Sei sulla pagina 1di 99

volte volte

As festas do Senhor

Pr. Hugo Gambeta

"S

e sobre o tempo ", esta é no livro Evangelismo: 167," no qual as faculdades


enganosas dos agentes satânicos serão totalmente desenvolvidas. Por um lado,
Cristo é o que foi dado todo o poder no céu e na terra. Por outro lado Satanás
continuamente exerce seu poder de seduzir, enganar com sofismas fortes,
remover Deus do lugar que ele deve ocupar na mente de seus filhos. Satanás
está continuamente lutando para sugerir suposições fantásticas sobre o
santuário, degradando as maravilhosas imagens de Deus e o ministério de
Cristo para a nossa salvação, para fazê-los encaixar com a mente carnal. Ele
remove do coração dos crentes o poder diretivo dessas imagens divinas e
complementa-a com teorias fantásticas, inventado para anular as verdades da
expiação e destruir nossa confiança nas doutrinas que consideramos sagradas
desde que a mensagem do terceiro anjo foi dada pela primeira vez. Ele gostaria
de nos despojar de nossa fé na mesma mensagem que nos fez uma pessoa
separada e que deu caráter e poder ao nosso trabalho ".

Você notou qual é um dos pilares da fé adventista que deveria ser


terrivelmente atacado por Satanás antes da decepção fatal? Qual era esse pilar?
A doutrina do santuário. Por que a doutrina do santuário? Bem, resulta que, de
todas as doutrinas ensinadas pela Igreja adventista do sétimo dia, a doutrina do
santuário é a mais distintiva. Existem outros grupos que também mantêm o
sábado. Ou não? Há muitas outras igrejas que mantêm o sábado. Nós não
somos mais os únicos nem os primeiros. Existem outras igrejas, fora dos
adventistas, que ensinam que o ser humano é mortal e que a alma repousa no
momento da morte até o dia da ressurreição. Nós não somos os únicos que
acreditam na mortalidade da alma. Essa não é uma doutrina distintiva e única.
Há muitos outros que hoje acreditam e pregam a segunda vinda de Cristo. Nós,
os adventistas, não somos os únicos. Mas nosso ensino sobre o santuário é
único. Não há outra Igreja no mundo que tenha a doutrina do santuário que a
Igreja Adventista do Sétimo dia tenha. O santuário e a expiação são nossas
doutrinas mais identificadoras. É uma tragédia e uma realidade, que em nossos
dias, em nosso meio, há muitos irmãos e vários pastores, que sabem muito
pouco sobre o santuário e a expiação final, como historicamente ensinado pela
Igreja Adventista. Não há outra Igreja no mundo que tenha a doutrina do
santuário que a Igreja Adventista do Sétimo dia tenha. O santuário e a expiação
são nossas doutrinas mais identificadoras. É uma tragédia e uma realidade, que
em nossos dias, em nosso meio, há muitos irmãos e vários pastores, que sabem
muito pouco sobre o santuário e a expiação final, como historicamente ensinado
pela Igreja Adventista. Não há outra Igreja no mundo que tenha a doutrina do
santuário que a Igreja Adventista do Sétimo dia tenha. O santuário e a expiação
são nossas doutrinas mais identificadoras. É uma tragédia e uma realidade, que
em nossos dias, em nosso meio, há muitos irmãos e vários pastores, que sabem
muito pouco sobre o santuário e a expiação final, como historicamente ensinado
pela Igreja Adventista.

Um mal-entendido do tema do santuário resulta em um mal-


entendido sobre a justificativa encontrada no santuário, a natureza de Cristo e
também a perfeição do caráter. A verdade sobre a expiação final é a chave
mestra que abre a porta e nos concentra em todas as outras verdades do
evangelho eterno. Evangelismo: 165 = "O entendimento correto do ministério
do santuário celestial é o próprio fundamento de nossa fé". Qual é o
fundamento de nossa fé? O entendimento correto do ministério de Cristo no
santuário. Ele diz no Conflito: 476 = "A questão do santuário era a chave que
esclareceu o mistério da decepção de 1844,

O santuário é a doutrina que nos deu a base para iniciar este


movimento e esta Igreja. É por isso que o diabo odeia acima de toda a doutrina
do santuário. Mas ele sabe que derrubar o pilar do santuário, ele tem que
derrubar a velha. Porque se o mensageiro do Senhor não sair do caminho, fala
muito claramente sobre o santuário. Portanto, primeiro você tem que atacar o
Espírito da Profecia.
Se ele pode provar que Ellen White era um falso profeta, então ele não
pode mais ser confiado para interpretar a doutrina do santuário. Em 1MS: 142 =
"Temos muito mais a temer dos inimigos internos do que dos externos. Os
impedimentos para vigor e sucesso vêm muito mais dentro da própria igreja do
que do mundo ou de fora dela. Mas com que frequência os professos defensores
da verdade provaram ser o maior obstáculo para o seu avanço. A incredulidade
encorajada, as dúvidas expressas, a escuridão protegida, encorajam a presença
dos anjos doentios e abrem caminho para os planos de Satanás ". Dúvidas,
descrença, escuridão protegida são expressas. Tudo isso prepara o caminho
para o grande engano de Satanás. Nosso maior perigo, então, não está no
mundo, nem no catolicismo nem no protestantismo apóstata, mas no
adventismo apóstata. Este é o nosso maior perigo como igreja.

É por isso que desejamos, nesses dois dias, que fiquemos juntos,
voltemos os olhos para a doutrina central em torno da qual giram todas as
outras doutrinas das Escrituras. A doutrina do santuário.

O mensageiro do Senhor diz: "No futuro, surgem enganações de todos


os tipos. Isso sopra todo vento de doutrina. Se precisamos de um terreno sólido
para os nossos pés, precisamos de pilares sólidos para o nosso prédio. Ele não
precisa remover um único pouco do que o Senhor estabeleceu. O inimigo
apresentará falsas doutrinas, como a doutrina de que não existe um santuário.
Este é um dos pontos onde muitos se afastarão da fé ". Em que ponto você se
afastará da fé? Na doutrina do santuário. "Onde encontraremos segurança, a
menos que seja nas verdades que o Senhor lhe deu nos últimos anos? Por isso,
precisamos fortalecer nossa fé nos pilares da nossa fé "GC: 543.

"A intercessão de Cristo pelo homem no santuário celestial é tão


essencial para o plano de salvação como a Sua morte na cruz". Agora, irmãos,
alguns gostariam de nossa Igreja pregar apenas a cruz de Cristo. E é bom pregar
sobre a cruz de Cristo. É o tema central das Escrituras. Na cruz, foi feito um
sacrifício perfeito, absoluto e completo. Mas a expiação não terminou na cruz
do Calvário. Cristo está efetuando a expiação final de nossos pecados no
santuário celestial. E isso é tão verdadeiro, como é verdade que Jesus está no
santuário celestial. E nós adventistas temos esse entendimento baseado na
doutrina do santuário.
Os pecados foram pagos por Cristo em Seu sacrifício na cruz. Mas o
perdão desses pecados torna-se efetivo e é aplicado a nossa vida através da
intercessão de Cristo no santuário. Se Cristo tivesse morrido apenas na cruz do
Calvário e não tivesse ressuscitado, a morte de Paul diz que estaríamos mortos
em nossos pecados. Se Cristo tivesse morrido e não subisse ao céu para
interceder por nós diante de Deus, Sua morte na cruz não teria servido para
nada. E você diz: Pastor, mas não é isso para minimizar a cruz? Não, está dando
o lugar certo no plano da salvação. É essencial para a salvação, mas também o
Seu ministério no santuário celestial é indispensável e essencial para a salvação.

Em 1 Cor. 15 o apóstolo Paulo diz: se Cristo não tivesse ressuscitado


dos mortos, nossa fé seria vaidosa. Vana seria nossa pregação. Ainda estaríamos
mortos em nossos crimes e pecados. Então, o que acontece no santuário do céu
é tão importante quanto o que aconteceu no Monte Calvário há quase dois mil
anos. E torna-se ainda mais importante hoje, entendendo o trabalho final de
expiação que está acontecendo no dia antitípico da expiação no santuário
celestial. Esta é a tremenda verdade presente do povo adventista do sétimo dia.
E isso é o que precisamos entender e entender o que está acontecendo no
santuário celestial neste ótimo dia de expiação.

Por sinal, você sabe que o dia da expiação acaba de passar? Os judeus
apenas comemoraram seu Yom Kippur. Não seria bom que nós, adventistas que
tivéssemos a verdadeira explicação e compreensão de Yom Kipur, fale sobre
isso e entenda o que isso significa?

Quero que hoje apresente você a Jesus através do santuário. Porque


ele é o centro de tudo na Bíblia. E Ele é aquele que é revelado no santuário.
Você não pode falar sobre o santuário como uma doutrina, sem falar sobre
Jesus. Porque Ele é a vítima e o Sacerdote. Ele é o centro de tudo. No
santuário, tudo nos fala sobre Cristo. Como nós, nós, como adventistas, não
pregamos mais sobre o santuário? Se no santuário vemos Jesus, e Jesus é o
centro do nosso amor, da nossa devoção, do nosso desejo de vê-lo vir em
breve. O próprio santuário é um símbolo de Jesus. O mobiliário é um
símbolo de Cristo. As cortinas são um símbolo de Cristo. As cores
representam Cristo. As capas representam Cristo. O serviço diário representa
Cristo. O serviço anual representa o serviço de Cristo. O sumo sacerdote
representa Cristo. O sacrifício, o holocausto, as ofertas, tudo o que acontece
no santuário nos diz sobre Jesus Cristo. E nos ajuda a entender o que Cristo
está fazendo no grande plano da redenção. Agora, esta noite vamos ver
apenas a primeira parte. E eu quero que você esteja bem acordado, porque o
diabo vai sugerir doutrinas fantásticas sobre o santuário. Mas se somos
afirmados na verdade da Palavra de Deus e no Espírito da Profecia, não
seremos removidos. E eu quero que você esteja bem acordado, porque o
diabo vai sugerir doutrinas fantásticas sobre o santuário. Mas se somos
afirmados na verdade da Palavra de Deus e no Espírito da Profecia, não
seremos removidos. E eu quero que você esteja bem acordado, porque o
diabo vai sugerir doutrinas fantásticas sobre o santuário. Mas se somos
afirmados na verdade da Palavra de Deus e no Espírito da Profecia, não
seremos removidos.
Primeiro Tópico
Vamos agora ao primeiro tópico. Amanhã de manhã será o segundo, e
depois de quatro a sete, cerca de três horas, para terminar o tema do santuário.
Bem, para começar, porque o tema do santuário diz o mensageiro do Senhor,
deve ser nosso estudo contínuo. Você sabe o que diz? Não devemos descansar
até compreendermos o que está acontecendo no santuário celestial. Este deve
ser o assunto do nosso estudo. Vamos então, e vamos nos concentrar nesta
noite, o plano de salvação no santuário. Eu vou te perguntar, como lição de
casa, você pode dar-lhes a lição de casa? Sim? Que você tire seu livro
empoeirado da sua biblioteca e leia o capítulo 30 dos Patriarcas e Profetas.
Capítulo 30. É intitulado O Tabernáculo e seus Serviços. Não há muitas
páginas. Se eles lêem uma peça esta noite antes de adormecerem, e no início de
amanhã quando eles se levantarem, eles podem acompanhar o capítulo de
leitura, para o sermão. Capítulo 30 dos Patriarcas e Profetas. Isso servirá de base
para o que vamos começar a ver hoje, e continuaremos a ver amanhã.

No santuário é o caminho de Deus. No santuário manifesta o plano de


Deus, seu propósito e sua maneira de agir em relação aos seres humanos. No
santuário, encontramos o plano de redenção descrito em detalhes. Além disso,
ao estudarmos o santuário, encontraremos a mais maravilhosa profecia de
todos, em relação à salvação. E, como ilustração disso, quero colocar o quadro,
um aspecto do santuário que não é bem conhecido ou estudado. E você vai ver
uma representação maravilhosa do plano de salvação em quais são as festas do
povo de Israel.

As férias anuais do povo de Israel. Você sabia que o mensageiro do


Senhor, em Patriarcas e Profetas, falando sobre os feriados, diz que seria muito
bom para as pessoas do Israel moderno, que essas festas foram lembradas e
levadas em conta pelo povo moderno de Deus? Agora você vai entender o
porquê. Além disso, até que ela diga, em Patriarcas e Profetas, em um capítulo
inteiro dedicado aos festivais anuais, se alguém quiser ler um pouco mais do
que o designado na tarefa, leia um pouco mais. Leia o capítulo intitulado Festas
Anuais. São apenas seis folhas. Capítulo 52. E veja o que o mensageiro do
Senhor diz sobre isso: "Essas assembléias anuais, antes das quais todos os filhos
de Deus se apresentaram, são um exemplo para o Israel moderno. Também
hoje, Seria bom se o povo de Deus tivesse uma celebração das Cabañas, uma
alegre comemoração das bênçãos que Deus lhes deu. Que interessante. No que
diz respeito às cabines. Hoje é. Por que você acha que escolhi esse tópico? Hoje
fecha-se. Durou sete dias, cinco dias de Yom Kippur. Exatamente No último
sábado e hoje fecha. Interessante

Vamos ver um pouco isso. Nós iremos colocar as Festas Solemnes


aqui. Isso tem que fazer diretamente com o que foi feito no santuário nos
serviços anuais. Lev. 23: 4 = "Estas são as festas solenes de Jeová, as
convocações sagradas a que chamarão nos seus tempos". E agora a lista vem.
Nós vamos colocá-los aqui no quadro. Vá ler. Lev. 23

No primeiro mês, no décimo quarto do mês, entre as duas tardes, a


Páscoa é de Jeová. A primeira festa é a Páscoa. A Páscoa é comemorada, vamos
colocar aqui a data, o décimo quarto do mês de Nisan, que é o primeiro mês do
calendário eclesiástico judeu. No dia 14 de Nisan, entre as duas tardes, ou do
pôr ao pôr-do-sol. Então, versículo 6, no dia 15 deste mês, é a festa solene de
pães ázimos a Jeová; Sete dias você comerá pães ázimos. O primeiro dia você
terá uma santa convocação, nenhum trabalho de servo você fará.

Vocês oferecerão uma oferta feita pelo fogo ao Senhor por sete dias. O
sétimo também será santa convocação, não haverá trabalho de servo, você fará.
A segunda festa anual é a do pão ázimo. Outra palavra em espanhol para isso é
sem fermento. Pão ázimo E ele diz que foi comemorado de 15 a 21 de Nisan.
Sete dias. Para ser mais específico, vamos colocá-los às sete. Os 15, 16, 17, 18, 19,
20 e 21. Dos sete dias dedicados aos pães ázimos, o primeiro foi um sábado de
cerimonial. Um dia em que você não trabalhou. Observe o versículo sete, o
primeiro dia em que você terá uma santa convocação, você não fará nenhum
trabalho de servo. E o versículo oito diz: oferecerás ao SENHOR sete dias, e no
sétimo dia será uma santa convocação, não farás obra de servo. Vamos colocar
um círculo ao redor dos dias que se chamam Sabat ou dias cerimoniais. Eles
poderiam cair em qualquer dia da semana. Mas o dia em que o Nissan 15 caiu
foi um feriado, no sentido de que não foi trabalhado, mas também foi um dia
santo, no sentido de que ele o dedicou totalmente para adoração e adoração. Foi
um dia de descanso.

O terceiro festival aparece no versículo que se segue, versículo 10, fale


com os filhos de Israel e diga-lhes: quando você entrou na terra que eu lhe dei e
siga sua colheita, você trará um feixe para o sacerdote para as primícias dos
primeiros frutos de sua colheita E o sacerdote agitará o feixe perante Jeová para
que você seja aceito. No dia seguinte do sábado, ela o revirá. Esta festa é
chamada de Frutas Primárias. E os Primeiros Frutos foram celebrados no dia
seguinte a este sábado da festa da Páscoa ou dos pães ázimos, porque você deve
saber que tudo isso veio a ser conhecido com o nome da Páscoa.

Porque foi o primeiro dia da Páscoa, tudo o que se seguiu foi parte de uma
única celebração, embora a Bíblia distingue as três festas de maneira específica.
Mas, se você se lembrar, nos dizem que três vezes cada homem deve aparecer
antes do templo, antes de Jeová. Três vezes ao ano. A primeira vez foi para esta
festa e foi tudo junto; O segundo foi para Pentecostes; e o terceiro foi para o
festival Yom Kippur que culminou com os Cabañas. Muito bem, as primícias
então sempre foram no dia seguinte ao sábado cerimonial. Neste caso, vamos
colocar 16, não é? E nos contamos com respeito à festa dos Primeiros Frutos, no
dia em que você oferecer o feixe, você oferecerá um cordeiro de um ano de
idade, sem defeito, como holocausto ao Senhor, sua oferta será dois décimos de
farinha fina misturada com óleo, uma oferta de fogo ao Senhor com um odor
muito agradável, a sua libação será de vinho, a quarta parte de um Ele, não
comerás pão nem grão assado nem orelha fresca até hoje, até que ofereçais a
oferta do teu Deus. O Estatuto Perpétuo é para suas idades, onde quer que você
mora. Esta é a terceira festa anual. Estes três foram celebrados na primavera.
Eles caíram no final de março ou no início de abril. Estes três foram juntos: a
Páscoa no dia 14, o primeiro dia dos pães ázimos no dia 15, e as primícias no dia
16. Todos juntos. A partir daí, foi contado 7 semanas finalizadas. Versículo 15.
Você deve contar do dia seguinte ao sábado, dia em que você ofereceu o feixe
da oferta de ondas, que é a partir do dia após o sábado em que você ofereceu a
onda de Frutas Primárias, a partir deste dia você vai dizer, ele diz sete semanas
completadas. Em outras palavras, 49 dias se passaram e no dia seguinte, ou seja,
no dia 50, você oferecerá o novo grão a Jeová. Versículo 16. Até o dia seguinte
ao sétimo dia de descanso, você vai contar 50 dias e depois oferecer o novo grão
a Jeová. Daquela palavra vem o nome da festa, o quarto é chamado de
Pentecostes. Também é chamado o festival da colheita ou o banquete das
semanas. A festa das semanas porque veio 7 semanas após as Primícias. E você
está se perguntando, pastor, e tudo isso, o que isso tem a fazer? Espérence.
Porque agora é o mais interessante. Vamos descobrir o que tudo isso significava
no plano da salvação. você vai contar 50 dias e então você irá oferecer o novo
grão a Jeová. Daquela palavra vem o nome da festa, o quarto é chamado de
Pentecostes. Também é chamado o festival da colheita ou o banquete das
semanas. A festa das semanas porque veio 7 semanas após as Primícias. E você
está se perguntando, pastor, e tudo isso, o que isso tem a fazer? Espérence.
Porque agora é o mais interessante. Vamos descobrir o que tudo isso significava
no plano da salvação. você vai contar 50 dias e então você irá oferecer o novo
grão a Jeová. Daquela palavra vem o nome da festa, o quarto é chamado de
Pentecostes. Também é chamado o festival da colheita ou o banquete das
semanas. A festa das semanas porque veio 7 semanas após as Primícias. E você
está se perguntando, pastor, e tudo isso, o que isso tem a fazer? Espérence.
Porque agora é o mais interessante. Vamos descobrir o que tudo isso significava
no plano da salvação. Porque agora é o mais interessante. Vamos descobrir o
que tudo isso significava no plano da salvação. Porque agora é o mais
interessante. Vamos descobrir o que tudo isso significava no plano da salvação.

Pentecostes, vamos colocá-lo aqui 50 dias depois. 50 dias depois, após


o dia 16. O 50º dia. Agora, no dia de Pentecostes, também não trabalhamos. O
versículo 21 diz: neste mesmo dia você convocará uma santa convocação,
nenhuma obra de um servo que você fará, um estatuto perpétuo onde você
viver durante suas gerações. Vamos colocar um círculo ao redor, simbolizando
que também foi um sábado, um sábado de cerimonial. Esta festa caiu sete
semanas depois, já entrou no verão. Estes três na primavera, está no verão, e os
três últimos caíram no outono. E vamos colocá-los de uma só vez, versículo 24,
fale com os filhos de Israel e diga-lhes no sétimo mês. Este é o primeiro mês,
isso nos levou até o terceiro mês, o Pentecostes e agora no sétimo mês. No
primeiro mês, versículo 24, você terá um sábado, uma comemoração ao som das
trombetas. É aí que vem o nome do quinto partido. Trombetas E este foi
celebrado no primeiro mês do sétimo mês, de Tishri. Isso é chamado de sétimo
mês do calendário judaico. O primeiro do sétimo mês, que é o mês de Tishri.
São trombetas. Verso 27. No décimo dia deste sétimo mês, será o dia da
expiação. Você terá uma santa convocação, afligirá suas almas. Mas antes de
colocar um dia de expiação, no versículo 25 do qual acabamos de dizer, no dia
das trombetas, você não fará nenhum trabalho de servo. Esta festa também foi
um sábado cerimonial. O sexto depois expiação, e o décimo dia do mesmo mês
foi celebrado Tishri. Também naquele dia, diz o versículo 28, você não fará
nenhum trabalho neste dia porque é um dia de expiação, para reconciliá-lo
diante do Senhor seu Deus. Isso também foi um sábado de cerimonial e ainda é
especificado no versículo 32, o Sábado será para você, o sábado será para você.
Agora note, eu poderia cair qualquer dia da semana. Este, o primeiro do mês,
foi sábado. Não sábado sétimo da semana, mas sábado de descanso. Foi
chamado sábado porque era o resto, mas poderia cair qualquer dia da semana, e
o décimo também. Obviamente, se o primeiro caiu no sábado, no sétimo dia da
semana, o décimo não poderia cair no sábado. Então, foi em qualquer dia da
semana, que eles caíram, mas eles eram dias de descanso cerimoniais. Este, o
primeiro do mês, foi sábado. Não sábado sétimo da semana, mas sábado de
descanso. Foi chamado sábado porque era o resto, mas poderia cair qualquer
dia da semana, e o décimo também. Obviamente, se o primeiro caiu no sábado,
no sétimo dia da semana, o décimo não poderia cair no sábado. Então, foi em
qualquer dia da semana, que eles caíram, mas eles eram dias de descanso
cerimoniais. Este, o primeiro do mês, foi sábado. Não sábado sétimo da semana,
mas sábado de descanso. Foi chamado sábado porque era o resto, mas poderia
cair qualquer dia da semana, e o décimo também. Obviamente, se o primeiro
caiu no sábado, no sétimo dia da semana, o décimo não poderia cair no sábado.
Então, foi em qualquer dia da semana, que eles caíram, mas eles eram dias de
descanso cerimoniais.

E o último festival, diz o versículo 34, fala aos filhos de Israel e diz-
lhes: no dia 15 deste sétimo mês, a festa solene dos Tabernáculos ao Senhor será
de sete dias. No primeiro dia haverá uma santa convocação, não haverá
trabalho de servo, você fará. Sete dias oferecerás a oferta ao fogo a Jeová, no
oitavo dia terás uma santa convocação, e oferecerás uma oferta feita pelo fogo
ao Senhor. É uma festa, você não fará nenhum trabalho. Isto é chamado de
Cabines ou Tabernáculos e é comemorado nos dias 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21 e
oitavo, ou 22, do mês Tishri, também foi um sábado, um sábado, no qual
funcionou

Aqui temos todos eles completos agora. Quantas festas são? Sete E
quantos dias de descanso existem nessas sete partes? Quantos tem? Vamos
contar os círculos: um, note que a Páscoa foi um feriado, mas não foi um
sábado; O pão sem fermento tinha sete dias de festa, mas o primeiro e o último
eram dias de descanso; então temos um, dois, três, quatro, cinco, seis e sete. Sete
partes e sete dias de repouso nessas partes. Nem todos os feriados eram dias de
descanso. Por exemplo, as Primícias não foram salvas como um sábado. A
Páscoa não foi mantida como um Sábado. E os dias entre os pães ázimos e as
cabanas não eram sábados, mas eram dias dos festivais. Claro, as pessoas,
provenientes de todo o país, vieram três vezes por ano. E, obviamente, eles não
trabalharam nesses dias porque estavam na festa. Mas, embora não
funcionassem, no entanto, nos dias que não estavam em repouso, eles poderiam
fazer outras atividades; eles não os mantiveram como dias sagrados, enquanto
que nestes dias não funcionavam. Nem foi cozido nos dias de hoje. Foi
preparado com antecedência.

Muito bem. Agora que temos isso, a parte interessante vem. O que
significa tudo isso? No plano da salvação, esta foi uma apresentação em
miniatura do grande plano de salvação de Cristo, para a redenção do ser
humano. O Senhor apresentou a cada ano, sob a forma de um drama, uma
representação visível, qual seria o grande plano de redenção. Da vinda de
Cristo a esta terra, a sua morte para a nossa salvação, a sua ressurreição, a sua
ascensão ao céu, o seu ministério no santuário celestial, o julgamento final, a
expiação final pelos pecados, a sua vinda em glória, a purificação final de
pecado, o extermínio do pecado até o fim do milênio, quando as pessoas
viveriam eternamente com o Senhor. Todo o plano de salvação estava nas sete
festas anuais. E você diz como?
Bem, vamos ver. A primeira, a Páscoa, é a mais fácil de entender, e
ainda tem alguns detalhes fascinantes, que tocaremos, mesmo que seja rápido.
Vamos colocar aqui o simbolismo. Por sinal, devo dizer-lhe que cada uma das
sete partes comemorou algo, prefigurava algo. Em cada festa, eles olhavam para
o passado, lembrando-se de algum evento que Deus havia feito em seu favor, e
olhou para o futuro, esperando o cumprimento da promessa no plano da
redenção. Então, as partes tiveram um duplo significado. Por exemplo, a Páscoa
comemorou a partida do Egito. Até hoje, os judeus celebram a Páscoa, e hoje
eles não querem saber nada sobre ser dito que tem algo a ver com a morte do
Messias. Eles dizem que não, isso só nos lembra a nossa libertação do Egito.
Mas a Páscoa anunciou uma libertação muito maior. A libertação do pecado
através de Jesus Cristo. Cristo é a Páscoa que foi sacrificada por

nós Então, coloquei aqui ao lado da Páscoa, coloquemos a morte de Cristo.


Alguém gostaria de ler 1 Cor. 5: 7? (Leia isso em sua Bíblia). Porque nossa
Páscoa, que é Cristo, foi sacrificada por nós. Cristo é a nossa Páscoa. O sacrifício
do cordeiro pascal simbolizava a morte de Cristo. Agora eu quero te contar uma
coisa. Você sabia que Cristo morreu exatamente um dia quando a Páscoa foi
celebrada? E não só no mesmo dia em que a Páscoa foi celebrada, mas no
momento exato em que o cordeiro pascal foi morto.
Agora, aqui vem o mais fascinante de tudo isso. Cristo cumpriu todos
os detalhes do que era Páscoa. Se você quiser estudar em profundidade o que é
o tema da Páscoa, você deve estudá-lo com base no livro do Êxodo, no capítulo
12. Deus ofereceu instruções sobre como a Páscoa deve ser celebrada. Diz assim
no versículo 2: "Este mês será o primeiro dos meses. Para você, será o primeiro
dos meses do ano. " Quando eles deixaram o Egito, eles começaram seu
calendário. "A congregação em Israel disse:" No décimo deste mês, cada um de
vocês toma um cordeiro de acordo com as famílias dos pais, um cordeiro por
família ". Quando o cordeiro deve ser tomado? Os dez. Vai tomar nota. "Se a
família é tão pequena que não é suficiente comer apenas um cordeiro, então ele
e seu vizinho imediato para sua casa, levará um de acordo com o número de
pessoas ". Parece que os israelitas não tiveram problemas com seus vizinhos,
porque quando a Páscoa chegou, eles poderiam convidar seus vizinhos a
comerem em casa. Eles se comportaram bem com seus vizinhos. "De acordo
com o consumo de cada pessoa, você vai contar o cordeiro". Verso 5: "O animal
estará sem defeito. Masculino, um ano de idade, você vai levá-lo de ovelhas ou
cabras. Você o manterá até o dia 14 deste mês, e toda a congregação do povo de
Israel o imolará, entre as duas tardes. Eles vão pegar o sangue, eles vão colocá-
lo nos dois pólos, no lintel das casas onde eles vão comê-lo. E naquela noite eles
comerão a carne assada sobre o fogo, e os pães ázimos com ervas amargas irão
comê-lo. Você não comerá nada dele cru, nem cozido em água, mas assado no
fogo, a cabeça com os pés e as entranhas. Você não deixará nada até a manhã, o
que permanecerá até a manhã, você vai queimá-lo no fogo. E você deve comer
assim, seus lombos cingidos, seus calçados em seus pés, seu bastão em sua mão,
você deve comer com pressa. É a Páscoa de Jeová. Pois eu passarei, "e a palavra
que eu passarei em hebraico é" Pache ". Passe É aí que vem o nome de Pascua.
"Pois passarei a terra do Egito naquela noite, e ferirei todos os primogênitos na
terra do Egito, tanto homem como animal, e eu executarei os meus juízos sobre
todos os deuses do Egito, eu, o Senhor. E o sangue será um sinal para você. Nas
casas onde você está, eu verei o sangue e eu passarei sobre você, e não haverá
pragas entre vocês quando eu forçar a terra do Egito. Este dia será um memorial
para você e você o celebrará como um banquete solene para Jeová durante suas
gerações, pelo status perpétuo que você celebrará. Sete dias comerás pães
ázimos, de modo que no primeiro dia não feras fermento nas vossas casas ", e
ele continua explicando que a festa dos pães ázimos segue.

Agora veja alguns detalhes. O animal tinha que ser um homem,


representando Cristo como um homem. Em segundo lugar, tinha que ser sem
defeito. Eu não poderia ter defeito físico ou mancha, eu tinha que ser
completamente branco, sem qualquer mancha ou qualquer defeito,
representando o Cordeiro sem defeito, defeito ou defeito, Cristo Jesus.
Simbolizando que sua vida era sem pecado. Tinha que ser um ano. Você não
poderia escolher um animal antigo. A maioria teria se inclinado a procurar o
velho homem. Bem, ele é velho de qualquer maneira, ele vai morrer, vamos
matar aquele. Mas a Escritura diz que não, você vai me dar o animal no melhor
de sua vida, na flor de sua vida. Porque o animal entre as ovelhas e as cabras
atinge a maturidade em um ano de idade. Mostrando que, após um ano de
idade, o cordeiro não é considerado cordeiro, mas um adulto. Você pode
procriar após o ano. Mas tampouco pode ser velho. Não pode ser menos de um
ano nem pode ser mais de um ano, simbolizando que Jesus morreria no auge de
Sua vida.

Nem pode quebrar qualquer osso do animal. Note que você teve que
cozinhá-lo completamente torrado, com cabeça, com os pés, com tudo. Que
maneira estranha de cozinhar um animal! Esta não era uma refeição comum.
Era uma refeição cerimonial. Representou o Cordeiro de Deus que tira o pecado
do mundo. E no versículo 46 diz: "Ele será comido em uma casa, não tirará essa
carne dela nem quebrará um osso". Você não conseguiu quebrar os ossos. O que
isso representou? João 19:36 nos diz que não quebraram ossos para Cristo. Eles
vieram para os dois malfeitores que estavam lá, um à direita e um à esquerda, e
ambos quebraram as pernas, mas quando vieram a Cristo, ele já estava morto e
eles não quebraram as pernas. Cumprindo assim a prefiguração da Páscoa, isso
não quebraria nenhum dos seus ossos. A carne deve ser comida. É muito bonito
o que o mensageiro do Senhor explica sobre isso. Em Patriarcas e Profetas: 282
diz o seguinte: "A carne deve ser comida. Para alcançar o perdão de nosso
pecado, não basta que acreditemos em Cristo ". Oi Alguns dizem, apenas
acredite e você já está perdoado. Mas não era suficiente para matar o cordeiro.
Tinha que ser comido. "Da mesma forma", ele continua dizendo: "aqueles que
aceitam e crêem em Cristo devem receber pela fé em Sua Palavra como
alimento espiritual. Cristo disse, se você não comer a carne do Filho do homem
e não beber o Seu sangue, não terá vida em você. Quem come minha carne e
bebe meu sangue tem vida eterna ". E para explicar o que ele quis dizer, ele
disse: "As palavras que eu falei com você são o Espírito e são a vida". O que há
para comer? A Palavra de Cristo. Veja agora esse simbolismo. Porque alguns
dizem, bem, se eu acredito que Cristo morreu por mim, isso é o suficiente. Mas
aqui diz, não foi suficiente. Para alcançar o perdão dos pecados, não basta que
acreditemos em Cristo. Veja como vai. "Jesus aceitou a lei de Seu Pai, cujos
princípios Ele colocou em prática em Sua vida. Ele manifestou o Seu Espírito e
demonstrou o Seu poder benéfico no coração do homem. João diz: Essa Palavra
se tornou carne e habitou entre nós e vimos a Sua glória, glória como a do
Unigênito do Pai, cheia de graça e verdade. Os seguidores de Cristo, devem
participar de Sua experiência, devem receber e assimilar a Palavra de Deus para
que ela se torne o poder que impulsiona sua vida e suas ações. Não basta
acreditar em Cristo. Você tem que comer a Palavra de Cristo. Através do poder
de Cristo, eles devem ser transformados à Sua imagem, eles devem refletir os
atributos divinos. Eles devem comer a carne e beber o sangue do Filho de Deus,
ou não haverá vida neles. O Espírito e a obra de Cristo devem se tornar o
Espírito e a obra de seus discípulos. Ah, existem milhares que dizem, eu
acredito que Cristo é o Cordeiro pascal que tira o pecado do mundo. Mas se eles
não comem a carne do Filho de Deus, que é a Sua Palavra, se eles não se
assimilam em suas vidas e vivem de acordo com seus preceitos, é inútil, eles
não têm vida em si mesmos ". Creio que Cristo é o Cordeiro pascal que tira o
pecado do mundo. Mas se eles não comem a carne do Filho de Deus, que é a
Sua Palavra, se eles não se assimilam em suas vidas e vivem de acordo com
seus preceitos, é inútil, eles não têm vida em si mesmos ". Creio que Cristo é o
Cordeiro pascal que tira o pecado do mundo. Mas se eles não comem a carne do
Filho de Deus, que é a Sua Palavra, se eles não se assimilam em suas vidas e
vivem de acordo com seus preceitos, é inútil, eles não têm vida em si mesmos ".

Interessante, certo? Justificação e santificação em conjunto, na Páscoa.


Você não pode separá-los. Além disso, o sangue deve ser colocado no lintel.
Você imagina, uma criança judaica, que 14 de Nisan lá no Egito. Eles estão
envergonhados, eles viram tudo o que aconteceu. Imagine a criança, seis, sete
ou oito anos. Esse garotinho fica espantado com o que ele viu e ouviu. Ele teve
que ver as rãs, ver os piolhos, ver a escuridão que caiu no Egito, ver o granizo,
ver todas as pragas que vieram, o rio virou sangue, tudo mais e ficaram
impressionados. E agora Moisés anunciou que o anjo de Jeová passará,
matando todos os primogênitos. E Deus dá as instruções. Moisés explica isso
para cada pai e
Cada pai agora explica isso para sua família. Chega o dia. Eles matam o
cordeiro. E eles imaginam a criança perguntando: papai, você colocou o sangue
no lintel? O que aconteceria se o pai dissesse: filho, isso não é importante. Nós
já matamos o cordeiro, já cumprimos o que Moisés nos pediu. O sangue não é
importante. E a criança dizendo: Mas papai, se o anjo passa e ele não vê o
sangue, o que acontecerá com meu pai? Você arriscaria não colocar o sangue no
dintel, naquela noite do 14 de Nisan, se seu filho mais velho e mais velho
estiver dentro das portas de sua casa? Você iria dormir quieto naquela noite,
sem ter sangue no lintel? Agora, muitos dizem hoje, tudo que você precisa fazer
é acreditar que Cristo morreu por seus pecados, mas não aplique esse sangue às
suas vidas. Não basta acreditar na morte de Cristo. Temos de fazer o sacrifício
de Cristo, o nosso. O mensageiro do Senhor diz: "Não bastava que o Cordeiro
Pascal estivesse morto. Os pólos das portas tiveram que ser polvilhados com o
seu sangue, pois os méritos do sangue de Cristo devem ser aplicados à alma.
Devemos acreditar, sim, mas não só acreditar que Ele morreu pelo mundo, mas
que Ele morreu por mim, individualmente. Devemos apropriar-se da virtude
do serviço de expiação de Cristo ".

Peço-lhe: isso é uma realidade na sua vida? Você se apropriou dos


méritos de seu sangue expiatório? Você está coberto pelo sangue de Cristo? Ou
você só acredita que Jesus morreu pelos pecados do mundo? Você o aceitou
como aquele que perdoa seus pecados? Você se agarrou a esse sangue que
limpa de todo pecado? Sua vida está limpa de todo pecado? Todo o pecado é
confessado e purificado pelo sangue de Cristo?

Interessante que juntamente com o cordeiro, eles comeram ervas


amargas. O verso 8 diz: "Naquela noite eles comerão a carne assada ao fogo, os
pães ázimos, com ervas amargas, comerão". O que as ervas amargas
representam? Bem, lembre-se que a Páscoa teve um significado histórico e um
significado futuro. O que as ervas amargas representam em relação à partida do
Egito? Ah, então eles nunca esqueceriam a amargura que eles experimentaram
como escravos no Egito. Êxodo 1:14 diz: "E os egípcios amargaram suas vidas
com severa servidão". Eles amargaram sua vida, a mesma palavra que é usada
para ervas amargas. Para que nunca se esqueçam da amargura da escravidão.
Deus lhes disse com o cordeiro para comer ervas amargas. Mas, O que as ervas
amargas representam no plano da salvação? O que eles representaram? A
amargura agora se aplica a Cristo, porque Ele é o Cordeiro. É cristocêntrico em
sua realização futura. Cristo disse: minha alma é muito triste até a própria
morte. A amargura de Cristo no Getsêmani, representam as ervas amargas. Pai,
se possível, este copo passa de Mim. Era um copo amargo que ele tinha que
beber. A amargura de Cristo. Você lembra que você recebeu vinagre para beber
na cruz? O vinagre é amargo. Tudo isso simbolizava as ervas amargas. Era um
copo amargo que ele tinha que beber. A amargura de Cristo. Você lembra que
você recebeu vinagre para beber na cruz? O vinagre é amargo. Tudo isso
simbolizava as ervas amargas. Era um copo amargo que ele tinha que beber. A
amargura de Cristo. Você lembra que você recebeu vinagre para beber na cruz?
O vinagre é amargo. Tudo isso simbolizava as ervas amargas.

Mas agora uma pergunta muito interessante: quando o cordeiro


partiu? Os dez. E quando ele foi sacrificado? Os catorze. O que simboliza no
plano da salvação, o fato de que o cordeiro foi separado no décimo, mas o
décimo quarto foi sacrificado? O que simboliza? Veja o quão interessante.
Procure por você em Luc. 22: 1 em diante = "A festa dos pães ázimos, que se
chama Páscoa, estava perto. E os principais sacerdotes e os escribas procuraram
como matá-lo, porque temiam as pessoas. E quando Satanás entrou em Judas,
apelidado de Iscariotes, que era um dos poucos doze, ele foi e falou com os
principais sacerdotes e com os chefes da guarda, de como ele o livraria. Eles
ficaram felizes e concordaram em dar-lhe dinheiro, e ele ficou noivo e procurou
a oportunidade de dar a ele atrás das costas da cidade. E a oportunidade veio
no Dia da Páscoa. " Interessante Judas fez o acordo, por quanto ele venderia
Cristo. Eles concordaram com o dinheiro que eles iriam dar, as 30 moedas de
prata. E se você estudar o evangelho em detalhes, você notará que o domingo
foi a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém. Segunda-feira foi a festa na casa
de Simon. E na segunda-feira à noite, na festa na casa de Simão, Maria
Madalena, quebrou o perfume caro, e Cristo disse: Deixe, porque me ungiu
para o enterro. Esse perfume, com o qual Cristo foi ungido, já o separou para a
morte. Mas a Bíblia diz que, quando Judas viu isso, e o mensageiro do Senhor o
explica, ele disse: até aqui eu cheguei com ele. Agora ele está falando
novamente que ele deve morrer, então ele morre. Ele levantou-se da mesa,
porque Jesus manifestou-se quando disse: Por que todo esse desperdício? Não
foi dado aos pobres? E Cristo disse: "Você sempre terá o pobre com você, mas
você nem sempre me terá". Essa mulher fez o que é certo. Ellen White diz que
Judas se levantou daqui e foi direto e foi fazer o acordo com os judeus. No
mesmo dia 10 de Nisan. O Cordeiro foi retirado 4 dias antes. Cumprindo o tipo
no antitipo na forma exata. Assim como o cordeiro, aquele que tinha cordeiros
em sua casa, aquele que tinha ovelhas, teve que escolher o cordeiro dez, separá-
lo, separá-lo, não poderia ser mais com o resto, mas foi separado. Aquele que
não tinha cordeiro, teve que ir comprar um cordeiro no décimo. Ele não
conseguiu comprá-lo no 11º, 12º, 13º ou 14º. Ele tinha que comprá-lo no dia 10,
de acordo com as instruções. E Cristo foi vendido por Judas no dia 10,

É cumprido exatamente. Agora, Jesus morreu no dia 14 de Nisan, por


volta das três horas da tarde. Você sabe, há muita discussão sobre se Jesus
estava realmente comemorando a Páscoa, e se Ele morreu no dia seguinte à
Páscoa. Porque lembre-se de que instituiu o sacramento no jantar pascal. E
alguns estão confusos porque eles dizem, bem se tivesse comido o cordeiro
pascal, então como era, porque era quinta-feira, a refeição da Páscoa, naquela
noite Jesus deixou a ceia pascal, foi ao Getsêmani, e Naquela noite, ele foi traído
por Judas, foi preso, foi julgado durante a noite quinta-feira, sexta-feira foi
levado perante Pilatos, foi crucificado às nove da manhã, e morreu às três horas
da tarde. Era uma sexta-feira que ele morreu. Mas ele comeu o jantar de
cordeiro pascal na quinta-feira.

Se você já tivesse comido o jantar pascal, como entendemos isso? Mas,


se Jesus morresse no momento em que o cordeiro pascal foi abatido, Ele não
poderia morrer depois que o cordeiro pascal já havia sido comido. Se eles
comeram na quinta-feira, por que então ele morreu na sexta-feira? Ou se eles
comessem, digamos na sexta-feira nas primeiras horas, mas se Ele morreu às
três da tarde, como entendemos essa aparente contradição? Sim, no momento
do sacrifício, exatamente às três horas da tarde, morreu no momento em que o
cordeiro pascal foi morto.

O mensageiro do Senhor diz que, no exato momento em que o


cordeiro estava prestes a ser sacrificado, Cristo morreu o Cordeiro pascal.
Então, como entendemos isso? Bem, o mensageiro do Senhor tem a resposta no
Desejo de Todas as Nações. Ela diz, e como Jesus sabia que no dia em que o
cordeiro da Páscoa foi morto, ele seria morto, preparou-se para celebrar a
Páscoa no dia anterior. E João confirma isso no capítulo 13. Veja o que ele diz
ali, nos versículos 1 e 2: Antes da festa da Páscoa, Jesus, sabendo que chegou a
hora de passar deste mundo ao Pai, como Ele havia amado para os seus
próprios que estavam no mundo, os amou até o fim, e quando eles jantaram,
como o diabo já havia colocado o coração de Judas Iscariote, filho de Simão,
para livrá-lo.

Aqui temos a noite em que Jesus lavou os pés dos discípulos. É a mesma noite
do jantar pascal. E a Bíblia diz, antes da festa da Páscoa. Você percebeu isso?

Porque Jesus sabia que a hora dele chegou. O mensageiro do Senhor


diz isso claramente. Como Jesus sabia que no dia em que ele comia o cordeiro
pascal, ele seria morto no momento em que o cordeiro foi morto, organizado
para celebrar o jantar com os discípulos na noite anterior. Para poder celebrá-lo
pela última vez com eles, e dar-lhe o significado.

E isso nos leva ao segundo partido. O que os pães ázimos


representam? O que o pão representa? O corpo de Cristo. E por que o pão deve
ser sem fermento? Correto Agora, se a Páscoa era a morte de Cristo, o pão
ázimo representava o seu sepultamento. Levedura é um símbolo do pecado.
Correto O fermento contamina. Cristo morreu sem pecados. Seu sacrifício foi
um sacrifício perfeito. Em Mat. 26:26 diz: "Ao comerem, Jesus tomou pão,
abençoou-o, quebrou-o, entregou-o aos discípulos e disse: pegue e coma, este é
o meu corpo".

Esse pão ázimo representava o corpo de Cristo. Mas por que razão não
era fermento? O que simbolizou no plano da salvação? Não simbolizava apenas
que o sacrifício de Cristo era perfeito, porque não havia pecado nele. Por outro
motivo, o pão era sem fermento. E quanto ao pão que tem fermento, em
comparação com o pão que não tem fermento? Bem, se você aumentar. Mas o
pão fermentado é danificado mais cedo. Em vez de pão ázimo, você pode
mantê-lo por dias, dias e dias, e não ficar estragado. Enquanto o pão
fermentado é estragado mais rapidamente. Isso representava que o corpo de
Cristo não viria a corrupção. Atos 2:27 = "Porque não deixará a minha alma no
Hades nem permitirá que o seu Santo veja a corrupção". E no versículo 31 ele
diz: "Vendo isso antes, Ele falou da ressurreição de Cristo, que a sua alma não
foi deixada no hades, nem a sua carne viu a corrupção ". O pão ázimo
representava que o corpo de Cristo não viria a corrupção.

Agora, no exato dia em que o pão ázimo foi comido, nesse dia exato,
Cristo estava no túmulo. E que interessante que este dia foi celebrado como um
dia de descanso. Agora, Cristo morreu numa sexta-feira às três horas da tarde.
O tempo em que o cordeiro pascal foi morto. Entre as duas tardes Ele estava no
túmulo, no sábado. John 19 diz que o sábado foi um sábado de grande
solenidade. Era sábado de sábados. Porque não era apenas sábado o sétimo dia
da semana, mas também um sábado cerimonial. Por isso, foi duplamente
sábado. Era sábado porque era o sétimo dia da semana, e era sábado porque era
o dia de sabado do primeiro dia dos pães ázimos.

Interessante, que o criador dos céus e da terra, criou o mundo em seis


dias e descansou no sétimo dia. Você sabe que o Criador é o mesmo Redentor,
sim ou não? Pedro disse, ali mesmo, em Atos 3: 14-15, mas você negou o santo e
o justo, e você pediu que um assassino fosse dado a você, e você matou o autor
da vida. Que paradoxo! Mate aquele que é a vida. Tire a vida do autor da vida.
Quão tremendo. O Criador, aquele que deu vida, foi morto.
E veja o que é mais interessante. Jesus terminou o trabalho de criação
em uma sexta-feira. E descansou no sábado. Ele terminou o trabalho de
redenção dizendo que está terminado, uma sexta-feira, e descansou no túmulo
em um sábado. Mesmo em Sua morte, Jesus manteve o sábado. Ele descansou
no túmulo. O sábado é um símbolo da criação e um símbolo da redenção. Os
adventistas mantêm o sábado porque nos lembra a obra da redenção,
consumada no sacrifício perfeito do corpo de Cristo, como um Cordeiro sem
mancha ou mancha. Ele foi oferecido para a salvação do mundo e o santo
sábado descansou no túmulo. Nós mantemos o Sábado porque acreditamos que
Jesus não é apenas nosso Criador, mas também nosso Redentor e nosso
Salvador. Ele é o Cordeiro que tira o pecado do mundo. No dia em que comeu
os pães ázimos, Jesus estava no túmulo.

Interessante que a festa tenha sido celebrada por sete dias. Jesus
reapareceu diz a Bíblia, sete dias depois, novamente aos discípulos, depois de
terem ressurgido. Durante esses sete dias, eles estavam comendo o pão ázimo.
Eles estavam lembrando a morte de Cristo.

Mas queremos chegar às Primárias, porque esta é uma das férias mais
bonitas. As primícias foram comemoradas no dia seguinte de sábado. Naquela
semana do ano 31 da era cristã, a Festa dos Primeiros Frutos caiu no domingo.
No dia seguinte ao primeiro dia do pão ázimo. E o que representa a festa das
primícias? Se a Páscoa representa a morte de Cristo, se o pão ázimo representa o
sepultamento de Cristo, o que os Primeiros Frutos representam? Oh, sim, todos
sabemos disso, certo? A ressurreição Texto bíblico? Onde você fala sobre Frutas
Primárias? 1 Cor. 15:20, Quem quer lê-lo? Obrigado Agora, Cristo ressuscitou
dos mortos, os primeiros frutos daqueles que adormeceram. Lá é mencionada a
palavra scoops.

Agora, qual foi a festa das Primeiras Frutas? Quais foram as primeiras
frutas? Eles foram os primeiros frutos. Antes da colheita, antes que alguém
pudesse comer qualquer um dos grãos que haviam sido colhidos, eles tiveram
que fazer com que as primeiras frutas fossem acenadas no Templo. Agora,
como foi celebrada esta festa? Aqui vem a parte mais interessante. E eles vão
aprender algumas coisas muito interessantes agora. 1 Cor. 15:20 diz que Cristo é
a primeira infância da ressurreição. No versículo 22-23, diz: "Porque, como em
Adão todos morrem, em Cristo também todos ressuscitarão. Mas cada um em
devido tempo. Christ the Firstfruits. Então, aqueles que pertencem a Cristo,
"quando eles se levantarão de novo? Na Sua vinda. Os Primeiros Frutos
representavam os primeiros frutos da grande colheita que se seguiu. Agora, eu
quero que você saiba algo. O feixe de onda, que foram as primeiras frutas, não
era apenas um feixe, mas era um pacote. No caso da ressurreição de Cristo,
você sabia que Cristo não se levantou sozinho? Falamos sempre sobre a
ressurreição de Cristo. Mas você leu o que o registro bíblico diz? Jesus não se
levantou sozinho. Mat. 27 diz que muitos ressuscitaram com ele. O versículo 52,
"os túmulos foram abertos e muitos corpos de santos que dormiram,
levantaram-se e saíram dos túmulos, depois de sua ressurreição, chegaram à
cidade sagrada e apareceram muitos ". Essa ressurreição de santos
adormecidos, que ressuscitaram? Saindo adormecido. Quem? Bem, a Bíblia não
diz quem eles eram. Não, não era Moisés, porque Moisés havia ressuscitado há
muito tempo. Provavelmente John the Baptist era um deles. Provavelmente
Saindo adormecido. O interessante é que eles apareceram para muitos na
cidade, ele diz lá. "E, saindo dos túmulos, depois da ressurreição de El, eles
vieram para a cidade santa e apareceram para muitos". Agora, deve ter sido
conhecido pessoas, para que aqueles que as viram pudessem reconhecê-las.
Porque se alguém aparecer e diz: olha, sou Abel. Bem, e para mim, quem me
diz que você é Abel? Se eu não o conheço? Eles devem ter sido santos bem
conhecidos, então eu acho que João Batista era um deles. Porque o conheceram
muito bem. Os outros, não sabemos quem eram. A Bíblia não menciona isso.
Mas o que é importante sobre isso? deve ter sido conhecido pessoas, para que
aqueles que as viram pudessem reconhecê-las. Porque se alguém aparecer e diz:
olha, sou Abel. Bem, e para mim, quem me diz que você é Abel? Se eu não o
conheço? Eles devem ter sido santos bem conhecidos, então eu acho que João
Batista era um deles. Porque o conheceram muito bem. Os outros, não sabemos
quem eram. A Bíblia não menciona isso. Mas o que é importante sobre isso?
deve ter sido conhecido pessoas, para que aqueles que as viram pudessem
reconhecê-las. Porque se alguém aparecer e diz: olha, sou Abel. Bem, e para
mim, quem me diz que você é Abel? Se eu não o conheço? Eles devem ter sido
santos bem conhecidos, então eu acho que João Batista era um deles. Porque o
conheceram muito bem. Os outros, não sabemos quem eram. A Bíblia não
menciona isso. Mas o que é importante sobre isso? A Bíblia não menciona isso.
Mas o que é importante sobre isso? A Bíblia não menciona isso. Mas o que é
importante sobre isso?
Ouça O mensageiro do Senhor diz, no DTG: 730 = "Cristo ressuscitou
dentre os mortos como os primeiros frutos daqueles que dormiram. Ele foi
representado pelo feixe agitado, e a Sua ressurreição foi feita no mesmo dia em
que o feixe foi apresentado ao Senhor ". Cristo cresceu em que dia? Do mesmo
modo que o feixe apresentado ante o Senhor. Agora veja o que foi feito com o
feixe. Lev. 23:11 "O sacerdote acenará o cadáver diante de Jeová para que seja
aceito.

No dia seguinte do sábado, ela o revirá. No dia em que você oferecer o feixe,
você oferecerá um cordeiro de um ano, sem defeito, como holocausto a Jeová.
Sua oferta será dois décimos de Ephah de farinha fina misturada com óleo. A
oferta é encaminhada para o Senhor com um odor agradável. E a sua libação
será de vinho, a quarta parte de um Ele. Você não deve comer pão ou grão
assado, nem orelha fresca, até o mesmo dia, até encontrar a oferta de seu Deus
balançada ". O que significa "balançar o feixe"? E por que com o feixe foi
oferecido outro holocausto? Ah, aqui vem a parte interessante.

Jesus ressuscitou no domingo. No dia em que o feixe estava


balançando. Mas agora ouça o que o mensageiro do Senhor diz. "Por mais de
mil anos, essa cerimônia simbólica teve lugar. As primeiras orelhas de grão
maduro foram recolhidas dos campos da colheita, e quando o povo subiu a
Jerusalém para a Páscoa, o feixe de primícias foi abalado como uma oferta de
agradecimento perante Jeová. Ele não conseguiu reunir-se para recolhê-lo em
gavetas antes que a oferta fosse apresentada. O feixe dedicado a Deus,
representava a colheita. Assim também Cristo, as primícias, representou a
grande colheita espiritual que deve ser reunida no reino de Deus. Sua
ressurreição é um símbolo e garantia da ressurreição de todos os mortos ". Mas
agora vem a parte interessante. "Quando Cristo ressuscitou, Ele tirou uma
multidão de cativos do túmulo ". Quantos? Multidão! É por isso que ele diz,
muitos dos santos estão dormindo. Havia alguns. Era uma multidão. "O
terremoto ocorreu por ocasião da sua morte, abriu os túmulos e, quando Ele
ressuscitou, eles saíram com Ele. Eram aqueles que haviam sido colaboradores
de Deus e que, à custa de suas vidas, testemunharam a verdade". Por que eu
disse que João Batista? Porque os que ressuscitaram eram mártires. Então
Jeremias levantou-se entre eles, que foi serrado. João ressurreiu o Batista, que
morreu como um mártir. Aqueles que ressuscitaram foram os mártires.
"Aqueles que tiveram o custo de suas vidas testemunharam a verdade. Agora
eles seriam testemunhas de Aquele que os ressuscitou. " Era uma multidão. "O
terremoto ocorreu por ocasião da sua morte, abriu os túmulos e, quando Ele
ressuscitou, eles saíram com Ele. Eram aqueles que haviam sido colaboradores
de Deus e que, à custa de suas vidas, testemunharam a verdade". Por que eu
disse que João Batista? Porque os que ressuscitaram eram mártires. Então
Jeremias levantou-se entre eles, que foi serrado. João ressurreiu o Batista, que
morreu como um mártir. Aqueles que ressuscitaram foram os mártires.
"Aqueles que tiveram o custo de suas vidas testemunharam a verdade. Agora
eles seriam testemunhas de Aquele que os ressuscitou. " Era uma multidão. "O
terremoto ocorreu por ocasião da sua morte, abriu os túmulos e, quando Ele
ressuscitou, eles saíram com Ele. Eram aqueles que haviam sido colaboradores
de Deus e que, à custa de suas vidas, testemunharam a verdade". Por que eu
disse que João Batista? Porque os que ressuscitaram eram mártires. Então
Jeremias levantou-se entre eles, que foi serrado. João ressurreiu o Batista, que
morreu como um mártir. Aqueles que ressuscitaram foram os mártires.
"Aqueles que tiveram o custo de suas vidas testemunharam a verdade. Agora
eles seriam testemunhas de Aquele que os ressuscitou. " Por que eu disse que
João Batista? Porque os que ressuscitaram eram mártires. Então Jeremias
levantou-se entre eles, que foi serrado. João ressurreiu o Batista, que morreu
como um mártir. Aqueles que ressuscitaram foram os mártires. "Aqueles que
tiveram o custo de suas vidas testemunharam a verdade. Agora eles seriam
testemunhas de Aquele que os ressuscitou. " Por que eu disse que João Batista?
Porque os que ressuscitaram eram mártires. Então Jeremias levantou-se entre
eles, que foi serrado. João ressurreiu o Batista, que morreu como um mártir.
Aqueles que ressuscitaram foram os mártires. "Aqueles que tiveram o custo de
suas vidas testemunharam a verdade. Agora eles seriam testemunhas de
Aquele que os ressuscitou. "

Agora, irmãos, você sabe o que aconteceu com eles? Ouça "Aqueles
que saíram do túmulo por ocasião da ressurreição de Cristo, ressuscitaram para
a vida eterna. Eles ascenderam com ele como troféus de sua vitória sobre a
morte e a sepultura. Quando Cristo contou a Maria Madalena no domingo de
manhã cedo, antes que o sol subisse, ainda estava escuro, então Magdalena não
o viu bem. Estava meio escuro. Quando ela percebeu que era Jesus pela voz, ela
caiu aos Seus pés e queria abraçá-lo, mas Jesus disse: Não me toque, porque
ainda não subi ao Meu Pai, mas vá e diga-lhes, eu vou para Meu Pai e para o
seu Pai, ao Meu Deus e ao seu Deus. Jesus ainda não havia surgido. Agora ouça.
Porque isso é bonito, na festa das Primícias. Eu vou ver se eles me ouviram bem
até agora. Em que dia foram marcados os sepulcros que deveriam ser
marcados? Que dia? Sexta-feira. A que horas? Quando Cristo morreu, a terra
tremeu. Houve um tremendo terremoto. E os túmulos abriram. Mas quando
eles vieram do túmulo? Após a ressurreição de Ele. Agora ouça. Embora a
Bíblia não nos dê esse detalhe. Os judeus, em seu livro Talmud, que é a
explicação das porções bíblicas, onde estão todos os regulamentos das festas,
diz o seguinte: as primícias, era um feixe que era cortado de um dos campos
perto de Jerusalém. Ou, às vezes, um pouco mais adiante. Tive a sorte de ver no
campo quem ia cortar o feixe. E foi um privilégio muito grande, que caiu em
uma família, que naquele ano foi sua vez de cortar o feixe, de apresentá-lo no
templo, de seu próprio campo. Todos os judeus desejavam que, em algum
momento de sua vida, o destino caísse sobre sua família, para ser privilegiado,
que a partir daí o feixe fosse cortado. Agora, a sorte foi lançada. E então o
campo foi marcado. De acordo com o Talmud, no dia anterior ao sábado.
Porque não foi feito no sábado. No dia anterior ao sábado, no momento do
sacrifício da noite, o sacerdote marcou cerimoniosamente o campo onde a sorte
havia caído. O campo foi marcado. Nenhum animal pode entrar no campo.
Deve ser mantido com cuidado. Nenhum ser humano poderia entrar nesse
campo, porque ele foi consagrado a Jeová. E então, no domingo de manhã, ou
no dia seguinte ao sábado cerimonial, neste caso, caiu no domingo, mas pode
ser qualquer dia da semana, domingo, dia 16, dia das primícias, no início da
manhã, o padre foi ao campo que havia sido marcado e cortou o feixe, trouxe-o
para o templo para acenou no momento do sacrifício matinal. Às nove horas.
Agora veja o quão interessante. Isso estava no cara. Na antítese, o feixe
que Jesus levaria quando ressuscitasse foi marcado às três da tarde de sexta-
feira. Ao mesmo tempo, o padre estava marcando o campo do feixe que devia
ser coletado. O terremoto marcou os túmulos daqueles que iriam ressuscitar,
deixando-os abertos. E eles ressuscitaram no domingo, pela manhã, no
momento em que o padre estava cortando o feixe.

Você sabe que você não sabe a que horas Jesus ressuscitou? Se
houvesse um registro, em que família a sorte daquele ano caiu, poderia ser
calculada, veja o que eu vou dizer, porque dependendo de onde o campo
estava, o padre calculou sexta-feira quando ele estava indo, ou no dia anterior
ao dia de Eu descanse, eu calculava o tempo que demorava para chegar ao
campo. Então, ele foi da manhã, para o lugar do campo. Mas ele esperou, uma
vez que chegou, calculando o tempo, às três horas da tarde, para marcar o
campo. No domingo, ou no dia seguinte ao sábado, depois das primícias, como
já sabia do tempo

que ele tomou, calculado para poder chegar no momento do sacrifício da


manhã, com o feixe. E eles contam, as escrituras judaicas, e não a Bíblia, que a
cidade inteira estava esperando em Jerusalém, e as procissões foram formadas
na estrada onde o padre veio com o feixe. Todos o receberam, enquanto ele
estava entrando em Jerusalém e trazendo o cadáver para a rocha no campo, o
dia dos Primeiros Frutos. Se soubéssemos onde a sorte caiu naquele ano,
poderíamos saber a que horas Jesus ressuscitou. Porque você pode calcular a
distância que demora, entre as nove da manhã de volta, mas, como estava
muito escuro, provavelmente nesse ano, a sorte caiu a vários quilômetros de
Jerusalém, porque o padre cortou o feixe muito cedo. Quando os discípulos
foram ao túmulo, muito cedo pela manhã, o sol ainda não havia subido, Jesus já
não estava lá. Isso significa que o feixe já havia sido cortado.

Mas a que horas estava a balançar? No momento do sacrifício da


manhã, às nove horas da manhã. O que você acha que aconteceu naquele
momento? Exatamente Antes do nascer do sol, Jesus disse a Maria: não me
toque porque ainda não subi. Mas vá e diga-lhes que eu estou indo para Meu
Pai. Às nove horas da manhã, na hora exata em que o sacerdote abalou o feixe,
Cristo se apresentou. Lembre-se de que o feixe estava balançando diante de
Jeová. Cristo apareceu perante o Senhor, com os primeiros frutos. Porque aqui
diz o mensageiro do Senhor, que aqueles que se levantaram com ele
ascenderam com ele como troféus de sua vitória, sobre a morte e a sepultura.
Que interessante isso.

E você sabe o que aconteceu no céu? Ouça Eu vou lê-los. DTG: 773 =
"Há o trono, o arco-íris da promessa, são os querubins e os serafins, os
comandantes das hostes angélicas, os filhos de Deus, os representantes dos
mundos que nunca caíram, estão reunidos. De todas as partes do universo estão
reunidas. Eles estavam assistindo tudo o que aconteceu nos dias anteriores.
Todos observando. O conselho celestial perante o qual Lúcifer havia acusado
Deus e Seu Filho, os representantes desses reinos sem pecado, sobre os quais
Satanás pretendia estabelecer seu domínio, todos

están allí, para dar la bienvenida al Redentor. Sienten impaciencia por celebrar
Su triunfo, y glorificar a Su Rey. Pero con un ademán, Jesús los detiene. Todavía
no. No puede ahora recibir la corona de gloria y el manto real. Entra en la
presencia de Su Padre. Señala Su cabeza herida, Su costado traspasado, Sus pies
lacerados, alza Sus manos que llevan la señal de los clavos”. Usted se pregunta
por qué en el día de las Primicias ofreceréis el día que ofrezcáis la gavilla un
cordero de un año sin defecto en holocausto a Jehová? El cordero era ofrecido el
14 de Nisán, pero el 16 se volvía a ofrecer, porque representaba a Jesús,
presentándose delante del Padre y mostrando Sus manos, mostrando Sus pies,
mostrando Su costado traspasado, mostrando las marcas de Su sufrimiento. “Y
ahora”, sigue diciendo, “presenta también los trofeos de Su triunfo. Ofrece a
Dios la gavilla de las primicias, aquellos que resucitaron con Él como
representantes de la gran multitud que saldrá de la tumba en ocasión de Su
segunda venida. Se acerca al Padre, y le dice: Padre, si esto es suficiente, si las
marcas que llevo de Mi sacrificio son aceptas delante de Ti, si Mi sacrificio ha
sido perfecto, entonces acepta a estos también. Y cuando recibe de Su Padre la
aprobación de que Su sacrificio ha sido suficiente, entonces, y recién entonces,
retorna a esta tierra. Por eso se sigue comiendo el pan sin levadura.

Interessante, certo? Esses túmulos foram marcados na sexta-feira. Eles


abriram no domingo. E nos dias que se seguiram, eles apareceram em muitos
em Jerusalém. Cristo, as primícias daqueles que dormiram são feitas, e com Ele
aqueles que ressuscitaram. Símbolo da grande ressurreição, que virá em Sua
segunda vinda. 1 Cor. 15:23. Agora, assim como os primórdios dos mortos,
também há frutos secos dos vivos. E esses são os 144,000; Primeiros frutos dos
vivos Mas essa é outra questão. Ah, sim, para minha mefascina para falar sobre
esse assunto também, os 144,000.

Bem, eu tenho mais uma festa. Para terminar. Ou eles querem que
acabemos aqui hoje na primavera, e amanhã de manhã vemos o verão, o
Pentecostes. O que acontece é que há muito de Pentecostes. Você está pronto
para sair agora? Sim? Você quer descansar bem para ouvir bem amanhã? Nós
fechamos aqui? OK, aqui está o que a maioria das pessoas diz. Estou pronto
para continuar com Pentecostes. Por sinal, não perca os detalhes interessantes
de que as primeiras frutas são oferecidas novamente no dia de Pentecostes.
Você percebeu isso? Versículo 15-17: Contar desde o dia seguinte ao sábado,
que você ofereceu o feixe da ofensiva, sete semanas serão completadas, até o dia
seguinte ao sétimo sábado, você vai contar cinquenta dias. Então você oferecerá
o novo grão a Jeová. De suas habitações, você trará os pães para uma oferta
vaga, que será dois décimos de uma efa de farinha fina, cozida com fermento,
como primícias para o Senhor. E você oferecerá com o pão sete cordeiros por
ano. Você sabe por quê? Você quer saber? Venha amanhã. Isso não é
maravilhoso? Como o plano de redenção é apresentado no santuário? Todos os
anos, isso foi celebrado. E o povo de Israel podia ver o prenúncio de todo o
plano de salvação. E o que vem é ainda mais impressionante. Você sabe que o
Pentecostes não tem tanto a ver com a recepção do Espírito Santo, como com o
que aconteceu no céu, no dia de Pentecostes? É tremendo. Tudo isso tem a ver
com a obra de Cristo. Nós sempre falamos de Pentecostes como o dia em que o
Espírito Santo caiu. Mas amanhã vou explicar, que Pentecostes lembrou de algo
também. Você sabe o que aconteceu 50 dias depois de atravessar o Jordão? Os
14 restantes, os 15 foram batizados, representam a morte, diz o apóstolo Paulo,
em 1 Cor. 10, todos foram batizados por Moisés na nuvem e no mar. No dia 16,
ressuscitaram uma nova vida ao outro lado do mar. Veja A Páscoa saiu no dia
14, 15, atravessando o mar no dia 16 e o que aconteceu 50 dias depois? A
promulgação da lei no Monte Sinai. A montanha tremia. E o que aconteceu no
dia de Pentecostes? O monte Zion tremia. E o fogo desceu do céu na montanha.
E no dia do fogo de Pentecostes desceram do céu. Oh sim, isso tem a ver com a
recepção do Espírito Santo, mas tem a ver com a santa lei de Deus. Não percam.
Porque olhe para trás em Pentecostes, e olhe também para o futuro. É
tremendo. Estes feriados têm uma enorme riqueza espiritual. Mas se você acha
que o que vimos até agora é impressionante, espere até ver o que está por vir.
Porque todo o plano de salvação, as trombetas, o grande dia da expiação e a
festa das Cabañas, todo o plano de salvação escondido no santuário. Tudo isso
nos fala sobre Jesus. Ele é o centro do santuário. E você sabe, irmãos, nenhuma
outra igreja pode explicar o que nós, adventistas, explicamos. Não há outro que
entenda isso. Só entendemos isso. Pergunte e vá para qualquer outra igreja. Oh,
eles podem ser informados de que Jesus é o Cordeiro pascal. Mas, todo esse rico
simbolismo do plano da salvação, apenas nós temos esse privilégio. E o Senhor
levantou um povo remanescente para criar e exaltar Cristo, em seu santuário
celestial. E vamos ver que isso tem a ver com a inauguração do santuário
celestial. Amanhã a veremos. Que o Senhor nos dê aquele ansioso desejo de
estudar, investigar, procurar a Sua Palavra, de modo que fortalecido na verdade
de Seu santuário, em torno do qual giram todas as outras verdades, porque o
santuário é o centro de tudo o que acontece em o céu e a terra No santuário, o
caminho de Deus está escondido. No santuário é a verdade para os nossos dias.
O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a aprender mais
sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo mais e a servir
melhor, a comer a carne e a beber o sangue do Filho de Deus, para que
tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o Senhor nos abençoe. E
vamos ver que isso tem a ver com a inauguração do santuário celestial. Amanhã
a veremos. Que o Senhor nos dê aquele ansioso desejo de estudar, investigar,
procurar a Sua Palavra, de modo que fortalecido na verdade de Seu santuário,
em torno do qual giram todas as outras verdades, porque o santuário é o centro
de tudo o que acontece em o céu e a terra No santuário, o caminho de Deus está
escondido. No santuário é a verdade para os nossos dias. O santuário é Cristo
Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a aprender mais sobre Jesus, a
conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo mais e a servir melhor, a comer
a carne e a beber o sangue do Filho de Deus, para que tenhamos vida em nós,
para a glória e honras Que o Senhor nos abençoe. E vamos ver que isso tem a
ver com a inauguração do santuário celestial. Amanhã a veremos. Que o Senhor
nos dê aquele ansioso desejo de estudar, investigar, procurar a Sua Palavra, de
modo que fortalecido na verdade de Seu santuário, em torno do qual giram
todas as outras verdades, porque o santuário é o centro de tudo o que acontece
em o céu e a terra No santuário, o caminho de Deus está escondido. No
santuário é a verdade para os nossos dias. O santuário é Cristo Jesus, nosso
Salvador. Que Ele nos ajude a aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua
obra a nosso favor, a amá-Lo mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o
sangue do Filho de Deus, para que tenhamos vida em nós, para a glória e
honras Que o Senhor nos abençoe. Amanhã a veremos. Que o Senhor nos dê
aquele ansioso desejo de estudar, investigar, procurar a Sua Palavra, de modo
que fortalecido na verdade de Seu santuário, em torno do qual giram todas as
outras verdades, porque o santuário é o centro de tudo o que acontece em o céu
e a terra No santuário, o caminho de Deus está escondido. No santuário é a
verdade para os nossos dias. O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que
Ele nos ajude a aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso
favor, a amá-Lo mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o sangue do
Filho de Deus, para que tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o
Senhor nos abençoe. Amanhã a veremos. Que o Senhor nos dê aquele ansioso
desejo de estudar, investigar, procurar a Sua Palavra, de modo que fortalecido
na verdade de Seu santuário, em torno do qual giram todas as outras verdades,
porque o santuário é o centro de tudo o que acontece em o céu e a terra No
santuário, o caminho de Deus está escondido. No santuário é a verdade para os
nossos dias. O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a
aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo
mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o sangue do Filho de Deus,
para que tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o Senhor nos
abençoe. de modo que fortalecido na verdade de Seu santuário, em torno do
qual giram todas as outras verdades, porque o santuário é o centro de tudo o
que acontece no céu e na terra. No santuário, o caminho de Deus está
escondido. No santuário é a verdade para os nossos dias. O santuário é Cristo
Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a aprender mais sobre Jesus, a
conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo mais e a servir melhor, a comer
a carne e a beber o sangue do Filho de Deus, para que tenhamos vida em nós,
para a glória e honras Que o Senhor nos abençoe. de modo que fortalecido na
verdade de Seu santuário, em torno do qual giram todas as outras verdades,
porque o santuário é o centro de tudo o que acontece no céu e na terra. No
santuário, o caminho de Deus está escondido. No santuário é a verdade para os
nossos dias. O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a
aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo
mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o sangue do Filho de Deus,
para que tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o Senhor nos
abençoe. O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a
aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo
mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o sangue do Filho de Deus,
para que tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o Senhor nos
abençoe. O santuário é Cristo Jesus, nosso Salvador. Que Ele nos ajude a
aprender mais sobre Jesus, a conhecer mais Sua obra a nosso favor, a amá-Lo
mais e a servir melhor, a comer a carne e a beber o sangue do Filho de Deus,
para que tenhamos vida em nós, para a glória e honras Que o Senhor nos
abençoe.

Jesus Cristo é o primeiro e o último. Ele é o começo e o fim. Ele é tudo.


E diz as Escrituras no livro de Efésios, no capítulo 4: 9-10 = E que subiu o que
era, mas também desceu primeiro para as partes mais baixas da Terra. E aquele
que desceu é o mesmo que também subiu acima de todos os céus, para
preenchê-lo. Jesus Cristo enche os céus do céu. Os céus dos céus não podem
conter. E também enche nossos corações esta manhã. Ao falar sobre esse plano
de salvação, no qual uma aliança havia sido feita por toda a eternidade, que o
Filho de Deus fosse descer a esta terra, ele viveria como um homem e morreria
na cruz do Calvário, para ressuscitar e ascender ao céu, e assim ser um sumo
sacerdote fiel, intercessor entre Deus e os homens. O plano de salvação é
descrito no santuário. O santuário nos fala sobre os grandes eventos que
marcaram o propósito de Deus, os grandes atos de salvação a favor da raça
humana.

E a noite passada tivemos o privilégio de estudar juntos, como no


santuário realizado todos os anos, uma representação sob a forma de um drama
vívido, que representou o grande plano da salvação. Todos os anos, começando
no deserto e continuando por mais de mil anos, o povo de Israel, repetiu e
passou pelas cenas do grande plano de salvação. No entanto, ao longo do
tempo, eles começaram, depois de tanta repetição, a perder o significado.
Pararam de ver seu simbolismo no plano da redenção. E quando Cristo veio a
esta terra, eles não reconheceram que Ele era o único de que Moisés estava
falando, de quem foi dito no santuário que Ele era a vítima que devia ser
sacrificada. Que tragédia terrível! E você sabe? Seria muito triste para nós, como
cristãos adventistas, conhecer a verdade do santuário,

no santuário. Devemos conhecer essas coisas, devemos dominá-las, esse deve


ser nosso tópico especial. O estudo do tema do santuário, diz o mensageiro do
Senhor, deve ocupar nossas mentes, nosso tempo, nossos maiores interesses.
Este deve ser o centro do nosso estudo.

Na noite passada, vimos as três primeiras festas anuais, que


representavam no plano da salvação, a morte de Cristo, o seu sepultamento e a
sua ressurreição. Jesus morreu no dia que marcou o santuário que deveria
morrer. No exato dia em que o cordeiro pascal foi morto, no exato momento em
que o cordeiro foi abatido. A Escritura nos diz, e o mensageiro do Senhor o
confirma, foi a hora do sacrifício da tarde. O cordeiro pascal foi sacrificado entre
as duas tardes. Ou seja, às três da tarde. O tempo do sacrifício. O sacerdote
tomou o cordeiro reservado para o sacrifício, colocou-o no altar. Eu estava
prestes a sacrificar. Quando de repente, a densa escuridão cobriu, não apenas a
cruz, mas também toda a cidade de Jerusalém. Obscuridade indescritível,
profunda, preta, e também inexplicável. O mensageiro do Senhor explica que
esta escuridão se espalhou por toda a terra. Não só eles se viram em Jerusalém,
mas o mundo inteiro estava coberto de escuridão. A criação, com o Criador,
consentiu em cobrir com o necrotério, a Sua morte. Nunca antes, a Terra tinha
testemunhado tal cena. A multidão paralisada, com suspiro, observou o
Salvador, enquanto aquela nuvem negra cercava a cruz e se estendia, pouco a
pouco, à sua volta. A escuridão desceu sobre toda a terra. Houve um rugido
severo como um trovão ruidoso. Houve um terremoto violento, que fez com
que as pessoas caíssem em cachos. Seguiu-se a confusão e a consternação mais
frenética. Nas montanhas circundantes, as rochas foram quebradas que caíram
com um clamor nas planícies. Tombas foram abertas. E os mortos foram
jogados de suas sepulturas. Toda a criação parecia estremecer até os próprios
átomos. Os príncipes, os soldados, os carrascos e as pessoas prostraram-se no
chão. Quando os lábios de Cristo exalaram o grande clamor, consumados, os
sacerdotes estavam oficiando no templo. Foi a hora do sacrifício da tarde. Eles
trouxeram para matar o cordeiro, que representava Cristo. Vestido com suas
túnicas significativas e bonitas, o padre estava prestes a matar o cordeiro. Ele
ergueu a faca, como Abraão, a ponto de matar seu filho. Com um intenso
interesse, as pessoas estavam assistindo. Mas naquele momento, a terra estava
coberta de uma mortalha negra. Ele estremeceu e se agitou. Com um ruído
desgarrador, o terremoto sacudiu o templo. O véu interno foi espalhado, de
cima para baixo, por uma mão invisível, que ele deixou exposto, ao olhar da
multidão, um lugar que já foi preenchido com a presença de Deus. Nesse local,
oshekináh.Ali, Deus manifestou a Sua glória, no propiciatório. Ninguém antes,
mas o sumo sacerdote, nunca levantou o véu que separou esse departamento
do resto do templo. Ali, ele entrou uma vez por ano, para fazer expiação pelos
pecados do povo, o sumo sacerdote. Mas aqui agora, o véu havia sido dividido
em duas. O Santo dos Santos do santuário terrestre já não era sagrado. Tudo era
terror e confusão. O padre estava prestes a matar a vítima, mas a faca caiu de
sua mão enervada, e o cordeiro escapou. No terremoto, o sacerdote, vendo que
a terra estava tremendo, que o templo estava se movendo, que o altar parecia
cair, que o véu tremia, com medo e terror, largou a faca de sua mão e escapou
fugindo para ver que a terra se moveu. O símbolo havia sido encontrado na
morte do Filho de Deus, na realidade que o cordeiro prefigurava. O cara
conheceu o antitipo. Tudo tinha sido cumprido. O grande sacrifício havia sido
feito. A estrada que agora conduzia ao santuário celestial estava aberta.

Isso foi a Páscoa. Jesus morreu no dia e no horário designado, exato.


Isso não era apenas um simbolismo, mas também uma profecia. E no dia em
que o pão ázimo foi comido, no próprio sábado, em que o pão ázimo foi
mudado no santuário, no mesmo sábado 15 de Nisan, enquanto o pão foi
comido pelos sacerdotes, porque cada um Sábado, o pão foi mudado e os
sacerdotes tiveram que comê-lo, mas as pessoas se juntaram aos sacerdotes ao
comer o pão, porque era o primeiro dia dos pães ázimos. Tudo se junta. Não só
o simbolismo do pão que foi mudado e comido a cada semana pelos sacerdotes,
mas também a festa anual, cai exatamente no sábado cerimonial com o sábado
anual, com o Sabbath semanal. E nesse mesmo sábado, quando o pão foi
mudado e comido pelos sacerdotes, na medida em que as pessoas no sábado de
cerimonia comiam os pães ázimos no primeiro dia dos pães ázimos, o corpo de
Cristo descansava no túmulo, selando assim a nossa redenção. Ele era o pão
vivo que desceu do céu. E o fato de que o pão era sem fermento, mostrou sua
vida perfeita sem pecado. Mas também apontou para o fato de que Seu corpo
não veria a corrupção no túmulo. E assim cumprindo o tipo com a antítese, eles
se encontram no dia exato, no qual eles apontaram a profecia. O sepultamento
de Cristo prefigurado no santuário. Mostrava Sua vida perfeita sem pecado.
Mas também apontou para o fato de que Seu corpo não veria a corrupção no
túmulo. E assim cumprindo o tipo com a antítese, eles se encontram no dia
exato, no qual eles apontaram a profecia. O sepultamento de Cristo prefigurado
no santuário. Mostrava Sua vida perfeita sem pecado. Mas também apontou
para o fato de que Seu corpo não veria a corrupção no túmulo. E assim
cumprindo o tipo com a antítese, eles se encontram no dia exato, no qual eles
apontaram a profecia. O sepultamento de Cristo prefigurado no santuário.

A terceira pessoa que vimos na noite passada foi a primeira infância.


Agora, Cristo, diz Paulo, ressuscitou dentre os mortos, primícias daqueles que
adormeceram. A ressurreição de Cristo aconteceu no dia exato em que se
celebrou a Festa dos Primeiros Frutos. No momento exato, quando o sacerdote
cortou o feixe, o Senhor Jesus ressuscitou dos mortos. O campo para cortar as
roças havia sido marcado na sexta-feira, no momento do sacrifício da tarde. E
ao mesmo tempo, o mensageiro do Senhor explica, no DTG: 704 = "Os túmulos
foram abertos, e assim foram marcados os corpos dos santos que dormiram e se
elevaram com Cristo, foram expostos. Eles foram expulsos das tumbas e
ressuscitados com Cristo, na sua ressurreição, eles fizeram parte do feixe que o
Senhor apresentou diante de Jeová, o dia da onda ". As Escrituras também
apontaram para ele em Matt. 27: 51-53 = "Eis que o véu do templo foi rasgado
em dois, de cima para baixo. A terra tremia, as rochas se separavam. Os
sepulcros foram abertos, e muitos corpos de santos que dormiram, levantaram-
se e deixaram os túmulos, depois da ressurreição dele, chegaram à cidade
sagrada e apareceram para muitos. Corpos dos santos adormecidos. Eles
ressuscitaram com Jesus. E, juntamente com ele, eles ascenderam ao céu. No
momento do sacrifício da manhã, a ressurreição do domingo, enquanto o
sacerdote balançava o feixe no altar, e isso havia perdido o seu significado, já
era uma forma oca, porque a realidade estava acontecendo no santuário
celestial. No céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no átrio. As
Escrituras também apontaram para ele em Matt. 27: 51-53 = "Eis que o véu do
templo foi rasgado em dois, de cima para baixo. A terra tremia, as rochas se
separavam. Os sepulcros foram abertos, e muitos corpos de santos que
dormiram, levantaram-se e deixaram os túmulos, depois da ressurreição dele,
chegaram à cidade sagrada e apareceram para muitos. Corpos dos santos
adormecidos. Eles ressuscitaram com Jesus. E, juntamente com ele, eles
ascenderam ao céu. No momento do sacrifício da manhã, a ressurreição do
domingo, enquanto o sacerdote balançava o feixe no altar, e isso havia perdido
o seu significado, já era uma forma oca, porque a realidade estava acontecendo
no santuário celestial. No céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no
átrio. As Escrituras também apontaram para ele em Matt. 27: 51-53 = "Eis que o
véu do templo foi rasgado em dois, de cima para baixo. A terra tremia, as
rochas se separavam. Os sepulcros foram abertos, e muitos corpos de santos
que dormiram, levantaram-se e deixaram os túmulos, depois da ressurreição
dele, chegaram à cidade sagrada e apareceram para muitos. Corpos dos santos
adormecidos. Eles ressuscitaram com Jesus. E, juntamente com ele, eles
ascenderam ao céu. No momento do sacrifício da manhã, a ressurreição do
domingo, enquanto o sacerdote balançava o feixe no altar, e isso havia perdido
o seu significado, já era uma forma oca, porque a realidade estava acontecendo
no santuário celestial. No céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no
átrio. 51-53 = "Eis que o véu do templo foi rasgado em dois, de cima para baixo.
A terra tremia, as rochas se separavam. Os sepulcros foram abertos, e muitos
corpos de santos que dormiram, levantaram-se e deixaram os túmulos, depois
da ressurreição dele, chegaram à cidade sagrada e apareceram para muitos.
Corpos dos santos adormecidos. Eles ressuscitaram com Jesus. E, juntamente
com ele, eles ascenderam ao céu. No momento do sacrifício da manhã, a
ressurreição do domingo, enquanto o sacerdote balançava o feixe no altar, e isso
havia perdido o seu significado, já era uma forma oca, porque a realidade
estava acontecendo no santuário celestial. No céu. Antes do trono de Deus, no
altar que está no átrio. 51-53 = "Eis que o véu do templo foi rasgado em dois, de
cima para baixo. A terra tremia, as rochas se separavam. Os sepulcros foram
abertos, e muitos corpos de santos que dormiram, levantaram-se e deixaram os
túmulos, depois da ressurreição dele, chegaram à cidade sagrada e apareceram
para muitos. Corpos dos santos adormecidos. Eles ressuscitaram com Jesus. E,
juntamente com ele, eles ascenderam ao céu. No momento do sacrifício da
manhã, aquele domingo de ressurreição, enquanto o padre estava balançando o
feixe no altar, e isso tinha perdido o seu significado, já era uma forma oca,
porque a realidade estava acontecendo no santuário celestial. No céu. Antes do
trono de Deus, no altar que está no átrio. e muitos corpos de santos que
dormiram, levantaram-se e deixaram os túmulos, depois da ressurreição dele,
chegaram à cidade sagrada e apareceram para muitos ". Corpos dos santos
adormecidos. Eles ressuscitaram com Jesus. E, juntamente com ele, eles
ascenderam ao céu. No momento do sacrifício da manhã, aquele domingo de
ressurreição, enquanto o padre estava balançando o feixe no altar, e isso tinha
perdido o seu significado, já era uma forma oca, porque a realidade estava
acontecendo no santuário celestial. No céu. Antes do trono de Deus, no altar
que está no átrio. e muitos corpos de santos que dormiram, levantaram-se e
deixaram os túmulos, depois da ressurreição dele, chegaram à cidade sagrada e
apareceram para muitos ". Corpos dos santos adormecidos. Eles ressuscitaram
com Jesus. E, juntamente com ele, eles ascenderam ao céu. No momento do
sacrifício da manhã, aquele domingo de ressurreição, enquanto o padre estava
balançando o feixe no altar, e isso tinha perdido o seu significado, já era uma
forma oca, porque a realidade estava acontecendo no santuário celestial. No
céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no átrio. No momento do
sacrifício da manhã, aquele domingo de ressurreição, enquanto o padre estava
balançando o feixe no altar, e isso tinha perdido o seu significado, já era uma
forma oca, porque a realidade estava acontecendo no santuário celestial. No
céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no átrio. No momento do
sacrifício da manhã, a ressurreição do domingo, enquanto o sacerdote
balançava o feixe no altar, e isso havia perdido o seu significado, já era uma
forma oca, porque a realidade estava acontecendo no santuário celestial. No
céu. Antes do trono de Deus, no altar que está no átrio.

E eu quero fazer algo muito claro agora. Quando Jesus subiu ao céu,
dia da ressurreição, lembra-se do que ele disse a Maria? Não me toque porque
ainda não subi ao Meu Pai, mas vai e diz aos meus irmãos: eis que vou para o
Pai e para o vosso Pai e para o Meu Deus e para o vosso Deus. Quando Cristo
ascendeu ao céu, para comparecer diante de Deus, receber aceitação do
sacrifício, não entrou no prédio, no templo celestial. O sacerdote ofereceu o
feixe no altar. Ele apenas entrará no Lugar Sagrado, em Sua ascensão. E é isso
que vamos estudar esta manhã. Isso deve ser claro, porque os lugares no
santuário, o tribunal, o átrio do templo, representam a obra de Cristo aqui nesta
terra até a Sua ressurreição. E no dia da ressurreição Ele voltou aqui para a
terra. Ainda não havia completado o trabalho que, por mais 40 dias, estaria aqui
nesta terra, e depois subisse ao céu. Tudo o que estava prefigurado no átrio do
templo. Sua morte, Seu sepultamento, na fonte, Sua ressurreição. E a sua
ascensão foi a entrada do Lugar Sagrado, que vamos estudar agora.

Bem, lá vimos ontem à noite. Agora vem a parte de hoje. O


Pentecostes. A Escritura nos diz, no livro de Atos 1: 3 = "Aqueles que também
após o sofrimento, isto é, Cristo depois de ter sofrido, apareceram vivos, com
muitas evidências indubitáveis, aparecendo para eles por 40 dias e falando com
eles sobre o reino de Deus". Durante esses 40 dias, Jesus abriu as Escrituras para
eles. Ele explicou tudo o que as Escrituras disseram sobre ele. Luc. 24:25
menciona uma dessas aparições de Cristo e diz: isto está no caminho de Emaús,
com esses dois discípulos, diz que ele lhes disse: Oh, tolo e lento de coração,
para acreditar em tudo o que os profetas disseram. Não era necessário que o
Cristo sofresse essas coisas e entre em Sua glória? E a partir de Moisés, e
seguindo por todos os profetas, Ele lhes disse em todas as Escrituras o que eles
disseram sobre Ele. Eles estavam na estrada. Jesus conheceu sua bíblia de cor.
Ele os citou. O que um estudo da Bíblia deve ter sido. Desejo que esses
discípulos tenham registrado o estudo da Bíblia que o Senhor Jesus lhes deu, no
caminho de Emaús.
Ele diz que ele começou com Gênesis, por meio de Moisés, e ele
passou por todas as Escrituras, através dos profetas e através dos Salmos,
através da Bíblia inteira, ele mostrou tudo o que as Escrituras disseram sobre
ele. E você percebeu isso? O versículo 27 diz: "Começando de Moisés e
seguindo todos os profetas. Não havia um único livro do Antigo Testamento
que Jesus não mencionou neste estudo da Bíblia. E alguns dizem que os estudos
bíblicos devem ser curtos. Mas Jesus começou de Gênesis a Malaquias. Para
todos os profetas. Quando os discípulos se lembram disso, ou mencionam isso,
ele diz no versículo 44: "Estas são as palavras que eu falei com você enquanto
ainda com você, que era necessário que tudo o que está escrito de Mim seja
cumprido na lei de Moisés, na profetas e nos salmos. Essas são as três divisões
da Escritura hebraica. A lei de Moisés, a Torah, os primeiros cinco livros da
Bíblia. Os profetas, os neviguins e os Salmos, os escritos. Os Salmos são o livro
principal que começa esse grupo inteiro ou a divisão do Antigo Testamento. E
ele diz que ele lhes disse, no versículo 45, ele abriu suas mentes para entender
as Escrituras. Ele abriu sua compreensão.

Quão tremendo! Jesus passou 40 dias explicando as Escrituras. Isto é o


que ele diz em Atos 1: 3 = "Aparecendo-lhes por 40 dias e falando com eles
sobre o reino de Deus. E, juntando-se, diz, ordenou-lhes que não abandonassem
Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que ele lhes contou, que
você ouviu falar de mim. Porque João batizou com água, mas você será
batizado com o Espírito Santo, nao há muitos dias. Versículo 8: "Mas você
receberá o poder quando o Espírito Santo vier sobre você e você será minha
testemunha". Você receberá o poder quando o Espírito Santo vier sobre você.
Ele disse a eles para permanecerem em Jerusalém, até o Espírito Santo chegar.

Pergunto: em que dia o Espírito Santo foi derramado? Que dia foi
derramado? O dia de Pentecostes. Agora note. O dia de Pentecostes foi
celebrado exatamente 50 dias após o sábado da semana de Pães ázimos.
Cinquenta dias depois. Dizem que você contará a partir do sábado após o feixe
de ondas das primícias, que foi celebrado naquela semana do dia dos pães
ázimos, o segundo dia da festa dos pães ázimos, foi o dia em que as primícias
foram celebradas. Ou seja, a partir desse dia, você vai contar 50 dias e depois
apresentar o novo grão de Jeová. Leviticus 23. Nós a vimos na noite passada.
Cinquenta dias depois.
Agora, quanto tempo Jesus estava aqui na Terra, depois de sua
ressurreição? Quarenta dias Quarenta e dez, fazem os cinquenta dias, até o dia
de Pentecostes. Quarenta dias ele estava aqui na Terra. Temos mais dez dias até
o dia de Pentecostes. Agora vamos estudar o que aconteceu durante esses dez
dias. Quantos sabem o que aconteceu durante esses dez dias, desde que Jesus
deixou a Terra até que enviou o Espírito Santo no dia de Pentecostes? Você sabe
o que aconteceu? Não sabem? Bem, agora vamos ver isso. Está no santuário. É
aí que você entende o que aconteceu.

Deixe-me fazer uma pergunta. O que Pentecostes significa para você?


É uma festa. Que mais? Quando você ouve a palavra Pentecostes, o que isso
lembra? O derramamento do Espírito Santo. Infelizmente, quando pensamos
em Pentecostes, só pensamos nisso. E eu digo infelizmente, porque mais
importante do que o que aconteceu aqui na Terra no dia de Pentecostes, é o que
aconteceu no céu naquele dia. E esse é o que deve ser o centro da nossa atenção.
Nossos olhos devem ser consertados em Cristo, o autor e o finalizador da fé. E
mais importante é o que aconteceu no céu com Cristo, do que aconteceu na
Terra. O que aconteceu na Terra foi apenas um sinal visível, aqui na Terra, de
algo muito maior, que aconteceu no céu. E o que aconteceu no dia do
Pentecostes no céu?

Aqui, o Espírito Santo foi derramado. Lembre-se que estas ferias


apontaram para o futuro no plano da salvação, mas também se lembraram de
um evento no passado. A Páscoa, a partida do Egito junto com os pães ázimos,
que eles trouxeram para fora do Egito. Você lembra que você deve levar a
massa? As primícias falaram da benção de Deus para a colheita. Ele lembrou
que Deus era o doador de tudo. As primeiras frutas lhe foram oferecidas. Ele
também se lembrou do cruzamento do Mar Vermelho. O início de uma nova
vida livre de seus mestres egípcios. Livre de escravidão.

Pentecostes, o que ele lembrou? O que aconteceu 50 dias após a


partida do Egito? No terceiro mês, a Escritura diz, está registrada no livro do
Êxodo 19, no terceiro mês, eles chegaram ao pé do Monte Sinai. Pentecostes
lembra a promulgação da lei. E até hoje, os judeus se lembravam de Pentecostes
lembrando quando Deus desceu no monte Sinai para proclamar a Sua santa lei.
Agora, vamos ver como o cara encontra a antítese, e vamos ver o significado de
tudo isso no plano da salvação. Vamos começar
No dia de Pentecostes, Atos 2, todos estavam unidos. Se você quiser
sublinhar um versículo sobre este tópico, sublinhe isso, aquele. Todos estavam
unidos, porque agora vamos vê-lo em profecia, que isso foi profetizado mil
anos antes. Que eles estariam juntos por unanimidade, para o dia de
Pentecostes. E também vamos estudar esse significado. De repente, um barulho
veio do céu. De onde veio? Do CEU. O que aconteceu no céu que foi ouvido na
Terra? Agora vamos ver isso, o que aconteceu. Houve um rugido alto, que veio
do céu. E reverberou aqui na Terra. Um vento forte soprava, que encheu toda a
casa onde estavam reunidos, e apareceram línguas espalhadas como fogo,
instalando-se em cada uma delas, e todos estavam cheios do Espírito Santo. A
casa foi abalada, um forte vento, línguas de fogo que desciam, tudo isso nos
lembra o Monte Sinai. A montanha que fumava, a montanha que era como o
fogo de uma fornalha sobre ela. Quando Deus desceu, o fogo desceu sobre a
montanha. A terra tremeu e um forte vento sacudiu a montanha.

Mas há mais do que isso. O que aconteceu no céu? Ele diz que os
discípulos começaram a falar em línguas, e as pessoas se aglomeravam.
Versículo 6. Quando este barulho foi feito, a multidão se juntou, e eles ficaram
confusos porque cada um os ouviu falar na própria língua. Então Pedro,
levantou-se e começou a explicar o que estava acontecendo. Verso 12. Todos
ficaram maravilhados e perplexos dizendo o outro, o que significa tudo isso? O
que significa tudo isso? Um rugido, um vento forte, línguas de fogo, e agora os
discípulos que falam em nossas línguas, não são todos galileus e ainda
Eles falam em nosso idioma as maravilhas de Deus. O que significa tudo isso?
Então Pedro, levantando-se com os onze, ergueu a voz e falou com eles,
dizendo: "Homens dos judeus e todos os que habitam em Jerusalém, sejam
conhecidos por você, e agora ouçam minhas palavras. Porque estes não estão
bebidos como você supõe, já que é a terceira hora do dia. Você acha que
mencionar em momentos específicos são circunstanciales ou têm algum
significado?

Cada palavra é inspirada por Deus. Cada detalhe da Bíblia tem seu
significado. Que horas são a terceira hora? Nove da manhã. A hora do sacrifício
da manhã. E o que estava acontecendo às nove da manhã? Bem, Peter usa duas
passagens das Escrituras para explicar o que estava acontecendo. O primeiro, o
livro de Joel, falando sobre a experiência do derramamento do Espírito Santo
aqui na Terra. Mas o segundo texto que ele usa é o Salmo 110. Não vamos
estudar esta manhã o primeiro, que tem a ver com o derramamento do Espírito
Santo, mas até a segunda parte do tema. Se você nos der o tempo esta manhã. O
que tem a ver com o derramamento do Espírito Santo nesta terra. Mas eu quero
ir primeiro à explicação de Pedro sobre o que estava acontecendo no céu. E para
explicar o que estava acontecendo, ele usa o Salmo 110. Você deve conhecer os
irmãos da Bíblia, para explicar essas coisas. Jesus usou a palavra de Deus e citou
da memória de Gênesis a Malaquias. Tudo o que os profetas disseram sobre ele.
Agora, Peter ergue-se e vai ao livro de Joel e depois chega ao livro dos Salmos,
para explicar o que está acontecendo. O povo adventista deve dominar as
Escrituras e conhecer essas coisas, a fim de dar uma razão para a fé que está em
nós. Ele diz que, em introdução antes de citar o texto, ele fala sobre Jesus, diz
ele, verso 22, homens israelitas, ouça estas palavras, Jesus de Nazaré, aprovado
por Deus entre vós com maravilhas, maravilhas e sinais que ele fez entre vocês
através dele , como vocês mesmos sabem, para isso, dado pelo conselho
determinado,

O que você está dizendo? Jesus foi entregue e morreu, mas isso estava
no plano de Deus. Isso fazia parte de todo o excelente plano que Deus tinha.
Você o agarrou, o matou pelas mãos dos ímpios e o crucificou. Mas esse era o
plano de Deus. Ao que Deus levantou as dores da morte, porque era impossível
para ele ser retido por ela. Porque Davi fala sobre ele, vi o Senhor sempre diante
de mim. Porque está na minha mão direita, não vou me mover. Por isso meu
coração se alegrou, minha língua se alegrou e até a minha carne descansará em
esperança, porque você não deixará minha alma no Hades nem permitirá que
seu Santo veja a corrupção. Você me fez conhecer os modos de vida, você me
preencherá com alegria com sua presença. Primeira citação, Salmo 16, onde ele
fala da ressurreição de Cristo. E agora vem ao golpe, onde ele explicará o que
estava acontecendo no céu. Verso 29 em diante.

Homens, irmãos, pode-se dizer livremente do patriarca Davi, que


morreu, foi sepultado e o túmulo está conosco até hoje. Alguns de vocês já
visitaram a cidade de Jerusalém? A Jerusalém terrena? Algum de vocês esteve
lá? Lá a irmã. Eu tive o privilégio de estar em quatro ocasiões diferentes lá, e eu
visitei o quarto superior. Onde o Espírito Santo foi derramado no dia de
Pentecostes, onde os discípulos estavam reunidos. O quarto superior está na
parte da cidade de Jerusalém, que é chamada de cidade de Davi. Embora toda a
cidade de Jerusalém seja chamada de cidade de Davi, de forma especial, a parte
norte foi anexada pelo rei Davi. E é chamado de Monte de Sião ou de Monte
Davi. Eu menciono esses detalhes, porque agora vamos vê-lo em profecia.
Lembre-se disso. A sala superior estava no monte de Sião. As antigas muralhas
de Jerusalém fecharam a cidade. Mas David anexou mais uma parte, outra
montanha, que estava na parte norte da cidade.

David anexou aquela parte da cidade e ordenou construir uma parede


em torno dessa parte. Esse lugar, que é chamado de cidade de Davi, é onde o
Monte de Sion é, é onde está o quarto superior, e é onde o túmulo do rei Davi
está localizado. Ele estava trancado na cidade de David. Aqui vem o
interessante. A sala superior está a menos de 100 metros do túmulo do rei
David. Quando você descer da escada da sala alta e sair na rua, a sala superior
está acima de uma sinagoga judaica. Você subiu, entre na sinagoga. Ele deve
atravessar o pátio da sinagoga, subindo as escadas até a sala alta. Ao descer e
sair da rua, à esquerda, a menos de 100 metros de distância, o túmulo do Rei
David é mantido. É uma cena impressionante para entrar lá. É um imenso
túmulo de mármore, como um grande caixão, grande, mármore. Acima tem
cortinas de veludo vermelho com a estrela de David em ouro e azul. Ele
acendeu velas. Não há luz artificial, no sentido elétrico, mas com velas, acesa
com um candelabro no topo. A sala é semi-escura, e sempre há soldados que
guardam o túmulo do rei Davi. O mármore é muito antigo. Data antes do
tempo do Senhor Jesus. E tem uma rachadura, o mármore. Foi reparado. O guia
nos explicou que essa fenda aconteceu em um terremoto, no primeiro século da
era cristã. Não sei o que isso significa. Não sei se David era um dos que
ressuscitaram ou não. Porque o túmulo está rachado. Eu só sei que os judeus
reverenciam muito esse lugar. Provavelmente David não era um daqueles que
ressuscitaram, porque o mensageiro do Senhor diz que eles eram mártires.
Quem morreu como mártir Nós a vimos ontem à noite. E o próprio apóstolo
Pedro testifica que não subiu ao céu. Então ele não deveria ser um deles. Mas,
não seria muito estranho que este terremoto quebrou esse mármore.

Agora, eu menciono esse detalhe para você, porque lembre-se, o


quarto superior tremeu, estremeceu, o Espírito Santo desceu, a multidão
empilhou-se e agora Peter se propõe a pregar na frente do apartamento na rua,
onde a multidão se reuniu e diz irmãos, você pode dizer livremente ao patriarca
David que ele morreu e foi enterrado, e seu túmulo está conosco até hoje. E eu
imagino que Peter está de pé ali e dizendo, e irmãos está o túmulo do rei Davi.
Porque da sala alta, da porta, você pode ver a entrada do túmulo do rei Davi.
Então, quando ele estava pregando, ele estava usando isso ali, apontando com a
mão dele, o lugar do sepulcro do rei Davi.

E então ele continua dizendo, mas sendo um profeta Davi, e sabendo


que, com juramento, Deus lhe jurou que, de sua prole, quanto à carne, ele
criaria o Cristo, o ungido, para se sentar no Seu trono, vendo ele antes, falou a
ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no hades, nem a sua
carne viu a corrupção. A este Jesus, e ver que agora vem o ponto forte de sua
pregação, esse é o clímax, este é o ponto que ele está tentando explicar na
pregação, este Jesus foi Deus dos mortos, do qual somos todos testemunhas
Então, o versículo 33 é o que você tem que sublinhar, então, exaltado pela mão
direita de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, ele
derramou o que você vê e ouve. O que aconteceu de acordo com Pedro, naquele
dia? Ele diz que Jesus derramou o Espírito Santo porque recebeu a promessa do
Pai, porque ele foi exaltado à direita de Deus. E agora ele vai dar o texto que
demonstra isso. Eu leio novamente o 33, tão exaltado pela mão direita de Deus e
tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, ele derramou isso que você
vê e ouve. Porque Davi não subiu ao céu, mas ele diz a si mesmo, disse o
Senhor
Para meu Senhor, sente-se à minha direita, até que eu faça seus inimigos seu
escabelo de pés. Saiba, portanto, toda a casa de Israel, que este Jesus quem você
crucificou, Deus fez o Senhor e Cristo. Isso foi o que aconteceu no céu. E foi por
isso que o Espírito Santo foi derramado. Jesus tinha sido exaltado à direita de
Deus. Ele havia sido entronizado no céu.

Agora, eu quero mencionar o Salmo 110 que David está citando. E


vamos lê-lo, porque aqui está a promessa e a explicação do que aconteceu no
céu. No Salmo 110, vamos buscá-lo, vejamos o contexto de quando o
descendente de Davi se sentaria no trono e por que ele iria estar na mão direita
de Deus. Para que? Versículo 1 do Salmo 110 = Jeová disse ao meu Senhor: este
é um salmo de Davi. Você sabe como ele diz em hebraico? Jeová disse a Adonai.
Aqui estão os dois Jeová. Um Jeová falando ao outro Jeová. Sente-se na minha
mão direita, até colocar seus inimigos no seu escabelo. Mas continue lendo.
Quando isso aconteceu e por quê? Jeová enviará de onde? De Zion, sua vara de
poder. Veja aqui a menção de Zion. Sua vara de poder dominará no meio de
seus inimigos. Seu povo irá oferecer-lhe voluntariamente no dia do seu poder.
Mas você receberá o poder quando o Espírito Santo vier sobre você. No dia do
seu poder. Na beleza da santidade. Isso é uma referência ao santuário celestial.
Na beleza da sua santidade. Do peito do amanhecer, de onde o sol nasce, você
tem o orvalho da sua juventude. O orvalho é um símbolo da chuva, o orvalho
do Espírito Santo. Vá pegar toda a imagem, porque agora vem a explicação.
Versículo 4. O Senhor Jeová jurou e não se arrependerá. Você é, que coisa?
Sacerdote para sempre de acordo com a ordem de Melquisedeque. O que
aconteceu no céu, quando Cristo foi entronizado e sentado à direita de Deus no
céu? Foi declarado o quê? Sacerdote de acordo com a ordem de Melquisedeque.
Ouça isso. E isso aconteceu no céu,

Nós vamos entrar um pouco mais dentro agora dentro dessa cena.
Porque aquela cena está prefigurada no dia de Pentecostes. Vamos ver o que
aconteceu. Vamos começar por fazer algo claro. O Espírito Santo que foi
derramado no dia de Pentecostes tem dois símbolos na Bíblia. Existem dois
símbolos que são usados para representar o Espírito Santo. Um é fogo. João
disse que eu batizo você em água, mas vem depois de mim alguém que o
batizará no Espírito Santo e no fogo. O fogo é um símbolo do Espírito Santo. E
as línguas de fogo desciam. Mas o outro símbolo do Espírito Santo na Bíblia, é o
que? Óleo. E há um terceiro símbolo que é água. Jesus mencionou esse símbolo
em João 8, quando disse: rios de água viva fluirão de você. E o que ele quis
dizer? Quando Ele disse que vocês rios de água viva fluirão. Bem, o próprio
João explica, que ele estava se referindo a isso, falando sobre o Espírito Santo
que ainda não havia chegado aos discípulos. O rio, a água, a chuva. Você
conhece esse simbolismo, porque a Bíblia nos fala sobre a chuva precoce e a
chuva atrasada. E o que representa a chuva inicial? O derramamento do
Espírito Santo no dia de Pentecostes. E o que a Late Rain representa? O
derramamento do Espírito Santo antes da colheita final. A chuva tardia é a
queima do grão para a colheita. E é isso que estamos esperando agora, para que
o grão amadureça, e a colheita pode vir. O derramamento final do Espírito
Santo na última chuva. Portanto, a chuva eo orvalho são símbolos do Espírito
Santo. Mas os três símbolos bíblicos. Claro, há a pomba e há vários outros. Estes
são os três principais. Entre esses três, no entanto, o mais proeminente para
representar o Espírito Santo é o petróleo ou o petróleo. Mais importante ainda,
na terminologia bíblica, aquela água e esse fogo, é o simbolismo do petróleo. O
óleo representa o Espírito Santo. Você se lembra das duas oliveiras no livro de
Sacarias? Que jogaram o rio do petróleo e depois explicam que é o Espírito de
Deus. Não por força ou pela força, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos
exércitos. As duas oliveiras, que substituem os candelabros, representam o
Espírito Santo. O óleo nos frascos das virgens representa o Espírito Santo. E o
óleo na unção também representa o Espírito Santo. Entre esses três, no entanto,
o mais proeminente para representar o Espírito Santo é o petróleo ou o petróleo.
Mais importante ainda, na terminologia bíblica, aquela água e esse fogo, é o
simbolismo do petróleo. O óleo representa o Espírito Santo. Você se lembra das
duas oliveiras no livro de Sacarias? Que jogaram o rio do petróleo e depois
explicam que é o Espírito de Deus. Não por força ou pela força, mas pelo meu
Espírito, diz o Senhor dos exércitos. As duas oliveiras, que substituem os
candelabros, representam o Espírito Santo. O óleo nos frascos das virgens
representa o Espírito Santo. E o óleo na unção também representa o Espírito
Santo. Entre esses três, no entanto, o mais proeminente para representar o
Espírito Santo é o petróleo ou o petróleo. Mais importante ainda, na
terminologia bíblica, aquela água e esse fogo, é o simbolismo do petróleo. O
óleo representa o Espírito Santo. Você se lembra das duas oliveiras no livro de
Sacarias? Que jogaram o rio do petróleo e depois explicam que é o Espírito de
Deus. Não por força ou pela força, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos
exércitos. As duas oliveiras, que substituem os candelabros, representam o
Espírito Santo. O óleo nos frascos das virgens representa o Espírito Santo. E o
óleo na unção também representa o Espírito Santo. na terminologia bíblica,
aquela água e aquele fogo, é o simbolismo do petróleo. O óleo representa o
Espírito Santo. Você se lembra das duas oliveiras no livro de Sacarias? Que
jogaram o rio do petróleo e depois explicam que é o Espírito de Deus. Não por
força ou pela força, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos. As duas
oliveiras, que substituem os candelabros, representam o Espírito Santo. O óleo
nos frascos das virgens representa o Espírito Santo. E o óleo na unção também
representa o Espírito Santo. na terminologia bíblica, aquela água e aquele fogo,
é o simbolismo do petróleo. O óleo representa o Espírito Santo. Você se lembra
das duas oliveiras no livro de Sacarias? Que jogaram o rio do petróleo e depois
explicam que é o Espírito de Deus. Não por força ou pela força, mas pelo meu
Espírito, diz o Senhor dos exércitos. As duas oliveiras, que substituem os
candelabros, representam o Espírito Santo. O óleo nos frascos das virgens
representa o Espírito Santo. E o óleo na unção também representa o Espírito
Santo. Não por força ou pela força, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos
exércitos. As duas oliveiras, que substituem os candelabros, representam o
Espírito Santo. O óleo nos frascos das virgens representa o Espírito Santo. E o
óleo na unção também representa o Espírito Santo. Não por força ou pela força,
mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos. As duas oliveiras, que
substituem os candelabros, representam o Espírito Santo. O óleo nos frascos das
virgens representa o Espírito Santo. E o óleo na unção também representa o
Espírito Santo.

E aqui vem o interessante. O óleo foi usado para ungir o Sumo


Sacerdote. Nós vamos buscá-lo. No livro de Êxodo 30:23, Deus instruiu Moisés
como prepararia o óleo da unção. E diz: Você tomará espécies finas, excelente
mirra, 500 ciclos; canela aromática, metade disso, 250; calamus aromático, 250;
cásia 500; de acordo com o ciclo do santuário e do azeite a ele. E você deve fazer
dele o óleo da unção sagrada. Uma pomada superior. De acordo com a arte de
um perfumista, será o óleo da unção sagrada. Com ele, ungirá o tabernáculo da
reunião, a arca do testemunho, a mesa com todos os utensílios, o candelabro
com todos os utensílios, o altar do incenso, o altar do holocausto com todos os
utensílios, a fonte e a base. Assim, você os consagrá-los e eles serão uma coisa
muito sagrada. Tudo o que o toca será santificado. Você também ungirá quem?
Para Aaron. E quem era Aaron? O sumo sacerdote E a seus filhos e você os
consagrá-los para serem meus sacerdotes. E falarás aos filhos de Israel, dizendo:
Este será o meu óleo da unção santa, pelas vossas gerações. Aquele óleo da
unção sagrada deveria ser derramado no sumo sacerdote quando ele era
ungido. O primeiro que foi ungido foi Aaron. E a partir de então, cada vez que
um sumo sacerdote morreu, porque havia muitos, que eram de acordo com a
carne, e tinham que ser substituídos pela morte, diz Paulo. Enquanto Cristo é
um, porque é conforme a ordem de Melquisedeque. Ele não morreu. E falarás
aos filhos de Israel, dizendo: Este será o meu óleo da unção santa, pelas vossas
gerações. Aquele óleo da unção sagrada deveria ser derramado no sumo
sacerdote quando ele era ungido. O primeiro que foi ungido foi Aaron. E a
partir de então, cada vez que um sumo sacerdote morreu, porque havia muitos,
que eram de acordo com a carne, e tinham que ser substituídos pela morte, diz
Paulo. Enquanto Cristo é um, porque é conforme a ordem de Melquisedeque.
Ele não morreu. E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Este será o meu óleo da
unção santa, pelas vossas gerações. Aquele óleo da unção sagrada deveria ser
derramado no sumo sacerdote quando ele era ungido. O primeiro que foi
ungido foi Aaron. E a partir de então, cada vez que um sumo sacerdote morreu,
porque havia muitos, que eram de acordo com a carne, e tinham que ser
substituídos pela morte, diz Paulo. Enquanto Cristo é um, porque é conforme a
ordem de Melquisedeque. Ele não morreu. e eles tiveram que ser substituídos
pela morte, diz Pablo. Enquanto Cristo é um, porque é conforme a ordem de
Melquisedeque. Ele não morreu. e eles tiveram que ser substituídos pela morte,
diz Pablo. Enquanto Cristo é um, porque é conforme a ordem de
Melquisedeque. Ele não morreu.

Agora, os sumos sacerdotes cada vez, antes de poderem oficiar como


sumos sacerdotes, tinham que ser ungidos com o óleo sagrado da unção. Em
Lev. 8 explica como Moisés ungiu Aaron para funcionar pela primeira vez como
sumo sacerdote. Ele diz no versículo 10: Moisés tomou o óleo da unção e ungiu
o tabernáculo e todas as coisas que estavam nele e os santificou; Ele aspergiu no
altar sete vezes; Ele ungiu o altar e todos os utensílios, a fonte e a base para
santificá-los e derramou o óleo da unção sobre a cabeça de Arão e ungiu-o para
santificá-lo. Aaron recebeu o óleo de unção na cabeça. Foi derramado. Agora
note. Somente o sumo sacerdote foi derramado óleo sobre ele. Os outros
sacerdotes, os filhos de Arão, Eles foram santificados com sangue colocados nos
lóbulos da orelha, nos dedos nos pés, e foram espalhados com óleo. Isso é um
pouco mais tarde em Lev. 8; mas apenas o sumo sacerdote foi ungido com óleo
da cabeça aos pés. Vamos ver isso escrito em um momento.

Por que eu menciono tudo isso? Porque se verifica que Jesus durante
este tempo, um tempo levou sua ascensão ao céu, mas durante oito dias que
durou a consagração dos sacerdotes, e o sumo sacerdote, no céu, celebrava a
consagração de Cristo como Sumo Sacerdote, de acordo com a ordem de
Melchisedec. Foi o que aconteceu durante esses dez dias. A primeira vez que ele
tomou sua ascensão ao céu, e os últimos oito dias foi a consagração de Cristo no
céu.

Ellen White explica isso no livro Atos dos Apóstolos, na página 31 e 32.
Ele diz: A ascensão de Cristo ao céu foi o sinal de que seus seguidores
receberiam a benção do Espírito Santo prometido. Mas eles tiveram que esperar
por isso antes de começar seu trabalho. Jesus lhes havia dito: fique em
Jerusalém até receber o poder do Espírito Santo. Quantos dias você estava
esperando por isso? Dez dias. Da ascensão até o dia de Pentecostes. E agora
olhe o que diz, quando Cristo
Entrou através dos portais celestiais entronizado no meio da adoração dos
anjos. Quando terminou a cerimônia, o Espírito Santo desceu sobre os
discípulos em abundantes fluxos e isso indicou que Cristo havia sido
glorificado com a mesma glória que teve com o Pai desde toda a eternidade.
Ellen White tem muito claro. Ela entendeu por que Deus lhe mostrou o que
aconteceu no céu. E ele diz que o que aconteceu na Terra era apenas um sinal,
um simbolismo do que aconteceu no céu com Cristo. Ele continua dizendo: o
derramamento pentecostal foi a comunicação do céu que o Redentor havia
iniciado Seu ministério celestial no Santuário. Quão tremendo! O fato de que o
Espírito Santo foi derramado na terra era um sinal de que Jesus,

Isso significa que os irmãos, bem como o santuário terrestre, depois de


terem sido construídos, antes de iniciarem o serviço, tiveram que ser
santificados, consagrados e ungidos, também o santuário celestial, antes de
iniciarem Cristo como trabalho de Sumo Sacerdote, vamos entender Bem, isso.
Enquanto o santuário terrestre ainda estava parado, o caminho para o santuário
celestial ainda não tinha sido aberto. Mas uma vez que o véu do templo estava
rasgado, agora o caminho tinha sido aberto para o trabalho começar no
santuário celestial. E agora entra Cristo, mas a primeira coisa a fazer no céu,
antes que Ele possa começar a oficiar como Sumo Sacerdote, com Seu sangue,
para perdoar os pecados, primeiro teve que vir a consagração e santificação do
santuário celestial e a consagração de Cristo como Sumo Sacerdote.

E tudo isso, no cara tinha sido oito dias. Na antítese, da mesma


maneira. Assim como as outras festas foram cumpridas no dia exato, então a
entronização de Cristo foi cumprida no tempo exato que marcou o santuário
terrestre. E você pode ver o que aconteceu. Agora, vamos ao livro de Lev. 23,
para ver o que diz sobre o dia de Pentecostes. E vamos entender um pouco
mais. Ele diz no versículo 15 em diante. Você contará desde o dia seguinte ao
sábado a partir do dia em que você ofereceu o feixe da oferta de ondas, sete
semanas serão cumpridas. Até o dia seguinte do sétimo dia de descanso, você
vai contar 50 dias. Então você oferecerá o novo grão a Jeová. O que foi feito no
dia de Pentecostes? O novo grão foi oferecido. De seus quartos você deve trazer
dois pães para oferecer uma onda, para que sejam dois décimos de efa de
farinha, cozidos com fermento, como colheres para Jeová. E oferecerás com o
pão sete cordeiros de um ano, sem defeito. Um bezerro do rebanho e dois
carneiros serão holocausto ao Senhor com a sua oferta e as suas libações,
oferenda feita pelo fogo de um doce cheiro ao Senhor. Vocês também oferecerão
um bode para oferta pelo pecado, dois cordeiros de um ano para oferta pacífica,
e o sacerdote os apresentará como uma oferta de ondas perante o Senhor, com
as primícias do pão e dois cordeiros serão sagrados para o Senhor. padre Neste
mesmo dia santo convocará uma convocação, nenhuma obra de servo que você
deve fazer, um estatuto perpétuo, onde quer que você viva, ao longo de suas
gerações. E oferecerás com o pão sete cordeiros de um ano, sem defeito. Um
bezerro do rebanho e dois carneiros serão holocausto ao Senhor com a sua
oferta e as suas libações, oferenda feita pelo fogo de um doce cheiro ao Senhor.
Vocês também oferecerão um bode para oferta pelo pecado, dois cordeiros de
um ano para oferta pacífica, e o sacerdote os apresentará como uma oferta de
ondas perante o Senhor, com as primícias do pão e dois cordeiros serão
sagrados para o Senhor. padre Neste mesmo dia santo convocará uma
convocação, nenhuma obra de servo que você deve fazer, um estatuto perpétuo,
onde quer que você viva, ao longo de suas gerações. E oferecerás com o pão sete
cordeiros de um ano, sem defeito. Um bezerro do rebanho e dois carneiros
serão holocausto ao Senhor com a sua oferta e as suas libações, oferenda feita
pelo fogo de um doce cheiro ao Senhor. Vocês também oferecerão um bode
para oferta pelo pecado, dois cordeiros de um ano para oferta pacífica, e o
sacerdote os apresentará como uma oferta de ondas perante o Senhor, com as
primícias do pão e dois cordeiros serão sagrados para o Senhor. padre Neste
mesmo dia santo convocará uma convocação, nenhuma obra de servo que você
deve fazer, um estatuto perpétuo, onde quer que você viva, ao longo de suas
gerações. Vocês também oferecerão um bode para oferta pelo pecado, dois
cordeiros de um ano para oferta pacífica, e o sacerdote os apresentará como
uma oferta de ondas perante o Senhor, com as primícias do pão e dois cordeiros
serão sagrados para o Senhor. padre Neste mesmo dia santo convocará uma
convocação, nenhuma obra de servo que você deve fazer, um estatuto perpétuo,
onde quer que você viva, ao longo de suas gerações. Vocês também oferecerão
um bode para oferta pelo pecado, dois cordeiros de um ano para oferta pacífica,
e o sacerdote os apresentará como uma oferta de ondas perante o Senhor, com
as primícias do pão e dois cordeiros serão sagrados para o Senhor. padre Neste
mesmo dia santo convocará uma convocação, nenhuma obra de servo que você
deve fazer, um estatuto perpétuo, onde quer que você viva, ao longo de suas
gerações.
No Pentecostes, uma oferta foi oferecida a Jeová, e ele ofereceu
novamente as primícias, o novo grão a Jeová. As primeiras frutas foram
oferecidas novamente. Não é o mesmo que antes, mas aqui voltei a mencionar
os primeiros frutos. Vamos ler o que aconteceu. O dia de Pentecostes, ou os dias
antes do Pentecostes no céu. No DTG: 773, o mensageiro do Senhor explica.
Ouça bem. Preste atenção à terminologia. Estou lendo o final da página 772. No
dia de Pentecostes, note, o dia de Pentecostes trouxe-lhes a plenitude da alegria
com a presença do Consolador, assim como Cristo prometeu. Todo o céu estava
esperando para receber o Salvador nas cortes celestiais. Agora ela começa a
explicar os eventos que guiarão o dia de Pentecostes. Da ascensão até o dia de
Pentecostes. Todo o céu estava esperando para receber o Salvador nas cortes
celestiais. Ao subir, numa nuvem de anjos, avançou, Cristo prosseguiu, e a
multidão de cativos libertados por ocasião da sua ressurreição o seguiu. Veja
que esta é uma entrada triunfal. Ele vem como o conquistador da morte, de ter
vencido Satanás e traz os resgatados do reino das trevas atrás de Ele em
procissão. Isso é impressionante. Imagine a cena. Todo o céu esperando. E agora
Cristo ascende e junto com Ele, aqueles que se levantaram com Ele ascender.
Isso tem uma base bíblica ou Ellen White apenas diz isso? Também está na
Bíblia. Onde? No texto que lemos há algum tempo, Efe. 4 nós lemos. Foi o texto
com o qual comecei. E subindo, Ele levou o cativeiro cativo e deu presentes aos
homens. E o que é isso que aquele que escalou talvez não é o mesmo que desceu
para as partes mais profundas da Terra? Aquele que escalou é o mesmo que
também desceu, e agora ele foi para preencher tudo. Ele enche os céus e a terra.
Isso é Efe. 4: 8-9. Escalada levou captiveiro cativo. O que é isso? As primícias!
Os cativos que ele tirou da morte, os levaram com ele para o céu.

Agora vamos continuar lendo. Para você ver, que a Bíblia estabelece o
alicerce e o Espírito de Profecia não o contradiz, mas o alarga. Os dois estão em
perfeito acordo. Todo o céu estava esperando para receber o Salvador nas cortes
celestiais. Ao subirem na nuvem dos anjos, Ele saiu. A multidão de cativos
libertados por ocasião de Sua ressurreição o seguiram. O anfitrião celestial com
aclamações de louvor e canções celestiais acompanhou a animada comitiva.
Havia uma multidão de anjos. Eu estava nessa procissão triunfante, como um
Caudillo, como um Libertador, como um General vindo do campo de batalha.
O General avança, atrás dele, os cativos que ele libertou e atrás dele vem todo o
seu exército o acompanhando, cantando as canções da vitória porque ele foi
vencedor da morte e esmagou a cabeça do diabo. E então os anjos dizem que
estão cantando. Tudo isso leva tempo. Faça a subida ao céu por pelo menos dois
dias. Porque eles vão, pelo caminho, a Bíblia diz que depois de terem
ressurgido, nas regiões celestiais ele proclamou Sua vitória. Não vou entrar
nesse tópico, mas há algo que Cristo fez entre esses dois dias, já que estamos
tocando isso, se você quiser ler isso, não vou entrar em explicá-lo, é no livro de
Colossenses no capítulo dois.

Es fascinante estudiar la vida de Cristo y todo lo que Él ha hecho. Hay


cosas de Su vida que nosotros ignoramos, pero que han sucedido, que hay que
estudiarlas, hay que conocerlas. La mayoría de la gente, usted le pregunta qué
es lo que pasó desde los cuarenta días que Cristo estuvo aquí hasta el día de
Pentecostés, y no les pueden decir. Pero en la Biblia está. Ahí en Col. 2:15 dice:
Despojando a los principados y a las potestades, los exhibió públicamente,
triunfando sobre ellos en la cruz. Los exhibió públicamente triunfando sobre
ellos en la cruz. Y ahora, pero mejor no me meto en este tema. Iba a ir al texto de
Pedro, pero voy a dejarlo por aquí. Muerto en la carne vivificado en el Espíritu
en el cual también fue y proclamó a los espíritus encarcelados. ¿OK? Pero no
voy a entrar en el tema. Mejor lo dejo por ahí, porque si no, me voy otra media
hora en eso. Pero Cristo como caudillo vencedor, pasó por las regiones celestes,
donde el diablo y sus ángeles están, como caudillo libertador, proclamando Su
victoria, y los ángeles que le acompañaban, junto con los cautivos que traía,
proclamaron Su victoria en las regiones celestes, camino al cielo, de que Satanás
estaba vencido. Eso está ahí en la Biblia. Pero vamos a dejarlo por ahí.
Continuando com a história. Ao nos aproximarmos da cidade de Deus,
a escolta dos anjos avança. Ele está na frente da porta e exige. Salmo 24. Levante
suas cabeças e levante suas portas eternas, e o Rei da glória entrará. Isso é o
Salmo 24. Felizmente, as sentinelas que guardam a porta do céu respondem: E
quem é este Rei da glória? Eles dizem isso não porque não sabem quem é, mas
porque querem ouvir a resposta do sublime. Eles pedem para ouvir a glória de
Cristo. E então eles respondem. Procure o Salmo 24, que estamos lendo a partir
daí. Salmo 24. Levante suas cabeças e levante suas portas eternas, e o Rei da
glória entrará. Versículo 8. Quem é este Rei da glória? E então, o anfitrião de
anjos responde lá fora. Jeová, o forte e corajoso. Jeová, o poderoso na batalha.
De onde vem o líder vencedor? Da batalha mais áspera e terrível que foi
travada. E ele ganhou no Monte Calvário. Levante suas cabeças, oh portas, diga
novamente e levante-se portas eternas, e o rei da glória entrará. E agora todos
os anjos que estão dentro da cidade de Deus perguntam em coro: quem é este
Rei da glória? Porque os anjos, diz o mensageiro do Senhor, nunca se cansam de
ouvir e louvar o precioso nome de Cristo. Os anjos não se cansam, eles
perguntam novamente: quem é esse Rei da glória? Os anjos da escolta e dos
redimidos respondem agora em coro: Jeová dos exércitos, Ele é o Rei da glória.
Aleluia E todo o coro de anjos,

Continue dizendo o mensageiro do Senhor. Então os portais da cidade


de Deus abrem de largura. E a multidão angélica entra por eles, no meio de
uma explosão de harmonia triunfante. Todo o céu se volta para a rua, para
receber triunfalmente o Rei da glória, que está trazendo o primeiro, os
primeiros frutos daqueles que foram redimidos e dar-lhes entrada eterna na
cidade de Deus. Há o trono. E ao redor do trono, o arco-íris da promessa. Há os
querubins, os serafins, os comandantes das hostes angélicas, os filhos de Deus e
os representantes de todos os mundos que nunca caíram, todos estão reunidos.
Não só os anjos. Os representantes do universo inteiro.

El fin de semana pasado estuve en Washington D.C. predicando a los


hermanos allí en Washington, y aprovechamos el viernes por la tarde, para ir
con mi hijo a ver el museo donde están las cosas del espacio. Mi hijo quedó
fascinado. Allí están todos los cohetes que han ido para allá, a esos lugares. A la
luna y más allá. Y luego hay una película que le presentan a uno, donde
presenta la inmensidad de lo que es el universo. Nos quedamos pasmados.
Porque la tierra no es sino un puntito dentro del sistema solar, y el sistema solar
no es sino un puntito dentro de la Vía Láctea. Y la Vía Láctea es nuestro
sistema, nuestro universo, pero hay, dicen los científicos, a simple vista no se
alcanzan a ver, pero con los telescopios más potentes, han llegado a encontrar
más de 500 universos, como la Vía Láctea. Cada uno muy grande. Y dicen que
la Vía Láctea es uno de los más pequeños. Más de 500 universos. Pero calculan,
porque los telescopios sólo llegan hasta cierto lugar, y cuanto más fuerte son,
más ven por allá. Calculan que hay, dicen ellos, más de 2.000 universos. Y todos
giran en torno a un punto focal en el cielo. La constelación de Orión. No se
pierdan el tema de mañana por la noche, donde vamos a escuchar el tema sobre
Orión.

Agora, se isso é algo tremendo. Quem vai dar? O Pr. Mario Ríos. Bem,
ele vai estar aqui amanhã à noite. Sim ou não? Sim OK Mas deixe-me voltar.
Todos esses universos, milhares deles. Imagine que cada universo tenha
milhões de milhões de estrelas. Cada universo, e milhares de universos, é tão
grande. Nós falamos sobre o universo. Mas são milhares de universos. E cada
um deles enviou seus representantes quando Cristo foi entronizado no céu.
Imagine o que é uma celebração do universo de Deus. Os seres que nunca
pecaram foram todos reunidos para receber o Caudillo vitorioso. E agora diz, o
Conselho celestial. Deus tem um Conselho no céu, no qual existem
representantes de todos os mundos criados. O Conselho celestial, antes de que
Lúcifer acusara Deus e Seu Filho, os representantes desses reinos sem pecado,
sobre os quais Satanás desejava estabelecer seu domínio, todos estão lá para
receber o Redentor. Que tremenda oportunidade! O céu está cheio. De todos os
representantes do universo que acolhem Cristo. Todos eles são impacientes
para celebrar o seu triunfo e glorificar Seu Rei. Mas, com um gesto, ele os
detém. Ainda não. Ele ainda não pode continuar a cerimônia. Há algo que ele
tem que fazer. Lev. 23. Traga a oferta de ondas. Porque chegou a hora de
apresentá-lo. Entre a presença de Seu Pai. Ele aponta sua cabeça ferida. Seu lado
percorreu. Os pés dele ficaram lacerados. Levante as mãos que dão a marca das
unhas, presente os troféus do seu triunfo, ofereça a Deus o feijoeiro das
primícias, aqueles que ressuscitaram com ele como representantes da grande
multidão que sairão do túmulo na ocasião da segunda vinda. Você percebe que
agora você menciona os primeiros frutos novamente? Em Lev. 23 é
mencionado. Na festa das primícias e na festa de Pentecostes. O cara encontra a
antítese. As primícias foram apresentadas no dia de Pentecostes, como vimos
ontem à noite, o dia das Primícias, e agora elas são apresentadas novamente,
desta vez para receber a entrada eterna na cidade de Deus.

E então ele diz: ele se aproxima do Pai, diante de quem há alegria por
um único pecador que se arrepende. Antes que os fundamentos da terra fossem
colocados, ouça bem isso, o Pai e o Filho se entregaram uma mão para fazer
uma aliança para redimir o homem no caso de ele ter sido dominado por
Satanás. Ele fez uma aliança antes mesmo de criar a Terra. Eles uniram suas
mãos em um compromisso solene. Que Cristo seria o garante da espécie
humana. Cristo cumpriu esse compromisso. Quando, na cruz, ele exclamou
consumado, ele dirigiu-se ao Pai, quando ele diz que ele terminou. A aliança foi
totalmente realizada. Agora declara. Pai, consumado é. Eu fiz Sua vontade, meu
Deus. Completizei o trabalho de redenção. Se a sua justiça estiver satisfeita,
aquelas que você me deu, Eu quero isso onde também estou comigo. Eles têm o
direito de ficar aqui comigo ou não? Então a voz de Deus é ouvida. Como será a
voz de Deus? De Deus, o Pai. Será baixo? Ou será um tenor? Você sabe que a
Bíblia diz que Deus, o Pai, também canta? Quando vou ao céu, quero ouvir
Deus dirigindo nas canções dos anjos. Imagino que ele terá uma voz de baixo.
Não sei. A Bíblia não diz. Mas ele diz, a voz de Deus foi ouvida, proclamando
que a justiça está satisfeita. Satanás é derrotado. Os filhos de Cristo que
trabalham e lutam na terra são aceitos no amado. Na frente dos anjos celestiais e
os representantes dos mundos que não caíram, eles são declarados justificados.
Lembre-se Nas primeiras primícias, Cristo os apresenta diante do Pai. Mas
agora, A ocasião é um Conselho de todo o universo. E agora eles devem ser
aceitos antes de todo o Conselho antes dos quais Satanás acusou Deus e Seu
Filho. Agora o Conselho determina a justiça de Deus. Primeiro de tudo, o
universo. Por quê? Porque agora estamos falando na terminologia do santuário.
E o santuário é o lugar onde Deus manifesta Sua justiça para todo o universo.
Na frente dos anjos celestiais e os representantes dos mundos que não caíram,
eles são declarados justificados. Onde Ele está, aí estará Sua Igreja. A
misericórdia e a verdade se encontraram, a justiça e a paz foram beijadas. Por
quê? Porque agora estamos falando na terminologia do santuário. E o santuário
é o lugar onde Deus manifesta Sua justiça para todo o universo. Na frente dos
anjos celestiais e os representantes dos mundos que não caíram, eles são
declarados justificados. Onde Ele está, aí estará Sua Igreja. A misericórdia e a
verdade se encontraram, a justiça e a paz foram beijadas. Por quê? Porque agora
estamos falando na terminologia do santuário. E o santuário é o lugar onde
Deus manifesta Sua justiça para todo o universo. Na frente dos anjos celestiais e
os representantes dos mundos que não caíram, eles são declarados justificados.
Onde Ele está, aí estará Sua Igreja. A misericórdia e a verdade se encontraram, a
justiça e a paz foram beijadas.

E agora, ele diz, os braços do Pai cercam Seu Filho, e eles se


confundem em um profundo abraço. A ordem é dada, adorar todos os anjos do
céu. E aqui a celebração começa. O tempo se foi. Mas é bom conversar sobre
Cristo, certo? Se os anjos não se cansam de proclamar o nome dele, quanto mais
seres mortais.

Então vem a entronização de Cristo, a consagração do Santuário e do


Sumo Sacerdote. Ellen White descreve a cena. Não vamos lê-lo, mas você pode
lê-lo diretamente na Bíblia, no tipo. Em Leviticus 8. Ele diz, no versículo 1, que
o Senhor falou a Moisés dizendo: Levar a Arão e seus filhos com ele, e as vestes,
o óleo da unção, o touro da oferta pelo pecado, os dois carneiros e as cestas do
Pão ázimo, reunir toda a congregação, à porta do tabernáculo. Veja o quão
interessante. Para a consagração de Arão, toda a congregação se reúne. Para a
consagração de Cristo no céu, toda a congregação de todos os universos que
Deus criou, encontra-se à porta do Tabernáculo. Antes de Ele entrar. Moisés fez
conforme o Senhor lhe ordenou. E juntou toda a congregação à porta do
tabernáculo da reunião. Irmãos, ao lerem isso, agora movem a cena para o
santuário celestial. Pense que isso é apenas em miniatura, do que aconteceu lá
no céu. Aquele santuário que Deus criou e não homem. A cena é muito mais
gloriosa. E Moisés disse à congregação. Isto é o que Jeová ordenou. Então
Moisés fez chegar a Aarão. Ele lavou com água. Cristo é abordado antes de Seu
Pai. Não precisa ser lavado com água, porque já passou por Seu batismo. Ele
colocou a túnica sobre ele. Ellen White descreve a cena quando Deus, o Pai, vê o
Filho com as roupas do Sumo Sacerdote diante de toda a congregação do céu.
Parte por parte está colocando suas roupas. Ele colocou o manto branco. Finge-
o com o cinto dele. Então ele colocou o manto sobre ela. Coloque o éfode no
topo. Cinge o cinto do éfode e ajuste-o sobre ele. Então ele coloca o peitoral. E
em cima disso, o Urim e o Tumin. Então ele colocou a mitra na cabeça e na
mitra na testa, uma folha de ouro, o diadema sagrado, como o Senhor havia
ordenado.

Cristo se viste para la escena. Y luego toma Moisés el aceite de la


unción y unge el tabernáculo y todas las cosas que están en él, y las santifica. Y
rocía sobre el altar siete veces, unge el altar y todos sus utensilios, las fuentes, su
base, para santificarlo. Primero viene la consagración del santuario, y luego la
consagración del sumo sacerdote. ¿Se acuerdan, cuando Elena de White
describe en el Conflicto cuando a Cristo se le quitan las vestiduras de Sumo
Sacerdote, y se le ponen las vestiduras de Rey? ¿Cuándo va a ser eso? ¿Cuándo
va a tener un cambio de vestiduras Jesús? Cuando se cierre el tiempo de gracia.
Cuando declare otra vez consumado es. Esa palabra consumado es se repite
mucho, y cada vez que se dice consumado, es porque termina una parte de la
obra de la redención. Consumado es en la cruz. Consumado es en la
resurrección. Cuando ascendió al cielo, en las Primicias. Consumado es en el
Pentecostés, lo vuelve a repetir. Consumado es, y lo vamos a ver aquí esta
tarde, en el día de expiación. Y cuando termina el día de expiación, cuando sale
del santuario, vuelve a decir consumado es, y allí se le quitan las vestiduras de
Sumo Sacerdote y se le colocan las vestiduras reales.

Agora, o Sumo Sacerdote foi ungido. Mas na Bíblia, encontramos que,


além do Sumo Sacerdote, ele também se ungiu, apenas três tipos de pessoas
foram ungidas com o petróleo no Antigo Testamento. Você pode me dizer
quem foram os três que foram ungidos com óleo? Os reis, o sumo sacerdote e os
profetas. O óleo estava derramado em sua cabeça. Reis, sumo sacerdote e
profetas. Os três títulos de Cristo. Profeta, Sumo Sacerdote e Rei.
Eu não tenho o tempo neste momento para entrar para mostrar o
significado disso. Mas Cristo é ungido três vezes. Ele foi ungido no momento de
Seu batismo. O que foi ungido no momento de Seu batismo? Como um Profeta.
Disse Moisés: um profeta se levantará no meio de seus irmãos, para Ele, você
ouvirá. Conhecemos essa profecia, a das setenta semanas. Desde o início da
ordem para restaurar e construir Jerusalém, para que? O Messias E o que
significa Messias? Ungido Até o Ungido, haverá sete semanas e sessenta e duas
semanas, e depois disso o Messias será levado. Para o Ungido Eles sabem que
Jesus foi ungido em Sua primeira função. Isso representa, escute bem,
representa as três fases de Seu ministério. No átrio do templo, ele representa
Seu ministério na Terra. O Lugar Santo representa o Seu ministério no Lugar
Sagrado do santuário celestial. Da ascensão ao dia da expiação. E o Lugar
Santíssimo representa o Seu ministério desde 1844 até o fim. Agora, o que
aconteceu no átrio, o que estava acontecendo no átrio, representa o que Cristo
fez aqui nesta terra. Então, o resto acontece no santuário celestial. Cristo foi
ungido como profeta. E tome algo em consideração ao falar sobre profetas. Eu
poderia te dar os textos. Se alguém quiser anotá-los. Luc. 1:76 quando Cristo
nasceu, ele diz que ele será chamado de Profeta do Altíssimo. Há também Luc.
24:19; João 6:14; João 7:40; Atos 3:22. Tudo isso nos mostra que Cristo veio aqui
como um Profeta e foi ungido como Profeta. Por sinal, um texto muito
interessante está no livro de Hebreus 1: 1. Diz: Tendo falado muitas vezes e de
muitas maneiras, em outro momento para os pais, para os pais para os profetas,
nos últimos dias nos falou através do Filho. O Filho veio para falar como Ele
falou antes pelos profetas. Ele veio para cumprir o escritório profético aqui
nesta terra. A quem Ele foi o herdeiro de todos e para quem Ele fez o universo,
que, sendo o brilho da Sua glória, e a própria imagem de Sua substância, e que
sustenta todas as coisas, pela palavra de Seu poder, tendo efetuado a
purificação dos nossos pecados através de si mesmo, sentou-se à direita da
Majestade no alto. Primeiro, ele morreu para sentar-se à direita de Deus, no dia
de Pentecostes. O Filho veio para falar como Ele falou antes pelos profetas. Ele
veio para cumprir o escritório profético aqui nesta terra. A quem Ele foi o
herdeiro de todos e para quem Ele fez o universo, que, sendo o brilho da Sua
glória, e a própria imagem de Sua substância, e que sustenta todas as coisas,
pela palavra de Seu poder, tendo efetuado a purificação dos nossos pecados
através de si mesmo, sentou-se à direita da Majestade no alto. Primeiro, ele
morreu para sentar-se à direita de Deus, no dia de Pentecostes. O Filho veio
para falar como Ele falou antes pelos profetas. Ele veio para cumprir o escritório
profético aqui nesta terra. A quem Ele foi o herdeiro de todos e para quem Ele
fez o universo, que, sendo o brilho da Sua glória, e a própria imagem de Sua
substância, e que sustenta todas as coisas, pela palavra de Seu poder, tendo
efetuado a purificação dos nossos pecados através de si mesmo, sentou-se à
direita da Majestade no alto. Primeiro, ele morreu para sentar-se à direita de
Deus, no dia de Pentecostes. e aquele que sustenta todas as coisas, com a
palavra de seu poder, tendo efetuado a purificação de nossos pecados através
de si mesmo, sentou-se à direita da Majestade no alto. Primeiro, ele morreu
para sentar-se à direita de Deus, no dia de Pentecostes. e aquele que sustenta
todas as coisas, com a palavra de seu poder, tendo efetuado a purificação de
nossos pecados através de si mesmo, sentou-se à direita da Majestade no alto.
Primeiro, ele morreu para sentar-se à direita de Deus, no dia de Pentecostes.

Agora, vou mencionar algo interessante. Qual é o ponto focal do


trabalho de Cristo aqui na Terra? Diga isso Você sabe disso. O que veio aqui?
Ele morreu. O Filho do homem veio dar a Sua vida como um resgate, para dar a
Sua vida em expiação. Ele morreu. Mas ele foi ungido como um Profeta. Eu
desafio você a olhar para a Bíblia e ver qual dos profetas não foi morto pelo
povo de Deus. Leia Atos 7:52 = Qual dos profetas seus pais não perseguiram?
Qual dos profetas não foi perseguido? Todos E mataram aqueles que
anunciaram antecipadamente a vinda do Just One de quem você já foi traidor e
assassino. Todos os profetas foram perseguidos e aqueles que anunciaram a
vinda de Cristo foram mortos. Quão tremendo! Cristo disse: Jerusalém,
Jerusalém, para matar os profetas e perseguir aqueles que são enviados para
você. Você mata os profetas. Por que eu menciono isso para você? Porque a
unção de Cristo como Profeta prefigurava a Sua morte. Os profetas eram
aqueles que foram mortos. Os profetas eram aqueles que eram perseguidos. E
Cristo nesta terra veio como um profeta. Seu ministério girava em torno do
título de profeta, porque o profeta anunciava a morte. Ao subir ao céu, veja que
há três que foram ungidos. Profeta, sumo sacerdote e rei. A segunda unção de
Cristo tem a ver com o seu Sumo Sacerdote. Agora ele começa a ministrar no
santuário celestial. E a terceira coroação de Cristo deve ver como Rei. Por que
eu menciono isso para você? Porque a unção de Cristo como Profeta
prefigurava a Sua morte. Os profetas eram aqueles que foram mortos. Os
profetas eram aqueles que eram perseguidos. E Cristo nesta terra veio como um
profeta. Seu ministério girava em torno do título de profeta, porque o profeta
anunciava a morte. Ao subir ao céu, veja que há três que foram ungidos.
Profeta, sumo sacerdote e rei. A segunda unção de Cristo tem a ver com o seu
Sumo Sacerdote. Agora ele começa a ministrar no santuário celestial. E a
terceira coroação de Cristo deve ver como Rei. Por que eu menciono isso para
você? Porque a unção de Cristo como Profeta prefigurava a Sua morte. Os
profetas eram aqueles que foram mortos. Os profetas eram aqueles que eram
perseguidos. E Cristo nesta terra veio como um profeta. Seu ministério girava
em torno do título de profeta, porque o profeta anunciava a morte. Ao subir ao
céu, veja que há três que foram ungidos. Profeta, sumo sacerdote e rei. A
segunda unção de Cristo tem a ver com o seu Sumo Sacerdote. Agora ele
começa a ministrar no santuário celestial. E a terceira coroação de Cristo deve
ver como Rei. Ao subir ao céu, veja que há três que foram ungidos. Profeta,
sumo sacerdote e rei. A segunda unção de Cristo tem a ver com o seu Sumo
Sacerdote. Agora ele começa a ministrar no santuário celestial. E a terceira
coroação de Cristo deve ver como Rei. Ao subir ao céu, veja que há três que
foram ungidos. Profeta, sumo sacerdote e rei. A segunda unção de Cristo tem a
ver com o seu Sumo Sacerdote. Agora ele começa a ministrar no santuário
celestial. E a terceira coroação de Cristo deve ver como Rei.

Agora, eu quero explicar algo. Cristo sempre foi um profeta. Ele


sempre foi Sumo Sacerdote, e ele sempre será o Rei. Ou seja, não é que, ao
mesmo tempo, ele era sumo sacerdote, mas ele não era rei, e em outro ele era
um profeta, mas ele não era rei e sumo sacerdote.
De toda a eternidade, ele é o Mediador entre Deus e os homens, e, portanto, ele
é Sumo Sacerdote. De toda a eternidade, ele é rei, porque ele é o Filho do Rei.
Ele nunca se tornou um rei, ele sempre foi rei. E desde a eternidade ele é um
Profeta. Ele é quem falou através dos profetas. Foi o Espírito de Cristo que
estava neles, que anunciou antecipadamente os sofrimentos de Cristo e as
glórias que viriam atrás dele. Então, os três escritórios são de Cristo sempre.
Mas no plano da salvação, primeiro venha como Profeta, então como Sumo
Sacerdote, e depois como Rei. No partido das Cabanas ou dos Tabernáculos.
Vamos vê-la esta tarde.

Retornando à unção de Cristo. O que aconteceu no céu. Nós vamos vê-


lo agora em profecia. Onde você se imagina? No Salmo 133. E você vê o quão
interessante. Este é um salmo muito interessante. Também é David. E tem
apenas três versos. Mas é um salmo carregado de simbolismo, para o dia de
Pentecostes. Diz: olha o quão bom e quão delicioso é viver juntos os irmãos em
harmonia. Você lembra que eu disse para você lembrar de Atos 2: 1? O que ele
disse lá? Quando chegou o dia de Pentecostes, todos os discípulos foram
unidos. Veja como é bom e quão delicioso é viver junto com os irmãos. É isso
que a palavra significa em harmonia. O mensageiro do Senhor diz, no que diz
respeito ao Pentecostes, no livro Atos dos Apóstolos, Enquanto os discípulos
aguardavam o cumprimento da promessa, eles humilharam seus corações com
verdadeiro arrependimento e confessaram sua incredulidade. Rezaram com
fervor intenso. Eles deixaram de lado suas diferenças, reservaram todo o desejo
de supremacia, juntaram-se a uma estreita irmandade cristã. Eles se
aproximaram de Deus e do outro. Eles foram unânimes juntos.

Irmãos, se quisermos receber o Espírito Santo, deve haver perfeita


harmonia. Unidade Não esperemos que a Late Rain seja derramada, desde que
a experiência da Early Rain não se repita entre nós. Temos que deixar de lado
todas as desarmonias. Todo o espírito de supremacia. Os ciúmes. Enquanto
houver ciúmes e invejas entre o povo de Deus, tanto entre os líderes quanto
entre a irmandade. Enquanto houver diferenças entre nós, não esperamos que a
promessa do Espírito Santo seja cumprida entre nós.

Veja como é bom e quão delicioso é viver juntos os irmãos em


harmonia. E veja o seguinte. Versículo 2 do Salmo 133: é como bom óleo. O que
é o petróleo? Óleo Abra seus olhos, porque aqui vem toda a terminologia da
unção. É como um bom óleo na cabeça. Isso desce na barba. De quem é a barba?
Ah, aqui está Aaron. E quem é Aaron? O Sumo Sacerdote. E quando o bom óleo
cai na cabeça, ele goteia a barba e vai para a borda de suas roupas? Quando? Na
sua unção. Diz em Lev. 8 E ele derramou o óleo na cabeça, e diz aqui, que ele
deixou escorrer a barba, e continue lendo, e desce até a borda de suas roupas.

Ahora, imagínense la escena en el cielo hermanos. Cristo es ungido


con el Espíritu Santo. Está vestido con las ropas del Sumo Sacerdote, y vean el
detalle de Hechos capítulo 2. No pierdan el Salmo 133, porque ahora volvemos
al versículo 3, pero vean el detalle de Hechos 2:33. Dice: Así que exaltado por la
diestra de Dios, y habiendo recibido del Padre la promesa del Espíritu Santo, ha
derramado esto que vosotros véis y oís. Habiendo recibido del Padre la
promesa del Espíritu Santo. ¿Quién recibió el Espíritu Santo primero? Cristo. Él
recibió del Padre la promesa. Y Él ahora derrama sobre Sus hijos el Espíritu
Santo, porque Él lo recibió primero de Su Padre. Esto es símbolo del ungimiento
de Cristo como Sumo Sacerdote. Y Pedro lo dice allí mismo. Versículo 34.
Porque David no subió a los cielos, pero él dijo, dijo el Señor a mi Señor,
sientate a mi diestra. Tu eres sacerdote según el orden de Melquisedec. Todo
está relacionado.

Voltando ao Salmo 133. É como bom óleo, na cabeça, que desce sobre a
barba, a barba de Aarão, e desce até a borda suas roupas. Que bonito! Quando
Cristo recebeu do Pai a promessa do Espírito Santo, o Espírito Santo desceu
sobre Cristo para o ungir como Sumo Sacerdote. E o Espírito Santo encheu o
santuário da glória ao ungê-lo. Para iniciar o ministério de Cristo. Essa foi a
inauguração do santuário celestial. Quando o Espírito Santo, sob a forma de
óleo, foi derramado em Cristo, derramou o óleo, abundante, na barba dele. E
havia tanto óleo, que era até a borda das roupas. Era tanto o Espírito Santo, que
foi derramado em Cristo no dia de Pentecostes, que brotou para o chão e caiu
na forma de línguas de fogo sobre os discípulos. Mas o Espírito Santo não foi
enviado para eles sozinhos. Foi a promessa que Cristo recebeu do Pai, e Ele
serviu sobre os Seus discípulos. Tanto o petróleo que foi jogado sobre a cabeça,
que brotou até a borda das roupas, e foi rebatido, caiu até a terra, unindo os
apóstolos com o Espírito Santo.

Vamos colocar aqui no quadro, entronização de Cristo. Entonamento


O dia de Pentecostes representa a sua unção, no santuário celestial, para iniciar
o plano da salvação. E você diz que começar o plano da salvação? Este não foi
iniciado desde a eternidade? Sim, mas agora o santuário celestial é posto em
prática e a salvação é oferecida, não através de um santuário terrestre, mas
através do santuário celestial. Acabamos de lê-lo lá, em Atos dos Apóstolos,
página 32. O derramamento pentecostal foi a comunicação do céu que o
Redentor havia começado Seu ministério celestial, como Sumo Sacerdote, no
santuário do céu. É isso que o derramamento do Espirito Santo.

Versículo 3 do Salmo 133: Como o orvalho do Monte Hermão. Óleo,


símbolo do Espírito Santo. Rocío, símbolo do Espírito Santo. A chuva, o
orvalho, a neve, tudo o que é um símbolo do Espírito Santo. Como o orvalho de
Hermon, que desce, em que irmãos? Ah, sobre as montanhas de Sião. E onde
estavam os discípulos reunidos? No Monte Zion. Do quarto superior. E quando
Cristo foi ungido no céu, o orvalho, porque lá em cima havia um tremendo jato,
mas o orvalho desceu. As gotas do Espírito Santo, que foram lançadas e
derramadas sobre Cristo no céu, caíram em línguas de fogo no monte Sião.
Porque lá, Jeová envia bênção e vida eterna. Que lindo é esse salmo! Certo?
Agora mesmo, esse salmo vai ter um significado especial para você? Nunca
mais será um Salmo simplesmente da harmonia dos irmãos. Quem é o centro
da Bíblia? Cristo E quando você lê as Escrituras, fazendo Jesus o centro, tudo
assume um significado especial. Aqui ele está falando da entronização de Cristo
no santuário celestial como Sumo Sacerdote. Que bonito! Jesus agora começa a
oficiar como Sumo Sacerdote. Toda essa cerimônia, diz Lev. 8, dura oito dias. A
inauguração do santuário. A coroação de Cristo. A entronização de Cristo na
mão direita de Deus. E vestido como Sumo Sacerdote. A unção como Sumo
Sacerdote. tudo assume um significado especial. Aqui ele está falando da
entronização de Cristo no santuário celestial como Sumo Sacerdote. Que bonito!
Jesus agora começa a oficiar como Sumo Sacerdote. Toda essa cerimônia, diz
Lev. 8, dura oito dias. A inauguração do santuário. A coroação de Cristo. A
entronização de Cristo na mão direita de Deus. E vestido como Sumo Sacerdote.
A unção como Sumo Sacerdote. tudo assume um significado especial. Aqui ele
está falando da entronização de Cristo no santuário celestial como Sumo
Sacerdote. Que bonito! Jesus agora começa a oficiar como Sumo Sacerdote.
Toda essa cerimônia, diz Lev. 8, dura oito dias. A inauguração do santuário. A
coroação de Cristo. A entronização de Cristo na mão direita de Deus. E vestido
como Sumo Sacerdote. A unção como Sumo Sacerdote.
E qual é a primeira coisa que o Sumo Sacerdote faz quando ele começa
seu ministério lá? Pois no dia de Pentecostes, não foi oferecido um cordeiro,
como no dia das primícias, mas sete cordeiros. Por que sete cordeiros? Porque
resulta que no dia das Primícias, um cordeiro é oferecido porque Cristo no céu
se oferece diante do Pai, como Cordeiro. Você se lembra do que vimos ontem à
noite quando apareceu o dia da Sua ressurreição e Ele disse: Pai, minhas mãos,
meus pés, meu lado? Isso é o Cordeiro oferecido antes de Deus, no dia dos
Primeiros Frutos. Mas no dia de Pentecostes há sete. E o número sete representa
plenitude, perfeição. Para cada dia um cordeiro.

Mas ouça bem. No dia de Pentecostes, quando Pedro pregava o


sermão e explicou o que aconteceu, quantas almas aceitaram o chamado de
Pedro e entregaram suas vidas a Deus através do batismo? Quantos? Mais de
3.000 foram batizados. Que abertura para o santuário celestial! Cristo agora
oferece os méritos de Sua morte expiatória na cruz. Oferecendo Seu sangue e
fazendo expiação pelo pecado. Porque a expiação não é feita na terra, mas no
céu. A vítima se sacrifica no altar, mas o sangue vai para onde? Dentro do
santuário para esfregá-lo na frente do véu, no Lugar Sagrado. Então, Cristo
agora, em virtude do Seu sacrifício, oferece o Seu sangue para resgatar mais de
3.000. É por isso que existem sete cordeiros. Os sete cordeiros representam o
número perfeito, a plenitude do sacrifício de Cristo. E uma vez que havia 3.000,
ao contrário, talvez não saibamos quantos eram a multidão daqueles oferecidos
no dia das Primícias. Mas aqui, os primeiros frutos da colheita na terra, e os do
Pentecostes representam os primeiros frutos dos vivos. Aqueles que
ressuscitaram com Cristo são os primeiros frutos dos mortos. Pentecostes são os
primeiros frutos dos vivos. Você está vendo o relacionamento agora? No dia
das primícias, a primeira infância é oferecida porque Cristo é primícias
daqueles que adormeceram. E com Ele os santos que ressuscitaram. Mas no dia
de Pentecostes é oferecido o novo grão da colheita. E o novo grão são os 3.000
novos conversos no dia de Pentecostes. Eles são trazidos diante do trono de
Deus e Cristo intercede por eles e seus pecados são transferidos para o
santuário. Eles confessam o pecado de ter crucificado o Filho de Deus, eles se
arrependeram, Pedro disse a eles, arrepender-se e ser batizado cada um de
vocês em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos pecados e você receberá o
que? O Espírito Santo Quão tremendo. Tudo está relacionado. É um pacote
completo no dia de Pentecostes.

Perdoe o que eu vou dizer. Mas pobres irmãos que se chamam


Pentecostais. E eles dizem que tudo o que aconteceu no dia de Pentecostes está
falando em línguas. Que pouco! Pobre pessoas, certo? Não estou falando mal
com eles. Eles adoram o Senhor da maneira que eles entendem. Mas o quão
grande, quanto mais maravilhoso e glorioso é a mensagem adventista. Porque
não só nos concentramos em um pouco do que aconteceu no Pentecostes, que
falava em línguas, que os discípulos falavam em línguas. Mas isso é o mínimo
que aconteceu. O maior, o mais glorioso, o mais majestoso foi o que aconteceu
no céu. O que Cristo fez por nós no céu, a grande coroação de Cristo, quando
Ele começou Seu ministério como Sumo Sacerdote.

Então, para nós, o Pentecostes tem um significado muito mais especial.


Mas deixe-me dizer-lhe outra coisa. E o tempo se foi. Vou fechar. Mas agora
veio a segunda parte. Não vou dar mais nada. A segunda parte foi a recepção
do Espírito Santo em relação à promulgação da lei no Monte Sinai. Porque
lembre-se que Pentecostes olhou para o futuro, mas também olhou para o
passado. E no dia de Pentecostes, a lei foi promulgada. Se você quiser lembrar
um pouco, a última vez que eu estava nesta igreja, e preguei neste mesmo
púlpito, dei o assunto sobre o Espírito Santo e a obra do Espírito Santo na
selagem. E eu expliquei que quem escreveu os Dez Mandamentos no Monte
Sinai? Quem foi? O dedo de Deus. E qual é o dedo de Deus? E qual é o trabalho
do Espírito Santo? Escreva a lei em nossos corações. Em Hebreus capítulo dez.
Então tudo está unido. No dia de Pentecostes, Cristo entra no santuário
celestial, onde é a santa lei de Deus. Mande o Espírito Santo e a obra do Espírito
Santo é escrever Sua santa lei em nossos corações. No Pentecostes, a lei é
promulgada como norma de vida. No dia da expiação, a lei é a norma do
julgamento. Nas duas partes é a lei. Aqui, o Espírito Santo escreve, não em
tabletes de pedra, mas em comprimidos de carne, de coração. E o trabalho de
Cristo, durante o tempo, desde o dia de Pentecostes, até o dia da Expiação, isso
nos fala da era cristã, desde o ano 31 até o ano de 1844, durante todo esse
tempo, a obra de Cristo estava em o Lugar sagrado, intercedendo por nós,
oferecendo o sacrifício diário, contínuo. Claro, houve um tempo em que o
pequeno chifre tirou o sacrifício contínuo e colocou a abominação da desolação.
Ele removeu Cristo do seu lugar e colocou um sacrifício aqui na terra,
removendo o sacrifício no céu. Mas durante toda a era cristã, Cristo está
oferecendo no Lugar Santo a virtude do Seu sacrifício no serviço diário. Mas
então vem o serviço anual, o Dia da Expiação. E, a partir de agora, Cristo entra
no Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento. Ao longo da era
cristã, o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as pessoas ao
arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas vidas o
princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória. oferecendo o
sacrifício diário, contínuo. Claro, houve um tempo em que o pequeno chifre
tirou o sacrifício contínuo e colocou a abominação da desolação. Ele removeu
Cristo do seu lugar e colocou um sacrifício aqui na terra, removendo o sacrifício
no céu. Mas durante toda a era cristã, Cristo está oferecendo no Lugar Santo a
virtude do Seu sacrifício no serviço diário. Mas então vem o serviço anual, o Dia
da Expiação. E, a partir de agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar
o trabalho do julgamento. Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona,
enviado por Cristo, levando as pessoas ao arrependimento e à confissão de
pecados, e implantando em suas vidas o princípio da vida que é Cristo em nós,
a esperança da glória. oferecendo o sacrifício diário, contínuo. Claro, houve um
tempo em que o pequeno chifre tirou o sacrifício contínuo e colocou a
abominação da desolação. Ele removeu Cristo do seu lugar e colocou um
sacrifício aqui na terra, removendo o sacrifício no céu. Mas durante toda a era
cristã, Cristo está oferecendo no Lugar Santo a virtude do Seu sacrifício no
serviço diário. Mas então vem o serviço anual, o Dia da Expiação. E, a partir de
agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento.
Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as
pessoas ao arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas
vidas o princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória. Houve um
momento em que o pequeno chifre tirou o sacrifício contínuo e colocou a
abominação da desolação. Ele removeu Cristo do seu lugar e colocou um
sacrifício aqui na terra, removendo o sacrifício no céu. Mas durante toda a era
cristã, Cristo está oferecendo no Lugar Santo a virtude do Seu sacrifício no
serviço diário. Mas então vem o serviço anual, o Dia da Expiação. E, a partir de
agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento.
Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as
pessoas ao arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas
vidas o princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória. Houve um
momento em que o pequeno chifre tirou o sacrifício contínuo e colocou a
abominação da desolação. Ele removeu Cristo do seu lugar e colocou um
sacrifício aqui na terra, removendo o sacrifício no céu. Mas durante toda a era
cristã, Cristo está oferecendo no Lugar Santo a virtude do Seu sacrifício no
serviço diário. Mas então vem o serviço anual, o Dia da Expiação. E, a partir de
agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento.
Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as
pessoas ao arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas
vidas o princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória. Ele
removeu Cristo do seu lugar e colocou um sacrifício aqui na terra, removendo o
sacrifício no céu. Mas durante toda a era cristã, Cristo está oferecendo no Lugar
Santo a virtude do Seu sacrifício no serviço diário. Mas então vem o serviço
anual, o Dia da Expiação. E, a partir de agora, Cristo entra no Santo dos Santos,
para iniciar o trabalho do julgamento. Ao longo da era cristã, o Espírito Santo
funciona, enviado por Cristo, levando as pessoas ao arrependimento e à
confissão de pecados, e implantando em suas vidas o princípio da vida que é
Cristo em nós, a esperança da glória. Ele removeu Cristo do seu lugar e colocou
um sacrifício aqui na terra, removendo o sacrifício no céu. Mas durante toda a
era cristã, Cristo está oferecendo no Lugar Santo a virtude do Seu sacrifício no
serviço diário. Mas então vem o serviço anual, o Dia da Expiação. E, a partir de
agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento.
Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as
pessoas ao arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas
vidas o princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória. o dia da
expiação E, a partir de agora, Cristo entra no Santo dos Santos, para iniciar o
trabalho do julgamento. Ao longo da era cristã, o Espírito Santo funciona,
enviado por Cristo, levando as pessoas ao arrependimento e à confissão de
pecados, e implantando em suas vidas o princípio da vida que é Cristo em nós,
a esperança da glória. o dia da expiação E, a partir de agora, Cristo entra no
Santo dos Santos, para iniciar o trabalho do julgamento. Ao longo da era cristã,
o Espírito Santo funciona, enviado por Cristo, levando as pessoas ao
arrependimento e à confissão de pecados, e implantando em suas vidas o
princípio da vida que é Cristo em nós, a esperança da glória.

Isso significa o que significa Pentecostes. E estamos na era de


Pentecostes. Adventistas do sétimo dia, somos os verdadeiros pentecostais.
Você sabe por quê? Porque permitimos, ou devemos permitir, se não estamos
fazendo isso, é melhor que o façamos, que o Espírito Santo escreve Sua lei em
nossos corações. Há alguns que querem o poder do Espírito, mas não querem
caráter. Assim como o diabo, que queria o poder de Cristo, mas não queria o
caráter de Cristo. Da mesma forma, existem alguns que querem ter o poder do
Espírito Santo, para que possam lidar com o Espírito Santo, em vez de permitir
que o Espírito Santo os use. Quando o Espírito Santo vier à alma, traga consigo
os frutos do Espírito. E eles se verão na vida. O trabalho do Espírito Santo é
escrever, diz o Senhor, Esta é a nova aliança que eu farei com eles depois
daqueles dias diz o Senhor, vou escrever a Minha lei nas suas mentes e em seus
corações eu a gravarei. Essa é a obra do Espírito Santo. Como ele escreveu uma
vez a lei sobre tabuletas de pedra, agora ele as escreve em comprimidos de
carne, de nossos corações. Estamos na era pentecostal. Desde a ascensão de
Cristo. Mas esta tarde veremos, como apontou a profecia, que chegaria um
ótimo dia especial, o grande dia da expiação. O Yom Kippur. Anunciado dez
dias antes pelo partido das trombetas. Com isso, concluímos as festas da
primavera e do verão. Agora venha as festas de outono, para a tarde. Não é
maravilhoso estudar os irmãos santuários? Tudo nos fala sobre Cristo. Eu
escreverei minha lei em suas mentes e em seus corações vou gravá-la. Essa é a
obra do Espírito Santo. Como ele escreveu uma vez a lei sobre tabuletas de
pedra, agora ele as escreve em comprimidos de carne, de nossos corações.
Estamos na era pentecostal. Desde a ascensão de Cristo. Mas esta tarde
veremos, como apontou a profecia, que chegaria um ótimo dia especial, o
grande dia da expiação. O Yom Kippur. Anunciado dez dias antes pelo partido
das trombetas. Com isso, concluímos as festas da primavera e do verão. Agora
venha as festas de outono, para a tarde. Não é maravilhoso estudar os irmãos
santuários? Tudo nos fala sobre Cristo. Eu escreverei minha lei em suas mentes
e em seus corações vou gravá-la. Essa é a obra do Espírito Santo. Como ele
escreveu uma vez a lei sobre tabuletas de pedra, agora ele as escreve em
comprimidos de carne, de nossos corações. Estamos na era pentecostal. Desde a
ascensão de Cristo. Mas esta tarde veremos, como apontou a profecia, que
chegaria um ótimo dia especial, o grande dia da expiação. O Yom Kippur.
Anunciado dez dias antes pelo partido das trombetas. Com isso, concluímos as
festas da primavera e do verão. Agora venha as festas de outono, para a tarde.
Não é maravilhoso estudar os irmãos santuários? Tudo nos fala sobre Cristo.
Estamos na era pentecostal. Desde a ascensão de Cristo. Mas esta tarde
veremos, como apontou a profecia, que chegaria um ótimo dia especial, o
grande dia da expiação. O Yom Kippur. Anunciado dez dias antes pelo partido
das trombetas. Com isso, concluímos as festas da primavera e do verão. Agora
venha as festas de outono, para a tarde. Não é maravilhoso estudar os irmãos
santuários? Tudo nos fala sobre Cristo. Estamos na era pentecostal. Desde a
ascensão de Cristo. Mas esta tarde veremos, como apontou a profecia, que
chegaria um ótimo dia especial, o grande dia da expiação. O Yom Kippur.
Anunciado dez dias antes pelo partido das trombetas. Com isso, concluímos as
festas da primavera e do verão. Agora venha as festas de outono, para a tarde.
Não é maravilhoso estudar os irmãos santuários? Tudo nos fala sobre Cristo.
Não é maravilhoso estudar os irmãos santuários? Tudo nos fala sobre Cristo.
Não é maravilhoso estudar os irmãos santuários? Tudo nos fala sobre Cristo.

Aqui o aceitamos como nosso sacrifício. Como um Profeta. Oh,


Jerusalém, você mata os profetas. Aqui o aceitamos como nosso Sumo Sacerdote
no santuário celestial. Pois não temos um Sumo Sacerdote que não possa
simpatizar conosco, mas aquele que foi tentado em tudo de acordo com nossa
semelhança, mas sem pecado. Venha então corajosamente ao trono da graça,
para receber ajuda e ajuda no dia oportuno. E aqui aceitamos você como nosso
advogado e juiz. E como o Rei que vem, nos Tabernáculos. Todo o trabalho de
Cristo está completo no santuário. Cristo é seu sacrifício? Cristo é seu
Intercessor e Advogado no santuário celestial? Cristo é seu juiz e defensor no
dia do julgamento? Se você o aceitou nessas categorias, Ele também pode ser
seu Rei que vem buscá-lo. Mas a menos que Ele seja seu Sacrifício, seu
Intercessor e seu Advogado defensor, então, e somente então, que Ele seja o Rei
que venha buscá-lo. Que o Senhor nos ajude, para que, ao entender essas
enormes verdades da Palavra de Deus, podemos vivê-las em nossas vidas.
Olhe, olhe, quão bom e quão delicioso é, viver os irmãos juntos em harmonia.
Pentecostes é como o bom óleo, o óleo na cabeça, que desce sobre a barba, a
barba de Arão, e desce até o fio das suas vestes, como o orvalho de Hermom,
que desce no monte de Sião, porque lá Jeová envia bênção e vida eterna. Que a
vida eterna seja sua em Cristo Jesus nosso Senhor. Amém. de modo que, ao
compreender essas tremendas verdades da Palavra de Deus, podemos vivê-las
em nossas vidas. Olhe, olhe, quão bom e quão delicioso é, viver os irmãos
juntos em harmonia. Pentecostes é como o bom óleo, o óleo na cabeça, que
desce sobre a barba, a barba de Arão, e desce até o fio das suas vestes, como o
orvalho de Hermom, que desce no monte de Sião, porque lá Jeová envia bênção
e vida eterna. Que a vida eterna seja sua em Cristo Jesus nosso Senhor. Amém.
de modo que, ao compreender essas tremendas verdades da Palavra de Deus,
podemos vivê-las em nossas vidas. Olhe, olhe, quão bom e quão delicioso é,
viver os irmãos juntos em harmonia. Pentecostes é como o bom óleo, o óleo na
cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e desce até o fio das suas
vestes, como o orvalho de Hermom, que desce no monte de Sião, porque lá
Jeová envia bênção e vida eterna. Que a vida eterna seja sua em Cristo Jesus
nosso Senhor. Amém. e ele desce até a borda das suas vestes, como o orvalho de
Hermom, que desce no monte de Sião, porque ali o Senhor envia bênção e vida
eterna. Que a vida eterna seja sua em Cristo Jesus nosso Senhor. Amém. e ele
desce até a borda das suas vestes, como o orvalho de Hermom, que desce no
monte de Sião, porque ali o Senhor envia bênção e vida eterna. Que a vida
eterna seja sua em Cristo Jesus nosso Senhor. Amém.

Convido você a abrir a Palavra de Deus no livro de Hebreus 9:23 em


diante. Era, portanto, necessário que as figuras das coisas celestiais fossem
purificadas com sangue, mas as próprias coisas celestiais, com melhores
sacrifícios que estes. Porque Cristo não entrou no santuário feito com as mãos, a
figura do verdadeiro, mas no próprio céu, para aparecer agora para nós diante
de Deus. E não oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote entra no Santo
dos Santos todos os anos com o sangue dos outros. Caso contrário, teria sido
necessário sofrer muitas vezes desde o início do mundo. Mas agora, no final dos
séculos, foi apresentado de uma vez por todas, pelo sacrifício de si mesmo, para
se livrar do pecado. E da maneira que está estabelecida para homens que
morrem apenas uma vez,

O apóstolo Paulo nos explica, nesta passagem, que assim como no


santuário terrenal, que era a figura do verdadeiro tabernáculo que o Senhor
levantou e não o homem, o santuário celestial, bem como o santuário terrenal
precisava ser purificado, da impureza do pecado dos filhos de Israel, do mesmo
modo, o santuário celestial, e para isso é uma idéia estranha, o céu precisa ser
purificado? Mas está escrito! Portanto, era necessário, diz o versículo 24, que as
figuras das coisas celestiais deveriam ser purificadas assim. Mas as próprias
coisas celestiais com melhores sacrifícios do que estes.

Se, no santuário terrestre, a purificação do santuário fosse feita através


de sacrifícios de animais, diz Paulo, a purificação do santuário celestial, do qual
a terra era uma cópia ou uma figura, precisava ser purificada com melhores
sacrifícios do que estes. E esse é o precioso sangue de Jesus Cristo. A purificação
do santuário é o tema predominante no livro de Hebreus. E a Palavra de Deus
nos explica que este deve ser o caso. Há muitos hoje que dizem, os adventistas
com essa doutrina da purificação do santuário, que é apenas naqueles pequenos
livros da profetisa que eles têm, Ellen White, mas isso não está na Bíblia. Bem,
deixe-me dizer-lhe que é uma noção totalmente bíblica e neo-testamentária, a
purificação do santuário celestial. Está na Palavra de Deus. Claro,

Nós estudamos neste fim de semana, o plano de salvação em espécie e


na realidade. No tipo através da prefiguração dos feriados anuais. E agora,
chegamos aos três últimos partidos, que têm a ver com o fim do ano
eclesiástico. Os primeiros, a Páscoa, o Pão ázaro, as Primícias e o Pentecostes,
foram celebrados no início do ano eclesiástico. No primeiro mês, os três
primeiros, no terceiro mês, o Pentecostes. Agora, os três últimos, são celebrados
no sétimo mês.

Interessante, que está no sétimo mês. O ano tem doze meses, mas Deus
escolheu colocar essas férias no sétimo mês. Há sete banquetes anuais, sete
sabátonos cerimoniais, sete dias na Festa dos Pães ázimos e sete dias na festa
das Cabañas, acrescentando um oitavo para torná-lo a rebozar mais. O sétimo já
está completo, é perfeito. O oitavo faz isso ainda mais. É melhor. Essa é a
grande culminação, o oitavo dia do partido das cabines. Mas no sétimo mês,
esses últimos três festivais do calendário eclesiástico judaico terão lugar. E eles
tiveram que ver agora, com o fim do plano de redenção. Eles tiveram que ver,
note bem agora, estes três primeiros nos falam sobre a morte, o enterro e a
ressurreição de Cristo. A quarta festa, o Pentecostes, Nos leva da entronização
de Cristo no céu, a inauguração do santuário celestial, ao longo da era cristã, até
o fim da história da redenção. Esta é a história do plano de redenção. Da morte
de Cristo à eliminação final do pecado. É todo o plano da redenção. Pentecostes,
veja que aqui é um parêntese. Esses feriados estão todos relacionados um com o
outro. O primeiro é o primeiro dia do segundo, que é sete dias, e com os oito
primeiros. As primícias são contadas no segundo dia de pães ázimos. E
Pentecostes é contado 50 dias após as primícias. Todos estão relacionados um
ao outro. As trombetas vêm após um tempo, um lapso, um parêntese. Aqui, a
aldeia termina com essas festas e depois vai dedicar-se à colheita. Termina,
Acontece todo o verão, e o outono vem. Essas celebrações foram celebradas
quando a colheita já havia sido coletada. Quando a cidade terminou suas tarefas
de verão. E apontaram para o fim do grande plano de salvação. Do Pentecostes
até estes feriados, a era cristã passa. A colheita do povo de Deus durante todos
os séculos está sendo reunida no celeiro de Deus. E agora vem a parte final.

De todos os dias da festa, o mais solene, o mais carregado do


significado, o clímax de todas essas festas, foi o Dia da Expiação. Mesmo para
os judeus de hoje, que não conhecem o significado dessas coisas, eles ainda
celebram esta festa, Yom Kippur, o Dia da Expiação, é o dia mais sagrado.

Para enfatizar a importância de alguns desses dias de celebração, o


Senhor ordenou que as trombetas fossem tocadas. Em Números 10:10 diz: no
dia da sua alegria. Isso se refere à festa das cabines. Você terá alegria e alegria.
Nas suas solenidades, nas festas solenes. No início dos meses, voce tocará as
trombetas sobre os seus holocaustos, sobre os sacrifícios da paz, e serão
lembrados perante o seu Deus, eu sou o Senhor, seu Deus.

Em cada uma das festas solenes, soou a trombeta, simbolizando a


importância da mensagem que ela englobava. Porque a trombeta na Bíblia tem
um significado muito mais abrangente do que simplesmente um instrumento
para fazer barulho. Na Bíblia, as grandes trombetas do livro de Apocalipse,
como as trombetas no livro de Isaías, no livro de Números, Levítico e em
grandes ocasiões do povo de Deus, simbolizam grandes eventos e sempre
anunciam uma mensagem especial de Deus para Seu povo. Então a trombeta
simboliza na mensagem bíblica. Uma mensagem

No entanto, embora em cada festa solene, a trombeta foi tocada, sobre


os sacrifícios, observe o que diz, você vai tocar as trombetas sobre seus
holocaustos, sobre os sacrifícios da paz. O dia inteiro era importante, mas o
momento de sacrifício era quando a trombeta tocava, mostrando que, em tudo
isso, o mais importante era Cristo. Porque ele era o centro de cada uma dessas
partes, através do cordeiro ou do animal oferecido no holocausto.

Mas no dia da expiação, no sétimo mês, no décimo dia, Deus deu uma
ordem especial. Que dez dias antes do dia da expiação chega, toda uma festa
será dedicada, um dia solene, o primeiro do mês, e esse dia é chamado, o dia
das trombetas. Por que passar um dia inteiro tocando a trombeta? Por que esse
dia não deveria funcionar?

Lev. 23:23. Jeová falou com Moisés dizendo. Fale com os filhos de
Israel e conte-lhes. No sétimo mês, no primeiro mês, você terá um sábado. Uma
comemoração ao som das trombetas e uma santa convocação. Não fareis
trabalho para servos; oferecerás oferta por fogo a Jeová. Um dia especial, o
primeiro do mês, para tocar a trombeta. Qual simbolismo isso tem no plano da
redenção? Que simbolismo isso tem no grande plano de salvação?
Pentecostes nos leva, ao longo da era cristã. E aqui vamos fazer uma
separação. Porque estas festas foram cumpridas na primeira vinda de Cristo.
Este segundo grupo de festivais, têm sua realização em torno da segunda vinda
de Cristo. Isto é cumprido em Sua primeira vinda, ou em torno de Sua primeira
vinda, morte, ressurreição e ascensão ao céu, em torno do evento central na
história do mundo, a morte de Cristo, e essas outras festas são cumpridas em
torno do evento final central na grande controvérsia, que é a vinda de nosso
Senhor Jesus Cristo.

Agora, por que algumas trombetas, um dia inteiro de trombetas para


anunciar o Dia da Expiação. A resposta é: a importância do Dia da Expiação é
tal que Deus envia uma festa solene para anunciar que o Dia da Expiação se
aproxima. Como sabemos? Tanto a Palavra de Deus, como o mensageiro do
Senhor, quanto o Talmud, o livro judaico onde ele explica todas essas festas, nos
diz que a importância, ou o significado da festa das trombetas, foi porque o
sétimo mês havia chegado. E foi anunciado que o grande Dia da Expiação se
aproximava. Foi tão importante neste dia. Vamos ler um momento, foi solene.
Foi o maior dia do ano. Era o dia de pico no santuário. E naquele dia, que era
tão importante, poderia significar para alguns dos povos de Deus, que foram
excluídos para sempre da nação judaica. Era tão solene naquele dia que, se
alguém não se preparasse para este dia, e não fizesse a sua preparação, ele
poderia estar sem uma nacionalidade, sem cidadania, sem direitos e fora do
povo de Deus. Ele pensou que ele estava morto. Como se nunca tivesse existido.
Aquele que foi cortado do povo de Deus, perdeu sua herança, perdeu seu
nome, ouviu bem, perdeu a direita como pai familiar em sua casa, perdeu sua
casa, sua propriedade, a herança que recebeu de seus pais, foi levada e dado a
outro, e não tinha mais direito no povo de Deus. Seu nome era arranhado,
arranhado, apagado, como se ele não pertencesse mais ao povo de Deus. sem
direitos e fora do povo de Deus. Ele pensou que ele estava morto. Como se
nunca tivesse existido. Aquele que foi cortado do povo de Deus, perdeu sua
herança, perdeu seu nome, ouviu bem, perdeu a direita como pai familiar em
sua casa, perdeu sua casa, sua propriedade, a herança que recebeu de seus pais,
foi levada e dado a outro, e não tinha mais direito no povo de Deus. Seu nome
era arranhado, arranhado, apagado, como se ele não pertencesse mais ao povo
de Deus. sem direitos e fora do povo de Deus. Ele pensou que ele estava morto.
Como se nunca tivesse existido. Aquele que foi cortado do povo de Deus,
perdeu sua herança, perdeu seu nome, ouviu bem, perdeu a direita como pai
familiar em sua casa, perdeu sua casa, sua propriedade, a herança que recebeu
de seus pais, foi levada e dado a outro, e não tinha mais direito no povo de
Deus. Seu nome era arranhado, arranhado, apagado, como se ele não
pertencesse mais ao povo de Deus. e ele não tinha mais direito no povo de
Deus. Seu nome era arranhado, arranhado, apagado, como se ele não
pertencesse mais ao povo de Deus. e ele não tinha mais direito no povo de
Deus. Seu nome era arranhado, arranhado, apagado, como se ele não
pertencesse mais ao povo de Deus.

Lean Lev. 23: 28-29. Você não deve fazer nenhum trabalho, pois é o dia
da expiação, para fazer expiação por você diante do Senhor, seu Deus. E toda
pessoa que não sofre no mesmo dia será cortada de Seu povo. Você percebe o
quão importante é o Dia da Expiação? Aquele que não estava aflito, isto é,
aquele que não fez a preparação necessária para celebrar o Dia da Expiação, foi
cortado do meio da cidade. Isso é algo sério, irmãos. Extremamente sério. Pois
no dia antitípico da expiação, aquele que não aflige a sua alma perante o Senhor
é desligado do povo de Deus para sempre. E, como agora, o assunto não é
material, mas espiritual, perde a sua herança eterna, perde o seu nome eterno,
porque como os novos céus e a terra nova que faço, diz Jeová, eles permanecem
diante de Mim, então sua prole e seu nome permanecerão. Mas aquele que é
cortado do povo de Deus perde seu nome, é apagado do livro da vida, perde a
sua prole e perde sua herança eterna no reino dos céus. Então, isso é um
assunto sério. Porque no plano da salvação, isso nos fala de um dia em que
Deus vai cortar ou se separar de Seu povo, aqueles que não afligiram sua alma.

Que significa isso? Quão importante é o Dia da Expiação? No dia da


expiação, a purificação do santuário foi feita. Vejamos Lev. 16: 16-17. Isso irá
purificar o santuário. Sublinhe naquela Bíblia essa expressão. Purificará o
santuário. Essa é a purificação do santuário. Por causa das impurezas dos filhos
de Israel, de suas transgressões, de todos os seus pecados, da mesma maneira
que ele fará também ao tabernáculo da reunião, que reside entre eles no meio
de suas impurezas. Nenhum homem estará no tabernáculo da reunião quando
entrar para fazer expiação no santuário, até que ele venha e faça expiação por
você, por sua casa, por toda a congregação de Israel.

Diz aqui que o santuário é purificado. Do que o santuário precisa ser


purificado? O que isso diz lá? Por quê? Versículo 16. Assim, ele irá purificar o
santuário, por quê? De todas as impurezas, de quem? Dos filhos de Israel de
todas as suas transgressões e de todos os seus pecados. Por que o santuário era
impuro? E por que ele precisava ser purificado? Para entender isso, devemos
entender o serviço diário, o que foi feito ao longo do ano. Porque ao entender o
que aconteceu no santuário, ao longo do ano, entendemos por que um dia de
purificação do santuário era necessário.

Ao longo do ano, os pecados do povo de Israel foram perdoados no


santuário, e a expiação foi feita para eles através do sangue. Isso é chamado de
sacrifício diário, ou serviço diário. Eu leio agora Patriarcas e Profetas: 364-365. O
ministério do santuário consistia em duas partes, um serviço diário e anual. A
razão pela qual eu estou lendo isso a partir daqui, é porque aqui é resumido o
mesmo que eu poderia tomar o tempo para explicar na leitura da Bíblia em Lev.
4, 5, 6 e 7, onde ele explica o que as pessoas que pecaram. Tudo o que está em
Lev. Capítulos 4, 5, 6 e 7. Ao pecar, ele teve que trazer um animal para oferecê-
lo como um sacrifício. Eu continuo lendo O serviço diário foi realizado no altar
do holocausto, no tribunal do tabernáculo, no Lugar Santo. Observe bem. O
animal foi morto no átrio. No altar. Mas o sangue foi levado para dentro do
Lugar sagrado. Enquanto o serviço anual, o Dia da Expiação, era um dia do
ano, era o único dia em que o sumo sacerdote entrou no Santo dos Santos. Lev.
16. Você pode lê-lo lá no versículo 2. O SENHOR disse a Moisés e a Arão, seu
irmão, que não entre em todos os momentos no santuário, atrás do véu, diante
do propiciatório, que está na arca, para que ele não morra. Porque vou aparecer
na nuvem no propiciatório. E então ele começa a explicar, quando foi a única
vez que ele pôde entrar no Santo dos Santos. E diz no versículo 30. Neste dia
será expiado por vós, e serás purificado de todos os vossos pecados perante o
SENHOR, o dia do descanso é para ti, afligirás as tuas almas, o sacerdote que
foi ungido e consagrado fará expiação, para ser sacerdote no lugar de seu pai,
vestirá as roupas de linho, as vestes sagradas, fará expiação pelo santuário
sagrado, o tabernáculo da reunião e expiará o altar, para os sacerdotes e para
todo o povo da congregação . Isso você terá como um estatuto perpétuo para
fazer expiação uma vez por ano por todos os pecados de Israel.

O Sumo Sacerdote entrou uma vez por ano no Santo dos Santos, para
purificar o santuário. Isso foi chamado de serviço anual. Enquanto todos os dias
o serviço diário era feito no Lugar Sagrado. Tudo bem, eu ainda estou lendo.
Qual era o serviço diário? Então, agora entendemos o serviço anual, e nós
vamos ler isso em Lev. 16. O serviço diário, página 365 de Patriarcas e Profetas.
Foi a leitura que eu pedi para eles fazer a lição de casa. Quantos foram os
trabalhos de casa, veja? Oh, quão pouco! Se eles tivessem feito a lição de casa,
eu não teria que lê-lo. Eu iria direto para a expiação. Mas desde que não fizeram
meus trabalhos de casa, eu vou ter que tomar o tempo, para explicar o serviço
diário.

O serviço diário consistiu no holocausto da manhã e da noite, na oferta


de incenso no altar de ouro, bem como nos sacrifícios pelos pecados
individuais. Todos os dias, havia um sacrifício matinal e um sacrifício à noite.
Todos os dias, o incenso foi colocado em frente ao altar, ou no altar de ouro, em
frente ao véu. Todos os dias foram oferecidos sacrifícios individuais pelos
pecados das pessoas. O que foi feito com esses sacrifícios? Aqui vem. A parte
mais importante do sacrifício diário. A propósito, seria bonito e demoraria o
tempo e explicasse o que significava o sacrifício da manhã, o sacrifício da tarde,
o altar do incenso e tudo isso. Mas lê-lo em Patriarcas e Profetas. Não consigo
cobri-lo. Eu tenho uma série de tópicos. A última que acabei de gravar,

Tudo isso é o santuário. E eu não toque nada que vimos aqui neste fim de
semana. Em outras palavras, é algo completamente diferente. Eu não jogo festas
anuais. Mas toco o simbolismo do santuário. É chamado de santuário e seus
serviços. O que eu estou falando com isso? Há muito mais para falar sobre o
santuário, que podemos passar 20 horas seguidas aqui, e nós só começamos a
tocá-lo com as pontas dos dedos. Mas eu tenho que abordar o assunto dos
sacrifícios diários e o que aconteceu com eles, para que entendamos por que
uma limpeza do santuário era necessária. Aqui vem.

A parte mais importante do serviço diário foi a realizada em favor dos


indivíduos. O pecador arrependido, Lev. 4, ele trouxe sua oferta para a porta do
tabernáculo. Onde ele trouxe a oferta? À porta do tabernáculo. E colocando a
mão na cabeça da vítima, ele confessou seus pecados. E assim, num sentido
figurativo, ele os transferiu de sua própria pessoa para a vítima inocente. Pobre
cara O pobre animal não havia feito nada. Eu era inocente. Chegou o pecador
arrependido, reconhecendo seu pecado, colocando as mãos sobre o animal e
confessando seu pecado. Simbolicamente, o pecado passou do pecador, para
quem? Para o pobre pequeno animal inocente. Isso é um símbolo de quem?
Aquele que carregou nossos pecados na árvore. Agora, a pessoa estava livre de
pecado. Mas o pequeno animal era culpado. Pobre cara Inocente, mas culpado.
E o pagamento do pecado é o quê? Quem teve que morrer? O pecador deve
morrer. Mas como o pecador não queria morrer, ele passou os pecados para o
inocente. Que tremendo simbolismo! Certo? Isso é chamado de substituição de
linguagem teológica. Outro toma o lugar de um. Obviamente, um animal não
pode pagar os pecados de um ser humano, mas esse foi um símbolo que
representou Cristo. E Cristo pode pagar pelos meus pecados, porque Ele é o
Deus-homem. Como um homem, ele paga pelos pecados do homem, como
Deus vale a pena e pode pagar por todos nós porque Ele é o Criador. Por isso,
era necessário que Deus se tornasse homem e se encarnasse. Eu continuo lendo
Que tremendo simbolismo! Certo? Isso é chamado de substituição de
linguagem teológica. Outro toma o lugar de um. Obviamente, um animal não
pode pagar os pecados de um ser humano, mas esse foi um símbolo que
representou Cristo. E Cristo pode pagar pelos meus pecados, porque Ele é o
Deus-homem. Como um homem, ele paga pelos pecados do homem, como
Deus vale a pena e pode pagar por todos nós porque Ele é o Criador. Por isso,
era necessário que Deus se tornasse homem e se encarnasse. Eu continuo lendo
Que tremendo simbolismo! Certo? Isso é chamado de substituição de
linguagem teológica. Outro toma o lugar de um. Obviamente, um animal não
pode pagar os pecados de um ser humano, mas esse foi um símbolo que
representou Cristo. E Cristo pode pagar pelos meus pecados, porque Ele é o
Deus-homem. Como um homem, ele paga pelos pecados do homem, como
Deus vale a pena e pode pagar por todos nós porque Ele é o Criador. Por isso,
era necessário que Deus se tornasse homem e se encarnasse. Eu continuo lendo
Como Deus vale a pena e pode pagar por todos nós porque Ele é o Criador. Por
isso, era necessário que Deus se tornasse homem e se encarnasse. Eu continuo
lendo Como Deus vale a pena e pode pagar por todos nós porque Ele é o
Criador. Por isso, era necessário que Deus se tornasse homem e se encarnasse.
Eu continuo lendo

Agora, a vítima inocente era culpada. Com a mão dele, o pecador


então matou o animal. Agora note bem, ele já pagou pelo pecado. O fato de que
o pecador matou o animal representa quem foi quem matou Cristo na cruz do
Calvário? O pecador é aquele que tirou sua vida. Não eram os judeus. Há quase
2.000 anos, os cristãos acusam os judeus de serem os que mataram Cristo. Mas
eu matei Cristo. Você o matou Cada um de nós matou o Cordeiro com nossos
pecados. Cristo morreu pelos pecados do mundo. E o assassino é eu. Eu sou o
único que deveria morrer. Então não culpe os judeus. Nós fomos.

Mas agora observe. O animal já estava morto. A pessoa dos pecados já


estava livre, sim ou não? O pecado havia passado dele para um animal e agora
o animal estava morto. Isso acabou com tudo? O que ainda havia de ser feito
para que os pecados fossem perdoados? Oh, o quão interessante! Você sabe?
Isso tem um tremendo simbolismo. Porque a maioria do mundo cristão não
entende essa parte. Eles dizem que Jesus morreu no Calvário pelos meus
pecados e já estou perdoado. Mas para que o pecador seja perdoado, não só a
vítima foi morta, mas o sangue teve que ser levado e levado ao santuário para o
lugar sagrado. Eu continuo lendo

E repito. E você vai me perdoar por fazer essa ênfase, mas apenas hoje,
alguém veio e me disse, pastor, há alguns que dizem que a questão do dia da
expiação e do julgamento não pode ser provada com a Bíblia, mas apenas com
Elena de Branco. E digo-lhe que, se existe uma doutrina totalmente bíblica, é a
doutrina da expiação através do santuário. Não existe uma doutrina tão clara
quanto a doutrina da expiação e o Dia da Expiação. A Bíblia toma um capítulo
inteiro para explicá-lo, e o tema ressurge em toda a Bíblia inteira e no livro de
Hebreus novamente. Mas se eu lendo daqui, é por causa do resumo que me dá.
Porque aqui está resumido o que aconteceu.

Então o sacerdote toma o sangue do animal, e tudo o que está no


Levítico, e leva ao lugar sagrado para polvilhar em frente do véu, atrás do qual
estava a arca que continha a lei que o pecador tinha violado. Com esta
cerimônia, em um sentido simbólico, o pecado foi transferido para o santuário
através do sangue. Porque a vida, diz a Bíblia, está no sangue. E o salário do
pecado é o quê? A vida justamente. Com a vida, o pecado é pago. É por isso que
o salário do pecado é a morte. Agora, o pecado passou para o animal. O animal
morreu, mas no sangue, que era a vida do animal, o pecado foi levado para o
santuário. Isso é muito claro em Lev. 16:16. Lá diz, assim você purificará o
santuário por causa das impurezas dos filhos de Israel, das suas rebeliões e de
todos os seus pecados. O que isso sujava o santuário? O sangue que era
transportado aí todos os dias. Imagine quantos milhares de milhares vieram ao
santuário para confessar seus pecados. E todo esse sangue teve que ser levado
para o santuário. Houve algumas exceções que não vou tocar neste momento,
em que o sangue não foi levado para dentro, mas derramado no pé do altar,
mas, nesses casos, preste atenção, o sacerdote foi obrigado a comer a carne do
animal. A menos que o sangue fosse levado ao santuário, o padre devia comer a
carne. Dessa forma, diz Lev. 10:17, o sacerdote, comendo a carne, trará a
iniqüidade da congregação sobre si mesmo. Você percebeu isso? Pecado, a
iniqüidade estava no sangue dentro do santuário. Quando o sangue não foi
levado para o santuário, então quem carregou o pecado sobre ele? O sacerdote
carregava o pecado, porque comendo a carne do animal, que havia morrido por
causa do pecado, simbolizava simbolicamente esse pecado, e ele o carregava.

É interessante, e não vou entrar no assunto, simbolismo disso no plano


da salvação. Cristo não apenas suportou nossos pecados, mas Ele também foi
feito pecado por nós. Ele tomou carne pecaminosa. Quando o sacerdote comeu
a carne e a assimilou, símbolo do pecado, e esse sacerdote era um símbolo de
quem? De Cristo. Cristo não teve pecado pessoal. Porque ele nunca pecou. Mas
Ele carregou em Sua carne a fraqueza da raça humana. Há duas maneiras como
o pecado foi levado a Cristo. Um por Sua encarnação e o outro por Sua morte
substitutiva, quando o pecado foi colocado sobre Sim, na cruz do Calvário.
Nenhum dos dois casos torna Cristo um pecador, porque Ele nunca pecou. Ele é
o Cordeiro sem mancha ou defeito. Ele nunca pecou nem havia engano em Sua
boca. Mas há dois modos como o pecado foi carregado por Cristo. Um em Sua
carne e o outro em Seu sangue. Interessante certo? Mas não vamos entrar nesse
tema da natureza de Cristo, que é outro tópico separado, muito interessante.

Voltando agora ao sacrifício diário. As duas cerimônias, a tração do


sangue ao lugar sagrado e, em casos raros, quando o pecado era de toda a
congregação, você vê isso interessante, quando o pecado não era um pecado
individual, era um pecado das pessoas em geral, o padre comeu a carne. Da
mesma forma, o pecado de Cristo em Sua carne é o pecado da humanidade em
geral e não o pecado individual de Ele. Observe isso. Na encarnação. Mas bom.

Agora, com exceção dessas raras ocasiões, onde o sumo sacerdote ou o


sacerdote oficiante levaram o pecado ao comer a carne, em todas as outras
ocasiões o sangue foi levado ao santuário. E foi polvilhado na frente do véu, em
frente ao propiciatório. O que aconteceu depois de uma semana, depois de duas
semanas, um mês, dois meses, três meses, depois de um ano inteiro de
pulverizar o sangue no santuário todos os dias? O que estava acontecendo?
Como seria o santuário? Você imagina, o sangue transparente secou. E estava
preso nos chifres do altar, no chão, no

redes, porque foi espirrada, especialmente o altar, no chão. O santuário ficou


sujo com sangue. E é por isso que ele exigiu que ele fosse limpo. Mas,
simbolicamente, não era o sangue que o sujava, mas o pecado que representava
esse sangue. É por isso que Lev. 16 diz, assim purificará o santuário por causa
das impurezas dos filhos de Israel, suas rebeliões e seus pecados. É por isso que
o Dia da Expiação era necessário.

Ao transferir os pecados das pessoas para o santuário, os lugares


sagrados foram manchados e foi necessário um trabalho especial para remover
agora os pecados do santuário onde eles foram registrados. Deus ordenou que a
expiação de cada uma das coisas sagradas fosse feita. Do mesmo modo, o altar
dos sacrifícios teve que ser purificado. Verso 19 de Lev. 16. Você deve polvilhar
o sangue sobre ele sete vezes com o dedo e limpá-lo e santificá-lo da imundície
dos filhos de Israel. No dia da expiação, ele polvilharia sangue com o dedo sete
vezes, depois limpe e remova a impureza dos filhos de Israel. O pecado que foi
registrado no santuário. Isso foi feito no Dia da Expiação.

Agora, isso completa o ciclo anual. Vamos, então, com essa base, ao
Dia da Expiação. O que estava acontecendo naquele dia? Dez dias antes da
trombeta. A trombeta anunciou que o grande dia de Yom Kippur se
aproximava. O grande dia do julgamento. Porque naquele dia, todos os que não
tiveram seus pecados registrados no santuário, que não confessaram seus
pecados e os transferiram para o santuário, foram cortados de seu povo. Ouça
bem. No Talmud, ele explica que, se os judeus, os membros do povo de Deus,
não ofereciam sacrifícios por pecado durante o ano, ele agora tinha dez dias
para fazê-lo. E esses foram os dez dias mais movimentados dos sacerdotes.
Desde o primeiro do sétimo mês até o décimo do sétimo mês, todos os que não
ofereceram sacrifícios no santuário, tiveram que vir e oferecê-lo. Isso foi
especialmente verdadeiro na diáspora. Ou seja, quando a cidade estava
espalhada em lugares diferentes, e eles tinham que vir ao templo três vezes por
ano. Enquanto o tabernáculo estava no deserto, toda vez que pecavam, eles
tinham perto de ir. Quando as pessoas viviam na terra prometida e viviam em
diferentes cidades, não podiam vir toda vez que pecaram para oferecer o
sacrifício em Jerusalém. Estava longe. Então eles tiveram que vir em algum
momento do ano. Se, por algum motivo, vieram a Jerusalém, ofereceram o
sacrifício pelos seus pecados. Mas se não, quando a trombeta soou, no dia das
trombetas, eu disse, irmão, irmã, você tem dez dias para oferecer seus sacrifícios
pelos seus pecados. Se você não, você será cortado do povo de Deus. Porque
quando o santuário é limpo, Se seus pecados não foram transferidos para o
santuário, eles permanecem em você. Se você, que pecou durante este ano, não
trouxe sua oferta ao altar, e não confessou seu pecado, e purificou toda a
congregação de Israel dos seus pecados, e seus pecados não estão no santuário
para serem purificados, são deixados sobre a sua cabeça, e agora você é cortado
do povo de Deus. O sangue está em sua própria cabeça. Você vê por que o Dia
da Expiação foi tão importante? É por isso que as trombetas tocaram. Você vê
por que o Dia da Expiação foi tão importante? É por isso que as trombetas
tocaram. Você vê por que o Dia da Expiação foi tão importante? É por isso que
as trombetas tocaram.
Agora, o que isso simboliza no grande plano da salvação? Trombetas É
o anúncio que o grande dia do julgamento está se aproximando. Como veremos
em um momento, a profecia apontou para o ano de 1844, e agora vamos a isso
em um segundo, marcou essa data como o início da purificação do santuário.
Dan. 8:14. Mas antes dessa data, Deus teve que enviar uma mensagem. Ao som
da trombeta. Uma mensagem que anunciou ao mundo que o ótimo dia de
expiação estava se aproximando. O grande dia do julgamento. E essa
mensagem foi proclamada nesta terra, no que é conhecido como a mensagem
angelical tripla. Ou melhor conhecido, entre nós, como a menssagem dos três
anjos.

O que anuncia a mensagem dos três anjos? Teme a Deus e dê glória


porque a hora do juízo chegou. Adora a pessoa que fez o céu, a terra, o mar e as
fontes de água. E quão interessante, que antes da data indicada pela profecia
para a purificação do santuário celestial, Deus criou nesta terra uma mensagem
poderosa, hoje conhecida como o movimento adventista. E quando surgiu?
Assim como as trombetas soavam dez dias antes, dez anos antes, na escala do
dia a ano, a mensagem da próxima hora do julgamento de Deus começou a ser
proclamada. Aquele que lançou a mensagem para o mundo pela primeira vez,
foi chamado William Miller. E em que ano sua pregação pública começou? Sua
pregação pública organizada começou no ano de 1834. Exatamente dez anos
antes da data indicada pela profecia. Dez dias antes. E essa mensagem abalou o
mundo cristão daquele tempo. O tempo do julgamento de Deus está próximo.
Algo grande vai acontecer no ano que vai de 1843 a 1844. No início, não havia
data exata. Fala-se do ano de 1843 a 44. Aproximando-se da data mais, ao
estudar os tipos, no santuário, chegaram à conclusão de que assim como cada
uma dessas festas se realizou no dia típico da festa, Cristo morreu no dia 14 de
Nisan , Cristo estava no túmulo no dia 15 de Nisan, Cristo ressuscitou no dia 16
do primeiro mês, o Pentecostes caiu exatamente 50 dias depois, porque se fosse
assim, então o Dia da Expiação teve que começar na data exata em que o Dia de
expiação no ano de 1844. E essa mensagem abalou o mundo cristão daquele
tempo. O tempo do julgamento de Deus está próximo. Algo grande vai
acontecer no ano que vai de 1843 a 1844. No início, não havia data exata. Fala-se
do ano de 1843 a 44. Aproximando-se da data mais, ao estudar os tipos, no
santuário, chegaram à conclusão de que assim como cada uma dessas festas se
realizou no dia típico da festa, Cristo morreu no dia 14 de Nisan , Cristo estava
no túmulo no dia 15 de Nisan, Cristo ressuscitou no dia 16 do primeiro mês, o
Pentecostes caiu exatamente 50 dias depois, porque se fosse assim, então o Dia
da Expiação teve que começar na data exata em que o Dia de expiação no ano
de 1844. E essa mensagem abalou o mundo cristão daquele tempo. O tempo do
julgamento de Deus está próximo. Algo grande vai acontecer no ano que vai de
1843 a 1844. No início, não havia data exata. Fala-se do ano de 1843 a 44.
Aproximando-se da data mais, ao estudar os tipos, no santuário, chegaram à
conclusão de que assim como cada uma dessas festas se realizou no dia típico
da festa, Cristo morreu no dia 14 de Nisan , Cristo estava no túmulo no dia 15
de Nisan, Cristo ressuscitou no dia 16 do primeiro mês, o Pentecostes caiu
exatamente 50 dias depois, porque se fosse assim, então o Dia da Expiação teve
que começar na data exata em que o Dia de expiação no ano de 1844.

Falando sobre tudo isso, onde está o texto que diz que a purificação do
santuário seria no ano de 1844? Onde está? Vamos ver bons adventistas. Se
houver um adventista do sétimo dia aqui, presente esta noite, que não conhece
esse versículo, tirei o nome de Adventista. De verdade. O corte será da sua
cidade. Qual é o texto que é a base do movimento adventista? O texto que
revelou todas essas grandes verdades. O que é isso? Daniel 8:14! Daniel 8:14. E
esta é a pedra angular do adventismo. Porque tudo surgiu começando a estudar
isso. Só no início, oh, como faço, porque tenho muito a dizer, quero dar um
exemplo, porque há pessoas que não entendem isso e dizem bem, mas William
Miller não disse que Cristo iria entrar em 1844, sim ou não? Ele falou ou ele não
disse isso? Se ele dissesse isso. Ele estava errado ou estava errado? Ele estava
errado no que aconteceria, mas ele não estava errado na data. A data estava
correta Somente ele não entendia o evento que deveria acontecer. E deixe-me
explicar um pouco, porque isso irá ajudá-lo muito a entender o que estamos
falando.

Quando Cristo chegou a conhecer as datas exatas que marcaram Seu


sacrifício na cruz do Calvário, os discípulos sabiam que a data estava se
aproximando. Porque a profecia de Daniel capítulo 9, que marcou as noventa
semanas, foi cumprida. Quando João Batista começou a pregar, ele disse: o
reino dos céus se aproximou. E ele anunciou, o tempo foi cumprido. Quando
Jesus pregou, ele usou a mesma frase. O tempo foi cumprido. A que horas foi
cumprida? A que horas Obviamente, foi o tempo que marcou a profecia de
Daniel. E veja o quão interessante. Para ambos os eventos, essas quatro partes
vão juntas, e essas três juntam-se. Para ambos os acontecimentos, a chave para
decifrar foi o livro de Daniel. Em Daniel capítulo 9 foi a profecia de quando o
Messias morreria. Vamos lê-lo.
Setenta semanas são determinadas em seu povo e na sua cidade santa,
para acabar com a transgressão, acabar com o pecado, expiar a iniqüidade,
trazer justiça duradoura, selar a visão e a profecia e ungir o Santo dos Santos.
Conheça e compreenda que, desde o início da ordem para restaurar e construir
Jerusalém, ao Messias, ao Ungido, haverá sete semanas e sessenta e duas
semanas. E depois de sessenta e duas semanas o Messias será levado. Agora, a
profecia era clara. E Cristo disse que o tempo foi cumprido. O Reino dos Céus
se aproximou.

Gálatas 4: 4. E quando chegou o cumprimento do tempo, Deus enviou


seu filho, nascido de uma mulher. Chegou, o quê? O cumprimento do tempo.
Cristo veio na data exata que indicou a profecia de Daniel capítulo 9. E ele
morreu na data exata que marcou a profecia. Daniel 9 nos deu o ano. Mas
Leviticus 23 nos deu o mês, o dia e a hora. Que verdade interessante? Daniel 8
nos dá o ano. Mas Leviticus 23 nos deu o mês, o dia e a hora. Interessante

Agora Aqui vem o incrível de tudo isso. Os discípulos entenderam o


evento? Sim ou não? Você entendeu o que aconteceria aqui? Ou eles não
entenderam isso? Irmãos, foi tão claro, vemos isso. a Páscoa, o Pão ázimo, as
primícias, tudo era tão claro, mas os discípulos não o viram. Eles não
entenderam até depois que acontecesse. E irmãos, a igreja cristã foi fundada
após uma terrível decepção. A igreja primitiva passou por uma decepção
terrível, e depois disso veio a fundação da igreja. A Igreja Adventista passou
por um desapontamento terrível e veio a fundação da igreja. Você vê
comparações interessantes. Cristo já havia morrido e os discípulos ainda não
entendiam. Jesus lhes havia dito, é necessário que eu seja entregue pelas mãos
perversas, Estarei morto e ressuscitarei no terceiro dia. Peter disse a ele, Senhor,
por favor, não deixe isso acontecer com você. Senhor, o que você está dizendo?
Você tem que morrer? Não, não, não, por favor. E Cristo lhe disse: afasta-te de
Satanás, que és uma pedra de tropeço para mim. Recordam-se? Pedro não
entendeu isso. Os outros discípulos não entenderam. Ainda na noite da Páscoa,
ou na noite anterior, quando Jesus celebrou a Páscoa, os discípulos estavam
discutindo quem seria o quê? O mais antigo em que? Ah, porque eles pensavam
que Jesus iria estabelecer um reino terrestre, como Messias, como um
Libertador, ele iria destruir os romanos, e ele iria se tornar Rei, ele iria se sentar
no trono de Davi, e Pedro e João eles disseram, eu vou ser o primeiro-ministro,
um vai sentar-se à direita. Santiago e Juan, a mãe veio pedir a Jesus, Senhor, por
favor, prometa-me que quando você tiver o reino e o poder nas Suas mãos,
meus filhos pequenos, você sabe, eles são muito bons, dê-lhes um lugar, que
você sinta um à direita e outro à esquerda. Mãe não pediu nada, certo? Ele
queria o primeiro lugar para seus filhos. E no caminho para o jantar pascal, qual
era a discussão, irmãos? Sim, a discussão foi, que posição cada um deles teria
no reino que Jesus iria estabelecer na Terra. Eles não entenderam Seus olhos
estavam velados. Eles não entenderam o que estava acontecendo. Algumas
horas após a morte de Cristo, eles não entenderam nada. E naquela noite, Jesus
tentou explicá-los. Ele disse a eles. Em palavras mais claras, você não poderia
dizer a eles. Pegue, coma, este é o meu corpo que está quebrado para você. Faça
isso em memória de Mim e tome a taça que ele disse, Este copo é a nova aliança
em Meu sangue que será derramada. Você poderia explicá-los em palavras mais
claras? Você acha que eles entenderam? Eles não entenderam Veja o que
aconteceu. No entanto, mesmo quando Jesus estava sendo julgado, os
discípulos estavam esperando que Ele fosse entregue das mãos dos principais
sacerdotes. Todo o tempo que estavam assistindo, para ver quando Jesus é livre,
declara-se o Messias e se estabelece em Seu reino. E quando viram que Jesus se
permitia ser crucificado, era uma coisa terrível. A Escritura diz: ferirei o Pastor e
as ovelhas serão o quê? Espalhados Os discípulos foram abatidos, confusos,
desapontados, desesperados, o mundo chegou até eles. Eu não sei se você pode
entender o que isso significava para eles. Os únicos que realmente entendem,
ou podem entender, Eles foram os que passaram pelo desapontamento de 22 de
outubro de 1844. Porque eles também esperavam que Jesus viesse. Que tristeza,
quando o dia passou e Jesus não veio. Eles dizem que eles passaram por essa
decepção, naquela noite eles choraram, e eles choraram, e eles choraram até o
amanhecer no dia seguinte. Que grande tristeza! Eles experimentaram o que
aconteceu com os discípulos no dia em que Jesus morreu. Imagino que sexta-
feira, o que o sábado mais triste terá acontecido. Chorando, chorando e
chorando. O sábado mais triste de toda a sua vida. Agora irmãos. O Senhor não
queria que fosse assim. O Senhor queria que eles soubessem. Ele disse a eles,
explicou ele, e se eles não estivessem lentos de coração para acreditar, eles
teriam passado o sábado mais feliz de suas vidas, contando as horas até a
ressurreição de Cristo. Eles estariam glorificando a Deus, para a morte de Cristo
como Cordeiro pascal. Eles estariam dizendo, e logo depois, e logo, Jesus logo
será ressuscitado dentre os mortos. Mas era o contrário. Uma decepção terrível.
Eles choraram e choraram. O mundo acabou. Veja o que a Escritura diz. No
entanto, quando Ele ressuscitou, você acredita que eles o creram? A Bíblia diz
que eles foram ungir o corpo de Cristo no túmulo. E quando as mulheres não
encontraram o corpo de Cristo e voltaram dizendo aos discípulos que um anjo
tinha aparecido a eles e lhes disse que Jesus havia ressuscitado, você acha que
eles acreditavam neles? A Bíblia diz, eles disseram, algumas mulheres foram ao
túmulo e disseram que tinham visões de anjos. Não diz que viram um anjo.
Quem tinha visões de anjos. Que ele lhe disse que ele aumentou. Quando Maria
Madalena viu-o e reconheceu-o, porque até agora não o tinham visto, as outras
mulheres não o viram, só viu um anjo que lhes disse que ele havia ressuscitado,
mas Maria Madalena o viu. Agora olhe quando Maria Madalena chegar, o que
há de errado?

Mark 16. Nos versos 1 a 8 é a história do que aconteceu com as


mulheres. O anjo apareceu-lhes e disse-lhes: vai, diz-lhe que ele ressuscitou.
Verso 8 de Marcos 16. E eles foram embora fugindo do túmulo, porque os
tomou tremendo e terror, e eles não disseram nada a ninguém, porque tinham
medo. Eles não acreditavam Tinham medo. Eles não contaram nada a ninguém.
Versículo 9. Jesus, levantado pela manhã no primeiro dia da semana, apareceu
primeiro a Maria Madalena, de quem ele lançou sete demônios. Ao saber, ela
sabia disso aqueles que estavam com ele, quem eram, como estavam? Triste e
chorando Pessoas pobres Que grande decepção. Triste e chorando E quando
souberam que Jesus estava vivo, o que ele diz? Eles se alegraram e deram glória
a Deus. Sim? Como diz? Eles não acreditavam nisso. Nem mesmo assim,
Depois que Maria Madalena lhes disse que tinha visto Jesus, eles não
acreditavam nela. Verso 12. Então ele apareceu em outra forma para dois deles
que estavam a caminho, indo ao campo, e eles foram e contaram aos outros, e
nem mesmo para eles o quê? Eles acreditavam nele.

Sabe, a experiência desses discípulos de Emaús é muito interessante,


porque nos permite saber o que eles estavam pensando. Lucas 24:13. Diz assim.
Dois deles foram no mesmo dia para uma aldeia chamada Emaús, que era de 60
estádios em Jerusalém. Todas as coisas que haviam acontecido estavam falando
um com o outro. Aconteceu que enquanto eles conversavam e discutiam um
com o outro, Jesus próprio se aproximou e andou com eles. Mas seus olhos
estavam velados para que eles não o conhecessem. E ele disse a eles, quais são
essas conversas que você tem entre vocês enquanto você anda? Por que você
está triste? E um deles, cujo nome era Cleopas, respondendo, disse-lhe: Você é o
único estranho em Jerusalém que não sabia sobre as coisas que aconteceram
nestes dias? E ele disse a eles, que coisas? E eles disseram a ele,
nuestros gobernantes a sentencia de muerte y lo crucificaron. Y ahora escuchen.
Pero nosotros esperábamos que Él era el que había de redimir a Israel. Y ahora
además de todo esto, hoy es el tercer día que todo esto ha acontecido. ¡Nosotros
esperábamos que Él era el que había de redimir a Israel!. ¡Y lo mataron! ¡Qué
barbaridad! No entendían lo que había acontecido. Ellos esperaban otro evento.
Tenían la fecha correcta. El reino de los cielos se había acercado. El tiempo se
había cumplido. Había llegado el cumplimiento del tiempo, pero no
entendieron hasta después que pasó el evento. No entendieron.

Por que estou te dizendo isso, irmãos? Porque alguns se divertem com
William Miller e os Millerites, e os adventistas, porque eles dizem, veja os
adventistas, eles são fundados em uma mentira. Eles disseram que Cristo estava
vindo em 1844 e ele não veio. Pessoas pobres E eles têm uma igreja fundada em
uma mentira. Você já ouviu falar as pessoas dessa maneira? Ah, já escutei
alguns pastores dizerem, é hora de pararmos de falar, e pastores adventistas, de
1844. Isso foi um fracasso. Isso foi uma decepção. Isso foi uma mentira. E não
vamos enganar dizendo que Cristo não veio porque ele entrou no Santo dos
Santos. Ah não. Todas essas são histórias, dizem alguns. Pessoas pobres Eles
não entendem.

A Escritura é muito clara nisso e o tipo é tremendo. Nas festividades


de primavera, eles aconteceram e eles não sabiam até mais tarde que tinham
acontecido e eles passaram por uma amarga decepção. Mas o Senhor abriu as
Escrituras para eles e mostrou que tinha que ser assim, pela Palavra de Deus. O
mesmo aconteceu em 1844. Eles esperavam, como os discípulos, esperávamos
que ele fosse o único que ia resgatar Israel e agora o mataram. Nós esperávamos
que Ele fosse o único que viria a resgatar Israel e Ele não veio. Que decepção
Mas irmãos, pela Palavra de Deus, abençoado seja o Deus dos céus, você
entendeu a verdade do grande evento que foi anunciado pelo Dia da Expiação.
Não foi a purificação da terra, como eles interpretaram, mas foi a purificação do
santuário no céu. E agora eles começaram a estudar o tema do santuário, que
eles não tinham entendido antes, com mais energia, e descobriram as grandes
verdades do santuário, do qual você e eu hoje nos orgulhamos de ser
adventistas do sétimo dia. Graças a Deus, porque da decepção surgiu a mais
bela, a igreja remanescente. Graças a Deus, porque da decepção dos discípulos
veio a igreja mais bonita e primitiva. Os dois emergiram de uma decepção. E é
por isso que eu sei que esta é a igreja remanescente. Porque a Escritura dizia, e
vi um anjo com um pequeno livro aberto, e o pequeno livro aberto era o
pequeno livro que havia sido fechado e agora estava aberto. Apocalipse
capítulo 10. E o anjo disse-me, como o pequeno livro, será doce em sua boca,
mas amargará sua barriga. O desapontamento foi profetizado. Glória a Deus,
que a Igreja Adventista é a única que passou por essa decepção e é a única que
cumpre a profecia. É por isso que sabemos que estamos na igreja remanescente.
Porque somos a igreja da profecia que atende o tipo exato.

E o que é tudo sobre a purificação do santuário? Ah, ainda temos o


melhor de tudo. Mas você não acha que valia a pena ouvir essa comparação?
Não os ajuda espiritualmente a saber que não fomos os únicos que passaram
por um aparente engano? Também os discípulos foram enganados e quem foi
culpado? Bem, de certo modo, as pessoas do tempo que acreditavam, todos
acreditavam que o Messias iria libertá-los dos romanos. Da mesma forma, no
tempo de William Miller, todos acreditavam que o santuário que devia ser
purificado era o que? A terra. Então, de certa forma, as circunstâncias do tempo
os levaram a essa conclusão ruim. Mas é claro que a Palavra de Deus teve a
explicação.

E o que aconteceu em 1844? Irmãos, é tão simples, não sei como


existem alguns que não conseguem entender. Tudo foi prefigurado no dia da
expiação. Se você seguiu o que estamos falando sobre todo esse fim de semana,
você não tem problema em entender. Quando Cristo entrou no dia do
Pentecostes no santuário celestial, entrou no Lugar Santo e começou a oficiar
como Sumo Sacerdote, intercedendo por nós, nos três escritórios diários que
eram, o sacrifício da manhã e da tarde, os sacrifícios individuais e o incenso. ,
que representa a intercessão de Cristo em favor das orações de Seus santos, e os
sacrifícios individuais, o perdão dos pecados a todos aqueles que confessaram
seus pecados a Cristo no santuário celestial. Como Cristo era, de Sua ascensão
ao céu no Lugar sagrado, assim no fim da grande profecia dos 2.300 dias de
Dan. 8:14, até 2.300 noites e manhãs e o santuário será? Purificado, assim como
o Sumo Sacerdote terrestre entrou no Dia da Expiação, para purificar o
santuário no Santo dos Santos, Cristo, como nosso Sumo Sacerdote no santuário
celestial, entrou no Lugar Santíssimo para fazer a expiação final, purifique o
santuário das impurezas dos filhos de Israel.
Todos os pecados que tinham sido confessados a Cristo como
sacerdote de todos os Seus filhos, durante a era cristã, foram registrados no
santuário. Agora, o Senhor Jesus vai remover esses pecados para sempre do
santuário. Determinando na vida de cada um desses, que aceitaram o Senhor, se
sua vida demonstrou a profissão que eles fizeram de acreditar em Jesus como
Cordeiro pascal. Você observa o registro. Se todos os pecados são confessados, a
pessoa é declarada limpa de todo pecado. Como no antigo Israel. Se todos os
pecados haviam sido confessados e passados para o santuário, então a pessoa
estava limpa. Mas se ele não tivesse confessado algum pecado, e chegou o dia
da expiação, a pessoa foi cortada do povo de Deus. Do mesmo modo, no
santuário celestial, Jesus investiga, olha, o registro de cada um, daqueles que o
aceitaram como Salvador. Se todos os seus pecados forem confessados, a pessoa
será declarada limpa. Sem pecado E seus pecados são apagados.

Mas o que acontece no caso de uma pessoa que aceitou Jesus,


confessou alguns pecados, e aqueles são listados como confessados, mas depois
disso, essa pessoa rejeitou o sangue expiatório de Cristo, foi cometer mais
pecados e nunca mais ele confessou. Ele continuou a viver uma vida de
impiedade e morreu rejeitando o nome de Cristo. E quanto aos pecados que eu
havia confessado no começo? No livro de Ezequiel nos diz, se o justo que se
arrependeu, agora retorna para cometer o pecado, toda sua justiça não será
levada em consideração. Para sua rebelião ele morrerá por seu pecado. Você
percebe porque a expiação final era necessária? Todos aqueles que viveram e
confessaram seus pecados ao Cordeiro, para que Ele os perdoe, agora compare
o registro dos pecados confessados com o registro dos pecados cometidos.
Lembre-se que há dois livros no céu. Um é o livro da vida e outro é o livro dos
pecados. Tudo ruim que você fez é no livro dos pecados. Todos os pecados
confessados estão no livro da vida. Os dois livros são comparados. Se todos os
pecados que aparecem no livro da morte são confessados e perdoados no livro
da vida, a conta é paga. A pessoa é gratuita. Mas se depois de ter confessado os
pecados, o livro da morte revela que há pecados que continuaram a ser
cometidos, para os quais ele não se arrependeu, nem pediu perdão, nem os
confessou, que mostra que não havia entrega e conversão genuínas. Porque se
ele aceitou Cristo, mas continuou a viver em adultério até o dia em que morreu,
e não se arrependeu ou confessou, essa pessoa não pode ser perdoada. É
cortado de Seu povo no Dia da Expiação. Estamos entendendo? Está claro? Essa
doutrina é bíblica ou não bíblica? Está na Palavra de Deus? Lev. 16. Agora, há
muito mais por trás disso, do que simplesmente o que eu estou explicando para
você. Existe um tremendo simbolismo.
Porque havia duas cabras, nas quais a sorte foi lançada. E havia todo
um ritual no dia da expiação. O tempo passou. Infelizmente, não seremos
capazes de cobrir tudo o que é o grande Dia da Expiação. Mas os irmãos, na
cerimônia, os dois cabritos, receberam lotes. Ele diz no versículo 7. Ele tomará
os dois bodes e os apresentará perante o Senhor à porta da Tenda da Reunião. E
Arão lançará lotes sobre os dois cabritos. Um destino para Jeová e o outro
destino para Azazel. E ele trará a Arão, o bode sobre o qual o lote caiu para o
Senhor, e oferece-o para oferta pelo pecado. Mas a cabra em que o lote caiu para
Azazel, o apresentará vivo perante o Senhor, para fazer uma reconciliação sobre
ele, enviá-lo para Azazel para o deserto.

Existem dois animais. Um é usado para expiação. O outro é usado para


enviá-lo para o deserto para Azazel. O que simbolizou tudo isso? Ouça No dia
da expiação, o Sumo Sacerdote, oferecendo para a congregação, entrou no Santo
dos Santos, com o sangue da cabra, para a expiação. Versículo 15. Ele matará a
cabra em expiação pelo pecado do povo e levará o sangue por trás do véu
dentro. E ele fará o sangue como ele fez o sangue do novilho, ele o espalhará no
propiciatório, diante do propiciatório, para que ele purifique o santuário por
causa das impurezas dos filhos de Israel, das suas transgressões e de todos os
seus pecados. Do mesmo modo, ele também fará o tabernáculo da reunião, que
reside entre eles, no meio de suas impurezas.
Agora note claramente isso. Um diz, bem, se eu confesso meus
pecados a Cristo, por que tem que haver um julgamento? Eles já não estão
perdoados? A mesma pergunta poderia ser feita no santuário. Se a pessoa
tivesse confessado seu pecado na cabeça do animal e o animal tivesse sido
morto, por que era necessário, uma vez por ano, oferecer outro animal para a
expiação dos pecados das pessoas? Eles não foram mais atônitos? Os pecados
haviam passado do pecador para o animal, no sangue que tinham sido levados
para o santuário, e eles estavam registrados no santuário. No céu, não é feito
com sangue literal. O registro dos pecados é carregado nos livros do céu. Mas
agora é necessário fazer a expiação final. E o que o Sumo Sacerdote fez no Santo
dos Santos? Ele pegou o sangue da cabra e espalhou-o no Santo dos Santos no
propiciatório, para limpar o santuário e expiar os pecados de todas as pessoas.
Da mesma forma, Jesus, ao entrar no Santo dos Santos, em virtude de seu
sangue derramado em um sacrifício, como lemos no início, de uma vez por
todas, Jesus não morreu novamente, mas em virtude disso sozinho sacrifício,
agora purifica todos os pecados daqueles que lhe foram confessados e que estão
registrados no livro dos céus. Em virtude desse sacrifício, ele agora aplica Seu
sangue expiatório, simbolicamente, para purificar os registros do céu e eliminar
o pecado para sempre. Da mesma forma, Jesus, ao entrar no Santo dos Santos,
em virtude de seu sangue derramado em um sacrifício, como lemos no início,
de uma vez por todas, Jesus não morreu novamente, mas em virtude disso
sozinho sacrifício, agora purifica todos os pecados daqueles que lhe foram
confessados e que estão registrados no livro dos céus. Em virtude desse
sacrifício, ele agora aplica seu sangue expiatório, simbolicamente, para purificar
os registros dos céus e eliminar o pecado para sempre. Da mesma forma, Jesus,
ao entrar no Santo dos Santos, em virtude de seu sangue derramado em um
sacrifício, como lemos no início, de uma vez por todas, Jesus não morreu
novamente, mas em virtude disso sozinho sacrifício, agora purifica todos os
pecados daqueles que lhe foram confessados e que estão registrados no livro
dos céus. Em virtude desse sacrifício, ele agora aplica Seu sangue expiatório,
simbolicamente, para purificar os registros do céu e eliminar o pecado para
sempre. agora purifique todos os pecados daqueles que lhe foram confessados e
que estão registrados no livro dos céus. Em virtude desse sacrifício, ele agora
aplica seu sangue expiatório, simbolicamente, para purificar os registros dos
céus e eliminar o pecado para sempre. agora purifique todos os pecados
daqueles que lhe foram confessados e que estão registrados no livro dos céus.
Em virtude desse sacrifício, ele agora aplica seu sangue expiatório,
simbolicamente, para purificar os registros dos céus e eliminar o pecado para
sempre.
Diz assim, ao espalhar o sangue no propiciatório, foi feito acima da lei.
Aqui, a lei agora aparece como uma norma de julgamento. Os requisitos da lei
exigiam a vida do pecador. E agora, pulverizando o sangue, ficaram satisfeitos.
Então, em seu caráter de mediador, o sacerdote tomou os pecados, que estavam
no santuário, e os carregou em si mesmo, ele deixou o santuário carregando
sobre ele o fardo das falhas de Israel. À porta do tabernáculo, ele colocou as
mãos na cabeça da cabra, o símbolo de Azazel, e confessou sobre ele todas as
iniqüidades dos filhos de Israel, todas as suas transgressões, todos os seus
pecados, colocando-os na cabeça do bode. Isso é Lev. 16: 20-21. Quando ele
terminou de expiar o santuário e o tabernáculo da reunião e o altar, Ele trará o
bode vivo, e Arão colocará ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e
confessará sobre todas as iniqüidades dos filhos de Israel, todas as suas
transgressões, todos os seus pecados, colocando-os na cabeça da bode viva , e
enviará para o deserto, pela mão de um homem destinado a isso. E essa cabra
carregará todas as suas iniqüidades em uma terra desabitada e deixará a cabra
entrar no deserto.

O que isso simboliza? Ouça bem, irmãos. Então eles não ficam
confusos. A cabra viva tem sorte para Azazel. Lembre-se de que uma sorte foi
oferecida sobre os dois animais. Um foi para Jeová, outro foi para Azazel. Se
alguém é para Jeová e o outro é para Azazel, então, quem é Azazel? Bem, se não
é Jeová, quem é? É o contrário de Jeová. Mas o bode expiatório que representa a
Cristo, Jeová, estava morto. Pagando pelo pecado Enquanto a cabra que
representava Satanás foi enviada viva para o deserto, levando os pecados para
uma terra desabitada e longe do campo dos povos de Israel. Eu enfatizo isso,
porque há alguns que dizem, que nós adventistas acreditamos, que Satanás é
nosso salvador, porque ele carrega nossos pecados. Nunca Nunca jamais.

A cabra que foi morta, com a qual a expiação é feita, é a bode que
representa Cristo, que paga nossos pecados. O outro não paga nenhum pecado.
Porque ele não morre. O salário do pecado é a morte. O outro é enviado, o quê?
Eu vivo no deserto. O que isso representa?

Ouça Como Satanás é o criador do pecado, o instigador direto de todos


os pecados que causaram a morte do Filho de Deus, a justiça exige que Satanás
sofra o castigo final. A obra de Cristo a favor da redenção do homem e a
purificação do pecado do universo serão concluídas, retirando o pecado do
santuário celestial e colocando-o sobre Satanás, que suportará definitivamente o
pecado de todo o povo de Deus. Assim, no serviço simbólico, o ciclo anual do
ministério foi completado com a purificação do santuário e a confissão de
pecados na cabeça do símbolo da cabra de Azazel.

Quando Jesus termina purificando o santuário no céu, então o


universo será purificado do pecado, porque todos os pecados serão colocados
no criador do pecado. Sobre quem? Satan Será enviado ao deserto, como? Eu
moro Para uma terra desolada e desabitada. O que isso representa? O milênio
Onde o diabo estará apenas em uma terra desolada e desabitada. Você percebe
que isso nos leva ao fim da grande controvérsia? O fim do milênio. Onde o
pecado é colocado sobre Satanás. E ele é enviado para uma terra desabitada.
Sozinho e vazio E então a culminação final, a festa dos tabernáculos. Oh, este é
o melhor de tudo. Será para a próxima vez que o Pr. Gambeta chega ao
Vallamont.

Você sabe o que simboliza. É o mais bonito de todos. Isto representa


quando o Senhor recebe o Seu povo nas suas moradas. É o partido mais feliz de
todos, a festa da alegria, a festa da alegria, a festa da alegria e da felicidade. Na
casa de meu pai há muitos tabernáculos. Se não fosse assim, eu teria dito a você.
Eu vou preparar um lugar para você. E se eu for dar espaço para você, eu irei
novamente e o levarei para mim mesmo, para que, onde eu esteja, você também
pode ser. Lev. 23:34 Fale com os filhos de Israel e diga-lhes, no dia 15 deste
sétimo mês, a festa de Tabernáculos ao Senhor será de sete dias. No primeiro
dia haverá uma santa convocação. Sete dias a festa da Páscoa. Sete dias, a festa
dos tabernáculos. Os sete simbolizam a perfeição. O sacrifício de Cristo é
perfeito. Os sete simbolizam a perfeição. A redenção de Cristo é perfeita para
todo o sempre. Seu sacrifício dura para sempre. Os sete falam de resistência
eterna. A festa das Cabañas nunca termina. Ele dura para sempre. É a festa com
Cristo por toda a eternidade.
Diz assim. Sete dias oferecerás a oferta ao fogo a Jeová, no oitavo dia
terás uma santa convocação, oferecereis uma oferta por fogo a Jeová, é uma
festa. Versículo 39. No dia 15 do sétimo mês, quando você reuniu o fruto da
terra. Quando? Quando você pegou o fruto da terra. Esta é a colheita final.
Quando Cristo vem reunir o fruto da terra. Vocês farão um banquete ao Senhor
por sete dias. O primeiro dia será o descanso. O oitavo também estará em
repouso. E você terá o primeiro dia de filiais com uma linda árvore de fruta.
Ramos de palmeiras. Onde você viu as palmeiras? Em Apocalipse capítulo sete.
Ramos de árvores frondosas, salgueiros dos ribeiros, e se alegrarão diante do
Senhor, seu Deus, por sete dias. Você fará um banquete a Jeová por sete dias
por ano. Será um estatuto perpétuo para suas gerações. No sétimo mês, você vai
fazer isso. Nos tabernáculos você viverá sete dias. Todo nativo de Israel
habitará em tabernáculos, para que os seus descendentes saibam que eu fiz os
filhos de Israel morar em tabernáculos quando eu os tirei da terra do Egito. Eu
sou Jeová, seu Deus.

Isto comemora a festa dos tabernáculos, a grande libertação do Egito.


Quando viviam em tendas, em tabernáculos. A festa dos tabernáculos mostra
ou aponta para o futuro, quando o Senhor, depois de recolher a colheita dos
filhos do Seu povo, depois da colheita é colhida, os convidará a habitar com Ele,
nos tabernáculos que Ele preparou para eles. eles.

Todo o plano de salvação, nas sete festas anuais. Você sabe? Fizemos
uma grande injustiça. E não foi capaz de cobrir os dois últimos em todos os seus
detalhes. Esta é a parte mais maravilhosa de todos. E é a parte mais difícil de
explicar, porque as festas de outono são as que estão sendo celebradas hoje. A
conformidade agora está sendo real e óbvia. Vivemos no Dia da Expiação e a
festa das Cabañas ainda não começou. Por essa razão, todos os detalhes desses
feriados ainda não são muito claros para nós. Você deve estudar mais neste
aspecto. Como? Eles ainda vêm. Ah, venha amanhã.

Apenas lhe digo que se esse fim de semana serviu para despertar a
preocupação de estudar o santuário e seus serviços, valeu a pena. Se este fim de
semana serviu para abrir os olhos, para a realidade do tempo em que vivemos
no grande Dia da Expiação, e teremos que estudar o que o Dia da Expiação
significa e o que significa afligir nossas almas diante do Senhor. Temos que
estudar o significado disso. Mas irmãos, eu convido você a começar a estudar
isso como nunca antes, porque este tem que ser objeto de estudo do povo de
Deus hoje em dia. O grande dia da expiação. Obtenha toda a literatura que você
possa, leia o Espírito da Profecia, procure a Palavra de Deus, no tema do Dia da
Expiação e da Festa dos Tabernáculos, porque é o que temos no nosso momento
presente e nos dias que se seguem. É o culminar final do grande drama, do
grande conflito entre o bem e o mal.

E irmãos, você sabe? Além disso, essas partes foram atendidas em


detalhes, também estão sendo atendidas em detalhes? Eu não entendo tudo o
que isso significa nos dias, mas uma coisa que eu posso lhe dizer, se o dia da
Expiação começou em 22 de outubro de 1844, no décimo dia do sétimo mês, a
festa das cabines também começará em um 15 do sétimo mês. Que significa
isso? Isso significa que os povos adventistas que conhecem o santuário
conhecerão os tempos e as estações que temos para viver, e estaremos
preparados para o que está por vir. Eles estarão prontos e eles saberão, porque o
Senhor vai manifestar, neste tempo do fim, o significado exato dessas coisas
para a glória e honra de Seu nome.

Sabemos que tudo irá culminar com a grande festa do Jubileu do povo
de Deus. Onde o Senhor se alegrará com os Seus filhos para todo o sempre. E
você conhece os irmãos, eu quero fazer parte desse grupo glorioso de filhos de
Deus que celebrará a festa dos Tabernáculos com o Senhor na realidade, por
toda a eternidade. Quero estar entre aqueles que o receberão quando vierem na
glória. Para isso devemos passar pelo Dia da Expiação. Você não pode chegar à
Festa dos Tabernáculos, sem passar pela Expiação.
O Dia da Expiação não deve nos assustar ou nos intimidar, se nossos
pecados forem confessados em Cristo Jesus. Se abandonarmos todo pecado e
todo pecado em nossas vidas é confessado e removido de nós, o julgamento não
deve ser temido. E você diz, pastor, e depois, minha vida, ainda há pecado em
mim. É por isso que meu irmão, o Senhor, enviou a festa das trombetas, a
mensagem dos primeiro, segundo e terceiro anjos, que nos conduzem e nos
ensinam como purificar todo o nosso pecado de nossas vidas, para que
possamos passar pelo Dia da Expiação coberto por Cristo Jesus. Salvador Ao
compreender a mensagem dos três anjos, entendemos como chegamos a
purificar o pecado de nossas vidas. Como podemos ser santificados obedecendo
a verdade e como pelo sangue de Cristo nossos pecados podem ser totalmente
limpos. Há esperança para você e para mim. Se a nossa vida está escondida com
Cristo em Deus, há esperança.

Irmão, neste dia da Expiação, devemos confessar todos os nossos


pecados ao Senhor. Devemos pedir-Lhe que nos purifique de todo pecado. Para
que, quando o nosso nome for trazido antes do tribunal celestial, todos os
nossos pecados são confessados e não há pecado ou mancha em nós, porque em
Cristo somos mais que conquistadores. Que essa seja sua experiência e a minha.

Quantos nesta hora querem reconsenar sua vida ao Senhor Jesus,


pedindo que esse sangue expiatório os purifique de todo pecado? E dê-lhes o
poder de desistir do pecado e viver uma vida de vitória em Cristo Jesus. Amém
Que este Dia da Expiação seja uma realidade na sua vida e na minha, para que a
celebração das Cabanas celebremos juntos nos Tabernáculos que o Senhor Jesus
preparou para você e para mim, para viver com Ele para sempre e para sempre.
Que o Senhor Jesus nos abençoe.

Sermões pelo Pr. Hugo Gambeta


© 2001 Ministerio PES, todos os direitos reservados

Contacte-nos - Termos de Serviço - Ferramentas