Sei sulla pagina 1di 1

Adoração e louvor

Cultos Alternativos
David Karnopp crescimento. Afinal o culto é o momen- jetivo é mostrar a obra de Deus por meio
to onde o Senhor e a sua Igreja se encon- de Jesus Cristo. Todo o culto pode ser

O
Senhor Jesus, quando instituiu tram. É natural que este encontro esteja culto cristão, desde que esteja centrali-
a sua Igreja aqui na terra, nos recheado de beleza, dignidade e reverên- zado nos meios da graça, pois estes são
deu ordem para nos reunirmos cia. Convocar a Deus e aos fiéis para os elementos que o Senhor instituiu para
em torno da Palavra e dos sacramentos, este encontro e depois apresentar uma o culto.
mas não nos deu regras de como condu- festa pobre, sem alegria, onde tudo é 4. A Igreja é um conjunto de congre-
zir a forma do culto. O Novo Testamen- sempre a mesma coisa, é questionável. gações. Certa uniformidade litúrgica é
to (NT) no máximo recomenda que Como povo de Deus, somos chamados a saudável e sempre será uma boa forma
“tudo seja feito com servir ao Senhor não de caracterizar a identidade e unidade
decência e ordem” (1 apenas com o melhor da igreja. A maneira de a igreja condu-
Co 14.40). A forma da vida, mas tam- zir o seu culto a torna conhecida. Se cada
do culto, portanto, bém de forma alegre congregação estabelecer muitas formas
“Os luteranos formam
está ancorada no e criativa. diferentes, a igreja perde este vínculo de
princípio da liberda- uma igreja confessional e 2. Inovar nem comunicação.
de cristã. No entanto, litúrgica. Sua teologia de sempre significa en- Por fim, os luteranos formam uma
não estamos livres culto está firmada sobre o riquecer. Ao querer Igreja confessional e litúrgica. Sua teo-
para ignorar a forma Evangelho do Senhor e agradar aos mais di- logia de culto está firmada sobre o Evan-
tradicional do culto e versos sentimentos, gelho do Senhor e sobre os sacramen-
sobre os sacramentos. O
nem para conduzi-lo pode-se cair no erro tos. Para os luteranos, o centro do culto
da forma como cada centro do culto é Cristo, o de promover uma re- é Cristo, o Senhor, e este culto prega a
um bem entender. O Senhor, e este culto prega forma sem conteúdo vida e obra de Cristo em favor do peca-
culto segue uma es- a vida e obra de Cristo em e uma inovação, cujo dor, como único caminho para a salva-
trutura herdada desde favor do pecador, como centro é o sentimen- ção. Nosso culto precisa estar em har-
a igreja primitiva, que to humano. Varieda- monia com a doutrina que confessamos.
único caminho para a
basicamente compre- des litúrgicas, quan- Sem esta base, é fácil de ser atingido
ende a confissão e o salvação. Nosso culto do usadas apenas por todo vento de doutrinas.
perdão de pecados, precisa estar em harmonia para inovar e agra-
leitura da Palavra e a com a doutrina que dar, em lugar de edi-
sua exposição, confis- ficar podem confun- David é pastor em Vacaria, RS e membro da
confessamos”. Comissão de Culto da IELB.
são de fé, orações, dir as pessoas. Por E-mail: dkarnopp@gmail.com
ofertas, hinos, consa- trás do entusiasmo e
gração e distribuição da vibração de um
da Santa Ceia, e a bênção. culto pode estar um conteúdo pobre com
Com o propósito de oferecer uma al- distorção de Lei e Evangelho. O foco
ternativa aos cultos tradicionais, muitas central da adoração não está na varie-
congregações realizam os chamados dade e inovação, mas no fato de que to-
cultos alternativos com uma dinâmica das as formas de culto, rito e cerimôni-
diferente da tradicional. Até que ponto as apontem Cristo como Salvador e es-
estes cultos são possíveis e quais os cri- tejam firmadas nas Escrituras Sagradas.
térios que deveriam norteá-los? 3. Todo culto, seja o tradicional ou
em um estilo mais informal, precisa ter Conheça a Editora
Critérios que devem ordem. Do contrário, corre-se o perigo
ser observados de enfatizar um aspecto e menosprezar
Concórdia - visite
1. Toda reforma e criatividade do outro. Desde o início, dois momentos nossa loja virtual.
culto precisam estar firmadas na Palavra ocuparam o centro da liturgia do cul- Acesse:
de Deus, devem visar à glória do Senhor e to, a leitura (proclamação da Palavra)
à edificação do povo de Deus. Sob este pris- e a celebração da Santa Ceia. Ambos www.editoraconcordia.com.br
ma são bem-vindas e podem trazer muito formam uma unidade, cujo grande ob-

10 Mensageiro Luterano | Maio 2009 | Nº 5 | Ano 92

ML Mai 2009.pmd 10 9/4/2009, 17:55