Sei sulla pagina 1di 2

Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Ciências Sociais


Disciplina: Metodologia IV – 2o semestre letivo de 2000
Prof. Otávio Dulci.
Aluna: Luciana Barroso Costa França

Monografia apresentada:

“Os Maxacali e a domesticação do Kaxmuk:


a propósito do consumo de bebidas de alto teor alcoólico.”

Autor: João Luiz Pena


Orientador: Prof. Eduardo Viana Vargas.

Em seu trabalho, João Luiz se propõe a pensar sobre o uso de bebidas


de alto teor alcoólico entre os Maxacali que foram trazidas a partir do contato
com a comunidade envolvente. Algumas hipóteses sustentam que as bebidas
alcoólicas foram difundidas entre os índios com objetivos de dominação. Mas
João faz uma crítica a esta idéia já que assim fica depositada nas mãos dos
brancos toda a iniciativa de ação e as populações indígenas são reduzidas a
meras coadjuvantes. A hipótese com que ele trabalha considera a possibilidade
dos povos indígenas terem se apropriado ativamente destas bebidas alcoólicas
e, conseqüentemente, exercido algum tipo de controle simbólico sobre elas. A
questão que se coloca é a seguinte: “por que as bebidas de alto teor alcoólico
foram apropriadas pelos Maxacali?”
Pensando que beber é um hábito antigo e difundido mas que cada
cultura o faz de maneira particular, João Luiz formula seu problema na
tentativa de encontrar as razões internas que uma população encontra para
consumir sua bebida.
Para trabalhar seu problema, ele começa destacando as bebidas de baixo
e alto teor alcoólico em suas etimologias, histórias, propriedades químicas,
farmacologia do álcool e os aspectos simbólicos que possuem. Também chama
a atenção para os diferentes usos e efeitos que elas assumem de acordo com as
situações culturais diversas. Em seguida, o autor apresenta os contextos em
que as bebidas de alto teor alcoólico foram disseminadas entre os indígenas e
as perspectivas teóricas que procuram explicar o uso exacerbado destas
bebidas por diversas etnias. Finalmente, após expor a forma como ocorreu o
contato entre os Maxacali e a sociedade brasileira, ele evidencia a relação
existente entre o uso de bebidas destiladas e a cosmologia deste povo.
A meu ver, João realiza um ótimo trabalho: com uma argumentação
bem amarrada, com um texto bem escrito, sem sobra de citações, sem carência
de informações. Logo na apresentação, ele comenta a pretensão inicial de
realizar uma pesquisa muito mais pautada no campo e também as
impossibilidades que o levaram a realizá-la por um viés muito mais
bibliográfico. Mas o que poderia parecer uma falta, um mero apanhado de
outros tantos textos, ele transforma num trabalho de muito fôlego.
Principalmente pela ousadia de propor uma interpretação – que me parece
factível – para a questão que ele se coloca. Enfim, apesar de toda a coerência,
coragem e sensibilidade com que conduz seu argumento, João finaliza
constatando que ainda é necessário investigar com detalhes, a partir de uma
pesquisa de campo, os efeitos desencadeados pelas bebidas de alto teor
alcoólico na sociedade Maxacali para que as especulações desenvolvidas não
se percam da realidade que ele se propõe estudar.