Sei sulla pagina 1di 23
HIDR HIDR Á Á ULICA ULICA UNIDADE UNIDADE 8. 8. CONDUTOS CONDUTOS LIVRES LIVRES PROF.

HIDRHIDRÁÁULICAULICA

UNIDADEUNIDADE 8.8. CONDUTOSCONDUTOS LIVRESLIVRES

PROF. DR. ELIEZER SANTURBANO GERVÁSIO ENGENHARIA DE ÁGUA NA AGRICULTURA CENAAMB - UNIVASF

CLASSIFICA CLASSIFICA Ç Ç ÃO ÃO DOS DOS ESCOAMENTOS ESCOAMENTOS QUANTO QUANTO A A VARIA

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DOSDOS ESCOAMENTOSESCOAMENTOS

QUANTOQUANTO AA VARIAVARIAÇÇÃOÃO NONO TEMPOTEMPO

PERMANENTE:PERMANENTE: asas propriedadespropriedades dodo fluidofluido sãosão invariinvariááveisveis emem cadcad pontoponto comcom oo passarpassar dodo tempotempo

v

∂ρ

P

0

0

0

=

=

=

∂∂∂ ttt

TRANSITTRANSITÓÓRIO:RIO: asas condicondiççõesões dodo fluidofluido emem algunsalguns pontospontos ouou regiõesregiões dd pontosontos variamvariam comcom oo passarpassar dodo tempotempo

v

∂ρ

P

0

0

0

∂∂∂ ttt

tempo ∂ v ∂ρ ∂ P ≠ 0 ≠ 0 ≠ 0 ∂∂∂ ttt Prof. Prof.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

CLASSIFICA CLASSIFICA Ç Ç ÃO ÃO DOS DOS ESCOAMENTOS ESCOAMENTOS QUANTO QUANTO AO AO ESPA

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DOSDOS ESCOAMENTOSESCOAMENTOS

QUANTOQUANTO AOAO ESPAESPAÇÇOO UNIFORME:UNIFORME: oo vetorvetor velocidadevelocidade éé constanteconstante emem mmóódulo,dulo, diredireççãoão e entido,entido, emem todostodos osos pontos,pontos, parapara qualquerqualquer instante.instante. NesteNeste casocaso asa eeççõesões transversaistransversais dede correntecorrente sãosão iguais.iguais. ExemplosExemplos dede escoamentoescoamento uniformeuniforme sãosão encontradosencontrados nosnos condutoscondutos dede seseççãoão constanteconstante dede grandegrand extensão,xtensão, comocomo adutorasadutoras ee canaiscanais prismprismááticosticos cujacuja alturaaltura dada lâminalâmin dd´´ááguagua éé invariinvariáável.vel.

sd ´ ´ á á gua gua é é invari invari á á vel. vel. ∂

= 0

NÃONÃO UNIFORMEUNIFORME (VARIADO):(VARIADO): oo vetorvetor velocidadevelocidade nãonão éé constanteconstante emem mmóódulo,dulo, diredireççãoão ee sentido,sentido, emem todostodos osos pontos,pontos, parapara qualquerqualquer instanteinstante CondutosCondutos comcom vvááriosrios diâmetrosdiâmetros ouou canaiscanais comcom declividadesdeclividades varivariááveisveis sãosão exemplosexemplos dede escoamentoescoamento variado.variado.

sexemplos de de escoamento escoamento variado. variado. ∂ ≠ 0 Prof. Prof. Dr. Dr. Eliezer Eliezer

0

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

CLASSIFICA CLASSIFICA Ç Ç ÃO ÃO DOS DOS ESCOAMENTOS ESCOAMENTOS O O regime regime não

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DOSDOS ESCOAMENTOSESCOAMENTOS

OO regimeregime nãonão uniformeuniforme podepode serser gradualmentegradualmente variadovariado (MGV)(MGV) oo bruscamentebruscamente variadovariado (MBV).(MBV). NoNo primeiroprimeiro caso,caso, osos elementoelemento caractercaracteríísticossticos dada correntecorrente variamvariam dede formaforma lentalenta ee gradual,gradual, dede seseççãã parapara seseçção,ão, ee nono segundo,segundo, hháá umauma variavariaççãoão bruscabrusca nana alturaaltura dd´´ááguagua demaisdemais parâmetros,parâmetros, sobresobre umauma distânciadistância comparativamentecomparativamente pequena.pequena.

comparativamente comparativamente pequena. pequena. Prof. Prof. Dr. Dr. Eliezer Eliezer Santurbano Santurbano

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

ESCOAMENTO ESCOAMENTO PERMANENTE PERMANENTE E E UNIFORME UNIFORME O O escoamento escoamento uniforme uniforme é

ESCOAMENTOESCOAMENTO PERMANENTEPERMANENTE EE UNIFORMEUNIFORME

OO escoamentoescoamento uniformeuniforme éé aqueleaquele emem queque hháá umauma constânciaconstância dosdo parâmetrosarâmetros hidrhidrááulicos,ulicos, comocomo áárearea molhada,molhada, alturaaltura dd´´áágua,gua, etc.,etc., parapara asa vvááriasrias seseççõesões dodo canal.canal.

equilequilííbriobrio

dinâmico,dinâmico, istoisto éé,, quandoquando houverhouver umum balanceamentobalanceamento entreentre aa forforçça celeradoraceleradora ee aa forforççaa dede resistênciaresistência queque tentetente sustarsustar oo movimento.movimento.

EsseEsse

tipotipo

dede

escoamentoescoamento

ssóó

ocorreocorre

emem

condicondiççõesões

dede

AA forforççaa dede resistênciaresistência dependedepende dada velocidadevelocidade mméédiadia dodo escoamentoescoamento portantoortanto éé necessnecessááriorio queque estaesta velocidadevelocidade atinjaatinja umum determinadodeterminado valovalo paraara queque hajahaja equilequilííbriobrio entreentre essasessas forforçças.as. TambTambéém,m, éé necessnecessááriorio queque oo canalanal prismprismááticotico tenhatenha umum comprimentocomprimento razorazoáávelvel ee declividadedeclividade e ugosidadeugosidade constantes,constantes, parapara queque hajahaja possibilidadepossibilidade dodo estabeleciestabelecimentomento dodo escoamentoescoamento permanentepermanente ee unifouniforme,rme, forafora dosdos trechostrechos ondeonde existexistee a nfluêncianfluência dasdas extremidadesextremidades dede montantemontante ee jusante.jusante.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

ESCOAMENTO ESCOAMENTO PERMANENTE PERMANENTE E E UNIFORME UNIFORME Considere Considere o o escoamento escoamento apre

ESCOAMENTOESCOAMENTO PERMANENTEPERMANENTE EE UNIFORMEUNIFORME

ConsidereConsidere oo escoamentoescoamento apreapresentadosentado emem queque umum canalcanal prismprismááticotico,, dd declividadedeclividade ee rugosidaderugosidade constantes,constantes, éé alimentadoalimentado porpor umum reservatreservatóóriri mantidomantido emem nníívelvel constanteconstante ee terminatermina emem umauma quedaqueda brusca.brusca.

termina em em uma uma queda queda brusca. brusca. Admitindo Admitindo - - se se que

AdmitindoAdmitindo--sese queque oo canalcanal sejaseja suficientementesuficientemente longolongo parapara queque possposs serser estabelecidoestabelecido oo escoamentoescoamento uniuniforme,forme, oo desenvolvimentodesenvolvimento dd fenômenoenômeno podepode serser descritodescrito dada seguinteseguinte forma:forma:

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

ESCOAMENTO ESCOAMENTO PERMANENTE PERMANENTE E E UNIFORME UNIFORME A A for for ç ç a

ESCOAMENTOESCOAMENTO PERMANENTEPERMANENTE EE UNIFORMEUNIFORME

AA forforççaa resistivaresistiva originadaoriginada porpor umauma tensãotensão dede cisalhamentocisalhamento entreentre aa áágugu ee oo perperíímetrometro molhado,molhado, queque dependedepende dada viscosidadeviscosidade dodo fluidofluido ee dd rugosidadeugosidade dodo canal,canal, éé funfunççãoão dada velocidadevelocidade mméédia.dia. AA forforççaa aceleradoracelerador éé aa componentecomponente dada forforççaa dada gravidadegravidade nana diredireççãoão dodo escoamento.escoamento.

NoNo trechotrecho inicialinicial dodo canal,canal, haverhaveráá umauma aceleraaceleraççãoão dodo escoamentescoament necessnecessááriaria parapara aa velocidadevelocidade passarpassar dede umum valorvalor praticamentepraticamente zerozero nn reservateservatóóriorio parapara umum valorvalor finito.finito. NesteNeste trecho,trecho, hháá umum desbalanceamentodesbalanceamento dasdas forforçças,as, jjáá queque aa componentecomponente dada forforççaa dd gravidadegravidade superasupera aa forforççaa resistiva.resistiva.

ComCom oo aumentoaumento dada velocidade,velocidade, crescecresce aa forforççaa dede resistênciaresistência atatéé ququ estaesta sese torna,torna, emem mmóódulo,dulo, igualigual ee opostaoposta àà componentecomponente dede gravidadegravidade AoAo sese atingiratingir oo equilequilííbrio,brio, chegachega--sese aa umum movimentomovimento comcom velocidadvelocidad constante,constante, queque éé caracterizadocaracterizado pelapela consconstânciatância dada vazãovazão atravatravééss dd seseççãoão retareta ee constânciaconstância dada alturaaltura dd´´áágua,gua, identificandoidentificando oo escoamentescoament uniforme.uniforme.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

ESCOAMENTO ESCOAMENTO PERMANENTE PERMANENTE E E UNIFORME UNIFORME Pr Pr ó ó ximo ximo à

ESCOAMENTOESCOAMENTO PERMANENTEPERMANENTE EE UNIFORMEUNIFORME

PrPróóximoximo àà extremidadeextremidade dede jusante,jusante, oo escoamentoescoamento éé influenciadoinfluenciado pelpel presenpresenççaa dada quedaqueda livrelivre ee existeexiste novamentenovamente oo desbalanceamentodesbalanceamento dada fororçças,as, caracterizandocaracterizando umum escoamentoescoamento aceleradoacelerado nono qualqual aa alturaltur dd´´ááguagua variavaria gradualmente,gradualmente, oo queque éé chamadochamado dede escoamentescoament permanentepermanente gradualmentegradualmente variado.variado.

DestaDesta maneira,maneira, podepode--sese verificarverificar que,que, emem canaiscanais curtos,curtos, asas condicondiççõesões dd escoamentoescoamento uniformeuniforme nãonão sãosão atingiatingidasdas ee queque esteeste tipotipo dede escoameescoamentnt éé difdifíícilcil dede ocorrerocorrer nana prpráática,tica, porporéémm aa adoadoççãoão destedeste modelomodelo formaforma basebase parapara osos ccáálculoslculos dede escoamentoescoamento emem canais.canais.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

GEOMETRIAGEOMETRIA DADA SESEÇÇÃOÃO DEDE UMUM CANALCANAL A (ÁREA) Y P (PERÍMETRO) - Profundidade Profundidade
GEOMETRIAGEOMETRIA DADA SESEÇÇÃOÃO DEDE UMUM CANALCANAL A (ÁREA) Y
GEOMETRIAGEOMETRIA DADA SESEÇÇÃOÃO DEDE UMUM CANALCANAL
A (ÁREA)
Y

P (PERÍMETRO)

- ProfundidadeProfundidade dede escoamentoescoamento (Y):(Y): éé aa distânciadistância entreentre oo pontoponto maismais baixobaixo dada seseççãoão ee aa superfsuperfííciecie livrelivre dada áágua.gua.

- ÁÁrearea molhadamolhada (A):(A): éé todatoda seseççãoão perpendicularperpendicular aoao escoamentoescoamento molhadamolhada pelapela áágua.gua.

- PerPeríímetrometro molhadomolhado (P):(P): éé oo comprimentocomprimento dada linhalinha dede contornocontorno molhadamolhada pelapela áágua.gua.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

GEOMETRIA GEOMETRIA DA DA SE SE Ç Ç ÃO ÃO DE DE UM UM CANAL

GEOMETRIAGEOMETRIA DADA SESEÇÇÃOÃO DEDE UMUM CANALCANAL

A (ÁREA) Y P (PERÍMETRO)
A (ÁREA)
Y
P (PERÍMETRO)

- RaioRaio hidrhidrááulicoulico (R):(R): relarelaççãoão entreentre aa áárearea (A)(A) ee oo perperíímetrometro molhadomolhado (P).(P).

- ProfundidadeProfundidade mméédiadia ouou profundidadeprofundidade hidrhidrááulicaulica ((YmYm):): éé aa relarelaççãoão entreentr aa áárearea molhadamolhada (A)(A) ee aa larguralargura dada superfsuperfííciecie llííquidaquida (B).(B). - DeclividadeDeclividade dada superfsuperfííciecie (J):(J): éé dadadada pelapela tangentetangente dodo ânguloângulo ded inclinanclinaççãoão dada superfsuperfííciecie livrelivre dede áágua.gua.

- DeclividadeDeclividade dede fundofundo (I):(I): éé dadadada pelapela tangentetangente dodo ânguloângulo dede inclinainclinaççãoão dodo fundofundo dodo canal.canal.

- TaludeTalude (z):(z): éé aa tangentetangente dodo ânguloângulo dede inclinainclinaççãoão dasdas paredesparedes dodo canal.canal.

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

SE SE Ç Ç ÕES ÕES TRANSVERSAIS TRANSVERSAIS USUAIS USUAIS RETANGULAR: RETANGULAR: b y by

SESEÇÇÕESÕES TRANSVERSAISTRANSVERSAIS USUAISUSUAIS

RETANGULAR:RETANGULAR:

b

y by b + 2y B 1 y z a z 2 + 1
y
by
b + 2y
B
1
y
z
a
z
2 + 1

LarguraLargura dada superfsuperfííciecie (B):(B): b ÁÁrearea (A):(A): by PerPeríímetrometro (P):(P): b + 2y

RaioRaio hidrhidrááulicoulico (R):(R):

TRAPEZOIDAL:TRAPEZOIDAL:

hidr á á ulico ulico (R): (R): TRAPEZOIDAL: TRAPEZOIDAL: b argura argura da da superf superf

b

arguraargura dada superfsuperfííciecie (B):(B): b + 2zy rearea (A):(A): y(b + zy)

ereríímetrometro (P):(P):

aioaio hidrhidrááulicoulico (R):(R): A/P

b + 2y

Profundidaderofundidade mméédiadia ((YmYm):): A/B

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

SE SE Ç Ç ÕES ÕES TRANSVERSAIS TRANSVERSAIS USUAIS USUAIS TRIANGULAR: TRIANGULAR: Largura Largura da

SESEÇÇÕESÕES TRANSVERSAISTRANSVERSAIS USUAISUSUAIS

TRIANGULAR:TRIANGULAR:

LarguraLargura dada superfsuperfííciecie (B):(B): 2zy ÁÁrearea (A):(A): zy 2 PerPeríímetrometro (P):(P):

RaioRaio hidrhidrááulicoulico (R):(R): A/P

ProfundidadeProfundidade mméédiadia ((YmYm):): y/2

CIRCULAR:CIRCULAR:

ÁÁrearea (A):(A):

D

2

8

8

(

θ−

sen

θ

)

PerPeríímetrometro (P):(P):

θ D

2

D

4

1

θ

D

2

1

cos

2

 

y

 

2

 

 
 

D

−  

θ

−  

sen θ

RaioRaio hidrhidrááulicoulico (R):(R):

ProfundidadeProfundidade (Y):(Y):

ÂnguloÂngulo ((θθ):):

2arccos   1

B

B

D

B θ
B
θ

y

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

DISTRIBUI DISTRIBUI Ç Ç ÃO ÃO DAS DAS VELOCIDADES VELOCIDADES NOS NOS CANAIS CANAIS A

DISTRIBUIDISTRIBUIÇÇÃOÃO DASDAS VELOCIDADESVELOCIDADES NOSNOS CANAISCANAIS

AA velocidadevelocidade dede escoamentoescoamento varia,varia, dentrodentro dede umauma mesmamesma seseççãoão dodo canalcanal (se(seççãoão transversaltransversal ee longitudinal).longitudinal). ComCom aa resistênciaresistência dodo fundofundo ee dada lateral,lateral, hháá redureduççãoão dada velocidade,velocidade, alaléémm disso,disso, existeexiste influênciainfluência dada atmosferaatmosfera ee ventos,ventos, oferecendooferecendo resistênciaresistência aoao escoamentoescoamento influenciandonfluenciando aa velocidade.velocidade.

CCÁÁLCULOLCULO DADA VELOCIDADEVELOCIDADE MMÉÉDIADIA MMÉÉTODOTODO DETALHADODETALHADO

NN oo dede pontospontos

1

2

3

4

6

PosiPosiççãoão nana verticalvertical emem relarelaççãoão aa pp

0,6p

0,2 e 0,8p

0,2; 0,6 e 0,8p

0,2; 0,4; 0,6 e 0,8p

S; 0,2; 0,4; 0,6; 0,8p e F

CCáálculolculo dada velocidadevelocidade mméédiadia

V m = V 0,6

V m = (V 0,2 + V 0,8 )/2

V m = (V 0,2 + 2V 0,6 + V 0,8 )/4

V m = (V 0,2 + 2V 0,4 + 2V 0,6 + V 0,8 )/6

V m = [V S + 2(V 0,2 + V 0,4 + V 0,6 + V 0,8 ) + V F ]/10

S = superfície (10 cm); F = fundo (15 – 25 cm)

S = superfície (10 cm); F = fundo (15 – 25 cm)

S = superfície (10 cm); F = fundo (15 – 25 cm)

ProfundidadeProfundidade pp(m)(m)

0,15 – 0,60

0,60 – 1,20

1,20 – 2,0

2,0 – 4,0

> 4,0

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

LIMITES LIMITES DE DE VELOCIDADE VELOCIDADE EM EM CANAIS CANAIS - - Limita Limita ç

LIMITESLIMITES DEDE VELOCIDADEVELOCIDADE EMEM CANAISCANAIS

-- LimitaLimitaççõesões dodo escoamento:escoamento:

VV minmin

<<

VV

<< VV maxmax

qualidadequalidade dada ááguagua (material(material emem suspensão)suspensão) naturezanatureza dasdas paredesparedes dodo canalcanal

-- VelocidadeVelocidade mmíínima:nima: velocidadevelocidade abaixoabaixo dada qualqual oo materialmaterial ssóólidlid contidocontido nana ááguagua decanta,decanta, produzindoproduzindo assoassoreamentoreamento nono leitoleito dodo canal.canal. -- VelocidadeVelocidade mmááxima:xima: velocidadevelocidade acimaacima dada qualqual ocorreocorre erosãoerosão dada paredesparedes dodo canal.canal.

VELOCIDADESVELOCIDADES LIMITESLIMITES EMEM FUNFUNÇÇÃOÃO DODO MATERIALMATERIAL DASDAS PAREDESPAREDES DODO CANALCANAL

TIPOTIPO DEDE CANALCANAL

VELOCIDADEVELOCIDADE (m/s)(m/s)

CanalCanal emem areiaareia muitomuito finafina

0,200,20 aa 0,300,30

CanalCanal emem terrenoterreno arenosoarenoso comumcomum

0,600,60 aa 0,800,80

CanalCanal emem terrenoterreno argilosoargiloso compactadocompactado

0,800,80 aa 1,201,20

CanalCanal dede concretoconcreto

4,004,00 aa 10,010,0

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

VELOCIDADES VELOCIDADES M M É É DIAS DIAS M M Í Í NIMAS NIMAS PARA

VELOCIDADESVELOCIDADES MMÉÉDIASDIAS MMÍÍNIMASNIMAS PARAPARA EVITAREVITAR DEPDEPÓÓSITOSSITOS

TIPOTIPO DEDE ÁÁGUAGUA

ÁÁguagua comcom suspensãosuspensão finafina

ÁÁguagua comcom areiaareia finafina

ÁÁguagua dede esgotoesgoto

ÁÁguagua pluvialpluvial

VELOCIDADEVELOCIDADE (m/s)(m/s)

0,300,30

0,450,45

0,600,60

0,750,75

ControleControle dada velocidade:velocidade:

dimensõesdimensões dada seseççãoão declividadedeclividade

LimitaLimitaççãoão devidodevido àà inclinainclinaççãoão dasdas paredesparedes AA inclinainclinaççãoão dependedepende principalmenteprincipalmente dada naturezanatureza dasdas paredesparedes

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

INCLINA INCLINA Ç Ç ÃO ÃO DOS DOS TALUDES TALUDES EM EM FUN FUN Ç

INCLINAINCLINAÇÇÃOÃO DOSDOS TALUDESTALUDES EMEM FUNFUNÇÇÃOÃO DODO MATERIALMATERIAL DODO CANALCANAL

NaturezaNatureza dasdas paredesparedes CanaisCanais emem terraterra semsem revestimentorevestimento CanaisCanais emem saibro,saibro, terraterra porosaporosa CascalhoCascalho roliroliççoo TerraTerra compactacompacta semsem revestimentorevestimento TerraTerra muitomuito compacta,compacta, paredesparedes rochosasrochosas RochaRocha estratificada,estratificada, alvenariaalvenaria dede pedrapedra brutabruta RochaRocha compacta,compacta, alvenariaalvenaria acabada,acabada, concretoconcreto

zz == tgtg θθ 2,52,5 aa 5,05,0

θθ 68,268,2ºº aa 78,778,7ºº

22

63,463,4ºº

1,751,75

60,260,2ºº

1,51,5

56,356,3ºº

1,251,25

51,451,4ºº

0,50,5

26,526,5ºº

00

00ºº

FOLGAFOLGA NOSNOS CANAISCANAIS

MedidaMedida dede seguransegurançça:a: folgafolga dede 2020 aa 30%30% nana capacidadecapacidade

contrabalancontrabalanççarar

aa

diminuidiminuiççãoão

dada

sedimentasedimentaçção;ão; evitarevitar transbordamentos.transbordamentos.

capacidadecapacidade

devidodevido

àà

Prof.Prof. Dr.Dr. EliezerEliezer SanturbanoSanturbano GervGerváásiosio -- EngenhariaEngenharia dede ÁÁguagua nana AgriculturaAgricultura -- CENAAMB/UNIVASFCENAAMB/UNIVASF

FOLGA FOLGA NOS NOS CANAIS CANAIS Procedimento: Procedimento: aumentar aumentar o o valor valor de

FOLGAFOLGA NOSNOS CANAISCANAIS

Procedimento:Procedimento:

aumentaraumentar oo valorvalor dede Y,Y, dede 2020 aa 30%;30%; prolongarprolongar aa retareta dodo taludetalude atatéé aa horizontalhorizontal dodo novonovo Y.Y.

CCÁÁLCULOLCULO DADA VELOCIDADEVELOCIDADE

ExistemExistem vvááriasrias ffóórmulasrmulas parapara oo ccáálculolculo dada velocidadevelocidade dada ááguagua emem canais.canais. DentreDentre elaselas destacamdestacam--se:se:

StricklerStrickler: :

V = k R

2

1

3 I

2

ou ou

Q = k A R

2

1

3 I

2

emem que:que:

VV == velocidade,velocidade, mm ss --11 ;; QQ ==