Sei sulla pagina 1di 1

PORTO ALEGRE, QUARTA-FEIRA, 4 DE OUTUBRO DE 2000 ZERO HORA

REPORTAGEM ESPECIAL

PDT dividido rompe com governo Olívio


A cúpula pedetista não aceitou a manutenção dos dissidentes do partido no secretariado e anunciou o fim da aliança
LUIZ ABREU, DIVULGAÇÃO/ZH

Sem acordo: Dipp (E) pediu a substituição dos três pedetistas dissidentes no governo, mas Olívio (D) não aceitou Nota oficial: carta do PDT anunciou o fim da aliança
POTI SILVEIRA CAMPOS e SÉRGIO GOBETTI O secretário de Obras e Saneamento, Pedro Ruas, foi – Esse rompimento é definitivo. Não vamos voltar ao
o único que seguiu a decisão partidária e apresentou sua passado, temos que projetar o futuro.
Depois de vários meses de disputas internas, o PDT carta de demissão ao governador. O secretário especial O próprio Dipp era um dos pedetistas favoráveis a re-
anunciou ontem seu afastamento do governo do Esta- do Mercosul, Renan Kurtz, entregou seu cargo, mas Olí- forçar a aliança com o PT a partir das eleições munici-
vio o manteve na posição. Conforme os dirigentes do pais, mas o tiro saiu pela culatra. Os dois partidos con-
do, aprofundando a crise da sigla. PDT, o partido tem entre 180 e 200 cargos no governo, correram aliados em 85 municípios. Em alguns foram
O rompimento ocorreu após uma reunião em que o e quem não se afastar será expulso. vitoriosos, como Bagé, mas nas três principais cidades
governador Olívio Dutra recusou o pedido de substi- onde o PT era vice do PDT a coligação foi derrotada –
tuição dos secretários pedetistas que se desligaram do Presidente do PDT descartou reaproximação com Passo Fundo, Santo Ângelo e Osório. A passagem de
Piratini, mas prefeitos protestaram contra decisão Collares para o segundo turno fortaleceu o pólo contrá-
partido para evitar o apoio a Alceu Collares no segun-
do turno das eleições na Capital. Na prática, o fim da aliança pouco altera a situação do rio à aliança.
governo na Assembléia Legislativa. Dos sete deputados Apesar dessa nova hegemonia, vários prefeitos do
– Nós estamos rompendo porque faltou ética. O go- do PDT, apenas dois costumavam votar junto com o go- PDT descontentes com a ruptura protestaram ontem pe-
vernador resolveu fazer uma aliança com pessoas, e não verno. Na reunião com os líderes pedetistas, Olívio che- lo fato de a cúpula pedetista ter tomado a decisão sem
com o partido – declarou o presidente estadual do PDT, gou a reclamar da falta de apoio da bancada e da “forma consultar as bases.
Airton Dipp, depois de deixar o Palácio Piratini. agressiva, desrespeitosa e caluniosa” como Collares se – O governo Olívio pode ter seus defeitos, mas tem
Na segunda-feira, o vice-presidente do Banrisul, Sere- refere a sua gestão. avançado na participação popular – afirmou o prefeito
no Chaise, e os secretários de Minas e Energia, Dilma – A relação da bancada com o governo não muda de Bom Jesus, Júlio Cesar Pannebecker (PDT), presi-
Roussef, e de Turismo, Milton Zuanazzi, colocaram quase nada. Nós nunca abrimos mão da autonomia – dente em exercício da Famurs.
seus cargos à disposição de Olívio e apresentaram à di- afirmou Vieira da Cunha. Os pedetistas contrários ao rompimento se reuniram
reção do PDT um pedido de afastamento por 180 dias. Segundo o Palácio Piratini, a relação entre os dois par- ontem com Dilma e Zuanazzi na Assembléia. Eles pre-
Caso a licença não fosse aceita, pediam desfiliação. tidos poderá ser discutida novamente depois das eleições. tendem organizar um movimento de resistência ao “pro-
– Não temos conhecimento de que exista nos estatutos Para o lugar de Ruas, o governador deverá nomear interi- cesso de direitização do PDT liderado por Collares”.
do partido a figura do afastamento temporário. Politica- namente o atual diretor do Departamento de Assuntos – Nós colocamos a crise do PDT a nu. O que está em
mente, não os consideramos mais nossos companheiros Metropolitanos, Voltaire Branco Pellenz. O objetivo é jogo são dois projetos. O partido não pode continuar os-
– disse o presidente municipal do PDT e líder da banca- deixar a porta aberta para um retorno do PDT, mas o cilando da esquerda para a direita, como ocorreu de
da na Assembléia, deputado Vieira da Cunha. presidente estadual do PDT descarta a reaproximação: 1998 a 2000 – disse Dilma.