Sei sulla pagina 1di 44

TERMINOLOGIA TÉCNICA

Desvio, incidente, perigo, risco e acidente.

Profa Patrícia Lopes

SALVADOR
2017
 No dia a dia, usamos os diversos termos como se fossem a mesma coisa, mas apesar de bem
parecidos, guardam significados diferentes, principalmente no que concerne a área de
segurança do trabalho.

 É muito importante conceituarmos cada um dos termos.....

RISCO = PERIGO OU RISCO ≠ PERIGO?


ACIDENTE = INCIDENTE OU ACIDENTE ≠ INCIDENTE?
DESVIO = INCIDENTE OU DESVIO ≠ INCIDENTE?
PERIGO
Fonte ou situação com potencial para provocar danos em termos de lesão, doença, dano à
propriedade, meio ambiente, local de trabalho ou a combinação destes.

“Perigo é uma condição ou um conjunto “Um perigo é um agente químico, biológico


de circunstâncias que têm o potencial de ou físico (incluindo-se a radiação
causar ou contribuir para uma lesão ou eletromagnética) ou um conjunto de condições
morte” (Sanders e McCormick, 1993, p. 675). que apresentam uma fonte de risco mas não o
risco em si”B(Kolluru, 1996, p. 1.13).

Perigo é a propriedade ou condição inerente a


uma substância, atividade ou material capaz
de causar danos às pessoas, as propriedades
ou ao meio ambiente.
Exemplo de Perigo: Torno mecânico, forno de pintura em operação, atividade de carga e
descarga de materiais, processo de soldagem, etc

ATIVIDADES DE PERIGO:

Atividade: Quebra de Piso.


Perigo: Movimentação de Retro escavadeira por
operador desqualificado.

Atividade: Quebra de Piso.


Perigo: Uso do Martelete por trabalhador desqualificado.

Atividade: Trabalho a Quente.


Perigo: Reação Térmica.
Como eliminar uma
condição com potencial
para causar danos?

Adotando todas as Medidas de controle eficazes


RISCO

É a combinação da probabilidade de ocorrência e da consequência de um determinado evento


perigoso.
Risco é o potencial de ocorrência de
“ (…) risco é um resultado medido do consequências indesejáveis decorrente da
efeito potencial do perigo” (Shinar, Gurion exposição do homem ao perigo quando da
e Flascher,1991, p. 1095). realização de uma atividade.

Risco estabelece a probabilidade do efeito


Risco é a combinação da probabilidade da adverso ocorrer em um organismo, sistema ou
ocorrência de um acontecimento perigoso população sob circunstâncias específicas.
ou exposição e da severidade das lesões,
ferimentos, ou danos para a saúde, que
pode ser causada pelo acontecimento ou
pela exposição.

“Risco é a probabilidade ou chance de lesão


ou morte” (Sanders e McCormick, 1993, p. 675).
Exemplo de risco: cortar a mão, perder uma perna, causar problemas na coluna, matar por
intoxicação todos os trabalhadores da fábrica. Note que o risco é o resultado ou a consequência
do perigo. Não existiriam riscos se não existissem perigos.

 Controle dos Riscos

na fonte
na trajetória
no trabalhador

“Só é possível controlar o que se conhece.”


Em resumo...

PERIGO: FONTE GERADORA


RISCO: EXPOSIÇÃO A ESSA FONTE

O PERIGO SEMPRE VAI EXISTIR EM QUALQUER LUGAR OU TRABALHO. A DIFERENÇA É QUE


PODEMOS DIMINUIR OS RISCOS.
Risco Controlado:

É quando os agentes agressivos ao homem, meio ambiente e equipamentos estão contidos em


um nível de segurança adequado.
não controlável controlável
Um piso molhado no setor de trabalho, tem suas seguintes condições:

 Piso molhado;
 Passar no piso molhado;
 Sinalizar ou Secar o piso molhado.

 O perigo nesse caso é o piso estar molhado;


 O risco aumenta consideravelmente ao passar no piso molhado (acidente - escorregões)
 O risco diminui consideravelmente ao sinalizar o perigo ou secar o piso.

Em ambas situações identificamos o PERIGO e avaliamos o RISCO.


Exercício de Fixação

Identificar:

 Risco
 Perigo
 Consequências
 Medidas de controle propostas
É possível eliminarmos o perigo?
Em muitas situações: NÃO

MAS....... Podemos controlar o RISCO

Através de ...
 Treinamento de Segurança: Simulados, Curso básico de segurança, DDS, Treinamentos
periódicos, treinamentos específicos.

 Trabalhar segundo as Normas e procedimentos: Normas e procedimentos BR e NBR´s, NR’s e


portarias.

 Programar as atividades: material, pessoal, tempo, equipamentos, ferramentas, etc.;

 Arrumação – Limpeza – Organização

 Seguir as orientações da PT (Permissão para Trabalho): A PT é aplicável aos trabalhos de


manutenção, montagem, desmontagem, construção, inspeção ou reparo de equipamentos ou
sistemas, além de atividades que envolvam riscos de acidentes com lesão pessoal, danos à saúde,
danos materiais, impacto ao meio ambiente ou descontinuidade operacional que não estejam
contemplados em procedimentos específicos.

 Usar sempre E.P.I. , uniformes e/ou medidas de proteção coletiva.


ACIDENTE
Conceito legal: Acidente do trabalho é todo aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço
da empresa, provocando lesão corporal, perturbação funcional ou doença, que cause morte, perda
ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

Sempre que se falar em definição legal, trata-se da definição oficial, segundo a lei vigente, ou seja, segundo
a lei atual.

Conceito prevencionista: Acidente de trabalho é qualquer ocorrência não programada, inesperada


ou não, portanto indesejável, que interfere ou interrompe o processo normal de uma atividade,
trazendo como consequência isolada ou simultaneamente perda de tempo, dano material ou lesões
ao homem.
Acidente: evento imprevisto e indesejável, instantâneo ou não, que resultou em dano à pessoa
(inclui a doença do trabalho e a doença profissional), ao patrimônio (próprio ou de terceiros)
ou impacto ao meio ambiente.

OBS.: Segundo a legislação brasileira (Lei 8.213/ 91), as doenças ocupacionais estão incluídas
no conceito de acidente do trabalho. Para fins deste padrão elas estão tratadas separadamente
visando um melhor entendimento e aplicação destes critérios.
 São acidentes de trabalho:

 O acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho;


 Doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade ou
pelas condições de trabalho;
 Doenças ocupacionais provocadas pelo trabalho. Ex: problemas de coluna, audição, visão, etc.;
 O acidente sofrido pelo segurado, ainda que fora do local e horário de trabalho:

a) Na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa;


b) Na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo ou proporcionar
proveito;
c) Em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo quando financiada por esta dentro de seus
planos para melhorar capacitação da mão-de-obra, independentemente do meio de locomoção
utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado;
d) No percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio
de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado;
e) Nos períodos destinados à refeição ou ao descanso, ou por ocasião da satisfação de outras
necessidades fisiológicas, no local de trabalho ou durante este, o empregado é considerado no
exercício do trabalho.
Os acidentes de trabalho também podem ser classificados em quatro grupos:

DOENÇA PROFISSIONAL: aquela produzida ou desencadeada pelo exercício do


trabalho peculiar a determinada atividade e constante de relação elaborada;
Ex: Manipulação e fabricação de mercúrio, manganês, chumbo, solda, ácidos e
seus derivados, radiação ionizante e não ionizante, vibração, etc.

DOENÇA DO TRABALHO: Doença do trabalho, ou seja, aquela adquirida ou desencadeada em


função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se
relacione diretamente, constante de relação e comprovação;
Ex: Alergias respiratória, estress, perda auditiva.

ACIDENTE DE TRAJETO:acidente sofrido durante o percurso de sua residência para a empresa e vice-
versa.

ACIDENTES TÍPICOS: Está consagrada na prática para definir a maneira como as pessoas sofrem a
lesão, isto é, como se dá o contato entre a pessoa e o agente lesivo, seja este
contato violento ou não.
Ex: Queda do mesmo nível e nível diferente, Queda de materiais, prensamentos, corte, choque elétrico, esmagamento,
fratura etc...
DOENÇAS PROFISSIONAL X DOENÇA DO TRABALHO

I – DOENÇA PROFISSIONAL, são aquelas produzidas ou


desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada
atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do
Trabalho e da Previdência Social;

Exemplo: Saturnismo (intoxicação provocada pelo chumbo) e


Silicose (sílica).
DOENÇAS PROFISSIONAL X DOENÇA DO TRABALHO

II – DOENÇA DO TRABALHO, são aquelas adquiridas ou


desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é
realizado e com ele se relacione diretamente.

Exemplo: Disacusia (surdez) em trabalho realizado em local


extremamente ruidoso.
CAUSAS DOS ACIDENTES

Atos inseguros;
Condições inseguras;
Fator Pessoal de Insegurança;
Desvios
ATOS INSEGUROS

É a maneira pela qual o trabalhador se expõe, consciente ou


inconscientemente a riscos de acidentes. Em outras palavras é um certo tipo de
comportamento que leva ao acidente. Vemos que se trata de uma violação
de um procedimento consagrado, violação essa, responsável pelo acidente.

EX: Brincadeiras na hora do trabalho, Ferramentas inadequadas, Falta do uso dos EPIs, Correria durante o trabalho,
descumprimento de normas e leis de segurança, Falta de bloqueio , negligência,etc..
CONDIÇÃO DE INSEGURANÇA

São as falhas físicas que comprometem a segurança do trabalhador, em outras palavras, as falhas,
defeitos, irregularidades técnicas, carência de dispositivos de segurança e outros, que põem em
risco a integridade física e/ou a saúde das pessoas e a própria segurança das instalações e dos
equipamentos.
Ex: andaimes mal montados, falta de sinalização, falta de identificação de produtos, escadas sem corrimão, área sem
isolamento, falta de guarda-corpo, rodapé, etc.
CAUSA PESSOAL DE INSEGURANÇA ou FATOR PESSOAL

É a causa relativa ao comportamento humano, que leva à prática do ato inseguro. É a característica mental ou
física que ocasiona o ato inseguro e que em muitos casos também criam condições inseguras ou permitem
que elas continuem existindo.

Os fatores pessoais predominantes são: atitude imprópria (desrespeito às instruções, má interpretação das
normas, nervosismo, excesso de confiança), falta desconhecimento das práticas seguras e incapacidade física
para o trabalho.

Ex: doença familiar, stress, nervosismo, vício, problemas financeiros, etc.


Causas mais frequentes de acidentes:

1 - Modo operatório inadequado à segurança / perigoso – 62%


2 - Sistema/dispositivo de proteção ausente / inadequado por concepção – 8%
3 - Falta ou inadequação de análise de risco da tarefa – 6%
4 - Falha na antecipação / detecção de risco / perigo – 5%
5 - Procedimentos de trabalho inexistentes ou inadequados – 3%
6 - Uso impróprio / incorreto de equipamentos / materiais / ferramentas – 3%
7 - Ausência / insuficiência de treinamento – 3%
8 - Outros fatores do indivíduo não especificados – 3%
9 - Falta de planejamento / de preparação do trabalho – 3%
10 - Circulação de informações deficientes entre contratantes e contratadas – 2%
11- Demais fatores causais – 2%
CLASSIFICAÇÃO DAS LESÕES

Evidentemente, a extensão e gravidade das lesões que sofrem os trabalhadores irão depender da
natureza do acidente. Essa pode ser :

Lesões Imediatas (lesão traumática): são aquelas em que os traumas físicos ou psicológicos se
observam imediatamente, ou no espaço de algumas horas após a ocorrência do acidente. É o caso
das lesões traumáticas como corte, fraturas e escoriações, queimaduras, choques elétricos e
também das intoxicações agudas com substâncias nocivas.

Lesões Mediatas (doença profissional): São aquelas em que os estados patológicos, às vezes,
demoram até anos para se manifestarem. É o caso das intoxicações e das maiorias das doenças
profissionais decorrentes de exposições constantes e prolongada a agentes ambientais agressivos.
As lesões incapacitantes são classificadas em quatro categorias:

1-MORTE: É qualquer fatalidade resultante de uma lesão do trabalho.

2-INCAPACIDADE TOTAL PERMANENTE: É qualquer lesão do trabalho, exceto a morte que incapacite
total e permanente a um trabalhador desempenhar qualquer ocupação lucrativa ou que resulte em:
a) ambos os olhos;
b) um olho e uma das mãos ou um olho e um pé;
c) ambas as mãos ou ambos os pés ou uma das mãos e um pé.

3-INCAPACIDADE PARCIAL PERMANENTE: É qualquer lesão, exceto a morte ou a incapacidade total


permanente, que resulte na completa perda ou inutilização de qualquer membro ou parte de um
membro do corpo; ou qualquer incapacitação permanente de funções do corpo ou de parte dele.

4-INCAPACIDADE TOTAL TEMPORÁRIA: É qualquer lesão do trabalho que não resulte em morte ou
incapacidade permanente, mas ocasiona o afastamento do trabalhador de sua atividade profissional,
por um ou mais dias.
ATITUDES A SEREM TOMADAS APÓS O ACIDENTE:

 Remover o acidentado e encaminhar ao ambulatório médico (em caso de morte solicitar a


perícia da polícia civil, comunicar ao Ministério do Trabalho, isolar a área e esperar para
liberação do corpo e da área);
 Isolar a área do acidente/equipamento ou máquina;
 Reunião SESMT e CIPA;
 Investigação do acidente;
 Criar um plano de ação e acompanhar;
 Preenchimento da CAT;
 Divulgar o acidente e as causas aos empregados.
COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO – CAT

A empresa deverá comunicar o acidente do trabalho, ocorrido com seu empregado, havendo ou
não afastamento do trabalho, até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de
morte, de imediato à autoridade competente, sob pena de multa variável entre o limite mínimo e o
teto máximo do salário-de-contribuição, sucessivamente aumentada nas reincidências, aplicada e
cobrada na forma do artigo109 do Decreto nº 2.173/97.
A comunicação de acidente de trabalho ou doença profissional será feita à Previdência Social por
meio do Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias:

1ª via (INSS),
2ª via (empresa),
3ª via (segurado ou dependente),
4ª via (sindicato de classe do trabalhador).
A CAT pode ser emitida pela empresa ou pelo próprio trabalhador, suas dependentes, entidades
sindicais, médicas ou autoridade o formulário preenchido tem que ser entregue em
uma Agência da Previdência Social.
PREVENÇÃO DE ACIDENTES - INSPEÇÃO DE SEGRANÇA

As inspeções e as campanhas de segurança são as duas maneiras mais eficazes de se praticar


prevenção de acidentes. As Inspeções de Segurança permitem detectar riscos de acidentes,
possibilitando a determinação de medidas preventivas.

As inspeções têm como objetivo:


• Possibilitar a determinação dos meios preventivos, antes da ocorrência dos acidentes;
• Ajudar a fixar nos operários a mentalidade prevencionista;
• Encorajar os próprios operários a agirem como profissionais de segurança e os demais setores da
empresa;
• Despertar nos empregados a necessária confiança na administração;

Antes de desencadearmos uma inspeção alguns pontos básicos devem ser estabelecidos:

•O que inspecionar? •Qual a frequência? •Quem será o responsável? •Quem irá acompanhar?
•Quais os informes que serão necessários? •A quem serão encaminhadas as recomendações?
Você sabia!

 Anualmente o Brasil gasta R$ 32 bilhões com acidentes de trabalho.

 Nos operários, as partes do corpo mais frequentemente atingidas em acidentes de


trabalho são, na ordem: MÃOS; ROSTO; ABDÔMEN; PEITO; PÉS.

 Exatamente por conta desse número alarmante de acidentes do trabalho, é que a área de
segurança do trabalho torna-se uma carreira promissora, onde o mercado demanda cada
vez mais profissionais qualificados.
DESVIO

Qualquer ação ou condição, que está em desacordo com as normas de trabalho procedimentos,
requisitos legais ou normativos, requisitos do sistema de gestão ou boas práticas e que tem
potencial para gerar acidentes e incidentes, conduzindo, direta ou indiretamente, a danos a
pessoas, ao patrimônio (próprio ou de terceiros), ou impacto ao meio ambiente.

Obs.: Desvio sistêmico – É quando um desvio ou um conjunto de desvios ocorrem de forma


repetitiva e frequente.
 TIPOS DE DESVIOS

Descumprimento das normas de segurança de modo consciente (negligência e omissão em


relação ao risco)
 Remover dispositivos de segurança;
 Não cumprir padrões (Ex.: Não usar o EPI exigido);

Exemplos:
Condição no ambiente que cause ou permita a ocorrência de um acidente

 Ferramentas espalhadas, óleo ou graxa nos pisos;


 Andaime sem guarda-corpo (proteção coletiva);

Exemplos:
Exemplos de guarda corpo:
O Fator relativo ao comportamento humano ou situação que o envolve, leva a ocorrência de
incidentes e acidentes:

 Distúrbio emocional, dependência química;


 Falta de treinamento, experiência, especialização/qualificação(imperícia).
INCIDENTE
Incidente: Evento não planejado, imprevisto e indesejável, que tem o potencial de levar a um
acidente. Evento que deu origem a um acidente ou que tinha o potencial de levar a um acidente,
podendo deteriorar ou diminuir a eficiência operacional de uma empresa. Pode ser considerado
como um quase acidente.

OBS.: Os incidentes podem ou não serem acidentes, entretanto, todos os acidentes são incidentes.

OBS.: Os incidentes podem ser classificados como “quase acidentes”, mas os acidentes com danos
a propriedade ou com lesões leves não incapacitante não podem ser considerados como “quase
acidentes”.
 Ao adotarmos as providências necessárias para prevenir e controlar os incidentes, estamos
protegendo a segurança física dos trabalhadores, equipamentos, materiais e o ambiente.

 A eliminação ou o controle de todos os incidentes deve ser a preocupação principal de todos


aqueles que estiverem envolvidos nas questões de prevenção de acidentes ou controle de
perdas.
1- Um trabalhador realizando o carregamento de caixas de mudas para um determinado local. Em
um dado momento a caixa vem a cair. A caixa e as mudas não foram danificadas devido a queda nem
o trabalhador foi lesionado. Apenas ocorreu perda de tempo! Portanto, ocorreu um incidente ou
seja um quase acidente.

2- Dessa vez a caixa e as mudas foram danificadas porém o trabalhador não foi lesionado. Apesar de
não haver lesão houve além de perda de tempo, uma perda material (dano à propriedade) sendo
dessa forma considerado um acidente.

3- Quando a queda da caixa provocou a lesão no homem e a perda do material, neste caso, também
temos um acidente, já que além da perda de tempo houve danos ao operário e a propriedade.

Sem dúvidas a integridade física é muito mais importante que bens materiais portanto devem ser
considerados de maior importância os acidentes com lesão!!!