Sei sulla pagina 1di 16

ESTATUTO DA COMISSÃO DE FORMATURA DO CURSO DE

........................... DA (nome da instituição ) DO ANO DE 200

CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Artigo 1º - Sob a denominação COMISSÃO DE FORMATURA DO CURSO


DE ............................................... DA (instituição) DO ANO DE .... , de agora em
diante tratada apenas por Comissão de Formatura, fica instruída na melhor forma de
direito, uma instituição civil de direito privado, sem fins lucrativos, a qual se regerá por este
Estatuto Social, e demais disposições legais aplicáveis à espécie.

Artigo 2º - O prazo de duração da Comissão de Formatura é determinado, iniciando-se em


data de....................., tendo sua dissolução total, salvo resolução em contrário, na data
de................., prevista para o encerramento total de suas atividades, coincidentes com a
realização total dos objetivos concernentes às solenidades de formatura, quando em
última assembléia serão prestadas as contas que, depois de aprovadas, liberarão a
Comissão de Formatura de quaisquer responsabilidades.
(É OBRIGATÓRIO COLOCAR ENDEREÇO PODE SER O DA FACULDADE )
Artigo 3º - A Comissão de Formatura não terá sede própria (ou terá) e será instalada à
Rua........., nº...... Curitiba/PR – CEP: , sendo foro o da cidade de Curitiba - Estado do
Paraná.

CAPÍTULO II – DO OBJETIVO

Artigo 4º - A Comissão de Formatura é uma instituição sem fins lucrativos tendo por
escopo:
I. Idealizar, implantar e coordenar as atividades necessárias para a formação e
realização de todos os objetivos inerentes à formatura, visando igualmente, aglomerar o
maior número de formandos dos cursos de ..........................................................em torno de
um quadro competente para exercer a representação do mesmo;
II. Implantar um sistema econômico-financeiro eficiente na obtenção de recursos
financeiros e demais elementos necessários à organização das solenidades de formatura da
referida turma.
III. Organizar eventos sociais entre os participantes, com ou sem fins de arrecadação
de recursos para a atividade fim desta;
IV. Promover todos os atos necessários para a operacionalização da sua finalidade
precípua, a qual consiste na organização de toda a solenidade de formatura e demais
festividades atinentes ao evento.

CAPÍTULO III – DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS

Artigo 5º - Todos os alunos que concluírem seus respectivos cursos, voluntariamente tem o
direito de integrar o Quadro Social, na qualidade de sócio, desde que assim se manifestem
expressamente e satisfaçam as condições previstas no presente Estatuto Social, e/ou nas
suas modificações posteriores.

Artigo 6º - Serão admitidos no Quadro Social:


I. Os membros dos cursos de ...............,que assim solicitarem e contemplarem o
contido no Estatuto Social;
II. Não possuam qualquer impedimento legal;
III. Cumpram com os encargos financeiros em caso de admissão tardia, nos termos
deste Estatuto;
IV. Casos especiais de admissão serão analisados e julgados pela Comissão;
Parágrafo Primeiro: Alunos admitidos para integrarem o Quadro Social serão
denominados “sócios”, podendo exercer todos os direitos previstos neste Estatuto Social;
Parágrafo Segundo: Ao formando é facultado o exercício de direitos, desde que, em
dia, satisfaça suas obrigações.

Artigo 7º - É obrigação do sócio-formando:


I. Comparecer às Assembléias Gerais, podendo nestas, propor, discutir e deliberar
sobre assuntos de interesse da Instituição, com a observância dos direitos adquiridos de
votar e ser votado.
II. Participar das delegações, representações e órgãos de instituição;
III. Invocar informações, esclarecimentos e denúncias relacionadas com atos
praticados em nome da instituição.
IV. Obedecer este estatuto Social;
V. Acatar e cumprir as determinações emanadas dos órgãos que compõe a
Comissão de Formatura desde que de conformidade com o presente estatuto;
VI. Recolher as contribuições fixadas dentro de seus vencimentos e na forma
estabelecida, bem como guardar os respectivos comprovantes, pois estes valerão como
recibos;
VII. Contribuir com seu esforço pessoal para o bom êxito das promoções da
instituição;

Artigo 8º - São direitos dos sócios:


I. Participar de todas as atividades, reuniões, assembléias, cerimônias e solenidades
desta Comissão de Formatura;
II. Votar e ser votado para os cargos da Comissão, desde que haja renúncia ou
qualquer situação adversa aos cargos da mesma.
III. Expressar seu pensamento, propondo, discutindo, observando em Assembléia
Geral qualquer medida que achar conveniente, sendo necessário a aprovação da Comissão
de Formatura e a aceitação dos associados na proporção de maioria simples;

Parágrafo Único: O exercício de todos os direitos do sócio, em relação a Instituição,


está vinculado ao cumprimento das obrigações constantes no artigo 7º deste instrumento.

CAPÍTULO IV – DAS PENALIDADES

Artigo 9º. O sócio que não cumprir com suas obrigações junto à Instituição é passível de
penalidades impostas pela Comissão de Formatura, a saber:

I. Advertência: é a pena preliminar, devendo ser expressa e na medida do não


cumprimento das obrigações do sócio;
II. Multa: é a pena pecuniária e será aplicada quando atraso no recolhimento das
mensalidades e contribuições à Instituição, montando em 1% (um por cento) do valor da
parcela, por dia de atraso, com início em setembro de 2006 a arrecadação.
III. Suspensão: consiste na perda temporária do direito de votar em reunião da
Assembléia Geral até a quitação de pendência pecuniária (mensalidades), sendo aplicada
aos sócios que estiverem com mais de 01 (uma) mensalidade em atraso, de forma
automática, independentemente de notificação verbal ou por escrito.

IV. Exclusão: é a perda total dos direitos presentes neste Estatuto Social, inclusive de
participação das solenidades de formatura promovidas pela Instituição, sendo aplicável ao
sócio que não quitar seus débitos em atraso até o vencimento da última mensalidade e ou
agirem de forma prejudicial ao perfeito e desejável funcionamento da Comissão de
Formaturas.
Parágrafo Primeiro: A aplicação de qualquer penalidade a um sócio, excetuando-se a de
exclusão, não o exime do cumprimento das obrigações sociais;
Parágrafo Segundo: A pena de exclusão deverá ser aprovada por maioria simples dos
membros da Assembléia Geral.
Parágrafo Terceiro: O membro excluído do Quadro Social terá direito à devolução de 80%
das contribuições pagas, sem juros ou correção monetária, no prazo máximo de 60
(sessenta) dias a contar da data da expulsão.
Parágrafo Quarto: A aplicação das penalidades previstas nos incisos I e IV deste artigo
será feita mediante comunicado por escrito, assinado pelo Presidente da Comissão Diretiva,
que será entregue pessoalmente ao associado contra-recibo ou por carta com aviso de
recebimento. Nos casos onde o associado se encontrar em local incerto e não sabido, a
comunicação será feita mediante publicação de 03 (três) anúncios consecutivos em jornal de
circulação local.

Artigo 10º. A Comissão de Formatura poderá, através do seu Presidente ou, na sua
ausência, através de seu Vice-Presidente, solicitar a retirada de qualquer associado que
venha conturbar o andamento dos trabalhos em qualquer reunião de Assembléia Geral, por
ocasião de sua realização, sem prejuízo da aplicação do art. 9º, inciso I.
Parágrafo Único: Caso não logre êxito, o Presidente poderá suspender a
Assembléia Geral e marcá-la para nova data;

CAPITULO V - DO PATRIMÔNIO,
DA OBTENÇÃO E DA APLICAÇÃO DE RECURSOS
Artigo 11º - O patrimônio da Comissão de Formatura é ilimitado e será representado pela
receita, bens e direitos adquiridos ou doados, e principalmente, pelo valor das contribuições
atribuídas a cada sócio.

Artigo 12º - Constituem elementos de receita:


I. As contribuições e mensalidades dos sócios;
II. O produto de eventuais atividades sociais lucrativas;
III. As doações e subvenções recebidas;
IV. Juros, correção monetária, valorização e outros eventuais adicionais, resultantes
de qualquer operação de aplicações de valores monetários da Instituição;
V. Toda e qualquer forma legal de obtenção de recursos.
Parágrafo primeiro: Obrigatoriamente, todos os valores, em moeda nacional, que se
constituírem em receita, deverão ser depositados em conta bancária desta capital em nome
da Comissão de Formatura.

Parágrafo segundo: As receitas somente poderão ser movimentadas, bem como as


aplicações de recursos efetuadas, respeitando-se os requisitos e as formas constantes neste
instrumento.

Artigo 13º. Consideram-se “despesas” toda obrigação financeira assumida em nome de


Comissão de Formatura, com o objetivo de realizar seus fins.
I. As despesas somente poderão ser efetuadas desde que estritamente necessárias
ao perfeito funcionamento e continuidade das atividades da Instituição.
II. As despesas efetuadas serão sempre pagas por meio de cheques nominais, sendo
os subscritores responsáveis civil e penalmente pela emissão, estendendo-se esta condição
ao patrimônio da Instituição.
III. Visando atender pequenas despesas, fica instituído um “Fundo de Caixa”, tendo
como valor máximo o de R$ 200,00 (duzentos reais) como quantia mensal, exceto em
circunstâncias especiais notificadas em edital expedido pelo Primeiro-Tesoureiro e constante
no Balancete Mensal.
IV. As despesas efetuadas sem o consentimento dos sócios caracterizado por
aprovação em Assembléia Geral terão que serem repostas aos fundos da Instituição pela
pessoa por ela responsável, desde comprovadamente não tenha sido contraída em
benefício da Comissão de Formatura.
V. A compra de qualquer bem, a contratação de qualquer serviço e destinação de
recursos para promoções sociais estarão sujeitas à apresentação, em Assembléia Geral de,
no mínimo, três orçamentos prévios, dotados de todo detalhamento necessário à sua
compreensão, a partir dos quais será efetuada a opção definitiva.

Artigo 14º - As receitas e despesas deverão ser lançadas em livro próprio, arquivo
magnético, ou outro suporte adequado e ficará sob os cuidados do Conselho Diretivo da
Comissão de Formatura, estando à disposição dos componentes do quadro social quando
devidamente solicitado ou nas Assembléias Gerais, juntamente com os orçamentos e notas
de pagamento.
Parágrafo Primeiro: O responsável financeiro da Comissão de Formatura, na
pessoa do tesoureiro, deverá manter sempre em dia os demonstrativos bancários,
colocando-se à disposição dos Associados para conhecimento e análise.
Parágrafo Segundo: A prestação de contas feita através de balancete afixado em
edital, será feita mensalmente a partir do 1º trimestre após a regulamentação da Comissão
de Formatura.

CAPÍTULO VI - ÓRGÃOS DA COMISSÃO:


COMPOSIÇÃO E COMPETÊNCIA

Artigo 15º. A Comissão de Formatura detem as funções deliberativa, executiva e fiscal,


cujas atribuições são distribuídas, respectivamente, nos seguintes órgãos que a compõem:
I. ASSEMBLÉIA GERAL;
II. COMISSÃO DIRETIVA;
III. CONSELHO FISCAL.

Artigo 16º. A Assembléia Geral é o órgão deliberativo formado por todos os integrantes
da Comissão de Formatura e do Quadro Social, e será convocada segundo o dispositivo
nesse Estatuto Social.
São atribuições da ASSEMBLÉIA GERAL:
I. Eleger a Comissão de Formatura originária ou nova, quando oportuno e necessário,
desde que haja motivos justificáveis e previstos neste estatuto;
II. Cassar mandatos, individual ou coletivamente, dos membros da Comissão de
Formatura, desde que haja motivos justificáveis e previstos neste estatuto;
III. Deliberar sobre a prestação de contas da COMISSÃO DIRETIVA, bem como
demonstração dos livros e documentos onde estejam registradas as atividades da
Instituição;
IV. Deliberar sobre a expulsão de sócios.
Parágrafo Primeiro: As Assembléias Gerais deverão ser convocadas através de
edital, devendo-se observar o prazo mínimo de 02 (dois) dias úteis entre a convocação e a
realização das mesmas.
Parágrafo Segundo: As Assembléias Gerais serão instaladas pela Comissão de
Formatura, com a maioria absoluta, em primeira convocação, e na presença de qualquer
número de associados nas próximas convocações.
Parágrafo Terceiro: Cumpridas as exigências dispostas nos parágrafos primeiro e
segundo desse artigo, as deliberações em Assembléia Geral serão tomadas pela maioria
simples dos presentes, não cabendo aos ausentes contestá-las.
Parágrafo Quarto: A Assembléia Geral Ordinária deverá ser obrigatoriamente,
convocada quando se julgar necessário pela Comissão de Formatura, para a prestação de
contas das atividades e situação financeira.
Parágrafo Quinto: Podem convocar Assembléia Geral Extraordinária:
I. A Comissão Diretiva;
II. Os sócios, desde que por meio de pelo menos 1/3 (um terço) dos membros da
Assembléia Geral, em requerimento endereçado ao Presidente da Comissão de Formatura,
que deferirá ou não, dependendo das exigências presente neste Estatuto por edital que
especifique o assunto, os nomes e as assinaturas dos respectivos membros que pretendam
convocar a Assembléia Geral Extraordinária e a data de sua realização;
III. O Conselho Fiscal.

Artigo 17º - A Comissão Diretiva é o órgão formado por membros eleitos pela maioria
absoluta dos formandos, em assembléia geral, especialmente convocada para esse fim, ou
endossadas por esta, com mandato estendido até a extinção da Comissão de Formatura,
observadas as exceções previstas neste estatuto, à qual competem funções executivas, e
será composta pelos seguintes cargos:

I. Presidente;
II. Vice-Presidente;
III. Primeiro Secretário;
IV. Segundo Secretário;
V. Primeiro Tesoureiro;
VI. Segundo Tesoureiro;
VII.Conselho Fiscal;

Artigo 18º - Compete à Comissão Diretiva:

I. Por convocação do Presidente ou por outra prevista neste Estatuto, reunir-se para
deliberar sobre quaisquer assuntos inerentes à Comissão de Formatura;
II. Propor sobre a forma de cobrança das contribuições, administrar os recursos
financeiros, implantar sistemas administrativos que possibilitem o alcance dos
objetivos da Comissão de Formatura, bem como gerenciar de forma pública e
translúcida o patrimônio da instituição e de acordo com as decisões das
assembléias gerais, a legalidade, a moralidade e o bom senso;
III. Analisar, julgar e aplicar as penalidades previstas neste Estatuto, quando
necessárias, exceto aquela prevista no art. 16º, IV, deste instrumento, caso em
que lhe cabe, tão somente, executar a pena decidida em Assembléia Geral.

Parágrafo Primeiro: O Conselho Diretivo reunir-se-á mensalmente (no mínimo) ou a


qualquer momento, se uma necessidade assim o exigir, sendo convocado pelo Presidente ou
representante por ele indicado.
Parágrafo Segundo: As reuniões do Conselho Diretivo, para poderem deliberar,
devem contar com, no mínimo, 5 (cinco) de seus membros, decidindo-se então por maioria
simples dos presentes.
Parágrafo Terceiro: As substituições poderão ocorrer em função de declinação
pessoal ou convite de retirada, substituindo-se os primeiros cargos por seus suplentes e
abrindo-se eleições para esses e outros cargos que venham a vagar.
Parágrafo Quarto: O convite de retirada deverá ser referendado por maioria simples
em Assembléia Geral, e ocorrerá somente no seguinte casos:
I. Quando um integrante faltar a 3 (três) reuniões da Comissão de Formatura
seguidas, ou a 6 (seis) alternadas, durante o mandato para o qual foi eleito, sem motivo
justificado.
II. Quando por descumprimento de obrigações, no mínimo 3 (três) outros membros da
Comissão de Formatura indicarem como aconselhável a saída de um de seus integrantes.
III. Quando qualquer membro da Comissão de Formatura atentar contra a imagem
ou prejudicar o andamento da mesma.
CAPÍTULO VII – DOS MEMBROS DA COMISSÃO DIRETIVA
COMPETÊNCIA.

Artigo 19º - Ao Presidente da Comissão Diretiva compete:


I. Representar, individualmente ou conjuntamente, ativa e passivamente, a Comissão
de Formatura em juízo ou fora dele e perante a Administração da Universidade nos
assuntos referentes à Formatura.
II. Presidir as Assembléias Gerais e as reuniões do Conselho Diretivo.
III. Cumprir e fazer cumprir, indiscriminadamente, o presente Estatuto Social, as
deliberações das Assembléias Gerais e as decisões da Comissão de Formatura.
IV. Juntamente com o Primeiro ou Segundo Tesoureiro, autorizar e visar às contas a
pagar e os depósitos bancários, e tudo mais relacionado com as despesas institucionais,
bem como deliberar sobre as aplicações de recursos da Instituição.
V. Subscrever os Balancetes de Verificação, o Balanço de Encerramento e qualquer
outro modo de prestação de contas que a Comissão de Formatura emitir.
VI. O voto Minerva, para desempatar toda e qualquer votação que tenha resultado
igual.
VII. Organizar as solenidades de Formatura, bem como promover e coordenar
atividades visando ao aumento da arrecadação de recursos financeiros.
VIII. Realizar e fazer cumprir o disposto nos artigos deste Estatuto Social.
Parágrafo Único: Em caso de impedimento, deverá ser respeitado o poder
hierárquico, tendo em vista o contido no artigo 19º, até que nova eleição seja convocada, se
for o caso, pelos alunos em votação direta, convocando-se para este fim Assembléia Geral
Extraordinária.

Artigo 20º - Ao Vice-Presidente compete:


I. Substituir o Presidente em casos de ausência ou impedimento, temporários ou
definitivos;
II. Auxiliar o Presidente em suas atribuições;
III. Coordenar as comissões que forem constituídas.

Artigo 21º - Ao Primeiro Secretário compete:


I. Dirigir a Secretaria;
II. Manter em dia as correspondências da Instituição;
III. Subscrever, juntamente com o Presidente, todos os documentos e
correspondências da Secretaria;
IV. Secretariar as Assembléias Gerais e quaisquer reuniões da Comissão de
Formatura;
V. Manter rigorosamente transcrito em dia os livros das Assembléias Gerais e das
reuniões da Comissão de Formatura;
VI. Arquivar os documentos da Secretaria e atuar nas eleições na forma prevista
neste Estatuto;
VII. Substituir o Presidente e o Vice-Presidente na ausência destes;

Artigo 22º - Ao Segundo Secretário compete:


I. Substituir o Primeiro Secretário em casos de ausência ou impedimento, temporários
ou definitivos.
II. Colaborar com o Primeiro Secretário em todos os sentidos, possibilitando o mais
perfeito andamento da Secretaria.

Artigo 23º -Ao Primeiro Tesoureiro compete:


I. Dirigir a Tesouraria;
II. Juntamente com o Presidente, autorizar e visar às contas a pagar e os depósitos
bancários, emitir e assinar cheques e tudo mais relacionado com as despesas institucionais,
bem como deliberar sobre as aplicações de recursos da Instituição;
III. Ter sob sua guarda todos os valores e documentos financeiros da Instituição.
IV. Manter a escrituração das operações de receitas e despesas em dia, observando
as normas técnicas pertinentes a matéria, de forma a possibilitar a elaboração mensal de um
Balancete de Verificação, bem como um Balanço de Encerramento final da gestão;

Artigo 24º - Ao Segundo Tesoureiro compete:


I. Substituir o Primeiro Tesoureiro em casos de ausência ou impedimento, temporários
ou definitivos;
II. Colaborar com o Primeiro Tesoureiro em todos os sentidos possibilitando o mais
perfeito andamento da tesouraria;

Parágrafo Único. Visando cumprir o disposto nos itens do artigo 22, é facultativo aos
membros da Tesouraria buscar auxílio de pessoa conhecedora de Ciência Contábil.
Artigo 25º - O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização institucional das contas e
será composto por 04 (quatro) membros, sendo 2 (dois) titulares e dois suplentes.
Ao Conselho Fiscal compete:

I. Analisar e emitir, mensalmente, parecer acerca do Balancete de Verificação


apresentado pela Comissão de Formatura.
II. Analisar e emitir, bimestralmente, parecer acerca da situação econômica financeira
da Instituição.
III. Solicitar, a qualquer tempo, a prestação de contas da Comissão de Formatura,
bem como visar os documentos contábeis e da Tesouraria.

Parágrafo Único. A todos os cargos acima descritos competem ainda:


I. Trabalhar em conjunto com demais membros da Comissão de Formatura para
angariarem fundos, quando forem necessários e aprovados pela maioria dos votos.

II. Propor idéias e medidas, sendo as mesmas repassadas à Assembléia Geral dos
associados.

CAPÍTULO VIII - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Artigo 26º – Caso haja mais de um curso a integrar a presente Comissão de Formatura,
será aberta uma conta poupança para cada um deles, destinadas ao depósito das
mensalidades e demais recursos financeiros que forem obtidos conforme artigo 12.

Artigo 27º - A movimentação das contas abertas em nome da Comissão de Formatura


numa instituição financeira desta capital, somente será permitida com assinatura do
Presidente e do Tesoureiro que assinarão conjuntamente todos os saques e que por sua vez
deverão ser todos nominativos.
Artigo 28º - As mensalidades e as datas de pagamento serão estipuladas pela Comissão
de Formatura e aprovadas por maioria simples em Assembléia Geral convocada para este
fim, podendo esse artigo ser alterado, conforme a necessidade.

Artigo 29º - Participarão das solenidades de Formatura, os associados que estiverem com
todas as obrigações saldadas com a Comissão de Formatura até a data da última reunião
da Assembléia Geral.

Artigo 30º - As escolhas do Patrono, Paraninfo e nome de Turma, assim como para os
Professores Homenageados, serão realizadas em reunião da Assembléia Geral,
especialmente marcada pela Comissão de Formatura para estes fins, devendo para tanto
ser publicado edital especial de convocação.

Artigo 31º - A escolha do Orador de Turma e dos demais membros que realizarão os
discursos de praxe, serão realizadas em reunião da Assembléia Geral, especialmente
marcada pela Comissão de Formatura, devendo para tanto ser publicada edital especial de
convocação.

Artigo 32º - O formando que por motivo de força maior, não vier a colar grau como bacharel
no seu respectivo curso terá o direito de ser ressarcido da contribuição efetuada, por valores
nominais, sem juros ou acréscimos decorrentes de multas, desde que informe a situação à
Comissão até o prazo máximo de 90 dias antes da data de colação de grau.

Parágrafo Primeiro: Considera-se motivo de força maior, para efeito de


desvinculação do quadro social:
I. Transferência para outra faculdade até o 3º ano.
II. Reprovação até o 3º ano que impossibilite o acadêmico de se formar com os
demais integrantes deste quadro social
III. Trancamento parcial ou total de matérias, desde que justificados por:
- Problemas familiares, como doença ou morte;
- Trabalho, transferência do local ou viagens regulares que não permitam a
conclusão do curso.
IV. Os casos omissos serão resolvidos em Assembléia Geral.
Parágrafo Segundo: A Instituição tem 60 (sessenta) dias de prazo, contados a partir
da data do recebimento da solicitação de desligamento, para efetuar o ressarcimento ao
retirante.
Parágrafo Terceiro: O sócio retirante deve comprovar os motivos, através de
documentos específicos anexados a solicitação de desligamento.

Artigo 33º - O formando que solicitar seu desligamento da Comissão, dela se afastar por
qualquer motivo que não seja de força maior, ou for excluído, na forma do art. 9º, IV, deste
instrumento, sofrerá uma multa indenizatória em favor da Comissão, de 20% sobre o valor a
ser ressarcido;

Artigo 34º - O formando que se retirar espontaneamente do quadro social, sem motivo de
força maior e resolver posteriormente reingressar, caso já tenha sido reembolsado, deverá
pagar por ocasião do reenquadramento, em parcela única, todas as mensalidades já pagas
pelos demais sócios até a atualidade, com correção monetária, juros legais e promoções.
Parágrafo único: No caso das promoções, a fórmula de cálculo consistirá em considerar o
valor do lucro obtido no evento, o qual será dividido pelo número de integrantes da
Comissão à época. Sobre o valor obtido, será aplicada a correção monetária e juros legais
até a atualização.

Artigo 35º- Caso haja saldo credor no balancete de encerramento, este será mantido em
aplicação, ficando a última Assembléia Geral a ser realizada como competente para deliberar
sobre o seu destino.

Artigo 36º - Caso haja transferência de outras faculdades e os alunos transferidos sejam
matriculados em períodos que coincidirão com os estipulados para esta formatura, os
interessados poderão ingressar no quadro social, espontaneamente, uma vez quitadas as
mensalidades já pagas pelos demais sócios, inclusive atualização monetária, juros e
promoções.

Parágrafo Único: A solicitação de ingresso deverá ser requerida junto à Secretaria


da Comissão.

Artigo 37º – Ao acadêmico que, não se interessando em entrar no Quadro Social, no início
de suas atividades, por qualquer razão e, querendo fazê-lo posteriormente, será facultada a
entrada desde que efetue o pagamento do montante proporcional da receita total arrecada
pelos demais sócios ate o momento de sua adesão, compreendidas as mensalidades,
atualização monetária, juros e promoções.

Artigo 38º - Os associados responderão subsidiariamente por todas as obrigações e


promoções sociais, sejam as corriqueiras, sejam as com finalidade de arrecadação de
fundos extras.

Artigo 39º - A responsabilidade por deveres e obrigações assumidas pela Comissão de


Formatura através de seu quadro diretivo, é Estatutária, pessoal e universal, de cunho
inarredável e inescusável, mantendo-se inalterada ante a redução ou acréscimo de
associados, extinção antes do atingimento de seus objetivos, bem como diante da troca dos
quadros diretivos ou de seus integrantes.
Parágrafo primeiro: A responsabilidade de que trata este artigo, se estende
automaticamente aos novos empossados quando houver substituição no quadro diretivo,
sem prejuízo da responsabilidade dos anteriores, independentemente de averbação no
Cartório de Registro de Títulos e Documentos.
Parágrafo segundo: Os novos empossados responderão civil e diretamente pelos deveres
e obrigações assumidos pela Comissão de Formatura, sem prejuízo de eventual ação
regressiva contra os responsáveis de origem, quando o fato resultar de atos da gestão
anterior.

Artigo 40º - Os cargos da Comissão de Formatura não serão remunerados, a qualquer


título.

Artigo 41º - O presente documento constitutivo poderá ser revisto em Assembléia Geral
pela maioria simples dos presentes, ou seja, 50% mais 01(um), dos sócios presentes, no que
diz respeito à administração.

Artigo 42º - Os casos omissos neste Estatuto Social serão discutidos e deliberados em
reunião da Assembléia Geral pela maioria simples, tendo-se em conta a lei aplicável, a
analogia e o bom senso comum.

Artigo 43º - Toda e qualquer discussão advinda do presente estatuto deverá ser resolvida
perante o foro da cidade de Curitiba - PR, privilegiado sobre qualquer outro.
Artigo 44º - Este Estatuto Social entrará em vigor na data de sua aprovação, em Assembléia
Geral, devidamente registrada em ata com nome e qualificação dos componentes e
participantes, devendo ser Registrado no Cartório de Títulos e Documentos desta Capital,
para que produza seus jurídicos efeitos, inclusive contra terceiros.

Curitiba, .......... de ............................................. de ........

Presidente Vice-Presidente

1º Secretário(a) 2º Secretário(a)

1º Tesoureiro(a) 2º Tesoureiro(a)

Representantes do Conselho Fiscal


NOTIFICAÇÃO DE APLICAÇÃO DE PENALIDADE - ADVERTÊNCIA

Pelo presente termo, comunicamos ao ilustre formando Sr ....., portador do RG


nº...........que consoante deliberação da Comissão Diretiva, com base na previsão no
Estatuto da Comissão de Formatura............, art. 18, inciso III, e tendo em vista seu
comportamento que consistiu em................, na data de............., lhe está sendo
aplicada a pena de ADVERTÊNCIA, com base no mesmo Estatuto, artigo 9º, inciso I.

Ciente: (formando advertido) assina presid. do Conselho Diretivo

Curitiba, .....de......de 2004.

........................................................................................................................................

NOTIFICAÇÃO DE APLICAÇÃO DE PENALIDADE – EXCLUSÃO

Pelo presente termo, comunicamos ao ilustre formando Sr ....., portador do RG


nº...........que consoante deliberação da Assembléia Geral ocorrida em data de .......,
com base na previsão no Estatuto da Comissão de Formatura............, art. 9º, IV, § 2º
c/c art. 16, IV, do mesmo instrumento e, tendo em vista seu comportamento que
consistiu em................, na data de............., lhe está sendo aplicada a pena de
EXCLUSÃO do quadro social desta Comissão. Informamos, outrossim, que V.Sa.
poderá procurar a presidência para agendar a devolução das mensalidades pagas,
atendendo-se ao disposto na previsão no artigo 33º do Estatuto.

Ciente: (formando excluído) assina presid. do Conselho Diretivo

Curitiba, .....de......de 2004.