Sei sulla pagina 1di 97
P ROJETO DE E DIFÍCIOS EM E STRUTURA M ETÁLICA Efeitos de 2ª Ordem F

PROJETO DE EDIFÍCIOS EM ESTRUTURA METÁLICA

Efeitos de 2ª Ordem

FÁBIO EMANUEL MAGALHÃES OLIVEIRA

Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de

MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL — ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS

Orientador: Professor Doutor José Miguel Castro

Coorientador: Engenheiro Bruno Pereira

JUNHO DE 2013

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2012/2013

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Tel. +351-22-508 1901

Fax +351-22-508 1446

miec@fe.up.pt

Editado por

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Rua Dr. Roberto Frias

4200-465 PORTO

Portugal

Tel. +351-22-508 1400

Fax +351-22-508 1440

feup@fe.up.pt

http://www.fe.up.pt

Reproduções parciais deste documento serão autorizadas na condição que seja mencionado o Autor e feita referência a Mestrado Integrado em Engenharia Civil - 2012/2013 - Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2013.

As opiniões e informações incluídas neste documento representam unicamente o ponto de vista do respetivo Autor, não podendo o Editor aceitar qualquer responsabilidade legal ou outra em relação a erros ou omissões que possam existir.

Este documento foi produzido a partir de versão eletrónica fornecida pelo respetivo Autor.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

À memória do meu avô e à minha família.

Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes. Isaac Newton

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

AGRADECIMENTOS

Ao Professor Doutor José Miguel Castro, pela orientação científica, disponibilidade demonstrada, e acima de tudo, pelo conhecimento e motivação transmitida.

Ao Engenheiro Bruno Pereira, pela oportunidade de aprendizagem através da sua experiência profissional e apoio permanente.

À equipa da FASE – Estudos e Projetos, S.A., por ter proporcionado boas condições de trabalho e pelo

conhecimento partilhado.

A todos os professores que fizeram parte da minha vida académica, que contribuíram com a sua experiência e conhecimento para a melhoria contínua da minha formação pessoal e profissional.

À minha família pelo apoio e amor incondicional, que tornou possível a concretização deste trabalho.

À Débora pelo amor e apoio dado ao longo de todo o meu percurso académico.

A todos deixo o meu profundo agradecimento.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

RESUMO

Em Portugal, as estruturas metálicas ao longo dos últimos anos têm vindo a ganhar forte presença no mercado da construção civil. Sendo o aço um material com elevada relação resistência/peso é preferido na execução de pórticos metálicos constituintes dos pavilhões industriais onde se pretende vencer moderados vãos com economia. Nestes casos, verifica-se a utilização de elementos de elevada esbelteza que se encontram solicitados à compressão, o que leva a estas estruturas a serem sensíveis aos efeitos de segunda ordem.

Neste trabalho apresenta-se um estudo comparativo das diversas metodologias previstas no Eurocódigo 3 para a consideração das imperfeições e efeitos de segunda ordem na análise global elástica de pórticos metálicos. O estudo incidiu em vários pórticos do tipo “portal frame”, utilizados frequentemente em pavilhões industriais e um pórtico metálico de vários pisos destinado a habitação. Para o efeito considerou-se um conjunto vasto de pórticos metálicos dimensionados de acordo com o Eurocódigo 3, nos quais foram variados diversos parâmetros, tais como: i) dimensão do pórtico; ii) inclinação da cobertura; iii) localização da estrutura; iv) presença de rigidificadores nas ligações travessa-pilar; v) classe de aço. Cada pórtico foi analisado à luz das várias abordagens previstas na norma Europeia, nomeadamente no que concerne ao procedimento para a avaliação da mobilidade da estrutura, no processo de incorporação das imperfeições globais. Os resultados obtidos permitem concluir que a avaliação do parâmetro de carga crítica da estrutura através do método simplificado do EC3 apresenta alguma discrepância em relação a metodologias mais rigorosas de análise, sobretudo para combinações de ações com predominância de ações laterais. Conclui-se também que os diversos métodos de introdução de imperfeições geométricas e de incorporação dos efeitos de segunda ordem conduzem a resultados consistentes entre si. Em todo o caso, os resultados obtidos permitem também concluir sobre a reduzida influência dos efeitos de segunda ordem nos casos considerados no estudo.

PALAVRAS-CHAVE: portal frame, estruturas metálicas, efeitos de segunda ordem, imperfeições geométricas, parâmetro de carga crítica.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

ABSTRACT

In Portugal, the metal structures over the past few years have been gaining a strong presence in the construction market, in various areas of the industry. As the steel material has high resistance/weight ratio is preferred in the implementation of metal frames of industrial buildings where it can be used economically for moderate spans. In these cases, the use of high slenderness elements under compression, leads these structures to be sensitive to second order effects.

In this work is presented a comparative study of the various methodologies provided in Eurocode 3 for consideration of imperfections and second order effects in the global analysis of elastic metal frame. The study focused on multiple frames of the type portal frame, often used in industrial buildings and multi-storey frame for housing/offices. For this purpose it was considered a wide range of metal frames design according to Eurocode 3, in which various parameters were varied, such as: i) frame size; ii) roof pitch; iii) the location of the structure; iv) presence of stiffeners in beam-column connections; v) steel grade. Each frame was analysed in relation to the various approaches set out in the European norm, particularly with regards to the procedure to evaluate the mobility of the structure in the process of incorporation of global imperfections. The results indicate that the evaluation of critical load factor of the structure through the simplified method of EC3 presents some discrepancy regarding methodologies of more rigorous analysis, especially for combinations of actions with predominant lateral actions. It was also concluded that the various methods of introducing geometric imperfections and incorporating the second order effects lead to results consistent with each other. In any case, the results also supported the conclusion about the reduced influence of second order effects in the cases considered in the study.

KEYWORDS: Portal frame, metal structures, second order effects, geometric imperfections, critic load factor.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

ÍNDICE GERAL

AGRADECIMENTOS

i

 

RESUMO

iii

ABSTRACT

v

ÍNDICE GERAL

vii

ÍNDICE DE FIGURAS

xi

ÍNDICE DE TABELAS

xiii

1.

INTRODUÇÃO

1

1.1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

1

1.2. ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

2

2.

PAVILHÕES INDUSTRIAIS E PÓRTICOS METÁLICOS

3

2.1. INTRODUÇÃO

3

2.2. TIPOLOGIAS DE PÓRTICOS METÁLICOS

3

2.2.1.

PÓRTICOS DE UM PISO

3

2.2.1.1. Pórticos de vigas simplesmente apoiadas

4

2.2.1.2. Pórticos

rígidos

5

2.2.1.3. Pórticos de vigas suportadas por cabos

7

2.2.1.4. Arcos

8

2.2.2.

PÓRTICOS DE VÁRIOS PISOS

8

3.

AÇÕES A CONSIDERAR NO DIMENSIONAMENTO

11

3.1. INTRODUÇÃO

11

3.2. REGULAMENTAÇÃO

UTILIZADA NA AVALIAÇÃO DE AÇÕES

11

3.3. QUANTIFICAÇÃO DE

AÇÕES

11

3.3.1. AÇÕES

PERMANENTES

11

3.3.2. AÇÕES

VARIÁVEIS

12

3.3.2.1. Ação

variável

sobrecarga

12

3.3.2.2. Ação

variável

vento

12

3.3.2.3. Ação

variável

neve

16

3.3.3.

AÇÕES ACIDENTAIS

18

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

3.4. COMBINAÇÃO DE AÇÕES

 

18

3.5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

19

4. ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE PÓRTICOS METÁLICOS SEGUNDO O EC3

21

4.1. INTRODUÇÃO

21

4.2. TIPOS DE ANÁLISE ESTRUTURAL

 

21

4.2.1. ANÁLISE LINEAR DE ESTRUTURAS

22

4.2.2. EFEITOS NÃO LINEARES

 

22

4.2.2.1. Efeitos fisicamente não lineares (não linearidade material)

23

4.2.2.2. Efeitos de segunda ordem (não linearidade geométrica)

23

4.2.3. CONSIDERAÇÃO DOS EFEITOS DE SEGUNDA ORDEM NA ANÁLISE GLOBAL

26

4.2.4. CONSIDERAÇÃO DAS IMPERFEIÇÕES NA ANÁLISE

27

4.2.4.1. Consideração

das

imperfeições

globais

27

4.2.4.2. Consideração

das

imperfeições

locais

28

4.2.5. CARACTERÍSTICAS DOS DIFERENTES MÉTODOS DE ANÁLISE GLOBAL

29

4.2.6. ANÁLISE A SEGUIR NO PRESENTE ESTUDO

 

30

4.3.

MÉTODOS SIMPLIFICADOS DE QUANTIFICAÇÃO DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA

31

4.3.1. MÉTODO SIMPLIFICADO PROPOSTO PELO EC3-1-1 (MÉTODO DE HORNE)

31

4.3.2. MÉTODO ALTERNATIVO PROPOSTO POR LIM ET AL (2005)

32

4.3.3. MÉTODO SIMPLIFICADO PROPOSTO PELO SCI PARA PORTAL FRAME

33

4.4. DIMENSIONAMENTO E VERIFICAÇÕES DE SEGURANÇA SEGUNDO O EC3

34

4.5. DESCRIÇÃO DOS PROGRAMAS DE CÁLCULO UTILIZADOS

35

4.5.1. AUTODESK ROBOT STRUTURAL ANALYSIS PROFESSIONAL 2013 – ANÁLISE NÃO LINEAR GEOMÉTRICA 35

4.5.2. SAP2000 V15.1.0 – ANÁLISE NÃO LINEAR GEOMÉTRICA

35

4.6.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

36

5. DESCRIÇÃO DOS CASOS DE ESTUDO E ANÁLISES EFETUADAS

37

5.1. INTRODUÇÃO DOS CASOS DE ESTUDO – PÓRTICOS DE UM PISO

37

5.2. DIMENSIONAMENTO DOS PÓRTICOS DE UM PISO DE ACORDO COM O EC3

38

5.2.1. INTRODUÇÃO

38

5.2.2. AÇÕES CONSIDERADAS

38

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

5.2.2.1. Ações

permanentes

38

5.2.2.2. Ações

variáveis

39

5.2.3. COMBINAÇÕES DE AÇÕES CONSIDERADAS

40

5.2.4. ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO

41

5.3.

INTRODUÇÃO DO CASO DE ESTUDO – PÓRTICOS DE VÁRIOS PISOS

42

5.3.1. GEOMETRIA

42

5.3.2. AÇÕES CONSIDERADAS

42

5.3.3. COMBINAÇÕES DE AÇÕES CONSIDERADAS

43

5.4.

ANÁLISES EFETUADAS

43

5.4.1. INTRODUÇÃO

43

5.4.2. INTRODUÇÃO DAS IMPERFEIÇÕES NA ANÁLISE GLOBAL

43

5.4.3. AVALIAÇÃO DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA

44

5.4.4. OBTENÇÃO DE ESFORÇOS PARA OS DIFERENTES TIPOS DE ANÁLISE

44

5.4.5. INFLUÊNCIA DA ALTERAÇÃO DA CLASSE DE AÇO PARA S355

45

5.5.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

45

6. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DOS PÓRTICOS DE UM PISO

47

6.1. INTRODUÇÃO

47

6.2. VALOR DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA ( )

47

6.2.1.

DETERMINAÇÃO ATRAVÉS DE ANÁLISE À ENCURVADURA

47

6.2.1.1. Estudo de sensibilidade

47

6.2.1.2. Comparação entre α cr obtidos pelo Robot e SAP2000

49

6.2.1.3. Parâmetro α cr obtidos pela análise à encurvadura efetuada em Robot

49

6.2.2.

DETERMINAÇÃO ATRAVÉS DE MÉTODOS SIMPLIFICADOS

50

6.2.2.1. Método proposto pelo EC3-1-1

50

6.2.2.2. Método proposto pelo SCI

50

6.2.2.3. Método proposto por Lim et al

51

6.2.3. COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS

51

6.2.4. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS

53

6.2.4.1. Combinação de ações sem ações laterais (ELU AVB I)

53

6.2.4.2. Combinação de ações com ações laterais (ELU AVB W2 S1 e ELU AVB S1 W2)

53

6.3.

OBTENÇÃO DE ESFORÇOS PARA OS DIFERENTES TIPOS DE ANÁLISE

53

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

6.3.1. CASOS DE ESTUDO 1, 2C, 4 E 5

54

6.3.2. CASO DE ESTUDO 2

54

6.3.2.1. Validação dos resultados obtidos pelo programa de cálculo ROBOT

55

6.3.2.2. Estudo e comparação da metodologia de introdução das imperfeições geométricas globais .55

6.3.2.3. Estudo e comparação dos diferentes tipos de análise

55

6.3.3. CASO DE ESTUDO 2A

56

6.3.4. CASO DE ESTUDO 2B

56

6.3.5. CASO DE ESTUDO 3

57

6.3.6. CONCLUSÕES DO ESTUDO

57

6.4.

INFLUÊNCIA DA ALTERAÇÃO DA CLASSE DE AÇO PARA S355

58

6.4.1. ALTERAÇÕES DAS SECÇÕES DOS PERFIS DIMENSIONADO PARA A CLASSE S275

58

6.4.2. DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA PARA OS CASOS DE ESTUDO DIMENSIONADOS PARA

O

AÇO

DA CLASSE

S355

59

6.4.3.

OBTENÇÃO DOS ESFORÇOS PARA OS DIFERENTES TIPOS DE ANÁLISE (S355)

60

6.4.3.1. Caso de estudo 2a

60

6.4.3.2. Caso de estudo 2c

61

6.4.3.3. Caso de estudo 3

63

6.4.4.

CONCLUSÕES DO ESTUDO

64

6.5.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

64

7.

DISCUSSÃO

DOS

RESULTADOS

DO

PÓRTICO

DE

VÁRIOS PISOS

 

65

7.1. VALOR DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA ( )

 

65

7.2. IDENTIFICAÇÃO DE PILARES CONDICIONANTES

66

7.3. OBTENÇÃO DE ESFORÇOS PARA OS DIFERENTES TIPOS DE ANÁLISE

 

67

7.3.1. ESTUDO E COMPARAÇÃO DA METODOLOGIA DE INTRODUÇÃO DAS IMPERFEIÇÕES GEOMÉTRICAS

GLOBAIS

68

7.3.2.

ESTUDO E COMPARAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE ANÁLISE

68

7.4.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

68

8.

CONCLUSÕES

69

8.1. CONCLUSÕES

69

8.2. PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTOS FUTUROS

71

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

73

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

ÍNDICE DE FIGURAS

4

Fig. 2.2 – Esquema estrutural de um edifício com pórticos de vigas simplesmente apoiadas (adaptado

4

Fig. 2.3 – Esquema estrutural de um portal frame simétrico de vão simples (adaptado de SCI, 2004) .5

do relatório do projeto SECHALO, 2012)

Fig. 2.1 – Esquema estrutural de um edifício metálico de um piso (Adaptado de Trahair et al, 2008)

Fig. 2.4 – Vários tipos de portal frame (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

6

Fig. 2.5 – Formas típicas de treliças horizontais (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

7

Fig. 2.6 – Esquema estrutural de um edifício com pórticos treliçados (adaptado do relatório do projeto

7

SECHALO, 2012)

Fig. 2.7 – Esquemas estruturais de pórticos de vigas suportadas por cabos (adaptado do relatório do

projeto SECHALO, 2012)

7

Fig. 2.8 – Esquemas estruturais de arcos (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

8

Fig. 2.9 – Exemplo de planta estrutural de um edifício metálico de vários pisos (adaptado do relatório

8

Fig. 2.10 Classificação do pórtico metálico de vários pisos (adaptado do relatório do projeto

do projeto SECHALO, 2012)

SECHALO, 2012)

9

Fig. 3.1 – Convenção de sinais das pressões (adaptado de EC1-1-4, 2010)

12

Fig. 3.2 – Procedimentos de cálculo para a determinação das ações do vento (adaptado de EC1-1-4,

2010)

13

Fig. 3.3 – Coeficiente de exposição, , para e unitários (Fig.NA-4.2 de EC1-1-4, 2010)

14

Fig. 3.4 – Zonas em Coberturas de duas vertentes (adaptado de EC1-1-4, 2010)

15

Fig. 3.5 – Coeficiente de forma para a carga da neve em coberturas de duas vertentes (adaptado de

EC1-1-3, 2009)

17

Fig. 3.6 – Zonamento do território nacional para a ação da neve (adaptado de NA EC1-1-3, 2009)

17

Fig. 4.1 – Relações força-deslocamento obtidas com diferentes tipos de análise (adaptado de Trahair

et al, 2008)

22

Fig. 4.2 – Modelos de comportamento não linear do aço (adaptado de Simões, 2007)

23

Fig. 4.3 – Modo de deformação com deslocamentos simétricos (SCI, 2001)

24

Fig. 4.4 – Modo de feformação com deslocamentos laterais: (SCI, 2001)

24

Fig. 4.5 – Efeitos de segunda ordem locais e globais num portal frame (adaptado do relatório do

projeto SECHALO, 2012)

24

Fig. 4.6 – Efeitos de segunda ordem globais (adaptado de SCI, 2001)

25

Fig. 4.7 – Efeitos de segunda ordem locais (adaptado de SCI, 2001)

25

Fig. 4.8 – Imperfeição geométrica equivalente global (desvio de verticalidade): EC3-1-1 (2010)

28

Fig. 4.9 – Imperfeições globais através de forças horizontais equivalentes (EC3-1-1, 2010)

28

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Fig. 4.10 – Imperfeições locais através de forças horizontais equivalentes (EC3-1-1, 2010)

29

Fig. 4.11 – Notações para modo de encurvadura lateral (Figura 5.1 do EC3-1-1, 2010)

31

Fig. 4.12 – Calculo do parâmetro pelo método proposto por Lim et al (2005)

32

Fig. 4.13 – Subdivisão dos pórticos para método simplificado proposto pelo SCI (SCI 2001)

33

Fig. 4.13 – Valores utilizados para cálculos não lineares (adaptado do Robot User Guide, 2013)

35

Fig. 5.1 – Geometria genérica dos pórticos estudados

37

Fig. 5.2 – Geometria do pórtico do Caso 2b

38

Fig. 5.3 – Geometria do pórtico do caso de estudo de ECCS (2006)

42

Fig. 5.4 – Carregamentos considerados (adaptado de ECCS, 2006)

43

Fig. 6.1 – Exemplo de discretização da estrutura em elementos finitos (adaptado de César, 2004)

48

Fig. 6.2 – Comparação do α para a combinação ELU AVB I e ELU AVB S1 W2

52

Fig. 6.3 – Comparação do para a combinação ELU AVB W2 S1

52

Fig. 7.1 – Identificação dos elementos críticos no dimensionamento dos pilares

66

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

ÍNDICE DE TABELAS

12

Tabela 3.2 – Sobrecargas em coberturas da Categoria H (Quadro NA 6.10 da NP EN 1991-1-1,

Tabela 3.1 – Categorias de coberturas (Quadro 6.9 da NP EN 1991-1-1, 2009)

12

Tabela 3.3 – Determinação do valor básico da velocidade de referência do vento, , (adaptado de

2009)

NA EC1-1-4, 2010)

14

Tabela 3.4 – Categorias de terreno e respetivos parâmetros (Quadro NA-4.1 de EC1-1-4, 2010)

15

Tabela 3.5 – Coeficientes de pressão exterior para coberturas de duas vertentes (adaptado de EC1-1-

16

Tabela 3.6 – Coeficientes de pressão exterior para paredes verticais de edifícios de planta retangular

4, 2010)

(adaptado de EC1-1-4, 2010)

16

Tabela 3.7 – Valores dos coeficientes de forma (adaptado de EC1-1-3, 2009)

17

Tabela 3.8 – Valores recomendados para os coeficientes (adaptado de EC0, 2009)

18

Tabela 3.9 – Fatores de combinação para as diferentes combinações de ações

19

Tabela 4.1 – Métodos de análise global

30

Tabela 5.1 – Parâmetros dos casos de estudo

38

Tabela 5.2 – Zonas para definição das ações vento e neve

39

Tabela 5.3 – Ações do vento consideradas

40

Tabela 5.4 – Ação da neve em Setúbal

40

Tabela 5.5 – Ação da neve em Bragança

40

Tabela 5.6 – Combinações de ações para caso de estudo

41

Tabela 5.7 – Combinações de ações para caso de estudo 2c

41

Tabela 5.8 – Secções dos casos de estudo

41

Tabela 5.9 – Ações verticais consideradas no pórtico de vários pisos (adaptado de ECCS, 2006)

42

Tabela 5.10 – Combinações de ações consideradas no pórtico de vários pisos (adaptado de ECCS,

2006)

43

Tabela 5.11 – Análises efetuadas

45

Tabela 6.1 – Variação do α cr com a discretização das barras no Robot

47

Tabela 6.2 – Variação do α cr com a discretização das barras no SAP2000

48

Tabela 6.3 – Comparação entre α cr obtidos pelo Robot e SAP2000

49

Tabela 6.4 – Parâmetro α cr obtidos pelo análise à encurvadura efetuada em Robot

49

Tabela 6.5 – Obtenção do Parâmetro α cr através de método simplificado proposto pelo EC3-1-1

50

Tabela 6.6 – Obtenção do Parâmetro α cr através de método simplificado proposto pelo SCI

50

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Tabela 6.7 – Obtenção do Parâmetro α cr através de método simplificado proposto pelo Lim et al

(2005)

51

Tabela 6.8 – Comparação dos α cr obtidos

51

Tabela 6.9 – Variações percentuais do parâmetro α cr em relação ao valor exato nas combinações

52

Tabela 6.10 – Variações percentuais do α cr em relação ao valor exato na combinação ELU AVB W2

ELU AVB I e ELU AVB S1 W2

S1

53

Tabela 6.11 – Resultados obtidos para análises através de Robot (Caso 2)

54

Tabela 6.12 – Resultados obtidos para análises através de SAP2000 (Caso 2)

54

Tabela 6.13 – Desvio entre os resultados obtidos para análises em Robot e SAP2000 (Caso 2)

54

Tabela 6.14 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA

(Caso 2)

55

Tabela 6.15 – Resultados obtidos para análises através de Robot (Caso 2a)

56

Tabela 6.16 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA

(Caso 2a)

56

Tabela 6.17 – Resultados obtidos para análises através de Robot (Caso 2b)

56

Tabela 6.18 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA

(Caso 2b)

57

Tabela 6.19 – Resultados obtidos para análises através de Robot (Caso 3)

57

Tabela 6.20 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA

(Caso 3)

57

Tabela 6.21 – Perfis obtidos para ambas as classes de aço utilizadas

58

Tabela 6.22 – Comparação dos α cr obtidos (S355)

59

Tabela 6.23 – Resultados obtidos para análises através de Robot: ELU AVB I (Caso 2a)

60

Tabela 6.24 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA:

ELU AVB I (Caso 2a)

60

Tabela 6.25 – Resultados obtidos para análises através de ROBOT: ELU AVB W2 S1 (Caso 2a)

60

Tabela 6.26 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS e a análise 2OA: ELU AVB

W2 S1 (Caso 2a)

61

Tabela 6.27 – Resultados obtidos para análises através de Robot: ELU AVB S1 W2 (Caso 2c)

61

Tabela 6.28 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA:

ELU AVB S1 W2 (Caso 2c)

62

Tabela 6.29 – Resultados obtidos para análises através de Robot: ELU AVB W2 S1 (Caso 2c)

62

Tabela 6.30 – Desvio entre os resultados obtidos entre as análises 2OS em relação à análise 2OA:

ELU AVB W2 S1 (Caso 2c)

62

Tabela 6.31 – Resultados obtidos para análises através de Robot: ELU AVB I (Caso 3)

63

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Tabela 6.32 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA:

ELU AVB I (Caso 3)

63

Tabela 6.33 – Resultados obtidos para análises através de Robot: ELU AVB W2 S1 (Caso 3)

64

Tabela 6.34 – Desvio entre os resultados obtidos entre as análises 2OS em relação à análise 2OA:

64

Tabela 7.1 – Parâmetro α cr através de método simplificado proposto pelo EC3 e AE efetuada em

ELU AVB W2 S1 (Caso 3)

Robot

65

Tabela 7.2 – Verificação dos elementos dos pilares condicionantes

66

Tabela 7.3 – Resultados obtidos com análises através de Robot

67

Tabela 7.4 – Amplificações obtidas devido ao tipo de análise efetuado

67

Tabela 7.5 – Desvio entre os resultados obtidos para as análises 2OS em relação à análise 2OA

67

Tabela 7.6 – Amplificações obtidas devido à consideração das imperfeições

67

Tabela 7.7 – Desvio entre os métodos de consideração das imperfeições geométricas

68

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

SIMBOLOGIA

ñ

!

"

#

,

$

– flexibilidade lateral da estrutura com sistema de contraventamento

– flexibilidade lateral da estrutura sem sistema de contraventamento

– pressão dinâmica de pico

– altura de referência para a pressão (exterior/interior)

– coeficiente de pressão (exterior/interior)

– coeficiente de exposição à altura z

– pressão dinâmica de referência

– massa volúmica do ar

– valor de referência da velocidade do vento

– coeficiente de direção

– coeficiente de sazão

– valor básico da velocidade de referência do vento

– coeficiente de forma para a carga da neve;

– coeficiente de exposição;

– valor característico da carga da neve ao nível do solo.

coeficiente térmico;

%

– valor de cálculo do efeito das ações

E

– efeito de uma ação

& ',(

– coeficiente parcial relativo à ação permanente j

) $,(

– valor característico da ação permanente j

& *,+

– coeficiente parcial relativa à ação variável base da combinação

, $,+

– valor característico da ação variável base da combinação

& *,

– coeficiente parcial relativo à ação variável i

,

– coeficiente para a determinação do valor de combinação da ação variável i

, $,

– valor característico da ação variável i

ELU

– Estado Limite Último;

AVB

– Ação Variável Base;

S

– Ação Variável Neve (Snow);

W

– Ação Variável Vento (Wind);

I

– Ação Variável Sobrecarga (Imposed Load);

– parâmetro de carga crítica

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

– valor de cálculo do carregamento vertical da estrutura ( para uma dada combinação de ações)

de encurvadura com

deslocamentos laterais, com base na rigidez elástica inicial

/ . – valor de cálculo da ação horizontal total na base do piso, incluindo as forças horizontais equivalentes transmitidas pelo piso

- .

-

carga

crítica

de

instabilidade

global

da

estrutura

num

modo

0 .

– valor de cálculo da ação vertical total na base do piso

ф

m – numero de pilares num piso, que são submetidos a um esforço axial superior a 50% do valor médio por pilar, no pórtico considerado.

9

– deslocamento horizontal relativo entre o topo e a base do piso, devido às ações horizontais

de cálculo (por exemplo, devidas ao vento) acrescidas das forças horizontais equivalentes às imperfeições globais

: ;,.

– valor base definido por: ф = 1/200

– coeficiente de redução em função da altura h;

– coeficiente de redução associado ao número de pilares m;

7

8

– amplitude máxima do deslocamento lateral inicial

– rigidez lateral do pórtico

– deslocamento no topo de cada pilar quando o pórtico é sujeito a uma força fictícia / <;=

– força fictícia usada para determinar a rigidez do pórtico

– Máxima força axial nas travessas no Estado Limite Ultimo

– Carga crítica de Euler da travessa, para o vão definido pelas duas travessas (assumidas fixas

: <;=

/ <;=

> .

> ,?

nos apoios)

@

E – modulo de elasticidade

@

@

A

A

– Momento de inercia da travessa no plano do pórtico

– momento de inércia do pilar no plano do pórtico

– momento de inércia da viga no plano do pórtico

– esforço axial no pilar obtido pela análise elástica

– carga crítica de Euler do pilar

– carga crítica de Euler da viga

,

"

A

,

"

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

1.1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

1

INTRODUÇÃO

O aço como elemento estrutural está associado à arquitetura moderna. Ao longo do século XX, tem inspirado engenheiros e arquitetos combinando resistência e eficiência sem precedentes no dimensionamento arquitetónico e estrutural dos edifícios. O aço permite a execução de estruturas com recurso à pré-fabricação, traduzindo uma maior rapidez de execução em obra, quando comparado com outros materiais. Outras das vantagens do uso de aço como elemento estrutural dos edifícios são, a sua capacidade de ser reciclado, alterado e modificado, traduzindo-se numa grande versatilidade e aplicabilidade, com a vantagem de ser um material sustentável a nível ambiental.

Sendo o aço um material com elevada relação resistência/peso, apresenta a capacidade de suportar grandes vãos e/ou grandes cargas, com recurso a estruturas constituídas por elementos mais esbeltos, quando comparado com outros materiais como por exemplo o betão. Esta característica leva a que as estruturas metálicas sejam preferidas na execução de pavilhões industriais onde se pretende vencer vãos livres de elementos estruturais de moderada dimensão e onde a economia da estrutura tem grande importância.

Como os projetistas, fabricantes e construtores procuram constantemente a redução do peso das estruturas utilizadas, com o objetivo de diminuir os custos relacionados com as matérias-primas, são constantemente desenvolvidos aços com melhores características de resistência, o que tem permitido reduzir progressivamente as secções transversais dos elementos que compõem a estrutura.

Esta tendência evolutiva do aumento da esbelteza dos elementos, tornado possível pela disponibilidade de aços de resistência crescente, leva a que as estruturas metálicas constituídas por estes elementos sejam cada vez mais flexíveis e, por conseguinte, sensíveis a efeitos de segunda ordem.

Neste contexto, os pórticos metálicos utilizados como estrutura dos pavilhões industriais são sensíveis a fenómenos de instabilidade, sendo necessário entrar em consideração com os efeitos de segunda ordem na análise e dimensionamento desta estrutura.

Os efeitos de segunda ordem podem ser classificados como globais ou locais, estando associados à estabilidade global da estrutura (deslocamento lateral relativo das extremidades dos membros da estrutura) ou à estabilidade local de cada elemento (deformações iniciais dos elementos).

O Eurocódigo 3 prevê a utilização de várias metodologias para a consideração destes efeitos numa estrutura, permitindo a utilização de diversas metodologias de análise simplificadas e avançadas, que incluem os efeitos de segunda ordem parcialmente ou na sua totalidade.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Para a consideração dos efeitos de segunda ordem na totalidade, é necessário recorrer a uma análise avançada realizada em programas de cálculo automático. Esta análise é ainda de elevada complexidade para ser efetuada em gabinetes de projeto, uma vez que recorre a procedimentos numéricos e iterativos, para estimar o comportamento não linear (geométrico e eventualmente material) das estruturas. A grande utilidade deste método de análise seria a dispensa das verificações de estabilidade dos elementos, sendo apenas necessário verificar a segurança das secções transversais dos mesmos.

O principal objetivo deste trabalho é efetuar um estudo comparativo das diversas metodologias propostas pelo Eurocódigo 3 para a consideração dos efeitos de segunda ordem, na análise global elástica de pórticos metálicos em situações concretas de projeto. Procura-se a validação dos métodos simplificados previstos no regulamento face aos métodos mais avançados, na tentativa de efetuar recomendações de cariz prático, para a consideração dos efeitos de segunda ordem de forma rápida e eficiente, na análise deste tipo de estruturas.

1.2. ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

A presente dissertação encontra-se organizada em 8 capítulos distintos, sendo no primeiro apresentada a introdução, o enquadramento e os objetivos deste trabalho.

No segundo capítulo efetua-se uma breve descrição dos edifícios metálicos onde se inserem os pórticos em estudo, sendo realizada a demonstração das diversas tipologias de pórticos metálicos de um piso e de vários pisos, existentes no mercado da construção civil.

No terceiro capítulo é feita a descrição da regulamentação europeia e das metodologias definidas pela mesma para a quantificação das ações a considerar na análise e dimensionamento de estruturas.

No quarto capítulo apresentam-se os conceitos indispensáveis na análise e no dimensionamento deste tipo de estruturas metálicas. Começa-se por apresentar os diferentes tipos de análise e formas de consideração das imperfeições e efeitos de segunda ordem, estipulados pelo regulamento EC3-1-1. Apresentam-se vários métodos simplificados para a determinação do parâmetro de carga crítica destas estruturas porticadas. E a finalizar realiza-se uma breve descrição dos programas de cálculo automático utilizados no âmbito deste trabalho.

No quinto capítulo são apresentados os casos utilizados no estudo paramétrico realizado. Começa-se por descrever os diversos casos de estudo de um piso, e de seguida o caso de estudo de vários pisos. Apresentam-se depois os estudos efetuados no presente trabalho, incluindo metodologias de consideração de imperfeições globais e efeitos de segunda ordem.

No sexto e sétimo capítulos, efetua-se a apresentação dos resultados obtidos para os casos de estudo de um piso e vários pisos. Apresenta-se a comparação entre as metodologias adotadas tecendo-se comentários e críticas às mesmas.

No oitavo e último capítulo, apresentam-se as conclusões dos capítulos anteriores, incluindo-se algumas recomendações de cariz prático para a análise e dimensionamento deste tipo de estruturas e encerra-se com os possíveis desenvolvimentos futuros.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

2

PAVILHÕES INDUSTRIAIS E PÓRTICOS METÁLICOS

2.1. INTRODUÇÃO

As estruturas são necessárias para suportar cargas e resistir a forças, transferindo essas cargas e forças para as suas fundações. Em Portugal, as estruturas metálicas têm vindo a ganhar forte presença no mercado da construção civil, sendo aplicadas:

Na construção de pontes;

Em edifícios industriais;

Em edifícios comerciais;

Em edifícios culturais ou para escritórios;

Em entrepostos e armazéns.

As estruturas metálicas presentes nos edifícios metálicos, normalmente tridimensionais, são dispostas de forma a atuar como se fossem compostas por uma série de pórticos bidimensionais paralelos (estrutura principal), ligados por membros unidirecionais (estrutura secundária).

Os pórticos são os constituintes principais da estrutura de edifícios metálicos com finalidades distintas, sendo o seu formato ajustado às necessidades desses edifícios. Efetua-se de seguida o seu enquadramento e caraterização, mediante estes sejam inseridos em edifícios de um piso ou de vários pisos.

2.2. TIPOLOGIAS DE PÓRTICOS METÁLICOS

2.2.1. PÓRTICOS DE UM PISO

Os edifícios metálicos utilizados para fins comerciais, industriais, agrícolas e de armazenamento, necessitam que toda a sua área de implantação esteja livre de elementos estruturais, de forma a maximizar a funcionalidade do edifício, tornando a estrutura o mais económica possível. Estes edifícios são normalmente constituídos por pórticos metálicos de um piso.

A Fig. 2.1 representa uma configuração comum da estrutura neste tipo de edifícios. O revestimento da cobertura e das fachadas é suportado pelas madres, e por sua vez estas são suportadas pelo pórtico metálico. O contraventamento neste tipo de estruturas é necessário para:

Garantir a resistência e estabilidade, na direção perpendicular ao plano do pórtico metálico, devido às ações horizontais do vento,

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Permitir que estas ações sejam transferidas até às fundações sem a ocorrência de fenómenos de instabilidade.

[2-D] Pórtico metálico [1-D] Madres [3D] Estrutura do Edifício
[2-D] Pórtico metálico
[1-D] Madres
[3D] Estrutura
do Edifício
metálico [1-D] Madres [3D] Estrutura do Edifício Forças nodais [2-D] Sistema de Contraventamento Fig. 2.1

Forças nodais

[2-D] Sistema de Contraventamento

Fig. 2.1 – Esquema estrutural de um edifício metálico de um piso (adaptado de Trahair et al, 2008)

Segundo o relatório do projeto SECHALO (2012), existem quatro tipos de pórticos de um piso que permitem que a área interior do edifício seja totalmente livre:

Pórticos de vigas simplesmente apoiadas; Pórticos rígidos (portal frame e pórticos treliçados); Pórticos de vigas suportadas por cabos; Arcos.

2.2.1.1. Pórticos de vigas simplesmente apoiadas

Um edifício composto por pórticos de vigas simplesmente apoiadas apresenta uma série de vigas paralelas entre si, apenas apoiadas nos pilares através de apoios fixos ou flexíveis. Para este tipo de esquema estrutural funcionar é necessário incorporar na estrutura sistemas de contraventamento na cobertura (para transferir as forças horizontais devidas ao vento), e nas fachadas (para transferir as cargas para as fundações). Apresenta-se de seguida um esquema estrutural típico do pavilhão industrial onde se inserem este tipo de pórticos, Fig. 2.2.

industrial onde se inserem este tipo de pórticos, Fig. 2.2. Fig. 2.2 – Esquema estrutural de

Fig. 2.2 – Esquema estrutural de um edifício com pórticos de vigas simplesmente apoiadas (adaptado do

relatório do projeto SECHALO, 2012)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

2.2.1.2. Pórticos rígidos

Os pórticos rígidos são constituídos por vigas ou treliças ligados a pilares através de ligações rígidas, isto é, ligações com capacidade de transmissão de momentos fletores. Este tipo de pórticos é muito mais eficiente na transferência de cargas recebidas pela cobertura que o pórtico de vigas simplesmente apoiadas. Tem ainda uma vantagem importante em relação a estes: possui resistência a ações do vento nas fachadas laterais do edifício, aliviando assim a necessidade de contraventamento no plano dos pórticos.

Estes pórticos podem ser agrupados em duas categorias distintas:

Portal frame; Pórticos treliçados.

Portal frame

Os pórticos metálicos denominados de “portal frame” são estruturas compostas por pilares e travessas

horizontais ou inclinadas (normalmente perfis laminados a quente de secção em I), onde se utilizam rigidificadores nas suas ligações, que consiste na colocação de outro perfil cortado de forma triangular (Fig. 2.3).

Cumeeira Inclinação do telhado Travessa Rigidificador da Rigidificador cumeeira Pilar pilar-travessa
Cumeeira
Inclinação do telhado
Travessa
Rigidificador da
Rigidificador
cumeeira
Pilar
pilar-travessa

Fig. 2.3 – Esquema de um portal frame simétrico de vão simples (adaptado de SCI, 2004)

Segundo o SCI (2004), o portal frame é normalmente utilizado nos pavilhões industriais sendo composto por um único vão e as suas características principais são as seguintes:

Vãos compreendidos entre 15 e 50 m;

Altura da cumeeira entre 5 e 10 m;

Inclinação da cobertura entre 5º e 10º;

Espaçamento entre pórticos entre 5m e 8m;

Rigidificadores na ligação pilar-travessa e cumeeira.

A configuração típica do edifício metálico onde são usados pórticos do tipo portal frame como

estrutura principal, está representada na Fig. 2.1.

Existem vários tipos de pórticos que podem ser denominados de portal frame, conforme se descreve sumariamente na Fig. 2.4.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

a) Portal frame de vão simples b) Portal frame com cobertura curva c) Portal frame
a)
Portal frame de vão simples
b)
Portal frame com cobertura curva
c)
Portal frame com piso mezanino
d)
Portal frame com ponte rolante
e)
Portal frame de
vão duplo
f)
Portal frame com
escritórios integrados
g)
Portal frame com
cobertura poligonal

Fig. 2.4 – Vários tipos de portal frame (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

Pórticos treliçados

Quando se pretende vencer vãos superiores a 50m a solução mais económica é habitualmente os pórticos treliçados. Esta solução é mais eficaz comparativamente aos portal frame, podendo ir até vãos na ordem dos 100 m. As formas típicas das treliças horizontais utilizadas neste tipo de pórticos são apresentadas na Fig. 2.5 e na Fig. 2.6 ilustra-se um esquema estrutural do edifício onde este tipo de pórticos é inserido.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem Fig. 2.5 – Formas típicas de treliças

Fig. 2.5 – Formas típicas de treliças horizontais (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

(adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012) Fig. 2.6 – Esquema estrutural de um edifício com

Fig. 2.6 – Esquema estrutural de um edifício com pórticos treliçados (adaptado do relatório do projeto SECHALO,

2012)

2.2.1.3. Pórticos de vigas suportadas por cabos

Neste tipo de pórticos as vigas são suportadas por cabos ou bielas à tração, permitindo a redução da secção das mesmas. Os cabos ou bielas à tração são suportados por mastros, e estes suportados por outros cabos ou bielas (Fig. 2.7). Este tipo de estruturas são normalmente bastante notáveis e a sua estética deve ser tida em conta durante o seu dimensionamento; são considerados económicos para vãos entre os 30 m e 90 m.

considerados económicos para vãos entre os 30 m e 90 m. Fig. 2.7 – Esquemas estruturais

Fig. 2.7 – Esquemas estruturais de pórticos de vigas suportadas por cabos (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

2.2.1.4. Arcos

Os arcos possuem forma parabólica ou circular, sendo compostos por vigas em I. Os arcos são solicitados essencialmente por esforços de compressão, devendo estes esforços ser resistidos pela fundação do edifício ou pela introdução de tirantes entre as fundações. É apresentado um esquema estrutural para ambas as situações na Fig. 2.8.

Componente horizontal assegurada pelas fundações Componente horizontal assegurada por fundações ligadas por tirantes
Componente horizontal
assegurada pelas fundações
Componente horizontal assegurada
por fundações ligadas por tirantes

Fig. 2.8 – Esquemas estruturais de arcos (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

2.2.2. PÓRTICOS DE VÁRIOS PISOS

Os pórticos metálicos de vários pisos são utilizados como estrutura principal de edifícios de vários pisos para fins residenciais, culturais, industriais ou para centros comerciais e escritórios. Tal como nos edifícios de um piso, é necessário maximizar a área livre de elementos estruturais, sendo os pilares limitados aos estritamente necessários. Segundo o relatório do projeto SECHALO (2012), os pórticos metálicos tradicionais apresentam vãos na ordem dos 4,50 a 6,00 m em edifícios residenciais, 12 a 18 m em escritórios e 15 a 16 m em parques de estacionamento. A configuração comum da estrutura dos edifícios de vários pisos segue um princípio idêntico aos edifícios de um piso, na adoção de pórticos metálicos como estrutura principal, sendo afastados de determinado espaçamento consoante a necessidade imposta pela finalidade do projeto. A título de exemplo representa-se na Fig. 2.9 uma planta tipo. Efetua-se de seguida a classificação dos pórticos metálicos de vários pisos relativamente à existência ou não de sistemas de contraventamento, sendo classificado como pórtico simples ou pórtico contraventado (Fig. 2.10).

como pórtico simples ou pórtico contraventado (Fig. 2.10). Fig. 2.9 – Exemplo de planta estrutural de

Fig. 2.9 – Exemplo de planta estrutural de um edifício metálico de vários pisos (adaptado do relatório do projeto

SECHALO, 2012)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Pórtico simples Pórtico contraventado
Pórtico simples
Pórtico contraventado

Fig. 2.10 – Classificação do pórtico metálico de vários pisos (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

O sistema de contraventamento pode ser realizado por estrutura reticulada triangulada, ou por

elementos de betão armado, como paredes e/ou núcleo central de betão composto por caixa de escadas e elevadores.

Num pórtico contraventado pode-se analisar separadamente o pórtico do sistema de contraventamento,

resistindo o pórtico apenas às cargas verticais e o sistema de contraventamento às ações horizontais. O critério utilizado, segundo o documento de ECCS (2006), para identificar se o pórtico é contraventado

ou não contraventado é descrito da seguinte forma:

Na ausência de sistema de contraventamento: o pórtico é não contraventado; Na presença de sistema de contraventamento;

Se > 0,2 ñ : o pórtico é não contraventado;

(1)

Se ≤ 0,2 ñ : o pórtico é contraventado.

(2)

Em que:

flexibilidade lateral da estrutura com sistema de contraventamento

ñ flexibilidade lateral da estrutura sem sistema de contraventamento

Dado que, para garantir a estabilidade estrutural sem sistema de contraventamento, normalmente é pouco económico, recorre-se habitualmente à combinação do uso de um sistema de contraventamento

numa direção e à rigidez do pórtico na direção perpendicular através de ligações rígidas, na tentativa

de promover uma solução equilibrada e eficiente.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

3

AÇÕES A CONSIDERAR NO DIMENSIONAMENTO

3.1. INTRODUÇÃO

Neste capítulo apresentam-se, de forma resumida, as ações a considerar no dimensionamento de pavilhões industriais, nomeadamente as sobrecargas, a ação do vento e da neve previstas no Eurocódigo 1 (IPQ, 2009). Neste contexto, descreve-se também o formato das combinações de ações previstas no Eurocódigo 0 (IPQ, 2009) que devem ser adotadas no projeto de estruturas.

3.2. REGULAMENTAÇÃO UTILIZADA NA AVALIAÇÃO DE AÇÕES

A determinação de ações e respetivas combinações no âmbito deste trabalho foram obtidas através dos Eurocódigos Estruturais, desenvolvidos pela Comissão Técnica CEN/TC 250 da CEN (Comissão Europeia de Normalização), acompanhados dos respetivos Anexos Nacionais, da responsabilidade dos organismos de normalização nacionais, sendo estes:

NP EN 1990: Bases para o projeto de estruturas; NP EN 1991: Ações em estruturas;

Parte 1-1: Ações gerais – Pesos volúmicos, pesos próprio, sobrecargas em edifícios;

Parte 1-3: Ações gerais – Ação da neve;

Parte 1-4: Ações gerais – Ação do vento.

3.3. QUANTIFICAÇÃO DE AÇÕES

De seguida descreve-se a quantificação de ações com base na regulamentação mencionada no subcapítulo anterior de forma breve e resumida. As ações são classificadas pela regulamentação mediante a sua variação no tempo, subdividindo-se em ações permanentes, ações variáveis e ações acidentais.

3.3.1. AÇÕES PERMANENTES

As ações permanentes, cuja consideração será descrita no Capítulo 5, consistem em ações cuja variação de intensidade no tempo é desprezável, considera-se como ações permanentes:

O peso da própria estrutura;

Revestimentos inerentes às fachadas e cobertura;

Outros elementos estruturais secundários (como madres de cobertura e de fachada).

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

3.3.2. AÇÕES VARIÁVEIS

As ações variáveis consistem em ações com variação de intensidade no tempo significativa, tais como:

As sobrecargas nos pavimentos, vigas ou coberturas dos edifícios;

A ação do vento;

A ação da neve.

3.3.2.1. Ação variável sobrecarga

A determinação da ação sobrecarga foi realizada de acordo com a norma NP EN 1991-1-1. Como os portal frames têm apenas um piso, apenas será necessário quantificar a ação da sobrecarga na sua cobertura, estando esta na categoria H (não acessível exceto para operações de manutenção e reparação correntes) conforme o Quadro 6.9 e Quadro NA 6.10 da referida norma, representado na Tabela 3.1 e Tabela 3.2.

Tabela 3.1 – Categorias de coberturas (Quadro 6.9 da NP EN 1991-1-1, 2009)

de coberturas (Quadro 6.9 da NP EN 1991-1-1, 2009) Tabela 3.2 – Sobrecargas em coberturas da

Tabela 3.2 – Sobrecargas em coberturas da Categoria H (Quadro NA 6.10 da NP EN 1991-1-1, 2009)

da Categoria H (Quadro NA 6.10 da NP EN 1991-1-1, 2009) 3.3.2.2. Ação Variável Vento As

3.3.2.2. Ação Variável Vento

As ações do vento variam em função do tempo e atuam diretamente, sob a forma de pressões. A pressão resultante, exercida numa parede ou na cobertura, é a diferença entre as pressões que atuam sobre as faces opostas tendo em atenção os seus sinais (Fig. 3.1).

Pressão externa Pressão Pressão interna interna positiva negativa
Pressão
externa
Pressão
Pressão
interna
interna
positiva
negativa

Fig. 3.1 – Convenção de sinais das pressões (adaptado de EC1-1-4, 2010)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

O procedimento para a quantificação da ação do vento proposto pelo Quadro 5.1 da norma NP EN

1991-1-4 é apresentado na Fig. 3.2.

5.1 da norma NP EN 1991-1-4 é apresentado na Fig. 3.2. Fig. 3.2 – Procedimentos de

Fig. 3.2 – Procedimentos de cálculo para a determinação das ações do vento (adaptado de EC1-1-4, 2010)

A pressão exercida pelo vento nas superfícies exteriores, , é definida através da expressão (3):

= (

(3)

A pressão exercida pelo vento nas superfícies interiores, , é definida através da expressão (4):

= (

(4)

Sendo:

( ) – pressão dinâmica de pico

– altura de referência para a pressão (exterior/interior), altura da cumeeira no caso dos portal frame

– coeficiente de pressão (exterior/interior)

Procedimento para a determinação da pressão dinâmica de pico, ( )

A pressão dinâmica de pico, resultante da velocidade média e das flutuações de curta duração da

velocidade do vento, deve ser determinada pela expressão (5):

( )= ( )∙

=

=

× ! "!#$ × ,%

(5)

(6)

(7)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Em que:

( ) – coeficiente de exposição à altura z

– pressão dinâmica de referência

– massa volúmica do ar, sendo o valor recomendado pela norma de 1,25 kg/m 3

– valor de referência da velocidade do vento

– coeficiente de direção, segundo a Nota 2 da cláusula NA-4.2(2)P, assume o valor 1.0

! "!#$ – coeficiente de sazão, segundo a Nota 3 da cláusula NA-4.2(2)P, assume o valor 1.0

,% – valor básico da velocidade de referência do vento, determinado segundo a NA-4.2(1)P, Nota 2, sendo esta ilustrada na Tabela 3.1.

Tabela 3.3 – Determinação do valor básico da velocidade de referência do vento, ,% (adaptado de NA EC1-1-4,

2010)

Zona

v b,0 [m/s]

A - a generalidade do território, exceto as regiões pertencentes à zona B

27

B - os arquipélagos dos Açores e da Madeira e as regiões do continente situadas numa faixa

30

costeira com 5 km de largura ou a alturas superiores a 600 m

O coeficiente de exposição à altura z, ( ), pode ser determinado em função da categoria do terreno,

através da Fig. NA-4.2 do Anexo Nacional da referida norma, para o caso de um terreno plano em que o coeficiente de orografia, % ( ) e o coeficiente de terreno, & ' , tomam o valor unitário (Fig. 3.3).

& ' , tomam o valor unitário (Fig. 3.3). Fig. 3.3 – Coeficiente de exposição, (

Fig. 3.3 – Coeficiente de exposição, ( ), para % e & ' unitários (Fig. NA-4.2 de EC1-1-4, 2010)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

A categoria do terreno é definida através do Quadro NA – 4.1 da referida norma, Tabela 3.4.

Tabela 3.4 – Categorias de terreno e respetivos parâmetros (Quadro NA-4.1 de EC1-1-4, 2010)

e respetivos parâmetros (Quadro NA-4.1 de EC1-1-4, 2010) Procedimento para a determinação dos coeficientes de

Procedimento para a determinação dos coeficientes de pressão (exterior/interior), ( ) e ( *

Para o coeficiente de pressão interior, , não existindo aberturas no edifício, considera-se o valor mais gravoso entre +0.2 e -0.3, conforme indicado na Nota 2 da cláusula 7.2.9(6) da referida norma.

Os coeficientes de pressão exterior, , dependem da configuração do pavilhão em estudo, sendo no âmbito deste trabalho, o estudo de pavilhões industriais constituídos por portal frame, aplica-se o procedimento a coberturas com duas vertentes:

Considerando apenas o vento na direção 0º uma vez que o objetivo é estudar o comportamento dos pórticos no seu plano (Fig. 3.4); Garantindo o adequado travamento na direção perpendicular.

Sendo também apenas determinados os coeficientes de pressão globais, , % , uma vez que não existem elementos de pequenas dimensões (como por exemplo chaminés), para serem considerados os coeficientes de pressão locais, , (Tabela 3.2 e 3.3).

Vento Vertente de barlavento Vertente de sotavento Vento da e < min (b; 2h)
Vento
Vertente de
barlavento
Vertente de
sotavento
Vento
da
e < min (b; 2h)

Inclinação

cobertura

Fig.3.4 – Zonas em Coberturas de duas vertentes (adaptado de EC1-1-4, 2010)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Tabela 3.5 – Coeficientes de pressão exterior para coberturas de duas vertentes (adaptado de EC1-1-4, 2010)

Ângulo de

 

Zona; Direção do vento θ=0°

 
         

inclinação

F

G

 

H

I

J

α

 

c

pe,10

 

-1.70

-1.20

-0.60

-0.60

0.20

5

0.00

0.00

0.00

-0.60

-0.60

 

-0.90

-0.80

-0.30

-0.40

-1.00

15

0.20

0.20

0.20

0.00

0.00

 

-0.50

-0.50

-0.20

-0.40

-0.50

30

0.70

0.70

0.40

0.00

0.00

Tabela 3.6 – Coeficientes de pressão exterior para paredes verticais de edifícios de planta retangular (adaptado

de EC1-1-4, 2010)

Zona

D

E

h/d

c

pe,10

 

5 0.8

-0.7

 

1 0.8

-0.5

0,25

0.7

-0.3

3.3.2.3. Ação Variável Neve

A ação da neve foi quantificada segundo a NP EN 1991-1-3, considerando situações de projeto persistente/transitória, tanto para as disposições de neve deslocada como para as disposições de neve não deslocada. Nestas condições a ação da neve na cobertura deve ser determinada de acordo com a seguinte expressão:

+=, × × - ×+ .

(8)

Onde:

, – coeficiente de forma para a carga da neve;

– coeficiente de exposição, segundo o ponto 5.2(7) da norma toma o valor unitário;

- – coeficiente térmico, segundo o ponto 5.2(8) da norma toma o valor unitário;

+ . – valor característico da carga da neve ao nível do solo.

O coeficiente de forma para a carga da neve depende do tipo e da inclinação da cobertura do edifício. Apresentam-se na Fig. 3.5 e Tabela 3.7 os coeficientes de forma a adotar para uma cobertura de duas vertentes. Sendo o caso (i) para disposições de carga de neve não deslocada e os casos (ii) e (iii) para disposições de carga de neve deslocada.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem Fig.3.5 – Coeficiente de forma para a

Fig.3.5 – Coeficiente de forma para a carga da neve em coberturas de duas vertentes (adaptado de EC1-1-3,

2009)

Tabela 3.7 – Valores dos coeficientes de forma (adaptado de EC1-1-3, 2009)

dos coeficientes de forma (adaptado de EC1-1-3, 2009) Os valores característicos da carga da neve ao

Os valores característicos da carga da neve ao nível do solo, (+ . ), são determinados com a seguinte expressão do Anexo Nacional da norma NP EN 1991-1-3 (2009):

+ . =/ 0 [1 + (4/500) ]

(9)

Em que:

/ 0 – coeficiente que depende da zona de implantação do edifício (igual a 0,30 para a zona Z1, 0,20 para a zona Z2 e 0,10 para a zona Z3);

H – altitude do local, em metros.

Apresenta-se de seguida o mapeamento para a definição do coeficiente da zona de implantação (Fig.

3.6).

do coeficiente da zona de implantação (Fig. 3.6). Fig.3.6 – Zonamento do território nacional para a

Fig.3.6 – Zonamento do território nacional para a ação da neve (adaptado de NA EC1-1-3, 2009)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

3.3.3. AÇÕES ACIDENTAIS

Não sendo do âmbito deste trabalho a consideração deste tipo de ações, não será descrito o procedimento para a sua determinação.

3.4. COMBINAÇÃO DE AÇÕES

As combinações de ações para efeitos de dimensionamento em Estado Limite Último foram definidas com base na norma NP EN 1990 (IPQ, 2009). Expõe-se de seguida o formato geral dos efeitos das ações, os fatores redutores e de amplificação.

8 =89∑

=B

;

<,=

>

.,=

+;

?,

@

.,

+∑

A ; ?, %, @

., C

(10)

Em que:

8 – valor de cálculo do efeito das ações

E – efeito de uma ação

; <,= – coeficiente parcial relativo à ação permanente j

> .,= – valor característico da ação permanente j

; ?, – coeficiente parcial relativa à ação variável base da combinação

@ ., – valor característico da ação variável base da combinação

; ?, – coeficiente parcial relativo à ação variável i

%, – coeficiente para a determinação do valor de combinação da ação variável i

@ ., – valor característico da ação variável i

Com recurso ao Quadro A1.1 na presente norma definem-se os valores recomendados para os coeficientes % , Tabela 3.8:

Tabela 3.8 – Valores recomendados para os coeficientes % (Adaptado de EC0, 2009)

Ação

%

Sobrecargas em Edifícios com cobertura de Categoria H

0.0

Neve – Restantes Estados-Membros do CEN, em locais à altitude H > 1000 m acima do nível do mar

0.7

Neve – Restantes Estados-Membros do CEN, em locais à altitude H < 1000 m acima do nível do mar

0.5

Vento

0.6

Considerando estes coeficientes e os coeficientes parciais com base no Quadro NA-A1.2(B) da norma NP EN 1990 (IPQ, 2009), obtêm-se os seguintes fatores de combinação (Tabela 3.9).

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Tabela 3.9 – Fatores de combinação para as diferentes combinações de ações

Combinação de ações

PP

RCP

I

W

S

ELU AVB I

1.35

1.35

1.5

   

ELU AVB W

1.35

1.35

 

1.5

 

ELU AVB S

1.35

1.35

   

1.5

ELU AVB W S (H>1000)

1.35

1.35

 

1.5

1.05

ELU AVB W S (H<1000)

1.35

1.35

 

1.5

0.75

ELU AVB S W

1.35

1.35

 

0.9

1.5

Em que:

ELU AVB I – Combinação de ações onde a sobrecarga é a ação variável base;

ELU AVB W – Combinação de ações onde o vento é a ação variável base;

ELU AVB S – Combinação de ações onde a neve é a ação variável base;

ELU AVB W S (H>1000) – combinação onde o vento é a ação variável base combinado com neve em casos de H>1000 m;

ELU AVB W S (H<1000) – combinação onde o vento é a ação variável base combinado com neve em casos de H<1000 m;

ELU AVB S W – Combinação de ações onde a neve é a ação variável base combinada com vento.

3.5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O principal objetivo deste capítulo, foi descrever o procedimento definido pela regulamentação Europeia para a determinação das ações necessárias no dimensionamento de pavilhões industriais. No capítulo seguinte discute-se a análise e dimensionamento de pórticos metálicos de acordo com o EC3.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

4

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE PÓRTICOS METÁLICOS SEGUNDO O EC3

4.1. INTRODUÇÃO

Neste capítulo, são apresentados os principais conceitos ligados à análise estrutural, à luz do Eurocódigo 3, identificando os vários tipos de análise e as suas principais características, que consistem no nível de simplificações adotadas face ao comportamento real da estrutura. Posteriormente realizar-se-á um enfoque à consideração dos efeitos de segunda ordem e imperfeições geométricas. Serão descritas, de forma resumida, as verificações de segurança efetuadas no dimensionamento e será efetuada uma breve descrição dos programas de cálculo utilizados nos estudos apresentados nos capítulos subsequentes deste trabalho.

4.2. TIPOS DE ANÁLISE ESTRUTURAL

No dimensionamento de uma estrutura, antes de se proceder à determinação rigorosa da capacidade resistente dos seus elementos, é essencial garantir que os esforços de cálculo são avaliados

corretamente, sendo necessário que a análise global da estrutura forneça uma representação fiel do seu comportamento real. Segundo Reis, Camotim (2001), define-se “comportamento de uma estrutura”, submetida a um conjunto de ações, através do estabelecimento da relação existente entre os valores dessas ações e dos efeitos provocadas por elas na estrutura (tensões, deformações, deslocamentos, etc.). A determinação desse comportamento requer a consideração de vários tipos de equações,

nomeadamente:

Equações de equilíbrio – Envolvendo forças aplicadas, esforços e tensões; Equações de compatibilidade – Envolvendo deslocamentos e destinadas a garantir que a estrutura respeita as suas ligações (entre os elementos e com o exterior).

O comportamento da estrutura pode ser recriado de várias maneiras (“modelos de comportamento

estrutural”), através da adoção de diferentes hipóteses que incidem sobre as características das equações atrás referidas. A cada modelo de comportamento estrutural corresponde um tipo de análise estrutural diferente.

O nível de precisão da análise, em relação ao comportamento real da estrutura, depende das hipóteses

simplificativas assumidas durante a formulação das equações, apresentadas anteriormente. Assim, os diferentes tipos de análise existentes e os correspondentes graus de aproximação comparativamente à solução “exata” de um determinado problema (solução que descreve o comportamento real da estrutura) dependem das simplificações adotadas.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Apresenta-se de seguida o grau de precisão obtido por cada tipo de análise efetuado para simular o comportamento de uma dada estrutura (Fig. 4.1).

Análise linear (elástica de primeira ordem) Força Análise linear de estabilidade Análise não linear geométrica
Análise linear (elástica de primeira ordem)
Força
Análise linear de estabilidade
Análise não linear geométrica (elástica
de segunda ordem)
Análise rígido-plástica
N Ed
Análise não linear material
(plástica de primeira ordem)
N k
Análise avançada
(Análise não linear material e geométrica)
Deformação

Fig. 4.1 – Relações força-deslocamento obtidas com diferentes tipos de análise (adaptado de Trahair et al,2008)

4.2.1. ANÁLISE LINEAR DE ESTRUTURAS

A análise mais simples está relacionada com o comportamento linear, designa-se por “análise linear

estruturas” e é conhecida também como, análise elástica de primeira ordem. Baseia-se na hipótese

de

de

todas as equações envolvidas serem lineares (ver Fig. 4.1), o que pressupõe:

A linearidade física; A linearidade geométrica.

A

tensão-extensão do material são lineares em qualquer ponto da estrutura, e para esta condição se verificar é necessário que as tensões instaladas no material sejam inferiores à tensão de cedência do mesmo.

linearidade física traduz-se numa análise elástica, baseia-se na lei de Hooke, em que as relações

A linearidade geométrica representa uma análise de primeira ordem, onde as equações de equilíbrio

são desenvolvidas com base na geometria indeformada da estrutura e em relações cinemáticas lineares, i.e., é válida a “hipótese dos pequenos deslocamentos”, onde se verifica a proporcionalidade entre o carregamento aplicado e os consequentes deslocamentos da estrutura.

4.2.2. EFEITOS NÃO LINEARES

A análise linear de estruturas para avaliar o comportamento estrutural é bastante limitativa, dado que

não considera uma série de fenómenos geométricos e físicos, que ganham relevância com o aumento do carregamento e deformação da estrutura. Não permite revelar a degradação da resistência de uma estrutura, devido ao regime plástico do material constitutivo. Assim como, não permite identificar e considerar fenómenos de instabilidade, dado que estes são de natureza geometricamente não linear, necessitando que as equações de equilíbrio sejam formuladas na posição deformada da estrutura. Assim, os efeitos não lineares estão intimamente ligados às duas hipóteses referidas anteriormente e podem ser classificados como:

Efeitos fisicamente não lineares (não linearidade material);

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Efeitos de segunda ordem (não linearidade geométrica).

4.2.2.1. Efeitos fisicamente não lineares (não linearidade material)

Os efeitos físicos estão relacionados com as propriedades físicas dos materiais utilizados na estrutura.

A hipótese de não linearidade física admite que a relação tensão-extensão do material é não linear, esta

hipótese ocorre quando as cargas aplicadas à estrutura levam as tensões estabelecidas a atingir a tensão

de cedência do material, reduzindo a sua capacidade resistente devido à plastificação do mesmo. O comportamento não linear do aço é normalmente considerado, de forma simplificada, através do modelo elasto-plástico perfeito, podendo, quando se pretende maior precisão, utilizar o modelo elasto- plástico com endurecimento (Fig. 4.2).

E E f L f L E = GH⁄GI E = GH⁄GI D D Modelo
E
E
f L
f L
E = GH⁄GI
E = GH⁄GI
D
D
Modelo Elasto-plástico perfeito
Modelo Elasto-plástico com endurecimento

Fig. 4.2 – Modelos de comportamento não linear do aço (adaptado de Simões, 2007)

Os efeitos fisicamente não lineares são considerados através de uma análise plástica (ver Fig. 4.1), que se baseia em relações tensão-extensão não lineares, i.e., considera a existência de plastificação de barras da estrutura, formadas através de rótulas plásticas, e consequentemente a existência de

redistribuição de esforços para zonas menos solicitadas. Este tipo de análise só é possível ser utilizado

se

a estrutura for hiperstática e se esta possuir elementos cujas secções permitam elevada capacidade

de

rotação para permitir a formação de rótulas plásticas.

4.2.2.2. Efeitos de segunda ordem (não linearidade geométrica)

“Os efeitos de segunda ordem são efeitos geométricos e não devem ser confundidos com a não linearidade dos materiais” (SCI, 2001)

Quando qualquer estrutura é carregada esta deforma-se desviando-se da sua posição indeformada. Este desvio leva a que as cargas axiais de compressão existentes nos membros atuem segundo posições diferentes daquelas que foram definidas na geometria inicial indeformada da estrutura.

A deformada da estrutura pode assumir dois modos de deformação diferentes (conforme ilustrado nas

Figs. 4.3 e 4.4), consoante a estrutura se encontre solicitada apenas por cargas verticais ou por cargas

verticais e cargas horizontais, correspondendo a um modo de deformação com deslocamentos simétricos ou a um modo de deformação com deslocamentos laterais.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem Fig. 4.3 – Modo de deformação com

Fig. 4.3 – Modo de deformação com deslocamentos simétricos (SCI, 2001)

de deformação com deslocamentos simétricos (SCI, 2001) Fig. 4.4 – Modo de deformação com deslocamentos laterais

Fig. 4.4 – Modo de deformação com deslocamentos laterais (SCI, 2001)

Se o desvio em relação à posição inicial indeformada for muito pequeno, o aumento dos esforços de primeira ordem é desprezável, tendo assim a análise linear precisão suficiente. No entanto, se o desvio da estrutura for tal que provoque um aumento significativo dos momentos de primeira ordem e agrave esse desvio em relação à posição indeformada, a estrutura é classificada como sensível aos efeitos de segunda ordem (efeitos geometricamente não lineares), sendo necessário atender à não linearidade geométrica através de uma análise de segunda ordem (ver Fig. 4.1), onde as equações de equilíbrio são desenvolvidas com base na geometria deformada da estrutura e em relações cinemáticas não lineares.

Conforme ilustrado na Fig. 4.5, os efeitos de segunda ordem podem ser distinguidos em dois tipos:

Efeitos globais (P-), resultam dos deslocamentos relativos das extremidades dos elementos; Efeitos locais (P-δ), resultam das deformações ao longo do comprimento do elemento.

das deformações ao longo do comprimento do elemento. Fig. 4.5 – Efeitos de segunda ordem locais

Fig. 4.5 – Efeitos de segunda ordem locais e globais num portal frame (adaptado do relatório do projeto SECHALO, 2012)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Estes efeitos são originados devido ao deslocamento do pórtico, geram esforços adicionais, que levam

a uma redução da rigidez na estrutura, relativamente à determinada na análise de primeira ordem.

Efeitos Globais

Os efeitos globais de segunda ordem consistem nos efeitos provocados por deslocamentos nos topos dos membros (como ilustrado na Fig. 4.6). Após a carga P ser aplicada no topo do pilar, este desloca-

se desde a sua posição inicial, assim este pilar encontra-se sujeito a um esforço axial devido à carga

P como também a um momento P..

axial devido à carga P como também a um momento P. ∆ . Solicitações de primeira

Solicitações de primeira ordem

Solicitações de segunda ordem

Fig. 4.6 – Efeitos de segunda ordem globais (adaptado de SCI, 2001)

Efeitos Locais

Como anteriormente referido, os efeitos locais são devidos a deformações iniciais dos elementos em relação à posição indeformada dos mesmos. Estas deformações iniciais podem ocorrer devido à compressão e/ou momentos existentes nos elementos. Conforme se ilustra na Fig. 4.7, as consequências devido aos efeitos locais consistem no aumento do momento fletor, isto quando a carga axial for de compressão.

Solicitações de primeira ordem Momentos fletores de primeira ordem Deformada de primeira ordem Momentos fletores
Solicitações de primeira ordem
Momentos fletores de primeira ordem
Deformada de primeira ordem
Momentos fletores de primeira ordem
Momentos fletores de segunda ordem
Momentos fletores P-delta

Fig. 4.7 – Efeitos de segunda ordem locais (adaptado de SCI, 2001)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

4.2.3. CONSIDERAÇÃO DOS EFEITOS DE SEGUNDA ORDEM NA ANÁLISE GLOBAL

Os efeitos de segunda ordem globais devem ser tomados em consideração através de uma análise de segunda ordem, se aumentarem de forma significativa os esforços ou, se modificarem o comportamento estrutural.

Os efeitos de segunda ordem globais podem ser ignorados se um pórtico for suficientemente rígido. Esta premissa pode ser considerada satisfeita para uma determinada combinação de ações, se forem cumpridos os seguintes critérios estabelecidos pelo EC3:

M

M

=

=

N OP

QR ≥ 10 para a análise elástica

N

N OP

QR ≥ 15 para análise plástica

N

(11)

(12)

Em que:

M fator de carga pelo qual as ações de carga teriam de ser multiplicadas, para provocar a instabilidade elástica global da estrutura

T U valor de cálculo do carregamento vertical da estrutura ( para uma dada combinação de ações)

T carga crítica de instabilidade global da estrutura num modo de encurvadura com deslocamentos laterais, com base na rigidez elástica inicial

É usual, apesar de não especificado no EC3-1-1, denominar as estruturas de “estruturas sem deslocamentos laterais” quando se verifiquem as condições (11) e (12),caso contrário são “estruturas com deslocamentos laterais”.

Se os efeitos de segunda ordem globais forem significativos, o EC3 define duas formas possíveis de se proceder a análise de segunda ordem:

Análise de segunda ordem avançada, que consiste numa análise não linear geométrica, recorrendo a procedimentos sequenciais/iterativos, em que as equações de equilíbrio são escritas na configuração deformada “ instantânea” do pórtico, que varia à medida que as cargas vão sendo aplicadas à estrutura. Este tipo de análise requer a definição de estratégias de resolução numérica que envolvem sempre procedimentos iterativos. Estas análises são normalmente efetuadas através do método dos elementos finitos. Para a obtenção de resultados de precisão elevada, é necessário recorrer a abordagens iterativas que contabilizem a variação de esforços axiais atuantes, à medida que o carregamento aumenta (dependência dos deslocamentos nodais). Sendo as imperfeições iniciais incluídas neste tipo de análise, os efeitos P-e os efeitos P-δ são adequadamente contabilizados (Reis, Camotim, 2001); Análise de segunda ordem simplificada, que implica por outras palavras, efetuar uma análise de primeira ordem com adequada amplificação de forças horizontais (por exemplo, devidas ao vento) e ainda das forças horizontais equivalentes às imperfeições. Só é possível recorrer a este método em estruturas porticadas regulares com M ≥ 3, onde o primeiro modo de instabilidade seja predominante. A amplificação é efetuada através do seguinte fator:

W X

Y OP

(13)

Estas análises podem ainda ser efetuadas de duas formas distintas:

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

incluir os efeitos de segunda ordem e as imperfeições geométricas na totalidade (efeitos globais e locais); incluir apenas os efeitos de segunda ordem e as imperfeições globais, sendo os efeitos de segunda ordem devidos à deformação local do elemento e às imperfeições locais contabilizados nas verificações de segurança dos elementos em relação a fenómenos de instabilidade, de acordo com a cláusula 6.3 de NP EN 1993-1-1.

4.2.4. CONSIDERAÇÃO DAS IMPERFEIÇÕES NA ANÁLISE

Apesar do rigor utilizado no processo de fabrico e montagem das estruturas metálicas, existem imperfeições como as tensões residuais (tensões instaladas na estrutura antes da aplicação de qualquer ação) e as imperfeições geométricas (falta de verticalidade e de retilinearidade dos elementos constituintes), que devem ser incorporadas na análise estrutural, uma vez que podem conduzir a alterações dos esforços na estrutura. Podem ser distinguidos dois tipos de imperfeições geométricas:

imperfeições globais dos pórticos e sistemas de contraventamento; imperfeições locais dos elementos.

A configuração das imperfeições globais e locais pode ser obtida com base no modo de encurvadura elástico do pórtico no plano de encurvadura a analisar.

Descreve-se nos seguintes subcapítulos a consideração das imperfeições globais e imperfeições locais

na análise estrutural.

4.2.4.1. Consideração das imperfeições globais

Segundo o EC3, em pórticos suscetíveis de se instabilizarem segundo um modo com deslocamentos laterais, o efeito das imperfeições globais deve ser tido em conta. Este efeito pode ser considerado através de uma imperfeição global geométrica equivalente simulada de duas formas possíveis:

com um desvio de verticalidade dos pilares do pórtico; ou com o uso de um sistema de forças horizontais equivalentes.

A imperfeição global em pórticos de edifícios pode ser ignorada quando verificada a seguinte

condição:

 

4 U ≥ 0,15Z U

(14)

Em que:

4 U valor de cálculo da ação horizontal total na base do piso, incluindo as forças horizontais equivalentes transmitidas pelo piso

Z U valor de cálculo da ação vertical total na base do piso

Na análise de um edifício, as imperfeições devem ser consideradas segundo as direções relevantes, mas não simultaneamente.

Desvio de verticalidade dos pilares do pórtico

O desvio de verticalidade dos pilares, que simula a imperfeição geométrica equivalente global

(conforme esquematizado na Fig. 4.8), pode ser obtido da seguinte forma:

ф = ф % M \ M ]

(15)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Em que:

ф %

M

valor base definido por: ф % = 1/200;

coeficiente de redução em função da altura h: M \ = \ mas _ ≤ M \ ≤ 1,0;

\

M ]

coeficiente de redução associado ao número de pilares m: M ] = `0,5 a1 +

] b;

(16)

(17)

(18)

m

médio

é o numero de pilares num piso, que são submetidos a um esforço axial superior a 50% do valor por pilar, no pórtico considerado.

superior a 50% do valor por pilar, no pórtico considerado. Fig. 4.8 – Imperfeição geométrica equivalente

Fig. 4.8 – Imperfeição geométrica equivalente global (desvio de verticalidade): EC3-1-1 (2010)

Sistema de forças horizontais equivalentes (Imperfeições globais)

O efeito das imperfeições globais pode ser simulado através do uso de sistema de forças horizontais

equivalentes, devendo ser aplicadas ao nível de cada piso e proporcionais às cargas verticais aplicadas

nesse nível (Fig. 4.9).

às cargas verticais aplicadas nesse nível (Fig. 4.9). Fig. 4.9 – Imperfeições globais através de forças

Fig. 4.9 – Imperfeições globais através de forças horizontais equivalentes (EC3-1-1, 2010)

4.2.4.2. Consideração das imperfeições locais

Segundo o EC3, o efeito das imperfeições locais deve ser tido em conta na análise estrutural, através de uma deformada inicial dos elementos ou com o uso de um sistema de forças horizontais

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

equivalentes. No entanto, poderá desprezar-se o efeito das imperfeições locais na análise estrutural, no caso de os elementos serem posteriormente sujeitos a uma verificação de estabilidade com base nas verificações de segurança definidas na cláusula 6.3 de NP EN1993-1-1.

Deformada inicial dos elementos

As imperfeições geométricas locais podem ser representadas por uma curvatura inicial introduzida nos elementos constituintes dos pórticos, sendo definida por:

c % /d

(19)

Em que:

c % amplitude máxima do deslocamento lateral inicial

L comprimento do elemento

Os valores de cálculo das amplitudes das imperfeições locais (c % /d), podem ser consultados no Quadro 5.1 do EC3-1-1.

Sistema de forças horizontais equivalentes (Imperfeições locais)

De forma análoga à consideração das imperfeições globais, as imperfeições locais podem ser representadas através de um sistema de forças horizontais equivalentes (Fig. 4.10).

um sistema de forças horizontais equivalentes (Fig. 4.10). Fig. 4.10 – Imperfeições locais através de forças

Fig. 4.10 – Imperfeições locais através de forças horizontais equivalentes (EC3-1-1, 2010)

4.2.5. CARACTERÍSTICAS DOS DIFERENTES MÉTODOS DE ANÁLISE GLOBAL

Uma análise de segunda ordem que inclua os efeitos de segunda ordem e as imperfeições geométricas na totalidade, fornece uma boa representação do comportamento real da estrutura, permitindo a dispensa das verificações de segurança relativas à estabilidade dos elementos de acordo com a cláusula 6.3 do EC3. No entanto, os programas de cálculo disponíveis no mercado que disponibilizam esta

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

análise, ainda não permitem uma utilização que contabilize, de forma controlada e eficiente, as imperfeições e os efeitos de segunda ordem locais, para esta ser aplicada nos atuais gabinetes de projeto.

Na prática, normalmente não se introduz a curvatura inicial nos elementos constituintes da estrutura para contabilizar as imperfeições locais. Assim como os elementos finitos que consideram deslocamentos laterais torsionais também não são usados na prática corrente. Portanto, os efeitos das imperfeições locais devem ser controlados segundo as verificações de segurança definidos na cláusula 6.3 do EC3, sendo apenas considerados os efeitos globais P-na análise.

Assim sendo, pode-se esquematizar as hipóteses possíveis de análise na Tabela 4.1.

Tabela 4.1 – Métodos de análise global

Estruturas sem deslocamentos laterais

Estruturas com deslocamentos laterais

Análise Global Globais Consideração das Imperfeições Locais Globais Consideração dos Efeitos de 2ªordem
Análise Global
Globais
Consideração
das
Imperfeições
Locais
Globais
Consideração
dos Efeitos de
2ªordem
Locais
Verificações de Segurança
Análise de 1ª Ordem Análise de 1ª Ordem Análise de 2ª Ordem avançada Amplificação de
Análise de 1ª
Ordem
Análise de 1ª Ordem
Análise de 2ª Ordem avançada
Amplificação de
forças horizontais
(M
≥ 3)

Sim

Sim

Sim

Sim

Não

Não

Não

Sim

Não

Sim

Sim

Sim

Não

Não

Não

Sim

Verificação da estabilidade dos elementos utilizando comprimentos de encurvadura iguais aos comprimentos reais dos elementos

Verificações de segurança seccionais

Apenas

verificações de

segurança

seccionais

4.2.6. ANÁLISE A SEGUIR NO PRESENTE ESTUDO

No caso de estruturas metálicas, onde com o aumento da classe de resistência do aço os seus elementos constituintes são cada vez mais esbeltos e estando estes solicitados por esforços axiais de compressão, a sua capacidade resistente é condicionada por fenómenos de instabilidade e o colapso ocorre quando todos os pontos da estrutura ainda se encontram no domínio elástico. O estudo deste tipo de estruturas envolve apenas a consideração da não linearidade geométrica e constitui um domínio designado genericamente, por “estabilidade (em regime) elástica(o)” de estruturas. Deve-se neste caso atender a todas as imperfeições iniciais da estrutura e aos efeitos de segunda ordem para analisar corretamente o seu comportamento. (Reis, Camotim, 2001)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

4.3. MÉTODOS SIMPLIFICADOS PARA QUANTIFICAÇÃO DO PARÂMETRO DE CARGA CRÍTICA

4.3.1. MÉTODO SIMPLIFICADO PROPOSTO PELO EC3-1-1 (MÉTODO DE HORNE)

A carga crítica de um pórtico, pode ser obtida através de um programa de cálculo adequado ou através do método aproximado (Método de Horne) proposto pelo EC3-1-1, caso satisfaça os seguintes requisitos:

as travessas inclinadas da estrutura possuírem declives pouco acentuados (não superior a

26º);

a compressão axial nas vigas ou travessas não ser significativa ( e U ≤ 0.09e ).

Nestas condições, a carga crítica correspondente ao modo de deslocamentos laterais pode ser obtida através da seguinte expressão:

M

= a h QR b j

i

QR

k l,QR m

\

Rearranjando os termos obtém-se:

M

= j

l,QR m a

h

QR

QR b = & a

\

k

i

QR b

\

i

(20)

(21)

Em que:

4 U valor de cálculo da ação horizontal total na base do piso, incluindo as forças horizontais equivalentes transmitidas pelo piso

Z U valor de cálculo da ação vertical total na base do piso

altura do piso

o h,U deslocamento horizontal relativo entre o topo e a base do piso, devido às ações horizontais de cálculo (por exemplo, devidas ao vento) acrescidas das forças horizontais equivalentes às imperfeições globais

& − rigidez lateral do pórtico

No caso de pórticos de vários pisos parâmetro de carga crítica deve ser calculado para todos os andares, conforme se ilustra na Fig. 4.11.

para todos os andares, conforme se ilustra na Fig. 4.11. Fig. 4.11 – Notações para modo

Fig. 4.11 – Notações para modo de encurvadura lateral (Figura 5.1 do EC3-1-1, 2010)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

4.3.2. MÉTODO ALTERNATIVO PROPOSTO POR LIM ET AL (2005)

Para pórticos onde a compressão axial nas vigas ou travessas for significativa ( e U > 0.09e ), como no caso de alguns portal frame, Lim et al (2005) fornecem um método simplificado alternativo, para definir a estabilidade do pórtico, definido pelo parâmetro M , !- . Segundo Lim et al (2005), este método é conservativo em muitas situações e será detalhado abaixo.

A carga crítica, correspondente ao modo de deslocamentos laterais, pode ser obtida através da seguinte expressão:

Onde:

M

M

, !- = 0,8 q1 − j

OP,s m ]"t u M

r

QR

r

=

vlw ; e ,y = z { U' P

\

| {

%%k

(22)

(23; 24)

Em que:

o rhN deslocamento no topo de cada pilar quando o pórtico é sujeito a uma força fictícia 4 rhN

4 rhN força fictícia usada para determinar a rigidez do pórtico

e U Máxima força axial nas travessas no Estado Limite Ultimo

e ,y Carga crítica de Euler da travessa, para o vão definido pelas duas travessas (assumidas fixas

nos apoios)

}

Momento de inercia da travessa no plano do pórtico

d

Desenvolvimento definido pelas duas travessas de pilar a pilar (Vão/cosϴ)

ℎ − altura do pilar

Os parâmetros necessários para calcular M , !- são esquematizados na Fig. 4.12.

1 – Dimensões do Pórtico 2 – Análise ao Estado Limite Ultimo e compressão máxima
1 – Dimensões do Pórtico
2 – Análise ao Estado Limite Ultimo e
compressão máxima na viga (N Ed )
3 – Deformada e deslocamento (δ NHF )
devido a H NHF

Fig. 4.12 – Cálculo do parâmetro M

pelo método proposto por Lim et al (2005)

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

Na aplicação do método deve ter-se em atenção os seguintes aspetos:

As forças 4 rhN são sempre determinadas como 1/200 da reação vertical na base do pilar. Ou seja, em combinações onde esteja presente a ação do vento, 4 rhN devem ser calculadas apenas como 1/200 da reação do respetivo pilar; O parâmetro o rhN é determinado apenas com as forças 4 rhN aplicadas no pórtico; O valor de M é o mais baixo obtido para qualquer pilar, sendo este representativo do pórtico.

4.3.3. MÉTODO SIMPLIFICADO PROPOSTO PELO SCI PARA PORTAL FRAME

O método a seguir apresentado, foi desenvolvido por Davies complementado por C.King (SCI, 2001). Neste método o pórtico é subdividido em várias partes, Fig. 4.13:

Pares de vigas ou travessas; Pilar externo e viga; Pilar interno e vigas convergentes; Pórtico equivalente para pórticos com bielas ou vigas de suporte.

Par de vigas Pilar externo e viga Bielas Vigas de suporte
Par de vigas
Pilar externo e viga
Bielas
Vigas de
suporte

Pilar interno e vigas convergentes

Fig. 4.13 – Subdivisão dos pórticos para método simplificado proposto pelo SCI (SCI, 2001)

Para cada combinação de ações analisada, o parâmetro de carga crítica deve ser calculado para todas as subdivisões apresentadas, sendo o valor inferior usado, como representativo do pórtico, para essa combinação de ações. Os esforços devem ser obtidos através de uma análise de primeira ordem elástica.

Projeto de Edifícios em Estrutura Metálica – Efeitos de 2ª Ordem

O método será apenas apresentado para a subdivisão correspondente ao pilar externo e viga,

considerando o pilar fixo na base. A aplicação do método às restantes subdivisões, e diferentes tipos

de

ligação na base pode ser consultada no capítulo 4 da publicação SCI P292.

O

parâmetro de carga crítica (~ ) para o pilar externo duplamente apoiado na base e viga, pode ser

obtido recorrendo à seguinte expressão:

~

=

_U' P

! %,_Ä P !Åa Å X,{ O

s

(25)

Esta expressão pode ser rearranjada da seguinte forma:

Em que:

E – modulo de elasticidade

~

=

j

É P,OPÑÖ mÅ ÜÅ_,_y j

É

P

O

É O,OPÑÖ m

É

(26)

}

momento de inércia do pilar no plano do pórtico