Sei sulla pagina 1di 11

Irrigação por Gotejamento Uso da Água com Tecnologia para a Produção

Janice F. Gallon, Isaias Gallon, Neury Baseggio, Flávio Gomes de Oliveira, Margarete Luisa
Arbugeri Menegotto

Resumo
A produção na fruticultura e na olericultura representa uma das atividades com maior
relevância na atividade agrícola da nossa região. Por ser uma atividade que utiliza grande
volume de água e com as constantes preocupações com o meio ambiente, tanto fornecedores
de insumos como produtores, empenham-se na busca de soluções que diminuam custos e
minimizem os possíveis impactos negativos do manejo diário das culturas. O objetivo deste
trabalho foi descrever o uso do sistema de irrigação por gotejamento, analisar a importância
do mesmo, suas vantagens e desvantagens. Para o desenvolvimento deste estudo utilizou-se
levantamento bibliográfico, categorizando o mesmo e após feitas as análises descritivas.
Obteve-se como achados que surgem as tecnologias que contribuem para melhorar os
resultados, tais como o sistema de gotejamento, onde observa-se que é uma das alternativas
viável dentro dos fatores de produção.

Palavras Chave: Água; Tecnologias; Irrigação por Gotejamento; Fatores de Produção.

1 Introdução
A preocupação com o uso racional da água nos leva a questões ligadas à conservação,
uso consciente e eficiente dos recursos naturais e fazem parte, cada vez mais, do cotidiano e
das discussões sobre o meio ambiente.
A água é um dos fatores principais na produção agrícola, no entanto é preciso usá-la
de forma consciente, principalmente quando se trata de irrigação, por isso as tecnologias mais
avançadas são de fundamental importância para garantir o aumento da produtividade e o uso
racional da mesma. Sendo assim, crescem também as demandas tecnológicas para melhor
aproveitamento dos recursos.
A agricultura vem acarretando mudanças significativas, onde produtividade e
competitividade estão ligadas ao cenário do agronegócio. Por tanto, este setor convive
constantemente com variações climáticas que influenciam na produção e nos custos da
mesma.
Atualmente existem variedades de sistemas de irrigação, porém, este trabalho abordará
o sistema por gotejamento em ambiente protegido, por se apresentar como um dos mais
eficientes na produção e economia de água. Busca-se interpretar de forma clara e objetiva a
importância e função dentro da cadeia produtiva, assim como, quais os benefícios para o
pequeno e médio produtor e o custo deste sistema. Também as projeções do mesmo para o
futuro e a relevância na produtividade e linhas de créditos disponíveis.
2 Referencial Teórico
2.1 Recursos hídricos
No nosso planeta apenas 1% de todas as reservas de água está disponível para o
consumo humano, sabe-se que a é um bem precioso e utilizá-la com exagero contribui para a
falta da mesma em outros locais, prejudicando a todos direta ou indiretamente e buscar o
consumo consciente é uma necessidade e realidade. Sua utilização deve ser feita com
consciência e discernimento para não atingir uma situação de esgotamento ou degradação da
qualidade das reservas disponíveis.
Embora o Brasil seja o país com a maior disponibilidade de água doce do planeta, sua
distribuição regional e temporal é muito desigual. A situação se agrava em algumas estações
do ano em regiões específicas, onde o conflito pelo uso da água, tanto para fins agrícolas,
quanto urbanos e industriais, já são observados. Em relação aos recursos hídricos superficiais,
a agricultura irrigada é a principal usuária, sendo responsável pelo consumo de
aproximadamente 70% de toda a água derivada dos mananciais (SILVA et al.,2010).
Segundo o Plano Nacional de Recursos Hídricos (2006), a eficiência média no uso da
água para irrigação no Brasil é de aproximadamente 64%, ou seja, 36% da água derivada para
a irrigação no país constituem-se em perdas por condução e por distribuição nas
infraestruturas hidráulicas, provocando um grande desperdício no uso da água na agricultura.
Portanto quando se trata de irrigação muitas vezes não é vista com bons olhos, pois
esta pode ser uma das vilãs do desperdício, no entanto o avanço da tecnologia proporciona
técnicas que podem vir na contramão destes dados.
2.2 Irrigação
A irrigação é uma técnica milenar de forma artificial que tem como objetivo liberar
água para as plantas a fim de que estas possam produzir de forma adequada. A técnica, ao
longo dos séculos, vem sendo aperfeiçoada, chegando aos dias de hoje a sistemas pontuais,
onde a água é gotejada na hora, local e dimensão correta ao desenvolvimento das plantas para
suprir necessidades hídricas totais ou suplementares destas na falta de chuva (EMBRAPA,
2010). Ressalta-se, portanto, que esta técnica viabiliza o cultivo de espécies de plantas em
locais onde sem sua aplicação seria impossível, como: locais áridos ou até locais onde não há
uma disposição regular de chuvas (FERREIRA, 2011).
Além disso, é uma das principais técnicas que visa garantir a produção agrícola, sendo
considerado oficialmente um elemento fomentador do desenvolvimento socioeconômico.
Portanto, ela deve ser operada de forma eficiente e adequada sob o ponto de vista ambiental, a
fim de não se tornar elemento gerador de problemas oriundos da produção intensiva
(TESTEZLAF et al., 2002).
Ainda convém lembrar que a irrigação é dividida nos seguintes tipos: irrigação por
superfície, irrigação por aspersão e irrigação localizada e, de acordo com Mantovani et al.
(2009), esses métodos ainda se subdividem. Pires et al. (2008) discorrem que não há um
método que seja considerado ideal, e sim aquele que melhor se adapte às condições locais de
topografia, clima, tipo de solo e de cultivo, disponibilidade e qualidade da água, mão de obra
e energia.
Para Mantovani (2008), uma visão mais atual no âmbito do agronegócio, a irrigação é
uma estratégia para aumento da rentabilidade da propriedade agrícola pelo aumento da
produtividade, de forma sustentável e com maior geração de emprego e renda, dando ênfase
para as cadeias produtivas.
Dados publicados pela Revista Globo Rural, relata que de acordo com a Agência
Nacional de Águas (ANA), no Brasil são irrigados 5,7 milhões de hectares, abrangendo todos
os sistemas de irrigação, perfazendo cerca de 9% da área total usada no setor agrícola. O
governo brasileiro admite que um dos maiores problemas do crescimento da área irrigada no
Brasil é a falta de orientação e assistência técnica para elaboração e aprovação de projetos,
mesmo assim verifica-se um crescimento na média de 6% ao ano.
A irrigação localizada surgiu comercialmente em Israel na década de 1960. O
desenvolvimento tecnológico dos tubos de PVC (cloreto de poli vinil) e polietileno de baixa
densidade contribuiu sensivelmente para o sucesso desse tipo de irrigação. No Brasil esse
método surgiu na década de 1970 (micro aspersão) e 1980 (gotejamento).
Este método de irrigação foi o que mais cresceu nos últimos anos no Brasil. A área
irrigada, que era de 117.730 há em 1996, saltou para 337.755 ha em 2004, um aumento de
187%. Em 2004, as maiores áreas irrigadas por sistemas localizados se concentraram nas
regiões Nordeste (52,3%) e Sudeste (34,1%) do País, (CHRISTOFIDIS, 2001; PRIETO et al.
2010). Dentre os sistemas localizados, a irrigação por micro aspersão é mais utilizada na
fruticultura, enquanto o gotejamento é mais utilizado na produção de hortaliças.
Tendo em vista o aumento do preço da terra e o custo da produção agrícola, estes
fatores não permitem que a produção dependa apenas da ocorrência das chuvas que às vezes
são irregulares, portanto esta é uma das técnicas que proporciona maximizar a produção, por
isso está sendo alvo de relevante interesse à complementação das demais práticas agrícolas.
2.2.1 Irrigação por gotejamento
Conforme Dasberg & Bresler (1985), Azevedo (1986), Dasberg & Or (1999) e Souza
& Matsura (2004), irrigação por gotejamento compreende a aplicação de pequenas
quantidades de água diretamente na zona radicular das plantas, através de fonte pontual ou
linha de gotejadores sobre ou abaixo do solo.
Para Ayers & Westcot (1999), a eficiência da irrigação é influenciada pela quantidade
e qualidade da água, visto que, a qualidade da água de irrigação pode variar
significativamente, segundo o tipo e a quantidade de sais dissolvidos. O sistema de irrigação
por gotejamento foi desenvolvido devido à preocupação em relação à água, pois este sistema
disponibiliza água em parte reduzida do solo diminuindo a evaporação. Esta aplicação se
torna mais eficiente diminuindo o consumo de água.
Segundo a EMBRAPA, o método de irrigação localizada por gotejamento, juntamente
com o de micro aspersão, pela maior eficiência e menor consumo de água e energia, tem sido
os mais recomendados, principalmente em regiões onde o fator água é limitante. No entanto é
importante que o agricultor busque seguir o projeto técnico dimensionado para sua área,
levando em consideração as condições edafoclimáticas locais.
Outro fator existente publicado pela Revista Globo Rural e que aos poucos começa a
ser implantado, é o sistema de gotejamento subterrâneo que consiste em aplicar a água
diretamente no sistema radicular das plantas a uma profundidade em torno de 30cm
diminuindo assim a evapotranspiração o que ocasiona menor consumo da mesma. Porém este
sistema torna-se ainda mais caro que o aplicado sobre o solo, mas, no entanto, tende a ser uma
das projeções futuras levando em conta a economia de água e seus ganhos econômicos. Além
disso é preciso incentivar o recolhimento da água da chuva e a reutilização daquela usada em
outras atividades da propriedade que após passar por sistemas de filtragem e descontaminação
pode ser utilizada na irrigação.
2.2.2 Vantagens e desvantagens da irrigação por gotejamento
Uma das vantagens desta técnica é a fertirrigação que consiste na aplicação de
biofertilizantes via água, proporcionando o uso racional dos nutrientes, aumentando a
eficiência dos mesmos, reduzindo mão-de-obra e o custo de energia do sistema de irrigação.
Além disso, permite determinar a época de aplicação dos nutrientes e fraciona-los conforme a
necessidade da planta nos seus diversos estádios de desenvolvimento. Os biofertilizantes são
aplicados diretamente na zona de maior concentração de raízes, onde o sistema radicular é
mais ativo.
Outras vantagens da irrigação por gotejamento são: maior controle e eficiência do uso
da água a ser fornecida à planta, maior produtividade, melhor controle sanitário, possibilidade
de funcionamento em tempo integral, manter o solo próximo à capacidade de campo; menor
desenvolvimento de ervas daninhas entre as linhas de plantio, facilidade de automação,
adaptar-se a diferentes tipos de solo e topografias, diminuir o escoamento superficial,
percolação profunda, encharcamentos e erosões, (SOUSA et al., 2014).
Destaca-se também a eficiência deste sistema comparado aos demais, pois chega a ser
de 80-95% no uso de água.
Como desvantagens, segundo Bernardo (2002), cita a maior possibilidade de
entupimento dos gotejadores, devido às prováveis impurezas da água, sendo a qualidade da
mesma de suma importância, o que implica a utilização de sistemas de filtragem, também a
ocorrência de acúmulo gradual de sais na extremidade do bulbo molhado.
Outro problema é a má distribuição do sistema radicular em função do bulbo molhado
que se forma no solo, o que pode ser contornado com a melhor distribuição de gotejadores sob
a copa da planta. Por fim, o maior custo inicial do sistema irrigado por gotejamento o faz mais
adequado para cultivos de alto valor econômico e exige a aplicação de alta tecnologia e mão
de obra especializada em todas as etapas do processo produtivo da cultura.
2.2.3 Componentes do sistema de gotejamento
Os principais componentes de um sistema de gotejamento são:
‐ Emissores (gotejadores).
‐ Laterais (tubos de polietileno que suportam os emissores)
‐ Ramais (tubulação em geral de PVC 35, 50, 75 ou 100mm)
‐ Filtragem (filtros separadores, tela, disco ou areia)
‐ Automação (controladores, solenoides e válvulas)
‐ Válvulas de segurança (controladora de bomba, ventosa, anti-vácuo)
‐ Fertirrigação (reservatórios, injetores, agitadores)
‐ Bombeamento (motor, bomba, transformador, etc.)
Quanto as fontes de captação de água utilizada para a irrigação caracterizam-se os
seguintes recursos.
Reservatórios artificiais originados por nascentes e abastecidos por água subterrânea;
reservatórios artificiais construídos a partir de barramentos, utilizando a declividade natural
do terreno, abastecidos por escoamento superficial; curso e reservatório de água natural;
2.2.4 Custos do sistema de gotejamento:
A resposta da cultura a aplicação do sistema de irrigação, constitui os elementos
básicos de rendimento e produtividade, uma vez que, a cultura apresenta desempenho
produtivo diferenciado em razão da quantidade e frequência de sua aplicação. Porém a
estratégia é determinar a maximização da receita na aplicação de insumos/produto.
A estrutura de valores e recursos na aplicação do sistema são fatores que devem ser
planejados e programados no momento da decisão da implantação. O alto custo deste sistema
faz com que seja utilizado em culturas com maior valor econômico. O valor médio para a
implantação do sistema de irrigação de 1ha de morangos em estufa, segundo produtores e
empresa consultada, fica em torno de R$ 34.000,00. Já para a fruticultura fica em torno de R$
8.000.00. A estimativa de retorno do investimento, segundo pesquisa e relato dos produtores,
tem variação de um a três anos dependendo da cultura e do preço comercializado.
2.3 Benefícios e linhas de crédito para o pequeno e médio produtor
Quanto ao sistema de irrigação o grau de satisfação é positivo, pois aumenta a
produtividade e consequentemente a renda dos produtores, além da possibilidade de sustento
das famílias com uma pequena área de plantio, mantendo o homem no campo com
possibilidade de produção em épocas de estiagem e/ou entre safra.
Como a região é predominantemente formada de pequenas e médias propriedades este
sistema de irrigação destaca-se na olericultura com as culturas: pimentão, tomate, morango,
pepino, vagem, berinjela e na fruticultura destaca-se maçã, pêssego, ameixa, caqui, uva, kiwi,
podendo assim melhorar a quantidade e qualidade e consequentemente agregar maior valor
comercial.
Alguns benefícios foram visualizados em visita a propriedades rurais de Caxias do
Sul-RS. Nas mesmas são cultivadas, em ambientes protegidos, culturas de pimentão, tomate e
morango. Segundo o relato dos proprietários, após a implantação do sistema de gotejamento
houve significativo aumento de produtividade e qualidade, maior facilidade de manejo, menor
demanda de mão de obra, diminuição do uso de defensivos, programação planejada, retorno
financeiro com menor risco. Porém, segundo um dos proprietários, a eficiência deste sistema
depende de encontrar a forma correta de manejo entre cultura e tecnologia utilizada, por isso é
indispensável conhecimento no uso desta técnica, outros fatores como ambiente, temperatura,
umidade, localização topográfica, tipos de solo e substratos utilizados tem influência direta na
eficiência do sistema.
Crédito Rural é uma linha de crédito que disponibiliza ao produtor, cooperativa ou
empresa rural recursos para custeio, investimento e comercialização de produtos agrícolas.
Linhas de Créditos disponíveis: Moderinfa, Pronaf Mais Alimentos, Moderagro...
3 Metodologia
Para a elaboração deste trabalho foram realizadas revisões bibliográficas e visitas a
propriedades rurais, no interior do Município de Caxias do Sul, que utilizam o sistema de
irrigação por gotejamento. Após foi realizada análise de conteúdo e posteriormente as análises
descritivas.
4 Considerações Finais
Dessa forma conclui-se que, o uso racional da água é de fundamental importância para
garanti-la para as gerações futuras, por isso questões relevantes de conscientização,
sensibilização, preservação destes recursos não podem mais ficar renegado a segundo plano.
Sendo assim, o sistema de irrigação por gotejamento apresenta-se como alternativa
neste cenário atual de preservação dos mananciais e rentabilidade econômica. Por isso esse
sistema se encaixa neste novo contexto, de aumentar a produtividade sem a necessidade de
ampliar áreas de produção e garantir que variações climáticas e ambientais ocasionem menor
impacto possível.
Portanto, a escolha do sistema de irrigação por gotejamento, adequado ao ambiente, é
o resultado do ajuste entre as condições existentes levando em consideração os interesses
envolvidos, estes possibilitam menor risco do empreendimento ao produtor.
Em relação aos custos de implantação do sistema, constatou-se que há viabilidade nos
projetos, pois o investimento financeiro, apesar do alto custo, possui estimativa de retorno
entre um a três anos dependendo da cultura implantada. No qual os produtores se mostram
otimistas e já fazem projeções de novos investimentos no futuro.
Tendo em vista estes aspectos, acredita-se que investimentos em pesquisas com o
objetivo de adaptar tecnologias e avançar neste sistema, além de linhas de crédito que
proporcionem oportunidade aos agricultores para implantação de projetos são ações que
garantem êxito nos resultados. Outra preocupação constante é a preparação de profissionais da
área para incentivar a utilização da técnica para potencializar a produção de alimentos por
meio da qualificação e capacitação dos produtores são medidas de que contribuem para o
sucesso.
Referências

ALBUQUERQUE, Paulo Emílio Pereira de; DURÃES, Frederico Ozanan Machado. Uso e
manejo de irrigação/ editores técnicos, Paulo Emílio Pereira de Albuquerque, Frederico
Ozanan Machado Durães, 2ª ed. - Brasília, DF: Embrapa, 2013. E-book, no formato ePub,
convertido do livro impresso.

BACK, José Álvaro; BRUNA, Emilio Della. Demanda hídrica e necessidade de irrigação da
videira para Urussanga, SC. Agropecuária Catarinense V. 22, nº 1, p. 76-81, mar. 2009 –
Florianópolis: Empresa Catarinense de pesquisa Agropecuária.

DAKER, Alberto; Hidráulica aplicada à agricultura; Editora Freitas Bastos 7ª ed. 1987. Vol
1;
FILGUEIRA, Fernando Antonio Reis, 1937 – Novo manual de olericultura: agrotecnologia
moderna na produção e comercialização de hortaliças – 3. Ed. Ver. E ampl. – Viçosa, MG:
Ed. UFV, 2007. 421p.:

MAROUELLI, Waldir Aparecido. Irrigação por aspersão em hortaliças: qualidade da água,


aspectos do sistema e método prático de manejo / Waldir Aparecido Marouelli, Washington
Luiz de Carvalho e Silva, Henoque Ribeiro da Silva. – 3ª ed. – Brasília, DF: Embrapa, 2012.
E-book: no formato ePub, convertido do livro impresso.

MAROUELLI; Waldir A.; Washington L.C. Silva; Irrigação na cultura do pimentão, 1ª ed.
Mar. 2012. Circular Técnica 101. Embrapa Hortaliças, Brasília, DF.
Seleção de sistemas de Irrigação para hortaliças, 1ª ed. Dez. 2011. Circular Técnica 98.
Embrapa Hortaliças, Brasília, DF

NACHTIGALL, Gilmar Ribeiro, et al; Irrigação e fertirrigação na cultura da macieira no


Sul do Brasil -- Bento Gonçalves : Embrapa Uva e Vinho, 2014. 32 p. : il. -- (Documentos /
Embrapa Uva e Vinho, ISSN 1516-8107; 89).

PIRES, Regina Célia de Matos, et.al. Irrigação no morangueiro. Informe Agropecuário. Belo
Horizonte: EPAMIG, v.20, nº198, p.52-58, mai./jun.1999.

REISDÖRFER, Andrea Fioravanti. Água doce: um bem finito e escasso Conselho em Revista,
CREA – RS. Ano III- Nº 31, p.12-15, março de 2007.

RIBEIRO, Cassiano et. Al. Supercana do sertão, Revista Globo Rural, Ed. mar. 2015,
Nº353, p.26 - 49 - Editora Globo

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Manual de adubação e calagem:


Para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. - 10. ed. Porto Alegre, RS. 2004.
400p. p. 317-329.
SOUZA, Valdemício ferreira de...[et al], Irrigação e fertirrigação em fruteiras e hortaliças/
editores técnicos. Valdemício Ferreira de Souza...[et al.], – 2ª Ed. – Brasília, DF: Embrapa,
2014. E-book: no formato ePub, convertido do livro impresso.

MOURA, Ada Ravana Costa et al. Evapotranspiração de referência baseada em métodos


empíricos em bacia experimental no estado de Pernambuco - Brasil. Rev. bras. meteorol., São
o , v. 28, n. 2, p. 181-191, junho 2013.

SOUZA, Claudinei F.; MATSURA, Edson E..Distribuição da água no solo para o


dimensionamento da irrigação por gotejamento. Rev. bras. eng. agríc. ambient., Campina
Grande , v. 8, n. 1, p. 7-15, Abr. 2004 .

Crédito Rural - Agrolink. Disponível em:


www.agrolink.com.br/cereaisdeinverno/CreditoRural.aspx Acesso em: 12 de jun de 2015.

ESTEVES, Bárbara dos Santos, Irrigação por gotejamento; colaboração de Dione Galvão da
Silva... [et al.]. -- Niterói: Programa Rio Rural, 2012. 18 p.; Programa Rio Rural. Manual
Técnico; 32
http://www.pesagro.rj.gov.br/downloads/riorural/32_Irrigacao_por_gotejamento.pdf. Acesso
em 23 mai. 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Disponibilidade e demandas de recursos hídricos no


Brasil. Brasília, maio de 2005. Disponível em:
<http://arquivos.ana.gov.br/planejamento/planos/pnrh/DisponibilidadeDemanda.pdf>. Acesso
em: 10 mai.2015.

CALBO, Adonai Gimenez; Sistema Irrigas para manejo de irrigação: fundamentos, aplicações
e desenvolvimentos; Washington Luiz de Carvalho e Silva. -- Brasília: Embrapa Hortaliças,
2005.174 p.:il.Disponível em<http//:www.cnph.embrapa.br/.../publicacoes2006. Acesso em
15 mai. 2015.

Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.7, nº. 5 ... - SIGAA


http://www.sigaa.ufs.br/sigaa/verProducao?idProducao=269623...28 de out de 2013 -
Fortaleza, CE, INOVAGRI – http://www.inovagri.org.br. DOI: 0.7127/rbai. Disponível em
<http://www.cf.org.br/cf2004/irrigacao.doc.>. Acesso em: 15 mai.2015.

LIMA, J. E. F. W et al. Distribuição da água no solo para o dimensionamento da irrigação


por gotejamento. Rev. bras. eng. agríc. ambient., Campina Grande , v. 8, n. 1, p. 7-
15, Apr. 2004 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo. Acesso 03 Mai. 2015.

VALNIR JÚNIOR, M. et al. Análise de desempenho em laboratório de linha gotejadora antes


e após sua utilização em campo. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 5, n. 4, p. 351–
360, 2011. Disponível em <http://www.inovagri.org.br/revista/index. Acesso em 03 jun.
2015.