Sei sulla pagina 1di 81

A

Mu​lher Pi​e​do​sa e a Que​bra do Nono Man​da​men​to


Si​mo​ne Qua​res​ma

© 2016, CLI​RE Por​tu​gal

1.a Edi​ção em Por​tu​guês — mar​ço de 2016 .

É proi​bi​da a re​pro​du​ção to​tal ou par​ci​al des​ta pu​bli​ca​ção sem a au​to​ri​za​ção
por es​cri​to do edi​tor, ex​ce​to ci​ta​ções em re​se​nhas.

EDI​TOR: Ma​no​el Ca​nu​to RE​VI​SO​RA: Erika Mon​tei​ro DE​SIG​NER: He​ral​do Al​-
mei​da
Su​má​rio
Capa
Cré​di​tos
Pre​fá​cio
In​tro​du​ção
1 — A Lín​gua Mos​tra​Co​mo Está o Co​ra​ção
2 — Como a Bí​blia Des​cre​ve a Lín​gua do Jus​to e a do Ím​pio?
3 — O No​no​Man​da​men​to
4 — Pre​ser​var ePro​mo​ver a Re​pu​ta​ção do Nos​so Pró​xi​mo
5 — En​tris​te​cer-se por Suas Fra​que​zas
6 — En​co​brir Suas Fra​que​zas
7 — De​fen​der a Ino​cên​cia de Nos​so Ir​mão
8 — Re​sis​tir às In​for​ma​ções Mal​di​zen​tes
9 — Fa​lar a Ver​da​de Ino​por​tu​na​men​te
10 — Fale com aPes​soa Cer​ta!
11 — A Me​di​da que Uso para Mim é a Mes​ma que Uso para Meus Ir​mãos?
12 — Se Ti​ve​rem que Sa​ber, que Não Seja por Você
13 — Quan​do Fin​gi​mos​Com a Lín​gua
14 — Ti​rem as Cri​an​ças​da Sala!
15 — A Que​bra do Nono Man​da​men​to e as Re​des So​ci​ais
16 — Não Quer Er​rar? Cer​re Seus Lá​bi​os!
17 — Usan​do a Lín​gua​pa​ra Edi​fi​car
18 — E Quan​do Fa​lam​Mal de Mim?
Nos​sos li​vros
Mí​di​as
CA P Í T U L O 1
Prefácio

A IGRE JA DE nos​sa era pa​re​ce não dar a de​vi​da aten​ção aos pe​ca​dos con​-
cer​nen​tes à lín​gua, a qual Ti​a​go 3: 6 e 8b des​cre​ve como “...mun​do de ini​-
qui​da​de... si​tu​a​da en​tre os mem​bros de nos​so cor​po, e con​ta​mi​na o cor​po in​tei​ro,
e não só põe em cha​mas toda a car​rei​ra da exis​tên​cia hu​ma​na, como tam​bém é
pos​ta ela mes​ma em cha​mas pelo in​fer​no... é mal in​con​ti​do, car​re​ga​do de ve​ne​no
mor​tí​fe​ro”.

Fo​fo​ca, di​fa​ma​ção, men​ti​ra, dis​si​mu​la​ção e até mes​mo ba​ju​la​ção têm


es​pa​ço no meio do povo de Deus como se fos​sem pe​ca​dos de so​me​nos
im​por​tân​cia. Po​rém, no sen​ti​do opos​to, as Es​cri​tu​ras não pou​pam ad​ver​-
tên​ci​as e exor​ta​ções quan​to ao uso de nos​sas pa​la​vras, que de​mons​tram o
que há em nos​so co​ra​ção (Lc 6.45).

O nono man​da​men​to tem to​tal li​ga​ção com tais ori​en​ta​ções. Con​sis​te


em “Não di​rás fal​so tes​te​mu​nho con​tra o teu pró​xi​mo“. Mas, será que co​-
nhe​ce​mos a sua abran​gên​cia? O povo de Deus pe​re​ce e en​ver​go​nha o
nome do Se​nhor por des​co​nhe​cer Sua Pa​la​vra. Com esse man​da​men​to,
creio que não seja di​fe​ren​te, pois não com​preen​de​mos a pro​fun​di​da​de
dele, que​bran​do-o de di​ver​sas for​mas, sem de​co​ro nem te​mor.

Po​rém, se so​mos no​vas cri​a​tu​ras em Cris​to, de​ve​mos co​nhe​cer e


pros​se​guir em co​nhe​cer ao Se​nhor, pro​cu​ran​do com di​li​gên​cia con​fir​mar
a nos​sa vo​ca​ção e elei​ção; pro​ce​den​do as​sim não tro​pe​ça​re​mos em tem​po
al​gum (conf. 2Pe 1.10). Ape​nas co​nhe​cen​do a ver​da​de e por meio da gra​-
ça do Se​nhor, po​de​re​mos ob​ser​var a San​ta Lei e ter um reto pro​ce​der que
res​plan​de​ça a gló​ria do nos​so Rei.

Este li​vre​to cer​ta​men​te lhe será mui​to aben​ço​a​dor nes​se pro​ces​so de


cres​ci​men​to em san​ti​da​de, como foi para mim e tan​tas ou​tras mu​lhe​res
que já ti​ve​ram a opor​tu​ni​da​de de lê-lo. Atra​vés da ob​servân​cia e do em​-
pe​nho da irmã Si​mo​ne, po​de​mos son​dar nos​sos co​ra​ções e ob​ser​var me​-
lhor nos​sas pa​la​vras, para que se​jam boas para edi​fi​ca​ção, con​for​me a ne​-
ces​si​da​de, e, as​sim, trans​mi​tam gra​ça aos que ou​vem (conf. Ef 4.29).

— Ana Ca​ro​li​na S. Oli​vei​ra1

1 Ana Ca​ro​li​na é ca​sa​da e mem​bro da Igre​ja Pres​bi​te​ri​a​na em Poá-SP. É mãe de dois fi​lhos e está
grá​vi​da do ter​cei​ro. Na igre​ja, re​a​li​za acon​se​lha​men​to e dis​ci​pu​la​do com mu​lhe​res. Pos​sui for​ma​-
ção em Co​mu​ni​ca​ção So​ci​al e Pós gra​du​a​ção em MBA. De​di​ca-se em tem​po in​te​gral à fa​mí​lia e ao
lar.
CA P Í T U L O 1
Introdução

QUAL SE RIA A ex​ten​são do es​tra​go na sua vida e na vida dos que te ro​dei​-
am se num dia des​ses, sem avi​so, to​das as suas con​ver​sas par​ti​cu​la​res e
as coi​sas que você fala de ou​tras pes​so​as, fos​sem ex​pos​tas em alto e bom
som para quem qui​ses​se ou​vir? Esta ideia lhe pa​re​ce as​sus​ta​do​ra? Será
que tudo que fa​la​mos em ocul​to é lí​ci​to o su​fi​ci​en​te para ser de​cla​ra​do, se
ne​ces​sá​rio, em pra​ça pú​bli​ca? Será que te​mos aten​ta​do para o que a Bí​-
blia in​sis​ten​te​men​te nos aler​ta com re​la​ção ao nos​so fa​lar? Se exis​te uma
área da vida das mu​lhe​res que deve ser cons​tan​te​men​te vi​gi​a​da, é o
modo como elas uti​li​zam sua lín​gua.

Mui​to em​bo​ra não se dê aten​ção a esse tipo de pe​ca​do, ele é lar​ga​-


men​te tra​ta​do na Bí​blia com ad​mo​es​ta​ções se​ve​ras e cas​ti​gos as​sus​ta​do​-
res para aque​les que não re​tro​ce​dem. Numa rá​pi​da pes​qui​sa em qual​-
quer cha​ve bí​bli​ca, po​de​mos ver a abundân​cia de tex​tos sa​gra​dos que
nos ad​ver​tem quan​to ao uso san​to e pi​e​do​so do nos​so fa​lar. Não obs​tan​-
te, mui​to pou​co se lê ou se ouve nos púl​pi​tos so​bre o as​sun​to. Quan​tas
ve​zes, por exem​plo, você se lem​bra de ter pre​sen​ci​a​do em sua igre​ja, al​-
gum mem​bro ser dis​ci​pli​na​do por não se cor​ri​gir e per​ma​ne​cer na prá​ti​-
ca de pe​ca​dos re​la​ci​o​na​dos à lín​gua? Quan​tos fo​fo​quei​ros e me​xe​ri​quei​-
ros im​pe​ni​ten​tes você co​nhe​ce que nun​ca fo​ram cha​ma​dos ao ar​re​pen​di​-
men​to, nun​ca fo​ram con​vi​da​dos a aban​do​nar sua prá​ti​ca pe​ca​mi​no​sa e
se​quer são tra​ta​dos como fal​to​sos? Se​ria o pe​ca​do con​tra o 9º man​da​men​-
to me​nos im​por​tan​te e me​nos ofen​si​vo ao Se​nhor do que a que​bra do 6º,
por exem​plo? Sa​be​mos, con​for​me ex​pli​ca​ções da per​gun​ta 151 do Ca​te​-
cis​mo Mai​or de West​mins​ter, que exis​tem agra​van​tes e ate​nu​an​tes para
clas​si​fi​car os ti​pos de pe​ca​do. Mas isso não quer di​zer que um pe​ca​do é
mais sé​rio do que o ou​tro. Todo pe​ca​do é uma vi​o​la​ção da Lei de Deus e,
como tal, me​re​ce o in​fer​no e cus​ta o sa​cri​fí​cio ex​pi​a​tó​rio de Cris​to para
seu povo. O tex​to de Pro​vér​bi​os dei​xa essa ideia bem cla​ra:

“Seis coi​sas o SE​NHOR abor​re​ce, e a sé​ti​ma a sua alma abo​mi​na: olhos al​ti​vos, lín​gua men​ti​ro​-
sa, mãos que der​ra​mam san​gue ino​cen​te, co​ra​ção que tra​ma pro​je​tos iní​quos, pés que se apres​sam
a cor​rer para o mal, tes​te​mu​nha fal​sa que pro​fe​re men​ti​ras e o que se​meia con​ten​das en​tre
ir​mãos.” Pro​vér​bi​os 6.16-19.

Sim, você leu di​rei​ti​nho: Pe​ca​dos nor​mal​men​te atri​bu​í​dos a pes​so​as


ter​rí​veis (der​ra​mar san​gue ino​cen​te e tra​mar pro​je​tos iní​quos) na mes​ma
sen​ten​ça que ter lín​gua men​ti​ro​sa e se​me​ar con​ten​das. Tal​vez, a par​tir
des​se en​ten​di​men​to, de​vês​se​mos nos de​ter mais acu​ra​da​men​te a es​tu​dar
esse man​da​men​to. Será que te​nho pe​ca​do con​tra o Se​nhor nes​ta área da
mi​nha vida du​ran​te anos sem nun​ca ter me dado con​ta? Te​nho mi​ni​mi​-
za​do a se​ri​e​da​de do uso das mi​nhas pa​la​vras? Jus​ta​men​te por isso es​ses
tex​tos es​tão sen​do es​cri​tos, para jun​tas ana​li​sar​mos quan​do e como te​-
mos que​bra​do a lei de Deus e para mu​dar​mos, se esse for o nos​so caso!
Po​de​mos es​tar en​ga​na​das, achan​do que te​mos pro​gre​di​do na car​rei​ra
cris​tã, mas te​mos nos aper​fei​ço​a​do em pe​ca​dos que ig​no​ra​mos. O ro​man​-
cis​ta ame​ri​ca​no Washing​ton Ir​vin des​cre​veu o mau uso da lín​gua da se​-
guin​te for​ma: “Uma lín​gua afi​a​da é o úni​co ins​tru​men​to de cor​te que,
quan​to mais usa​do, mais afi​a​do fica.” Te​mos pro​gre​di​do e aper​fei​ço​a​do o
pe​ca​do da lín​gua?

De mi​nha par​te, con​fes​so que, ape​nas há pou​cos anos, me dei con​ta


do quan​to ig​no​ra​va essa pres​cri​ção da lei de Deus. Te​nho lu​ta​do con​tra
mi​nhas pró​pri​as ar​ti​ma​nhas de achar que sou cheia de jus​ti​ça, a pon​to de
fa​lar de meus ir​mãos, como se eu es​ti​ves​se mui​to aci​ma de​les... com mui​-
ta ver​go​nha, sou obri​ga​da a con​fes​sar que du​ran​te mui​to tem​po da mi​-
nha ca​mi​nha​da cris​tã, não me po​li​ci​ei su​fi​ci​en​te​men​te e não co​lo​quei
como pri​o​ri​da​de de vida uma lín​gua que ape​nas cons​tru​ís​se e edi​fi​cas​se
e que nun​ca des​tru​ís​se.
Sei bem que essa é uma luta que te​re​mos du​ran​te toda a nos​sa vida.
Mas, quan​to mais aper​ce​bi​das es​ti​ver​mos, mais fá​cil será para nós de​tec​-
tar​mos nos​so pe​ca​do e lu​tar con​tra ele.
CA P Í T U L O 1
A Língua Mostra
Como Está o Co​ra​ção

NOS SAS PA LA VRAS RE FLE TEM o que está no nos​so co​ra​ção, nos​sas ver​da​dei​-
ras in​ten​ções. E qual o meio usa​do para ex​ter​nar todo tipo de imun​dí​cie e
pe​ca​do que está den​tro de nós? A lín​gua! É atra​vés des​se pe​que​no ór​gão
que mos​tra​mos ao mun​do quão con​ta​mi​na​do está o nos​so co​ra​ção. É dele
que vem todo tipo de mal, como dis​se Je​sus:

“E di​zia: O que sai do ho​mem, isso é o que o con​ta​mi​na. Por​que de den​tro, do co​ra​ção dos ho​mens,
é que pro​ce​dem os maus de​síg​ni​os, a pros​ti​tui​ção, os fur​tos, os ho​mi​cí​di​os, os adul​té​ri​os, a ava​re​-
za, as ma​lí​ci​as, o dolo, a las​cí​via, a in​ve​ja, a blas​fê​mia, a so​ber​ba, a lou​cu​ra. Ora, to​dos es​tes ma​les
vêm de den​tro e con​ta​mi​nam o ho​mem.” Mar​cos 7.20-23.

Ti​a​go tam​bém nos ad​mo​es​ta quan​to ao pe​ri​go da nos​sa lín​gua. Em


seu 3º ca​pí​tu​lo, ele ar​gu​men​ta que há três coi​sas enor​mes que são gui​a​-
das por pe​que​nos ele​men​tos. Uma pos​sí​vel me​tá​fo​ra do po​der da lín​gua
se​ria: “O leme é uma par​te mui​to pe​que​na da es​tru​tu​ra do na​vio, en​tre​tan​to é
es​sen​ci​al para se​guir o cur​so que o pi​lo​to tem em men​te. Note que não é o ven​to
for​te, mas o pi​lo​to, que de​ter​mi​na a di​re​ção do na​vio. O con​tras​te está na pe​que​-
nez do leme e no ta​ma​nho do na​vio.”

Os três exem​plos usa​dos por Ti​a​go ex​pres​sam a mes​ma re​a​li​da​de: o


na​vio gui​a​do pelo pe​que​nís​si​mo leme, os freio nos ca​va​los e a in​sig​ni​fi​-
can​te fa​gu​lha na flo​res​ta, ca​paz de des​truí-la. Es​tas me​tá​fo​ras são con​tun​-
den​tes! Ti​a​go com​pa​ra a lín​gua ao fogo no sen​ti​do de es​tar fora de con​-
tro​le e de ser ex​tre​ma​men​te des​tru​ti​vo: “é um mun​do de per​ver​si​da​des
que ne​nhum ho​mem é ca​paz de do​mar”; “é mal in​con​ti​do, car​re​ga​do de
ve​ne​no mor​tí​fe​ro”; “a ima​gem é de uma co​bra ve​ne​no​sa, cuja lín​gua
nun​ca des​can​sa e cu​jas pre​sas es​tão chei​as de ve​ne​no mor​tal... é um re​-
tra​to hor​ren​do que mos​tra a na​tu​re​za do pe​ca​do.”

A ar​gu​men​ta​ção de Ti​a​go é as​sus​ta​do​ra! Como po​de​mos fi​car em


paz, se usa​mos a lín​gua para ben​di​zer ao Se​nhor e com a mes​ma lín​gua
mal​di​ze​mos aque​les que são fei​tos à sua ima​gem? Al​gu​ma coi​sa mui​to
er​ra​da está acon​te​cen​do quan​do agi​mos des​ta for​ma! O tex​to sa​gra​do
nos con​fron​ta:

“Com ela [a lín​gua], ben​di​ze​mos ao Se​nhor e Pai; tam​bém, com ela, amal​di​ço​a​mos os ho​mens, fei​-
tos à se​me​lhan​ça de Deus. De uma só boca pro​ce​de bên​ção e mal​di​ção. Meus ir​mãos, não é con​ve​-
ni​en​te que es​tas coi​sas se​jam as​sim. Aca​so, pode a fon​te jor​rar do mes​mo lu​gar o que é doce e o
que é amar​go​so? Aca​so, meus ir​mãos, pode a fi​guei​ra pro​du​zir azei​to​nas ou a vi​dei​ra, fi​gos? Tam​-
pou​co fon​te de água sal​ga​da pode dar água doce.” Ti​a​go 3.9-12.

O que Ti​a​go quer di​zer é que, se a lín​gua tem sido usa​da de for​ma
pe​ca​mi​no​sa, é por​que tem al​gum pro​ble​ma na fon​te que ori​gi​na a pa​la​-
vra, o co​ra​ção. E por esse mo​ti​vo te​mos que nos exa​mi​nar se​ri​a​men​te.
De​ve​mos me​dir nos​sa re​li​gi​o​si​da​de por parâ​me​tros bí​bli​cos, não por
sub​je​ti​vi​da​des in​ven​ta​das por ho​mens. E a Pa​la​vra de Deus é um me​di​-
dor ine​xo​rá​vel de nos​sa pre​ten​sa pi​e​da​de:

“Se al​guém SUPÕE ser re​li​gi​o​so, dei​xan​do de re​fre​ar a lín​gua, an​tes, en​ga​nan​do o pró​prio co​ra​-
ção, a sua re​li​gi​ão é vã.” Ti​a​go 1.26

“O ho​mem de Be​li​al, o ho​mem vil, é o que anda com a per​ver​si​da​de na boca, ace​na com os olhos,
ar​ra​nha com os pés e faz si​nais com os de​dos. No seu co​ra​ção há per​ver​si​da​de; todo o tem​po
ma​qui​na o mal; anda se​me​an​do con​ten​das...” Pro​vér​bi​os 6.12-14.

É im​pres​si​o​nan​te como mui​tas ve​zes não nos da​mos con​ta do quan​-


to a nos​sa ma​nei​ra de fa​lar mos​tra ao mun​do que tipo de pen​sa​men​tos e
sen​ti​men​tos pe​ca​mi​no​sos aca​len​ta​mos no co​ra​ção. É a boca que dei​xa ex​-
tra​po​lar, jor​rar para fora, pin​tar em tons mui​to for​tes e vi​sí​veis o tipo de
cren​te que so​mos. Po​de​mos até ten​tar de​mons​trar uma pi​e​da​de fin​gi​da,
mas nos​sa boca trai​rá essa in​ten​ção.
“No co​ra​ção do pru​den​te, re​pou​sa a sa​be​do​ria, mas o que há no co​ra​ção do in​sen​sa​to vem a
lume.” Pro​vér​bi​os 14.33

“A lín​gua dos sá​bi​os ador​na o co​nhe​ci​men​to, mas a boca dos in​sen​sa​tos der​ra​ma a es​tul​tí​cia.”
Pro​vér​bi​os 15.2

Nos​sa fala de​mons​tra quem so​mos. Te​mos fa​la​do o que vem à men​-
te, sem ne​nhum tipo de ava​li​a​ção pre​li​mi​nar? Se​me​a​mos con​ten​das e fa​-
la​mos de for​ma que des​trói ao in​vés de cons​truir? Não so​mos for​tes o su​-
fi​ci​en​te para do​mar esse pe​que​no ór​gão? Tem jor​ra​do águas amar​gas da
fon​te que pen​sa​mos ser boa? En​tão é hora de ava​li​ar o co​ra​ção, de co​lo​-
car em che​que a nos​sa fé, de nos ar​re​pen​der​mos e mu​dar​mos os pen​sa​-
men​tos e as in​ten​ções para que essa mu​dan​ça atin​ja o nos​so fa​lar.
CA P Í T U L O 2
Como a Bíblia Descreve a
Lín​gua do Jus​to e a do Ím​pio?

AO ME DIR MOS NOS SA es​ta​tu​ra cris​tã pelo uso da lín​gua, po​de​mos ser acha​-
das em fal​ta. Se que​re​mos nos ava​li​ar, pre​ci​sa​mos fazê-lo pelo pa​drão
Eter​no. Será que nos en​cai​xa​mos na des​cri​ção que a Pa​la​vra de Deus dá
dos jus​tos, ou te​mos nos pa​re​ci​do mais com os ím​pi​os nes​ta área es​pe​cí​fi​-
ca? An​tes de lhe mos​trar os tex​tos, no en​tan​to, gos​ta​ria de ex​pli​car que,
no li​vro de Pro​vér​bi​os, quan​do se usa a pa​la​vra ím​pio, o seu sig​ni​fi​ca​do
ex​tra​po​la o sen​so co​mum. Ten​de​mos a achar que ter​mos como: ím​pio, in​-
jus​to, per​ver​so, es​tul​to, in​sen​sa​to, são ex​pressões mui​to for​tes e que des​-
cre​vem os que es​tão fora do ar​rai​al do povo de Deus. Mas não é bem as​-
sim... Es​ses ter​mos es​tão se re​fe​rin​do ao ím​pio de uma ma​nei​ra ge​ral,
mas tam​bém àque​les que se jul​gam cren​tes, mas an​dam como os ím​pi​os.
Lem​bre-se que o li​vro de Pro​vér​bi​os foi es​cri​to vi​san​do os jo​vens de Is​ra​-
el, os cren​tes! En​tão as ad​ver​tên​ci​as con​ti​das aqui, to​cam a to​das nós. O
per​ver​so não é aque​le mons​tro hor​ro​ro​so que co​me​te cri​mes he​di​on​dos.
Je​sus faz a mes​ma ana​lo​gia em Ma​teus 7.23 quan​do diz: “Apar​tai-vos de
mim, os que pra​ti​cais a ini​qui​da​de.”

Pra​ti​car a ini​qui​da​de sig​ni​fi​ca não se ade​quar à lei de Deus, trans​-


gre​di-la, vi​o​lá-la, não se con​for​mar à sua san​ta Pa​la​vra. Ím​pio é o con​trá​-
rio de pio, san​to, pi​e​do​so. Por​tan​to, não leia to​das es​tas ad​mo​es​ta​ções e
es​ses ad​je​ti​vos tão pe​sa​dos como se isso es​ti​ves​se mui​to dis​tan​tes de nós.
Quan​do não pra​ti​ca​mos a jus​ti​ça, agi​mos como o per​ver​so, como o ím​-
pio, como o es​tul​to.
Dito isso, veja como Pro​vér​bi​os faz a di​fe​ren​ci​a​ção en​tre es​tas duas
ca​te​go​ri​as: “Pra​ta es​co​lhi​da é a lín​gua do jus​to, mas o co​ra​ção dos per​ver​sos
vale mui pou​co. Os lá​bi​os do jus​to apas​cen​tam a mui​tos, mas, por fal​ta de sen​so,
mor​rem os to​los.” Pro​vér​bi​os 10.18-21

“A boca do jus​to pro​duz sa​be​do​ria, mas a lín​gua da per​ver​si​da​de será de​sar​rai​ga​da. Os lá​bi​os
do jus​to sa​bem o que agra​da, mas a boca dos per​ver​sos, so​men​te o mal.” Pro​vér​bi​os 10.31-32

“A boca do jus​to é ma​nan​ci​al de vida, mas na boca dos per​ver​sos mora a vi​o​lên​cia.” Pro​vér​bi​os
10.11

“Os lá​bi​os do jus​to sa​bem o que agra​da, mas a boca do per​ver​sos, so​men​te o mal.” Pro​vér​bi​os
10.32

“Os lá​bi​os men​ti​ro​sos são abo​mi​ná​veis ao SE​NHOR, mas os que agem fi​el​men​te são o seu pra​-
zer.” Pro​vér​bi​os 12.22

Agir fi​el​men​te, apas​cen​tar a ou​tros e pro​du​zir sa​be​do​ria com o que


fala são ca​rac​te​rís​ti​cas dos jus​tos. O con​trá​rio é vi​ver como os ím​pi​os que
não co​nhe​cem a Deus. Se não nos en​qua​dra​mos numa ca​te​go​ria, ne​ces​sa​-
ri​a​men​te es​ta​mos na ou​tra! O uso da lín​gua faz uma es​pé​cie de se​pa​ra​-
ção mui​to cla​ra en​tre o que é povo e o que não é povo. Por isso, ela é o si​-
nal de aler​ta, a trom​be​ta to​can​do, a fu​ma​ça que de​nun​cia o fogo!

Nos pró​xi​mos tex​tos, usa​re​mos o Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter


para en​ten​der​mos o nono man​da​men​to e suas abran​gen​tes exi​gên​ci​as.
CA P Í T U L O 3
O Nono
Man​da​men​to

O NONO MAN DA MEN TO é mui​to pou​co abor​da​do e ex​pli​ca​do. Mui​tos cren​-


tes acham que “Não di​rás fal​so tes​te​mu​nho con​tra o teu pró​xi​mo” se re​-
fe​re ex​clu​si​va​men​te a men​tir quan​do cha​ma​do a ju​í​zo, ou a le​van​tar ca​-
lú​ni​as so​bre al​guém. É isso tam​bém, mas o man​da​men​to e suas im​pli​ca​-
ções vão mui​to além dis​so2. As per​gun​tas se​guin​tes do Ca​te​cis​mo Mai​or
ex​pli​cam com gran​de pro​pri​e​da​de o que se exi​ge nes​se man​da​men​to:
Per​gun​ta 144. Quais são os de​ve​res exi​gi​dos no nono man​da​men​to?

Res​pos​ta. Os de​ve​res exi​gi​dos no nono man​da​men​to são pre​ser​var e pro​mo​ver a ver​da​de en​tre os
ho​mens; pre​ser​var e pro​mo​ver a boa re​pu​ta​ção do nos​so pró​xi​mo, bem como a nos​sa pró​-
pria; evi​den​ci​ar e de​fen​der a ver​da​de; fa​lar a ver​da​de, e so​men​te a ver​da​de, de co​ra​ção, sin​ce​ra, li​-
vre, cla​ra e ple​na​men​te, em ques​tões de ju​í​zo e jus​ti​ça e em to​dos os de​mais ca​sos, se​jam quais fo​-
rem; es​ti​mar ca​ri​do​sa​men​te nos​sos se​me​lhan​tes; amar, de​se​jar e re​go​zi​jar-se na sua boa re​pu​ta​ção;
en​tris​te​cer-se por suas fra​que​zas e en​co​bri-las; re​co​nhe​cer de​sin​te​res​sa​da​men​te seus dons e
gra​ças, de​fen​den​do a sua ino​cên​cia; aco​lher pron​ta​men​te as in​for​ma​ções ben​di​zen​tes a seu res​-
pei​to e re​sis​tir às mal​di​zen​tes; de​sen​co​ra​jar bo​a​tei​ros, adu​la​do​res e di​fa​ma​do​res; pre​zar pela e
cui​dar da nos​sa pró​pria re​pu​ta​ção e de​fen​dê-la, quan​do ne​ces​sá​rio; cum​prir as pro​mes​sas lí​ci​tas;
bus​car e pra​ti​car tudo o que for ver​da​dei​ro, ho​nes​to, amá​vel e de boa fama.

Em con​tra​par​ti​da aos de​ve​res exi​gi​dos no man​da​men​to, te​mos tam​-


bém a des​cri​ção dos pe​ca​dos que são proi​bi​dos: Per​gun​ta 145. Quais são
os pe​ca​dos proi​bi​dos no nono man​da​men​to?

Res​pos​ta. Os pe​ca​dos proi​bi​dos no nono man​da​men​to são: tudo quan​do pre​ju​di​ca a ver​da​de e
a boa re​pu​ta​ção de nos​so pró​xi​mo, bem as​sim a nos​sa, es​pe​ci​al​men​te em jul​ga​men​to pú​bli​-
co, o tes​te​mu​nho fal​so, su​bor​nar tes​te​mu​nhas fal​sas; apa​re​cer e plei​te​ar ci​en​te​men​te a fa​vor de
uma cau​sa má; re​sis​tir e cal​car à for​ça a ver​da​de, dar sen​ten​ça in​jus​ta, cha​mar o mau, bom e o
bom, mau; re​com​pen​sar os maus se​gun​do a obra dos jus​tos e os jus​tos se​gun​do a obra dos maus;
fal​si​fi​car fir​mas, su​prir a ver​da​de e si​len​ci​ar in​de​vi​da​men​te em uma cau​sa jus​ta; man​ter-nos
tran​qui​los quan​do a ini​qui​da​de re​cla​ma a re​preen​são de nos​sa par​te, ou de​nun​ci​ar ou​-
trem, fa​lar a ver​da​de ino​por​tu​na​men​te, ou com ma​lí​cia, para um fim er​rô​neo; per​ver​tê-la
em sen​ti​do fal​so, ou pro​fe​ri-la du​vi​do​sa e equi​vo​ca​da​men​te, para pre​ju​í​zo da ver​da​de ou da jus​ti​-
ça; fa​lar in​ver​da​des; men​tir, ca​lu​ni​ar, mal​di​zer, de​pre​ci​ar, ta​ga​re​lar, co​chi​char, es​car​ne​cer, vi​li​pen​-
di​ar, cen​su​rar te​me​rá​ria e as​pe​ra​men​te ou com par​ci​a​li​da​de, in​ter​pre​tar de ma​nei​ra má as in​-
ten​ções, pa​la​vras e atos de ou​trem, adu​lar e van​glo​ri​ar, elo​gi​ar ou de​pre​ci​ar de​ma​si​a​da​men​te a
nós mes​mos ou a ou​tros, em pen​sa​men​tos ou pa​la​vras; ne​gar os dons e as gra​ças de Deus; agra​-
var as fal​tas me​no​res; en​co​brir, des​cul​par e ate​nu​ar os pe​ca​dos quan​do cha​ma​dos a uma con​fis​-
são fran​ca; des​co​brir des​ne​ces​sa​ri​a​men​te as fra​que​zas de ou​trem e le​van​tar bo​a​tos fal​sos; re​-
ce​ber e acre​di​tar em ru​mo​res maus e ta​par os ou​vi​dos a uma de​fe​sa jus​ta; sus​pei​tar mal; in​-
ve​jar ou sen​tir tris​te​za pelo cré​di​to me​re​ci​do de al​guém; es​for​çar-se ou de​se​jar o pre​ju​í​zo de al​-
guém; re​go​zi​jar-se na des​gra​ça ou na infâ​mia de al​guém; a in​ve​ja ou tris​te​za pelo cré​di​to
me​re​ci​do de ou​tros; pre​ju​di​car; o des​pre​zo es​car​ne​ce​dor; a ad​mi​ra​ção ex​ces​si​va de ou​trem; a que​-
bra de pro​mes​sas le​gí​ti​mas; a ne​gli​gên​cia da​que​las coi​sas que são de boa fama; pra​ti​car ou não evi​-
tar aque​las coi​sas que tra​zem má fama, ou não im​pe​dir, em ou​tras pes​so​as, tais coi​sas, até onde
pu​der​mos.

Gos​ta​ria, a par​tir de ago​ra, de tra​tar de al​gu​mas ques​tões le​van​ta​das


no Ca​te​cis​mo.

2 Per​gun​ta 143, CMW.


CA P Í T U L O 4
Preservar e
Pro​mo​ver a Re​pu​ta​ção do Nos​so
Pró​xi​mo

QUAN DO A QUES TÃO é pre​ser​var e pro​mo​ver a nos​sa pró​pria re​pu​ta​ção, so​-


mos ex​perts. Não gos​ta​mos de ver nos​so nome en​vol​vi​do em fo​fo​cas, nos
ma​go​a​mos quan​do têm con​cei​tos er​ra​dos so​bre nos​sas ati​tu​des e pes​so​-
as. Essa é uma ati​tu​de cor​re​ta, pois como vi​mos, de​ve​mos tam​bém cui​dar
do nos​so bom nome. Mas pen​so que esse de​ver é mais fá​cil de ser cum​-
pri​do. Quan​do se tra​ta de pre​ser​var o bom nome de ou​tras pes​so​as, aí os
pro​ble​mas co​me​çam. A pri​mei​ra coi​sa que de​ve​rí​a​mos ter em men​te é
que o bom nome e a re​pu​ta​ção de uma pes​soa são bens va​li​o​sos. Quan​do
abri​mos os lá​bi​os para, ma​li​ci​o​sa​men​te, de​ne​grir a sua ima​gem, es​ta​mos
gol​pe​an​do-lhe e rou​ban​do-lhe esse bem. Sa​lo​mão sa​bia dis​so e es​cre​veu:

“Mais vale o bom nome do que as mui​tas ri​que​zas; e o ser es​ti​ma​do é me​lhor do que a pra​ta e o
ouro.” Pro​vér​bi​os 22.1

Leva-se mui​to tem​po para cons​truir uma boa re​pu​ta​ção e um bom


nome, e ape​nas al​gu​mas es​tul​tas pa​la​vras para des​truí-los. Ne​gue-se a
fazê-lo! To​das as ve​zes que vier em seu co​ra​ção o de​se​jo de cri​ti​car a vida
e as ati​tu​des de um ir​mão, pre​fi​ra exal​tar suas qua​li​da​des, pois ele cer​ta​-
men​te as tem! Quan​do es​ti​ver numa roda de ami​gos e o “pra​to prin​ci​pal”
es​ti​ver sen​do de​vo​ra​do, seja aque​la voz que des​toa e que pre​fe​re pro​mo​-
ver a boa re​pu​ta​ção da pes​soa, que é o alvo dos co​men​tá​ri​os, a des​truí-la!
Você co​nhe​ce pes​so​as que, ao in​vés de se ale​gra​rem com o pro​gres​so
e as vi​tó​ri​as de al​guém, sem​pre têm algo ne​ga​ti​vo a di​zer so​bre ela? Sim​-
ples​men​te não con​se​guem se ale​grar por ve​rem o bom nome de um ir​-
mão ser pro​mo​vi​do, mas in​ve​jo​sa​men​te ar​ru​mam um jei​to de de​ne​grir a
ima​gem alheia: “É ver​da​de, fu​la​no tem sido um bom cren​te, mas a vida
pre​gres​sa dele tam​bém, né? Você não faz ideia de tudo que ele já apron​-
tou...”. Afas​te-se de pes​so​as as​sim, se não quer ser con​ta​mi​na​da por esse
ví​rus. Elas não con​se​guem elo​gi​ar ale​gre​men​te seus ir​mãos, não fi​cam fe​-
li​zes por ve​rem seus bons no​mes e vir​tu​des sen​do pro​cla​ma​das. Quan​to
a isso, o sal​mis​ta nos ad​ver​te:

“Re​freia a lín​gua do mal e os lá​bi​os de fa​la​rem do​lo​sa​men​te” Sal​mos 34.13


CA P Í T U L O 5
Entristecer-se por Suas Fraquezas

TAL VEZ ESSA SEJA uma das nos​sas gran​des di​fi​cul​da​des nes​ta área: nos en​-
tris​te​cer​mos com nos​so ir​mão e en​co​brir seu pe​ca​do. Nem nos aper​ce​be​-
mos do quan​to essa di​fi​cul​da​de é feia, de como isso nos tor​na mes​qui​-
nhas! Ao ver​mos nos​sos ir​mãos ca​í​rem em pe​ca​do so​mos, por ve​zes, tão
so​ber​bas, tão ar​ro​gan​tes que nem pa​re​ce que fo​mos al​can​ça​das por uma
ma​ra​vi​lho​sa gra​ça per​do​a​do​ra. Pa​re​ce que nun​ca pe​ca​mos ou que nun​ca
pre​ci​sa​mos cor​rer en​ver​go​nha​das para a cruz de Cris​to em bus​ca de ar​re​-
pen​di​men​to e de per​dão. Mui​tas ve​zes te​mos um de​se​jo se​cre​to e som​-
brio de ou​vir uma his​tó​ria bem feia, e, mes​mo sem per​ce​ber​mos, nos ale​-
gra​mos por ver nos​so ir​mão na lama do pe​ca​do. Tal​vez essa sen​sa​ção ve​-
nha do de​se​jo de nos sen​tir​mos lim​pas. “Quan​to pior ele for, me​lhor eu
sou. Ele faz isso, eu não. Olha como sou boa cren​te, como ele pôde fa​zer
isso?”

Por ve​zes esse pe​ca​do pode se ma​ni​fes​tar quan​do ve​mos o re​sul​ta​do


de​sas​tro​so na vida de uma irmã que por exem​plo, es​tá​va​mos acon​se​lhan​-
do. Mos​tra​mos o que a bí​blia diz, da​mos al​gu​mas op​ções so​bre a for​ma
de o pro​ble​ma ser re​sol​vi​do, mas a irmã in​sis​te em fa​zer o que lhe veio à
men​te. Quan​do vem a no​tí​cia de que a con​se​quên​cia do pe​ca​do se aba​teu
so​bre ela, mui​tas ve​zes te​mos, lá no fun​di​nho, aque​la sen​sa​ção: “eu não
dis​se? Eu es​ta​va cer​ta! Eu avi​sei!”. Tal​vez nos​sas pa​la​vras não de​mons​-
trem, mas a in​ten​ção do co​ra​ção vem à tona: Co​men​ta​mos o acon​te​ci​do
com as pes​so​as, fa​ze​mos ques​tão de exal​tar o quan​to fo​mos sá​bi​as e a
irmã im​pru​den​te. Quão boas con​se​lhei​ras so​mos e quão pés​si​ma ou​vin​te
ela foi. Mui​tas ve​zes qua​se dá para ver um sor​ri​si​nho dis​cre​to. O que é
isso, se não ale​grar-se com a fra​que​za de mi​nha irmã? Quan​do agi​mos
as​sim, fa​ze​mos exa​ta​men​te o que Sa​lo​mão des​cre​ve aqui:

“As pa​la​vras do mal​di​zen​te são co​mi​da fina, que des​ce para o mais in​te​ri​or do ven​tre.” Pro​vér​bi​-
os 26.22

Co​men​tan​do a per​gun​ta 146 do Ca​te​cis​mo Mai​or, Jo​han​nes Geer​har​-


dus Vos des​cre​ve como é que os cren​tes em Cris​to co​me​tem o pe​ca​do de
se ale​gra​rem com o pe​ca​do alheio:

“Mui​tos dos cren​tes que cer​ta​men​te fi​ca​ri​am en​ver​go​nha​dos de se re​go​zi​jar aber​ta​men​te pela ini​-
qui​da​de pra​ti​ca​da por ou​tros, não obs​tan​te co​me​te​ri​am esse pe​ca​do de ou​tras ma​nei​ras. Uma ma​-
le​di​cen​ci​a​zi​nha so​bre os pe​ca​dos dos ou​tros, mais a ale​ga​ção de es​ta​rem mui​to es​can​da​li​za​dos pelo
mal fei​to, ten​do, con​tu​do, a gran​de e ób​via sa​tis​fa​ção de co​men​tá-los. Ou​tros que se en​ver​go​nha​ri​-
am de fa​zer isso aber​ta​men​te te​rão em seus co​ra​ções o se​cre​to con​ten​ta​men​to de se re​go​zi​ja​rem na
ig​no​mí​nia e na de​son​ra dos ou​tros.”3

3 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos,


p. 458.
CA P Í T U L O 6
Encobrir Suas Fraquezas

“O que en​co​bre a trans​gres​são ad​qui​re amor, mas o que traz o as​sun​to à bai​la se​pa​ra os mai​o​res
ami​gos.” Pro​vér​bi​os 17.9

A ATI TU DE EXI GI DA DE nós no 9º man​da​men​to é bem di​fe​ren​te da​que​la des​-


cri​ta no tó​pi​co aci​ma, que se ale​gra, mes​mo que mui​to se​cre​ta​men​te, com
a que​da de al​guém! Além de me con​tris​tar com o pe​ca​do de meu ir​mão,
sa​ben​do que bem po​de​ria ter sido eu a cair, o 9º man​da​men​to me en​si​na
tam​bém a en​co​brir amo​ro​sa​men​te suas fal​tas.

“A gló​ria de Deus é en​co​brir as coi​sas, mas a gló​ria dos reis é es​qua​dri​nhá-las.” Pro​vér​bi​os 25.2

É ób​vio que o Ca​te​cis​mo não está de​fen​den​do que os pe​ca​dos não


de​vam ser tra​ta​dos. São duas coi​sas di​fe​ren​tes. Tal​vez você deva es​tar
pen​san​do: “Bem, se pre​ci​so en​co​brir a fra​que​za de meu ir​mão, o que
devo fa​zer quan​do des​co​brir que ele está vi​ven​do uma vida de pe​ca​do?”

J. G. Vos de​fi​ne as​sim essa ques​tão:

“A ocul​ta​ção da ver​da​de é sem​pre um pe​ca​do? Não. Às ve​zes te​mos o de​ver de ocul​tar algo da​que​-
les que não têm o di​rei​to de o co​nhe​cer. Ocul​tar a ver​da​de é um pe​ca​do quan​do es​con​de​mos
algo da​que​les que têm o di​rei​to de o co​nhe​cer...”4

Essa é a gran​de ques​tão! Quem são as pes​so​as que têm o di​rei​to de


sa​ber so​bre o pe​ca​do da​que​le ir​mão? Seu pas​tor, seu con​se​lho, as pes​so​as
di​re​ta​men​te en​vol​vi​das... O fato é que ex​por o pe​ca​do de um ir​mão para
al​guém que não tem nada a ver com o as​sun​to, que não foi ofen​di​do por
aque​le pe​ca​do e que não é lí​der so​bre o fal​to​so, é pe​car con​tra Deus e
con​tra esse ir​mão. É me​ter-me onde não fui cha​ma​da:
“Quem se mete em ques​tão alheia é como aque​le que toma pe​las ore​lhas um cão que pas​sa.” Pro​-
vér​bi​os 26.17.

Mas... “há quem te​nha por de​ver de ofí​cio a obri​ga​ção de re​ce​ber in​-
for​ma​ções per​ni​ci​o​sas.”5 O co​men​ta​ris​ta do Ca​te​cis​mo dei​xa essa ques​-
tão ain​da mais cla​ra:

“É sem​pre er​ra​do fa​lar o que sa​be​mos dos mal​fei​tos dos ou​tros? Não. Te​mos o de​ver de re​por​tar
os mal​fei​tos à au​to​ri​da​de de​vi​da. Se sa​be​mos que uma cri​an​ça está rou​ban​do ou des​tru​in​do
uma pro​pri​e​da​de te​mos o de​ver de in​for​mar aos pais da cri​an​ça. No caso de de​li​tos gra​ves co​me​ti​-
dos por mem​bros da igre​ja de​ve​mos le​var o caso aos ofi​ci​ais da igre​ja que têm au​to​ri​da​de para tra​-
tar com o trans​gres​sor. Se a lei do país for que​bra​da e for um caso de cer​ta gra​vi​da​de (como o co​-
me​ti​men​to de um cri​me), te​mos o de​ver de levá-lo ao co​nhe​ci​men​to das au​to​ri​da​des cons​ti​tu​í​das
do go​ver​no. Re​la​tar um as​sun​to às pes​so​as com au​to​ri​da​de so​bre o caso não é con​si​de​ra​do como
“es​pa​lhar bo​a​tos ou ru​mo​res”. Em tais ca​sos, o mo​ti​vo en​vol​vi​do não é a fo​fo​ca nem o de​lei​te pe​ca​-
mi​no​so em es​pa​lhar os er​ros de ou​trem, mas o de​se​jo le​gí​ti​mo de que a mal​fei​to​ria seja es​tan​ca​da e
a jus​ti​ça re​a​li​za​da.”6

O Ca​te​cis​mo nos en​si​na a man​ter o equi​lí​brio na ques​tão de tra​tar o


pe​ca​do de nos​sos ir​mãos. Des​co​bri​mos a fal​ta dele? Como nos​so co​ra​ção
re​a​ge a isso? Com tris​te​za ou con​ten​ta​men​to? O que fa​zer de​pois de ava​-
li​ar mi​nha in​ten​ção? Devo ca​lar-me e es​qui​var-me de co​men​tar o ocor​ri​-
do, sob qual​quer pre​tex​to, com pes​so​as não en​vol​vi​das, e ter mui​to te​-
mor e res​pei​to ao le​var o as​sun​to a quem de di​rei​to. Em to​das es​tas si​tu​a​-
ções, po​rém, devo cui​dar para não cair na ten​ta​ção de ex​por des​ne​ces​sa​-
ri​a​men​te meu ir​mão que pe​cou.

A exi​gên​cia de se en​co​brir as fra​que​zas de nos​sos ir​mãos visa tam​-


bém tra​tar o nos​so sen​so de jus​ti​ça e mé​ri​to pró​prio. Além dis​so, há a
pre​cau​ção de evi​tar que os bo​a​tos se​jam acres​cen​ta​dos quan​do o as​sun​to
é con​ta​do de um para o ou​tro:

“Des​co​brir des​ne​ces​sa​ri​a​men​te as fra​que​zas é como o Ca​te​cis​mo des​cre​ve aqui​lo a que de​no​mi​na​-


mos co​mu​men​te de fo​fo​car das fa​lhas e de​fei​tos dos ou​tros. As pes​so​as tran​si​gem com es​ses bo​a​tos
por​que eles lhes dão a sen​sa​ção de jus​ti​ça pró​pria e de con​so​lo com os des​li​zes dos ou​tros. Esse é
um há​bi​to er​ra​do, pri​mei​ro, por​que pro​ce​de de um or​gu​lho que jus​ti​fi​ca a si mes​mo; se​gun​do, por​-
que é con​trá​rio ao ver​da​dei​ro amor pelo nos​so pró​xi​mo, o amor que de​ve​ria nos dei​xar tris​tes por
ele fa​zer al​gu​ma coi​sa er​ra​da; ter​cei​ro, por​que in​cli​na-se a co​me​ter uma in​jus​ti​ça para com a pes​-
soa que er​rou, pois na me​di​da em que é re​pas​sa​do de uma pes​soa para ou​tra o bo​a​to cres​ce e so​fre
exa​ge​ros até que o mal​fei​to é des​cri​to de ma​nei​ra to​tal​men​te des​pro​por​ci​o​na​da aos fa​tos re​ais que o
cau​sa​ram.”7

4 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.


449.
5 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos,, p.
456.
6 Idem, p. 452.
7 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.
455.
CA P Í T U L O 7
Defender a Inocência de Nosso Irmão

ALÉM DE NOS cha​mar a não es​pa​lhar bo​a​tos nem des​co​brir des​ne​ces​sa​ri​a​-


men​te os pe​ca​dos e as fa​lhas de nos​sos ir​mãos, o 9º man​da​men​to tam​-
bém exi​ge de nós que de​fen​da​mos a ino​cên​cia de​les quan​do isto for pre​-
ci​so. Essa é uma ques​tão de res​pon​sa​bi​li​da​de mo​ral para com Deus e de
de​ver para com o nos​so pró​xi​mo. E o mo​ti​vo está no âma​go des​se man​-
da​men​to: es​ta​be​le​cer a ver​da​de!

“O al​can​ce ge​ral dos pe​ca​dos proi​bi​dos pelo nono man​da​men​to é tudo o que for con​trá​rio à ver​da​-
de e ao bom nome de qual​quer pes​soa. Isto é, o nono man​da​men​to pro​í​be toda a con​du​ta que de al​-
gu​ma ma​nei​ra, seja por pa​la​vra, por ação ou pelo si​lên​cio pe​ca​mi​no​so, in​ter​fi​ra na ma​nu​ten​-
ção da ver​da​de en​tre o ho​mem e o ho​mem e na pre​ser​va​ção do bom nome ad​qui​ri​do jus​ta​men​te
por qual​quer um.”8

Por​tan​to, quan​do es​ta​mos numa roda de ami​gas onde se fala so​bre a


vida de al​guém que não está pre​sen​te e algo é dito so​bre a con​du​ta ou a
mo​ral des​ta pes​soa e nós no​ta​mos que há exa​ge​ros ou in​ver​da​des e não
nos pro​nun​ci​a​mos para de​fen​der sua ino​cên​cia, fa​ze​mo-nos tão pe​ca​do​-
ras quan​to aque​les que es​tão es​pa​lhan​do bo​a​tos. Nos​so si​lên​cio, em tais
ca​sos, é pe​ca​mi​no​so.

Não é ape​nas em ca​sos cru​ci​ais que pe​ca​mos não de​fen​den​do nos​sos


ir​mãos. Tal​vez essa si​tu​a​ção seja mais cor​ri​quei​ra do que você ima​gi​na.
Pen​se que suas ami​gas po​dem es​tar fa​lan​do que a irmã Su​za​na não é
uma boa co​zi​nhei​ra e es​te​jam com​pa​ran​do-a a você. Suas ami​gas es​tão te
elo​gi​an​do e co​lo​can​do seus qui​tu​tes aci​ma dos de Su​za​na. Em​bo​ra você
sai​ba que Su​za​na co​zi​nha bem e tem se es​for​ça​do para se de​sem​pe​nhar
cada vez me​lhor na co​zi​nha, você dei​xa de ex​por essa ver​da​de, fa​zen​do
com que to​das te​nham a cer​te​za que você é me​lhor do que ela nes​se pon​-
to. Está ven​do? Não é ape​nas quan​do se tra​ta de de​fen​der ver​da​des gra​-
vís​si​mas que o nos​so si​lên​cio pode ser pe​ca​mi​no​so. Mui​tas ve​zes em pe​-
que​nas e ir​re​le​van​tes si​tu​a​ções po​de​mos im​pe​dir que a ver​da​de ve​nha à
tona, sim​ples​men​te por or​gu​lho!

“O te​mor do se​nhor con​sis​te em abor​re​cer o mal; a so​ber​ba, a ar​rogân​cia, o mau ca​mi​nho e a boca
per​ver​sa, eu os abor​re​ço” Pro​vér​bi​os 8.13

Em ou​tras cir​cuns​tân​ci​as, po​rém, po​de​mos nos si​len​ci​ar pe​ca​mi​no​-


sa​men​te não de​fen​den​do a ino​cên​cia do nos​so ir​mão por ra​zões ain​da
me​nos no​bres. Tal​vez eu pos​sa me pre​ju​di​car de al​gu​ma for​ma se eu ma​-
ni​fes​tar a ver​da​de para de​fen​dê-lo. Tal​vez eu te​nha lá os meus mo​ti​vos
para dei​xar que a hon​ra do meu ir​mão seja in​jus​ta​men​te ata​ca​da. Tal​vez
essa seja uma for​ma de me vin​gar de al​gu​ma má​goa que guar​do dele.
Seja qual for a ra​zão par​ti​cu​lar que me leve a si​len​ci​ar in​de​vi​da​men​te a
ver​da​de ao in​vés de de​fen​der a jus​ti​ça, es​tou pe​can​do con​tra o 9º man​da​-
men​to.

“Des​via de ti a fal​si​da​de da boca e afas​ta de ti a per​ver​si​da​de dos lá​bi​os.” Pro​vér​bi​os 4.24

8 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.


446.
CA P Í T U L O 8
Resistir às Informações Maldizentes

ÉDE VER DE TO DAS nós, além de não di​vul​gar as fa​lhas e pe​ca​dos de nos​sos
ir​mãos, não re​ce​ber fo​fo​cas. Ali​ás, quan​to mais à von​ta​de as pes​so​as se
sen​ti​rem para fa​lar mal dos ir​mãos para você, mais apa​vo​ra​da você deve
fi​car! Isso pode sig​ni​fi​car que du​ran​te mui​to tem​po você re​ce​beu e ali​-
men​tou in​for​ma​ções pe​ca​mi​no​sas so​bre os ou​tros, de modo que as pes​so​-
as te veem como al​guém que gos​ta de tra​tar da vida alheia. Al​gu​mas mu​-
lhe​res se de​li​ci​am em re​ce​ber e re​pas​sar in​for​ma​ções, ver​da​dei​ras ou
não, da vida dos ou​tros. São ma​le​di​cen​tes de plan​tão, es​pe​ran​do ape​nas
um ou​vi​do dis​pos​to para co​lo​car todo o seu ve​ne​no em ação.

Os sig​ni​fi​ca​dos atri​bu​í​dos à pa​la​vra mal​di​zen​te não são nada bo​ni​tos:


mur​mu​rar, sus​sur​rar, fa​lar mal, ca​lu​ni​ar, fo​fo​car, ser me​xe​ri​quei​ro. O li​-
vro de Pro​vér​bi​os tem mui​to a nos en​si​nar so​bre isso:

“As pa​la​vras do mal​di​zen​te são do​ces bo​ca​dos que des​cem para o mais in​te​ri​or do ven​tre.” Pro​-
vér​bi​os 18.8

“O me​xe​ri​quei​ro re​ve​la o se​gre​do; por​tan​to, não te me​tas com quem mui​to abre os lá​bi​os.”
Pro​vér​bi​os 20.19

“O ho​mem per​ver​so es​pa​lha con​ten​das, e o di​fa​ma​dor se​pa​ra os mai​o​res ami​gos.” Pro​vér​bi​-


os16.28

“Sem le​nha, o fogo se apa​ga; e, não ha​ven​do mal​di​zen​te, ces​sa a con​ten​da.” Pro​vér​bi​os 26.20

Como po​de​mos não nos en​ver​go​nhar de re​ce​ber, ali​men​tar e pas​sar


adi​an​te in​for​ma​ções mal​do​sas, que de​ni​grem e man​cham a re​pu​ta​ção de
nos​sos ir​mãos sem se​quer ti​tu​be​ar​mos? Mes​mo quan​do não fo​mos nós
que co​me​ça​mos com os ru​mo​res, a par​tir do mo​men​to que con​cor​da​mos
em ou​vir as ma​le​di​cên​ci​as, já fa​ze​mos par​te do pro​ces​so de des​truir a
vida da​que​le ir​mão. Por isso, de​ve​mos ser cri​te​ri​o​sas em to​das as nos​sas
con​ver​sas e não per​mi​tir que nos en​vol​vam de for​ma ati​va ou pas​si​va na
que​bra do 9º man​da​men​to.

O co​men​ta​ris​ta do Ca​te​cis​mo Mai​or co​men​ta​do nos acon​se​lha so​bre


como de​ve​mos pro​ce​der a fim de que evi​te​mos nos en​vol​ver com o pe​ca​-
do de le​van​tar fal​sos ru​mo​res con​tra nos​sos ir​mãos ou dar ou​vi​dos a es​-
ses ru​mo​res:

“Dar iní​cio de​li​be​ra​da​men​te a um fal​so ru​mor com o ob​je​ti​vo de pre​ju​di​car al​guém ou de le​var a
cabo al​gum pro​pó​si​to in​jus​to é tão mau e fran​ca​men​te ma​lig​no que qua​se não de​ve​ria ser ne​ces​sá​-
rio ad​ver​tir os cren​tes em Cris​to con​tra isso; mas, uma vez co​me​ça​do por al​guém, é mui​to fá​cil
aju​dar um bo​a​to a ir adi​an​te. O pe​ca​do de aju​dar um fal​so ru​mor a pre​va​le​cer pode ser co​-
me​ti​do tan​to cons​ci​en​te quan​to in​cons​ci​en​te​men​te; po​de​mos ou não per​ce​ber que o ru​mor é
fal​so. An​tes de aju​dar a cir​cu​lar uma his​tó​ria que pode pre​ju​di​car ou pri​var al​guém da jus​ti​ça, de​-
ve​rí​a​mos ter o cui​da​do de des​co​brir se é mes​mo ver​da​de (e mes​mo sen​do ver​da​dei​ro não de​ve​rí​a​-
mos re​pe​ti-lo des​ne​ces​sa​ri​a​men​te). Mui​tos e gran​des ma​les têm sido cau​sa​dos por pes​so​as bem-in​-
ten​ci​o​na​das pron​tas a acre​di​tar e a re​pe​tir qual​quer coi​sa que lhes che​gue aos ou​vi​dos de​pre​ci​an​do
al​guém. Esse há​bi​to des​lei​xa​do é con​trá​rio à jus​ti​ça e ao amor pelo nos​so pró​xi​mo.”9

Note que o au​tor res​sal​ta que não de​ve​mos re​ce​ber ru​mo​res fal​sos,
mas nos aler​ta tam​bém quan​to aos ver​da​dei​ros. Não é por​que um fato é
real que te​mos au​to​ri​za​ção para fa​lar dele para quem qui​ser​mos! Lem​-
bre-se: se não te​mos au​to​ri​da​de so​bre o as​sun​to, ou se ele não nos com​-
pe​te e não nos diz res​pei​to, de​ve​mos nos ca​lar e nos exi​mir de re​ce​ber in​-
for​ma​ções.

“O er​ra​do é quan​do as pes​so​as isen​tas da res​pon​sa​bi​li​da​de pro​fis​si​o​nal para com es​sas ques​tões
dão avi​da​men​te as boas vin​das e se pron​ti​fi​cam a ou​vir re​la​tos ma​lig​nos so​bre ou​tras pes​so​as.
Essa é uma das for​mas do pe​ca​do de ale​grar-se com a in​jus​ti​ça, o qual o após​to​lo Pau​lo de​cla​ra ser
con​trá​rio ao amor cris​tão.”10

Tal​vez essa seja uma gran​de di​fi​cul​da​de nos​sa: não re​ce​ber fo​fo​cas e
me​xe​ri​cos, não nos en​vol​ver​mos em con​ver​sas so​bre a vida de nos​sos ir​-
mãos, não per​mi​tir que fa​lem mal de ter​cei​ros em nos​sa pre​sen​ça. Con​-
for​me for​mos nos exer​ci​tan​do em não re​ce​ber e em não dar ou​vi​dos aos
ma​le​di​cen​tes, es​ses, au​to​ma​ti​ca​men​te, dei​xa​rão de nos pro​cu​rar para dar
va​zão ao seu pe​ca​do. Sa​be​rão que não es​ta​mos in​te​res​sa​das em fu​xi​car a
vida alheia e, por​tan​to, dei​xa​rão de nos ten​tar a esse pe​ca​do. Logo no co​-
me​ço pode ser di​fí​cil, mas você não pre​ci​sa ser gros​sei​ra quan​do, por
exem​plo, uma irmã co​me​çar a te con​tar so​bre os de​fei​tos de ou​tra. Sim​-
ples​men​te des​con​ver​se, mude de as​sun​to, não en​co​ra​je, não per​gun​te,
não ali​men​te a cha​ma. Se a in​sis​tên​cia for gran​de, você pode tam​bém di​-
zer cla​ra​men​te que não gos​ta de se me​ter em ques​tões alhei​as! Seja como
for, guar​de-se, pro​te​ja-se, es​co​lha bem suas ami​za​des, não fi​que per​to de​-
mais de quem gos​ta de ali​men​tar o pe​ca​do que já está no seu co​ra​ção, só
es​pe​ran​do que com​bus​tí​vel seja jo​ga​do. Fu​gir de pes​so​as as​sim é um
gran​de co​me​ço para se li​vrar do pe​ca​do da fo​fo​ca.

“Como o car​vão é para a bra​sa, e a le​nha, para o fogo, as​sim é o ho​mem con​ten​ci​o​so para acen​der
ri​xas.” Pro​vér​bi​os 26.21

9 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.


456.
10 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos,
p. 456.
CA P Í T U L O 9
Falar a Verdade Inoportunamente

“O me​xe​ri​quei​ro des​co​bre o se​gre​do, mas o fiel de es​pí​ri​to o en​co​bre.” Pro​vér​bi​os 11.13

ESSA É OU TRA for​ma de que​brar​mos o 9º man​da​men​to. Mui​tas ve​zes, por


cau​sa da du​re​za do nos​so co​ra​ção, mes​mo di​an​te da ver​da​de, pe​ca​mos
por ex​por a ver​da​de ino​por​tu​na​men​te. Lem​bro-me de uma vez em que
con​ver​sa​va com um ca​sal de nos​sa igre​ja so​bre um ami​go em co​mum que
pre​ga​va o Evan​ge​lho com ver​da​de e pai​xão. Num de​ter​mi​na​do mo​men​-
to, co​men​tei que esse ir​mão era di​vor​ci​a​do e ha​via se ca​sa​do no​va​men​te.
O ca​sal com o qual eu con​ver​sa​va ar​re​ga​lou os olhos, pois não sa​bi​am
des​se de​ta​lhe. De​pois fi​quei pen​san​do co​mi​go mes​ma: por que eu fui dar
essa in​for​ma​ção para eles? Não ha​via a me​nor ne​ces​si​da​de de co​mu​ni​car
esse fato, que era ve​rí​di​co. Não lhes acres​cen​tou nada, em​bo​ra fos​se ver​-
da​dei​ro. Mi​nha in​ten​ção não ha​via sido de​ne​grir a ima​gem do ir​mão,
mas, com aque​le co​men​tá​rio des​ne​ces​sá​rio, foi isso que fiz.

Quan​tas e quan​tas ve​zes po​de​mos cair na ar​ma​di​lha de achar que,


por ser ver​da​de, os fa​tos pre​ci​sam ser di​vul​ga​dos. Mais uma vez, te​mos
que son​dar nos​so co​ra​ção e lem​brar de ze​lar pela re​pu​ta​ção alheia. Pode
ser que no ‘aus​te​ro ato de di​zer a ver​da​de’ es​te​ja​mos, ma​li​ci​o​sa​men​te,
nos apro​vei​tan​do da opor​tu​ni​da​de para de​sa​bo​nar a con​du​ta do ou​tro, o
que tor​na o nos​so pe​ca​do ain​da mais sé​rio. Se te​mos má in​ten​ção en​tão...
se fa​la​mos a ver​da​de com ma​lí​cia, que​ren​do ob​ter van​ta​gem de al​gu​ma
for​ma, agra​va​mos a que​bra do 9º man​da​men​to.
Quando julgo mal as atitudes de um irmão
O nono man​da​men​to nos pro​í​be in​ter​pre​tar mal as in​ten​ções, pa​la​-
vras e ações das pes​so​as. Os que agem as​sim, ge​ral​men​te, são aque​les
que vi​vem pro​cu​ran​do o mal no ou​tro, sem​pre in​ter​pre​tan​do o que os
ou​tros fa​zem à luz de sua pró​pria apre​ci​a​ção. Além de pen​sar mal do ir​-
mão, por ve​zes, chei​as de ra​zão, pas​sa​mos in​for​ma​ções adi​an​te, con​ta​mi​-
nan​do ou​tros com nos​sas sus​pei​tas mal​do​sas. J. G. Vos in​ter​pre​ta a proi​-
bi​ção de ter “sus​pei​ta ma​lig​na” des​ta for​ma:

“Essa ex​pres​são não se re​fe​re a uma sus​pei​ta lí​ci​ta, ba​se​a​da em in​dí​ci​os plau​sí​veis, mas a uma
sus​pei​ta im​pró​pria, não fun​da​men​ta​da em pro​vas, an​tes pro​ce​den​te do au​to​en​ga​no ou da nos​sa
ávi​da dis​po​si​ção em acre​di​tar de pron​to em al​gu​ma coi​sa má so​bre os ou​tros . Por cau​sa do nos​so
co​ra​ção pe​ca​dor es​ta​mos sem​pre pron​tos a in​ter​pre​tar da pior ma​nei​ra pos​sí​vel a con​du​ta dos ou​-
tros, quan​do tal​vez os fa​tos ver​da​dei​ros so​bre o caso pu​des​sem ser ex​pli​ca​dos de uma ma​nei​ra
mais ca​ri​do​sa.”11

Ah, quan​tas de nós te​mos ca​í​do nes​se pe​ca​do! Pen​se numa ma​nhã
de do​min​go em que ao che​gar à igre​ja você cum​pri​men​ta a irmã Ma​ria e
ela não lhe res​pon​de. Te​mos duas pos​tu​ras di​an​te do acon​te​ci​do: ou des​-
cul​pa​mos a irmã, pen​san​do que ela pode não ter nos ou​vi​do, ou, ma​li​ci​o​-
sa​men​te, já co​me​ça​mos a achar que Ma​ria está abor​re​ci​da por​que pode
não ter gos​ta​do dis​so ou da​qui​lo que fi​ze​mos. Te​mos di​fi​cul​da​de em
achar que as in​ten​ções dos nos​sos ir​mãos são pu​ras. Sem​pre ten​de​mos a
jul​gá-lo mal. E quan​do, além de ali​men​tar es​sas sus​pei​tas em nos​sos co​-
ra​ções, as pas​sa​mos adi​an​te, acres​cen​ta​mos pe​ca​do so​bre pe​ca​do.

Um dia des​ses, ar​ru​man​do-me para sair de casa, co​lo​quei uma blu​sa


ver​me​lha. A cor da som​bra es​co​lhi​da foi azul. Era a que es​ta​va à mão.
Per​ce​ben​do que a blu​sa es​co​lhi​da es​ta​va man​cha​da, cor​ri e tro​quei por
uma ou​tra. Mi​nha ami​ga, quan​do me en​con​trou, fez um elo​gio: “Que lin​-
da! Com​bi​nan​do a cor da blu​sa com a da som​bra!”. Essa po​de​ria sim, ter
sido mi​nha in​ten​ção, mas foi uma es​co​lha ale​a​tó​ria. Pen​se co​mi​go se essa
ami​ga qui​ses​se sus​pei​tar mal de mi​nhas in​ten​ções e fo​fo​car so​bre o ocor​-
ri​do. A con​ver​sa com as ou​tras pes​so​as po​de​ria ser as​sim: “Você re​pa​rou
no quan​to a Si​mo​ne anda fú​til? Ela não li​ga​va para nada dis​so, mas ago​-
ra, não sai de casa se a cor da som​bra não com​bi​nar com a rou​pa.” Esse é
ape​nas um exem​plo bobo, para nos aler​tar de quão dis​tan​te a ver​da​de
pode es​tar do que nos​sas pa​la​vras as​se​ve​ram! Pode ha​ver uma dis​tân​cia
abis​sal en​tre aqui​lo que pen​sa​mos que acon​te​ceu e aqui​lo que re​al​men​te
acon​te​ceu. O Ca​te​cis​mo co​men​ta​do tam​bém des​cre​ve esse pe​ca​do da se​-
guin​te for​ma:

“Por que é pe​ca​do “a má in​ter​pre​ta​ção de in​ten​ções, pa​la​vras e ações?

Por​que ima​gi​nar as in​ten​ções, as pa​la​vras e as ati​tu​des dos ou​tros in​ten​ci​o​nal ou cons​ci​en​te​men​te


é o mes​mo que men​tir so​bre eles. Esse é um pe​ca​do bas​tan​te co​mum, mas os cren​tes em Cris​to de​-
ve​ri​am se en​ver​go​nhar de agir as​sim. Se al​guém so​bres​sai em al​gu​ma boa cau​sa, não te​mos o di​-
rei​to de acu​sá-lo de am​bi​ção ego​ís​ta. Se al​guém se opõe à ma​nei​ra es​pe​cí​fi​ca de se re​a​li​zar um bom
pro​pó​si​to, não de​ve​mos ti​rar a con​clu​são de que ele se opõe àque​la boa cau​sa em fa​vor do mal opos​-
to. In​fe​liz​men​te, esse prin​cí​pio é qua​se sem​pre des​con​si​de​ra​do e cren​tes sin​ce​ros são acu​sa​dos de
se​rem a fa​vor de vá​ri​as for​mas de mal por não con​cor​da​rem to​tal​men​te com os ou​tros quan​to aos
mé​to​dos que de​vem ser usa​dos no com​ba​te ao mal.”12

São mui​tas as si​tu​a​ções em que pe​ca​mos por jul​gar mal os nos​sos ir​-
mãos. Dias atrás sou​be que uma ami​ga, que ha​via fi​ca​do vi​ú​va há qua​se
um ano, es​ta​va na​mo​ran​do e pre​ten​dia se ca​sar no​va​men​te. Em dois gru​-
pos di​fe​ren​tes onde ouvi essa his​tó​ria, hou​ve ir​mãos em Cris​to que se
apres​sa​ram a con​de​ná-la, mes​mo sem co​nhe​ci​men​to de cau​sa: “Ela já de​-
ve​ria es​tar en​vol​vi​da com esse ra​paz an​tes de o ma​ri​do mor​rer! Foi mui​to
rá​pi​do! Uma mu​lher que fica vi​ú​va di​fi​cil​men​te se re​la​ci​o​na com ou​tro
ho​mem tão fa​cil​men​te.” Quan​ta mal​da​de e quan​ta fal​ta de cui​da​do com
a re​pu​ta​ção da​que​la pi​e​do​sa irmã! Quan​to des​co​nhe​ci​men​to da dor que
ela car​re​ga​va! Quan​ta ig​norân​cia a res​pei​to das di​fi​cul​da​des que ela teve
para se abrir a um novo re​la​ci​o​na​men​to de​pois que per​de​ra o gran​de
amor de sua vida! Por que in​sis​ti​mos em dar sen​ten​ça em even​tos que
não co​nhe​ce​mos in​te​gral​men​te? Por que não pro​cu​ra​mos sa​ber an​tes de
fa​lar? Por que nos adi​an​ta​mos e não da​mos ao ir​mão o be​ne​fí​cio da dú​vi​-
da, mas o jul​ga​mos e con​de​na​mos sem se​quer ou​vir sua his​tó​ria?

Pre​ci​sa​mos nos lem​brar que não te​mos to​dos os es​cla​re​ci​men​tos so​-


bre os epi​só​di​os e isso nos im​pe​de de ana​li​sar com jus​ti​ça. Mas so​mos rá​-
pi​das em pe​gar as in​for​ma​ções par​cas que te​mos, jun​tar a elas as nos​sas
in​ter​pre​ta​ções e opi​ni​ões, for​mu​lar uma te​o​ria e apre​sen​tá-la aos ou​tros,
como ver​da​de in​con​tes​tá​vel. Pre​ci​sa​mos le​var em con​ta que mui​tas ve​zes
es​ta​mos dis​tan​tes dos fa​tos ve​rí​di​cos, e nos​sa pers​pec​ti​va é fa​cil​men​te al​-
te​ra​da por tan​tas nu​an​ces quan​tas pos​sam exis​tir. An​tes de for​mu​lar
uma sen​ten​ça dura con​tra seu ir​mão, te​nha a cer​te​za de que as coi​sas po​-
dem não ser bem as​sim como você está pen​san​do. Seus olhos e seus sen​-
ti​dos po​dem es​tar en​ga​na​dos, po​dem ha​ver mil ra​zões im​pen​sá​veis para
seu ir​mão agir como agiu. Quer des​co​brir e es​ta​be​le​cer a ver​da​de? Vá di​-
re​to a ele ao in​vés de fi​car con​jec​tu​ran​do e pre​su​min​do o que pode ter
acon​te​ci​do. E isto é exa​ta​men​te o que tra​ta​re​mos no pró​xi​mo tó​pi​co!

11 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.


458.
12 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos,
p. 453.
CA P Í TU LO 1 0
Fale com a
Pes​soa Cer​ta!

VOCÊ ACHA QUE fu​la​na está de cara vi​ra​da para você? Não gos​tou da res​-
pos​ta que foi dada e gos​ta​ria de sa​ber se há algo a mais por trás? Pen​sa
que tal ou tal ati​tu​de de seu ir​mão é pe​ca​mi​no​sa, pelo que se vê? Sus​pei​-
ta que tem algo er​ra​do? Você tem duas op​ções: Não se aba​lar com as sus​-
pei​tas que você sabe que po​dem es​tar equi​vo​ca​das e pre​fe​rir pen​sar sem​-
pre o me​lhor do seu pró​xi​mo, ou, se a si​tu​a​ção exi​gir, re​sol​ver suas des​-
con​fi​an​ças di​re​ta​men​te com quem de di​rei​to. Quan​tos pro​ble​mas se​ri​am
evi​ta​dos no seio da igre​ja se per​se​guís​se​mos esse prin​cí​pio bí​bli​co!

“Se teu ir​mão pe​car [con​tra ti], vai ar​guí-lo en​tre ti e ele só.” Ma​teus 18.15

Esse é sem​pre o pri​mei​ro pas​so, mas in​fe​liz​men​te, o mais ig​no​ra​do


quan​do se tra​ta de re​sol​ver de​man​das en​tre ir​mãos. Sus​pei​ta​mos mal,
ali​men​ta​mos má​go​as no co​ra​ção, ma​qui​na​mos o mal con​tra ele, con​ta​-
mos a ter​cei​ros, es​pa​lha​mos ru​mo​res e bo​a​tos so​bre o acon​te​ci​do, mas
não se​gui​mos essa or​de​nan​ça en​si​na​da por Je​sus a seus dis​cí​pu​los. É
mui​to mais sim​ples re​sol​ver os plei​tos as​sim que eles co​me​çam... e se ini​-
ci​a​mos a re​so​lu​ção de for​ma cor​re​ta e bí​bli​ca, quan​tas chan​ces te​mos de
so​lu​ci​o​nar a con​tra​ri​e​da​de à con​ten​to e sem en​vol​ver mais pes​so​as que o
de​vi​do!

O li​vro de Pro​vér​bi​os tam​bém re​for​ça o con​cei​to de que, se te​mos


algo a di​zer a al​guém, que seja dito ri​go​ro​sa​men​te a essa pes​soa:
“Plei​teia a tua cau​sa di​re​ta​men​te com o teu pró​xi​mo e não des​cu​bras o se​gre​do de ou​-
trem...” Pro​vér​bi​os 25.9

Bem, co​me​çan​do pelo fi​nal do ver​so, se você não tem nada a ver com
o as​sun​to, não se em​pe​nhe para des​co​brir o que está acon​te​cen​do. A éti​-
ca cris​tã nos impõe esse li​mi​te: Você ou​viu fa​lar que al​guém co​me​teu
esse ou aque​le pe​ca​do? A pri​mei​ra coi​sa a fa​zer é res​pon​der al​gu​mas per​-
gun​tas: você está en​vol​vi​do no as​sun​to? O pe​ca​do foi con​tra você? Você
tem ju​ris​di​ção ou au​to​ri​da​de so​bre a pes​soa ou so​bre o su​ce​di​do? Não?
En​tão lhe cabe a se​gun​da sen​ten​ça do ver​so: “não des​cu​bras o se​gre​do de
ou​trem”. Se, no en​tan​to, a res​pos​ta for sim, plei​teie a tua cau​sa di​re​ta​-
men​te com o teu pró​xi​mo! Vá a ele an​tes de qual​quer coi​sa. Se você tem
al​gu​ma coi​sa a di​zer so​bre al​guém, ir di​re​ta​men​te a ele é uma ques​tão de
le​al​da​de a seu ir​mão e de obe​di​ên​cia à Pa​la​vra de Deus! Não te​nha medo
de per​der a ami​za​de dele. Ami​gos pre​ci​sam des​se exer​cí​cio. Sa​lo​mão nos
as​se​ve​ra essa ver​da​de de modo bri​lhan​te:

“O que re​preen​de ao ho​mem acha​rá, de​pois, mais fa​vor do que aque​le que li​son​jeia com a lín​gua.”
Pro​vér​bi​os 28.23

“Me​lhor é a re​preen​são fran​ca do que o amor en​co​ber​to. Le​ais são as fe​ri​das fei​tas pelo que ama,
po​rém os bei​jos de quem odeia são en​ga​no​sos.” Pro​vér​bi​os 27.5-6

“Como o fer​ro com o fer​ro se afia, as​sim, o ho​mem, ao seu ami​go.” Pro​vér​bi​os 27.17

Esse é o ca​mi​nho ex​ce​len​te! Essa é a re​co​men​da​ção da sa​be​do​ria de


Deus! Tem al​gu​ma coi​sa a di​zer so​bre al​guém? Diga a ele!
CA PÍ T U L O 11
A Medida que Uso para Mim é a
Mesma que Uso para Meus Irmãos?

“Ir​mãos, não fa​leis mal uns dos ou​tros. Aque​le que fala mal do ir​mão ou jul​ga a seu ir​mão fala
mal da lei e jul​ga a lei; ora, se jul​gas a lei, não és ob​ser​va​dor da lei, mas juiz. Um só é Le​gis​la​dor e
Juiz, aque​le que pode sal​var e fa​zer pe​re​cer; tu, po​rém, quem és, que jul​gas o pró​xi​mo?” Ti​a​go
4.11 e 12

RE PA RE SE ISSO não acon​te​ce fa​cil​men​te com você tam​bém: Se eu me atra​so


para o cul​to, tive ra​zões plau​sí​veis; se foi o meu ir​mão, ele não sabe ad​-
mi​nis​trar seu tem​po. Se me en​ro​lo fi​nan​cei​ra​men​te, é por​que o país está
em cri​se; se meu ir​mão se en​di​vi​da, é des​con​tro​la​do. Se eu me ir​ri​to e
per​co o con​tro​le, é por​que es​ta​va numa fase di​fí​cil; se meu ir​mão al​te​ra a
voz é por​que não tem do​mí​nio pró​prio. De​ve​rí​a​mos ser tão mi​se​ri​cor​di​o​-
sos e com​pla​cen​tes com nos​so pró​xi​mo como so​mos co​nos​co. De​ve​rí​a​-
mos jul​gá-lo pela mes​ma ré​gua que nos me​di​mos, com se​ve​ri​da​de para
com o nos​so pe​ca​do, com com​pai​xão para com o pe​ca​do de meu ir​mão!
O Ca​te​cis​mo cha​ma esse pe​ca​do de agra​var as pe​que​nas fal​tas e J.G.Vos co​-
men​ta:

“O que sig​ni​fi​ca ‘agra​var as pe​que​nas fal​tas’ e por que isso é er​ra​do? Sig​ni​fi​ca con​si​de​rar as pe​-
que​nas fa​lhas ou fal​tas dos ou​tros como mais sé​ri​as e mais im​por​tan​tes do que são de fato. Não de​-
ve​mos cha​mar o bran​co de pre​to, nem o pre​to de bran​co; não de​ve​mos fa​lar das fal​tas das pes​so​as
como se fos​sem vir​tu​des, ou como se não fos​sem fal​tas ne​nhu​ma, con​tu​do é er​ra​do con​si​de​rar as
pe​que​nas fal​tas das pes​so​as como se fos​sem ques​tões gran​des e sé​ri​as. As pa​la​vras do nos​so Se​nhor
em Ma​teus 7.3-5 de​ve​ri​am ser​vir para nos lem​brar que te​mos gra​ves fa​lhas em nós mes​mos, que
de​ve​ri​am ter a nos​sa aten​ção an​tes de nos apli​car​mos à ta​re​fa de cor​ri​gir as me​no​res fal​tas na vida
dos ou​tros.”13
13 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos, p.
455.
CA P Í TU LO 1 2
Se Tiverem que Saber, que Não Seja
por Você

AIN TEN ÇÃO DE PRO TE GER um ir​mão dos mal​fei​tos de ou​tro, em prin​cí​pio,
pode até pa​re​cer uma boa ideia. Mas, se for​mos ana​li​sar fri​a​men​te, po​de​-
mos er​rar feio, en​quan​to ten​ta​mos acer​tar. Por ve​zes, tam​bém fa​ze​mos
isso com o in​tui​to se​cre​to e ma​li​ci​o​so, em​bo​ra nem sem​pre per​ce​bi​do por
nós, de de​pre​ci​ar al​guém. Tal​vez por cau​sa de or​gu​lho en​co​ber​to, te​ma​-
mos que ou​tras pes​so​as se​jam mais res​pei​ta​das do que nós, daí, logo que​-
re​mos ‘ad​ver​tir’ aos ou​tros so​bre quem aque​la pes​soa re​al​men​te é. O Ca​-
te​cis​mo cha​ma isso de de​trair. “Sig​ni​fi​ca fa​lar mal de al​guém com o ob​je​-
ti​vo de de​tra​tar (mal​di​zer) ou avil​tar (de​pre​ci​ar) a sua in​flu​ên​cia ou boa
re​pu​ta​ção; é de​sa​bo​nar ou des​qua​li​fi​car al​guém.”14 Seja por quais mo​ti​-
vos fa​ça​mos isso, seja com ou sem ra​zão, quan​do agi​mos as​sim que​bra​-
mos o 9º man​da​men​to.

Du​ran​te mui​tos anos eu e Ore​be mo​ra​mos em vá​ri​as ci​da​des di​fe​-


ren​tes e con​gre​ga​mos em igre​jas di​fe​ren​tes. Era in​te​res​san​te no​tar que,
em cada uma que che​gá​va​mos, ra​pi​da​men​te éra​mos in​for​ma​dos da “fi​-
cha cor​ri​da” dos ir​mãos. Não nego que al​gu​mas in​for​ma​ções eram ver​-
da​dei​ras e que al​guns ir​mãos de​se​ja​vam mes​mo nos pro​te​ger de pe​ri​gos
re​ais. Mas, na gran​de mai​o​ria dos ca​sos, as pes​so​as se apres​sa​vam em
pas​sar para nós as ex​pe​ri​ên​ci​as do​lo​ro​sas que ha​vi​am tido com fu​la​no ou
bel​tra​no, sem​pre, é cla​ro, mos​tran​do o seu pon​to de vis​ta e o seu lado da
his​tó​ria. Lem​bro-me que di​ver​sas ve​zes, ao che​gar em uma nova igre​ja,
evi​tei me re​la​ci​o​nar com al​gu​mas pes​so​as por cau​sa de ru​mo​res que ha​-
via ou​vi​do so​bre elas.

O nono man​da​men​to me en​si​na a es​ta​be​le​cer a ver​da​de, e não a de​-


fi​nir uma pes​soa com base em um ou dois acon​te​ci​men​tos du​vi​do​sos.
Todo acon​te​ci​men​to tem de​ta​lhes que des​co​nhe​ce​mos. As pes​so​as têm
ra​zões que mui​tas ve​zes não são ex​pos​tas. Pre​ci​sa​mos dar o be​ne​fí​cio da
dú​vi​da aos nos​sos ir​mãos. E, se esse be​ne​fí​cio foi dado e foi pro​va​do que
o ir​mão tem mes​mo esse de​fei​to que pre​ci​sa ser con​cer​ta​do, não cabe a
mim aler​tar o pla​ne​ta dis​so!

Cer​ta​men​te, em al​guns ca​sos, como já foi fa​la​do, é im​por​tan​te e até


ne​ces​sá​rio que in​for​ma​ções se​jam da​das so​bre pe​ca​do​res in​con​ti​nen​tes.
No en​tan​to, é bom pen​sar bas​tan​te an​tes. Essa in​for​ma​ção é ver​da​dei​ra?
Pre​ci​so mes​mo pro​te​ger um ir​mão des​se ou​tro? Te​nho per​mis​são e au​to​-
ri​da​de para fa​lar so​bre o as​sun​to?

Você tem se apres​sa​do em in​for​mar às pes​so​as so​bre os de​fei​tos de


ou​trem? Tem se co​lo​ca​do em si​tu​a​ções di​fí​ceis por isso? A fal​ta de sa​be​-
do​ria ex​pres​sa por pa​la​vras tem me​ti​do mui​tas de nós em si​tu​a​ções do​lo​-
ro​sas. Ne​ces​si​ta​mos ur​gen​te​men​te apren​der com as Es​cri​tu​ras a nos co​lo​-
car a sal​vo de ar​ma​di​lhas em​ba​ra​ço​sas que a lín​gua nos arma!

14 Geer​har​dus Vos, Jo​han​nes. Ca​te​cis​mo Mai​or de West​mins​ter co​men​ta​do: Edi​to​ra Os Pu​ri​ta​nos p.


452.
CA P Í TU LO 1 3
Quando Fingimos
Com a Lín​gua

HÁ MUI TAS DE nós que te​mos que​bra​do o 9º man​da​men​to por fal​ta de con​-
tro​le da lín​gua. Mas será que te​mos fei​to pior do que isso? Será que te​-
mos nos en​tre​ga​do à ba​ju​la​ção na fren​te das pes​so​as, e à ma​le​di​cên​cia
em suas cos​tas? Cer​ta​men​te esse é um agra​van​te se​ve​ro para o pe​ca​do da
lín​gua e, con​tra ele, as Es​cri​tu​ras nos ad​ver​tem:

“A lín​gua fal​sa abor​re​ce [odeia] a quem fe​riu, e a boca li​son​jei​ra é cau​sa de ru​í​na.” Pro​vér​bi​os
26.28

“Como vaso de bar​ro co​ber​to de es​có​ri​as de pra​ta, as​sim são os lá​bi​os amo​ro​sos e o co​ra​ção
ma​lig​no.” Pro​vér​bi​os 26.23

“Aque​le que abor​re​ce [odeia] dis​si​mu​la com os lá​bi​os, mas no ín​ti​mo en​co​bre o en​ga​no; quan​do te
fa​lar su​a​ve​men​te, não te fies nele, por​que sete abo​mi​na​ções há no seu co​ra​ção.” Pro​vér​bi​os 26.24-
25

“O que re​tém o ódio é de lá​bi​os fal​sos, e o que di​fa​ma é in​sen​sa​to.” Pro​vér​bi​os 10.18

Di​zem que as mu​lhe​res são ca​te​drá​ti​cas na arte de elo​gi​ar na pre​sen​-


ça e, as​sim que a pes​soa vira as cos​tas, apon​tar mil de​fei​tos, até aque​les
que não exis​tem. Que​ro crer que en​tre as mu​lhe​res cris​tãs esse é um pe​-
ca​do que tem sido abo​mi​na​do e aban​do​na​do. Que​ro crer que te​mos bus​-
ca​do ser le​ais aos nos​sos ir​mãos a pon​to de, tudo que fa​lar​mos dele, se
ne​ces​sá​rio, pos​sa ser re​pe​ti​do em sua pre​sen​ça. Se as​sim não tem sido,
ne​ces​si​ta​mos mu​dar e cla​mar pe​las mi​se​ri​cór​di​as de Deus para que não
se​ja​mos pa​re​ci​das com os in​sen​sa​tos e para que a ru​í​na pre​vis​ta para es​-
ses não nos as​so​le:
“A boca do in​sen​sa​to é a sua pró​pria des​trui​ção, e os seus lá​bi​os, um laço para a sua alma.” Pro​-
vér​bi​os 18.7

“O per​ver​so de co​ra​ção ja​mais acha​rá o bem; e o que tem a lín​gua do​bre vem a cair no mal.” Pro​-
vér​bi​os 17.20
CA P Í TU LO 1 4
Tirem as Crianças
da Sala!

COMO FOI VIS TO no nono man​da​men​to, mui​tas ve​zes, por es​tar​mos di​re​ta​-
men​te en​vol​vi​das numa si​tu​a​ção ou por cau​sa da po​si​ção de au​to​ri​da​de
que nos​sos ma​ri​dos ocu​pam, pre​ci​sa​mos fa​lar so​bre fa​tos e acon​te​ci​men​-
tos que en​vol​vem ter​cei​ros. Se seu es​po​so é pas​tor ou pres​bí​te​ro, por
exem​plo, ele sa​be​rá de por​me​no​res da vida dos mem​bros da igre​ja que
são des​co​nhe​ci​dos da mai​o​ria dos ou​tros mem​bros. Você, como au​xi​li​a​-
do​ra, será, por ve​zes, cha​ma​da a aju​dá-lo a pen​sar so​bre o as​sun​to, a
acon​se​lhá-lo quan​to a me​lhor for​ma de abor​dar o pro​ble​ma. Va​mos usar
como exem​plo um caso de adul​té​rio. Hou​ve a de​n​ún​cia, e ago​ra o pas​tor
da​que​la fa​mí​lia pre​ci​sa li​dar com to​dos os des​do​bra​men​tos que esse pe​-
ca​do tra​rá. O cui​da​do em res​guar​dar os epi​só​di​os e os en​vol​vi​dos deve
ser des​co​mu​nal. Li​dar com pe​ca​dos tão des​trui​do​res de nos​sos ir​mãos
deve ge​rar em nós um sen​so de in​te​gri​da​de e le​al​da​de, tan​to a eles,
quan​to ao Se​nhor. Por​tan​to, o cui​da​do que pre​ci​sa​mos ter ao fa​lar so​bre o
ocor​ri​do deve ser pro​por​ci​o​nal ao amor que te​mos pelo Rei​no de Deus.
Lem​bre-se, o que está em jogo é a alma de seus ir​mãos fal​to​sos.

Dos cui​da​dos que te​mos que to​mar nes​tas cir​cuns​tân​ci​as, tal​vez o


mai​or de​les seja o mais ne​gli​gen​ci​a​do: fa​lar so​bre o ocor​ri​do na fren​te
dos fi​lhos. Por ve​zes pen​sa​mos que as cri​an​ças es​tão des​li​ga​das, fa​zen​do
ou​tras coi​sas, mas suas an​te​nas es​tão li​ga​das e tudo que vo​cês dis​se​rem
na fren​te de​las será de​vi​da​men​te ar​ma​ze​na​do. O pe​ri​go não é ape​nas de
as cri​an​ças abri​rem a boca num mo​men​to ino​por​tu​no, com as pes​so​as er​-
ra​das. Nos​sos fi​lhos não são lí​de​res da igre​ja. Eles não têm ma​tu​ri​da​de
para aguen​tar o tran​co de tan​tas his​tó​ri​as com​pli​ca​das e com fi​nais tão
dra​má​ti​cos. Eles ain​da não co​nhe​cem a ma​lig​ni​da​de do co​ra​ção hu​ma​no
como você, e ser cons​tan​te​men​te ali​men​ta​do de in​for​ma​ções ad​ver​sas so​-
bre os ir​mãos da igre​ja pode ge​rar ne​les uma des​con​fi​an​ça quan​to à fé.
Pou​pe seus fi​lhos, o quan​to pu​der, de se de​cep​ci​o​na​rem com os ir​mãos
da igre​ja. Mui​tas ve​zes isso não será pos​sí​vel, pois o pe​ca​do terá sido pú​-
bli​co. Mas isso é di​fe​ren​te de sua cri​an​ça pas​sar a infân​cia in​tei​ra ou​vi​do
di​a​ri​a​men​te so​bre as fra​que​zas dos cren​tes. Aos pou​cos ela sa​be​rá como
as coi​sas fun​ci​o​nam e apren​de​rá que cren​tes pe​cam, e que tam​bém exis​-
tem fal​sos cren​tes e que pre​ci​sa​rá li​dar com isso, mas vá com cal​ma!
Tudo tem seu tem​po.

Mes​mo quan​do os fi​lhos já são cres​ci​dos, esse prin​cí​pio deve ser ob​-
ser​va​do. Se​gre​dos que são con​fi​den​ci​a​dos a você e a seu es​po​so de​vem
per​ma​ne​cer en​tre vo​cês. Quan​tos e quan​tos ca​sos de adul​té​rio, de for​ni​-
ca​ção, de rou​bos e men​ti​ras fo​ram tra​ta​dos no mi​nis​té​rio pas​to​ral de meu
es​po​so, que nos​sos qua​tro fi​lhos nem so​nham... E por que eles de​ve​ri​am
sa​ber e par​ti​ci​par? Mui​tas des​sas si​tu​a​ções fo​ram re​sol​vi​das e os mem​-
bros fal​to​sos ar​re​pen​di​dos fo​ram res​tau​ra​dos sem que sua in​te​gri​da​de
fos​se avil​ta​da. Cui​da​do! Os pro​ble​mas dos mem​bros da sua igre​ja não
são as​sun​tos de fa​mí​lia! Quan​do mui​to, e se ne​ces​sá​rio for, de​vem ser
abor​da​dos pelo ca​sal, re​ser​va​da​men​te.

Se seu es​po​so não é lí​der da igre​ja, o con​se​lho é o mes​mo. Vo​cês po​-


dem es​tar des​con​ten​tes com os ru​mos que a igre​ja está to​man​do, com
essa ou aque​la con​du​ta do pas​tor e do con​se​lho. Con​ver​sem ape​nas en​tre
vo​cês de for​ma pi​e​do​sa e cui​da​do​sa, lon​ge dos ou​vi​dos das cri​an​ças, e
de​pois pro​cu​rem o pas​tor ou o con​se​lho e diga a eles o que lhe afli​ge! Co​-
nhe​ço fa​mí​li​as que, du​ran​te anos, no al​mo​ço de do​min​go, ao in​vés de re​-
for​ça​rem ou ex​pan​di​rem os pre​cei​tos ex​pos​tos no ser​mão da ma​nhã,
usam suas pa​la​vras para re​cla​mar da li​de​ran​ça, fa​lar mal do pas​tor, mal​-
di​zer os ir​mãos. Esse não é um bom en​si​no para seus fi​lhos, prin​ci​pal​-
men​te no Dia do Se​nhor, logo após sair do cul​to. O Ca​te​cis​mo Mai​or de
West​mins​ter, na per​gun​ta 151, nos ad​ver​te quan​to a isso:

“Que fa​to​res agra​van​tes tor​nam al​guns pe​ca​dos mais de​tes​tá​veis que ou​tros?

O pe​ca​do tor​na-se mais gra​ve… em ra​zão das cir​cuns​tân​ci​as de tem​po e de lu​gar: se for no Dia do
Se​nhor, ou em ou​tras oca​si​ões de cul​to di​vi​no; ou ime​di​a​ta​men​te an​tes ou de​pois de​las ou de ou​-
tros au​xí​li​os para a pre​ven​ção ou tra​ta​men​to des​ses des​vi​os; se fo​rem pú​bli​co ou na pre​sen​ça de
ou​tros pas​sí​veis de se​rem por isso es​ti​mu​la​dos a tais trans​gressões ou con​ta​mi​na​dos por elas.”

Nos​sas cri​an​ças são mui​to sus​ce​tí​veis e pro​pen​sas a se​guir nos​so


exem​plo e nos​sos há​bi​tos, se​jam es​ses bons ou ru​ins. Esse é ou​tro ar​gu​-
men​to sig​ni​fi​ca​ti​vo, que deve nos fa​zer pen​sar duas ve​zes no modo como
te​mos usa​do nos​so fa​lar. Nos​sos fi​lhos ve​rão e re​pro​du​zi​rão a con​du​ta
que apren​dem em casa. A for​ma be​ne​vo​len​te e ter​na que fa​la​mos dos ir​-
mãos ou nos​so jei​to de​sa​pi​e​da​do, em​pe​der​ni​do e cru​el ao nos re​fe​rir​mos
as im​per​fei​ções de​les, mar​ca​rão nos​sos fi​lhos por toda a vida. Eles ten​de​-
rão a se​guir nos​sos en​si​na​men​tos, mes​mo que es​ses não te​nham sido da​-
dos ob​je​ti​va​men​te.

Por​tan​to, mui​to cui​da​do com o que fala, quan​do fala e per​to de


quem fala!
CA P Í TU LO 1 5
A Quebra do Nono Mandamento e as
Redes Sociais

COMO SE NÃO ti​vés​se​mos com​bus​tí​vel su​fi​ci​en​te em nós mes​mas para


“de​to​nar” toda es​pé​cie de pe​ca​dos da lín​gua, po​de​mos tam​bém con​tar
com a aju​da ex​ter​na, de mei​os que fa​ci​li​tam o alas​tra​men​to de pe​ca​dos
des​se tipo. Re​fi​ro-me es​pe​ci​fi​ca​men​te ao uso ina​de​qua​do das re​des so​ci​-
ais. Como tem se pro​li​fe​ra​do os escân​da​los em nos​so meio! Como te​mos
de​mons​tra​do mais no​to​ri​a​men​te nos​sa fal​ta de ha​bi​li​da​de com as pa​la​-
vras e nos​sa fal​ta de cor​te​sia e de​li​ca​de​za com o pró​xi​mo.

Para não cair​mos em pe​ca​do, tam​bém vir​tu​al​men​te, com o uso das


pa​la​vras, gos​ta​ria de su​ge​rir al​gu​mas me​di​das de pre​cau​ção quan​do nos
pu​ser​mos a di​gi​tar:

1. Aqui​lo que vai para a in​ter​net sai do nos​so con​tro​le. Por​tan​to, an​tes de pu​bli​car qual​quer
coi​sa, pen​se bem.

2. Nun​ca co​men​te como anô​ni​mo. Se res​pon​sa​bi​li​ze por suas opi​ni​ões e po​si​ci​o​na​men​tos.

3. Não use as re​des so​ci​ais para de​sa​fo​gar as má​go​as que tem de al​guém. Não man​de in​di​re​-
tas. Não fi​que dan​do ‘bron​qui​nhas’. Seja ma​du​ra e adul​ta e, se ti​ver al​gu​ma coi​sa para di​-
zer a al​guém, faça isso di​re​ta​men​te com esta pes​soa.

4. Quan​do ti​ver de re​sol​ver al​gum pro​ble​ma com al​guém, fale pes​so​al​men​te com esta pes​soa!
Não se re​sol​ve as​sun​tos im​por​tan​tes por e-mails, men​sa​gens de tex​to ou What​sapp. Olho
no olho, tom de voz, pos​tu​ra cor​po​ral de​mons​tram o es​pí​ri​to man​so que você dispõe para a
re​so​lu​ção de um con​fli​to. Pa​la​vras es​cri​tas são fri​as e não ra​ra​men​te, pas​sam uma im​pres​-
são er​ra​da.

5. Nun​ca, nun​ca, nun​ca use a rede para fo​men​tar ini​mi​za​de en​tre ir​mãos. Exis​tem pes​so​as
que vi​vem pes​qui​san​do o que uma irmã dis​se de ou​tra e pas​san​do es​tas in​for​ma​ções para a
‘ofen​di​da’, fa​zen​do ‘prints’ das fo​tos ou das atu​a​li​za​ções do fa​ce​bo​ok. Isto se en​qua​dra em
“se​me​ar con​ten​da en​tre os ir​mãos” e é des​cri​to em Pro​vér​bi​os como um pe​ca​do que Deus
abo​mi​na!

6. Evi​te re​pas​sar no​tí​ci​as des​tru​ti​vas nas re​des so​ci​ais. Um dia des​ses fui sur​preen​di​da, logo
pela ma​nhã, ao abrir meu fa​ce​bo​ok, com vá​ri​os ami​gos com​par​ti​lhan​do e co​men​tan​do so​bre
um fa​mo​so pas​tor que ha​via ca​í​do em pe​ca​do. Isso não de​ve​ria ser ‘no​tí​cia’ em nos​so meio.
Não co​nhe​ce​mos as cir​cuns​tân​ci​as, não so​mos seus lí​de​res, não sa​be​mos se hou​ve ar​re​pen​-
di​men​to. As pes​so​as se es​que​cem que, mes​mo que tudo que foi dito na​que​la ma​té​ria seja
ver​da​de, ao di​vul​gar​mos isso pu​bli​ca​men​te, es​ta​mos tor​nan​do um fato mun​di​al​men​te co​-
nhe​ci​do, quan​do, na ver​da​de, ape​nas as pes​so​as en​vol​vi​das de​ve​ri​am sa​ber e to​mar as pro​-
vi​dên​ci​as ca​bí​veis. Por cau​sa da in​ter​net os acon​te​ci​men​tos to​mam pro​por​ções ini​ma​gi​ná​-
veis. Será que nin​guém se lem​brou que aque​le pas​tor ti​nha es​po​sa e fi​lhos? Será que não
con​si​de​ra​ram que, o fato de o pe​ca​do ter sido des​co​ber​to e tra​ta​do, já era algo do​lo​ro​so o su​-
fi​ci​en​te para aque​la fa​mí​lia? Por que agra​var​mos a ver​go​nha e a an​gús​tia do cul​pa​do, di​-
vul​gan​do e co​men​tan​do pu​bli​ca​men​te o que de​ve​ria ser tra​ta​do re​ser​va​da​men​te?

7. Te​nha mui​to cui​da​do com os ‘de​sa​ba​fos’ que você es​cre​ve para as pes​so​as. Es​tas pa​la​vras
po​dem ser​vir como do​cu​men​tos con​tra você. Tal​vez num dia em que você não es​te​ja bem,
re​sol​va es​cre​ver a uma irmã e co​lo​car para fora pe​ca​dos que de​ve​ri​am ser tra​ta​dos com seu
ma​ri​do ou com seu pas​tor. Você cor​re o ris​co de abrir o seu co​ra​ção e dei​xar isso do​cu​men​ta​-
do com uma pes​soa que pode se mos​trar des​le​al. Ou cor​re o ris​co de que os fi​lhos de sua
ami​ga me​xam no te​le​mó​vel dela e en​con​trem ali con​fissões que de​ve​ri​am ser res​guar​da​das.

8. Por fim, gos​ta​ria de aler​tá-las a ter cui​da​do quan​to ao uso de suas pa​la​vras em de​ba​tes na
in​ter​net. Esse é um há​bi​to que sem​pre flo​res​ceu en​tre os cris​tãos, em to​das as eras: o de​ba​te
te​o​ló​gi​co. Ele é sa​dio, e aju​da o povo de Deus a fu​gir das he​re​si​as, e a ter sua cu​ri​o​si​da​de
por gran​des te​mas agu​ça​da. Por ou​tro lado, o ime​di​a​tis​mo das re​des so​ci​ais dei​xa pou​co
tem​po para a re​fle​xão an​tes de dis​cor​dar​mos e pu​bli​car​mos o que pen​sa​mos! Todo o cui​da​do
ain​da é pou​co. Ao de​ba​ter​mos uma ideia, ca​re​ce​mos de bom sen​so nos ar​gu​men​tos, mas es​-
pe​ci​al​men​te de do​çu​ra, man​si​dão, bran​du​ra e pa​la​vras ame​nas e res​pei​to​sas. Lem​bre​mo-nos
sem​pre de que, por trás da​que​la tela, está um ir​mão em Cris​to. Sim, ele pode es​tar re​don​da​-
men​te equi​vo​ca​do, mas, ain​da as​sim, me​re​ce nos​so apre​ço. Pa​la​vras de​bo​cha​das, irô​ni​cas,
sar​cás​ti​cas, ofen​si​vas e que ata​quem a pes​soa ao in​vés de ar​gu​men​tos, de​mons​tram des​tem​-
pe​ro e fal​ta de po​li​dez de nos​sa par​te. Po​de​mos sim, dis​cor​dar vee​men​te​men​te, mas com
todo o res​pei​to que nos​sos ir​mãos na fé me​re​cem. Mui​to cui​da​do tam​bém quan​do vai es​cre​-
ver al​gum co​men​tá​rio so​bre um tex​to de al​gum Mi​nis​tro do Evan​ge​lho! Te​nho vis​to mu​lhe​-
res dis​cor​da​rem, dis​cu​ti​rem, ofen​de​rem e des​de​nha​rem de ho​mens que fo​ram cha​ma​dos para
o sa​gra​do mi​nis​té​rio e que são re​pre​sen​tan​tes do pró​prio Cris​to! Elas não te​mem de​sa​ca​tar
uma au​to​ri​da​de em pú​bli​co, que​bran​do as​sim o 5º man​da​men​to. Lem​bre-se que os pas​to​res
es​tu​da​ram e es​tu​dam por anos a fio, e cer​ta​men​te têm uma ba​ga​gem mui​to mai​or que a
nos​sa. Lem​bre-se tam​bém, que os pas​to​res são pas​to​res do re​ba​nho de Cris​to e não ape​nas de
uma igre​ja lo​cal. En​tão, mes​mo que aque​le pas​tor não seja o ‘seu’ pas​tor, me​re​ce tan​ta con​-
si​de​ra​ção quan​to o seu. Se em al​gum mo​men​to você achar que é ne​ces​sá​rio dis​cor​dar de
algo que al​gum pas​tor sé​rio pos​tou, faça isso em pri​va​do. É con​tra toda pru​dên​cia uma mu​-
lher ar​guir e cha​mar a aten​ção de um Mi​nis​tro do Evan​ge​lho em pú​bli​co! Cui​da​do!
CA P Í TU LO 1 6
Não Quer Errar? Cerre Seus Lábios!

“No mui​to fa​lar não fal​ta trans​gres​são, mas o que mo​de​ra os lá​bi​os é pru​den​te.” Pro​vér​bi​os
10.19

QUAN TO MAIS FA LA MOS, mais ris​cos es​ta​mos cor​ren​do. Essa é uma ver​da​de
bí​bli​ca ir​re​fu​tá​vel. Se te​mos al​gu​ma dú​vi​da so​bre es​tar​mos ou não agra​-
dan​do ao Se​nhor com o que va​mos di​zer, me​lhor nos ca​lar e ava​li​ar se
de​ve​mos ou não con​ti​nu​ar. Se já te​mos cer​te​za que aque​le tipo de con​ver​-
sa tem que​bra​do a lei de Deus, se não te​nho o ob​je​ti​vo de cons​truir, de
aju​dar, de aben​ço​ar, de er​guer, en​tão pos​so pa​rar an​tes de co​me​çar... O li​-
vro de Pro​vér​bi​os nos pre​vi​ne lar​ga​men​te so​bre os pe​ri​gos de fa​lar mui​-
to: “Al​guém há cuja ta​ga​re​li​ce é como pon​tas de es​pa​da, mas a lín​gua do sá​bio é
me​di​ci​na.” Pro​vér​bi​os 11.18

“O que guar​da a boca e a lín​gua guar​da a sua alma das an​gús​ti​as.” Pro​vér​bi​os 21.23

“Até o es​tul​to, quan​do se cala, é tido por sá​bio, e o que cer​ra os lá​bi​os, por sá​bio.” Pro​vér​bi​os
17.28

“O que guar​da a boca con​ser​va a sua alma, mas o que mui​to abre os lá​bi​os a si mes​mo se ar​ru​í​-
na.” Pro​vér​bi​os 13.3

Pen​se co​mi​go no quan​to você já so​freu por ter sido pre​ci​pi​ta​da em


suas pa​la​vras, por ter se me​ti​do em as​sun​to que não lhe to​ca​va, por emi​-
tir opi​ni​ões des​ne​ces​sá​ri​as ou por dar pal​pi​tes que não lhe fo​ram pe​di​-
dos. Quan​tas e quan​tas ve​zes eu já fui dor​mir com a in​cô​mo​da sen​sa​ção
de que de​ve​ria ter me ca​la​do em de​ter​mi​na​do as​sun​to. Quan​tas ve​zes fa​-
lei de​mais com as pes​so​as er​ra​das, e es​tas, fa​la​ram de​mais com ou​tras
pes​so​as er​ra​das so​bre o que eu dis​se. Por ve​zes um de​sa​ba​fo fora de
hora, uma si​tu​a​ção que me abor​re​ceu e que eu emi​ti ju​í​zos con​tra meus
ir​mãos por​que es​ta​va ira​da. Tan​ta dor po​de​ria ter sido evi​ta​da se ao me​-
nos eu ti​ves​se pen​sa​do bi​bli​ca​men​te na​que​la hora... se ao me​nos eu ti​ves​-
se me de​di​ca​do a es​tu​dar e de​co​rar es​ses ver​sí​cu​los, que de​mons​tram a
sa​be​do​ria de Deus, en​si​nan​do-me a mo​de​rar os meus lá​bi​os! Mas pa​la​-
vras di​tas não vol​tam atrás... de​pois de pro​nun​ci​a​das, só nos res​ta ca​tar
os ca​cos.

“Está na boca do in​sen​sa​to a vara para a sua pró​pria so​ber​ba, mas os lá​bi​os do pru​den​te o pre​ser​-
va​rão.” Pro​vér​bi​os 14.3

“Hon​ro​so é para o ho​mem o des​vi​ar-se de con​ten​das, mas todo o in​sen​sa​to se mete em ri​xas.” Pro​-
vér​bi​os 20.3

Se der​mos ou​vi​dos aos san​tos man​da​men​tos, en​tre​tan​to, po​de​re​mos


dei​xar de cau​sar des​trui​ção com a nos​sa boca e usá-la ape​nas para a edi​-
fi​ca​ção. Dei​xa​re​mos de co​mer do amar​go fru​to de uma lín​gua in​con​se​-
quen​te, e po​de​re​mos pro​var a do​çu​ra que pa​la​vras pon​de​ra​das e co​me​-
di​das tra​zem. Vi​ver des​sa for​ma é vi​ver pru​den​te​men​te, sa​bi​a​men​te. Ali​-
ás, o li​vro de Pro​vér​bi​os as​so​cia de ma​nei​ra mui​to con​tun​den​te a sa​be​do​-
ria à mo​de​ra​ção da lín​gua. Veja co​mi​go: “Como ma​çãs de ouro em sal​vas de
pra​ta, as​sim é a pa​la​vra dita a seu tem​po.” Pro​vér​bi​os 25.11

“Quem re​tém as pa​la​vras pos​sui o co​nhe​ci​men​to, e o se​re​no de es​pí​ri​to é ho​mem de in​te​li​gên​cia.”


Pro​vér​bi​os 17.27

“O co​ra​ção do sá​bio é mes​tre de sua boca e au​men​ta a per​su​a​são nos seus lá​bi​os.” Pro​vér​bi​os
16.23
CA P Í TU LO 1 7
Usando a Língua
para Edi​fi​car

FAÇA UM COM PRO MIS SO com você mes​ma: vi​gie suas pa​la​vras e as te​nha
em alta con​ta, de ma​nei​ra que se​jam joi​as pre​ci​o​sas que, quan​do che​gam,
acres​cen​tam bên​çãos, aca​len​tam, con​so​lam e edi​fi​cam! Suas pa​la​vras de​-
vem tra​zer paz, re​con​ci​li​a​ção, har​mo​nia. Essa deve ser uma meta de vida
da mu​lher vir​tuo​sa, que bus​ca vi​ver para a gló​ria de Deus! Como le​mos
em Pro​vér​bi​os an​te​ri​or​men​te, nos​sas pa​la​vras, ao in​vés de fe​rir, de​vem
ser me​di​ci​na, tra​zen​do cura!

“Os lá​bi​os do jus​to apas​cen​tam a mui​tos, mas, por fal​ta de sen​so, mor​rem os to​los.” Pro​vér​bi​os
10. 21

“A boca do jus​to pro​duz sa​be​do​ria, mas a lín​gua da per​ver​si​da​de será de​sar​rai​ga​da.” Pro​vér​bi​-
os 10.32

“Pa​la​vras agra​dá​veis são como favo de mel: do​ces para a alma e me​di​ci​na para o cor​po.” Pro​vér​-
bi​os 16.24

“Pra​ta es​co​lhi​da é a lín​gua do jus​to, mas o co​ra​ção dos per​ver​sos vale mui pou​co.” Pro​vér​bi​os
10.20

Pau​lo tam​bém nos exor​ta em Efé​si​os a não per​mi​tir que pa​la​vras tor​-
pes sai​am de nos​sa boca, mas “uni​ca​men​te a que for boa para edi​fi​ca​ção, con​-
for​me a ne​ces​si​da​de, e, as​sim, trans​mi​ta gra​ça aos que ou​vem.” Per​ce​ba que a
Pa​la​vra de Deus não ape​nas en​si​na o que não de​ve​mos fa​zer, mas a re​li​-
gi​ão ver​da​dei​ra subs​ti​tui os ve​lhos há​bi​tos pe​ca​mi​no​sos por con​du​tas
san​tas! Não ape​nas des​car​ta​mos pa​la​vre​a​dos chu​los, im​pu​ros, mas tam​-
bém usa​mos nos​sas pa​la​vras para o que é bom para edi​fi​ca​ção, ou sim​-
ples​men​te para o que é útil “trans​mi​tin​do gra​ça aos que ou​vem”, sig​ni​fi​can​-
do pelo ter​mo ‘gra​ça’, con​for​to, ad​mo​es​ta​ção e tudo quan​to co​o​pe​ra na
sal​va​ção. Não se tra​ta aqui de uma lin​gua​gem ba​ju​la​do​ra, mas, como vi​-
mos, in​clu​si​ve, uma lin​gua​gem que re​preen​de quan​do ne​ces​sá​rio. Mas,
tan​to no caso de tra​zer con​for​to, quan​to no de Cor​ri​gir o fal​to​so, o ob​je​ti​-
vo é um só: co​ad​ju​var para que a vida es​pi​ri​tu​al de meus ir​mãos seja fru​-
tí​fe​ra!

Como Pau​lo nos pre​vi​ne em Co​los​sen​ses 4:6, as nos​sas pa​la​vras de​-


vem ser sem​pre agra​dá​veis e tem​pe​ra​das com sal, para sa​ber​mos res​pon​-
der a cada um. João Cal​vi​no ex​pli​ca de​ta​lha​da​men​te o que isso in​di​ca:

“Ele re​quer uma lin​gua​gem su​a​ve, de modo que os ou​vin​tes se sin​tam atra​í​dos por sua uti​li​da​de,
pois ele não con​de​na me​ra​men​te as co​mu​ni​ca​ções que são fran​ca​men​te per​ver​sas ou ím​pi​as, mas
tam​bém as que são in​ú​teis e oci​o​sas. Daí ele de​se​ja que se​jam tem​pe​ra​das com sal... pois ele con​si​-
de​ra in​sí​pi​do tudo quan​to não vi​sas​se à edi​fi​ca​ção. O ter​mo gra​ça é em​pre​ga​do no mes​mo sen​ti​do,
como sen​do opos​to à ta​ga​re​li​ce, ao sar​cas​mo e toda sor​te de fu​ti​li​da​des que são ou in​ju​ri​o​sas ou
sem va​lor”15

15 João Cal​vi​no. Co​men​tá​rio do li​vro de Co​los​sen​ses. Edi​to​ra Fiel, pp.584-585.


CA P Í TU LO 1 8
E Quando Falam
Mal de Mim?

CER TA MEN TE A FO FO CA e a ma​le​di​cên​cia to​mam ou​tra co​no​ta​ção quan​do


são fei​tas con​tra nós. En​quan​to nós es​ta​mos fa​lan​do de ou​tras pes​so​as ou
es​pa​lhan​do seus de​fei​tos aos qua​tro ven​tos, nos sen​ti​mos ‘de​fen​so​res da
ver​da​de’! En​tre​tan​to, quan​do nós so​mos o alvo das in​tri​gas e me​xe​ri​cos,
aí sen​ti​mos, na pele, a for​ça que es​ses pe​ca​dos têm. Gos​ta​ria de di​vi​dir
esse tema em duas par​tes: Quan​do fa​lam de nós com ra​zão, e quan​do fa​-
lam de nós sem ra​zão.
Quando falam de nós com razão
Se a es​pe​cu​la​ção e os bo​a​tos que es​tão sen​do ven​ti​la​dos so​bre nós
são ver​da​dei​ros, já de​ví​a​mos es​pe​rar por isso. Em​bo​ra seja pe​ca​do con​tra
o nono man​da​men​to fo​fo​car so​bre as fa​lhas e pe​ca​dos alhei​os, quan​do
da​mos mo​ti​vos, es​ta​mos co​la​bo​ran​do! O povo já gos​ta de fa​lar quan​do
não acon​te​ce nada! Quan​do acon​te​ce mes​mo en​tão... Lem​bro-me da​que​le
tex​to de Pe​dro que diz que so​frer​mos afron​tas pelo nome de Cris​to é mo​-
ti​vo de ale​gria, mas se so​fre​mos por​que pe​ca​mos...

“Se, pelo nome de Cris​to, sois in​ju​ri​a​dos, bem-aven​tu​ra​dos sois, por​que so​bre vós re​pou​sa o Es​pí​-
ri​to da gló​ria e de Deus. Não so​fra, po​rém, ne​nhum de vós como as​sas​si​no, ou la​drão, ou
mal​fei​tor, ou como quem se in​tro​me​te em ne​gó​ci​os de ou​trem; mas se so​frer como cris​tão,
não se en​ver​go​nhe.” I Pe​dro 4.14-15

So​frer por amor a Cris​to é hon​ro​so, so​frer por que pe​ca​mos é ver​go​-
nho​so. Des​sa ma​nei​ra, quan​do so​fre​mos por cau​sa do nos​so pe​ca​do não
po​de​mos se​quer pen​sar em re​cla​mar. So​frer por​que pe​ca​mos é jus​to! Por
isso as la​mú​ri​as e quei​xas são in​ca​bí​veis. Es​ta​mos so​fren​do as con​se​-
quên​ci​as de nos​sos pe​ca​dos, mes​mo que a ad​mi​nis​tra​ção des​se ju​í​zo, pe​-
las mãos dos ho​mens, não re​pre​sen​tem a mi​se​ri​cór​dia e ju​í​zo de Deus.
Nes​se caso de​ve​mos nos re​sig​nar, en​tre​gan​do ao Se​nhor, o Reto Juiz, e
dis​pos​tos a re​ce​ber a dis​ci​pli​na que vem de Deus, por meio de mãos hu​-
ma​nas, sa​be​do​res que me​re​ce​mos ju​í​zo ain​da mais se​ve​ro!
Quando falam de nós sem razão
Esta é uma ex​pe​ri​ên​cia amar​ga que, in​du​bi​ta​vel​men​te, mui​tas de
nós já vi​ve​mos. Se não en​ca​rar​mos si​tu​a​ções as​sim di​an​te da pers​pec​ti​va
bí​bli​ca, o pe​sar e o des​gos​to po​dem se apo​de​rar de nós de for​ma avas​sa​-
la​do​ra. Ser alvo de men​ti​ras e ver es​tas men​ti​ras sen​do re​pe​ti​das e re​con​-
ta​das, pode ge​rar aba​ti​men​to de alma. Essa pode ser a por​ta de en​tra​da
para ou​tros pe​ca​dos. Por isso é tão im​por​tan​te o en​ten​di​men​to bí​bli​co so​-
bre o so​fri​men​to.

Davi co​nhe​cia bem esse as​sun​to. Pas​sou gran​de par​te de sua vida fu​-
gin​do, se es​con​den​do, sen​do acu​sa​do por Saul de es​tar que​ren​do to​mar-
lhe o rei​no. As fo​fo​cas não eram ame​nas e suas con​se​quên​ci​as po​de​ri​am
ser trá​gi​cas. Davi cor​ria ris​co de vida por cau​sa de​las! Sua afli​ção era tão
gran​de que ele te​mia pe​car con​tra o Se​nhor ao abrir a boca in​de​vi​da​men​-
te. Por isso, e nes​se con​tex​to, ele orou:

“Põe guar​da, Se​nhor, à mi​nha boca; vi​gia a por​ta dos meus lá​bi​os. Não per​mi​tas que o meu co​ra​-
ção se in​cli​ne para o mal, para a prá​ti​ca da per​ver​si​da​de...” Sal​mos 141.3-4

João Cal​vi​no ex​pli​ca:

“Como Davi es​ta​va su​jei​to a ser fe​ri​do, em de​cor​rên​cia da fú​ria de​sen​fre​a​da e ir​res​tri​ta de seus
ini​mi​gos, e por isso ser ten​ta​do a agir de ma​nei​ra in​jus​ti​fi​cá​vel, ele ora em bus​ca de ori​en​ta​-
ção di​vi​na, não para que fos​se pou​pa​do da vi​o​lên​cia fí​si​ca, e sim para que sua lín​gua fos​se re​fre​a​da
de ex​pres​sar re​pri​men​das ou pa​la​vras de quei​xa. Mes​mo as pes​so​as de tem​pe​ra​men​to mais equi​li​-
bra​do, quan​do in​ju​ri​a​das de modo ile​gí​ti​mo, co​me​ça​rão a re​ta​li​ar por fi​ca​rem res​sen​ti​dos pela con​-
du​ta in​con​ve​ni​en​te de seus ini​mi​gos. De acor​do com isso, Davi orou para que sua lín​gua fos​se im​-
pe​di​da, pelo Se​nhor, de ex​pres​sar qual​quer pa​la​vra im​pró​pria. Em se​gui​da, ele pe​diu que seu co​ra​-
ção fos​se guar​da​do de to​dos ar​ti​fí​ci​os ma​lé​vo​los que pu​des​sem re​sul​tar em vin​gan​ça... Vis​to que
nada é mais di​fí​cil às ví​ti​mas de per​se​gui​ção in​jus​ta do que o re​fre​a​rem a lín​gua e se sub​me​te​rem,
com si​lên​cio e sem quei​xas, às in​jú​ri​as, Davi pre​ci​sa​va ro​gar que sua boca fos​se fe​cha​da e guar​da​-
da... ime​di​a​ta​men​te, ele ex​pli​ca que pre​ten​dia di​zer que não de​se​ja​va in​tro​me​ter-se com eles na
per​ver​si​da​de e, as​sim, igua​lar-se aos seus ini​mi​gos... Ao en​tre​gar-se à ori​en​ta​ção di​vi​na, Davi re​-
co​nhe​ce a ne​ces​si​da​de da in​flu​ên​cia do Es​pí​ri​to para re​fre​ar sua lín​gua e sua men​te, par​ti​cu​lar​-
men​te quan​do ten​ta​do a exas​pe​rar-se pela in​so​lên​cia da opo​si​ção. Se por um lado, a lín​gua é pas​sí​-
vel de des​li​ze e apres​sa​da de​mais a fa​lar, a me​nos que seja con​ti​nu​a​men​te vi​gi​a​da e guar​da​da por
Deus, há, por ou​tro lado, afe​tos ín​ti​mos de​sor​de​na​dos que exi​gem res​tri​ção.

Que fá​bri​ca agi​ta​da é o co​ra​ção do ho​mem, e quan​tos pro​du​tos são


ali ma​nu​fa​tu​ra​dos a todo ins​tan​te! Se Deus não vi​gi​ar o nos​so co​ra​ção e
lín​gua, não ha​ve​rá, re​co​nhe​ci​da​men​te, li​mi​tes para as pa​la​vras e pen​sa​-
men​tos pe​ca​mi​no​sos. O dom do es​pí​ri​to na mo​de​ra​ção do fa​lar é tão
raro, que Sa​ta​nás está sem​pre fa​zen​do su​ges​tões que se​rão ime​di​a​ta e fa​-
cil​men​te co​lo​ca​das em prá​ti​ca, se Deus não in​ter​vir.”16

Numa cir​cuns​tân​cia pa​re​ci​da Davi re​co​nhe​ce a com​ple​xi​da​de que


era man​ter-se puro, en​quan​to pe​ca​vam con​tra ele. Como era di​fí​cil ter
pa​ci​ên​cia em meio a tão gran​de e di​fí​cil pro​va. Ele re​co​nhe​ce que, en​-
quan​to o per​se​gui​am e in​ju​ri​a​vam, seu co​ra​ção tam​bém es​ta​va sen​do
pers​cru​ta​do:

“Dis​se co​mi​go mes​mo: Guar​da​rei os meus ca​mi​nhos, para não pe​car com a lín​gua; po​rei mor​da​ça
à mi​nha boca, quan​do es​ti​ver na mi​nha pre​sen​ça o ím​pio.” Sal​mo 39.1

João Cal​vi​no ob​ser​va:

“Ain​da que sub​ju​ga​ra seu co​ra​ção à pa​ci​ên​cia, e re​sol​ve​ra guar​dar si​lên​cio, con​tu​do a vi​o​lên​cia de
sua tris​te​za foi tal que o for​çou a que​brar sua re​so​lu​ção e ar​ran​cou dele, se as​sim po​de​mos fa​lar,
ex​pressões que in​di​cam que ele dera va​zão a um imo​de​ra​do grau de dor... Não é sem ra​zão que ele
vi​ves​se tão aten​to no exer​cí​cio da vi​gi​lân​cia so​bre si mes​mo. Ele agia as​sim em vir​tu​de de ser
cons​ci​en​te de sua de​bi​li​da​de pes​so​al, e tam​bém co​nhe​cia mui​to bem os múl​ti​plos in​ven​tos de Sa​ta​-
nás. Ele, pois, olha​va para a di​rei​ta e para a es​quer​da, e vi​gi​a​va de to​dos os la​dos para que a ten​ta​-
ção não o apa​nhas​se des​pre​ve​ni​do e en​con​tras​se uma fres​ta pela qual pu​des​se atin​gir seu co​ra​-
ção...”

Ao di​zer: Guar​da​rei a mi​nha boca com mor​da​ça, a fim de não pe​car


com mi​nha lín​gua, o sal​mis​ta não deve ser en​ten​di​do como a res​trin​gir e
ocul​tar sua tris​te​za... Mas como não há nada mais en​ga​no​so e de​vas​so do
que a lín​gua, Davi de​cla​ra ha​ver se em​pe​nha​do com a má​xi​ma pru​dên​cia
para re​fre​ar suas afli​ções, para que nem se​quer uma pa​la​vra es​ca​pas​se de
seus lá​bi​os que de​nun​ci​as​se nele a mí​ni​ma im​pa​ci​ên​cia.”17

O Sal​mo 139 é ou​tro be​lís​si​mo exem​plo e deve ser​vir para aqui​e​tar


nos​so co​ra​ção e nos en​si​nar a for​ma como de​ve​mos nos por​tar di​an​te de
acu​sa​ções in​ve​rí​di​cas. O con​tex​to em que esse Sal​mo foi es​cri​to nos traz
luz so​bre o seu de​sen​ro​lar. Davi pre​ten​dia de​cla​rar-se ino​cen​te das fal​sas
e men​ti​ro​sas acu​sa​ções que es​ta​vam sen​do fei​tas a ele. Para isso, ele co​-
me​ça de​cla​ran​do a onis​ci​ên​cia ab​so​lu​ta e so​be​ra​na de Deus como aque​le
que co​nhe​ce cada de​ta​lhe em toda a cri​a​ção e que o co​nhe​cia pro​fun​da​-
men​te des​de an​tes de sua con​cep​ção. Pen​sar des​sa for​ma tra​zia se​gu​ran​-
ça ao sal​mis​ta. O Se​nhor o co​nhe​cia de fato! Ele pre​ten​de dei​xar cla​ra sua
ino​cên​cia nos pe​ca​dos que es​ta​vam atri​bu​in​do a ele, e to​ma​va o so​be​ra​no
Se​nhor e cri​a​dor como sua tes​te​mu​nha! Cal​vi​no ex​pli​ca as​sim:

“...Davi in​sis​te, em ter​mos ge​rais, so​bre a ver​da​de de que nada pode en​ga​nar a ob​ser​va​ção di​vi​na.
Ele ilus​tra essa ver​da​de a par​tir da for​ma​ção ori​gi​nal do ho​mem, pois aque​le que nos for​mou no
ven​tre de nos​sa mãe e co​mu​ni​cou uma fun​ção es​pe​cí​fi​ca a cada mem​bro do nos​so cor​po, é im​pos​sí​-
vel que Ele seja ig​no​ran​te de nos​sas ações... “

Davi de​cla​ra, no iní​cio des​se Sal​mo, que não se apro​xi​ma de Deus


com qual​quer ideia de que é pos​sí​vel al​guém ser bem-su​ce​di​do em usar
o en​ga​no, como os hi​pó​cri​tas que ti​ram van​ta​gens de es​con​de​ri​jos se​cre​-
tos para con​ti​nu​a​rem em suas sa​tis​fa​ções pe​ca​mi​no​sas. Davi, po​rém,
expõe vo​lun​ta​ri​a​men​te os re​ces​sos mais re​côn​di​tos de seu co​ra​ção para
se​rem ins​pe​ci​o​na​dos como al​guém que está con​vic​to da im​pos​si​bi​li​da​de
de en​ga​nar a Deus. Ele diz: A ti, Ó Deus, per​ten​ce o son​dar cada pen​sa​-
men​to se​cre​to; não exis​te algo que pos​sa es​ca​par à tua ob​ser​va​ção. Davi
in​sis​te nos de​ta​lhes para mos​trar que toda a sua vida era ple​na​men​te co​-
nhe​ci​da por Deus, que o vi​gi​a​va em to​dos os seus mo​vi​men​tos — quan​-
do dor​mia, quan​do se le​van​ta​va ou quan​do ca​mi​nha​va. Davi que​ria di​-
zer que es​ta​va cer​ca​do de to​dos os la​dos e, as​sim, sob a vi​gi​lân​cia dos
olhos de Deus; por isso, não po​de​ria es​ca​par para lu​gar ne​nhum.”18

Cer​to, en​tão, de que seu Se​nhor o co​nhe​cia bem e sa​bia que ele não
era cul​pa​do das acu​sa​ções que in​ten​ta​vam con​tra ele, Davi, ago​ra, de​cla​-
ra que há gran​de di​fe​ren​ça en​tre ele e os ini​mi​gos de Deus:

“Não os abor​re​ço eu, Se​nhor, os que te abor​re​cem? E não abo​mi​no os que con​tra ti se le​van​tam?”
v.21

Ele faz uma cla​ra dis​tin​ção en​tre ele e os ho​mens que amam a ini​qui​-
da​de. Não obs​tan​te, ao com​pa​re​cer di​an​te do Deus onis​ci​en​te, que sabe
de ab​so​lu​ta​men​te to​das as coi​sas, ele O con​vi​da a son​dar seu co​ra​ção:
“Son​da-me, Ó Deus, e co​nhe​ces o meu co​ra​ção, pro​va-me e co​nhe​ces os meus
pen​sa​men​tos; vê se há em mim al​gum ca​mi​nho mau...” (v.23-24). Davi sa​bia, e
ti​nha Deus como tes​te​mu​nha, que era ino​cen​te das ini​qui​da​des que o es​-
ta​vam acu​san​do. EN​TRE​TAN​TO... se co​nhe​cia o su​fi​ci​en​te para sa​ber
que não era ino​cen​te de ou​tros pe​ca​dos. Na​que​la fa​lha ele não ha​via ca​í​-
do, mas em ou​tras. Veja como Cal​vi​no ex​pli​ca es​ses ver​sos:

“O fato de que ele se sub​me​tia com tan​ta ou​sa​dia ao ju​í​zo de Deus (Son​da-me!) in​di​ca con​fi​an​ça
in​co​mum. Mas, es​tan​do ple​na​men​te con​vic​to de sin​ce​ri​da​de em sua re​li​gi​ão, o sal​mis​ta não se co​-
lo​cou tão con​fi​an​te​men​te pe​ran​te o tri​bu​nal de Deus sem a de​vi​da con​si​de​ra​ção. Tam​pou​co de​ve​-
mos ima​gi​nar que ele ale​ga​va es​tar isen​to de todo pe​ca​do, pois ge​mia sob o far​do de suas trans​-
gressões. Em tudo que di​zem a res​pei​to de sua in​te​gri​da​de, os san​tos sem​pre de​pen​dem da gra​ça
de Deus... ao mes​mo tem​po que o sal​mis​ta nega que seu co​ra​ção era dú​bio ou in​sin​ce​ro, ele não
pro​fes​sa isen​ção de todo pe​ca​do; ape​nas diz que não se de​di​ca​va à per​ver​si​da​de.”19

Que ma​nei​ra bri​lhan​te de en​fren​tar uma acu​sa​ção e di​fa​ma​ção in​jus​-


tas! Que co​nhe​ci​men​to Davi ti​nha de sua pró​pria na​tu​re​za e do Deus a
quem ser​via! Que en​si​no ines​ti​má​vel re​ce​be​mos des​se Sal​mo! Apren​da​-
mos com Davi a re​ce​ber afron​tas e in​jú​ri​as! Não so​mos acha​dos cul​pa​das
di​an​te de Deus do pe​ca​do que nos acu​sam? Ale​luia! Ele nos pre​ser​vou
des​se pe​ca​do, mas não pen​se​mos que so​mos po​bres coi​ta​das, que nos​sa
dig​ni​da​de está sen​do afron​ta​da e que es​ta​mos sen​do in​jus​ti​ça​das. Não
co​me​te​mos esse pe​ca​do, mas so​mos cul​pa​das de tan​tos ou​tros, que nem
nos lem​bra​mos, que nos tor​na​mos im​pos​si​bi​li​ta​das de fi​car re​que​ren​do
jus​ti​ça, ou que o nos​so au​gus​to nome seja lim​po! Lem​bro-me de uma his​-
tó​ria que li, já não me lem​bro onde, de um ser​vo de Deus que es​ta​va sen​-
do di​fa​ma​do. As coi​sas que es​ta​vam es​pa​lhan​do so​bre ele eram men​ti​ras.
E em cer​to mo​men​to al​guém per​gun​tou: você não vai se de​fen​der? Es​tão
fa​lan​do es​sas coi​sas ter​rí​veis so​bre você! E sua res​pos​ta foi sur​preen​den​-
te: Se eles me co​nhe​ces​sem um pou​qui​nho me​lhor, es​ta​ri​am fa​lan​do ain​-
da mais: sou mui​to pior que tudo isso! Esse é um ho​mem que co​nhe​ce a
si mes​mo, que sabe que está nu di​an​te do Todo Po​de​ro​so e que to​dos os
seus mais ín​ti​mos pen​sa​men​tos es​tão pa​ten​tes di​an​te de Seus olhos!

Em ou​tra oca​si​ão Davi agiu da mes​ma for​ma! Vo​cês se lem​bram


quan​do Davi foi ex​pul​so do rei​no por seu pró​prio fi​lho Ab​sa​lão? Um ho​-
mem da fa​mí​lia de Saul, cha​ma​do Si​mei, co​me​çou a ati​rar pe​dras em
Davi, a amal​di​çoá-lo e a acu​sá-lo fal​sa​men​te:

“Ati​ra​va pe​dras con​tra Davi e con​tra to​dos os seus ser​vos... Amal​di​ço​an​do-o, di​zia Si​mei: Fora
da​qui, fora, ho​mem de san​gue, ho​mem de Be​li​al (im​pres​tá​vel, com​pa​nhei​ro vil, des​trui​ção); o Se​-
nhor te deu, ago​ra, a paga de todo o san​gue da casa de Saul, cujo rei​no usur​pas​te... En​tão, Abi​-
sai, fi​lho de Ze​ruia, dis​se ao rei: Por que amal​di​ço​a​ria este cão mor​to ao rei, meu se​nhor? Dei​xa-
me pas​sar e lhe ti​ra​rei a ca​be​ça. Res​pon​deu o rei: Que te​nho eu con​vos​co, fi​lhos de Ze​ruia? Ora,
dei​xai-o amal​di​ço​ar; pois, se o SE​NHOR lhe dis​se: Amal​di​çoa a Davi, quem di​ria: Por que as​sim
fi​zes​te? Dis​se mais Davi a Abi​sai e a to​dos os seus ser​vos: Eis que meu pró​prio fi​lho pro​cu​ra ti​rar-
me a vida, quan​to mais ain​da este ben​ja​mi​ta? Dei​xai-o; que amal​di​çoe, pois o SE​NHOR lhe or​de​-
nou. Tal​vez o SE​NHOR olha​rá para a mi​nha afli​ção e o SE​NHOR me pa​ga​rá com bem a sua mal​-
di​ção des​te dia. Pros​se​gui​am, pois, o seu ca​mi​nho, Davi e os seus ho​mens; tam​bém Si​mei ia ao
lon​go do mon​te, ao lado dele, ca​mi​nhan​do e amal​di​ço​an​do, e ati​ra​va pe​dras e ter​ra con​tra ele.” II
Sa​mu​el 16.6-13

Ah, como pre​ci​sa​mos apren​der com Davi! Como ne​ces​si​ta​mos ti​rar


nos​sos olhos de nos​so so​fri​men​to, ape​nas, e en​ten​der que o que está em
jogo no pal​co des​se mun​do é a gló​ria e a jus​ti​ça de Deus e não a nos​sa
pró​pria. Como ne​ces​si​ta​mos as​si​mi​lar que o mun​do não gira em tor​no de
nos​sa dor e que sem​pre que es​ta​mos apa​nhan​do da mão pe​sa​da de Deus,
de​ve​mos nos sub​me​ter, nos ca​lar e lem​brar que, se não te​mos cul​pa num
de​ta​lhe, te​mos cul​pa no todo, e cer​ta​men​te o Se​nhor quer nos dis​ci​pli​nar,
mes​mo usan​do a im​pi​e​da​de, a mal​da​de e as men​ti​ras que são lan​ça​das
so​bre nós! O foco deve ser sem​pre o meu pró​prio pe​ca​do, deve ser sem​-
pre bus​car em mim a ra​zão de meu so​fri​men​to e dor.

É cla​ro que, se in​jus​ti​ças são fei​tas a você e ca​lú​ni​as são es​pa​lha​das


en​vol​ven​do seu nome, Deus re​que​re​rá jus​ti​ça. Ele é a pró​pria ver​da​de e
ama a jus​ti​ça! Mas esta é a ta​re​fa dada pelo Se​nhor:

“... aben​ço​ai os que vos per​se​guem, aben​ço​ai e não amal​di​ço​eis... Não tor​neis a nin​guém mal por
mal... não vos vin​gueis a vós mes​mos, mas daí lu​gar à ira (de Deus); por​que está es​cri​to: A mim
me per​ten​ce a vin​gan​ça; eu é que re​tri​bui​rei, diz o Se​nhor. Pelo con​trá​rio, se o teu ini​mi​go ti​ver
fome, dá-lhe de co​mer; se ti​ver sede, dá-lhe de be​ber; por​que fa​zen​do isto, amon​to​a​rás bra​sas vi​vas
so​bre a sua ca​be​ça.” Ro​ma​nos 12. 14-20

O tex​to exi​be de for​ma in​con​tes​tá​vel a pre​mis​sa de que não po​de​-


mos re​sis​tir e ir con​tra os que nos di​fa​mam e nos fa​zem mal. Essa não é a
nos​sa fun​ção. As ati​tu​des pe​ca​mi​no​sas de cada ho​mem se​rão de​vi​da​-
men​te ava​li​a​da e jul​ga​da por quem não se en​ga​na e por Aque​le que son​-
da ra​zões, mo​ti​va​ções e in​ten​tos. Ele é o Juiz! A nós, cabe o per​dão, o cui​-
dar quan​do ne​ces​sá​rio, o tor​nar a olhar para nós. O fato de es​ta​rem pe​-
can​do con​tra nós não nos dá o di​rei​to de pe​car con​tra eles. Não ga​nha​-
mos um pas​se li​vre para pe​car con​tra quem está nos di​fa​man​do.

Tam​bém cabe a nós son​dar o co​ra​ção para ver se es​ta​mos tão abor​re​-
ci​das por mo​ti​vos pe​ca​mi​no​sos. Quem nós acha​mos que so​mos, que tan​-
ta san​ti​da​de é essa que te​mos, que nos faz fi​car tão exas​pe​ra​das quan​do
fa​zem fo​fo​cas a nos​so res​pei​to? Será que te​mos nos es​ti​ma​do em alta
con​ta além do li​mi​te? Será que me te​nho por tão reta e tão jus​ta que nin​-
guém de​ve​ria ou​sar fa​lar meu nome com ma​le​di​cên​cia? Quan​tas ve​zes
eu mes​ma já não fiz a mes​ma coi​sa? Por que, en​tão, tan​ta in​dig​na​ção?

Em to​das es​tas cir​cuns​tân​ci​as, quer se​ja​mos cul​pa​das ou ino​cen​tes,


de​ve​mos cui​dar de nos​so co​ra​ção, en​tre​gan​do-nos àque​le que jul​ga re​ta​-
men​te e ten​do uma vi​são acu​ra​da de quem so​mos e do que me​re​ce​mos.
Po​de​mos sim, cho​rar e la​men​tar, mas nun​ca nos en​tre​gar às la​mú​ri​as e à
au​to​pi​e​da​de. Pre​ci​sa​mos ti​rar pro​vei​to e apren​der a vi​ver nes​se mun​do,
bus​can​do a gló​ria da​que​le que nos re​di​miu! Quer você seja cul​pa​da ou
ino​cen​te das his​tó​ri​as es​pa​lha​das a seu res​pei​to, cer​ti​fi​que-se de que to​-
das as ati​tu​des ne​ces​sá​ri​as e re​que​ri​das nes​ta si​tu​a​ção fo​ram to​ma​das.
Seu pe​ca​do foi con​fes​sa​do e aban​do​na​do? Como está sua cons​ci​ên​cia di​-
an​te de Deus? Qual o seu es​ta​do, nes​ta si​tu​a​ção, di​an​te da​que​le que re​al​-
men​te im​por​ta? Não se pre​o​cu​pe tan​to com o que es​tão fa​lan​do so​bre
você. Tal​vez pou​ca coi​sa, ou nada, você pos​sa fa​zer a res​pei​to. Con​ten​te-
se e con​for​te-se em sa​ber que Deus sabe tudo que re​al​men​te acon​te​ceu,
no que você é cul​pa​da e no que é ino​cen​te, e que em Suas mãos está o
per​dão. É na pre​sen​ça dele que você está o tem​po todo, e a Ele pres​ta​rá
con​tas. Isso deve aqui​e​tar e sos​se​gar seu pe​sa​ro​so co​ra​ção.

Que ao fi​nal des​te pe​que​no en​saio você te​nha sido tão con​fron​ta​da
quan​to eu fui. Que você te​nha apren​di​do a olhar mais para você mes​ma e
seu pró​prio pe​ca​do do que para seu ir​mão. E, prin​ci​pal​men​te, que te​nha
um de​se​jo in​can​sá​vel de lu​tar con​tra os de​se​jos que mi​li​tam na nos​sa car​-
ne. Mi​nha ora​ção é que per​si​ga​mos o alvo de lu​tar com to​das as nos​sas
for​ças, du​ran​te toda a nos​sa vida, con​tra os pe​ca​dos da lín​gua. Que nos​so
co​ra​ção seja mes​tre de nos​sa boca (Pro​vér​bi​os 16.12), e que ou​ça​mos
aten​tas a re​preen​são:

“...Todo ho​mem, pois, seja pron​to para ou​vir, TAR​DIO PARA FA​LAR, tar​dio para se irar.” Ti​a​go
1.9

“A mor​te e a vida es​tão no po​der da lín​gua; o que bem a uti​li​za come do seu fru​to.” Pro​vér​bi​os
18.21

16 João Cal​vi​no. Co​men​tá​rio do li​vro de Sal​mos. Edi​to​ra Fiel, vol.4, pp. 512-514).
17 João Cal​vi​no. Co​men​tá​rio do li​vro de Sal​mos. Edi​to​ra Fiel, vol.2, pp. 196-197.
18 João Cal​vi​no. Co​men​tá​rio do li​vro de Sal​mos. Edi​to​ra Fiel, vol.4, p.482.
19 João Cal​vi​no. Co​men​tá​rio do li​vro de Sal​mos. Edi​to​ra Fiel, vol.4, pp.449-500.
AD​QUI​RA NOS​SOS E-BO​OKS NA AMA​ZON OU BRO​CHU​RAS NA LOJA CLI​RE!

Al​guns des​ses tí​tu​los tam​bém es​tão dis​po​ní​veis em capa co​mum (pa​per​back) na loja
Ama​zon in​ter​na​ci​o​nal. Pes​qui​se-os pelo tí​tu​lo em por​tu​guês.

• A Ceia do Se​nhor (Tho​mas Wat​son)

• A Con​fis​são de Fé Bel​ga

• Ado​ra​ção Evan​gé​li​ca (Je​re​mi​ah Bur​roughs)

• A Fa​mí​lia na Igre​ja (Joel Beeke)

• A Igre​ja Apos​tó​li​ca (Tho​mas Wi​the​row)

• A Igre​ja de Cris​to (Ja​mes Ban​ner​man)

• A Igre​ja no Ve​lho Tes​ta​men​to (Pau​lo Bra​sil)

• A Pa​la​vra Fi​nal (O. Pal​mer Ro​bert​son)

• As Ba​ses Bí​bli​cas para o Ba​tis​mo In​fan​til (Dwight Her​vey Small)

• As Três For​mas de Uni​da​de das Igre​jas Re​for​ma​das

• A Vi​são Fe​de​ral (Alan Ale​xan​dri​no)

• Cren​te Tam​bém Tem De​pres​são (Da​vid Mur​ray)

• Cris​ti​a​nis​mo e Li​be​ra​lis​mo (J. Gresham Ma​chen)

• Fa​zen​do a Fé Nau​fra​gar (Ke​vin Reed)

• Fi​gu​ras do Va​rão, um di​á​lo​go... (Ma​no​el Ca​nu​to)

• Go​ver​no Bí​bli​co de Igre​ja (Ke​vin Reed)

• João Cal​vi​no era As​sim (Thea B. Van Hal​se​ma)

• Ne​o​cal​vi​nis​mo — Uma ava​li​a​ção crí​ti​ca (Cor​ne​lis Pronk)

• No Es​plen​dor da San​ti​da​de (Jon Pay​ne)

• O Ca​te​cis​mo de Hei​del​berg

• O Es​pí​ri​to San​to (John Owen)


• O Es​pí​ri​to San​to (Sin​clair B. Fer​gu​son)

• O Li​vro da Vida (Val​ter Gra​ci​a​no)

• O Mo​der​nis​mo e a Inerrân​cia Bí​bli​ca (Bri​an Schwer​tley)

• O Que Toda a Mãe Gos​ta​ria de Sa​ber So​bre Dis​ci​pli​na Bí​bli​ca (Si​mo​ne Qua​res​ma)

• Os Câ​no​nes de Dort

• Pers​pec​ti​vas So​bre o Pen​te​cos​tes: Es​tu​dos so​bre o En​si​no do Novo Tes​ta​men​to Acer​ca dos
Dons (Ri​chard Gaf​fin)

• Por que De​ve​mos Can​tar os Sal​mos (Joel Beeke; Terry John​son; Da​ni​el Hyde)

• Quan​do o Dia Nas​ceu (Pi​e​ter Jon​ge​ling)

• Que é um Cul​to Re​for​ma​do (Da​ni​el Hyde)

• Re​for​ma On​tem, Hoje e Ama​nhã (Carl Tru​e​man)

• Todo o Con​se​lho de Deus... (Ryan Mc​Graw)

• Um Tra​ba​lho de Amor: Pri​o​ri​da​des pas​to​rais de um pu​ri​ta​no (J. Step​hen Yuil​le)

Li​vros im​pres​sos e pre​ços es​pe​ci​ais, você en​con​tra na loja Cli​re.

Aces​se loja.cli​re.org
Ins​ta​le nos​so apli​ca​ti​vo cli​can​do aqui. É de gra​ça!

Pro​je​to Os Pu​ri​ta​nos

www.os-pu​ri​ta​nos.com