Sei sulla pagina 1di 4

Robert Johnson

Um dos primeiros relatos envolvendo um pacto com o diabo aconteceu com Robert Johnson,
guitarrista que atuou na década de 30 e ficou conhecido com um dos pais do blues. Morto em
1938 aos 27 anos, alguns dizem que o músico morreu de pneumonia. No entanto, dias antes,
Johnson havia tomado uma dose de uísque que teria sido envenenado pelo dono do bar onde
o músico tocava. O dono do bar desconfiava que Johnson tinha um caso com sua esposa.
Sobre a lenda, dizem que o guitarrista teria vendido sua alma ao demônio na encruzilhada das
rodovias 61 e 49 em Clarksdale, Mississippi, Estados Unidos, pedindo em troca habilidade para
tocar o instrumento. A letra da canção Crossroad Blues trataria desse assunto. Johnson também
ficaria famoso mais tarde por ter sido o primeiro grande astro da música a morrer aos 27 anos,
idade em que também faleceram Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison e Kurt Coubain.

Beatles
Acusados diversas vezes de terem vendido suas almas ao diabo, os Beatles também possuem
histórias obscuras em seu currículo. De acordo com vários rumores, o baixista Paul McCartney
teria morrido em um acidente de carro em 1966. Para manter o grupo, os Beatles teriam
contratado um sósia – que teria passado por várias cirurgias plásticas – para seguir com a
banda. A entrada do “novo Paul” é justificada por alguns fãs através de “provas” escondidas em
álbuns e a evolução na carreira do grupo com letras mais políticas e mudança na sonoridade.
Eagles
Uma das histórias mais conhecidas sobre bandas e satanismo seria tratada na música de
maior sucesso do Eagles, Hotel California. A história surgiu quando um ex-produtor da banda
acusou o grupo de se envolver com uma igreja satanista. A letra do hit narraria a primeira vez
em que os integrantes conheceram a sede do grupo satanista, local que anteriormente era um
hotel. Uma das “provas” sobre o suposto pacto seria o próprio sucesso da banda escorado
somente nessa música.

Rolling Stones
Uma das primeiras bandas a ser acusada de se envolver com o satanismo, o Rolling Stones
abordou o ocultismo em algumas letras, como Simpathy for the Devil. Rumores chegam a dizer
que Mick Jagger escreveu a letra depois de visitar um centro de candomblé na Bahia.
Black Sabbath e Ozzy
O visual dos roqueiros, considerados pais do metal, sempre gerou polêmica entre os setores
conservadores da sociedade. Sempre usando referências de cruzes e demônios em seus
álbuns, o nome do demônio é citado em músicas como NIB e War Pigs. Os boatos sobre Ozzy
ter arrancado a cabeça de um morcego ou matado uma pomba durante uma reunião com uma
gravadora também contribuíram para que se criasse a imagem do roqueiro.

Led Zeppelin
Grupo constantemente acusado por fazer referências supostamente escondidas em suas
letras, a banda, principalmente Jimmy Page, se envolveu com as obras do estudioso inglês
Aleister Crowley, considerado por muitos um bruxo. O guitarrista chegou a comprar uma
mansão que já havia pertencido ao filósofo.
Mercyful Fate
Liderada por King Diamond, a banda dinamarquesa também sempre se envolveu nos boatos
que a ligavam a rituais ou pactos com o demônio. Durante o auge do grupo, diziam que o
vocalista dormia em um caixão e tinha a habilidade de falar de trás para a frente.

Kiss
O visual já rotineiro dos roqueiros do Kiss causou muita polêmica quando a banda surgiu. O
próprio nome da banda já chegou a ser sugerido como sigla de Kids In Satan’s Service
(Crianças a serviço de satã) ou Knights In Satan’s Service (Cavaleiros a serviço de satã). A
presença de palco dos músicos, principalmente a mania de cuspir sangue falso de Gene
Simmons, também contribuiu para que a lenda deste pacto com o diabo se mantivesse viva.