Sei sulla pagina 1di 19

MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO E EDUCAÇÃO

CADEIRA: PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SÓCIO – EMOCIONAIS

AUTO-REALIZAÇÃO

Discente:

Julieta José Henriques Monteiro

Docente:

Prof. Doutor Paulo Bulaque

Beira

Março 2018
AUTO-REALIZAÇÃO

Discente:
Julieta José Henriques Monteira

MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO E EDUCAÇÃO

Docente:

Prof. Doutor Paulo Bulaque

Beira

Março 2018
RESUMO

O tema Auto-realização tem sido extremamente interessante em diferentes áreas do


conhecimento, sendo visto como elemento de alienação e exploração do homem gerador de
sofrimento psíquico ou ainda como recurso de desenvolvimento e de identidade do Ser
Humano e, portanto, oportunizando o aprimoramento e realização pessoal, profissional e
social. A ênfase dada ao trabalho segue o caminho da reflexão que descortina o quanto o
trabalho pode ser um recurso de desenvolvimento e auto-realização do homem. Parte-se da
preocupação com as questões mais pertinentes e profundas do Ser Humano que tem vivido
num vázio existencial e num “empobrecimento” subjectivo em prol das necessidades
superficiais e imediatistas da modernidade. Este trabalho tem como objectivo central
discorrer sobre a auto-realização tendo como premissa básica de que o trabalho pode ser um
recurso para o desenvolvimento do Ser pleno e auto-realizado. As idéias apresentadas
destacam, em particular, contribuições provenientes da revisão de literatura.

Nesse sentido, através das correlações tecidas entre as idéias, principalmente, da Psicologia
Humanista e Analítica, pode-se verificar ao longo do texto, que o trabalho quando
carregado de sentido torna-se um trabalho auto-realizador, que vincula o homem a esferas
que vão além da subsistência e das necessidades materiais humanas e oportuniza a
aproximação do sujeito ao grande potencial de desenvolvimento humano.

Palavras Chave: Auto-Realização, Auto-Imagem, Auto-Estima.


SUMÁRIO

CAPITULO I: INTRODUÇÃO....................................................................................................... 1
1.1. Contextualização.................................................................................................................. 1
1.2. Objectivos do Trabalho ........................................................................................................ 2
CAPITULO II: REFERENCIAL TEORICO .................................................................................. 3
2.1. Definição.............................................................................................................................. 3
2.2. Características típicas da Auto-Realização .......................................................................... 3
2.3. A necessidade de Auto-Realização ...................................................................................... 5
2.4. O Desenvolvimento de Auto-Realização ............................................................................. 5
2.5. Auto-imagem, Auto-Estima e Auto-Realização .................................................................. 6
2.6. Competências Transversais necessárias para ser Bem-Sucedido no ambiente
educacional ...................................................................................................................................... 7
2.6.1. Autoconhecimento ............................................................................................................... 8
2.6.2. Auto-estima.......................................................................................................................... 8
2.6.3. Auto-realização .................................................................................................................... 9
2. Conclusão .......................................................................................................................... 13
CAPITULO III: REFERENCIAS ................................................................................................. 14
CAPITULO I: INTRODUÇÃO

1.1. Contextualização

A auto-realização pode ser definida com base na visão clássica marxista como tipo
motivacional no universo do trabalho ou educacional, apresentada como a efetivação e a
expressão plena e livre dos poderes e capacidades do indivíduo. Portanto, a auto-realização
acontece na acção, o que, contemporaneamente, é criticado pela valoração relativa do
trabalho e do ócio como propiciador de realização do ser humano (cf. “O direito à
preguiça”, de Paul Lafargue).
O tema tem sido uma esfera de preocupação e de atenção dos estudos da Psicologia Social e
da Psicologia Organizacional e do Trabalho. Sabe-se que o trabalho pode ser analisado a
partir de duas vertentes históricas e socialmente demarcadas: a vertente que aborda o
trabalho como alienação e exploração do homem e, portanto, geradora de sofrimento
psíquico e a vertente que aborda o trabalho como recurso de desenvolvimento e de
identidade do homem e, portanto, oportunizando o aprimoramento e realização pessoal,
profissional e social.

Diante da centralidade do trabalho na vida do homem, cabe refletirmos e aprofundarmos


teoricamente acerca da importância do trabalho para a vida do homem, não a importância
dada à objectiva e clássica relação entre trabalho e subsistência, mas a importância dada ao
possível desenvolvimento do homem e ao alcance da auto-realização através do mesmo.

A linha central argumentativa de elucidação do conceito e definição de auto-realização será


a obra de Abraham Maslow acerca da hierarquia das necessidades humanas a fim de
apresentar ao leitor os níveis de motivação (vinculados a necessidades) e de meta-
motivação (vinculados a meta necessidades) do homem que perpassam a vida e a relação do
sujeito com o trabalho.

1
1.2. Objectivos do Trabalho

Objectivo geral deste trabalho é estudar a Auto-realização no contexto da desenvolvimento


humano e de educação. Os Objectivo Específicos são:

 Definir a Auto-Realização no âmbito geral;


 Identificar as Características típicas da Auto-realização;
 Descrever as competências transversais necessárias para ser bem-sucedido no
ambiente educacional.

2
CAPITULO II: REFERENCIAL TEORICO
2.1. Definição

Auto-Realização - é uma revelação absoluta, potencial, pessoal, de aptidões e inclinações


do indivíduo. É expresso em uma busca pessoal para as oportunidades de identificação
pessoais mais abrangentes e mais na educação. A verdadeira realização depende de
favoráveis condições sociais e históricas, no entanto, não podem ser definidas fora da
sociedade ou cultura.

Auto-realização não contém qualquer objetivo externo. Ela vem de dentro do indivíduo,
expressando sua natureza positiva. Auto-realização é considerado um conceito-chave no
conceito humanista na psicologia. Seus valores fundamentais são: a liberdade pessoal, que
se esforça para o desenvolvimento, as capacidades de implementação e os desejos do
assunto.

2.2. Características típicas da Auto-Realização

O indivíduo envolvido em Auto-realização pode ser descrito da seguinte forma:


 Ele faz o que gosta;
 Não está sujeito à influência de outra;
 Comprometida com o desenvolvimento;
 Ele gosta de ler;
 Ele pode ser chamado de uma pessoa criativa;
 Aplica-se uma forma positiva de pensar;
 Confiante;
 Aberto emocionalmente;
 Perdoar a si mesmo para a incontinência periódica, irritabilidade, inerente a todos.

3
A teoria da auto-realização de Maslow é que, a fim de atingir o objectivo de evasão de
frustração na natureza humana, os indivíduos devem primeiro abandonar as ilusões sobre
isso. Maslow propôs oito princípios de auto-realização:

a) O primeiro princípio é baseado em uma experiência de vida altruísta completo com


concentração absoluta e absorção. Muitas vezes as pessoas não percebem o que está
acontecendo com eles e ao redor deles.
b) O segundo princípio reside na escolha de soluções na direção do crescimento em
qualquer situação. A escolha no crescimento significa abrir-nos à nova experiência e
imprevisto, em que há um risco de permanecer desconhecido.
c) Terceiro princípio ensina os indivíduos a realmente existir, e não potencialmente. Este
princípio significa que a necessidade de determinar as coisas que lhe dão prazer e não
são, independentemente das opiniões e posições dos outros.
d) O princípio da quarta abrange a aceitação de responsabilidade e honestidade, que são
os momentos de auto-realização.
e) O quinto princípio é a confiança, instintos próprios, pontos de vista e a adesão a eles, e
não confiar no que é aceito na sociedade. Apenas neste caso, o indivíduo é capaz de
fazer as escolhas de carreira certa, dieta, sócio da vida, criatividade e outros.
f) Sexto princípio em favor do desenvolvimento regular de suas inclinações, talentos,
aptidões, seu uso, a fim de fazer perfeitamente o que eles querem fazer.
g) Sétimo princípio cobre a fase de transição em atualização que Maslow referidos como
"experiências de pico". Em momentos de "picos" as pessoas refletem, agir e sentir,
tanto quanto possível e clara. Eles já não amam e aceitam os outros, mais livre de
conflitos pessoais e agitação, de forma mais construtiva pode usar sua energia.
h) Oitavo princípio simboliza o próximo passo da realização dirigido para a detecção de
"protecção" e a sua destruição. O conceito de "protecção" em Maslow implica projeção,
racionalização, repressão, identificação, etc., em outras palavras, tudo o que é usado na
prática psicanalítica.

4
2.3. A necessidade de Auto-Realização

Uma manifestação do desenvolvimento pessoal, aspiração interior é a necessidade de


realização. Rogers estava convencido de que o crescimento pessoal é peculiar a cada
indivíduo. Ele argumentou que mesmo que o desejo de auto-realização é firmemente preso
sob camadas de defesas psicológicas enferrujados, escondido por trás dos aspectos
complicados que rejeitam o fato de sua realidade, ainda existe em cada indivíduo, e apenas
esperando o momento de ocorrência de condições favoráveis para se expressar. A teoria da
auto-realização Rogers com base em sua crença no congestionamento de aspirações de
nascimento para se tornar uma pessoa inteira, capaz e competente, tanto quanto capacidade
permite.

2.4. O Desenvolvimento de Auto-Realização

Hoje, em uma era de rápida mudança social de transformação, obrigando a pessoa


invariavelmente transformar suas relações própria estabelecidos e bem estabelecidos na
vida, para se reconstruir, o problema da aplicação e desenvolvimento do potencial pessoal
sobe mais acentuadamente e qualitativamente nova maneira. Portanto, as questões
relacionadas com a criação de condições para a importância da auto-realização pessoal, a
necessidade de incentivos para o crescimento pessoal e desenvolvimento do potencial
criativo dos indivíduos na área da formação profissional e do emprego, incluindo a
formação e assistência.
Para os indivíduos cuja profissão está intimamente ligada à interações comunicativas com
os seres humanos, um alto grau de maturidade pessoal, saúde mental e o grau de auto-
realização não são apenas características profissionalmente importante, mas também os
principais determinantes da performance. O desenvolvimento de auto-realização é um
eterno valor para qualquer do sujeito moderno. Facilitar o processo de desenvolvimento dos
elementos externos de uma atitude positiva para a implementação de atividades, formando
assim atitudes positivas para si mesmo, a percepção de si mesmo como sujeito de tais
atividades, auto-realização desempenha o papel de um motorista do desenvolvimento da
personalidade.

5
2.5. Auto-imagem, Auto-Estima e Auto-Realização

No ensino superior, além do conhecimento, trabalha-se com aspectos de subjetividade e da


afetividade humana. A dinâmica que acontece no entrelaçamento destes três componentes,
dentro de determinados contextos de tempo e espaço, faz com que o processo de ensino e o
processo de aprendizagem, desejados na universidade, sejam particularmente importantes
de serem pesquisados hoje, mais ainda para um futuro já bem próximo, em especial para as
pessoas envolvidas nestes processos, mormente nos planos psicológico e social.

A auto-imagem surge na interação da pessoa com seu contexto social, consequência de


relações estabelecidas com os outros e para consigo mesmo. Deste modo, o ser humano
pode entender e antecipar seus comportamentos, cuidar-se nas relações com outras pessoas,
aprende a interpretar o meio ambiente em que vive e tentar ser o mais adequado às
exigências que lhe são feitas e que ele propõe para si mesmo. Por outro lado, entretanto, a
pessoa tem uma tendência à auto-realização, chegando mesmo a diferenciar-se do meio, em
especial através de transações e transições nele.

Por isto, destacou-se que a auto-imagem é uma espécie de organização da própria pessoa, é
composta de uma parte mais real e de outra mais subjetiva, convertendo-se em uma forma
determinante e de grande significado para poder entender o meio ambiente em que vive,
tentando perceber significados antes atribuídos ao meio, que depois são seus.

A auto-estima é o quanto gostamos de nós mesmos, realmente nos amamos, nos


apreciamos. Ambas surgem no processo de atualização continuada na nossa interação em
grupo, isto é, são interinfluências constantes que nos levam a nos entender e entender os
outros, de modo o mais real possível.

Auto-imagem e auto-estima realistas, no educador e no cuidador, são fundamentais para


auxiliar nossos educandos em desenvolvimento, pois podemos acreditar mais em suas
potencialidades, ao propor mais motivação em sala de aula, na situação de cuidado, ao

6
colocar mais de nós mesmos no ambiente de trabalho/ cuidado, ao sermos mais reais e
parecermos menos o que não somos. É a proposta de sermos verdadeiros animadores sócio-
culturais, estimulando, motivando e, principalmente, sabendo ver, ouvir e entender, atender
e cuidar.

Professores universitários são tidos como e se tornam formadores de opinião. De certa


maneira, servem e são modelos de identidade para seus educandos, especialmente se estes
estiverem no final da adolescência ou princípio da vida adulta, quando se sabe que têm
muito ainda a aprender, em termos de si próprio, sobre seus valores, seus sentimentos e
suas expectativas, sobre interações relações com os outros. Profissionais cuidadores o são
também.

De Acordo com Mosquera & Stobäus, 2003; Stobäus & Mosquera, 2005, o papel de um
professor/profissional mais saudável, que tenha melhores relações interpessoais mais
sadias, deve, sem dúvida, levar (a si) educandos/pessoas por ele cuidadas à auto-realização,
para chegar a ser e realizar-se e ajudar outros, em direção à Educação (mais) Inclusiva.

2.6. Competências transversais necessárias para ser Bem-Sucedido no ambiente


educacional

A missão do ensino superior e o desafio consequente de promoção do sucesso académico,


seguido do desenvolvimento psicossocial do jovem adulto e as dimensões a trabalhar para a
sua optimização, bem como a emergência deste conceito na história da formação, com as
suas múltiplas abordagens, e ainda a necessidade premente de formar um “eu” competente,
elaboramos uma proposta de competências transversais que consideramos imprescindíveis
para um aluno ser bem-sucedido no ensino superior, sendo elas: o autoconhecimento, a
auto-estima, a auto-realização, a empatia, a assertividade, o suporte social, a criatividade, a
cooperação, a liderança e a resiliência.

7
2.6.1. Autoconhecimento

Para a formação do jovem adulto parece-nos fundamental o desenvolvimento da


competência do autoconhecimento. Encontrando-se numa fase de estabilização da sua
identidade, ele precisa de conhecer os seus pontos fortes e fracos, tendo em vista potenciar
sempre mais os primeiros e melhorar os últimos.

De acordo com Franta e Colasanti (1993: Pág.121) entendem que o conhecimento das
próprias capacidades se revela indispensável para o incremento da adequada confiança
pessoal e para a reestruturação da percepção estereotipada das suas possibilidades. Todavia,
isso exige que o aluno adquira hábitos de compreender e autoavaliar as suas próprias
capacidades, o que é conseguido através da análise dos diálogos internos, que consistem
nas “conversas” que a pessoa estabelece consigo mesma.

2.6.2. Auto-estima

O crescente interesse pela competência da auto-estima justifica-se pelo facto de se entender


que este constructo tem um papel relevante no funcionamento saudável da pessoa:
habitualmente, um bom nível de auto-estima está positivamente correlacionado com um
estado de bem-estar psicológico, de integração social e com um menor grau de
desadaptação. Ora, investir na auto-estima pode contribuir para o sucesso ao nível pessoal,
social e profissional.

Etimologicamente, a palavra auto-estima evoca o termo “auto", que se refere à pessoa em si


mesma, e o verbo “estimar”, que deriva da palavra latina "aestimare", que significa
"avaliar", no sentido de "determinar o valor de" e de "ter uma opinião sobre". Por isso, o
conceito de auto-estima pressupõe o modo como cada um se vê a si mesmo e como se
julga, isto é, o tipo de valor que se atribui (Jardim & Pereira, 2006: Pág.75).

8
Do ponto de vista psicológico, o termo auto-estima refere-se, em geral, à avaliação afectiva
de si próprio, isto é, à forma como o indivíduo se sente, se está mais ou menos satisfeito
consigo, com aquilo que faz habitualmente e com as pessoas com quem convive (Mruk,
1999).
Neste termo, estão presentes três processos fundamentais: um cognitivo, um afectivo e um
avaliativo. O primeiro reporta-se à descrição do “self” (e.g., traços, comportamentos,
estados emocionais); o segundo implica o sentimento vivido ao ser aquilo que se é (e.g.,
orgulho em si mesmo ou amor-próprio); e o terceiro acentua a valência positiva ou negativa
dos sentimentos experimentados no processo descritivo de si mesmo (e.g., atribuir-se uma
elevada consideração pelo facto de ter realizado bem um tarefa específica).

Na perspectiva de Mruk (1999), se o autoconceito é constituído por elementos auto-


descritivos, a auto-estima é uma implicação do valor que uma pessoa atribui aos diversos
elementos do conceito que ela tem de si mesma.

2.6.3. Auto-realização

Apesar da amplitude e indefinição subjacente à noção de auto-realização, consideramos


este constructo importante para o sucesso pessoal, social e profissional dos estudantes do
ensino superior.

A auto-realização consiste na “capacidade de operacionalizar a tendência humana para


expandir, desenvolver e realizar, de modo autónomo, as potencialidades pessoais, sociais e
profissionais” (Jardim & Pereira, 2006: Pág.91). Assim, podemos afirmar que um indivíduo
se encaminha para a realização da plenitude do seu ser quando satisfaz as suas
necessidades, encontra um sentido para as suas acções e vivencia um sentimento de bem-
estar.

Uma leitura integrada das teorias humanistas mais conhecidas, faz-nos convergir para a
concepção anteriormente apresentada de auto-realização. Partindo do pressuposto de que o
ser humano tem, dentro de si, a aspiração a direccionar-se para significados, valores e

9
finalidades, este conceito pressupõe que a pessoa transcenda as fronteiras do imediato e do
presente, sendo esta exigência experimentada como inquietação, como carência de
satisfação e como chamamento a ser o que pessoa é (Fizzotti, 1997).

De acordo com Zacarés e Serra (1998) distinguem três concepções fundamentais da


autorrealização na psicologia humanista: auto-realização como motivação e necessidade
(Maslow), auto-realização como “consumação do curso da vida” (Bühler e Frankl) e
autorrealização como processo para se tornar pessoa total (Rogers) – que passamos a
explicitar.

De acordo com Maslow (1983, 1991), a auto-realização pressupõe a satisfação das


necessidades básicas ou de sobrevivência física, de amor e de pertença, de estima ou de
atenção; só depois de estarem satisfeitas essas necessidades, é possível passar para as
necessidades de crescimento ou meta-necessidades (totalidade, perfeição, cumprimento,
justiça, vida, simplicidade, beleza, bondade, singularidade, felicidade, jogo, verdade,
modéstia). São estas que conduzem à auto-realização, facto que é o resultado das
potencialidades terem sido desenvolvidas plenamente.

Maslow estudou a auto-realização em pessoas que, segundo o seu critério, tinham


alcançado esse estado ideal, como Abraham Lincoln, Thomas Jefferson, Mahatma Gandhi,
Albert Einstein, Eleanor Roosevelt, William James e Benedict Spinoza, entre outros. Após
o estudo das suas biografias, escritos, feitos e palavras, identificou dezoito traços comuns a
todos eles, e chegou à conclusão que raramente se alcança este estado final de crescimento
pessoal.
A maioria das pessoas funciona praticamente durante toda a sua vida num nível inferior, a
que o autor denomina de "psicopatologia da normalidade”.

Se Maslow não fez uma proposta evolutiva da auto-realização, Charlotte Bühler (1961)
apresentou uma abordagem por etapas evolutivas da auto-realização, com a preocupação de
definir o que constitui uma vida bem-sucedida ou fracassada a partir do balanço que cada

10
sujeito faz ao longo da sua trajectória existencial: desde o nascimento até aos 15 anos –
período anterior à determinação de uma meta vital; dos 15 aos 25 anos – autodeterminação
das metas de forma experimental; dos 25 aos 45 anos – determinação das metas mais
específicas e definitivas; dos 45 aos 65 anos – avaliação de até que ponto se aproximou do
cumprimento das metas; dos 65 anos em diante – período da integração e da plenitude, isto
é, verificação se o indivíduo teve êxito na concretização dos seus objectivos.

O sentimento de “vida bem-sucedida”, de plenitude ou de consumação, pressupõe que


foram potenciadas as tendências básicas humanas: tendência para a satisfação das
necessidades (como inclinação para o relaxamento e a felicidade entendida no sentido do
usufruto hedonista); tendência para a adaptação auto-limitativa (predisposição para a
limitação, segurança e pertinência com vista ao reconhecimento do “eu”); tendência para a
expansão criadora (como propensão para a transcendência e a acção generativa); e
tendência para a manutenção da ordem interior (expressa em termos de integração
autónoma, de auto-suficiência e de paz interior). Nas suas investigações de carácter
biográfico, Bühler concluiu que o resultado positivo ou negativo desse "balanço vital"
depende directamente da tensão entre as quatro tendências mencionadas, reconhecidas
pelos sujeitos investigados como decisivamente influentes no curso das suas vidas.

Na mesma perspectiva de preocupação com o sentido da existência, Vítor Frankl (1993)


apresenta o conceito de vontade de sentido, que significa o esforço do indivíduo em
encontrar um significado para a sua vida. Para ele, esta noção constitui a força motivacional
primária na pessoa, o que a leva à auto-transcendência, que consiste na capacidade de
abertura à realidade e de descoberta dos significados para além dela mesma. A auto-
transcendência manifesta-se, particularmente, na intencionalidade dos fenómenos humanos,
que pode ser aferida através da tendência para o cumprimento de um sentido e a realização
de valores. Assim, a auto-realização acontece de um modo espontâneo como consequência
da auto-transcendência.

11
Enquanto Maslow (1991) baseou as suas ideias em estudos de caso de "modelos de vida",
Rogers (1985) fundamentou a sua concepção na sua experiência como psicoterapeuta, o
que suscitou uma perspectiva da auto-realização como processo (de se tornar pessoa
integral, como resultado do trabalho ao longo do tempo). A pessoa que funciona
integralmente, segundo Rogers (1985: Pág.166), está "aberta à experiência", isto é, os seus
constructos cognitivos são flexíveis e mutáveis, susceptíveis de modificação a partir da
nova evidência proveniente da vivência interna. A pessoa aceita a responsabilidade do seu
comportamento, aceita-se a si mesma e aos outros, e é capaz de se adaptar às circunstâncias
da vida.

12
2. Conclusão

Concluí-se que trabalho foi inspirado pelos valores morais, éticos e espirituais. Há um
vazio valorativo que começa a chamar atenção através dos crescentes apelos à
transcendência e à espiritualidade enfatizando a importância de um direcionamento que
exige uma nova roupagem para o mundo da educação, implicando na constituição de um
novo “Ethos” e na busca de objetivos mais “nobres”, uma vez que a escola não poderá
restringir sua missão e metas aos aspectos educacionais.
Afinal, o despertar das organizações para o desenvolvimento humano possibilitará ao
indivíduo o estabelecimento de uma aliança psicológico com o aprendizado caracterizado
pelo seu envolvimento moral, ficando muito mais vinculado à sua humanidade e ao plano
do Ser existencial, em contradição com o plano do Ter material, pois buscar o
desenvolvimento humano e, sobretudo, a auto-realização a partir dos estudos é pensar no
seu verdadeiro significado para o sujeito e para a coletividade no desenvolvimento humano.

13
CAPITULO III: REFERENCIAS

i. BÜHLER, C. (1961) The goal structure of human life. Journal of Humanisitic


Psychology,1(1), 8-18. dell’Educazione (pp.114-115). Roma: LAS.

ii. FIZZOTTI, E. (1997). Autorealizzazione. In J. M. Prellezo (Coord.). Dizionario di


Scienze

iii. FRANKL, V.E. (1993). Alla Ricerca di Un Significato della Vita. Milano: Mursia.

iv. FRANTA, H. & COLASANTI, A.R. (1993). L’arte dell’incoraggiamento:


Insegnamento

v. JARDIM, J. & Pereira, A. (2006). Competências Pessoais e Sociais: Guia Prático para a
Kairós. Madrid: Pirámide.

vi. MASLOW, A.H. (1991). Motivación y personalidad (3.ª Ed.). Madrid: Díaz de Santos.

vii. MASLOW, A.H. (s.d.). Introdução à Psicologia do Ser. Rio de Janeiro: Eldorado.

viii. MOSQUERA, J.J.M., & STOBÄUS, C.D. (2005). Auto-imagem, auto-estima e auto-
realização na Universidade. IberPsicología, 10 (3.9) from http://fs-
morente.filos.ucm.es/publicaciones/iberpsicologia/lisboa/mourino/mourino.htm

ix. MRUK, Ch. (1999). Auto-estima. Investigación, teoría y práctica. Bilbao: Desclée de
Brouwer. Mudança Positiva. Porto: ASA. personalità degli alievi (3.ª Ed.). Roma: NIS.

x. ROGERS, C.R. (1985). Tornar-se Pessoa (7.ª Ed.) Lisboa: Moraes Editores.

xi. STOBÄUS, C.D., & MOSQUERA, J.J.M. (Orgs.). (2004). Educação Especial. Rumo à
Educação Inclusiva (2ª ed.). Porto Alegre: EDIPUCRS.

xii. ZACARÉS, J.J. & Serra, E. (1998). La Madurez Personal: Perspectivas desde la
Psicología.

14