2. julgamento/classificação;

- fases: edital / habilitação / julgamento / homologação / adjudicação

• Habilitação:
é a fase licitatória de recebimento e abertura dos envelopes contendo a documentação exigida
para participar do certame.
Para preservar a mais ampla competitividade possível, as exigência de qualificação técnica e
econômica devem ser compatíveis e proporcionais ao objeto licitado, restringindo-se ao
estritamente indispensável para garantir o cumprimento adequado do futuro contrato.

-Tipos de habilitação:
Jurídica (art. 28) / regularidade fiscal (art. 29) / qualificação técnica (art. 30) / qualificação
econômica-financeira (art. 31) / art. 7º, XXXIII;

- Regularidade fiscal: quitação x regularidade;

- Efeito jurídico da habilitação direito de exame da proposta

- Habilitação e fatos supervenientes (art. 43, §5º)

Art. 43. A licitação será processada e julgada com observância dos seguintes procedimentos:
§ 5o Ultrapassada a fase de habilitação dos concorrentes (incisos I e II) e abertas as
propostas (inciso III), não cabe desclassificá-los por motivo relacionado com a habilitação,
salvo em razão de fatos supervenientes ou só conhecidos após o julgamento.
• Julgamento:
- admissibilidade e classificação final;
- propostas exequíveis, vinculadas ao edital
- Classificação: propostas admitidas são postas em ordem mais vantajosa para a
Administração, conforme regras do Edital.

Classificação é a fase de análise e julgamento das propostas formuladas pelos concorrentes


habilitados
Nessa etapa procedimental, os envelopes são abertos e a comissão promove a verificação
da conformidade de cada proposta com os requisitos do edital e com os preços correntes
no mercado, promovendo-se a desclassificação das propostas desconformes ou
incompatíveis.

- as propostas desclassificadas?

A comissão pode desclassificar 3 tipos de propostas:

• Inexequível: quando o valor estiver muito abaixo do praticado no mercado


• Contrária a cláusula do edital
• Indireta ou condicionada: aquela que não apresenta um valor exato, mas vincula a
oferta a determinada condição ou a proposta de outro concorrente. Deve ser
desclassificada, por exemplo, a proposta que diga “meu preço é 95% da proposta mais
baixa apurada”

• “Tipos” de Licitação (Critérios):


• menor preço;
• melhor técnica;
• técnica e preço;
• maior lance

• - Efeito jurídico da Classificação: investir o primeiro colocado pronto para a contratação;


procedimento pronto para homologação e adjudicação

• Homologação
- autoridade competente;
- análise do procedimento ratificação, revogação, anulação;
Após a definição da ordem classificatória, os autos sobem para a autoridade superior, que
procederá a avaliação de todo o procedimento em busca de eventuais irregularidades. Se
houver algum vício, a autoridade superior pode anular o certame ou, preferencialmente,
somente os atos prejudicados pelo defeito, preservando os demais.

É possível ainda revogar a licitação na hipótese da ocorrência de causa superveniente que torne
a licitação contrária ao interesse público.

Art. 49. A autoridade competente para a aprovação do procedimento somente poderá revogar
a licitação por razões de interesse público decorrente de fato superveniente devidamente
comprovado, pertinente e suficiente para justificar tal conduta, devendo anulá-la por
ilegalidade, de ofício ou por provocação de terceiros, mediante parecer escrito e devidamente
fundamentado.
§ 1o A anulação do procedimento licitatório por motivo de ilegalidade não gera obrigação de
indenizar, ressalvado o disposto no parágrafo único do art. 59 desta Lei.
§ 2o A nulidade do procedimento licitatório induz à do contrato, ressalvado o disposto no
parágrafo único do art. 59 desta Lei.
§ 3o No caso de desfazimento do processo licitatório, fica assegurado o contraditório e a ampla
defesa.
§ 4o O disposto neste artigo e seus parágrafos aplica-se aos atos do procedimento de dispensa e
de inexigibilidade de licitação.

Inexistindo qualquer irregularidade ou acontecimento ensejador de revogação, a licitação será


aprovada (homologada)

• Adjudicação convocação do vencedor para celebração do contrato

A última fase do procedimento da concorrência é a adjudicação, que consiste no ato


administrativo declaratório e vinculado de atribuição jurídica do objeto da licitação ao vencedor
do certame.

Obs: importante destacar que o adjudicatário não tem direito adquirido a celebração do
contrato, mas mera expectativa de direito. Isso porque, mesmo após a adjudicação, a
administração não é obrigada a celebrar o contrato, cabendo-lhe avaliar a conveniência e
oportunidade da contratação.