Sei sulla pagina 1di 16

MIRELA PIRES SILVA

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

GUARULHOS
2018
MIRELA PIRES SILVA

A INFLUÊNCIA DA MIDIA NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

Projeto apresentado ao Curso de Nutrição da


Instituição Faculdade Anhanguera de Guarulhos

Orientador: Prof(ª). Ana Claudia Pelissari


Kravchychy

Guarulhos
2017
MIRELA PIRES SILVA

A INFLUENCIA DA MIDIA NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à


Anhanguera Educacional, como requisito parcial
para a obtenção do título de graduado em
Nutrição.

BANCA EXAMINADORA

Prof(a). Titulação Nome do Professor(a)

Prof(a). Titulação Nome do Professor(a)

Prof(a). Titulação Nome do Professor(a)

Guarulhos, 30 de março de 2018


SUMARIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 5

REFERÊNCIAS ........................................................... Error! Bookmark not defined.

APÊNDICE .................................................................. Error! Bookmark not defined.

ANEXO ....................................................................... Error! Bookmark not defined.


5

1 INTRODUÇÃO

Hoje em dia vive-se em uma época no qual a tecnologia avança cada vez mais
rápido, seja através da internet, da televisão, rádio, entre outros. Cada vez mais cedo,
crianças entram em contato com esse universo comunicativo criado nesse contexto.
Sabendo disso, e por considerá-las um público de fácil persuasão, as crianças
frequentemente são alvos de publicidades. É só ligar a TV ou acessar a internet, para
que se possa ver de que maneira as crianças são bombardeadas, por informações
que as induzem ao consumo. São propagandas de alimentos, roupas, brinquedos,
produzidos de forma lúdica com elementos do universo infantil e palavras imperativas
como: compre, use, tenha etc.

Esses anúncios têm o poder e o objetivo de invadir o imaginário infantil e criar


necessidades de consumo que, na maioria das vezes, são inexistentes. No Brasil,
a principal ferramenta do mercado para a persuasão do público infantil é a publicidade
na TV e Internet. No âmbito da alimentação, a publicidade é crescente impulsionada
pelas estratégias de comunicação mercadológica de produtos alimentícios
industrializados, com alto teor de gorduras e açúcares. Observa-se uma alteração nas
refeições das crianças brasileiras, o que têm contribuído para a obesidade infantil. Em
março de 2012, dados do Ministério da Saúde, apontaram que, uma em cada três
crianças brasileiras na faixa etária entre 5 e 9 anos estão acima do peso e esses
dados se renovaram e estão ainda piores.

A relevância do presente trabalho para os estudos do papel nutricional constitui-


se como uma base de grande importância para a atribuição de uma melhor qualidade
de vida as crianças e adolescentes e de conscientização dos pais, entendendo que o
marketing nutricional busca mostrar os produtos de uma forma que os consumidores
possam se sentir atraídos por eles, assim passando uma falsa impressão de produtos
totalmente saudáveis. Dessa forma, o presente estudo fundamenta-se em orientar
ambos os lados sobre a realidade por trás das propagandas na mídia.

Deve se ter uma postura de posicionamento para entender de que maneira pode
haver uma intervenção para a conscientização dos pais para ensinar seus filhos a
terem uma educação alimentar sem se basear no que é mostrado pela mídia. O
6

comportamento dos pais influencia diretamente o modo como as crianças lidam com
a própria alimentação, por isso, a melhor forma de educá-las é tomando atitudes que
sirvam de exemplo, como escolher alimentos saudáveis; realizar as refeições na
mesa; evitar fast-food e pratos e comidas prontas; oferecer alimentos in natura, forçar
o consumo; e nunca se utilizar de métodos de “gratificação” para realizar alguma tarefa
com discurso que terá recompensas, como doces, e guloseimas.

O objetivo geral deste trabalho é identificar as causas, verificar a influência da


mídia nos hábitos alimentares de crianças e adolescentes e consequências que
podem influenciar na saúde e na vida da criança quando se tornar adulta, e os objetos
específicos é, entender a importância de uma boa educação alimentar dos pais para
ser passada aos seus filhos, entender o que a influência da mídia pode causar na
cultura alimentar nas famílias e identificar quais as consequências que uma má
alimentação na infância pode causar na vida adulta.

Para o desenvolvimento da pesquisa será utilizada a pesquisa bibliográfica com


a finalidade de desenvolver uma revisão de literatura sobre o tema proposto, a fim de
se fazer uma revisão crítica dos estudos, abordando o que a influência da mídia pode
afetar na alimentação dos jovens, e a falta de orientação dos pais.
Os conteúdos serão extraídos de bases cientificas como Google Acadêmico,
Scielo e livros relacionados ao tema obtendo trabalhos entre os anos 2000 a 2014.
7

2. EDUCAÇÃO ALIMENTAR FAMILIAR

A alimentação durante os primeiros anos de vida da criança pode ser


determinante para a saúde que ela terá quando adolescente e até mesmo adulta. Por
isso, os pais devem ficar atentos ao que incentivam os filhos a comer já no início da
vida.
A educação alimentar e nutricional (EAN) tem por finalidade contribuir para a
promoção e a proteção da saúde, através de uma alimentação adequada e saudável,
desempenhando seu crescimento e desenvolvimento humano conforme as políticas
públicas em alimentação e nutrição (PNAN, 2012).

Para ter uma mudança significativa no comportamento alimentar das crianças Ramos
e Stein (2000) declara que:

A criança aprende pelo ato de repetição, nas vezes ofertando os mesmos


alimentos e ainda que em alguns casos elas se recusem a comer, a criança
aprende a gostar do alimento, pois deverá ser ofertado novamente para poder
criar afinidade com o alimento e se adaptar ao paladar, que ainda está
conhecendo e se formando.

“A formação de hábitos alimentares saudáveis é um processo que se inicia


desde o nascimento, com as práticas alimentares introduzidas nos primeiros anos de
vida pelos pais, primeiros responsáveis pela formação dos mesmos. ” (AMARAL,
2008, p. 01).
8

A alimentação para os seres humanos possui significado maior do que apenas


garantir as necessidades do corpo. O ato de comer está relacionado a valores sociais,
culturais, afetivos e sensoriais, sendo o momento de prazer e confraternização com
familiares e amigos. O alimento é muito mais do que uma fonte de nutrientes.
Apreciam-se as cores, a textura e o sabor da comida. Mas isso não é tudo. Nesse jogo
de sensações, é bom ressaltar que uma alimentação saudável não precisa ser cara,
pois pode ser composta de alimentos naturais, produzidos na região onde se vive;
deve ser colorida, composta por alimentos variados, ter qualidade e ser consumida na
quantidade certa, devendo ser segura para o consumo, ou seja, estar livre de
contaminação (ANVISA, 2103).

A alimentação é uma necessidade básica do ser humano, e o ato de alimentar-


se envolve muitos aspectos que influenciam sua saúde e sua qualidade de vida
(ZANCUL; DUTRA-DE-OLIVEIRA, 2007). Para aquisição e transmissão de bons
hábitos nutricionais, é necessário conhecer os alimentos e suas funções no corpo, a
fim de entender o porquê de esses alimentos serem recomendados (SILVA, 2008).

A boa prática alimentar promove a saúde do indivíduo, prevenindo-o contra


doenças como anemias, diabetes tipo II, cardiopatias, síndromes metabólicas e outras
morbidades associadas aos altos e crescentes índices de obesidade observados nas
crianças (CRIPPS et al., 2005). Assim, os alimentos ou o tipo de alimentação que os
indivíduos consomem rotineira e repetidamente no cotidiano caracterizam o seu hábito
ou comportamento alimentar. Não é simplesmente a repetição do consumo do
alimento que desenvolve o comportamento alimentar, pois existem outros fatores
inter-relacionados, de origens interna e externa ao organismo, que influenciam a
adoção desse comportamento (RAMOS; STEIN, 2000).

Uma boa alimentação é aquela que mantém o organismo em estado de saúde,


ou seja, com osso e dentes fortes, peso e estatura de acordo com o biótipo do
indivíduo, boa disposição, resistência às enfermidades, vontade de trabalhar e divertir-
se, para isso se faz necessária uma dieta balanceada que contenha variados
nutrientes com múltiplas funções. (MONTEIRO e COSTA, 2004). 11 A nutrição é um
9

fator essencial na manutenção da saúde. Através de refeições balanceadas constitui


um dos recursos utilizados pela medicina preventiva, alicerçados a outros para
determinar uma vida saudável e duradoura. (DARTORA, et al, 2006, p. 201). Para
essa conscientização sobre alimentação como fator de grande contribuição para
melhor qualidade de vida, se faz necessário um incentivo a promoção da saúde por
meio da educação nutricional se tornando, portanto, uma necessidade atual. A
sociedade não precisa de modismos, e sim da verdadeira conscientização da
importância dos hábitos alimentares corretos, isto é, fornecimento de alimentos
necessários, nas quantidades adequadas, nos momentos certos, e por meio desta
disciplina alimentar alcançar os benefícios satisfatórios para a saúde do corpo e, desta
forma, contribuir para a aquisição de uma boa qualidade de vida. (AMARAL, 2008).

Consea (2004), afirma que: A alimentação e nutrição adequadas constituem


direitos fundamentais do ser humano. São condições básicas para que se alcance um
desenvolvimento físico, emocional e intelectual satisfatório, fator determinante para a
qualidade de vida e o exercício da cidadania. Se for verdade que, muitas vezes, a falta
de recursos financeiros é o maior obstáculo a uma alimentação correta, também é fato
que ações de orientação e educativas têm um papel importante no combate a males
como a desnutrição e a obesidade. Ao chamar a atenção de crianças e adolescentes
para os benefícios de uma alimentação equilibrada, a escola dá a sua contribuição
para tornar mais saudável a comunidade em que se insere. (CONSEA, p. 81).

O comportamento alimentar de uma criança reflete nos processos de


crescimento e desenvolvimento em todos os aspectos. Com a devida atenção e
cuidados pode-se promover uma maior expectativa de vida do adulto futuro. É
importante lembrar que uma criança não deve ficar muito tempo sem se alimentar,
porque ela depende do alimento para o seu desenvolvimento, assim deve-se estar
precavido para uma alimentação balanceada. (ZANCUL, 2004).

Precisamos de alimentos porque neles encontramos tudo aquilo de que o nosso


corpo necessita para a obtenção de energia, de nutrientes e de materiais de
construção de novas células de reparo de componentes celulares para a regulação
10

de funções e prevenção contra várias doenças. (GOWDAK, 2006, p.64). Uma dieta
equilibrada e rica em alimentos saudáveis é essencial para levar a vida em plena
harmonia. Porém, por vezes não conseguimos distinguir os alimentos 12 mais
saudáveis daqueles que são mais prejudiciais à nossa saúde. A alimentação completa
é aquela onde ingerimos uma porção de cada tipo de alimento, de preferência um
prato bem colorido e diversificado é o ideal. Como já dito, os melhores alimentos
devem ser ricos em antioxidantes e pobres em gorduras, principalmente gordura
saturada, lembrando que uma alimentação saudável deve significar prazer e saúde.
(ZANCUL, 2004). Deste modo, nas refeições devem-se incluir alimentos variados,
como carnes, verduras, legumes e cereais, apresentado na figura abaixo.

PIRÂMIDE ALIMENTAR

Pirâmide Alimentar Fonte: FREITAS, (2002).


11

Segundo Freitas (2002) a pirâmide alimentar serve de orientação no que


devemos usar com maior e menor quantidade, basta seguirmos este modelo e
teremos uma vida com maior qualidade, principalmente entre as crianças que
necessitam de orientação nesta questão. Os alimentos são classificados em um grupo
básico, na qual necessita de porções certas de cada um deles: PROTEÍNAS – são
alimentos construtores ou reparadores. Eles renovam nossas células gastas e
constroem novos tecidos [...]. CARBOIDRATOS – são energéticos, sendo a principal
fonte de combustível do corpo. Fornecem as calorias que gastamos diariamente em
nossas atividades. GORDURAS OU ÁCIDOS GRAXOS - também são energéticos e
veiculadores de certas vitaminas. São também essenciais ao corpo. VITAMINAS – ou
reguladores do funcionamento do corpo. Eles não fornecem energia, sua função é
manter a máquina do organismo funcionando corretamente. MINERAIS - assim como
as vitaminas, são reguladores. Exercem importante papel na manutenção da máquina
viva. Estão presentes em toda parte do corpo interferindo no equilíbrio das funções
vitais do sistema nervoso bem como de todo organismo. (FREITAS, 2002, p.43).
As proteínas são conhecidas como alimentos construtores, tendo a função de
ajudar na formação das pequenas partes, que quando unidas, constituem o nosso
corpo. São um complexo químico, que contém carbono, hidrogênio e oxigênio, tendo
um elemento essencial que é o nitrogênio, na qual constitui 16% da proteína. Esse
elemento combinado com os outros elementos forma os aminoácidos, podendo ser
encontrados em alimentos tanto de origem animal como vegetal. (AMARAL, 2008).
Deste modo, a proteínas têm como principal função o crescimento,
regeneração e troca de diferentes tecidos do corpo humano, como ossos, músculos,
na fabricação de glóbulos vermelhos, tecidos conectivos e as paredes de órgãos. “As
proteínas completas são aquelas que possuem todos os aminoácidos, por isso são
chamadas de alto valor biológico”. (GOUVÊA, 1999).
Segundo Gowdak (2006) os alimentos se completam quando ingerimos juntos
(exemplo arroz integral e feijão). O feijão rico em proteínas, porem suas proteínas são
incompletas, ao associar-se com o arroz, vai completar os aminoácidos básicos,
tornando-se um excelente alimento. Os carboidratos são alimentos energéticos, que
produzem calor e energia, na qual contém uma grande quantidade de açucares, sendo
a principal fonte de energia do organismo. Ao serem ingeridos, os carboidratos são
12

convertidos em glicose, que é o combustível usado por nossas células para produzires
energia. Consumimos essa energia em nossas atividades e ela mantém nossa
temperatura. Se ingerirmos maior quantidade de carboidratos do que nosso corpo
necessita, o excesso será transformado em gorduras que se acumulam nos tecidos.
(FREITAS, 2002, p.47) 14 Portanto, esses nutrientes fornecem basicamente energia
para o organismo, são formados por átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio e se
encontram, em sua maioria, em alimentos como massas, doces, arroz, pães, farinhas
e biscoitos, ou seja, são um grupo de substâncias químicas formadas por moléculas
simples, conhecidas como sacarídeos; deste modo quando combinados, formam os
principais tipos de carboidratos: açúcares e amidos. (AMARAL, 2008)
Deste modo, a função principal dos carboidratos consiste no valor energético,
que ele exerce durante as atividades do dia-a-dia. A energia que deriva da
desintegração da glicose carreada pelo sangue e do glicogênio hepático e muscular
acaba sendo utilizado para acionar os elementos contráteis do músculo, assim como
outras formas de trabalho biológico. (GOUVÊA, 1999).
Os carboidratos devem ser a base de nossa pirâmide alimentar. Eles sustentam
a vida, mantendo nosso corpo ativo e aquecido. Nosso cérebro é ativado pela glicose,
sem ela o cérebro falha. Só nosso cérebro consome cerca de 25% da energia do
organismo. (FREITAS, 2002, p.47). Portanto, a ingestão de carboidratos deve ser
realizada diariamente, na quantidade suficiente para manter as reservas corporais de
glicogênio, que são relativamente limitadas.
As gorduras são compostos orgânicos formados por carbono, hidrogênio e
oxigênio (ácidos graxos e o glicerol) elas são uma fonte de energia altamente
concentrada e são utilizadas para acionar as reações químicas do organismo.
Segundo Gouvêa (1999) as gorduras são lipídios ou ácidos graxos. “São classificadas
como energéticas e veiculadoras das vitaminas lipossolúveis: A, Betacaroteno, E, D,
K, as quais exercem funções de equilíbrio na nossa saúde”. Os ácidos graxos podem
apresentar como forma saturada (carbonos apresentam ligações simples) ou
insaturada (carbonos apresentam uma ou mais ligações duplas), ou seja, elas se
diferem na composição química e na forma como afetam o organismo.
No caso de apenas uma dupla ligação na cadeia, o ácido graxo é denominado
monoinsaturado, no caso de duas ou mais ligações, chama-se poli-insaturado.
13

Existem gorduras boas e essenciais, que são benéficas ao coração e sistema


cardiovascular, bem como ao cérebro. E há gorduras prejudiciais, as quais devemos
conhecê-las para evitá-las. As gorduras boas geralmente são de origem vegetal, de
sementes, nozes e azeita de oliva. Também há excelentes 15 gorduras de certos
peixes, que são chamadas de ômega 3. (FREITAS, 2002, p.49).
Portanto, as gorduras constituem-se na fonte mais concentrada de energia nos
alimentos, podendo ter a forma líquida ou sólida. Todas são combinações de ácidos
graxos saturados e insaturados. As gorduras totais representam a quantidade de
lipídios saturados e insaturados do produto. Presentes essencialmente nos alimentos
de origem animal, as gorduras saturadas, em grande quantidade, podem causar
problemas cardíacos e aumentar as taxas de colesterol e de triglicerídeos. (ZANCUL,
2004).
As gorduras inconvenientes são as saturadas, geralmente de origem animal.
Elas estão presentes nas carnes gordas, na manteiga, no queijo etc., portanto, devem-
se escolher produtos com quantidades menores desses nutrientes. As gorduras
trans14 são produzidas industrialmente através da modificação da estrutura do ácido
graxo, assim sendo, também devem ser consumidas com muita moderação, pois
podem causar doenças cardiovasculares. Esses nutrientes são encontrados
principalmente em produtos industrializados como biscoitos recheados e salgadinhos
de pacote. (AMARAL, 2008).
Não se pode esquecer jamais da água que é um nutriente indispensável ao
funcionamento do organismo; a ingestão de, no mínimo, dois litros diariamente são
altamente recomendada. Ela desempenha papel fundamental na regulação de muitas
funções vitais do organismo, incluindo regulação da temperatura, transporte de
nutrientes e eliminação de substâncias tóxicas. Recomenda-se a ingestão de seis a
oito copos de água por dia. As práticas alimentares saudáveis devem ter como
destaque o resgate de hábitos alimentares regionais, inerentes ao consumo de
alimentos naturais ou minimamente autuados, produzidos em local, culturalmente
referenciados, de elevado valor nutritivos, como verduras, legumes e frutas, estes
devem ser consumidos desde os primeiros anos de vida, até a fase adulta e a velhice,
considerando sempre a segurança sanitária (VILAR, 2002).
14

Portanto, podemos perceber que oferecer uma boa alimentação a criança é


questão de atenção especial, pois é importante variar a alimentação para que o
organismo receba todos os tipos de nutrientes, vitaminas proteínas, carboidratos, etc.,
e possa assim desenvolver-se durante seu crescimento para a vida adulta com o
máximo de qualidade.
15

REFERÊNCIAS Commented [CG1]: Formatar conforme modelo


disponível do AVA e normas da ABNT, segue
exemplos abaixo, porém sugiro também consultar
o Manual de Metodologia científica na página 149.
AMARAL, C.M.C. Educação alimentar. FMPB, 2008. Disponível no site: Fundação
Exemplos:
Passos Barros <www.fmpb.org.br/mostraconteudos.asp?cod_conteudo=6> / acesso Livro com um autor:
FAZENDA, Ivani Catarina Arantes.
em 10/04/2018. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6. ed.
São Paulo: Loyola, 2007. 119 p.
Livro com dois ou três autores separa por ponto e
vírgula:
AMARAL, Emília; SEVERINO, Antônio; PATROCÍNIO,
BRASIL. Ministério Da Saúde E Ministério Da Educação. Portaria Interministerial. Mauro Ferreira do. Novo manual de redação:
gramática, literatura, interpretação de texto. São
MS/MEC n. 1010 de 08/05/2006. Institui as diretrizes para a Promoção da Paulo: Nova cultural, 1995. 432 p.
Com mais de 3 autores:
Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível URANI, André et al. Constituição de uma matriz de
contabilidade social para o Brasil. Brasília, DF:
médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Disponível em: IPEA, 1994. 49 p.
Artigo em relação ao nome dos autores segue a
<http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-1010.htm>. Acesso mesma estrutura, entretanto o nome da revista fica em
negrito, não da obra:
em: 15/04/2018. MASETTO, Marcos Tarciso. Inovação curricular no
ensino superior. Revista e-curriculum, São Paulo, v.
7, n. 2, p. 1 – 20, ago. 2011. Disponível em: <Insira o
link>. Acesso em: 8 set. 2011.
CONSEA. Alimentação e educação nutricional nas escolas e creches. In: Legislação
BRASIL. Decreto-lei n° 2423, de 7 de abril de 1998.
CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR, 2. ed., 2004, Olinda. Estabelece critérios para pagamento de gratificações e
vantagens pecuniárias as titulares de cargos e
Relatório final. Olinda, 2004. Disponível em:. Acesso em: 15/04/2018. empregos da Administração Federal direta e
autárquica e dá outras providências. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 8
abr. 1998. Seção 1, pt. 1, p. 6009,
DARTORA, N., VALDUGA, A.T., VENQUIARUTO, L. Alimentos e saúde: uma Trabalhos acadêmicos (monografias, dissertações e
teses). Na primeira vez que aparece o ano refere-se ao
questão de educação. Vivências, Erechim. V. 01, ano 2, nº. 3 p.201-212 – outubro ano da defesa e na segunda o ano da entrega.
NIEL, Marcelo. Anestesiologistas e uso de drogas:
de 2006. Disponível em <www.reitoria.uni.br>. Acesso em 16/04/2018. um estudo qualitativo. 2006. 149 f. Dissertação
(Mestrado em Ciências) – Escola Paulista de Medicina,
Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2006.

FREITAS, Paulo G. Saúde um Estilo de Vida. Baseado no Equilíbrio de Quatro


Pilares. São Paulo: IBRASA, 2002.

GOUVEIA, E.L.C... Nutrição saúde e comunidade. 2°Edição. Rio de Janeiro. Editora


Revinter, 1999.

GOWDAK, Demétrio; MARTINS, Eduardo. Ciência: novo pensar. Edição Renovada.


7ª série/8º ano. 2ª ed. São Paulo: FTP, 2006. GOUVÊA, E.L.C. Nutrição, saúde e
comunidade. Rio de Janeiro, Revinter, 1999. HALPERN, Z. Fórum nacional sobre
16

promoção da alimentação saudável e prevenção da obesidade na idade


escolar. 2003. Disponível em:. Acesso em: 17/04/2018.