Sei sulla pagina 1di 3

A igreja que queremos ser - Atos 2

A igreja primitiva é o modelo mais excelente para todas as outras, em todos os tempos, em todos

os lugares. Esta igreja tornou-se uma referência de igreja fiel, digna de ser imitada. Ao vermos em

nossos dias as mais variadas igrejas, com as mais diversas liturgias, diferenças doutrinárias e

denominações, nos perguntamos: “Qual é a igreja que queremos ser”?

Ao olharmos para a igreja no livro de Atos 2, encontraremos as marcas de uma igreja verdadeira.

Alguém já disse: “Só conseguiremos enxergar o futuro com os olhos do passado”.

1) Queremos ser uma igreja comprometida com a verdade (At 2.42) –

A igreja que nasceu como fruto do derramamento do Espírito e da exposição ungida das Escrituras

perseverava na doutrina dos apóstolos. Não há igreja verdadeira sem a doutrina apostólica. Onde

as verdades das Escrituras são negadas ou torcidas, pode haver sociedades religiosas, mas não

igrejas de Cristo. A igreja não pode estar à mercê de doutrinas de homens, mas fundamentada na

eterna e infalível Palavra de Deus.

A igreja não pode andar às escuras. Ela sabe com segurança para onde vai. Ela anda na luz da

verdade. A Igreja atual precisa urgentemente voltar para as Escrituras. Infelizmente o que está

crescendo espantosamente neste país não é o Evangelho, mas outro evangelho, um evangelho

mistificado, sincrético, antropocêntrico, que busca agradar os homens, em vez de glorificar a Deus.

2) Queremos ser uma igreja marcada pela profunda união entre os irmãos (At 2.42)

Uma igreja jamais poderá atrair pessoas se não houver comunhão entre os seus membros. O amor

é a evidência do verdadeiro discípulo de Jesus (Jo 13.35). Nesta igreja todos os membros da igreja

estavam juntos e tinham tudo em comum. Nesta igreja a prioridade eram pessoas, hoje invertemos,

a prioridade é quanto está entrando no caixa da igreja. Essa igreja acolhia com muito amor todos

os que chegavam e, ao mesmo tempo, era simpática com os de fora (At 2.47). A igreja apostólica

era uma comunidade terapêutica.

Atualmente, muitas vidas em vez de serem curadas, saem mais doentes de quando entraram na

igreja! Numa sociedade ferida e quebrada pelo pecado, a igreja de Cristo é lugar de refúgio e

restauração para aqueles que se arrependem e crêem no Senhor Jesus.


3) Queremos ser uma igreja simpática aos olhos da sociedade (At 2.47)

A igreja de Jerusalém desfrutava de uma boa reputação na cidade. Os cristãos davam testemunho

irrepreensível. Eles eram uma referência para os não-crentes. Podemos dizer o mesmo dos cristãos

dos dias atuais? Há muitos comércios que nem vendem mais para cristãos! Alguém já disse: “Cuide

de sua vida, pois ela pode ser a única Bíblia que alguém irá ler”. Temos dado bom testemunho?

Temos sido sal e luz do mundo?

Hoje a igreja é mais conhecida por seus escândalos, do que a firmeza e integridade de sua missão.

A igreja é grande, mas não causa impacto. Ela tem extensão, mas não tem profundidade. Tem

membros ilustres, mas não há santidade. Tem um orçamento exemplar, mas não há nela a atuação

do Espírito. A igreja via de regra tem crescido para os lados, mas não para cima nem em

profundidade. Tem quantidade, mas não há qualidade.

4) Queremos ser uma igreja que tem “fome” de Deus (At 2.42)

A igreja de Jerusalém não apenas acreditava na oração; ela orava. Não apenas tinha uma correta

teologia sobre oração; ela orava. As reuniões de oração em muitas igrejas estão morrendo! A igreja

contemporânea desaprendeu de orar. Temos grandes livros sobre oração, mas não oramos.

Pregamos sermões sobre oração, mas não oramos. O povo de Deus anda muito ocupado para

ocupar-se com Deus. Hoje temos gigantes na erudição e pigmeus na vida de oração. E.M. Bounds

disse no seu clássico livro O poder através da Oração que: “homens mortos tiram de si sermões

mortos, e sermões mortos matam”.

Hoje temos fome, mas não de Deus. Temos fome de sucesso, fama, dinheiro, etc. Como esperar

outro Pentecoste se nem ainda fomos despertados para orar? Primeiro, vem a igreja toda, unânime,

perseverando em oração, para só depois vir o Pentecoste.

Tenho que concordar com a magistral frase que li em um livro:

“Nunca tivemos tantos graus na igreja, mas ainda assim, temperaturas tão baixas”.

É verdade. Hoje temos apóstolos, bispos, “bispas”, logo, logo, teremos a 4º pessoa da trindade! Ó

Deus tenha misericórdia de nós, e abre nossos olhos!


5) Era uma igreja que crescia diariamente (At 2.47)

Enquanto a igreja crescia em graça e santidade, Deus a fazia crescer em número. Qualidade gera

quantidade. Quando a igreja planta e rega, Deus dá o crescimento (1 Co 3.6). Quando a igreja vive

o que prega e testemunha no poder do Espírito, Deus a faz crescer. A igreja apostólica crescia em

3 dimensões:

A) Crescimento para cima – A igreja cresce para cima em adoração. O fim principal do homem

é glorificar a Deus. Deus, e não o homem, é o centro da missão da igreja. Adorar a Deus não é

apenas um momento do culto coletivo, quando entoamos hinos e ouvimos a Palavra. Toda a nossa

vida deve ser uma vida de adoração. Não podemos separar a vida particular da adoração coletiva.

B) Crescimento para dentro – A igreja cresce para dentro em comunhão. Onde não há comunhão

fraternal, não há adoração verdadeira a Deus. Onde não há perdão, o inimigo prevalece. Não

podemos amar a Deus e odiarmos os irmãos ao mesmo tempo. Deus ordena a benção e a vida

onde os irmãos vivem em união (Sl 133).

C) Crescimento para fora – A igreja cresce para fora por meio da evangelização. Uma igreja

saudável não vive para si mesma. Ela não é narcisista. A igreja deve buscar os perdidos. Sua missão

é anunciar o evangelho a toda criatura e fazer discípulos de todas as nações. A evangelização deve

arder em nosso coração. A evangelização deve ser um estilo de vida de todo o cristão. Quão triste

é saber que muitos cristãos não conseguem ganhar uma alma durante o ano inteiro. Isso deveria

nos envergonhar!