Sei sulla pagina 1di 2

III EMEPRO – Belo Horizonte, MG, Brasil, 07 a 09 de junho de 2007

Implantação piloto da manutenção autônoma em uma empresa de


alimentos
Flávio da Mota (UNIMINAS)
Marcillo Siqueira Finotti (UNIMINAS)
Roberto de Souza Martins (UNIMINAS) roberto.martins@uniminas.br
Resumo
O objetivo deste trabalho é prover uma visão geral sobre a implantação do Sistema de
Manutenção Autônoma. São apresentados alguns conceitos fundamentais sobre o TPM
(Total
Productive Manufacturing), mostrando a evolução da manutenção e suas ligações com
outras
ferramentas da Qualidade. Também se descreve um estudo de caso conduzido em
máquinas
pilotos de uma empresa de alimentos. Mostra-se o desenvolvimento do trabalho na
empresa,
o envolvimento e o incentivo aos funcionários, as melhorias das condições de trabalho,
bem
como de funcionamento dos equipamentos (ambientais, organização do trabalho,
segurança,
eficiência do equipamento) e o conseqüente reflexo na produção: maior produtividade.
Palavras chave: Manutenção, Manutenção autônoma, TPM.
1. Introdução
A metodologia TPM (total productive management – gestão produtiva total) é um
sistema de
gestão que transforma os modelos tradicionais de administração e busca a eliminação
contínua das perdas, obtendo assim a evolução permanente da estrutura empresarial,
pelo
constante aperfeiçoamento das pessoas, dos meios de produção e da qualidade dos
produtos e
serviços. Esta metodologia foi tão bem sucedida nas fábricas em que foi adequadamente
implantada, que seus conceitos passaram a ser aplicados a todos os processos das
empresas,
incluindo as atividades de melhoria da qualidade, segurança e cuidados ambientais,
projetos
de máquinas e equipamentos, trabalho administrativo e muitos outros (Kardec, 1998).
O desenvolvimento da implantação da metodologia TPM tem início nos equipamentos,
o que
lhe conferiu o significado inicial de Total Productive Maintenance, ou Manutenção
Produtiva
Total. Após algum tempo do início da implantação, o TPM rompe a fronteira dos
equipamentos, tomando conta de todo o setor produtivo, quando passa a ter o
significado de
Total Productive Manufacturing, ou Manufatura Produtiva Total. A fase seguinte é
quando o
programa alcança o seu real potencial, chegando aos setores administrativos, passando a
ter o
seu verdadeiro significado: Total Productive Management, ou Gestão Produtiva Total.
A TPM surgiu no Japão, no século passado, no início da década de 70. Naquela época,
empresas como a Toyota já buscavam criar sistema “just in time”, utilizando o mínimo
de
estoque, tanto de matérias primas, como de produto acabado. Para viabilizar este
sistema, os
responsáveis pela produção eram pressionados cada dia mais a aumentar a qualidade e
confiabilidade da produção. Por serem inevitáveis, as perdas geradas pelos
equipamentos
tornaram-se inaceitáveis, impulsionando cada vez mais a otimização do processo de
produção.
Assim surgiu o TPM, que naquela época focava suas atividades nos equipamentos e na
produção.
Atualmente, milhares de empresas em todo o mundo adotam o TPM como forma de
gestão.
Apesar de ainda ser pouco conhecido e difundido entre nossas indústrias, o Brasil ocupa
lugar
de destaque entre os casos de implantação bem sucedida da metodologia (Kardec,
1998).