Sei sulla pagina 1di 14

CIRCUITOS ELÉTRICOS I

CARACTERIZAÇÃO DE FORMAS DE ONDA

Relatório realizado como forma de


documentação de aula prática
ministrada pelo Prof. Dr. André da
Fountoura Pochet.

Abner R. de Aguiar 11049814


Andre R. Alioti 11035115
Felipe Wagner Bízio 21044912
Pedro H. C. Pennachi 21038414

Santo André – SP
2017
Sumário
Sumário ......................................................................................................................................... 2
1 - Metodologia ............................................................................................................................. 3
1.1 Materiais utilizados ....................................................................................................... 3
1.2 Procedimento Experimental ......................................................................................... 3
2 - Resultados e discussão ............................................................................................................. 5
3 - Questões. ................................................................................................................................. 9
4 - Conclusão ............................................................................................................................... 13
5 - Referência .............................................................................................................................. 14

2
1 - Metodologia

1.1 Materiais utilizados


Para a realização do experimento e para conseguir medir diversas características
de ondas diversas, foram utilizados os seguintes equipamentos e materiais:

Tabela 1: Lista de materiais utilizados no experimento

Material Quantidade

Gerador de sinais 1

Osciloscópio 1

Multímetro digital de bancada(MDM-8045B) 1

Multímetro digital portátil(ET-2075B Minipa) 1

Multímetro digital portátil(ET-2510 Minipa) 1

Protoboard 1

Resistor de 15kΩ 1

Diodo 1

1.2 Procedimento Experimental

O primeiro passo para a realização do experimento é montar o circuito de um


resistor de 15 kΩ em série com um gerador de sinais (figura 1) no protoboard. O
gerador de sinais deve ser ajustado conforme especificado no roteiro, com uma tensão
de 8Vpp, frequência de 250Hz, e o offset de 0V, com uma forma de onda senoidal. As
medições com o osciloscópio (acoplamento CA) e os multímetros são realizadas a
partir dos terminais do resistor, e os valores medidos foram registrados na tabela 2.
Ainda com esse mesmo circuito montado no protoboard, foi ajustada o offset
do gerador de sinais para 4V, que corresponde ao Vpp/2. A frequência foi mantida

3
inalterada. Para realizar as medições foram utilizados os dois acoplamentos do
osciloscópio (CA e CC). Os resultados obtidos foram registrados na tabela 3.
Depois foi ajustado o offset do gerador de sinais de volta para 0V, e a
frequência foi modificada para 1KHz, e o mesmo procedimento para a tomada dos
valores foi utilizado, dessa vez usando apenas o acoplamento CA do osciloscópio. Os
resultados obtidos para esse circuito foram registrados na tabela 4.
Utilizando mais uma vez o circuito esquematizado na figura 1, foi ajustado o
gerador de sinais para uma frequência de 250Hz, e uma forma de onda triangular. As
medidas foram feitas também no terminal do resistor, e foram anotadas na tabela 7.

Figura 1: Circuito utilizado para medição das ondas senoidal e triangular

Para analisar a forma senoidal de retificação de meia-onda, foi necessário


montar um novo circuito, adicionando um diodo em série com a resistência, conforme
mostrado na figura 2. As configurações do gerador de sinais são as mesmas utilizadas
na primeira medição, ou seja, uma onda senoidal de frequência 250Hz com o offset de
0V. As medições para essa configuração foram anotadas na tabela 5.
Ainda com essa mesma configuração, para realizar a última série de medidas,
foi ajustado no gerador de sinais, a frequência para 1KHz. Esses resultados foram
anotados na tabela 6.

.
Figura 2: Circuito utilizado para medição da onda senoidal retificada em meia onda

4
2 - Resultados e discussão
De acordo com o roteiro, foram montados os circuitos, e o gerador de sinal foi
alimentado com as informações necessárias para cada processo. Os resultados
seguem organizados nas tabelas abaixo.

Tabela 2: Onda senoidal. Frequência 250Hz

Onda Senoidal

V [V]
pp V [V]
máx Vmédio [mV] V [V]rms T [ms] f [Hz]

Valor teórico 8,00 4,00 0 2,83 4,00 250,0

Osciloscópio 8,10 4,10 -54,8 2,83 4,00 249,9

Bancada 8,06 4,03 0 2,85 3,98 251,0


Multímetro
Portátil 01 8,06 4,03 0 2,85 4,00 249,9
digital
Portátil 02 8,08 4,04 0 2,86 4,00 250,0

Tabela 3: Onda senoidal. Frequência 250 Hz e Offset de tensão DC de Vpp/2’

Onda Senoidal (Offset)

V [V]
pp V [V]
máx V médio [V] V [V]
rms T [ms] f [Hz]

Valor teórico 8,00 8,00 0 5,65 4,00 250,0

Acoplamento 8,20 8,04 3,93 4,85 4,00 249,9


DC
Osciloscópio
Acoplamento 8,10 4,10 -58,710 -3
2,79 3,99 250,2
AC

Bancada 0 2,86 3,98 251,0


Multímetro
Portátil 01 0 2,86 4,00 249,9
digital

Portátil 02 0 2,86 4,00 250,0

5
Tabela 4: Onda senoidal. Frequência 1kHz

Onda Senoidal

V [V]
pp V [V] V
máx médio [mV] V [V] T [ms] f [Hz]
rms

Valor teórico 8,00 4,00 0 2,83 1,00 1000,0

Osciloscópio 8,30 4,10 -57,1 2,84 1,00 999,6

Bancada 8,04 4,02 0 2,84 1,00 1000,0


Multímetro
Portátil 01 7,94 3,97 0 2,81 1,00 999,0
digital

Portátil 02 7,94 3,97 0 2,81 1,00 1000,0

Tabela 5: Onda senoidal (Meia-onda). Frequência 250Hz

Onda Senoidal (Meia-Onda)

V [V] V [V] V
pp máx médio [V] V [V] T
rms f [Hz]
[ms]

Valor teórico 3,30 3,30 1,05 1,50 4,00 250,0

Osciloscópio 3,80 3,54 1,00 1,67 3,99 250,0

Bancada 1,36 3,98 251,0


Multímetro digital
Portátil 01 1,34 4,00 249,9

Portátil 02 1,35 3,99 250,0

6
Tabela 6: Onda senoidal (Meia-onda). Frequência 1kHz

Onda Senoidal (Meia-Onda)

V [V]
pp V [V]
máx V médio [V] V [V] T [ms] f [Hz]
rms

Valor teórico 3,30 3,30 1,05 1,50 1,00 1000,0

Osciloscópio 3,60 3,54 1,06 1,67 1,00 1000,0

Bancada 1,35 1,00 998,0


Multímetro digital
Portátil 01 1,31 1,00 999,0

Portátil 02 1,32 1,00 1000,0

Algo a se destacar é que, nas tabelas 4 e 5, os valores de V e V teóricos pp máx

representam a tensão fornecida pelo gerador subtraída da tensão estabelecida sobre o


diodo. Essa seria a tensão recebida pelos terminais do resistor, teoricamente.

Tabela 7: Onda triangular. Frequência 250Hz

Onda Triangular

V [V] V
pp máx Vmédio [mV] V [V] T [ms]
rms f [Hz]
[V]

Valor teórico 8,0 4,00 0 2,31 4,00 250,0

Osciloscópio 8,1 4,02 -61,1 2,31 4,00 249,9

Bancada 2,31 3,98 251,0


Multímetro
Portátil 01 2,22 4,00 249,9
digital

Portátil 02 2,32 4,00 250,0

7
Obs: Tendo em vista que, nos multímetros digitais, é possível obter apenas os valores
eficazes V das tensões medidas, os demais dados referentes a medidas de tensão
rms

(valor de pico a pico, valor máximo e valor médio), para os sinais senoidais, foram
obtidos através da realização de cálculos com os números mensurados.

8
3 - Questões.
1) Procure nos manuais dos equipamentos utilizados quais são suas
especificações,anotando e apresentando os seguintes itens: precisão/incerteza,
resolução e a faixa de operação (grandeza medida e frequência).
R: Os parâmetros apresentados na tabela X estão sendo considerados de
acordo com as tensões e frequências medidas durante a realização do experimento.

Grandeza Incerteza Resolução Faixa de operação

Multímetro Minipa ET Tensão CA (0,8%+6D) 0,01 V (4 V;40 V]


2075-B
Frequência (0,5%+4D) 1 Hz (100 Hz;1000 Hz]

Multímetro Minipa ET Tensão CA (0,8%+3D) 0,01 V (6 V;60 V]


1679
Frequência (0,5%+4D) 0,001 Hz (10 Hz; 10 MHz]

Tensão CA 3% 10 mV [10 mV/div;5 V/div]


Osciloscópio Tektronix
Frequência (51 ppm+1D) 0,01 mHz (DC;50 MHz]
TBS 1052-B

Período 50 ppm 5 ns [ 5 ns/div;50 s/div]

2) Calcule o valor eficaz (mostre os cálculos!) para os seguintes sinais:


a) v(t) = 𝑉0 para todo t real. (Tensão Contínua - DC)

1 𝑡 𝑉0 ²
𝑉𝑒𝑓 = √𝑡 ∫𝑡 2 √𝑡 [𝑡2 − 𝑡1 ] → 𝑉𝑒𝑓 = 𝑉0
2 −𝑡1 1 2 −𝑡1

b) 𝑣(𝑡) = 𝑉0 . 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏), para todo t real. (Tensão Alternada – AC)

1 𝑇
𝑉𝑒𝑓 = √ ∫ [𝑉0 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏)]²𝑑𝑡
𝑇 0

𝑉0 ² 𝑇 2𝜋 𝑇
4𝜋
√ [∫ 𝑑𝑡 − ∫ 𝑐𝑜𝑠 ( + 2𝑏) 𝑑𝑡]
4𝜋 0 𝑇 0 𝑇

9
𝑉² 𝑉²
√ 0 [2𝜋 − 𝑠𝑖𝑛(4𝜋 + 2𝑏) + 𝑠𝑖𝑛(2𝑏)] = √ 0 ∗ 2𝜋
4𝜋 4𝜋

𝑉0
→ 𝑉𝑒𝑓 =
√2
c) 𝑣(𝑡) = 𝑉𝐷𝐶 + 𝑉𝐴𝐶 ∗ 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏), para todo t real.

1 𝑇
𝑉𝑒𝑓 = √ ∫ [𝑉𝐷𝐶 + 𝑉𝐴𝐶 ∗ 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏)]²𝑑𝑡 =
𝑇 0

1 𝑇 2∗1 𝑇 1 𝑇
√ ∫ [𝑉𝐷𝐶 ]2 𝑑𝑡 + ∫ 𝑉𝐷𝐶 𝑉𝐴𝐶 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏)𝑑𝑡 ∫ [𝑉𝐴𝐶 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝑏)]2 𝑑𝑡
𝑇 0 𝑇 0 𝑇 0

𝑉𝐴𝐶 ² 𝑉𝐴𝐶 ²
𝑉𝑒𝑓 = √𝑉𝐷𝐶 ² + 2𝑉𝐷𝐶 ∗ 0 + = √𝑉𝐷𝐶 ² +
2 2

→ 𝑉𝑒𝑓 = √𝑉𝑒𝑓𝐷𝐶 ² + 𝑉𝑒𝑓𝐴𝐶 ²,

levando -se em conta que


𝑉𝐴𝐶
𝑉𝑒𝑓𝐴𝐶 = e 𝑉𝑒𝑓𝐷𝐶 = 𝑉𝐷𝐶
√2

3) Explique sucintamente qual a vantagem de utilizarmos multímetros True RMS


para a medição de tensões, apontando a diferença entre instrumentos True RMS
AC e True RMS AC+DC.
R: A vantagem do uso de instrumentos como o multímetro True RMS para a
medição de tensões consiste em minimizar as imprecisões típicas de um circuito
comum composto, por exemplo, de elementos capacitivos e indutivos que geram um
valor errado de RMS nos demais instrumentos. Ao medir as tensões alternadas em
uma carga que não seja resistiva pura, geralmente ocorrem fortes distorções da forma
de onda do sinal e introdução de harmônicas (sobreposição de frequências múltiplas),
resultando em uma medida equivocada do valor do RMS em instrumentos comuns. O
multímetro True RMS CA+CC é capaz de incluir a componente da corrente contínua
no cálculo do RMS, aprimorando as medições em carregadores de bateria ou controle
de motores, por exemplo.
4) Mostre que para uma tensão que possui uma componente DC e outra AC, o
valor eficaz da mesma pode ser calculado como:

𝑉𝑅𝑀𝑆 = √𝑉²𝑅𝑀𝑆𝐴𝐶 + 𝑉²𝑅𝑀𝑆𝐷𝐶 ,

Onde 𝑉𝑅𝑀𝑆𝐴𝐶 e 𝑉𝑅𝑀𝑆𝐷𝐶 são, respectivamente, os valores eficazes das


componentes AC e DC do sinal de tensão.

10
R: A expansão do binômio que representa o valor da tensão elétrica do sinal
nos fornece três componentes, igual ao valor eficaz da componente CC, outro
equivalente ao valor eficaz da componente CA e outro valor que multiplica uma
constante pelo valor médio CA do sinal. Como o valor médio de um sinal CA é igual à
zero, apenas as outras duas componentes compõem a equação, como foi deduzido no
item c da questão 6.2 e está expresso na equação acima.
5) Há diferença nas medidas dos valores lidos no osciloscópio para os
diferentes modos de acoplamento da entrada? Justifique e identifique em quais
casos a diferença foi maior.
R: Sim, houve diferença nos valores medidos utilizando os modos de
acoplamento CC e CA. Estas divergências podem ser explicadas devido ao tratamento
ou não do sinal de entrada. No acoplamento CC, o sinal que é recebido pelo
osciloscópio não passa por nenhum tipo de filtragem, ou seja, todos os componentes,
tanto AC quanto DC, serão recebidos pelo equipamento. Diferentemente deste modo,
no acoplamento CA, o sinal de entrada passa por uma filtragem, o que resulta na
eliminação dos componentes DC e atenuação de sinais com frequência inferior a 10
Hz. Desta forma, os valores medidos em cada um destes modos de acoplamento têm
suas diferenças.
6) Houve concordância entre as medidas lidas nos diversos multímetros?
Identifique quais os fatores que causaram estas possíveis diferenças nas
medidas. (Utilize como referência os dados dos manuais).
R: Sim, houve concordância quanto aos valores mensurados utilizando os
multímetros, considerando pequenas variações, que podem ser explicadas em
decorrência da diferença de precisão destes equipamentos, como pode ser visto em
seus respectivos manuais, bem como das variações dos valores durante as medições.
A maior diferença entre os valores medidos pelos multímetros pode ser vista na
medição da tensão eficaz da onda quadrada, caso em que o multímetro true rms
apresentou um valor mais próximo ao valor real. Este fato ocorre devido alguns
multímetros comuns, não apresentarem os valores corretos para formas de onda não
senoidais.
7) No item 3.1.1a, estamos medindo os valores de tensão para um sinal retificado
de meia – onda, sendo essa retificação obtida pela utilização de um diodo. Há
alguma diferença entre a forma de onda sobre o resistor e a forma de onda na
saída do gerador de sinais? Justifique.
R: Sim, existe uma diferença entre as formas de onda. O diodo tem uma
funcionalidade parecida com um controlador de fluxo, em um sentido permite a
passagem de fluido, no contrário, bloqueia. Devido ao seu material semicondutor, o
diodo não permite o “fluxo” de elétrons no sentido negativo, por isso é constatado um
sinal apenas com a parte positiva da onda.
8) Considerando as observações do item anterior descreva o que deve ser
ajustado nos cálculos teóricos a fim de obter os valores mais próximos dos
reais. Justifique sua resposta usando argumentos matemáticos.
R: Para ajustar os cálculos teóricos aos valores reais do circuito deve-se
considerar que há uma queda de tensão sobre os terminais do diodo, o que não

11
permite que o resistor receba toda a tesão gerada pela fonte. Isso acontece pois, o
diodo, como retificador da tensão aplicada ao resistor, não atua como um curto circuito
perfeito no semiciclo positivo da onda, e parte da tensão da fonte polariza o material
semicondutor que constitui o diodo. Matematicamente, podemos representar a tensão
no circuito como segue:
𝑉𝑔𝑒𝑟𝑎𝑑𝑜𝑟 = 𝑉𝑑𝑖𝑜𝑑𝑜 + 𝑉𝑟𝑒𝑠𝑖𝑠𝑡𝑜𝑟

12
4 - Conclusão

Analisando os dados medidos durante o experimento a maioria mostra-


se bem próximo aos valores propostos pela teoria, uma das diferenças
denotada nas medições vieram ao observarmos a tensão eficaz em onda
quadrada. Acredita-se que isto ocorreu porque alguns multímetros comuns não
apresentam valores corretos para formas de ondas não senoidais.
Vale ressaltar as alterações relacionadas ao papel do diodo nas
medições da tabela de meia onda, ele permite a passagem de corrente em um
sentido e bloqueia a passagem no inverso; trazendo entre seus efeitos a queda
de tensão sobre seus terminais não permitindo que o resistor receba toda a
tensão gerada pela fonte.
Tendo em mente que os equipamentos do laboratório são associados a
valores de incerteza em suas medições podemos afirmar que a proximidade
dos valores gerados em laboratório como os propostos pela teoria nos confirma
a eficácia das medições feitas pelo grupo.

13
5 - Referência

BOYLESTAD, Robert L. Introdução à análise de circuitos. Tradução de Daniel


Vieira, Jorge Ritter; Revisão de Benedito Bonatto. 12. ed. São Paulo, SP: Pearson
Education do Brasil, 2012. xiii, 959 p., il. ISBN 9788564574205.

C BRAGA, Newton. Valores Médios e RMS para sinais. Disponível em:


<http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/matematica-na-eletronica/11083-valores-
medios-e-rms-para-sinais-m177>. Acesso em: 10 out. 2017.

MULTÍMETRO DE BANCADA, MDM8045B. Disponível em


<http://www.highmed.com.br/mdm-8045b-multimetro-digital-de-bancada/p>. Acesso
em: 03 out. 2017

MULTÍMETRO MINIPA, ET-2075B. Disponível em


<http://www.multcomercial.com.br/pdf/minipa/ET-2075B-2110-1101-BR.pdf>. Acesso
em: 03 out. 2017

MULTÍMETRO MINIPA, ET-2510. Disponível em


<http://professor.ufabc.edu.br/~jose.azcue/Circuitos%20Eletricos%201/Multimetro_ET2
510.pdf>. Acesso em: 03 out. 2017

NAKASHIMA, Kazuo. Valores Médios e Eficaz. Disponível em:


<https://pt.slideshare.net/kazuonakashima3/rms-27746406>. Acesso em: 03 out. 2017

REIS, Mauro dos. Retificador de meia onda. Disponível em:


<http://baudaeletronica.blogspot.com.br/2012/05/retificador-de-meia-onda.html>.
Acesso em: 07 out. 2017

TEKTRONIX. TBS1000B and TBS1000B-EDU Series Digital Storage


Oscilloscopes. Disponível em:
<http://www.phys.uconn.edu/~eyler/phys3150/R/TBS1052B_User_Manual.pdf>.
Acesso em: 07 out. 2017

Vórtex Equipamentos. Por quê True-rms?. Disponível em:


<http://www.vortex.com.br/notas/porque_true_rms.pdf>. Acesso em: 07 out. 2017

14