Sei sulla pagina 1di 3

História

CIVILIZAÇÃO ROMANA
1. ORIGENS
A civilização romana está localizada na parte sul da
Europa se estendendo em direção ao Mar Mediterrâneo. Seu
território é dividido em 4 partes:
 Itália do Norte: abrangendo as regiões da Ligúria,
Gália, Vêneto, Salassos e Ístria.
 Itália Central: abrangendo as regiões da Etrúria,
Úmbria, Lácio.
 Itália do Sul: abrangendo as regiões da Apúlia, Lu-
cânia, Calábria e Brúcio.
 Itália Peninsular: abrangendo as ilhas da Sicília,
Sardenha, Córsega e Elba.

Povos da península Itálica (século VIII a. C.)


Escultura que representa a loba amamentando os
VÊNETOS N
gêmeos Rômulo e Remo.
LÍG
UR O L
ES
GREGOS S 2. EVOLUÇÃO POLÍTICA
ÚM

ILÍRIOS
ILÍ O S
BR
ET

 Período Monárquico: vai de 753 a 509 a.C. nesta


RI O
I
RU

S
SC

Córsega Mar época havia um rei que governava apoiado pelo


O

SABINOS
S

Roma Adriático senado e pela assembléia curial. Os senadores e-


LATINOS SAM
ram anciãos e apenas propunham leis e fiscaliza-
O

N
SC

ITA
vam os atos do rei. A Assembléia Curial era
O

S
M
S

Sardenha Nápoles
AC

Tarento
formada pelos cidadãos que aprovavam as leis e
ED

Mar
Ô

escolhiam os altos funcionários públicos. Social-


N

Tirreno
IA

Crotona mente havia 4 classes distintas:


GREGOS
1 Patrícios: eram os cidadãos, com direitos políticos, ricos e
Sicília
Cartago grandes proprietários.
Siracusa Tribos
CARTAGINESES
latino-faliscas 2 Clientes: homens livres mas sem direitos políticos, traba-
Tribos
Umbro-sabélicas
lhavam para os patrícios em funções de confiança.
Mar Tribos ilíricas 3 Plebeus: homens livres comuns, comerciantes, artesãos,
Mediterrâneo Núcleo originário
pequenos proprietários.
dos etruscos
Território
ESCALA cartaginês 4 Escravos: geralmente prisioneiros de guerra.
ÁFRICA 0 130 260
 Período Republicano: Com a Republica, os patrí-
Colônias gregas
QUILÔMETROS
cios passam a governar Roma. A estrutura era for-
Fontes: SERRYN, Pierre & BLASSELLE, René. Atlas Bordas géographique et historique. mada por 2 cônsules, o Senado e a assembléia
Paris, Bordas, 1996; Atlas historique-Histoire de I’humanité. Paris, Hachette, 1987.
dos cidadãos. Os plebeus que eram a maioria da
população não participavam das decisões político-
A origem de Roma é contada pela lenda da Loba que econômicas mas eram eles quem sustentavam com
amamentou dois gêmeos , Rômulo e Remo, por volta de 753 impostos todo o governo Romano. Começa então
a.C. A partir daí, começa a história desta civilização que se uma série de reivindicações e lutas dos plebeus
divide em 3 períodos: Monárquico, Republicano e Imperial. que conseguem alguns avanços como a Lei das 12
tabuas (onde as leis passariam a ser escritas), Lei
da Canuléia (permitia a união entre patrícios e
plebeus), Eleição de Magistrado Plebeu (Cônsul) e
fim da escravidão por dívidas. Foi durante a Repú-
blica que Roma expandiu seu território conquistan-
do a Península Itálica, o norte da África e parte da
Ásia. Com o envolvimento em tantos conflitos, a
plebe ficou esquecida e miserável e isso aumentou
ainda mais os protestos e revoltas internas.

Editora Exato 3
História

O Imério Romano (Século II d. C.) Principais Divindades


Nome romano Nome grego Atribuições
ESLAVOS Júpiter Zeus Pai dos deuses;
BRITÂNIA
deus do céu.
Rio Reno

O GERMANOS
TIC
Juno Hera Mãe dos deuses;

M
N

ar
AT Rio


Da
O nú protetora das mães

sp
RÉCIA bio
AN GÁLIA

io
DÁCIA
CE
ILÍR
O
IA
Mar Negro e esposas.
NIA

ARMÊNIA
Rio

DALMÁCIA
ITÂ

Tig

Roma MÉSIA PONTO


Marte Ares Deus da guerra
LUS

re

HISPÂNIA A
Olisipo
Córsega PENÍNSULA NI GALÁCIA ME
Is. Baleares ITÁLICA Ô S O R io
(Lisboa) Sardenha
Tarento
Crotona M
ED
AC IA
ÁSIA MENOR
PO
T
Tig
re
Vênus Afrodite Deusa do amor
ÉC Atenas Éfeso
GR Corinto Antioquia ÂMIA

MAURITÂNIA Cartago
Sicília
Siracusa Esparta Chipre SÍRIA Rio E Ctesifonte
ufra
Ceres Deméter Deusa da vegeta-
Creta tes
MU Mar Mediterrâneo
Tiro Damasco ção, das colheitas,
MÍD
N IA Cirene
Alexandria
Jerusalém
da fertilidade da
O L
ÁFRICA
CIRENAICA
EGITO
PENÍNSULA
terra.
S M
ar ARÁBICA Diana Ártemis Deusa da caça.
Rio Nilo

ESCALA Ve
rm
Império Romano em suas maior extensão 0 330
QU IL ÔM ETR OS
660 elh
o Apolo Apolo Deus da luz; prote-
Fonte: SERRYN, Pierre & BLASSELLE, René. Atlas Bordas géographique et historique. Paris, Bordas, 1996. tor das artes.
Mercúrio Hermes Mensageiro dos
 Período Imperial: A solução encontrada para a deuses; deus das
questão foi um governo transitório para o Império. estradas; protetor
Este governo era o Triunvirato (3 governantes). Era dos comerciantes,
quase impossível os 3 governantes se entenderem. dos viajantes e dos
No fim do 2º triunvirato um dos governantes, Otá- ladrões.
vio, tornou-se Imperador de Roma. Otávio foi a- Vulcano Hefesto Deus do fogo; pro-
cumulando todos os poderes possíveis para um tetor dos ferreiros e
governante, Augusto (divino),princeps (1º cidadão), oleiros
imperador (chefe do exército), pontifex maximus Vesta Héstia Deusa do fogo
(chefe da igreja), pater patriae (pai da pátria). Para doméstico;
não se tornar Rei de Roma, Otávio governou junto Protetora da família
com o senado e a assembléia curial. Este foi um e das cidades.
período de grande paz e desenvolvimento econô- Minerva Atena Deusa da sabedo-
mico.Depois de Otávio vieram outros tantos impe- ria.
radores. Depois do ano 235 o Império começa a Netuno Poséidon Deus dos mares
enfraquecer devido ao excesso de gastos públicos,
aumento do número de miseráveis plebeus, dimi- 4. LEITURA COMPLEMENTAR
nuição no comércio e algumas invasões bárbaras
no norte do território. Em 395 o grande império foi Ave César!
dividido em dois: Você já parou para pensar como deveria ser a infância
na Roma Antiga?
1 Império Romano do Ocidente: com capital em Roma Tenha certeza, era bem diferente dos dias de hoje. O
2 Império Romano do Oriente: com capital em Cons- texto a seguir conta o início da vida de Júlio César de uma
tantinopla. forma bem-humorada. Por ele, podemos perceber como era
Em 476, o imperador Rômulo Augusto foi derrotado ser criança entre os romanos.
pelos bárbaros e Roma foi totalmente dominada. Em 1453 o Ser bebê em Roma não era nada fácil! Talvez fosse a
Império Romano do Oriente foi invadido e derrotado pelos etapa da vida mais difícil de vencer. O todo-poderoso pai da
Turcos Otomanos. família era quem primeiro determinava o destino do recém-
nascido: viver ou morrer?
3. CULTURA ROMANA Ao nascer, o coitadinho era colocado no chão.Se o
pai reconhecesse o filho como seu, ele o tomava nos braços e
Alguns aspectos da cultura romana são meramente o levantava para todo mundo ver. Isso queria dizer que o be-
cópia da cultura grega, isso se aplica na ciência e filosofia e bê estava salvo. Caso ficasse no chão, era abandonado ou
na religião politeísta. Em outras áreas, como no direito, foram morto. Isso significava que ele tinha algum defeito físico ou
inovadores com códigos de leis escritas, na arquitetura com então que não podia ser educado pelos pais (quando eram
grandes templos. muito pobres). Mas nem tudo estava perdido, pois a criança
O cristianismo é um marco divisor na cultura romana, poderia ser educada por alguém menos pobre da família ou
pois no início eram perseguidos pelos imperadores mas de- mesmo ser "aproveitada" por um mercador de escravos.
pois de 312 o imperador Constantino decretou o Edito de Mi- Júlio César, para sua felicidade, nasceu perfeito fisi-
lão que liberava o culto religioso no Império Romano. A partir camente. Pernas, braços, orelhas e todo o resto estavam no
daí, o cristianismo tornou-se a religião mais praticada no Im- lugar certo. E, em 13 de julho de 100 a.C., dia em que veio
pério e se espalhou pelo mundo junto com as conquistas terri- ao mundo, seu pai o levantou do chão.
toriais romanas. César, como quase todo recém-nascido de Roma, foi
tratado de uma forma muito severa e estranha.
Logo no primeiro mês, para que ficasse durinha, a cri-
ança era enfaixada dos pés ao pescoço (pernas e braços fica-

Editora Exato 4
História
vam presos!); no segundo mês que felicidade!, seu braço di-
reito era liberado (só assim ela não viria a ser canhota). Ah,
diariamente davam-lhe banho em água fria, que era para ela
não ficar mole. Em seguida, recebia uma massagem no rosto
e no corpo.
Aos três anos, a criança era separada de sua ama-de-
leite (mulher que amamenta). Dissemos criança, mas, na ver-
dade, nem isso ela era considerada. Só depois de aprender a
falar, comer e andar é que poderia ser considerada como tal.
Recebia então um coração (podia ser uma bola), em ouro ou
em couro, que era pendurado em seu pescoço. Dentro dele,
uma espécie de figa ou amuleto, para afastar os maus espíri-
tos.
Quanto ao nosso César, foi somente aos nove meses
que recebeu o seu prenome, Caio. Seu segundo nome, Júlio,
vem do gens ou clã do qual fazia parte. O nome César, por
sua vez, era o título dado aos imperadores romanos.
(Adaptados de: Charlotte Bernard. César & Rome.
Éditions Fontaine/ Mango, 1995, p. 13.
Coleção Reaard d’ Aujourd ‘ hui.)
Aividades sobre o texto
a) Existem muitas diferenças entre a educação romana e a
nossa. Faça um texto comparando essas diferenças.
b) Um dos objetivos da educação é formar pessoas para
viver em sociedade. Na sua opinião, que tipo de pes-
soas a educação romana procurava formar?
c) Escreva uma redação com o título: “Ser criança em
Roma”.

EXERCÍCIOS
1 Qual a localização e a divisão do território Romano?

2 Como era dividida a sociedade romana?

3 Quais os motivos da lutas entre patrícios e plebeus?

4 Quais os resultados das lutas dos plebeus obtidos duran-


te o período republicano?

5 Quem foi Otávio Augusto?

Editora Exato 5