Sei sulla pagina 1di 37

Estradas e Vias Urbanas

Luiza Pinto Coelho Franco


Luiza.coelho@prof.unibh.br 1

2017/2
(D)

2
Principais Características Técnicas

3
Alinhamento Horizontal
Traçado suave – segurança e dirigibilidade
- Inserção no relevo – menor custo de implantação e boa
interação com o cenário natural
- Evitar curvas sucessivas com raios muito diferentes
- Raio mínimo é função da velocidade (V) e da
superelevação máxima adotada em projeto (emáx)

4
5
6
Introdução

Conforto
Curvas
Segurança

Reduzir os incômodos dessa variação brusca da


aceleração centrífuga

Intercala-se, entre a tangente e a curva circular, uma


curva de transição de forma gradual (raio de curvatura
infinito  raio da curva circular)
7
Elementos Geométricos

Curva de Concordância Horizontal


Elementos Geométricos

Curva de Concordância Horizontal

- Concordar Alinhamentos retos;

- SIMPLES – Arco de Círculo;


- COMPOSTA COM TRANSIÇÃO – curva espiral.
Curva de Concordância Horizontal - Transição

Para assegurar o conforto e a segurança nas curvas e


reduzir os incômodos da variação brusca da aceleração
centrífuga, intercala-se entre a tangente e a curva circular
uma curva de transição, na qual o raio de curvatura passe
gradativamente do valor infinito ao valor do raio da curva
circular.

Pontes, 1998
11
Introdução
13
14
Curva de Concordância Horizontal - Transição
- Representação de curva de transição:

Lee (2001)
16
17
Tipos de Curvas de Transição

Clotóide ou espiral de Cornu

𝐌𝐀𝐈𝐒
𝐔𝐓𝐈𝐋𝐈𝐙𝐀𝐃𝐀
18
Curva de Concordância Horizontal - Transição

- Clotóide ou espiral de Cornu:

R.L = K² = Rc.Ls

ρ=∞
Reta tangente
Concordância da curva de transição

Afastamento da curva em relação à tangente

• Centro conservado • Centro conservado • Centro alterado


• Tangentes conservadas • Tangentes alteradas • Tangentes conservadas
• Raio alterado • Raio conservado • Raio conservado

20
MAIS UTILIZADO!
21
Curva de Concordância Horizontal - Transição
Raio Conservado*
PI
Varia-se a posição do centro.
- Mantém o valor do Raio
predefinido, e posição das
tangentes;
PC PT
Rc Rc
Rc Rc
23
Elementos de uma curva horizontal com transição

• O’: centro do trecho


circular afastado
• PI: ponto de interseção
das tangentes
• TT: tangente total

24
Elementos de uma curva horizontal com transição

• D: desenvolvimento do
trecho circular
• Rc: raio da curva
circular
• Ls: comprimento do
trecho de transição
• E: distância do PI à
curva circular

25
Elementos de uma curva horizontal com transição

• AC: ângulo central


• Δ: deflexão das
tangentes
• θs: ângulo de transição
• ∅ (ou θc): ângulo
central do trecho
circular

26
Pontos Notáveis

• TS: tangente-espiral
• SC: espiral-circular
• CS: circular-espiral
• ST: espiral-tangente

27
Cálculo dos elementos da espiral

Estaca dos Pontos Notáveis

• TS: tangente-espiral
• SC: espiral-circular
• CS: circular-espiral
• T: espiral-tangente

𝐸 𝑻𝑺 = 𝐸 𝑃𝐼 − [𝑇𝑇]
𝐸 𝑺𝑪 = 𝐸 𝑇𝑆 + [𝐿𝑠 ]
𝐸 𝑪𝑺 = 𝐸 𝑆𝐶 + [𝐷]
28
𝐸 𝑺𝑻 = 𝐸 𝐶𝑆 + [𝐿𝑠 ]
Curva de Concordância Horizontal - Transição
𝑳² 𝑳𝒔 PI
𝜽= 𝜽𝒔 =
𝟐. 𝑹𝒄. 𝑳𝒔 𝟐. 𝑹𝒄

𝜽𝟐 𝜽𝟒 SC CS
𝒙 = 𝑳 ∙ (𝟏 − + − ⋯)
𝟏𝟎 𝟐𝟏𝟔
𝜽𝒔𝟐 𝜽𝒔𝟒
𝑿𝒔 = 𝑳𝒔 ∙ (𝟏 − + − ⋯) ϕ
𝟏𝟎 𝟐𝟏𝟔 Rc
Rc Rc ST
TS Rc
𝜽 𝜽𝟑
𝒚= 𝑳∙( − + ⋯)
𝟑 𝟒𝟐
𝜽𝒔 𝜽𝒔𝟑
𝒀𝒔 = 𝑳𝒔 ∙ ( − + ⋯)
𝟑 𝟒𝟐
Cálculo dos elementos da espiral

Na prática, as expressões para Xs e Ys podem ser


reduzidas:

𝑳𝟐
• 𝐿 = 𝐿𝑆 𝜽=
𝟐. 𝑹𝒄 𝑳𝒔
𝜽𝒔 =
𝑳𝒔
𝟐. 𝑹𝒄
[radianos]
• 𝜃 = 𝜃𝑆
𝜽 𝒔 𝟐 𝜽𝒔 𝟒
• X= 𝑋𝑆 𝑿𝒔 = 𝑳𝒔 . 𝟏 − +
𝟏𝟎 𝟐𝟏𝟔
[m]
• 𝑌 = 𝑌𝑆
𝜽𝒔 𝜽𝒔 𝟑
𝒀𝒔 = 𝑳𝒔 . + [m]
𝟑 𝟒𝟐

30
TANGENTE TOTAL

∆ 𝑇𝑇 − 𝑘
tan =
E 2 𝑅𝑐 + 𝑝

SC

𝑻𝑻 = 𝒌 + (𝑹𝒄 + 𝒑) ∙ 𝐭𝐚𝐧
PC 𝟐
TS

O’
TS (0;0) SC (Xs;Ys)

PC (k;p)
E
k = Xs -a k = Xs - 𝑹𝒄 ∙ 𝒔𝒆𝒏 (𝜽𝒔)
SC
p = Ys -b p = Ys -𝑹𝒄 ∙ [𝟏 − 𝒄𝒐𝒔 𝜽𝒔 ]

PC 𝒂
𝒔𝒆𝒏 𝜽𝒔 = → 𝒂 = 𝑹𝒄 ∙ 𝒔𝒆𝒏 (𝜽𝒔)
𝑹𝒄
TS
𝑹𝒄 − 𝒃
𝒄𝒐𝒔 𝜽𝒔 = → 𝒃 = 𝑹𝒄 ∙ [𝟏 − 𝒄𝒐𝒔 𝜽𝒔 ]
𝑹𝒄

O’
Cálculo dos elementos da espiral

Ângulo Central
Trecho Circular
∅ = ∆ − 𝟐𝜽𝒔

Comprimento do
Trecho Circular
𝑫 = 𝑹𝒄 . ∅
[rad]
𝝅
𝑫 = 𝑹𝒄 . ∅°.
𝟏𝟖𝟎°
[graus]

Desenvolvimento Total
da Concordância 33
𝑫𝒕𝒐𝒕 = 𝑫 + 𝟐. 𝑳𝒔
[m]
Escolha do comprimento de transição (Ls)

Alinhamento Reto

Variação instantânea do raio


infinito para o raio finito da
curva circular

Curva circular

Força inercial centrífuga que


tende a desviar o veículo de sua
trajetória
Escolha do comprimento de transição (Ls)

Alinhamento Reto
Para minimizar este inconveniente:
 Curva de transição
Variação instantânea do raio
 infinito para
Comprimento adequado parao raio
quefinito da da força
o efeito
curva circular
centrífuga apareça de maneira gradual

Curva circular

Força inercial centrífuga que


tende a desviar o veículo de sua
trajetória
Escolha do comprimento de transição (Ls)
• O maior valor obtido através do calculo de “Lsmin” , a
partir do 1o, 2o e 3o critério, e o limite que devera ser
observado para o cálculo da curva de transição.

• Normalmente, são escolhidos para “Ls” valores


múltiplos de 20 metros;

• E um valor de referencia; sempre que possível, adota-se


para “Ls” valores maiores, os quais proporcionarão uma
transição mais confortável.

37