Sei sulla pagina 1di 2

Constantine made Christianity a ‘‘licit’’ religion within the Empire in 325 and died in

337. Among his heirs, the two who did the most to alter and undermine the status of Jews
in the Empire were the Byzantine Emperors Theodosius II, who reigned from 408 to 450,
and Justinian, who reigned from 527 to 565.

For example, pagan themes on Jewish sarcophagi from Beth Shearim, and the figure of
Dionysius on a floor in a Jewish home in Sepphoris, provide evidence of and for a porous
Judaism in which non-Jewish sources and visual images made a regular appearance.
Palestine reached its maximum sustainable pre-modern population of approximately one
million in the middle of the first century. Probably about half of this population was Jewish. 1
However, Josephus claims that 1.1 million people died in the siege of Jerusalem alone, and
97,000 were enslaved (Bell. 6.420–1).
1 See M. Broshi, ‘‘The Population of Western Palestine in the Roman-Byzantine Period,’’
BASOR 236 (1979), 1–10, supported by G. Hamel, Poverty and Charity in Roman Palestine,
First Three Centuries CE (Berkeley, 1990), 137–40. Their figures are based on the carrying
capacity of the land (and may assume a rather too high proportion of wheat harvested to
that sown – 5:1 – and so may be slightly high). Though this is an imperfect criterion, it
yields a far more realistic figure than that produced by taking Josephus’ numbers
seriously, as earlier scholars did. For a systematic criticism of the use of population
numbers provided by ancient writers, on the grounds that they are regularly demographically
impossible, see T. Parkin, Demography and Roman Society (Baltimore, 1992),
58–66.

Palestine was annexed to the Roman Empire in 70 as an imperial province,2 given the name
Judaea (I shall henceforth refer to it as Provincia Judaea, to distinguish it from the
homonymous district), and entrusted to a governor (a legatus Augusti pro praetore) of ex-
praetorian rank.

A tradução "No princípio Deus criou o céu e a terra" tem sido tradicional pelo menos
desde o séc. III a.C., quando a LXX traduziu desta forma, mas é improvável. As duas
primeiras palavras hebraicas do v. 1 , sintaticamente falando, não podem ser traduzidas
dessa maneira. Outras cosmogonias bíblicas e vétero-orientais usam a construção
"quando... então", p.ex. "Quando Iahweh fez a terra e os céus - quando ainda não existiam
plantas do campo na superfície da terra... - então Iahweh formou o homem do solo da
terra..." (2,4-7); um poema acádico da criação - Enuma Elish, inicia da seguinte maneira
"Quando o mais alto céu ainda nem tinha sido nomeado, e o solo abaixo não fora chamado
pelo nom e... então eram os deuses que os habitavam" (ANET 60-61,linhas 1 -8).
A maioria das cosmogonias mesopotâmicas existentes são breves, mas existem várias
composições extensas que colecionam relatos das origens: o Épico de Gilgamesh, Enuma
Elish, e a história de Atrahasis. A última é mais relevante para Gn 1-11, pois ela mostra
o mesmo enredo básico de Gn 2-9. Atrahasis começa nos céus com uma rebelião dos
deuses de classe baixa contra os deuses da classe alta, que é resolvida pela criação dos
seres humanos para fazer a manutenção que os deuses rebeldes se recusaram a fazer.
As histórias têm sido editadas de geração em geração - um processo que é quase
impossível de descrever exceto em termos gerais. J e E foram, provavelmente, reduções
de um épico originalmente oral para uma forma em prosa escrita.

Eu havia consultado léxicos e dicionários hebraicos dos séculos XVIII e XIX e constatara
que não existia, então, verbere que separasse, na forma de raízes distintas, as três
acepções de arb. Nenhum Gesenius do século XIX conhecia o fenômeno, mas os
Gesenius publicados no século XX, e que se tornaram padrão, sim. Alguém havia,
portanto, criado a tese e alterado as novas edições de Gesenius. Segundo Gerstenberger,
Böhl tinha sido o proponente da tese. O texto de Böhl não foi a primeira vez que se
empregou o conceito das três raízes distintas de , mas parece ter sido o próprio Böhl
o seu autor, em obra, todavia, de 1905, não de 1913 – sua edição de Gesenius, conforme
abaixo se explicará. Aqui, se trata de analisar a resistência de Böhl, agora então tomado
como criador, em todo caso, divulgador, da tese de três distintas raízes de ,
confrontando sua tese da inexistência de conexão, na Bíblia Hebraica, entre os troncos –
ou as raízes – Qal e Piel de .