Sei sulla pagina 1di 2

Com a proposta de um estudo que aborde de forma integrada os campos da

afetividade, da motricidade, e da inteligência, Wallon se propõe construir suas analises de


estudo a partir das experiências concretas que ocorre com cada individuo, ou seja, fazer uma
analise contextualizada a partir do meio social em que o objeto de estudo estiver inserido.

Em particular buscarei tratar da relação entre a emoção e motricidade no


desenvolvimento do intelecto humano. Para Wallon o movimento tem um papel fundamental
na construção cognitiva. Para ele a atividade corpórea e o processo cognitivo estão
intrinsecamente ligados. Para estudar esse processo é necessário considerar que “a atividade
muscular pode existir sem que se de o deslocamento do corpo (de segmento ou do todo) no
espaço.”.

A atividade corpórea em seu inicio não busca se relacionar com o mundo físico, ou
seja, os movimentos não são voltados para alterar os objetos materiais que cercam o
individuo, esses primeiros movimentos são a busca para a interação com o meio humano. A
primeira função deste movimento no desenvolvimento infantil é a afetividade, e a partir dela
temos os sentimentos como uma forma de realizar um processo de socialização, de coesão
com outros componentes sociais humanos. Mais para o final do primeiro ano de vida os
movimentos são voltados para uma interação com o mundo exterior criando uma relação com
o mundo material objetivo para adaptar o individuo ao funcionamento do mundo social que
ele está se inserindo.

A segunda etapa -em que existe a pratica se relacionando com o mundo exterior - é
um processo importantíssimo para continuar a analise da dimensão cognitiva dos movimentos.
Mesmo sem ter o movimento em si, as posturas que tomamos para fazer determinadas
atividades estão relacionadas com atividades intelectuais, por exemplo, ao ler não nos
movimentamos, mas temos o processo de assumir uma postura que consiste no uso dos
músculos, ou seja, de uma atividade corpórea para manter naquela posição, e o determinante
é por exemplo “As variações tônicas refletem o curso do pensamento.” Que são movimentos
para tirar da inércia aparente da mente pela não movimentação do corpo.

A percepção também esta intimamente ligada a função Tonica muscular. Por exemplo,
para enxergarmos melhor fazemos contrações com os olhos, apertando-os. Na infância esse
processo faz com que as crianças, a partir do sentimento das experiências corpóreas com o
mundo exterior criam-se uma consciência da realidade externa; “É por meio desta
impregnação perceptiva que a criança torna-se capaz de reproduzir determinada cena após tê-
la presenciado, ou seja, de imitar.” O processo de imitação é de extrema relevância para
Wallon, é ele que demonstra as origens do ato mental.
Na criança a recorrência aos gestos é uma forma de completar a expressão de um
pensamento, é uma atividade “projetiva”, isso por conseqüência do ato mental ainda não
completamente desenvolvido “projeta-se em atos motores.” A criança cria um cenário
corporal que procede a idéia que ela quer passar. Estes gestos simbólicos têm sua origem na
busca de representação do mundo material
Com o progresso do processo cognitivo a criança se torna capaz de conhecer os
resultados das ações motoras mais complexas, quando integrado a uma maior inteligência o
ato motor se internaliza e o individuo passa a usar menos a motricidade exterior. Essa melhor
compreensão torna a criança mais autônoma com relação ao adulto que era seu mediador
com o meio social. O processo de aumento da autonomia vem carregado da especialização
das ações motoras, e essa especialização está diretamente vinculada ao ambiente cultural, ele
irá aprender e se especializar a partir da relação do contexto cultural com os objetos no qual
está inserido, e depende também do desenvolvimento e maturação dos processos nervosos
que diminuem os movimentos sincréticos, movimentos desnecessários que atrapalham a
realização das tarefas como devem ser.
Excluindo estes movimentos desnecessários, as ações motoras tendem a uma
progressiva objetivação. Mas cabe ressaltar que por mais objetivo que seja a ação ela está
carregada de um teor expressivo na simples forma como é realizado. E cada cultura tende a se
expressar a partir de suas particularidades na construção da objetivação e internalizarão do
movimento.
O controle mais objetivo dos movimentos está ligado a um processo de
desenvolvimento do córtex cerebral presente por volta dos seis, sete anos de idade. Não
existe mais aquelas ações sem discriminação dos estímulos exteriores, eles agora são
controlados, são mais focados os no sentido das ações motoras e menos propensos a ceder a
qualquer estimulo exterior. “As dificuldades da criança em permanecer parada e concentrada como a
escola exige testemunham que a consolidação das disciplinas mentais é um processo lento e gradual,
que depende não só de condições neurológicas, mas também está estreitamente ligada a fatores de
origem social, como desenvolvimento da linguagem e aquisição de conhecimento. Assim, a escola tem
um importante papel na consolidação das disciplinas mentais.”