Sei sulla pagina 1di 11

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA

Portal Educação

CURSO DE
SINAIS DE DISLEXIA NA INICIAÇÃO
ESCOLAR

Aluno:

EaD - Educação a Distância Portal Educação

AN02FREV001/REV 3.0

1
CURSO DE

SINAIS DE DISLEXIA NA INICIAÇÃO


ESCOLAR

MÓDULO ÚNICO

Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este
Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização ou distribuição do
mesmo sem a autorização expressa do Portal Educação. Os créditos do conteúdo aqui contido são
dados aos seus respectivos autores descritos nas Referências Bibliográficas.

AN02FREV001/REV 3.0

2
SUMÁRIO

1 SINAIS A PARTIR DA IDADE DE INICIAÇÃO ESCOLAR


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AN02FREV001/REV 3.0

3
MÓDULO ÚNICO

1 SINAIS A PARTIR DA IDADE DE INICIAÇÃO


ESCOLAR

Partindo para a idade de iniciação escolar, a


partir dos seis anos de idade, constatam-se vários
possíveis sinais de dislexia, dentre os quais se
destacam:
1 - enorme lentidão ao fazer seus deveres;
2 - ao contrário, seus deveres podem ser feitos rapidamente e com muitos
erros;
3 - cópia com letra bonita, mas tem pobre compreensão do texto ou não lê o
que escreve;
4 - a fluência em leitura é inadequada para a idade;
5 - inventa, acrescenta ou omite palavras ao ler e ao escrever;
6 - só faz leitura silenciosa;
7 - ao contrário, só entende o que lê, quando lê em voz alta para poder ouvir
o som da palavra;
8 - sua letra pode ser mal grafada e, até, ininteligível; pode borrar ou ligar as
palavras entre si;
9 - pode omitir acrescentar, trocar ou inverter a ordem e direção de letras e
sílabas;
10 - esquece aquilo que aprendera muito bem, em poucas horas, dias ou
semanas;
11 - é mais fácil, ou só é capaz de bem transmitir o que sabe através de
exames orais;
12 - ao contrário, pode ser mais fácil escrever o que sabe do que falar aquilo
que sabe;

AN02FREV001/REV 3.0

4
13 - tem grande imaginação e criatividade;
14 - desliga-se facilmente, entrando "no mundo da lua";
15 - tem dor de barriga na hora de ir para a escola e pode ter febre alta em
dias de prova;
16 - porque se liga em tudo, não consegue concentrar a atenção em um só
estímulo;
17 - baixa autoimagem e autoestima; não gosta de ir para a escola;
18 - esquiva-se de ler, especialmente em voz alta;
19 - perde-se facilmente no espaço e no tempo; sempre perde e esquece
seus pertences;
20 - tem mudanças bruscas de humor;
21 - é impulsivo e interrompe os demais para falar;
22 - não consegue falar se outra pessoa estiver falando ao mesmo tempo
em que ele fala;
23 - é muito tímido e desligado; sob pressão, pode falar o oposto do que
desejaria;
24 - tem dificuldades visuais, embora um exame não revele problemas com
seus olhos;
25 - embora alguns sejam atletas, outros mal conseguem chutar, jogar ou
apanhar uma bola;
26 - confunde direito-esquerda, em cima em baixo; na frente-atrás;
27 - é comum apresentar lateralidade cruzada; muitos são canhestros e
outros ambidestros;
28 - dificuldade para ler as horas, para sequências como dia, mês e estação
do ano;
29 - dificuldade em aritmética básica e/ou em matemática mais avançada;
30 - depende do uso dos dedos para contar, de truques e objetos para
calcular;
31 - sabe contar, mas tem dificuldades em contar objetos e lidar com
dinheiro;
32 - é capaz de cálculos aritméticos, mas não resolve problemas
matemáticos ou algébricos;

AN02FREV001/REV 3.0

5
33 - embora resolva cálculo algébrico mentalmente, não elabora cálculo
aritmético;
34 - tem excelente memória de longo prazo, lembrando experiências, filmes,
lugares e faces;
35 - boa memória longa, mas pobre memória imediata, curta e de médio
prazo;
36 - pode ter pobre memória visual, mas excelente memória e acuidade
auditivas;
37 - pensa por meio de imagem e sentimento, não com o som de palavras;
38 - são extremamente desordenados, seus cadernos e livros são borrados
e amassados;
39 - não tem atraso e dificuldades suficientes para que seja percebido e
ajudado na escola;
40 - pode estar sempre brincando, tentando ser aceito nem que seja como
"palhaço”.
41 - frustra-se facilmente com a escola, com a leitura, com a matemática,
com a escrita;
42 - tem pré-disposição às alergias e às doenças infecciosas;
43 - tolerância muito alta ou muito baixa à dor;
44 - forte senso de justiça;
45 - muito sensível e emocional, busca sempre a perfeição que lhe é difícil
atingir;
46 - dificuldades para andar de bicicleta, para abotoar, para amarrar o
cordão dos sapatos;
47 - manter o equilíbrio e exercícios físicos é extremamente difícil para
muitos disléxicos;
48 - com muito barulho, o disléxico se sente confuso, desliga e age como se
estivesse distraído;
49 - sua escrita pode ser extremamente lenta, laboriosa, ilegível, sem
domínio do espaço na página;
50 - cerca de 80% dos disléxicos têm dificuldades em soletração e em
leitura.

AN02FREV001/REV 3.0

6
Crianças disléxicas apresentam combinações de sintomas, em intensidade
de níveis que variam entre o sutil ao severo, de modo absolutamente pessoal. Em
algumas delas há um número maior de sintomas e sinais; em outras, são
observadas somente algumas características. Quando sinais só aparecem enquanto
a criança é pequena, ou se alguns desses sintomas somente se mostram algumas
vezes, isto não significa que possam estar associados à Dislexia. Inclusive, há
crianças que só conquistam uma maturação neurológica mais lentamente e que, por
isto, somente têm um quadro mais satisfatório de evolução, também em seu
processo pessoal de aprendizado, mais tardiamente do que a média de crianças de
sua idade.
Pesquisadores têm enfatizado que a dificuldade de soletração tem-se
evidenciado como um sintoma muito forte da Dislexia. Há o resultado de um
trabalho, publicado no jornal Biological Psychiatry e referido no The Associated
Press em 15/7/02, onde foram estudadas as dificuldades de disléxicos em idade
entre 7 e 18 anos, que reafirma uma outra conclusão de pesquisa realizada com
disléxicos adultos em 1998, constando do seguinte: que quanto melhor uma criança
seja capaz de ler, melhor ativação ela mostra em uma específica área cerebral,
quando envolvida em exercício de soletração de palavras. Esses pesquisadores
usaram a técnica de Imagem Funcional de Ressonância Magnética, que revela
como diferentes áreas cerebrais são estimuladas durante atividades específicas.
Esta descoberta enfatiza que essa região cerebral é a chave para a habilidade de
leitura, conforme sugerem esses estudos.
Essa área, atrás do ouvido esquerdo, é chamada região ocipto-temporal
esquerda. Cientistas, agora, estão tentando definir que circuitos estão envolvidos e o
que ocorre de errado em Dislexia, advertem que essa tecnologia não pode ser
usada para diagnosticar Dislexia.
Esses pesquisadores ainda esclarecem que crianças disléxicas mais velhas
mostram mais atividade em uma diferente região cerebral do que os disléxicos mais
novos. O que sugere que essa outra área assumiu esse comando cerebral de modo
compensatório, possibilitando que essas crianças conseguiam ler, porém somente
com o exercício de um grande esforço.
Mesmo com todas as dificuldades que a dislexia pode trazer para a vida
escolar de uma criança, é possível contornar o problema. O mais importante é que

AN02FREV001/REV 3.0

7
os pais e, principalmente, os professores estejam sempre atentos. O grau da dislexia
varia muito e os sinais costumam ser inconstantes, porém, tentamos identificar a
grande maioria dos sinais, procurando possibilitar o reconhecimento de um aluno
disléxico.

AN02FREV001/REV 3.0

8
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AJURIAGUERRA, J. A dislexia em questão: dificuldades e fracassos na


Aprendizagem da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

BORGES, A. C. C. Dissílabos alternados - SSW. In Processamento auditivo


central: manual de avaliação. São Paulo: Lovise, 1997.

CARRAHER, Terezinha Nunes (Org.). Aprender Pensando. Petrópolis: Vozes,


2002.

CONDEMARIN, M. & CHADWICCK, M. A Escrita Criativa e Formal. Porto Alegre:


Artes Médicas, 1987.

CONDEMARIN, M.; BLOMQUIST, M. Dislexia: manual de leitura corretiva. Porto


Alegre: Artes Médicas, 1989.

ELLIS, A. W. Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. Porto Alegre:


Artes Médicas, 1995.

FERREIRO, M. & TEBEROSKY, A. Psicogênese da Língua Escrita. 3. ed. Porto


Alegre: Artes Médicas, 1990.

GARCÍA, J. N. Manual de Dificuldades de Aprendizagem. Porto Alegre: Artes


Médicas, 1998.

GOLBERT, C. S. A evolução psicolinguística e suas implicações na


alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

IANHEZ, Maria Eugênia. Nem sempre é o que parece: vencendo as barreiras da


Dislexia. São Paulo: Alegre, 2001.

AN02FREV001/REV 3.0

9
JOHNSON, D. J. & MYKLEBUST, H. R. Distúrbios de Aprendizagem. 2. ed. São
Paulo: Pioneira, 1987.

JOSÉ, Elisabete da Assunção.; COELHO, Maria Teresa. Problemas de


aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.

KATZ, J, Ivey RG. Tratado de Audiologia Clínica. São Paulo: Manole, 1999.

LE BOULCH, J. Educação Psicomotora. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

LOPES. F, Otacilio de C. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 1997.

NUNES, T.; BUARQUE, L.; BRYANT, P. Dificuldades na aprendizagem da leitura:


teoria e prática. São Paulo: Cortez, 1992.

PAIN, S. Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. Porto


Alegre: Artes Médicas, 1985.

PEREIRA L. D.; SANTOS, M. F. C. Escuta com dígitos. In Processamento


auditivo central: manual de avaliação. São Paulo: Lovise, 1997.

PESTUN, M. S. V. Análise funcional discriminativa em dislexia do


desenvolvimento. Tese Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2002.

PICQ, L.; VAYER, P. Educação psicomotora e retardo mental. São Paulo:


Manole, 1985.

PINHEIRO, A. M. V. Leitura e Escrita: contagem de frequência de ocorrência e


análise psicolingüística de palavras expostas a crianças na faixa pré-escolar e séries
iniciais do 1º grau. São Paulo: ABD, 1996.

PINHEIRO, A. M. V. Leitura e Escrita: uma abordagem cognitiva. Campinas: Psy II,


1994.

SCHRAGER, O. L. Lengua, Lenguage y Escolaridad. Buenos Aires:


Panamericana, 1985.

AN02FREV001/REV 3.0

10
VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento
e Aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988.

VVAA. Dislexia: cérebro, cognição e aprendizagem. São Paulo: Frôntis Editorial,


2000.

WELCHMAN, Marion. Dislexia: suas dúvidas respondidas. Tradução de Maria


Ângela N. Nico e Eliane M. R. Colorni. São Paulo: ABD, 1995.

FIM DO CURSO!

AN02FREV001/REV 3.0

11