Sei sulla pagina 1di 2

O PEDIDO DE BÊNÇÃOS EM NOSSA TRADIÇÃO NAGÔ EGBÁ:

Dentro de nossas tradições o pedido de bênçãos é algo muito importante, pois significa além
de um ato de respeito ao axé a demonstração de educação litúrgica, vale salientar que isso é
um pré-requisito da educação doméstica, pois isso denota de forma explícita o nível de
conhecimento e compreensão (Muitos conhecem, mas a soberba, o orgulho e a vaidade não
os deixam compreender) tanto de um Bàbálòórìṣá ou Ìyálòórìṣá, como de seus oficiados, filhos
e filhas de Santo.

Nas conversas de ensinamentos qual passei com meu saudoso Pai Grivaldo, Mãe Eunice e
Madrinha Zefinha, eles sempre conversavam sobre isso também, meu Pai dizia que jamais se
entrava no Sítio de Pai Adão sem se fazer as referências litúrgicas externas (Em destaque ao pé
de Iroko) e as internas como entrar em silêncio ir à porta do Pegi (Lessem Orixá) e
posteriormente a seu José Romão, seu Malaquias Ojé Bií, Dona Beleza, Dona Amara e demais
que estiverem no salão, nesse quesito quero dar um destaque a figura de Dona das Dores que
foi Madrinha dele na época podia estar em qualquer lugar, nenhum de seus afilhados ou filhos
fosse pedir bênçãos de longe, tinha que vir junto dela, fato que me foi relembrado por Tia Zeza
Oyá Ladê, aí se denota o nível de respeitabilidade qual se tinha.

Quero nesse momento dar destaque a tradição Ketu, qual em hipótese alguma essa norma
pode ser subjugada. Muitas pessoas podem hoje dizer "Eu não tomo bênção", mas isso é uma
regra imprescindível dentro do Axé, qual em hipótese alguma diminui ou desmerece tanto a
quem pede como a quem dá. Pois quem responde a um pedido de bênçãos ou pede, nada
mais é que uma forma de demonstrar seu respeito compreensão e comprometimento com
nossa Ancestralidade, pois esse pedido está sendo respondido em sua plenitude pelo Orixá
não pela pessoa. Essa pessoa (Elegum) nada mais é que uma referência física.

Vejo hoje com muita tristeza muitos, inclusive muitos que se dizem da linhagem direta da
tradição NAGÔ EGBÁ (Sítio) ou Casas Matrizes não dando exemplos das normas litúrgicas,
principalmente de educação. Pois para mim a tradição principal não esta no Brasil, e sim no
Continente Africano, os desencontros são enormes principalmente no que tange a
respeitabilidade necessária. Para mim para ser tratado como um Sacerdote ou Sacerdotisa tem
que passar pelos trâmites litúrgicos, não é porque é filho, filha, neto ou bisneto de Bàbálòórìṣá
ou Ìyálòórìṣá que carrega o mesmo nível litúrgico, hoje os tempos são outros.

Vejo pessoas de ontem que não tem sequer cargo oficializado dentro da liturgia botando
banca, passam pelos mais antigos (de idade e de tempo de Santo) com o nariz lá em cima.

Quer respeito?

Se dê ao respeito e trate os outros com respeito, pois filho de Medico, Advogado, Professor...
Só poderá ser tratada com o mesmo nível litúrgico se passar pelos preceitos da tradição, pois
tais Preceitos assim como o exemplo anterior qual escrevi “NÃO SÃO TRANSFERIDOS!!!” .

Um dia desses vi uma cena que me deixou bastante entristecido, estava eu no mercado de São
José acompanhando uma Ìyálòórìṣá muito antiga (com 60 anos de Santo feito com seu José
Romão) de repente adentrou no recinto um rapaz que nem 30 anos de idade tem e mesmo
reconhecendo a Sacerdotisa sequer lhe pediu a bênção, pois receber uma resposta dessas é
uma grande honraria com uma grande bênção mesmo. E o citado rapaz falando até palavrões
na frente da Ìyálòórìṣá, daí eu como não suportei tamanha falta de respeito, eu interferi de
pronto "Êi rapaz, por favor, né, tem uma senhora de idade aqui e uma Ìyálòórìṣá" ele sorriu
com deboche e disse, “a eu estou atacado hoje, eu sou bisnetos de Pai Adão, sou raiz rsrsrs”.
Eu disse, mais um motivo para você se acordar né, aqui está uma Ìyá feita por seu bisavô.

Para mim o que é transferido é doença venérea, cargo não, Ancestralidade tem que ser
valorizada e tratada de forma litúrgica para essa herança realmente ser legitimada. Esse é só
um simples destaque qual permeia minha observação de hoje. Até o próprio cargo de
Bàbálòórìṣá ou Ìyálòórìṣá só é legitimado realmente quando do seu reconhecimento e
compreensão de quem o carrega, uma Sacerdotisa e um Sacardote de real valor não vive se
envolvendo em escândalos, golpes ou situações que diminuam sua conduta, Sacerdotes e
Sacerdotisas tem postura, caráter e honra.

Tenho visto hoje meninas que são elevadas a cargos que sequer tem compromisso moral, vão
a um Xirê com minissaia com os seios amostra e usam o famoso pano faz de conta que mais
parece roupa de piriguete.

Aprendi que eu tenho que pedir bênçãos aos mais antigos, trocar bênçãos com os do mesmo
tempo de feitura, pois aquele pedido de bênçãos não é direcionado a pessoa, mas sim ao
Orixá.

Quem quer Respeito se faz respeitar, dá o exemplo.

E agora inventaram até uma moda de crianças com cargos elevados quais pessoas antigas tem
que se ajoelhar em reverência. COMIGO NÃO! Essa criança é a reencarnação de Bàbá fulano,
ela tem o título etc... Estamos falando da tradição Nagô Egbá ou de Budismo? Que nada.

Uma vez ao término de um Bory na qual fui oficiante e a oficiada é uma Ìyálòórìṣá muito
antiga, eu bati cabeça para ela e um amigo Sacerdote me disse "Oxe, você não tem que bater
cabeça para ela não, você quem fez o Bory dela". Eu respondi "Irmão, antes do meu Ory ser
preparado para mim, o dela já existia na terra já dando caminho para outros Ory, ela é Mãe de
9 filhos e o mais novo dela tem idade de ser meu pai". É coisa assim qual avaliamos o nível de
compreensão de algumas pessoas, vejo cenas que me deixam a lamentar. Filho entregando
corpo de pai carnal, fazendo até o Axexê, isso para mim é a demonstração da incompreensão
do que realmente é nosso legado. Um orixá se curva ao ventre da genitora de seu filho (Exí
Elegum) mesmo que essa não tenha feitura no culto, pois ali está o berço físico ancestral, de
outra parte já presenciei o "Orixá" de uma pessoa não se curvar para a Ìyálòórìṣá que iniciou
seu filho, porque o filho agora está com outro sacerdote. O que é isso em?

Temos que refletir!!!

“OS BONS EXEMPLOS TEM QUE SER DADO, PRATICAR AQUILO QUE SE EXIGI”

“ANDO MUITO DECEPCIONADO, NÃO COM A RELIGIÃO, MAS COM MUITA GENTE QUE NÃO
FAZ O QUE FALA”

É Pau Guiné!!!