Sei sulla pagina 1di 28
Argelina Cheibub Figueiredo DEMOCRACIA QU ‘REFORMAS? ‘Alternativas democraticas acrise politica: 1961-1964. Tradugio Carlos Roberto Aguiar | INTRODUGAO ‘Uma questao cléssicae ainda nao resolvida da teoria demo- cratica e-das sociedades liberais ¢ a tensio entre democracia polf- tica e desigualdade econémica e social. A historia tem demonstrado que procedimentos e institui- _gfes democréticos nfo resultarn em uma reparticao justa de bem- estar. As democracias attiais enfrentam grandes desigualdades, ¢ aquelas que aleancaram maior justica social o fizeram muito len- tamente, em conseqiiéncia de mudancas graduais. ritmo lento de mudangas sécio-econémicas sob institui- ‘Gdes democraticas deve-se, talvez, a algumas de suas caracteristi- cas fundamentais — particularmente a competi¢ao politica e a regra da maioria. Nos perfodos em que a redistribuicdo econé- ‘mais, o jd lento ritmo das mudancas sécio-econdmicas sob instituicdes democraticas.! ‘Ambes, Levine (1978) e Karl (1986), demonstram que, na Venezuela, durante a No inicio dos anos 60, a sociedade brasileira defrontou-se com esse dilema. Nesse periodo, um conjunto de reformas politicas ¢ sécio-econémicas tornou-se prioritério na agenda politica, © as instituicdes democraticas do pais ruiram sob a pressio.de forcas polarizadas e radicalizadas a favor e contra a mudanca social Neste estudo investigarei as possibilidades de sucesso de solugSes politico-institucionais que, dadas as condicdes vigentes, pudessem combinar democracia com reformas sociais. Em con. traste com as explicagées predominantes sobre o golpe de 1964, enfatizarei a interacio estratégica entre os atores relevantes, espe- “ cialmente aqueles que buscavam mudanca. Minha pressuposigad ~ central € a de que o regime autoritério instalado em 1964, no no foi o resultado de uma todo-poderosa conspiracio ta contra o regime anterior. Tampouco foi a conseqiiéncia vel de fatores estruturais politicos e/ou econdmicos, al- guns dos quais jé atuavam quando, em 1961, um golpe militar foi abortado. Através da reconstrucio das possibilidades que esta- vam abertas & acdo politica naquele'contexto hist6rico especifico, bem como das oportunidades perdidas,. tentarei avancar no de- bate entre as abordagens estruturais e a abordagem estratégica do problema da mudanga politica, ee se Na segio que segue, examinarei brovemente as principais explicagées da mudanga de regime ocorrida em 1964, com 0 obje- tivo de introduzir algumas das questées teéricas e metodolégicas que sio objeto de preocupacio neste estudo. BREVE REVISAO DA LITERATURA Na literatura existente sobre o golpe de 1964, podemos iden- {ificar dois tipos de explicagies: a estrutural e a irtencional ou “orientada-para-o-ator” As explicacdes estruturais podem ser divididas em dois ‘pos: aquelas que enfatizam o papel de fatores econémicos na determinagao dos eventos analisados e aquelas que acentuam 0 2 ide democritica foi assegurada & custa de refortis & de fatores politicos e institucionais. As explicacées estrutu- eer a politica como a etondmica, apontam para'a inevitabi- - dade de um resultado autoritério, Por esta ra7H0, Podem ser vistas como argumentos estruturalistas extremados, que susten- oplige agegetars oro derrrmpen tore tém por efeito reduzir o conjunto. possivel de agées para um ‘nico ponto” (Elster, 1979, p. 113). A margem deixada para es- colha tao pequena que a propria escolha tomna-se irrelevante, € ago, jientemente, va. aaa teaballos de C/Donnell (1972. ¢ 1975) e Cardoso (4973) destacam-se entre aqueles que enfatizam os fatores econémicos. O'Donnell oferece um modelo.complexo exibindo as conexdes entre estigios de industrializagdo e regimes autoritarios? De acorde com O'Donnell, a medida que a substituicio de importa~ ses-se “aprofunda”, 0 processo de industrializagao atinge um pponto exitco,a partir do qual o erescimento econémico posterior depende de formas autoritérias de regulacao do conflito.” Ele nao enfrenta, propositalmente, a questo da inevitabilidade do resul- ado autoritério, argumentando que existe apenas uma “afini- —- dade eletiva” entre estes dois feriémenos (O'Donnell, 1979, p. 206). Entretanto, sew argumento central funda-se. num pressuposto, implicito que encerra a nogio de necessidade, oy Cardoso oferece uma visio mais claramente determinista, “Afirma que 6 processo de acumulagao exige o desmantelamento dos instrumentos de pressio e defesa disponiveis as classes po- pulares. O autoritarismo decorrente foi, portanto, inevitével por- que “se tornava necessirio reestruturar os mecanismos de acu- avangos jé obtidos rio. desenv (aie 1825 9.287 ; f Estas explicagdes econdmicas jé foram devidamente con- testadas no que se refere as evidéncias empiricas que as susten- tam Uma critica metodolégica a esta abordagem deve ser tam- 2. Collier fomece uma bela representagio exiticn dos argumentos de O'Donnell, felerenies&conergtcia do “atoriarismo busoertico” (197 p. 28) 3, Para argumentagdo mais detalnada& espllo deste astinto, Ver Wallerstein 60, pp. 7D) 1. Shee Ber tiscaman (17) Sea 197 « Warten 1560, 2B