Sei sulla pagina 1di 15

AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Daniel 9.24-27
Pr Luciano R. Peterlevitz
Igreja Batista Novo Coração, EBD –
24.01.2016
AS SETENTA SEMANAS
• Considerações preliminares
• A oração de Daniel: v.4b-19.
• A profecia das setenta semanas é uma
resposta imediata à oração de Daniel.
AS SETENTA SEMANAS
• O sentido geral das setenta semanas: v.24
• V.24: “setenta semanas”. Trata-se de semanas
de anos, não de dias. A expressão “setenta
semanas” literalmente significa “setenta
setes”, que resulta no valor de 490. Ou seja, as
setenta semanas são 490 anos.
AS SETENTA SEMANAS
• IMPORTANTE: as setenta semanas são uma
profecia destinada especificamente o povo de
Israel: “Setenta semanas estão decretadas
sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade”.
AS SETENTA SEMANAS
• As setenta semanas foram estabelecidas para:
“fazer cessar a transgressão”
“dar fim aos pecados”
 “expiar a iniquidade”
“trazer a justiça eterna”
 “selar a visão e a profecia”
“ungir o Santo dos Santos”
AS SETENTA SEMANAS
• As divisões das setenta semanas: v.25-27
• As setenta semanas estão claramente
divididas em três períodos:
AS SETENTA SEMANAS
• Primeiro período: “sete semanas” (v.25):
• “Sabe e entende: desde a saída da ordem
para restaurar e para reconstruir Jerusalém
até o ungido, o príncipe, haverá sete
semanas, e sessenta e duas semanas; com
praças e tranqueiras se reedificará, mas em
tempos angustiosos.”
AS SETENTA SEMANAS
• Segundo período: “sessenta e duas semanas”
(v.25):
• “Sabe e entende: desde a saída da ordem para
restaurar e para reconstruir Jerusalém até o
ungido, o príncipe, haverá sete semanas, e
sessenta e duas semanas; com praças e
tranqueiras se reedificará, mas em tempos
angustiosos.”
AS SETENTA SEMANAS
• Terceiro período: a septuagésima semana
(v.26-27)
• V.27: “E ele fará um pacto firme com muitos
por uma semana”.
• O terceiro período se inicia “depois de
sessenta e duas semanas” (v.26). O que marca
essa última “semana” é a morte do Messias
(v.26) e sua aliança com “muitos”, “na metade
da semana” (v.27).
AS SETENTA SEMANAS
• A destruição de Jerusalém
• “e o povo do príncipe que há de vir destruirá a
cidade e o santuário” (v.26).
• “e sobre a asa das abominações virá o assolador”
(v.27).
• O “príncipe” é o general romano Tito, filho do
Imperador Vespasiano, que destruiu Jerusalém
no ano 70 d.C.
• Tito: prefigura o anticristo do final dos tempos
(Mt 24.15; veja ainda Dn 8.13; 11.31; 12.11).
AS SETENTA SEMANAS

Destruição
de
Jerusalém
por Tito

70 DC
AS SETENTA SEMANAS: CONCLUSÕES
• 1) As setenta semanas de Dn 9.24-27 descrevem
o período que se inicia na época da reconstrução
de Jerusalém (especificamente 457 a.C.),
englobando todo o período intertestamentário
até a primeira vinda de Cristo. O ponto
culminante está no meio da septuagésima
semana, situado em aproximadamente 33 d.C.,
quando o Messias morreu e estabeleceu a aliança
com “muitos” (v.27).
AS SETENTA SEMANAS: CONCLUSÕES
• 2) A destruição de Jerusalém ocorreu depois
do período das setenta semanas, em 70 d.C.
Essa desolação da cidade não está incluída nas
setenta semanas, porque o foco da profecia
não é juízo divino, mas o consolo Deus ao
povo judeu mediante a salvação consumada
pelo Messias.
AS SETENTA SEMANAS: CONCLUSÕES
• 3) A profecia das setenta semanas foi dirigida
especificamente ao povo de Israel exilado na Babilônia.
As “setenta semanas” propõem consolo e esperança
para eles. O povo que fora punido por seus pecados
deveria olhar para o futuro sacrífico perfeito do
Messias. À luz do Novo Testamento, podemos afirmar
que a salvação prometida nas setenta semanas foi
efetivada sobre os judeus convertidos a Cristo; mas a
salvação não é somente para judeus, pois os gentios
que creem no evangelho são co-participantes das
promessas feitas à nação de Israel (Ef 3.6).